Você está na página 1de 2

Miller e as controvérsias que dele citada nota de rodapé o mesmo · Ideologia e educação brasi-

s~ originaram, ou então o modelo ítem saiu 20 ( S), e com u·m tipo de leira - católicos e liberais.
de M·y ron Gordon sobre ''precifica- impressão em que o número 2 pa-
ção" de uma ação ordinária e/ ou rece que é multiplicado por zero e
para a avaliação de uma empresa. não pela letra 0 .. , Por Carlos Roberto Jamil Cu-
ry. São Paulo, Cortez e Mo-
Acredito, todavia, que logo se-
Ao final de cada capítulo, existe rão corrigidas estas pequenas fa-
raes, 1978. 201 p.
uma série de pequenos casos e/ou lhas, as quais , conforme foi dito.
problemas para serem resolvidos,
anteriormente, não tiram o mérito
além de uma bibliografia básica do livro. A qualidade da tradução,
muito boa (porém não muito sofis-
além da ótima impressão gráfica,
ticada).
com tabelas e gráficos fáceis de
O livro de Gitman é ideal para ser serem visual izados, e do fato de os
utilizado em um primeiro curso de tradutores, em vários capítulos ini-
administração financeira, onde os ciais - principalmente aqueles re-
alunos podem ter uma noção ele- lacionados com a terceira parte -
mentar sobre o assunto, porém, na A administração de capital de giro
opinião do resenhista, junto com - terem colocado (:m notas de ro-
alguns capítulos de outros autores dapé algumas das novidades intro-
(como Weston e Brigham: Finan - ;juzidas pela Lei n? 6.404 de
cia/ management, hoje já na sexta 15.12.76 (Lei das Sociedades por
edição, de 1978), ou então com Ações) e pelo Decreto-lei n? 1.598
preleções do professor, quando se de 26.12.77 (Altera a Legislação do
pode aprofundar um pouco mais a Imposto sobre a Renda), fazem
matéria, uma vez que, apesar de com que o livro de Gitman seja re-
comendado a todos aqueles que A recente explosão do mercado
atualizado, didático, simples na editorial nacional e o significativo
maneira de expor o assunto, o au- desejam iniciar-se no campo de
administração financeira . O aumento das publicações na área
to-r nem menciona algumas técni - de ciências humanas trouxeram,
cas mais sofisticadas e já compro- também, um acréscimo aos estu-
vadamente utilizadas na vida Ivan Pinto Dias
dos editados sobre educação . Os
prática, como o CAPM (capital as- últimos lançamentos da tradicional 135
sets pricing mo de!), ou o O P M (op- Livraria Editora Francisco Alves e
tions pricing model} ou ainda o os da nova editora Cortez e Mo-
SPM (State preference model). raes evidenciam notor1a
Infelizmente, existem pequenos concentração de temas ligados ao
lapsos na revisão feita pela editora, ensino. Incluindo análises históri-
pois, embora raramente, ao invés cas, sociológ icas e metodológicas
de 10 .000 ações encontramos o das questões educacionais, apre-
número 100.000 (e vice-versa); sentam coleções integradas por
às vezes, também, foram omitidas Bourdieu e Passeron, ou por jo-
uma ou duas linhas do original em vens estudiosos que lançam ostra-
inglês (a tradução possui 580 balhos acadêmicos que lhes vale-
páginas, e o original, 649), fatos ram o grau de Mestre nos cursos
estes que podem confundir um de pós-graduação, como é o caso
pouco o leitor, mas que de modo do presente ensaio de Carlos Ro -
algum tiram o mérito da obra e de. berto Jamil Cury . As duas editoras
sua tradução . lançaram, entre 1977 e 1978, apro-
ximadamente 15 títulos sobre
A editora também poderia fazer educação, e isto parece indicar si-
uma revisão melhor em alguns er- multaneamente a expansão do
ros tipográficos. Por exemplo, no mercado consumidor da literatura
capítulo 10 - Administração de pedagógica e o aumento do inte-
estoque - (p. 210), ao mostrar o· resse acadêmico sobre as questões
lote econômico de compra, fór - relativas ao ensino .
mula ( 10.4), o denominador está
errado, isto é, não é o número 2, Nesse quadro, surgiram vanos
mas sim a letra c, como consta de estudos sobre a história da educa-
maneira certa na nota de rodapé 5, ção brasileira, e o tema da
item (4) da mesma página. Toda- participação da Igreja como força
via, o numerador que estava certo ideológica nos debates e reformas
na fórmula ( 10.4), ou seja 2S (0), educacionais no país mereceu
ou ainda 2 multiplicado por Se de- duas publicações relevantes : a de
pois multiplicado pela letra O, na. Danilo Lima, Educação, Igreja e

Resenha bibliográjlca
ideologia, que analisa a participa- cias à sua verdadeira destinação C. R. Jamil Cury se torne leitura im--
ção da Igreja no processo de 'espiritual, preparando-as para a vi- portante . O
aprovação da LDB (Lei de Diretri- da em sociedade . Para os pionei-
zes e Bases da Educação Nacional ros da Escola Nova, no mundo em Denice Barbara Catani
- 1961), uma das nossas leis mais- crise, a educação, baseada em
controvertidas, cuja elaboração métodos apoiados nas ciências, .
suscitou ardentes polêmicas; e, tem por fim integrar as gerações às
mais recentemente, Ideologia e novas condições de vida do mun-
educação brasileira - católicos e do em mudança. Assim, princípios
liberais, de C. R. Jamil CL.Jry. Nes- como obrigatoriedade, gratuidade,
ta, encontramos um estudo laicidade e co-educação passam a
histórico-crítico das posturas constituir as bandeiras da luta dos
ideológicas de católicos e liberais educadores reformistas.
expressas nos debat"es travados
por volta de 1930-34, quando fo- O terceiro capítulo, diga-se de
ram ventilados os princípios edu- passagem o mais arguto, destina-
cacionais que deveriam figurar na se ao exame da " versão ideológi-
nova Constituição. Esses ca" do Estado, visto pelo autor co -
princípios, formulados a partir das mo mediador das posições da Igre-
posi_ções de dois grupos - o dos ja e do grup9 dos reformadores, e
católicos e o dos chamados "p io- que consegue concil iar parte das
neiros da Escola Nova " - foram reivindicações de cada um dos
fruto, principalmente, do embate grupos e incorporá-las à nova
entre as idéias do Pe . Leonel Fran - Constituição . Observações bastan-
ca e Alceu Amoroso Lima, de um te originais são feitas pelo autor
lado, e de Anísio Teixeira e Fernan- nesse capítulo , evidenciando a
do de Azevedo, de outro . tendência " mediadora " do Estado,
pela qual o governo dê Vargas pô- :
É a história das representações de fazer concessão aos anseios re-
opostas que os dois grupos cria- formistas dos pioneiros, aos quais
ram para alicerçar e justifica r suas não poderia desagradar de todo,
136 reivindicações para a educação uma vez que entre eles se encon-
brasileira, que Jamil Cury apresen- travam membros importantes da
ta por meio do exame dos discur- estrutura burocrática de seus mi-
sos dos intelectuais envolvidos no nistérios e secretarias de Estado.
processo. Dividido em cinco Igualmente, não poderia contrariar
capítulos, o livro traz uma breve de frente as reivindicações dos se-
introdução onde se delimita o tema tores católicos, importantes en -
do trabalho e se examina a noção quanto segmentos da classe domi-
da ideologia, baseada em Berger, ,nante. Daí ter sido necessário
Lukács e Sohaff. Nos dois capítu- ceder-lhes, também, terreno para
los iniciais, busca-se discutir, res- inspirar os preceitos constitucio-
pectivamente, as "versões _nais . No capítulo seguinte, em que
ideológicas" do grupo católico e são confrontadas as duas versões,
dos pioneiros da Escola Nova. Tais a dos católicos e a dos pioneiros,
grupos partiam do pressuposto se - realça-se ainda mais esse papel
gundo o qual o _mundo conciliador do Estado .
encontrava-se em crise - para os
católicos, uma crise das consciên-
cias que vacilam entre seus deve- O capítulo final estabelece con-
res, e para os pioneiros uma crise clusões gerais sobre a problemáti-
da civilização em mudança, devido ca da educação na década de 30 e
às transformações causadas pelo chama a atenção para aspectos re-
avanço científico e tecnológico. levantes, tais como o fato dos pio-
1eiros e dos católicos não terem
Com base nesse pressuposto, baseado suas propostas para a
são forjadas as idéias educacionais educação em necess idades exis-
que se articulam em ambos os ca- tentes e sim em modelos normati -
sos, o dos pioneiros e o dos vos, como foi tradicional em nossa
católicos, com concepções de ho- história da eaucação. Assim, é a
mem e de mundo bem diversas e elucidação dos meandros percorri-
específicas. Para os católicos, a dos pelas idéias e propósitos refor-
educação deve ser tarefa da Igreja, mistas da educação brasileira nos
incumbida de elevar as consciên- anos 30 que faz com que o livro de

Revista de Admímsrração de J:;mpresas

Você também pode gostar