Você está na página 1de 12

LESÕES FECHADAS -MUSCULO-ESQUELETICO ARTICULARES ESQUELETO LESÕES FECHADAS -MUSCULO-ESQUELETICO – ARTICULARES Infra-estrutura do corpo Funções Infra-estrutura do corpo Funções

o

Sustentação do corpo

o

Proteção dos órgãos nobres

Cérebro

Pulmões

Coração.

o

Movimento

MÚSCULO

Tecidos elásticos fibrosos Função:Pulmões  Coração. o Movimento MÚSCULO o Movimentos do organismo Estruturas o Tendões 

o Movimentos do organismo

Estruturaselásticos fibrosos Função: o Movimentos do organismo o Tendões  tecidos elásticos fibrosos que

o

Tendões

tecidos elásticos fibrosos que ligam os músculos aos ossos

o

Bursas

Pequenos sacos cheios de líquido localizados entre, músculos, tendões articulação e outros tecidos.

Redução do atrito entre tecidos.

ARTICULAÇÃO

 Redução do atrito entre tecidos. ARTICULAÇÃO Junção de ossos (dois ou mais) Estruturas o Ligamentos

Junção de ossos (dois ou mais) Estruturas

o

Ligamentos

Tiras de tecido

Ligar ossos a articulações

estabilizar a articulação

o

Cartilagem

Tecido cartilaginoso

Extremidade dos ossos

Absorver impacto de ossos que se chocam

Reduz atrito entre ossos em contato

o

Cápsula sinovial /Líquido sinovial

Impacto mecânico menor

Atrito entre ossos menor

Principais Impacto mecânico menor  Atrito entre ossos menor o Joelho / Tornozelo o Cotovelo /

o

Joelho / Tornozelo

o

Cotovelo / Ombro

LESÃO AGUDA Evolução rápida Imprevista Evolução rápida Imprevista

o

Causal

o

Acometimento súbito

rápida Imprevista o Causal o Acometimento súbito Movimentos bruscos Necessidade de atendimento imediato

Movimentos bruscos Necessidade de atendimento imediato LESÃO CRÔNICA Evolução cumulativa Ações repetitivas, consecutivas ou por longo tempo da mesma estrutura

Lesões agudas mal tratada com reincidências Necessidade de tratamento a longo prazo

o

Medicamentoso

o

Fisioterapia

o

Cirúrgico e outros

Causas extrínsecas Ambientais (piso, local de treinamento) Equipamento (calçado, qualidade do material utilizado,etc)

Proteção corporal inadequada Programa de treinamento inadequado Biomecânica do esporte como causa:

Acelerações e frenagens bruscas Mudanças bruscas de direção Movimentos descoordenados Causas intrínsecas Anatomia e fisiologia (constituição física) Preparo e condicionamento físico PRIMEIROS SOCORROS em LESÕES fechadas AGUDAS

LESÕES FECHADAS Definição:

em LESÕES fechadas AGUDAS LESÕES FECHADAS Definição: Lesão sem rompimento da pele (epiderme/derme/hipoderme)
em LESÕES fechadas AGUDAS LESÕES FECHADAS Definição: Lesão sem rompimento da pele (epiderme/derme/hipoderme)
em LESÕES fechadas AGUDAS LESÕES FECHADAS Definição: Lesão sem rompimento da pele (epiderme/derme/hipoderme)

Lesão sem rompimento da pele (epiderme/derme/hipoderme)

Tipos

sem rompimento da pele (epiderme/derme/hipoderme) Tipos Muscular Articular Òssea TIPOS DE LESÕES fechadas AGUDAS

Muscular

Articular

Òssea

TIPOS DE LESÕES fechadas AGUDAS

MUSCULAR (Músculo)Muscular Articular Òssea TIPOS DE LESÕES fechadas AGUDAS o Distensão muscular (estiramento e rompimento) o

o

Distensão muscular (estiramento e rompimento)

o

Contusão

o

Contratura

ARTICULAR (Articulação)e rompimento) o Contusão o Contratura o Entorses o Luxações ou deslocamento ósseo

o

Entorses

o

Luxações ou deslocamento ósseo

OSSEAS (Osso)o Entorses o Luxações ou deslocamento ósseo

o Fraturas

LESÕES fechadas AGUDAS SINAIS E SINTOMAS - geral

Dor

Edema - inchaço

Hematoma (rompimento de vasos internos)

Deformidade

Limitação de movimentos Tonicidade (flacidez)

SINAIS POSSÍVEIS (DEVEM SER PESQUISADOS)

DFaFI

D = Deformidade

Fa = Fermento aberto

F = Flacidez

I = Inchaço TRATAMENTO GERAL DE LESÃO FECHADA Compressa de gelo Gelo com pano úmido GELO - Procedimentos para reduzir dor, inchaço e hematoma

Imobilização ou bandagem Elevação de Membro se Possível TRATAMENTO LESÃO FECHADA RICE

R

= Repouso

I

= Gelo (Ice)

C

= Compressão

E

= Elevação

CSM Avaliação de extremidades de membros

C = Circulação

Avaliação da presença de fluxo sanguíneo

Pulso distal radial e tibial

S = Sensibilidade (beliscão)

Avaliação de possível lesão de nervos e coluna

M = Movimento (dos dedos - ondulatórios)

DISTENSÃO MUSCULAR

Lesão nas fibras musculareso o Estiramento (distensão) Rompimento Prevalência o o Aguda Crônica Fatores

o

o

Estiramento (distensão)

Rompimento

Prevalênciao o Estiramento (distensão) Rompimento o o Aguda Crônica

o o Estiramento (distensão) Rompimento Prevalência o o Aguda Crônica

o

o

Aguda

Crônica

Fatores predisponentes:Prevalência o o Aguda Crônica o Alta velocidade de contração o Fadiga muscular

o

Alta velocidade de contração

o

Fadiga muscular

o

Fraqueza muscular

o

Lesões anteriores

o

Deficiência de relaxamento nos músculos antagonistas

Falta de alongamento/ aquecimento SINAIS E SINTOMAS Dor

Varia de intensidade com a gravidade Caso grave Cavidade ou reentrância no local da lesão Dor extrema ao toque Fraqueza ou perda de função motora Presença ou não de hematoma CONTUSÃO

o

Golpe violento no tecido muscular e adjacentes

Sinais e Sintomas

Dor

Inchaço

Hematoma

CÃIBRA

Espasmo muscular incontrolável Causas Desidratação –

o

perda de eletrólitos

o

Exaustão física

o

Frio

Falta de potássio CÃIBRA TRATAMENTO Alongar músculo

Pressionar o local Aplicar gelo (relaxa contração) Bebida com eletrólitos NUNCA Fazer massagem no local Oferecer sal ENTORSES

o

NUNCA Fazer massagem no local Oferecer sal ENTORSES o  Movimento além da capacidade da articulação

Movimento além da capacidade da articulação

Lesão de ligamentos da articulação

Estiramento

Ruptura

Lesão de tecidos adjacentes

OBS: dificuldade de diferenciar entorse e fratura pelos sinais e sintomas

Na dúvida, tratar como FRATURA SINAIS E SINTOMAS Dor Inchaço Limitação de movimentos Graus variáveis Hematoma na ocorrência de rompimento de vasos LUXAÇÃO

Descontinuidade óssea na articulaçãoSINTOMAS Dor Inchaço Limitação de movimentos Graus variáveis Hematoma na ocorrência de rompimento de vasos LUXAÇÃO

Perda de contato ósseoo Total o Parcial Lesão de tecidos adjacentes Ligamentos, ossos, tendões, etc. SINAIS E SINTOMAS

o

Total

o

Parcial

Perda de contato ósseo o Total o Parcial Lesão de tecidos adjacentes Ligamentos, ossos, tendões, etc.

Lesão de tecidos adjacentes Ligamentos, ossos, tendões, etc. SINAIS E SINTOMAS Dor

Edema Hematoma Rompimento de vasos Deformidade Limitação de movimentos

Flacidez (tonicidade alterada) LUXAÇÃO Tipos de luxação

Subluxação

Extremidades ósseas articulares foram separadas e retornam à posição imediatamente

Congênita

Luxação de quadril do RN

Completa

Perda total de contato ósseo

Incompleta

Perda parcial de contato ósseo

TRATAMENTO LUXAÇÃO E ENTORSE

CSM

RICE

Imobilização da articulação atingida NUNCA colocar no local (Redução) Atendimento Médico TRATAMENTO CONTUSÃO E DISTENSÃO

RICE FRATURAAtendimento Médico TRATAMENTO CONTUSÃO E DISTENSÃO  Interrupção na continuidade do osso  Completa /

Interrupção na continuidade do osso

Completa / total

Incompleta /parcial

Crianças Ossos relativamente maleáveis Fraturas incompletas fraturas em “galho verde”

Idosos

Osteoporose aumenta o índice FRATURA POR ESTRESSE Desgaste ósseo e impacto contínuo Fatores predisponentes Uso contínuo das estruturas sem descanso devido Exemplo:

Corredores de longa distância sem repouso Arremessadores de beisebol FRATURA ABERTA Descontinuidade óssea Presença de rompimento da pele Presença de sangramento Exposição ao meio ambiente Aumento ao risco de. infecção Pano limpo sobre o local (NÃO mexer no local) Imobilização Atendimento médico imediato FRATURA Sinais e sintomas :

limpo sobre o local (NÃO mexer no local) Imobilização Atendimento médico imediato FRATURA Sinais e sintomas
limpo sobre o local (NÃO mexer no local) Imobilização Atendimento médico imediato FRATURA Sinais e sintomas
limpo sobre o local (NÃO mexer no local) Imobilização Atendimento médico imediato FRATURA Sinais e sintomas

Dor

Edema (inchaço) Hematoma Flacidez (tonicidade alterada da musculatura) Deformidade óssea Limitação de movimentos OBS: sinais e sintomas variam com gravidade TRATAMENTO DE FRATURAS Determinar o local da lesão DFaFI CSM RICE IMOBILIZAÇÃO

LESÕES CRÔNICAS Mais comuns BURSITE

As bursas podem ficar inchadas e doloridas caso sofram irritações ou golpes contínuos. As bursites do joelho ou da patela são os tipos mais comuns no esporte.

Há no corpo, 150 bursas para facilitar os movimentos, elas podem inflamar com overuse ou trauma direto, principalmente em esportes que envolvam sobrecarga repetitiva, como beisebol e natação (subacromial), ginástica (olecraniana), esqui e corrida (trocanteriana, pré-patelar e retrocalcânea).

bursite SINAIS: A dor articular permite distingui-la da tendinite, que podem apresentar irradiação ao longo da estrutura músculo-tendinea. Dependerá do tipo de esporte específico. TENDINITE Assim como as bursas ficam irritadas, os tendões também podem sofrer irritações causadas por alongamento continuo e excessivo e por excesso de uso. Isso geralmente acontece com tendões fracos ou duros. Os tendões da patela, de Aquiles, do bíceps e do manguito rotator são particularmente vulneráveis a irritação nos esportes. Os tendões patelares e de Aquiles, quando fracos e sem flexibilidade, podem sofrer desgaste excessivo em atividades repetidas de corrida e salto. Os tendões do bíceps e do manguito rotator, geralmente sofrem desgaste excessivo quando, um atleta com o ombro fraco e pouco flexível arremessa. TENDINITE DEFINIÇÃO: É um processo inflamatório que acomete os tendões, de localização diversa, ocorre principalmente em áreas com maior sobrecarga. Há comprometimento na vascularização da estrutura e da cápsula articular (podendo evoluir para a necrose local), com eventuais alterações degenerativas, calcificação e possível ruptura tendínea. CAUSA: Pode ser causada por anormalidade anatômica (pés pronados), excesso de exercícios pliométricos e equipamento impróprio (empunhadura inadequada da raquete no tênis, por exemplo), traumatismo local ou mesmo por excesso de uso.

Atletismo, futebol (goleiros), basquetebol e saltos em geral - pela sobrecarga no movimento de flexão plantar - Tendinite de Aquiles

Basquete/voleibol/ atletismo e nos saltos em geral - Tendinite infra-patelar .

Futebol - dor localiza-se na virilha devido sobrecarga nos adutores nos movimentos de: corrida com bola, passe lateral, tiro de meta, carrinhos e adução forçada - Tendinite dos adutores do quadril.

TENDINOSE degeneração não inflamatória e sem trauma com falha na reação da cicatricial

LESÕES ESPORTIVAS AGUDAS E CRÔNICAS. ORIGEM E DETERMINANTES DAS LESÕES ESPORTIVAS. CLASSIFICAÇÃO DAS LESÕES DESPORTIVAS

► Aguda (ocorre subitamente)

► Crônica (longo período ou por muito tempo) PERÍODO DE DURAÇÃO

LESÃO AGUDA - evolução rápida, imprevista, causal, acometimento súbito, movimentos bruscos até 72 horas

após. SINAIS - vermelhidão (rubor), edema (tumor), dor, perda da função.

vermelhidão (rubor), edema (tumor), dor, perda da função. TIPO DE LESÃO QUAL SEGMENTO RESULTADOS: resolução

TIPO DE LESÃO

edema (tumor), dor, perda da função. TIPO DE LESÃO QUAL SEGMENTO RESULTADOS: resolução completa

QUAL SEGMENTO

RESULTADOS:

RESULTADOS: resolução completa regeneração das células restauração do local da inflamação aguda ao normal

resolução completa regeneração das células restauração do local da inflamação aguda ao normal

cura por reposição do tecido conjuntivo cicatrização progressão para inflamação crônica.

cura por reposição do tecido conjuntivo cicatrização progressão para inflamação crônica.

LESÃO CRÔNICA - evolução cumulativa ou quando certa estrutura é exposta a ação repetitiva além das possibilidades de resistência a tal força, as que se mantém por longo tempo com períodos de remissão e de exacerbação em virtude de lesões consecutivas da mesma estrutura, podendo advir de lesões agudas mal tratada ou de varias reincidências desta última a partir de 72 horas.

PODEM SURGIR:

PODEM SURGIR: após a inflamação aguda devido persistência do estímulo interferência no processo de cicatrização

após a inflamação aguda

devido persistência do estímuloPODEM SURGIR: após a inflamação aguda interferência no processo de cicatrização surtos repentinos de inflamação

após a inflamação aguda devido persistência do estímulo interferência no processo de cicatrização surtos

interferência no processo de cicatrização

do estímulo interferência no processo de cicatrização surtos repentinos de inflamação aguda por infecções de

surtos repentinos de inflamação aguda

de cicatrização surtos repentinos de inflamação aguda por infecções de micróbios intracelulares exposições

por infecções de micróbios intracelulares

aguda por infecções de micróbios intracelulares exposições prolongadas a substâncias não degradáveis

exposições prolongadas a substâncias não degradáveis

por infecções de micróbios intracelulares exposições prolongadas a substâncias não degradáveis reações imunes

reações imunes

FATORES PRÉ-DISPONENTES A LESÕES CRÔNICAS

Síndrome do uso excessivo OVERUSE causada por microtraumas de repetição por atividade continuada.

Sobrecarga -

excessivo de volume de exercícios

excessivo de volume de exercícios

Overtraining atividade sistemática com alta intensidade por certo período.

Iniciação desportiva precoce antecipação prematura da prática desportiva

Microtraumatismos - não levam a aparecimento momentâneo de sintomas, mas progressivamente degeneração do

tecido.

GÊNESE E DETERMINANTES

BIOMECÂNICA DO ESPORTE

Associação direta ao gesto esportivo - frenagens, acelerações, mudanças bruscas de direção e descoordenação de

movimento.

FATORES EXTRÍNSECOS -

Ambiente → piso → deformar-se suficientemente → impacto → firme para fornecer estabilidade.

Locais de treino → adequadas a prática do esporte → segurança → integridade física → atletas.

Equipamento desportivo → calçados → conforto e segurança → adaptação as características pessoais do atleta →

do esporte → das necessidades do tipo de treino e competição.

Equipamento → bola / raquete → qualidade de confecção → boa conservação → uso próprios dos materiais.

Proteção corporal → joelheira / luvas → prevenção → esporte e segurança

Programas de treinamento → modalidades esportiva X

do manejo adequado das fases de treinamento.

FATORES INTRÍNSECOS -

biótipo → recuperação fisiológica →

periodização através

Anatômicos (desalinhamento do membro inferior) → Fisiológicos (preparo físico) → Psicológicos (vida diária, escolha

do esporte, dopping)

FATORES CONTRIBUINTES

Redução do nível de condicionamento físico → efeitos sociais →

supervisão adequada.

atividade em grupo →

pressão social →

fala de

TRATAMENTO DE LESÕES CRÔNICAS

Frio terapêutico (crioterapia)

INDICAÇÃO: é usado no controle das lesões agudas devido ao combate a este processo inflamatório através do gelo

(crioterapia) pelo resfriamento do local lesionado ocorrendo uma diminuição do metabolismo local assim como do

sangramento e do hematoma através da constrição do vaso sanguíneo resultando na diminuição do inchaço. A dor diminui

devido ao bloqueio dos impulsos dolorosos emitidos pelos receptores nervosos locais. A

sua utilização dependerá do

tempo de aplicação, área aplicada e temperatura da compressa. Há vários métodos de aplicação de frio como massagem

com gelo, imersão , bolsa de gel, etc

RESPOSTAS FISIOLÓGICAS

↓ da temperatura,

↓ do metabolismo celular,

↓ da dor,

↓ do espasmo tissular,

↑ da rigidez tecidual

↑ ou↓ dos efeitos inflamatórios

↑ ou↓ dos efeitos circulatórios

CONTRA INDICAÇÃO: alergia ao frio (vermelhidão cutânea), formação de vergões, rubor na face, desmaio, queda da pressão e aumento da freqüência cardíaca, nunca aplicada a uma área que possuem suprimento circulatório comprometido ou sobre pele anestesiada.

Calor terapêutico (termoterapia)

INDICAÇÃO: é indicado na fase de reabilitação pós traumática, sempre que se deseja um aumento ligeiro no fluxo

sanguíneo, maior velocidade de cicatrização, alivio parcial da dor devido à diminuição dos impulsos nervosos que

estimulam a dor, relaxamento dos músculos ou redução na rigidez articular. O calor superficial é feito através de bolsas

térmicas (água e gel), a forma mais fácil e corriqueira de aplicação de calor. Deverá ser usado durante aproximadamente

trinta minutos e sua temperatura não deverá ser superior à da água de um banho quente de chuveiro. Já o calor profundo

é feito através de aparelhos de ultra-som e ondas curtas e deverá ser supervisionado por um fisioterapeuta.

RESPOSTAS FISIOLÓGICAS

vasodilatação

↑ da temperatura

↑ do metabolismo celular

↓ da dor

↓ do tônus muscular

↓ da rigidez articular

CONTRA-INDICAÇÃO: nas áreas de tecidos que não estão sendo irrigadas suficientemente com sangue, estando

também

com infecções internas, processo inflamatório persistente ou edema significativo. Os indivíduos com distúrbios

hemorrágicos devem evitar o uso dos agentes de aquecimento.

CONTRASTE

Os banhos de contraste com frio e calor são bastante empregados nas recuperações de fraturas e lesões ligamentares, numa fase tardia. As ações vasodilatadoras do calor e vasoconstritoras do frio, alternadas, ajudam a diminuir o processo inflamatório e o inchaço.

ATENÇÃO

Tanto o uso de calor quanto o do frio em pacientes com alterações neurológicas (sensibilidade), vasculares ou psíquicas, deve ser supervisionado por médico pois do contrário poderão ocorrer lesões locais graves e de difícil tratamento.

LESÕES ESPORTIVAS MAIS FREQUENTES NO PLANO OSTEO-MÚSCULO-ARTICULAR

No plano das lesões desportivas musculares, tendíneas, ligamentares e osteoarticulares, destacam-se:

estiramentos, distensões e ruptura musculares, tendinite, bursite, luxação, entorse, fratura, fratura por stress, ruptura meniscal, desordem patelo-femural, osteocondrite e fasceíte plantar. OSSOS

O esqueleto é a infra-estrutura do corpo. Suas duas funções principais são:

do corpo. Suas duas funções principais são: sustentar o corpo proteger órgãos importantes como o

sustentar o corpo

proteger órgãos importantes como o cérebro, os pulmões e o coração. Os ossos são dimensionados e posicionados de forma eficiente paea que cumpram essas funções.Suas duas funções principais são: sustentar o corpo MÚSCULOS Os músculos são tecidos elásticos fibrosos que

MÚSCULOS

Os músculos são tecidos elásticos fibrosos que movem os ossos. Os grupos musculares que geralmente sofrem lesões

no esporte são os seguintes:

que geralmente sofrem lesões no esporte são os seguintes: manguito rotador – localizado na escápula, esse

manguito rotador localizado na escápula, esse músculo está envolvido nos movimentos de arremesso.

Quadríceps – localizados na frente da coxa, esses músculos estendem o joelho e movem ou flexionam localizados na frente da coxa, esses músculos estendem o joelho e movem ou flexionam a coxa para frente.

Posteriores da coxa – localizados na parte de trás da coxa, esses músculos flexionam o joelho e movem localizados na parte de trás da coxa, esses músculos flexionam o joelho e movem a coxa para trás.

Panturilha – localizados atrás da parte inferior da perna, esses músculos movem o pe para baixo localizados atrás da parte inferior da perna, esses músculos movem o pe para baixo e também ajudam a flexionar o joelho.

LIGAMENTOS

Ligamentos são tiras de tecido que em geral servem para ligar ossos a articulações. Sua função principal é manter os ossos juntos, portanto, são extremamente importantes para a estabilidade das articulações.

TENDÕES

Os tendões são tecidos elásticos fibrosos que ligam os músculos aos ossos. É comum que os seguintes tendões sofram

lesões no esporte : tendão de Aquiles, tendão patelar, tendão do bíceps, tendão do músculo manguito rotator.

CARTILAGENS

A cartilagem é um tipo de tecido, chamado cartilaginoso, encontrado geralmente na extremidade dos ossos. Ajuda a

absorver o impacto de ossos que se chocam e reduz o atrito entre ossos que tem contato entre si.

BURSA

Bursas são pequenos sacos cheios de liquido localizados entre, músculos, tendões e outros tecidos. Ajudam a reduzir o

atrito entre tecidos.

ARTICULAÇÕES

O corpo, entretanto, ficaria imóvel se não fosse pelo movimento que as articulações permitem articulações são os

locais onde os ossos se juntam. São formadas por ligamentos, tendões, cartilagens e bursas. As principais são: joelho,

cotovelo, ombro e tornozelo.

Contusões

As contusões são um tipo comum de lesão de tecido mole (nervos, vasos sanguíneos,músculo, pele, órgão, tendões,

cartilagem, ligamentos, bursa). Em consequência de um golpe direto, tecidos e capilares são danificados e perdem líquido e

sangue. Isso causa dor, inchaço e hematoma. As contusões na pele são de pouca gravidade, mas as que ocorrem em ossos

e músculos podem causar perda de função. Contusões no coração, pulmões, cérebro,rins ou órgãos apresentam risco a

vida.

Distensões

Se um músculo ou tendão for flexionado ou estendido a força, pode ser distendido. A distensão, assim

como a entorse, é uma lesão por estiramento ou ruptura. No entanto, a distensão ocorre apenas em

músculos e tendões. Se for grave, a distensão pode comprometer a capacidade, do músculo ou do

tendão, de mover os ossos.

Rompimento de cartilagem

As cartilagens cobrem a extremidade dos ossos e reduzem o impacto e o atrito. Se os ossos de uma

articulação forem torcidos e comprimidos, podem perfurar e romper a cartilagem. Essa lesão ocorre com

freqüência no joelho.

Entorses

As entorses ocorrem quando há estiramento, ruptura, ou ambos, dos ligamentos. São causados por

golpe direto ou torção. A entorse de um ligamento pode causar perda de estabilidade da articulação.

Lembrem-se os ligamentos sustentam a articulação, mantendo os ossos juntos. Sem sustentação, os

ossos não permanecem no lugar. Quando ocorre estiramento ou ruptura, os ligamentos nem sempre

recuperam o comprimento original e podem cicatrizar estando alongados ou estirados. É por isso que

tornozelos podem ser lesionados novamente.

Luxações e subluxações

Às vezes, quando ocorre torção de uma articulação, os ossos saem de sua posição. Dizemos que os

ossos de uma articulação sofreram luxações se eles ficam fora de posição até que um médico os

reposicione. Se os ossos saem do lugar, mas voltam imediatamente, ocorreu uma subluxação. As

luxações e subluxações mais comuns no esporte ocorrem no ombro, cotovelo, dedos e patela.

Geralmente, luxações e subluxações lesionam os tecidos moles ao redor de uma articulação. Por

exemplo, freqüentemente ocorre entorse dos ligamentos quando há luxações e subluxações porque os

seus tecidos são estirados ou rompidos quando os ossos saem do lugar. Os ossos também podem se

quebrar durante as lesões, embora isso não seja uma ocorrência comum.

Bursite

As bursas podem ficar inchadas e doloridas caso sofram irritações ou golpes contínuos. As bursites do joelho ou da patela são os tipos mais comuns no esporte.

Tendinite

Assim como as bursas ficam irritadas, os tendões também podem sofrer irritações causadas por alongamento continuo e excessivo e por excesso de uso. Isso geralmente acontece com tendões fracos ou duros. Os tendões da patela, de Aquiles, do bíceps e do manguito rotator são particularmente vulneráveis a irritação nos esportes. Os tendões patelares e de Aquiles, quando fracos e sem flexibilidade, podem sofrer desgaste excessivo em atividades repetidas de corrida e salto. Os tendões do bíceps e do manguito rotator, geralmente sofrem desgaste excessivo quando, um atleta com o ombro fraco e pouco flexível arremessa.

Fraturas por estresse

Se um osso sofrer desgaste ou impacto contínuo, pode vir a quebrar. Esse fato é denominado fratura por estresse. Os

atletas mais vulneráveis a mesma são corredores de longa distância, sem tirar um dia para descansar e os arremessadores

no beisebol que também se exercitam em excesso e diariamente.

COMPLEMENTO - Procedimentos Tendinite e Bursite

Tendinite DEFINIÇÃO: É um processo inflamatório que acomete os tendões, de localização diversa, ocorre principalmente em áreas com maior sobrecarga. Há comprometimento na vascularização da estrutura e da cápsula articular (podendo evoluir para a necrose local), com eventuais alterações degenerativas, calcificação e possível ruptura tendínea. CAUSA: Pode ser causada por anormalidade anatômica (pés pronados), excesso de exercícios pliométricos e equipamento impróprio (empunhadura inadequada da raquete no tênis, por exemplo), traumatismo local ou mesmo por excesso de uso. Arqueiros - Tenossinovite do D’Quervain - extensor curto e adutor do polegar. Atletismo, futebol (goleiros), basquetebol e saltos em geral - pela sobrecarga no movimento de flexão plantar -

Tendinite de Aquiles . Basquete/voleibol/ atletismo e nos saltos em geral - Tendinite infra-patelar . Basquete - Tendinite da porção longa do bíceps. Futebol e atletismo - Tendinite de pata de ganso (inserção dos músculos semimembranoso,semitendineo e grácil) Futebol - dor localiza-se na virilha devido sobrecarga nos adutores nos movimentos de: corrida com bola, passe lateral, tiro de meta, carrinhos e adução forçada - Tendinite dos adutores do quadril. Ciclismo/balé/dança/recrutas de exército - pelo atrito do tecido músculo-tendíneo na região do epicôndilo lateral do fêmur, resultante do mecanismo repetitivo de flexo-extensão de joelho - Síndrome do trato Iliotibial. Tenistas e lançadores de martelo - músculo extensor radial do carpo é o mais suscetível a esse agravo -

(uso de tira compressiva na inserção proximal do músculo para tratamento e

prevenção). ATENÇÃO PARA AS DIFERENÇAS DE CONCEITOS: Tendinose degeneração não inflamatória e sem trauma com falha na reação da cicatricial. Tendinite inflamação aguda com resposta inflamatória a degeneração pré-existente com presença de tendinose. Bursite DEFINIÇÃO: Bursas são sacos com conteúdo sinovial: localizam-se em regiões de fricção entre tendões e ossos ou entre tendões e ossos e a pele suprajacente. Sua função essencial é facilitar o movimento de tais

estruturas.Em virtude de fricção excessiva, repetitiva ou por traumatismos diretos, as bursas podem sofrer inflamação com derrame no interior, originando a bursite. CAUSA: Há no corpo, 150 bursas para facilitar os movimentos, elas podem inflamar com overuse ou trauma direto, principalmente em esportes que envolvam sobrecarga repetitiva, como beisebol e natação (subacromial), ginástica (olecraniana), esqui e corrida (trocanteriana, pré-patelar e retrocalcânea). SINAIS: A dor articular permite distingui-la da tendinite, que podem apresentar irradiação ao longo da estrutura músculo-tendinea. Dependerá do tipo de esporte específico. Pré-patelar - Judocas/ surfistas pelo atrito constante nessa região. Pré-patelar - é ocasionada na queda e nos traumatismos, como também no joelho da dona de casa, como conseqüência da permanência prolongada na posição ajoelhada para limpar o chão. Pata de ganso - prepondera em não atletas, pela acentuada solicitação do compartimento medial do joelho, principalmente em pessoas obesas. Olecraniana - presente em ginastas por traumas no cotovelo.

Trocantérica- típica de corredores e marchadores, pela ênfase gerada na região do quadril.

Hálux valgo (a joanete) - deve ser evitado o uso de tênis apertados ou sapatos finos, que acentuam o fator predisponente.

Epicondilite lateral / tênis Elbow