Você está na página 1de 5

Pneumonia

Conceito:

A pneumonia é um distúrbio infeccioso/inflamatório do parênquima pulmonar.

Doença inflamatória aguda causada por agente infeccioso que acomete as vias aéreas
terminais, espaços alveolares e interstício.

Classificação:

A pneumonia pode ser globalmente classificada em:

pneumonia adquirida na comunidade (PAC), o Streptococcus pneumoniae. , a PAC ocupa o


terceiro lugar como causa de mortalidade em nosso meio

pneumonia adquirida em asilos (PAA),

pneumonia adquirida no hospital (pneumonia nosocomial) (PAH)

Patogênese

As formas primárias de aquisição de pneumonia incluem aspiração de flora


nasofaríngea/gástrica,

inalação de patógenos transportados no ar,

disseminação direta por contiguidade a partir de um local infectado e disseminação


hematogênica a partir de um local infectado distante
diagnostico

exame físico

INSPEÇÃO:

Diminuição da mobilidade do hemitórax afetado

Poderá ser observado uso da musculatura acessória

PALPAÇÃO:

Redução da expansão pulmonar

AUMENTO das vibrações vocais

PERCURSÃO

Matidez ou submatidez na área afetada

AUSCULTAÇÃO

Diminuição ou abolição do murmúrio vesicular

Presença de estertores

Na bacteriana NÃO é comum sibilancia, na VIRAL pode ocorrer

Rx de tórax em PA e PERFIL - Além da contribuição ao diagnóstico, a radiografia de tórax


permite ainda avaliar a extensão das lesões, detectar complicações e auxiliar no diagnóstico
diferencia

US: A ultrassonografia de tórax (UST) apresenta maior sensibilidade e maior acurácia do que a
radiografia de tórax na identificação de alterações parenquimatosas.

Os principais achados ultrassonográficos na PAC são consolidações, padrão intersticial focal,


lesões subpleurais e anormalidades na linha pleural. A especificidade para consolidações é de
100%, enquanto a radiografia de tórax alcança somente 94% de sensibilidade nesse tipo de
alteração.

Adicionalmente, a UST apresenta alto rendimento na detecção de complicações como o


derrame pleural, além de permitir a visualização de loculações na cavidade.

TC: A TC de tórax é o método mais sensível na identificação de acometimento infeccioso do


parênquima pulmonar, em que pese a seu alto custo e alta exposição à radiação.

Trata-se de exame útil principalmente nos casos em que a acurácia da radiografia de tórax e da
UST é baixa, como em pacientes obesos, imunossuprimidos e indivíduos com alterações
radiológicas prévias

a TC de tórax está indicada na suspeita de infecções fúngicas e para auxiliar na exclusão de


outros diagnósticos em casos selecionados.

Em relação aos exames microbiológicos, o exame direto e a cultura de amostras de escarro


(ou de aspirado nasotraqueal para os que não conseguem expectorar) devem obedecer os
critérios de qualidade da amostra, isto é, menos de 10 células epiteliais e mais de 25 leucócitos
por campo examinado

sendo o vírus influenza o mais comumente isolado. Além do influenza, outros agentes virais
são considerados possíveis agentes etiológicos de PAC, como rinovírus, vírus sincicial
respiratório, vírus parainfluenza, adenovírus e metapneumovírus

quanto a gravidade pode-se usar escalas como:

Pneumonia Severity Index (PSI)

O CURB-65 baseia-se em variáveis das quais deriva seu nome (em inglês): Confusão mental
(escore ≤ 8, segundo o abbreviated mental test score)(48); Ureia > 50 mg/dl; frequência
Respiratória > 30 ciclos/min; (Blood pressure): pressão arterial sistólica < 90 mmHg ou pressão
arterial diastólica < 60 mmHg; e Idade ≥ 65 anos (Figura 1).(42) A forma simplificada (CRB-65),
sem a dosagem de ureia, é útil em ambientes nos quais exames laboratoriais não estão
disponíveis, como na atenção primária

Tratamento:

O tratamento da PAC pode ser dividido em ambulatorial, hospitalar e medidas de suporte de


internação.

Ambulatorial: voltado para pacientes sem critérios de gravidade; medicamento de primeira


escolha é a amoxicilina (50 mg/Kg/dia, 8/ 8h); com a piora do quadro clínico associa-se
amoxicilina e clavulanato; para pneumonia atípica: macrolídeo- azitromicina, eritromicina ou
claritromicina; deve-se reavaliar em 48h a 71h após início da antibioticoterapia; com a melhora
do paciente, o tratamento ainda deve ser mantido até completar sete dias; se tiver piora ou
inalterada, deve-se avaliar internação hospitalar.
Hospitalar: indicado quando há falha no tratamento ambulatorial, sinais de toxemia, lactentes
menores de 3 meses, tiragem subcostal, comorbidades, recusa de líquidos, vômitos
frequentes, FR> ou igual a 70ipm, apneia intermitente, SO2 menor que 92%.

Pacientes menores de 3 meses: ampicilina e aminoglicosídeo ou ampicilina e cefalosporina de


3º geração ou eritromicina em caso de suspeita de C. Trachomatis.

Maiores de 3 meses: penicilina cristalina ou ampicilina;

Pneumonia grave: Oxacilina e cefalosporina de 3º geração ou amoxicilina e clavulanato ou


cefuroxima.

Medidas de suporte de internação: Oxigenoterapia (se a saturação for menor que 92%);
Hidratação (soro isotônico); decúbito elevado; Fisioterapia respiratória.

Prevenção

Alguns estudos verificaram que após um ano da introdução da PCV10 no sistema público de
saúde, houve uma redução no número de hospitalizações por PAC na rede privada, há a PCV13
que substituiu a PCV7 e a Antipneumocócica 23- valente (polissacarídica).

Além disso, a imunização anti-Hb provocou a diminuição da incidência mundial de


Haemophilus influenzae. Por fim, o Anticorpo monoclonal contra o VSR – palivizumabe, é uma
importante forma de prevenção para os em grupo de risco: prematuros, com cardiopatias
congênitas, com Displasia broncopulmonar.
(2018 Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia
https://cdn.publisher.gn1.link/jornaldepneumologia.com.br/pdf/2018_44_5_16_portugues.pd
f)

http://www.cremesp.org.br/pdfs/eventos/eve_04102016_145915_Pneumonias%20-%20Dr.
%20Fernando%20Crivelenti%20Vilar.pdf

https://www.medicinanet.com.br/conteudos/casos/2182/
pneumonia_e_gripe_suinainfluenza_a_h1n1.htm

BRONQUITE

ASMA

Bronquite crônica – muco purulento

BRONQUIECTASIA

DPOC ( BRONQUITE + ENFIZEMA)

Afecções dos brônquios

Redução dos brônquios

Dilatação do calibre, bronquiectasia – irreversível e destruí o componente das paredes


alveolores

Hipersecreção de muco – brônquios

Disnea- dispneia – falta de ar ( semiologia)

Sibilancia – roncos

Tosse seca ou produtiva

https://www.sanarmed.com/caso-clinico-enfisema-pulmonar-ligas

Você também pode gostar