A importância do hábito de leitura no processo de aprendizagem no ensino fundamental

Loide da Conceição Aguiar a

Resumo Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a importância do hábito de leitura no processo de aprendizagem no ensino fundamental, pois sabemos que a leitura tem uma grande importância na formação de alunos conscientes e críticos, onde os mesmos possam fazer do ato de ler uma condição essencial para viver a sua cidadania. Foi realizada através de revisão de artigos sobre o tema e análise sobre processo do ensino e do hábito de leitura no ensino fundamental. Com estes aspectos desenvolveu-se o trabalho tendo como base central a importância da leitura, demonstrando problemática da falta de leitura e suas conseqüências no processo de ensino-aprendizagem e seus reflexos no comportamento dos alunos. Palavras-chave: Hábito. Leitura. Aprendizagem. Ensino fundamental.

Introdução

O ensino da leitura esta relacionado diretamente a formação pessoal e intelectual do ser humano ainda nas séries iniciais, sabemos que existe ainda hoje pouco espaço nos programas de formação inicial e continuada das escolas brasileiras. O habito de leitura se constitui em uma prática indispensável ao cotidiano. A leitura se constitui como um dos avanços à busca do conhecimento sistemático é aprofundado. Com o hábito da leitura, podemos modificar a vida dos alunos, porém encontramos algumas dificuldades nesse contexto com a relação leitura e aprendizagem. Devemos considerar a aprendizagem como um processo dinâmico do ser humano, o qual elabora, constrói e reconstrói seu conhecimento como resultado da ação partilhada, entre os sujeitos. A leitura está diretamente ligada a escrita, pois sabemos que a exposição do pensamento ou da fala por meio da reflexão, estabelecendo associações mediante a interpretação das informações.

a.

Acadêmica co Curso de Pedagogia da Ulbra, Boa Vista, RR.

p.1988.20). considerado em conjunto.1. O artigo tem como objetivo central investigar e refletir sobre a importância do hábito de leitura no processo de aprendizagem. desencadeiam o processo de significação(1983. 5. ato ou efeito de ler. p. A leitura estimulada no ambiente escolar. conhecendo quais os valores que interferem no desenvolvimento dessas habilidades. em quais as intervenções necessárias realizadas. Arte ou hábito de ler. ao se referir à leitura: A leitura é o movimento crítico da constituição do texto. esses primeiros contatos propiciam à criança a descoberta do trabalho.2 As crianças precisam ser seduzidas para a leitura. p. a literatura infantil tem sua importância na escola e torna-se indispensável por conter todos os aspectos aqui levantados. em Aurélio (1988) é: “Leitura. Enfatizando os aspectos cognitivos da leitura. A importância do hábito de leitura no processo de aprendizagem no ensino fundamental Leitura. Assim se posiciona Orlandi (1983. O que se lê. 2. a leitura. Assim. motivam-na para a concretização do ato de ler o texto escrito.aquilo que se lê. com base em Martins (1982). pois mesmo com suas limitações. pois é o momento privilegiado do processo da interação verbal: aquele em que os interlocutores. contribuir ainda para o desenvolvimento pessoal. porque consideramos que a percepção bem como reflexão sobre o conjunto complexo de componentes mentais da compreensão contribuirão em primeira instância a formação do leitor e conseqüentemente ao enriquecimento de outros aspectos humanísticos e criativos do ato de ler. .390). segundo determinado critério”(AURÉLIO. pode ser conceituada como um processo de compreensão de expressões formais e simbólicas não importando por meio de que linguagem. ao se identificarem como interlocutores. conduzindo a criança ao mundo da escrita. Dessa maneira. 2007). como Martins (1989) na criança esta leitura através dos sentidos revela um prazer singular. intelectual.F. 20). pelo professor e pela família. 4. 3. A escola torna-se fator fundamental na aquisição do hábito da leitura e formação do leitor. sendo de grande valor por proporcionar o desenvolvimento e a aprendizagem da criança em sua amplitude (PEREIRA. S. ela é o espaço destinado ao aprendizado da leitura. Arte de decifrar e fixar um texto de um autor.

que envolve muito mais elementos. de tudo o que sabe sobre a linguagem. 1990. Por isso. de entender e interpretar a realidade do mundo. O novo conhecimento revela a razão de ser que se encontra por detrás dos fatos. Serve ainda para se ensinar e treinar a pronuncia dos alunos no dialeto-padrão e em outros.3 Para Molina (1982. da Língua Portuguesa. a leitura pode ser encarada como um conjunto de praticas culturais. ele enfatiza a importância da leitura: Na escola a leitura serve não só para aprender a ler. de seu conhecimento sobre o assunto. que podem promover mudanças sociais (PEREIRA. para resposta já adquirida. 2007) . O conhecimento de um conhecimento anterior. Freire acreditava que uma leitura critica não poderia deixar de lado as relações entre o econômico. assim. p. o político e o pedagógico. lendo. 105). Para conseguir esses objetivos é preciso . a maneira como a escola trata a leitura leva muitos alunos a detestá-la e iniciam-se assim muitas histórias de fracassos e analfabetismo. Logo. na qual o estímulo gráfico apresentado aponta direta e automaticamente. Desse modo. a partir de seus objetivos. a leitura não é um mero ensino de como decodificar letras. etc (PCNS. esportivas. torna-se algo significativo na medida em que é encarada como um conjunto de praticas que funcionam para desenvolver a potencialidade do sujeito. como ele esclareceu no texto abaixo: O ato de aprender a ler e escrever é um ato criativo que implica uma compreensão critica da realidade. abre para eles a possibilidade de um novo conhecimento. como para aprender outras coisas. a leitura é: “um processo passivo. ou seja. A leitura é uma maneira de se aprender o que é escrever e qual a forma ortográfica das palavras. mas sim.12). sobre o autor. obtido pelos educandos como resultado da analise de práxis em seu contato social. A leitura. A leitura de um texto exige agora uma leitura dentro do contexto social a que ele se refere (FREIRE. 1997. desmitologizando. deixa de existir qualquer separação entre pensamento-linguagem e realidade objetiva. Ao se referir à leitura os PCNS. com uma decodificação instantânea numa com significado”. da sociedade e a partir de então. num processo muito mais complexo. para que o aluno possa tomar consciência de si. o cultural. o social. assim se posiciona: A leitura é o processo no qual o leitor realiza um trabalho ativo de compreensão e interpretação do texto. Cagliari afirma que muitas pessoas passam cerca de doze anos na escola (incluindo faculdade) e saem sem saber a língua portuguesa. as falas interpretações desses mesmos fatos. Para Cagliari (1996).51). p. na visão de Freire. não sabem ler corretamente. p. Existe uma serie de atitudes por parte de professores que são essenciais para que isso não aconteça. agir sobre ela.

com as circunstâncias. É através de um conto e/ou de uma história.] a leitura deveria ser a maior herança legada pela escola aos alunos. Desta forma. ou seja. Vislumbramos em Freire (1989) este olhar sobre leitura quando nos diz que a "leitura do mundo" precede a leitura da palavra. p. 2007).. tem o poder de estimular e/ou suscitar o imaginário. satisfazendo suas necessidades e aumentando sua capacidade crítica. basicamente. com ou sem escola (1996. será a fonte perene de educação. Tradicionalmente. Desta forma as autoras afirmam que a recepção de um texto nunca poderá ser entendida como um ato passivo. percebendo a relação entre o texto e o contexto. o ato de perceber e atribuir significados através de uma conjunção de fatores pessoais com o momento e o lugar. idéias. pode-se perceber que a literatura é indispensável na escola como meio . lê-se para aprender a ler. 173). ou para informar-se – ao ler uma notícia de jornal. que conformam o comportamento do leitor e sua atitude frente ao texto. os quais ajudarão na sua formação pessoal (PEREIRA. Quando se fala em criança.. na instituição escolar. ouvir histórias tem uma importância que vai além do prazer. da personalidade. para que efetivamente sejam iniciados a construção da linguagem. Ler é interpretar uma percepção sob as influências de um determinado contexto." Bamberger (1988). "É na escola que identificamos e formamos leitores.. Esta literatura. O ato de ler é um processo abrangente e complexo.4 planejar as atividades de tal modo que se possa realizar o que se pretende. uma pessoa pode ler para agir – ao ler uma placa. Nas trilhas do mesmo entendimento. de entender o mundo a partir de uma característica particular ao homem: sua capacidade de interação com o outro através das palavras. de encontrar novas idéias para solucionar questões e instigar a curiosidade do leitor. como já foi expressa.. enquanto que no cotidiano a leitura é regida por outros objetivos. a compreensão do texto se dá a partir de uma leitura crítica. pois ela. é um processo de compreensão. Souza (1992) afirma: "Leitura é. Esse processo leva o indivíduo a uma compreensão particular da realidade” (p. No dia-a-dia. que a criança pode conhecer coisas novas. de responder as dúvidas do indivíduo em relação a tantas perguntas. que por sua vez estão sempre submetidas a um contexto. 22). A leitura não pode ser uma atividade secundaria na sala de aula ou na vida [. A literatura infantil é como uma manifestação de sentimentos e palavras. da oralidade. Nesse processo. que conduz a criança ao desenvolvimento do seu intelecto. a interação leitor-texto se faz presente desde o início de sua construção (PEREIRA. ou para sentir prazer – ao ler um gibi ou um romance. 2007). pois quem escreve o faz pressupondo o outro. valores e sentimentos. e não a escrita.

acaba sendo um fator decisivo e determinante do fracasso escolar. como "texto". o mediador. afirmam as autoras: A destruição da leitura e do leitor já foi objeto de uma importante investigação feita por Silva (1985). que representa o mundo e a vida através das palavras (PEREIRA. assim como um campo importante para o intercâmbio da cultura literária. É o que sugere Silva . Além disso. Mimeografado. É o caso da uma prática ainda hoje bastante presente na sala de aula: ler para imitar o autor. educar era sinônimo único e exclusivo do ato de transmitir conhecimento através de aulas expositivas onde o conhecimento era centrado na pessoa do professor. historicamente a leitura tem sido usada como pretexto para atividades estritamente mecânicas. foi o parceiro. de muitos e diferentes textos. Como diz o grandiosos mestre Freire em sua obra Pedagogia do Oprimido: “ O homem primeiro deve ler o mundo e depois as letras”. 2007). Consideremos a escola o lugar de se aprender a ler e a gostar de ler. Em última instância. o texto. Por isso. Do ponto de vista dos objetos de leitura.. Felizmente essa mentalidade tem sido mudada e o ato de educar não mais se resume a uma ou duas aulas expositivas. A literatura tem sua importância no âmbito escolar devido ao fornecimento de condições que propicia à criança em formação.individual em sua essência . o articulador de muitas e diferentes leituras. Ele. Cortado. porque se "pedagogiza". Bordini e Aguiar (1993) referem-se à escolarização do texto. não podendo ser ignorada. desempenha papel fundamental o professor. condicionada pela falta de trabalhos para todos e pela concentração de muitos sujeitos num mesmo espaço físico. mostrando que o ato de ler . muito menos desmentida sua utilidade. Essa literatura é um fenômeno de criatividade.. A esse respeito Zilberman (1993. a sala de aula é um espaço privilegiado para o desenvolvimento do gosto pela leitura. A leitura é sistematicamente.transforma-se numa comunicação interpessoal. A autora mostra o controle exercido pela escola sobre o que e como se deve ler. adaptado. enquanto objeto sociocultural se transfigura. essas rotinas descaracterizam o trabalho. 16) descreve que: ". p.5 necessário para que a mesma compreenda o que acontece ao seu redor e para que seja capaz de interpretar diversas situações e escolher os caminhos com os quais se identifica. Nesse lugar. o educador deve adotar uma postura criativa que estimule o desenvolvimento integral da criança. submetida às rotinas padronizadas dentro da escola e termina por perder seu sentido mais profundo. Com relação aos materiais. aprendizagem e prazer." Durante muito tempo. a revista e os demais materiais que circulam na vida social.

inclusive. a leitura se constitui numa prática das mais valorosas. Depois de afirmar que o professor é o melhor "trabalho" a ser lido pelos alunos. ler tudo. Temos aqui delineada a necessidade de atribuir sentido a toda e qualquer prática de leitura. Com relação à aprendizagem do sistema lingüístico. 2007). as interações conferem sentido ao ato de ler e toda atividade pedagógica relativa a ele deve ser exeqüível. em como a escola constitui a nossa relação com os modelos: trata-se de optar entre uma relação de submissão. Geraldi (1997) afirma não ver problema no fato de um texto ser utilizado como pretexto para certa prática escolar. A leitura é. intocáveis. faremos da leitura um ato criador / questionador (PEREIRA. o best-selller. a gramática subjacente a cada um. Ler tudo implica. em contextos privados e imediatos. em estudo sobre aspectos sócio-funcionais da escrita e da alfabetização. elucidar a retórica de cada texto. que deixam de ser objeto de adoração e templo sagrado. conforme a relação que estabelecemos com o texto. para se ampliar o sistema de referências culturais e simbólicas. ao lado dos clássicos. para pura imitação. se as interações cotidianas. a receita de culinária. Isso porque permite o acesso a formas caracteristicamente explícitas de interação verbal. portanto.d. trazer para dentro da escola os textos esquecidos. Esse autor diz que. Percebe-se que no contexto da língua. considerados "subliteratura": o gibi.). Desse modo. livres das amarras das rotinas burocratizadas da escola. Como foi destacado por Kleiman (1999). Desprovidos de preconceito. e uma relação crítica e criativa. Para ler muito.6 (1985). A proposta de Bordini e Aguiar guarda certa semelhança com a tipologia de leitura sugerida por Geraldi (1997). leitura-atividade. relevante e dotada de sentido. ocorrem de forma relativamente bem-sucedida. terá: leitura-busca-de-informações. o catálogo telefônico. alunos e professor devem dessacralizar o trabalho e a biblioteca. o autor mostra que. caminho e oportunidade de lidar com a escrita e seu alto grau de abstração e autonomia contextual. A questão estaria. Ler tudo implica desvendar. Discutindo a leitura-pretexto. a leitura para o processo de alfabetização trazendo grandes reflexões sobre a língua escrita e falada com situações didáticas para sua construção de forma eficaz desde é claro. entendida com pressupostos e fundamentos. agindo assim. o mesmo não se pode dizer do trato com a língua formal em contextos mais abstratos de interação à distância. da literatura informativa. . a propaganda. o panfleto que se distribui na rua. numa cadeia ininterrupta. na medida em que faz incursões pelos diferentes campos do conhecimento. segundo ele. o professor é o responsável pela interdisciplinaridade. leitura-fruição e leitura-pretexto. como salientado por Rego (s.

raciocínio ou habilidades matemáticas.o conseqüência. Estas desordens são intrínsecas ao sujeito. presumidamente. na medida em que a criança expande seus conhecimentos. terá cumprido sua função. Isso quer dizer que as atividades desenvolvidas e os conceitos aprendidos na escola (que Vygotsky chama de cientifico) introduzem novos modos de operação intelectual: abstrações e generalizações mais amplas acerca da realidade (que por sua vez transformam os modos de utilização da linguagem). leitura. 2007). Com base neles. ela for bem-sucedida. modifica sua relação cognitiva com o mundo (.. construção de mais sentidos. Abaurre (1985) defendem enfaticamente a importância da leitura para a aprendizagem em geral. A prática pedagógica centra-se em um caráter contextualizador e histórico. constitui-se num caminho para a realização de mais interações. num constante processo de discussão e reflexão crítica. nesse aspecto. 104). REGO (1999) confirma essa inter-relação de saberes ao afirmar que: Ao interagir com esses conhecimentos. o ser humano se transforma: aprende a ler e escrever. de fato. de inserção e atuação em seu meio. torna-se plena de significados. bem elaborado o saber socialmente “aceitável”. Vygotsky evidencia essa função da escola para o desenvolvimento do individuo através do ensino aprendizagem. A aprendizagem. nesta ótica. os estudiosos da leitura remetem tão freqüentemente ao conceito de intertexto. encerramos nossa exposição. na fala. superação do imediato e concretização de uma vida mais feliz para todos. que sofrem modificações no âmbito escola e posteriormente se tornam instrumentos de interação e mudança social. a escola deve fazer e permitir que se faça dentro e fora dela. construir significados a partir das informações descontextualizadas. lidar com conceitos hierarquicamente relacionados são atividades extremamente importantes e complexas.tal como aqui concebida -. obter o domínio de formas complexas de cálculos. na audição. podendo ocorrer apenas por um período na vida (PEREIRA. se for bem aprendida e prosseguir fora da escola. que serão substanciados os saberes cotidianos em saberes científicos.. A teoria está em consonância com o cotidiano. sendo que aqueles correspondem aos saberes construídos no âmbito extra-escolar e estes referem-se aos saberes construídos no interior das escolas. que é o que. o saber sistematizado. que possibilitam novas formas de pensamento. dizendo que a leitura . demonstrando que é em seu interior. A criança com dificuldade de aprendizagem é aquela que apresenta bloqueios na aquisição do conhecimento.7 Por isso. ampliar seus conhecimentos. .) (p. Se. certamente. Os autores chegam a afirmar que a capacidade de ler é a grande herança que a escola pode deixar para o aluno. devido a uma disfunção do sistema nervoso central.

que geralmente são marcados pelo processo de alfabetização no período de escolarização no ler. que promova uma aprendizagem significativa e real. busca-se ir além a apresentar estudos que serão desenvolvidos através de textos informativos e epistolares. para tanto. E importante que o trabalho com texto epistolar e informativo esteja incorporado às práticas do cotidiano da sala de aula. estabelecendo relações entre as disciplinas trabalhando assim. outrora observados sem significado nenhum. seja vista como escritos epistolares ou arte de produção de bilhetes. O que queremos reforçar aqui. visto que trata-se de experiências humana possui propriedades.8 No momento em que propomos em nossas escolas a abolição da escravatura dos grados negros que são covardemente explorados até o último pó de giz. podemos observar nesta relação do ler. no interpretar. mas que contribui para o desenvolvimento da leitura e escrita e é de suma importância para o desempenho psicopedagógico das crianças. é que acreditamos que educar está relacionado à mudança de comportamento e. Problema esses que perduram e conseqüentemente se estendem durante todo percurso acadêmico violando a legislação com relação aos objetivos educacionais determinados na LDB. que provocam o senso crítico de nossos alunos e promove uma relação entre cidadãos numa sociedade crítica e participativa. cidadania e ética. principal elemento para sustentabilidade de uma sociedade. no escrever e no raciocínio lógico. A educação no país enfrenta sérios problemas no Ensino Fundamental. escrever e interpretar o mundo e suas histórias elaborada. partindo desses pressupostos para estimular os educandos a ler e escrever de forma significativa. Com o contexto do tema de uma forma ampla. compositivas que devem ser mostradas. . o ser amplia suas habilidades de expressão. a interdisciplinaridade e explorando temas como: o meio ambiente. tendo vista que o educador deverá levar o aluno a ler e escrever mesmo sem saber. Mediante aos relatos do texto podemos verificar que a leitura é o caminho mais viável para o incentivo e prática do desenvolvimento da aprendizagem. se faz necessário que o corpo discente esteja em contato com leituras informativas que necessariamente necessitam em seu meio social seja na escola ou comunidade subsidiando a qualidade no ensino proporcionando uma aprendizagem eficaz e uma educação transformadora. discutidas e consideradas quando se trata de ler as diferentes manifestações colocadas.

Assim. pesquisa de cunho qualitativo. as representações do ato de ler e as contribuições dos educadores para este fim. o desafio de formar alunos críticos. o desleixo e a desconfiança no processo de aprendizagem de si e dos demais. Os indivíduos necessitam de conhecimento e reflexão sobre os processos de aquisição. serão analisados diversos pensamentos de diferentes autores com enfoque na importância do desenvolvimento do hábito de leitura.11). Mediante as leituras pesquisadas será feita uma análise teórica dos autores e interpretação das informações das idéias centrais através de fichamento referente à importância do hábito da leitura no processo de aprendizagem. Desse modo.).. o presente trabalho tem como objetivo. torna-se mais agravante. A pesquisa qualitativa supõe o contato do pesquisador com o ambiente e a situação que está sendo investigada. fica mais acessível chegar à formação da criticidade frente a si mesmo e o mundo que o rodeia. sobre como filtrar melhor a informação que desejam principalmente neste novo contexto informacional onde a quantidade de informações tem aumentado a cada dia. Educação como instrumento de ação reflexiva é preciso falar da importância da leitura na Educação.11). principalmente quando há índices de indisciplina. p. LUDKE & ANDRÉ (1986. Conclusão Acredita-se que o sucesso do aluno depende de um bom desempenho em prática de leitura.. Sendo assim. . que reflete a desmotivação. via de regra através do trabalho intensivo de campo (1986. e uma vez conseguido isto. a desvalorização.9 Metodologia Para atender os objetivos do trabalho. o qual necessita de todos esses aspectos: as condições de aprendizagem. postulam: A pesquisa qualitativa tem o ambiente natural como sua fonte direta de dados e o pesquisador como seu principal instrumento (. etapas do saber. p. cujo objetivo principal foi analisar sobre a importância do hábito da leitura no processo de aprendizagem. como instrumento proporciona melhoria da condição social e humana. A leitura e a interpretação do que se lê tem o poder de alcançará a transformação pessoal dos alunos. como base.

a leitura crítica deve ser caracterizada como um estudo. a discussão. já que as crianças têm idéias sobre tudo o que as rodeiam. onde o objetivo deve ser trabalhado por todos. dado sua importância. isto é. A leitura nos dias de hoje. pois assim os alunos participam do próprio aprendizado com muito diálogo. Mas infelizmente a maioria das famílias que passam por muitos problemas de caráter familiar. ela é o espaço destinado ao aprendizado da leitura. partindo. A escola torna-se fator fundamental na aquisição do hábito da leitura e formação do leitor. que pode compreendê-lo. deve tomar um rumo diferente. é na verdade. . despertando-lhes o interesse pela leitura do mundo. não são suficientes. não se restringindo ao domínio de aspectos mecânicos. pois mesmo com suas limitações. pois isto pode levar a grandes descobertas. este tipo de leitura é muito mais do que um simples processo de apropriação de significado. enquanto que no cotidiano a leitura é regida por outros objetivos. conviver com ele e até modificá-lo. que mesmo sendo necessários. o debate e enfrentamento de tudo que se constrói o ser. É fundamental que o professor conheça a maneira como a criança aprende para se ter condições de propor atividades desafiadoras que provoquem nos alunos reestruturações de conhecimentos prévios. de fluência e da boa dicção. assim para a leitura da palavra. O avanço na prática da leitura e da escrita é preciso que os professores sejam comprometidos com a desmistificação das relações sociais. Tradicionalmente. tenham clareza teórica e estimule a presença. na instituição escolar. pois além da inteligência tem consciência crítica. a pesquisa. As visões construtivistas e integracionistas são importantes. se há presença de livros. uma questão de projeto político sustentável e socializado nas instituições de ensino. O processo de formação do leitor está vinculado primeiramente ao contexto familiar. lê-se para aprender a ler. social e econômico não consegue passar nenhum tipo de estímulo para seus filhos. que conformam o comportamento do leitor e sua atitude. leitores e situações de leitura no lar. Assim. A leitura crítica sempre leva a produção ou construção de outro texto: o texto do próprio leitor. O leitor então tem impressão de que o mundo está o seu alcance.10 Concluindo de leitura e por meio destas formar alunos críticos.

Rio de Janeiro: Paz e Terra. CAGLIARI. CAGLIARI. M. MACEDO. dez/1985. Porto Alegre: Mercado Aberto. (org. FOUCAMBERT. Parâmetros curriculares nacionais de Língua Portuguesa.Em: ______.Como Incentivar o Hábito de leitura. . Porto Alegre: Artes Médicas. BRASIL. 1990. 1999.2003. Ministério da Cultura.São Paulo: Editora Nova Fronteira. e outros. Ministério da Cultura..São Paulo: Ática.alternativas metodológicas. A Importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. J. Moacir. 1991. ______. Alfabetização Sem o Ba-Bé-Bi-Bó-Bu. A importância do ato de ler.Uma só Escola para todos. B. Brasília: MEC.). M. 1993. no 6. Paulo. Dados de Pesquisa Realizados pela Secretaria de Política Cultural: Brasília-DF.teoria e prática. Dados de pesquisa realizado pela Secretaria de Política Cultural: Brasília – DF. São Paulo: Cortez. BRASIL. Parâmetros Curriculares nacionais: Ensino Fundamental. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. FREIRE. 1990.. 15-26. GADOTTI. DICIONÁRIO. 1998.G. 1988. ed. Prática da leitura na escola. Donaldo. Richard.caminho do escolar: Petrópolis. Ministério da Educação e Cultura. 1998. 1989. São Paulo – SP: Cortez. São Paulo: Ática. Paulo. V. pp. Literatura: a formação do leitor . GERALDI. 1989. Leitura e escrita na vida e na escola. BAMBERGER.T. 22 ed. FREIRE. BRASIL. 1993.W. O texto na sala de aula. 1988. Alfabetização: leitura do mundo leitura da palavra. 1994. GERALDI. 23ª. Luiz Carlos.ed. São Paulo: Scipione. São Paulo: Scipione. 2. Jean. A leitura em questão. 1984. ______. Alfabetização e lingüística. BORDINI. ano 4. Brasília: Ministério da Educação. 1997. BRASIL. e AGUIAR. Secretaria de Educação media e tecnológica. O texto na sala de aula. Luiz Carlos. 1997. São Paulo: Autores Associados: Cortez. l998. Aurélio Escolar da Língua Portuguesa. Rj:Vozes.11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABAURRE. João Wanderlei. Em: Leitura .

webartigos. Izaides. ed. 1989. Menge e André. 15 ed. Ângela.com/articles/3046/1/A-Importancia-Da-Leitura-Nas-Series-Iniciais pagina1. São Paulo: Atlas. A importância da leitura nas series iniciais. 5. SOUZA. KLEIMAN. ZILBERMAN. Acesso em: 04/05/2011. Campinas: Pontes/Ed. Leitura & realidade brasileira. 2002. ZILBERMAN. 17 ed. Bauru: USC. ______. Marco Aurélio de P. 10° ed. Regina. A literatura infantil na escola. Uma Perspectiva Histórica. Maria Helena. 1991. KLEIMAN. Editora da Unicamp. Teresa Cristina. 1983. Texto e leitor – aspectos cognitivos da leitura. 4 ed. 1993. São Paulo: Moraes. 1982. Â. p. MARTINS. LUDKE.12 GIL. Marli. 1983. Cultural da Educação. ORLANDI. Editora Abril. RIBEIRO. Porto Alegre: Mercado Aberto. A técnica de estudar: uma introdução às técnicas de aprimoramento do estudo 8 ed. da UNICAMP.Leitura na escola e na biblioteca. PEREIRA. Campinas: Papirus.(et al). 1999. Porto Alegre: Mercado Aberto. Renata Junqueira de.Petrópolis – RJ: Vozes. 2007. São Paulo: Editora Vozes. Leitura. 1997. nº02. ______. 11. Eni Pucinelli. Narrativas Infantis: a literatura e a televisão de que as crianças gostam.. Pesquisa em Educação: Abordagens educativas:São Paulo: Epu. agosto de 2006. 30. REGO. São Paul: Brasiliense. Leitura e processo de aprendizagem. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. In Revista Voz das Letras Concórdia: Santa Catarina. et al. Discurso e leitura. Oficina de leitura: teoria e prática. 2003. São Paulo: Global. Ezequeiel T. . MOLINA. 1992. Antônio Carlos. O que é leitura. Disponível em: http://www. SILVA. Campinas: Pontes. Regina. O que é leitura.ed. 1993. Leitura em crise na escola: As alternativas do professor. M.html#ixzz1MtSQy2Cp. São Paulo:.1986. 1982. 2002. REVISTA NOVA ESCOLA.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful