Você está na página 1de 53

Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n.

01 – 2005 ISSN 1675-8265 JOÃO FLÁVIO GUIMARÃES

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE BANDAGEM FUNCIONAL DO TORNOZELO SOBRE O EQUILÍBRIO

CASCAVEL-PR 2005

Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 01 – 2005 ISSN 1675-8265

JOÃO FLÁVIO GUIMARÃES

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE BANDAGEM FUNCIONAL DO TORNOZELO SOBRE O EQUILÍBRIO

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná Campus Cascavel como requisito parcial para obtenção do título de Graduação em Fisioterapia. Orientador: Prof Alberito Rodrigo de Carvalho

CASCAVEL-PR 2005

Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 TERMO DE APROVAÇÃO

JOÃO FLÁVIO GUIMARÃES

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE BANDAGEM FUNCIONAL DO TORNOZELO SOBRE O EQUILÍBRIO

Trabalho de Conclusão de Curso aprovado como requisito parcial para obtenção do título de Graduado em Fisioterapia, na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. BANCA EXAMINADORA

........................................................................................ Orientador: Prof. Alberito Rodrigo de Carvalho Colegiado de Fisioterapia – UNIOESTE .......................................................................................... Prof. José Mohamud Vilagra Colegiado de Fisioterapia – UNIOESTE .......................................................................................... Prof. Eduardo Alexandre Loth Coordenador do Curso de Fisioterapia – UNIOESTE Colegiado de Fisioterapia – UNIOESTE Cascavel, 23 novembro de 2005.

Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 01 – 2005 ISSN 1675-8265

“A ciência progride de duas maneiras: adicionando fatos novos e simplificando os existentes...”

Claude Bernard (1813 – 1878) Fisiologista francês

Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 RESUMO

O equilíbrio é composto pela integração entre o sistema visual, vestibular e proprioceptivo. A posturografia dinâmica consegue avaliar a condição de cada um dos sistemas responsáveis pelo equilíbrio. Qualquer alteração em um desses sistemas interfere diretamente no equilíbrio, levando à compensação dos outros sistemas. A bandagem funcional é muito utilizada na prática desportiva quando há lesão, sendo o tornozelo uma das articulações mais lesionadas. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar o efeito da bandagem funcional do tornozelo no equilíbrio. A amostra foi composta por 15 universitárias sem histórico de lesão no tornozelo, joelho ou não vestibulopatas. Estas foram avaliadas na posturografia dinâmica, ficaram com o tornozelo do membro inferior dominante bandado com esparadrapo por três dias e, após esse período, foram reavaliadas. Os resultados mostraram melhora estatisticamente significante na interação entre o sistema vestibular e visual. Conclui-se que a bandagem funcional alterou o equilíbrio.

Palavras-chave: equilíbrio,bandagem funcional, posturografia dinâmica

had been reevaluated. One concludes that the functional bandage modified the balance. leading to the compensation of the other systems. dynamic posturography . The dynamic posturography obtains to evaluate the condition of each one of the responsible systems for the balance. The sample was composed for 15 colleges student without description of injury in the ankle. after this period.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. knee or not with vestibulopathya. These had been evaluated in the dynamic posturography. funcional brace. being ankle one of the injury joints more. The results had estatisticamente shown to significant improvement in the interaction between the system initial and appearance. This research had as objective to evaluate the effect of the bracing of the ankle in the balance. The ankle brace is very used in practical the porting one when it has injury. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 ABSTRACT The balance is composed for the integration between the visual system. Any alteration in one of these systems intervenes directly with the balance. Key-words: balance. vestibule and proprioception. had been with the ankle brace of the dominant inferior member for three days and.

...................3 Sistema Proprioceptivo...........3 Bandagem...................................................................................................... 28 2.......................2 Caracterização da Amostra:.............................1.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n.................................................................................. 13 2............................................................................... 17 2....................................................1 Equilíbrio..6 Tratamento Estatístico:................................................................................ 25 2...........................................................2 Sistema vestibular....................................1............................................................................................................ MATERIAIS E MÉTODOS............................................................................................ 15 2................... 35 3....... 33 3............................................................................................ 13 2............................3........................................................................................ 28 2............................... 27 2...............................................................................3..... 14 2..............5 Procedimentos Metodológicos:........................... 01 – 2005 ISSN 1675-8265 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS.........3 Critérios de Inclusão e Exclusão:....54 ............................................................................................................................................... 8 1 INTRODUÇÃO..................................................... 33 3...................................................1 Técnica de “Bota Aberta” para tornozelo... 38 4 RESULTADOS...... 9 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA........................................................................................................................................ 44 6 CONCLUSÃO...................................................................................................................................................................................................................3 Aplicação da bandagem........................................................... 30 3....................................................................... 49 ANEXO I ................1............................................................................................................................. 34 3..................................4 Posturografia Dinâmica.....................2 Posicionamento do indivíduo............1 Sistema Visual.......................................................1 Caracterização do Estudo:...3..............................................................................................................2 Tornozelo......................................................................................... 33 3................................................ 27 2.......................................................................... 40 5 DISCUSSÃO.......................................................... 48 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS................................................................................................................................................. 52 ANEXO II ..............................

.................40 Figura 4 – Comparação entre as médias das oscilações percentuais da preferência visual...................40 Figura 3 – Comparação entre as médias das oscilações percentuais do sistema visual ......................................................................................................Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n....................39 Figura 2 – Comparação entre as médias das oscilações percentuais do sistema vestibular...................................................................41 ................................................................................................................................................ 01 – 2005 ISSN 1675-8265 LISTA DE FIGURAS Figura 1 – Comparação entre as médias das oscilações percentuais do sistema somatosensorial ...............................................................................................

visual e proprioceptivo nos núcleos vestibulares do tronco encefálico. o aparelho vestibular (cujos receptores informam ao sistema nervoso central a posição e os movimentos da cabeça). o aparelho da visão (encarregado da percepção das relações espaciais) e. A manutenção do equilíbrio corporal estável é determinada pela integração funcional das informações provenientes das estruturas sensoriais dos sistemas vestibular. a sensibilidade proprioceptiva (a partir dos músculos. sob a coordenação do cerebelo (CAOVILLA e GANANÇA. 2002). Sanvito (2000) coloca que o equilíbrio é dependente de várias estruturas: o sistema motor (força muscular. Segundo Vander. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 1 INTRODUÇÃO O equilíbrio é uma função sensório-motora que tem por objetivo estabilizar o campo visual e manter a postura ereta (GANANÇA. É definida como a disposição relativa das partes do corpo para uma atitude especifica. uma . tônus muscular. ainda. 1998). Corroborando. equilíbrio é um problema dinâmico e está relacionado à capacidade de se manter a linha que passa pelo centro de gravidade perpendicular ao solo. dentro do polígono descrito pela base de apoio (polígono de sustentação). 1998). tendões e articulações).Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. reflexos tônicos de postura). o cerebelo (encarregado da coordenação muscular). A postura do corpo humano é descrita como sendo base da funcionabilidade corporal. ou. Sherman e Luciano (1981) (apud BARCELLOS e IMBIRIBA.

denominado “teste de organização sensorial” (Sensory Organization Test . O controle postural exige uma interação complexa entre os sistemas musculoesquelético e neural. a postura sofre influências de várias entradas posturais que participam deste controle postural. 2002).Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. b) ação. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 maneira característica de sustentar o próprio corpo. influenciada pela presença ou ausência de visão e pelas aferências vestibulares (MEDEIROS et al. 1989. ele requer: a) percepção. 2003). porém. 2003). é decorrente da integração de todas essas aferências (SHUMWAY-COOK e WOOLLACOTT. então. O teste mais utilizado.SOT). possuindo dependências entre si (BARCELLOS e IMBIRIBA. garantida pela integração das informações sensoriais que analisam a posição e o movimento do corpo no espaço. traduzida pela capacidade de produzir forças que controlam os sistemas de posicionamento do corpo (SHUMWAY-COOK e WOOLLACOTT. Quando o controle postural é utilizado para manter a estabilidade e para propiciar orientação. é composto por seis condições sensoriais. 2003). estas duas tarefas motoras são fenômenos distintos. Conseqüentemente. realizando atividades com o menor gasto de energia (LEHMKUHL e SMITH. 1995). . A boa postura. Logo. KENDALL. A Posturografia Dinâmica (FOAM-LASER DYNAMIC POSTUROGRAPHY) é um exame utilizado para avaliação geral do equilíbrio que integra as informações labirínticas. cujas respostas são percebidas e registradas através de uma plataforma móvel responsável por capta as informações somatosensoriais. visuais e somatosensoriais.

01 – 2005 ISSN 1675-8265 A capacidade tanto de conseguir quanto manter uma posição ereta e equilibrada do corpo. bandagem e órteses. tornando mais ou menos fácil a manutenção do equilíbrio. A articulação do tornozelo. Tem se observado no meio esportivo a utilização.. ajustando as posturas na posição ereta (NAKAYAMA et al. pelos atletas.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n.. 1995). de medidas profiláticas para se evitar lesões do tornozelo tais como tornozeleiras. 45% das lesões no basquete e 25% no voleibol. A base de sustentação é definida como a área dentro do perímetro da superfície representada pelas plantas dos pés e pelas zonas que as separam. por se localizar bem próximo ao solo. é uma das mais importantes na adaptação do corpo ao solo e manutenção do equilíbrio. sobre a pequena base de apoio fornecida pelos pés. 31% das lesões no futebol. . Henning e Henning (2003) relatam que as entorses de tornozelo são as lesões ligamentares mais freqüentes e correspondem à aproximadamente 15% de todas as lesões no esporte em geral. Por isso. 2004). 2003). Pode ter formas variadas. de acordo com o posicionamento dos pés. um apoio adequado dos pés também é determinante para a boa postura por serem estes ricos em exteroceptores (BIENFATT. Essas medidas podem ser usadas em qualquer estágio da reabilitação e também na prevenção de entorses em atletas saudáveis (SACCO et al. 2004). é uma das tarefas mais importantes do sistema do controle postural humano (SHUMWAY-COOK e WOOLLACOTT.

portanto. algumas pesquisas que avaliaram o efeito da bandagem de tornozelo sobre a propriocepção e controle postural tem levantado controvérsia a esse respeito (SANTOS et al. Assim. especialmente em inversão e eversão. Devido à elasticidade dos materiais empregados. Também teve por objetivo específico avaliar a influência da utilização da técnica de bandagem de bota aberta por esparadrapagem para o tornozelo sobre a propriocepção. O principal objetivo da aplicação de bandagens é fornecer apoio e proteção aos tecidos moles. sem limitar suas funções desnecessariamente (SILVA JR. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 A aplicação de bandagens refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora (exemplo: atadura esportiva ou atadura elástica) que adere à pele de determinada articulação ou membro. 2004). por si só. o que dificulta. Porém.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. sua aplicação na prática clínica. as bandagens. mas fornecem uma excelente compressão. Este trabalho teve por objetivo geral avaliar a influência da utilização da técnica de bandagem de bota aberta por esparadrapagem para o tornozelo sobre o equilíbrio.. Estudos sobre a aplicação de bandagem no tornozelo demonstraram sua efetividade na restrição dos movimentos do tornozelo. 1999). não oferecem sustentação. justifica-se a presente pesquisa pela falta de consenso na literatura científica sobre os benefícios dos diferentes recursos de bandagens disponíveis. .

. Para se ter um bom equilíbrio o corpo necessita de informações sensoriais precisas que são processadas eficientemente pelo sistema nervoso central (SNC) e geram. Desta forma. respostas de controle motor apropriadas. A habilidade para manter o centro de gravidade sobre a base de apoio. 2000). 2000). bem como também de reajustá-lo e de corrigir todo desvio em relação à vertical (GAGEY e WEBER. Este é um fenômeno dinâmico que envolve uma combinação de estabilidade e mobilidade. 2000. O equilíbrio é necessário para manter uma determinada posição no espaço ou movimentar-se de modo controlado e coordenado (KISNER e COLBY. geralmente quando se está em pé é denominado equilíbrio. o SNC usa informações dos sistemas sensoriais para construir uma imagem da posição e do movimento de todo o corpo e do ambiente que o cerca (LUNDY-EKMAN. GAGEY e WEBER. por conseguinte. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Equilíbrio O homem possui a capacidade de reconhecer a inclinação de seu corpo. 1998).Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n.

que o informam sobre o mundo exterior e as endoentradas. A organização sensorial consiste na capacidade do SNC em selecionar. 2000). 2000). então. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 O SNC se baseia em informações provenientes de dois tipos de entradas: as exoentradas. . 2. suprir e combinar os estímulos vestibulares.1 Sistema Visual Os estímulos visuais fornecem informações individuais sobre a posição e o movimento da cabeça em relação ao ambiente circunjacentes e ao resto do corpo por meio dos olhos (SHUMWAY-COOK e WOOLLACOTT. 2000). LUNDY-EKMAN. visuais e proprioceptivos (SHUMWAYCOOK e WOOLLACOTT. que definem imediatamente o estado interno do organismo (GAGEY e WEBER.1. 2003. Por possui duas fontes complementares de informações: a visão. se relaciona com tudo à sua volta através das exoentradas. que situa o indivíduo no seu ambiente através de coordenadas retineanas. e a motricidade ocular. O sistema visual oferece referência para a verticalidade.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 2003. 2000). que situa o olho na órbita através da coordenação cefálicas (GAGEY e WEBER. O sistema postural. BARELA.

a projeção do cenário na retina não pode ser utilizada e. BARELA. que compreende os núcleos vestibulares e as vias vestibulares do tronco cerebral (GANANÇA. conseqüentemente. A estabilometria confirma que a escuridão aumenta normalmente a amplitude das oscilações posturais. O labirinto consiste de duas partes: vestíbulo (utrículo e o sáculo) e os canais semicirculares (DANGELO. e o sistema vestibular central. com os olhos fechados. FATTINI. 2000). 01 – 2005 ISSN 1675-8265 Quando informações visuais não estão disponíveis. que compreende o labirinto. Como o . A função do sistema vestibular é a de perceber forças de aceleração lineares e rotacionais. 2003.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. No entanto. 1997).2 Sistema vestibular O sistema vestibular se divide em sistema vestibular periférico. 2000). por exemplo. A mais importante dessas forças é a força linear da gravidade. outras fontes de informação sensorial devem ser utilizadas. 1998). CAOVILLA.1. Diversos estudos têm mostrado um aumento da oscilação do corpo em função da ausência de informação visual (BARELA. 2. é conhecido que as pessoas podem apresentar um maior ou menor grau de dependência da informação visual para o controle postural (SHUMWAY-COOK e WOOLLACOTT.

Estas células projetam-se em uma membrana gelatinosa. localiza-se dentro da cabeça. Os canais semicirculares são sensíveis às acelerações angulares (FREITAS. WECKX. qualquer aceleração da cabeça é percebida. O movimento linear desta membrana gelatinosa provoca uma inclinação das células ciliares causando a liberação de um neurotransmissor. 2000). o otólito. O sáculo e o utrículo são importantes na percepção da posição da cabeça em relação à gravidade e na orientação dos deslocamentos lineares. 1991). WECKX. GUYTON. Esses órgãos respondem principalmente aos movimentos cefálicos lentos. onde é realizada a coordenação geral do equilíbrio (LUNDY-EKMAN.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. SAKANO. Certas regiões destes canais têm células sensoriais ciliares. WECKS. 2000. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 sistema vestibular faz parte do ouvido interno e. o sistema vestibular tem um papel importante no equilíbrio (GUYTON e HALL. como inclinação postural (MENON. 2002). 1998) e são preenchidos por um fluido. 2002. Por ter componentes motores e sensoriais. portanto. As informações do labirinto são levadas aos núcleos vestibulares. Na parede interna destas estruturas há uma região chamada mácula com células ciliares. . 2000). Quando a cabeça roda a inércia do fluido move estas células ciliares e causa a liberação de um neurotransmissor que age sobre o equilíbrio dinâmico (HUNGRIA.

Lephart et al. Para LEHMKUL e SMITH (1989). inclusive a direção. amplitude e velocidade. angulação das articulações e pressão plantar.1. que pode contribuir para a distensão excessiva da cápsula e ligamentos e potencialmente para a continuação da lesão. (1994) (apud CARRIÈRE.3 Sistema Proprioceptivo Pode-se definir propriocepção como a aferência dada ao sistema nervoso central (SNC) pelos diversos tipos de receptores sensoriais presentes em diversas estruturas (BERTOLUCCI. 1999) a descrevem como um componente do feedback sensorial aferente que engloba a sensação do movimento articular (cinestesia) e a de senso de posição articular. propriocepção refere-se ao uso do “input” sensorial dos receptores dos fusos musculares. juntamente com as sensações proprioceptivas e as sensações viscerais constituem as sensações somestésicas do organismo. . bem como a tensão relativa sobre os tendões. GUYTON (2002) refere-se às sensações proprioceptivas como as responsáveis em informar ao cérebro sobre o estado físico do corpo. incluindo sensações como o comprimento muscular.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 2. tendões e articulações para discriminar a posição e movimentos das articulações. O comprometimento do mecanismo de propriocepção resulta no comprometimento da estabilização articular neuromuscular reflexa normal. 1999). Este último pode ser considerado também como sensação exteroceptiva que. tensão nos tendões.

Os impulsos proprioceptivos conscientes atingem o córtex cerebral e permitem a um . Os impulsos nervosos originados nesses receptores podem ser conscientes ou inconscientes.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. tendões. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 Todo comando motor inicia-se do reconhecimento da situação atual do corpo (posição. ligamentos e cápsulas articulares.. A aferência sensorial origina-se dos sistemas somatossensoriais. movimento) a partir da informação vinda destes receptores. 1999). O processamento dessas informações resulta na consciência da posição e movimentação no córtex cerebral. Esses últimos não despertam sensação. Além disso. estabilização da articulação através de sinais reflexos mediados pela medula espinhal e manutenção do equilíbrio e da postura (PLAPLER et al. 1989). sendo utilizados pelo SNC para regular a atividade muscular através do reflexo miotático ou dos vários centros envolvidos na atividade motora. até que o movimento seja finalizado (BERTOLUCCI. num mecanismo de retroalimentação. mediados inicialmente pelo SNC. 1999). A propriocepção e o mecanismo de retroalimentação neuromuscular constituem um importante elemento de manutenção da estabilidade articular. Os órgãos vestibulares também integram o sistema proprioceptivo. em especial o cerebelo. Os receptores proprioceptivos estão presentes nos músculos. pois sua eferências proporcionam o conhecimento da orientação e dos movimentos da cabeça (LEHMKUL e SMITH. a aferência proprioceptiva dá ao SNC a capacidade de monitorar o efeito de seus comandos. visual e vestibular e é processado pelo encéfalo e medula espinhal.

que se situam próximos aos ligamentos das articulações e são responsáveis pelo efeito inibidor de reflexos sobre os neurônios motores. 1989). Os receptores articulares são representados por muitos tipos diferentes de receptores sensoriais são encontrados na cápsula e ligamentos articulares (LEHMKUL e SMITH. incluindo corpúsculo de Mecssner. 1993). determinando também a velocidade angular e a pressão intra-articular) e os corpúsculos de Pacini (detectam a aceleração do movimento). atividade muscular e movimento articular). discos de Merkel (sensíveis à pressão local) e corpúsculos de Ruffini (muito sensíveis a variações de amplitude. . Reichel (1998) cita três tipos de receptores articulares: a) mecanorreceptores tipo I.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. (sensíveis ao toque e a vibração leve). sendo responsáveis pelo sentido de posição e de movimento (cinestesia) (MACHADO. que se situam na camada inferior da cápsula fibrosa e são responsáveis pelo sentido do movimento ordenado aos músculos fásicos de adaptação lenta. que se situam na camada externa da cápsula fibrosa e são responsáveis pela disposição ordenada dos músculos tônicos de adaptação lenta. (2003) e Bricot (1999) comentam que os mecanorreceptores articulares são compostos por terminações livres. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 indivíduo ter percepção corporal (noção espacial. Bear et al. Os principais proprioceptores são os receptores articulares e os órgãos tendinosos de Golgi (OTGs). b) mecanorreceptores tipo II. receptores articulares (sensíveis ao movimento e tensão das articulações) e mecanorreceptores cutáneos. c) mecanorreceptores tipo III.

adaptando-se pouco depois que o movimento cessa (a freqüência de impulsos diminui). passam a transmitir impulsos nervosos constantes. 1989). 2000. 1998). O receptor é estimulado através de sua deformação. 2000). Dependendo da localização e magnitude das forças deformantes que agem sobre a articulação e da localização do receptor. O receptor é estimulado pela tensão produzida por este pequeno feixe de fibras. LEHMKUHL e SMITH. 2003. numa aferência de “repouso”. alguns deles serão estimulados e dispararão uma rajada de alta freqüência de impulsos nervosos quando a articulação se mover. HALL.. a informação destes receptores articulares notifica continuamente o SNC sobre a angulação momentânea e a velocidade de movimento da articulação (LEHMKUHL e SMITH. Além disso. REICHEL. Os OTGs estão localizados nos tendões. REICHEL. 1989. O movimento adicional da articulação é capaz de fazer com que um grupo de receptores pare de emitir impulsos e outro se torne ativo. 2003. Respondem através de suas conexões neurais inibindo o desenvolvimento de tensão no músculo agonista e excitando os músculos antagonistas (HALL. 2000. LEHMKUHL e SMITH. . servindo como um sistema de controle de tensão muscular (BEAR et al. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 A maioria destes receptores emite vários potenciais de ação por segundo. composto por fibras nervosas do tipo IIb. Os OTGs são ativados através de tensão contra resistência forte (contração isométrica) e estiramento prolongado (HALL.. 1989). Reichel (1998) comenta que esta deformação pode ser através da tração ou da coaptação articular. aponeuroses (fáscias) e nas junções miotendinosas (BEAR et al. Assim. 1998).Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. Uma média de 10 a 15 fibras tendíneas extrafusais está normalmente envolta em uma camada fibrosa e conectada em série com cada OTG.

REICHEL.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. aumentando-se gradualmente a força exercida sobre os pontos de inserção (LEHMKUHL e SMITH. compostas por fibras nervosas do tipo Ia e fibras tipo II (REICHEL. Por isso. É improvável que estes receptores sejam estimulados por tensão de baixa magnitude. Os OTGs são encapsulados em tecidos tendinosos que são relativamente inelásticos quando comparados ao músculo. A chegada destes impulsos aferentes na medula excita os interneurônios inibitórios. denominado sistema gama. 1999). São fibras intrafusais encapsuladas. Ele recebe inervação eferente de um sistema exclusivo.2000). que por sua vez inibem os motoneurônios α do músculo que contrai. 1998). 1999. O fuso muscular é um dos principais sensores proprioceptivos e está localizado na intimidade do corpo muscular (BERTOLUCCI. O fuso muscular é capaz de adaptar sua . como ocorre em um estiramento passivo discreto (HALL. ou pelo estiramento passivo repentino dos tecidos. um músculo deve ser ativado ou estirado moderadamente no início. 1998) e são orientadas paralelamente às fibras musculares. Entretanto. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 Os impulsos nervosos disparados pelo OTGs são transmitidos através de axônios aferentes mielinizados à medula espinhal e ao cerebelo. “fibras” de tendão podem ser arrancadas de seus pontos de fixação pela aplicação abrupta de uma contração muito potente. 1989). respondendo tanto ao estiramento passivo quanto ao ativo (HALL. para evitar lesões. e inervação aferente proporcionada pelas terminações ânulo-espirais (BERTOLUCCI. limitando assim a força desenvolvida àquela que pode ser tolerada pelos tecidos que estão sendo estirados. 2000).

deve-se considerar que tipo de efeito cada conduta terapêutica tem sobre a aferência proprioceptiva. os fusos musculares são estimulados por um estiramento muscular rápido e servem como um sistema de controle do alongamento muscular. o fuso muscular funciona como um comparador analisando a extensão do fuso e comparando-a com a extensão das fibras musculares esqueléticas que o rodeiam. 1989). O reflexo de estiramento é provocado pela ativação dos fusos musculares de um músculo estirado. que excitam reflexamente os motoneurônios α para ativar as fibras musculares extrafusais. Basicamente. Movimentos rápidos e bruscos e movimentos vibratórios aumentam a atividade do sistema gama. 1999). a freqüência dos impulsos nervosos disparados pelos receptores é reduzida. Esta resposta rápida envolve transmissão neural através de uma única sinapse. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 sensibilidade independentemente do comprimento e do grau de contração muscular. Entretanto. Para Reichel (1998). enquanto movimentos lentos a diminuem (BERTOLUCCI. Se a extensão das fibras musculares extrafusais circundantes é menor que a do fuso.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. Quando a porção central do fuso é estirada pela atividade eferente gama. b) inibem o desenvolvimento de tensão nos músculos antagonistas – inibição recíproca. Hall (2000) comenta que existem duas respostas gerais dos fusos musculares estirados: a) iniciam o reflexo de estiramento ou miotático. mecanismo este importante na regulação do tônus postural (LEHMKUHL e SMITH. com neurônios aferentes carreando estímulos dos fusos à medula . seus receptores sensoriais descarregam mais impulsos nervosos.

2000). as fibras formam sinapses com outros neurônios que enviam suas fibras. A contração ativa de um grupo muscular agonista provoca inibição reflexa da musculatura antagonista. 2003.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. dividindo-se em dois ramos (MACHADO. 2000). ascendem pelo tronco cerebral em um coluna de fibras chamadas lemnisco medial. O outro ramo dirige-se para cima. A principal via sensorial proprioceptiva é a via coluna dorsal-lemnisco medial. A esse nível. para terminar no córtex cerebral somestésico ou somatosensorial primário.. HALL. GUYTON. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 espinhal e neurônios eferentes retornando um sinal excitatório da medula espinhal até o músculo. passando pelas colunas brancas dorsais e ascende até os níveis mais inferiores do bulbo. localizado nos dois primeiros centímetros do córtex parietal. A maior parte dos sinais originados nos mecanorreceptores chega à medula através de fibras nervosas de grande calibre. BRICOT. A inibição recíproca pode ser usada para tratar cãibras musculares. 2002). (2003). por trás do sulco . para terminar no complexo vertobasal do tálamo. Em seguida. A via coluna dorsal-lemnisco medial leva informações ao SNC sobre o tato e vibração na pele. resultando em contração nos músculos onde estavam os fusos (BEAR et al. descrita por Bear et al. pela cápsula interna. 1999. 2000). provocando atividade medular local e reflexos medulares. 2000. terminando nos núcleos da coluna dorsal (LUNDY-EKMAN. Um desses ramos termina na substancia medular cinzenta local. 1993). por meio das raízes posteriores dos nervos espinhais e dos gânglios espinhais. bem como os sinais proprioceptivos dos membros. Os neurônios dos núcleos da coluna dorsal emitem axônios que cruzam para o lado oposto do bulbo. uma área talâmica situada na região ventral póstero-lateral (LUNDY-EKMAN. levando ao relaxamento muscular (HALL.

cruzam o plano mediano e seguem cranialmente para formar o lemnisco medial. 2000). Machado (1993) descreve também a via de propriocepção inconsciente. que termina fazendo sinapse com os neurônios II da coluna posterior ou do bulbo. onde fazem sinapses com os neurônios II. originando três vias diferentes até o . Os neurônios II podem estar em três posições. 1993). terminando no tálamo onde fazem sinapses com os neurônios III. os neurônios de terceira ordem ou neurônios III. O prolongamento periférico conecta-se aos mecanorreceptores (fuso muscular e OTG) e o prolongamento central penetra na medula pela divisão medial da raiz posterior. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 central. Os neurônios I localizam-se nos gânglios espinhais das raízes dorsais. dividindo-se em um ramo ascendente longo e um ramo ascendente curto. composta por neurônios I e II. a via sensorial dorsal é formada por três neurônios (GUYTON. originando axônios que seguem à área somestésica passando pela cápsula interna e coroa radiada (LUNDY-EKMAN. os neurônios de segunda ordem ou neurônios II se localizam nos núcleos grácil e cuneiformes do bulbo (MACHADO. terminando no bulbo. 2002. 1993). Os axônios dirigem-se ventralmente. O prolongamento periférico conecta-se aos mecanorreceptores e o prolongamento central penetra na medula pela divisão medial da raiz posterior e dividese em um ramo descendente curto e outro ramo descendente longo.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. que estão situados no núcleo ventral póstero-lateral do tálamo. MACHADO. ambos situados nos fascículos grácil e cuneiforme. Os neurônios de primeira ordem ou neurônios I estão localizados nos gânglios espinhais. constituindo as fibras arqueadas internas. Portanto.

. trato espino-cerebelar anterior e trato cuneocerebelar). para ajustar a postura e para realizar atividades motoras (LEHMKUHL e SMITH. auditivos e vestibulares. reenviando os sinais motores supra-segmentares aos níveis segmentares. A atividade biomecânica normal da marcha pode ser explicada pela concentração das três grandes articulações talocrural ou do tornozelo. também referida como articulação transtarsal ou de Chopart. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 cerebelo (trato espino-cerebelar posterior. conversor de torque e braço rígido durante o ciclo da marcha. absorvedor de choque. 1989). 2. 1993). onde somente a primeira é considerada articulação do tornozelo e as demais articulações consideradas pertencentes ao pé (MCPOIL e BROCATO. bem como dos receptores visuais.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. O córtex somatosensorial integra os impulsos sensoriais de todos os tipos de receptores nos tendões. subtalar ou transtalar e mediotársica. articulações e na pele.2 Tornozelo A função biomecânica eficiente do tornozelo e do pé depende de sua capacidade de agir como um adaptador.

os atletas usam tênis especiais. 1997). o tornozelo fica estável quando altas forças são absorvidas pelo membro ao parar e rodar sobre ele. Estudos epidemiológicos mostram que entre 10 a 28% de todas as lesões relacionadas ao esporte são entorse de tornozelos. déficits sensoriais locais e danificação da propriocepção. 2004). 01 – 2005 ISSN 1675-8265 De acordo com Hamill e Knutzen (1999). Contudo se qualquer uma das estruturas de suporte da articulação do tornozelo for lesada. SMITH. A injuria em uma articulação pode causar direta ou indireta alteração nas informações sensórias geradas pelos mecanorreceptores (LASKOWSKI. sendo a principal causa de afastamento das atividades atléticas quando comparado a qualquer outro tipo de lesão esportiva (PAPADOPOULOS. Conseqüentemente. NEWCOMERANEY. As perdas das funções do tornozelo com a instabilidade crônica podem incluir uma habilidade inadequada na detecção do movimento quando contrastado a um tornozelo saudável. 2004). ou em muitos outros movimentos do membro inferior. órteses e bandagem para prevenir o entorse de tornozelo (SACCO. esta pode se tornar uma articulação bastante instável.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. .

3 Bandagem O principal objetivo da aplicação de bandagens é fornecer apoio e proteção aos tecidos moles. sem limitar suas funções desnecessariamente. seja nas etapas iniciais ou nas mais avançadas do tratamento fisioterápico. entretanto. 1999). Há. .1 Técnica de “Bota Aberta” para tornozelo Recebe esse nome devido à descontinuidade das tiras da bandagem resultando em uma faixa aberta na região dorsal do pé. reduzindo o risco de reincidivas (SILVA JR. controvérsia sobre efeito na propriocepção (SANTOS. reduzindo assim a freqüência ou gravidade de lesões.3. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 2. Essa técnica pode ser aplicada tanto antes (como prevenção). 2004).Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. devido ao aumento da estabilidade articular ou pela maior estabilidade às articulações que apresentam histórico de lesões. como depois da ocorrência de lesões. A prevenção ocorre pela sustentação ou apoio às áreas submetidas a estresse excessivo e/ou repetido. 2.

01 – 2005 ISSN 1675-8265 2.3.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 1999). .2 Posicionamento do indivíduo O indivíduo deve sentar com o joelho estendido. É de suma importância que o indivíduo mantenha o tornozelo na posição de 90º durante toda a bandagem para que o posicionamento minimize o estresse potencial sobre os ligamentos.3 Aplicação da bandagem Usou-se a técnica conforme descrita por Silva Jr (1999). 2. A bandagem inicia-se com a aplicação de três tiras (âncoras) a aproximadamente dois centímetros acima dos maléolos.3. tornozelo mantido a 90º e ligeiramente evertido. Um aspecto técnico importante na aplicação destas técnicas é o posicionamento inicial e a manutenção do pé em eversão e dorsiflexão (SILVA. A âncora tem o objetivo de fornecer um ponto de fixação para aplicação de outras faixas da bandagem.

O segmento corporal não é completamente envolvido – deixa-se à parte da frente aberta. Deve-se se assegurar de que não haja rugas (dobras) ou sobras e que a bandagem esteja sendo aplicada adequadamente. Circunda-se o tendão Aquileu e prende-se a ferradura no bordo lateral das âncoras (SILVA. 1999). acomodando o primeiro estribo paralelamente à perna. . Intercala-se novo estribo e nova ferradura até totalizar três de cada. posteriormente ao maléolo medial. as âncoras devem ser aplicadas angularmente. Passa-se por baixo do pé. A segunda e terceira âncora devem recobrir a metade da largura da anterior. pelo bordo lateral e prenda-a sobre a parte lateral das âncoras. De modo firme. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 Repete-se a operação na junção dos ossos do tarso com os do metatarso com duas tiras. Aplica-se após os estribos (ou faixas laterais) começando pelo bordo medial das âncoras. puxa-se a atadura para cima. a dorsiflexão.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. Devem ser aplicadas do bordo lateral para medial. bem em cima do calcâneo (sobre o revestimento adiposo). aplica-se a primeira volta da ferradura. iniciando-se pelo bordo medial das âncoras. A atadura deve estar bem acomodada sobre a pele. Em seguida. O estribo tem a função de estabilizar o seguimento e/ou a articulação. bem abaixo do maléolo medial. favorecendo assim.

. Repete-se esses procedimentos na direção oposta. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 Inicia-se o fechamento da parte baixa da bandagem recobrindo as tiras das bandagens sobre a planta e laterais do pé. 2003). As tiras de acabamento cobrem as extremidades das tiras da parte alta para que elas não comecem a soltar. Inicia-se pelo bordo medial no dorso do pé e passa por debaixo do calcanhar. Tenciona-se um pouco enquanto a bandagem é puxada para cima e para trás do maléolo lateral. Deixa-se a parte frontal e superior aberta. São paralelas aos estribos.4 Posturografia Dinâmica A posturografia baseia-se no princípio de que o equilíbrio resulta da integração das aferências visuais. Encerra-se a bandagem funcional com a trava do calcanhar para proporcionar estabilidade extra. iniciando pelo bordo lateral do dorso do pé. A parte alta é fechada a partir da parte de cima das âncoras e dirige-se ao tornozelo. com a base alargada (os pés na mesma linha dos ombros) sobre o solo . descalço. 2. Continua-se envolvendo toda a parte de trás do tornozelo até o bordo frontal da bandagem.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. vestibulares e proprioceptivas (ROSSI et al. O Equitest testa o equilíbrio dinâmico colocando-se o indivíduo em pé.

mas a plataforma está fixa (avalia o sistema proprioceptivo. A disfunção visual é identificada pelo aumento da oscilação corporal na análise comparativa entre as condições I e IV. A disfunção vestibular é caracterizada pela instabilidade comparando-se as condições I e V. f) SOT VI. c) SOT III. De acordo com Ledin e Odkvist (1993) e Nashner (1993) (apud ROSSI et al.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. e) SOT V. visual e vestibular) (LUNDY-EKMAN. em balanço com eixo antero-posterior (MEDEIROS. Tanto a plataforma quanto a referência visual podem ser movimentadas. realizado em seis condições: a) SOT I. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 circundado por um panorama visual (horizonte artificial). onde a visão está ausente e o suporte está oscilante (avalia os sistemas proprioceptivo e vestibular. e. b) SOT II. onde a visão está normal e a plataforma está fixa (avalia os sistemas visual. . onde a visão está com referência oscilante. 2003). vestibular. a posturografia dinâmica computadorizada permite identificar o tipo de disfunção do sistema de equilíbrio corporal. onde a visão está com referência e o suporte está oscilante (avalia os sistemas proprioceptivo. proprioceptivo e vestibular). visual). Este exame inclui o teste de coordenação motora e o teste de organização sensorial. 2000. em condições de sobrecarga. devido à eliminação da aferência visual e à movimentação do suporte).. 2003). sobretudo. 2003). ROSSI et al. d) SOT IV. onde a visão está normal e o suporte oscilante (avalia principalmente o sistema proprioceptivo). A disfunção proprioceptiva é diagnosticada pelo aumento da oscilação corporal com os olhos fechados em comparação com os olhos abertos nas condições I e II. onde a visão está ausente e a plataforma está fixa (avalia os sistemas proprioceptivo e vestibular).

. denominado Foam-Laser Dynamic Posturography (FLP).Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. . devido ao altíssimo custo o Equitest. Segundo o autor. inviabilizando o seu uso na grande maioria das instituições. 2003) desenvolveu um novo método para realização do Teste de Organização Sensorial. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 Castagno (1994) (apud ROSSI et al. o FLP é uma técnica de baixo custo e confiável para realização de SOT.

MATERIAIS E MÉTODOS 3.2 Caracterização da Amostra: A amostra foi composta por 15 estudantes do sexo feminino da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). com idade média de 22.1 Caracterização do Estudo: Este estudo caracteriza-se como um ensaio clínico transversal.96).Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 3. . 3. 07 anos (± 0.

01 – 2005 ISSN 1675-8265 3. d) relatar história de qualquer tipo de diabetes. f) vestibulopatias diagnosticadas . Foram adotados como critérios de exclusão: a) respeito à liberdade de recusa em participar do estudo. c) relato de lesão aguda nos últimos 2 meses no tornozelo e/ou joelho. e) ingestão de bebida alcoólica no momento da avaliação prática.3 Critérios de Inclusão e Exclusão: Para este estudo foram adotados como critérios de inclusão: a) aceite ao convite para participar da pesquisa. b) relato de lesão crônica no tornozelo. b) estar matriculado em qualquer curso oferecido pela UNIOESTE.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n.

b) esparadrapo TW ®.5 Procedimentos Metodológicos: Este estudo foi previamente aprovado pelo comitê de ética em Pesquisa envolvendo seres humanos da UNIOESTE (ANEXO I).Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 3. c) ficha de avaliação . foi agendada uma entrevista para a avaliação clínica inicial (ANEXO II) com intuito de identificar possíveis fatores exclusivos e qual é o membro inferior dominante. Inicialmente os indivíduos foram contatados verbalmente e convidados a participar da pesquisa. Após aceitação. . d) caneta laser 3.4 Materiais: Foram utilizados: a) aparelho de posturografia dinâmica FOAM-LASER DYNAMIC POSTUROGRAPHY (FLP).

01 – 2005 ISSN 1675-8265 Uma vez selecionada a amostra. A quantificação dos resultados obtidos varia entre 100% (não houve deslocamento registrado) até 0%. mesmo diante das oscilações da mesma e do campo visual envolvente. visual (VIS). espuma de densidade média. Cada situação perdura por 20 segundos e é realizada duas vezes consecutivas com intervalo de 30 segundos entre elas. A análise sensorial através da posturografia dinâmica mostra a capacidade de utilizar os sistemas somatosensorial (SOM).. com a caneta laser presa ao cinto e este fixado a cintura do indivíduo. O FLP é constituído de uma cabina em forma de “C” de 1m 2 por 2m de altura. papel milimetrado e suporte de 2m de altura. O indivíduo fica em pé em frente à concavidade da cabina do FLP. A meta em cada uma destas condições é a manutenção do equilíbrio estático. na altura do umbigo. que corresponde à queda em qualquer direção (MEDEIROS et al. Mede-se então à distância da ponta da caneta laser até o papel milimetrado. vestibular (VEST) e grau de . fita métrica. O paciente é orientado a permanecer o mais imóvel possível na plataforma. Os valores são captados pelo deslocamento da luz do laser sobre o papel milimetrado no sentido antero-posterior.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. os indivíduos foram submetidos a uma avaliação prática do equilíbrio através da posturografia dinâmica (FLP). preso ao suporte. Usa-se também caneta laser e cinto com espaçador de isopor acoplados ao paciente.2003). armação metálica com tecido listrado (imagem com conflito visual).

67% para VEST e 95% para PREF. visual). A quarta condição (SOT IV) é composta pela avaliação do equilíbrio em posição bipodal com instabilidade (através de uma almofada) sem restrição visual (capta os dados.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. devido à eliminação da aferência visual e à movimentação do suporte). A quinta condição (SOT V) é composta pela avaliação do equilíbrio em posição bipodal com instabilidade (através de uma almofada) e com restrição visual (capta os dados dos sistemas proprioceptivo e vestibular. O teste de organização sensorial (SOT) é realizado em 6 condições. proprioceptivo e vestibular). A segunda condição (SOT II) é composta pela avaliação do equilíbrio em posição bipodal estável com restrição completa da visão (capta os dados dos sistemas proprioceptivo e vestibular). sobretudo. vestibular. 88% para VIS. e. para a manutenção do equilíbrio ortostático. considerando normais os valores obtidos no FLP maiores que 92% para SOM. em condições de sobrecarga. principalmente. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 preferência visual (PREF). . A primeira condição (SOT I) é composta pela avaliação do equilíbrio em posição bipodal estável sem restrição visual (capta os dados dos sistemas visual. com conflito visual pela movimentação da tenda da posturografia no sentido antero-posterior (capta os dados do sistema proprioceptivo. do sistema proprioceptivo). porém. A terceira condição (SOT III) é composta pela avaliação do equilíbrio em posição bipodal estável sem restrição da visão.

Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. como descrita por Silva Jr (1999) e permaneceram com a bandagem por 72 horas. visual e vestibular). Assim. o . Utilizou-se a técnica de bota aberta. Terminado o período de três dias com a bandagem. Em seqüência a avaliação inicial.6 Tratamento Estatístico: Para o tratamento estatístico. os dados foram tabulados de forma que os sistemas foram evidenciados conforme Rossi et al (2003). As voluntárias foram instruídas a banhar-se com saco plástico no pé e. esta foi removida e imediatamente refeito o teste de equilíbrio com o FLP. aplicou-se a bandagem com esparadrapo no tornozelo do membro inferior dominante das voluntárias. 3. os sistema somatosensorial pôde ser avaliado pela razão entre o resultado do SOT II pelo SOT I. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 A sexta condição (SOT VI) é composta pela avaliação do equilíbrio em posição bipodal com instabilidade (através de uma almofada) e com conflito visual pela movimentação da cabine da posturografia (capta os dados dos sistemas proprioceptivo. que procurasse o acadêmico responsável para troca da mesma. machucar ou houvesse estase no pé bandado. se eventualmente a bandagem começasse a sair.

01 – 2005 ISSN 1675-8265 sistema visual pela razão entre o resultado do SOT IV pelo SOT I. ou seja. a preferência visual pela razão entre a soma do resultado do SOT III e SOT VI pela soma do resultado do SOT II e SOT V . o sistema vestibular pela razão entre o resultado do SOT V pelo SOT I e. .05. compara os valores pré e pós-bandagem do mesmo indivíduo. O nível de significância usado foi de α= 0. A análise estatística foi realizada usando o teste t de Student por ser um teste paramétrico.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n.

. MÉDIA DA OSCILAÇÃO PERCENTUAL 0. adotando (α=0.96 anos.0000 a média da oscilação percentual estiver.9880 0.9830 0.9920 0.07 +/.9860 0. melhor o desempenho do sistema. 2. Os resultados descritivos e inferênciais decorrentes das comparações entre as avaliações pré e pós a utilização da bandagem nos sistemas somatosensorial (SOM).9800 0.9820 0. podem ser visualizados nas figuras 1.05).9780 SOMA Pré 0. 3 e 4 respectivamente.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n.9840 0. visual (VISU) e na preferência visual (PREF).9908 SOMA Pós MOMENTO DAS AVALIAÇÕES DO SISTEMA SOMATOSENSORIAL Figura 1 – Comparação entre as médias das oscilações percentuais do sistema somatosensorial nas avaliações pré e pós-bandagem pelo teste t.0. vestibular (VEST). 01 – 2005 ISSN 1675-8265 4 RESULTADOS Fizeram parte da amostra 15 voluntárias que apresentaram média de idade de 22.9900 0. Quanto mais próximo de 1.

8039 0.8000 0.9500 0.8919 VEST Pós MOMENTO DAS AVALIAÇÃO DO SISTEMA VESTIBULAR Figura 2 – Comparação entre as médias das oscilações percentuais do sistema vestibular nas avaliações pré e pós-bandagem pelo teste t.8200 0.0091 VISU Pós MOMENTO DAS AVALIAÇÕES DO SISTEMA VISUAL Figura 3 – Comparação entre as médias das oscilações percentuais do sistema visual nas avaliações pré e pós-bandagem pelo teste t.9900 0.9400 0.7800 0.9600 0. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 MÉDIA DA OSCILAÇÃO PERCENTUAL 0.05).8400 0. MÉDIA DA OSCILAÇÃO PERCENTUAL 1.8800 0.9000 0.05).9700 0.9800 0.7600 0.8600 0.9300 VISU Pré 0.9609 1.0000 0.0100 1.0200 1. . adotando (α=0.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n.7400 VEST Pré 0. adotando (α=0.

mas só na preferência visual isso foi significativo.7000 PREF Pré PREF Pós MOMENTO DAS AVALIAÇÕES DA PREF 0.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. adotando (α=0.7902 * ** 0. Houve uma melhora na média dos valores de todos os sistemas pós-bandagem em relação aos pré-bandagem.05).9056 Figura 4 – Comparação entre as médias das oscilações percentuais da preferência visual nas avaliações pré e pós-bandagem pelo teste t.9000 0. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 MÉDIA DA OSCILAÇÃO PERCENTUAL 0. .8500 0.8000 0.7500 0.9500 0.

Essa estabilização impede que o mundo visual pareça estar sacudindo ou pulando quando a cabeça é movida.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. mantenedores da estabilidade do mundo visual quando a cabeça é movida. assim. Este estabiliza as imagens visuais durante os movimentos oculares e cefálicos. A perda da estabilidade da imagem visual pode ser percebida quando há conflito entre as informações do sistema vestibular e visual. o sistema vestibular exerce duas funções no controle do movimento: a) estabilização da mirada e. pode-se hipotetizar que o uso da bandagem tenha diminuído as aferências proprioceptivas requerendo. Embora não se tenha encontrado na literatura pesquisas que pudessem justificar os resultados estatítiscos da presente pesquisa. entretanto somente na preferência visual essa diferença foi significativa. A função do sistema visual é em parte dependente do sistema vestibular porque a informação vestibular contribui para os movimentos oculares compensatórios. (LUNDY-EKMAN. b) ajustes posturais. A estabilização da mirada atua por meio do reflexo vestíbuloocular. 2000). Além de fornecer informação sensorial sobre os movimentos e a posição da cabeça. . 01 – 2005 ISSN 1675-8265 5 DISCUSSÃO Verificou-se que na avaliação pós-bandagem as médias de todos os sistemas foram maiores. maior interação dos sistemas visual e vestibular.

2004). modificando os outputs dos outros sistemas. GUYTON. .5/1. (1999) (apud SACCO. Segundo Hopper et al. 2003).000 em jogadores que a utilizavam. 2001). Vários trabalhos utilizaram o senso de percepção do movimento e a reprodução ativa de ângulos articulares pré-determinados para avaliar a propriocepção (DESHPANDE. o organismo precisa redefinir a respectiva contribuição de cada sistema sensorial para normalizar a postura (integração proprioceptiva). 01 – 2005 ISSN 1675-8265 Vuillerme (2001) coloca que. 1997). principalmente porque a propriocepção tem componentes conscientes e inconscientes e cada receptor é um filtro seletivo para determinado tipo de estímulo (LUNDY-EKMAN. após a modificação dos inputs sensoriais. 2004). O uso profilático da bandagem de tornozelo nos esportes teve grande incremento nos últimos anos (SANTOS. entretanto estes testes não foram utilizados nesta pesquisa. 2000. avaliar a ação integrada de todas as informações proprioceptivas é uma tarefa complexa. são comuns em atividades esportivas (PODZIELNY e HENNING.000 jogos em jogadores de basquete que não utilizavam a bandagem e de 6. Corroborando. Lesões do tornozelo.4/1. Fransson et al. 2002. principalmente entorse lateral. a incidência de lesões de tornozelo é de 30. (1998) percebeu que uma mudança na intensidade ou na aquisição das informações de um ou mais sistemas sensoriais afeta a performance do controle postural.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. Entretanto. SHUMWAY-COOK e WOOLLACOTT.

(1995) e Verbrugge (1996) (apud SANTOS. a agilidade e salto vertical em jogadores de basquetebol. 2004) não reportaram diferença significativa na velocidade e na agilidade entre grupos com tornozelos bandados e não bandados. no balanço estático e dinâmico e na propriocepção. Estudos sobre bandagem em tornozelo demonstraram sua efetividade na restrição dos movimentos.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. Jerosch e Schoppe (1997) (apud PAPADOPOULOS. 2004) investigaram a eficácia de três tipos de bandagem de tornozelo (rígida. 1997). Pesquisas sobre o efeito da bandagem de tornozelo na propriocepção da articulação e controle postural é controverso (SANTOS. Entretanto. semi-rígida e flexível) e os comparou com tornozelos sem restrição. Loche et al. percebeu que o efeito em longo prazo da aplicação de um estabilizador profilático do tornozelo não teve nenhum efeito no desempenho atlético das atividades que envolvem a velocidade. 2004) mostraram que a aplicação de bandagem em tornozelo durante três meses em sujeitos com instabilidade funcional do tornozelo resultou em uma melhoria significativa na velocidade. (1998) (apud PAPADOPOULOS. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 McCaw e Cerullo (1999) (apud PAPADOPOULOS. 2004) encontrou também que o uso por quatro meses de uma cinta semi-rígida no tornozelo realçou significativamente o desempenho de jogadores de basquetebol em atividades de salto específico. Os resultados mostraram que qualquer tipo de bandagem restringiu a ADM e diminuiu a velocidade angular de forma significativa. Jerosch et al. Pienkowski et al. Em contra partida. especialmente a inversão e eversão (PODZIELNY e HENNING. (1997) (apud PAPADOPOULOS. 2004). . 2004).

Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. sugere que novas pesquisas sejam feitas correlacionando as alterações no equilíbrio decorrentes do uso das bandagens com testes proprioceptivos específicos. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 Assim. .

Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. não se pode ser conclusivo a este respeito em virtude da não utilização de testes proprioceptivos mais específicos. Entretanto. pode-se sugerir que a bandagem interferiu no equilíbrio na situação em que houve um conflito visual e proprioceptivo e que isso possa ter sido decorrente de uma diminuição das aferências do sistema somatosensorial. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 6 CONCLUSÃO A partir dos resultados desta pesquisa. .

. FATTINI. v. In: GREVE. DANGELO. M. Neurociência: explorando o cérebro. 47-80. M. M.. 2.A. GAGEY. Estratégias de Controle em Movimentos Complexos: Ciclo Percepção – Ação no Controle Postural. Posturologia. September 2001. M. 1995. São Paulo. Reliability and Validity of Ankle Proprioceptive Measures..ed. J. 2000. Revista Paulista de Educação Física. São Paulo: Manole.. 2003 BERTOLUCCI. L. E. FREITAS. L. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARCELLOS. CARRIÈRE. B. 1999. L. Revista Brasileira de Medicina. São Paulo: Roca. n. IMBIRIBA. A. J. G. WEBER. 64– 74. p. 1998.P.dez. C. 2000. 1999. R. N.. ed. São Paulo. 43-52. M.. Analysis of adaptation in anteroposterior dynamics of human postural control. BIENFAIT. M. Posturologia . R. Vertigem tem Cura? O que aprendemos nestes últimos 30 anos. M. MAGNUSSON. Exercícios Básicos e Aplicação Clínica. 16. P.173-184. p. et al. A. e AMATUZZI. São Paulo: Manole. Rio de Janeiro. BRICOT. Aging and Technology Conference. COSTIGAN. B. p. B.. Jansen-Cilag. São Paulo: Ícone. F. M. F. 1997. 1998. v. 2ºed. A.São Paulo: Atheneu. SãoPaulo: Atheneu. 54. J. 3. . Revista Paulista de Educação Física. A. BEAR. C.WECKX.M. 3. 79-88. supl 3. A. JOHANSSON.G. 1999. DESHPANDE. Medicina de reabilitação aplicada à ortopedia e traumatologia. 7 . Os desequilíbrios estáticos. P. GANANÇA. jan/jun 2002.Regulação e distúrbios da posição Ortostática. CULHAM. Bola Suíça: Teoria.ed. Alterações posturais e do equilíbrio corporal na primeira posição em ponta do balé clássico. São Paulo: Summus. Cinesioterapia. BARELA. Gait and Posture. p. p. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar.D... 1. CONNELLY. São Paulo: Lemos editorial. v. 1998. FRANSSON. M. Labirintopatias.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. L.

2. KII. COLBY. D. São Paulo: Manole. HUNGRIA. R. BROCATO.). Refining Rehabilitation With Proprioception Training: Expediting Return to Play. São Paulo: Atheneu. Avaliação do tratamento dos distúrbios vestibulares na criança através da posturografia dinâmica computadorizada: resultados preliminares.. S. 1998. 1998. C. 1991 KISNER. 1993. C.A. In: HEBERT.. C.. J. PEDALINI..M. CAOVILLA. Fraturas e lesões do tornozelo no adulto. 2003. n. MACHADO. L. SMITH. 363. Rio de Janeiro... Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. ed. . C.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. Fisioterapia na ortopedia e na medicina esportiva. K. 1989. Jansen-Cilag.M. São Paulo: Lemos editorial. Rio de Janeiro: Guanabara-koogan. WECKX. LASKOWSKI. KNUTZEN. São Paulo: Manole. p. L. In: GANANÇA.. A. E. M. ed. Cinesiologia Clínica de Brunnstrom.. T.337-42. H.M.. S. A. Consenso Sobre Vertigem. J. K. 1997. Neuroanatomia Funcional. 10. SAKANO. M. 2. HAMILL. MENON. R. MEDEIROS. L. 2000. v. 9 – 35.R. 3. R. 6. 1993. LORENZI. Bases biomecânicas do movimento humano. XAVIER. In: GOULD. T. n. (org. M. I. NEWCOMER-ANEY.M.. 2002. 4. p. L. Exercícios terapêuticos – Fundamentos e Técnicas.A (org. HALL. HENNING. Tratado de Fisiologia Médica. Pé e tornozelo: avaliação biomecânica e tratamento. LEHMKUHL. B. Neurociências: Fundamentos para a Reabilitação. ed. E. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan. n.G. S. L.) Ortopedia e traumatologia: princípios e prática. 10. 6. SMITH. Desequilíbrios e reequilíbrios.. The Physician and Sports Medicine.. E. GUYTON.. HENNING. E. Otorrinolaringologia. FORMIGONI. R.L. São Paulo: Manole. 1999. p. ed. BITTAR. M. v. A.G. MCPOIL. L. Porto Alegre: Artmed.J. ed. M. J. D. 2003. Vertigem tem Cura? O que aprendemos nestes últimos 30 anos. 66. 4. 2000.. LUNDY-EKMAN. p. K. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 GANANÇA.1389-1403. São Paulo: Manole. 25. v. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. p.79. H.. J. A. Jornal de Pediatria. ed. E. 293-297.H.

M. L. N. S. p. 2. R... SANVITTO. 2.n.. W. H. J. Método Kabat: Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva. RUWER. 1998.H.. ALBUQUERQUE. 964–971.. M. C..A. T. N. J. BACARIN. NOUGIER. C.. R. Clinical Biomechanics. 1999.15. HENNING. . F. WOOLLACOTT. A. V. Estabilidade Biomecânica do Tornozelo. S. n. R. nov/dez 2004 . PAPLER. REICHEL. 2001.. VUILLERME. M. In: GREVE. E. C. 1997. I. The effect of expertise in gymnastics on proprioceptive sensory integration in human subjects. VASCONCELLOS. v. Medicina de reabilitação aplicada à ortopedia e traumatologia. P. 4.. V.. H. Clinical Biomechanic. 592.S. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro: Sprint.. GUIMARÃES.. e AMATTUZZI. S.. M. A. NICOLOPOULOS.1-6. E. p. VIEIRA. G. 1999. athletic performance and neuromuscular control: a review of the literature. Neuroscience Letters 311. TAKAHASI. L. K. BELLÉ. 10.Reabilitação do joelho. McINTIRE. L. jul/dez 2004 PAPADOPOULOS. 12. The Foot. p. E. C. ed... P. p. FOECKING. A. Teoria e SILVA JR. Revista UNINGÁ. R. G. BEUTER. KAVAMOTO.. SACCO. Manual de Bandagens Esportivas. L..G. 2004. 2000. Controle Motor: Aplicações Práticas. A.. ANDERSON. 1º ed. VASCONCELLOS. C.. E. São Paulo: Atheneu. V. PEREIRA. K. 73–76. J. P. 447-52. 253-58. J. Reabilitação Vestibular e Posturografia Dinâmica. 2003. LOTH. SHUMWAY-COOK. 2005. v. BATTISTELA.G et al. C. 01 – 2005 ISSN 1675-8265 NAKAYAMA. A. C. 6. SANTOS.. C.. São Paulo: Roca.Monografias do Curso de Fisioterapia da Unioeste n. M. V. N. n. G. G. p.M... SARTORI. W. F. p. PODZIELNY. M. ATHANASOPOULOS. A. LIU. 1995. The effects of ankle bracing on motion of the knee and the hip joint during trunk rotation tasks. BERTOLINI. (org). FERRO. São Paulo: Premier. ROSSI.. Y.I. F. 8-9. Restriction of foot supination by ankle braces in sudden fall situations.. J. LOPES. S. E.191-224. A.. S. A. 19. São Paulo: Manole. SUDA. Propedêutica neurológica básica. M. Y.. J. TEASDALE. p. Influencia de implementos para o tornozelo nas respostas biomecânicas do salto e aterrissagem no basquete. CURRAN. E. The role of ankle bracing in injury prevention. S.

sua aplicação na prática clínica. suporte oscilante (avaliação principalmente do sistema proprioceptivo). O tornozelo do membro inferior dominante dos voluntários será bandado pela técnica de bandagem funcional ou esparadrapagem. b) visão ausente. c) visão com referência oscilante. e. não existindo risco à saúde. f) visão com referência e suporte oscilante). plataforma fixa (avaliação dos sistemas proprioceptivo e vestibular). Estes permanecerão com as bandagens por 3 ( três) dias consecutivos. sobretudo. portanto. o que dificulta. Após este período serão submetidos a nova avaliação pela posturografia dinâmica. d) visual normal. Riscos: Não será realizado nenhum procedimento invasivo. proprioceptivo e vestibular). vestibular. Após . Procedimentos: Os voluntários serão submetidos a uma avaliação do equilíbrio pela posturografia dinâmica em 6 situações diferentes: a) com a visão normal e a plataforma fixa (avaliação dos sistemas visual. e) visão oscilante. plataforma fixa (avaliação dos sistemas proprioceptivo.ANEXO I TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Nome da pesquisa: Efeito da Utilização da Técnica de Bandagem Funcional do Tornozelo Sobre o Equilíbrio Coordenador ou Pesquisador: Alberito Rodrigo de Carvalho Objetivos: Avaliar a influência da utilização da técnica de bandagem de bota aberta por esparadrapagem para o tornozelo sobre o equilíbrio e sobre a propriocepção. Custos Adicionais: Não se faz necessário o gasto com custos adicionais. Justificativa: Justifica-se a presente pesquisa pela falta de consenso na literatura científica sobre os benefícios dos diferentes recursos de bandagens disponíveis. suporte oscilante (avaliação dos sistemas proprioceptivo e vestibular ). visual). Cada situação perdura 20 segundos e será realizada duas vezes.

em caso de dúvidas ou notificação de acontecimentos não previstos. riscos benefícios e outros relacionados à pesquisa.Não ser identificado e ser mantido o caráter confidencial das informações relacionadas à privacidade.Procurar esclarecimento com o Comitê de Ética em Pesquisa da UNIOESTE. 3. _____________________________ Data: ___/___/____Telefone: 88083403 . Nome do responsável ou do sujeito: _______________________________ Assinatura: ___________________________________________________ Eu.Receber resposta a qualquer pergunta e esclarecimento sobre os procedimentos. 3220-3131. ____ de ________________ 2005. Alberito Rodrigo de Carvalho. 4. através do telefone. Local _________________. declaro que forneci todas as informações referentes ao estudo ao participante e/ou responsável. e ter meus direitos de: 1. 2.Retirar o consentimento a qualquer momento e deixar de participar do estudo. declaro permitir que ______________ participe da pesquisa.ler e receber explicações sobre a pesquisa. Em caso de pesquisa com menores.

ANEXO II FICHA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA Nome:_________________________________________________________________ Idade:________________Curso:____________________________________________ 1)Você tem lesão crônica em um ou em ambos os tornozelos? ( ) sim ( ) não 2)Você teve alguma lesão em um ou ambos os tornozelos nos últimos dois meses? () sim ( ) não 3)Você teve alguma lesão em um ou ambos os joelhos nos últimos dois meses? ( ) sim ( ) não 4)Você é sabidamente portador de qualquer tipo de diabetes? ( ) sim ( ) não 5)Você é sabidamente portador de vestibulopatias? ( ) sim ( ) não 6)Se você tiver que chutar uma bola. com qual dos membros inferiores você realiza esta ação com maior facilidade? ( ) MI direito ( ) MI esquerdo .