Você está na página 1de 27

Significado de Ética

O que é Ética:

Ética é o nome dado ao ramo da filosofia dedicado aos assuntos


morais. A palavra ética é derivada do grego, e significa aquilo que
pertence ao caráter.
Num sentido menos filosófico e mais prático podemos compreender
um pouco melhor esse conceito examinando certas condutas do
nosso dia a dia, quando nos referimos por exemplo, ao
comportamento de alguns profissionais tais como um médico,
jornalista, advogado, empresário, um político e até mesmo um
professor. Para estes casos, é bastante comum ouvir expressões
como: ética médica, ética jornalística, ética empresarial e ética
pública.

A ética pode ser confundida com lei, embora, com certa frequência,
a lei tenha como base princípios éticos. Porém, diferentemente da
lei, nenhum indivíduo pode ser compelido, pelo Estado ou por
outros indivíduos, a cumprir as normas éticas, nem sofrer qualquer
sanção pela desobediência a estas; mas a lei pode ser omissa
quanto a questões abrangidas pela ética.

A ética abrange uma vasta área, podendo ser aplicada à vertente


profissional. Existem códigos de ética profissional que indicam
como um indivíduo deve se comportar no âmbito da sua profissão.
A ética e a cidadania são dois dos conceitos que constituem a base
de uma sociedade próspera.
Ética e Moral
Ética e moral são temas relacionados, mas são diferentes, porque
moral se fundamenta na obediência a normas, costumes ou
mandamentos culturais, hierárquicos ou religiosos e a ética, busca
fundamentar o modo de viver pelo pensamento humano.
Na filosofia, a ética não se resume à moral, que geralmente é
entendida como costume, ou hábito, mas busca a fundamentação
teórica para encontrar o melhor modo de viver; a busca do melhor
estilo de vida. A ética abrange diversos campos, como antropologia,
psicologia, sociologia, economia, pedagogia, política, e até mesmo
educação física e dietética.

Ética no Serviço Público


O tema da ética no serviço público está diretamente relacionada
com a conduta dos funcionários que ocupam cargos públicos. Tais

1
indivíduos devem agir conforme um padrão ético, exibindo valores
morais como a boa fé e outros princípios necessários para uma vida
saudável no seio da sociedade.

Quando uma pessoa é eleita para um cargo público, a sociedade


deposita nela confiança, e espera que ela cumpra um padrão ético.
Assim, essa pessoa deve estar ao nível dessa confiança e exercer
a sua função seguindo determinados valores, princípios, ideais e
regras. De igual forma, o servidor público deve assumir o
compromisso de promover a igualdade social, de lutar para a
criação de empregos, de desenvolver a cidadania e de robustecer a
democracia. Para isso ele deve estar preparado para pôr em prática
políticas que beneficiem o país e a comunidade no âmbito social,
econômico e político.

Um profissional que desempenha uma função pública deve ser


capaz de pensar de forma estratégica, inovar, cooperar, aprender e
desaprender quando necessário, elaborar formas mais eficazes de
trabalho. Infelizmente os casos de corrupção no âmbito do serviço
público são fruto de profissionais que não trabalham de forma ética

O que é Ética e Moral:

No contexto filosófico, ética e moral possuem diferentes


significados. A ética está associada ao estudo fundamentado dos
valores morais que orientam o comportamento humano em
sociedade, enquanto a moral são os costumes, regras, tabus e
convenções estabelecidas por cada sociedade.
Os termos possuem origem etimológica distinta. A palavra “ética”
vem do Grego “ethos” que significa “modo de ser” ou “caráter”. Já a
palavra “moral” tem origem no termo latino “morales” que significa
“relativo aos costumes”.
Ética é um conjunto de conhecimentos extraídos da investigação do
comportamento humano ao tentar explicar as regras morais de
forma racional, fundamentada, científica e teórica. É uma reflexão
sobre a moral.
Moral é o conjunto de regras aplicadas no cotidiano e usadas
continuamente por cada cidadão. Essas regras orientam cada
indivíduo, norteando as suas ações e os seus julgamentos sobre o
que é moral ou imoral, certo ou errado, bom ou mau.
No sentido prático, a finalidade da ética e da moral é muito
semelhante. São ambas responsáveis por construir as bases que
vão guiar a conduta do homem, determinando o seu caráter,

2
altruísmo e virtudes, e por ensinar a melhor forma de agir e de se
comportar em sociedade.

O que é Ética Profissional:

Ética profissional é o conjunto de normas éticas que formam a


consciência do profissional e representam imperativos de sua
conduta.
Ética é uma palavra de origem grega (éthos), que significa
“propriedade do caráter”.
Ser ético é agir dentro dos padrões convencionais, é proceder bem,
é não prejudicar o próximo. Ser ético é cumprir os valores
estabelecidos pela sociedade em que se vive.

O indivíduo que tem ética profissional cumpre com todas as


atividades de sua profissão, seguindo os princípios determinados
pela sociedade e pelo seu grupo de trabalho.

Cada profissão tem o seu próprio código de ética, que pode variar
ligeiramente, graças a diferentes áreas de atuação.

No entanto, há elementos da ética profissional que são universais e


por isso aplicáveis a qualquer atividade profissional, como a
honestidade, responsabilidade, competência e etc.

Código de Ética Profissional

O Código de Ética Profissional é o conjunto de normas éticas,


que devem ser seguidas pelos profissionais no exercício de
seu trabalho.
Este código é elaborado pelos Conselhos, que representam e
fiscalizam o exercício da profissão.

O código de ética médica, por exemplo, em seu texto descreve:

“O presente código contém as normas éticas que devem ser


seguidas pelos médicos no exercício da profissão,
independentemente da função ou cargo que ocupem.
A fiscalização do cumprimento das normas estabelecidas neste
código é atribuição dos Conselhos de Medicina, das Comissões de
Ética, das autoridades de saúde e dos médicos em geral.
Os infratores do presente Código, sujeitar-se-ão às penas
disciplinares previstas em lei”.

3
O Código de Ética do Educador 
Os professores e suas responsabilidades

É inerente a todas as profissões o compromisso, o engajamento, o


comprometimento. Esta não é uma regra, mas assume-se que
todas as pessoas devam tentar levá-la adiante, levando-se em
conta que cada um de nós atue profissionalmente de forma ética,
em benefício dos empreendimentos nos quais estamos envolvidos.
Isto significa respeito tanto por quem nos contrata e remunera
quanto pelas pessoas que atendemos e a quem direta ou
indiretamente prestamos serviços.

Tal razão, tão simples e objetiva, deve nortear nossas ações em


qualquer circunstância, exceto, é óbvio, naquelas em que há
coação, coerção ou violência de qualquer natureza a forçar-nos no
trabalho, na ação profissional.

Ao assumir compromissos profissionais e assinar contratos de


trabalho, não apenas nos comprometemos com nossos chefes e
patrões ou com nossos clientes, pacientes ou alunos, temos a partir
de então um compromisso muito maior com cada um de nós
mesmos. Nossos nomes passam a ser avaliados e percebidos no
âmbito profissional e também pessoal a partir das ações que

4
realizamos, da conduta que temos, dos relacionamentos que
fomentamos, dos resultados que somos capazes de obter...

Se não formos capazes de compreender isto, certamente muito


mais do que aparentes prejuízos para empresas, hospitais, escolas
ou qualquer outro tipo de empreendimento, assim como para
clientes internos ou externos, causaremos danos irreversíveis para
nossas próprias imagens...

No caso dos educadores, há certamente, como nas demais áreas


de atuação profissional, direitos e deveres como parte do caminho
que devemos trilhar. É justo e necessário que conheçamos e
possamos utilizar de nossos direitos quando assim for necessário,
nunca em demasia, jamais ultrapassando os limites éticos que
sabemos presentes em nossa profissão.

É, por exemplo, o que deve ocorrer quanto às faltas eventuais que


ao longo de nossa carreira podem ocorrer. Doenças, intervenções
cirúrgicas, falecimentos e problemas familiares (com nossos
cônjuges, filhos, pais, irmãos, avós...) ocorrem com todas as
pessoas em alguns momentos de suas vidas e, por conta destas
dificuldades, as fazem ausentes. Como compromisso ético, é de
fundamental importância que nos ausentemos somente quando isto
realmente acontecer, o que, infelizmente, não é o que de fato
ocorre...

Utilizar-se de expedientes como atestados médicos que lhe


autorizem a ficar longe do trabalho por períodos longos, sem que
realmente a pessoa esteja doente, constitui ação vil, que prejudica
(e muito) os alunos (atrasando sua formação), onera ainda mais o
setor público (com gastos adicionais para eventuais substituições)
ou que, ainda, coloca até mesmo em risco físico as crianças e
adolescentes que dispensados mais cedo das aulas... É uma ação
que tem, portanto, conseqüências sérias (não apenas as
mencionadas, mas muitas outras poderiam ser citadas), muitas
vezes desprezadas por quem a realiza...

Como parte do Código de Ética dos educadores, num primeiro


parágrafo, poderíamos inserir o compromisso da Assiduidade e,
também, da pontualidade. Ser o mais freqüente possível, faltar
apenas quando realmente for muito necessário e chegar um pouco
antes do início das atividades escolares é elemento basilar da ação
dos educadores. E é tão elementar que nem consta como parte de

5
qualquer contrato de trabalho que tenhamos que assinar,
simplesmente se espera que as pessoas, dotadas de bom senso,
assumam este compromisso.

Um segundo parágrafo deveria ressaltar que de tudo faremos para


que se EFETIVE a APRENDIZAGEM, ou seja, que utilizaremos
metodologias, recursos e, em especial, nossa inteligência e
criatividade para que a educação realmente aconteça. Este
compromisso, podem pensar alguns de vocês, deveria ser o
primeiro, com o que posso concordar, mas a questão da presença e
da demonstração física do engajamento me pareceu tão importante
no atual estado da educação pública brasileira que acabei
colocando-a no parágrafo primeiro... Talvez este seja um equívoco
a ser repensado e reparado posteriormente...

Indo um pouco além, e até mesmo para que os tópicos anteriores


tenham sentido e validade, é preciso que os educadores se
ATUALIZEM SEMPRE quanto aos seus SABERES e PRÁTICAS
PEDAGÓGICAS, assim como no que se refere aos seus
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (enquanto especialistas em
história, geografia, letras, matemática, educação física, artes,
inglês...), e também a ATUALIDADES. Creio que este poderia ser o
parágrafo terceiro de nosso Código de Ética do Educador.

Outro ponto importantíssimo, que neste breve texto trago como


essencial para a ética profissional dos professores refere-se à ideia
de que o trabalho que realizamos é de suma importância social e
que, como tal, realiza-se dentro do contexto de equipes, que
contam com vários trabalhadores... Nesse aspecto, compreender-se
como parte de EQUIPES DE TRABALHO, colaborando para que
estes times tenham o melhor desempenho possível, sem perder de
vista suas individualidades, mas entendendo-as como parte que
enriquece e torna ainda melhor o todo da ação empreendida na
escola seria nosso parágrafo quatro.

Fecharia este primeiro ensaio/reflexão sobre este assunto de tão


grande dimensão e repercussão no quinto parágrafo deste Código
pensando nossa ação profissional quanto à repercussão e relações
humanas. Os educadores são os artífices de um amanhã possível,
de realizações grandiosas, que podem permitir o surgimento de um
mundo mais justo. Já disse anteriormente e repito agora,
professores podem salvar vidas...

6
E isto não se refere apenas ao nobre ato de trazer a tona,
apresentar e discutir saberes com nossos alunos - refere-se
também, e principalmente - ao fomento de relações humanas em
que prevaleçam a solidariedade, a ética, a cidadania, a
honestidade, o amor...

Portanto, como quinto e último parágrafo a ser proposto inicialmente


para um Código de Ética do Educador penso em algo como
propiciar o diálogo, a compreensão e a troca no âmbito escolar e
fomentar entre os alunos a curiosidade, o amor pelo conhecimento
e a relação cordial, porém sempre aberta ao debate e a tolerância
quanto a diferentes posições e ideias. VALORIZAR O SER
HUMANO, talvez pudesse este ser o mote deste parágrafo... Penso
que nesta última proposição esteja sendo poético e/ou filosófico
demais, mas num mundo como o nosso, em que tudo é
racionalidade e resultado, se não nos dermos o direito de sonhar, o
que há de acontecer conosco..

Ética Profissional

A presente declaração representa um compromisso individual e


coletivo dos professores e do pessoal de apoio à educação.
Complementa leis, estatutos, regras e programas que definem o
exercício da profissão. É também um instrumento que tem como
objetivo ajudar os professores e o pessoal de apoio à educação a
responder às questões relativas à sua conduta profissional e, em
simultâneo, aos problemas que surgem no relacionamento entre os
diferentes parceiros educativos.

Preâmbulo sobre ética profissional

A educação pública de qualidade, pedra angular de uma sociedade


democrática, tem o dever de proporcionar a todas as crianças e
jovens as mesmas oportunidades educativas e é fundamental para
o bem-estar da sociedade ao contribuir para o seu desenvolvimento
económico, social e cultural. Os professores e o pessoal de apoio
têm a responsabilidade de fomentar a confiança da comunidade na
qualidade dos serviços que se espera que ofereçam todos os que
trabalham nesta importante tarefa.
O exercício de critérios responsáveis está no centro da atividade

7
profissional e as ações dos professores e do pessoal de apoio,
dedicados, competentes e comprometidos na ajuda a cada aluno
para que alcance todo o seu potencial, são essenciais para
proporcionar uma educação de qualidade.
À experiência e ao empenho dos professores e pessoal de apoio
devem associar-se boas condições de trabalho, o apoio da
comunidade e políticas capazes de proporcionar uma educação de
qualidade. Só quando todos os componentes necessários estão nos
seus devidos lugares é que é possível aos professores e ao pessoal
de apoio cumprir totalmente suas responsabilidades para com os
estudantes e a comunidade onde trabalham.
A profissão de educador pode beneficiar com o debate sobre os
valores fundamentais da profissão. Assim, uma crescente
consciencialização das normas e da ética da profissão pode
contribuir para aumentar a satisfação profissional dos professores e
do pessoal de apoio, e de potenciar o seu prestígio e auto-estima,
aumentando o respeito que a sociedade sente por estes
profissionais.
Os professores, o pessoal de apoio e seus sindicatos, por serem
membros da Internacional da Educação (IE), estão comprometidos
com a promoção de uma educação que ajude as pessoas a
desenvolver as suas capacidades, para que possam viver uma vida
plena, contribuindo para o bem-estar da sociedade.
Reconhecendo o alcance das responsabilidades inerentes ao
processo educativo e a responsabilidade de atingir e manter os
mais altos níveis de conduta ética e profissional, em relação aos
estudantes, aos colegas, aos pais, as organizações filiadas na
Internacional da Educação devem:

a) promover ativamente entre os seus filiados as políticas e


resoluções adoptadas pelo Congresso da Internacional da
Educação e pelo seu Conselho Executivo, incluindo a presente
Declaração sobre ética profissional;

b) trabalhar para assegurar que os trabalhadores da educação


beneficiem de boas condições de trabalho que lhes permitam
cumprir plenamente as suas responsabilidades, garantindo a todos
os mesmos direitos, no respeito pela Declaração da OIT, relativa
aos princípios e direitos fundamentais do trabalho e seu
desenvolvimento, que engloba os seguintes fatores:

Direito à liberdade de associação;

8
Direito à negociação coletiva;

Direito à não discriminação no trabalho;

Igualdade no trabalho;

Eliminação do trabalho forçado ou    escravo;

Eliminação do trabalho infantil.

c)trabalhar para assegurar que os seus membros beneficiem dos


direitos que figuram na Recomendação relativa à situação do
pessoal docente da OIT/UNESCO e na Recomendação sobre a
condição do pessoal docente do ensino superior da UNESCO;

d)combater todas as formas de racismo, de preconceito e de


discriminação na educação, baseadas no sexo, estado civil,
orientação sexual, idade, religião, opinião política, nível económico
ou social, ou baseadas nas origens nacionais ou étnicas;

e)cooperar ao nível nacional para promover uma educação de


qualidade para todos e todas, financiada pelo governo, para
melhorar a situação dos trabalhadores da educação e proteger os
seus direitos;

f)usar a sua influência para tornar possível a todas as crianças do


mundo, sem qualquer tipo de discriminação, e especialmente para
aquelas que trabalham, que pertencem a grupos marginais ou que
atravessem dificuldades especiais, o acesso a uma educação de
qualidade.

DECLARAÇÃO

Tendo isto em conta, a IE recomenda a adopção da seguinte


Declaração, a fim de orientar os professores e outros trabalhadores
da educação e seus sindicatos para o respeito pelos padrões éticos
requeridos pela profissão.

1. Compromissos com a profissão

Os profissionais da educação devem:

a) justificar a confiança pública e aumentar o respeito pela


profissão, oferecendo a todos uma educação de qualidade;

9
b) garantir que o conhecimento profissional seja constantemente
atualizado e aperfeiçoado;

c) determinar a natureza e o formato de programas de formação


contínua como expressão essencial do seu profissionalismo;

d) divulgar toda informação relevante relacionada com as suas


competências e qualificações;

e) lutar, participando ativamente no seu sindicato, para obter


condições de trabalho que incentivem o ingresso de pessoas
altamente qualificadas na profissão;

f) apoiar todos os esforços para promover a democracia e os


direitos humanos através da educação;

2. Compromissos com os estudantes

Os profissionais da educação devem:

a) respeitar os direitos de todas as crianças, em particular dos


estudantes, para que possam beneficiar do disposto na Convenção
das Nações Unidas sobre os Direitos das Crianças, particularmente
no que diz respeito à educação;

b) salvaguardar e promover os interesses e o bem-estar de todos os


estudantes, protegendo-os de intimidações e de abusos físicos e
psicológicos;

c) tomar todas as medidas para proteger os estudantes de abusos


sexuais;

d) atender aos problemas que afetam o bem-estar dos estudantes,


tratando-os cuidado, dedicação e discrição;

e) ajudar os estudantes a desenvolver um conjunto de valores de


acordo com os padrões internacionais de direitos humanos;

f) manter relações profissionais com os estudantes;

g) reconhecer a individualidade e as necessidades específicas de


cada aluno, e estimulando-os para que possa desenvolver
plenamente as suas potencialidades;

10
h) proporcionar aos estudantes o sentimento de pertença a uma
comunidade, baseada em compromissos mútuos de
comprometimento com  a existência de um lugar para todos;

i) exercer a autoridade com justiça e solidariedade;

j) garantir que a relação privilegiada entre professor e aluno não é


utilizada para fins de proselitismo ou controle ideológico.

3. Compromissos com os colegas

Os profissionais da educação devem:

a) promover um relacionamento amigável com todos os colegas,


respeitando a situação profissional e as suas opiniões,
aconselhando e apoiando sobre tudo os que se encontram em início
de carreira ou em formação;

b) manter a confidencialidade sobre informações relacionadas com


os colegas, obtidas no decurso da prática profissional, a menos que
sua divulgação seja requerida por lei ou por dever profissional;

c) auxiliar os colegas na sua avaliação, após negociação e acordo


entre os sindicatos e os empregadores;

d) defender e promover os interesses e o bem-estar dos colegas e


protegê-los de qualquer forma de abuso físico, psicológico ou
sexual;

4. Compromissos com a direção

Os profissionais da educação devem:

a) estar informados das suas responsabilidades legais e


administrativas, respeitar as clausulas dos contratos coletivos e os
direitos dos educandos;

b) cumprir as instruções razoáveis dadas pela direção, tendo o


direito de as questionar através de procedimento claramente
estabelecido.

5. Compromissos com os pais

Os profissionais da educação devem:

11
a) reconhecer o direito dos pais acompanharem, através de canais
previamente estabelecidos, o bem-estar e o progresso dos seus
filhos;

b) respeitar a autoridade legal dos pais, mas dar conselhos do


ponto de vista profissional,  tendo em conta o interesse superior das
crianças;

c) realizar todos os esforços possíveis no sentido de envolver


ativamente os pais na educação dos filhos, auxiliando o processo
de aprendizagem e garantindo que as crianças não sejam vítimas
de trabalho infantil.

6. Compromissos com os professores

A comunidade deve:

a) possibilitar que os professores se sintam confiantes e que sejam


tratados justamente enquanto no exercício de suas tarefas;

Ética na Escola
O que é ética na escola, resumo, exemplos, atitudes éticas, importância e resultados
positivos, professores e alunos e a ética na educação.

Ética na escola: todos saem ganhando

 
Introdução
 
A escola é um ambiente propício para o exercício e aprendizado da ética.
Através dela, professores, alunos e funcionários podem obter resultados
positivos no processo educacional, melhorando o ambiente de trabalho e
aprendizado. Em suma, se todos agirem de forma ética na escola todos
sairão ganhando, pois os resultados serão positivos.

12
 

Os professores
 
Os professores desempenham papéis fundamentais no que se refere à ética
na escola.
 
As crianças e jovens aprendem mais com exemplos do que com palavras. O
professor que age de forma ética com alunos, professores e funcionários
escolares passam aos alunos um importante modelo de comportamento
ético.
 
Exemplos de atitudes éticas dos professores:
 
- Ensinar aos alunos o que é ética e sua importância nos diversos níveis
como, por exemplo, ambiente de trabalho, família, escola, grupo de amigos
e etc.
 
- Esclarecer e cumprir com clareza aos alunos os métodos de ensino e
avaliações.
 
- Ouvir e respeitar as opiniões dos alunos.
 
- Buscar a qualidade no processo educacional.
 
- Cumprir prazos na entrega de documentações, diários, avaliações, notas e
etc.
 
- Não expor erros ou deficiências de alunos na frente de toda classe.
Conversar com o aluno em particular.
 
- Ser justo na correção e avaliação de provas e trabalhos escolares.
 
- Respeitar e ser educado no relacionamento com outros professores,
alunos, pais de alunos e profissionais da escola.
 
- Não fazer comentários em sala de aula sobre o comportamento ou
métodos de ensino de outros professores.
 
- Seguir a proposta educacional da escola, assim como seus métodos de
avaliação.
 
- Agir de forma proativa no que se refere à integração de alunos com
deficiência física ou transtorno psicológico.  

13
 
Os alunos
 
As crianças e jovens estão no processo de aprendizagem e, portanto, a ética
deve-lhes ser ensinada e cobrada. Sabemos que muito do comportamento
ético do aluno tem como origem a família, principalmente os pais. Porém,
cabe à escola trabalhar a ética no ambiente escolar para que resulte em
melhor qualidade de ensino.
 
Exemplos de atitudes éticas dos alunos:
 
- Respeitar o trabalho dos professores e funcionários da escola. Respeitar
também o direito de aprender dos outros alunos. Na prática, isso significa
não conversar, brincar ou atrapalhar de qualquer forma os momentos em
que o professor está explicando ou tirando dúvidas de outros colegas.
 
- Não colar em avaliações ou elaboração de trabalhos escolares.
 
- Não usar trabalhos prontos, disponíveis na Internet, para entregar aos
professores.
 
- Não praticar bullying.
 
- Buscar ter um comportamento que crie um ambiente positivo e agradável
na escola.
 
- Não pagar para outros alunos ou “profissionais” para que elaborem
trabalhos (comportamento antiético mais comum no ensino superior).
 
- Não colocar apelidos em colegas e professores que possam causar
mágoas, ferir sentimentos ou a autoestima.
 
- Seguir as regras e normas de funcionamento da escola.
 
- Tratar com respeito e educação colegas que possuam algum tipo de
deficiência motora ou transtorno psicológico. Se possível, ajudar no
processo de integração destes alunos.
 
Diretores, coordenadores e assistentes
 
Estes funcionários também desempenham um papel fundamental na
construção de um ambiente educacional ético.
 

14
Exemplos de atitudes éticas destes profissionais:
 
- Todos devem tratar com respeito e educação os alunos, professores e
demais funcionários da escola.
 
- Os coordenadores devem orientar de forma positiva e eficiente os
professores e alunos.
 
- Os diretores devem criar as condições físicas e pedagógicas para que o
processo educacional ocorra da melhor forma possível.
 
- Os diretores e coordenadores não devem expor os erros ou deficiências de
um professor na frente dos outros profissionais. Conversar com o professor
em particular

Ética e valores morais na formação de profissionais


da educação

“A educação, portanto, é o maior e


o mais árduo problema que pode ser proposto aos homens” (Kant, 2002,
AK446). A ética e os valores morais estão ligados diretamente a uma
cultura, independentes de como sejam seus costumes ou tradições, a
ética começa a existir a partir de um pilar central, o ser humano e suas
relações entre o meio em que vive. Para avançarmos na busca de
esclarecimentos sobre o tema aqui sugerido, a ética e valores morais na
formação de profissionais da educação, teríamos que iniciar analisando o
período em que vivemos dentro da história de nossa cidade, quais são
suas características, quais foram os rompimentos com as estruturas
passadas e o que tem influenciado a formação humana de nossa
sociedade. Sendo o objetivo desta pesquisa, identificar como a ética está
sendo trabalhada nos cursos de formação de professores, que
metodologias são utilizadas pelos docentes ao abordar este conteúdo em
suas disciplinas e apresentar um diagnóstico do estado atual da questão
no que se concerne na prática pedagógica quando o tema é reflexão e
formação ética e de valores morais no processo de ensino aprendizagem,
não exemplificaremos tais dados históricos e culturais. Mas reforçamos
que seriam de grande auxílio e nos dariam mais subsídios para
concluirmos com clareza e profundidade o que verdadeiramente nos faz
sermos o que somos em nosso contexto. Compreender por completo esta

15
sociedade é quase impossível, na maioria das vezes, é um desafio tentar
entender o modo de raciocínio do qual se utiliza para planejar, criar ou
progredir. Tamanha dificuldade esta, que pode ser comparada há um
problema de caráter natural e existencial, que talvez, poderá ser
solucionado por um físico quântico. Recordamos aqui a frase do ilustre
Albert Einstein que diz: “Os problemas que existem no mundo não podem
ser resolvidos a partir dos modos de raciocínio que deram origem aos
mesmos”, mas muitas vezes assim o fizemos. Para qualquer escritor torna-
se tarefa árdua opinar sobre temas como sociedade, educação, moral e
ética, tendo por consciência que este, o autor, faz parte da cultura
existente, e esta, foi criada com sua participação. Para o autor, torna-se
uma obrigação libertar-se da “doxa” que o envolve, a visão viciada do
universo e suas características, dando origem a um movimento
considerado raro em nossa vida, mas que possibilita alcançarmos um
patamar crítico reflexivo do mundo, necessário para posicionarmos
perante tais assuntos. Sabendo que a sociedade do século XXI, tem
características pluralistas, relativistas e capitalistas, entre outras,
descrever sobre tais temas acaba sendo um desafio, que instiga os
sentidos humanos, na busca de respostas que parecem inatingíveis, como:
A educação ainda consegue estimular o processo de humanização na
criatura humana? Como a ética pode vencer a mídia e suas super
produções? Como estimular a formação intelectual numa sociedade que
tem priorizado os prazeres sexuais e afetivos? Neste momento,
tentaremos encontrar premissas consideradas universais, que quase todos
praticamos ou vivenciamos em nossa vida, auxiliando-nos a compreender
de forma coerente as respostas encontradas em nossos questionários,
respondidos pelos alunos concluintes dos cursos de licenciatura da UCS.

Reflexões sobre a ética profissional na


educação

 Desde o início de sua existência no planeta, o homem sofre


influência do ambiente em que vive e também o influencia,
convive com seus semelhantes e organiza-se em sociedade, e
através de um processo, que vai desde a observação de um fato,
passando pela conclusão e desencadeando da ação, ele estabelece

16
o seu conjunto de práticas ou regras que o ajudam nesta relação
com o meio e com o seu semelhante.

O ser humano evolui ao longo do tempo e isto o direciona para as


corretas relações humanas.  Atualmente podemos observar grandes
mudanças em relação à vida em sociedade, os relacionamentos
entre as pessoas estão diferentes, nós enquanto profissionais da
educação, estamos sentindo os imprevistos das várias e rápidas
transformações que vêm ocorrendo no meio social. 
A ética deveria estar presente em todos os segmentos da
sociedade, seja na política, na família e nos meios de
comunicação, esta precisaria ser o norteador de todas as ações
que atinge as pessoas, mas deveria ser ainda mais presente e
atuante na educação. Será que o meio em que os profissionais da
educação trabalham pode ser um fator influenciável para
determinar a importância da ética em suas relações profissionais?
Percebemos que nas escolas temos profissionais que trabalham
infelizes, com baixa remuneração, têm medo do desemprego e
seus valores acabam se tornando voláteis. Estamos vendo a tudo
isso de forma passiva, sem na maioria das vezes saber como
devemos proceder. Observamos que tudo aponta para as questões
éticas, nos diferentes segmentos que estruturam nossa vida em
sociedade e como esses valores foram esquecidos ou simplesmente
deixados de lado.
Temos o habito de avaliar certas práticas sociais e profissionais às
quais estamos ligados no dia a dia, mas não se pode dizer que ela
venha ocorrendo explicitamente e com a mesma frequência
quando colocamos a educação escolar em pauta, difícil é às vezes
em que a discussão ética é presenciada de modo explícito no
campo pedagógico, principalmente entre os pares escolares. A
escola expõe ainda outro ponto muito importante, não basta
apenas ensinar conceitos e valores que democratiza, é preciso que
eles sejam vivenciados, experienciados no convívio intraescolar,
principalmente entre educadores, sendo este o ponto de partida
para se discutir a ética na escola.
Para ser ético precisamos tomar consciência de nossos atos, agir
com autocontrole e apreço, ou seja, respeitando-se e respeitando
as pessoas do nosso convívio. Um número significativo de docentes
desconhece o que é ser ético na sua profissão de educador.
Transformar a escola em um espaço efetivamente plural seria uma
das formas mais eficazes de uma educação ética ou para a ética,
porque permitiria a expressão das diferenças num espaço público
de modo a incorporar todos os valores sem hierarquizá-los. 

17
Discutir a formação docente e as diversas possibilidades de se
trabalhar a ética na formação profissional é fundamental para que
este valorize seu trabalho e entenda sua importância na formação
ética de seus alunos por meio do bom exemplo e postura
profissional
Não se pode ignorar que o professor, a escola e os profissionais que
ali atuam detenham o poder de formar cidadãos. E, mais ainda,
que esses profissionais, quando no exercício público da razão,
podem e devem ter uma responsabilidade ética pelo que ensinam,
transmitem e opinam. 
Para finalizar essa reflexão gostaríamos de direcionar a
responsabilidade de uma transformação para nós educadores, pois
somos nós que precisamos assumir uma postura ética, moral e
critica a fim de provocar mudanças que tanto desejamos em uma
sociedade estruturada na desigualdade.

Desde o início de sua existência no planeta, o homem sofre


influência do ambiente em que vive e também o influencia,
convive com seus semelhantes e organiza-se em sociedade, e
através de um processo, que vai desde a observação de um fato,
passando pela conclusão e desencadeando da ação, ele estabelece
o seu conjunto de práticas ou regras que o ajudam nesta relação
com o meio e com o seu semelhante.

O ser humano evolui ao longo do tempo e isto o direciona para as


corretas relações humanas.  Atualmente podemos observar grandes
mudanças em relação à vida em sociedade, os relacionamentos
entre as pessoas estão diferentes, nós enquanto profissionais da
educação, estamos sentindo os imprevistos das várias e rápidas
transformações que vêm ocorrendo no meio social. 

A ética deveria estar presente em todos os segmentos da


sociedade, seja na política, na família e nos meios de
comunicação, esta precisaria ser o norteador de todas as ações
que atinge as pessoas, mas deveria ser ainda mais presente e
atuante na educação. Será que o meio em que os profissionais da
educação trabalham pode ser um fator influenciável para
determinar a importância da ética em suas relações profissionais?

Percebemos que nas escolas temos profissionais que trabalham


infelizes, com baixa remuneração, têm medo do desemprego e
seus valores acabam se tornando voláteis. Estamos vendo a tudo
isso de forma passiva, sem na maioria das vezes saber como

18
devemos proceder. Observamos que tudo aponta para as questões
éticas, nos diferentes segmentos que estruturam nossa vida em
sociedade e como esses valores foram esquecidos ou simplesmente
deixados de lado.

Temos o habito de avaliar certas práticas sociais e profissionais às


quais estamos ligados no dia a dia, mas não se pode dizer que ela
venha ocorrendo explicitamente e com a mesma frequência
quando colocamos a educação escolar em pauta, difícil é às vezes
em que a discussão ética é presenciada de modo explícito no
campo pedagógico, principalmente entre os pares escolares. A
escola expõe ainda outro ponto muito importante, não basta
apenas ensinar conceitos e valores que democratiza, é preciso que
eles sejam vivenciados, experienciados no convívio intraescolar,
principalmente entre educadores, sendo este o ponto de partida
para se discutir a ética na escola.

Para ser ético precisamos tomar consciência de nossos atos, agir


com autocontrole e apreço, ou seja, respeitando-se e respeitando
as pessoas do nosso convívio. Um número significativo de docentes
desconhece o que é ser ético na sua profissão de educador.
Transformar a escola em um espaço efetivamente plural seria uma
das formas mais eficazes de uma educação ética ou para a ética,
porque permitiria a expressão das diferenças num espaço público
de modo a incorporar todos os valores sem hierarquizá-los. 

Discutir a formação docente e as diversas possibilidades de se


trabalhar a ética na formação profissional é fundamental para que
este valorize seu trabalho e entenda sua importância na formação
ética de seus alunos por meio do bom exemplo e postura
profissional

Não se pode ignorar que o professor, a escola e os profissionais que


ali atuam detenham o poder de formar cidadãos. E, mais ainda,
que esses profissionais, quando no exercício público da razão,
podem e devem ter uma responsabilidade ética pelo que ensinam,
transmitem e opinam. 

Para finalizar essa reflexão gostaríamos de direcionar a


responsabilidade de uma transformação para nós educadores, pois
somos nós que precisamos assumir uma postura ética, moral e
critica a fim de provocar mudanças que tanto desejamos em uma
sociedade estruturada na desigualdade.

19
FORMAÇÃO ÉTICA PARA DOCENTES E DISCENTES
Ser ético e sensível é uma exigência ontológica. Enquanto pessoa
imbuída numa sociedade estratificada e desigual o professor,
através de suas ações, deve minimizar os efeitos desta; assim, o
problema do ensino será necessariamente um problema
epistemológico que envolve a concepção de mundo e o
entendimento da educação como prática social e a docência
enquanto mediação dos sujeitos pela via do conhecimento.
A necessidade de regulação e controle social é justificada pela
conduta humana de transgredir normas e ir de encontro ao
estabelecido quer seja no aspecto pessoal ou profissional. Do ponto
de vista pessoal a subjetividade cria argumentos que são ancorados
na visão de vida e de mundo que cada pessoa carrega na sua
personalidade; fato este que aliado à história de vida traz nuance
interpretativas de significação relacionadas a processos indenitários
de gênero, etnia, religiosidade e outros impregnados por questões
éticas e suas variantes (antiéticas e aéticas).
No que diz respeito ao profissional é fundamental que haja
normativas que assegurem posicionamentos imperativos ou não
visando assegurar via legislação a regularidade no trato a pessoa
humana e aos conflitos gerados nas relações.
Se o homem necessita de argumentos coercitivos para designar
suas atitudes, também o precisará para lhe beneficiar nos
momentos em que agindo seguindo princípios morais e éticos vier a
ser julgado pelos seus atos.
Hoje no que tange ao exercício do magistério existe uma legislação
extensa, como exemplo o Plano Nacional de Educação, o Estatuto
do Magistério público e privado, os Planos de Carreira que buscam
assegurar direitos e deveres ao profissional de educação; no
entanto percebe-se a necessidade de direcionamentos específicos
que venham a dar conta de demandas conflitivas no fazer
docente/pedagógico.
No que tange às relações construídas socialmente entre ética e
educação, nota-se como afirma Amorim Neto (2012) que a
indefinição e falta de clareza provocado pela banalização do termo
ética vem esvaziando-a de sentido.
Cobrar ética dos outros confere ao reclamante um ar de
engajamento ou mesmo de intelectualidade. Entretanto, o uso
exagerado da palavra, paradoxalmente, aponta para a ausência de

20
sua prática. Se, no espaço do senso comum, pela carência, fala-se
bastante em ética, no meio acadêmico, a ética e a moral, como
corrobora Nicola Abbagnano (2007, p. 451), também tem
despertado “o maior interesse e as maiores discussões” (AMORIM
NETO; BERKENBROK, 2012, p. 24 -25).
No Brasil, em especial, é comum a substituição do termo moral por
ética principalmente após o período da ditadura quando tudo que se
almejava era desvincular o papel disciplinador, controlador e
modelador contidos nas disciplinas escolares em particular OSPB
(Organização Social e Política Brasileira) e EMC (educação moral e
Cívica), que tanto serviram ao modelo militar.
Esta rechaça à palavra moral faz com que se utilize a
palavra ética também no sentido de dever, de normas, de leis: “as
constantes referências atuais à ética parecem mais relacionadas a
uma demanda quase que desesperada por normas, por limites, por
controle” La Taille (2006 a p.28). Afinal existem códigos de ética
para empresas, comitês de ética para pesquisas acadêmicas e até
os inacreditáveis comitês  de ética em instancias politicas, como o
Senado e o Congresso Nacional. A preferencia pela “nobreza” da
palavra ética tem implicado muito mais um moralismo, por meio de
regras excessivas, do que o exercício da liberdade e da autonomia
(AMORIM NETO; BERKENBROK,, 2012, p. 37).
As demandas sociais, fruto de uma sociedade castradora e
repressiva, fez com que o momento seguinte estivesse voltado a
manter a liberdade e a autonomia das pessoas, ainda que em
alguns casos fosse ferido o princípio da convivência comunitária e
harmoniosa. O desejo de se “deixar fazer” rompeu com limites
morais e posteriormente éticos imprescindíveis a uma sociedade
que compreende, ao passo que reflete suas condutas, sem a
necessidade de coerções legais estipuladas em códigos normativos
relacionais. Daí o sentimento de segurança que advém dos
preceitos legais da ordem civil ou deontológicas.
Cada vez mais se buscam elementos legais registrados que
garantam o direito ou o dever das pessoas individualmente ou em
grupo; assegurando desta forma o pseudo sentimento de amparo.
Também os vínculos profissionais precisam estar assegurados por
força de lei para que se estabeleça uma relação biunívoca entre
poder e obrigação.
Há de cuidar para que ao falar de direitos e deveres não se tenha
em mente apenas questões morais ou relacionadas à moralidade,
mas uma postura questionadora que envolva a reflexão e

21
consequentemente a ética profissional. Ao que se refere a moral,
moralidade e ética, faz-se necessário abrir um parêntese uma vez
que se verifica a confusão e já o desgaste dos termos utilizados
inicialmente.
A fuga do uso da terminologia “MORAL” ligada a ideologias que na
verdade traziam argumentos da “MORALIDADE” [3] provocaram
não só no senso comum, assim como nos meios acadêmicos o
desgaste do termo “MORAL”, sendo o mesmo substituído por ética
ainda que não abarquem as mesmas concepções.
Cortina (2007) apud Amorim Neto (2012, p. 25) chama atenção a tal
fato além de ressaltar a tendência atual de se extinguir a moral em
função da ética havendo, deste modo, a desvinculação entre uma e
outra.
Segundo a autora, os próprios estudiosos estão empenhados em
extingui-la, deixando a ética privada de seu objetivo e esvaziada de
sentido... Os estudiosos, na perspectiva de Adela Cortina, estão
gerando uma ética sem moral quando atribuem a religião, a arte e
as ciências a responsabilidade pela busca da vida feliz e ao direito e
a política a legitimação das normas e a formação da vontade”
(AMORIM NETO; BERKENBROK,, 2012, p. 25–26).
Um projeto educativo coerente deve estar respaldado na formação
de profissionais competentes não só do ponto de vista técnico, mas,
comprometido com a formação dos mesmos.
O compromisso maior do professor é firmar-se como mediador nos
processos constitutivos da cidadania do educando e construtor de
sua própria identidade profissional; consciente de que, para ensinar
não bastam experiência e conhecimento, é preciso conciliar a eles
os saberes pedagógicos e didáticos necessários a uma prática
reflexiva e baseada num processo contínuo de formação, auto
formação e reelaboração dos saberes iniciais.
É preciso, no entanto, muito cuidado com a maneira que se vai
trabalhar a “dimensão política”, pois alguns educadores não
entenderam a questão e passaram a utilizar as aulas para discursos
políticos, chegando ao extremo de se descuidar dos objetivos da
escola e dos conteúdos, para falar apenas de ideologia e luta de
classes, escondendo a incompetência atrás de temas tão
importantes (CASÉRIO, 2004 apud RIVERO; GALLO, 2004, p. 175).
Apesar de todo discurso político ideológico vigente, ainda persiste
na educação práticas acríticas e apolíticas que partem do equívoco
que o professor deve se manter neutro, distanciado das questões

22
sociais, da defesa da igualdade e do respeito à diversidade, sob a
justificativa de não se enfronhar nas questões supostas apenas
como partidárias. Neste momento fica evidenciado a postura
reprodutivista docente que, respaldada apenas na dimensão
técnica, julga-se um bom profissional e não se percebe enquanto
referência para seus alunos. Vianna (2004) apud Rivero e Gallo
(2004, p. 45) destaca o desafio de construir com os alunos, e por
eles, atitudes e habilidades que influenciem na compreensão de
uma sociedade justa e igualitária para todos, onde possam ser
estimulados a atos de solidariedade e respeito.
Diferenciar educação de ensino, professor de educador, prática de
práxis talvez já seja uma postura ultrapassada para o mundo
moderno; porém, é importante relembrar que existem diferenças
neste sentido que não estão apenas no campo da semântica e a
relação entre significante e significado traz à tona inferências no
mínimo intrigantes.
[...] a consciência profissional do professor está, de um certo modo,
mergulhada no âmbito de seu trabalho, naquilo que Giddens (1987)
chama de “consciência prática”, que corresponde a tudo o que ele
sabe fazer e dizer. Nessa perspectiva, o conhecimento discursivo é
apenas uma parte do seu “saber ensinar”. Por outro lado, as
próprias práticas profissionais (inclusive a consciência prática) estão
enraizadas na história de vida do professor e em sua personalidade,
e são portadores de consequências não intencionais (TARDIF,
2002, p. 214).
O fazer do professor no seu dia a dia é pouco refletido por ele e,
muito da sua prática tem como suporte a observação do fazer de
outros professores supostamente mais experientes.
EDUCAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL
Definir educação no contexto atual seria simplesmente repetir
conceitos prontos que impregnados pelas concepções de seus
teóricos mapearia semanticamente: instrução, ensino, medição e
formação; portanto desnecessária tal definição no entendimento
deste ponto em especifico. Porém, definir ética profissional, é mais
que conceituar ética e transferir tal compreensão ao aspecto
laboral, apenas isso não da conta das demandas que surgem a
partir da temática: educação e ética profissional.
Segundo Camargo (1999),
A ética profissional é a aplicação da ética geral no campo das
atividades profissionais; a pessoa tem que estar imbuída de certos

23
princípios ou valores próprios do ser humano para vivê-los nas suas
atividades de trabalho. De um lado ela exige a deontologia, isso é, o
estudo dos deveres específicos que orientam o agir humano no seu
campo profissional; de outro lado exige a diciologia, isso é, o estudo
dos direitos que a pessoa tem ao exercer suas atividades
(CAMARGO, 1999, p. 31-32).
Assim como a ética geral tratada tão amplamente nesta tessitura, a
ética profissional é assegurada por posicionamentos funcionais que
encontram respaldo nas atitudes pessoais, nas vivenciais e nos
referenciais deontológicos e diciológicos seguidos a partir dos
paradigmas eleitos como sensatos e coerentes.
A relação entre educação e ética profissional é quase obrigatória,
não se pode conceber a educação sem definir como parâmetro os
ditames éticos desta relação e uma vez falando de
profissionalização não há como fugir deste argumento que se
apresenta de forma tão natural que de fato parece intrínseca ao
processo. Sá (2009, p. 99) garante que o cumprimento dos deveres
éticos, todavia, para os que possuem formação educacional de
qualidade, que são dotados de índole boa, é um efeito natural,
egresso de estruturas espiritual e mental sadias.
A educação, palco onde se travam questões de abrangência
diversa, é considerada o maior polo formador de pessoas. Vista
anteriormente apenas com fins instrucionais, desenvolvida em um
espaço específico cujo objetivo abarcava apenas o ensino de
conteúdos, a escola tornou-se para professores, alunos e demais
profissionais de educação um lugar de interações e aprendizagens.
A Pedagogia, como campo teórico nucleado da educação, em seus
fundamentos e processos, incorpora, necessariamente, temas que
auxiliam a aprofundar a relação entre saberes e condutas,
ensinadas e assumidas para a vida cidadã, indispensavelmente
orientada por parâmetros éticos e morais (RANGEL; FREIRE apud
AMORIM NETO; BERKENBROK, 2012, p. 9).
Embora Rangel e Freire (2012) citem em especial a relação da
pedagogia com a ética devem-se estender as licenciaturas e todas
as áreas que trazem suporte educacional baseado na formação
humana.
A escola nos dias atuais além de precisar instruir, também precisa
educar transmitir valores e ensinar condutas de cunho moral e ético.
Com base em quais referências a escola promoveria este ensino? E
o professor? Está o mesmo preparado para assumir tais

24
responsabilidades? Qual a formação epistemológica, moral e ética
do docente para lidar com tal situação? Segundo Tardif (2000, p. 9)
as profissões vivem uma crise de profissionalização que se
expande e encontra respaldo na competência ou incompetência do
profissional especialmente, pelo mau uso do conhecimento e pela
imputabilidade do seu fazer. Em sua análise “a crise do
profissionalismo é, em última instância, a crise da ética profissional,
isto é, dos valores que deveriam guiar os profissionais”. O autor
atribui este fato, em alguns casos ao déficit da formação
universitária oferecidos nas faculdades e institutos de formação
profissional.
O mundo vem testemunhando o aumento da violência, o
desrespeito aos idosos e a toda e qualquer lei. Os educadores que
gozavam de prerrogativas para serem amados e respeitados estão
sendo cotidianamente desvalorizados e muitas vezes aviltados no
desempenho de suas funções. Atualmente ensinar é função de
risco e em muitos casos de alta periculosidade devido às agressões
constantes que sofre o professor.
Tramita no Senado Nacional Brasileiro Projeto de Lei sob número
191/2009 em defesa dos educadores. Este projeto surgiu a partir de
um trabalho de pesquisa de Mendes e Torres (2007). As
pesquisadoras debruçaram-se em torno das questões que
envolvem a violência em relação aos docentes no desempenho de
sua profissão.
Art. 2º Para os efeitos desta Lei, configura violência contra o
professor qualquer ação ou omissão decorrente da relação de
educação que lhe cause morte, lesão corporal ou dano patrimonial,
praticada direta ou indiretamente por aluno, seus pais ou
responsável legal, ou terceiros face ao exercício de sua profissão
(BRASIL, Projeto de Lei do Senado 191/2009).
Sentindo-se desprotegidos os docentes vem com frequência
abandonando a profissão, ou criando por ela uma resistência tão
grande que já é, em muitos casos, considerada patológica, a
exemplo a Síndrome de Bournot que faz com que os profissionais
abandonem sua ocupação profissional, em uma linguagem
pedagógica há uma evasão docente.
O mal estar docente ganha corpo e extensão a partir da sensação
de abandono e desprestigio que atualmente vem passando a
profissão docente. Antes respeitados, valorizados pelo peso do
saber e o status da cátedra; atualmente sem prestigio nem mesmo

25
os conhecimentos que possuem ou sua visão epistêmica lhes
trazem reconhecimento social.
A crise a respeito do valor dos saberes profissionais, das formações
profissionais, da ética profissional e da confiança do público nas
profissões e nos profissionais constitui o pano de fundo do
movimento de profissionalização do ensino e da formação para o
magistério. Ora, essa crise coloca atualmente os atores das
reformas do ensino e da profissão docente em uma situação
duplamente coercitiva: por um lado, há pressões consideráveis para
profissionalizar o ensino, a formação e o ofício de educador; por
outro, as profissões perderam um pouco de seu valor e de seu
prestígio e já não está mais tão claro que a profissionalização do
ensino seja uma opção tão promissora quanto seus partidários
querem que se acredite (TARDIF, LESSARD; GAUTHIER, 1998;
TARDIF; GAUTHIER, 1999 apud TARDIF 2000, p. 9).
A desvalorização perpassa pelo investimento na formação inicial e
continuada, no pouco incentivo a pesquisas e qualificação cognitiva
do profissional, as questões sindicais, os baixos salários, a
ausência de medidas e leis protetivas ao trabalho docente e mais
que isso o descaso com o conhecimento formal e acadêmico no
país.
A legislação atual não traz medidas protetivas especificas para o
trabalho docente uma vez que a responsabilidade de cuidados com
a saúde física e psíquica do profissional fica a cargo pessoal. O
docente vive em um clima de completa insegurança.
A valorização do educador deve está ancorada em uma legislação
que lhe garanta proteção em todas as dimensões. No entanto a
legislação existente atribui muitos deveres listando poucos avanços
no que diz respeito aos direitos.
São incomuns os estudos acadêmicos que trazem a questão da
vitimização do professor, as estatísticas são incipientes, não pelo
fato de ocorrerem em pequenas escalas, mas especialmente pelo
silêncio dos agredidos que passam por todo tipo de
constrangimento além da agressão. Não são apoiados pelos seus
gestores e os pais colocam seus filhos sempre na posição de
vitimas que na melhor das possibilidades reagiu a uma suposta
agressão inicial do professor, a sua negligência ou ainda ao bullying
praticado pelo docente.
Recentemente a BBC Brasil publicou pesquisa realizada pela
OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento

26
Econômico) 2014, onde o Brasil é colocado no topo dos países cuja
incidência de violência contra os professores é maior.
Aproximadamente cem mil professores foram pesquisados sendo
que 12,5% dos professores ouvidos relatam agressões verbais ou
de cunho moral ao menos uma vez durante a semana. Dos 34
países pesquisados seguindo o Brasil em primeiro lugar está a
Estônia, com 11%, e a Austrália com 9,7%, sendo que a média
entre os 34 países é de 3,4%.
No que diz respeito à valorização profissional a pesquisa OCDE
revelou que de cada dez professores apenas um (12,6 %) sente-se
valorizado pela sociedade, sendo a média global de 31 %. Dirk Van
Damme, chefe da divisão de inovação e medição de progressos em
educação da OCDE,
[...] cita a Coreia do Sul e a China como exemplos de países onde o
trabalho dos professores é valorizado tanto pela sociedade quanto
por políticas governamentais, o que representa, diz ele, um
elemento fundamental na melhoria da performance dos alunos. [...]
Em países asiáticos, os professores possuem uma real autoridade
pedagógica. Alunos e pais de estudantes não contestam suas
decisões ou sanções, afirma (FERNANDES, 2014).
Toda esta situação gera muitas insatisfações no âmbito profissional
o que faz com que muitas vezes o docente aja de forma
diferenciada: a partir da sua clientela, do salário que recebe, da
carga horária de trabalho dentre outras questões. Neste aspecto,
por também se tratar de uma profissão neurotizante muitas vezes a
conduta dos professores esbarra em posicionamentos antiéticos, os
quais não condizem a um profissional que supostamente está
preparado para lidar com tranquilidade com os dilemas da profissão
e responder aos mesmos de forma coerente e sabia.
Reportando-se ainda a pesquisa OCDE (2014), ainda que de forma
não quantificada há relato que a maioria dos professores no mundo,
apesar das adversidades, gostam do trabalho que realizam, embora
não se sintam valorizados e reconhecidos pela instituição escolar e
nem considerados pela sociedade em geral.
A confirmação a este viés está ancorada em posturas simples e
corriqueiras do fazer diário dos professores como, por exemplo: ser
pontual, ser assíduo ao trabalho, ser atento às solicitações e falas
dos alunos, ter discernimento na resolução de contendas entre eles,
não discriminar, por nenhum motivo, buscar ser justo, enfim, prestar
serviço de qualidade.

27

Você também pode gostar