Você está na página 1de 4

A IGREJA: UM LUGAR DE HABITAÇÃO PARA DEUS (20/11/2020)

Se você já viajou multiculturalmente, provavelmente sabe o que é se sentir


deslocado - não falar o idioma, ficar confuso com as normas culturais. Você
provavelmente sabe o que é afundar naquele sentimento solitário e perdido de
forasteiro e ansiar mais uma vez pelo lar.

Witold Rybczysnki, em seu livrinho fascinante Home: A Short History of an Idea , diz
que o lar é aquele “sentimento estabelecido de satisfação que nos supera quando
as circunstâncias se unem para nosso conforto, bem-estar e bem-estar”. Quando
ouvimos isso, é provável que surja alguma imagem de “casa” em nossa mente - um
lugar onde nosso corpo e alma podem ficar à vontade e por um momento sentir que
está tudo bem com o mundo.

O famoso arquiteto austríaco Christopher Alexander costumava encorajar seus


clientes a "sonharem com o design". Ele diria:

Imagine-se em uma tarde de inverno com um bule de chá, um livro, uma lâmpada
de leitura, sua cadeira favorita e duas ou três enormes almofadas para se encostar.
Você coloca o chá onde pode alcançá-lo, mas não onde pode derrubá-lo. Você
puxa a luz para baixo, para iluminar o livro, mas não muito, para que possa ver a
lâmpada nua. Você absorve e fica confortável. Você bebe, você lê e sonha. 1

Parece maravilhoso, não é?

O problema é que podemos estar no tipo de lugar que Christopher Alexander


acabou de descrever e ainda nos sentirmos terrivelmente deslocados.
Surpreendentemente, podemos estar nos ambientes mais perfeitamente caseiros e
ainda assim nos sentirmos estranhos em nossa própria pele.

Em Efésios, Paulo está escrevendo para um público em grande parte gentio -


para um povo que vive no lugar em que cresceram, cercado por pessoas que
conhece e ama, e habita uma cultura que conhece como a palma da sua mão. Eles
são tudo, menos estranhos. Mesmo assim, Paulo diz a eles, vocês já foram
“estranhos” e “estrangeiros” ( Efésios 2:12 ) . Ao dizer isso, Paulo não está falando
da maneira usual como entendemos esses termos. Seu foco não está nos laços
nacionais, familiares ou culturais. Paulo está falando espiritualmente . Ele está se
referindo ao fato bem documentado de que os gentios (ou seja, não-judeus) eram
no passado "separados de Cristo, alienados da comunidade de Israel e estranhos
aos pactos da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo ” (Eph. 2:12 ) . Dito
de outra forma, embora os efésios se sintam à vontade na bela cidade antiga de
Éfeso, eles estão radicalmente deslocados espiritualmente. E aquela profunda
sensação de perda da alma que cada um de nós experimenta não é algo que
devemos enfiar profundamente e fingir que não existe; nem devemos tentar superá-
lo saturando-nos com os confortos da criatura do mundo. Em vez disso, nossa
profunda sensação de fora do lugar é uma pista que nos leva a uma descoberta
muito importante.

Enquanto Paulo escreve para a igreja em Éfeso, ele os chama a se lembrar de


seu deslocamento espiritual e a entrar no novo lar que Deus fez para eles. Um
lar onde são recebidos por meio do sangue de Jesus Cristo. Uma casa que atende
pelo nome de igreja .

De acordo com Paulo, a igreja é o início de nosso futuro lar agora.

Esses antes estranhos e alienígenas agora são “concidadãos. . . e membros


da família de Deus. ” A linguagem de “concidadãos” e “família de Deus” descreve
uma reversão radical. Não somos mais estranhos e alienígenas. Por meio da fé na
pessoa e na obra de Jesus Cristo, fomos recebidos em uma comunidade, uma
família e um lar - a igreja.

Mas saiba disso: sempre que ex-estranhos e alienígenas chegam em casa com
toda sua bagagem de vagabundos e se sentam para "fazer a vida" juntos, nem
sempre vai ser bonito. Vai parecer uma vida normal em casa.

Afinal, o lar é o lugar onde você será verdadeiramente conhecido e amado de


verdade. No fundo do nosso coração, isso é o que todos nós queremos. Mas para
conhecer verdadeiramente essa realidade, temos que correr o risco, o risco de
sermos conhecidos. Para muitos de nós, o risco é muito grande. Temos medo da
rejeição, então agimos ou fingimos ser alguém que não somos - alguém que
pensamos que será aceitável - para sermos amados (ou pelo menos gostados).

Em outras palavras, nosso medo nos leva a agir de forma falsa. E sempre que
fazemos isso, os velhos sentimentos perdidos e solitários de estranho e alienígena
voltam correndo. As velhas realidades de isolamento e estranhamento aparecem
novamente porque estamos agindo novamente como alienígenas e estranhos
dentro do corpo de Cristo, entre as pessoas a quem Deus chama de nossa família.
Quando permitimos que nossa união com Jesus Cristo conduza nossa
comunhão uns com os outros, algo sobrenatural acontece. Começamos a
encontrar nosso lugar na família de Deus. Nossa experiência na igreja se torna
cada vez mais familiar. Nas palavras de Paulo, somos “edificados juntamente no
Espírito, para morada de Deus” ( Efésios 2:22 ) .

Você entede isso? Você e eu - somos uma “morada para Deus”. Deus faz Sua
morada entre nós. Quando você ouve isso, pensa no templo do Antigo
Testamento? Isso é exatamente o que Paulo quer que você pense. Porém, mais
do que apontar para o grande edifício que Salomão construiu, Paulo está nos
mostrando uma casa ainda mais bonita, construída sobre o alicerce dos apóstolos e
profetas, tendo Cristo Jesus como pedra angular. Somos as pedras vivas
crescendo juntas para se tornar um lar para Deus ( Ef 2: 20–22 ; 1 Pedro 2: 4-8 ) .

Isso é exatamente o que aconteceu no Antigo Testamento. Depois que


Salomão construiu o templo, somos informados, “uma nuvem encheu a casa do
Senhor, para a glória do Senhor encheu a casa do Senhor” ( 1 Reis 8:10 ) . Deus
veio morar entre Seu povo. De uma forma mais profunda, Deus fez morada entre
nós por meio da encarnação de Jesus Cristo e da habitação do Espírito Santo. Não
uma casa física de tijolos e argamassa, mas em nós e conosco, o povo de Deus.

E nas assembléias da igreja, Deus se encontra conosco. Como Ele fez em Atos
2, quando a velha coluna de fogo à noite e a coluna de nuvem de dia apareceram
de uma maneira nova, mas familiar, sobre as cabeças dos discípulos. E os
discípulos falaram em línguas estrangeiras, para que homens e mulheres de
diferentes origens culturais, nacionais, étnicas e religiosas - estrangeiros e
estrangeiros - pudessem no evangelho de Jesus Cristo ser feitos concidadãos e
membros da família de Deus.

Você quer se aproximar de Deus? Então aproxime-se de Sua igreja. Participe


do culto semanalmente. Reúna-se regularmente para comunhão. Sirva fielmente as
necessidades do corpo de Cristo. Entregue sua vida ao povo de Deus. Pois entre
Seu povo, Deus tem o prazer de habitar.

Citado em Craig G. Bartholomew, Where Mortals Dwell: A Christian View of


Place .Craig G. Bartholomew ↩︎
O Rev. Nate Shurden é pastor sênior da Cornerstone Presbyterian Church e
membro adjunto do corpo docente do New College Franklin em Franklin,
Tennessee. Você pode segui-lo no Twitter em @NateShurden .

Você também pode gostar