Você está na página 1de 23

ANHANGUERA EDUCACIONAL

PEDAGOGIA

AMANDA APARECIDA CARDOSO DOS SANTOS

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II–


EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL

RELATÓRIO FINAL

Itapetininga
2022
AMANDA APARECIDA CARDOSO DOS SANTOS

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II–


EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL

RELATÓRIO FINAL

Relatório apresentado à ANHAGUERA


EDUCACIONAL, como requisito parcial para o
aproveitamento da disciplina de Estágio
Curricular Obrigatório II do Curso de
Pedagogia.

Itapetininga
2022
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO............................................................................................................3
1 LEITURAS OBRIGATÓRIAS...............................................................................4
2 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP)......................................................6
3 ABORDAGEM DOS TEMAS TRANSVERSAIS CONTEMPORÂNEOS DA
BNCC..........................................................................................................................8
4 ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A EQUIPE
ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA................................................................10
5 METODOLOGIAS ATIVAS COM USO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS............12
6 PLANOS DE AULA............................................................................................14
CONSIDERAÇÕES FINAIS......................................................................................17
REFERÊNCIAS........................................................................................................18
3

INTRODUÇÃO

O estágio supervisionado no Ensino fundamental se caracteriza pela escrita


de estudos realizadas durante o estágio sobre a prática profissional.
Segundo Burton (2009, p. 1) “a escrita reflexiva como uma atividade
prazerosa e um apoio ao aprender reflexivo”. Pois, a reflexão uma maneira de
expandir o mundo das teorias para além da sala de aula.
Os temas propostos para realizar essa reflexão foram importância de um
planejamento, sobre o Projeto Político Pedagógico, metodologias ativas com uso de
tecnologias digitais no processo educacional, atuação do professor e sua inter-
relação com a equipe administrativa e pedagógica, abordagem dos temas
transversais contemporâneos da BNCC.
O propósito deste estágio foi compreender através das leituras realizadas
como ocorre os vínculos dentro da escola em relação ao processo ensino
aprendizagem, visto que foram leituras extremamente importantes para a construção
pessoal e profissional dos estudantes.
Foi também necessário buscar entender como são constituídas as relações e
como elas interferem na formação do estagiário.
4

1 LEITURAS OBRIGATÓRIAS

O atual ensino fundamental de 9 anos (anos iniciais e finais) tem uma base


nacional comum, e deve ser completada de acordo com a proposta educacional de
cada escola e características regionais e sociais de onde ela se localiza.
Nesta etapa da Educação Básica são disseminados os valores sociais, os
direitos e os deveres dos cidadãos, bem como a noção de respeito ao bem comum e
à ordem democrática. Nesta etapa também, os alunos são estimulados a ter
iniciativa, a desenvolver sua autonomia e várias outras coisas.
Shudo (2008) mostra que o ensino fundamental de nove anos deve
proporcionar à criança a atuação sobre os objetos, vivenciando situações que sejam
significativas para ela e o ambiente escolar deverá ser um espaço que promova
estas aprendizagens. Desta forma, o atual ensino fundamental de 9 anos tem como
objetivo aumentar as possibilidades de alfabetização e letramento das crianças que
venham apresentar maiores dificuldades, dando-lhe um prazo maior para suprir
estas dificuldades.
A Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional, no art. 32, determina
como objetivo do Ensino Fundamental a formação do cidadão, mediante:
I – O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios
básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II – a
compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da
tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;
III – o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a
aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e
valores; IV – o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de
solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida
social. (BRASIL, 1996)

Sendo assim, os professores das séries iniciais do Ensino fundamental devem


ter a habilidade de trabalhar as diferentes áreas do conhecimento, como
Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas.
Desta forma, de acordo com Lima (2012): “O principal papel deste profissional
é a formação continua do aluno, enfatizando a alfabetização, ou seja, o ensino da
literatura e gramática, bem como o contar, envolvendo principalmente as áreas de
Língua Portuguesa e Matemática”. (LIMA, 2012, p.150-151)
Nos anos iniciais do Ensino Fundamental é a fase em que a crianças recebem
os estímulos para a sua formação, e no decorrer deste tempo que vai ser
5

determinado o fracasso ou o sucesso educacional, como também pode contribuir no


seu progresso nas mais diferentes áreas.
Diante disso, os materiais didático-pedagógicos, a gestão escolar e a
formação do corpo docente podem ser traçadas pela evolução crítica e criativa, com
foco no pleno exercício da cidadania dos discentes.
“O aluno deve ser valorizado como produtor do conhecimento, juntamente ao
seu professor”. (CAMARA; ARONSON, 2006, p.3).
O papel do professor é de grande importância, pois é alguém que acredita no
potencial dos alunos, que tem altas expectativas sobre a aprendizagem, que planeja
bem a aula, que conduz na sala um ambiente desafiador, mas estimulante. Hoje, há
muitos estudos mostrando aspectos do trabalho docente como um grande agente
que articula e faz a mediação da aprendizagem. Mas o professor também precisa
estudar, precisa de apoio, de incentivo e valorização, para que consiga fazer tudo
que se espera dele.
Por isso, o papel do professor vai muito além de mostrar conhecimento aos
estudantes. Os docentes também são responsáveis por ensinar as crianças e
adolescentes a trabalhar em grupo, estimular a criatividade e o pensamento crítico e
dar o auxílio necessário para que os estudantes alcancem seus objetivos
Além da formação acadêmica, o professor contribui para a formação e o
desenvolvimento do aluno enquanto indivíduo e membro da sociedade, pois
proporciona para ele experiências que vão além do âmbito intelectual.
6

2 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP)

1. O que é o PPP e qual a importância desse documento para o ambiente escolar?

De acordo com Veiga (1995) o Projeto Político Pedagógico da escola é:


Uma construção coletiva. Construir um projeto pedagógico significa
enfrentar o desafio da mudança e da transformação, tanto na forma como a
escola organiza seu processo de trabalho pedagógico como na gestão que
é exercida pelos interessados, o que implica o repensar da estrutura de
poder da escola. (VEIGA, 1996, p.15)

O importante papel da construção do Projeto Político Pedagógico da escola, é


que este documento passa pela relativa autonomia da escola, de forma que nele vai
ser projetado sua própria identidade. “Isto significa resgatar a escolar como espaço
público, lugar de debate, do diálogo, fundado na reflexão coletiva”. (VEIGA, 2004,
p.14)
Desta forma, podemos ter a clareza que o Projeto Político Pedagógico é um
importante instrumento de organização escolar, cuja dimensão além de política,
contribui também para a formação de uma consciência coletiva de cidadania no
ambiente escolar.

2. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento normativo que


define as aprendizagens essenciais que todos os alunos devem se apropriar na
educação básica. Sendo assim, todas as escolas devem organizar seu currículo a
partir desse documento. Com base na leitura que você realizou, como as
competências gerais da Educação Básica se inter-relacionam com o PPP?
A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é conceituada em seu próprio
texto como “um documento de caráter normativo que define o conjunto orgânico e
progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver
ao longo das etapas e modalidades da Educação Básica” (BRASIL, 2017, p. 7). E o
projeto Político pedagógico é um documento organizador da escola.
Desta forma, a competências da Educação Básica deve se inter-relacionam
com o Projeto Político Pedagógico, pois é de extrema importância que dentro deste
documento estejam contidas todas as aprendizagens essenciais que a escola deve
garantir aos seus alunos, de acordo com a Base nacional Comum Curricular.
7

3. A avaliação da aprendizagem é um elemento crucial no processo de ensino e de


aprendizagem, visto que oportuniza indícios dos avanços escolares e dos pontos
que precisam ser aperfeiçoados. Com base na leitura que você realizou do PPP, de
que modo a escola apresenta o processo de avaliação?
Segundo Vasconcellos (2005), deve-se avaliar para mudar o que tem que ser
mudado. A avaliação deve ter efeito prático, ou seja, para o professor mudar a forma
de trabalhar retomando conteúdos, explicando de outra maneira, mudando a forma
de organizar o trabalho em sala de aula e dar atenção especial aos alunos que
apresentam maior dificuldade; quanto à escola, proporcionar mais condições de
estudo, criar espaço para recuperação, rever o currículo, incentivar a integração
entre professores e desenvolver sempre alternativas para melhoria do processo de
ensino e aprendizagem, envolvendo o coletivo escolar.
8

3 ABORDAGEM DOS TEMAS TRANSVERSAIS CONTEMPORÂNEOS DA


BNCC

1. Como podemos entender o termo Transversalidade?


Araújo (2003) define assim o conceito de transversalidade:
[...] temáticas que atravessam, que perpassam, os diferentes campos do
conhecimento, como se estivessem em uma outra dimensão. Tais
temáticas, no entanto, devem estar atreladas à melhoria da sociedade e da
humanidade e, por isso, abarcam temas e conflitos vividos pelas pessoas
em seu dia a dia. O que se deseja é que os alunos tenham a oportunidade
de adquirir na escola não apenas uma formação intelectual, mas também
conhecimentos que possam contribuir para sua formação de valores.
(ARAÚJO, 2003, p. 28)

Desta forma, é necessário que os professores tenham conhecimento de


outros temas que estejam principalmente ligados à realidade do aluno e que
discutam valores sociais e éticos para ajudá-los na sua formação como cidadãos, e
não ficar somente conhecer assuntos relacionados apenas ao seu componente
curricular.
Portanto, os temas transversais devem aparecer transversalizados
determinadas áreas do currículo, de forma que venha a constituir de um trabalho
mais significativo e expressivo de temáticas sociais na escola.

2. Qual a importância de se trabalhar com os TCTs na escola?


Para Nus (1998, p. 18), os TCTs são importantes, pois estão centrados na
educação para a vida e permitem o desenvolvimento de indivíduos autônomos,
críticos e solidários, além de possibilitarem aulas mais participativas, envolvendo os
alunos em seu processo de ensino-aprendizagem.
De acordo com Corrêa (2018, p. 118), sobre os TCTs afirma que “[...] a
atuação do professor deve ir ao encontro da necessidade dos alunos, diante das
diversas situações advindas das circunstâncias do sistema escolar na trajetória de
gerenciamento de ensinar e aprender”.
Portanto, O TCTs, quando trabalhados em sala de aula, fazem com que os
alunos tenham mais interesse nas aulas, pois são assuntos que fazem parte da sua
realidade.
“Para isso, é preciso que os professores abram mão de crenças educacionais
antigas, que antes eram muito boas, mas que atualmente não conseguem mais
atingir os alunos” (CELANI; SOUZA, 2017, p. 70).
9

3. Dos TCTs listados, quais podem ser trabalhados de forma transversal no seu
curso de graduação?
Meio ambiente, ciência e tecnologia, multiculturalismo, cidadania e civismo,
saúde e economia são os TCTs listados, é são de relevante na formação docente,
pois eles poderão refletir e assim poder trabalhar temas de interesse dos alunos,
ajudando-os a desenvolver “[...] uma consciência de mundo crítica, comprometida
com a transformação” (CAVALCANTE; CARNEIRO, 2016, p. 78), além de convidá-
los ao diálogo sobre sua condição de cidadãos críticos e autônomos.

4. O Guia apresenta uma metodologia de trabalho para o desenvolvimento


dos TCTs, baseado em quatro pilares. Quais são estes pilares? Comente sua
perspectiva sobre essa metodologia.
Os pilares são: Problematização da realidade e da situação de
aprendizagem, superação da concepção fragmentada para uma visão sistêmica,
integração das habilidades e competências curriculares à resolução de problemas,
promoção de processo educativo continuado e do conhecimento como uma
construção coletiva.
Esses pilares levam os professores a serem um eterno pesquisador, de modo
que venha a proporcionar a seus alunos discussões que vão além do assunto do
seu componente curricular, podendo assim tornar suas aulas mais atrativas levando
os alunos a uma participação mais ativa em sala de aula
10

4 ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A EQUIPE


ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA

1) A BNCC é um documento que regulamenta as aprendizagens essenciais a serem


trabalhadas nas escolas públicas e privadas para garantir os direitos de
aprendizagem e desenvolvimento aos alunos. Quais os principais desafios da
atuação do professor nos anos iniciais do Ensino Fundamental a partir das
regulamentações apresentadas na BNCC?

A BNCC desempenha papel fundamental, pois explicita as aprendizagens


essenciais que todos os estudantes devem desenvolver e expressa,
portanto, a igualdade educacional sobre a qual as singularidades devem ser
consideradas e atendidas. Essa igualdade deve valer também para as
oportunidades de ingresso e permanência em uma escola de Educação
Básica, sem o que o direito de aprender não se concretiza. BRASIL, 2017, p
15)

Portanto, com a Base Nacional Comum Curricular, muitos professores


encontraram e ainda encontram muitos desafios para desenvolverem seu trabalho,
um dos maiores desafios trabalhar são as tecnologias. Essas habilidades e
competências são fundamentais, e muitas vezes os professores não apresentam
habilidade para trabalhar com esses equipamentos como também com outras
tecnologias. Desta forma, os professores devem fazer cursos de capacitação para
que assim desenvolvam tais habilidades, e se sintam seguros para garantir as
aprendizagens essenciais dos seus alunos.

2) Exemplifique de que maneira a equipe pedagógica poderá orientar o professor


tendo como referência a utilização do Projeto Político Pedagógico e da Proposta
Curricular.
A BNCC e currículos têm papéis complementares para assegurar as
aprendizagens essenciais definidas para cada etapa da Educação Básica,
uma vez que tais aprendizagens só se materializam mediante o conjunto de
decisões que caracterizam o currículo em ação. São essas decisões que
vão adequar as proposições da BNCC à realidade local, considerando a
autonomia dos sistemas ou das redes de ensino e das instituições
escolares, como também o contexto e as características dos alunos.
(BRASIL, 2017, p 16)

Portanto, a equipe pedagógica, junto com os professores, devem refletir e


debater sobre como o Projeto Político Pedagógico e a Proposta Curricular podem
contribuir para assegurar as aprendizagens dos alunos, fazendo reuniões
periodicamente, de forma que possam trocar conhecimentos e assim pensarem nas
11

mudanças de forma a enriquecer a prática pedagógica e compreender o aluno


como protagonista do processo de ensino e aprendizagem.

3) No que se refere às atribuições da equipe administrativa, descreva a


importância da relação da direção com a equipe pedagógica para a qualidade dos
processos educativos no contexto escolar.
A equipe administrativa deve ter uma boa articulação com a equipe
pedagógica, de forma que a instituição possa oferecer aos seus alunos uma
educação de qualidade.
Para isso, o diretor deve estar constantemente orientando e avaliando as
aprendizagens para que assim possa conduzir toda sua equipe em prol a uma
educação de excelência.
12

5 METODOLOGIAS ATIVAS COM USO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS

Atualmente, as escolas se deparam com novas realidades e novas


exigências, pois ela não é a única que constroem o saber. Desta forma, os
professores devem ampliar seus conhecimentos fora dela.
Como diz Silveira (2001, p. 28), “a educação que cultiva a ideia do saber
consolidado deve ser substituída pela que ensina e prepara a pessoa para o
aprendizado permanente”.
A escola precisa contar com professores capazes de entender, captar e
utilizar na educação as novas linguagens dos meios de comunicação
eletrônicos e das tecnologias, que cada vez mais se tornam parte da
construção das estruturas dos pensamentos de seus alunos. (SAMPAIO &
LEITE, 2003, p. 18).

Sendo assim, as novas tecnologias devem ser consideradas no


desenvolvimento do trabalho educativo, fazendo com que a escola cumpra sua
função social, ou seja, propiciar uma educação de qualidade, formando cidadãos
capazes de intervir no mundo de forma crítica, responsável, humana, solidária.
Pais (2002) menciona que, ao estudar o uso das tecnologias digitais no
campo pedagógico, nosso interesse é ressaltar as potencialidades cognitivas
desses recursos, explorando as melhores formas de utilização para a melhoria das
condições de aprendizagem. Tecnologia e escola caminham juntas, para que assim
possa haver uma transformação na educação para que os alunos possam se sentir
incentivados a aprenderem de modo participativo, colocando-os como agentes
principais do processo de aprendizagem, podendo assim utilizar as metodologias
ativas.
Metodologia ativa é uma concepção educativa que estimula processos de
construção de ação-reflexão-ação em que estudante tem uma postura ativa em
relação ao seu aprendizado numa situação prática de experiências, por meio que lhe
sejam desafiantes e lhe permitam pesquisar e descobrir soluções, aplicáveis à
realidade. (FREIRE, 2006)
As metodologias ativas “[...] dão ênfase ao papel de protagonista do aluno, ao
seu envolvimento direto, participativo e reflexivo em todas as etapas do processo”
(MORAN, 2018, p. 4)
Nas metodologias ativas os alunos não irão reproduzir modelos já prontos,
mas sim aluno buscar, processar, entender, pensar, elaborar e anunciar, de modo
13

personalizado, o que aprendeu


As atividades propostas usando a metodologia ativa, as informações e
aquisições de novos saberes são compartilhados entre os alunos, de modo que o
professor vai alcançar seus objetivos instrucionais propostos pela intervenção que
se referem à estrutura do processo cognitivo do conhecimento e compreensão. No
processo de aprendizagem tradicional, é totalmente contrário, os conteúdos são
impostos aos alunos de forma acabada, a problematização está apoiada nos
processos de aprendizagem por descoberta, e os conteúdos são oferecidos na
forma de problemas a serem solucionados em grupos. Além disso, a liberdade de
criação do educando estimula uma atitude crítica e reflexiva ao contribuir para a
aprendizagem efetiva (MIRANDA, 2004; SOUZA, 2013).
Com o uso das metodologias ativas os alunos eixam de ser passivo no
processo de aprendizagem para ser o ativo, portanto, ele participa ativamente na
construção do próprio conhecimento.
14

6 PLANOS DE AULA

PLANO DE AULA 1
Disciplina Linguagens e Matemática

Série 5º ano

Identificação
Turma Educação Fundamental

Período Matutino

Conteúdo Poesia e Cálculo


Objetivos Objetivo Geral: (EF05LP10) Ler e compreender, com autonomia,
anedotas, piadas e cartuns, dentre outros gêneros do campo da vida
cotidiana, de acordo com as convenções do gênero e considerando
a situação comunicativa e a finalidade do texto. (BRASIL, 2017, p.
121)

Objetivo Específico: (EF05MA08) Resolver e elaborar problemas


de multiplicação e divisão com números naturais e com números
racionais cuja representação decimal é finita (com multiplicador
natural e divisor natural e diferente de zero), utilizando estratégias
diversas, como cálculo por estimativa, cálculo mental e algoritmos.
(BRASIL, 2017, p. 295)
Metodologia 1) O professor deverá apresentar o poema abaixo (de forma
impressa e no Datashow).
Poesia – Entre Rimas e Cálculos.
Carvalheira tem 100 ramos.
Cada ramo tem cem ninhos.
Cada ninho tem cem ovos.
Quantos são os passarinhos?

Se os ramos somam um cento,


Se os ninhos um cento são,
15

Vezes cem dos cem ovinhos,


A resposta é um milhão.

Vou fazer uma pergunta,


Responda de supetão,
400 bois correndo,
Quantos rastros fazem no chão?

Pois eu sou muito esperto,


Ligeiro que nem um gato,
400 bois correndo
Fazem 1600 rastros.
Maria José Nóbrega e Rosane Pamplona. Enrosca ou desenrosca? :Adivinhas,
trava-línguas e outras enroscadas, São Paulo: Editora Moderna, 2005.

2) Pedir para os alunos fazerem a leitura silenciosa, e em seguida o


professor deverá fazer a leitura.

3) O professor deverá fazer alguns questionamentos:


Qual é o gênero do texto?
Quantas estrofes tem?
Quantos versos?
Tem rimas?
Será que a Matemática combina com a poesia?
Como as autoras dessas adivinhas associam poesia e Matemática?
4) O professor deverá levar os alunos a perceberem que a cada
duas estrofes, é proposta e respondida alguma adivinha que envolve
uma operação matemática. O professor deverá pedir para os alunos
expliquem cada adivinha e a resposta correspondente.
5) Em duplas, os alunos terão que criar uma adivinha combinando
poesia e matemática. O professor deverá orientar os alunos que
deverão pensar nas rimas e nos cálculos.
6) Como desafio será apresentadas as atividades para a sala e eles
terão que resolverem casa desafio feito pelos colegas.
Recursos Computador, Datashow, texto impresso, lápis e borracha.
16

Avaliação Atividades: participação dos alunos


Critérios: registros por vídeos, fotos e atividades.
Referências BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular
Comum. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília, 2017.
Disponível em:
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf
. Acesso em: 18/04/2021.

Maria José Nóbrega e Rosane Pamplona. Enrosca ou


desenrosca? :Adivinhas, trava-línguas e outras enroscadas, São
Paulo: Editora Moderna, 2005.

REAME, Eliane; MONTENEGRO, Priscila. Projeto Coopera:


Matemática 5º ano: Ensino fundamental: anos iniciais. 1ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2014

PLANO DE AULA 2
Disciplina Matemática e Ciências Humanas

Série 5º ano

Identificação
Turma Educação Fundamental

Período Matutino

Conteúdo Sistema de numeração decimal, gráfico em pizza, capitais e regiões


do Brasil
Objetivos Objetivo Geral: (EF05MA24) Interpretar dados estatísticos
apresentados em textos, tabelas e gráficos (colunas ou linhas),
referentes a outras áreas do conhecimento ou a outros contextos,
como saúde e trânsito, e produzir textos com o objetivo de sintetizar
conclusões. (BRASIL, 2017, p. 297)

Objetivo Específico:(EF05MA01) Ler, escrever e ordenar números


naturais até a ordem das centenas de milhar com compreensão das
principais características do sistema de numeração decimal.
(BRASIL, 2017, p. 295)
Localizar as regiões do Brasil.
17

Metodologia 1) Em grupo, na sala de informática, o professor deverá pedir para


pesquisarem as regiões do btasil e sua população. Os alunos
deverão fazer as anotações.
2) Em seguida, em uma roda de conversa, entregar o gráfico abaixo
impresso para os alunos, e o professor deverá fazer alguns
questionamentos:
Que informações são apresentadas no gráfico?
Qual é o título no gráfico?
Qual era a região mais populosa?
Entre as 5 regiões do gráfico, qual é a região menos populosa?
População do Brasil, Estados e Regiões Brasileiras

Fonte: https://www.luis.blog.br/populacao-do-brasil-estados-e-regioes-dados-do-
ibge.html . Acesso em: 22/04/2021.
3) Pedir para os alunos; colocarem os números de habitantes de
cada região em ordem crescente e decrescente; escreverem por
extenso cada número e localizarem no mapa e pintar cada região de
uma cor (O professor deverá entrega rum mapa em branco somente
com a s divisões dos estados para os alunos fazerem as
localizações)
4) Para finalizar, os alunos deverão somar o número da população
do Brasil.
Recursos Computador, folha impressa com o mapa, mapa Brasil Político, lápis,
18

lápis de cor e borracha.


Avaliação Atividades: participação dos alunos
Critérios: registros por vídeos, fotos e atividades.
Referências BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular
Comum. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília, 2017.
Disponível em:
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf
. Acesso em: 18/04/2021.

https://www.luis.blog.br/populacao-do-brasil-estados-e-regioes-
dados-do-ibge.html. Acesso em: 22/04/2022.
19

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estágio relatório do estágio curricular obrigatório II– Educação Fundamental


foi desenvolvido através de reflexões das leituras realizadas envolvendo diferentes
temas que forma pertinentes para a minha formação.
A partir das experiências vividas neste período, durante o desenvolvimento
deste trabalho, pude ter um maior conhecimento, os quais são necessários para a
formação do profissional trazendo novas percepções para a minha futura
profissão docente.
Durante a realização do estágio pude compreender que a formação inicial do
professor é essencial para o exercício da profissão, e com os estudos realizados
contribui com o aprofundamento e como é a prática em sala de aula.
Por fim, com a realização deste estágio, pude sanar as minhas expectativas para a
obtenção do sucesso profissional, onde foram concretizados uma parte do
conhecimento, que foi somente a teoria, pois a prática foi inviável fazer por causa da
pandemia Covid-19.
20

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, U. F. Temas transversais e a estratégia de projetos. São Paulo:


Moderna, 2003.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20


de dezembro de 1996.
_______. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum. Secretaria
da Educação Fundamental. Brasília, 2017. Disponível em:
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em:
18/04/2022.

BURTON, J. et al. Refletiva Iritinga: A Way too Lifelong Teacher Learning. eBook
edition, TESL-EJ, 2009. Disponível em:
http://eventos.sbem.com.br/index.php/EBRAPEM/EBRAPEM2019/paper/view/
541/884. Acesso em: 18/04/2022.

CAMARA, Silvane; ARONSON, Mariana Vanhoni. A percepção do professor sobre


sua função nas séries iniciais. 2006.

CAVALCANTE, L. I. P.; CARNEIRO, C. R. A práxis na relação com a educação e


a formação de professores: tensões e possiblidades de emancipação humana.
In: CORRÊA, C.H.A.; CAVALCANTE, L.I.P.; BISSOLI, M.F. (Orgs.). Formação de
professores em perspectiva. Manaus: EDUA, 2016.

CELANI, M. A. A; SOUZA, M. J. F. A formação continuada de professores como


um processo de autocrítica. Verbum, v. 6, n.3 p. 66-76, mar, 2017. Disponível em:
http://revistas.pucsp.br/index.php/verbum/article/view/30391. Acesso em:15/04/2022.

CORRÊA, E. S. A política de formação de professores de língua inglesa e os


desafios da prática cotidiana na escola pública. 2018. 224f. Tese (Doutorado em
Sociedade e Cultura) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática/


educativa Paulo Freire. – São Paulo: Paz e Terra,1996.

LIMA, Vanda Moreira Machado. A complexidade da docência nos anos iniciais


na escola pública. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente/SP,
v.22, n.23, p.148-166, maio/ago. 2012.

MIRANDA KCL; BARROSO MGT. A contribuição de Paulo Freire à prática e


educação crítica em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2004;
12(4):631-5. Disponível em: Acesso em: 22/10/2022.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, Carlos


Alberto de; MORALES, Ofélia Elisa Torres (org.). Coleção Mídias Contemporâneas,
2013.
21

NÓBREGA, Maria José; PAMPLONA, Rosane. Enrosca ou


desenrosca? :Adivinhas, trava-línguas e outras enroscadas, São Paulo: Editora
Moderna, 2005.
PAIS, L. C. Educação Escolar e as Tecnologias da Informática. Belo Horizonte:
Autêntica, 2002.

REAME, Eliane; MONTENEGRO, Priscila. Projeto Coopera: Matemática 5º ano:


Ensino fundamental: anos iniciais. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

SAMPAIO, Marisa; LEITE, Ligia Silva. Alfabetização tecnológica do professor.


Petrópolis: Vozes, 2003.

SHUDO, Regina. Sala de aula e avaliação: caminhos e desafios. VIGOTSKII, Lev.


Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 9ed. São Paulo: Ícone, WAJSKOP,
Gisela. Brincar na pré-escola. 3ed. São Paulo: Cortez.

SILVEIRA, SR. Estudo e Construção de uma ferramenta de autoria multimídia


para elaboração de jogos educativos. Dissertação Porto Alegre. PPGC UFRGS.
1999.

SOUZA MC; CAMPOS FC. Desenvolvimento de um modelo lógico para a


consolidação das ações de cooperação entre micro e pequenas empresas em
arranjo produtivo local no segmento de confecções. Revista feb.unesp [Internet].
2013; 8(4):93- 110.

YUS, R. Temas transversais: em busca de uma nova escola. Trad. Ernani F. de


F. Rosa. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

VASCONCELLOS, C. S. Coordenação do Trabalho Pedagógico: Do projeto


político- pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 8 ed. São Paulo: Libertad,
2007.

VEIGA, I. P. A. Projeto Político-Pedagógico da Escola: Uma construção


possível. 2. ed. Campinas: Papirus, 2005.

Site pesquisado:

https://www.luis.blog.br/populacao-do-brasil-estados-e-regioes-dados-do-ibge.html .
Acesso em: 22/04/2022.
22

Você também pode gostar