Você está na página 1de 24
Em tins do més de julho de 1942, 1 forcas da Wehrmacht convergiram Sobre as margens do Don, depois de fentar, sem éxito, aniquilor os exér- Citos russos_entrincheirados @ oeste dese rio. Em rdpida retirada, os russos conseguiram evadir-se as su- cessivas manebres de cérco, obrigan- do os alemaes a desgastar suas uni- dades mecanizades numa aceleroda perseguigéo. O alongamento das li- hes de abostecimento e 0 enorme consumo de combustivel provocado pelas continues e répidas marchas Teduzirom brutalmente a poténcia de choque da Exército germénico © re- tardou 0 ritmo de sua penetracdo Hitler, no entanto, estava convencido de que 0 mossa dos férgos russos jé havia sido destruide e que agora so mente restave perseguir os tltimos Femanescentes do exército adversé- fio, A. 23 de julho, dio em que os ‘alemes se opoderaram da cidade de Rostov, na desembocadura do Don, emitiv’ sua Diretiva 45, no quai determinava que os grupos de exér- citos A e B empreendessem sem a menor perda de tempo o avanco em diresdes divergentes oté Stolingrado @ 0 Céucoso. Esta deciséo traria tré gicas conseqiiéncias pore a Wehr. macht. Tanto o General Halder, Chefe do Estado-Moior do Exército, como os comandantes das diversas grupacées que participavam da companha, es- tavam de acérdo que a realizagéo simultanea dos operacées contra Stalingrade e Céucaso culminario num seguro fracasso. As fércas do grupo de exércitos B, encarregados de conquistar Stalingrado e atingir © Volga, ndo possuiam poder sufi- ciente para alcangor ésse_ objetivo, pois 0 grosso dos unidades blindadas (Exércitos Panzer | e IV), havia sido requisitado para a operacdo contra © Céucaso, Além disso, os meios de abastecimento eram totalmente in- suficientes pore garantir @ marcha conjunta dos grupos de exércitos até dois objetivos —Stolingrado e Ba- ku— seporados, em linho reta, por uma distancia de 1050 quilémetros! Civis russos, talvez sem ainda poder acei- lar a amarga evidéncia que os circunda, perambulam pelas ruinas do que era sua casa, destruida pelos bombardeios. MT 145 OS RUSSOS RESISTEM EM STALINGRADO Colunas blindailas alemas irrompem atra s das planicies russas, rumo a seus objetitos, O principal ¢ mais cobigado de todos é a cidade de Stalingrado, De acérdo com 0 apiniGo do Alto-Co- mendo, a tinice possibilidade de éxito era lencar 0 grosso das unidades Panzer 0 mais cedo possivel oté Sta- lingrade e, depois de ocupar essa ci- dade, consolidar a frente sobre o Volga e 0 Don, e orgonizar devide- mente as linhos de comunicagéo © 08 servicos de abastecimentos, paro preparar entdo o ulterior avango po: ra 0 Céucaso, Esso opiniGo, ndo obstonte, foi re- chagada de plano por Hitler. O dito~ dor aferrou-se, com obstinacéo, ao seu ponto de vista, sem prestor ne nhuma atengdo as adverténcias de seus generais. Assim julgou Halder @ atitude de Hitler: Estas resolucdes de um comandon- te-em-chefe ndo tém nado em comum com os principios estratégicos e ope- racionais reconhecidos através dos geracées. So erupcdes de naturezo violenta, que ndo seguem sendo a inspiracéo do momento, que néo rer conhece limites; ao possivel, e que esculpe m lei irreversivel as fanto: sias de se: desejos 2 Avanco para Stalingrado © VI Exército, do General Paulus, trovado pela escassez de combustivel fe municdes, avangou lentamente até © Don, précedido por duas débeis pontas de lanca integrades por uni- dades mecanizodas. Por ordem de Hitler, 98 principais reservas de ga- solina hayiam sido requisitadas pe los Exércitos Panzer |e IV, encar- regedos de fazer a arrancada até o Céucosp. Além disso, outro foto de Graves conseqiléncias veio parolisar ‘@ marcha das fércas de Paulus, ‘A 23 de julho, 0 quartel-general, baseando-se nas ordens de Hitler, deslocou @ totalidade dos caminhées pesados de transporte para o sul, co- Jocando-os a servico do grupo de exércitos A. O VI Exército perdeu, assim, durante. cérca de 15 dias, ‘grande parte de suc mobilidade e ca- pacidade ofensive, 0 que permitiy ‘G05 russes concentrar aceleradamen- te novos fércas em frente as pontes vitais de Kalatsch, sébre 0 Don, Os soviéticos, uma vez mais, demons- traram 0 sua copacidade ‘para en- frentor uma situag6o desesperadore. Decididos ¢_gonher tempo, a quol- quer custo, com o fim de consolidar as defesas em Stalingrado, empenha- ram as fércas do Exército LXIV, co- mandado pelo General Chuikov, ¢ do LXII, orientado pelo Tenente-Gener Lopatin, numa encornigada resistén- cia 0 ceste do Don. ‘Esso medida trouxe decisivos resultados. O VI Exército cleméo ficou parado junto 20 Don, e foi obrigado a sustentar ferozes combotes para garantir sua posig&e. ‘A inesperoda freado da ofensiva for- sou Hitler a adotar uma resolugéo extremo. Por intermédio do General Jod! féz anunciar o Halder que o det tine de Céucaso se decidiric em Sta- lingrade, ¢ ordenou que o Exército Panzer IV abandonosse cominheda pora o sul e apoiasse ¢ aco das fercas de Paulus contra Stolingrado © grupo de exércitos A ficou assim radicaimente debilitado, fato que de- termineria 0 malégro de suo pene- tragdo rumo ds jazidos petroliferas do Céucaso, Todos ésses acontecimentos punham ‘em evidéncia que a Wehrmacht ca- recia de fércos suficientes para cum- prir © desotinado projeto de Hitler, de conquistar, simultineamente, o bacia do Don e o Céucaso, Profun- Uma unidade integrada por guerrilheiros russos, operando atrés das linkas ale ‘mas, formam para uma inspegao de roti na. Com éles, um oficial russo, IL 146 damente alarmado, o Alto-Comando percebeu entdo os claros indicios de Uma catastréfica crise no desenvalvi- mento das operacées. Luta no Don No dia 3 de agésto, o VI Exército conseguire superar com grande difi- culdade a ameacadora situacdo nas margens do Don. Pelo sul, as unida- des blindadas do Exército Ponzer IV haviom ultrepassado o rio, internon- do-se profundamente para leste, em direséo ¢ Stalingrado, cliviando o pressdo que os soviéticos exerciam SBbre os. unidades de Paulus. alemies voam para Stalingradlo, mada pelos seus herdicos defen- sores tm uma fortaleza. O bombardeio Hi demolidor.