Você está na página 1de 6

M.A.P.A.

Material de Avaliação
Prática da Aprendizagem .

FORMULÁRIO PADRÃO
Nome WILSON GOIS DE SOUZA JUNIOR
R.A 21075429-5
Disciplina Automação e Controle na Produção Cervejeira

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE

1. Todos os campos acima (cabeçalho) deverão ser devidamente preenchidos.


2. O(A) aluno(a) deverá utilizar este modelo padrão para realizar a atividade.
3. Esta atividade deverá ser realizada individualmente. Caso identificada cópia indevida de colegas, as
atividades de ambos serão zeradas. Também serão zeradas atividades que contiverem partes de cópias
da Internet ou livros sem as devidas referências e citações de forma correta.
4. Para realizar esta atividade, leia atentamente as orientações e atente-se ao comando da questão.
Procure argumentar de forma clara e objetiva, de acordo com o conteúdo da disciplina, anexo
disponibilizado na sala do café e com a prática executada.

FORMATAÇÃO EXIGIDA

1. O documento deverá ser salvo no formato Word (.doc ou .docx), mas dê preferências para salvar em
formato PDF (.pdf).
2. Tamanho da fonte: 12
3. Cor: Automático/Preto.
4. Tipo de letra: Arial ou Times New Roman.
5. Alinhamento: Justificado.
6. Arquivo Único.

ATENÇÃO

Esta atividade deve ser realizada utilizando o formulário abaixo. Preencha todos os campos com suas palavras.
M.A.P.A.
Material de Avaliação
Prática da Aprendizagem .

Automação e Controle na Produção Cervejeira

"A Leuven é uma tradicional cervejaria artesanal localizada em Piracicaba, interior do Estado de
São Paulo. Em 2020, a empresa resolveu mudar o processo, dando um upgrade significativo na
produção. [...] A cervejaria investiu na automatização de seus processos, visando maior eficiência,
qualidade e aumento de produção. [...] Os proprietários das cervejarias artesanais já visualizam,
dentro do controle dos processos de produção, o aumento dos ganhos em escala e na automação o
aumento da qualidade e da otimização de recursos. Fora isso, muitas cervejarias artesanais também
buscam soluções e profissionais que possam ajudar na implementação do controle de processo e
na automação de estoques, brassagem, fermentadores e envasadoras."
AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Leuven automatiza sua produção de cerveja artesanal.
Disponível em: https://www.automacaoindustrial.info/leuven-automatiza-sua-producao-de-
cerveja-artesanal/. Acesso em: 15/08/21
Com base no texto acima, visando ter um maior controle de processos, suponha que você seja
um dono de cervejaria e irá adquirir uma sala de brassagem, ilustrada no desenho a seguir, e quer
que esse equipamento seja todo automatizado.

Fonte: Tozetto, 2017


TOZETTO, L. M. Produção e caracterização de cerveja artesanal adicionada de gengibre
(Zingiber officinale). Dissertação (Mestrado em engenharia de produção) - Universidade
Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa. 2017.

Com base no conteúdo visto durante a disciplina, pensando na automação do equipamento,


descreva dois dispositivos de entrada, dois dispositivos de saída e um dispositivo de controle
para cada um dos componentes (moinho, tina de mostura, tina de clarificação e tina de
fervura).
Faça sua atividade dentro do Formulário MAPA disponível em Material da Disciplina. Se tiver
dúvidas, mande mensagem no Fale com o Mediador.
M.A.P.A.
Material de Avaliação
Prática da Aprendizagem .

1. Moinho de Malte

a. Dispositivo de controle:
i. LOGO!, fabricante Siemens, O modelo mais simples contém 8 entradas e 4 saídas,
fonte de alimentação de 115 a 220V.

b. Dispositivo de entrada:
i. botão de emergência, todo e qualquer equipamento industrial necessita de um
dispositivo de segurança que garanta a parada total do equipamento quando
necessário. Conforme instruções definidas no controlador, o botão de emergência
desabilita as saídas do controlador e desenergiza o contactor de alimentação geral
da máquina.
ii. Chave liga-desliga, botões ligados na entrada do controlador que possuem a função
de ligar e desligar o motor do moinho conforme instruções definidas no controlador.

Botão de emergência Chave liga-desliga

c. Dispositivo de saída:
i. Contactor de alimentação elétrica do motor, que é responsável pelo giro dos cilindros.
Conforme instruções definidas no controlador, uma de suas saídas energizam a
bobina do contactor e seus contatos de força são acionados, energizando as bobinas
do motor, e consequentemente, girando os cilindros do moinho.
ii. Lâmpadas de sinalização de máquina. São utilizadas para sinalizar as condições de
trabalho da máquina, mesmo estando a uma certa distância do equipamento é
possível visualizar se o mesmo está parado, com cilindro girando ou se o botão de
emergência foi acionado.

Contactor Lâmpada de sinalização


M.A.P.A.
Material de Avaliação
Prática da Aprendizagem .

2. Mosturação

a. Dispositivo de controle:
i. Controlador logico programável CLP, fabricante Mitsubishi, 14 entrada digitais, 10
saídas digitais, 2 entradas (analógico-digital) 1 e uma saída (digital-analógica).

CLP Mitsubishi

b. Dispositivo de entrada:
i. Sensor de temperatura de 0 a 100°C, com um conversor de resistência térmica
(PT100) para sinal analógico de 4-20mA, este sinal é conectado na entrada
(analógica-digital) do CLP, correspondendo a temperatura mínima e máxima da
grandeza medida, respectivamente.
ii. Chave liga-desliga, botões ligados na entrada do CLP que possuem a função de ligar
e desligar o motoredutor do agitador conforme instruções definidas no controlador,
movimento importante para não caramelizar o mosto.

Sensor de temperatura Chave liga-desliga

c. Dispositivo de saída:
i. O elemento de aquecimento, é controlado conforme programação PID definidas no
controlador, a potência é ajustada através do relé de estado sólido pela saída (digital-
analógica) do CLP e a realimentação do sinal analógico é enviado pelo sensor de
temperatura, configurando um controle de malha fechada.
ii. Motoredutor, manter o mosto em movimento para não caramelizar.

Elemento de aquecimento e relé de estado sólido Motoredutor


M.A.P.A.
Material de Avaliação
Prática da Aprendizagem .

3. Lavagem e Clarificação

a. Dispositivo de controle:
i. Controlador logico programável CLP, fabricante Mitsubishi, 14 entrada digitais, 10
saídas digitais, 2 entradas (analógico-digital) 1 e uma saída (digital-analógica).

CLP Mitsubishi

b. Dispositivo de entrada:
i. botão de emergência, todo e qualquer equipamento industrial necessita de um
dispositivo de segurança que garanta a parada total do equipamento quando
necessário. Conforme instruções definidas no controlador, o botão de emergência
desabilita as saídas do controlador e desenergiza o contactor de alimentação geral
da máquina.
ii. Chave liga-desliga, botões ligados na entrada do controlador que possuem a função
de ligar e desligar o motoredutor que movimenta a cama de bagaço conforme
instruções definidas no controlador.

Botão de emergência Chave liga-desliga

c. Dispositivo de saída:
i. Bomba de circulação sanitária, ajuda no processo de separação da parte líquida
(mosto) da sólida (bagaço ou casca).
ii. Motoredutor, movimentar a cama de bagaço ou casca do mosto a ser filtrado.

Bomba de circulação sanitária Motoredutor


M.A.P.A.
Material de Avaliação
Prática da Aprendizagem .

4. Fervura

a. Dispositivo de controle:
i. Controlador lógico programável CLP, fabricante Mitsubishi, 14 entrada digitais, 10
saídas digitais, 2 entradas (analógico-digital) 1 e uma saída (digital-analógica).

b. Dispositivo de entrada:
i. botão de emergência, todo e qualquer equipamento industrial necessita de um
dispositivo de segurança que garanta a parada total do equipamento quando
necessário. Conforme instruções definidas no controlador, o botão de emergência
desabilita as saídas do controlador e desenergiza o contactor de alimentação geral
da máquina.
ii. Sensor de temperatura de 0 a 100°C, com um conversor de resistência térmica
(PT100) para sinal analógico de 4-20mA, este sinal é conectado na entrada
(analógica-digital) do CLP, correspondendo a temperatura mínima e máxima da
grandeza medida, respectivamente.

Botão de emergência Sensor de temperatura

c. Dispositivo de saída:
i. O elemento de aquecimento, é controlado conforme programação PID definidas no
controlador, a potência é ajustada através do relé de estado sólido pela saída (digital-
analógica) do CLP e a realimentação do sinal analógico é enviado pelo sensor de
temperatura, configurando um controle de malha fechada.
ii. Válvula de saída, transfere o mosto após a fervura para o resfriador de placas e
posteriormente para o fermentador.

Elemento de aquecimento e relé de estado sólido Válvula de saída

Você também pode gostar