Você está na página 1de 21

UNIVERSID ADE FEDER AL DO ACRE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA NATUREZA CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO I Docente: Nabiha Bestene Koury

Subprojeto: Aprimorando o aprendizado de química de forma diferenciada

Discentes: Esli dos Santos Marizete Barbosa da Silva

Apresentação de subprojeto a ser trabalhado na E scola Serafim da Silva Salgado com os alunos do 9º ³B´ e ³C´, para a disciplina de Estágio Supervisionado I CELA 115, da Universidade Federal do Acre.

Rio Branco ± ACRE 2011

SUBPROJETO DE ENSINO AULA PRÁTICA DEMONSTRATIVA SOBRE: y y

As mudanças e estados físicos da matéria; Modelos atômicos.

I OBJETIVO GERAL

Uma das ferramentas didáticas que pode auxiliar o professor no processo de ensino aprendizagem é o uso de experimentos no ensino da Química, o experimento é um salto da teoria para a prática trazendo para a vida do aluno experiências práticas com materiais do seu cotidiano. Através das atividades experimentais o aluno poderá dar sentido aos conceitos Químicos (Salvadego e Laburú, 2009). Então cabe ao professor prepará -los e aplicá-los de formas coerente na intenção de ajudar o aluno a aprender, além de despertar um interesse maior da parte do aluno através de uma aula diferenciada e menos cansativa do ensino tradicional e rotineiro. Nesse sentido, as aulas experimentais, não precisam necessariamente de laboratórios sofisticados nem tão pouco práticas complexas.

II OBJETIVOS ESPECÍFICOS y

Realizar a prática experimental com o objetivo de que os alunos possam compreender a importância da Química para a sociedade atual e para suas vidas;

y

Abordar na hora dos experimentos de que forma são encontrados e usados os elementos químicos utilizados na aula prática em nosso cotidiano; Contribuir para que esses alunos/cidadãos em formação possam se tornar mais conscientes através do conhecimento prático/científico a participarem de forma crítica na sociedade na qual estão in seridos.

y

o ensino da química aliado às aulas experimentais têm o caráter de estratégias educativas. selecionando informações importantes podem ser uma ponte de ligação com outras informações já vistas em sala de aula e que já sejam familiares ao aluno. IV SERÃO PROPOSTOS OS EXPERIMENTOS QUE SE ENCONTRAM NO APÊNDICE ± A DESTE SUBPROJETO V RESULTADOS ESPERADOS Visto que o ensino da química atual não tem atendido à necessidade de um curso voltado para a formação da cidadania. pois funcionam como uma descoberta da realidade. questionador. visto que durante as aulas práticas notou -se boa recepção . por que determinado fato esta acontecendo. a ser observador. perceber outras possibilidades e forma seus próprios argumentos. a aula experimental é uma quebra da rotina. onde o aluno aprende pensar. tal como posicionamento crítico concernente a cidadania para problemas sociais e ambientais relevantes. dessa forma é mais fácil fixar o conteúdo. nos quais exigem um posi cionamento responsável que contribuam para sua solução. Neste sentido. Sendo assim. espera-se que este trabalho contribua para uma compreensão dos alunos do 9º ano da ESCOLA SERAFIM DA SILVA SALGADO sobre a importância da Química tão presente no nosso cotidiano. desenvolvendo habilidades básicas ao aluno. a usar o raciocínio.III METODOLOGIA O que se pretende neste subprojeto não é formar cientistas e sim cidadãos que possam acompanhar o desenvolvimento tecnológico da sociedade na qual ele está inserido. e que esses experimentos tenha despertado neles a curiosidade de correlacionar o conhecimento nessa área fazendo questionamentos em relação ao seu uso e as implicações sociais. Conforme Santos e Schnetzier (1996). Bem como esperamos que a professora tenha notado a importância de inserir a aula prática como forma de despertar o interesse do aluno. o discente sai da sala de aula para um novo ambiente. Experiências simples e fáceis.

. foi uma excelente experiência para nós futuros professores em química. pois tivemos a oportunidade de vivenciar o cotidiano de uma sala de aula.e participação ativa dos alunos.

. Ricardo. Fundamentos da Química .VI REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ATKINS. . 3.com. 2009. Tradução de Ricardo Bicca de Alencastro. FELTRE. Volume Único. Uma análise das relações do saber profissional do professor do ensino médio com a atividade experimental no ensino de química.br/content/ABAAABLikAC/relatorio -testechama#. Princípios de Química: Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente. Disponível em: http://www. L. Acesso em: 25/05/2011. JONES. v. Porto Alegre: Bookman. São Paulo: Moderna. 31. LABURÚ. 4ed. Wanda.ebah. 2005. P. 2006. Química Nova na Escola. 3 ed. SALVADEGO. n. Carlos.

e com isso podem se deslocar de um lugar para outro. variação de volume e mudança de estado físico. líquido ou gasoso. ou seja. As moléculas de um sólido vibram em torno de uma posição fixa. com o aumento da intensidade com que vibram as moléculas. Então ocorre a mudança de estado. as moléculas deixam de ter interações entre si e passam a se movimentar para . CONTEXTO A troca de calor entre materiais. ou seja. os materiais mudam de estado. As principais mudanças que podem ocorrer num material devido às variações de sua energia térmica são: variação da temperatura. Todos os materiais são formados por moléculas (menor parte da matéria que conserva as características de uma substância). Com o aumento da energia térmica das moléculas. na mudança para o estado líquido as moléculas deixam de ter esta posição fixa de vibração. sendo que a maioria dos materiais que encontramos na natureza é formada pela mistura de diferentes substâncias. ou seja. propagação de energia térmica pode causar mudanças nos materiais que trocam energia. Na mudança do estado líquido para o gasoso. O efeito do aumento de energia térmica num material é o aumento da velocidade com que as moléculas se movem (vibram) no material.APÊNDICE ± A EXPERIMENTOS PROPOSTOS AULA PRÁTICA ± 01 MUDANÇA DE ESTADO OBJETIVO Mostrar que. a uma certa temperatura. é devido à interação elétrica existente entre as moléculas das substâncias de que é formado o materi al. O estado físico de um material. O aumento de temperatura se dá por que a temperatura que sentimos é um indicativo da energia cinética com que as moléculas estão vibrando. sólido. o quão rápido as moléculas estão se movimentando. chega-se a uma certa temperatura onde a intensidade da vibração é suficiente para superar a interação molecular existente.

qualquer direção. Depois deixa -se o líquido esfriar até que ele volte a ser sólido. Coloque na colher a parafina que foi retirada. Retire a colher de cima da chama e espere a parafina esfriar até voltar para o seu estado sólido. y y y y y y . de líquido para sólido e de líquido para gasoso. IDÉIA DO EXPERIMENTO A idéia é usar parafina e provocar mudanças de estado: de sólido para líquido. que é sólido. Posteriormente aquece-se a parafina sólida até que haja a sua mudança para o estado líquido e. só que em ordem contrária. A diminuição da quantidade de energia térmica simplesmente faz com que os mesmos fenômenos aconteçam. Espere a parafina derreter. até que oco rra a mudança para o seu estado líquido. em seguida. TABELA DO MATERIAL Item Uma vela Observações Para aquecer e retirar parafina Caixa de palitos de fósforo Para acender a vela Uma colher sopa Um estilete Para colocar a parafina Para retirar da vela a parafina a ser derretida MONTAGEM y Retire com o estilete cerca de três milímetros cúbicos de parafina do lado da vela. Primeiramente aquece se um pedaço parafina. se movendo pelo ambiente todo em que estiver o gás. Volte a segurar a colher logo acima da chama da vela. gasoso. Segure a colher logo acima da chama da vela. Acenda a vela e a fixe em algum lugar.

Fonte própria COMENTÁRIOS y Não toque na parafina ou na parte da colher que é aquecida pela vela. y .y Espere até que a parafina se decomponha. assim como foi feito quando a parafina mudou do estado sólido para o líquido. pois eles estarão muito quentes. Foto: Esquema de montagem. Portanto. passando para o estado gasoso. Logo. No experimento não foi feito a passagem do estado gasoso para o líquido. concluí-se que na mudança de estado da parafina para a forma gasosa é impossível reverter o processo. o que realmente oc orre é uma decomposição da parafina em seus diferentes componentes. pois a parafina é um derivado do petróleo formado de várias substâncias diferentes e na mudança para o estado gasoso as diferentes substâncias se separam.

uma pia de pedra ou aço. para tornar o processo mais rápido pode-se encostar a colher num material bom condutor de calor. use esponja de aço (bombril). etc. Par a limpar a colher. y ESQUEMA DE MONTAGEM Projeto Experimentos de Física com Materiais do Dia -a-Dia - UNESP/Bauru TMO/FCL .y Na passagem do estado líquido para o sólido. como o piso da sala. Ficarão resíduos na colher após a decomposição da parafina.

Colher. A naftalina à temperatura ambiente e pressão normal. Com o aquecimento a naftalina começou a derreter e a evaporar. ela pode fundir e sublimar ao mesmo tempo. . . -Fósforos. ocorre sublimação.Copo de Vidro de boca larga . .Recipiente com água. ocorrendo à fusão.Naftalina. Quando é fornecido calor. na qual sublimou -se nas paredes do copo de . passa do estado sólido direto para o estado gas oso. Em seguida foi colocada a colher para aquecer sobre a chama da vela. veremos a naftalina passando de sólido para líquido e gás. ou seja. em seguida colocou-se o copo de vidro de boca para baixo encostando-se à colher que ainda continua sobre a chama. e quando o gás encontra uma superfície mais fria ele irá sublimar. Neste experimento. MATERIAL UTILIZADO . PARTE EXPERIMENTAL Colocou-se na colher ¼ de uma bolinha de naftalina .Vela (fonte de calor). cristalizando-se.AULA PRÁTICA ± 02 TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA OBJETIVOS O objetivo deste experimento é demonstrar que a quantidade de calor fornecida a uma substância pode alterar o estado físico da substância e também como ocorre à mudança de estado físico. . em pouco tempo a naftalina fundida evaporará em forma de uma densa neblina.

Foto 1: Derretimento da naftalina.vidro que está numa temperatura menor que a colher. Fonte própria . Fonte própria Foto 2: Evaporação e Sublimação da naftalina. voltando a ser naftalina sólida por sublimação e não por solidificação.

quando a naftalina foi aquecida Ebulição ± quando a naftalina evaporou Solidificação ± quando a naftalina foi resfriada Sublimação ± quando foi resfriado o vapor existente no copo de vidro. CONCLUSÃO Com a experiência citada acima tivemos a prova de que a matéria passa por diversas transformações em momentos diferentes. .DISCUSSÃO DOS RESULTADOS O experimento com naftalina resultou na transformação física da matéria em: Fusão .

Assim sendo. Um feixe eletromagnético é o produto de oscilações perpendiculares de campos elétricos e magnéticos. Então quanto maior for o comprimento de onda menor será a sua freqüência ou vice versa. Todas as radiações viajam a mesma velocidade de 3. Essas duas propriedades de onda eletromagnética estão relacionadas. E para investigar a estrutura interna de objetos tão pequenos como os átomos é necessário observá-los indiretamente.AULA PRÁTICA ± 03 TESTE DA CHAMA INTRODUÇÃO O homem sempre buscou explicações para entender o mundo que o rodeia. relacionando-as às propriedades químicas dos elementos conhecidos. . A estrutura eletrônica de cada átomo (a organização dos elétrons em torno do núcleo) pode dizer muito sobre ele. chamada de velocidade da luz.00x10 8m/s no vácuo. pois a velocidade de onda é sempre a mesma (velocidade da luz). pode -se concluir que a freqüência de uma onda eletromagnética é inversamente proporcional ao se comprimento de onda e diretamente proporcional à velocidade. Um químico quando observa um objeto ou um fenômeno ele procura enxergar bem mais do que esta sendo visto. por meio das características das radiações eletromagnéticas que eles emitem. Os olhos humanos detectam as diferentes cores devido às diferentes freqüências da luz. eles respondem de maneira diferente a cada freqüência. Na realidade somente uma porção de freqüências de onda são detectada pela retina humana e as ondas com essas freqüências possuem comprimentos de onda entre 400 e 700 nanômetros. e essa velocidade é representada pela constante ³c´. e para isso ele busca cada vez mais fundo no mundo físico -químico as respostas. Devido a essas oscilações periódicas as radiações eletromagnéticas possuem características ondulatórias: o comprimento de onda ( ) e a freqüência (f). ele procura descobrir determinar suas estruturas internas.

l l i l l t it t época.j t li i . as chamadas "camadas eletrônicas" K. × y y i l t i l f i c´ é B . . E i . somente uando um elétron passa de uma rbita estacionária para outra diferente salto uântico). £ t j f i / . j t . i l i . l i i i t tifi í i i : t i l fi i t Figura 1: Equação de Max Planck y y ³E´ ³h´ t i t i t l i li t ti t t i tifi i t i t i i t i f ax Planck de energ ia .A f i l i t f t f . seriam ). t fi i j . Bohr e aseando nas teorias de determinou seus postulados: y A energia radiada não é emitida ou absorvida de maneira contínua. . E t i l Pl i l li t it lit ti i iti . y Os elétrons giram em torno do núcleo em rbitas circulares e bem definidas fixas) ue são as rbitas estacionárias. . poi o poderia er explicada pela ica. . P e   ¢¡ . Pl . ais tarde. . El í ica anti ada . O.

energia em forma de calor) é fornecida a determinado ele mento químico os elétrons da ultima camada dos seus átomos saltam para um nível de energia mais elevado e quando estão no estado excitado eles retornam para o estado fundamental liberando energia na forma de luz com um comprimento de onda característico.v (³v´ representa a freqüência).y O equilíbrio dinâmico dos sistemas nos estados estacionários se dá pelas leis da mecânica clássica. um elétron absorve uma radiação bem definida. E quando um elétron esta no est ado excitado ele volta para a sua orbita estacionaria ele libera energia na forma de ondas eletromagnéticas (luz) de freqüência característica do elemento desse átomo. que é o quantum. o que não é verificado quando um elétron passa para um diferente estado estacionário. Bohr então propõe que o átomo só pode perder energia em certas quantidades discretas e definidas. O teste é baseado no fato de que quando certa quantidade de energia (no caso da chama. . dado pela relação: E = h. Essas teorias de Bohr hoje são comprovadas a partir de cálculos e experimentos. baseado no espectro de emissão característico de cada elemento. e isso sugere que os átomos possuem níveis com energia definida. Dessa forma é possível identificar alguns elementos através das cores emitidas por eles quando aquecidos numa chama. e o olho humano é capaz de identificar as cores emitidas por esses elementos. observa-se que quando um elétron recebe energia ele salta para uma orbita mais externa. O teste da chama é um procedimento usado na química para identificar a presença de alguns íons metálicos. De forma simplificada. Ao passar de um estado estacionário para outro. E a quantidade pacote de energia absorvida e bem definida (quantum) que é equivalente á diferença energética entre as camadas. p ois a quantidade de energia necessária para excitar um elétron é única para cada elemento. Apenas alguns elementos liberam radiação com comprimento de onda na faixa da luz visível. Entre eles esta o teste da chama.

Obs: Todos os reagentes já estavam diluído em 2mL de álcool para facilitar a prática. Fósforo. y y Identificar elementos químicos metálicos pelo teste da chama. MATERIAIS UTILIZADOS: 1) 2) 3) 4) 5) Tampas de Vidro de azeitona . pois foi realizada na sala de aula. Descobrir o elemento químico metálico que está presente em soluções desconhecidas (soluções-problema). Colher.OBJETIVOS y Observar a cor da chama associada à presença de elementos químicos metálicos presentes em sais. E mais duas soluções-problema. e comprovar que existem camadas eletrônicas. . y Identificar alguns metais através de sua radiação visível. Água Destilada Álcool Etílico REAGENTES UTILIZADOS: Cloreto de potássio (KCl) Cloreto de lítio (LiCl) Cloreto de bário (BaCl 2) Sulfato de cobre II (CuSO 4) Cloreto de estrôncio (SrCl 2). a qual não se sabe o conteúdo.

Como a queima do álcool fornece energia em um determinado intervalo (cor amarela) a ch ama possui a mesma temperatura e então a energia absorvida pelo elemento (cátion) é a mesma. liberando o cátion do ânion. voltando a ser sal. portanto fonte de energia. após a emissão eles podem se recombinar. correspondendo um mesmo comprimento de onda para um único cátion. Em seguida acendeu -se o fósforo e ateou-se fogo em todas as tampas. RESULTADOS E DISCUSSÃO Após ter seguido o procedimento do experimento. só que em forma de luz.PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Colocaram-se cinco tampas de vidro de azeitona. O álcool comum (etanol) foi usado como combustível e. O que ocorreu? O álcool reage com oxigênio (queima) e libera calor (energia) é suficiente para causar uma cisão no sal. e adicionou -se em cada uma delas as cinco soluções. e quando os elétrons voltam emitem a mesma energia absorvida. depois espontaneamente eles tendem a voltar para um nível de energia menor para adquirir estabilidade. descrito na parte intitulada Procedimento Experimental. cessando o belo espetáculo colorido. ou depositar o metal neutro no recipiente. conseqüentemente a emissão também é a mesma. observou -se as cores das chamas e foram registrados os resultados na tabela abaixo: . o cátion positivo absorve energia e excita seus elétrons para um nível de energia maior. pois as substâncias não queimam espontaneamente. depois de aproximadamente 40 segundos o excesso de álcool queimou e as substâncias entraram em contato com o fogo começaram a irradiar a luz colorida em forma de chama de uma cor característica para cada substância queimada.

Tabela 1: Resultados do experimento. Amostra Cor da chama Elemento metálico Cloreto de potássio Cloreto de bário Cloreto de lítio Cloreto de cálcio Cloreto de estrôncio Solução-problema 1 Laranja Púrpura Verde-Limão Vermelho Carmim Vermelho/Laranja Vermelho Púrpuro Verde-Limão Potássio (K) Bário (Ba) Lítio (Li) Cálcio (Ca) Estrôncio (Sr) Provavelmente o Bário (Ba) Provavelmente o Estrôncio (Sr) Cobre (Cu) e Lítio (Li) Solução-problema 2 Sulfato de Cobre II + Cloreto de Lítio Vermelho Púrpuro Verde +Vermelho Foto 1: Montagem do experimento. Cores observadas na chama. . Fonte própria.

Fonte própria. Fonte própria.Foto 2: Montagem do experimento. . Foto3: Resultado do experimento.

Fonte própria . . pois se cada elemento metálico libera energia num compr imento de onda definido então os elétrons do átomo giram em níveis de energia definidas ao redor do núcleo. a chama resultada das misturas de duas soluções. mencionadas tinham duas cores. não houve reação entre os sais.Foto 4: Resultado do experimento. isto indica que não houve alteração nos sais constituintes da solução. descritos na introdução. que correspondiam a cor das soluções misturadas. Esse experimento também é a prova de que os postulados de Bohr. Os resultados mencionados são a comprovação de que é possível identificar a presença de alg uns metais em substancias desconhecidas com um experimento simples. estavam corretos. As cores emitidas são explicadas pelas teorias anteriormente mencionas na introdução. como o do Teste da Chama.

pois por meio da observação das cores concluiu-se que os elementos liberam a energia em excesso de forma característica. A teoria da prática foi comprovada no experimento. foi possível observar e identificar o cátion do sal pelo Teste da Chama.CONCLUSÃO Com a realização desta pratica os objetivos traçados de inicio foram alcançados com êxito. O Teste da Chama é um experimento de química analítica qualitativa. foi possível observar os átomos de forma indireta. . esses dados podem ser obtidos por técnicas relacionadas à fotometria de chama ou espectroscopia de emissão. por meio das propriedades das ondas eletromagnéticas. isto é. por isso não foi possível fornecer dados quantitativos.