Você está na página 1de 68

Universidade Presbiteriana Mackenzie

Escola de Engenharia – Depto. de Engenharia Civil


20 semestre de 2017

Aula 8

Sinalização horizontal
Tópicos abordados nesta aula
• Legislação e normas de projeto
• Vantagem e desvantagens
• Definição e função
• Padrões de traçado
• Cores
• Classificação
• A SH e a Regulamentação
• Representação gráfica

2o semestre de 2017
• Materiais
• Exemplo de resumo
• Custos dos materiais
8.1. Legislação e Normas de
projeto
As normas de projeto estão
contidas na Resolução 236/07 do
Contran (Manual de Sinalização
Horizontal)

2o semestre de 2017
As figuras desta aula e parte do texto foram
extraídos dessa Resolução
Princípio: Legalidade!
fonte: Folha de S. Paulo, 9.dez.10

2o semestre de 2017
Observação:
veja o início
deste caso
na Aula 2
Princípios: Legalidade! Clareza!
fonte: Google Earth

2o semestre de 2017
Símbolo não previsto na legislação indicando
fiscalização via radar
fonte: O Estado de S. Paulo, 07.mai.10
Princípio: Suficiência!

2o semestre de 2017
Este é um exemplo que o princípio da suficiência também pode não
ser atendido pela falta e não somente pelo excesso de sinalização
Princípio: Suficiência!

2o semestre de 2017
Moradores pintaram a legenda, que
posteriormente foi implantada oficialmente
8.2. Vantagem e desvantagens da sinalização
horizontal sobre os demais tipos
Vantagem

• informa sem que o condutor desvie o olhar da


pista

Desvantagens

2o semestre de 2017
• durabilidade limitada
• má visibilidade em pista molhada ou suja e sob
fluxo saturado
8.3. Definição e função
A sinalização horizontal tem a finalidade de
transmitir e orientar os usuários sobre as
condições de utilização adequada da via,
compreendendo as proibições, restrições e
informações que lhes permitam adotar um
comportamento adequado, de forma a aumentar a
segurança e ordenar os fluxos de tráfego

2o semestre de 2017
A Resolução 236/07 traz a seguinte divisão:
• Padrão de traçado (8.4)
• Cores (8.5)
• Classificação (8.6)
8.4. Padrão de traçado

Padrão contínuo – corresponde às linhas sem


interrupção, aplicadas em trecho específico da
via
Linha simples contínua

2o semestre de 2017
8.4. Padrão de traçado (cont.)

Padrão tracejado ou seccionado: corresponde


às linhas interrompidas, aplicadas em cadência,
utilizando espaçamentos com extensão igual ou
maior que o traço
Linha simples seccionada

A B

2o semestre de 2017
A e B variam com a velocidade
8.4. Padrão de traçado (cont.)
Setas, símbolos ou legendas: correspondem às
informações representadas em forma de desenho
ou inscritas, aplicadas no pavimento, indicando
uma situação ou complementando a sinalização
vertical existente
Exemplos de setas

Exemplos de legendas

2o semestre de 2017
Exemplo de símbolo
8.5. Cores da sinalização horizontal
São usadas as seguintes cores na Sinalização
Horizontal
• Amarela (8.5.1)

• Branca (8.5.2)

• Vermelha (8.5.3)

2o semestre de 2017
• Azul (8.5.3)

• Preta (8.5.3)
8.5.1 Amarela
Utilizada principalmente nos
seguintes casos:
• separar movimentos
veiculares de fluxos opostos
• delimitar espaços proibidos
para estacionamento e/ou
parada
• demarcar obstáculos

2o semestre de 2017
transversais à pista
(lombada)
8.5.1 Amarela (cont.)

• exemplo de delimitação de
espaço proibido para

2o semestre de 2017
estacionamento
• exemplo de
demarcação de
lombada
8.5.2. Branca
Utilizada principalmente
nos seguintes casos:
• separar movimentos
veiculares de mesmo
sentido
• delimitar trechos de
pistas, destinados ao
estacionamento
regulamentado de

2o semestre de 2017
veículos em
condições especiais
8.5.2. Branca (cont.)

• regulamentar faixas
de travessias de
pedestres
• regulamentar linha
de transposição e
ultrapassagem
• demarcar linha de
retenção

2o semestre de 2017
• inscrever setas,
símbolos e legendas
8.5.3. Outras cores

Vermelha: ciclofaixas e símbolo de farmácia

2o semestre de 2017
fonte: Tranzum
8.5.3. Outras cores (cont.)

Azul – símbolo

2o semestre de 2017
8.5.3. Outras cores (cont.)
Preta – para contraste entre o pavimento e a
sinalização

2o semestre de 2017
8.6. Classificação da sinalização horizontal

• marcas longitudinais (8.6.1)


• marcas transversais (8.6.2)
• marcas de canalização (8.6.3)
• marcas de delimitação e controle de
parada e/ou estacionamento (8.6.4)
• inscrições no pavimento (8.6.5)

2o semestre de 2017
Seguem as principais marcas

Para conhecer o conjunto completo, deve-se


consultar o manual
8.6.1. Marcas longitudinais
Separam e ordenam as correntes de tráfego

Linha de
Linha de
divisão de
continuidade
fluxos

Pista

2o semestre de 2017
Linhas de bordo

Faixa Faixa
8.6.1. Marcas longitudinais (cont.)

Linhas de continuidade

fonte: GoogleEarth

2o semestre de 2017
proporciona a continuidade a outras marcações
longitudinais quando há quebra no seu
alinhamento visual
8.6.1. Marcas longitudinais (cont.)

2o semestre de 2017
Exemplo de não cumprimento do princípio da
confiabilidade: não é possível permanecer na faixa
demarcada, pois a largura com o estacionamento
liberado é insuficiente
8.6.1. Marcas longitudinais (cont.)
• Linha de divisão de fluxos: linha de
aproximação (mesmo sentido)

2o semestre de 2017
Obs: a extensão dessa linha não tem relação
com a duração do amarelo do semáforo!
8.6.1. Marcas longitudinais (cont.)

2o semestre de 2017
A falta da sinalização horizontal pode
comprometer a capacidade da via. Sem a
pintura, os veículos se posicionam em três filas
8.6.1. Marcas longitudinais (cont.)

2o semestre de 2017
Com a repintura das linhas longitudinais de
divisão de fluxo, os veículos voltam a se
posicionar em 4 faixas
8.6.2. Marcas transversais
Ordenam os deslocamentos frontais dos
veículos e disciplinam os deslocamentos de
pedestres

2o semestre de 2017
• Linha de retenção
• Faixa de travessia de pedestres
8.6.2. Marcas transversais (cont.)

Faixa de travessia de
pedestres: exemplos de
faixa zebrada e faixa de
linhas paralelas

2o semestre de 2017
8.6.2. Marcas transversais (cont.)
• exemplo de faixa
de travessia de
pedestres do tipo
paralela (extraído
da Resolução
236/07): as linhas
da faixa são
confundidas com a
de retenção por

2o semestre de 2017
uma parcela dos
usuários
• embora oficial, essa faixa não atende ao
princípio da clareza (ver Aula 2)
8.6.2. Marcas transversais (cont.)
A questão da padronização: a legislação nada diz
quanto à cor que deve ter o pavimento para
receber a faixa de pedestres; entretanto deve ser
considerado se não será gerada uma distinção
entre as faixas normais e as de fundo vermelho
(uma será mais importante do que a outra?)

2o semestre de 2017
fonte: Jornal de Itatiba, 22.nov.09
8.6.2. Marcas transversais (cont.)
• Marcação de cruzamento rodo-cicloviários

2o semestre de 2017
Foto: Emdec
8.6.2. Marcas transversais (cont.)

• Marcação de
área de conflito

2o semestre de 2017
8.6.3. Marcas de canalização

sentido duplo

2o semestre de 2017
sentido único
8.6.3. Marcas de
canalização (cont.)

2o semestre de 2017
fonte: AutoBan
8.6.4. Marcas de delimitação e controle de
estacionamento

Sinalização
permitindo o
estacionamento,
em um conjunto
formado pela
sinalização vertical
(placa) e horizontal
(linha branca

2o semestre de 2017
contínua)
O símbolo da cruz é um exemplo do uso da cor
vermelha na sinalização horizontal
8.6.4. Marcas de delimitação e controle de
estacionamento (cont.)

Exemplos de delimitação de estacionamento


permitido em ângulo

2o semestre de 2017
8.6.4. Marcas de delimitação e controle de
estacionamento (cont.)
Exemplos de delimitação de proibição de
estacionamento com linha amarela

2o semestre de 2017
8.6.5. Inscrições (legendas, setas, símbolos)

Exemplo de
legenda.
Existem
várias, como
“DEVAGAR”,
“ESCOLA”,
“SINAL” etc

2o semestre de 2017
As inscrições não tem poder
regulamentador. Elas servem
apenas como complemento à
sinalização
8.6.5. Inscrições (setas, símbolos, legendas)
(cont.)

2o semestre de 2017
Exemplo de não cumprimento do princípio
“confiabilidade”: parte da legenda está encoberta
pelos autos estacionados
8.6.5. Inscrições (setas, símbolos, legendas) (cont.)
Exemplos de setas direcionais

2o semestre de 2017
Assim como as legendas, as
setas direcionais não tem poder
regulamentador. São apenas
complemento à sinalização
8.7. A sinalização horizontal e a
regulamentação

• alguns tipos de sinalização horizontal tem


caráter regulamentador
• esses tipos, listados a seguir, independem da
existência de outros tipos de sinalização para
indicarem obrigações ou proibições aos
motoristas

2o semestre de 2017
• as definições das ações que podem ser
proibidas ou obrigatórias estão no Anexo I do
CTB, como as de “estacionamento” e “parada”,
por exemplo
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)
Seguem definições extraídas do Anexo 1 do CTB:
• ESTACIONAMENTO - imobilização de veículos
por tempo superior ao necessário para
embarque ou desembarque de passageiros
• PARADA - imobilização do veículo com a
finalidade e pelo tempo estritamente necessário
para efetuar embarque ou desembarque de

2o semestre de 2017
passageiros

R6b R6a R6c


Estacionamento Proibido Proibido parar e
regulamentado estacionar estacionar
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)
Exemplos de aplicações das placas R6a e R6c

2o semestre de 2017
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)

• a seguir, estão relacionados partes de


nove artigos do CTB, extraídos do
“Capítulo XV – Das Infrações”, nos quais
a sinalização horizontal tem poder de
regulamentação e sua desobediência
constitui um infração de trânsito
• o próximo quadro traz apenas um

2o semestre de 2017
resumo (*), sendo que a reprodução
completa dos textos dos artigos do CTB
está nos slides seguintes
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)
Artigo do
Inciso Resumo (*)
CTB
181 VIII Proíbe estacionamento sobre faixa de pedestre e outros
181 XIII Proíbe estacionamento junto à ponto de ônibus
182 VI Proíbe parada sobre faixa de pedestre e canalizações
182 VII Proíbe parada em áreas de cruzamento
183 - Proíbe parada sobre faixa de pedestre no semáforo
185 I Deixar de conservar o veículo na faixa destinada
193 - Transitar sobre canalizações e outros
203 II Ultrapassar na contramão sobre faixa de pedestres

2o semestre de 2017
203 V Proíbe ultrapassar se houver linha divisória
206 I Proíbe retorno se houver linha divisória
206 III Proíbe retorno sobre faixa de pedestres
207 - Proíbe conversão se houver linha divisória
214 I Não dar preferência ao pedestre na faixa a ele destinada
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)

A seguir o detalhamento dos artigos do CTB,


extraídos do “Capítulo XV – Das Infrações”
Artigo 181 – VIII – proíbe o estacionamento
no passeio ou sobre faixa destinada a
pedestre, sobre ciclovia ou ciclofaixa, bem
como nas ilhas, refúgios, ao lado ou sobre

2o semestre de 2017
canteiros centrais, divisores de pista de
rolamento, marcas de canalização, gramados
ou jardim público
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)
• Artigo 181 – XIII – proíbe o estacionamento onde
houver sinalização horizontal delimitadora de
ponto de embarque ou desembarque de
passageiros de transporte coletivo ou, na
inexistência desta sinalização, no intervalo
compreendido entre dez metros antes e depois do
marco do ponto

2o semestre de 2017
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)

• Artigo 182 – VI – proíbe a parada do veículo


sobre faixa destinada a pedestres e marcas
de canalização
• Artigo 182 – VII – proíbe a parada do veículo
na área de cruzamento de vias
• Artigo 183 – proíbe a parada do veículo

2o semestre de 2017
sobre a faixa de pedestres na mudança do
sinal luminoso
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)

• as marcas longitudinais amarelas


contínuas (simples ou duplas)
regulamentam a proibição de
ultrapassagem e os deslocamentos
laterais, exceto para acesso a imóvel
lindeiro

2o semestre de 2017
• as marcas longitudinais seccionadas ou
tracejadas não têm poder de
regulamentação, apenas ordenam os
movimentos veiculares
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)

• as marcas longitudinais brancas contínuas


têm poder de regulamentação de proibição
de ultrapassagem e transposição

• Artigo 185 – I – quando o veículo estiver em

2o semestre de 2017
movimento, deixar de conservá-lo na faixa a
ele destinada (ultrapassagem e
transposição)
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)

outras definições extraídas do Anexo 1 do CTB:

• TRANSPOSIÇÃO DE FAIXAS - passagem de


um veículo de uma faixa demarcada para
outra

• ULTRAPASSAGEM - movimento de passar à

2o semestre de 2017
frente de outro veículo que se desloca no
mesmo sentido, em menor velocidade e na
mesma faixa de tráfego, necessitando sair e
retornar à faixa de origem
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)
• Artigo 193 – transitar com o veículo em
calçadas, passeios, passarelas, ciclovias,
ciclofaixas, ilhas, refúgios, ajardinamentos,
canteiros centrais e divisores de pista de
rolamento, acostamentos, marcas de
canalização, gramados e jardins públicos
• Artigo 203 – II – ultrapassar na contramão nas
faixas de pedestre

2o semestre de 2017
• Artigo 203 – V – proíbe a ultrapassagem pela
contramão onde houver linha de divisão de
fluxos opostos do tipo linha dupla contínua ou
simples contínua amarela
8.7. A sinalização horizontal e a regulamentação
(cont.)
• Artigo 206 – I – proíbe a operação de retorno
em locais proibidos pela sinalização (linha
contínua amarela)
• Artigo 206 – III – proíbe a operação de retorno
passando por cima de faixas de pedestres
• Artigo 207 – proíbe a operação de conversão à
direita ou à esquerda em locais proibidos pela
sinalização (linha contínua amarela)

2o semestre de 2017
• Artigo 214 – I – não dar preferência de
passagem a pedestre e a veículo não
motorizado que se encontre na faixa a ele
destinada
8.8. Representação gráfica para sinalização
horizontal

- Existente traço fino (ø 0,1)

- A retirar tracejado (ø 0,1)

2o semestre de 2017
- Proposta traço grosso (ø 0,5)
8.8.1. Representação gráfica da sinalização
horizontal – exemplo de representação
Rua Provolone

Rua Parmesão

Exemplo das 3

2o semestre de 2017
simbologias: “existente”,
“retirar” e “colocar”;
aplicadas na linha dupla
amarela
8.8.2. Representação
gráfica da sinalização
horizontal – exemplo
de projeto

2o semestre de 2017
fonte: CET
2o semestre de 2017
fonte: CET
8.9. Principais tipos de materiais

• Tinta a frio

• Hot spray

• Termoplástico extrudado

2o semestre de 2017
• Película
8.9. Principais tipos de materiais (cont.)

• Tinta a frio

- durabilidade
limitada
- usada em locais
de baixa solicitação
ou de sinalização

2o semestre de 2017
provisória (desvio
de obras, por ex.)
- baixa refletividade
8.9. Principais tipos de materiais (cont.)
• Hot spray
- resina plástica, aplicada mecanicamente
- recebe camada superficial de microesferas de
vidro
- usada, em geral, para marcações
longitudinais

2o semestre de 2017
8.9. Principais tipos de materiais (cont.)

• Termoplástico
extrudado

- mesmo material
usado no hot-spray,
porém aplicado
manualmente e com
maior espessura

2o semestre de 2017
- usado para
sinalizações altamente
solicitadas
8.9. Principais tipos de materiais (cont.)
• Película
- alta durabilidade
- aplicação rápida e em variados tipos de
pavimento
- altamente recomendável em lombadas

2o semestre de 2017
8.10. Exemplo do resumo de um projeto
Providência (m2)
Material Cor
Col Ret
Termoplástico Am X 360,0 45,0
Extrudado Br X 24,0 8,0
Am
Hot Spray
Br X 234,5
Am

2o semestre de 2017
Película
Br X 12,0
Am X 36,0
Tinta a frio
Br
8.12. Custos dos materiais
Providência (m2)
Material
Col Ret
Termoplástico 61,01 (faixas e linhas)
50,98
Extrudado 67,84 (inscrições)

Hot Spray 39,78 50,98

Película 136,05 52,14

2o semestre de 2017
Tinta a frio 23,37 -

Valores em reais. Custos meramente


referenciais, obtidos no contrato 024/15 da CET
(abril/15)
8.11. O problema
da retirada do
material
Fonte: Traffic Technology

2o semestre de 2017
8.11. O problema da retirada do material (cont.)
fonte: Folha de S. Paulo, 20.abr.09

2o semestre de 2017
8.11. O problema da retirada do material (cont.)
fonte: Folha de S. Paulo, 11.mai;15

2o semestre de 2017

Você também pode gostar