Você está na página 1de 32

PEDAGOGIA

Curso de Graduação Online | UNISUAM

Psicologia do Desenvolvimento

UNIDADE 3
e da Aprendizagem
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Concepções sobre
Desenvolvimento
Humano
Nesta  unidade 3 serão discutidas e conceituadas as  abordagens  Inatista,
Ambientalista e Interacionista que fazem parte de opiniões completamente
diferentes em relação às concepções de desenvolvimento humano.

Diante disso, dividimos esta unidade em quatro tópicos para facilitar o seu
aprendizado:
T1 - Inatismo, Ambientalismo e Interacionismo
T2 - Do Behaviorismo ao Cognitivismo
T3 - Wallon e sua Abordagem do Desenvolvimento Humano
T4 - Domínios do Desenvolvimento
Fonte: Instituto EFT Brasil

2
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Ao final desta unidade, você será capaz de:

3
• Identificar as abordagens Inatista, Ambientalista e Interacionista que fazem parte
de opiniões completamente diferentes em relação às  concepções  de
desenvolvimento humano;
• Compreender os conceitos inatistas, ambientalistas e interacionistas e as
diferenças entre si.

Podemos começar?

Inatismo, Ambientalismo e
T1 Interacionismo
Veremos, a seguir, o processo de desenvolvimento humano e aprendizagem
sob a concepção Inatismo, Ambientalismo e Interacionismo.

Inatista
Explica o desenvolvimento humano e aprendizagem como resultado único
de informações biológicas.

Na concepção Inatista os indivíduos nascem com a personalidade, maneira


de pensar, valores, reações emocionais e o comportamento, isto é, são inatos
e seu destino predestinado.

ou seja, os  acontecimentos  após  o nascimento não são importantes ou


necessários para o desenvolvimento. 

Nesta concepção, a prática escolar não importa e nem provoca o aluno, já


que ele está limitado ao que conquistou, pois o fator determinante para a
aprendizagem é o desenvolvimento biológico.

Fonte: Informing Families

3
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Conforme os inatistas as práticas pedagógicas não têm origem contextualizada,


para eles o sucesso escolar está no discente e não na escola.

Vamos, a seguir, conhecer algumas das características do Inatismo!

Características do Inatismo

Considera que a aprendizagem não influencia o desenvolvimento, pois


o desenvolvimento é determinado por fatores biológicos, como herança
genética, com ênfase na hereditariedade.

As características físicas e psicológicas de um indivíduo já estariam definidas


por ocasião do nascimento e as várias fases do desenvolvimento seriam pré-
definidas. Os eventos que ocorrem após o nascimento não são essenciais e/
ou importantes para o desenvolvimento.

de um modo geral, a teoria inatista baseia-se na crença de que as capacidades


básicas do ser humano (personalidade, valores, comportamentos, formas
de pensar, etc.) são inatas, isto é, já se encontram prontas no momento do
nascimento. com isso, o ser humano já nasce pronto e o destino individual
de cada ser humano já estaria determinado antes do nascimento.

Para esta teoria, o desenvolvimento é pré-requisito para a aprendizagem; com


isso, o processo educacional pouco ou quase nada altera as determinações
inatas. Os processos de ensino só podem se realizar à medida que o educando
estiver maduro para efetivar determinada aprendizagem.

A prática escolar não desafia, não amplia nem instrumentaliza o desenvolvimento


do educando, uma vez que se restringe àquilo que o educando já conquistou.
A educação pode apenas aprimorar um pouco aquilo que o educando é.

Esses postulados inatistas servem, assim, para justificar práticas pedagógicas


espontaneístas, ou a pedagogia do dom, do reforço das características inatas.
A responsabilidade do sucesso tanto escolar quanto na vida está no sujeito.
Fonte: Parenting the Modern Family

NA CONCEPÇÃO DO
INATISMO O SER HUMANO
NASCE PRONTO

4
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Ambientalismo
A abordagem ambientalista,  conhecida também como behaviorista
o u c o m p o r t a m e n t a l i s t a , a t r i b u i a ex p e r i ê n c i a c o m o fo n te d o
conhecimento e formação de hábitos, atribuindo um grande poder ao ambiente
no desenvolvimento e na constituição das características humanas. 

E s t a p a l av r a te m o r i g e m n o te r m o   b e h a v i o r , q u e e m i n g l ê s
significa comportamento ou conduta.

A abordagem ambientalista preocupa-se em explicar o comportamento


humano por meio  da observação, descartando a análise de aspectos  da
conduta humana como raciocínio, desejos, fantasias, sentimentos, entre outros. 

Destaca e valoriza a importância de medir, testar, comparar, experimentar e


controlar o comportamento do educando e sua aprendizagem.

Na educação

Para Watson (1993), no ambiente da educação, o behaviorismo expede para


uma mudança do comportamento dos elementos envolvidos no processo de
aprendizagem, sendo que essa mudança nos professores e alunos poderia
melhorar a aprendizagem.

Para o autor, a educação é um importante elemento capaz de transformar


a conduta de indivíduos. Pois, ele cria com os estímulos específicos, era
possível “transformar” e “moldar” o comportamento de uma criança, para
que ela pudesse praticar qualquer profissão escolhida.

Para psicólogo americano Burrhus Frederic Skinner, o conceito de


behaviorismo proposto era oposto ao  behaviorismo  de Watson. Segundo
Skinner (1974), o meio ambiente era o responsável pelo comportamento
humano. Ele era contra a utilização de elementos não observáveis para
explicar a conduta humana.

5
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Algumas Características no Ambientalismo

Entende que o desenvolvimento acontece por causa do ambiente, sendo


fruto da aprendizagem, e essa aconteceria por condicionamento, ou seja, por
controle do ambiente.

o desenvolvimento do indivíduo é determinado pelo ambiente, segundo um


ideal de comportamento que os membros de uma cultura têm.

Aponta a capacidade humana de adaptação e


plasticidade, porém revela um homem passivo
frente o ambiente - empirismo (a criança é como
uma folha em branco).

O adulto é visto como principal agente e


promotor do desenvolvimento infantil, moldando
o comportamento da criança, seu caráter e seus
conhecimentos, ou seja, sem a estimulação e
ensino do adulto a criança não desenvolve.

O ser humano é entendido como objeto e os


fatos sociais como coisas, ou seja, objeto de
um interesse meramente prático. É também
chamada behaviorista ou comportamentalista,
atribui exclusivamente ao ambiente a constituição
NO BEHAVIORISMO, OS ESTÍMULOS
das características humanas, privilegiando a
ESPECÍFICOS MOLDAM O COMPORTAMENTO
experiência como fonte de conhecimento e de
DA CRIANÇA. FONTE: VICHI (2012)
formação de hábitos de comportamento.

Preocupa-se em explicar os comportamentos observáveis do educando,


desprezando a análise de outros aspectos da conduta humana, tais como: o
raciocínio, o desejo, a imaginação, os sentimentos e a fantasia, entre outros.

Outra característica é defender a necessidade de medir, comparar, testar,


experimentar e controlar o comportamento e desenvolvimento do sujeito, sua
aprendizagem, objetivando, com isso, controlar seu comportamento.

Interacionista
O desenvolvimento humano e a aprendizagem são
resultado de uma interação de fatores biológicos e
ambientais, entendendo por ambiente os espaços
sociais, históricos e culturais.

O DESENVOLVIMENTO E
APRENDIZAGEM SÃO RESULTADO DA
INTERAÇÃO DO INDIVÍDUO COM O
AMBIENTE. FONTE: TIME OUT 6
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Esta concepção compreende que somos sujeitos ativos, capazes de construir


nossas próprias características, de acordo com as relações que estabelecemos
com o meio físico, social e cultural.

Algumas Características do Interacionismo

O desenvolvimento e aprendizagem ocorrem na interação entre o biológico


e o social. Defende a reciprocidade de influências também entre indivíduo e
o meio.

Ao mesmo tempo em que a criança modifica o meio, ela também é modificada


por ele, principalmente pela interação com outros indivíduos. O “erro”
corresponde a uma forma de assimilação.

a aquisição do conhecimento é entendida como um processo de construção


contínua do ser humano em sua relação com o meio.

Organismo e meio exercem ação recíproca e novas construções dependem


das relações que estabelecem com o ambiente numa dada situação.

Dentre as teorias interacionistas destacam-se: a teoria Interacionista Piagetiana


e a Teoria Sociointeracionista de Vygotsky.

Sociointeracionismo
O desenvolvimento e a aprendizagem são um empreendimento conjunto e
não individual. O desenvolvimento e a aprendizagem se constroem por meio
da interação social, particularmente entre pessoas envolvidas afetivamente
e efetivamente no cotidiano.

Algumas Características do
Sociointeracionismo

Sendo uma ação compartilhada, a interação é


influenciada por características de ambos os
parceiros.

O adulto exerce uma função de mediador na


relação da criança com seu meio. Parte da ideia
de homem enquanto corpo e mente, enquanto
ser biológico e social e enquanto participante de
um processo histórico cultural.
O DESENVOLVIMENTO
Vygotsky defende a ideia de contínua interação entre as mutáveis condições
E APRENDIZAGEM SE
sociais e as bases biológicas do comportamento humano. Partindo de
CONSTROEM PELA
estruturas orgânicas elementares, determinadas basicamente pela maturação,
INTERAÇÃO SOCIAL.
formam-se novas e mais complexas funções mentais, a depender das
FONTE: CIDADE QUE
experiências sociais a que as crianças se acham expostas.
QUEREMOS

7
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Importância do Meio Social

O meio social não é apenas mais uma variável no desenvolvimento cognitivo.


Na socialização é que se desenvolvem os processos mentais superiores.

Não podemos pensar o desenvolvimento de maneira descontextualizada e


universal, ele é, antes de tudo, um processo resultante da cultura.

Desenvolvimento Infantil no Sociointeracionismo

Segundo Vygotsky, o desenvolvimento infantil é visto a partir de três aspectos:


instrumental, cultural e histórico.

Instrumental
Fonte: http://www.froddo.com/media/
blog/monitoring%20social%20media/
Children%20at%20school.jpg

O aspecto instrumental se refere à natureza


basicamente mediadora das funções psicológicas
complexas. O ser humano não responde aos
estímulos apresentados no ambiente, mas os
alteram e usam suas modificações como um
instrumento do comportamento.
Ex. As pessoas amarram no dedo um barbante
para que se lembrem de alguma coisa. O estímulo
será o laço no dedo. A princípio significa que o
dedo está amarrado. Certo? Sendo assim, o dedo
O DESENVOLVIMENTO É UM PROCESSO adquire sentido, que será a função mediadora,
RESULTANTE DA CULTURA SOCIAL fazendo lembrar de algo importante.

Cultural
Existe tanta influência cultural que ela vai se constituindo devido às regras e
valores externos. As ideias e as influências externas fazem parte na construção
de conhecimento do ser humano. Por isso, em sua obra ele deu ênfase à
linguagem e sua relação com o pensamento.
A linguagem é uma ferramenta básica para a interação social do
desenvolvimento humano. Ele leva a sério a questão da cultura na construção
do ser humano, pois ele constrói sua cultura a partir do local em que vive, por
meio da interação com o outro.
Na visão de Vygotsky, somente na interação com o outro social é possível o
desenvolvimento pleno. A sua ênfase é no aspecto social, troca de informação
a forma de se portar.

Sociohistórico

saiba mais
?
O aspecto histórico funde-se com o cultural,
pois são instrumentos que os homens usam
para dominar o seu ambiente e o seu próprio
comportamento, foram criados e modificados ao
Clique abaixo e acesse à obra de Lev longo da História social da civilização. A História
Vygotsky, que ressalta o papel da escola no da sociedade e o desenvolvimento do homem
desenvolvimento mental das crianças na caminham juntos.
pedagogia contemporânea:
http://revistaescola.abril.com.br/formacao/
lev-vygotsky-teorico-423354.shtml
8
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Do Behaviorismo ao
T2 Cognitivismo
O Behaviorismo surge nos Estados Unidos com Watson que, em 1913, inaugurou
uma nova disciplina, por assim dizer, enquanto professor na John Hopkins
University, nos Estados Unidos.

Em publicação na época, ele define sua postura teórica: “a psicologia, como


a entende o behaviorista, é um ramo das ciências naturais, puramente
experimental e objetivo. Seu objetivo teórico é a predição e o controle do
comportamento” (WATSON, 1913, p. 158).

Fonte: Minuto Psicologia


Para Watson (1913), o Behaviorismo era, então, uma Psicologia experimental,
objetiva, científica e determinista, cuja única fonte seria o comportamento
diretamente observável.

O Behaviorismo no Processo de
Aprendizagem
Segundo os preceitos behavioristas, a aprendizagem ocorre por condicionamento
operante e clássico, sendo que alguns comportamentos são mais facilmente
adquiridos pelo primeiro tipo de condicionamento e outros pelo segundo.

O Behaviorismo norte-americano desenvolveu-se com o firme propósito de


compreender o ser humano a partir do comportamento expresso.

O Neobehaviorismo, desenvolvido por Hull, e o trabalho de Skinner revelam este


paradigma, embora a noção de consciência não seja totalmente negada. Para
Skinner, uma ideia inconsciente é uma ideia que não é óbvia para o sujeito e é,
portanto, não relevante para a análise funcional e científica do comportamento.

9
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

O trabalho de Pavlov está na origem do Behaviorismo watsoniano, mas o


desenvolvimento dos paradigmas behavioristas deve-se, essencialmente,
aos norte-americanos. As questões colocadas por Pavlov eram de outra
natureza e não negavam a existência de processos internos. Wallon (1975, p.
148) ressalta que:

Pavlov abriu largas perspectivas e indicou que existe no


homem um sistema de reflexos condicionados diferente
do sistema de reflexos condicionados que lhe é comum
com o animal, mas apto a interferir nele e a modificá-lo
profundamente: o sistema da linguagem.

A linguagem introduz, no homem, um novo plano, que é “das representações


puras, depois das ideias e, finalmente, das operações mais abstratas da
inteligência” (Idem, 1975, p. 150). Não há, para o pesquisador, pensamento sem
linguagem, pois a linguagem é o suporte do pensamento.

A produção behaviorista se concentrou no comportamento aparente,


não se ocupando de processos internos. Os behavioristas não negaram
explicitamente a existência da consciência, que vai provocar uma mudança
na evolução da Psicologia, principalmente nos Estados Unidos, onde a
ciência psicológica já se ressentia do insucesso do paradigma experimental
behaviorista, que se revelara insuficiente como modelo de compreensão do
comportamento humano.

10
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

A Psicologia Cognitiva

Para sair do impasse em que se viu pela insuficiência no modelo de


compreensão do comportamento humano, a Psicologia norte-americana se
volta aos processos internos, dando início ao predomínio do Cognitivismo.

A Psicologia Cognitiva nos Estados Unidos se desenvolve em três fases,


segundo Legrand (1990):

Na primeira fase (1956-67), tem-se a atuação de Georg Miller e Jerome


Bruner; na segunda, ela surge claramente como Psicologia Cognitiva (meados
da década de 60); e, finalmente, na terceira, ela passa a existir como uma
“ciência normal”, com publicações, sociedades, colóquios etc. (no final da
década de 70).

a Psicologia cognitiva enfatiza a noção de processos internos, opondo-se,


neste aspecto, diametralmente ao Behaviorismo; mas, por outro lado, herda
deste último o rigor científico na experimentação.

O desenvolvimento da Psicologia Cognitiva norte-americana é caracterizado


por este duplo aspecto. Mas esta mudança é lenta e assimila de maneira
particular a Psicologia Cognitiva que se desenvolvia em outros países.
“Sempre houve uma Psicologia Cognitiva... ela estava presente na Inglaterra,
na França, na Alemanha e na Suíça com Piaget” (MANDLERS apud BAARS,
1988, p. 295).

11
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Wallon e sua Abordagem do


T3 Desenvolvimento Humano
Vimos até aqui a teoria de dois grandes autores da psicologia, Piaget e
Vigotsky, que muitos contribuíram para a Pedagogia, embora não tivessem
sido pedagogos. Agora iremos conhecer outro autor que também muito
enriqueceu a prática pedagógica, Henry Wallon1.

O que estudamos em Piaget como pensamento pré-lógico vamos encontrar


em Wallon como pensamento categorial (veremos mais adiante). Porém, havia
diferenças entre os dois autores:

Piaget estudava a gênese da inteligência; Wallon se preocupava com a


gênese da pessoa completa, ou seja, considerava os aspectos afetivo,
cognitivo e motor do indivíduo. ele mostra a predominância do afeto, nos
primeiros anos de vida de uma criança, enquanto Piaget prioriza a questão
da intelectualidade.

A formação em neurologia e medicina aproximava Wallon de Freud. Mas,


a diferença se fazia na prática desses conhecimentos. Enquanto Freud se
voltou para a Psicanálise, Wallon continuou sua prática como neurologista em
virtude do seu interesse em trabalhar com crianças portadoras de distúrbios
de comportamento. Durante toda a sua obra, vamos encontrar em Wallon a
preocupação com a pessoa total, concreta, contextualizada.
http://hiskiddpreschool.com/
images/legos.jpg?crc=4176776176

WALLON CONSIDERAVA OS
ASPECTOS AFETIVO, COGNITIVO
E MOTOR DO INDIVÍDUO.
Fonte: Magic Maman

1 Wallon era médico neurologista. Interessou-se pela psicologia buscando em outros


teóricos, como Piaget e Freud, fundamentos para construção de sua teoria. Em sua obra,
portanto, encontraremos um diálogo constante com esses autores.

12
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

outra aproximação de Wallon a Freud diz respeito ao Complexo de Édipo2.


assim como Freud, Wallon aborda a pessoa, a conquista do EU.

Nesta aula, estudaremos o processo de desenvolvimento infantil e do


psiquismo humano na teoria de Wallon. Veremos que esse desenvolvimento
infantil vai do sincretismo à categorização e que a imitação, segundo Wallon,
é um processo constitutivo do desenvolvimento psíquico da criança.

Então, convido você a entrar por mais este labirinto do conhecimento!

Processo de Desenvolvimento Infantil e o


Psiquismo Humano
Como Wallon explica o processo do desenvolvimento infantil? Você deve
estar se fazendo essa pergunta. Que ótimo! Você vai se encantar com o olhar
desse teórico.

Wallon buscou desenvolver a psicogênese do sujeito concreto, contextualizado,


tendo por base de sua teoria, o materialismo dialético. alguém já falou sobre
isso. você seria capaz de identificar o teórico?
http://2.bp.blogspot.com/-
CjOvrIe50Mk/VkkvGbmuYSI/
AAAAAAAAAB8/NTmtr91Dis4/
s1600/edad.jpg
A preocupação principal de Wallon era de
entender o processo pelo qual o sujeito passa,
desde o nascimento, e como vai se tornando cada
vez mais humano na busca de sua individualidade
– assim como Piaget e Vygotsky buscaram a
origem dos processos psíquicos. Neste ponto,
opõe-se às teorias reducionistas e dicotômicas,
que afirmavam que o desenvolvimento ocorria de
forma gradual, contínua.

Wallon destaca que precisamos abordar a


totalidade das relações nas quais o sujeito está
inserido (espaciais, sociais, afetivas, culturais), a
a teoria de Wallon aBorda os asPectos
pessoa em seu conjunto e como se relaciona com
esPaciais, sociais, aFetivos e culturais do
o meio a cada momento de sua vida. Será que já
suJeito. Fonte: Psicologia de la istrucción
abordamos essa visão em nossos estudos?

2 Freud se apropria do mito de Édipo para formular sua ideia de que exista na relação
da tríade (pai-mãe-criança) um desejo incestuoso da criança pela mãe e a interferência
odiada do pai nessa relação. Assim, o Complexo de Édipo é uma formulação usada para
explicar o desenvolvimento sexual infantil. Esse conceito foi trabalhado diversas vezes
durante a construção da teoria freudiana e posteriormente por seguidores da psicanálise,
tornando-se uma formulação ainda em construção à qual se dedicam inúmeros autores
ao redor do mundo.
Quer saber mais? Clique no link abaixo e fique por dentro.
http://www.brasilescola.com/psicologia/complexo-edipo.htm

13
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

daí a afirmação de que a teoria do desenvolvimento cognitivo de Wallon é


centrada na criança contextualizada, em que o ritmo no qual se sucedem
as etapas do desenvolvimento é descontínuo, marcado por rupturas e
retrocessos, provocando mudanças significativas em cada etapa. a teoria de
Wallon supera, assim, a dicotomia indivíduo/meio. valoriza a passagem do
orgânico ao psíquico (interação entre sujeito/ambiente).

Wallon afirma ainda que só podemos compreender a criança se observarmos


e entendermos as relações que ocorrem no meio onde está inserida. Para
ele, o orgânico é a condição primeira do pensamento, porque toda função
psíquica supõe um componente orgânico. Porém, esse componente orgânico
não é suficiente, visto que o objeto de ação mental vem do ambiente no qual
o sujeito está inserido.

O homem é determinado fisiológica e socialmente, está sujeito às estimulações


internas e externas.

Jamais pude dissociar o biológico e o social, não porque o


creia redutíveis entre si, mas porque eles me parecem tão
estreitamente complementares, desde o nascimento, que
a vida psíquica só pode ser encarada tendo em vista suas
relações recíprocas (WALLON apud WEREBE; NADEL-
BRULFERT, 1986, p. 8).
na teoria do
desenvolvimento Mais uma vez se aproxima de Piaget e Vygotsky ao se opor às dicotomias
Humano de Wallon entre orgânico e o social. O biológico e o social são complementares. Por isso,
sÃo levados em Wallon valoriza a interatividade de vários fatores na constituição do sujeito.
consideraçÃo os
asPectos cognitivo, Você está percebendo a amplitude3 da teoria de Wallon? Vamos, a seguir,
aFetivo, motor e social. entender, a partir da teoria de Wallon, a dinâmica do desenvolvimento infantil!
Fonte: ri World congress
A Dinâmica do Desenvolvimento Infantil

Wallon, em suas pesquisas, usou o método


de comparação. Comparava, por exemplo,
o desenvolvimento da criança normal com
pesquisas sobre a psicologia de crianças
portadoras de síndromes.

Outro aspecto que observou foi o cultural.


Para isso, usou estudos antropológicos para o
conhecimento do comportamento de crianças de
diferentes culturas. Dialogou com outros campos
do conhecimento, inclusive com a educação, que
via com muito interesse e a ela dedicou grande
parte de sua pesquisa.
http://riworldcongress.com/wp-
content/uploads/2016/10/RIWC-
2016-stock-image-inclusion-for-young- 3 A pessoa é dinâmica e não é um fim em si mesma. Sua teoria é vista como inacabada,
people-in-education-1-735x490- em virtude da abrangência do ser humano. Porém, é uma teoria válida, pois compreende
640x480_c.jpg
a dinâmica do desenvolvimento da pessoa e estuda-a com maior profundidade.

14
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Ao estudar a pessoa global, apresentou seu desenvolvimento levando em


consideração não só o cognitivo, mas também o afetivo e o motor. Portanto, o
estudo da pessoa abrangente de Wallon envolveu quatro elementos básicos:
afetividade, movimento, inteligência e a pessoa (EU).

Afetividade Movimento Inteligência Pessoa (EU)


Envolve uma Wallon acreditava “O desenvolvimento da
gama maior de que as escolas inteligência, em grande A construção
manifestações, deveriam quebrar parte, é função do do eu depende
englobando as a rigidez e a meio social. Para que essencialmente do
dimensões psicológica mobilidade, ele possa transportar outro.
e biológica, ou seja, adaptando a sala o nível da experiência
os sentimentos e as de aula para que as ou da invenção
próprias emoções. crianças possam se imediata e concreta,
movimentar mais. tornam-se necessários
os instrumentos de
origem social, como
a linguagem e os
diferentes sistemas
de símbolos surgidos
nesse meio”. (WALLON,
1971, p. 14).

Do Sincretismo à Categorização

Estudando a totalidade das relações nas quais a criança está inserida, Wallon
percebeu que ela modifica, com sua presença, o espaço sócio-afetivo-cultural
e é por ele modificada. Que tipo de relação está ocorrendo?

nestas relações, a criança, de início, essencialmente emocional, vai-se


constituindo em um ser sociocognitivo, tendo uma visão única de sua própria
existência. durante uns três anos haverá uma completa indiferenciação entre
ela e o meio - sincretismo subjetivo.

Vejamos um exemplo para ficar mais claro o conceito de sincretismo subjetivo.

Ao conversarmos com crianças pequenas, é comum ouvirmos frases curiosas.


Se perguntarmos, por exemplo, por que o Sol aparece somente durante o
dia, a criança poderá responder que “ele dorme à noite”. Esse jeito de pensar,
que não parece ter lógica para nós, é chamado de pensamento sincrético
e é natural da infância, quando a lógica da criança ainda não está presente.
Sincretizar significa reunir. Como a criança ainda não possui uma lógica, ela
mistura realidade e fantasia sem distinção.

Para Wallon, o desenvolvimento infantil vai do sincretismo à categorização.


Inicialmente, a percepção da criança é nebulosa. Aos poucos, conforme
entra em contato com experiências e informações, ela vai se refinando. Com
o desenvolvimento, ela alcança o pensamento categorial, quando ela já é
capaz de colocar os objetos em um sistema de categorias pré-estabelecido,
definindo e explicando-os.

15
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

de acordo com o teórico, a forma como a criança pensa é influenciada por


dois fatores: sua capacidade cognitiva e as referências que recebe do meio.
É a partir da interpretação que outras pessoas do seu meio social darão às
suas ações que a criança compreenderá o mundo ao seu redor. Portanto, o
outro é o constituidor do sujeito.

Diante do que vimos até aqui, você consegue perceber alguma semelhança
com a teoria de Vygotsky? Que fator será o responsável por essas trocas
sociais? Você seria capaz de identificá-lo?

A Imitação
Antes do surgimento da linguagem falada, as crianças se comunicam
e se constituem como sujeitos pela ação e interpretação do meio entre
humanos, construindo suas próprias emoções, que é seu primeiro sistema
de comunicação expressiva.

segundo Wallon, é pelos processos comunicativos ou expressivos, como por


exemplo, a imitação, que acontecem essas trocas sociais.

Quando a criança faz uso da imitação, ela está desdobrando, lentamente, a


sua capacidade de construir. Pela imitação, a criança expressa seus desejos
e se diferencia dos outros, constituindo-se como sujeito.

É a imitação que garante a vinculação entre as ações


motoras e mentais levada pela tentativa de imitar ações,
gestos e falas dos outros, a criança pequena constrói suas
primeiras compreensões da realidade, possíveis através
da percepção das nuanças de sua própria ação (WALLON,
1942, p. 162).

Portanto, é por meio da imitação que a criança atua na construção de suas


condutas, de suas ações motoras e de sua interpretação da realidade.
Fonte: Toddler

16
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

VOCÊ JÁ BRINCOU DE FAZ-DE-CONTA?

Fonte: Magazineluiza.com
Quando a criança brinca de faz-de-conta, ela acaba assumindo um papel,
que pode ser, inicialmente, a imitação de um adulto observado. Assim, ela
traz consigo algumas regras de comportamento que estão implícitas e são
culturalmente constituídas. De início imitador e imitado se fundem. Aos poucos,
as ações se modificam, havendo uma interatividade. Surge uma diferenciação
do modelo imitado. A criança vai constituindo novas estruturas mentais, dando
significado próprio a tudo que a rodeia. Vivencia o mundo social à sua maneira.
Transforma-o e dá a ele seu significado próprio.

essa é uma brincadeira que muito bem expressa a força da imitação na


construção do conhecimento. É por meio da imitação que haverá o vínculo
entre ações motoras e mentais. a criança, ao mesmo tempo em que participa,
se coloca na ação do outro e agindo como um espelho da ação do outro,
reproduz a ação.

saiba mais
? "QUANDO A CRIANÇA
BRINCA DE FAZ-DE-CONTA,
Clique aqui e leia o texto “Wallon e o Papel
da Imitação na Emergência de Significado no ELA ACABA ASSUMINDO
Desenvolvimento Infantil”, de Vera Maria Ramos
de Vasconcellos (1996), para saber mais sobre UM PAPEL, QUE PODE
a imitação na teoria de Henrique Wallon.
SER, INICIALMENTE, A
http://www.infocien.org/Interface/Colets/
v01n04a04.pdf IMITAÇÃO DE UM ADULTO
OBSERVADO."
17
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Domínios do
T4 Desenvolvimento
E então? Está gostando de Wallon? Vamos conhecer mais um pouco de sua
teoria? Na aula anterior ficou clara a preocupação de Wallon em estudar a
psicogênese da criança completa. Você concorda com ele?

Wallon foi um teórico que renovou na forma de analisar a psicologia infantil e


seus problemas, principalmente o enfoque dado à motricidade4, emotividade,
inteligência humana.

sua abordagem à pessoa (construção do eu) veio ao encontro das


necessidades da educação infantil, possibilitando respostas a muitas
questões desta área.

Neste tópico, teremos a oportunidade, primeiramente, de conhecer os pilares


da teoria de Wallon: emoção, movimento, inteligência, pessoa (EU). Logo após,
verificaremos os estágios do desenvolvimento psicológico do ser humano
(impulsivo-emocional, sensório-motor, personalismo e categorial) e suas
principais características. Por fim, iremos conferir as implicações da teoria de
Wallon na educação.

Preste atenção e procure correlacionar Wallon, Piaget, Vygotsky!

Vamos lá!
http://psicoinfantil.net/stage/wp-
content/uploads/2013/06/DEFICIT-
APRENDIZADO-INFANTIL.jpg

A TEORIA DE WALLON RENOVOU


A FORMA DE ANALISAR A
PSICOLOGIA INFANTIL.
Fonte: Psicoinantil.net

4 Wallon ressalta como o processo do pensar e do sentir começam por meio da motricidade. Isto
é, primeiro a criança domina seu corpo, para em seguida lidar melhor com seus pensamentos
e sentimentos. O controle desses últimos é visto como produto do controle motor.
Clique abaixo para ler mais sobre o assunto:
http://www.psicomotricidade.com.br/apsicomotricidade.htm

18
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

A Pessoa, as Emoções, o Movimento


e a Inteligência
Wallon dizia que a pessoa era integrada por três campos que formavam uma
unidade. Você saberia dizer quais campos são esses?

Para ele, o estudo integrado da pessoa envolve diferentes campos (emoções,


movimento e inteligência) do desenvolvimento que, de início, aparecem
pouco diferenciados. A pessoa integra esses campos, e é também um campo
funcional. Nesses campos ocorrem sucessivas diferenciações, tanto em seu
interior como entre eles.

Portanto, Wallon estudou o desenvolvimento do ser humano nos domínios


afetivo, cognitivo e motor com seus vínculos, relações e inter-relações,
surgindo, assim, quatro temas fundamentais: emoção, movimento,
inteligência, pessoa (eu), conhecidos como os pilares da teoria de Wallon.

Vejamos cada um deles!

Emoção

Você saberia dizer o que Wallon entende por


ENTÃO, AFETIVIDADE E EMOÇÃO emoção?
NÃO SÃO SINÔNIMAS?

Wallon (1975) entende a emoção como


manifestações afetivas diferenciadas – emocional
é perceptível. vêm acompanhadas por alguma
transformação no sistema neurovegetativo,
por exemplo: boca seca, taquicardia, ritmo da
respiração. atribui este fato à existência da função
postural ou tônica, comum a todo ser humano.

Fonte: Revista Ciclo do Conhecimento

19
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Não, elas não são sinônimas. A afetividade é um conceito abrangente no qual


estão várias manifestações. É um fenômeno complexo que surge de uma
causa interna/externa, desencadeando reflexos faciais e diversas alterações
no corpo. Quando os sintomas aumentam de intensidade o afeto fica mais
mobilizador, transformando-se em emoção.

De acordo com o neurologista Smith (2006, p.1):

os afetos podem designar situações vivenciadas, sob


a forma de emoções ou de sentimentos. Para ele, a
emoção é uma súbita ruptura do equilíbrio afetivo que
tem como principais características: breve duração;
bloqueio parcial/total da capacidade de raciocinar com
lógica. Assim, quem tem emoção pode ter um alto grau
de descontrole psíquico e comportamental – cólera, ira e
pavor (grifo nosso).

Dantas, estudiosa de Wallon, diz que: “A emoção é altamente orgânica, altera


a respiração, os batimentos cardíacos e até o tônus muscular, tem momentos
de tensão e distensão que ajudam o ser humano a se conhecer” (DANTAS,
1992, p. 22).

Segundo ela, a alegria, o medo, a raiva, a tristeza e os sentimentos mais


profundos têm função relevante na relação da criança com o mundo. Por
exemplo, o recém-nascido utiliza emoções como forma de mobilizar o outro,
buscando se comunicar com o outro.

Sim, a emoção antecede o sentimento. Quer


uma prova? A emoção da “simpatia” pode se
transformar no sentimento de “empatia”. Pense
nisso!

smith (2006) destaca que o sentimento é o


A EMOÇÃO ANTECEDE oposto de emoção: não são episódios, são
O SENTIMENTO? estados; não são curtos, são mais duradouros;
produzem vivências menos intensas; interferem
menos na razão e no comportamento – amor,
medo e ódio. no popular: é como se fosse o
estado de espírito.

No decorrer do desenvolvimento da pessoa,


percebe-se que as emoções são controladas pela
razão. Transforma-se com a reflexão.

Cada cultura tem regras próprias para expressar


as emoções. Wallon, usando dados coletados
em seus estudos de antropologia, mostra a força
das cerimônias com rituais, o caráter contagioso
e coletivo da emoção nas sociedades ditas
primitivas.
Fonte: Worthington Foundation

20
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Movimento

Wallon considera o movimento a primeira expressão da emoção. Gestos,


mímicas, olhares, expressões faciais são constitutivos da atividade emocional.
De início, os gestos são impulsivos; depois, emocionais.

É importante atentar para o fato de que os gestos tenderão a permanecer


ou não, dependendo da sociedade em que a criança está inserida. Se esses
gestos não forem usados pelos adultos, a tendência é desaparecerem.

Wallon contribui com o estudo da psicomotricidade5, apontando três aspectos


desse desenvolvimento:

Regulações tônicas responsáveis pela estabilidade dos gestos e pelo


equilíbrio do corpo.

Função tônica inteiramente relacionada ao movimento – motricidade cinética.


Função postural ligada à atividade intelectual, à percepção. Ex. Muitas
vezes assistimos pessoas frente à dificuldade de solucionar um problema
gesticulando ativamente (movimento brusco).

À medida que a criança se desenvolve, o movimento se integra à inteligência:


o ato motor sofre um processo de intelectualização. A criança age sobre o
meio de forma mais própria, do jeito dela, mais independente.

Os atos motores vão ocorrendo a fim de se ajustarem às situações e locais


vivenciados. Observamos esse fato quando vemos uma criança utilizando um
objeto com várias finalidades.
Fonte: Associação Brasileira
de Psicomotricidade

À medida que a criança se


desenvolve, o movimento
se integra à inteligência

5 É a ciência que tem como objeto de estudo o homem através do seu corpo em
movimento e em relação ao seu mundo interno e externo. Está relacionada ao processo
de maturação, onde o corpo é a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas.
É sustentada por três conhecimentos básicos: o movimento, o intelecto e o afeto.
Psicomotricidade, portanto, é um termo empregado para uma concepção de movimento
organizado e integrado, em função das experiências vividas pelo sujeito cuja ação é
resultante de sua individualidade, sua linguagem e sua socialização (ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE PSICOMOTRICIDADE, s.a.).

21
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Inteligência

Wallon, em suas pesquisas sobre a construção da inteligência, voltou-se para


a análise de entrevistas realizadas com crianças entre 5 e 9 anos de idade.
Mostrou que, de início, o pensamento da criança é confuso; tem grande
dificuldade de compreender a realidade.

A percepção caracteriza esta forma de pensar, que se expressa por meio


de fabulações, fantasias. A esse tipo de pensamento, Wallon deu o nome
de sincretismo (como já vimos ao tratar de sincretismo à categorização) que
se apresenta como confuso, global, com dificuldades para compreender
a realidade.

no estágio categorial do pensamento, dos 6 aos 9 anos, a criança vai objetivar


o real. Há a redução do sincretismo, isto ocorre a partir do momento em que a
criança apresenta um conflito entre o mundo interno de fantasias e o externo
(real) caracterizado por símbolos, valores sociais, culturais etc. É na busca da
solução desses conflitos que a inteligência evolui.

Dependendo de como cada um lida com a realidade externa, Wallon observou


limites, dificuldades, características próprias no processo de desenvolvimento
do pensamento infantil.

no seu estudo sobre a inteligência, deu grande importância à linguagem


(veremos melhor isso adiante), que, para ele expressa o pensamento e é
estruturadora dele.

Segundo Wallon, conforme o indivíduo se desenvolve, as emoções vão


encontrando outras formas de expressão. O que antes era comunicado pelo
corpo, com a linguagem, vai ganhando novas formas de expressão. Surgem
http://www.hospitaldaher. palavras e ideias para expressar as emoções.
com.br/daher/wp-content/
uploads/2016/05/Infancia.jpg

A CRIANÇA NOS SEUS


5 ANOS DE IDADE
TEM DIFICULDADE
DE COMPREENDER A
REALIDADE.
Fonte: Inc. 22
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Pessoa (EU)

O que vimos a respeito do desenvolvimento da inteligência, também vai ocorrer


na constituição do EU: uma lenta e progressiva diferenciação. O momento
inicial da pessoa é a indiferenciação entre o eu e o outro, pois se encontram
numa simbiose (fusão).
http://www.mamaepediatra.com.
br/wp-content/uploads/2016/01/
crian%C3%A7a-brincando.jpg

Vamos tomar como exemplo a relação entre o


bebê e o outro. Como vai ocorrer a diferenciação
nessa relação?

Para Wallon, o que vai proporcionar a crescente


diferenciação entre o EU e o outro são as
interações do sujeito: com ele próprio e
dele com o meio social e físico. É importante
observar que essa diferenciação ocorrerá em
dois momentos:

Assim, a construção do EU vai depender essencialmente do outro.

os professores da educação infantil devem ficar atentos para a importante


tarefa da construção da pessoa, do eu. eles têm um papel fundamental
nesse processo. cabe à escola proporcionar atividades (pode ser a mesma)
com ênfase nos objetos, envolvendo objetivos cognitivos, ou com ênfase no
sujeito, atingindo objetivos afetivos.

O equilíbrio entre esses objetivos proporcionará a construção do objeto e,


consequentemente, a construção do sujeito.

Você está percebendo a abordagem crítica da teoria de Wallon, como também


a não aceitação de modelos tradicionais da educação?

23
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Estágios do Desenvolvimento na
http://blog.bemol.com.
br/blog/wp-content/ Abordagem de Wallon
uploads/2013/09/crianca-
brincando1.jpg
Acredito que, a partir de agora, será fácil
compreender os estágios do desenvolvimento
de acordo com Wallon, não é mesmo?

Quando Wallon estuda a criança contextualizada,


em que o ritmo do desenvolvimento é descontínuo,
caracterizado por rupturas e retrocessos (como já
vimos anteriormente), vamos observar etapas do
desenvolvimento com profundas mudanças.

nesse sentido, também a passagem de um


estágio para o outro não ocorrerá de forma
linear, tranquila, por meio de somatórios de
comportamentos, mas sim, por crises que
PARA WALLON HÁ 4 ESTÁGIOS vão afetar a conduta da criança, levando-a a
NO DESENVOLVIMENTO mudanças em seu comportamento.
INFANTIL
Fonte: Blog Bemol
Esses conflitos são os responsáveis pelas
mudanças no desenvolvimento do sujeito e na
construção de sua intelectualidade.

São quatro os estágios de desenvolvimento


apresentados por Wallon.

24
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Estágio Impulsivo-emocional (1º ano de vida)


Como o próprio nome diz, a predominância é da emoção, que vai orientar
as primeiras reações do bebê. A intensidade do uso das emoções nas
manifestações afetivas é explicada por sua inaptidão para lidar com a realidade
externa. Utilização de gestos, mímicas, posturas. Nos primeiros estágios de
vida, a criança desenvolve aspectos adaptativos por meio de movimentos
corporais e afetivos.
No estágio emocional (6 meses) a imitação vai se caracterizando como tentativa
de ações, em que a tonicidade muscular (mais dados em psicomotricidade)
vai desenvolver posturas, em situações de expressões emocionais (forma
pré- figurada da imitação).

Sensório-motor e projetivo (até 3 anos)


A criança vai explorar o mundo físico pelos seus movimentos e ações (gestos);
graças ao domínio da marcha e da apreensão. A cognição é predominante,
expressa pela inteligência prática e simbólica. Ocorre o desenvolvimento da
fala, outra característica importante desta fase. O pensamento é expresso por
meio de gestos, daí o nome projetivo.
O surgimento da imitação real ou diferida (imitação sem a presença do modelo)
ocorrerá também no estágio projetivo, graças a uma plasticidade interior que
se desenvolve por meio dos gestos e movimentos do estágio anterior.
As ações da criança não precisam mais se originar da ação do outro. Ela se
desprende e representa a realidade.
O salto qualitativo entre a passagem do ato imitativo concreto e a representação
foi estudado por Wallon em rituais de sociedades primitivas. O momento de
dissociação entre significado e significante nas funções semióticas (signos)
chamou de simulacro (criança faz uso do objeto na sua ausência) - forma
concreta de representação (imagem mental). Há a compreensão da cena, que
não é recitada, mas sim gestuada (mimética).

Personalismo (3 aos 6 anos)


Construção da personalidade. Consciência de si, graças às interações sociais.
Predomínio das relações afetivas. Essa afetividade, incorporada ao intelectual
do estágio anterior, apresenta-se por palavras e ideias. A presença física é
dispensável, a afetividade pode ocorrer a distância. Ex.: Na escola não esquece
a mamãe.
Aqui aparece a imitação inteligente. A criança dá à própria ação significados
diferenciados em contraposição ao outro. Reconhece seus próprios motivos
de ação e seu lugar no grupo social.
Sua tarefa principal é a de conquistar e de se fazer notar, o que vai gerar
conflitos próprios desta fase, já que há um comportamento de oposição ao
outro. No final desse período, a representação vai tentando livrar da imitação,
surgindo a representação do real. O gesto transforma-se em signo, e o signo
em traços.
Agora, o tema vai propiciar um desenho e o desenho uma escrita. Vai haver
a passagem do realismo visual para o realismo intelectual (uso de desenhos
de crianças).

25
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Categorial (6 aos 11 anos)


Avanços no processo intelectual. A criança se volta para o conhecimento das
coisas e do mundo exterior. Predominância do aspecto cognitivo.

Você observou, nos estágios, que ora predomina o afetivo, ora o cognitivo
como característica básica do período? Wallon chamou a atenção para o fato
de que cada estágio vai incorporar as conquistas realizadas pela outra fase, de
forma recíproca, num processo inteligente e de diferenciação. A esta dinâmica
chamou de alternância funcional.

cabe aqui destacar que na adolescência, rompe-se a aparente tranquilidade


dos estágios anteriores. ação hormonal leva às modificações corporais e a
novos questionamentos sobre o eu.

questões morais, pessoais, existenciais são a tônica desse estágio. a


subjetividade se sobrepõe. a afetividade torna-se cada vez mais racional.
os sentimentos são construídos mentalmente. Jovens teorizam sobre suas
relações afetivas.

O Pensamento, a Linguagem e o
Conhecimento
No estudo sobre inteligência, Wallon deu grande importância à linguagem
que, para ele, expressa o pensamento e é estruturadora dele, numa relação
recíproca - pensamento discursivo.

A conquista da linguagem vai permitir que a criança aja de modo mais


abrangente, relacionando-se com o mundo de forma a ir mais além da sua
percepção. A inteligência deixa de ser prática, sensório-motora, sendo capaz
de evocar elementos que não estejam presentes pela situação dada.

Imagens e símbolos substituem objetos e situações concretas; há uma


operação mental, sendo capaz de operar de maneira desvinculada da
experiência imediata e pessoal.

Fonte: Alexandre Nagado – Blog Nagado


26
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Utilizando entrevistas com crianças de 5 a 9 anos, Wallon analisou


manifestações verbais do pensamento discursivo. Utilizou mecanismos de
entrevistas que levaram as crianças a vivenciarem situações de dificuldades
em que eram analisadas as contradições e os mecanismos usados frente a
determinados impasses (situações conflitivas).

Por meio de suas pesquisas, Wallon nos mostra que por mais que pareça
fragmentado, o pensamento infantil é regido por uma dinâmica, em que
os objetos mentais se organizam em pares. assim, o par é a estrutura
elementar do pensamento infantil. esta posição é antagônica às teorias
associacionistas, onde o pensamento se forma a partir de associações de
unidades originalmente distintas.

Os pares constituem o suporte que orienta o discurso e os temas se associam


independentemente de sua significação. Na ilustração a seguir, você tem o
exemplo de uma conversa entre um adulto e uma criança de 3 anos de idade.

A criança pode associar um tema ao outro simplesmente pelo som,


independente da coerência com o sentido da palavra. Observamos isso no
gosto da criança por versinhos.

27
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

O Sincretismo à Categorização a Partir do Pensamento, Linguagem e


Conhecimento

Já falamos sobre o sincretismo, principal característica do pensamento infantil.


A criança percebe e representa a realidade indiferentemente. As ideias,
imagens que combinadas formam as mais variadas e inusitadas formas de
comunicação. Além dessa característica confusional, o sincretismo também
é impregnado de subjetividade.

somente no pensamento categorial o sincretismo vai ser minimizado, no


momento em que a criança for capaz de fazer diferenciações. organizando
o material em séries, classes, formar categorias, separando objeto por suas
qualidades ou atributos, podendo inclusive combiná-lo a outro objeto.

O sincretismo constitui, então, um obstáculo ao conhecimento objetivo. Em


alguns casos, porém, vamos encontrar algumas situações onde pode ser
usado de forma positiva, como por exemplo, numa criação artística. Mesmo
no conhecimento científico há um pouco de sincretismo, já que se apresenta
como necessário ao ato criador, à nova invenção.

O pensamento categorial permite analisar, sistematizar, generalizar, comparar


as diferenças e semelhanças entre os objetos.

A redução do sincretismo e a consolidação da função categorial dependem


estreitamente do meio cultural, associado ao desenvolvimento orgânico,
como o amadurecimento de centros de inibição e discriminação cerebral.
Conteúdos com forte carga afetiva dificilmente serão inibidos em troca de
termos propostos pelo meio.

uma das importantes tarefas do pensamento infantil, segundo Wallon, é a


de superar obstáculos para facilitar a compreensão da realidade. totalmente
contrário ao acúmulo de informações, que vê como desnecessário, já que
não produz conhecimento, Wallon propõe a busca da solução de conflitos
presente em qualquer verdadeira produção intelectual.

28
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Implicações Pedagógicas
A teoria de Wallon possibilita ao educador uma reflexão pedagógica a respeito
das ações que são executadas em sala de aula, principalmente, no que refere
à criança da educação infantil (creche, maternal, pré-escola).

Pelo estudo da psicogênese da criança concreta,


http://www.normahollis.com/wp-content/
uploads/2015/03/Kids-playing-games.jpg

contextualizada, alerta os educadores para que


se conscientizem de que a criança é corpo
e emoção. Além de uma cabeça pensante e,
como tal, tem que ser trabalhada nos aspectos
afetivo, cognitivo e motor, desenvolvendo-a em
todos esses níveis. Para ele, o desenvolvimento
intelectual envolve muito mais do que um
cérebro.

Contrário à educação tradicional, aponta para


a necessidade de se superar a dicotomia entre
indivíduo e sociedade, integrando-os. Resgata
O DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL
o papel do professor, que, por vezes, se coloca
ENVOLVE MUITO MAIS DO QUE UM CÉREBRO
como mero espectador do desenvolvimento
Fonte: Picturesify Image
da criança.

valoriza os conteúdos de ensino, porém não assume uma postura conteudista,


limitada a incorporar no sujeito os elementos da cultura. valorizar a
expressividade do sujeito, o que lhe vai dar a oportunidade de se colocar em
confronto com o outro, organizando-se.

Lembra-se do que já falamos anteriormente? A criança se desenvolve em


confronto com o outro.

O Ambiente Escolar
http://thecoolhunter.net/wp-content/
uploads/old-blog-images/v(2).jpg

Wallon também atribuiu um grande valor ao


ambiente escolar. Para ele, esse ambiente deve
proporcionar espaço adequado para o pleno
desenvolvimento da criança, e esta poderá
usá-lo da forma que desejar, além de conter
objetos estimuladores, que desafiem a criança na
construção do seu conhecimento.

O planejamento das atividades escolares não se


resume somente à seleção de temas a serem
estudados, mas necessita atingir as várias
AMBIENTE ESCOLAR ESPAÇOSO E COM
dimensões que compõem o meio social.
OBJETOS ESTIMULADORES CONTRIBUEM
PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA
Fonte: The Cool Hunter

29
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

Ao estruturar adequadamente o ambiente escolar, a escola irá possibilitar à


criança uma vivência diferente da do grupo familiar. Esse aspecto é importante,
no sentido de que irá propiciar enriquecimento da personalidade da criança.
No espaço escolar dinâmico, a criança poderá assumir vários papéis, participar
de vários grupos, lidar com materiais diversos e usar o tempo adequadamente.

exemplificando, mais uma vez, com a criança de três anos, com o


comportamento de oposição, vamos observar, no cotidiano escolar,
comportamentos de desentendimento, dispersão, crises emocionais, agitação
motora, que tanto assustam os professores. É importante que o professor
perceba que quanto maior clareza ele tiver dos fatores que provocam esses
conflitos, buscando compreendê-los, melhor controlará as suas reações
emocionais e as do outro.

Mas qual a proposta de Wallon para o trabalho pedagógico que atenda


às necessidades das crianças?

Propõe (que as) atividades pedagógicas em que os objetos devem ser


trabalhados de formas variadas. Os temas e as disciplinas devem ajudar a
descobrir o eu no outro e não ficarem restritos a trabalharem o conteúdo
friamente.

Mesmo sabendo da necessidade de mudanças, a escola continua sendo


intelectualista. Assim, é comum vermos a escola esquecer-se das necessidades
psicológicas da criança, voltando-se somente para o cognitivo, exigindo que
as crianças fiquem sentadas, paradas, concentradas por tempo indeterminado,
pois acreditam que só assim ocorre a aprendizagem.

Wallon mostrou que crianças participantes em atividades espontâneas


apresentam atenção muito maior do que se estivessem imóveis, pois o
cansaço da imobilidade provoca desconcentração. diferentemente do que se
pensava, a variação nas posturas facilita a atenção e a aprendizagem ocorre
com muito mais prazer.
http://www.agendamenuda.es/images/blog/
educacion/helen-doron/clase-helen-doron.jpg

WALLON PROPÕE
A PARTICIPAÇÃO
DA CRIANÇA
NAS ATIVIDADES
PEDAGÓGICAS.
Fonte: Agenda Menuda

30
Unidade 03 Concepções sobre Desenvolvimento Humano

Conclusão
Você pôde conhecer as concepções sobre o desenvolvimento humano nas
abordagens Inatismo, Ambientalismo e Interacionismo. Assim, também, a
abordagem do desenvolvimento humano das teorias de behaviorismo ao
cognitivismo.

Diante disso, até aqui estudamos os aspectos do desenvolvimento humano.


Na próxima unidade abordaremos o processo ensino-aprendizagem e a
construção social do sujeito.

Até a próxima unidade!

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOMOTRICIDADE. O que é


Psicomotricidade. Disponível em: <http://www.psicomotricidade.
com.br/apsicomotricidade.htm>. Acesso em: 17 fev. 2017.

BAARS, B.J. A Cognitive Theory of Consciousness. Cambridge:


Cambridge University, 1988.

BLOG BEMOL. O que é? O que é? Disponível em: < http://blog.


bemol.com.br/blog/2013/10/especial-dia-das-criancas-o-que-e-
o-que-e/>. Acesso em: 20 fev. 2017.

BLOGO PARADOXO DA EXISTÊNCIA. Behaviorismo de Watson.


[2016]. Disponível em: <http://paradoxoexiste.blogspot.com.
br/2016/03/behaviorismo-de-watson.html>. Acesso em:
16 fev. 2017.

INC. How to Become a Leader: be playful! [s.a]. Disponível


em: <http://www.hospitaldaher.com.br/daher/wp-content/
uploads/2016/05/Infancia.jpg>. Acesso em: 20 fev. 2017.

INFORMING FAMILIES. School Kids. Disponível em: <http://


informingfamilies.org/wp-content/uploads/2015/07/schoolkids_
web.jpg>. Acesso em: 07 fev. 2017.

INSTITUTO EFT BRASIL. A EFT como ferramenta para


desenvolvimento pessoal. Disponível em: < http://www.eftbrasil.
com.br/a-eft-como-ferramenta-para-desenvolvimento-pessoal/>.
Acesso em: 07 fev. 2017.

PARENTING THE MODERN FAMILY. How to Help Your Anxious


Child Begin a New School Year. Disponível em: <http://www.
parentingthemodernfamily.com/how-to-help-your-anxious-child-
begin-a-new-school-year/>. Acesso em: 07 fev. 2017.

31
Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Graduação | UNISUAM

REVISTA CICLO DO CONHECIMENTO. A importância da


afetividade na aprendizagem. Disponível em: <http://
centraldeinteligenciaacademica.blogspot.com.br/2016/07/a-
importancia-da-afetividade-na.html>. Acesso em: 17 fev. 2017.

RI WORLD CONGRESS. Image Gallery. Disponível em: <http://


riworldcongress.com/wp-content/uploads/2016/10/RIWC-2016-
stock-image-inclusion-for-young-people-in-education-1-735x490-
640x480_c.jpg>. Acesso em: 17 fev. 2017.

SMITH, Jorgson Ksam. Emoção, sentimento e afeto não são


sinônimos. [2006]. Disponível em: < http://wcasablanca.com.br/
cartarh/properties.asp?txtCode=22414>. Acesso em: 17 fev. 2017.

VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de. Wallon e o Papel da


Imitação na Emergência de Significado no Desenvolvimento
Infantil. In: PEDROSA, Maria Isabel. (Org.): Investigação da Criança
em Interação Social (Coletâneas da Anpepp no. 4, pag. 33-47). Rio
de Janeiro: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em
Psicologia, 1996.

VICHI, Ana Paula Cardoso. O Behavorismo, a educação e a


desinformação. [2012]. Revista Comporte-se: Psicologia e Análise
do Comportamento. Disponível em: <http://www.comportese.
com/2012/06/o-behaviorismo-a-educacao-e-a-desinformacao>.
Acesso em: 08 fev. 2017.

WALLON, Henri Paul Hyacinthe. Psicologia e Educação da Infância.


Lisboa: Estampa, 1975.

WATSON, John B. A Psicologia como o Behaviorista a Vê


(traduzido). Universidade Johns Hopkins. EUA, 1913. Disponível em: <
http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v16n2/v16n2a11.pdf>. Acesso em:
08 fev. 2017.

______________. Behavior: an introduction to comparative


psychology. New York: H. Holt, 1914. Disponível em: < https://archive.
org/details/behaviorintroduc00watsuoft>. Acesso em: 08 fev. 2017.

32

Você também pode gostar