Chão da Rosa

eduardo moura tronconi
Uberlândia - Brasil 2011 - 50UDV

{dedicatórias}

Em dedicatória aos Cinqüenta anos da Recriação da União Do Vegetal;

À toda Irmandade da Rosa na Luz do Vegetal, de todos os tempos & todos os lugares, dedico este opúsculo.

ao Mestre Gabriel “Para as rosas o jardineiro é eterno...”
(Machado de Assis)

“Meu Mestre é jardineiro, ele cuida de um lindo jardim onde tudo são flores. Meu Mestre abre os corações de espinhos... abri em mim Mestre, o meu coração à Rosa...”

{prefácio}

Você escolhe irmão, se prefere pensar: que há espinhos nas rosas, ou se há rosas com espinhos! Mas saiba que: não há rosas sem espinhos & nem espinhos sem rosas! Essa é a chave, pois podemos aprender pela dor ou pelo amor, e aí está a nossa verdadeira escolha! E de onde emana a capacidade de ser feliz...

{ramalhete de citações}

"Os homens cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim e não encontram o que procuram. E, no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa."
(A. de Saint-Exupéry)

“...Entrementes, a consistência e o odor do carvalho começavam a falar, já perceptivelmente, da lentidão e da constância com que a árvore cresce. O carvalho mesmo assegurava que só semelhante crescer pode fundar o que dura e frutifica; que crescer significa: abrir-se à amplidão dos céus, mas também deitar raízes na obscuridade da terra; que tudo que é verdadeiro e autêntico somente chega à maturidade se o homem for simultaneamente a s duas coisas: disponível ao apelo do mais alto céu e abrigado pela proteção da terra que oculta e produz.”
(M. Heidegger)

“Para ver um Mundo em um Grão de Areia, E um Céu em uma Flor Selvagem, Pegue o Infinito na Palma de sua mão, E a Eternidade em uma hora.”
(W. Blake)

"...Sobretudo , é necessário saber entender o tom que expele esta boca, para não fazer misera injustiça ao sentido de sua sabedoria. As palavras mais ponderadas são as que trazem a tempestade; Os pensamentos que vem com pés de pomba governam o mundo!"
(F. Nietzsche)

{ramalhete de citações}

O Chão da Rosa... Todas as coisas dão muitas voltas ao mundo, então um dia elas vêm para o sertão despertar... Palavras entram & saem, velam & revelam & desvelam, para enfim no português fazer sentido e fazer sentir... Os corpos de humus em sua sina surgem & urgem retornando sempre ao chão... Despertar é entrar em acordo com a lucidez de uma rosa & então amarrar sombra & luz no olhar: A COR DAR! A Rosa se abre em flor Desperta de dentro da escuridão E o roseiral já esblande em cor É sinal do Sol na imensidão. Que retorne o Feminino Para findar toda ilusão.

{introdução}

Marco meus passos sobre o chão da Rosa, O chão do mundo, trilha de Sol, Lua & Estrelas, E além da poeira das eras que respiro, mistura de morte & vida, Comungo Água de Fogo, de Luz & de Força...

Passado, Presente, Porvir, O Chão da Rosa & A Rosa sempre aqui...

I ...no mistério de uma miração...

Ah!... Essa Rosa... Que veio do chão da Rosa... Ah!... Essa Rosa... Que nasceu do chão da Rosa... Ah!... Essa Rosa... Que floriu do chão da Rosa...

Ah!... Essa Rosa... Que vem do chão da Rosa... Ah!... Essa Rosa... Que nasce do chão da Rosa... Ah!... Essa Rosa... Que floreia do chão da Rosa...

Ah!... Essa Rosa... Que virá do chão da Rosa... Ah!... Essa Rosa Que nascerá do chão da Rosa... Ah!... Essa Rosa... Que florirá do chão da Rosa...

II ...no mistério da palavra...

Entre o espinho & a flor Há um silêncio no qual A Rosa fala. Fala-nos sobre o Segredo para que nos Mistérios possamos entrar, Um ensino sobre a Palavra Mãe que a Licença nos dá.

Palavra tal qual canto de ave abrindo mistérios rompendo barreiros, & A Rosa ensina de um silêncio profundo uma Sabedoria na linguagem dos pássaros.

Palavra Misteriosa que A Rosa me disse Palavra de Poder me disse A Rosa... Oh! Tu! Palavra Chave! Palavra Planta Da língua das Aves que voam pela floresta.

Respeitosa Palavra A Rosa me falou Secreta Palavra A Rosa me contou Oh! Tu! Rosa Palavra! Planta Palavra Da língua dos Pássaros Palavra, canto, poema, ensino ícaro, chamado, oração, hino Ressonâncias Verbais que em tua força Oh! Rosa! Traz... Que tu, oh! Rosa lavras!

Palavra! Sulca, cava, desenterra, desvela Pá que lavra o chão da Rosa Remove tesouros, desterra-os com a devida permissão! Com sua licença, Oh! Rosa!

Diz-me A Rosa: “Palavra! Vamos cavar, Vamos plantar, Vamos cultivar o chão E de lá tirar Compreensão!”

De sua órbita, me disse A Rosa que a sombra é a harmonia da luz quando na dualidade do mundo... E a Luz é a ausência da escuridão na unidade do Espírito...

...Orbitando os mundos...

Baile de Luz & Sombra dançam, cirandam, valsa que emana & diz: Com a luz vê as sombras, Com a sombra vê a luz bailando, girando recíproco-significando-se...

É sinal da claridade a hora mais escura, É senão a claridade... Aurora mais escura tens a cor da claridade, É quando acorda a claridade...

Dá sinal o sombreado da hora que vai clarear, É senão o sombreado... Pleno alvorecer já começa à sombrear, Até à plena sombra retornar...

Gira Luz & Sombra parecendo separadas aparecendo apartadas Ginga Sombra & Luz par sendo atreladas...

Ah! Como se parecem próximas assim sempre estando: A mais escura hora e a mais pura aurora...

A Flor da Rosa vinda do Céu raiou do chão Roseiral & chão Celestiais

Lhano fio de Cipó vindo do Sol raiou do chão Cipoal & chão Solares

Seu liame Rosa & Cipó é um Jardim de Perfeição

Prudente Luz & Agradável Força

Concórdia vegetal Rosa Astral & Liana Solar Genuíno portal de comunhão com o Infinito Superior

Como homens como húmus É de onde viemos É para onde vamos O chão...

Humanos somos como tudo que há Celestiais & Solares Carnais & Estelares...

Graças à Rosa... flor & espinho Graças à Rosa... luz & sombra Graças à Rosa... palavra & silêncio Graças à Rosa... caos & ordem Graças à Rosa... nem isto & nem aquilo A Rosa.

Deixa de ver a luz & o socorro reto para o certo do prever nos olhos as cores da expansão, & feito sempre esse olhar bela vista perscrutarmos mirações no sombreio da funda mata e do sertão,

...o vento sopra, ouvimos o vento balançar a mata sombreando e remexendo folhas trazendo o perfume da Rosa...

Deixa de não estar só & vamos todos para debaixo da sombra de uma Samauma, & sob a sombra aquietamo-nos na escuta ficamos todo ouvidos,

...sopra o vento, vemos as sombras balançarem som brando de folhas remexidas, porque a Rosa também é dos ventos...

Deixa de ver as sombras & por entre folhas, galhos & vento só vemos a claridade descer, & dei de chover os olhos na luz longe de cegado que passa sob a Samauma,

...sombra que sombreia sobe acima da samauma/ ...e assombra no som da chuva/ ...a água que também escorre com a luz serena/ ...do sumo da soma que assunta/ ...em chás com sabor do santo silêncio/ ...que chama ciência de uma sombra, de um som e de um sombreio/ ...sombrilhado/ ...unidos debaixo de uma Samauma/ ...fonte liquida/ ...vegetal-animal-mineral-astral...

No sombrear sóbrio só brilha essa eira de rio interno, mina saber sincero & cura que não sólido flui & vêm pura

Da fonte verde enraizada aos pés da sombra & luz de uma Samauma e toda vegetação de uma soma uma

Uma soma, soma uni, samauma, soma uma & expande...

III ...onde tudo é flor...

A Mensagem da Rosa nos fala em três chaves de compreensão...

-A primeira: No ponto mais baixo, - na mata aos pés da cordilheira está a Rosa da Resignação.

-A segunda: No ponto mais alto, - no cume da montanha está a Rosa da Sabedoria.

-A terceira: No ponto central que vai do sopé ao cume, - no caminho do meio, ou pelos meios do caminho está a Rosa da Humildade.

O caminho do meio da Rosa é o Sertão onde as Rosas mais raras & fortes vêm florir... O caminho do Certo!

Com a Rosa da Humildade desperta em nós resumimos & aplicamos o ideal do Mestre para a missão, Seguindo firmes, entrementes a aspereza dos espinhos & a doçura das flores, pois quem anda pelo caminho certo não há nada de errado que possa feri-lo!

Do certo sertão acorda de seu chão árido um laço que une. Resignação & Sabedoria são brilhantes dispersos, & a Humildade é o cordão que as une. A Humildade une tudo! .

Com

Luz, Paz & Amor

{posfácio}

Este opúsculo é uma forma singela e simples de agradecer e externar um pouco do que venho recebendo do Vegetal. A própria composição deste foi uma aplicação de parte do aprendizado que venho tendo. O grande ensino de Mestre Gabriel: “Luz, Paz & Amor” são os símbolos maiores que fluem de dentro da U.D.V. para toda a Humanidade, para regenerá-la e transformar o mundo como um todo. Sabedoria é a herança salomônica que vêm em forma de Ciência que é conhecimento aplicado com consciência, o que designa uma troca, de dentro para fora e de fora para dentro de cada discípulo do Mestre, que outrora fora hospede de honra no reino do rei Salomão. Resignação vem daquilo que é o „testamento do Mestre‟, é a essência passada pelo Mestre em sua “Convicção”. Tal sentimento de resignação é uma força que circula dentro de nós, fluindo do nosso coração para a mente, da mente para o coração, do corpo para o espírito e do espírito para todo o corpo. E destes conceitos/sentimentos todos que circulam do mundo para nós e de nós para o mundo resulta ao final em um comportamento único e elevado: a Humildade. A Humildade é o sentido visceral do „chão da rosa‟. Mas descobrir, interiorizar e viver isso eu deixo para cada irmão & irmã se aprofundarem por si, assim como vem vindo à mim...

Como obra de arte, este livreto remete-se também à lição da Simplicidade. Pensando nisso lembro-me da frase final do texto “O Caminho do Campo” onde o filósofo Martin Heidegger diz:

“... O Simples torna-se ainda mais simples. O que é sempre o Mesmo desenraiza e liberta. O apelo do caminho é agora bem claro. É a alma que fala? Fala o mundo? Ou fala Deus? Tudo fala da renúncia que conduz ao Mesmo. A renúncia não tira. A renúncia dá. Dá a força inesgotável do Simples. O apelo faz-nos de novo habitar uma distante Origem, onde a terra natal nos é devolvida.”
Compor o “Chão da Rosa” foi um aprendizado de me „descascar‟ de inutilidades intelectuais que representam sentimentos egoístas de propensões auto-indulgentes que não acrescentam em nada na busca de uma maturidade como pessoa que leve à verdadeira autenticidade que é a base para toda e qualquer felicidade original.

Só com o Vegetal na Luz da Burracheira podemos realmente começar à Sentir... Sentir a nós mesmo e mudar o que é necessário, sentir o mundo, tomar consciência, aflorar da escuridão como uma rosa e poder acrescentar nossa parte de beleza ao mundo. Aprendi na UDV o que havia estudado em complicados livros, mas que não conseguiram me fazer sentir: que o Simples é a força primordial de toda serenidade, que é a simplicidade, a humildade, aquilo que tem o poder de unir os homens e trazer a paz para nossa terra, nosso chão, seja nossa terra um país, um planeta, ou nosso próprio interior. Reparto esse livreto com meus Irmãos como forma de fomentar essa nossa originalidade, e também como agradecimento ao Mestre, aos Mestres, aos Conselheiros e à Irmandade, nós somos simplesmente esse “jardim das flores”!

e.m.t
Uberlândia, Verão de 2011.

Ah!... Essa Rosa... Que floriu do Chão da Rosa...

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful