Você está na página 1de 33

_ como se relacionar com profissionais

e veículos de comunicação

_ ações alternativas de comunicação


para falar e ser ouvido

_ construindo estratégias de comunicação


para um Conselho

e
mídiaconselhos
um guia para encurtar a distância entre Conselhos de Direitos, Conselhos Tutelares e a sociedade
percorrendo o guia_
4
sem medo de
ELABORADO PARA ORIENTAR CONSELHEIROS NA CONSTRUÇÃO DE UM
BOM RELACIONAMENTO COM OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO, O GUIA MÍDIA
ser notícia_25 ganhando espaços_56
E CONSELHOS FOI PRODUZIDO EM 8 CAPÍTULOS, ORGANIZADOS PARA
FACILITAR A BUSCA DE DICAS E SUGESTÕES DE AÇÕES. VEJA COMO Sugestões para os Conselhos se prepararem para um Um Banco de Pautas com exemplos de matérias que
PERCORRER O GUIA E ENCONTRAR AS INFORMAÇÕES QUE VOCÊ DESEJA. bom relacionamento com a imprensa. Um glossário os conselheiros podem sugerir para os jornalistas para
introduz conceitos que fazem parte do cotidiano tornar mais presente a temática da infância e da
profissional dos jornalistas. adolescência nos meios de comunicação.

apresentação_6 democratização matéria-prima para


Na abertura do Guia, a ANDI e o Conanda destacam a
da comunicação_8 a comunicação_35 os Conselhos pelo Brasil_63
importância da comunicação no processo de
visibilidade e de fortalecimento dos Conselhos. As análises realizadas pela ANDI sobre a cobertura da Dicas de como fazer um bom planejamento das ações Quadro demonstrativo com o número de Conselhos
mídia nacional mostram avanços no comportamento de comunicação, visando estreitar os laços com a Tutelares e de Direitos no País. Também é apresentado
de jornais, revistas e programas de tevê diante do mídia. E ainda experiências positivas construídas o número de Conselhos Tutelares que já trabalham
tema da infância e juventude. Apesar da maior durante os encontros regionais do Projeto Mídia e
prefácio_7 presença dos assuntos ligados a esta temática na Conselhos.
com o Sipia.

agenda de pautas, os Conselhos de Direitos e


O Ministro-chefe da Secretaria Especial Direitos Tutelares têm um longo caminho a percorrer para o Projeto Mídia
Humanos e presidente do Conselho Nacional dos
Direitos da Criança e do Adolescente, Nilmário
tornarem-se referência como fontes para a imprensa. boas, criativas e baratas_48 e Conselhos_64
Miranda, destaca o papel dos Conselhos na
construção de um pacto social em favor da infância e Não só os jornais, as tevês e rádios são poderosos Apresentação das ações realizadas no Projeto Mídia e
da adolescência no Brasil e o papel estratégico da
comunicação: essência intrumentos para promover ações de aproximação Conselhos - Aliança Estratégica na Prioridade Absoluta
com a comunidade. A chamada “mídia alternativa” tem
comunicação para atingir as metas deste pacto. da natureza humana_14 se espalhado por todo o Brasil, com iniciativas
aos Direitos da Criança e do Adolescente.

criativas, aproveitando os encontros, festas e locais


Neste capítulo, mostramos como a Comunicação públicos para estabelecer um verdadeiro diálogo com
integra a vida humana desde os primórdios, sendo um a comunidade sobre o Estatuto da Criança e do
dos principais motores que induzem o relacionamento Adolescente.
social. Seguindo a Linha do Tempo, é possível
compreender como os meios de comunicação e os
direitos das crianças e dos adolescentes evoluíram
através dos séculos. Este ícone acompanha os quadros
Este ícone indica falas de conselheiros e jornalistas que
participaram das oficinas Mídia e Conselhos.
explicativos que trazem receitas e dicas
para ações voltadas para a comunicação. 5
apresentação_ prefácio_
Esta publicação integra o leque de ações do projeto diretrizes de política de atendimento "a mobilização da O Brasil tem testemunhado nas últimas décadas, Nesse sentido, para que os Conselhos desenvolvam o
Mídia e Conselhos - Aliança Estratégica na Prioridade opinião pública, no sentido da indispensável principalmente após a Constituição de 1988, seu protagonismo – que visa a garantia efetiva dos
Absoluta aos Direitos da Criança e do Adolescente, participação dos diversos segmentos da sociedade" importantes avanços no campo jurídico-legal no que direitos da população infanto-juvenil –, é estratégico o
idealizado e coordenado pela ANDI - Agência de (Artigo 88, inciso VI). se refere aos direitos das crianças e adolescentes. Um papel da comunicação. A idéia que norteou a
Notícias dos Direitos da Infância e pelo CONANDA - dos pontos altos dessa transformação foi, sem dúvida, realização deste Guia é a necessidade de inserção na
Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do O Projeto Mídia e Conselhos quer ajudar na o Estatuto da Criança e do Adolescente. Ao tratar a agenda social de um amplo debate sobre a
Adolescente, com recursos do Fundo Nacional dos construção de caminhos originais para a efetivação criança e o adolescente como sujeitos de direitos e importância da efetivação dos direitos da criança e do
Direitos da Criança e do Adolescente, destinados pela desse preceito legal e deseja fazê-lo em conjunto com deveres, o Estatuto inaugurou a doutrina de proteção adolescente; sobre o País que se deseja ter; a
Petrobras. aqueles atores que têm percebido a importância de integral, baseada na descentralização político- consciência dos desafios do presente e das
aproximar os instrumentos da era dos direitos administrativa e na paridade governo/sociedade civil possibilidades do futuro. Pois, afinal, investir no
Unidas pela convicção de que é possível e necessário daqueles da era da informação. Tal processo no processo de tomada de decisões. presente de nossa infância e adolescência significa
fortalecer e profissionalizar as estratégias de certamente depende do protagonismo de cada um construir um futuro melhor para todos.
comunicação social desenvolvidas por Conselhos de dos envolvidos. Portanto, é para essa viagem criativa Entretanto, apesar de todos estes avanços legais, os
Direitos e Conselhos Tutelares, as entidades parceiras que a ANDI e o Conanda convidam você, direitos da infância e da adolescência continuam a ser Neste contexto, estou certo que este Guia é de
estão investindo no processo de qualificação de conselheiro(a). denegados na prática social. O fato é que é possível fundamental importância, pois traz orientações sobre
conselheiros e na produção e veiculação de uma identificar uma enorme distância entre as condições como produzir e fazer circular informações que dão
campanha publicitária. O objetivo é dar maior O manual que você tem em mãos oferece orientações reais de vida dessas populações e aquilo que lhes transparência às ações, ampliam a noção de controle
visibilidade a estes órgãos, que são os principais focos para acessar com agilidade e eficiência o mundo da cabe por direito. Além disso, ainda que se tenha social e contribuem com o processo de conquista da
de promoção de cidadania de crianças e comunicação social. Elaborado inicialmente com a ampliado o acesso aos bens e serviços que lhes são legitimidade política da atuação dos Conselhos de
adolescentes. contribuição de especialistas da área de mídia e do destinados, é urgente atingir a universalização e a Direitos e Tutelares. Ao colaborar para que essas
movimento pelos direitos da criança e do adolescente, eqüidade no atendimento de suas necessidades e instituições construam uma relação saudável com a
Análise realizada pela ANDI e Instituto Ayrton Senna seu conteúdo foi debatido, ampliado e aprimorado ao demandas. imprensa – baseada em princípios éticos e na
sobre a cobertura jornalística de temas relacionados à longo de seis encontros regionais com conselheiros e democratização do acesso à informação e ao debate
infância e adolescência mostra que, em 2002, os jornalistas de todo o País, realizados durante o Para que alcancemos o êxito no enfrentamento destes público –, bem como para que estejam cientes das
Conselhos Tutelares foram ouvidos em apenas 0,71% primeiro semestre de 2003. desafios, é preciso implementar políticas públicas possibilidades de uso das diversas ferramentas de
das mais de 92 mil reportagens veiculadas por 50 dos eficientes e eficazes com a construção de um pacto comunicação para a mobilização, o Guia reconhece a
mais importantes jornais de todo o País. Já os Assim, o produto final lançado em dezembro de 2003 social em favor das crianças e adolescentes do Brasil. importância de tais recursos para a consolidação dos
Conselhos de Direitos serviram de fonte a 0,46% durante a V Conferência Nacional dos Direitos da Conselhos de Direitos e Conselhos Tutelares são direitos infanto-juvenis. Além disso, busca encurtar os
desses textos. Criança e do Adolescente, em Brasília, expressa os protagonistas deste pacto social, pois desempenham caminhos em direção a uma nova história, ancorada
passos de centenas de pessoas na direção de formar papéis fundamentais, estratégicos. De um lado, o em mudanças de atitudes e valores. Uma história que
A idéia de potencializar o uso de ferramentas de uma consciência pública não só favorável aos direitos Conselho de Direitos tem a função de acompanhar e deve, necessariamente, garantir o exercício pleno da
comunicação em prol dos direitos das novas gerações infanto-juvenis, mas incansável na busca de sua plena monitorar a formulação das políticas, exercendo o cidadania e superar desigualdades e injustiças ainda
já está na Lei 8069/90, o Estatuto da Criança e do implementação. controle social sobre as ações do Estado. De outro existentes nas condições de vida das crianças,
Adolescente, que recomenda como uma de suas lado, o Conselho Tutelar, responsável por zelar pelo adolescentes e suas famílias.
exercício pleno dos direitos, atua no difícil terreno das
violações, sendo responsável pelas medidas mais
imediatas.
ANDI CONANDA Nilmário Miranda
Agência de Notícias Conselho Nacional dos Direitos Ministro-chefe da Secretaria Especial dos Direitos Humanos e presidente
dos Direitos da Infância da Criança e do Adolescente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA)
democratização
da informação_ A análise cuidadosa das notícias publicadas nos
/co-responsabilidade
jornais brasileiros sobre o universo da infância e da
adolescência permite observar que a quantidade e a Denúncias, soluções encontradas, diagnósticos,
qualidade depende de como os jornalistas enfrentam o entraves políticos ou culturais para o enfrentamento
desafio diário de tratar, com equilíbrio, assuntos que das questões que afetam esse universo – tudo isso
impactam profundamente a sociedade – como a pode virar notícia e merece divulgação. Assim, é
violência e a pedofilia –, sem ferir os direitos das novas possível promover a democratização da informação.
gerações. Este equilíbrio só é possível quando esses
profissionais se preocupam não apenas em denunciar Essa é, portanto, uma questão fundamental: a co-
problemas, mas, principalmente, em debater responsabilidade entre as “fontes” que produzem a
alternativas e soluções viáveis. informação e os jornalistas, que as coletam, editam e
distribuem. E se as organizações ainda demonstram
A qualidade das matérias depende também de um dificuldades em estabelecer estratégias de ação
outro fator: a capacidade dos setores sociais baseadas na comunicação, por sua vez os jornalistas
envolvidos com a promoção e defesa dos direitos da precisam se esforçar para superar a formação
criança e do adolescente de mobilizar a sociedade e universitária deficiente no que se refere ao campo dos
provocar o envolvimento dos veículos e profissionais direitos humanos. Na maioria dos casos, necessitam
da comunicação. também aprender a enfrentar rotinas de trabalho em
que o tempo para apurar, redigir e editar é
Muitos atores, entidades ou segmentos sociais extremamente curto – grave obstáculo a ser vencido
comprometidos com a promoção dos direitos infanto- por quem prioriza a informação de qualidade.
juvenis limitam sua relação com a mídia à crítica aos
erros cometidos na cobertura dessa área. Outros Vale lembrar, porém, que a atuação destes atores
superaram as dificuldades iniciais de relacionamento e sociais deve ir além de um relacionamento saudável
compreendem que toda organização precisa de com veículos da imprensa, como veremos logo a
visibilidade para se legitimar diante da sociedade, seguir. No decorrer de nossa viagem pelos diversos
agregando credibilidade política e atraindo novos aspectos da comunicação, serão apresentadas outras
parceiros para sua causa. formas de utilização de seus diversos recursos, que
funcionam muito bem quando utilizados de forma ética
Entretanto, mais do que priorizar e investir na e estrategicamente planejada. Após a leitura deste
comunicação institucional e na consolidação de sua guia, será possível programar um detalhado percurso
imagem, é necessário que as organizações sociais de comunicação a ser desenvolvida pelos Conselhos.
atuantes na área da infância e da adolescência, como E dele poderá fazer parte tanto uma complexa
Conselhos de Direitos e Tutelares, compreendam que entrevista coletiva para a divulgação de denúncias
têm a obrigação de tornar públicos os conhecimentos quanto a simples elaboração de um folheto explicativo.
que acumularam pela experiência e pelo trabalho Sejam as ações básicas ou sofisticadas, todas são
desenvolvido. fundamentais para a mobilização da sociedade rumo à
defesa integral de nossas crianças e adolescentes. 9
/conselheiros e a mídia No aspecto quantitativo geral, entre 1996 e 2002, o
10
número de reportagens que os 50 principais jornais /muita coisa ainda por fazer Também em relação a temáticas específicas, a
situação é crítica. Na pesquisa Infância na Mídia de
brasileiros dedicaram aos temas relacionados aos setembro/2001, fica evidenciado que entre 769
É justamente para lidar com a questão fundamental do direitos da infância e da adolescência cresceu cerca Apesar de muitos avanços em direção à consolidação matérias analisadas sobre o tema Educação Infantil, os
relacionamento dos Conselhos de Direitos e Tutelares de 800%, conforme aponta o relatório Infância na de um jornalismo socialmente responsável, o retrato Conselhos Tutelares foram fonte em apenas uma
com os profissionais da mídia que produzimos este Mídia, editado pela ANDI e pelo Instituto Ayrton Senna, da infância e da adolescência diariamente pintado pela matéria. Já os conselhos deliberadores de políticas
guia, pois vivemos um momento muito oportuno para com apoio do Unicef. Isso significa que há um imprensa brasileira ainda não reflete a verdadeira públicas (dos Direitos, da Educação, da Saúde e da
que se estabeleçam novos patamares nessa relação. interesse crescente da sociedade e dos veículos de dimensão dos problemas e desafios que minam uma Assistência Social) foram ouvidos, no total, em apenas
A cada ano, se consolida de forma mais significativa, comunicação pela situação da infância e da efetivação mais abrangente dos direitos infanto- 14 ocasiões.
nas redações de todo o País, uma imprensa adolescência e pelas políticas voltadas a esse juvenis. Crianças e adolescentes chamados de
socialmente responsável e mais atuante no que se segmento, prioritário quanto se discute justiça social, “menores” ainda ocupam as manchetes das páginas Em reportagens sobre a violência, analisadas no
refere às principais questões de interesse das crianças eqüidade e desenvolvimento humano no Brasil. policiais e têm menos voz nas reportagens do que estudo Balas Perdidas - Um olhar sobre o
e dos adolescentes. Os conselheiros, certamente, seria recomendável. As organizações da sociedade comportamento da imprensa brasileira quando a
devem ter um papel fundamental na construção de um civil ainda são muito pouco ouvidas em relação a criança e o adolescente estão na pauta da violência,
debate público mais qualificado e mobilizador. alguns temas importantes.
/boas notícias que analisou em profundidade 1.140 reportagens, os
Conselhos dos Direitos (Municipais, Estaduais e
Nacional) foram ouvidos em 0,6% delas, o mesmo
/a criança e o adolescente O Estatuto da Criança e do Adolescente, antes
combatido de forma claramente passional e /os Conselhos percentual dos Conselhos Tutelares.

na mídia brasileira conservadora, já há alguns anos vem sendo


respaldado pela na mídia brasileira. Análise
nos meios de comunicação Na imprensa regional, a situação é semelhante, como
demonstram as pesquisas A Criança e o Adolescente
coordenada pela ANDI sobre a cobertura das na Mídia, realizadas nos estados onde estão
A produção de informações sobre crianças e comemorações dos dez anos do ECA – completados As pesquisas realizadas pela ANDI e seus parceiros
adolescentes na imprensa brasileira tem sido objeto implantadas as Agências da Rede ANDI. Os conselhos
em julho de 2000 –, registrou que 85,72% dos quase também identificam que os Conselhos de Direitos e
central do trabalho da ANDI – Agência de Notícias dos são pouco ouvidos nas matérias sobre crianças e
800 textos focalizados tinham um posicionamento Tutelares, fundamentais na promoção e garantia dos
Direitos da Infância desde 1992. De lá para cá, adolescentes publicadas tanto por jornais das capitais
claramente favorável à lei. direitos da criança e do adolescente, estão
pesquisas de monitoramento de mídia demonstram quanto do interior dos diferentes estados.
praticamente ausentes na cobertura.
que o trabalho da imprensa evoluiu, libertando-se de O estudo A Mídia dos Jovens, que analisa o trabalho
muitos mitos e preconceitos, ao mesmo tempo em dos suplementos de jornais e revistas dedicadas aos Dados veiculados no relatório Infância na Mídia de
que passa a incorporar uma visão mais madura sobre adolescentes, também traz boas notícias. Nessas março/2001 revelam que entre as 792 matérias que
os direitos de meninos e meninas. Um bom exemplo é publicações, temas de Relevância Social – aqueles tinham como foco o 10.º aniversário do Estatuto da
o fato do tema Educação haver saltado da oitava que contribuem para a formação cidadã de seus Criança e do Adolescente, coletadas entre os 50
posição, em 1996, para o primeiro lugar, em 1998, leitores – ocuparam em 2002 cerca de 54% de todo o principais jornais diários e 8 revistas semanais
entre os assuntos mais abordados pelos jornalistas. espaço editorial. Este índice não ultrapassava 24% em brasileiros, os Conselhos de Direitos e Tutelares foram
Essa liderança é mantida até hoje, consolidando a 1997. ouvidos pelos jornalistas em apenas 9,16%. Na edição
idéia de que necessariamente passa pelas salas de do relatório publicada em março de 2003, a radiografia
aula a solução de problemas estruturais de nosso da cobertura jornalística de todos os temas
País. relacionados à infância e adolescência por estes
mesmos veículos mostra que, ao longo de 2002, os
Conselhos Tutelares foram ouvidos em apenas 0,71%
das mais de 92 mil reportagens analisadas; os
Conselhos de Direitos em 0,46%. 11
12
/a via do diálogo /rumo à mobilização
Mas, se os jornalistas não procuram os Conselhos, os
da sociedade
conselheiros ainda são pouco pró-ativos e também não se A ANDI - Agência de Notícias dos Direitos da
mobilizam em direção aos meios de comunicação. Infância é uma organização não- O desconhecimento das atribuições dos Conselhos pela
governamental, fundada em 1992, em sociedade é uma dificuldade enfrentada por seus
A maioria dos jornalistas participantes das oficinas do Projeto Brasília. Sua missão é contribuir para o representantes no desenvolvimento de suas atividades. A
Mídia e Conselhos considera esses órgãos como fontes de aprimoramento da qualidade da informação desinformação também gera preconceitos: conselheiros
informação imprescindíveis quando o assunto envolve crianças e pública em torno de temas considerados ouvem com freqüência que “o Estatuto da Criança e do
adolescentes. Ao mesmo tempo, a maior parte dos conselheiros decisivos para a promoção dos direitos da Adolescente protege os jovens que cometem delitos” ou
também afirma que “raramente” – e até mesmo que “nunca” – infância e da adolescência. Para isto, busca que “esse Estatuto é muito avançado para o Brasil”.
envia sugestões de matérias para os veículos de comunicação. estimular o diálogo pró-ativo, profissional e
Alguns deles chegaram a apontar que “não conversam com a ético entre os atores da sociedade civil Mesmo considerando a grande diversidade encontrada
mídia em hipótese alguma”. organizada e a mídia. entre os municípios brasileiros e entre os Conselhos, fica
evidente que a comunicação será uma ferramenta de
O farto crescimento no número de reportagens publicadas sobre Três eixos estratégicos – Mobilização, Análise grande importância para que os conselheiros se aproximem
crianças e adolescentes mostra, no entanto, que há um espaço e Qualificação – orientam as diversas da comunidade – tanto para divulgar informações que
importante onde os Conselhos podem atuar para a maior iniciativas desenvolvidas pela ANDI. Em facilitem a compreensão sobre os princípios que orientam o
qualificação dessa cobertura. E é precisamente a construção de função disso, as tecnologias de informação Estatuto da Criança e do Adolescente, quanto para divulgar
uma relação profissional, ética e sistemática com os meios de vêm sendo adotadas pela instituição, com a importância e o papel dos Conselhos.
comunicação, que poderá provocar o aprimoramento no vistas à organização da infra-estrutura, à
tratamento desse vasto leque de questões. formação de redes e à gestão da informação Para que o Estatuto seja definitivamente implementado, é
em monitoramento e avaliação da mídia. fundamental a participação de todos. E o Estatuto prevê a
O que se espera como resultado dessa aproximação é que os “mobilização da opinião pública no sentido da indispensável
meios de comunicação compreendam a lógica de atenção aos Baseada nessa experiência bem sucedida, em participação dos diversos segmentos da sociedade”, como
direitos proposta pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. março de 2000 foi criada a Rede ANDI Brasil. diretriz da política de atendimento. O que sugere a
Assimilar a mecânica do Sistema de Garantia de Direitos, Ela se propõe a construir uma ação realização de campanhas e a difusão de informações para
entender as atribuições dos Conselhos Tutelar e de Direitos, organizada e sistêmica entre agentes de todos os espaços da sociedade. Isso significa possibilidade
capacitar-se a cobrar políticas públicas eficazes e, principalmente, comunicação e mobilização social também de envolver os grandes meios de comunicação de massa
saber contextualizar os fatos que costumam virar notícia no dia-a- inspirada na promoção e defesa dos direitos até ações específicas em praças, clubes, escolas, igrejas,
dia. Essas são mudanças que indicarão um salto qualitativo de da infância e adolescência. Seu principal empresas, universidades, hospitais, feiras, festas folclóricas
grande relevância. Mas, para tal salto se materializar, se fazem objetivo é investir na formação de uma cultura e religiosas – ou seja, qualquer espaço público pode ser
necessários, em igual nível de responsabilidade, os esforços da jornalística que investigue e priorize as potencializado pelos conselheiros que desenvolvem
mídia e de todo o movimento social que atua em defesa dos questões relativas ao universo infanto-juvenil, estratégias criativas para mobilizar a comunidade.
direitos de crianças e adolescentes. sempre sob a ótica dos seus direitos.
Atualmente, a Rede ANDI conta com oito Em síntese, os recursos da comunicação são fundamentais
Nesse contexto, os Conselhos podem se estabelecer como Agências regionais. São elas: Auçuba (PE), para que os conselheiros possam convidar os segmentos
fontes de informação fundamentais e como referências para os Cipó (BA), Ciranda (PR), Girassolidário (MS), sociais a fazer do Estatuto um instrumento de democracia
jornalistas sobre questões que envolvem crianças e adolescentes, Mídia Criança (SC), Oficina de Imagens (MG), participativa, na busca de soluções para a infância e
criando vias de diálogo mais efetivas e permanentes. TerrAmar (RN) e Uga-Uga (AM).
Saiba mais sobre a ANDI e a Rede ANDI
adolescência brasileiras.
13
no site www.andi.org.br
comunicação:
essência da natureza humana_ NESTE CAPÍTULO DAREMOS INÍCIO À VIAGEM AO MUNDO DA COMUNICAÇÃO, BUSCANDO
ENTENDER PORQUE ELA É TÃO IMPORTANTE EM NOSSAS VIDAS. APRESENTAMOS AINDA
A TRAJETÓRIA CRONOLÓGICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NO BRASIL E NO MUNDO E,
PARALELAMENTE, RETRATAMOS COMO NOSSA SOCIEDADE PASSOU A PROMOVER UMA
NOVA POLÍTICA DE ATENÇÃO ÀS CRIANÇAS E ADOLESCENTES.

/faz parte do nosso ser


A comunicação integra a vida humana desde sempre. O ser
humano é sociável, se organiza em grupos, tradicionalmente liga-
se ao outro para viver. Este ser é dotado de um cérebro que
aprende, desenvolve conhecimento, modos de sobrevivência e de
adaptação. Os processos retratados por estas afirmativas estão
presentes em nossas vidas o tempo todo. De tanto ouvi-las, já
nem pensamos mais como se processam. E, além disso, como
agimos mecanicamente, nem percebemos como as exercitamos.
Um dos motores principais desta máquina social que produz
relacionamentos é a comunicação. Desde o início dos tempos, a
comunicação está enraizada na vida humana. É ela que garante
os instrumentos e vínculos necessários para que nossa raça
compartilhe suas experiências, produza novos sentidos e valores,
enfim, propicie o acúmulo de saberes e a evolução.
"SOMOS O QUE FAZEMOS,
MAS SOMOS, PRINCIPALMENTE,
O QUE FAZEMOS PARA
MUDAR O QUE SOMOS".
/pintura rupestre
Eduardo Galeano
No início, o ser humano foi desenvolvendo uma série de símbolos
para preservar aspectos da vida cotidiana. Naquela época,
registrar a história já era considerada uma atividade de grande
importância. Muitos pesquisadores não temem em afirmar que os
responsáveis pelas pinturas rupestres, encontradas
principalmente em cavernas e grutas, eram dispensados de
algumas tarefas na tribo. Quando a humanidade deixou de ser
nômade, de vagar pelo mundo para garantir seu alimento e fixou-
se em um lugar, a elaboração dos processos comunicacionais
ganhou velocidade e sofisticação. 15
16
/o surgimento das /quanto vale
diversas linguagens /a primeira revolução Mas comunicação e informação não são a uma notícia?
mesma coisa? Qual é a diferença?
A fala e a determinação de sentidos comuns Saltando séculos de história, em 1438 foi O estabelecimento do valor
A comunicação não é algo transmissível da notícia é um assunto
para as coisas (chamar água de água, terra criada a prensa por Gutenberg, que apenas, ela pede uma relação para que polêmico em qualquer
de terra, árvore de árvore) permitiram o imprimiu o primeiro livro nos moldes que o aconteça. A informação pode processar-se do circunstância. Seja das
surgimento das línguas e de novos modos conhecemos. Este evento revolucionou a seguinte modo: “A” diz algo para “B” de forma animadas conversas de
de linguagens. A transmissão oral garantia vida humana e modificou completamente controlada, sem nenhum tipo de retorno, mesa de bar, passando pelos
que as tradições e costumes daquelas o modo de circulação e produção de ordenando algum processo ou medida a ser corredores das barracas das
tribos fossem perpetuados. Porém, todo o saberes, informações e comunicação. cumprida, algo definido. A informação tem um feiras, até as portas das igrejas; seja
conhecimento ficava guardado na cabeça de Livros poderiam ser impressos em uma número de possibilidades fechado, determinado. das mesas dos escritórios dos
alguém. Este saber desaparecia com a morte do escala de produção nunca antes imaginada. Um Já a comunicação tem amplitude nas possibilidades de empresários da comunicação aos espaços de
indivíduo. Ou seja, nas sociedades de tradição século depois, a prensa rodava os primeiros jornais. respostas. Aliás, a comunicação pressupõe sempre uma pesquisa da academia, um entendimento é
oral o conhecimento estava sujeito ao tempo de Até o início do século XX, o jornal foi o meio de relação dialógica. Uma relação em que eu falo, você comum: mesmo que não se saiba quanto,
duração dos corpos de quem o guardava. comunicação por excelência. Nele publicavam-se responde, comenta, gosta ou desgosta, opina. A sabe-se que a notícia é sempre valiosa.
A criação do alfabeto e da escrita foi responsável reportagens, obras literárias, informes públicos, comunicação não é uma ação mecânica. Mas não podemos Este valor é atribuído a partir de várias
pelo aumento da duração do conhecimento. A anúncios de compra e venda. nos esquecer que a informação está também na perspectivas. Ora o valor é econômico, ora é
vivência de um indivíduo fixada na escrita era mais Nas primeiras décadas daquela era, o rádio comunicação. cultural. Ele pode ainda ser de formação
durável do que a lembrança guardada na mente e apareceu com maior força e em meados do mesmo
no corpo. Então, aqui já percebemos alguns século nasceu a televisão. A partir dos anos 90, a específica ou de informação geral. Tudo isto
modos variados de comunicação convivendo significa uma grande possibilidade de
juntamente: a fala, a escrita, a língua, as
rede mundial de computadores, a chamada
Internet, revolucionou a comunicação de massa.
/criando espaços produção e circulação da notícia. É na
linguagens e os gestos corporais. diversidade do dia-a-dia, no cotidiano, que a
A comunicação nas instituições – e aí se incluem os notícia encontra terreno fértil.
Conselhos – deve sempre ser um trabalho atento aos A notícia e a informação são como linhas finas
aspectos mais diversos da sociedade. Quem faz no tecido social que guardam um coro de
/comunicação e poder /a comunicação comunicação nas organizações deve conhecer bem seu muitas vozes (governo, sociedade civil,
público e saber, especialmente, como dizer o que ele irá ouvir. empresas, etc), feito por muitas mãos.
O processo de desenvolvimento comunicacional nas instituições Nem sempre os meios de comunicação de massa serão os Muitas vezes nos surpreendemos com as
foi ganhando outros níveis de importância. Mais melhores formadores de opinião para o que se pretende escolhas das notícias que lemos, ouvimos ou
do que garantir a sobrevivência, ele tornou-se Com o passar dos tempos, cada vez mais as informar. Em alguns lugares, a liderança comunitária, o líder assistimos pela televisão. O que é notícia ali,
responsável por organizar socialmente os grupos. organizações foram valorizando a comunicação, religioso, professores, dentre outros, podem ancorar a onde estamos nos informando, pode significar
A comunicação revelou-se eficiente arma de destacando mesmo a sua importância. Em alguns opinião pública e serem parceiros importantes de nossas pouco para quem a está lendo, ouvindo ou
definição e coordenação dos rumos do grupo. momentos, pensou-se que a comunicação nas ações de comunicação. assistindo. Então, a diversidade, da qual
Quem melhor a dominava convencia o outro. A instituições era uma mera transmissão de Se na sua cidade não tem um jornal ou uma rádio, mas tem falamos antes, começa a nos levar para um
comunicação e o poder davam as mãos já informações. uma feira, um culto, uma missa, uma reunião na escola que ponto em que enxergamos vários caminhos.
naquela época e este casamento dura até os dias promova o encontro da comunidade, há aí um bom espaço A sociedade é formada por sujeitos diferentes,
atuais. O ser humano descobriu a comunicação para ações de comunicação. É errado imaginar que uma com interesses diferentes. Um leitor pode
como instrumento de poder, de persuasão e de
propagação de ideologias.
notícia se faz e circula apenas nos grandes meios de
comunicação.
considerar tal fato notícia e para outro leitor
aquilo nada significa. 17
/para que serve a notícia? na linha do tempo
18
Chegamos a uma questão fundamental: por um lado, Falar em democratizar a comunicação é lembrar que
as notícias têm múltiplas interpretações. Por outro, todo cidadão brasileiro tem direito ao acesso à
elas têm múltiplas formas de produção. A notícia não informação – condição básica para o exercício da
é uma cópia fiel de um fato. Na produção da notícia, o
processo de seleção é determinante. Este processo
cidadania. Cabe a você, conselheiro de Direitos ou
Tutelar, ter em mãos os melhores dados estatísticos e
até 1500 1500 / 1600 1600 / 1700
envolve a linha editorial do meio de comunicação, os analíticos sobre a infância e a juventude e garantir o MÍDIA MÍDIA
valores e costumes do grupo social para o qual o acesso da sociedade a estas informações. Seu papel 1438_ Gutenberg inventa, na 1605_ Em Antuérpia, na Bélgica,
jornal, o rádio ou a televisão estão destinados, se é desmistificar o Estatuto da Criança e do Adolescente França, a tipografia, processo circula o primeiro jornal da
melhora ou não a venda. junto à população, com a contribuição da mídia. de impressão a partir de tipos Europa - Notícias da Antuérpia
Este Guia foi feito para encurtar distâncias e propor em relevo.
caminhos entre o movimento social envolvido na
Alguns princípios que orientam promoção e defesa dos direitos de crianças e 1455_ Uma Bíblia, impressa
adolescentes e os meios de comunicação social. Por por Gutenberg, é o primeiro
a seleção da notícia livro produzido em tipografia.
.1/ a proximidade com o acontecimento; isso, é indispensável percebermos em que contexto se
.2/ nível de importância dos envolvidos; insere a promoção dos direitos no Brasil de hoje, para
.3/ a repercussão da notícia na vida das pessoas; que tenhamos a dimensão do nosso desafio.
.4/ a atualidade da notícia, a capacidade de informar melhor Mudar uma cultura significa alterar mentalidades e
atitudes pessoais e institucionais. E a sociedade tende DIREITOS DIREITOS DIREITOS
e primeiro.Quanto mais atual, melhor a notícia;
a resistir a mudanças. Elas trazem desconfortos, A população indígena enxerga Crianças e adolescentes abandonados Ao longo do século XVII, a
.5/ a polêmica jornalística – as vezes, ela é a opção. a criança como e marginalizados em Portugal são categoria da infância vai se
Exemplos claros são programas que apelam para o desinstalam certezas, desacomodam comporta-
responsabilidade não apenas trazidos pelos colonizadores ao Brasil consolidando, porém sempre em
absurdo e enxergam tudo através da tragédia. mentos estereotipados e abalam as estruturas de dos pais biológicos, mas de para colaborar nas atividades de condição de inferioridade e
poder estabelecidas. toda a tribo. Já na Europa, a aproximação com os índios e na submissão em relação aos adultos.
A comunicação deve ser vista como uma aliada neste infância não existe como uma catequese. Começa a ser formada a
esforço de construir uma nova história, exigindo o categoria específica, mas categoria criança, porém, considerada
/direito à comunicação é cumprimento dos direitos sociais e combatendo a como um “adulto em como um pequeno adulto ou uma
miniatura”. miniatura do adulto.
exclusão. As análises desenvolvidas pela ANDI e seus
básico para a cidadania parceiros sobre a cobertura que a mídia brasileira
oferece aos temas da infância e adolescência
Informar é transmitir mensagens sem que apontam para uma clara evolução. Mas é preciso
necessariamente se tenha um retorno de como ela foi avançar muito mais.
entendida. Comunicar é diferente: pressupõe retorno, Trabalhando em conjunto, mídia e Conselhos têm
diálogo, compreensão, paciência. E se comunicação é condições de criar uma comunicação que dê suporte
uma via de mão dupla, temos um grande problema a eficaz à implementação do Estatuto da Criança e do
ser enfrentado no Brasil: o monopólio dos meios de Adolescente, evitando que caia no descrédito da
comunicação, que em geral veiculam o que interessa sociedade não somente a legislação em si, mas
a uma minoria dominante e não à maior parte da também as enormes possibilidades de
população. desenvolvimento social, político, econômico e cultural
que ela inaugurou para o País.
19
20 1701 / 1800 1801 / 1900 década de 20 década de 30 década de 40
MÍDIA_ MÍDIA_ MÍDIA_ MÍDIA_ MÍDIA_
1702_ Surge o primeiro jornal 1808_ Criada a Imprensa Régia, resultado da vinda da Família Real Portuguesa para o 1919_ Começa a chamada "Era do rádio". 1935_ Acontece na 1940_ Tem início a "Época de ouro
diário do mundo, o Daily Brasil. No mesmo ano, é publicado o Correio Braziliense, dirigido e redigido pelo maçom Alemanha a primeira do Rádio", que contrata uma leva de
Courant. Dele, nasceria a Hipólito José da Costa, primeiro jornal independente do Brasil, impresso em Londres 1920_ O Rádio passa a ser usado como transmissão oficial de TV. técnicos e produtores, passa a ter
escola Anglo-Saxônica, (somente em 1820 foi permitida sua circulação no Brasil). veículo de comunicação de massa com a uma programação mais popular e
segundo a qual a transmissão dos resultados da eleição DIREITOS_ ganha audiência.
“objetividade” é a virtude 1826_ O francês Joseph Nicéphore Niépce (1765-1833) realiza a primeira fotografia presidencial americana. Era o início da Acontece uma crise do setor
essencial do jornalismo. permanente do mundo. radiodifusão. agrário com a derrubada das No mesmo ano, vai ao ar o primeiro
oligarquias rurais, principal jornal falado do rádio brasileiro: o
1922_ Um discurso do então presidente da motivadora de uma Grande Jornal Falado Tupi, de São
DIREITOS_ 1863_ O inglês James Clerck Maxwell demonstra a existência das ondas
república, Epitácio Pessoa, marca a primeira revolução, com o início de Paulo, seguido pelo noticiário mais
No Brasil, é criada a escola eletromagnéticas. Isso marca o início das pesquisas que resultariam na invenção do
transmissão oficial de rádio no Brasil. um Estado autoritário importante do rádio brasileiro: o
como lugar de ordem e rádio como o conhecemos.
(Ditadura Vargas). Repórter Esso.
homogeneização das crianças
oriundas das elites. Aquelas 1923_ Edgard Roquete Pinto e Henry Morize Começaram a ser criadas
1865_ Surge em São Paulo o Diário de S.Paulo. estruturas de retaguarda para
que ficavam fora desta fundam a primeira estação radiofônica brasileira:
o Código de Menores. DIREITOS_
instituição eram consideradas 1870_ Surgem no País vários jornais de tendência republicana, entre eles A República. a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro.
É criado, no âmbito do governo
as sem possibilidades, sem
federal, o SAM - Serviço de
família, sem poder, sem
1875_ Nasce em São Paulo a Província de São Paulo, mais tarde batizado como O 1928_ Os Diários Associados, de Assis Assistência ao Menor. A lógica desse
dinheiro: os "menores". Chateaubriand, lançam O Cruzeiro, a primeira
Estado de S. Paulo. serviço era a correcional-repressiva,
revista semanal brasileira de circulação nacional. ou seja, crianças e adolescentes
São implantadas as Rodas dos
1876_ Alexander Graham Bell registra a patente de seu novo invento, o telefone. abandonados ou infratores eram caso
Expostos, um mecanismo de
de polícia e reclusão.
madeira, inserido nos muros
das Santas Casas de 1891_ Nasce no Rio de Janeiro o Jornal do Brasil.
DIREITOS_ Surgem os patronatos, internatos e
Misericórdia, em que os bebês
Até 1922 não existia nenhuma iniciativa programas de profissionalização para
rejeitados pelas mães (por 1896_ Invenção do rádio, popularizado após a Primeira Guerra Mundial. estatal de atendimento a crianças e "menores carentes". Neste mesmo
serem filhos ilegítimos,
adolescentes. O atendimento aos período, surge a LBA - Legião
deficientes, ou mesmo por
DIREITOS_ "desamparados" era executado Brasileira de Assistência, as Casas do
pobreza) eram depositados
As crianças e adolescentes negros são inseridos no trabalho escravo. Os adolescentes exclusivamente pela Igreja Católica, Pequeno Jornaleiro e do Pequeno
numa roda, que, uma vez
eram preferidos por seu porte físico e apresentarem perspectiva de retorno mais baseado na lógica higienista Trabalhador, obras ligadas à primeira
acionada por uma manivela,
prolongado aos seus senhores. As adolescentes negras eram também usadas predominante na época, que tinha como dama, D. Darcy Vargas.
levava para dentro do prédio a
sexualmente para a satisfação de seus senhores e para gerarem filhos mais claros, que princípio segregar e confinar tudo o que
criança abandonada, que
podiam ser vendidos no mercado escravo por preços mais altos. fosse “doente” na sociedade. Algumas conquistas deste período: a
passava a ser criada pelos
CLT - Consolidação das Leis
padres e freiras.
Em meados dos anos 1800, é criada em Salvador (BA), a primeira iniciativa de Sob essa lógica, é inaugurado em 1922 Trabalhistas e a obrigatoriedade do
atendimento a meninos e meninas abandonados, através da Ação Social Arquidiocesana, o primeiro estabelecimento público para ensino fundamental.
cujo padre responsável foi autorizado pelos governantes a pedir esmolas em praça "menores" no Rio de Janeiro.
pública para manter o atendimento.
Em 1927, é criada a primeira legislação
Em 1886, com a Lei do Ventre Livre, aumenta o número de crianças e adolescentes para a infância e adolescência: o Código
abandonados, vivendo nas ruas. de Menores, que tinha como principal
propósito determinar medidas a serem
Em 1899 é criado o Tribunal de Menores do Estado de Illinois/EUA, primeira estrutura adotadas em relação a crianças e
jurídica no mundo na perspectiva denominada “doutrina da situação irregular”. Esse adolescentes abandonados e infratores.
modelo influenciou as legislações na área da infância em todos os continentes. E no
Brasil, o Tribunal de Menores foi criado em 1924 e serviu de base para o primeiro Código
de Menores em 1927 e todo o marco legal até o Estatuto da Criança e do Adolescente.
21
22 década de 50 década de 60 década de 70 década de 80
1950_ No dia 3 de abril, 1960_ No início da década de 60, de um projeto militar americano surgiu a Arpanet, uma MÍDIA_ MÍDIA_
acontece a pré-estréia rede de comunicação através do computador, com o objetivo de facilitar a transmissão de 1970_ O Censo aponta que o número de 1981_ Início das operações do SBT – Sistema Brasileiro de Televisão, de
da televisão no Brasil dados do Governo dos EUA. aparelhos de televisão chegou a 4 milhões Sílvio Santos.
com a apresentação de de lares, atingindo, aproximadamente, 25
Frei José Mojica, padre 1962_ É publicado o decreto 1.777, que define o profissional de jornalismo e suas funções milhões de telespectadores. 1984_ Depois de uma pesquisa cujo resultado demonstrou que a
e cantor mexicano. As e condiciona o exercício do jornalismo ao diploma de curso superior e ao registro do população desejava eleger o sucessor do presidente João Batista
imagens não passam do Ministério do Trabalho. 1972_ Acontece a primeira transmissão a Figueiredo, o jornal Folha de S. Paulo encampa a campanha Diretas Já,
saguão dos Diários Promulgada a lei Lei 4.117, o Código Brasileiro de Telecomunicações, em 27 de agosto, cores da TV brasileira: a Festa da Uva de pela eleição do novo presidente da República.
Associados, em São cria o Sistema Nacional de Telecomunicações, atribuindo à União a competência para Caxias do Sul / RS. No mesmo ano, é inaugurada a Rede Manchete.
Paulo, onde havia explorar diretamente os serviços, e autoriza o Poder Executivo a criar uma empresa pública Nesse ano, o jornalista Wladimir Herzog,
alguns aparelhos de TV para explorar os serviços, a Embratel. do Departamento de Telejornalismo da TV 1988_ A Constituição Federal, em seu Art. 224, faz referência ao controle
instalados. Cultura de São Paulo, é assassinado nas social da mídia, através do Conselho Nacional de Comunicação Social,
1965_ É inaugurada a TV Globo no Rio de Janeiro e em São Paulo. dependências do DOI-CODI, em São garantindo a participação da sociedade civil.
1951_ Começam a ser Paulo. A morte de Herzog produz uma
fabricados no Brasil os grave crise na ditadura militar, provoca
primeiros aparelhos de 1967_ É criado o Ministério das Comunicações. Também é inaugurada a TV Bandeirantes DIREITOS_
reações da sociedade civil e expõe o que
televisão. de São Paulo.
de pior ocorria durante o regime instalado Surge um movimento social composto por organizações
em 1964: prisão, tortura e morte de da sociedade civil (associações de moradores; novos
1954_ Entra em 1968_ O governo militar cria o Conselho Superior de Censura. militantes. grupos sindicais; movimentos culturais nas periferias, com
funcionamento a TV em ênfase na cultura afro-brasileira; imprensa de bairro;
cores, inventada em 1969_ A primeira rede de computadores é criada para garantir a troca de informações 1975_ Surge a Internet, a partir de uma Comunidades Eclesiais de Base).
1940 por Peter entre militares dos EUA durante a Guerra Fria. rede acadêmica nas universidades
Goldmark. americanas. Um projeto inovador, Alternativas de Atendimento a Meninos de Rua,
coordenado pelo Unicef e Funabem, culminou na realização do I Seminário
1969/1976_ A imprensa brasileira resistia a pressões do regime militar e procuravam
1956_ O sucesso da TV mostrar sempre ao leitor que estavam sob censura prévia.
Latino-Americano de Alternativas Comunitárias de Atendimento a Meninos de
é tanto que o mercado Rua, no qual surgiram novas idéias, práticas e lideranças como alternativas ao
publicitário passa a fazer atendimento fechado em instituições da Funabem / Febem e com valorização
grandes investimentos. DIREITOS_ DIREITOS_ da ação nas comunidades.
Ampliação do número de organizações da sociedade civil, especialmente no âmbito É feita uma reformulação do Código de
Naquele ano, as três sindical. Começa a haver reivindicação de políticas sociais redistributivas. Não há registro Menores (Lei 6697/79), incorporando a Em 1985, é criado o Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua. Pela
emissoras de TV de São histórico de movimento organizado pela infância e adolescência neste contexto. nova concepção (assistencialista) do primeira vez fala-se em protagonismo infanto-juvenil, reconhecendo-se a
Paulo arrecadavam mais atendimento a crianças e adolescentes criança e o adolescente como sujeitos participativos.
que as treze emissoras Inicia-se a ditadura militar. O gasto social público priorizava o desenvolvimento econômico. excluídos, regido pela doutrina da situação
de rádio. A essa altura, Neste período, os programas sociais eram marcados por centralismo burocrático do irregular. Em meados dessa década teve Em 1986, várias entidades de expressão se articulam e formam a Frente
a TV atingia cerca de governo federal, controle social dos pobres (objetos passivos da assistência do Estado), início o processo de abertura democrática Nacional de Defesa dos Direitos das Crianças e Adolescentes, que mais tarde
um milhão e meio de desmobilização social, falta de uniformidade nos critérios de distribuição de verbas e de reorganização dos setores populares. passou a se chamar Fórum DCA Nacional. Neste mesmo ano, é criada a
telespectadores em públicas, incoerência entre as prioridades do Estado e as demandas sociais, Comissão Nacional Criança e Constituinte, integrada por representantes dos
todo o Brasil. concentração do investimento na mediação e controle. As instituições de atendimento passam a Ministérios da Educação, Saúde, Previdência e Assistência Social, Justiça,
conviver com três tendências: a repressiva, Trabalho e Planejamento. Começa o maior processo de sensibilização,
Neste contexto político e social é promulgada a Lei 4513/64 - Política Nacional do Bem a assistencialista e a educativa. Alguns conscientização e mobilização da opinião pública e dos constituintes já
Estar do Menor – Funabem e Febens – transição da concepção correcional-repressiva segmentos sociais começam a denunciar implementado neste País em defesa de um determinado segmento social.
para a assistencialista (de “perigoso” a “carente”), elaborada dentro da Escola Superior de maus-tratos no sistema Febem/Funabem.
Guerra e que fortalece a política repressiva. Surge o Plano de Integração Menor- Em 1988, são apresentadas duas emendas de iniciativa popular: Criança e
Comunidade, uma tentativa de Constituinte e Criança – Prioridade Nacional, com mais de 6 milhões de
Também nesse período é instalada a censura no País: o governo proíbe a veiculação de desinstitucionalizar crianças e assinaturas de eleitores de todo o País. Seus textos foram fundidos e se
qualquer imagem ou mensagem por qualquer meio de comunicação, que fosse contrária
ou questionasse o regime político em vigor.
adolescentes das Febens, incentivando as
iniciativas comunitárias de atendimento.
transformaram nos Artigos 204 e 227 da Constituição Federal, com 435 votos
a favor e 08 contra. 23
década de 90 2001 / 2003
sem medo
24
MÍDIA_ MÍDIA_
1991_ Jornalistas africanos
redigem uma declaração de
2001_ No dia 11 de setembro, o atentado terrorista contra
o Word Trade Center, em Nova Iorque, é transmitido ao vivo
de ser notícia_
princípios para uma mídia livre, mundialmente pela TV.
independente e pluralista, a
Declaração de Windhoek. 2002_ É aprovada emenda constitucional que permite que
Também nesta data, começa a empresas de comunicação sejam de propriedade de
Internet no Brasil, com a Rede pessoas jurídicas e permite a entrada de capital estrangeiro
Nacional de Pesquisa, uma no setor. Neste ano, é constituído o Conselho Nacional de
operação acadêmica subordinada Comunicação, previsto na Constituição Federal de 1988.
ao Ministério de Ciência e
Tecnologia. 2003_ Atualmente, a rede mundial de computadores é
considerada um dos maiores meios de comunicação,
1995_ No dia 12 de maio, a Folha perdendo apenas para rede de telefones. E uma de suas
de S. Paulo alcança a maior vantagens é a democratização da informação. Os usuários
circulação da história da imprensa passam não só a ter acesso a informações localizadas nos
brasileira, 1.613.872 exemplares, mais distantes pontos do globo como também a criar,
empurrada pelo lançamento de gerenciar e distribuir informações em larga escala, no
um atlas histórico que acompanha âmbito mundial, algo que somente uma grande
a publicação. Em maio, o Jornal organização poderia fazer usando os meios de
do Brasil publica na internet sua comunicação convencionais. Isso com certeza afetará
versão eletrônica, a primeira do substancialmente toda a estrutura de disseminação de
País, o JB Online. informações existente no mundo, a qual hoje é controlada
primariamente por grandes empresas.

DIREITOS_ DIREITOS_
Em 13 de julho de 1990, é Em 2002, o País possui aproximadamente 4 mil Conselhos
sancionado o Estatuto da Criança de Direitos e 3,5 mil Conselhos Tutelares. O reordenamento
e do Adolescente. institucional proposto pelo Estatuto da Criança e do
Adolescente efetiva-se na mudança gradativa de
Em 1993 é sancionada a LOAS - concepção, metodologia e gestão relacionadas às políticas
Lei Orgânica de Assistência Social. de atenção aos direitos da infância e da juventude.

Em 1996, é sancionada a nova Em 2003, ANDI e Conanda decidem fortalecer a 8ª


LDB - Lei de Diretrizes e Bases da cláusula do Pacto pela Paz – elaborado durante a IV
Educação Nacional. Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do
Adolescente, em 2001 –, com a realização do Projeto Mídia
e Conselhos: Aliança Estratégica na Prioridade Absoluta
aos Direitos das Crianças e Adolescentes.
26
SUGESTÕES DE COMO ELABORAR AÇÕES DE /as universidades
COMUNICAÇÃO, GARANTINDO VISIBILIDADE AO TRABALHO
DOS CONSELHOS E ESTABELECENDO UM BOM como parceiras
RELACIONAMENTO COM A MÍDIA
Mesmo definindo uma comissão responsável pela
comunicação, é muito importante que os Conselhos
/preparados para o /abrindo as gavetas busquem algum tipo de suporte para a realização de
suas atividades ligadas à essa área. “Não conseguimos ainda planejar uma política de comunicação. Cabe ao
diálogo com a imprensa de pautas De acordo com a necessidade e estrutura de cada Conselho pensar esta estratégia e viabilizar um profissional junto ao
entidade, caso seja inviável a contratação de um poder público, ou chamar um profissional e dar a ele essa
profissional, isso pode se dar de outras formas. Uma responsabilidade? Como se constrói uma política de comunicação com a
O relacionamento com a mídia e a mobilização da Para estreitar os laços com a imprensa, é preciso
delas é o recrutamento de estagiários de Comunicação, mídia e com a sociedade? Hoje temos mais perguntas do que
sociedade são fundamentais para que o trabalho dos tomar iniciativas importantes. Para isso, o primeiro respostas...”
Conselhos consiga alcançar visibilidade. Porém, lidar passo é construir um plano de comunicação, contando com o apoio das universidades na criação de
Ana Maria Caetano Pereira
com a comunicação envolve uma série de diferentes dimensionando os recursos disponíveis para monta- uma rede de novos jornalistas que conhecem os direitos – Secretaria Executiva do CMDCA de Belo Horizonte/MG
situações para as quais os conselheiros precisam estar gem da estrutura e quais serviços o Conselho quer das Crianças e dos Adolescentes no Brasil.
preparados. Neste capítulo, trataremos, especifica- disponibilizar para a sociedade através da comu- Muitos profissionais que lecionam nas universidades “Os Conselhos precisam ter o entendimento de que a função deles não é
mente, da relação entre as instituições que represen- nicação. apostam no conhecimento que os alunos adquirem ao apenas a política de atendimento ou a violação de direitos. Nós
se envolverem em projetos práticos, por entenderem precisamos criar um relacionamento diferente com a mídia e com a
tam e os veículos de comunicação de massa (jornais, O plano de comunicação deve ser entendido como a
como parte importante na sua formação profissional. comunidade. Não só esperando que a imprensa nos procure, mas para
rádios, tevês, revistas e internet). definição dos objetivos, metas e estratégias que a que possamos servir de fonte para as notícias.”
É evidente que existe uma grande diversidade nos organização, no caso os Conselhos, vão utilizar para Essa relação com os conselheiros contribui assim para Maria das Graças Marilene Cruz
perfis dos Conselhos – estrutura física, equipamentos, obter a visibilidade de suas ações junto à mídia e que o Estatuto da Criança e do Adolescente seja – Assessora Pedagógica da Pastoral
equipes de trabalho, recursos financeiros. Da mesma sociedade. incluído no currículo dos futuros profissionais da do Menor / Conselheira do Conanda
forma, os veículos de comunicação também Dentro deste planejamento, uma boa estratégia é comunicação.
apresentam diferenças regionais, de formato, de eleger uma “Comissão de Comunicação” ou até contar “O relacionamento com os meios de comunicação precisa ser ampliado e
qualificado para mostrar que o Conselho é uma fonte de informação clara
estrutura. Entretanto, o modo de funcionamento é com a assessoria de um profissional para organizar o
de interesse público. Na verdade, a gente tem chamado pouco a mídia”.
basicamente o mesmo em qualquer Conselho e em atendimento aos jornalistas. Andréa Pereira Goeb
qualquer veículo. O atendimento à imprensa exige agilidade e orga- – CMDCA do Rio de Janeiro/RJ
A seguir, apresentamos algumas ações e conceitos do nização para oferecer respostas em curto tempo, já
mundo jornalístico que ajudarão os Conselhos que rapidez na apuração e redação das notícias são “Há dificuldades de relacionamento e de comunicação: a mídia procura o
na preparação para lidar com a comunicação. É características essenciais do profissional de jornalismo. Conselho com a pauta pronta e quer chegar em determinado lugar com a
importante que cada Conselho avalie, de acordo com matéria. Às vezes, o Conselho é procurado para se expressar em situação
que envolve a questão político–partidária e é pego de surpresa. A gente
a sua realidade, quais ações ele poderá realizar, em percebe que é difícil sair dessas situações constrangedoras.”
que medida vai aprofundar cada uma delas e em que Alexandre Tomé de Souza
prazo. – Presidente do CMDCA de São José do Rio Preto/SP
Estas dicas foram elaboradas para servir como
referência aos conselheiros, não significando que
deve-se desconsiderar sua potencialidade em realizar
ações de comunicação se alguma das sugestões não
estiver ao seu alcance.

27
28
/sindicatos como parceiros /organizando informações
≈ CIPÓ comunicação
Outras alternativas também podem ser construídas. Uma delas é procurar interativa (BA) Para atender à demanda da imprensa, ter sempre informações e dados
os sindicatos de jornalistas, que podem colaborar na realização de ccn@cipo.org.br estatísticos e analíticos sobre a agenda da criança e do adolescente é
entrevistas, eventos e mesmo na aproximação com os profissionais de tel.: (71) 240-4477 tarefa essencial no planejamento de comunicação. São dados que devem
comunicação. ser usados para definir prioridades na elaboração de projetos, programas
≈ AUÇUBA comunicação ou políticas públicas e que vão contribuir para que os jornalistas
compreendam a dimensão e a natureza dos problemas que afetam a
“Existia rivalidade entre os Conselhos e e educação (PE)
a imprensa aqui na cidade. Alguns
conselheiros passavam informações
/organizações não aucuba@aucuba.org.br
infância e a adolescência.

tel.: (81) 3441-2722


equivocadas para os jornalistas e depois
os acusavam de ter deturpado o que foi
governamentais como parceiras Para estruturar um banco de informações, cada Conselho pode executar
as atividades listadas abaixo:
dito. Começamos a estreitar os laços ≈Agência UGA-UGA
com os jornalistas e enviar por escrito as O Brasil conta hoje com um conjunto de organizações que trabalham a
informações, o que facilitou o trabalho comunicação com um olhar dedicado à democratização da informação.
de comunicação (AM)
deles e divulgou o Estatuto da Criança e Em suas ações e projetos, elas podem ajudar os Conselhos com a agencia@agenciaugauga.org.br
do Adolescente. Hoje, em nosso maior
imprensa e na realização de campanhas de mobilização social. A Rede tel.: (92) 642.8013
veículo de comunicação local, os
profissionais passaram a manter contato
ANDI é um bom exemplo dessa realidade, por meio de suas Agências como fazer_
conosco e temos boas matérias sobre o Regionais espalhadas pelo País. Faça contato. ≈ CIRANDA (PR)
Estatuto”. ciranda@ciranda.org.br .1/ Levantar os projetos e programas desenvolvidos pelo governo ou
Abigail Gonçalves Silva Corrêa tel.: (41) 224-3925 por iniciativas não governamentais no município/estado na área
– CMDCA Governador Valadares/MG
da promoção e defesa dos direitos da infância e da adolescência;
As agências regionais da
≈ OFICINA DE IMAGENS (MG) .2/ Realizar diagnósticos e relatórios e reunir informações oficiais
“Mais do que medo, falta conhecimento Rede ANDI pelo Brasil: sobre a situação da infância e da adolescência;
e habilidade para lidar com a linguagem redacao@oficinadeimagens.org.br
da comunicação. Os Conselhos não têm tel.: (31) 3482-0217 .3/ Identificar outras fontes de dados estatísticos mais gerais como
profissionais de comunicação, embora Unicef, ANDI, Unesco, Conanda, Secretarias Estaduais e
nos incomode a forma como a mídia se Municipais;
relaciona com o Conselho e também /o poder público como parceiro ≈ MÍDIA CRIANÇA (SC)
agencia@midiacrianca.org.br .4/ Identificar as possibilidades para providenciar um computador
nossa dificuldade de comunicar com a
tel.: (48) 334-0801 com acesso à Internet para cada Conselho;
sociedade e dizer o que o Conselho faz”.
Ana Maria Caetano Pereira
Utilizar a estrutura do poder público, por meio das assessorias de .5/ Assegurar a participação dos Conselhos no Sipia (Sistema de
– Secretaria Executiva do CMDCA de comunicação das prefeituras e governos de estado e federal, pode ser Informações para a Infância e Adolescência), garantindo
Belo Horizonte/MG outra alternativa. Os Conselhos podem solicitar este suporte. Para isso, é
≈ GIRASSOLIDÁRIO (MS) atualização sistemática dos dados referentes aos atendimentos;
importante que os conselheiros estejam bem alinhados em relação às www.girassolidario.org.br .6/ Procurar ter acesso às reportagens, programas de rádio ou
“Quando nós procuramos o jornal, ele posições que suas instituições vão tomar diante de fatos polêmicos e tel.: (67) 342-5377 televisão sobre crianças e adolescentes em sua região e no País.
quer notícia de impacto. Matérias sobre garantam que as notícias que envolvam denúncias e críticas ao próprio Isso permitirá aos conselheiros mais informações sobre o que
a implementação das políticas públicas ≈COMPANHIA
Poder Executivo também sejam divulgadas. Utilizar esta estrutura pode ser acontece na sua área de atuação;
não são divulgadas. O que é divulgado é
sensacionalismo. Nós procuramos a uma boa saída para os Conselhos, que não têm condições de montar uma TERRAMAR (RN) .7/ Manter arquivados a Constituição Federal, o Estatuto da Criança e
reportagem, mas às vezes não somos assessoria, mas, sem dúvida, é importante estar atento, em virtude dos (Rio Grande do Norte) do Adolescente, resoluções e demais legislações sobre a infância
ouvidos”. interesses envolvidos. ciaterramar@ciaterramar.org.br e a adolescência;
Doracy Anacleto Eich
– CEDCA do Rio de Janeiro/RJ
tel.: (84) 212-1258 .8/ Os Conselhos Tutelares podem divulgar estatísticas de denúncias,
de violações de direitos e de encaminhamentos realizados. 29
30
/unificando conceitos e linguagem /os Conselhos
Antes de procurar a imprensa para divulgar informações ou sensibilizar a
como articuladores
comunidade, os conselheiros precisam discutir entre si os dados disponíveis
sobre a infância e adolescência no seu âmbito de atuação e os fatos que Como órgãos de referência na defesa dos direitos das crianças e dos
acontecem no cotidiano. adolescentes, cabe aos Conselhos indicar aos jornalistas outras fontes “A causa da criança e do adolescente é
Isso é fundamental para a construção de um discurso comum sobre os de informação que atuam no sistema de garantia. Novos aliados podem transversal e deve estar presente no
diversos temas, tendo como referência o que está estabelecido no Estatuto da ser encontrados no poder Executivo, nas entidades e organizações comportamento dos editores, dos repórteres, da
Criança e do Adolescente. não-governamentais, no poder Judiciário, nas câmaras de vereadores equipe de polícia, da equipe de economia, da
e assembléias legislativas. equipe de política, da equipe de esportes. A
É muito importante que as opiniões pessoais dos conselheiros não se
causa é a causa do cidadão, que tem que ter
sobreponham à posição do Conselho. Se a instituição atua de acordo com o É importante esclarecer aos jornalistas que os Conselhos atuam de
este compromisso estendendo a prática
Estatuto, não são as opiniões pessoais que irão prevalecer nas informações forma articulada e complementar às organizações que disponibilizam jornalística sobre qualquer tema”.
divulgadas para a comunidade. Se um conselheiro é contra e outro a favor, por serviços e programas de atendimento. Mais do que isso, lembrar que Suzana Varjão
exemplo, de certo projeto em execução em um município, a posição a ser todos os municípios devem manter uma rede de atendimento que – jornalista Jornal A Tarde – Salvador/BA
divulgada para a sociedade deverá levar em conta uma avaliação do projeto, assegure atenção global às necessidades da criança e do adolescente.
tendo como referência a adequação de seus objetivos à lei e às prioridades Podemos citar como outros exemplos de fontes para a área da infância “Ainda não aprendemos a lidar com a imprensa
e da adolescência o IBGE, as Secretarias de Governos, as escolas e e isso tem prejudicado bastante. Devemos
definidas para aquele município em conjunto com a prefeitura e governo de
passar informações para o jornalista, atendendo
estado, a partir dos diagnósticos realizados. Em resumo, deve ser divulgada profissionais/especialistas que podem fornecer ou analisar dados e
às necessidades peculiares à mídia no que diz
apenas uma posição, consensual, que será a opinião institucional sobre o fato. informações para a construção de reportagens sobre crianças e respeito a tempo e espaço”.
Uma visão sem foco por parte do Conselho levará a sociedade a formar uma adolescentes. Geraldo Gonçalves de Oliveira Filho
imagem de um sistema confuso, onde os próprios operadores desconhecem Na construção desta rede de informantes, os Conselhos de Direitos e – Presidente do CEDCA de Minas Gerais
as diretrizes que orientam a realização do seu trabalho. Tutelares devem se relacionar com as outras fontes, obtendo
informações que ajudem a definir suas estratégias de ação, “Os dados dos questionários que vocês
contribuindo para que os jornalistas produzam reportagens mais aplicaram durante o Projeto Mídia e Conselhos
Durante as oficinas do Projeto Mídia e Conselhos, muitos conselheiros afirmaram que é completas e que tragam diferentes opiniões. são reveladores: a maioria dos conselheiros acha
comum não haver consenso sobre o que dizer em relação a determinados assuntos e que os jornalistas não estão preparados para
que, muitas vezes, são defendidas opiniões contrárias ao que está determinado no falar sobre crianças e adolescente. É um
absurdo, porque, de outro lado os jornalistas
Estatuto. Alguns jornalistas também afirmaram ter encontrado essa realidade quando
acham que os Conselhos são fontes importantes,
entrevistaram diferentes representantes de um mesmo Conselho. embora acrescentem que a maioria ‘pode se
preparar melhor’ para dar a informação”.
Apolinário Santos Lessa
.1/ Estabelecer reuniões periódicas para discutir como as informações sobre
– CT de Sobral/CE
denúncias, encaminhamentos, diagnósticos e outros dados serão repassadas para
os jornalistas e para a sociedade. Nessas reuniões, pode ser definido, por exemplo, “Precisamos nos capacitar para a relação com a
se o Conselho divulgará para a imprensa relatórios semanais, quinzenais, mensais imprensa, e, ao mesmo tempo, fazer um trabalho
como fazer_ sobre as ações realizados. de capacitação dos jornalistas, que
.2/ Realização de encontros de capacitação dos conselheiros sobre o Estatuto da desconhecem os termos que nós utilizamos,
Criança e do Adolescente e legislações relacionadas, como a Lei de Diretrizes e como ECA e FIA. São espaços que nós
conquistamos quando nos fazemos presentes,
Bases da Educação (LDB), a Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), as
pois somos formuladores de políticas públicas
convenções internacionais de direitos e outros instrumentos legais importantes. para crianças e adolescentes”.
.3/ Estabelecer formas de manter a periodicidade da comunicação entre os Conselhos
Tutelares e Conselhos de Direitos.
Raul Gomes de Oliveira Filho
– CEDCA do Rio Grande do Sul 31
/glossário da imprensa
32
/construindo um banco de fontes
Banco de Fontes é uma listagem com os nomes e telefones de O universo jornalístico traz expressões que traduzem as várias
instituições e de profissionais/especialistas e seus locais de trabalho. etapas da produção das notícias. A listagem abaixo reúne um
No caso dos direitos da infância e a da adolescência, cada Conselho vocabulário básico, que facilitará a construção de um bom
deve organizar o seu Banco de Fontes de acordo com sua estrutura relacionamento com a mídia. Devem ser levadas em consideração
e área de abrangência. Por isso, pode-se trabalhar desde uma lista de as diferenças regionais, que podem ocasionar alterações na
contatos em uma agenda até uma banco de dados mais complexo linguagem utilizada pela imprensa no seu cotidiano.
em computador. “Em nenhuma área se discute o estatuto. Algumas
poucas universidades de direito estão incluindo o
debate, mas não existe como conteúdo obrigatório. _Abertura: texto introdutório de uma reportagem.
Isso também não foge da área do jornalismo”. _Artigo: texto jornalístico que traz interpretação ou opinião do autor sobre determinado
Maria Margareth Alves
assunto.
- CMDCA de Foz do Iguaçú/PR
“Uma coisa que a gente conseguiu articular _Boneco: esboço ou projeto gráfico de uma página de jornal, revista ou site. Também
foi trabalhar com a assessoria de “Por meio de parcerias com universidades estamos chamado de leiaute ou espelho.
comunicação do município, já que não buscando nos capacitar para a relação com a _Box: texto complementar de uma reportagem. Pode trazer informações como, por
tínhamos recursos para montar a nossa como organizar_ imprensa. Precisamos estar preparados para sentar exemplo, um perfil do personagem enfocado. Também pode servir como uma memória do
própria”. diante de uma câmera de televisão, para falar em fato ou ainda para esclarecer termos difíceis abordados no texto principal.
Luiza de Lourdes Bezerra Mota uma rádio, dar uma entrevista. Uma das coisas que _Caderno: Conjunto de páginas que trata de assuntos (editorias) específicos ou ainda das
– CMDCA de Caucaia/CE .1/ Comece elaborando uma listagem de pessoas capazes de fornecer nós avançamos bastante na comunicação com os
informações credenciadas para a imprensa. Lembre-se que esta lista pode reportagens mais importantes de uma edição.
veículos de imprensa é que agora falamos a mesma
“Nós tínhamos uma assessoria de imprensa começar com um número pequeno de especialistas. O universo de fontes é _Chamada: Informação resumida de um assunto, localizada na primeira página de um
linguagem”.
e hoje usamos a assessoria de imprensa da proporcional à realidade de cada Conselho. Vale contatos com as Raul Gomes de Oliveira Filho jornal, revista ou caderno, para atrair a leitura.
prefeitura. Em algumas situações não secretarias governamentais, com os programas de atendimento – CEDCA do Rio Grande do Sul _Clipping: Publicação que contém notícias veiculadas nos meios de comunicação sobre
podemos usar essa assessoria do governo, determinado assunto, empresa ou pessoa.
desenvolvidos por elas, das entidades registradas na prefeitura ou governo
porque todo mundo já conhece sua posição e “Temos no Conselho uma comissão permanente de _Cobertura: Captação de material (informações, entrevistas, fotos) sobre um fato, realizado
pode confundir as coisas. Nesses casos, nós
estadual; comunicação. Fizemos um plano de ações onde o pela equipe de reportagem.
vamos a campo e ligamos para os repórteres .2/ A partir destes primeiros contatos, a rede de fontes vai crescendo trabalho dessa comissão está incorporado”. _Conselho Editorial: Órgão consultivo que define a linha editorial do veículo de
para que não apareça apenas o ponto de naturalmente. É Importante lembrar das organizações não-governamentais, Armando Luiz Bandeira de Paula
comunicação. Podem integram jornalistas do próprio veículo e personalidades de expressão
vista do governo. Muitos empresários não das escolas, dos clubes e associações de serviços, dos projetos religiosos. – CEDCA do Ceará
doavam para o FIA porque achavam que pública, especialistas em áreas de interesse da população.
Depois é preciso relacionar cada órgão, incluindo o telefone e o nome dos
estávamos atrelados à prefeitura”. “É importante estabelecer uma política de _Deadline: Prazo final para o fechamento de uma edição ou a conclusão de uma
profissionais responsáveis;
Lúcia Castênho comunicação interna. Depois a comunicação reportagem.
.3/ O trabalho exige dedicação e persistência. É recomendável procurar
– CMDCA de Porto Alegre/RS externa, relação com a mídia e com a sociedade. _Diagramação: Previsão do desenho gráfico de uma página em que são mostrados os
também outros especialistas que podem divulgar informações e fazer Uma dica é instalar uma assessoria de tamanhos dos textos e a localização das fotos e ilustrações. Com o processo de
“Em nosso município há jornal semanal da análises sobre diversos temas como médicos, professores universitários, comunicação com um profissional habilitado. Nem diagramação eletrônica, o diagrama tem sido feito pelo próprio editor.
prefeitura. O Conselho utiliza o jornal para promotores de Justiça, juízes. Pode-se listar os especialistas por temas todos os Conselhos têm recursos financeiros para
_Edição: Processo de acabamento do material informativo. Também se refere ao noticiário
divulgar notícias, como a da nossa pré- como: Educação, Saúde, Trabalho Infantil, Exploração e Abuso Sexual; isso. Então a sugestão alternativa é passar por um
conferência e a comunidade participou em treinamento, convidando jornalistas para capacitar
pronto que será impresso nos jornais ou veiculado na tevê e na emissora de rádio.
.4/ Lembre-se de fazer contato com estas pessoas para saber se elas estão
massa. O jornal divulga ações que a um grupo de conselheiros sobre como se _Editoria: As redações jornalísticas se dividem em editorias, setores que reúnem os
dispostas a integrar um banco de fontes de especialistas para atender a
prefeitura realiza durante a semana e o relacionar com a mídia. Acredito que amanhã ou jornalistas que apuram, redigem e editam as notícias e informações que serão veiculadas
imprensa em suas demandas relativas a temática infância e adolescência;
Conselho relata as reuniões, sugere pautas.” depois o Conselho não vai precisar ligar para a em órgão da imprensa (jornal, rádio, tevê, internet). As editorias são distribuídas pela área
Ilza Aparecida Cardoso Freitas
.5/ A construção da lista de fontes pode ser feita por telefone, mas o ideal é imprensa. Ao contrário, ele vai ser incomodado por de cobertura, assim existem editorias de economia, esportes, política, cultura entre outras.
– Conselheira de Santa Terezinha
do Itaipú/PR
que os conselheiros façam visitas e verifiquem pessoalmente quem são os
profissionais integrantes de sua rede de relacionamentos.
nós, jornalistas, em busca de informações”.
Susane Vidal
– jornalista TV Sergipe
_Editorial: Artigos publicados, geralmente, no primeiro caderno de jornais ou revistas, que
refletem a opinião dos editores e a linha editorial do veículo. 33
matéria-prima
34
_Em off: Abreviatura de “off the record” – informação confidencial,
dada por um entrevistado ao jornalista com a condição de não ser
_Ombusdman: Jornalista escolhido para fazer a leitura e
acompanhamento das notícias veiculadas naquele determinado
para a comunicação_
publicada. jornal, revista, site ou emissora de rádio ou televisão, responsável
_Expediente: Espaço onde são publicados os nomes dos editores, por verificar a eficácia, legitimidade e ética da cobertura. Ele é um
endereços e telefones para contato com o veículo de comunicação. funcionário do veículo e trabalha para melhorar a cobertura
_Externa: Gravação realizada fora do estúdio de tevê. noticiosa feita pelos jornalistas.
_Gancho: Algum assunto que, geralmente, faz parte do interesse _Pauta: Agenda de assuntos previstos na cobertura jornalística. A
público, no qual o jornalista se ampara para produzir e veicular pauta é um roteiro que contém, inclusive, a indicação ou sugestão
determinada matéria. Também pode significar uma informação sobre como deve ser tratado o tema. É captada pelo pauteiro e
coletada em alguma notícia e que pode gerar novas reportagens. discutida por toda a equipe, em reuniões de pauta.
_Fechamento: Etapa de encerramento da produção dos noticiários, _Pingue-pongue: Forma de texto em que as perguntas e respostas
quando a edição é enviada para a gráfica ou está pronta para ser de uma entrevista são publicadas.
veiculada nos jornais de rádios e tevê. _Pirâmide Invertida: Técnica de se estruturar um texto de modo
_Intertítulo: Pequeno título colocado no meio do texto para separar que as informações mais importantes sejam colocadas nas
uma parte importante da matéria e dar leveza à diagramação. primeiras linhas (lide).
_Fonte: Pessoa ou instituição que fornece informações ao jornalista _Ponto Eletrônico: Pequeno fone de ouvido usado entre os
sobre determinado assunto, colaborando com a produção de profissionais de TV, que traz comunicação direta entre seu portador
matérias jornalísticas. e o controle mestre.
_Ilha de edição: Conjunto de equipamentos necessários para a _Reportagem: Ato de adquirir informações sobre um assunto e
edição de um programa de tevê e rádio. transmiti-las ao público pelos noticiários.
_Lauda: Folha padronizada para os textos das reportagens. Com a _Retranca: Texto complementar da matéria principal.
edição eletrônica, as laudas quase não mais são usadas. _Release: Material distribuído para a imprensa sobre assunto ao
_Legenda: Texto curto que explica uma foto ou ilustração. qual se pretende dar divulgação. Respeita a linguagem específica
_Lide: Introdução do texto jornalístico, que vem no primeiro dos diferentes veículos e a estrutura básica do texto jornalístico.
parágrafo. Reúne o que há de mais importante na notícia. Deve _Standard: Formato padrão dos jornais brasileiros. Mede 54 x 33,5
responder às perguntas básicas: quem? o que? quando? onde? cm. O tamanho tablóide é a metade do standard.
como? por quê? _Stand by: Reportagens que podem ser veiculadas em qualquer
_Mailing: Relação das informações sobre os veículos de época, sem preocupação com a data. Também são chamados de
comunicação que interessam a uma assessoria de imprensa. Traz textos de "gaveta", de "geladeira" ou matérias frias.
os nomes, telefones, fax, e-mails dos jornais, revistas, emissoras _Suíte: Texto jornalístico que desdobra uma notícia já publicada no
de rádio e tevê, sites, identificando os editores, repórteres, dia anterior em qualquer órgão de imprensa.
fotógrafos, separados de acordo com as editorias onde estão _Tablóide: publicação em formato de meio jornal.
lotados: econômica, cultura, política, outros. _Teleprompter ou TP: Guia para os apresentadores de telejornais;
_Manchete: Título da principal reportagem do jornal ou revista, trata-se de um aparelho onde passa o texto a ser lido durante o
publicado na primeira página. É também a principal reportagem de noticiário.
cada página. _Texto final: Matéria apurada, redigida e pronta para a publicação.
_Matéria: Conteúdo de uma notícia ou reportagem. _VT: Matéria com a presença do repórter. Um VT com reportagem
_Olho: Texto curto e em destaque, localizado, geralmente, entre as editada tem as imagens, a narração (off), o discurso indireto
colunas do corpo da notícia, que ressalta algum aspecto ("fulano disse que") e o discurso direto (fala dos entrevistados).
importante da matéria.
36
NESTE CAPÍTULO SÃO APRESENTADAS DICAS DE COMO ELABORAR UM BOM PLANEJAMENTO
DAS AÇÕES DE COMUNICAÇÃO. TAMBÉM SELECIONAMOS EXPERIÊNCIAS EXITOSAS DE
Boa comunicação garante... /profissionalizando o
RELACIONAMENTO COM A MÍDIA CONSTRUÍDAS POR CONSELHOS DE VÁRIAS REGIÕES DO PAÍS.
_visibilidade e transparência às atividades do relacionamento com a mídia
Conselho. Divulgar a situação das crianças e
dos adolescentes no município, as ações Nas oficinas do Projeto Mídia e Conselhos, jornalistas e
/ações criativas para fazer realizadas pelos Conselhos e os resultados
alcançados para a comunidade torna explícito
conselheiros constataram a insegurança que muitas vezes
afeta os dois interlocutores, o que acaba comprometendo
da mídia uma parceira o compromisso com o direito da sociedade à uma boa relação. Mitos como “todo jornalista é contra o
informação de qualidade. Estatuto” ou “a mídia quer prejudicar os Conselhos,
deturpando as falas e os fatos”, são comuns no
Não é difícil desenvolver boas estratégias para divulgar o Estatuto da Criança e do
_que o Conselho seja mais conhecido e imaginário dos conselheiros.
Adolescente e dar visibilidade ao papel dos Conselhos de Direitos e Tutelares
valorizado socialmente. Sabendo da seriedade Por outro lado, os jornalistas, via de regra, desconfiam da
mesmo enfrentando problemas como a falta de recursos, de infra-estrutura, de
do trabalho realizado, a comunidade e o capacidade de organização de informações dos
informações e dados sistematizados. As atividades realizadas durante os seis
governo se tornam dispostos a colaborar com o Conselhos ou ignoram suas competências e atribuições.
encontros do Projeto Mídia e Conselhos, que reuniram conselheiros e jornalistas de
sucesso de seu trabalho. Devemos apostar numa “parceria pedagógica”, ou seja:
todas as regiões brasileiras, resultaram, também, no relato de diversas experiências
há uma desinformação geral na sociedade a respeito dos
de comunicação.
_o cumprimento do papel educativo de orientar direitos da criança e do adolescente e o jornalista também
Neste capítulo, estão listadas algumas sugestões que podem servir de referência
a população acerca dos direitos das novas é atingido por essa visão de senso comum. Se isso é um
para a elaboração de ações e planos de comunicação para os Conselhos. É
gerações. Os Conselhos estão trabalhando problema, é também uma oportunidade para que o
preciso definir metas prioritárias, objetivos a serem alcançados e construir soluções
também para a consolidação de uma conselheiro possa dialogar com o jornalista – como se
que envolvam a mídia na estruturação de uma verdadeira teia pela defesa dos
sociedade onde os direitos do cidadão saiam estivesse fazendo isso com os leitores, ouvintes ou
direitos das crianças e dos adolescentes.
do papel. Por isso, a dimensão pedagógica do telespectadores.
trabalho não pode ser deixada em segundo Porém, reconhecer a importância da mídia é diferente de
plano: os conselheiros lidam com violações de se submeter a ela. Deve-se evitar uma relação doméstica
direitos cotidianamente e são os atores mais de favores pessoais, caracterizada, por exemplo, pelo uso
/dando os primeiros passos preparados para tratar essas questões junto à de expressões do tipo “me quebra o galho e divulga isso,
mídia e à sociedade. tá?”, ou “me dá uma forcinha...”. O relacionamento
Comece definindo os objetivos das ações de comunicação. São ações que visam precisa ser pautado pelo profissionalismo, visando a
divulgar uma atividade, tema ou data específica? Por exemplo, o Conselho _ampliação da capacidade de captação de divulgação de informações de interesse público.
pretende fazer uma campanha contra o trabalho infantil? Datas como o 18 de maio recursos através dos Fundos da Infância e Não discrimine veículos ou jornalistas. O atendimento à
– Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infanto-Juvenil ou 13 Adolescência (FIAs). Sendo conhecidas as imprensa não deve levar em conta apenas a capacidade
de julho, aniversário da promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente? Ou ações e resultados dos Conselhos, fica mais de alcance ou a importância institucional de um ou de
são ações de comunicação que visam promover debates mais amplos, fácil para o conselheiro trabalhar pela captação outro. Trate todas as solicitações com o mesmo respeito
fortalecendo a divulgação do próprio Estatuto ou das funções dos Conselhos? de recursos junto a empresas de sua cidade e e atenção. Evite preconceito contra veículos ou
Estado. Os FIAs têm um grande potencial de profissionais desconhecidos. Considere o fato de que
O ideal é que os Conselheiros tenham como meta promover as duas estratégias, captação para o financiamento de políticas pequenos veículos, muitas vezes, atingem mais
para colher os benefícios de uma divulgação bem planejada. públicas. Esse potencial não é atingido por diretamente o público prioritário para os Conselhos.
pura desinformação dos empresários e da
sociedade em geral. 37
38 Algumas dificuldades comuns aos Conselhos na
relação com a imprensa, apontadas nos
questionários do Projeto Mídia e Conselhos:

.1/ Não contam com uma assessoria profissional de Cuidados com as notícias /na hora da entrevista
comunicação;
.2/ Poucas informações organizadas, bem fundamentadas,
envolvendo jovens em essa lei é muito
_É fundamental estar bem preparado garantirá que suas citações serão
diretas e precisas; conflito com a lei para conceder uma entrevista. Ao ser utilizadas. Use vocabulário que pode
bonita no papel,
.3/ Dificuldade dos conselheiros em compreender as técnicas e mas...
procurado, pergunte ao jornalista qual ser compreendido pelo público em
linguagens da comunicação (jornais, revistas, programas de O papel de porta-voz do Estatuto faz dos Conselhos será o assunto e, se possível, quais geral. Cuidado com o uso de jargões,
rádio, Internet etc); um dos principais protetores da imagem dos serão as perguntas. Essa noção sobre termos técnicos, siglas ou abreviações
.4/ Desconhecimento dos termos técnicos da área dos direitos, meninos e meninas na mídia, quando ligada a fatos o teor da conversa e sobre o veículo que só quem é da área conhece (Ex:
por parte do jornalista, que é quem vai traduzir a informação que possam estigmatizar, causar danos de natureza para o qual ele trabalha é o ponto de ECA, Conanda, Sipia).
para o público; psicológica ou afetar moralmente. Deve-se buscar partida para uma boa preparação.
.5/ Visão da comunicação como mera publicidade: só chamam também esclarecer as punições estabelecidas pelo _Ao dar entrevistas sobre políticas
a imprensa quando vão realizar algum evento; Estatuto quando os jornalistas descumprem as leis _Lembre-se que o fator tempo deve ser públicas, enfatize as diversas questões:
.6/ Falta de informação sobre a estrutura e o funcionamento de proteção à imagem de crianças e adolescentes. levado em conta sempre. Quando o quem são os responsáveis pelas
dos veículos de comunicação: o ritmo rápido das redações Muitos jornalistas têm um entendimento equivocado jornalista necessita de uma informação, ações, quem pode fiscalizar e quais são
e o papel de cada profissional na construção da informação; da lei. A tendência é achar que o Estatuto, ao proibir normalmente não dispõe de muito os prazos de execução dos projetos,
.7/ Insegurança, nervosismo ou agressividade nas entrevistas, a exposição do nome, apelido, filiação, fotografias tempo para esperar. Por isso, procure além de deixar claro de onde vem a alguns
talvez por desconfiança e medo em relação aos jornalistas ou ilustrações que identifiquem a criança e o responder logo. Caso não se sinta verba. “menores” são
e editores. adolescente, inviabiliza o trabalho e protege os seguro, informe ao profissional de
.8/ Dificuldade do conselheiro em filtrar adequadamente as meninos e meninas acusados de cometer ato realmente
comunicação que não domina aquele _Sempre que possível, opte por
informações que transmitem aos jornalistas, dando espaço infracional. Mas, na verdade, ao cobrir casos de irrecuperáveis.
assunto específico. Nesse caso, é conversar pessoalmente com o
a que algumas vezes sejam fomentadas abordagens adolescentes em conflito com a lei, profissionais de importante indicar outras fontes para a repórter. Além de estreitar os laços
sensacionalistas envolvendo crianças e adolescentes. comunicação cometem sérios equívocos, não temática em questão. entre a fonte e o jornalista, o contato
garantindo a proteção a que têm direito. pessoal enriquece a entrevista e pode
Os Conselhos devem esclarecer a mídia nesse _Esteja preparado para perguntas ruins diminuir os problemas de ruído na
Algumas dificuldades comuns aos jornalistas sentido: o Estatuto não tem a intenção de proibir as ou mal-formuladas e encontre respos- comunicação.
na relação com os Conselhos, apontadas nos entrevistas com esses jovens, mas sim preservar tas para elas. Pratique suas boas
questionários do Projeto Mídia e Conselhos: seus direitos à privacidade e à dignidade. respostas com antecedência. Prepare- _Em vez de ficar com medo de dar
se também para perguntas agressivas entrevista, ou achar que nem adianta
.1/ Tempo escasso para apuração das informações; e irônicas (por exemplo, “o senhor não enviar para os veículos a divulgação de
.2/ Concorrência de várias matérias para espaços curtos de acha que esse Estatuto protege demais um evento, o conselheiro deve enten-
divulgação; esses delinqüentes juvenis?”). der eventuais posturas desfavoráveis esse estatuto
.3/ Desinformação dos profissionais de imprensa sobre os dos jornalistas como um desafio, não é muito
direitos da criança e do adolescente; _Reúna material de consulta. preparando-se com bons argumentos. utópico?
.4/ Pressão por matérias vendáveis, que agradem o público; Exemplos, números, pesquisas, datas
e nomes facilitam o trabalho do
.5/ Desconhecimento sobre a estrutura, competências e
funcionamento dos Conselhos de Direitos e Tutelares. jornalista. Tentar ser claro e objetivo
39
40 _Entrevista por telefone
Caso seja seu primeiro contato com um jornalista Quem coordena a coletiva são os entrevistados e não os
desconhecido ou uma publicação da qual você nunca ouviu entrevistadores. Os conselheiros devem avaliar até que ponto
falar, pergunte-lhe se você pode retornar a ligação em 15 as dúvidas dos jornalistas já foram suficientemente esclarecidas
minutos. Isto lhe dará a oportunidade de fazer uma checagem e a entrevista pode ser encerrada. Alguns repórteres podem ter
da identidade de quem lhe telefonou. Aproveite este tempo tempo para esperar e aprofundar o assunto com algum
para se preparar para a entrevista. conselheiro ou telefonar depois para esclarecer possíveis
Durante o primeiro contato, pergunte ao repórter o que ele dúvidas que surgirem durante a elaboração do material final. “Com certeza a primeira preocupação do conselheiro ao
quer exatamente, quem mais será entrevistado, qual o tratar a imprensa seria a de estar traindo um segredo
contexto, etc. Durante a entrevista, concentre-se e tome _O dia seguinte profissional. Mas os conselheiros podem passar
medidas para não ser interrompido. Seja amistoso e educado, Não espere perfeição da imprensa, nem tampouco que a sua informações para a imprensa preservando o nome e a
mas firme, quando necessário. entrevista seja publicada na íntegra. Evite a chamada “síndrome
identidade de crianças e adolescentes, mostrando
estatísticas de violações. A imprensa às vezes procura
“Durante a comemoração dos 10 anos da reação compulsiva”. As críticas publicadas pela imprensa algo sensacionalista e expositivo, precisa da imagem. Aí
do Estatuto uma emissora AM de grande _Entrevista na TV devem ser analisadas, caso necessitem ser respondidas. O os conselheiros se retraem, pois eles temem estar
tradição na cidade nos convidou para Nas entrevistas gravadas, procure dizer objetivamente a frase imediatismo e a pressa dos veículos de comunicação em obter expondo a criança, o adolescente e a família. É preciso
fazer um programa de rádio ao vivo. que gostaria de ver veiculada. Não dê respostas longas, pois que a imprensa e os conselheiros definam uma diretriz
respostas resultam, às vezes, na edição de informações
Minha surpresa foi perceber que a rádio
elas podem ser editadas e ganhar um outro sentido. Olhe para parciais, incompletas e até descontextualizadas. de trabalho colaborativo. É um dever do conselheiro
é um meio de comunicação que tem uma divulgar seu trabalho: ele é um servidor público e como
penetração enorme: ao vivo, nós tivemos
a câmera e para o entrevistador, com naturalidade, pois o É bom ficar em permanente contato com as redações.
tal ele tem que deixar claro o trabalho que é feito”.
a participação de vários municípios do diálogo é duplo: você fala para o repórter e para o Ocorrendo problema, procure discutí-lo em primeiro lugar com Celina Chagas
interior do estado. O jornalista enfocou a telespectador ao mesmo tempo. o jornalista que fez a matéria (evite ir logo a seu chefe), – Conselheira Tutelar de Belo Horizonte/MG
questão da redução da idade penal e Evite roupas com listras finas, xadrezes pequenos e com explicando o que não foi bem divulgado. É possível enviar
fizemos um programa muito interessante grandes áreas brancas ou vermelhas. Elas provocam efeitos material com os dados e conceitos corretos, procurando “Temos que preservar a imagem da criança envolvida
que mudou a impressão que eu tinha desagradáveis no vídeo e desviam a atenção do telespectador. numa situação noticiada pela imprensa, porque existem
manter as portas abertas sempre.
sobre rádio. Tem a Internet, a TV, até
Em programas ao vivo, com interação com o público ou de No caso de equívocos grosseiros, que vão gerar problemas limites que às vezes não são respeitados e os direitos
rádio FM, mas a rádio AM eu achei que são violados. Estamos preocupados porque somos
ninguém ouvia mais. No entanto, ouve e debate, seja sempre cordial na entonação, mesmo diante de para a imagem do Conselho ou da criança e do jovem citados
fontes insignificantes nas matérias pertinentes à área da
ouve muito. Foi interessante constatar um questionamento agressivo ou desafiante. na reportagem é preciso estar atento à Lei de Imprensa e infância e da adolescência, segundo as pesquisas da
essa realidade”. estudar a possibilidade de retratação no veículo de ANDI. Começamos a trabalhar com escolas e
Edmundo Ribeiro _Entrevista coletiva comunicação. Caso o Conselho não disponha de educadores, porque as universidades não trabalham o
– CEDCA/BA departamento jurídico, pode pedir apoio nas organizações que
Ao contrário dos outros tipos de entrevista, em que o estatuto”.
Conselho atende a solicitações de jornalistas, neste caso a ofereçam serviços advocatícios. Maria Margareth Alves
“Os jornalistas de um programa que – CMDCA de Foz do Iguaçú/PR
enfoca aspectos da vida em comunidade, entrevista coletiva é uma estratégia que parte do próprio Por outro lado, se uma matéria ficou boa, se foi além de suas
numa rádio local, convidaram os Conselho. A coletiva se justifica apenas se há necessidade de expectativas, é simpático enviar uma correspondência
conselheiros para uma entrevista. divulgação de algum assunto de grande interesse público. parabenizando. “Temos produzido matérias semanais com o jornal e
Avaliamos o teor das perguntas, que Neste caso, o Conselho envia uma pauta (ver glossário) para tem sido muito bom. O jornal nos procurou para uma
envolviam políticas públicas e pedimos os meios de comunicação convocando uma entrevista entrevista e não sabiam o que é o CMDCA. Então,
ao assessor jurídico para participar ficamos muito tempo explicando o que era o CMDCA, o
coletiva. Durante a entrevista, os conselheiros começam
conosco. Esta rádio é voltada para a Conselho Tutelar e seu papel. Depois disso começaram
comunidade e todo sábado eles expondo as informações principais, antes de abrir espaço para
as matérias semanais. Vamos participar também de um
transmitem ao vivo de diferentes regiões as perguntas dos repórteres. É aconselhável distribuir aos
debate na TV com os conselheiros tutelares que estão
da cidade, e lá está o Conselho”. jornalistas um resumo sobre o tema que está sendo divulgado, participando do processo eleitoral.”
Lúcia Castênho
– CMDCA de Porto Alegre/RS
o que irá ajudá-los a redigir ou editar a matéria mais tarde. Adria Cristina de Almeida
– CMDCA de Ponta Porã/ MS 41
42
/quem é quem numa redação
De uma maneira geral, as redações organizam-se da seguinte forma: Dicas para um bom relacionamento com a imprensa_

_A direção define a orientação da linha editorial _Os redatores são jornalistas que escrevem os _ Lembre-se que os jornalistas trabalham com tempo bem delimitado
do veículo de comunicação. Responde textos do jornal, dos telejornais e informativos de e atrasar uma entrevista ou deixar de retornar um contato pode
legalmente quando há problemas decorrentes rádio. Nem todos os veículos dispõem deste tipo significar a perda da divulgação de um assunto importante.
das matérias não assinadas, no caso dos jornais, de profissional, deixando a responsabilidade de
e é co-responsabilizada pelos textos e matérias redação para os repórteres. A atual política de Formando os jornalistas _ Não é delicado pedir ao jornalista que mostre o texto antes de
veiculadas na tevê e no rádio, cujo autor está gestão nas redações tem promovido a freqüente Os encontros do Projeto Mídia e Conselhos publicá-lo. Soa como uma desconfiança de que ele não será capaz
identificado. Como responsável legal pelo troca de redatores nas editorias, por isso eles possibilitaram a jornalistas e conselheiros de fazer o seu trabalho. Se o tema for muito complexo, forneça
veículo, a direção deve aprovar as peças mais precisam dominar a maioria dos assuntos. oportunidade de avaliar a viabilidade de informações complementares por escrito e se ofereça para
delicadas da edição. Como gestora, ela deve cooperação profissional para a produção de esclarecer eventuais dúvidas. A fonte não deve interferir na edição
promover a ligação entre a administração da _Os colaboradores realizam um trabalho materiais jornalísticos que contextualizem da matéria, tentando ensinar o repórter a fazer o seu trabalho, que
empresa e a redação. Para manter tal jornalístico diferente dos redatores. Na maioria para a sociedade os fatos relacionados à consiste em apurar as informações e redigir o texto, mas pode
integridade, a direção pode supervisionar a das vezes, estes trabalhos referem-se a promoção e defesa dos direitos de crianças sugerir o enfoque que considera correto para a reportagem.
realização de reportagens e trabalhos de maior assuntos especializados, que pedem um tipo e adolescentes.
fôlego e importância para o veículo, diferenciado de produção, de pesquisa e de co- _ Aproveite sempre o contato com o jornalista para proporcionar
determinando o tipo da abordagem e os meios bertura. Por isto, a relação entre colaboradores e Isso aconteceu porque os conselheiros novas indicações de assuntos pertinentes ao Conselho do qual você
que serão utilizados para a execução da matéria. veículos pode variar de caso para caso. Exem- puderam conhecer um pouco do trabalho dos faz parte.
plos práticos são os textos assinados por jornalistas nos veículos de comunicação – as
_A chefia de redação tem a função de coordenar, sexólogos, psicólogos, pedago-gos nos jornais rotinas e o tempo, os papéis dos diferentes _ Ao descobrir que passou uma informação incorreta, avise
acompanhar e supervisionar todo o trabalho para o público jovem. Médicos, juristas e profissionais na produção da notícia, a imediatamente ao jornalista.
editorial e responsabilizar-se – sozinha ou jornalistas que não integram o corpo das elaboração das pautas – e a necessidade de
juntamente com a direção – pela montagem dos redações também são convidados a colaborar. formação para uma cobertura eficiente dos _ Não fuja de notícias desagradáveis. Essa postura acaba sendo a
destaques do noticiário. conceitos relacionados à promoção de direitos. notícia do dia seguinte. Seja transparente. Dê a melhor informação
_Os colunistas nem sempre são jornalistas, mas Por sua vez, os comunicadores conheceram o possível.
_Os editores de área ou seção coordenam os invariavelmente são autoridades reconhecidas papel e funções dos Conselhos e o trabalho de
redatores de sua área. Por exemplo: esporte, no assunto que tratam e possuem espaço fixo, atendimento e averiguação de denúncias, ou de _ Evite falar “em off” (ver glossário). Se não quiser abordar um
política e economia. Eles editam todo o material seja ele diário ou semanal. Apesar de não planejamento de políticas adequadas à assunto, diga claramente ao jornalista. Mesmo no caso de extrema
jornalístico produzido pela equipe. definirem a linha editorial, é também por meio realidade de cada município. Entenderam os confiança no repórter, é preciso lembrar que ele pode ser
das opiniões dos colunistas que conhecemos problemas do cotidiano dos conselheiros, como fortemente pressionado pelo seu diretor a revelar a fonte.
_Os repórteres são os jornalistas que buscam as um pouco da ideologia do veículo. a falta de estrutura física, de equipamentos e,
informações, entrevistam as fontes e formulam a muitas vezes, de apoio político das prefeituras. _ Estimule especialistas e profissionais da área a escreverem artigos
primeira versão das matérias que, muitas vezes, _O conselho editorial é um órgão consultivo, de opinião e a darem entrevistas.
são retrabalhadas por redatores antes de serem com responsabilidades na definição da linha Muitos Conselhos já tomam a iniciativa de
veiculadas. editorial do meio de comunicação. Seus mem- convidar os jornalistas a participar de encontros _ Nunca assuma uma postura de superioridade na relação com os
bros podem colaborar diretamente ou não com de formação, realizam oficinas e procuram jornalistas. Esse tipo de atitude pode atrapalhar o bom
o trabalho jornalístico cotidiano. sensibilizar os futuros profissionais ainda nas
universidades.
relacionamento entre fonte e repórter e comprometer a qualidade
da informação. 43
44
/o rádio em destaque
Muitos conselheiros consideram o rádio como um Os programas de notícias são os mais indicados e
veículo especial, sobretudo por seu enorme costumam ir ao ar nos horários de maior /entrevista no rádio /as rádios comunitárias
alcance junto a todas as classes sociais. O rádio audiência. Também é importante que os
desperta a sensibilidade de cada ouvinte, que cria Conselhos produzam e ofereçam gratuitamente Inseridas nas comunidades, as chamadas rádios
suas próprias imagens do que está sendo às rádios pequenos comerciais (ou spots) que comunitárias têm concessão para operar com alcance
narrado. Um bom locutor ou um bom entrevistado divulguem suas ações e atribuições. A produção reduzido. Por isso, a programação, que geralmente
consegue emocionar e convencer a audiência. de spots para rádio tem custo reduzido, mas nem Dicas para você se sair bem_ tem muito espaço reservado para programas
por isso dispensam o apoio e a colaboração de educativos, é voltada para assuntos locais ou de
.1/ O som deve suprir a ausência da imagem. Portanto,
O rádio é também um meio ágil, capaz de informar radialistas, ou seja, profissionais habilitados. interesse das pessoas que moram ou trabalham em
deve-se pronunciar as palavras clara e corretamente, de
de maneira quase simultânea à ocorrência de determinadas regiões.
maneira objetiva, ser natural e falar diretamente com o
qualquer evento. A rapidez na informação ainda Existem algumas campanhas para rádio prontas
ouvinte.
conquista o ouvinte, mesmo que a velocidade não que podem ser solicitadas pelos conselheiros e Nessas rádios os Conselhos vão encontrar espaço
.2/ Muitas vezes, o ouvinte acompanha entrevistas pela
seja mais característica apenas das emissoras, oferecidas às rádios. A campanha Conselho para discutir a situação específica de sua área de
metade. As informações importantes devem ser repetidas
que hoje concorrem com a tevê e a Internet para Tutelar: todo mundo precisa conhecer, realizada atuação, ouvir da comunidade as denúncias e
de maneira variada. Evite o excesso de palavras e
garantir a notícia em tempo real. pela ANDI e Conanda, com apoio da Secretaria esclarecer as dúvidas sobre o papel dos Conselhos.
expressões de apoio (né, aí, então), de jargões vazios (a
Especial dos Direitos Humanos, Rede ANDI e
nível de, com certeza), de siglas e palavras difíceis (ECA,
Roquete Pinto, que fundou a primeira emissora Petrobras, produziu cinco spots para rádio que As rádios comunitárias trabalham com estrutura
Sipia, Cedca). Evite também o uso de clichês, expressões
radiofônica do Brasil, em 1923, dizia que a estão disponibilizados gratuitamente no site da simples e equipe reduzida, formada por pessoas da
e frases prontas: “devido à má distribuição de renda”, “é
principal função do rádio era educar. Ele ANDI (www.andi.org.br). É possível copiar os própria comunidade. Isso faz com que o formato dos
preciso vontade política”, “enquanto não houver
acreditava que, se o rádio fosse utilizado “com arquivos pelos computadores das próprias rádios. programas, as entrevistas e até as conversas com os
seriedade”, que indicam pouca profundidade e
vontade, alma e coração poderia transformar o ouvintes costumem ser marcadas por certa
desconhecimento do assunto
homem em poucos minutos”. Outra iniciativa interessante é a produção de spots informalidade. Não significa falta de
abordado.
de rádio, de 45 minutos de duração cada, que seriedade, mas que é possível estar
.3/ Para fechar a entrevista, procure
As rádios geralmente têm tempo disponível para complementam os variados temas abordados no mais à vontade para conversar e
resumir a idéia central. Ofereça o
divulgar notícias sobre a criança e o adolescente boletim mensal Rádio pela Infância, elaborado interagir com as pessoas de sua
telefone do Conselho, orientando o
ao longo de suas várias horas de programação pela ANDI e Unicef. Os spots estão disponíveis própria região.
ouvinte para a forma de contato. Em
diária. Por isso, é importante conhecer a nos sites da ANDI (www.andi.org.br/spotsrpi) e
programas de interação com o ouvinte
programação daquela determinada emissora e Unicef (www.unicef.org.br).
por telefone ou de debates, nunca
enviar as notícias ou sugestões de pauta para os
ataque o seu interlocutor. Mesmo que
radialistas cujo perfil permite a abordagem desses
ele tenha sido agressivo, não revide e
assuntos.
procure esclarecer suas opiniões com
argumentos claros e de maneira
Ondas poderosas tranqüila.
Grande parte da população brasileira ouve rádio todos os dias. Mesmo as famílias mais pobres, em todas as
regiões do Brasil, possuem pelo menos um aparelho de rádio em casa. Isso mostra o potencial do rádio para
contribuir na melhoria da qualidade de vida das pessoas, por meio da informação. Matrícula escolar,

45
vacinação, preservação do meio ambiente, enfrentamento da violência doméstica são apenas alguns
exemplos de campanhas de utilidade pública que podem ser sugeridas pelos Conselhos aos radialistas.
46
A MÍDIA COMO ALIADA
Por todo o Brasil, conselheiros de Direitos e Tutelares encontraram formas de aproximação com
a imprensa que estão produzindo bons resultados para a divulgação de suas ações em defesa
dos direitos das crianças e dos adolescentes. Estes exemplos foram colhidos nas “Redes de
Trocas” e nas “Vídeo-Cabines”, durante as oficinas do Projeto Mídia e Conselhos, realizadas em
Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Salvador, Natal e Curitiba. /como construir um
plano de comunicação
/o exemplo
O Conselho de Direitos do estado da Bahia partiu para a ação e
que vem do sul elaborou o seu projeto de comunicação. Estruturado em três
partes, o plano contém um banco de dados, um site com um
O Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente de Caxias do Sul boletim eletrônico e o jornal Expressando Direitos. Para 2004,
(RS) está gradativamente se aproximando da imprensa local. Os conselheiros será lançado um novo programa de comunicação voltado para
fazem visitas periódicas aos veículos, acompanham as reportagens veiculadas empresários, visando captar recursos para o FIA, além de
seminários destinados à capacitação de jornalistas.
em tevês, rádios e jornais, o que tem estreitado a relação com os jornalistas e
pauteiros. Os profissionais da imprensa têm o telefone e o e-mail dos
/kit informação
conselheiros e sempre mantêm contato para novas entrevistas. Uma faz sucesso
preocupação do Conselho é conhecer o perfil dos conselheiros e a área com a
qual se identificam para indicá-los como fontes de informação. Alguns atuam em
Em Camaçari (BA), o Conselho
áreas específicas como educação e erradicação do trabalho infantil e, nesse
de Direitos tem espaços abertos junto
sentido, podem servir de referência para os jornalistas.
a emissoras de tevês, jornais e rádios
comunitárias. Nestes veículos, eles
distribuíram um “kit de formação”
sobre o Sistema de Garantias
/capacitação da imprensa de Direitos, contendo folders institu-
/de olho no calendário cionais dos Conselhos de Direitos
e Tutelares, cartilhas com a íntegra do
Para vencer o despreparo dos profissionais de Estatuto e informações sobre as
As datas comemorativas também são boas comunicação diante da temática da infância e da ações desenvolvidas pelos Conse-
oportunidades para se conseguir uma ampla cobertura adolescência, o Conselho de Direitos de Mato lhos. Os conselheiros enxergam a
da imprensa. Em Caxias (MA), a Semana do dia 18 de maio é sempre Grosso do Sul oferece cursos de capacitação mídia local como parceira na di-
movimentada, com a realização de entrevistas coletivas organizadas pelos para jornalistas. A idéia surgiu do entendimento vulgação do Estatuto da Criança e do
conselheiros e a participação em programas televisivos. São ações que garantem de que, apesar de não contarem com uma boa Adolescente.
a divulgação e a discussão sobre a data. Os Conselhos Tutelares utilizam uma formação sobre o tema, há muitos profissionais
assessoria pública como suporte para suas ações. Existe ainda um programa de com vontade de celebrar o compromisso social
rádio quinzenal, que conta com participação popular por telefone. O efeito é com crianças e jovens. Os conselheiros sentem
sempre positivo e cria na população o hábito de procurar o Conselho Tutelar no
caso de denúncias de violação do Estatuto da Criança e do Adolescente
que estão produzindo uma relação de confiança
com os jornalistas. 47
boas, criativas AÇÕES DE APROXIMAÇÃO COM A COMUNIDADE TÊM SE ESPALHADO POR TODO O BRASIL.
e baratas_ AQUI ESTÁ UMA REDE DE NOVAS IDÉIAS E UMA LISTA DE CONCEITOS QUE INDICAM
CAMINHOS PARA A CONSTRUÇÃO DE DIÁLOGOS MAIS PRÓXIMOS COM A COMUNIDADE

/alternativas em comunicação para mobilizar a sociedade

Muito além da tevê, do rádio e do jornal, a bibliotecas, legislações e dados estatísticos, com
comunicação está presente em nossas vidas, no extrema agilidade.
nosso cotidiano, a todo momento. No Brasil, a “mídia
alternativa” tem crescido ano a ano, a partir de No entanto, segundo o IBGE - Instituto Brasileiro de
iniciativas de pessoas que já entenderam que não Geografia e Estatística, apenas 10% da população
precisamos ter um programa numa emissora de rádio brasileira tem acesso à informática. Um dos grandes
ou que escrevamos artigos e matérias nos grandes desafios atuais da comunicação é combater a
jornais e revistas para sermos percebidos. “exclusão digital” e, por isso, crescem ações para
viabilizar a adoção das redes de computadores nas
Consideramos “mídias alternativas” aquelas soluções escolas e em espaços públicos como bibliotecas e
simples de comunicação criadas para atingir os mais centros culturais.
diferenciados públicos, contribuindo para a mobi-
lização da sociedade por meio das campanhas de É importante que os Conselhos ingressem na
esclarecimento, de convites para eventos, da come- era digital e utilizem os seus computadores
moração de datas específicas e da divulgação de como ferramentas de comunicação e pesquisa.
informações sobre serviços disponíveis. Para organizar e socializar as suas informações,
os Conselhos podem utilizar especialmente três
Selecionamos aqui algumas estratégias de comu- estratégias:
nicação eficazes para atingir nosso objetivo de difundir
a cultura promotora dos direitos da criança e do _Banco de Dados
adolescente para a sociedade. O Sipia – Sistema de Informação para a Infância e
Adolescência, em fase de implantação no País, tende a ser
O computador e a Internet – Os recursos da um mecanismo eficaz de produção de informações
informática possibilitam a produção de jornais padronizadas, nos parâmetros no Estatuto da Criança e do
eletrônicos, a criação de sítios (websites) eletrônicos Adolescente (ver quadro na página 61). Outro banco
que funcionam como apresentação das atividades importante para os Conselhos e para a Justiça da Infância e
desenvolvidas pelos Conselhos, a formação de redes da Juventude é aquele decorrente do registro de entidades e
de intercâmbio entre Conselhos, a criação de bancos inscrição de programas de atendimento a essa faixa etária,
de dados sobre denúncias recebidas, atendimentos e produzido pelo Conselho de Direitos. Oferecer informações
encaminhamentos, organização e disponibilização de organizadas e atualizadas é um dever que os Conselhos têm
arquivos de imagens, realização de consultas e
pesquisas em todos os campos e acesso a
em relação à população.
49
Boletim impresso – Os Conselhos podem também produzir materiais reciclados podem ser uma boa base para o jornal mural. A
50
seu próprio jornalzinho. O ideal é que ele tenha uma escolha do nome também é estratégica, sendo importante ouvir as
produção regular (bimestral, por exemplo) e o tamanho e sugestões encaminhadas pelo grupo. Algumas dicas de assuntos que
formato dependerão da disponibilidade de recursos de cada podem constar no jornal: notícias do Conselho; informativo da
Conselho. Um jornal deve ter pelo menos uma matéria comunidade; comentários sobre assuntos nacionais que repercutem
central e duas ou três matérias menores, além do editorial na vida do cidadão; informes do terceiro setor (inclusive cursos,
encontros, seminários); depoimento de algum parceiro; editorial; “Criamos uma rádio comunitária por
com a opinião do Conselho sobre determinado assunto. entendermos que a sociedade civil tem o
Importante trazer um expediente, seção que apresenta os humor.
direito de comunicar e ter um veículo de
nomes dos editores, repórteres, o nome do jornalista comunicação para divulgar suas ações. A
_Boletim Eletrônico responsável (todo jornal ou boletim impresso exige a figura Varal – O varal é um meio de divulgação para informes rápidos (uma rádio comunitária também tem um papel
Para facilitar e agilizar a comunicação, os do jornalista responsável, sob pena de multa prevista na Lei semana, no máximo). Impresso ou escrito em papel resistente, o importante de conscientização sobre o
Conselhos podem produzir regularmente um de Imprensa), o nome do Conselho, o seu endereço e material é pendurado como roupas numa corda. Dependendo do direito da criança e do adolescente. No
semi-árido da Bahia nós trabalhamos com
boletim eletrônico e distribui-lo por meio do correio telefone, e o nome e endereço da gráfica onde o boletim foi tamanho das notícias, elas podem ser protegidas por capas plásticas
a denúncia da exploração do trabalho
eletrônico (e-mail) para a rede de contatos e/ou impresso. No caso dos Conselhos que não possuem usadas em arquivos de documentos. A escolha do local é decisiva para infantil na pedreira e no sisal, atividades
disponibilizá-lo também na Internet. Ao fazer isso, jornalistas em seu quadro de funcionários, o ideal é convidar a eficiência do veículo. É preciso um espaço de grande circulação e insalubres que prejudicam a saúde. Os
é preciso ter em mente as características e um profissional local para ser colaborador na revisão ou sem corrente de ar. Festas populares, feiras, centros comerciais, ouvintes ligam para a rádio e denunciam o
necessidades do público que se quer atingir e edição do informativo e solicitar que ele seja o jornalista saguões, centros comunitários, escolas e bares são boas opções. trabalho infantil na zona rural, a violência
cuidar para que as informações sejam adequadas responsável da edição. Fotos e desenhos são muito doméstica. Imediatamente acionamos o
adequados, desde que bem relacionados com os assuntos Conselho Tutelar para tomar as medidas
(poucas e curtas) para este tipo de publicação. Sistemas de som – Outras alternativas de baixo custo são os necessárias”.
tratados e contenham legendas e créditos explicativos. sistemas de som, montados em carros, bicicletas, nos postes da Edsvânio Nascimento
_Página Eletrônica (website) cidade ou em uma feira. Também são úteis para divulgar o Conselho e, – Rádio Comunitária, Santa Luz /BA
É muito simples e barato construir uma página e Nos postes e ônibus – Em São João Del Rei (MG), existe o dependendo da região, as idéias mais simples podem ser a melhor
divulgá-la na Internet. Existem programas para a Jornal do Poste que é aguardado semanalmente pelos saída. Os sistemas de som podem ter programação ao vivo (como nas “Nós construímos o informativo Pandora
produção de páginas eletrônicas disponíveis moradores. Enquanto esperam o ônibus, eles podem feiras e festas) ou divulgar uma mensagem pré-gravada (em fita K-7 ou para que a sociedade conheça os
Conselhos, suas ações e projetos, onde
gratuitamente. Alguns lembretes são importantes: acompanhar as notícias da cidade. Em Belo Horizonte (MG), CD) pelas ruas da cidade, como no caso dos carros de som.
estão sendo aplicados os recursos
a página deve ser leve (poucas figuras ou a prefeitura produz o Jornal do Ônibus: em formato cartaz, públicos e quais os projetos em
desenhos que pesam muito), para que as pessoas os exemplares são distribuídos e afixados em todos os Panfletagem – Muitos Conselhos têm lançado mão dessa estratégia andamento. O nome e o logotipo do jornal
as acessem rapidamente, mesmo em compu- ônibus que circulam na cidade. Jornais veiculado em ônibus simples e direta de comunicação. Em espaços de grande circulação, foram escolhidos por crianças em um
tadores mais antigos. são um instrumento eficaz para a divulgação de campanhas os conselheiros podem distribuir materiais (folders, folhetos) referentes concurso sem prêmios.”
É interessante cadastrar a página nos chamados e datas importantes para os cidadãos que podem ser muito Lúcia Castênho
a campanhas ou para divulgar a existência e atividades dos Conselhos.
sites de pesquisa (Ex: Yahoo, Google, Cadê?, úteis para os Conselhos darem mais visibilidade a suas – CMDCA de Porto Alegre/RS
Muitas pessoas aproveitam para fazer perguntas na hora a quem está
Altavista, etc). Assim, quando alguém procurar pelo ações. distribuindo o material. Por isso é bom estar preparado. Para ser eficaz “Na carência de veículos sofisticados,
tema “direitos da criança e do adolescente”, o nessa estratégia é aconselhável que o material distribuído seja bonito e buscamos a igreja, a praça, solicitando aos
nome do Conselho aparece para o interessado. Os Jornal Mural – É um espaço coletivo muito utilizado e que atraente para os leitores. A prefeitura ou o governo estadual pode comerciantes que divulguem o trabalho
textos para Internet devem ser curtos e resumir a pode servir para divulgações externas (para a comunidade) apoiar a impressão desses materiais utilizando, muitas vezes, os através de embalagens dos produtos
idéia central, mas podem remeter a links com ou internas (dentro do Conselho). É fundamental que tenha profissionais que criam os produtos de comunicação e a estrutura das comercializados em seus
informações mais aprofundadas. É um bom espaço estabelecimentos. Enfim, haverá sempre
agilidade nas atualizações de conteúdo. Para promover a gráficas oficiais. O Estatuto (Art. 265) prevê que as gráficas
também para divulgar informações e estatísticas. uma forma de divulgar o trabalho quando
integração, também cabem comentários, correspondências administradas pelo governo federal devem promover impressão de as pessoas estiverem interessadas”.
As fotografias devem ter crédito e legenda e sua e textos divertidos. O local precisa estar em ponto de cópias do Estatuto para distribuição em escolas e entidades. Celina Chagas
divulgação deve ser previamente autorizada por
quem foi fotografado e por quem fotografou.
passagem obrigatório do público leitor. Uma chapa de
cortiça forrada com feltro e emoldurada com madeira, ou
– Conselheira Tutelar de
Belo Horiezonte/MG 51
/agenda cheia o ano inteiro
52
/trabalhando com as instituições da comunidade
Há espaços privilegiados para os Conselhos se comunicarem. São as instituições que existem no seu A imprensa acompanha eventos importantes ou datas significativas. Os Conselhos devem sugerir
entorno e aglutinam pessoas que dinamizam a rotina comunitária. “ganchos” (ver glossário) para os veículos de comunicação, a partir de datas importantes. Vejamos
alguns exemplos:

_Palestras em escolas e/ou aulas incorporadas ao currículo de todos os níveis de


ensino, por exemplo, têm sido utilizadas por vários conselheiros para divulgar
_Janeiro / Fevereiro _Julho
informações e formar nos estudantes uma opinião crítica, visando sua participação Época de matrícula escolar. Os Conselhos devem se posicionar Mês de aniversário do Estatuto da Criança e do Adolescente,
no exercício da defesa e promoção dos seus direitos. É importante que esse trabalho “A experiência que a gente teve sobre a política educacional do seu âmbito de atuação que foi promulgado em 13/07/90.
seja planejado junto com a escola; que tenha sistematicidade (e não seja algo de comunicação é que (municipal, estadual ou federal) e informar a população sobre _Agosto
começamos a visitar as escolas. suas decisões nessa área e o número de ocorrências
pontual) e que se estenda a toda comunidade escolar (alunos, professores, outros Lá em Igarassu/PE, temos 49 Neste mês comemora-se o Dia do Estudante (11) e a
profissionais e aos pais). Como o tempo do conselheiro é muito curto para atender registradas por falta de vagas.
escolas municipais, 10 escolas Semana da Pessoa com Deficiência (21 a 28). Informe sobre
toda a demanda de formação, é adequado que ele sugira outras pessoas para dar estaduais e, aproximadamente, _Março os direitos de crianças e adolescentes relacionados à
continuidade ao trabalho e fontes bibliográficas para que os profissionais de ensino 40 associações de moradores. As discussões sobre as questões da mulher podem ser educação e à inclusão social.
possam aprofundar seus conhecimentos e introduzir uma rotina de formação na Propusemos às escolas a aproveitadas pelos Conselhos no Dia Internacional da Mulher _Outubro
escola sobre os direitos da infância e da juventude. realizarem reuniões com os pais, para dizer dos direitos – respeitados ou violados – das
alunos e professores, onde meninas e de suas mães. 12 é o Dia da Criança
_As igrejas têm sido outro lugar muito utilizado pelos Conselhos para ganhar
exibimos vídeos e fazemos um
_Maio _Novembro
debate em cima do Estatuto da
visibilidade, repassar informes e desenvolver campanhas. Como a maioria delas tem Criança e do Adolescente. Hoje, Um bom momento para divulgar informações e posições O dia 20 é consagrado à consciência negra. Entre no debate
programas de atendimento ou participa de alguma forma na defesa da justiça social, as escolas procuram o Conselho sobre o trabalho infantil e de adolescentes, pois o dia 15 é o sobre a atenção social voltada para crianças e adolescentes
os canais de comunicação tendem a se estabelecer mais facilmente. É preciso em busca de material e o número Dia Internacional da Família de acordo com a ONU. Outra negros.
cuidado, no entanto, para que a causa dos direitos da criança e do adolescente não de denúncias no Conselho Tutelar pauta importante é a data do 18 de maio, estabelecida _Dezembro
seja confundida com um rito religioso e/ou ligada a um credo específico. praticamente duplicou.”
nacionalmente como o dia de reflexões sobre o Nos dias dedicados ao enfrentamento da Aids (1) e à saúde
Fernando Fernandes de Melo
– CMDCA de Igarassu/PE
enfrentamento da violência e exploração sexual de crianças (2), apresente informações sobre as políticas de orientação
_Os clubes de serviço (Rotary, Lions, Maçonaria) são geralmente muito acessíveis e adolescentes. para a vivência saudável e feliz da sexualidade e as da área
aos Conselhos e têm também como missão a promoção da eqüidade social, “Não podemos utilizar somente o _Junho da saúde, voltadas para crianças e adolescentes. No Dia do
potencialmente enriquecida a partir de uma parceria com os Conselhos. potencial da imprensa, do jornal, O dia 4 é dedicado internacionalmente às crianças vítimas Voluntário (5), apresente alternativas de discussão sobre
da televisão, do rádio, mas
de violência. Aproveite para divulgar a posição dos políticas de voluntariado dentro dos Conselhos.
_O processo de registro de entidades e de inscrição de programas, de também precisamos estar nas
associações de moradores, nos
Conselhos no sentido da proteção e promoção dos direitos
responsabilidade do Conselho de Direitos, é outra possibilidade de comunicação ao respeito e à integridade física. Posicione-se também em
boletins informativos das igrejas,
com instituições de atendimento a crianças e adolescentes. Além de gerar relação ao Dia Internacional do Meio Ambiente (5), falando
aproveitando aquele espaço,
informações para o Conselho, este processo media o diálogo entre ele e as entidades divulgando o Estatuto da Criança das condições ambientais em que crianças e adolescentes
e órgãos públicos que atendem nos regimes previstos no artigo 90 do Estatuto da e do Adolescente, aproveitando estão se desenvolvendo.
Criança e do Adolescente, no sentido de estabelecer indicadores de atendimento as rádios comunitárias. Temos
compatíveis com os princípios legais. que aproveitar todos os espaços
para divulgar a política de Dica Geral
_Outro processo que também serve para estreitar o contato com a comunidade é a atendimento à criança e ao
Em qualquer pauta, os Conselhos podem incluir a divulgação de experiências bem sucedidas
adolescente”.
escolha de conselheiros de direitos (não governamentais) e tutelares. É uma relacionadas ao assunto que está sendo tratado pela mídia. Merecem destaque iniciativas que se
Abigail Gonçalves Silva Corrêa
excelente oportunidade para esclarecer a sociedade civil o papel de cada um dos
Conselhos, além de avaliar sua atuação e prestar contas dos recursos recebidos.
– CMDCA de Governador
Valadares/MG
apresentam como solução para os desafios relacionados à promoção dos direitos da criança e do
adolescente e que, de alguma forma, têm um diferencial em relação ao que a população já conhece. 53
54
DIÁLOGO COM A COMUNIDADE
Durante os encontros regionais do Projeto Mídia e Conselhos, os
participantes relataram idéias inovadoras de comunicação, vencendo
as barreiras de infra-estrutura e recursos, aproveitando os espaços
que a própria comunidade oferece para dialogar sobre o Estatuto.

/pedalando e divulgando o Estatuto /1% para uma


/corpo a corpo vida 100% melhor
Em Vila Velha (ES), o Conselho Tutelar encontrou uma forma eficaz e barata de fazer a divulgação de
suas ações e do próprio Estatuto, atingindo um público maior. A comunicação é feita por meio da com a comunidade O Conselho Municipal de Defesa
bicicleta de som. Trata-se de um veículo único de comunicação que divulga pela cidade, através de caixa dos Direitos de Crianças e
de som conectada a um rádio, mensagens gravadas pelos conselheiros. O serviço é contratado pelo No Município de Belo Oriente (MG), os dois Adolescentes de Fortaleza (CE)
Conselho, que acredita ser este um valioso instrumento de divulgação das informações para a Conselhos Tutelares fazem panfletagem na realiza a campanha 1% para uma vida 100% melhor
comunidade. A mobilização agora é para conseguir a concessão de uma rádio comunitária para a região. feira livre da cidade para se comunicar com para sensibilizar os empresários e pessoas físicas a
o público. Duas vezes por semana, destinarem parte do imposto de renda para o Fundo
participam da feira distribuindo material Municipal. Em parceria com o Conselho Regional de
/o Estatuto informativo dos Conselhos, com suporte da Contabilidade do estado do Ceará, o Conselho
prefeitura municipal. As rádios comunitárias promoveu um seminário para contabilistas,
/som na feira vai às escolas são um outro meio de divulgar o trabalho e profissionais que desempenham papel fundamental no
informar os 20 mil habitantes da cidade trabalho de informar como as pessoas jurídicas e físicas
Os Conselhos de Camaçari (BA) Em Igarassú (PE), há três anos o Conselho Municipal sobre as ações dos Conselhos e a garantia podem destinar recursos ao Fundo, deduzindo-os na
utilizam o serviço de som da feira começou a visitar as escolas e associações de moradores dos direitos das crianças e adolescentes. declaração anual do Imposto de Renda.
para divulgar informações de da cidade para divulgar o Estatuto. Nas escolas, são
utilidade pública ligadas às suas levados televisão e vídeo e exibidos documentários sobre
ações, aproveitando o am- a função dos Conselhos. Também são realizadas reuniões
biente descontraído e a com pais de alunos, promo-vendo o debate público sobre
presença de um grande o Estatuto. O efeito já está sendo /a tenda itinerante
número de pessoas. sentido. Hoje, as escolas procu-
ram o Conselho em busca de Em São Miguel dos Campos (AL), o Conselho
materiais, o número de denún- Municipal, em parceria com o Conselho Tutelar e
cias no Conselho Tutelar a Secretaria da Infância e da Juventude,
praticamente duplicou e não juntamente com a prefeitura, criaram a Tenda
existe mais o conflito Conselho / Itinerante. A cada 15 dias, uma tenda é armada
escola / município. com o objetivo de divulgar informações sobre
Foi publicada ainda uma cartilha abuso sexual, negligência, trabalho infantil e
em quadrinhos para os alunos
enfocando aspectos do Estatuto.
higiene. O projeto ocorre na zona rural, onde
reside a maior parte da população do município. 55
ganhando espaços_ CONHEÇA AQUI UMA RELAÇÃO DE QUESTÕES QUE PODEM CONTRIBUIR
PARA TORNAR A TEMÁTICA DA INFÂNCIA E DO ADOLESCENTE
PRESENTE NO COTIDIANO DAS REDAÇÕES.

/banco de pautas
Sugerir assuntos, informar resultados de pesquisas, comunicar a realização de conferências e seminários sobre a
temática da infância e da adolescência são caminhos que fortalecem os laços entre os Conselhos e a mídia. O
Banco de Pautas que listamos é apenas uma sugestão inicial do levantamento de temas que os Conselhos podem
fazer para cultivar esta aproximação. Afinal, a imprensa vive de fatos para criar um diálogo diário com a sociedade.

/adolescência
_Adolescente em conflito com a lei _Adolescentes e a escola

Mostre ao jornalista quais são as ações previstas da rede Casos de professores mal remunerados e vivendo
de medidas socioeducativas e quais dificuldades ela tem péssimas condições de trabalho são noticiados
encontrado para o seu pleno funcionamento. Apresente todos os dias na imprensa. Mostre ao jornalista
os problemas sérios existentes pela rede. Valorize as que também é importante saber qual é a avaliação
ações bem sucedidas e busque histórias interessantes. da escola feita pelos próprios alunos. São eles que
É importante mostrar também casos de garotos que vivem o cotidiano escolar e são pouco ouvidos.
estejam cumprindo as medidas, mas que tenham Divulgue projetos e métodos criativos de
problemas de enquadramento e ajuste a elas, lembrando aprendizado. Sugira ao repórter abrir espaço para
o papel da sociedade na reinserção desses jovens. o questionamento sobre o compromisso que os
Esclareça que, ao buscar dados sobre o assunto, o alunos têm com a escola e quais são os reais
jornalista deve ter o cuidado de contextualizar os interesses deles. Vontade de aprender não falta.
números comparando-os com indicadores sociais e Muitos alunos acham que os professores não se
econômicos do município. Ofereça cópias dos artigos preocupam com o aprendizado deles. Na
103 a 125 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que contramão, muitos professores acham os
reconhecem o ato infracional praticado por adolescentes estudantes desinteressados. O que, na opinião
e determinam medidas a serem tomadas como resposta dos alunos, poderia ser feito para melhorar a
social a este ato. qualidade do ensino, de forma viável e criativa?

Outras fontes: juiz, promotor da infância e da juventude, Outras fontes: educadores, secretaria e Conselhos de
conselheiros tutelares, pesquisadores de universidades que Educação, projetos de protagonismo juvenil e sites
tenham estudos sobre o assunto, pais de adolescentes e (Aprendiz do futuro, Editora Moderna on line, Estadão na
adolescentes (infratores e não infratores) e sites (Ministério da Escola, Escola net).
Justiça, IBGE e Unicef).
57
58
_Adolescentes do meio rural _Vida cultural de crianças cação, pode-se ampliar o espaço para a reflexão
/família
e adolescentes com deficiência sobre a situação dos povos indígenas e, conseqüen-
Ensino precário, dificuldade de acesso à saúde, temente o diálogo e o respeito entre os índios e não- _O direito à convivência familiar e comunitária
transporte deficitário e falta de opção de lazer e índios.
No Brasil, existem quase três milhões de crianças e
tecnologia são alguns dos problemas que levam os Apresente dados históricos que comprovem a
adolescentes com algum tipo de deficiência. Eles têm
adolescentes do campo a procurarem melhores Outras fontes: Fundação Nacional do Índio (Funai), Coordenação ineficácia do atendimento institucional em substituição
direito à cultura garantido pelo Estatuto, como das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab),
condições e alternativas de vida nas grandes cidades. à família. Informe sobre o conteúdo dos artigos 19 a 52
qualquer outro cidadão nessa faixa etária. Será que secretarias municipais e estaduais de ensino, ONGs e
A falta de políticas públicas no meio rural causa o do Estatuto da Criança e do Adolescente, que
existe uma preocupação em realmente possibilitar o entidades que trabalham com a defesa da questão indígena.
inchaço das cidades e o crescimento caótico das reconhecem o direito incondicional à convivência
acesso dessas pessoas aos bens culturais? Quais são
favelas. Qual é a realidade dos adolescentes do familiar e comunitária. Argumente que não é justo nem
as dificuldades que eles encontram para freqüentar
campo? Quais são as políticas públicas voltadas a ético que uma criança seja privada desse direito só por
museus, teatros, shows, etc? Existem políticas
eles? O que os atrai para a cidade? O que gostariam ser pobre. Explique que a lei determina, quando foram
públicas que incentivem e garantam esse acesso?
que fosse feito para que tenham vontade e tentadas todas as alternativas de permanência na
Qual é importância dessa vivência cultural para a
possibilidade de continuar em suas cidades? Existem família natural, que seja providenciada uma família
formação desses cidadãos?
programas de apoio? Com o que eles podem contar substituta. Mostre que o custo de uma criança
nos mais diversos segmentos, como saúde, edu- Outras fontes: secretarias municipais e estaduais de cultura,
institucionalizada é muito maior do que apoiar
cação, lazer e sexualidade? entidades governamentais ou não governamentais de apoio às _Educação infantil financeira e pedagogicamente uma família para cuidar
pessoas com deficiência, especialistas. dela. Questione a insuficiência de programas públicos
Outras fontes: Confederação Nacional dos Trabalhadores na voltados para a família, como Bolsa-Escola e Bolsa-
Existe um mito de que com a Lei de Diretrizes e Bases
Agricultura, MST, Nossa Terra Nossa Escola (Incra), OIT, Alimentação. Apresente a posição do Conselho
Programa de Interiorização do Trabalho em Saúde
da Educação (LDB/96) o atendimento a crianças de
Municipal e do Conselho Tutelar em relação a políticas
(Ministério da Saúde). zero a 6 anos passou para a educação e agora não
de apoio à família.
seria mais assunto do Conselho de Direitos nem do
Conselho Tutelar. Mostre que o Estatuto da Criança e
Outras fontes: educadores; pais; crianças e adolescentes; juiz;
do Adolescente, no Artigo 54, inciso IV, já fazia
/cultura e comportamento /educação referência ao dever do poder público de oferecer
promotores de justiça; psicólogos; pedagogos; assistentes
sociais e sites (IBGE, Ministério da Justiça).
_Consciência negra _Educação indígena atendimento em creches e pré-escolas a crianças
pequenas e que a nova LDB só regulamentou isso
como um direito exigível. Insista que esta é uma
Existem iniciativas de discussão sobre a questão racial No Brasil, a população indígena está espalhada em _Dia das crianças
nas escolas? Há uma reflexão sobre a cultura e história praticamente todo o território nacional. Portanto, é conquista do movimento pelos direitos da criança e
afro-brasileira? Procure iniciativas em que os projetos importante abrir um leque de sugestões sobre essa continua a ser pautado pelos Conselhos Municipal e
Prepare um balanço da situação da infância no seu
didáticos levem em conta aspectos da cultura negra comunidade. Como funcionam as escolas indígenas? Tutelar. Apresente dados que comprovem a
município. Apresente dados estatísticos que mostrem
local e relate aos jornalistas. Mostre a importância de O calendário é adaptado às datas festivas e rituais da importância do atendimento educacional para essa
o que está funcionando e o que não está nas mais
uma criança negra se reconhecer como tal. Lembre comunidade? O que acontece quando as crianças faixa etária. Sugira visitas a instituições de educação
diversas áreas como saúde, educação, lazer,
que pequenas iniciativas podem garantir uma terminam o equivalente à 4ª série? Todas as crianças infantil. Dê visibilidade ao que o Conselho de Direitos
mortalidade infantil. A partir dos dados, especialistas
convivência melhor entre crianças negras e brancas e continuam estudando a 5ª série? Elas têm acesso ao tem decidido em relação a esta política e às demandas
podem analisar o que precisa e pode ser melhorado.
que a sociedade também tem um papel importante ensino fundamental completo e o ensino médio? Que e encaminhamentos do Conselho Tutelar.
Compare o que o estado e o município estão
nesses casos. impacto, sob a avaliação das crianças, o investimento garantindo a infância com o que determina o Estatuto.
Outras fontes: secretário de educação; Conselho de Educação;
na escolarização pode ter sobre as culturas indígenas?

59
educadores e dirigentes de instituições de educação infantil;
Outras fontes: movimentos negros organizados, educadores, As escolas do município abordam a cultura indígena pais; crianças; psicólogos; pedagogos; assistentes sociais e Outras fontes: IBGE, especialistas, secretarias de saúde,
pesquisadores da cultura negra, jovens do movimento hip hop. em seus conteúdos? Mostre que, por meio da edu- site (Ministério da Educação, Fundação Orsa). de educação, Ministério Público.
60

/leis e direitos sociedade tem de manter relações pacíficas. Compare


este tema com a educação sexual, mostrando que é
_Registro civil
_Descentralização político-administrativa melhor uma orientação planejada, fundamentada, do Procure saber qual é o percentual de sub-registro na sua
e municipalização do atendimento que deixar que as crianças e jovens tenham cidade. Com base nesses números, mobilize a imprensa para
informações distorcidas, equivocadas do tipo "eu só a causa. Mostre que sem esse documento a criança não será
A descentralização muitas vezes é vista como um tenho direitos". Muitos Conselhos têm feito visitas às cidadã e não terá acesso a outros direitos básicos
obstáculo ao atendimento governamental. Argumente escolas, oferecendo palestras para pais, educadores fundamentais. Divulgue a importância de se registrar uma
que a proximidade do poder de decisão do local onde e educandos sobre o Estatuto e o trabalho dos criança logo após o nascimento e a possibilidade de se obter
será executada a ação amplia as chances de eficácia. Conselhos. o documento para os adolescentes que não foram
Defenda que aumentar o número de pessoas registrados ao nascer. Quais as dificuldades vividas por uma
Outras fontes: juiz; promotor; secretário de educação; Conselho criança ou adolescente que não tem certidão de nascimento?
responsáveis pela decisão torna mais democrático o
de educação; educadores e dirigentes de escolas; pais;
processo. Explique que o que está errado é o fato de crianças e sites (Conanda, Fórum DCA Nacional, Senado,
Divulgue ainda que o registro é gratuito.
os recursos não terem sido descentralizados. Estimule ABMP).
as pessoas a se aproximarem dos Conselhos e fóruns Outras sugestões úteis para as Outras fontes: Secretaria Especial de Direitos Humanos,
de discussão de políticas públicas. Dê exemplos fontes e jornalistas podem ser Secretarias Municipais de Direitos da Cidadania, ANDI, IBGE, Unicef.
_Privação da liberdade
concretos de situações que melhoraram ou mesmo se encontradas nos livros da coleção
reverteram graças à atuação dos Conselhos. Divulgue Mídia e Mobilização Social, parceria
Durante a internação, em algumas entidades, os
os processos de escolha de conselheiros de Direitos e
adolescentes não têm direito a visitas íntimas nem de
entre a ANDI, o Unicef e a Cortez /saúde
Tutelares. Editora. As publicações estão
receberem preservativos. Antes de serem internados,
disponíveis nas livrarias e também _Aids e as meninas
Outras fontes: prefeito; lideranças comunitárias; militantes do
muitos tinham vidas sexuais ativas. Alguns têm até
podem ser solicitadas à editora:
movimento pelos direitos da criança e do adolescente e sites filhos. Como eles lidam com essa proibição? O que diz O sexo feminino é mais vulnerável numa relação sexual devido
cortez@cortezeditora.com.br
(Conanda, Fórum DCA Nacional). o Estatuto com relação às internações? As entidades a fatores biológicos. Portanto, é preciso intensificar as ações
têm o direito de privar o adolescente de afeto e prazer? de prevenção entre as adolescentes de 13 a 19 anos. Além
Como o interno, que na adolescência vive um disso, na adolescência as meninas costumam esconder das
_O estatuto da criança momento crucial da formação sexual, reage à mães que têm uma vida sexual ativa e acabam não se
proibição de visitas íntimas? Até que ponto essa prevenindo. Outro problema comum às jovens é o medo de
e do adolescente na escola
privação do corpo, afeto e sexualidade prejudica seu impor a seus jovens parceiros o uso de preservativos. A
desenvolvimento? Qual a posição das instituições e pressão do machismo ainda impera entre o público jovem e
A escola é um lugar privilegiado para o debate sobre o
das Secretarias Estaduais de Saúde? E do impede a prevenção às DSTs. Qual é o papel da escola em
Estatuto, levando ao conhecimento dos alunos os
Departamento da Criança e do Adolescente/Ministério relação à sexualidade de adolescentes? Como elas estão
seus direitos. Uma boa pauta a sugerir aos jornalistas
da Justiça? abordando o tema? Os professores estão preparados para
é o esforço de algumas escolas em levar a lei ao seu
público direto. Lembre que cidadania é uma via de falar sobre sexo? E as alunas? Como prepará-las para tomar
Outras fontes: Ministério da Saúde, Unicef, Conanda, Fonacriad a iniciativa de usarem preservativo e se cuidarem?
mão dupla, ou seja, a todo direito, corresponde um (Fórum Nacional de Dirigentes Governamentais de Entidades
dever. Mostre que quanto mais os cidadãos tiverem Executoras da Política de Promoção de Defesa dos Direitos da
noção de seus direitos e deveres mais chances a Criança e do Adolescente).
Outras fontes: Programa Nacional de DST e Aids, médicos, programas
de educação sexual, professores e alunas. 61
Os Conselhos pelo Brasil_
62
QUADRO DEMONSTRATIVO DO NÚMERO DE CONSELHOS TUTELARES E DE DIREITOS NO PAÍS.
/trabalho Estatuto da Criança e do Adolescente - Artigos 60 a 69
que tratam da proibição do trabalho para menores de
TAMBÉM É APRESENTADO O NÚMERO DE CONSELHOS TUTELARES QUE JÁ TRABALHAM COM O
SIPIA - SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA.
_Estudo e emprego - um sonho 16 anos e das condições para o trabalho de
adolescente, um desafio social adolescentes. Leve as pessoas a concluírem que o
que está errado é a realidade social e, portanto, ela é
nº Conselhos nº Conselhos Nº CTs
Quais são as dificuldades que um adolescente que precisa mudar, avançar, e não a lei retroceder. UF nº municípios municipais tutelares com SIPIA
encontra para estudar e ingressar no mercado Mostre o que o Conselho Tutelar tem apurado em
AC 22 16 15 10
profissional? O que diz a legislação sobre o trabalho na relação à violação deste direito e o que o Conselho de
Direitos propõe como política de enfrentamento. AL 102 85 76 27
condição de aprendiz e o direito à educação? Existem
AM 62 30 26 7
políticas públicas que garantam o exercício correto das
atividades? Quais são os entraves para que a lei possa Outras fontes: Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do AP 16 13 10 0
Trabalho Infantil, fóruns estaduais, delegados e fiscais da BA 417 214 124 18
se configurar como realidade na vida dos Delegacia Regional do Trabalho; promotores de justiça;
adolescentes? Estudo e emprego são privilégios empresários; educadores; médicos; psicólogos; assistentes CE 184 183 173 76
apenas de parte da população que tem melhores sociais; pais; crianças, adolescentes e sites do Ministério do DF 1 1 Conselho Distrital 10 8
condições de renda? Os adolescentes pobres têm que Trabalho, da Justiça, da OIT, do Unicef. ES 78 78 84 17
trabalhar? Mostre ao jornalista como esclarecer essas GO 246 197 192 40

Fonte: Conselhos Estaduais dos Direitos da Criança e do Adolescente.


dúvidas, quais são os atores sociais que podem
MA 217 131 83 17
responder por isso e qual a situação real da educação
e do trabalho no seu município. Procure também
/violência MG 853 330 302 66
iniciativas que protejam o trabalho adolescente, como _Abuso sexual MS 78 77 75 67

*Estes dados são de 2002, ainda não estão atualizados.


o Projeto Primeiro Emprego. Converse com MT 139 123 122 1
adolescentes aprendizes. Reúna dados e estatísticas sobre o abuso sexual. PA 143 129 104 28
Busque diferentes abordagens e não fique apenas na PB 223 83 65 0
Outras fontes: OIT, PETI, Sistema S (Senai, Sesi e Senac), denúncia de casos pontuais. Será que os médicos, ao
Delegacias Regionais do Trabalho, Ministério Público do
PE 185 130 120 57
identificar indícios de violência numa criança,
Trabalho, secretarias municipais. PI 222 135 105 0
denunciam ao Conselho Tutelar, às delegacias ou
promotorias? De acordo com o estatuto, o médico ou
PR 399 379 378 188
responsável que deixar de comunicar a suspeita de RJ 108 98 98 31
_Trabalho de crianças e adolescentes maus-tratos deve ser penalizado com multa. A falta da RN 167 104 45 15
denúncia pode se dar por medo ou até mesmo por RO* 52 50 29 0
Provoque o debate propondo uma reflexão sobre a desconhecimento. Informe os jornalistas sobre a RR 15 15 6 9
igualdade de direitos entre as crianças pobres e ricas. legislação e como apresentar o problema sem que a RS 497 399 392 20
Apresente depoimentos de especialistas acerca dos criança seja revitimizada.
prejuízos que o trabalho precoce causa ao indivíduo e SC 293 293 296 114
à sociedade. Mostre a incoerência de sacrificar a Outras fontes: programa Sentinela, pediatras, enfermeiros,
SE 75 75 63 37
infância e adolescência dos pobres, enquanto cresce o psicólogos, instituições de saúde, entidades governamentais e SP 645 642 471 171
desemprego dos pais adultos. Ofereça cópias do não-governamentais. TO 139 111 84 9
TOTAL 5578 4120 3548 1033
Dados atualizados em outubro de 2003, pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Informações: (61) 429.3454
63
o Projeto
Para dar maior visibilidade aos Conselhos Tutelares e de Direitos, a ANDI
Mídia e Conselhos_ desenvolveu em parceria com o Conselho Nacional dos Direitos das Crianças
e Adolescentes (Conanda) e a Secretaria Especial de Direitos Humanos da
Presidência da República, com o apoio da Rede ANDI e Petrobras, o Projeto
Mídia de Conselhos – Aliança Estratégica na Prioridade Absoluta aos Direitos
das Crianças e dos Adolescentes.

Dividida em duas etapas, a iniciativa


realizou, em um primeiro momento, seis
oficinas nas diversas regiões do País,
durante as quais, jornalistas e conselheiros
puderam discutir caminhos para um
relacionamento profissional. As oficinas
foram excelentes oportunidades para que
esses profissionais participassem da Rede
de Trocas de Experiências e relatasse suas
vivências de comunicação. O resultado dos
encontros é a elaboração deste Guia, que
possibilitará aos conselheiros ampliar seus
conhecimentos sobre o universo da
comunicação e dos veículos de imprensa,
estabelecendo uma relação profissional e
efetiva com as redações.

A outra etapa do Projeto consistiu na


realização de uma campanha publicitária
denominada Conselho Tutelar: todo mundo
precisa conhecer, lançada em julho de 2003
no 13º aniversário do Estatuto da Criança e
do Adolescente. Criada para dar visibilidade
aos Conselhos Tutelares, a campanha é
composta por VTs, spots para rádio e
anúncios para jornais e revistas - elaborados pela Cipó – Comunicação INFORMAÇÕES ANDI
(61) 322-6508
Interativa, agência da Rede ANDI na Bahia. Diversos grupos de comunicação
redeandi@andi.org.br
vêm contribuindo de forma decisiva para o sucesso da campanha, veiculando
gratuitamente as produções. Novas rádios interessadas em inserir
voluntariamente os spots na programação, encontram cinco versões
disponíveis para download nos sites da ANDI, Conanda e agências da Rede
ANDI. Os VTs e anúncios podem ser solicitados à ANDI pelo e-mail
redeandi@andi.org.br. 65
e
66
mídiaconselhos
um guia para encurtar a distância
entre Conselhos de Direitos,
Conselhos Tutelares e a sociedade realização_
ANDI -
Agência de Notícias
dos Direitos da Infância
Presidente: Anamaria Schindler
Diretor de Planejamento: Marcus Fuchs
Diretor Editor: Veet Vivarta
Coordenação Executiva Rede ANDI:
Graziella Nunes
SDS Ed. Boulevard Center, assessoria_
Bloco A, Sala 101 CEP 70391-900 Gláucia Barros
Brasília/DF (61) 322.6508 Bernardo Brant
andi@andi.org.br / www.andi.org.br
pesquisa e redação_
CONANDA - Adriano Guerra
Conselho Nacional dos Direitos Bernardo Brant
da Criança e do Adolescente Carlos Mendonça
Presidente: Nilmário Miranda Débora Jabour
Vice-presidente: Fabrício Santos
José Fernando da Silva Gláucia Barros
Assessora Técnica: Maria Bernate Olivo Henrique Milen
Esplanada dos Ministérios, Bloco T, Ivanéa Maria Pastorelli
Anexo 2, Sala 506, Ministério da Justiça, Luiz Guilherme Gomes
CEP 70064-901 Brasília/DF Márcia Maria
(61) 225.2327
conanda@sedh.gov.br assistentes de produção_
www.presidencia.gov.br/sedh/conanda Alcione Rezende
Débora Jabour
apoio_ Leonardo Brandão
Secretaria Especial de Direitos Humanos / Lisane Ferreira
Presidência da República Ane Lima
Rede ANDI
Petrobras edição de textos_
Beatriz Lima
coordenação geral_
Oficina de Imagens / Rede ANDI fotos de projetos sociais_
Diretor-executivo: Mila Petrillo
Luiz Guilherme Gomes
Rua Salinas, 1.101 Santa Tereza projeto gráfico_
CEP 31015-190 Belo Horizonte/MG Adriano Paulino
(31) 3482.0217 Henrique Milen
administracao@oficinadeimagens.org.br Rogério Santiago

REALIZADO COM RECURSOS DESTINADOS PELA PETROBRAS AO FUNDO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE