Você está na página 1de 5

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso

PJe - Processo Judicial Eletrônico

03/11/2022

Número: 1028998-83.2022.8.11.0041
Classe: MANDADO DE SEGURANÇA CÍVEL
Órgão julgador: 1ª VARA ESP. DA FAZENDA PÚBLICA DE CUIABÁ
Última distribuição : 01/08/2022
Valor da causa: R$ 148.080,00
Assuntos: Liminar, ICMS/ Imposto sobre Circulação de Mercadorias
Segredo de justiça? NÃO
Justiça gratuita? SIM
Pedido de liminar ou antecipação de tutela? SIM
Partes Procurador/Terceiro vinculado
SOLLO CONSTRUCOES LTDA (IMPETRANTE) LEONARDO DA SILVA CRUZ (ADVOGADO(A))
RENATO MELON DE SOUZA NEVES (ADVOGADO(A))
SECRETÁRIO ADJUNTO DA RECEITA PÚBLICA DA
SEFAZ/MT (IMPETRADO)
ESTADO DE MATO GROSSO (IMPETRADO)
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
(CUSTOS LEGIS)
Documentos e Movimentos
Id. Data da Movimento Documento
Assinatura
91511147 03/08/2022 11:22 Publicado Decisão em Decisão
05/08/2022.Disponibilizado no DJ Eletrônico
em 04/08/2022Expedição de Outros
documentos.Expedição de Outros
documentos.Concedida a Segurança a
SOLLO CONSTRUCOES LTDA - CNPJ:
07.960.913/0001-07 (IMPETRANTE)
ESTADO DE MATO GROSSO
PODER JUDICIÁRIO
1ª VARA ESP. DA FAZENDA PÚBLICA DE CUIABÁ

DECISÃO

Processo: 1028998-83.2022.8.11.0041.

Trata-se de mandado de segurança com pedido liminar.

Alega o impetrante, em síntese, que necessita realizar o deslocamento de seu ativo imobilizado

por meio de transferências, internas e interestaduais, entre seus estabelecimentos comerciais

situados em outros estados da Federação, sem propósito mercantil, e por consequência isento

de ICMS.

Com a inicial, veio à documentação.

O processo veio concluso.

É o relato do essencial.

Fundamenta-se e decide-se.

Os requisitos previstos para a concessão de tutela provisória de urgência, seja em sua

modalidade satisfativa ou antecipatória, seja de natureza cautelar, encontram-se elencados no


art. 300/CPC, à efetiva demonstração de probabilidade do direito e o perigo de dano ou risco ao

resultado útil do processo.

In casu, o conjunto probatório demonstra, em cognição sumária dos fatos e provas indiciárias, a
boa aparência do direito do requerente e a razoabilidade de sua pretensão a uma medida de
urgência, destinada à suspensão do ato coator.

Assinado eletronicamente por: RAMON FAGUNDES BOTELHO - 03/08/2022 11:22:50 Num. 91511147 - Pág. 1
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22080311224941500000088744339
Na peça inaugural o requerente informou possuir propriedades rurais nos Estados de Mato
Grosso, Pará e Alagoas, locais onde exerce atividades comerciais (ID 91360769).

Destacou que realiza apenas o deslocamento de bens entre os seus próprios estabelecimentos,
não constituindo ato de mercancia, embora o Estado de Mato Grosso exija o recolhimento
antecipado de ICMS ou DIFAL.

Ainda que o fisco mato-grossense entenda que nas operações interestaduais incida o ICMS (art.

3º, I do RICMS/MT) – na hipótese de mera transferência de gado/produtos entre


estabelecimentos rurais do mesmo proprietário - a imposição do ICMS é ilegítima, mormente pelo

fato de que o deslocamento de gado de um estabelecimento para outro, não configura circulação

econômica ou jurídica de mercadoria para ensejar cobrança tributaria de ICMS.

Portanto, o fummus boni iuris está presente diante dos reiterados entendimentos jurisprudências
no sentido de que o deslocamento de animais entre propriedades do mesmo contribuinte não

configura fato gerador para incidência de ICMS (Súmula 166/STJ). Precedentes: STF - ARE

1168232; TJRS - RI nº 7100756258; TJMG - AC nº 10105130105064001; TJMT - AI nº 0078425-

10.2013.8.11.0000.

Presente ainda o periculum in mora, pois, a possibilidade de exigência do tributo (ICMS) e sua
ausência de recolhimento poderão resultar na lavratura do termo de autuação e depósito, bem

como, prejuízos na atividade comercial do requerente.

1. Dessa forma, considerando que restou demonstrado o preenchimento dos requisitos

indissociáveis do art. 300 do CPC, este Juízo DEFERE o pleito de tutela de urgência requerido
na exordial, determinando à suspensão a exigibilidade do crédito tributário questionado no
presente processo.

2. DISPENSA-SE a audiência de conciliação/mediação, tendo em vista a natureza da ação.

3. CITE-SE a parte requerida para que, no prazo legal, apresente contestação.

4. Na hipótese de a demandada alegar em sua contestação fato impeditivo, modificativo,

extintivo do direito da autora ou quaisquer das matérias mencionadas no art. 337 do CPC,
INTIME-SE o advogado desta via DJE para que, no prazo de 15 (quinze) dias, manifeste-se a
respeito, conforme preceituam os artigos 350 e 351 do CPC.

Assinado eletronicamente por: RAMON FAGUNDES BOTELHO - 03/08/2022 11:22:50 Num. 91511147 - Pág. 2
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22080311224941500000088744339
5. Após, CONCLUSO.

6. CUMPRAM-SE.

Cuiabá/MT, data registrada no sistema PJE.

RAMON FAGUNDES BOTELHO

Juiz de Direito

Assinado eletronicamente por: RAMON FAGUNDES BOTELHO - 03/08/2022 11:22:50 Num. 91511147 - Pág. 3
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22080311224941500000088744339

Você também pode gostar