Você está na página 1de 32

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SUL-RIO-GRANDENSE - CAMPUS PELOTAS


CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA

TENSOATIVOS

Prof. Auri Rocha Duval

1
TENSOATIVOS - Conceito

►Tensoativos, Surfactantes ou Agentes de

Superfície.

►Substâncias que possuem na sua estrutura

molecular grupos polares (hidrofílicos) e apolares

(lipofílicos).

2
3
4
►Têm capacidade de reduzir de forma apreciável a tensão superficial
da água ou a tensão interfacial de dois líquidos não miscíveis.

5
►Para que dois líquidos sejam miscíveis entre si, é necessário que ambos
se situem dentro da mesma faixa de polaridade.

►Quando não são miscíveis, forma-se entre os mesmos uma interface.

►O trabalho necessário para aumentar esta interface é denominado tensão


interfacial.

►A tensão interfacial é, portanto, a força que impede a miscibilidade de


dois líquidos. 6
►Mesmo em concentrações baixas, os tensoativos atuam de forma
pronunciada sobre a tensão superficial, pelo fato de terem elevada afinidade
com as interfaces.

►A parte polar é absorvida na interface hidrofílica e a parte apolar, na parte


lipofílica.

7
►Eles reduzem a tensão superficial da
água, permitindo que a sujeira possa ser
removida facilmente através da formação
de miscelas.

O processo de remoção das sujidades envolve o deslocamento das partículas


de sujeira de natureza lipofílica para o interior das micelas.

Gera a estabilização do complexo, mantendo-as em suspensão

Evitando que a sujeira volte a se depositar sobre a superfície que está sendo
limpa.

8
SABÃO

►Os sabões são feitos pela saponificação de gorduras e


óleos.

►Qualquer reação de um éster com uma base para produzir


um álcool e o sal de ácido é chamada uma reação de
saponificação.

►Os primeiros tensoativos obtidos pelo homem foram os sabões


alcalinos, através da saponificação de óleos e gorduras animais e
vegetais.

Éster de ácido graxo + Base Forte → Álcool + Sabão (sal de ácido graxo) 9
◊ Os primeiros registros de um material semelhante ao sabão atual foram

encontrados em uma placa de argila de aproximadamente 2800 a.C., na região da

antiga Babilônia, que hoje corresponde à região do Iraque.

◊ Os primeiros sabões eram misturas de gorduras de animais (sebo), com as cinzas

de madeiras, que possuem substâncias alcalinas. Se não houvesse cinzas,

evaporavam-se as águas de rios que costumavam ser alcalinas, como as águas do rio

Nilo, no Egito.

◊ A produção do sabão foi se desenvolvendo cada vez

mais e ele passou a ser considerado um artigo de luxo

nos séculos XV e XVI. Ele era produzido principalmente

na França e na Itália.

10
◊ Um grande passo na fabricação comercial de sabão em larga escala ocorreu em 1791,

quando o químico francês Nicolas Leblanc (1742-1806) descobriu como fabricar o

carbonato de sódio, denominado barrilha, reagindo o cloreto de sódio presente no sal

comum de cozinha, com a gordura. Isso foi um avanço porque a barrilha era bem mais

barata e o sal existe em grande quantidade.

◊ Em meados de 1878, Harley Procter e James Gamble, dos Estados Unidos,

conseguiram produzir o sabonete, cuja diferença de produção está na utilização de

ácidos graxos mais puros. Hoje também se adicionam essências, corantes e

substâncias branqueadoras, como o dióxido de titânio.

11
►Um subproduto da manufatura de sabões é a glicerina, da qual
pode-se obter a nitroglicerina, um poderoso explosivo.

►Durante a I e II Guerras Mundiais, as donas de casa guardavam o


excesso de óleo e gorduras de cozinha e o devolviam para a
recuperação da glicerina.

12
TENSOATIVOS - Classificação

◊CARACTERÍSTICAS DE APLICAÇÃO

-Emulsionantes

-Detergentes

-Umectantes

-Dispersante

-Solubilizantes

13
Umectantes

►Promove ou facilita o espalhamento rápido de um líquido sobre uma


superfície.
►Quanto maior o tempo de contato necessário para que um líquido
umedeça um sólido, menor será seu poder umectante.
►Quanto maior o poder de umectância de um tensoativo, mais rápida
será sua ação.

14
Detergentes

►“Substância ou preparação que favorece ou promove o processo de


remoção de sujidade de uma superfície.”

►Moléculas anfipáticas → parte POLAR e parte APOLAR.

ESPUMA:

►A espuma não é sinônimo de detergência, pois alguns detergentes


eficientes não fazem muita espuma.

►A espuma produzida mantém a sujeira em suspensão e evita que ela


retorne à superfície.

►A espuma resulta da dispersão do gás no líquido, sendo quase sempre


muito instáveis.

15
Detergentes

►Prejudicam o meio ambiente por alteração do pH e pela


formação de espuma que impede a entrada de O2.

►Detergentes BIODEGRADÁVEIS: passíveis de degradação


pelo microorganismos presentes na água. Isso foi possível ao
reduzir a quantidade de fosfato na formulação. Ex. detergentes
em gel.

16
17
Emulsionantes

►É a propriedade dos tensoativos como agentes estabilizadores de


emulsões.
►Aumentam a estabilidade cinética das emulsões, tornando-as
estáveis.

18
Dispersão – é a manutenção do movimento das partículas

umectadas no interior do líquido, que resulta em uma suspensão

permanente.

19
►Na prática, um determinado tensoativo pode ser usado tanto como

emulsionante, como detergente, como umectante, isto dependerá das

características dos demais componentes do sistema e do fim a que se destina.

►Para estas aplicações usamos tensoativos diferentes e em dosagens

diferentes, estando a propriedade de detergência intimamente relacionada com

outros fatores, como a umectância, redução da tensão superficial, poder de

espuma.

20
TOXICOLOGIA

►Quanto à irritabilidade da pele, a maioria dos tensoativos não são

potencialmente irritantes.

►A irritabilidade aos olhos é o parâmetro de avaliação mais importante.

►De maneira geral, os tensoativos não iônicos e anfóteros são os menos

irritantes, seguidos pelos aniônicos e os catiônicos, que são os mais

irritantes.

21
TENSOATIVOS – Classificação

◊ QUÍMICA

►Aniônicos

►Catiônicos

►Anfóteros

►Não-Iônicos

22
TENSOATIVOS - Classificação

►Tensoativos iônicos: apresentam dissociação iônica.

►Tensoativos não-iônicos: não apresentam dissociação.

Tensoativos Iônicos

◊ O caráter é determinado pela natureza do radical hidrofílico,


podendo ser:

►Aniônico: o radical hidrofílico é um ânion.

►Catiônico: o radical hidrofílico é um cátion.

►Anfótero: comporta-se como catiônico ou aniônico em função do


pH do meio.
23
Tensoativos Iônicos (aniônicos)

►Normalmente é superior aos demais no que se refere ao poder de


espuma, detergência, umectância, etc., sendo a classe de maior interesse
prático e econômico.

►Os principais tensoativos aniônicos são:

-SABÕES

-SULFATOS

-SULFONATOS

24
Tensoativos Iônicos (aniônicos)

SABÕES

►São pouco usados em cosmetologia, por terem baixo poder de


espuma, pouca solubilidade e formarem sais insolúveis com os íons da
água, que se depositam sobre a fibra capilar.

►Seu uso em sabonetes é justificado pelo baixo custo.

25
Tensoativos Iônicos (aniônicos)
SULFATOS

►São os alquil sulfatos e os alquil éter sulfatos.

►Ex.:

CH3(CH2)10CH2OSO3Na (Lauril sulfato de sódio)

CH3(CH2)10CH2(OCH2CH2)nOSO3Na (Lauril éter sulfato de sódio)(Laureth)

SULFONATOS

►É o componente principal do detergente doméstico e industrial.

►Raramente são utilizados em cosméticos devido à irritabilidade aos


olhos e mucosas.

26
Tensoativos Iônicos (catiônicos)

►Possuem menor aplicabilidade em cosmética devido as seguintes


características:

-Imcompatibilidade com tensoativos aniônicos → formação de produtos


insolúveis.

-Alta irritabilidade à pele e olhos.

-Baixo poder detergente.

-Alto custo.

►Capacidade de eliminar a carga eletrostática absorvida pelo cabelo,


sendo utilizados em algumas preparações como em cremes
condicionadores.

►São geralmente Cloretos de trimetilamônio quaternário.

Ex.: cloreto de cetiltrimetilamônio.


27
Tensoativos Iônicos (anfóteros)

►Podem apresentar caráter aniônico ou catiônico em função do pH do


meio.

►São os de maior interesse em formulações de xampus, os derivados


de betaínas.

►São detergentes suaves com bom poder de espuma e baixa


irritabilidade ocular

► Ex. Cocoamidopropil betaína

28
TENSOATIVOS NÃO-IÔNICOS

►Como indicado pelo nome pertencem a este grupo os tensoativos


que não se ionizam quando dissolvidos em água.

►A alcolamina mais utilizada no Brasil é a Dietanolamina de Ácidos


Graxo de Coco, que é usada em função:

-poder espessante,

-estabilizador de espumas

-sobre-engordurante.

Ex. Coperlan

29
TENSOATIVOS NÃO-IÔNICOS

►Poder espessante: a adição de alcolaminas aos tensoativos


aniônicos aumenta consideravelmente a viscosidade.

►Estabilização de espuma: inúmeras substâncias utilizadas em


xampus diminuem o poder de espuma dos tensoativos aniônicos
(óleos, gorduras, ésteres, álcoois, lanolina).

►As alcolaminas auxiliam a solubilização destes produtos e, por isso,


aumentam o poder de espuma, estabilizando-a.

►Efeito sobre engordurante: as alcolaminas, devido a sua estrutura graxa


e ao seu baixo poder de detergência, reduzem o efeito de ressecamento
produzido pelos tensoativos aniônicos.

30
SABÃO x DETERGENTE

◊ O sabão tem, sobre os detergentes, as seguintes vantagens:

►Mais barato
►Atóxico
►Fabricado a partir de matérias-primas renováveis (óleos e gorduras)
►Biodegradável, ou seja, consumido e destruído pelos
microorganismos existentes na água que, desse modo, não fica
poluída.

◊ Os detergentes são produtos sintéticos, resultantes da indústria


petroquímica.

►Eles começaram a ser usados intensamente a partir da Segunda


Guerra Mundial, quando houve escassez de óleos e gorduras para a
fabricação de sabão comum.

31
◊ A produção dos detergentes, se iniciou em 1890, quando o químico alemão

A. Krafft descobriu que pequenas cadeias de moléculas ligadas ao álcool funcionavam

como sabão.

◊ Durante a Primeira Guerra Mundial houve falta de gordura para se produzir sabões

na Alemanha, porque houve um bloqueio dos países aliados. Assim, em 1916, dois

químicos alemães, H. Gunther e M. Hetzer, conseguiram desenvolver o primeiro

detergente sintético de uso comercial, chamado de Nekal.

◊ O nome detergente vem do latim detergere, que significa “limpar”.

◊ Desde 1950 o detergente passou a ser fabricado tendo o petróleo como sua

matéria-prima.

32

Você também pode gostar