Você está na página 1de 1

Em se falando da Educação, tudo se modificou e a tecnologia, que vinha avançando, foi o

suporte encontrado pela comunidade escolar, principalmente, professores e alunos ao levar a


Escola para dentro de casa, em salas virtuais, através de suporte teconlógico. Isso fez com que
houvesse uma visualização do quantitativo de famílias que não têm os aparelhos relacionados
acima ou acesso à internet que suporte fazer download de todos os aplicativos, atividades, etc.,
importantes para os estudos. Essa situação trouxe um desconforto para todos os envolvidos no
processo educativo do País, da Bahia e, consequentemente, de São Sebastião do Passé, com
intuito de rever as propostas de ampliação da internet nas Escolas públicas.

Mesmo com todos os obstáculos encontrados até aqui, a Educação se mantém viva por força dos
Professores, os quais tiveram que se adequar à nova forma de ensinar on-line (síncrona ou
assíncrona) para orientar seus alunos, que também precisaram aprender a assistir aulas, fazer
atividades e enviá-las para uma sala de aula virtual. Embora a resistência em usar os meios
tecnológicos tenha sido – ainda subsistem resquícios – muito grande. Portanto, o agradecimento
e os aplausos são de suma importância para todos(as) professores(as) que seguiram firmes no
propósito que um dia jurou: honrar sua profissão de educador, de acordo com a licenciatura
escolhida, visando o sucesso do estudante.

Como foram superadas muitas dificuldades, durante todo esse tempo, é possível acreditar que
tempos melhores virão, dias e noites de muitas alegrias e realizações. Sempre depois das
tempestades vêm a bonança. Paulo Freire escreveu que “me movo como educador, porque,
primeiro, me movo como gente” e SER gente é essencial para alcançar o outro. Permanecer na
caminhada, então, movendo-se, transformando, orientando, atuando, é o objetivo geral de
todos(as) que fazem parte do Sistema Educacional, principalmente, dos professores para que a
formação escolar das crianças, dos adolescentes e dos jovens possa continuar prosperando e o
País seja, realmente, letrado/alfabetizado.