Você está na página 1de 13
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MULHERES NA INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

MULHERES NA INFORMÁTICA

Salvador - BA Julho de 2011

JULIANA TELLES LUANA MENEZES MONIRA SILVA

MULHERES NA INFORMÁTICA

Projeto apresentado como requisito de avaliação da Disciplina Computador, Ética e Sociedade do curso Sistemas de Informação da UFBA Universidade Federal da Bahia, orientado pelo professor Celso Saibel.

Salvador - BA Julho de 2011

A mulher é o negro do mundo. A mulher é a escrava dos escravos. Se ela tenta ser livre, tu dizes que ela não te ama. Se ela pensa, tu dizes que ela quer ser homem.

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO

05

2. OBJETIVOS

06

3. JUSTIFICATIVA

07

4. METODOLOGIA

08

5. CRONOGRAMA

11

6. CONCLUSÃO

12

7. REFERÊNCIAS

13

1. INTRODUÇÃO

Apesar das mulheres, na maioria das vezes, serem vistas de um ângulo preconceituoso por pessoas que as julgam sem aptidão e competência para atuar na área de tecnologia, elas foram muito importantes para o desenvolvimento desta. Isto pode ser observado através das realizações alcançadas pelas primeiras mulheres atuantes na informática e propiciaram importantes avanços na construção do estudo da informática e, na maioria das vezes, permaneceram invisíveis. Duas das pioneiras são Ada Byron (Lady Lovelace), a primeira mulher considerada programadora da história e Grace Murray Hopper pela sua contribuição no desenvolvimento da linguagem de programação COBOL, ainda utilizada nos dias de hoje, e pelo desenvolvimento do primeiro compilador. A falta de exemplos femininos tem sido apontada como um dos fatores que leva à pequena participação das mulheres nas ciências, principalmente nas ciências exatas. Inúmeros obstáculos sobrepõem-se e figuram um enorme impasse para que a participação feminina seja efetivada nas áreas mais científicas e tecnológicas. Contudo, as pioneiras destacam-se, principalmente, na área de software, atividade que necessita de lógica matemática para o seu desenvolvimento, talvez por isso, as acima citadas eram quase todas matemáticas. E pensar que raciocínio lógico é uma das qualidades que nem sempre é dada a uma mulher. Como explicar este fenômeno? Determinação e gosto pela matemática. Sem estas características, nenhuma delas se empenharia na difícil atividade de trabalhar com software. Mesmo em número reduzido, as mulheres que se dedicaram à informática marcaram o desenvolvimento desta área do conhecimento e da sociedade como um todo. Se os obstáculos para que as mulheres sigam as suas carreiras profissionais forem reduzidos, se a família, os professores, a sociedade como um todo passarem a incentivar as mulheres a ingressar em carreiras científicas, num futuro próximo esta situação possa ser revertida e a participação feminina nas carreiras científicas em geral, e na informática especificamente aumente significativamente.

2. OBJETIVOS

O projeto “Mulheres na Informática” tem por finalidade, mostrar a importância da presença feminina na informática e porque as mulheres deveriam ingressar e atuar fortemente no ramo da tecnologia da informação. Foi visando estimular o interesse pela área nas mulheres e conscientizar os indivíduos da possibilidade de atuação feminina, que estamos apresentamos este projeto.

3. JUSTIFICATIVA

Entender a importância da figura feminina no âmbito da informática, tal qual a masculina. Saber o porquê das mulheres ingressarem na área, expor a existência do preconceito de gênero. Entender como este preconceito é capaz de fazer com que algumas mulheres desistam de atuar na área por e abandonem seus empregos. Visar o quanto a sociedade precisa amadurecer sobre o papel da mulher em todas as áreas do mercado de trabalho, não apenas no que tange à tecnologia.

4. METODOLOGIA

O projeto deteve-se em pesquisas de nomes femininos que se tornaram destaque na área pelos seus feitos e entrevistas com homens e mulheres sobre os diversos aspectos da participação feminina na informática. A internet foi instrumento utilizado na construção deste projeto e recolhimento de dados aqui apresentados. Uma pesquisa realizada com alunos do nosso curso, Sistemas de Informação, apresentou, por parte das mulheres, que a escolha da área deveu-se ao amplo mercado, boa remuneração, e um contato prévio com a área num curso técnico ou algo do tipo. Já os homens indicaram como um dos fatores positivos, o contato com uma pessoa do sexo feminino no seu ambiente de trabalho, tendo em vista que atualmente, a maciça maioria dos seus colegas de trabalho é do sexo masculino. Nas pesquisas externas percebemos que há mulheres interessadas e que já trabalham na área de tecnologia, porém há as que nunca cogitaram essa possibilidade. Contudo, em ambos os casos o primeiro e terceiro questionamentos foram respondidos de forma homogênea. O que nos permitiu concluir que trabalhando ou não na área, a sensação repulsiva do mercado é a equiparável. Foram feitas três perguntas-chave que seguem abaixo junto à aleatórias respostas:

1. Como você analisa o mercado de trabalho para as mulheres no ramo da informática? “O mercado de trabalho no ramo da informática para mulheres ainda se encontra em déficit, acredito que pelo fato de em tempos passados as mulheres serem influenciadas em sua educação a lecionar deixando a tecnologia de lado. E como envolve também muita matemática esse campo fica mais favorável aos homens já que é provado cientificamente que os mesmos têm mais facilidade, o que não impede que as mulheres possam desenvolver bem os campos da informática e afins.”

2. Você já pensou estudar/ trabalhar algo relacionado?

2.1 “Sim, já pensei em trabalhar com algo ligado a informática, tecnologia, pois

o mercado está com um bom crescimento.

2.2 Nunca pensei em estudar nem trabalhar, porém acho interessante algo do

tipo publicidade com informática.

3. Você acha que ainda há um preconceito com as mulheres que trabalham no ramo? Sim. Como nossa própria história traz, todas as novidades no mercado de trabalho que trazem satisfações financeiras, primeiro, tem sido dominadas pelos homens. Ainda há uma subestimação da capacidade feminina em diversas funções que não estejam relacionadas ao cuidar (como educação,

Sempre que a mulher tenta "ultrapassar"

enfermagem, serviços domésticos

as barreiras dessas imposições da sociedade é recepcionada com preconceitos e discriminações. Foi assim com a construção civil, esporte, gestões administrativas e não será diferente com a área de informática. Porém, existe sim um porque para esse preconceito: a consciência da capacidade e do poder feminino! Numa sociedade machista e retrógrada, é de se esperar qualquer tipo de receio como esse.

).

Durante as pesquisas encontramos nomes de mulheres que foram muito importantes para o avanço de pesquisas sobre a informática, entre elas estão:

Marina C. Chen: A sua pesquisa inclui o design e a implementação dos

compiladores Fortran para plataformas de alta performance. Também foi Presidente da Cooperating Systems Corporation.

Adele Goldberg: Trabalhou na criação do primeiro “window”, uma interface baseada em ícones.

Madge Greswold: Ajudou no desenvolvimento da linguagem de programação ICON.

Lois Haibt: Desenvolveu um analisador de expressão aritmética, componente essencial para o compilador FORTRAN.

Sister Mary Kenneth Keller: Participou no desenvolvimento da linguagem

BASIC. Foi também a primeira mulher a receber o grau de doutora em ciência da computação nos Estados Unidos.

Emmy Noether: Pesquisou álgebra abstrata que forneceu os fundamentos

para a criação da linguagem PROLOG.

Susan Owicki: Pesquisou sistemas distribuídos, análise de desempenho e sistemas fiáveis para o comércio eletrônico.

Para o cenário atual, daremos destaque a Virginia M. Rometty, vice-presidente sênior de vendas e distribuição da International Business Machines Corp, a famosa IBM. A executiva, de 53 anos, é citada como a pessoa mais preparada para assumir a presidência global da companhia e seria a primeira mulher a ocupar o cargo.

5. CRONOGRAMA

Cronograma Junho/Julho de 2011

3º semana de Junho

4º semana de Junho

1º semana de Julho

2º semana de Julho

Pesquisa Bibliográfica

X

Aplicação de

Questionários

X

Processamento de Dados

X

Desenvolvimento do Projeto

X

Criação do Blog

X

Apresentação

X

6. CONCLUSÃO

Concluímos que a sociedade precisa "derrubar as barreiras" que impedem que as mulheres prossigam, e às mulheres cabe buscar sólida formação, reciclagem de seus conhecimentos através de um constante aprimoramento e desenvolver uma série de competências que as mantenham sempre em destaque, já que o preconceito tende a ofuscar as qualidades profissionais das mesmas. Deste modo, as empresas aprenderão a valorizar também o conhecimento, a competência e o talento femininos, o que certamente está ajudando as mulheres a terem cada vez mais uma inserção efetiva no mercado de trabalho.

7. REFERÊNCIAS

MULHERES NA INFORMÁTICA. Disponível em: http://www.blog.alinefbrito.com/2009/06/mulheres-na-informtica/ Acesso em: 30jun às 14:15 hrs.

MULHERES NA INFORMÁTICA: QUAIS FORAM AS PIONEIRAS? Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/cpa/n27/32144.pdf> Acesso em: 30jun às 14:30 hrs.

GRUPO DE MULHERES NERDS SE REÚNE NA CAMPUS PARTY PARA COMBATER A MAIORIA MASCULINA. Disponível em: <http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/grupo-de-mulheres- nerds-se-reune-na- campus-party-para-combater-a-maioria-masculina-20110118.html>. Acesso em: 30jun às 14:18 hrs.

MULHERES TECNOLÓGICAS. Disponível em:

<http://videos.sapo.pt/zZzHT1FUKlyJsL9yds2j>. Acesso em 30jun às 14:45 hrs.