Você está na página 1de 122

abertura parte 2:reg02 1col 21/5/2008 20:38 Página 41

Integrante da Campanha por Igualdade faz um


protesto, no dia 13 de dezembro de 2007,
contra a detenção continuada das ativistas de
direitos humanos Maryam Hosseinkah e Jelveh
Javaheri. Em janeiro de 2008, as duas foram
finalmente libertadas mediante o pagamento
de fiança.

© Arash Ashoorinia / www.koosof.com


abertura parte 2:reg02 1col 21/5/2008 20:38 Página 42
abertura parte 2:reg02 1col 21/5/2008 20:38 Página 43

08
INFORME 2008 - ANISTIA INTERNACIONAL
PARTE TRÊS: PAÍSES
abertura parte 2:reg02 1col 21/5/2008 20:38 Página 44

© Khalid Mohammed/AP/PA Photos

Abu Abdullah, a direita, em meio aos


escombros de sua loja no mercado público de
Sadriyah, em Bagdá. Em fevereiro de 2007,
dois de seus filhos foram mortos em um
atentado suicida que matou outras 130
pessoas.
Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 73

internacionais, incluindo as tropas da ISAF e da


AFEGANISTÃO Operação Liberdade Duradoura, subiu para quase
49 mil.
AFEGANISTÃO O nível de insurgência se intensificou com o Talibã e
Chefe de Estado e de governo: Hamid Karzai com outros grupos armados garantindo o controle
Pena de morte: retencionista temporário de vários distritos, principalmente no sul, e
População: 25,1 milhões
confrontando-se, repetidamente, com forças militares
Expectativa de vida: 42,9 anos
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 240/234 por mil afegãs e internacionais.
Taxa de alfabetização: 28 por cento A exigência de retirada das forças internacionais
feita pelo Talibã foi rejeitada pelo governo Afegão.
Houve tentativas crescentes de promover o diálogo
O aumento dos conflitos e da insegurança, agravado entre as partes envolvidas no conflito. Somando-se a
por secas e por inundações, afetou grande parte do isso, os esforços para incentivar uma solução regional
A
Afeganistão e resultou em deslocamentos em massa de para a situação levaram à realização de uma jirga
pessoas durante o ano. Estima-se que pelo menos (conselho tribal informal) de paz, em agosto de 2007,
6.500 pessoas foram mortas no contexto do conflito. com participantes do Afeganistão e do Paquistão.
Violações do direito internacional humanitário e do
direito internacional dos direitos humanos foram Abusos cometidos pelo governo afegão
cometidas com impunidade por todas as partes, Sistema de justiça
inclusive pelas forças de segurança internacionais, Em junho, uma conferência internacional chamou
afegãs e por grupos insurgentes. Todos os lados atenção sobre as falhas graves e sistemáticas
realizaram ataques indiscriminados, com bombardeios existentes na administração da Justiça no Afeganistão
aéreos da Força Internacional de Assistência à – inclusive no Ministério da Justiça, nos tribunais, nas
Segurança (ISAF) e das forças da Operação Liberdade prisões, na polícia, no Exército e no serviço de
Duradoura, comandada pelos EUA, bem como com inteligência afegão, o Diretório Nacional de Segurança
ataques suicidas de grupos armados. De acordo com a (DNS) – apesar de anos de apoio internacional à
ONG afegã Security Office, cerca de dois mil civis não- reforma dessas instituições.
combatentes morreram, sendo um quarto dessas O mandato do DNS continuou obscuro, pois o
mortes causadas pelas forças de segurança e quase a decreto presidencial que define seus poderes
metade delas causadas por grupos insurgentes. permaneceu confidencial. Na prática, o Diretório
Direitos associados à educação, à saúde e à liberdade pareceu continuar exercendo amplos poderes,
de expressão foram violados, especialmente os das inclusive detendo, interrogando, investigando,
mulheres. Defensores dos direitos humanos e processando e sentenciando pessoas que,
jornalistas, muitos dos quais mulheres, foram supostamente, teriam cometido crimes contra a
ameaçados, intimidados fisicamente, detidos ou segurança nacional. A falta de separação entre essas
mortos. Houve limitado progresso na reforma de funções violou o direito dos suspeitos a um julgamento
instituições governamentais fundamentais, como a justo, contribuiu para a impunidade dos perpetradores
polícia e o serviço de inteligência. Autoridades do de violações de direitos humanos e comprometeu o
governo e detentores de poder locais não prestaram Estado de direito. Houve relatos consistentes de tortura
contas por denúncias de abusos. Além disso, o acesso e de outros maus-tratos de detentos mantidos pelo
à Justiça, em muitas áreas, foi pouco ou inexistente DNS.
Entre as sérias falhas que continuaram a dificultar
Informações gerais a administração efetiva da Justiça incluíam-se: um
O governo afegão deu continuidade à implementação Judiciário prejudicado por uma quantidade de
do Plano Compacto para o Afeganistão. Esse plano foi servidores não-qualificados; uma força policial mal
acordado em 2006 entre o Afeganistão e seus treinada e mal paga; a independência do Judiciário
parceiros internacionais e estava relacionado com o ameaçada por pressões dos grupos armados; e
desenvolvimento, a segurança e a governança do procedimentos injustos de julgamento, que incluíam
Afeganistão. O número de efetivos das forças militares violações ao direito de arrolar e interrogar testemunhas,

Informe 2008 - Anistia Internacional 73


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 74

e negação do direito dos detentos à defesa legal e ao de maior repercussão, em meados de 2007,
acesso à informação. A falta de confiança ou de acesso envolvendo a morte de civis pelas forças militares
ao sistema de justiça formal resultou na dependência internacionais, a ISAF instituiu novas regras para os
de sistemas de justiça informais, sobretudo nas áreas combates.
rurais, onde consta que mais de 80 por cento dos O impacto causado pela medida permaneceu
casos foram resolvidos através de mecanismos incerto; porém, houve relatos regulares de ocorrência
informais de justiça. desproporcional de mortes de civis em conseqüência
de operações militares internacionais.
Impunidade  No dia 4 de março, depois de um ataque suicida a um
Persistiu a cultura de impunidade. Essa cultura foi comboio dos EUA na principal rodovia de Jalalabad, na
incentivada, em fevereiro, pela introdução de um província de Nangarhar, as tropas estadunidenses
projeto de Lei de Anistia que absolve o governo da abriram fogo indiscriminadamente por um percurso de
responsabilidade de levar à Justiça os suspeitos de 12 km da rodovia, matando pelo menos 12 civis e
A
terem cometido, no passado, violações de direitos ferindo 35 pessoas. Investigações da Comissão
humanos e crimes sob o direito internacional, inclusive Independente de Direitos Humanos do Afeganistão
crimes de guerra e crimes contra a humanidade. revelaram que as tropas dos EUA utilizaram a força de
Em dezembro, o Presidente Karzai declarou que seu modo excessivo e indiscriminado. Os militares
governo ainda não teve condições de prender nem estadunidenses remeteram o caso para o Serviço de
de processar muitos dos responsáveis por abusos de Investigação Criminal Naval, mencionando a
direitos humanos passados e atuais. Os acusados por necessidade de maiores investigações.
tais abusos incluíam membros do Parlamento, assim
como autoridades dos governos provinciais. Tortura e outros maus-tratos
Não houve progresso na implementação do Plano de A ISAF continuou a transferir prisioneiros para o
Ação para a Paz, a Justiça e a Reconciliação no Diretório Nacional de Segurança apesar das denúncias
Afeganistão, lançado em fevereiro de 2006. de tortura e de outros maus-tratos praticados pelo
órgão. As tentativas das forças internacionais de
Pena de morte monitorar os detentos transferidos foram aplicadas de
Quinze pessoas foram executadas em outubro – sendo forma inconsistente.
essas as primeiras execuções em três anos –, e um Além disso, as forças envolvidas com a Operação
indivíduo condenado à morte supostamente conseguiu Liberdade Duradoura, sob comando estadunidense,
se livrar da execução através de suborno. As 15 continuaram a transferir pessoas para o Diretório
pessoas foram mortas a tiros quando tentaram fugir Nacional de Segurança e para instalações de detenção
da execução. Imediatamente após as execuções, administradas pelos EUA, inclusive para a base aérea
uma greve de fome de 10 dias foi iniciada por de Bagram, próxima a Cabul. As autoridades
alguns prisioneiros do presídio de Pol-e-Charkhi. estadunidenses transferiram mais de 100 detentos de
Os prisioneiros disseram que as execuções não Bagram e de Guantánamo para o recém reformado
foram baseadas em julgamentos justos e transparentes Bloco D do presídio de segurança máxima de Pol-e-
e que algumas foram politicamente motivadas. Charkhi, nos arredores de Cabul. Não estava claro
Acredita-se que entre 70 e 110 pessoas permaneciam quem era responsável pela supervisão do Bloco D.
no corredor da morte. Acredita-se que aproximadamente 600 detentos
permaneciam em Bagram no fim do ano.
Abusos cometidos pelas forças internacionais
Matança de civis Abusos cometidos por grupos armados
As forças militares internacionais teriam causado a Seqüestros e assassinatos
morte de várias centenas de civis. Alguns podem ter Grupos armados, incluindo o Talibã, o Hizb-e-Islami e a
sido vítimas de ataques indiscriminados em Al Qaeda, visaram deliberadamente civis como parte
bombardeios aéreos e em outras operações que, de sua luta atual contra o governo afegão e contra as
possivelmente, violaram o direito internacional forças militares internacionais. A estratégia incluía o
humanitário. Depois de ocorrerem vários incidentes assassinato de pessoas que pareciam estar

74 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 75

trabalhando ou cooperando com o governo afegão ou expressão. Vários jornalistas foram presos ou
com as forças militares internacionais. Mulá Dadullah, intimidados e mortos. Integrantes da Comissão
um comandante do Talibã, declarou que o seqüestro Independente de Direitos Humanos do Afeganistão
era uma “boa tática” e encorajou os combatentes (AIHRC) e representantes de organizações nacionais
talibãs a utilizá-la com maior freqüência. Houve um de direitos humanos também sofreram ameaças.
aumento acentuado de seqüestros em todo o sul e A Associação de Jornalistas Independentes do
sudeste do Afeganistão. Afeganistão registrou, em 2007, 53 casos de violência
 Quatro funcionários de tribunais provinciais afegãos contra jornalistas, perpetrados pelo governo afegão e
foram seqüestrados pelo Talibã enquanto viajavam no por insurgentes talibãs. Em seis dos casos, um
distrito de Andar, em Ghazni, no dia 24 de julho. Seus jornalista foi morto.
corpos foram encontrados mais tarde pelas autoridades  Zakia Zaki, que dirigia a emissora privada Rádio da
afegãs. Paz, foi morto por um pistoleiro em sua casa, na
 Forças talibãs seqüestraram 23 coreanos, no dia 19 província central de Parwan, no dia 5 de junho.
A
de julho, enquanto eles viajavam através de Ghazni. Dois  Kamran Mir Hazar, jornalista da Rádio Salaam
dos reféns foram mortos; os demais foram libertados Watandar e editor do portal de notícias na Internet Kabul
após seis semanas de cativeiro. Press, foi preso duas vezes, aparentemente por criticar o
 Forças talibãs seqüestraram cinco afegãos e dois governo, e libertado em seguida sem acusações.
alemães, em 18 de julho, na província de Wardak. Um
dos afegãos escapou e um dos alemães morreu em Violência contra mulheres e meninas
cativeiro. Os demais reféns foram libertados em outubro. Nas mais diversas áreas, os direitos das mulheres
Ataques suicidas continuaram a ser corroídos. Mulheres que
Grupos armados realizaram cerca de 140 ataques trabalhavam para o governo sofreram ameaças, sendo
suicidas contra alvos militares e civis, matando que muitas sobreviveram a tentativas de assassinato.
aproximadamente 300 civis.  Massoma Anwary, diretora do Departamento de
 Até 80 pessoas foram mortas durante um atentado Assuntos da Mulher da província de Ghor, sobreviveu a
suicida à bomba, ocorrido no dia 6 de novembro, em uma tentativa de assassinato em novembro.
uma cerimônia na província de Baghlan. Inúmeras Uma diminuição no número de ataques contra
pessoas ficaram feridas. Algumas das mortes e dos escolas permitiu que alguns estabelecimentos fossem
ferimentos podem ter sido causados por seguranças dos reabertos em áreas perigosas e, de modo geral, houve
membros do Parlamento presentes à cerimônia, os aumento no número de crianças que freqüentavam a
quais aparentemente abriram fogo após a primeira escola. No entanto, temores com a segurança fizeram
explosão. com que muitas meninas não pudessem ir à escola.
 Em 17 de julho, 24 pessoas foram mortas e 35 De acordo com o segundo relatório da AIHRC sobre
ficaram feridas quando um homem-bomba explodiu direitos econômicos e sociais, publicado em agosto,
dentro de um ônibus que transportava recrutas da 36,1 por cento das meninas em idade escolar não
polícia afegã. freqüentavam a escola por questões de acessibilidade,
Assassinatos após processos quasi-judiciais incluindo segurança.
O Talibã e outros grupos mataram pessoas ilegalmente
depois de processos quasi-judiciais. Relatórios da Al
 No dia 30 de setembro, combatentes talibãs  Afghanistan: Detainees transferred to torture – ISAF complicity? (ASA
seqüestraram o jovem Zainullaah, um chaveiro de 15 11/011/2007)
anos, da loja onde ele trabalhava no distrito de Sangin,  Amnesty International dismayed by execution of 15 in Afghanistan (ASA
na província de Helman, no sul do Afeganistão. Eles o 11/014/2007)
acusaram de ser espião, o enforcaram em um poste de  Afghanistan: Amnesty International condemns the unlawful killing of
luz e deixaram uma nota avisando que se outras pessoas 15-year-old boy by Taleban (ASA 11/013/2007)
fossem pegas espiando, teriam o mesmo destino.  Afghanistan: Amnesty International demands immediate release of all
hostages (ASA 11/010/2007)
Liberdade de expressão  Afghanistan: Justice and rule of law key to Afghanistan’s future
Prosseguiram as severas restrições à liberdade de prosperity (ASA 11/007/2007

Informe 2008 - Anistia Internacional 75


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 76

permanecia sob investigação no final do ano.


ÁFRICA DO SUL Mais de 43 por cento dos sul-africanos viviam
abaixo da linha de pobreza de R 3.000 (USD 440)
ÁFRICA DO SUL por ano; e a taxa de desemprego era de pelo menos
Chefe de Estado e de governo: Thabo Mbeki 25 por cento. Mais de 11 milhões de pessoas
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes estavam recebendo bolsas de assistência social do
População: 47,7 milhões
Estado. Enquanto o fornecimento de serviços
Expectativa de vida: 50,8 anos
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 77/70 por mil essenciais às comunidades aumentou, o acesso à
Taxa de alfabetização: 82,4 por cento moradia adequada continuou sendo um grande
desafio e uma causa de conflitos sociais, assim como
de processos judiciais de direitos humanos nos
Em um contexto de pobreza generalizada e de tribunais.
desemprego, a polícia respondeu a uma série de Os altos níveis de crimes violentos continuaram
A
protestos com força excessiva e com prisões a causar preocupação pública generalizada, com o
arbitrárias. Tortura de suspeitos criminais em aumento da pressão sobre o governo e sobre a
custódia policial e de condições precárias de prisão polícia por uma resposta eficaz. Órgãos do governo
continuaram a ser relatadas. O fato de as autoridades e a sociedade civil fizeram progressos no
não respeitarem o princípio de non-refoulement desenvolvimento de um plano de auxílio para vítimas
(não-devolução) foi criticado pela ONU. A violência de crimes.
contra a mulher - incluindo estupro - foi Em julho, um comitê parlamentar recomendou
predominante e as barreiras de acesso à proteção e à o estabelecimento de um órgão geral de direitos
Justiça persistiram. Um novo plano estratégico sobre humanos que incorporasse a Comissão Sul-africana
HIV/Aids foi adotado, mas menos da metade dos que de Direitos Humanos (SAHRC) e outros órgãos,
necessitam de tratamento anti-retroviral tiveram incluindo a Comissão de Igualdade de Gênero, a fim
acesso a ele. de melhorar sua efetividade, reduzir custos e
promover a indivisibilidade dos direitos humanos.
Informações gerais
As crescentes críticas dentro do partido do Refugiados, requerentes de asilo e imigrantes
Congresso Nacional Africano (ANC) sobre as Os direitos de estrangeiros mantidos sob detenção da
políticas econômicas do governo e sobre o estilo de polícia e da imigração continuaram a ser violados e os
liderança do Presidente Mbeki culminaram com a requerentes de asilo enfrentaram barreiras no acesso
eleição, em dezembro, de Jacob Zuma como aos procedimentos para determinação de asilo.
presidente do ANC. Seus apoiadores garantiram O relator especial da ONU sobre os direitos
todas as posições de alto escalão do partido. humanos e a luta contra o terrorismo manifestou
A tensão política aumentou quando, dias depois, preocupação com a detenção administrativa de
Jacob Zuma foi indiciado pelo Tribunal Superior de imigrantes, por 30 ou mais dias, sem a revisão
Pietermaritzburg por 16 acusações de fraude e de judicial obrigatória, e com o fato de as autoridades
outros crimes. O julgamento estava marcado para não respeitarem o princípio de não-devolução (non-
iniciar em 2008. refoulement).
Em setembro, o Presidente Mbeki suspendeu o Em fevereiro, o Tribunal Superior de Pretória rejeitou
promotor chefe do Ministério Público (National uma petição para declarar ilegal a entrega do
Director of Public Prosecutions - NDPP), Vusi Pikoli, paquistanês Khalid Mehmood Rashid ao Paquistão,
que estava investigando supostas atividades em 2005, sem as salvaguardas apropriadas. O
corruptas do Comissário Nacional dos Serviços de tribunal também se recusou a ordenar ao governo
Polícia Sul-Africanos, Jack Selebi. A suspensão, feita que investigasse seu posterior desapareci mento por
logo depois de o NDPP ter obtido uma ordem judicial 18 meses. Em outubro de 2007, o tribunal recusou
para a prisão de Jackie Selebi, foi amplamente um segundo requerimento para permitir que
criticada, inclusive pela Law Society, a associação houvesse um recurso contra sua decisão de fevereiro.
dos advogados da África do Sul. O Comissário Outra solicitação para permitir a apelação foi

76 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 77

apresentada ao Supremo Tribunal de Recursos. mulher com um bebê em fase de amamentação,


Em um caso envolvendo um requerente de asilo detendo-os ilegalmente por 12 dias. Eles foram
libanês, o Tribunal Superior de Pretória declarou libertados sob fiança depois de serem acusados de
ilegal, em setembro, a decisão dos órgãos violência pública. Anteriormente, em março, um
encarregados da determinação de asilo de negar o tribunal regional rejeitou acusações contra outros
status de refugiado a Ibrahim Ali Abubakar Tantoush. moradores de Maandagshoek que haviam sido
O Tribunal declarou que ele era um refugiado com dispersados pela polícia com uso de força excessiva
direito a asilo. durante protestos ocorridos em junho de 2006.

Uso excessivo da força pela polícia Tortura e outros maus-tratos


A polícia respondeu com força excessiva e prisões Continuaram os informes sobre o uso de tortura e de
arbitrárias a várias manifestações públicas de maus-tratos pela polícia como parte das
descontentamento com a situação sócio-econômica. investigações criminais. Casos corroborados
A
 Em setembro, manifestantes desarmados incluíram o uso de cães policiais no ataque a
protestaram contra a falta de moradia adequada na suspeitos algemados, tortura por sufocação,
área de Durban. Os organizadores do comício, a coronhadas, chutes e agressões desferidos em todo
Associação dos Moradores de Favelas (Abahlali o corpo dos suspeitos. As agressões ocorreram em
baseMjondolo), havia cumprido os requerimentos da vários locais, inclusive dentro ou próximo às casas
Lei de Reuniões. Os participantes estavam dos suspeitos. Em alguns casos, negou-se aos
aguardando pacificamente para entregar uma petição detentos feridos o acesso urgente ao atendimento
quando a polícia os dispersou sem aviso, usando médico que necessitavam.
canhões de água, granadas paralisantes, bastões de  Em setembro, Z.S. foi atacado por cães policiais
eletrochoque e balas de borracha. Eles perseguiram quando estava algemado e mantido pela polícia
manifestantes que fugiam, espancando-os deitado de bruços no chão. Seus ferimentos
indiscriminadamente. Quatorze ativistas foram presos, infeccionaram antes que ele recebesse qualquer
incluindo um dos organizadores, Mnikelo atendimento médico enquanto estava detido em uma
Ndabankulu, que tinha ido à delegacia verificar a delegacia de polícia na área de Durban.
situação dos demais. Eles foram acusados de violência O órgão de supervisão da polícia, a Diretoria de
pública. Em novembro, os procedimentos judiciais Queixas Independente, informou que recebeu, entre
foram adiados para 2008. Alguns dos detidos ficaram abril de 2006 e março de 2007, 23 queixas de
feridos com os espancamentos e com as balas de tortura e 530 reclamações de agressões com
borracha, entre eles Mariet Nkikine, atingido cinco intenção de causar lesões corporais graves. No
vezes nas costas à queima-roupa. mesmo período de 12 meses, recebeu 279 novos
Na província de Limpopo, camponeses que estão informes de mortes sob custódia e 419 de mortes
perdendo o acesso a suas terras, sendo submetidos resultantes de ação policial, incluindo 141 suspeitos
aos efeitos de explosões de minas e enfrentando mortos a tiros durante a prisão. Quase 50 por cento
maciças realocações protestaram contra a Anglo- das 698 mortes ocorreu em duas províncias,
Platinum e outras companhias mineradoras. Gauteng e Kwazulu Natal.
 Em janeiro, 15 manifestantes, a maioria mulheres
do povoado de Ga-Puka, que tentavam evitar que a Condições prisionais
empresa mineradora cercasse suas terras, foram Em setembro, usando cães policiais, escudos e
golpeadas, empurradas e chutadas por policiais. Uma bastões de choque, carcereiros e guardas do
mulher portadora de deficiência física contou ter sido presídio Medium B, de Durban, teriam agredido
esmurrada pela polícia e que spray de pimenta foi prisioneiros desarmados que se recusaram a deixar
lançado em seus olhos a curta distância, embora ela já suas celas. Monitores de direitos humanos
estivesse sob custódia. Mais tarde, os manifestantes informaram que quatro semanas depois alguns
foram soltos sem acusações. detentos ainda possuíam ferimentos visíveis. O
 Em maio, a polícia prendeu 18 manifestantes em acesso de um médico independente aos prisioneiros
Maandagshoek, inclusive uma mulher grávida e uma foi negado.

Informe 2008 - Anistia Internacional 77


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 78

Na província de KwaZulu Natal, os procedimentos ação. O ministro afirmou que a responsabilidade por
judiciais contra guardas penitenciários da prisão restituição de direitos e reparações repousa no
Ncome foram adiados para que se façam mais governo sul-africano, e não em tribunais
investigações sobre um ataque a aproximadamente estrangeiros.
50 prisioneiros ocorrido em 2003. Em 2006, a
Comissão de Inquérito Jali havia recomendado Violência contra a mulher
acusações criminais e criticado as autoridades Níveis elevados de violência sexual e outras formas de
prisionais por sua inércia. violência contra a mulher continuaram sendo
Um órgão supervisor, a Inspetoria Judicial de registrados.
Prisões, conduziu uma inspeção nacional em 235 De acordo com as estatísticas da polícia, os
penitenciárias e concluiu que a superlotação, a falta incidentes de estupro notificados decresceram 4,2
de programas de reabilitação e a carência de pessoal por cento nos seis anos anteriores. No entanto, entre
eram problemas “sistêmicos”, e que a prestação abril de 2006 e março de 2007, foram registrados
A
serviços de saúde estava em “crise”. 52.617 estupros. Também foram registrados 9.327
casos de “atentado ao pudor” – incluindo violação
Impunidade anal e outros tipos de ataque sexual que não se
Em julho, parentes de vítimas de violações de enquadravam na definição de estupro. Em dezembro,
direitos humanos da época do apartheid, o Grupo de novas estatísticas criminais referentes ao período de
Apoio Khulumani e duas outras ONGs iniciaram abril a setembro de 2007 incluíam o registro de
procedimentos junto ao Tribunal Superior de Pretória 22.887 estupros.
para declarar inválidas as emendas de 2005 à Autoridades policiais informaram ao Parlamento
Política Nacional de Processos Judiciais. Essas que, entre julho de 2006 e junho de 2007, a polícia
emendas teriam o efeito de permitir a impunidade registrou 88.784 incidentes de “violência doméstica”
para perpetradores que não haviam cooperado com nos termos da Lei de Violência Doméstica de 1998. O
a Comissão de Verdade e Reconciliação ou cuja Departamento de Justiça informou que mais de 63
anistia fora recusada pela Comissão. Os mil ordens de proteção foram emitidas pelos tribunais
procedimentos judiciais continuavam no final de entre abril de 2006 e março de 2007. No entanto, a
2007. Diretoria de Queixas Independente informou, em
Em agosto, o Superior Tribunal de Pretória impôs novembro, que das 245 delegacias auditadas em
sentenças com penas suspensas ao ex-ministro de 2006, apenas 23 por cento cumpriam suas
Lei e Ordem da época do apartheid, Adriaan Vlok, e obrigações previstas na Lei de Violência Doméstica:
a quatro outros indivíduos após a aceitação de nenhuma nas províncias de Mpumalanga e Limpopo;
negociação de culpa. Eles expressaram “remorso” todas as auditadas na província do Cabo Ocidental.
pela tentativa de assassinato de um líder anti- Mulheres vítimas de violência e organizações que
apartheid, Frank Chikane, em 1989, e aceitaram fornecem auxílio a essas mulheres relataram à Anistia
cooperar em outras investigações. Todos os cinco Internacional que, enquanto alguns policiais
acusados se declararam culpados da acusação de facilitavam o acesso das mulheres às ordens de
tentativa de assassinato. proteção, outros remetiam as vítimas de volta a suas
Em outubro, o ministro da Justiça e famílias, ou não apreendiam armas perigosas, ou,
Desenvolvimento Constitucional emitiu uma então, se recusavam a tomar qualquer medida a
declaração reiterando a oposição do governo a uma menos que a reclamante apresentasse antes
ação apresentada nos EUA por vítimas de violações acusações criminais.
de direitos humanos. O grupo está buscando Um dos motivos apontados para a deterioração na
indenizações de 50 corporações estadunidenses, eficácia da resposta policial nos casos de violência
européias e canadenses por suposta cumplicidade baseada em gênero teria sido a dissolvição das
nos abusos da era do apartheid. A declaração foi unidades especializadas em Violência Familiar,
emitida em resposta à decisão do Tribunal de Proteção à Criança e Crimes Sexuais e a transferência
Recursos do Circuito de Nova York de reverter a dos funcionários para as delegacias de polícia locais.
decisão de um tribunal inferior que havia rejeitado a O Departamento de Justiça suspendeu a implantação

78 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 79

de tribunais especializados em crimes sexuais, apesar física aos serviços de saúde, os custos do transporte,
de seu alto índice de condenações em julgamentos a escassez de funcionários da área de saúde, os
por estupro. atrasos no "credenciamento” de unidades habilitadas
Em dezembro, o Presidente Mbeki promulgou um a oferecer o TAR, a falta de acesso diário à
ato de emenda à Lei Penal (de Crimes Sexuais e alimentação adequada e as desigualdades sócio-
Questões Relacionadas), encerrando um processo de econômicas.
reforma legislativa de quase 10 anos. A lei define o Em razão de ter recebido reclamações e de ter
estupro em termos de gênero neutro, aplicáveis a observado a precariedade dos serviços prestados em
todas as formas de “penetração sexual” não muitas províncias, a Comissão Sul-africana de Direitos
consentida. Isso obriga as autoridades a Humanos realizou, no mês de maio, audiências
desenvolverem um sistema de políticas e de públicas sobre o direito de acesso aos serviços de
instruções nacionais para garantir o treinamento e a saúde. Até o final do ano, a Comissão não havia
coordenação relativos à implementação das publicado suas conclusões.
A
disposições da Lei. No entanto, as medidas protetivas
e os serviços destinados às vítimas e testemunhas Visitas e relatórios da Al
previstos na lei são mais limitados do que as  Representantes da Anistia Internacional visitaram a África do Sul em
organizações de defesa pleiteavam originalmente. março e em maio 2007.
Disposições que permitem a testagem compulsória de  Pakistan/South Africa: Khalid Mehmood Rashid appears after 18 months
HIV dos suspeitos detidos foram criticadas tanto no of secret detention (AFR 53/003/2007))
que se refere aos interesses da vítima quanto aos  Afghanistan: Amnesty International condemns the unlawful killing of
direitos do acusado. 15-year-old boy by Taleban (ASA 11/013/2007)
 South Africa: Submission to the UN Universal Periodic Review First Session
Saúde – pessoas vivendo com HIV of the UPR Working Group 7-11 April 2008 (AFR 53/005/2007)
Estima-se que 5,5 milhões de pessoas estejam
vivendo com HIV. Em maio, um novo Plano
Estratégico Nacional sobre HIV/Aids para o período
2007/2011 foi adotado pelos ministérios, depois de
seis meses de consultas envolvendo departamentos
do governo, organizações da sociedade civil e
ALEMANHA
provedores de serviço de saúde. O Plano objetiva
REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA
expandir o acesso a tratamento, cuidado e apoio a 80 Chefe de Estado: Horst Köhler
por cento das pessoas vivendo com HIV, buscando Chefe de governo: Angela Merkel
suplantar os obstáculos sistêmicos que dificultam a Pena de morte: abolicionista para todos os crimes
prevenção, o tratamento e os cuidados. A demissão Tribunal Penal Internacional: ratificado
pelo Presidente Mbeki, em agosto, do ministro- População: 82,7 milhões
Expectativa de vida: 79,1 anos
adjunto da Saúde, Nozizwe Madlala-Routledge, que
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 5/5 por mil
teve um papel chave no desenvolvimento do Plano, Taxa de alfabetização: 99 por cento
levantou preocupações de que o governo não estaria
totalmente comprometido com o projeto.
De acordo com dados do governo divulgados em
maio, um total de 303.788 pacientes recebiam A Alemanha falhou em lidar com as violações de
tratamento anti-retroviral (TAR) através de programas direitos humanos cometidas no contexto da “guerra
da área de saúde pública. No entanto, organizações ao terror” liderada pelos EUA, o que inclui seu
de monitoramento dos direitos à saúde manifestaram envolvimento em transferências ilegais de suspeitos
preocupação de que esses números representam entre países. Além disso, a Alemanha tentou obter
menos da metade dos que necessitam de TAR. Em garantias diplomáticas para casos de deportação em
áreas rurais, o acesso a serviços de saúde e a que indivíduos corriam o risco de enfrentar sérias
possibilidade de as mulheres seguirem o tratamento violaçòes de direitos humanos, infringindo suas
foram impedidos por fatores como a inacessibilidade obrigações sob o direito internacional.

Informe 2008 - Anistia Internacional 79


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 80

Maus-tratos, inclusive no contexto de emitiu pedidos de extradição para os 13 cidadãos


transferências extrajudiciais (renditions) estadunidenses. Em abril, o Tribunal Constitucional
 Em agosto, o procurador estadual de Tübingen reabriu Federal considerou que a decisão do promotor de fazer
as investigações sobre as alegações de que Murat escuta telefônica do advogado de Khaled el-Masri era
Kurnaz, cidadão turco nascido na Alemanha, fora ilegal.
torturado e maltratado de outras formas por integrantes  No que se refere ao combate ao terrorismo, o
do Comando das Forças Especiais alemãs quando estava comissário para os Direitos Humanos do Conselho da
sob custódia estadunidense no Afeganistão em 2002. A Europa recomendou, em julho, que a Alemanha:
reabertura da investigação foi motivada pelo desenvolvesse diretrizes específicas para os serviços de
aparecimento de três novas testemunhas. Antes de sua inteligência relativas ao interrogatório de detentos no
libertação, em 2006, Murat Kurnaz havia permanecido exterior; garantisse que as provas obtidas por meio de
detido por quatro anos e nove meses, a maior parte desse tratamentos desumanos ou degradantes, ou mediante
tempo na base de Guantánamo. tortura, não fossem admitidas em tribunal; e investigasse
A
 No final de 2007, o comitê parlamentar que completamente as denúncias de transferências
examinava o papel da Alemanha nas violações de direitos extrajudiciais em território alemão, adotando medidas
humanos cometidas em decorrência de suas atividades efetivas para impedir que essas transferências ocorram
antiterroristas começou a investigar o caso do cidadão novamente no futuro.
alemão Muhammad Zammar. Durante as audiências,
surgiu a informação de que a Polícia Federal Criminal da Garantias diplomáticas
Alemanha havia avisado às autoridades dos EUA sobre  Em 3 de outubro, a Corte Européia de Direitos
as datas de viagem de Muhammad Zammar ao Humanos sinalizou ao governo alemão que Hasan
Marrocos, em novembro de 2001, de onde ele fora Atmaca não deveria ser extraditado para a Turquia até
transferido ilegalmente para a Síria. que houvesse uma nova determinação. Ao entrar na
No final de dezembro de 2001, os agentes Alemanha, em fevereiro de 2005, Hasan Atmaca foi
marroquinos o entregaram à Síria, onde ele foi mantido preso pelas autoridades alemãs sob suspeita de
em detenção incomunicável e onde teria sido pertencer a uma organização criminosa. As autoridades
submetido à tortura e a maus-tratos. turcas requisitaram sua extradição para a Turquia a fim
Em novembro de 2002, enquanto estava detido pela de que fosse julgado por suas atividades em favor do
Síria, Muhammad Zammar foi interrogado durante três Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).
dias por agentes policiais e de inteligência alemães. Em maio de 2006, o governo alemão solicitou
Quando retornaram à Alemanha, os agentes não garantias diplomáticas das autoridades turcas de que
revelaram informações sobre seu paradeiro às Hasan Atmaca seria detido em um presídio de
autoridades. Ele permanecia detido no fim de 2007. segurança máxima adequado às normas internacionais
 Em setembro, o governo alemão anunciou que não e de que as autoridades alemãs poderiam visitá-lo. As
pediria a extradição de 13 cidadãos estadunidenses, autoridades turcas prometeram que as garantias seriam
entre os quais ao menos 10 agentes secretos da Agência avaliadas favoravelmente.
Central de Inteligência (CIA) suspeitos de deterem O Tribunal Superior de Frankfurt determinou a
ilegalmente Khaled el-Masri, cidadão alemão nascido no admissibilidade de sua extradição. No entanto, em 31
Líbano. de maio de 2007, o Tribunal Administrativo de
Khaled el-Masri foi preso e detido ilegalmente na Darmstadt instruiu o Departamento Federal para
Macedônia em dezembro de 2003. Ele foi entregue a Migração e Refugiados alemão a declarar Hasan
agentes estadunidenses e levado secretamente em um Atmaca como refugiado e afirmou que ele não poderia
vôo para o Afeganistão, como parte do programa de ser deportado para a Turquia, pois isso equivaleria a
transferências extrajudiciais dos EUA. Após cinco refoulement (retorno forçado a países onde a pessoa
meses de supostos maus-tratos, ele foi levado em um pode correr risco de sofrer violações de direitos
vôo para a Albânia, sendo libertado depois que as humanos graves).
autoridades dos EUA, aparentemente, perceberam que Conforme a seção 4 da Lei de Procedimentos de
estavam com o homem errado. Asilo alemã, o fato de uma pessoa receber status de
Em janeiro de 2007, um promotor de Munique refugiado não impede que as autoridades alemãs a

80 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 81

extraditem – em contravenção às normas Custódia policial


internacionais. Em janeiro, o Tribunal Regional de Dessau, revogando
Em fevereiro, anunciou-se que o Ministério do uma decisão anterior, abriu processo contra dois
Interior havia buscado garantias diplomáticas da Argélia policiais suspeitos de envolvimento na morte do serra-
de que o país não torturaria nenhum suspeito de leonês Oury Jalloh enquanto ele estava em sua cela,
envolvimento em atividades terroristas quando sob custódia policial, em janeiro de 2005.
repatriado da Alemanha. Um policial foi acusado de lesão corporal com
Em julho, um subsecretário de Estado viajou para a conseqüências fatais por ter, supostamente, desligado o
Tunísia a fim de solicitar garantias semelhantes do alarme de incêndio várias vezes. Outro policial foi
ministro do Interior tunisiano com relação a dois acusado de homicídio causado por negligência, por ele
cidadãos tunisianos suspeitos de terem ligações com não ter percebido um isqueiro durante uma revista
organizações terroristas. As autoridades alemãs, então, pessoal.
emitiram ordens de deportação para os dois tunisianos Oury Jalloh havia sido acorrentado a sua cama por,
A
que foram, mais tarde, contestadas em tribunal. As supostamente, ter resistido à prisão. Foi diagnosticada
revisões judiciais ainda estavam pendentes no final do morte por superaquecimento. Investigações
ano. preliminares da promotoria estadual concluíram que o
alarme de incêndio havia sido desligado durante o
Direitos de imigrantes e de refugiados incidente
Uma nova legislação implementando 11 diretivas da
União Européia (UE) na área de asilo não ofereceu
proteção adequada nos casos de pessoas que fugiam
da violência. Isto significa, por exemplo, que
requerentes de asilo vindos das regiões central e sul do
Iraque e que não pertenciam a minorias visadas, muitas
ANGOLA
vezes, não recebiam proteção adequada.
REPÚBLICA DE ANGOLA
 Em 11 de julho, o comissário para os Direitos Chefe de Estado: José Eduardo dos Santos
Humanos do Conselho da Europa publicou um relatório Chefe de governo: Ada Piedade Dias dos Santos
sobre sua visita à Alemanha, realizada em 2006. No que Pena de morte: abolicionista para todos os crimes
se refere a asilo e imigração, o comissário pediu à Tribunal Penal Internacional: assinado
Alemanha que introduzisse medidas de proteção aos População: 16,9 milhões
Expectativa de vida: 42 anos
refugiados que foram perseguidos por suas
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 245/215 por mil
manifestações de orientação religiosa ou sexual. Taxa de alfabetização: 67,4 por cento
 Em 18 de abril, o Comitê Europeu para a Prevenção da
Tortura (CPT) lançou um relatório sobre a Alemanha. O
documento recomendava que, em todos os estados
alemães, “a detenção de imigrantes presos fosse Defensores e organizações de direitos humanos
administrada por regras específicas que refletissem seu foram vítimas de ameaças e de crescente
status característico” e que “as autoridades de intimidação. A liberdade de expressão foi restringida
Hamburgo e da Baixa Saxônia, assim como as de todos e um jornalista foi preso. Houve casos de expulsões
os demais estados alemães, tomassem as medidas forçadas e de violações de direitos humanos
necessárias para garantir que os imigrantes detidos cometidas pela polícia; porém, em níveis menos
fossem acomodados em centros destinados elevados do que em anos anteriores. Uma rebelião na
especificamente para esse propósito”. O CPT Cadeia Central de Luanda deixou mortos e feridos;
recomendou ainda que as autoridades de Brandenburgo houve controvérsias sobre o número de mortos.
“tomassem providências para garantir a presença regular
de um psicólogo no Centro de Detenção de Informações gerais
Eisenhüttenstadt e desenvolvessem programas para Em maio, Angola foi eleita para fazer parte do
oferecer atendimento psicológico aos estrangeiros lá Conselho de Direitos Humanos da ONU. Em
mantidos”. novembro, o país ratificou o Protocolo à Carta Africana

Informe 2008 - Anistia Internacional 81


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 82

dos Direitos Humanos e dos Povos relativo aos Moradia - desalojamentos forçados
Direitos da Mulher na África e aderiu ao Protocolo Embora o número de vítimas de desalojamentos
Facultativo à Convenção da ONU sobre a Eliminação forçados tenha diminuído em relação aos anos
de Todas as Formas de Discriminação contra a anteriores, o risco dessas expulsões continuou a existir.
Mulher. Algumas das pessoas despejadas à força em 2007
Prosseguiu a implementação do acordo feito em foram realojadas. Entretanto, o governo se empenhou
2006 para pôr fim ao conflito armado na província de muito pouco e, em alguns casos, nem tentou, realojar
Cabinda. Os ex-combatentes da Frente de Libertação ou oferecer compensação às centenas de famílias que
do Enclave de Cabinda (FLEC) foram incorporados às foram expulsas, por várias vezes desde 2005, de suas
Forças Armadas de Angola (FAA) em janeiro. Mais de casas nos bairros Cambamba I, Cambamba II e
60 militares, mantidos na Cadeia Militar de Landana Cidadania. Elas continuaram desabrigadas, vivendo
por crimes cometidos durante o conflito, foram nas ruínas de suas casas, sob risco de serem expulsas
libertados em janeiro, de acordo com a Lei de Anistia novamente.
A
de 2006. Em agosto, a FLEC mudou seu nome para Cerca de 200 famílias ficaram sem moradia depois
Frente de Libertação do Estado de Cabinda. dos despejos forçados que ocorreram nos bairros
As eleições legislativas e presidenciais adiadas para Comandante Jika e Camama, nos municípios de
o fim de 2007 foram adiadas mais uma vez para 2008 Maianga e Kilamba Kiaxi, em Luanda, no mês de julho.
e 2009, respectivamente. O cadastro dos eleitores, Em Comandante Jika, diversos moradores afirmaram
inicialmente programado para terminar em 15 de que alguns dos alojamentos alternativos
junho, foi prorrogado até 15 de setembro devido às disponibilizados haviam sido destinados a moradores
fortes chuvas e às estradas intransitáveis que de outra região, o que deixou algumas famílias sem ter
dificultavam o acesso a milhões de pessoas. Mais de para onde ir. As famílias não receberam nenhum outro
oito milhões de pessoas foram cadastradas como tipo de compensação.
eleitores. Desde o mês de julho, centenas de famílias foram
Prosseguiu a epidemia de cólera que eclodiu em desalojadas à força e tiveram suas casas demolidas
2006 e que, até o fim de agosto, havia matado mais pela construtora Jardim do Éden, no bairro Iraque, em
de 400 pessoas. A situação se agravou devido às Luanda. Segundo informações, a maioria das famílias
chuvas torrenciais de janeiro e fevereiro em Luanda, foi expulsa por funcionários da construtora, protegidos
que causaram a morte de mais de 110 pessoas e por seguranças particulares e pela Polícia Nacional. Os
destruíram cerca de 10 mil casas, deixando desalojamentos forçados ocorreram para dar lugar à
aproximadamente 28 mil famílias sem moradia. Uma construção de um condomínio residencial de luxo. Não
doença misteriosa, causando sonolência, vômitos e se ofereceu às famílias nenhum tipo de acomodação
diarréia, surgiu no distrito de Cacuaco, em Luanda, no alternativa ou de compensação. Em novembro, dois
mês de outubro. Pelo menos 400 pessoas foram jornalistas que faziam reportagem sobre as expulsões –
hospitalizadas e duas morreram. No final de António Cascais, jornalista autônomo da estação de
novembro, a Organização Mundial da Saúde afirmou rádio alemã Deutsche Welle, e Alexandre Neto, da
que a doença fora possivelmente causada por rádio angolana Despertar – foram agredidos por
intoxicação com brometo. seguranças particulares de uma empresa e detidos por
Em setembro, o ex-diretor do Serviço de Segurança cerca de três horas pela Polícia Militar.
Externa de Angola, general Fernando Garcia Miala, foi Em Lubango, capital da província de Huíla, segundo
sentenciado por um tribunal militar a quatro anos de informações, entre quatro e vinte famílias foram
prisão por insubordinação. Ele não compareceu à desalojadas à força, em julho, para dar espaço a um
solenidade em que seria rebaixado de graduação, complexo hoteleiro de luxo. Houve tentativas de
após ter sido destituído de seu posto em 2006. Outros realojar as famílias expulsas, mas a maioria das
três integrantes - Ferraz António, Miguel André e moradias alternativas estava localizada em áreas
Maria Domingos - foram condenados por distantes de seus locais de trabalho e das escolas, em
insubordinação pelo mesmo motivo e foram lugares que careciam de transporte e de infra-estrutura
sentenciados a dois anos e meio de prisão. Eles urbana adequada. Não lhes foram oferecidas outras
entraram com recurso contra a sentença. formas de reparação.

82 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 83

Forças policiais e de segurança Polícia de Intervenção Rápida (PIR) foi chamada


A polícia cometeu diversas violações de direitos para controlar os presos e a multidão que se
humanos, como detenções e prisões arbitrárias, aglomerava diante da prisão. Familiares dos
torturas e maus-tratos, que ocasionaram a morte prisioneiros exigiram a divulgação da lista dos
de pessoas sob custódia. Os policiais responsáveis internos transferidos para Viana, bem como os
por estas e por outras violações cometidas em nomes dos mortos e dos feridos. Os familiares
2006 não foram levados à Justiça. tentaram fazer uma passeata até o palácio
 Em fevereiro, policiais prenderam Francisco Levi Presidencial, mas foram impedidos pela polícia.
da Costa e dois outros homens depois de um Dois dias depois da rebelião, o vice-ministro do
comerciante acusá-los de tentar roubar três caixas Interior prometeu melhoras nas condições
de peixes. A polícia levou os suspeitos para a 8ª prisionais.
Delegacia de Polícia, em Luanda, onde, por quatro
dias seguidos, eles foram espancados pelos Defensores de direitos humanos A
policiais. Segundo informações, Francisco Levi da Os defensores de direitos humanos enfrentaram
Costa foi golpeado na cabeça e perdeu a crescente intimidação e ameaças. Em abril, o
consciência; a polícia, porém, o acusou de estar diretor-geral da Unidade Técnica para a
fingindo para ser libertado. Quatro dias depois, ele Coordenação dos Assuntos Humanitários (UTCAH),
morreu dentro da cela. Ninguém foi preso em um departamento governamental, declarou que,
conexão com sua morte. Autoridades policiais em breve, o governo proibiria as atividades de
informaram à Anistia Internacional que as organizações não-governamentais (ONGs) “que
investigações estavam em andamento. não tivessem um impacto social”. Em julho, ele
 Em março, policiais teriam atirado em Isaias acusou diversas ONGs de incitar a violência e
Samakuva, presidente da União Nacional para a ameaçou proibir o exercício de suas atividades.
Independência Total de Angola (UNITA), durante Entre as organizações ameaçadas estão a
uma reunião no escritório do partido em Associação de Justiça, Paz e Democracia (AJPD),
Ndalatando, na província de Kwanza Norte. a Mãos Livres, a Fundação Open Society e a SOS-
Segundo informações, Isaias Samakuva não foi Habitat.
ferido, mas a bala atingiu o pé de um menino de 14 Raul Danda, jornalista e líder de uma
anos que estava sentado sobre um muro, do lado de organização de direitos humanos proibida de
fora do escritório. O comandante da polícia de exercer suas atividades, foi informado em janeiro
Kwanza Norte afirmou que o incidente estava sendo de que as acusações feitas contra ele após sua
investigado. Porém, os resultados da investigação detenção em Cabinda, em setembro de 2006,
não haviam sido divulgados até o fim do ano. foram retiradas de acordo com a Lei de Anistia de
2006. Ele havia sido acusado de instigar, de incitar
Condições prisionais e de condescender com crimes contra a segurança
O Grupo de Trabalho sobre Detenções Arbitrárias do Estado.
da ONU visitou Angola em setembro e relatou que
os prisioneiros eram mantidos em condições de Liberdade de expressão
superlotação consideradas graves e alarmantes. Houve restrições à liberdade de expressão. Um
No início de outubro, os presos da Cadeia jornalista (veja abaixo) foi sentenciado a cumprir
Central de Luanda se rebelaram. As autoridades uma pena de vários meses de prisão e outros dois
declararam que dois prisioneiros morreram e seis jornalistas ficaram detidos por um breve período
ficaram feridos, mas outras pessoas disseram que quando faziam uma reportagem sobre
o número de mortos foi muito maior. Segundo desalojamentos forçados no bairro Iraque (veja
informações, uma mensagem enviada da prisão acima).
afirmava que 80 presos haviam sido mortos na cela  Em julho, policiais da Direcção Provincial de
11. As autoridades desmentiram essa informação, Investigação Criminal (DPIC), em Cabinda,
dizendo que alguns internos haviam sido prenderam quatro homens durante uma missa que
transferidos para a Cadeia Central de Viana. A celebrava a visita de um enviado especial do

Informe 2008 - Anistia Internacional 83


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 84

Vaticano. Os homens carregavam cartazes em


protesto contra a nomeação, para a província, de um
bispo que não era nascido em Cabinda, em 2005.
ARÁBIA SAUDITA
Eles foram mantidos na sede da DPIC por três dias e REINO DA ARÁBIA SAUDITA
foram acusados de desacato a autoridade pública e Chefe de Estado e de governo: Rei Abdullah Bin Abdul Aziz Al-Saud
de incitar a violência contra uma autoridade Pena de morte: retencionista
Tribunal Penal Internacional: não ratificado
religiosa. Os quatro foram libertados dez dias
População: 25,8 milhões
depois, após um julgamento sumário no Tribunal Expectativa de vida: 72,2 anos
Provincial de Cabinda. Pedro Maria António foi Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 25/17 por mil
absolvido, André e Domingos Conde foram, cada Taxa de alfabetização: 82,9 por cento
um, sentenciados a dois meses de prisão e Paulo
Mavungo foi sentenciado a seis meses de prisão.
As sentenças de prisão foram convertidas em multas A situação dos direitos humanos continuou
A
e todas as penas foram suspensas por dois anos. tenebrosa, apesar de reformas legais terem sido
 Em outubro, o Tribunal Provincial de Luanda anunciadas e de ter havido um contínuo debate
sentenciou Felisberto da Graça Campos, diretor do público sobre os direitos das mulheres. Centenas de
jornal semanal Semanário Angolense, a oito meses pessoas suspeitas de terrorismo foram detidas e
de prisão por difamação e injúria contra um ex- presas praticamente em segredo, e milhares de
ministro da Justiça (atualmente ouvidor da Justiça). pessoas detidas nos anos anteriores continuaram
As acusações foram motivadas por artigos presas. Os detidos incluem prisioneiros de
publicados em abril de 2001 e em março de 2004, consciência e dentre estes, defensores pacíficos de
acusando o então ministro de apropriar-se de verbas reforma política. As mulheres continuaram a sofrer
do Ministério. Felisberto da Graça Campos ficou severa discriminação tanto na lei quanto na prática.
detido na Cadeia Central de Viana e, em novembro, A tortura e outros maus-tratos impostos aos detentos
foi solto em liberdade condicional. Enquanto isso, foram comuns, e prisioneiros foram sentenciados a
ele aguarda o julgamento de recurso. açoitamentos e a amputações. Ao menos 158
pessoas foram executadas, inclusive um menor
Violência contra a mulher infrator.
As autoridades angolanas expulsaram com
violência milhares de imigrantes congoleses das Informações gerais
áreas de extração de diamantes no norte de Angola Atos de violência esporádicos foram cometidos
para a República Democrática do Congo. Segundo pelas forças de segurança e por homens armados,
informações, muitas das mulheres imigrantes aparentemente em oposição ao governo. A violência
expulsas foram estupradas pelos militares causou a morte ou ferimentos de civis, de supostos
angolanos durante a expulsão. opositores políticos e, em raros casos, de membros
das forças de segurança. Entretanto, poucos detalhes
Visitas e relatórios da Al foram revelados.
 Representantes da Anistia Internacional visitaram Angola em Em fevereiro, um ataque de um grupo armado
fevereiro. matou quatro cidadãos franceses que estavam com
 Angola: Lives in ruins -- forced evictions continue (AFR 12/001/2007) um grupo de turistas no deserto ocidental. Em abril, o
 Above the Law: police accountability in Angola (AFR 12/005/2007). governo anunciou que o principal suspeito de ter
cometido o ataque havia sido morto quando as forças
de segurança invadiram sua casa na cidade sagrada
de Medina.

Desenvolvimentos legais
Em outubro, o governo introduziu duas leis para a
reestruturação dos tribunais e para a alteração das
regras relativas às profissões jurídicas, destinando 1,8

84 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 85

bilhão de dólares para a implementação destas  Em maio, detentos foram exibidos na televisão,
mudanças. Contudo, não se sabe ainda qual o confessando serem filiados a “grupos mal orientados”
impacto dessa ação positiva sobre três problemas e descrevendo planos de bombardear instalações de
cruciais: o sigilo e a falta de transparência do sistema petróleo e outros alvos. O governo declarou que os
de justiça criminal; a falta de adesão às normas julgaria com base em suas confissões. Entre eles
internacionais para julgamentos justos, como o direito estavam Nimr Sahaj al-Baqmi e Abdullah al-Migrin,
a um advogado de defesa e o direito à apelação; e a cujas confissões foram, segundo informações, aceitas
falta de independência do Judiciário. Estas pelos juízes. Não foi esclarecido se os dois detentos
deficiências continuaram bem evidenciadas durante haviam recebido permissão para ter acesso a um
todo o ano e contribuíram para que ocorressem advogado, apesar da probabilidade de serem acusados
violações dos direitos humanos. O Judiciário, por de crimes sujeitos a pena de morte. O destino de todos
exemplo, continuou a não se pronunciar ou a ser os detentos permaneceu envolto em segredo.
cúmplice em violações cometidas no contexto do
A
combate ao terrorismo e continuou a aplicar leis “Guerra ao terror”
discriminatórias e a emitir julgamentos Um cidadão saudita, Yasser Talal al-Zahrani, morreu
discriminatórios em casos que envolviam mulheres. sob custódia dos Estados Unidos na base de
Guantánamo, em Cuba. Ao menos outros 77 foram
Combate ao terrorismo libertados pelas autoridades estadunidenses e
Centenas de supostos simpatizantes de grupos voltaram para a Arábia Saudita, onde foram
religiosos de oposição – oficialmente descritos como imediatamente detidos, podendo receber visitas dos
“grupos mal orientados” – foram presos, enquanto familiares. Alguns foram libertados logo depois e
milhares de pessoas detidas nos anos anteriores outros continuaram presos, aparentemente, para
continuaram encarceradas sem julgamento e sem serem submetidos ao programa de “reforma” do
acesso aos seus direitos básicos como prisioneiros. governo para os detentos que ameaçavam a
Entre os detidos em 2007 incluíam-se suspeitos segurança.
de terrorismo que foram repatriados à força pelas
autoridades de países como os Estados Unidos e o Prisioneiros de consciência
Iêmen. A maioria das detenções, porém, ocorreu na Mais de 100 pessoas detidas devido a sua prática
Arábia Saudita. Em alguns casos, as forças de religiosa ou a sua orientação sexual eram ou
segurança armadas mataram supostos militantes em pareciam ser prisioneiros de consciência. Entre elas
circunstâncias obscuras durante o que seriam estavam trabalhadores estrangeiros pertencentes à
tentativas de prendê-los. As autoridades disseram que Ahmadi – considerada uma seita islâmica –,
172 pessoas suspeitas de planejarem ataques membros da comunidade xiita, reformistas sunitas e
violentos foram detidas em abril e outras 208 em dissentes pacíficos. Havia também mulheres que, no
novembro, em diferentes partes do país. No entanto, mês de julho, organizaram os protestos diante da
as autoridades não revelaram maiores detalhes e não prisão do al-Mabahith al-Amma (o Departamento
esclareceram precisamente quantos suspeitos foram Geral de Inteligência), em Buraida, ao norte de Riad.
presos e onde eles estavam sendo mantidos. Também Elas reivindicavam o julgamento ou a libertação de
era incerto o número de suspeitos detidos em anos familiares que haviam permanecido detidos durante
anteriores que continuavam presos, apesar de se anos sem julgamento e sem acesso a advogados ou
acreditar que fossem milhares. Em julho, o Ministério aos tribunais para questionar a legalidade das
do Interior declarou que havia detido 9 mil suspeitos detenções. A maioria desses detentos foi libertada
de ameaçarem a segurança entre os anos de 2003 e após períodos curtos de prisão, mas os cidadãos
2007, dos quais 3.106 continuavam presos. A estrangeiros, como os ahmadis, foram despedidos de
maioria, segundo informações, foi submetida a um seus empregos e deportados sem que tivessem
programa de “reforma” conduzido por especialistas permissão para questionar a legalidade das ações
em religião e em psicologia. Em novembro, o governo tomadas contra eles.
anunciou a libertação de 1.500 detentos que haviam, Entretanto, ao menos 12 prisioneiros de
aparentemente, concluído o programa. consciência ainda estavam sendo mantidos presos

Informe 2008 - Anistia Internacional 85


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 86

sem julgamento e sem acesso a advogado no fim do casal, o tribunal determinou que eles seriam
ano. Estavam entre eles Abdul Rahman al-Shumayri e divorciados com base na regra tribal de paridade de
outras nove pessoas, todas professores universitários, status entre famílias e tribos como condição necessária
escritores e advogados, que haviam sido detidos em para validar o casamento. Temendo correr perigo junto
fevereiro após terem feito um abaixo-assinado a seus familiares, Fátima preferiu viver na prisão a ir
reivindicando reforma política. Eles foram mantidos morar na casa de seu irmão, sendo mais tarde
incomunicáveis por aproximadamente seis meses na transferida para um abrigo de mulheres com seus dois
prisão do al-Mabahith al-Amma, em Jidá, antes de filhos. Ela não pode mais se encontrar com seu ex-
receberem permissão para visitas familiares. Segundo marido, já que isso significaria cometer o crime de
informações, pelo menos dois deles foram confinados khilwa (o encontro entre um homem e uma mulher que
em solitárias. não são membros diretos da mesma família), o que
Em um procedimento incomum, o prisioneiro de colocaria ambos em risco de serem processados e
consciência Abdullah al-Hamid foi libertado sob punidos com açoitamentos e prisão.
A
fiança, após ter sido detido por um breve período  Uma mulher de 20 anos, identificada como “a
devido ao seu envolvimento com o protesto das garota de Al Qatif” para proteger sua verdadeira
mulheres, tendo sido, então, julgado por um tribunal identidade, foi estuprada por sete homens em 2006,
penal comum em uma audiência semipública. Ele e na cidade de Al Qatif. Quando o caso chegou ao
seu irmão, julgados juntos por acusações referentes tribunal, a garota e seu companheiro, que havia estado
ao seu envolvimento no protesto das mulheres, foram com ela antes do estupro, foram sentenciados, cada um,
condenados e sentenciados a seis e a quatro meses a 90 chibatadas pelo crime de khilwa. Os estupradores
de prisão, respectivamente, sendo obrigados a foram sentenciados a penas de prisão entre um e cinco
assumir o compromisso de não incitar mais nenhum anos, além da pena de açoitamento. Na apelação,
protesto. Os dois entraram com recurso, mas o todas as sentenças foram aumentadas. A vítima do
resultado ainda era aguardado ao final do ano. estupro e seu companheiro foram sentenciados a seis
Centenas de ex-prisioneiros de consciência, meses de prisão e a 200 chibatadas, enquanto as
ativistas de direitos humanos e defensores de sentenças dos estupradores aumentaram para penas
mudanças políticas pacíficas continuaram proibidos de prisão que variavam de dois a nove anos, além da
de viajar para o exterior. Entre eles estava Matrouk al- pena de açoitamento. O advogado da vítima de estupro
Falih, professor universitário e um dos reformistas, declarou publicamente que sua cliente, como vítima do
preso de março de 2004 a agosto de 2005. Ele foi crime, não deveria ter sido punida. Em resposta, o
informado pelo Ministério do Interior de que não teria Ministério da Justiça declarou que, ao cometer o crime
permissão para viajar ao estrangeiro até março de de khilwa, a jovem havia sido parcialmente responsável
2009. Consta que outros tiveram suas proibições por seu próprio estupro e, então, deu início a uma ação
renovadas depois que elas expiraram. disciplinar contra o advogado, acusando-o de infringir
a lei e de revelar o caso à imprensa. Em dezembro, o
Discriminação e violência contra a mulher Rei concedeu indulto à vítima do estupro e, segundo
Dois casos chamaram a atenção para a natureza informações, o caso contra ela e seu companheiro foi
severa e para a extensão das discriminações legais encerrado. A ação disciplinar movida contra o
e de outros tipos aplicadas contra as mulheres na advogado também foi anulada e ele teve permissão
Arábia Saudita, provocando debates nacionais e para continuar trabalhando.
internacionais. Em setembro, ativistas de defesa dos direitos das
 O irmão de uma mulher conhecida como Fátima – mulheres fizeram uma petição junto ao Rei a fim de
mãe de dois filhos – invocando sua autoridade legal que ele permitisse às mulheres dirigir automóveis,
como tutor masculino da irmã, solicitou uma ordem como acontece em todos os outros países. Houve
judicial para divorciar Fátima de seu marido, contra a ainda pedidos para que as mulheres sauditas
vontade de ambos. O irmão argumentou que o marido tivessem permissão para competir em eventos
de Fátima pertencia a uma tribo de status inferior e que esportivos internacionais, assim como os homens
ele não revelara essa informação quando pediu também competem.
permissão para casar com ela. Apesar da oposição do A discriminação estimulou a violência contra a

86 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 87

mulher, principalmente contra as empregadas chibatadas – contra dois homens condenados por
domésticas estrangeiras, que corriam maiores riscos sodomia em um tribunal de Al Baha, em outubro.
de sofrer abusos como espancamentos, estupros e Crianças também estavam entre os sentenciados a
até assassinatos, bem como de não receberem açoitamento.
salários. Houve preocupação com as leis Ao menos três pessoas tiveram a mão direita
discriminatórias relacionadas ao casamento, que amputada na altura do pulso após serem condenadas
faziam com que mulheres acabassem presas a por roubo.
relacionamentos violentos e abusivos contra os quais
não havia qualquer recurso legal. Pena de morte
O governo entregou o seu primeiro relatório ao Ao menos 158 pessoas foram executadas: 82
Comitê para a Eliminação da Discriminação contra a sauditas e 76 cidadãos estrangeiros. Havia entre elas
Mulher (CEDAW). Sua apresentação perante o Comitê três mulheres e pelo menos um menor infrator,
estava marcada para janeiro de 2008. Dhahian Rakan al-Sibai, que tinha 15 anos à época
A
do suposto homicídio pelo qual foi condenado. Ele foi
Tortura e outros maus-tratos executado em julho, em Taif. As pessoas executadas
A tortura e outros maus-tratos foram disseminados e, foram condenadas por homicídio, estupro, crimes
na maioria dos casos, eram cometidos impunemente. relacionados a drogas, bruxaria, apostasia e outras
As forças de segurança, segundo informações, acusações. Entretanto, praticamente não havia
utilizavam vários métodos que incluíam qualquer informação disponível sobre seus
espancamentos com bastões, socos, suspensão dos julgamentos, nem sobre possíveis apelações ou sobre
detentos pelos pulsos, privação de sono e insultos. se os réus tiveram acesso a advogado. A maioria das
Um vídeo divulgado em abril mostrava imagens de execuções ocorreu em público.
prisioneiros sendo torturados na prisão de al-Hair, em Acredita-se que várias centenas de pessoas
Riad. O governo declarou que investigaria o incidente. continuem no corredor da morte. Entre elas, estão
As autoridades prisionais, mais tarde, disseram que menores infratores, como Rizana Nafeek, uma
um soldado havia sido disciplinado pelo uso da empregada doméstica do Sri Lanka, que foi
tortura, sendo suspenso por um mês, e que outro condenada à morte por um homicídio ocorrido em
havia sido suspenso por 20 dias por não intervir e 2005 quando ela tinha 17 anos.
nem impedir as agressões aos prisioneiros. Não se
sabia se alguma investigação independente sobre o Visitas da AI
caso havia sido feita ou se os perpetradores haviam  A Anistia Internacional solicitou novamente permissão para visitar a
sido levados à Justiça. Arábia Saudita a fim de discutir a situação dos direitos humanos; porém,
Houve denúncias em vários tribunais de, pelo no final de 2007, o governo ainda não havia marcado as datas para esta
menos, seis supostos casos de tortura e de mortes visita.
sob custódia que teriam sido cometidos pela polícia
religiosa: o Comitê para a Promoção da Virtude e a
Prevenção do Vício. Em todos os casos concluídos,
porém, os agentes do Comitê acusados foram
isentados. Houve, contudo, uma maior cobertura
desses casos por parte da imprensa.

Punições cruéis, desumanas e degradantes


Punições físicas judiciais foram rotineiramente
impostas pelos tribunais. As sentenças de
açoitamento eram freqüentemente aplicadas como
punição principal ou complementar para a maioria
dos crimes, sendo efetuadas quase diariamente. O
maior número de chibatadas já imposto nos casos
registrados pela Anistia Internacional foi de 7 mil

Informe 2008 - Anistia Internacional 87


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 88

por reivindicações salariais na Província de Santa Cruz


ARGENTINA em maio e em agosto. Alguns protestos terminaram em
confrontos violentos com a polícia. Doze manifestantes
REPÚBLICA ARGENTINA foram feridos por balas de borracha, disparadas pela
Chefe de Estado e de governo: Cristina Fernández Polícia Provincial. Cinco policiais também ficaram feridos.
(sucedeu a Néstor Kirchner em dezembro) Em abril, um manifestante foi morto por uma bomba de
Pena de morte: abolicionista para crimes comuns
gás lacrimogêneo durante um protesto de professores por
Tribunal Penal Internacional: ratificado
População: 39,5 milhões melhores condições de trabalho em Neuquén, na
Expectativa de vida: 74,8 anos Província de Neuquén. Uma investigação sobre a morte
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 17/14 por mil foi iniciada.
Taxa de alfabetização: 97,2 por cento
Disputas por terra
Há informações de terem ocorrido incursões violentas em
A
Várias pessoas foram feridas e uma pessoa foi morta comunidades agrícolas e indígenas, por parte da polícia e
durante manifestações de trabalhadores do setor público de guardas armados, em situações de disputas por terra,
em reivindicação por melhores salários e condições de particularmente na Província de Santiago del Estero.
trabalho. Houve relatos de maus-tratos policiais a Organizações que trabalham em favor de camponeses
camponeses e a membros de comunidades indígenas. foram intimidadas.

Informações gerais Discriminação – direitos indígenas


Em outubro, Cristina Fernández foi eleita presidente pela Em setembro, o Defensor Nacional submeteu à Suprema
Frente para a Vitória, uma coalizão que incluía o partido Corte uma medida cautelar em favor de comunidades
governista Partido Justicialista. indígenas, a maioria Tobas, da Província de Chaco. A
Em janeiro, foi introduzida uma lei que implementava o ação destacava os níveis extremos de pobreza e a falta de
Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, comida, de acesso à água potável, de abrigo e de
criminalizando o genocídio, os crimes contra a assistência médica nessas comunidades. Em outubro, a
humanidade e os crimes de guerra na legislação Suprema Corte decidiu que as autoridades federal e
nacional. provinciais devem fornecer comida, água potável e
Um projeto de lei incorporando o desaparecimento programas de saúde e de educação, bem como alocar
forçado ao Código Penal aguardava a aprovação pelo recursos específicos para o atendimento emergencial
Senado no fim do ano. dessas comunidades.

Impunidade – justiça por violações passadas Condições prisionais


Várias pessoas acusadas de cometerem violações de Em novembro, mais de 30 detentos morreram durante
direitos humanos no período de vigência do governo um incêndio na prisão de Santiago del Estero. Consta que
militar (1976-1983) foram sentenciadas durante o ano. o fogo foi provocado por prisioneiros que protestavam
 Christian Von Wernich, ex-capelão da polícia de Buenos contra maus-tratos, abuso de autoridade, revistas
Aires, foi sentenciado à prisão perpétua, em outubro, por corporais degradantes e por suas queixas não serem
seu envolvimento em 42 seqüestros, sete assassinatos e 31 investigadas. A Relatoria da Comissão Interamericana de
casos de tortura. Direitos Humanos sobre os Direitos das Pessoas Privadas
 Em julho, a Suprema Corte decidiu que o indulto de Liberdade expressou preocupação e exortou as
presidencial concedido pelo ex-presidente Carlos Menem autoridades a tomarem medidas para proteger as pessoas
ao ex-general Santiago Riveros, por antigas violações de detidas no sistema prisional e para investigar as
direito humanos, era inconstitucional. Em sua decisão, a alegações.
Corte afirmou que a legislação internacional não permite a
impunidade por crimes contra a humanidade. Relatório da Al
 Argentina: Elecciones 2007 – Lamamiento para creación de un Plan
Polícia e forças de segurança Nacional de Derechos Humanos (AMR13/004/2007)
Funcionários municipais fizeram greves e manifestações

88 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 89

financiamento de diversos programas sociais.


BRASIL Organizações não-governamentais brasileiras
manifestaram preocupação pelo impacto causado por
REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL projetos de pavimentação de estradas e de construção de
Chefe de Estado e de governo: Luiz Inácio Lula da Silva represas próximo a terras indígenas. O programa de
Pena de morte: abolicionista para crimes comuns redistribuição de renda do governo federal, o Bolsa
Tribunal Penal Internacional: ratificado
Família, contribuiu para a redução da pobreza extrema.
População: 191,3 milhões
Expectativa de vida: 71,7 anos Em novembro, pela primeira vez, o Brasil foi incluído em
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 34/26 por mil uma lista de países com alto índice de desenvolvimento
Taxa de alfabetização: 88,6 por cento humano, segundo o Relatório de Desenvolvimento
Humano do Programa das Nações Unidas para o
Desenvolvimento.
Os moradores das comunidades marginalizadas Escândalos de corrupção atribularam tanto o governo
continuaram a viver em meio a níveis extremamente federal quanto os governos estaduais. Importantes
elevados de violência, praticada tanto por grupos investigações da Polícia Federal descobriram esquemas B
criminosos organizados quanto pela polícia. As criminosos envolvendo jogos ilegais, suborno e fraudes
operações policiais realizadas nessas comunidades em contratos governamentais superfaturados. Entre os
resultaram em milhares de mortos e de feridos, fundos desviados, estavam verbas federais destinadas a
geralmente intensificando a exclusão social. Grupos projetos sociais e de infra-estrutura em dois dos estados
de extermínio ligados à polícia também foram mais pobres do Brasil: Maranhão e Piauí.
responsáveis por centenas de assassinatos. O governo federal criou um órgão independente para a
O sistema de justiça criminal falhou em seu dever prevenção da tortura, em conformidade com o Protocolo
de fazer com que os responsáveis por abusos prestem Facultativo à Convenção da ONU contra a Tortura,
contas de seus atos. Infligiu ainda uma série de ratificado pelo Brasil no mês de janeiro. O órgão possui
violações de direitos humanos às pessoas detidas em poderes para fazer visitas a prisões e a delegacias de
suas prisões e centros de detenção juvenis polícia sem necessidade de aviso prévio.
superlotados e exauridos de recursos. Em agosto, a Comissão Especial sobre Mortos e
As mulheres detidas em penitenciárias ou em celas Desaparecidos Políticos publicou o livro Direito à Memória
policiais continuaram sendo vítimas de tortura e de e à Verdade. A obra faz um levantamento detalhado de
maus-tratos. Ativistas rurais e povos indígenas que 475 casos de tortura e de desaparecimentos ocorridos no
realizam campanhas por acesso à terra foram período do governo militar (1964-1985) e marca o
ameaçados e atacados por policiais e por seguranças reconhecimento oficial de que foram cometidos abusos
privados. Houve denúncias de trabalho forçado e de de direitos humanos durante o regime. No entanto, alguns
exploração do trabalho em diversos estados, inclusive arquivos militares permaneceram secretos e os familiares
no setor canavieiro em expansão. tiveram de continuar sua procura pelos restos mortais das
O governo federal introduziu um novo plano de vítimas que o Estado fez desaparecer naquele período. O
combate à violência urbana, consolidou o seu Brasil continuou sendo um dos únicos países da região
programa para os defensores dos direitos humanos e que não contestou as leis que deram imunidade às
criou um órgão independente para prevenção da autoridades do regime militar responsáveis por graves
tortura abusos dos direitos humanos, como tortura.

Informações gerais Polícia e serviços de segurança


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciou seu segundo As comunidades carentes continuaram encurraladas
mandato em janeiro de 2007, quando também tomaram entre as gangues de criminosos que dominam as
posse os novos governadores eleitos nos estados. O áreas em que elas vivem e os métodos violentos e
principal sustentáculo da política do governo federal foi o discriminatórios usados pela polícia. Em
Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), voltado a conseqüência disso, muitos dos que moram nessas
melhorias na infra-estrutura básica, como rede viária, comunidades vivenciaram intensas privações sociais
instalações portuárias e saneamento, bem como ao e econômicas.

Informe 2008 - Anistia Internacional 89


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 90

A resposta do governo federal e dos governos Nacional, a força de elite do governo federal. A polícia
estaduais à violência criminal foi confusa. O governo matou ao menos 19 supostos criminosos, um deles
federal lançou o Programa Nacional de Segurança com 13 anos de idade, e dezenas de transeuntes
Pública com Cidadania (PRONASCI), voltado à foram feridos. Foram apreendidas 13 armas e uma
prevenção do crime, à inclusão social, à reabilitação quantidade de drogas. Ninguém foi preso. A
de prisioneiros e à melhora dos salários dos policiais. Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos
Entretanto, apesar dos relatos abundantes de Advogados do Brasil, Seção do Rio de Janeiro, e a
violações de direitos humanos cometidas pela polícia, Secretaria Especial de Direitos Humanos do governo
o Presidente Lula e outras autoridades de seu federal declararam que investigações independentes
governo apoiaram publicamente certas operações dos relatórios forenses oficiais apontaram fortes
policiais militarizadas de grande repercussão, indícios da ocorrência de execuções sumárias.
especialmente no Rio de Janeiro. O relator especial da ONU sobre execuções sumárias,
Nos estados, apesar de alguns governadores terem arbitrárias ou extrajudiciais, que visitou o Rio de
prometido reformas, a maioria das forças policiais Janeiro em novembro, criticou a falta de investigações
B estaduais continuou a adotar métodos violentos, oficiais sobre os assassinatos e concluiu que a
discriminatórios e corruptos no combate e na operação teve motivação política.
repressão ao crime nas comunidades carentes, com  Em outubro, uma operação da Polícia Civil na favela
escassa supervisão ou controle. Em nenhum outro da Coréia, em Senador Camará, zona oeste do Rio,
lugar isso foi tão evidente quanto no Rio de Janeiro, deixou 12 mortos: um menino de quatro anos, que teria
onde as promessas de reforma foram abandonadas e sido atingido por fogo cruzado, um policial e 10
o governador passou a adotar uma postura pública "suspeitos", um deles de 14 anos. Imagens aéreas
cada vez mais draconiana e belicosa nas questões de exibidas pela televisão em rede nacional mostraram
segurança. A política de realizar operações policiais dois homens tentando fugir do local enquanto eram
militarizadas de grande escala foi intensificada à alvo de tiros disparados de um helicóptero que os
custa de centenas de vidas. Segundo dados oficiais, a seguiu até serem mortos.
polícia matou ao menos 1.260 pessoas no estado em Milícias parapoliciais, formadas por policiais e
2007 – o maior número até agora. Todas as mortes bombeiros fora de serviço, continuaram a dominar
foram classificadas como "resistência seguida de uma grande parte das favelas do Rio de Janeiro.
morte" e tiveram pouca ou nenhuma investigação  Em abril, Jorge da Silva Siqueira Neto, presidente da
séria. Associação de Moradores da Favela Kelson's, na
 Houve dezenas de mortes e uma enorme Penha, dominada pelas milícias, foi obrigado a
quantidade de feridos durante as operações policiais abandonar o bairro após receber ameaças de morte.
realizadas no Complexo do Alemão – um aglomerado Ele acusou cinco policiais militares de terem assumido
de 21 comunidades socialmente excluídas, na zona "poderes ditatoriais" dentro da comunidade e fez
norte do Rio de Janeiro, onde vivem mais de 100 mil denúncias à Corregedoria da Polícia, à Secretaria de
pessoas – e na vizinha Vila da Penha. Milhares de Segurança Pública e ao Ministério Público. Três dos
pessoas tiveram de enfrentar o fechamento de escolas policiais foram detidos administrativamente, sendo
e de postos de saúde, bem como cortes no soltos em seguida, no início de setembro. Quatro dias
fornecimento de água e de energia elétrica. Durante as depois, Jorge da Silva Siqueira Neto foi morto a tiros.
operações, houve denúncias de execuções Um inquérito foi aberto, mas até o fim do ano não havia
extrajudiciais, espancamentos, vandalismo e roubo progressos.
cometidos por policiais. Membros da comunidade Em São Paulo, mais uma vez, as autoridades
disseram que um veículo blindado da polícia (o estaduais anunciaram redução nos números oficiais
caveirão) era usado como uma unidade móvel dentro de homicídios policiais, embora esses dados tenham
da qual os policiais aplicavam choques elétricos e sido contestados. As violações de direitos humanos
praticavam espancamentos. nas mãos de policiais, no entanto, continuaram.
A ação repressiva culminou com uma "mega-  Em dezembro, no município de Bauru, Carlos
operação", realizada no final de junho, envolvendo Rodrigues Júnior, de 15 anos, segundo informações,
1.350 policiais civis e militares e membros da Força foi torturado e morto por vários policiais militares dentro

90 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 91

de sua própria casa. De acordo com os laudos  Mais de 20 pessoas morreram em 2007 no Presídio
forenses, ele levou 30 choques elétricos enquanto era Aníbal Bruno, em Pernambuco. A prisão, que tem um
interrogado sobre o roubo de uma motocicleta. Seis problema crônico de falta de funcionários e que abriga
policiais estavam detidos provisoriamente no final do um número de prisioneiros mais de três vezes acima da
ano. sua capacidade, há muito tem sido alvo de denúncias
de tortura e de maus-tratos.
Grupos de extermínio Em todo o Brasil, as condições dos centros de
Em São Paulo, nos primeiros 10 meses de 2007, detenção juvenil continuaram a ser motivo de
foram registradas 92 mortes em chacinas ligadas a preocupação. Houve novas denúncias de
grupos de extermínio – a maioria na zona norte da superlotação, de espancamentos e de maus-tratos. A
cidade. Nas cidades de Ribeirão Pires e Osasco, diretora da Fundação Casa (antiga Febem), em São
policiais estavam sendo investigados em conexão Paulo, foi afastada do cargo por meio de uma decisão
com as mortes de mais de 30 pessoas. Assassinatos que criticava a unidade Tietê pela higiene precária e
cometidos por grupos de extermínio também foram pelas condições das acomodações abaixo do padrão.
registrados em outros estados, sobretudo Rio de A demissão foi posteriormente revogada pelo Tribunal B
Janeiro (especialmente na Baixada Fluminense), de Justiça do estado.
Espírito Santo, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do
Norte e Ceará. Violência contra a mulher
 Em agosto, Aurina Rodrigues Santana, seu marido, Os casos processados sob a Lei Maria da Penha, de
Rodson da Silva Rodrigues, e seu filho, Paulo Rodrigo 2006, que criminaliza a violência doméstica,
Rodrigues Santana Braga, foram mortos a tiros por um começaram a chegar aos tribunais em 2007.
grupo de homens encapuzados enquanto dormiam em Apesar de a lei representar um grande avanço, a falta
sua casa, no bairro de Calabetão, em Salvador, na de recursos, as dificuldades para cumprir ordens de
Bahia. O ataque aconteceu depois que a família exclusão e a precariedade dos serviços de apoio
denunciou que seu filho e sua filha, de 13 anos, foram foram obstáculos à sua efetiva implementação.
torturados por quatro policiais militares. A ausência de proteção do Estado nas
Um acontecimento positivo ocorreu em abril, comunidades marginalizadas expôs as mulheres à
quando a Polícia Federal desarticulou um grupo de violência tanto dos criminosos quanto da polícia. Nas
extermínio que agia no Estado de Pernambuco e que comunidades controladas por traficantes de drogas,
teria sido responsável pelas mortes de mais de mil as mulheres sofreram discriminação, violência e não
pessoas num período de cinco anos. Outro grupo de tiveram acesso a serviços básicos. Há informações de
extermínio foi desarticulado em novembro, quando mulheres que tiveram de raspar a cabeça por serem
foram presas 34 pessoas, entre as quais policiais, consideradas infiéis, que foram expulsas das
advogados e comerciantes. comunidades por serem HIV positivas e que foram
forçadas a fazer favores sexuais para pagar dívidas.
Prisões – tortura e outros maus-tratos Geralmente, elas tinham muito medo de fazer
Superlotação extrema, condições sanitárias precárias, denúncias. As mulheres que lutavam por justiça em
violência entre gangues e motins continuaram a nome de familiares mortos pela polícia eram
deteriorar o sistema prisional. Maus-tratos e tortura freqüentemente ameaçadas e intimidadas.
foram corriqueiros. As mulheres representam uma parcela pequena,
 Em agosto, 25 detentos foram queimados até a mas crescente, da população carcerária; suas
morte na penitenciária de Ponte Nova, em Minas necessidades, porém, têm sido constantemente
Gerais, durante uma briga entre facções. negligenciadas. Tortura, espancamentos e abuso
 No Espírito Santo, em meio a acusações de tortura e sexual foram relatados em delegacias de polícia e em
de maus-tratos, o governo impediu que o Conselho celas prisionais.
Estadual de Direitos Humanos (CEDH) – um órgão com  Em novembro, uma menina de 15 anos, acusada
mandato oficial que, segundo a legislação estadual, de um pequeno furto, foi presa em uma delegacia de
tem poderes para monitorar o sistema prisional – polícia na cidade de Abaetetuba, no Pará. Ela foi
entrasse nas celas. forçada a dividir uma cela com cerca de 20 a 30

Informe 2008 - Anistia Internacional 91


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 92

homens pelo período de um mês. Ela foi estuprada trabalhadores utilizados em atividades de desmatamento
repetidamente, segundo informações, em troca de ou de cultivo da fronteira agrícola do Cerrado e da
comida. Quando o fato veio à público, os policiais a Amazônia, como também trabalhadores empregados na
teriam ameaçado e ela, então, foi mantida sob produção de monoculturas em estados mais abastados
proteção. Sua família também teria sido ameaçada como São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.
pela polícia e passou a integrar um programa de Prosseguiu a exploração no crescente setor canavieiro.
proteção a testemunhas. O caso recebeu uma ampla Em março, procuradores da Secretaria do Emprego e
cobertura da imprensa e diversos órgãos federais Relações do Trabalho de São Paulo resgataram 288
abriram investigações, o que revelou a existência de pessoas que faziam trabalhos forçados em seis plantações
vários casos de mulheres vítimas de graves violações de cana-de-açúcar no estado. No mesmo mês, 409
de direitos humanos em outros locais de detenção. trabalhadores, 150 dos quais eram índios, foram
resgatados da destilaria de etanol Centro Oeste Iguatemi,
Disputas por terra no Mato Grosso do Sul. Em novembro, equipes de
Prosseguiu a violência nas áreas rurais, geralmente em inspeção encontraram 831 índios que trabalhavam no
B situações de disputa que opunham, de um lado, grandes corte de cana alojados em condições extremamente
proprietários de terra e, de outro, trabalhadores rurais sem precárias e insalubres, em uma fazenda no município de
terra e povos indígenas ou quilombolas. A expansão da Brasilândia, também no Mato Grosso do Sul.
monocultura, como as plantações de soja e de eucaliptos,  Mais de mil pessoas que trabalhavam em condições
a extração ilegal de madeiras e a mineração, juntamente análogas à escravidão foram libertadas de uma fazenda de
com projetos de desenvolvimento, como a construção de cana da empresa produtora de etanol Pagrisa, em
represas e o projeto de desvio do Rio São Francisco, Ulianópolis, no Pará. Após a autuação, uma comissão do
estiveram entre as principais fontes de conflito. Houve Senado acusou os inspetores de exagerarem a
sérias preocupações também com as condições de precariedade da situação dos trabalhadores. Em
exploração das pessoas que trabalham com o conseqüência, as operações do grupo de fiscalização foram
desmatamento e com a produção de carvão vegetal, bem temporariamente suspensas pela Secretaria de Inspeção
como no setor canavieiro. do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego devido a
Aumentaram as expulsões forçadas, geralmente temores de que as alegações pudessem comprometer a
envolvendo ameaças e intimidações. Segundo a Comissão credibilidade da atuação do grupo de fiscalização. As
Pastoral da Terra (CPT), de janeiro a setembro de 2007 inspeções foram retomadas em outubro.
foram expulsas 2.543 famílias em todo o Brasil, um O governo adotou algumas medidas para melhorar as
aumento significativo com relação a 2006. condições de trabalho no setor canavieiro. No Estado de
 Em novembro, trabalhadores rurais que ocupavam uma São Paulo, que responde por mais de 60 por cento da
fazenda próxima ao município de Santa Teresa do Oeste, no produção de cana do Brasil, o Ministério Público do
Paraná, foram atacados por 40 homens armados que Trabalho tomou a iniciativa de dar início a inspeções e de
teriam sido contratados por uma empresa de segurança a instaurar processos. No âmbito federal, o governo
serviço da companhia multinacional suíça proprietária da prometeu introduzir um esquema de credenciamento
terra. Eles mataram o líder sem-terra Valmir Motta de social e ambiental voltado à melhoria das condições de
Oliveira com um tiro no peito. Um segurança da empresa trabalho e à redução do impacto ambiental.
também foi morto a tiros em circunstâncias incertas. Outras
oito pessoas foram feridas no ataque, entre elas Izabel Povos indígenas
Nascimento, espancada até perder os sentidos. O O Estado do Mato Grosso do Sul continuou sendo um
assassinato se enquadra em um padrão de violência e foco de violência contra os povos indígenas.
intimidação há muito perpetrado pelas milícias rurais no  Em janeiro, Kuretê Lopes, uma mulher indígena
Paraná. Guarani-Kaiowá de 69 anos de idade, morreu ao levar um
Casos de trabalho forçado foram relatados por todo o tiro no peito, disparado por um segurança privado, durante
país. Em dezembro, o Ministério do Trabalho atualizou sua a evacuação de uma área cultivável que os Guarani-Kaiowá
relação de empregadores que sujeitavam trabalhadores a ocupavam, pois afirmavam ser sua terra ancestral. Em
condições de exploração. A lista incluía 185 setembro, quatro lideranças Guarani-Kaiowá envolvidas na
empregadores de 16 estados, envolvendo não apenas ocupação foram sentenciadas por tribunais estaduais a 17

92 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 93

anos de prisão pelo suposto roubo de um trator, uma coordenação continuaram a atrapalhar a implementação
sentença que as ONGs locais consideraram do Programa Nacional de Proteção aos Defensores dos
desproporcional, discriminatória e politicamente motivada. Direitos Humanos.
No final do ano, um recurso ainda era aguardado. Defensores continuaram a ser ameaçados e intimidados.
 Em junho, o líder indígena Ortiz Lopes foi morto a tiros  O líder indígena Marcos Ludison de Araújo (Marcos
em sua casa no município de Coronel Sapucaia. Ao efetuar Xucuru) recebeu ameaças no mês de julho. Devido a uma
os disparos, o pistoleiro teria dito a Ortiz Lopes que estava a longa história de intimidações por parte da Polícia Federal,
mando de fazendeiros que queriam resolver uma disputa. um órgão com responsabilidade constitucional de garantir
Ativo defensor do direito às terras dos Guarani-Kaiowá, proteção, Marcos Xucuru decidiu então solicitar proteção a
Lopes já vinha sendo ameaçado de morte. membros de confiança da Polícia Militar – uma medida
Em agosto, o governo federal anunciou sua decisão de prevista conforme as regras do programa de defensores.
declarar 11.009 hectares na região de Aracruz, no Espírito Entretanto, ele permaneceu em perigo por vários meses
Santo, como terras indígenas. A decisão foi tomada após enquanto ocorriam as negociações entre o governo
uma longa disputa envolvendo os povos Guarani e estadual e o federal.
Tupinikim e uma empresa produtora de celulose.  Márcia Honorato, funcionária de uma ONG que diversas
vezes denunciou as atividades de grupos de extermínio na C
Impunidade Baixada Fluminense, uma região extremamente violenta
Devido às falhas existentes em todos os estágios do próxima ao Rio de Janeiro, recebeu uma série de ameaças
sistema de justiça criminal, os violadores de direitos de morte, tendo, em uma ocasião, uma arma apontada
humanos desfrutaram de uma impunidade que só foi para sua cabeça
exceção em casos com ramificações internacionais.
 As autoridades tomaram providências para investigar, Visitas e relatórios da Al
processar e condenar os responsáveis pelo assassinato da  Representantes da Anistia Internacional visitaram o Brasil em maio e
irmã Dotothy Stang, uma missionária dos EUA, ocorrido em junho.
fevereiro de 2005. Em maio, Vitalmiro Bastos de Moura, o  Brasil: "De ônibus queimados a caveirões": a busca por segurança
fazendeiro acusado de ser o mandante do crime, foi humana (AMR 19/010/2007)
sentenciado a 30 anos de prisão. Em outubro, Rayfran das  Brasil: Submissão à Revisão Periódica Universal da ONU - Primeira
Neves Sales, um dos pistoleiros envolvidos, foi sentenciado sessão do Grupo de Trabalho RPU, 7-11 de abril de 2008 (AMR
a 27 anos de prisão. Porém, o tribunal de justiça anulou o 19/023/2007).
julgamento e ordenou que fosse refeito.
Procedimentos judiciais como esse, no entanto,
continuam sendo raros em um estado onde a impunidade
é a regra para os casos de violência rural. Segundo a
Comissão Pastoral da Terra, dos 814 casos de assassinato
entre os anos de 1971 e 2006, no Estado do Pará, 568
CANADÁ
permanecem não solucionados. Entre 92 casos criminais,
Chefe de Estado: Rainha Elizabeth II, representada pela
houve apenas uma condenação. governadora-geral Michaëlle Jean
 Durante a onda de violência provocada por grupos Chefe de governo: Stephen Harper
criminosos no Estado de São Paulo, em maio de 2006, a Pena de morte: abolicionista para todos os crimes
polícia matou mais de 100 pessoas que seriam supostos População: 32,5 milhões
criminosos; em outros 87 casos há indicações do Expectativa de vida: 80,3 anos
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 6/6 por mil
envolvimento de grupos de extermínio com ligações com a
polícia. Segundo o Ministério Público estadual, até o final de
2007 ninguém havia sido processado. Ocorreram mortes após o uso de armas de eletrochoque
pela polícia. Povos indígenas continuaram a enfrentar
Defensores de direitos humanos discriminação. Houve constante preocupação a respeito
O programa de defensores de direitos humanos do de leis antiterrorista e do tratamento de refugiados e de
governo federal criou um órgão de coordenação nacional. requerentes de asilo.
Porém, tanto a falta de recursos quanto a falta de

Informe 2008 - Anistia Internacional 93


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 94

Discriminação – direitos dos povos indígenas iniciada pela Anistia Internacional e pela British
Um relatório publicado em maio sobre o inquérito Columbia Civil Liberties Association questionando a
público do assassinato de Dudley George pela polícia, prática da transferência de prisioneiros detidos nos
em 1995, forneceu a base para o fortalecimento da campos de batalha do Afeganistão para a custódia
proteção dos direitos dos povos indígenas. As afegã, sob a qual correriam sérios riscos de tortura.
disputas envolvendo terras e recursos continuaram, O governo canadense recusou-se a intervir em
assim como o fracasso das autoridades em garantir favor de Omar Khandr, detido pelas forças dos EUA
sua resolução de modo rápido e imparcial. Isso foi no Afeganistão quando tinha 15 anos de idade e
demonstrado pela situação em Grassy Narrows, no mantido por mais de cinco anos na base de
noroeste de Ontário, e com os índios Lubicon Cree, Guantánamo.
ao norte de Alberta. O governo recusou-se a tratar de
disparidades nos recursos financeiros disponíveis Violência contra a mulher
para as agências de proteção à criança indígena. As autoridades não instituíram uma estratégia
O Canadá votou contra a adoção da Declaração das nacional para abordar a violência e a discriminação
Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas contra mulheres indígenas, nem tomaram medidas
C em setembro e, em seguida, argumentou que a para implementar antigas recomendações sobre as
Declaração não se aplicava ao Canadá. mulheres nas prisões federais. Continuaram as
restrições ao financiamento de organizações para
“Guerra ao terror” defesa das mulheres, resultando no fechamento de
Maher Arar, cidadão canadense vítima de alguns grupos e na redução das atividades.
transferência ilegal (rendition) dos Estados Unidos
para a Síria, em 2002, recebeu um pedido formal de Refugiados e requerentes de asilo
desculpas e uma compensação do governo em Em novembro, o Tribunal Federal decidiu que o
janeiro. No entanto, muitas das recomendações do acordo de Terceiro País Seguro entre o Canadá e os
inquérito público sobre seu caso não foram Estados Unidos violava a Carta de Direitos e o direito
implementadas. O inquérito sobre o papel de agentes internacional. O governo recorreu da decisão. No final
canadenses nos casos de três cidadãos canadenses – do ano, tramitava no Parlamento uma legislação que
Abdullah Almalki, Ahmed El-Maati e Muayyed exigiria do governo a implementação das disposições
Nureddin – detidos e torturados no exterior foi sobre apelação de refugiados previstas na Lei de
frustrado por excesso de segredo. Proteção a Imigrantes e Refugiados de 2001.
Em fevereiro, a Suprema Corte do Canadá decidiu
que o sistema de certificação de segurança de Polícia e forças de segurança
imigração, usado pelo governo federal para deter e Pelo menos quatro pessoas morreram após o uso de
deportar pessoas nascidas em outros países e armas de eletrochoque Taser pela polícia. A morte do
suspeitas de crimes terroristas, violava a Carta de cidadão polonês Robert Dziekanski, no Aeroporto
Direitos, pois uma quantidade substancial de provas Internacional de Vancouver, após ser atingido por
era retida, impedindo que os indivíduos preparassem cargas de eletrochoque ao menos duas vezes pela
uma defesa efetiva. Um projeto de lei que propunha a polícia, em outubro, resultou em diversas revisões e
criação de uma Defensoria Especial falhou em na abertura de um inquérito público provincial.
abordar essa preocupação.
Em fevereiro, o Parlamento votou em favor da Pena de morte
permissão para que cláusulas controversas da Lei Em outubro, o Canadá reverteu uma política já
Antiterrorista expirassem. Em outubro, o governo tradicional no país ao declarar que não mais pedirá
introduziu um projeto de lei que restauraria as clemência para cidadãos canadenses sentenciados à
cláusulas que permitem a prisão preventiva e as morte em países democráticos que respeitem o
audiências de investigação. O projeto de lei estava Estado de direito.
pendente no Parlamento no fim do ano.
Em novembro, o Tribunal Federal rejeitou um
requerimento do governo para anular a ação judicial

94 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 95

Relatórios da Al diminuiu o número de execuções. Com base em


 Canada: Human rights for all -- No exceptions (AMR 20/001/2007). informações públicas, a Anistia Internacional estima
 Canada: Inappropriate and excessive use of tasers (AMR 20/002/2007) que pelo menos 470 pessoas tenham sido
 Afghanistan: NATO countries at risk of complicity in torture (ASA executadas e que 1.860 tenham sido condenadas à
11/015/2007). morte durante 2007. Entretanto, se acredita que os
 Canada: Amnesty International reiterates call to suspend police use of números reais tenham sido muito mais altos.
tasers following airport death (AMR 20/004/2007) Em junho, a Suprema Corte do Povo estipulou
que os casos de pena de morte em primeira
instância deveriam ser julgados em tribunal aberto,
e que as cortes deveriam promover julgamentos
públicos para as apelações em casos de pena

CHINA capital. No entanto, os julgamentos sujeitos a pena


de morte continuaram a ser realizados a portas
fechadas. A polícia freqüentemente recorreu à
REPÚBLICA POPULAR DA CHINA
Chefe de Estado: Hu Jintao tortura para obter “confissões”, e os detentos não
Chefe de governo: Wen Jiabao tiveram acesso imediato e regular a advogados. C
Pena de morte: retencionista Penas de morte e execuções continuaram sendo
População: 1.221,4 bilhões impostas para 68 delitos, inclusive para vários
Expectativa de vida: 72,5 anos crimes não-violentos, como corrupção e delitos
relacionados a drogas.

Um número cada vez maior de ativistas de direitos Sistema de Justiça


humanos foi aprisionado, colocado em prisão Pessoas que exerciam pacificamente seus direitos,
domiciliar, sob vigilância, ou intimidado. Continuou a como a liberdade de expressão e de associação,
repressão aos grupos minoritários, como tibetanos, continuaram correndo grande risco de
uigures e mongóis. Os praticantes de Falun Gong desaparecimento forçado, detenção ilegal e
enfrentaram um risco particularmente alto de sofrer detenção em regime de incomunicabilidade, prisão
tortura e outros maus-tratos sob detenção. Os cristãos domiciliar, vigilância, espancamentos e hostilidades.
foram perseguidos por praticarem sua religião fora dos Estima-se que 500 mil pessoas tenham sido
canais sancionados pelo Estado. Apesar da restituição submetidas à detenção punitiva sem acusação nem
da revisão dos casos de pena de morte pela Suprema julgamento, através da “reeducação pelo trabalho” e
Corte do Povo, a pena capital permaneceu envolta em de outras formas de detenção administrativa. A
segredo e continuou a ser usada extensivamente. reforma da legislação de “reeducação pelo trabalho”
Predominou a prática da tortura de detentos e de permaneceu parada no Congresso Nacional do
prisioneiros. Milhões de pessoas não tiveram acesso à Povo. A polícia ampliou o uso da “reeducação pelo
Justiça e foram forçadas a buscar reparação por meio trabalho”, bem como de uma outra forma de
de um ineficaz sistema de petições extralegal. detenção administrativa, a “reabilitação forçada de
Mulheres e meninas continuaram a sofrer violência e dependentes de drogas”, a fim de “limpar” Pequim
discriminação. Os preparativos para os Jogos em preparação para as Olimpíadas.
Olímpicos de Pequim em 2008 foram marcados pela Para cerca de 11 a 13 milhões de pessoas, o
repressão de ativistas de direitos humanos. A censura único canal prático para a Justiça continuou sendo
à Internet e a outros meios de comunicação foi um sistema de petições a autoridades locais e de
intensificada. alto escalão, fora dos tribunais, em que a vasta
maioria dos casos permaneceu sem resolução.
Pena de morte
As estatísticas sobre pena de morte continuaram a Tortura e outros maus-tratos
ser consideradas um segredo de Estado, tornando A tortura durante a detenção continuou a ocorrer de
difícil confirmar as alegações oficiais de que o modo generalizado.
restabelecimento da revisão pela Suprema Corte  Yang Chunlin, um ativista de direitos humanos da

Informe 2008 - Anistia Internacional 95


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 96

província de Heilongjiang, foi detido em 6 de julho por recebeu ordens para interromper seu trabalho de
“subversão do poder do Estado”. Ele apoiou uma direitos humanos. Depois disso, foi libertado.
ação judicial apresentada por mais de 40 mil Vários ativistas morreram, tanto durante a
agricultores cujas terras foram confiscadas sem detenção quanto logo após serem libertados.
compensação. Yang Chunlin ajudou a colher
assinaturas para uma petição denominada “Nós Liberdade de expressão
queremos direitos humanos, não os Jogos As autoridades chinesas mantiveram os esforços
Olímpicos”, firmada por muitos dos agricultores. para controlar de modo bastante rígido o fluxo de
A polícia recusou repetidamente seu acesso à família informações. Elas decidiam quais os tópicos e quais
e a advogados, alegando que seu caso era as notícias que poderiam ser publicados. Às vezes,
“relacionado ao Estado”. Yang Chunlin foi torturado, os meios de comunicação tinham de responder a
teve seus braços e pernas esticados e amarrados aos diretrizes do governo em questão de minutos. As
quatro cantos de uma cama de ferro, em várias autoridades continuaram a bloquear alguns sites e a
ocasiões, sendo, inclusive, obrigado a comer, beber e controlar o conteúdo da Internet, considerando
defecar nessa posição. palavras ou tópicos específicos.
C  Chen Xiaoming, ativista pelo direito à moradia, de Sabe-se que cerca de 30 jornalistas e mais, pelo
Xangai, morreu em decorrência de uma extensa menos, outras 50 pessoas estavam presas por
hemorragia, logo após ter sido colocado em liberdade veicularem suas opiniões na Internet. Com
condicional médica, no dia 1º de julho. freqüência, as pessoas eram punidas simplesmente
por acessarem sites que haviam sido proibidos.
Defensores de direitos humanos Apesar de um afrouxamento temporário das
Enquanto o espaço para as atividades da sociedade regulamentações aplicadas aos jornalistas
civil continuou a crescer, os defensores dos direitos estrangeiros na China no período anterior aos Jogos
humanos que abordaram questões consideradas Olímpicos, o controle sobre jornalistas chineses e
politicamente sensíveis tornaram-se cada vez mais estrangeiros continuou rigoroso, e muitos jornalistas
visados. As autoridades criminalizaram as atividades chineses foram presos por abordarem assuntos
dos ativistas de direitos humanos, acusando-os de sensíveis. Em abril, o Ministério da Segurança
crimes como dano à propriedade pública, extorsão e Pública teria ordenado uma triagem de todos os
fraude. participantes das Olimpíadas de Pequim, com 43
Defensores dos direitos humanos e seus categorias de pessoas a serem barradas, inclusive
parentes, inclusive crianças, foram ainda mais com base em crenças religiosas ou políticas.
intensamente hostilizados, tanto por funcionários do
governo quanto por agressores não identificados, Violência e discriminação contra a mulher
por meio de vigilância, prisão domiciliar e As mulheres sofreram discriminação no trabalho, na
espancamentos. Entre os principais alvos estavam educação e no acesso a serviços de saúde. O tráfico
os advogados, cujos pedidos para renovação da de mulheres e de meninas permaneceu intenso,
licença profissional foram cada vez mais rejeitados. principalmente a partir da Coréia do Norte (veja
 O advogado de defesa e ativista de direitos abaixo). A violência doméstica continuou sendo
humanos Gao Zhisheng permaneceu sob estrita amplamente praticada, tendo sido apontada como a
vigilância policial, durante todo o ano, depois que foi principal causa de suicídio entre as mulheres das
condenado, em dezembro de 2006, por “incitação à áreas rurais.
subversão”. Entre os dias 24 de junho e 4 de julho e, Em maio, segundo informações, dezenas de
novamente, entre 22 de setembro e o início de mulheres da região autônoma de Guangxi Zhuang,
novembro, ele foi mantido incomunicável e foi no sudoeste da China, foram submetidas a abortos
torturado em locais desconhecidos antes de retornar forçados sob a supervisão dos órgãos locais de
à prisão domiciliar em Pequim. planejamento familiar. Em alguns casos, essas
 O advogado de direitos humanos Li Heping foi mulheres estavam no nono mês de gestação.
seqüestrado por indivíduos não identificados no final
de setembro. Ele foi espancado por várias horas e

96 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 97

Repressão a grupos religiosos e espirituais identidade cultural uigur foram criminalizadas. Os


Milhões de pessoas foram impedidas de praticar uigures constituem o único grupo de que se tem
livremente sua religião. Milhares permaneceram conhecimento na China a ser condenado à morte e
detidas ou cumprindo penas de prisão sob alto risco executado por crimes políticos, tais como
de tortura por praticarem sua religião fora dos “atividades separatistas”.
canais autorizados pelo Estado. Praticantes do Com crescente êxito, a China utilizou a
movimento espiritual Falun Gong, muçulmanos Organização de Cooperação de Xangai para
uigures, budistas tibetanos e grupos cristãos não- pressionar países vizinhos, entre os quais o
oficiais estavam entre os que foram mais duramente Quirguistão, o Uzbequistão e o Cazaquistão, a
perseguidos. cooperarem com o repatriamento forçado de uigures
Durante o ano, mais de 100 praticantes de Falun para a China.
Gong teriam morrido em detenção, ou logo após sua Houve aumento no número de uigures detidos no
libertação, em conseqüência de tortura, da negação exterior e devolvidos à força para a China, onde
de alimentos ou de tratamento médico, e por outras enfrentaram a pena de morte e possível execução.
formas de maus-tratos. Esse tratamento era aplicado, inclusive, a uigures
Reuniões de igrejas protestantes domésticas, que com nacionalidade estrangeira. C
funcionavam secretamente, eram freqüentemente  Ismail Semed, que foi repatriado à força do
interrompidas pela polícia; seus participantes Paquistão para a China em 2003, foi executado sob
geralmente eram detidos e espancados, e as igrejas, acusações de “tentativa de dividir a pátria” e posse de
às vezes, eram destruídas. armas de fogo e de explosivos.
 Hua Huaiqi, líder de uma igreja doméstica sediada  Ablikim Abdiriyim, filho do ativista uigur Rebiya
em Pequim, foi sentenciado em junho, em um Kadeer, foi julgado em segredo e sentenciado a nove
julgamento a portas fechadas, a seis meses de prisão anos de prisão sob acusações de “incitação e
por obstrução da Justiça. Segundo informações, ele engajamento em atividades separatistas”. Segundo
foi espancado na prisão. Sua mãe, de 76 anos, que fontes oficiais, essas atividades consistiam
protestou contra o tratamento dispensado ao filho, foi basicamente em pedir ao webmaster da página do
sentenciada a dois anos de prisão por destruição de Yahoo em idioma uigur que colocasse artigos na rede.
propriedade pública e privada, depois de sua bengala Porém, tanto o Yahoo! quanto a Alibaba, a empresa
ter atingido a lanterna de um veículo policial que se chinesa de internet que opera o serviço do Yahoo! na
aproximava. China, afirmaram que não dispõem de uma página
Membros da igreja católica não-oficial da China em idioma uigur. Ablikim Abdiriyim teria sido
foram reprimidos. Um bispo católico idoso, Han torturado e sofrido outros maus-tratos na prisão.
Dingxiang, morreu sob custódia, em circunstâncias Consta que ele teve dificuldades para reconhecer
suspeitas, depois de passar mais de 20 anos na membros da família durante uma visita em dezembro.
prisão. Ele foi rapidamente cremado pelas As autoridades continuaram negando-lhe acesso a
autoridades locais. tratamento médico.
Religiosos seguidores de todas as crenças O governo empreendeu uma política de imigração
tiveram dificuldade para conseguir assistência legal, em grande escala de chineses da etnia han
pois os advogados que se dispõem a atuar em casos ("chineses próprios") para a região autônoma uigur
sensíveis como esses geralmente são hostilizados, de Xinjiang, a fim de, supostamente, suprir a falta
detidos e aprisionados. de trabalhadores. Ao mesmo tempo, uma grande
quantidade de mulheres e de meninas uigures –
Região autônoma uigur de Xinjiang mais de 200 mil, segundo informações –, foram
As autoridades continuaram a usar a “guerra ao enviadas, geralmente sob coação das autoridades
terror”, liderada pelos EUA, para justificar o locais, para trabalhar em fábricas na região leste da
endurecimento da repressão às pessoas de etnia China, sob condições severas e com baixa
uigur, que vivem principalmente na região autônoma remuneração.
uigur de Xinjiang, o que resultou em sérias violações
de direitos humanos. Expressões não-violentas da

Informe 2008 - Anistia Internacional 97


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 98

Região autônoma do Tibete e outras documentação, teria cometido suicídio enquanto se


áreas de etnia tibetana encontrava detida, devido ao medo de ser devolvida à
A liberdade de religião, de expressão e de força para a Coréia do Norte. Ela estava com outras 40
associação dos tibetanos continuou severamente refugiadas norte-coreanas presas em dezembro,
restrita. A Administração Estatal para Assuntos perto de Qinhuangdao, na província de Hubei.
Religiosos instituiu o controle governamental sobre a
identificação e o treinamento de professores de Região administrativa especial de
budismo tibetano em toda a China. Expressões Hong Kong
pacíficas de apoio ao Dalai Lama continuaram a ser Em julho, dezenas de milhares de pessoas se
castigadas com rigor. Os esforços para enviar ao manifestaram em favor de reformas políticas e de
exterior informações sobre a repressão dos tibetanos direitos humanos no 10º aniversário do retorno de
foram severamente punidos. Hong Kong à soberania chinesa. Centenas de
 Cerca de 40 crianças tibetanas foram detidas pela estrangeiros praticantes de Folun Gong foram
polícia na província de Gansu por escreverem nos proibidos de entrar em Hong Kong no período que
muros frases em favor da independência do Tibete. antecedeu o aniversário. Em dezembro, o Comitê
C Testemunhas oculares afirmaram que quatro dos Permanente do Congresso Nacional do Povo decidiu
meninos estavam machucados e confusos, e que um que iria considerar a permissão de eleições diretas
deles fora, por diversas vezes, levado para outro lugar para a chefia executiva da região administrativa
à noite, retornando pela manhã com aparência de ter especial de Hong Kong em 2017, não em 2012.
sido espancado e sem condições de falar.
 Runggye Adak, um nômade tibetano que, durante Violência contra a mulher
um festival cultural, apelou publicamente pela volta Os casos de violência doméstica tiveram um
do Dalai Lama ao Tibete, foi sentenciado a oito anos crescimento de 120 por cento no primeiro trimestre
de prisão por “incitar à divisão do país” e por do ano – um aumento atribuído a uma maior
“perturbar gravemente a ordem pública”. Três outros disposição em denunciar tais abusos à polícia.
foram presos por 10, 9 e 3 anos, acusados de Ativistas pediram que a Regulamentação sobre
“conspirar com forças separatistas estrangeiras para Violência Doméstica fosse emendada com urgência,
dividir o país e por distribuir panfletos políticos", em de modo a punir criminalmente os responsáveis por
razão de suas tentativas de enviar informações sobre atos de violência doméstica e incluir, no seu escopo,
a prisão de Runggye Adak para organizações os casais de mesmo sexo.
estrangeiras.
Discriminação contra homossexuais
Refugiados da Coréia do Norte Ativistas pelos direitos homoafetivos criticaram uma
Aproximadamente 50 mil norte-coreanos estariam decisão, tomada em janeiro pela Autoridade de
escondidos na China, vivendo sob medo constante Telecomunicações, de que um programa de
de deportação. Acredita-se que, a cada mês, televisão que retratava relacionamentos entre
centenas de norte-coreanos tenham sido repatriados pessoas do mesmo sexo era tendencioso e
à força para a Coréia do Norte, sem ter acesso aos impróprio para ser assistido por famílias. Em julho, o
escritórios do ACNUR na China. A maioria dos Supremo Tribunal decidiu que uma lei que
norte-coreanos na China é de mulheres, muitas das criminalizava o relacionamento de pessoas do
quais foram traficadas para dentro do país. Para mesmo sexo em público, mas que não criminalizava
elas, o principal meio de evitar o retorno forçado a mesma conduta heterossexual, era discriminatória.
para a Coréia do Norte é serem compradas para
casar com homens chineses. Crianças nascidas de Requerentes de asilo
refugiadas norte-coreanas na China são, Requerentes de asilo acusados de crimes de
efetivamente, desprovidas de cidadania e enfrentam imigração permaneceram sendo detidos enquanto
dificuldades de acesso à educação e a serviços de aguardavam o resultado de seu pedido de asilo. Em
saúde. maio, uma ONG local informou que muitos
 Kim Yong-ja, uma mulher norte-coreana sem requerentes de asilo mantidos em centros de

98 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 99

detenção de imigrantes foram despidos na frente de guerra e crimes contra a humanidade. No entanto,
outros detentos, humilhados por funcionários da menos civis foram mortos em comparação com os
imigração e não receberam cuidados médicos últimos anos. Pessoas continuaram a ser
adequados. seqüestradas e os grupos guerrilheiros foram
Em outubro, 29 requerentes de asilo, mantidos responsáveis pela maioria dos casos relacionados ao
no centro de detenção de imigrantes de Castle conflito; a quantidade de casos relatados, porém, foi
Peak, fizeram uma greve de fome por três dias em menor do que em anos anteriores. O assassinato, em
protesto contra sua prolongada detenção. Grupos de junho, de 11 reféns mantidos pelas Forças Armadas
apoio disseram que alguns estavam detidos havia Revolucionárias da Colômbia (FARC) provocou
quase um ano, ao passo que as autoridades condenação generalizada e renovou os apelos para
alegaram que a maioria estava lá por que as FARC libertassem todos os seus reféns.
aproximadamente um mês. Continuaram os ataques a defensores de direitos
humanos e a ativistas da sociedade civil; os
Relatórios da Al paramilitares foram apontados como responsáveis
 Open Letter to Chairman of the Standing Committee of the National pela maioria desses ataques.
People's Congress on the reform of Re-education through Labour (ASA Menos pessoas foram mortas por grupos C
17/020/2007). paramilitares do que em anos anteriores. No entanto,
 People's Republic of China: The Olympics countdown – one year left to aumentaram os relatos de mortes de civis pelas
fulfil human rights promises (ASA 17/024/2007) forças de segurança. Grupos paramilitares
 China: The Olympics countdown – Repression of activists overshadows permaneceram ativos em várias partes do país,
death penalty and media reforms (ASA 17/015/2007) apesar de terem sido supostamente desmobilizados.
 Hong Kong's return to Chinese sovereignty: ten years on (ASA O número de pessoas forçadas a fugir de suas casas
19/001/2007) por causa do conflito também aumentou. As FARC
 China: Internal Migrants: Discrimination and abuse – the human cost foram responsabilizadas pelos assassinatos de vários
of an economic “miracle” (ASA 17/008/2007) candidatos durante a campanha para as eleições
 China: Remember the Gulja massacre? China's crackdown on peaceful locais de outubro.
protesters (ASA 17/002/2007) Houve progressos em algumas investigações
de maior repercussão sobre abusos de direitos
humanos, mas a impunidade continuou sendo a
maior preocupação. Cerca de 40 congressistas foram
implicados nas prolongadas investigações judiciais

COLÔMBIA sobre as ligações entre autoridades públicas e


grupos paramilitares. Vários líderes paramilitares
“desmobilizados” prestaram depoimento perante
Chefe de Estado e de governo: Alvaro Uribe Vélez
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes tribunais especiais sobre seu papel em violações de
Tribunal Penal Internacional: ratificado direitos humanos e sobre suas ligações com as forças
População: 47 milhões de segurança, em troca de penas reduzidas de
Expectativa de vida: 72,3 anos prisão.
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 30/26 por mil
Taxa de alfabetização: 92,8 por cento
Assassinatos cometidos pelas forças de
segurança
Segundo informações, pelo menos 280 pessoas
O contínuo conflito entre os grupos paramilitares foram executadas extrajudicialmente por membros
apoiados pelo Exército, os grupos guerrilheiros e as das forças de segurança nos 12 meses anteriores a
forças de segurança resultou em sérios abusos dos junho de 2007. As vítimas, a maioria agricultores,
direitos humanos, especialmente em certas regiões e geralmente eram apresentadas pelos militares como
nas áreas rurais. Todas as partes envolvidas nos 40 “guerrilheiros mortos em combate”. A maioria das
anos de conflito cometeram violações do direito mortes foi remetida ao sistema de justiça militar, o
internacional humanitário, incluindo crimes de qual normalmente encerrava esses casos sem

Informe 2008 - Anistia Internacional 99


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 100

nenhuma tentativa séria de fazer com que os Fracasso em revelar a verdade sobre os
responsáveis prestassem contas. abusos dos paramilitares
 Em 22 de abril, soldados da XVI Brigada do Exército Apenas cerca de 10 por cento dos mais de 31 mil
entraram na casa de Ernesto Cruz Guevara, no paramilitares desmobilizados se qualificaram para
município de Aguazul, departamento de Casanare. Os inclusão na Lei de Justiça e Paz, segundo a qual
soldados o interrogaram sobre atividades da guerrilha. aqueles que depuserem as armas podem se
Antes de saírem, disseram à esposa que estavam beneficiar de significativa redução das penas, em
levando seu marido para o Ministério Público (Fiscalía). troca de confissões sobre violações de direitos
Mais tarde, a família de Ernesto Cruz identificou seu humanos e de reparação às vítimas. Porém, com
corpo; o Exército alegou tratar-se de um guerrilheiro apenas cerca de 20 unidades de investigação para
morto em combate. lidar com milhares de casos, o andamento do
Em junho, o Ministério da Defesa emitiu a Diretiva processo foi muito lento.
Nº 10, que reiterava que as execuções extrajudiciais Embora os líderes paramilitares que confessaram
eram uma violação do direito à vida. tenham revelado alguns dados sobre aqueles que
assassinaram, as informações sobre a identidade das
C Grupos paramilitares vítimas e sobre a localização de seus corpos
O governo alegou que mais de 31 mil combatentes permaneceram incompletas. Foram exumados mais
haviam sido desmobilizados e que os paramilitares de 1.100 corpos encontrados em várias covas
não estavam mais na ativa. Eles atribuíram a coletivas entre o início de 2006 e o fim de 2007. A
continuação da violência a grupos criminosos de maioria desses corpos, porém, foi descoberta graças
narcotraficantes. Embora alguns grupos paramilitares a informações obtidas junto a soldados rasos
tenham realmente se transformado em grupos de paramilitares que estavam fora do processo da Lei de
narcotráfico, e alguma violência estivesse ligada às Justiça e Paz. A grande maioria dos corpos
disputas entre esses grupos, havia fortes indícios de permanece não identificada. A maior parte dos cerca
que os grupos paramilitares tradicionais continuavam de 4 milhões de hectares de terra que se estima
a operar em várias partes do país com novos nomes, terem sido roubados pelos paramilitares ainda não foi
como “Águias Negras” e “Organização Nova identificada, e apenas uma porção muito pequena
Geração". Foram constantes os informes de dessas terras foi devolvida aos seus reais
cumplicidade entre os paramilitares e as forças de proprietários.
segurança. A maioria dos paramilitares escapou de
De acordo com o Oitavo Relatório Trimestral da investigações efetivas através do Decreto 128 e da Lei
Missão da OEA para Apoiar o Processo de Paz na 782, que concedem anistias de facto àqueles que
Colômbia (MAPP/OEA), publicado em fevereiro, foram não estão sendo investigados por abusos de direitos
identificados 22 desses grupos compostos de humanos e que admitiram ser membros de grupos
aproximadamente três mil combatentes. Outras fontes paramilitares, um delito conhecido como
sugerem que este número seja muito maior. Pelo “conspiração para cometer um crime” (concierto para
menos 230 assassinatos de civis foram atribuídos aos delinquir). No entanto, em julho, a Corte Suprema de
paramilitares, que agiam tanto sozinhos quanto em Justiça determinou que pertencer a grupos
associação com as forças de segurança, em um paramilitares não era um crime político e que,
período de 12 meses, terminado em junho de 2007. portanto, as anistias não se aplicavam. A decisão
 No dia 23 de fevereiro, Alba Milena Gómez Quintero deixou aproximadamente 19 mil paramilitares em um
e seu filho de 18 anos, Miguel Antonio, foram mortos limbo legal.
depois de serem levados, por dois supostos Várias vítimas e seus representantes no processo
paramilitares, do táxi em que viajavam, na rodovia San da Lei de Justiça e Paz foram assassinados,
Juan de Arama – Granada, no departamento de Meta, supostamente por paramilitares.
em um ponto localizado entre duas barreiras do  Carmen Cecilia Santana Romaña, que representava
Exército. Segundo informações, Alba havia feito uma vítimas que tentavam reaver suas terras e que
queixa formal contra o Exército, que a teria acusado postulavam seu direito a participar das audiências da
falsamente de auxiliar a guerrilha. Lei de Justiça e Paz, foi morta por um pistoleiro não

100 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 101

identificado, em 7 de fevereiro, no município de membros do partido União Patriótica, de esquerda,


Apartadó, departamento de Antioquia. ocorridos desde 1985. Acredita-se que os paramilitares
 Yolanda Izquierdo, que representava sobreviventes e as forças de segurança foram responsáveis pela
em uma audiência da Lei de Justiça e Paz na qual maioria destes assassinatos.
depunha o líder paramilitar Salvatore Mancuso – ela  Em outubro, o ex-ministro da Justiça e senador
mesma também uma vítima – foi morta a tiros em Alberto Santofimio foi sentenciado a 24 anos de prisão
Monteria, departamento de Córdoba, em 31 de janeiro, em conexão com o assassinato do candidato
por pistoleiros suspeitos de ligações com os presidencial Luis Carlos Galán, em 1989.
paramilitares.  Em setembro, três membros da Força Aérea foram
sentenciados por um juiz civil a seis anos de prisão
Escândalo “para-político” domiciliar pelo que foi descrito na sentença como
Mais de 40 legisladores estavam sendo investigados homicídio acidental de 17 pessoas em Santo Domingo,
pela Corte Suprema por suas supostas ligações com no município de Tame, departamento de Arauca, em
paramilitares; quase metade deles encontrava-se 1998. O sistema de justiça militar havia anteriormente
detida no final do ano. Em dezembro, um desses absolvido os três homens, alegando que as mortes
políticos, Erik Morris, foi sentenciado a seis anos de ocorreram depois que um caminhão pertencente à C
prisão. Centenas de outras autoridades públicas, guerrilha explodiu. A decisão de setembro concluiu
incluindo governadores, prefeitos e membros das que as mortes foram causadas por uma bomba de
forças de segurança, estavam sendo investigadas fragmentação lançada por um helicóptero da Força
pelo Ministério Público e pela Procuradoria Geral. Em Aérea.
novembro, Jorge Noguera, ex-diretor da agência de  Em agosto, quatro membros do Exército e um civil
segurança civil, o Departamento Administrativo de foram sentenciados a 40 anos de prisão pela morte de
Segurança, foi inabilitado pela Procuradoria Geral da três sindicalistas no município de Saravena,
Nação para ocupar cargos públicos por 18 anos, departamento de Arauca, em agosto de 2004. O
devido a suas ligações com paramilitares. Exército havia alegado que eles eram guerrilheiros
Segundo informações, diversos juízes da Corte mortos em combate.
Suprema que estão investigando o escândalo, bem  Em julho, um coronel reformado do Exército, Alfonso
como seus familiares, foram ameaçados. Plazas Vegas, foi preso por sua participação no
desaparecimento forçado de 11 pessoas durante um
Impunidade ataque militar ao Palácio da Justiça, em Bogotá, depois
A impunidade continuou sendo a norma na maioria que guerrilheiros do M-19 tomaram as pessoas que
dos casos de abuso dos direitos humanos. Embora estavam dentro do prédio como reféns, em novembro
tenha havido algum progresso em diversos casos de de 1985. Mais de 100 pessoas morreram durante a
destaque, em muitos outros casos não houve investida militar, incluindo 12 juízes da Corte Suprema.
qualquer avanço na identificação da cadeia de Em setembro, o procurador-geral Mario Iguarán disse
comando responsável. haver fortes indícios de que muitos dos desaparecidos
 Em novembro, um capitão do Exército foi preso por estavam vivos quando deixaram o edifício.
seu papel na morte de oito membros da Comunidade
de Paz de San José de Apartadó, no município de Grupos guerrilheiros
Apartadó, departamento de Antioquia, em fevereiro de As FARC e o Exército de Libertação Nacional (ELN)
2005. A Fiscalía General de la Nación afirmou que os continuaram a cometer abusos dos direitos humanos,
assassinatos foram executados pelo Exército em bem como violações graves e repetidas do direito
conluio com paramilitares. Em fevereiro, a Fiscalía internacional humanitário, incluindo assassinato de
anunciou que estava investigando 69 soldados pelos civis e tomada de reféns. Mais de 210 assassinatos
assassinatos. Mais de 160 membros da comunidade de civis foram atribuídos a grupos guerrilheiros nos
foram mortos desde 1997. 12 meses anteriores a junho de 2007.
 Em novembro, foi divulgado que uma equipe da  Quatro pessoas foram mortas, supostamente pelo
Fiscalía General de la Nación havia reaberto as ELN, em San Joaquín, no município de Mercaderes,
investigações de 294 dos milhares de assassinatos de departamento de Cauca, em 14 de março.

Informe 2008 - Anistia Internacional 101


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 102

 Quatro pessoas foram mortas, supostamente pelas condenados pertencentes às FARC. O Presidente
FARC, na municipalidade de Yarumal, departamento Uribe autorizou o presidente venezuelano, Hugo
de Antioquia, em 1º de janeiro. Pelo menos duas das Chávez, a intermediar um acordo e, em novembro, o
vítimas eram líderes comunitários. Presidente Chávez reuniu-se com líderes das FARC
No departamento de Arauca, as pessoas tiveram em Caracas. Nesse mesmo mês, porém, o Presidente
que fugir de suas casas depois que o atual conflito Uribe encerrou a mediação venezuelana depois que o
entre as FARC e o ELN levou a escaramuças armadas e Presidente Chávez teria supostamente contatado o
ao assassinato seletivo de civis. Entre as vítimas comandante do Exército colombiano, contrariando
estavam líderes comunitários e sociais acusados por um acordo de não falar diretamente com líderes do
cada um dos lados de apoiar o grupo rival. Exército da Colômbia sobre a questão dos reféns. O
As FARC continuaram visando políticos eleitos e incidente levou à deterioração das relações
teriam sido responsáveis pela maioria dos 29 diplomáticas entre os dois países. A libertação
assassinatos de candidatos durante o período de previamente anunciada de três proeminentes reféns
campanha para as eleições locais, realizadas em 28 de mantidos pelas FARC não se materializou até o final
outubro. do ano.
C  Quatro prefeitos e vereadores foram mortos nos Embora os seqüestros tenham continuado a
departamentos de Caquetá, Chocó e Valle del Cauca diminuir – de 687 em 2006 para 521 em 2007 – os
entre 7 e 10 de julho. números permanecem altos. Grupos guerrilheiros,
O uso de minas terrestres anti-pessoais pelos principalmente as FARC e, em escala bastante mais
grupos guerrilheiros continuou sendo amplamente reduzida, o ELN, foram responsáveis pelo seqüestro
disseminado. Em 2007, mais de 180 civis e membros de aproximadamente 150 pessoas, a grande maioria
das forças de segurança, que continuaram sendo as dos quais relacionados ao conflito. Grupos criminosos
principais vítimas das minas terrestres, foram mortos foram responsáveis pela maior parte dos demais
e 680 ficaram feridos. seqüestros. A autoria de cerca de 125 seqüestros não
 Cinco membros da comunidade indígena Awá, entre foi determinada.
os quais duas crianças, foram mortos por minas
terrestres supostamente colocadas pelas FARC no Violência contra a mulher
município de Ricaurte, departamento de Nariño, em Todas as partes no conflito continuaram a submeter
14 e 15 de julho. mulheres e meninas a abuso sexual e a outras formas
Conversações de paz preliminares entre o governo de violência. Mulheres guerrilheiras foram obrigadas a
e o ELN foram suspensas em agosto, após realizar abortos ou a tomar contraceptivos em
desacordos sobre os termos de um cessar-fogo. violação aos seus direitos reprodutivos.
 No dia 23 de maio, soldados armados teriam
Seqüestro e tomada de reféns invadido uma residência no município de Toribío,
Houve condenação generalizada depois que 11 dos departamento de Cauca, onde teriam tentado abusar
12 deputados do departamento de Valle del Cauca, sexualmente de uma menina de 11 anos.
seqüestrados pelas FARC em abril de 2002, foram  Em 26 de março, cinco paramilitares dos Águias
mortos em circunstâncias não esclarecidas no dia 18 Negras – duas mulheres, dois menores e um homem –
de junho. As FARC alegaram que eles morreram no teriam entrado na casa de duas irmãs de 10 e 14 anos,
fogo cruzado do combate com um grupo armado não no município de Bello, departamento de Antioquia.
identificado. No entanto, as autoridades contestaram Alguns dos paramilitares teriam espancado as duas
esta versão. meninas, tendo abusado sexualmente e matado a mais
A comunidade internacional passou a envolver-se velha. Consta que um vizinho de 60 anos, José
mais ativamente nas discussões sobre a troca de Mendieta, que teria tentado ajudar as meninas, foi
prisioneiros das FARC por reféns mantidos pelo grupo morto a facadas pelos agressores.
guerrilheiro, depois de o Presidente Uribe autorizar Segundo informações, paramilitares e grupos
que o “representante diplomático” das FARC, Rodrigo criminosos recrutaram à força, em várias partes do
Granda, fosse solto da prisão em junho, e depois da país, mulheres e meninas como trabalhadoras do
libertação simultânea de mais de 100 prisioneiros sexo. No departamento de Putumayo, pelo menos

102 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 103

cinco mulheres recrutadas para trabalho sexual a Fellowship of Reconciliation e a Justapaz.


teriam sido mortas. Em fevereiro, cerca de 70 ONGs, sindicatos e
outras organizações sociais receberam, segundo
Ataques a civis informações, e-mails de paramilitares com ameaças
Os civis continuaram a suportar o impacto do conflito, de morte. Em junho, oito organizações de direitos
em especial aqueles pertencentes a comunidades de humanos do departamento de Nariño receberam
indígenas, de afrodescendentes e de agricultores, ameaças de morte por telefone e por e-mail,
muitos dos quais viviam em terras que interessavam supostamente do grupo paramilitar Nova Geração.
economicamente às partes em confronto. Pelo menos Este grupo enviou ameaças similares a 13 ONGs de
1.340 civis foram mortos ou desapareceram à força Nariño no mês de março.
nos 12 meses anteriores a junho de 2007. Houve  Em 4 de novembro, Yolanda Becerra, presidente da
ainda mais de 305 mil novos casos de deslocamentos Organização Feminina Popular, foi atacada em sua
em 2007. Entre 3 e 4 milhões de pessoas foram casa em Barrancabermeja, departamento de
deslocadas pelo conflito desde 1985. Santander, por dois homens armados e encapuzados.
 Em setembro, quase mil indígenas Awá, cerca de Eles a teriam jogado contra a parede e a ameaçado
metade dos quais crianças, foram deslocados da com uma arma, dando-lhe 48 horas para deixar a C
reserva Inda Sabaleta, no município de Tumaco, cidade.
departamento de Nariño, em conseqüência dos  Em 4 de abril, Judith Vergara, ativista comunitária da
combates entre o Exército e grupos guerrilheiros. Comuna 13, em Medellín, departamento de Antioquia,
 Em abril, mais de seis mil pessoas foram forçadas a foi morta a tiros quando viajava de ônibus na cidade.
fugir de suas casas, no departamento de Nariño, por Pelo menos 39 sindicalistas foram mortos em
causa dos contínuos embates entre o Exército e grupos 2007. Começou a operar em janeiro uma
guerrilheiros. representação Permanente da Organização
Paramilitares e guerrilheiros continuaram a Internacional do Trabalho na Colômbia. O escritório
recrutar crianças. Segundo estimativas do UNICEF, foi estabelecido para supervisionar os direitos dos
havia entre seis e sete mil crianças soldados na sindicalistas no país e para monitorar o trabalho de
Colômbia. uma unidade especial criada pelo procurador-geral
Ocorreram também vários ataques à bomba em áreas para investigar o assassinato de sindicalistas.
urbanas, alguns dos quais as autoridades atribuíram Os esforços para garantir um acordo de livre
às FARC. comércio entre a Colômbia e os EUA foram
 Um carro-bomba explodiu em frente a um prédio da atrapalhados por preocupações do Congresso
polícia em Cali, no departamento de Valle del Cauca, estadunidense sobre o assassinato de sindicalistas
em 9 de abril. Um civil morreu e mais de 30 ficaram colombianos.
feridos. O Presidente Uribe tornou a fazer comentários que
 Um artefato explosivo foi detonado em sugeriam que as organizações de direitos humanos
Buenaventura, no departamento de Valle Del Cauca, eram ligadas a grupos guerrilheiros. Em julho, ele
em 16 de março, matando quatro e ferindo sete disse que “a estratégia da guerrilha agora é outra:
pessoas. cada vez que há uma baixa na guerrilha, eles
imediatamente mobilizam seus corifeus no país e no
Defensores de direitos humanos e outros estrangeiro para dizer que foi uma execução
ativistas extrajudicial”.
Defensores de direitos humanos, sindicalistas,
jornalistas, ativistas comunitários e sociais Ajuda militar dos EUA
continuaram a ser visados, principalmente pelos Em 2007, a ajuda dos Estados Unidos para a
paramilitares. Colômbia somou aproximadamente US$ 727 milhões,
Durante o ano, os escritórios de diversas ONGs de cerca de 82 por cento dos quais destinados às forças
direitos humanos foram invadidos e informações de segurança. O valor total incluiu cerca de US$ 595
valiosas foram roubadas; entre estas organizações milhões de um projeto de lei para o financiamento de
estão a Reiniciar, a Corporación Jurídica Yira Castro, Operações Exteriores, 25 por cento dos quais

Informe 2008 - Anistia Internacional 103


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 104

dependia do progresso das autoridades colombianas estatísticas sobre direitos humanos e sobre direito
com relação a certos indicadores de direitos internacional humanitário”. O relatório também
humanos. Em abril, a secretária de Estado dos EUA, expressou preocupação sobre a presença continuada
Condoleezza Rice, certificou que a Colômbia estivesse dos paramilitares, sobre o aumento dos relatos de
fazendo progressos em matéria de direitos humanos, execuções extrajudiciais cometidas pelas forças de
e autorizou a liberação do montante total dos 25 por segurança e sobre violações do direito internacional
cento da ajuda certificada referente ao ano fiscal de humanitário cometidas por grupos guerrilheiros,
2006. O Congresso dos Estados Unidos, porém, especialmente pelas FARC.
reteve a liberação do dinheiro para as forças
armadas, cerca de US$ 55,2 milhões, por Visitas e relatórios da AI
preocupações relativas a execuções extrajudiciais e  Representantes da Anistia Internacional visitaram o país em fevereiro,
ao escândalo para-político. Apesar de três rodadas de junho e setembro.
perguntas e respostas, o Congresso não aceitou a  Killings, arbitrary detentions, and death threats – the reality of trade
justificativa para a certificação do progresso unionism in Colombia (AMR 23/001/2007)
colombiano em matéria de direitos humanos e o  Colombia: FARC and ELN must release all hostages (AMR 23/019/2007)
dinheiro permanecia retido no final do ano.  Colombia: Latest killing of human rights defender throws controversial
Em dezembro, o presidente George W. Bush paramilitary demobilization process into further doubt (AMR 23/002/2007))
promulgou uma legislação que trazia mudanças
E significativas na assistência que os Estados Unidos
prestavam à Colômbia. A assistência policial e militar
previstas no projeto de lei para o financiamento de
Operações Exteriores foi cortada em 31 por cento,
enquanto a ajuda social e econômica aumentou 70
EGITO
por cento. As condições de direitos humanos foram
REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO
ampliadas para 30 por cento da ajuda e requeriam Chefe de Estado: Muhammad Hosni Mubarak
que as autoridades colombianas desmantelassem Chefe de governo: Ahmed Nazif
“grupos armados sucessores” – um reconhecimento Pena de morte: retencionista
do governo dos EUA de que prosseguem as Tribunal Penal Internacional: assinado
atividades paramilitares na Colômbia. O valor total da População: 72,9 milhões
Expectativa de vida: 70,7 anos
assistência à Colômbia foi US$ 44 milhões a menos
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 38/31 por mil
do que o montante requisitado pelo Presidente Bush Taxa de Alfabetização: 71,4 por cento
para 2008.

Escritório do Alto Comissariado das As emendas constitucionais aprovadas às pressas


Nações Unidas para os Direitos Humanos pelo Parlamento foram o mais grave retrocesso para
Em setembro, o Escritório do Alto Comissariado das os direitos humanos desde que o estado de
Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) emergência foi reintroduzido em 1981. Essas
anunciou que o governo colombiano havia emendas consolidaram os vastos poderes da polícia
concordado em estender o mandato do escritório do e abrigaram de forma permanente sob a lei os
ACNUDH na Colômbia por mais três anos. poderes de emergência que vêm sendo usados
Sobre o cumprimento, por parte do governo, das sistematicamente para violar direitos humanos.
recomendações da ONU sobre direitos humanos, o Incluem-se entre essas violações a detenção
relatório do ACNUDH sobre a Colômbia, publicado prolongada sem acusação, a tortura e outras formas
em março, afirma que “o quadro [...] ainda era de maus-tratos, restrições à liberdade de expressão,
variado, particularmente no caso das recomendações associação e reunião e julgamentos manifestamente
sobre a revisão dos arquivos de inteligência, da injustos nos tribunais militares e nos tribunais
redução dos índices de impunidade, do fim do especiais de emergência. Cerca de 18 mil detentos
vínculo entre servidores públicos e membros de administrativos – pessoas detidas por ordem do
grupos paramilitares, e da melhoria da qualidade das Ministério do Interior – permaneceram na prisão em

104 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 105

condições desumanas e degradantes. Algumas boicotado pelos principais partidos de oposição.


pessoas foram mantidas presas por mais de uma Emendas ao Código de Justiça Militar
década; muitas, inclusive, cujas ordens de soltura O Código de Justiça Militar (Lei nº 25 de 1966), que
foram determinadas várias vezes pelos tribunais. estabeleceu os tribunais militares, recebeu emendas
Cidadãos egípcios suspeitos de terrorismo, que em abril. No entanto, as mudanças não trataram das
haviam sido transferidos ilegalmente para o Egito por falhas fundamentais inerentes a uma lei que permite o
outros governos, continuaram presos. Os tribunais julgamento de civis por tribunais militares. A emenda
seguiram impondo sentenças de morte e pelo menos introduziu um limitado direito de apelação por meio de
uma pessoa foi executada. cassações perante o Supremo Tribunal Militar de
Quando a maior onda de greves ocorrida em Recursos, o qual poderá reapreciar questões
décadas se propagou por todo o país, envolvendo processuais durante o julgamento, mas não poderá
trabalhadores dos setores público e privado, as rever os fundamentos factuais das acusações, nem as
autoridades proibiram as atividades de um grupo provas que embasaram a condenação. Além disso,
independente que defendia os direitos dos todos os juízes do Supremo Tribunal Militar de Recursos
trabalhadores. As greves, motivadas pelo aumento são oficiais militares da ativa, e as decisões do tribunal
do custo de vida, pelo crescimento da pobreza e por continuam submetidas à ratificação do Presidente ou
outros descontentamentos, coincidiram com os de pessoa designada por ele, que pode reduzir, alterar
protestos políticos da Irmandade Muçulmana, a ou suspender a sentença.
maior força de oposição do país, e com as Projeto de lei antiterrorista E
campanhas de grupos de oposição que O governo anunciou em dezembro que havia concluído
reivindicavam reformas democráticas. Ativistas um projeto de lei antiterrorista contendo 58 artigos, e
políticos, jornalistas e internautas que mantinham que uma comissão de especialistas o examinaria antes
blogs na Internet foram presos por expressarem que fosse apresentado ao Conselho de Ministros e,
pacificamente suas opiniões. posteriormente, ao Parlamento.
Há informações de que as mulheres enfrentaram
níveis crescentes de violência. O governo adotou “Guerra ao terror”
novas medidas para acabar com a prática da Um número desconhecido de cidadãos egípcios –
mutilação genital feminina (MGF), ainda utilizada na suspeitos de terrorismo que, em anos anteriores, foram
maioria das meninas. repatriados à força para o Egito pelo governo dos
Estados Unidos e por outros governos, sem que fossem
Desenvolvimentos legais e constitucionais submetidos a processo judicial, sendo detidos ao
Emendas Constitucionais chegarem e torturados pelas forças de segurança
Em 19 de março, o Parlamento fez emendas em 34 egípcias – continuou preso.
artigos da Constituição. As mudanças draconianas  Muhammed Abd al-Aziz al-Gamal, Sayyid Imam Abd
introduzidas pelo artigo 179 consolidaram os amplos al-Aziz al-Sharif (Abu al-Fadl), Isam Shu’aib Muhammed,
poderes de prisão da polícia, concederam maiores Khalifa Sayyid Badawi, Uthman al-Samman e Ali Abd al-
poderes aos agentes do Estado para espionar as Rahim, devolvidos ilegalmente do Iêmen para o Egito em
comunicações particulares, autorizaram o Presidente a fevereiro de 2002, ainda estavam detidos sem acusação
se esquivar dos tribunais comuns e abriram caminho e sem perspectivas de um novo julgamento. Eles também
para novas leis antiterroristas que, segundo as não tiveram acesso a um advogado, a tratamento
expectativas, prejudicarão ainda mais a proteção dos médico, nem aos seus familiares. Após retornarem ao
direitos humanos. Outras emendas parecem ter sido Egito, todos foram vítimas de desaparecimento forçado.
politicamente motivadas. Uma delas limitou a ação dos Em março, surgiram informações de que Abu al-Fadl e
juízes na supervisão das eleições e dos referendos. Muhammed al-Gamal, condenados à morte por um
Outra emenda proibiu a criação de partidos políticos tribunal militar em 1999, haviam sido transferidos de um
baseados em religião – o que parece ser uma resposta local de detenção secreto para a prisão de Tora, ao sul do
ao sucesso eleitoral da Irmandade Muçulmana em Cairo. Em julho, Abu al-Fadl, um dos fundadores da
2005. As emendas foram aprovadas uma semana organização Jihad Islâmica, renunciou publicamente à
depois do pleito, por um referendo nacional que foi violência política às vésperas da libertação de cerca de

Informe 2008 - Anistia Internacional 105


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 106

330 integrantes da organização que estavam presos. considerou sem efeito a ordem presidencial, mas, alguns
 Usama Mostafa Hassan Nasr (Abu Omar), dias depois, o Supremo Tribunal Administrativo reverteu
seqüestrado na Itália e transferido ilegalmente para o a decisão quando o governo recorreu. O julgamento
Egito em 2003, foi inesperadamente libertado sem ainda estava em andamento no fim do ano. No entanto,
acusação em fevereiro. Pelo menos 16 ordens para sua jornalistas, observadores nacionais e internacionais,
soltura emitidas anteriormente pelos tribunais haviam inclusive a Anistia Internacional, foram impedidos de
sido ignoradas. Quando retornou ao Egito, seu destino e assistir as sessões.
seu paradeiro permaneceram desconhecidos durante 14 Detenção administrativa
meses. Ele foi libertado em abril de 2004, mas preso Apesar de aproximadamente 530 detentos
novamente 23 dias depois, por ter contado a seus muçulmanos terem sido libertados em 2007, cerca de
familiares que havia sido torturado enquanto esteve 18 mil pessoas continuaram a ser detidas sem
detido. Após sua libertação em 2007, ele se encontrou acusação nem julgamento, sob as ordens do ministro
com representantes da Anistia Internacional e descreveu do Interior, conforme a lei de emergência. A maioria
como foi seu seqüestro na Itália e sua prisão no Egito. Abu dessas pessoas era mantida em condições cruéis,
Omar relatou ter sido torturado durante os 14 meses em desumanas e degradantes, sendo que, segundo
que foi mantido nas dependências dos serviços de informações, centenas estavam doentes com
Inteligência Geral e de Inteligência de Segurança de tuberculose, doenças de pele e outras enfermidades.
Estado (SSI), quando foi torturado com choques elétricos Muitas dessas pessoas continuaram detidas mesmo
E aplicados em partes sensíveis do seu corpo, foi após serem absolvidas pelos tribunais e receberem
crucificado em um dispositivo de madeira colocado em ordens de soltura várias vezes.
uma porta de metal, foi espancado com cabos elétricos e  Mohamed Abd Rahim el Sharkawy, um cidadão
com mangueiras d'água, sendo também açoitado. paquistanês de origem egípcia, de 57 anos, continuou
em detenção administrativa na prisão de Tora Liman. Ele
Sistema de justiça foi extraditado do Egito para o Paquistão em 1995,
Tribunais especiais e tribunais militares mantido incomunicável durante meses e, segundo
Continuou a operar um sistema paralelo de justiça de informações, torturado. Logo em seguida, ele foi
caráter emergencial – que inclui tribunais de absolvido por um tribunal de emergência. Os tribunais
emergência especialmente constituídos e o julgamento ordenaram sua libertação pelo menos 15 vezes, inclusive
de civis por tribunais militares. Sob esse sistema, as em abril de 2007. Sua saúde estava debilitada devido às
salvaguardas para julgamentos justos, tais como torturas que ele sofrera nos anos 90, às condições
igualdade perante a lei, acesso imediato a um advogado severas na prisão e à falta de cuidados médicos
e proibição do uso de provas obtidas mediante tortura, adequados. Em fevereiro, a administração da prisão
são freqüentemente violadas. encaminhou-o para fazer exames médicos, mas a
 O julgamento de 40 integrantes da Irmandade solicitação foi negada pelo SSI.
Muçulmana (sete dos quais ausentes) teve início em
abril. Eles foram acusados de terrorismo e de lavagem de Tortura e outros maus-tratos
dinheiro e, apesar de serem civis, foram julgados por um A tortura e outros tipos de maus-tratos continuaram a
tribunal militar. Entre os réus, acusados de crimes ocorrer de forma sistemática e disseminada; segundo
passíveis de punição com a morte, estava Khairat al- informações, tendo causado ou contribuído para, pelo
Shatir, vice-líder supremo da Irmandade Muçulmana, menos, 20 mortes em 2007. Vídeos que mostravam o
preso em dezembro de 2006 juntamente com outros 16 uso da tortura pela polícia foram colocados na Internet
integrantes proeminentes da organização. Em janeiro, por blogueiros egípcios.
todos os 17 foram absolvidos de todas as acusações por Os métodos de tortura mais comuns incluíam
um tribunal penal regular; porém, em seguida foram choques elétricos, espancamentos, suspensão em
presos novamente. Em fevereiro, o Presidente Mubarak posições dolorosas, confinamento solitário, estupro,
determinou que esses 17 casos e os casos de outros 23 ameaças de morte, abusos sexual e ataques a
supostos integrantes da Irmandade Muçulmana fossem familiares. Denúncias de tortura raramente eram
transferidos para o Supremo Tribunal Militar de Heikstep, investigadas. Os poucos processos instaurados contra
no Cairo. Em maio, um tribunal administrativo do Cairo supostos torturadores nunca foram relacionados a

106 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 107

casos políticos, e referiam-se, geralmente, a casos em haviam denunciado casos de assédio sexual ao Centro,
que a vítima havia morrido. somente 12 por cento registraram queixa na polícia. O
 Em agosto, Mohamed Mamduh Abdel Rahman, um Centro Nacional de Pesquisas Sociais e Criminais, um
menino de 13 anos, morreu na cidade de Mansura, órgão oficial, confirmou que os crimes sexuais estavam
situada no delta do rio Nilo, após ter sido supostamente aumentando; porém, não conseguiu fornecer dados.
torturado pela polícia. Ele perdeu a consciência quando Após uma audiência em novembro, a Comissão
ficou detido por seis dias sob suspeita de roubar pacotes Africana dos Direitos Humanos e dos Povos declarou
de chá. As autoridades o transferiram para um hospital, que julgaria, em maio de 2008, uma demanda proposta
onde ele morreu. Ele foi sepultado sem que a família fosse por 33 organizações de direitos humanos contra o
informada. Seu irmão, detido no mesmo dia, contou que fracasso do governo egípcio em impedir e processar os
a polícia queimou Mohamed com uma bobina quente, ataques físicos e sexuais cometidos contra jornalistas e
espancou-o e aplicou-lhe choques elétricos. Ele disse manifestantes mulheres durante um protesto realizado
ainda que, quando Mohamed começou a ter convulsões, em maio de 2005.
um policial chutou-o no tórax. Um vídeo de Mohamed no Mutilação genital feminina (MGF)
hospital mostra como ficaram as queimaduras em suas O UNICEF estimou que três quartos das meninas
costas e em seus testículos. A polícia disse que ele muçulmanas e cristãs com idade entre 15 e 17 anos
morreu devido a causas naturais agravadas por foram submetidas à mutilação genital feminina, e que
tratamento médico inadequado e que as queimaduras dois terços das meninas agora com menos de três anos
foram acidentais. A família entrou com uma ação judicial. de idade têm a probabilidade de serem submetidas a E
Em setembro, uma comissão de especialistas forenses essa prática antes de completarem 18 anos. Segundo
designada pelo governo inocentou a polícia de qualquer as estatísticas oficiais egípcias, 97 por cento das
má conduta. mulheres com idade entre 15 e 49 anos já foram
 Em um caso raro de processo bem-sucedido contra vítimas de mutilação genital feminina.
supostos torturadores, dois policiais da delegacia de A MGF foi proibida em 1997 para todos os casos,
Bulaq Dakrur, na província de Giza, foram sentenciados exceto para casos “excepcionais”, com pena máxima
em novembro a três anos de prisão pela detenção ilegal, de três anos de prisão. Os avanços em direção à
pela tortura e pelo estupro de Emad Mohamed Ali erradicação da mutilação genital feminina continuaram
Mohamed (Emad al-Kabir), um taxista de 21 anos. Emad em 2007. Em junho, Bedur Ahmed Shaker, uma
al-Kabir foi preso, em janeiro de 2006, após tentar acabar menina de 11 anos, morreu no povoado de Maghagha,
com uma discussão entre seu primo e alguns policiais. em Minya, no Nilo, em conseqüência de MGF. O fato
Ele relatou que os policiais amarraram suas mãos e pés, o teve ampla divulgação. O grão mufti (responsável pela
açoitaram e ordenaram que ele dissesse palavras aplicação da lei islâmica) declarou então que a
ofensivas contra si próprio. Os policiais, então, tiraram mutilação genital feminina era proibida pelo Islã. No
suas calças e o estupraram com um bastão, filmaram a mesmo mês, o ministro da Saúde emitiu um decreto
tortura e divulgaram o vídeo no bairro em que Emad al- proibindo os profissionais da área médica de realizarem
Kabir morava, em uma tentativa de humilhá-lo e de mutilações genitais em mulheres. Em setembro, quatro
intimidar outras pessoas. Em novembro de 2006, o vídeo médicos e uma parteira do sul da província de Minya,
foi colocado na Internet. Em janeiro de 2007, Emad al- segundo informações, foram processados por
Kabir foi sentenciado a uma pena de três meses de prisão realizarem MGF. Suas clínicas teriam sido fechadas.
por “resistir à prisão” e por “agredir um policial”. Uma lei que estabelece penas mais severas para quem
fizer uso dessa prática estava sendo elaborada pelo
Violência contra a mulher Ministério.
A violência contra a mulher causou 247 mortes no
primeiro semestre do ano, segundo uma organização Defensores de direitos humanos
não-governamental egípcia. Em novembro, o Centro Segundo a lei egípcia, as greves que se espalharam
Egípcio dos Direitos da Mulher informou que os casos pelo país eram “ilegais”, uma vez que não foram
de assédio sexual estavam aumentando e que duas autorizadas pela Federação Geral de Sindicatos,
mulheres eram estupradas por hora no país. A financiada pelo Estado. As autoridades responderam
organização afirmou ainda que, de 2.500 mulheres que com aumento da repressão aos sindicalistas e aos

Informe 2008 - Anistia Internacional 107


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 108

ativistas de organizações não-governamentais. os deixa vulneráveis às inspeções policiais. As pessoas


 Em março e abril, as autoridades fecharam três que se converteram, principalmente da religião islâmica
escritórios do principal grupo independente de defesa para a cristã, também enfrentavam dificuldades para
dos direitos dos trabalhadores no Egito, o Centro de alterar seus documentos.
Serviços Sindicais e Trabalhistas, em Naj Hammadi, em Os cristãos coptas, que representam 8 a 10 por cento
Mahalla al-Kubra e em Helwan. A Federação Geral de da população egípcia, continuaram a ser vítimas de
Sindicatos e o ministro do Trabalho culparam o Centro discriminação em diversas situações sociais e
pela onda de greves. As autoridades continuaram a negar profissionais.
os requerimentos para que o Centro de Serviços Sindicais  Em julho, o Supremo Tribunal Administrativo aceitou
e Trabalhistas fosse registrado como uma associação. julgar um recurso apresentado por coptas convertidos ao
 Em setembro, as autoridades fecharam a Associação Islã que buscavam reverter sua conversão, legalmente,
de Direitos Humanos e Assistência Legal, declarando que de volta ao cristianismo. O governo havia tentado fazer
a entidade havia infringido a Lei Nº 84 de 2002, a qual com que o recurso fosse recusado.
proíbe que organizações recebam recursos estrangeiros  Em agosto, Mohamed Hegazy, que se converteu do
sem a permissão do governo. islamismo para o cristianismo em 2003, deu início a um
processo judicial para que sua conversão fosse
Liberdade de expressão reconhecida oficialmente em seus documentos de
Jornalistas e internautas que mantinham blogs na identidade, a fim de que seu futuro filho pudesse nascer
E Internet foram vítimas de perseguição, de processos e, cristão. O Ministério do Interior negou o pedido de
em alguns casos, foram presos devido à expressão Mohamed Hegazy para que sua conversão fosse
pacífica de suas opiniões ou por realizarem seu trabalho registrada oficialmente. Depois que o seu caso foi
de jornalistas. divulgado nos meios de comunicação, ele foi obrigado a
 Em fevereiro, Karim Amer foi o primeiro internauta a esconder-se após receber ameaças de morte. Em
ser preso no Egito por expressar pacificamente suas novembro, o prosseguimento do processo foi aceito e
visões políticas em um blog. Sua sentença de quatro anos uma audiência foi marcada para janeiro de 2008.
de prisão foi confirmada em março na apelação. Karim
Amer é um prisioneiro de consciência. As acusações Pena de morte
contra ele incluíam “divulgar informações perturbadoras Sentenças de morte continuaram a ser impostas e pelo
da ordem pública e prejudicar a reputação do país”, menos uma pessoa foi executada. Em outubro, o
“incitar o ódio ao Islã” e “difamar o presidente”. Conselho Nacional de Direitos Humanos promoveu
 Em setembro, quatro editores de jornais e de revistas uma mesa redonda para discutir a pena de morte;
foram sentenciados a penas de prisão e ao pagamento de porém, os ministros do governo disseram que a
multa por “maldosamente publicar informações falsas, abolição dessa pena não estava na agenda.
declarações e rumores que podem perturbar a ordem  Muhammed Gayiz Sabbah, Usama ‘Abd al-Ghani al-
pública". Todos eles foram libertados sob fiança Nakhlawi e Yunis Muhammed Abu Gareer iniciaram uma
enquanto aguardavam recurso. greve de fome, no fim de 2006 e início de 2007, em
protesto contra as sentenças de morte impostas a eles em
Discriminação: minorias religiosas novembro de 2006, após um julgamento injusto. Em
A exigência legal de especificação da religião nos maio, a Comissão Africana de Direitos Humanos e dos
documentos de identidade – somente daquelas Povos aceitou o caso, depois de, em dezembro de 2006,
reconhecidas pelo governo – continuou a causar graves ter pedido que as autoridades egípcias suspendessem as
problemas para algumas minorias. Integrantes da execuções. Em sua sessão de novembro, a Comissão
comunidade bahá’í, cuja crença não é reconhecida adiou a discussão sobre o caso para maio de 2008, pois o
pelo Estado, não conseguem obter documentos de governo declarou que apresentaria documentos
identidade a não ser que se apresentem como suplementares.
muçulmanos, cristãos ou judeus. Sem os documentos,
essas pessoas não podem matricular seus filhos na Refugiados e requerentes de asilo
escola, dirigir um automóvel, nem abrir uma conta Entre dois e três milhões de imigrantes, refugiados e
bancária. A falta de documentos de identidade também requerentes de asilo, a maioria provenientes do Sudão,

108 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 109

viviam no Egito em 2007, segundo o Alto Comissariado


das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). A
polícia de fronteira egípcia usou força excessiva contra
ESPANHA
muitos imigrantes, refugiados e requerentes de asilo que REINO DA ESPANHA
tentavam entrar em Israel pelo Egito, principalmente a Chefe de Estado: Rei Juan Carlos I de Borbón
partir de julho. Segundo informações, pelo menos Chefe de governo: José Luis Rodríguez Zapatero
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes
quatro homens e duas mulheres foram mortos a tiros.
População: 43,6 milhões
As buscas realizadas pela polícia egípcia na área de Expectativa de vida: 80,5 anos
fronteira resultaram, somente no mês de julho, na prisão Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 6/5 por mil
de aproximadamente 220 imigrantes, principalmente Taxa de alfabetização: 99 por cento
sudaneses. Em outubro, as autoridades egípcias teriam
devolvido à força para o Sudão pelo menos cinco dos 48
requerentes de asilo que, em agosto, haviam sido Informes de violações de direitos humanos por parte
transferidos à força de Israel para o Egito. de funcionários responsáveis pela aplicação da lei
Um relatório emitido em maio pelo Comitê das Nações foram bastante comuns, bem como o foi sua
Unidas para a Proteção dos Direitos de Todos os impunidade. Requerentes de asilo e imigrantes
Trabalhadores Migrantes e Membros de Suas Famílias tiveram seu acesso ao território espanhol negado e
pediu ao governo egípcio que “iniciasse o treinamento foram processados em estabelecimentos
de todos os funcionários da área de imigração, extraterritoriais em condições que não cumpriam as E
principalmente da polícia e de outros profissionais que normas internacionais. Menores desacompanhados
trabalham na fronteira”. foram expulsos sem que tivessem garantias
adequadas para sua segurança. As vítimas de
Visitas e relatórios da AI violência doméstica continuaram a enfrentar
 Representantes da Anistia Internacional visitaram o Egito entre fevereiro e obstáculos para conseguir proteção, justiça e
março e entre abril e maio. Eles se reuniram com defensores de direitos reparação, sendo que as mulheres imigrantes
humanos, com vítimas e seus familiares e com funcionários públicos encontravam dificuldades adicionais de acesso a
 Egypt: Systematic abuses in the name of security (AI Index: MDE recursos essenciais. O grupo armado basco Euskadi
12/001/2007) Ta Askatasuna (ETA) declarou em julho que seu
 Egypt: Proposed constitutional amendments greatest erosion of human "cessar-fogo permanente" havia acabado,
rights in 26 years (AI Index: MDE 12/008/2007) recomeçando os atentados a bomba.
 Egypt: New anti-terror law must not entrench systematic human rights
abuses (AI Index: MDE 12/013/2007) Forças policiais e de segurança
 Egypt: Closing workers advice centre against protecting workers’ rights (AI Tortura e outros maus-tratos
Index: MDE 12/015/2007) Continuaram sendo corriqueiros os informes de
 Egypt: Flawed Military Trials for Brotherhood Leaders – Human Rights tortura e de outros maus-tratos praticados por
Groups, Media Barred from Observing Trial (AI Index: MDE 12/019/2007) agentes de aplicação da lei. Os órgãos responsáveis
 Egypt: Executions imminent after unfair trials (AI Index: MDE 12/020/2007) pelo cumprimento da lei e as autoridades judiciais
 Justice subverted: trials of civilians before military courts (AI Index: MDE não investigaram esses casos de acordo com as
12/022/2007) normas internacionais, o que resultou em efetiva
 Egypt: Rights of Individuals intercepted at the border with Israel must be impunidade.
protected (AI Index: MDE 12/027/2007)  Durante as investigações referentes a um caso de 22
 Egypt: Continuing crackdown on Muslim Brotherhood (AI Index: MDE pessoas presas em janeiro de 2006 por acusações
12/028/2007) relacionadas a terrorismo, diversos detentos relataram
 Egypt: Freedom of expression under attack (AI Index: MDE 12/031/2007) ao juiz investigador que haviam sido torturados ou
 Egypt: Sweeping measures against torture needed (AI Index: MDE 12/034/2007) maltratados por agentes da Guarda Civil enquanto
estavam detidos incomunicáveis. Até o final do ano,
não se sabia de nenhuma investigação criminal a
respeito das denúncias.
 Em 27 de abril, três agentes da Guarda Civil foram

Informe 2008 - Anistia Internacional 109


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 110

condenados por delitos relacionados à morte sob protetores", os quais podem violar a proibição
custódia de Juan Martínez Galdeano, na delegacia de internacional de tratamento cruel, desumano ou
polícia de Roquetas del Mar, no dia 24 de julho de degradante, e podem causar asfixia ou outras lesões
2005. O oficial comandante, José Manuel Rivas, foi corporais graves a uma pessoa que está sendo
condenado por atentado não-grave contra a deportada à força.
integridade moral e por tratamento degradante. Ele foi  No dia 9 de julho, o cidadão nigeriano Osamuyia
sentenciado a 15 meses de prisão, a inabilitação para o Akpitaye morreu durante uma tentativa de deportá-lo à
exercício da função por três anos e a pagamento de força. Segundo testemunhas, os dois agentes de
multa. Os outros dois oficiais foram condenados por aplicação da lei que o acompanharam no vôo de Madri
lesão corporal e por abuso de autoridade e também para Lagos amarraram suas mãos e seus pés e
foram multados. Cinco oficiais foram absolvidos. Tanto amordaçaram sua boca, supostamente com fita
a acusação quanto a defesa entraram com recursos. adesiva, para conter sua resistência à deportação.
No dia 19 de julho, Courage Washington, um Osamuyia Akpitaye morreu logo após a decolagem.
cidadão ganense, foi gravemente ferido durante uma Uma autópsia determinou que ele morreu por asfixia.
troca de tiros no aeroporto de Barajas, em Madri. Dois Procedimentos extraterritoriais
policiais à paisana abordaram Courage e pediram As autoridades espanholas realizaram diversas
seus documentos de identidade. Alegou-se que o operações de resgate para salvar imigrantes e pessoas
ganense, que sofre de distúrbios mentais, tirou do em busca de asilo que se encontravam em situação
E bolso uma arma de brinquedo e que a polícia, então, de perigo quando tentavam chegar à Europa por mar.
atirou nele quatro vezes. Segundo testemunhas, Os direitos de muitos deles, porém, foram violados
alguns dos disparos foram feitos quando ele já estava durante a interceptação e durante os procedimentos
caído no chão. Mais tarde, foi aberto um inquérito relativos a processos extraterritoriais. As condições de
criminal contra Courage Washington por agressão a detenção e os direitos de acesso aos procedimentos
um funcionário público. Seu advogado entrou com de asilo para as pessoas detidas em centros de
uma queixa contra a polícia. processamento extraterritorial não estavam de acordo
Armas Taser com as normas internacionais.
Diversos órgãos de aplicação da lei anunciaram a  No dia 30 de janeiro, o serviço de resgate marítimo
aquisição de armas de eletrochoque Taser, que já espanhol interceptou o barco Marine I, com 369
estavam sendo usadas por forças policiais locais em pelo pessoas a bordo. Os passageiros, provavelmente da
menos três das Comunidades Autônomas. Essas armas Ásia e da África subsaariana, viajavam em direção às
não são usadas pela Polícia Nacional e pela Guarda Civil. Ilhas Canárias. O serviço de resgate espanhol auxiliou o
Não houve controle nem regulamentação suficientes barco a posicionar-se a 12 milhas da costa da
sobre o porte e a utilização dessas armas por agentes de Mauritânia. A embarcação permaneceu ancorada
aplicaçãoda lei. naquele local por quase duas semanas até que as
autoridades espanholas e mauritanas concordassem,
Imigração no dia 12 de fevereiro, em permitir que o barco
Abusos durante a deportação aportasse na Mauritânia. Como parte do acordo, as
Em julho, o Ministério do Interior anunciou um novo autoridades espanholas puderam administrar a
projeto de protocolo para a Polícia Nacional e para a assistência social e os processos dos imigrantes e dos
Guarda Civil referente ao repatriamento seguro de requerentes de asilo na Mauritânia. As autoridades
imigrantes, inclusive daqueles em situação irregular. espanholas concordaram em processar, na própria
O projeto, porém, não reflete as normas européias embarcação, os pedidos de asilo de 10 cidadãos do Sri
pertinentes de direitos humanos nem as Lanka que, juntamente com outras 25 pessoas, foram
recomendações das organizações internacionais sobre transferidos às Ilhas Canárias. Contudo, apesar de um
o uso da força e de técnicas de imobilização por relatório positivo emitido pelo ACNUR, o órgão da ONU
agentes de aplicação da lei durante expulsões. Na lista para os refugiados, os pedidos de asilo não foram
de materiais que tiveram seu uso aprovado durante admitidos pelos procedimentos de asilo espanhóis e, no
expulsões, o protocolo incluía "fita adesiva reforçada", dia 25 de março, os 10 indivíduos foram deportados.
"cintos e roupas de imobilização" e "capacetes Informou-se, em abril, que, das 369 pessoas a bordo do

110 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 111

Marine I, 35 foram repatriadas para a Guiné, 161 para a parceiros chegou a 71 em 2007. Destas, 48 eram
Índia e 115 para o Paquistão. Vinte e três pessoas estrangeiras. As mulheres imigrantes continuaram a
teriam permanecido em um galpão na Mauritânia, sob ser particularmente vulneráveis à violência, pois
controle efetivo das autoridades espanholas, em continuaram a sofrer discriminação, na lei e na
condições de detenção que não estavam de acordo prática, quando tentavam ter acesso à Justiça e a
com a legislação espanhola. No dia 18 de maio, 17 outros recursos essenciais, tais como assistência
dessas pessoas foram transferidas para um centro de financeira, tratamento psicológico e abrigos.
detenção sob jurisdição mauritana, sendo repatriadas Em 22 de março, foi aprovada uma legislação
para o Paquistão em junho. As outras seis foram estendendo o status de refugiado às mulheres que
transferidas para Melilla (Espanha) para receberem fugiam de perseguição baseada em gênero.
tratamento psicológico devido a sua experiência de
detenção. Grupos armados
 Em março, o barco Happy Day, carregando 260 Após o encerramento de seu "cessar-fogo
imigrantes irregulares do Senegal para as Ilhas permanente", o ETA voltou a cometer atentados na
Canárias, foi interceptado por uma embarcação italiana Espanha. O cessar-fogo, efetivamente interrompido no
operando em conjunto com a agência de controle de dia 30 de dezembro de 2006, com um atentado no
fronteiras da União Européia, Frontex, sob orientação aeroporto de Barajas, em Madri, que matou duas
espanhola. Por causa de disputas entre a Espanha, o pessoas, foi declarado oficialmente encerrado no dia 5
Senegal e a Guiné (que se acreditava ser o ponto de de junho de 2007. No dia 24 de agosto, um carro E
partida original do barco), os 260 passageiros bomba explodiu diante do quartel da Guarda Civil em
permaneceram uma semana dentro do barco ancorado Durango, no País Basco, causando danos à
em Kamsar, na Guiné, pois as autoridades guineanas propriedade, mas nenhuma morte. No dia 9 de
recusaram-se a permitir que desembarcassem. A outubro, o guarda-costas de um vereador basco foi
Anistia Internacional não pode acompanhar o que ferido em outro atentado a bomba. Em 1º de
aconteceu aos imigrantes depois disso. dezembro, dois oficiais desarmados da Guarda Civil
Menores desacompanhados espanhola foram mortos a tiros por supostos membros
A reunificação familiar de menores desacompanhados do ETA, em Capbreton, na França. Um homem e uma
não garantiu que fossem levados em conta os mulher foram presos e acusados de assassinato; um
melhores interesses da criança. Menores terceiro suspeito escapou.
desacompanhados foram expulsos para o Marrocos
sem garantias adequadas para sua segurança. Combate ao terrorismo
Lei de estrangeiros No dia 4 de outubro, 22 pessoas suspeitas de
Em novembro, o Tribunal Constitucional decidiu que envolvimento na direção do partido político basco
eram inconstitucionais as disposições da Lei de Batasuna, banido em 2003 pela Lei de Partidos
Estrangeiros, de 2000, que restringiam os direitos de Políticos, foram presas durante uma assembléia, com
associação, de acesso à educação básica e de base em sua filiação a uma organização terrorista.
assistência jurídica gratuita aos imigrantes. Em 19 de dezembro, a Audiência Nacional expediu
sua sentença referente ao julgamento do chamado
Violência contra a mulher Macroprocesso 18/98, no qual 47 pessoas foram
Dois anos após a introdução de uma lei de prevenção condenadas por filiação ou por diversos graus de
à violência baseada em gênero, as mulheres colaboração com o ETA, em conseqüência de seu
continuaram a enfrentar obstáculos para obter trabalho com várias organizações nacionalistas
proteção, justiça e reparação. Cláusulas fundamentais bascas. A sentença afirmava que as organizações ou
da lei ainda estavam sendo desenvolvidas ou sendo faziam parte do ETA e/ou recebiam instruções do
implantadas muito lentamente. Entretanto, algumas grupo. No final do ano, ainda eram aguardados os
medidas positivas foram introduzidas, como um recursos contra a sentença. Entre os indivíduos
protocolo comum para os trabalhadores da saúde que condenados, vários declararam publicamente sua
lidarem com vítimas de violência doméstica. O número oposição ao ETA e ao uso da violência para fins
de mulheres assassinadas por seus parceiros ou ex- políticos.

Informe 2008 - Anistia Internacional 111


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 112

“Guerra ao terror” Impunidade


No início de 2007, vieram à tona denúncias de O Parlamento aprovou, em novembro, uma lei
envolvimento da polícia espanhola no interrogatório referente às vítimas do franquismo e da Guerra Civil
de pessoas mantidas no centro de detenção dos EUA Espanhola, ocorrida entre 1936 e 1939. Apesar de
em Guantánamo entre 2002 e 2005. Em resposta ao conter alguns aspectos positivos, a lei não satisfazia
questionamento da Anistia Internacional, o Ministério as normas internacionais sobre o direito a recursos e
do Interior confirmou terem ocorrido duas visitas da a reparações para vítimas de violações graves dos
polícia espanhola à base de Guantánamo em julho de direitos humanos.
2002 e em fevereiro de 2004.
No dia 19 de dezembro, três indivíduos que Visitas e relatórios da AI
residiam no Reino Unido e que estavam detidos em  Representantes da Anistia Internacional visitaram a Espanha em
Guantánamo foram soltos e enviados ao Reino Unido. fevereiro, março, junho e novembro.
Dois deles, Jamil El Banna e Omar Deghayes,  Spain: Adding insult to injury – the effective impunity of police officers
compareceram perante um tribunal, no dia 20 de in cases of torture and other ill treatment (EUR 41/006/007)
dezembro, para uma audiência preliminar relativa a  Spain: Adding insult to injury – the effective impunity of police officers
um pedido de extradição feito pela Espanha com in cases of torture and other ill treatment (EUR 41/006/007)
base em acusações referentes a terrorismo. Os dois
se opuseram ao pedido. Uma decisão ainda era
E aguardada no final do ano.
Pelo menos 50 vôos operados pela CIA, que
partiam ou iam para Guantánamo, fizeram escalas ou
sobrevoaram o território espanhol entre 2002 e 2007,
ESTADOS UNIDOS
segundo reportagens publicadas na imprensa que
citavam informações da AENA, Aeropuertos DA AMÉRICA
Españoles y Nagevación Aérea (a entidade
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
encarregada da gestão dos aeroportos e do tráfego Chefe de Estado e de governo: George W. Bush
aéreo na Espanha). O último vôo de que se tem Pena de morte: retencionista
conhecimento aconteceu em fevereiro de 2007. Em Tribunal Penal Internacional: assinado
alguns casos, as aeronaves aterrisavam em bases População: 303,9 milhões
militares também usadas pelas forças dos Estados Expectativa de vida: 77,9 anos
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 65/56 por mil
Unidos. As informações foram dadas ao juiz
responsável por investigar as suspeitas de que vôos
da CIA envolvidos com a transferência ilegal de
suspeitos entre países (renditions) passavam pela As autoridades estadunidenses continuaram a deter
Espanha. Alegou-se que o governo tinha centenas de cidadãos estrangeiros na base naval que
conhecimento desses vôos, mas que não os os EUA mantém na Baía de Guantánamo, em Cuba,
comunicara ao Parlamento espanhol, apesar do embora mais de 100 indivíduos tenham sido
pedido deste órgão, feito em abril de 2006, para que transferidos da instalação durante o ano. Os
recebesse todas as informações disponíveis sobre prisioneiros de Guantánamo permaneceram detidos
esse assunto. Esses vôos tampouco foram indefinidamente, a grande maioria sem acusação e,
comunicados aos investigadores do Conselho da efetivamente, sem poder recorrer aos tribunais dos
Europa e do Parlamento Europeu. EUA para contestar a legalidade de sua detenção. A
Teve início, em fevereiro, o julgamento de 28 maioria dos detentos em Guantánamo foi mantida
pessoas acusadas de envolvimento nos atentados de em regime de isolamento em instalações de
11 de março de 2004 contra os trens de Madri. Em segurança máxima, aumentando as preocupações
outubro, a Audiência Nacional condenou 21 e por sua saúde física e mental. O programa de
absolveu sete dos acusados. Três homens receberam detenções e interrogatórios secretos da Agência
sentenças de 42 mil anos de prisão. Central de Inteligência (CIA) foi reautorizado pelo
Presidente Bush em julho. Em dezembro, o diretor

112 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 113

da CIA revelou que a agência havia destruído fitas de Tribunais de Revisão do Estatuto de Combatente – juntas
vídeo que continham os interrogatórios dos detentos. compostas por militares que podem utilizar informações
Soldados que se recusaram a servir no Iraque por secretas e obtidas sob coação para tomar suas decisões.
razões de consciência foram encarcerados. As sessões desses tribunais referentes aos 14 homens
Prisioneiros continuaram a receber maus-tratos nas ocorreram a portas fechadas sob a alegação de que os
mãos de policiais e de guardas prisionais. Dezenas detentos possuíam informações confidenciais sobre o
de pessoas morreram depois que a polícia utilizou programa de detenções secretas da CIA, inclusive sobre
armas de eletrochoque contra elas. Houve falhas técnicas de interrogatório, condições de reclusão e
graves em nível local, estadual e federal no que se localização das unidades de detenção. As denúncias de
refere à abordagem da violência sexual contra tortura sob custódia da CIA, feitas por alguns dos presos,
mulheres indígenas. A discriminação continuou foram censuradas nas transcrições dos Tribunais de
sendo uma preocupação nas mais diversas áreas, Revisão. No fim de 2007, apenas um dos 14 indivíduos
inclusive com relação às práticas policiais, ao havia conseguido ter acesso a advogado para a limitada
funcionamento do sistema de justiça criminal e ao revisão judicial das decisões desses tribunais, conferida
direito à moradia. Ocorreram 42 execuções durante o pela Lei de Tratamento de Detentos (2005). Até o fim do
ano. No final de setembro, a decisão da Suprema ano, nenhuma revisão desse tipo havia sido realizada para
Corte de rever a constitucionalidade do uso de nenhum dos detentos de Guantánamo.
injeção letal levou a uma moratória de facto das Em fevereiro, o Tribunal de Recursos do Circuito do
execuções realizadas por esse método. Em Distrito de Columbia decidiu que as disposições da Lei de E
dezembro, Nova Jersey se tornou o primeiro estado, Comissões Militares que retiravam dos tribunais a
em mais de quatro décadas, a legislar sobre a jurisdição para julgar petições de habeas corpus se
abolição da pena de morte. aplicavam a todos os detentos mantidos em Guantánamo
"sem exceções". Em 2 de abril, a Suprema Corte rejeitou
"Guerra ao terror" um apelo contra a decisão. No entanto, em 29 de junho, a
Pelo sexto ano consecutivo, as autoridades Corte tomou a decisão, historicamente singular, de anular
estadunidenses continuaram a deter cidadãos sua sentença de 2 de abril, concordando em ouvir o caso
estrangeiros, classificados por elas como “combatentes depois que advogados dos detentos apresentaram novas
inimigos”, sob detenção militar indefinida e sem acusação informações sobre a inadequação do esquema dos
na base de Guantánamo. No final de 2007, havia Tribunais de Revisão do Estatuto de Combatente. As
aproximadamente 275 detentos nessa prisão. Durante o novas informações foram fornecidas por um oficial militar
ano, mais de 100 detentos foram transferidos para os seus que estivera envolvido nas revisões dos Tribunais de
países de origem, a fim de serem soltos ou de Revisão. A decisão da Suprema Corte estava pendente no
permanecerem detidos. Quatro detentos, descritos pelo final de 2007.
Pentágono como “suspeitos de terrorismo perigosos”,  Ali al-Marri, um cidadão qatariano residente nos
foram transferidos para Guantánamo. Um indivíduo, Estados Unidos que, em junho de 2003, foi designado
descrito pelo Pentágono como “membro de alto nível Al “combatente inimigo” pelo Presidente Bush, permanecia
Qaeda”, foi transferido da custódia da CIA para a base dos em detenção militar indefinida dentro do território dos
EUA em Cuba. EUA no final do ano. Em junho, um painel de três juízes do
Quatorze homens descritos pelas autoridades Tribunal de Recursos do Quarto Circuito decidiu que a Lei
estadunidenses como detentos de “alto valor”, que foram de Comissões Militares não se aplicava ao caso de Ali al-
transferidos para Guantánamo, em setembro de 2006, Marri e determinou que sua detenção militar “precisava
com o propósito declarado de enfrentar julgamento, ainda terminar”. No entanto, o governo tentou, com êxito,
não haviam sido acusados formalmente no fim de 2007. realizar uma nova audiência perante todo o corpo do
Antes de serem transferidos, os homens haviam passado Tribunal do Quarto Circuito. A decisão estava pendente no
mais de quatro anos e meio sob custódia secreta da CIA, e fim do ano.
seus casos foram utilizados pelo governo para postular a Em Guantánamo, foram retomados os procedimentos
Lei de Comissões Militares de 2006. Em 9 de agosto, o das comissões militares.
Pentágono anunciou que todos os 14 haviam sido  Em março, o australiano David Hicks tornou-se o
confirmados como “combatentes inimigos” pelos primeiro – e até o final do ano, o único – prisioneiro de

Informe 2008 - Anistia Internacional 113


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 114

Guantánamo condenado pelos Estados Unidos. Ele se publicaram uma lista de mais de 36 indivíduos que teriam
declarou culpado, conforme a Lei de Comissões Militares, sido detidos pelo programa da CIA e cujo paradeiro ou
de uma acusação de “fornecer apoio material para o destino permanece desconhecido.
terrorismo”. Uma junta de oficiais militares recomendou Em dezembro, o diretor da CIA revelou que, em 2005, a
sete anos de prisão, porém, seis anos e três meses da agência destruiu as fitas de vídeo com gravações dos
pena foram suspensos de acordo com os termos de um interrogatórios conduzidos em 2002 com detentos
acordo feito antes do julgamento. David Hicks foi mantidos sob custódia secreta. Segundo informações, as
transferido de Guantánamo, em maio, para cumprir o fitas continham centenas de horas de interrogatórios de
restante de seus nove meses de prisão na Austrália. No Abu Zubaydah e Abd al-Rahim al-Nashiri, dois dos
dia 29 de dezembro, ele foi libertado do presídio de Yatala detentos de “alto valor” transferidos para Guantánamo em
em Adelaide. setembro de 2006. Ambos alegaram, durante suas
Três outros detentos de Guantánamo estavam audiências nos Tribunais de Revisão do Estatuto de
enfrentando acusações no fim do ano, inclusive dois que Combatente, em 2007, que haviam sido torturados sob
eram menores de 18 anos quando foram presos. custódia da CIA. Abu Zubaydah está entre os que teriam
As condições de detenção em Guantánamo e seu impacto sido submetidos à técnica de asfixia na "prancha d'água"
na saúde dos internos, já abalada pela natureza indefinida (waterboarding).
de sua detenção, continuaram causando sérias Centenas de pessoas permaneceram sob custódia dos
preocupações. Um dos detentos, cidadão saudita, teria EUA no Afeganistão e no Iraque. Houve preocupações
E cometido suicídio no dia 30 de maio. Até meados de também sobre os assassinatos cometidos no Iraque por
janeiro, 165 detentos haviam sido transferidos para o empresas de segurança contratadas pelos Estados
Campo 6, onde ficavam confinados em celas de aço Unidos (veja os capítulos sobre o Afeganistão e o Iraque).
individuais sem janelas por, pelo menos, 22 horas por dia.
Contrário às normas internacionais, as celas não têm Tortura e outros maus-tratos
acesso à luz natural ou ar e permanecem iluminadas por Houve denúncias de maus-tratos em penitenciárias e
luz fluorescente durante as 24 horas do dia. durante a custódia policial no território continental dos
Aproximadamente 100 outros detentos eram mantidos no Estados Unidos, geralmente envolvendo o uso cruel de
Campo 5, onde os presos permanecem confinados até 24 instrumentos de contenção ou de armas de eletrochoque.
horas por dia, em celas pequenas, com um pouco de Sessenta e nove pessoas morreram depois de serem
acesso à luz natural, mas sem vista para o exterior. atingidas por descargas de armas Taser, elevando para
Acreditava-se que outros 20 detentos eram mantidos no quase 300 o número desse tipo de mortes desde 2001.
Campo Echo, onde os prisioneiros ficam entre 23 e 24 Vários dos mortos foram submetidos a choques
horas por dia em celas sem janelas e sem luz natural. múltiplos ou tinham problemas de saúde que poderiam
No dia 20 de julho, o Presidente Bush emitiu uma torná-los mais suscetíveis aos efeitos adversos dessas
ordem executiva para que o programa de detenções e armas. Apesar de essas mortes serem comumente
de interrogatórios secretos coordenado pela CIA atribuídas a fatores como intoxicação por drogas,
respeitasse o Artigo 3º comum às quatro Convenções de médicos legistas concluíram que os choques de Tasers
Genebra de 1949. A Anistia Internacional escreveu ao causaram ou contribuíram para muitas das mortes.
Presidente Bush enfatizando que, se o programa da CIA A grande maioria dos mortos estava desarmada e não
recebesse detentos como fizera antes, ele estaria representava uma séria ameaça quando atingida pelos
novamente autorizando o crime internacional de choques. Muitos departamentos de polícia continuaram
desaparecimento forçado. Até o fim do ano, não havia a autorizar o uso de armas Taser em diversas
sido recebida qualquer resposta. circunstâncias, inclusive contra pessoas desarmadas
Um detento, Abd al-Hadi al-Iraqi, segundo que resistiam à prisão ou que se recusavam a obedecer
informações, foi transferido da custódia da CIA para às ordens da polícia. A Anistia Internacional apresentou
Guantánamo durante o ano. O Pentágono anunciou a suas preocupações em um inquérito do Departamento
transferência em 27 de abril, mas não forneceu detalhes de Justiça sobre as mortes causadas por armas Taser e
sobre quando ele fora detido ou onde estivera mantido reiterou seu apelo às autoridades estadunidenses para
antes da transferência. Em junho, a Anistia Internacional e que suspendam o uso dessas e de outras armas de
outras cinco organizações de direitos humanos eletrochoque, até que se conclua um inquérito rigoroso

114 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 115

e independente, ou para que se restrinja sua utilização de seus advogados de que a tortura e outros maus-
a situações em que o uso de força letal pelos policiais tratos sob custódia militar o deixaram inepto para
poderia ser justificado. enfrentar julgamento. O governo preferiu não
Milhares de prisioneiros continuaram a ser apresentar as informações obtidas durante sua
confinados em isolamento prolongado em unidades de detenção militar, pois poderiam ser contestadas por
segurança máxima, onde as condições algumas vezes terem sido obtidas mediante coação. A Anistia
equivalem a tratamento cruel, desumano ou degradante. Internacional continuou preocupada com a falta de
 Herman Wallace e Albert Woodfox, ambos prisioneiros prestação de contas pelos três anos de tratamento
da Penitenciária Estadual de Louisiana em Angola, ilegal de Jose Padilla e pelos danos ao seu direito de
permaneceram em isolamento prolongado. Por mais de presunção de inocência, por ter sido constante e
30 anos eles ficaram confinados, sozinhos, em pequenas publicamente estigmatizado pelo governo como um
celas, 23 horas por dia, com apenas três horas semanais “perigoso terrorista”.
para exercícios ao ar livre. Consta que ambos sofrem de Gary Tyler, um cidadão estadunidense
sérios problemas de saúde decorrentes de sua situação. afrodescendente, permaneceu na prisão de Lousiana
Uma ação judicial, argumentando que o tratamento dado pelo assassinato de um estudante secundarista branco
aos prisioneiros era inconstitucional, permanecia durante um incidente racial em 1974. Durante os 33
pendente no fim do ano. anos que passou na prisão, Gary Tyler, que tinha 16
Originalmente, os dois homens haviam sido colocados anos na época do homicídio, tem constantemente
no “seguro” depois de serem acusados de envolvimento afirmado sua inocência. Ele foi condenado por um júri E
no assassinato de um guarda, em 1972, durante uma formado exclusivamente por brancos, após um
rebelião na prisão – acusações que eles sempre negaram. julgamento gravemente falho. Os apelos para que o
A Anistia Internacional continua preocupada que seu então governador lhe concedesse perdão foram
prolongado isolamento tenha sido baseado, ao menos em infrutíferos.
parte, em seu histórico de ativismo político na prisão, Em agosto, ocorreu uma audiência oral referente ao
inclusive na sua participação no Partido Pantera Negra caso de cinco cidadãos cubanos que haviam sido
(organização negra radical). condenados em Miami, em junho de 2001, por
conspirar para atuar como agentes da República de
Prisioneiros de consciência Cuba e por outras acusações (USA v Gerardo
O especialista do Exército Mark Lee Wilkerson cumpriu Hernandez et al). As razões da apelação incluíam
três meses e meio de pena, após ser sentenciado a sete insuficiência de provas e supostas declarações
meses de prisão, por ter se recusado a servir no Iraque por impróprias da promotoria durante o julgamento. A
razões de consciência. Outro objetor de consciência à decisão do Tribunal de Recursos permanecia pendente
guerra no Iraque, o médico do Exército dos EUA Agustín no fim do ano. O governo dos Estados Unidos
Aguayo, foi sentenciado a oito meses de prisão por continuou a recusar vistos às esposas de dois dos
motivos semelhantes. Como o tempo que passou sob prisioneiros para que os visitassem na prisão.
custódia aguardando julgamento foi levado em
consideração, ele foi libertado depois de um mês. No fim Discriminação
do ano, vários outros soldados que se recusaram a servir Preocupações constantes sobre discriminação nos
no Iraque por oposição à guerra enfrentavam a EUA incluem disparidades raciais em batidas e
possibilidade de serem processados. revistas policiais, bem como em outras áreas do
sistema de justiça criminal, além do tratamento de
Sistema de justiça cidadãos não-estadunidenses detidos no contexto da
Jose Padilla, cidadão estadunidense previamente “guerra ao terror” (veja acima).
detido por mais de três anos sem acusação nem  Mychal Bell foi julgado em julho e acusado de
julgamento, sob custódia militar dos EUA como um tentativa de assassinato em segundo grau. Seu
“combatente inimigo”, foi condenado, em agosto, por julgamento ocorreu em um tribunal adulto, apesar de
um tribunal civil federal por conspiração para fornecer ele ser menor de idade no momento do suposto crime.
apoio material ao terrorismo. Sua sentença estava O caso levantou preocupações sobre a disparidade no
pendente no final do ano. O tribunal rejeitou a alegação tratamento de adolescentes negros e brancos. Ele foi

Informe 2008 - Anistia Internacional 115


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 116

um dos seis estudantes secundaristas negros que tornou o primeiro estado dos EUA, desde 1965, a
foram acusados de agredir um estudante branco, em legislar para abolir a pena de morte, quando os
dezembro de 2006, em Jena, Lousiana, durante um deputados aprovaram e o governador sancionou a
período de tensão racial desencadeado quando legislação que substitui a pena capital pela prisão
estudantes brancos penduraram três forcas em uma perpétua sem direito à liberdade condicional.
árvore no pátio da escola. Os estudantes negros foram Nova York efetivamente se tornou o 13º estado
originalmente acusados de tentativa de assassinato em abolicionista dos EUA em outubro, quando sua mais
segundo grau, o que poderia colocá-los na prisão por alta corte se recusou a abrir uma exceção à sua
décadas. Depois de ocorrerem manifestações pelos decisão de 2004, que julgou o estatuto estadual da
direitos civis, as acusações contra os réus foram pena de morte inconstitucional. A contestação dessa
reduzidas e Mychal Bell foi transferido para um tribunal sentença foi apresentada pelo estado no caso da
juvenil. última pessoa que ainda restava no corredor da morte
em Nova York.
Pena de morte Desde 1975, mais de 120 pessoas foram libertadas
Um total de 42 prisioneiros foram executados nos EUA dos corredores da morte nos EUA por serem inocentes.
durante o ano, elevando para 1.099 o número total de  Curtis Edward McCarty, que passou 21 anos na
execuções levadas a cabo desde que a Suprema Corte prisão, 16 dos quais no corredor da morte de
suspendeu a moratória da pena de morte em 1976. Oklahoma, foi libertado em maio quando um juiz
E Este foi o menor número anual de mortes judiciais nos federal ordenou que as acusações contra ele fossem
EUA desde 1994 e deveu-se, em parte, à suspensão retiradas. Exames de DNA ajudaram a exonerá-lo, e o
das execuções, seguidas ao anúncio dado pela juiz decidiu que o caso contra ele havia sido maculado
Suprema Corte, em 25 de setembro, de que apreciaria pelo testemunho questionável de uma ex-perita
a contestação ao procedimento de injeção letal com forense sem credibilidade.
três substâncias químicas administradas no Kentucky  Em dezembro, Michael McCormick, ao ser julgado
e na maioria dos outros estados que utiliza esse novamente, foi inocentado de um assassinato pelo qual
método. passou 16 anos no corredor da morte do Tennessee.
Em junho, a Suprema Corte impediu a execução de  Em dezembro, promotores retiraram todas as
Scott Panetti, prisioneiro do corredor da morte do Texas acusações contra Jonathan Hoffman, relativas a um
que sofre de delírios severos. A decisão considerou que crime pelo qual ele permaneceu quase uma década no
o Tribunal de Recursos do Quinto Circuito havia corredor da morte na Carolina do Norte.
empregado uma interpretação “falha” e “muito  Joseph Nichols foi executado no Texas, em 7 de
restritiva” da decisão de 1986 da Suprema Corte, a março, pelo assassinato de Claude Shaffer em 1980.
qual afirmava ser inconstitucional a execução de Seu co-réu, Willie Williams, que foi julgado primeiro,
prisioneiros insanos. A sentença tem potencial de declarou-se culpado e foi executado em 1995. No
fornecer proteção adicional a prisioneiros condenados julgamento de Joseph Nichols, o estado argumentou
à morte que sofrem de doenças mentais graves. que, apesar do fato de Willie Williams ter dado o tiro
O estado de Dakota do Sul realizou sua primeira fatal, Joseph Nichols era culpado conforme a “lei de
execução desde abril de 1947. Elijah Page foi cumplicidade” do Texas, segundo a qual a distinção
executado por um assassinato cometido em 2000, entre o ator principal e seu cúmplice em um crime é
quando ele tinha 18 anos e provinha de uma infância abolida, e ambos podem ser considerados igualmente
de privações e de abusos. Ele desistiu de tentar apelar. culpados. O júri não conseguiu chegar a um veredicto e
Com sua execução, 34 estados e o governo federal Joseph Nichols foi novamente julgado. Dessa vez, a
conduziram ao menos uma execução desde 1976. promotoria alegou que Joseph havia disparado o tiro
Em 2 de janeiro, a Comissão de Estudos sobre a fatal, e o júri votou pela pena de morte.
Pena de Morte de Nova Jersey – estabelecida pelo  Philip Workman foi executado no Tennessee, em 9
parlamento estadual em 2006 para estudar todos os de maio, apesar das fortes evidências de que uma
aspectos da pena capital no estado – divulgou seu testemunha-chave do estado havia mentido no
relatório final, no qual recomendou que a pena de julgamento e de que o policial, por cujo assassinato ele
morte fosse abolida. Em dezembro, Nova Jersey se fora condenado, possa ter sido morto com um tiro

116 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 117

disparado acidentalmente por um colega policial. acessíveis pudesse ter provocado uma mudança
Philip Workman permaneceu no corredor da morte por demográfica em que as comunidades pobres, de
25 anos. maioria afrodescendente, não teriam condições de
 No dia 16 de julho, menos de 24 horas antes do retornar para suas casas
horário agendado para ser morto, o prisioneiro do
corredor da morte da Georgia, Troy Davis, recebeu da Relatórios da AI
Comissão de Perdão e Liberdade Condicional a  USA: New Jersey Death Penalty Study Commission recommends
suspensão de sua execução. Ele havia passado mais abolition (AMR 51/003/2007)
de 15 anos aguardando ser executado pelo assassinato  USA: The experiment that failed -- A reflection on 30 years of executions
de um policial. Não havia provas materiais contra ele e (AMR 51/011/2007)
a arma usada no crime nunca foi localizada. O caso  USA: “Where is the justice for me?” The case of Troy Davis, facing
contra Troy Davis consistia inteiramente de execution in Georgia (AMR 51/023/2007)
testemunhos, a maioria dos quais posteriormente  Maze of injustice: The failure to protect Indigenous women from sexual
abjurados. Em 3 de agosto, a Suprema Corte da violence in the USA (AMR 51/035/2007)
Georgia concedeu um recurso extraordinário e  USA: Justice delayed and justice denied? Trials under the Military
concordou em realizar uma audiência para um novo Commissions Act (AMR 51/044/2007)
julgamento de seu caso. No final de 2007, uma decisão  USA: Cruel and inhuman: Conditions of isolation for detainees at
ainda era aguardada. Guantánamo Bay (AMR 51/051/2007)
 USA: An “uncomfortable truth”: Two Texas governors -- more than 300 E
Violência contra a mulher executions (AMR 51/076/2007)
Mulheres nativas norte-americanas dos EUA e do  USA:: Prisoner-assisted homicide – more “volunteer” executions loom
Alaska continuaram a sofrer um nível (AMR 51/087/2007)
desproporcionalmente alto de estupros e de violência  USA: Off the record -- US responsibility for enforced disappearances in
sexual; porém, enfrentaram barreiras para ter acesso à the “war on terror” (AMR 51/093/2007)
Justiça. Isso se deve a um complexo labirinto de  USA: Supreme Court tightens standard on “competence” for execution
jurisdições tribais, estaduais e federal, que permite aos (AMR 51/114/2007)
perpetradores escaparem da Justiça; à falta de verbas  USA: Law and executive disorder -- President gives green light to secret
governamentais para serviços essenciais; e às falhas, detention program (AMR 51/135/2007)
em nível estadual e federal, para processar os casos.  USA: Amnesty International’s concerns about Taser use: Statement to
As recomendações do Congresso para que se the US Justice Department inquiry into deaths in custody (AMR
aumentassem os fundos destinados a tratar de 51/151/2007)
algumas dessas preocupações ainda dependiam de  USA: No substitute for habeas corpus -- Six years without judicial
aprovação federal no fim do ano. review in Guantánamo (AMR 51/163/2007)
 USA: Slippery slopes and the politics of torture (AMR 51/177/2007)
Direito à moradia – Furacão Katrina  USA: Amnesty International’s briefing to the Committee on the
Milhares de pessoas evacuadas das áreas da Costa do Elimination of Racial Discrimination (AI Index: AMR 51/178/2007)
Golfo afetadas pelo Furacão Katrina em 2005  USA: A tool of injustice: Salim Hamdan again before a military
permanecem desalojadas e com poucas perspectivas commission (AMR 51/189/2007)
de retornarem para suas casas. Muitas continuaram a  USA: Destruction of CIA interrogation tapes may conceal government
viver sob condições precárias, em acomodações crimes (AMR 51/194/2007)
temporárias espalhadas pelos EUA, sem trabalho e  USA: Breaking a lethal habit – A look back at the death penalty in 2007
sem acesso às suas antigas redes de apoio. (AMR 51/197/2007)
Grupos comunitários e de direitos civis  USA: Unlawful detentions must end, not be transferred (AMR
manifestaram preocupação com a proposta de 51/200/2007)
demolição de uma grande parte das unidades
residenciais públicas de Nova Orleans _ apesar de
terem sofrido apenas danos menores causados pela
inundação e poderem ser recuperadas e reabitadas.
Temia-se que a ausência de residências com preços

Informe 2008 - Anistia Internacional 117


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 118

imigração introduz o direito de apelo suspensivo (ou


FRANÇA seja, evita que o indivíduo seja devolvido até que a
decisão sobre o apelo seja tomada), mas inclui
Chefe de Estado: Nicolas Sarkozy restrições substanciais, como um limite de 48 horas
(sucedeu a Jacques Chirac em maio) para recorrer da sentença e a possibilidade de o juiz
Chefe de governo: François Fillon rejeitar o apelo sem entrevistar pessoalmente o
(sucedeu a Dominique de Villepin em maio)
requerente se o apelo for considerado manifestamente
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes
Tribunal Penal Internacional: ratificado infundado.
População: 60,9 milhões  Em 11 de maio, o Comitê contra a Tortura da ONU
Expectativa de vida: 80,2 anos (CAT) julgou que a França violara a Convenção contra a
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 6/5 por mil Tortura quando expulsou um requerente de asilo para a
Tunísia, após efetuar os procedimentos de asilo de
modo acelerado. Adel Tebourski foi repatriado à força
Os direitos de requerentes de asilo e de refugiados para a Tunísia, em agosto de 2006, após ter sido
foram violados e debilitados. Continuaram ocorrendo libertado da prisão. Ele havia solicitado asilo depois de
alegações de maus-tratos pela polícia. As autoridades ser despojado de sua dupla nacionalidade franco-
tomaram medidas para assegurar que o direito à tunisiana. Porém, sob os procedimentos acelerados,
moradia adequada fosse garantido por lei. seu pedido foi rejeitado. Ele foi repatriado para a
Tunísia antes que seu apelo fosse analisado, apesar do
Migração, refugiados e requerentes de asilo pedido do CAT para que a França suspendesse sua
F
Depois da eleição de um novo governo, em maio, a expulsão até que seu caso fosse examinado pelo
responsabilidade pela proteção dos refugiados, Comitê.
incluindo a supervisão da agência governamental que  Em 3 de junho, o requerente de asilo tunisiano
determina o status de refugiado (Office français de Houssine Tarkhani foi repatriado à força pela França
protection des réfugiés et apatrides – OFPRA), foi para a Tunísia. Em maio, ele havia sido questionado por
transferida para o recém-criado Ministério para a um juiz por suspeita de atividades relacionadas ao
Imigração, Integração, Identidade Nacional e Co- terrorismo, mas jamais foi acusado de algum crime.
Desenvolvimento. Ao obscurecer a distinção entre Quando descobriu a natureza das suspeitas contra ele,
política de imigração e obrigações relativas a asilo, solicitou asilo. De acordo com o procedimento
essa mudança pode resultar em violações dos direitos acelerado, seu pedido foi recusado. Embora tenha
de refugiados e de requerentes de asilo. interposto um recurso junto à Comissão de Apelação
Uma nova lei sobre imigração, integração e asilo dos Refugiados, foi repatriado para a Tunísia antes que
entrou em vigor em 21 de novembro, restringindo o uma decisão fosse tomada. Ao chegar à Tunísia,
direito à reunificação familiar e introduzindo testes de Houssine Tarkhani foi detido e, segundo informações,
DNA para verificar parentesco. A lei foi amplamente levado para o Departamento de Segurança do Estado,
criticada em termos de direitos humanos, inclusive em Tunis, onde foi mantido incomunicável e onde foi
pelo Comitê Consultivo Nacional de Ética. torturado antes de ser acusado de uma série de delitos
 Em 26 de abril, a Corte Européia de Direitos vagamente definidos como terrorismo.
Humanos julgou que a França havia violado o princípio
de não-devolução (non-refoulement) e o direito a um Maus-tratos policiais
recurso nacional efetivo ao tomar a decisão de devolver Alegações de maus-tratos policiais foram feitas
ao seu país de origem, em 2005, o requerente de asilo durante todo o ano. Os órgãos de investigação
eritreu Asebeha Gebremedhin, antes que seu pedido internos e os tribunais penais não lidaram com as
de asilo fosse analisado. A Corte baseou-se na queixas de violações de direitos humanos perpetradas
obrigação, segundo a Convenção Européia de Direitos por funcionários encarregados da aplicação da lei
Humanos (CEDH), de garantir o direito de apelo com com a eficácia, com a rapidez e com a imparcialidade
efeito suspensivo antes de retornar alguém a um país exigidas pela legislação internacional.
onde possa correr o risco de sofrer tortura ou outros  Em agosto, Albertine Sow apresentou à Comissão
maus-tratos graves. O novo projeto de lei sobre Nacional de Ética da Segurança uma queixa referente

118 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 119

a um incidente ocorrido em agosto de 2006, quando foram, de fato, entrevistados por agentes franceses. Os
ela, grávida de seis meses, teria sido maltratada por advogados de defesa dos réus alegaram que seus
policiais. Em novembro de 2006, o processo judicial clientes estavam comparecendo ao tribunal francês
que ela movia contra os policiais foi encerrado sem ser com base em testemunhos extraídos quando eles
investigado pelo promotor público, apesar de estavam em Guantánamo, fora de qualquer jurisdição
numerosos testemunhos oculares e de relatórios legal e enquanto estavam detidos ilegalmente e que,
médicos que respaldavam sua queixa. Acusações que portanto, os procedimentos criminais franceses
haviam sido feitas contra Albertine Sow e seu irmão, deveriam ser declarados nulos. Até o final do ano,
Jean-Pierre Yenga Fele, por agressão aos policiais, quatro dos cidadãos haviam interposto recurso.
ainda estavam sendo investigadas.
 Em setembro, a juíza investigadora encerrou o Desdobramentos legais
inquérito sobre a queixa de maus-tratos policiais No dia 30 de outubro, conforme requerido pelo
apresentada por Gwenaël Rihet, em janeiro de 2005, Protocolo Facultativo à Convenção contra a Tortura da
sob alegação de falta de provas. Gwenaël Rihet, um ONU, foi aprovada uma nova lei (N° 2007-1545, de 30
jornalista, foi supostamente agredido por um policial, outubro de 2007), criando um órgão independente para
em 15 de maio de 2004, quando filmava uma inspecionar locais de detenção. O órgão tem permissão
manifestação no Festival de Cinema de Cannes. O para visitar todos os locais de detenção dentro do
incidente foi gravado em vídeo, mas a juíza se recusou território francês, incluindo presídios, centros de
a vê-lo, afirmando ter lido a transcrição do vídeo feita detenção de imigrantes, instalações de detenção nas
pela Superintendência Geral da Polícia Nacional fronteiras e unidades de segurança nos hospitais
F
(IGPN), o órgão de disciplina interna da polícia. A psiquiátricos. No entanto, a lei não garante ao órgão
transcrição afirmava que o vídeo não mostrava poderes para visitar locais de detenção sob jurisdição
evidências de má-conduta do policial acusado. Um francesa que não estejam em território francês, e
vídeo contendo imagens de uma câmera de segurança permite que as autoridades dos centros de detenção,
da cidade, que se acreditava ter gravado o incidente, sob diversos pretextos, recusem ou adiem as visitas.
foi extraviado no gabinete da juíza. O advogado de
Gwenaël Rihet interpôs um recurso contra o Pena de morte
encerramento da investigação, que ainda se Em 2 de outubro, a França aderiu ao Segundo
encontrava pendente no final do ano. Protocolo Facultativo ao Pacto Internacional sobre
Direitos Civis e Políticos, que visa à abolição da pena
“Guerra ao terror” de morte. Em 10 de outubro, a França ratificou o
Em 19 de dezembro, cinco cidadãos franceses, Protocolo 13 da Corte Européia de Direitos Humanos,
previamente detidos sob custódia dos EUA na base relativo à abolição da pena de morte sob todas as
de Guantánamo antes de serem repatriados para a circunstâncias.
França, em 2004 e 2005, foram condenados por
associação criminosa relacionada a operações Habitação
terroristas. Eles foram sentenciados a um ano de prisão Em fevereiro, a Assembléia Nacional aprovou um
(considerado o tempo cumprido), além de sentenças projeto de lei apresentado pelo ministro da Habitação e
entre três e quatro anos de prisão a ser cumprida em Coesão Social com o objetivo declarado de criar uma
regime condicional. Um sexto cidadão foi absolvido. Os garantia legal (droit opposable) ao direito à moradia
réus compareceram perante o Tribunal Correcional de para todos os residentes legais no país, impossibilitados
Paris em julho de 2006, mas o caso foi suspenso de ter acesso a tais acomodações, ou de permanecer
quando o juiz ordenou que fossem fornecidas nelas por seus próprios meios. O projeto de lei
informações adicionais sobre as visitas que integrantes estabelece “comissões arbitrais” que avaliarão as
do serviço secreto francês e do Ministério de Assuntos queixas de indivíduos que aleguem que seu direito à
Exteriores fizeram a Guantánamo em 2002 e 2004, moradia adequada não está sendo cumprido ou que
quando teriam entrevistado os seis detidos. está ameaçado. Pessoas designadas por estas
Documentos anteriormente confidenciais recebidos comissões como “casos prioritários” terão direito de
pelo juiz supostamente confirmaram que os detidos apelar ao tribunal administrativo. Imigrantes irregulares

Informe 2008 - Anistia Internacional 119


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 120

estão explicitamente excluídos de se beneficiarem perdido um voto de confiança do Parlamento. Mais


dessas novas disposições. de mil pessoas participaram de manifestações contra
o governo na capital, Bissau, vigiadas por policiais e
Relatório da AI militares fortemente armados. Um novo primeiro-
 Europe and Central Asia: Summary of Amnesty International’s ministro e um novo governo foram designados em
Concerns in the Region; France, January – June 2007 (EUR 01/010/2007). abril.
Em março, estimava-se que o país precisava de
700 milhões de dólares para satisfazer suas
necessidades básicas; os doadores, porém, relutavam
em conceder o auxílio devido à instabilidade política

GUINÉ-BISSAU do país, ainda mais agravada pela situação


econômica.
O país tornou-se um ponto crucial na rota do
REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU
Chefe de Estado: João Bernardo “Nino” Vieira tráfico de drogas da América Latina para a Europa –
Chefe de governo: Martinho Ndafa Cabi mais uma séria ameaça a sua estabilidade e
(sucedeu a Aristides Gomes em abril) segurança. Circularam denúncias de que membros
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes das Forças Armadas estariam envolvidos com o
População: 1,6 milhões tráfico de drogas, principalmente depois que, em
Expectativa de vida: 45,8 anos
abril de 2006, a polícia prendeu quatro soldados e
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 206/183 por mil
dois civis com 600 kg de cocaína em seu automóvel.
Em outubro, um ex-ministro da Segurança Nacional
G recebeu ordens de não deixar o país enquanto
A péssima situação econômica e o tráfico de drogas durasse uma investigação sobre seu envolvimento
ameaçaram a frágil estabilidade política do país. A com o comércio de drogas.
liberdade de expressão foi limitada e jornalistas e
defensores de direitos humanos foram perseguidos. Liberdade de expressão
Crianças foram traficadas para o exterior, a fim de Jornalistas e defensores de direitos humanos
trabalharem como operárias ou para mendigarem. enfrentaram prisões e ameaças de violência por terem
denunciado o envolvimento de autoridades militares
Informações gerais com narcotráfico. Alguns tiveram que se esconder ou
O ex-comodoro da Marinha Mohamed Laminé Sanha buscar refúgio na sede do UNOGBIS; outros deixaram
foi assassinado em janeiro por agressores o país.
desconhecidos. Por várias vezes, desde 2006, ele  Em julho, quatro jornalistas receberam ameaças.
havia sido preso e detido sem acusação nem Alberto Dabo, correspondente da Rádio Bombolom e
julgamento. Sua última prisão ocorreu em agosto de da agência Reuters, teve que passar uma semana
2006 quando foi acusado de conspirar para matar o escondido depois de receber ameaças anônimas por
Chefe do Estado Maior das Forças Armadas. Ele foi telefone. Ele havia publicado informações que
solto sem acusações três dias depois. Segundo implicavam funcionários públicos e soldados com o
informações, foi instaurado um inquérito sobre a morte comércio de drogas. Em setembro, ele foi acusado de
do comodoro Sanha; porém, até o final do ano, seus difamar o Chefe do Estado Maior da Armada, de violar
resultados ainda não haviam sido divulgados. Um ex- segredos de Estado e de abusar da liberdade de
primeiro-ministro, que acusou o Presidente Vieira e imprensa. Até o final de 2007, seu julgamento não
outros militares graduados de envolvimento no havia começado.
assassinato, buscou refúgio, por três semanas, no  O defensor de direitos humanos Mário Sá Gomes
Escritório das Nações Unidas de Apoio à Consolidação teve que passar um período escondido, no mês de
da Paz na Guiné-Bissau (UNOGBIS) quando um julho, e depois buscar refúgio no UNOGBIS, devido a
mandado de prisão foi expedido contra ele. O ex- um mandado de prisão que foi expedido contra ele. Ele
premiê deixou o local quando o mandado foi anulado. havia pedido publicamente a demissão do Chefe do
Em março, o governo renunciou depois de ter Estado Maior das Forças Armadas para que o problema

120 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 121

das drogas fosse solucionado. Depois de três semanas, Informações gerais


Mário Sá Gomes deixou a sede do UNOGBIS, quando o Os níveis de violência política permaneceram baixos;
ministro do Interior ofereceu garantias para sua porém, a alta taxa de desemprego, a pobreza
segurança e providenciou o acompanhamento de generalizada e o tráfico de drogas resultaram em
guarda-costas. Em outubro, ele foi interrogado pelo perturbação social e em violência.
procurador-geral, mas não foi indiciado. Durante todo o ano, a Missão de Estabilização da
ONU no Haiti (MINUSTAH) conduziu robustas
Tráfico de crianças operações militares para desmantelar as gangues
Crianças continuaram a ser traficadas para o exterior, a armadas que agiam nos maiores centros urbanos. Mais
fim de trabalhar em plantações de algodão no sul do de 800 supostos membros de gangues foram presos. O
Senegal ou para que mendigassem na capital Conselho de Segurança da ONU estendeu o mandato
senegalesa. Nos meses de outubro e novembro, a da MINUSTAH até outubro de 2008. Programas de
polícia interceptou diversos veículos que redução da violência foram iniciados nas áreas em que
transportavam cerca de 200 crianças entre cinco e 12 a violência armada predominava; porém, uma melhora
anos, prendendo ao menos sete pessoas. Prometeu-se sustentável da situação de segurança foi prejudicada
às crianças que elas receberiam educação no Senegal. pelo fracasso do Estado em proteger e em realizar os
direitos sociais e econômicos mais básicos das
pessoas. O desarmamento prosseguiu em ritmo muito
lento.
As eleições locais e municipais para prefeitos,

HAITI realizadas em abril, completaram um processo de três


turnos para eleição de representantes em todos os
níveis de governo. No entanto, o pleito de dezembro
REPÚBLICA DO HAITI H
Chefe de Estado: René García Préval para renovação de um terço do Senado foi adiado.
Chefe de governo: Jacques Édouard Alexis O Parlamento ratificou um tratado de ingresso no
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes Caricom, o mercado comum do Caribe.
Tribunal Penal Internacional: assinado
População: 8,8 milhões Violência contra mulheres e meninas
Expectativa de vida: 59,5 anos
Mulheres e meninas continuaram a enfrentar
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 108/93 por mil
Taxa de alfabetização: 54,8 por cento discriminação e violência generalizadas em todos os
aspectos da vida pública e privada, uma situação que é
ainda mais agravada pela falta de acesso à Justiça. A
Embora a estabilidade política e a segurança tenham violência baseada em gênero era escassamente
melhorado durante a maior parte do ano, a situação documentada, em parte devido ao medo de retaliação
dos direitos humanos continuou péssima, com a e de exclusão. A falta de abrigos e de outros serviços de
impunidade prevalecendo para a maioria dos abusos, apoio também impediu o registro desses casos.
e a população sendo incapaz de exercer seus mais As adolescentes corriam maior risco de sofrerem
básicos direitos econômicos e sociais. A violência assédio e violência sexual. Estatísticas divulgadas por
contra as mulheres e a falta de acesso à Justiça e a organizações não-governamentais mostraram que o
serviços de amparo para sobreviventes, número de casos reportados aumentou em
principalmente nas áreas rurais, foram motivo de comparação com anos anteriores, e que mais da
grande preocupação. Jornalistas continuaram sendo metade das vítimas tinha menos de 17 anos.
alvo de ameaças e de assassinatos. Milhares de O sistema de justiça não ofereceu remédios jurídicos
pessoas permaneceram detidas, sem acusação nem efetivos para sobreviventes de estupro e de violência
julgamento, em condições de superlotação. Ao doméstica. Nas áreas rurais, há informações de que
menos 175 mil crianças continuavam a trabalhar autoridades judiciais teriam pressionado sobreviventes
como empregadas domésticas em condições de estupro a aceitarem acordo financeiro com o
equivalentes a trabalho escravo, e quase meio perpetrador, em vez de tratar do caso como delito
milhão de crianças estava fora da escola. penal.

Informe 2008 - Anistia Internacional 121


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 122

Em novembro, 108 soldados cingaleses das forças anônimas por telefone depois de recusar mudar suas
de paz foram repatriados para o Sri Lanka, devido a transmissões para apoiar um partido político de
denúncias de abuso sexual e de exploração de oposição. Ele foi atacado e espancado, e sua casa foi
mulheres e de meninas haitianas. totalmente destruída em um incêndio criminoso.
 Em dezembro, dois homens foram condenados por
Sistema de justiça um tribunal penal pelo assassinato do jornalista Brignol
Houve empenho em fortalecer o sistema de justiça com Lindor, em 2001. Porém, a identidade das pessoas
a adoção de novas leis relativas à condição dos responsáveis por instigar o assassinato permanecia
magistrados e ao Conselho Superior que supervisiona desconhecida até o final do ano.
suas funções, ambas com o intuito de reforçar a
independência do Judiciário. No entanto, a fraqueza Defensores de direitos humanos
estrutural e institucional, agravadas pela corrupção e Ativistas e defensores de direitos humanos continuaram
pela carência de recursos, continuaram a alimentar a receber ameaças de agentes do Estado e de indivíduos
violações de direitos humanos dentro do sistema de particulares. Foram registrados alguns casos com claras
justiça. conotações políticas.
Detenções provisórias prolongadas infringiram  Em outubro, Dérilus Mérilus e Sanièce Petitphat,
persistentemente as normas internacionais de direitos ambos integrantes do Comitê de Direitos Humanos de
humanos, e pouco foi feito para corrigir essa situação. Savanette, receberam ameaças de morte de parentes de
Somente 16 por cento dos detentos haviam sido um acusado de estupro depois de auxiliarem a vítima a
sentenciados; no caso de meninos e meninas menores fazer uma queixa formal.
de 18 anos, somente cinco por cento. Outros  Em agosto, Lovinsky Pierre-Antoine, presidente da
permaneciam detidos após cumprirem sua pena. Fundação 30 de Setembro, foi seqüestrado. Seu
O presidente da Comissão Interamericana de Direitos paradeiro permanecia desconhecido até o final do ano.
H
Humanos e relator especial da OEA sobre o Direito das Ele trabalhara para pôr fim à impunidade por abusos
Pessoas Privadas de Liberdade observou que algumas cometidos no passado e para obter reparação para as
pessoas haviam sido presas por membros da vítimas de violações de direitos humanos no período do
MINUSTAH sem mandado ou, então, haviam sido governo militar (1991-1994).
submetidas a prisões em massa, "sem seguir os
procedimentos básicos de um devido processo legal e Direitos das crianças
sem respeitar as normas internacionais de direitos O acesso das crianças à educação foi limitado pelo
humanos”. impacto da pobreza, pela violência e pelo elevado preço
do ensino. O UNICEF estimava que aproximadamente
Impunidade 500 mil crianças estavam fora da escola no Haiti.
O governo avançou pouco na investigação de casos de Os castigos físicos foram proibidos nas escolas, mas
violações de direitos humanos ocorridos no passado. seu uso continuou a ser relatado.
Liberdade de expressão - jornalistas Segundo dados fornecidos por organizações de saúde e
Jornalistas foram ameaçados e atacados por indivíduos de mulheres, cerca da metade de todos os casos
suspeitos de agirem em nome de criminosos ou de registrados de estupro e de violência sexual foram
perpetradores de abusos de direitos humanos cometidos contra meninas haitianas menores de 17
cometidos no passado. Os assassinatos de pelo menos anos.
nove jornalistas, desde 2000, continuaram sem solução. Até 175 mil crianças estavam envolvidas com
Em agosto, porém, foi criada a Comissão trabalhos domésticos. A maioria delas não freqüentava a
Independente de Apoio às Investigações Relativas aos escola e muitas, segundo informações, eram
Assassinatos de Jornalistas (CIAPEAJ). Foi uma submetidas a abusos e a castigos corporais.
iniciativa conjunta do presidente do Haiti e da SOS A detenção de crianças com até 10 anos de idade em
Journalistes, uma ONG que trabalha para a proteção dos estabelecimentos penitenciários violou a legislação
direitos dos jornalistas. nacional e as normas internacionais.
 Em março, o jornalista Robenson Casseus, da rádio Houve várias denúncias de abuso e de tráfico de
Nouvelle Génération, recebeu ameaças de morte crianças que estavam em orfanatos.

122 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 123

Visitas e relatórios da AI em proteger os direitos civis e políticos e em garantir


 Representantes da Anistia Internacional visitaram o Haiti em setembro e justiça para as vítimas. Essas falhas também se
outubro. refletiram sobre os direitos econômicos, sociais e
 Haiti: Freedom of expression cannot prevail if there is no justice for culturais, principalmente das comunidades que já
murdered journalists (AMR 36/004/2007) eram marginalizadas.

Informações gerais
Centenas de pessoas foram mortas em ataques a
bomba, entre elas, 66 passageiros que estavam em um

ÍNDIA trem com destino ao Paquistão em fevereiro, 42


pessoas em Hyderabad em agosto, e 10 pessoas em
Uttar Pradesh em novembro. Preocupações com os
REPÚBLICA DA ÍNDIA
Chefe de Estado: Pratibha Patil ataques recorrentes marcaram o andamento do
(sucedeu a APJ Abdul Kalam em julho) diálogo entre Índia e Paquistão, que não alcançou
Chefe de governo: Manmohan Singh progressos significativos. Houve algum avanço nas
Pena de morte: retencionista iniciativas de paz para a Caxemira e Nagaland. Em
Tribunal Penal Internacional: não ratificado Assam, nos meses de janeiro e novembro, houve vários
População: 1,134 bilhões
atentados a bomba e ataques contra imigrantes dos
Expectativa de vida: 63,7 anos
Mortalidade de crianças com até 5 anos (m/f): 84/88 por mil estados do norte.
Taxa de alfabetização: 61 por cento Pelo menos 400 pessoas foram mortas em confrontos
entre a polícia e os maoístas nas regiões central e leste
do país. As comunidades dessas regiões resistiram às
Ataques a bomba e o conflito armado em várias tentativas de aquisição de terras para projetos de
partes do país deixaram centenas de mortos. O exploração econômica e para áreas econômicas
diálogo entre a Índia e o Paquistão e as iniciativas especiais. Em vários estados, dentre eles Bengala I
dos dois países para resolver os conflitos na Ocidental, Orissa, Jharkhand, Chhattisgarh, Madhya
Caxemira e em Nagaland pouco avançaram. Alguns Pradesh, Andhra Pradesh, Maharashtra, Karnataka,
setores da economia que progrediram rapidamente Tâmil Nadu, Pondicherry, Maharashtra e Meghalaya,
trouxeram melhores expectativas paras as áreas ocorreram manifestações de comunidades locais cujos
urbanas. Porém, alguns procedimentos para a meios de subsistência foram ameaçados por projetos
aquisição de terras e de outros recursos econômicos acelerados de irrigação, de mineração, de construção
para empresas e projetos de desenvolvimento foram de fábricas e de exploração econômica. Métodos
causa de protesto em vários estados. Esses protestos ilegais foram cada vez mais usados para lidar com
coincidiram com um súbito crescimento das esses protestos e a impunidade para os abusos
atividades de grupos armados maoístas em alguns continuou a vigorar.
estados, aumentando as preocupações com a Os índices de suicídio de agricultores endividados
segurança e os direitos humanos. As comunidades permaneceram altos em alguns estados, inclusive em
locais marginalizadas, dentre elas os adivasis Maharashtra, onde há algumas medidas de
(comunidades nativas), os dalits e os pequenos assistência. O acesso inadequado aos serviços de
agricultores, protestaram contra as ameaças aos saúde contribuiu para uma epidemia de cólera nas
seus meios de subsistência, contra a negação ao seu comunidades adivasi do sul de Orissa.
direito de participação nas decisões sobre projetos Um acordo feito com os Estados Unidos em 2006,
de exploração econômica e contra processos de que permitiria à Índia o acesso a material nuclear
reassentamento e reabilitação. Houve denúncias de estratégico e a equipamentos que seriam utilizados
vários tipos de abusos cometidos contra os direitos com fins civis, ainda não havia sido implementado
humanos, como assassinatos, expulsões forçadas, devido à oposição política interna. As exportações de
uso excessivo da força policial, violência contra as armas para Myanmar foram suspensas em novembro,
mulheres e perseguição aos defensores de direitos após a repressão ao movimento pró-democracia
humanos. Os mecanismos institucionais falharam naquele país.

Informe 2008 - Anistia Internacional 123


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 124

A Índia assinou a Convenção Internacional para a milícias privadas aliadas ao Partido Comunista,
Proteção de Todas as Pessoas contra os atualmente no poder. Anteriormente, 1.500 pessoas, na
Desaparecimentos Forçados, em fevereiro, e foi reeleita maioria simpatizantes do PCI, haviam sido desalojadas
para o Conselho de Direitos Humanos da ONU. de suas casas quando os apoiadores das organizações
Entretanto, o país não ratificou a Convenção contra a locais ergueram bloqueios durante as manifestações
Tortura e a Convenção Internacional sobre a Proteção contra os desalojamentos forçados.
dos Direitos de Todos os Trabalhadores Migrantes e  Em Orissa, pelo menos 50 pessoas ficaram feridas
Membros de Suas Famílias. As solicitações de visitas ao nas manifestações que as organizações de agricultores
país feitas pela Relatoria Especial da ONU sobre tortura e realizaram durante todo o ano contra os desalojamentos
sobre execuções extrajudiciais continuaram pendentes. forçados, devido a um projeto de construção de uma
Os Grupos de Trabalho sobre detenções arbitrárias e fábrica de aço. Uma investigação oficial sobre os
sobre desaparecimentos forçados e involuntários assassinatos de 12 manifestantes da comunidade
também não foram convidados a visitar a Índia. adivasi, cometidos pela polícia em Kalinganagar em
2006, permaneceu suspensa. Em novembro, após uma
Direitos econômicos, sociais e culturais longa campanha dos adivasis, a Suprema Corte
Cerca de 300 milhões de pessoas, aproximadamente deliberou contra uma decisão do governo do estado que
1/4 da população, continuaram a viver na pobreza. As permitia a mineração, por parte de uma empresa
preocupações com a proteção dos direitos das multinacional, em áreas florestais preservadas de
comunidades que já eram marginalizadas aumentaram. Niyamagiri.
As disposições constitucionais em vigor foram  Em julho, a polícia usou força excessiva contra
desconsideradas, uma vez que as áreas ricas em manifestantes em Badwani, Madhya Pradesh, ferindo ao
recursos demarcadas para uso exclusivo da menos 10 pessoas e detendo 92. As manifestações se
comunidade adivasi foram cedidas a várias indústrias, opunham aos desalojamentos forçados causados pelo
dentre elas a extrativa. Em geral, as comunidades projeto da represa Narmada.
I afetadas foram excluídas dos processos decisórios,
somente participando das decisões sobre Violência contra os adivasis e contra
reassentamento e reabilitação depois de serem comunidades marginalizadas
desalojadas. Apesar das leis que garantem o direito à Houve aumento da violência na região de Dantewada,
informação, as autoridades continuaram relutantes em em Chattisgarh, entre os maoístas armados e as forças
divulgar informações importantes. do estado apoiadas pela Salwa Judum, uma milícia civil
Em Nandigram, em Bengala Ocidental, milícias amplamente patrocinada pelo governo do estado. Civis,
privadas aliadas ao Partido Comunista da Índia (PCI - em sua maioria adivasis, foram atingidos pelos dois
marxista), que está no governo, entraram em confronto lados. Houve denúncias de homicídios ilegais,
com apoiadores armados de organizações locais por seqüestros, torturas e mutilações cometidos por ambas
controle de território. As autoridades não conseguiram as partes. Houve ainda casos de abuso sexual por parte
persuadir os agricultores a abandonar um bloqueio que de agentes do governo e de assassinatos após
fizeram em protesto contra a decisão de transferir um julgamentos sumários cometidos pelos maoístas. A
projeto industrial para a região. Seguiu-se uma série de grande maioria desses abusos não foi completamente
violações contra os direitos humanos, dentre elas, investigada.
homicídios ilegais, expulsões forçadas, uso excessivo da Cerca de 50 mil adivasis continuaram como
força policial, violência contra as mulheres, negação de deslocados internos da região de Dantewada. A maioria
acesso e de informações para a imprensa e para as deles morava em campos especiais. Não houve
organizações de direitos humanos, perseguição dos nenhuma tentativa real de garantir o seu retorno
defensores de direitos humanos e impedimento à justiça voluntário e houve denúncias de que partes de suas
para as vítimas das violações. terras poderiam ser oferecidas para empresas e para
 Em janeiro e março, pelo menos 25 pessoas, a projetos de desenvolvimento. Há informações de que ao
maioria moradores da região, foram mortas em menos outros 10 mil adivasis deixaram a região em
Nandigram. Mais de 100 pessoas ficaram feridas e pelo direção a Andhra Pradesh.
menos 20 mulheres foram abusadas sexualmente pelas  Em 15 de março, pelo menos 55 pessoas, a maioria

124 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 125

delas pertencentes à Salwa Judum, foram mortas em  Em abril, a polícia usou força excessiva contra os
um ataque de supostos maoístas próximo a Bijapur. adivasis que protestavam contra a ameaça de expulsões
 Em 31 de março, 12 adivasis foram mortos pela forçadas por parte do departamento estadual de
polícia estadual e pela Salwa Judum em Santoshpur. florestas, no distrito de Rewa, em Madhya Pradesh. Sete
 Em 14 de maio, um conhecido ativista da União adivasis ficaram feridos.
Popular das Liberdades Civis, Dr. Binayak Sen, foi preso.  Em julho, sete manifestantes foram mortos quando a
Ele foi acusado sob a Lei de Segurança Pública Especial polícia atirou contra os participantes de um protesto pelo
de Chhattisgarh, de 2005, e de acordo com as alterações direito à terra, em Khammam, no distrito de Andhra
nas disposições da Lei de Prevenção às Atividades Pradesh.
Ilegais, de 1967. Sua prisão motivou protestos das
organizações de direitos humanos e da comunidade Segurança e direitos humanos
médica. Persistiram as demandas por novas leis internas
 Em 10 de julho, 24 integrantes de diversas forças de antiterrorismo. A Lei de Poderes Especiais das Forças
segurança e 20 supostos maoístas foram mortos em Armadas, de 1958, não foi revogada apesar do grande
ataques e contra-ataques ocorridos em Konta. número de protestos. Uttar Pradesh juntou-se à lista dos
Abusos semelhantes contra os direitos humanos foram estados com leis de controle do crime organizado que
registrados em vários outros estados, dentre eles prevêem a possibilidade de detenção arbitrária.
Karnataka, Jharkhand e Andhra Pradesh.
 Em 10 de julho, cinco ativistas adivasi foram mortos Impunidade
pela polícia de Karnataka, em Adyaka, no distrito de A impunidade continuou disseminada pelo país.
Chikmagalur. Jammu e Caxemira
 Em 20 de agosto, 11 mulheres adivasi foram Tanto atores estatais quanto não-estatais continuaram a
abusadas sexualmente pela polícia de Andhra Pradesh, gozar de impunidade por crimes de tortura, por mortes
em Vakpalli, no distrito de Visakhapatnam. sob custódia, por seqüestros e por assassinatos. Uma
 Em 26 de outubro, maoístas armados detonaram uma organização de direitos humanos denunciou que, nos I
mina terrestre em Vidyanagar, no distrito de Nellore, últimos 18 anos, 1.051 pessoas foram vítimas de
aparentemente com intuito de atingir o ex-ministro-chefe desaparecimentos forçados somente no distrito de
(equivalente a governador) de Andhra Pradesh, N Baramulla. Organizações de direitos humanos
Janardhana Reddy, e sua esposa, N Rajyalakshmi, contestaram as declarações oficiais de que não houve
secretária de governo. Três integrantes da comitiva desaparecimentos até o dia 10 de novembro de 2007.
também foram mortos. As organizações afirmaram que 60 pessoas haviam
 Em 27 de outubro, maoístas armados realizaram desaparecido desde 2006 e que nove delas
disparos durante um festival cultural em Chikhadia, desapareceram em 2007. Cinco pessoas, supostamente
matando 18 pessoas. detidas ilegalmente, foram encontradas. Foram poucos
Os ativistas que fizeram campanha pelo direito à terra ou os casos em que se iniciaram ações criminais por
por questões ambientais relacionadas às comunidades violações de direitos humanos cometidas em anos
marginalizadas foram vítimas de abusos. anteriores.
 Em julho, Saroj Mohanty, escritor e ativista que se  Em maio, o Tribunal Superior de Jammu e Caxemira
manifestou contra a ameaça de desalojamento de uma ordenou à polícia estadual que abrisse inquérito para
comunidade adivasi devido a um projeto industrial da apurar as acusações de assassinato contra 11 policiais
Utkal Alumina, em Kashipur, Orissa, foi detido sob da Polícia de Fronteira Indo-Tibetana, em conexão com o
acusações de roubo qualificado (dacoity), violação do desaparecimento de Ashraf Ahmad Koka, um morador
direito de propriedade e tentativa de assassinato. de Gond, em outubro de 2001.
 Roma, um ativista que trabalhava com os dalits e com Gujarat
os adivasis em Mirzapur, Uttar Pradesh, foi detido em Cinco anos depois de milhares de muçulmanos serem
agosto de acordo com a Lei de Segurança Nacional. atacados e mais de dois mil serem mortos, a justiça não
As novas leis que garantem aos adivasis o direito de se cumpriu para a maioria das vítimas e sobreviventes.
acesso às terras florestais foram praticamente ignoradas, Os responsáveis pelos episódios de violência indicaram
e as comunidades foram vítimas de violência policial. aos meios de comunicação que membros do Partido

Informe 2008 - Anistia Internacional 125


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 126

Bharatiya Janata (no governo) estariam envolvidos; Assam


porém, não houve qualquer investigação substancial a Uma comissão de inquérito criada para investigar os
esse respeito. homicídios ilegais de 35 indivíduos ligados à Frente de
Poucas providências foram tomadas com relação a Libertação Unida de Asom, cometidos entre 1998 e
um relatório oficial apontando para mais de cinco mil 2001, divulgou suas conclusões em novembro. A
famílias desalojadas que continuavam a viver em comissão concluiu que os assassinatos foram
condições “subumanas” em Gujarat. Vários casos executados por desertores de uma organização sob o
importantes de assassinatos e de abusos sexuais comando do ex-ministro-chefe (governador) e da polícia
cometidos contra mulheres muçulmanas ainda estavam estadual. Não ficou esclarecido se algum dos
pendentes na Suprema Corte. responsáveis seria levado à Justiça.
Em maio, as autoridades de Gujarat admitiram o
envolvimento de integrantes da cúpula da polícia no Pena de morte
assassinato de Sohrabuddin Shaikh e de sua esposa, Pelo menos 100 pessoas foram sentenciadas à morte,
Kausar Bi, ocorrido em novembro de 2005. Depois disso, apesar de não ter havido nenhuma execução. Em
familiares de pelo menos três outras pessoas dezembro, a Índia votou contra uma resolução da
assassinadas pela polícia em anos anteriores solicitaram Assembléia Geral da ONU que determinava uma
a abertura de novas investigações. moratória à pena de morte.
Punjab
A maioria dos policiais responsáveis por graves violações Visitas e relatórios da AI
dos direitos humanos cometidas durante as  Representantes da Anistia Internacional visitaram a Índia em agosto e
perturbações civis ocorridas entre 1984 e 1994 em em novembro e se encontraram com funcionários do governo e com
Punjab continuou impune. Os resultados do inquérito, membros de organizações da sociedade civil.
feito pelo Escritório Central de Investigação, sobre as  Need for effective investigations and prosecutions as political violence
alegações de que 2.097 pessoas assassinadas foram continues in West Bengal (ASA 20/020/2007)
I cremadas pela polícia ainda não haviam sido  Indian helicopters for Myanmar: making a mockery of embargoes? (ASA
completamente divulgados nove anos após o início da 20/014/2007)
investigação. No distrito de Amritsar, a Comissão  A pattern of unlawful killings by the Gujarat police: Urgent need for
Nacional de Direitos Humanos (CNDH) indenizou os effective investigations (ASA: 20/011/2007)
familiares de 1.298 vítimas desses assassinatos.  Five years on – the bitter and uphill struggle for justice in Gujarat (AI
Entretanto, a CNDH foi criticada pela demora nas Index: ASA 20/007/2007)
investigações, e uma comissão designada pela própria
CNDH, em 2006, para analisar pedidos de indenização
também foi criticada por organizações de direitos
humanos, em outubro, devido a várias falhas.
Em maio, o governo determinou que fosse feita uma
investigação sobre três homicídios ilegais cometidos pela
INDONÉSIA
polícia em Punjab, entre 1993 e 1994, após informações
REPÚBLICA DA INDONÉSIA
de que três pessoas registradas como mortas teriam Chefe de Estado e de governo: Susilo Bambang Yudhoyono
reaparecido em sua cidade natal. Pena de morte: retencionista
Karnataka e Tâmil Nadu População: 228,1 milhões
Onze anos depois de as acusações de homicídios ilegais, Expectativa de vida: 69,7 anos
de tortura, de abuso sexual e de detenção ilegal de Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 46/37 por mil
Taxa de alfabetização: 90,4 por cento
adivasis terem sido feitas pela primeira vez contra uma
força conjunta Tâmil Nadu e Karnataka, criada para
prender contrabandistas de sândalo, a CNDH ainda não
abriu inquérito contra nenhum dos 38 policiais acusados Houve denúncias de tortura, de uso excessivo da
de responsabilidade pelos abusos. Em janeiro, a CNDH força e de homicídios ilegais cometidos pela polícia
indenizou provisoriamente 89 das 140 vítimas e de seus e pelas forças de segurança. A maior parte dos
familiares que haviam feito as acusações. perpetradores de graves violações dos direitos

126 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 127

humanos no passado, inclusive nas províncias de Liberdade de expressão


Nanggroe Aceh Darussalam (NAD), Papua e Timor- A liberdade de expressão continuou a ser
Leste, continuou a desfrutar de impunidade.A severamente restringida.Houve um aumento
situação em Papua continuou tensa com o aumento significativo dos ataques e das ameaças contra os
das ameaças e dos ataques direcionados contra defensores de direitos humanos após a visita, em
ativistas de direitos humanos e líderes religiosos. junho, da representante especial do secretário-geral
O número de possíveis prisioneiros de consciência da ONU para os defensores de direitos humanos,
teve um aumento acentuado, com até 76 pessoas Hina Jilani. Ela expressou preocupações com a
detidas por expressarem pacificamente suas persistente impunidade para as violações cometidas
opiniões políticas e religiosas. no passado contra os defensores de direitos humanos
e com a falta de iniciativas concretas do governo para
Forças policiais e de segurança proteger os defensores, inlcusive de proteção
As violações de direitos humanos cometidas pela específica para aqueles que trabalham com os
polícia e pelos militares incluíam o uso excessivo direitos de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros
da força durante manifestações e ao efetuar prisões, (GLBT) e com as pessoas que vivem com HIV/Aids.
os tiroteios fatais e a tortura. A representante chamou a atenção para as
 Em janeiro, segundo informações, dois homens hostilidades e as intimidações contínuas dos
gays foram espancados, receberam chutes e foram defensores por parte da polícia, do Exército e de
agredidos verbalmente por vizinhos antes de serem outros órgãos de segurança e de inteligência, e
arbitrariamente detidos pela polícia.Eles foram também para as restrições de acesso às vítimas e aos
levados para o posto policial de Banda Raya, na locais onde ocorreram violações de direitos humanos,
província de Aceh, onde ainda sofreram abusos principalmente em Papua.
sexuais e outras formas de tortura e de maus- Até 63 pessoas foram detidas e presas por
tratos.Ao que parece, os homens foram agredidos expressarem pacificamente suas opiniões.Além
unicamente por causa de sua orientação sexual. destas, 13 pessoas presas em anos anteriores I
 Em maio, quatro pessoas, entre as quais uma continuaram encarceradas.
mulher grávida, foram mortas a tiros durante um  Em junho, pelo menos 21 pessoas foram presas em
confronto entre fuzileiros navais e camponeses a Ambon, na província de Maluku, após uma visita do
respeito de uma disputa por terras.Outras oito Presidente. Segundo relatos, os dançarinos que
pessoas, entre elas uma criança de 4 anos, ficaram apresentavam uma dança tradicional local para o
feridas.Em julho, a Comissão Nacional de Direitos Presidente foram detidos após levantarem a bandeira
Humanos (Komnas HAM) pediu aos militares que da independência de Moluku.Durante o interrogatório,
permitissem aos moradores continuarem utilizando segundo informações, eles foram espancados e
as terras que estavam sob litígio, em Pasuruan, ameaçados.A maioria deles foi acusada de “rebelião”,
enquanto aguardavam uma decisão definitiva da com base nos artigos 106 e 110 do Código Penal: um
Justiça. A Comissão pediu ainda que o governo e o crime passível de punição com a sentença máxima de
Exército indenizassem as vítimas pelos prejuízos que prisão perpétua.Eles eram considerados possíveis
elas e suas famílias sofreram.Treze fuzileiros navais prisioneiros de consciência.
foram apontados como suspeitos nos tiroteios.No fim Em julho, o Tribunal Constitucional considerou
do ano, nenhum deles havia sido processado e todos inconstitucionais os artigos 154 e 155 do Código
haviam reassumido suas funções. Penal, que definiam crimes conhecidos comumente
Em novembro, o relator especial da ONU sobre como “semeadores de ódio”.Estes artigos
a tortura, Manfred Nowak, visitou a Indonésia. criminalizavam a “expressão pública de sentimentos
Ele concluiu que devido à falta de salvaguardas de hostilidade, de ódio ou de desprezo contra o
legais e institucionais, bem como à predominância governo” e proibiam “a expressão de tais sentimentos
de uma impunidade estrutural, as pessoas privadas ou opiniões nos meios de comunicação”.Estes delitos
de liberdade ficavam extremamente vulneráveis a foram usados com freqüência pelo governo para
tortura e a outras formas de maus-tratos. restringir as críticas pacíficas e para prender
adversários políticos, pessoas que criticavam o

Informe 2008 - Anistia Internacional 127


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 128

governo, estudantes e defensores dos direitos Impunidade


humanos.Apesar de a determinação do tribunal ter Em maio, o novo procurador-geral, Hendarman
sido bastante bem recebida, sua aplicação não era Supandji, requereu ao Supremo Tribunal a revisão
retroativa.Os prisioneiros de consciência Filep Karma, do caso do assassinato do ativista dos direitos
sentenciado a 15 anos, e Yusak Pakage, sentenciado humanos Munir Said Thalib, ocorrido em 2004,
a 10 anos, continuaram presos. Parte de sua pelo qual ninguém havia sido responsabilizado.
condenação, em maio de 2005, por levantar a A Comissão da Verdade e da Amizade,
bandeira de Papua, foi baseada nos artigos 154 e 155. estabelecida conjuntamente pela Indonésia e pelo
Timor-Leste para documentar os crimes cometidos
Papua no Timor-Leste em 1999 e para promover a
Um conflito menos intenso prosseguiu entre as forças reconciliação, deu início a suas investigações por
de segurança e os militantes pró-independência meio de audiências públicas e fechadas. Em julho,
em Papua. Os militares, várias vezes, ameaçaram o secretário-geral da ONU instruiu os funcionários
membros das comunidades locais que apoiavam a das Nações Unidas a não testemunharem perante
independência de modo pacífico.Um oficial do a Comissão, a menos que suas atribuições fossem
Exército que havia sido indiciado por crimes contra revistas a fim de se adequarem às normas
a humanidade no Timor-Leste, mas que ainda não internacionais, observando que a ONU não apóia
havia sido julgado, foi nomeado comandante do nem aprova anistias para genocídio, para crimes
Exército em Jayapura, a capital de Papua. Entre as contra a humanidade, crimes de guerra e para
denúncias de violações dos direitos humanos violações graves dos direitos humanos, e nem toma
cometidas pelas forças de segurança incluíam-se qualquer medida que possa facilitar a concessão
execuções extrajudiciais, tortura e uso excessivo da de anistias.Observadores nacionais e internacionais
força. também manifestaram preocupação com o
 Albert Rumbekwan, diretor da Comissão Nacional tratamento que a Comissão dispensou às vítimas
I de Direitos Humanos (Komnas HAM) na província de durante as audiências e com a possibilidade de
Papua, foi ameaçado de morte e estava sob vigilância uma apreciação tendenciosa dos testemunhos de
depois da visita da representante especial da ONU militares, de membros de milícias e de burocratas
para os defensores de direitos humanos. frente ao testemunho das vítimas. O mandato da
Comissão foi prorrogado até o início de 2008.
Pena de morte
Em abril, Ayub Bulubili foi executado por um pelotão Discriminação e violência contra a mulher
de fuzilamento pelo assassinato premeditado de uma Em março, um projeto de lei para a erradicação do
família de seis pessoas. Sabe-se que pelo menos 115 crime de tráfico de pessoas foi aprovado e tornou-se
pessoas estavam condenadas à morte no fim de lei.As ONGs locais consideraram positiva a inclusão
2007. de uma definição de exploração sexual, de cláusulas
Em fevereiro, um grupo de advogados indonésios sobre a facilitação do tráfico e de imunidade para as
propôs que o Tribunal Constitucional procedesse a vítimas. Entretanto, as organizações observaram a
uma revisão jurídica da Lei de Narcóticos de insuficiência de cláusulas que criminalizassem o
1997.Eles argumentaram que a cláusula que prevê tráfico de crianças e, sobretudo, apontaram para a
a pena de morte para crimes envolvendo drogas necesidade de se fazer distinções entre esse tipo
contradiz a Constituição de 1945, que garante o de abuso e outros abusos relacionados ao tráfico
direito à vida. Os advogados representavam cinco de pessoas.
pessoas que haviam sido condenadas à morte por As mulheres empregadas domésticas, que foram
crimes relacionados a drogas: Edith Yunita Sianturi, excluídas da Lei da Mão-de-Obra nacional, foram
Rani Andriani (Melisa Aprilia) e três cidadãos vítimas de violações dos seus direitos trabalhistas,
australianos, Myuran Sukumaran, Andrew Chan bem como de abusos físicos e psicológicos,
e Scott Anthony Rush.Em outubro, o recurso foi inclusive de natureza sexual, em seus locais de
rejeitado pelo Tribunal Constitucional. trabalho.Apesar de o Ministério da Mão-de-Obra ter
elaborado projeto de lei sobre empregados

128 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 129

domésticos em junho de 2006, nenhuma medida foi


tomada para que o projeto se transformasse em lei.
Sendo assim, os empregados domésticos
IRÃ
continuaram excluídos de proteção legal que REPÚBLICA ISLÂMICA DO IRÃ
determine um número máximo de horas de Chefe de Estado: Líder da República Islâmica do Irã:
trabalho, um salário mínimo e proteções específicas Ayatollah Sayed Ali Khamenei
Chefe de governo: Presidente: Mahmoud Ahmadinejad
para as empregadas domésticas mulheres,
Pena de morte: retencionista
proteções estas comtempladas na Lei da Mão-de- Tribunal Penal Internacional: assinado
Obra para outros tipos de trabalhadores. População: 69,4 milhões
Expectativa de vida: 70,2 anos
Saúde Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 32/31 por mil
Taxa de alfabetização: 82,4 por cento
A Indonésia tem um dos índices de mortalidade
materna mais altos do sudeste asiático. Estima-se
que, para cada 100 mil nascimentos, 230 a 310
mulheres morram a cada ano.Em fevereiro, a As autoridades continuaram a suprimir as diferenças
Organização Mundial de Saúde (OMS) destacou as de opinião. Jornalistas, escritores, acadêmicos,
principais causas das mortes: mutilação genital ativistas comunitários e ativistas dos direitos das
feminina (MGF); casamentos em idade precoce; mulheres foram submetidos a prisões arbitrárias,
falta de acesso a informações sobre saúde proibição de viagens, intimidações e fechamento de
reprodutiva e sexual, bem como à educação e a suas ONGs. A oposição armada, sobretudo de grupos
serviços; falta de acesso a assistência médica curdos e balúchis, continuou; assim como continuou
durante a gravidez e o parto; falta de conhecimento a repressão do Estado iraniano às comunidades
sobre doenças sexualmente transmissíveis, sobre minoritárias. A discriminação contra as mulheres
HIV/Aids e sobre métodos contraceptivos; alta permaneceu arraigada tanto na lei quanto na prática.
incidência de abortos inseguros. A tortura e outros maus-tratos ocorreram de modo I
Em fevereiro, um estudo feito conjuntamente pelo generalizado nas prisões e nos centros de detenção.
Ministério da Saúde e pela OMS chamou a atenção Um endurecimento das medidas de segurança,
para a rápida disseminação do HIV e da Aids entre anunciado em abril, foi marcado por um aumento
os grupos considerados de alto risco, entre os quais acentuado no número de execuções: pelo menos
usuários de drogas, transexuais e profissionais do 335 pessoas foram executadas, entre elas menores
sexo, principalmente nas regiões da Indonésia em infratores. Sentenças de lapidação, amputação e
que a assistência à saúde era mais precária.Uma açoitamento continuaram a ser proferidas e
pesquisa financiada pelo governo concluiu que mais executadas.
de 2 por cento da população de Papua estava
infectada com o HIV, ao passo que essa incidência Informações gerais
era de 0,2 por cento entre a população geral da O programa iraniano de enriquecimento de urânio
Indonésia.Em novembro, pela primeira vez foi continuou a ser um foco de tensão internacional.
lançada uma campanha nacional estimulando o uso Autoridades estadunidenses e israelenses se
da camisinha recusaram a descartar a possibilidade de uma ação
militar contra o Irã. Em março, o Conselho de
Relatórios da AI Segurança da ONU impôs novas sanções. Em
 Indonesia: Exploitation and abuse: the plight of women domestic setembro, o governo dos EUA definiu a Guarda
workers (ASA 21/001/2007) Revolucionária do Irã como uma "organização
 Indonesia (Aceh): Torture of gay men by the Banda Raya police (ASA terrorista" por supostamente apoiar insurgentes no
21/004/2007) Iraque e no Afeganistão. Em dezembro, os órgãos de
 Indonesia: Amnesty International deplores death penalty for drug inteligências dos Estados Unidos publicaram um
offences (ASA 21/020/2007) relatório afirmando que o Irã havia encerrado
 Indonesia: Indonesia: Submission to the UN Universal Periodic Review: quaisquer programas de armas nucleares em 2003.
First session of UPR Working Group 7-18 April 2008 (ASA 21/021/2007) No mesmo mês, a Assembléia Geral da ONU condenou

Informe 2008 - Anistia Internacional 129


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 130

a situação dos direitos humanos no Irã. represálias, inclusive detenções arbitrárias e tortura.
O aiatolá Meshkini, presidente da Assembléia dos Defensores de direitos humanos foram
Peritos, o órgão que supervisiona a nomeação do Líder individualmente perseguidos devido ao seu trabalho;
Supremo, morreu em julho. Ele foi substituído pelo ex- alguns eram prisioneiros de consciência.
presidente do Irã, Hashemi Rafsanjani.  Emaddedin Baghi, presidente da Associação para
Com a deterioração da situação econômica, cada a Defesa dos Prisioneiros e importante ativista contra a
vez mais iranianos estão vivendo na pobreza. pena de morte, foi detido em outubro após ser intimado
Em junho, houve tumultos após a introdução de um a prestar esclarecimentos sobre acusações de "pôr em
racionamento de gasolina. Uma greve de três meses risco a segurança nacional". Ao comparecerem para
dos trabalhadores da usina de cana-de-açúcar Haft pagar a fiança, seus familiares foram informados de
Tapeh, na província do Khuzistão, por causa de que ele agora deveria cumprir a pena de uma sentença
benefícios e de salários que não foram pagos, foi suspensa, imposta em 2003, por motivos como
interrompida à força pelas forças de segurança em "publicar mentiras". Em julho de 2007, outra pena de
outubro. Os funcionários da Haft Tapeh juntamente prisão que ele recebeu por "fazer propaganda favorável
com professores e com outros trabalhadores aos oponentes", por causa de seu trabalho em favor
realizaram grandes manifestações, quando várias dos árabes iranianos condenados à morte após
pessoas foram presas. julgamentos injustos, aguardava julgamento de
recurso. Em outubro, sua esposa, Fatemeh Kamali
Liberdade de expressão Ahmad Sarahi, e sua filha, Maryam Baghi, receberam
Leis redigidas de forma vaga e práticas severas sentenças de prisão de três anos com pena suspensa
resultaram na repressão generalizada a expressões por se "reunirem e conspirarem com a intenção de
pacíficas de opiniões divergentes. As manifestações prejudicar a segurança nacional", após participarem,
freqüentemente acabavam com prisões em massa e em 2004, de uma oficina de direitos humanos em
julgamentos injustos. As autoridades mantiveram Dubai. Em dezembro, ele sofreu convulsões enquanto
I restrições rigorosas de acesso à Internet. Jornalistas, estava sob custódia.
acadêmicos e internautas, alguns inclusive com dupla  Mansour Ossanlu, presidente do sindicato que
nacionalidade, que mantinham blogs na Internet, representa os trabalhadores da empresa de ônibus de
foram detidos e sentenciados a penas de prisão ou Teerã e de seus subúrbios (Sharekat-e Vahed), foi
açoitamento; diversos periódicos foram fechados. detido, em julho, depois de visitar a Europa para buscar
Em abril, o ministro da Inteligência, Gholam Hossein apoio ao movimento de sindicatos independentes.
Ejei, acusou publicamente os estudantes e o Após protestos internacionais, ele recebeu tratamento
movimento das mulheres de fazerem parte de uma médico por um ferimento no olho, que teria sido
tentativa de conseguir uma "suave derrubada" do causado durante uma contenda com carcereiros
governo iraniano. quando estivera detido anteriormente. Em outubro,
 Ali Farahbakhsh, jornalista, obteve uma concessão um tribunal de recursos manteve a sentença de prisão
de liberdade condicional antecipada, em outubro, após de cinco anos que havia sido imposta em fevereiro.
11 meses de detenção. Ele foi condenado por
"espionagem" e por "receber dinheiro de estrangeiros" Discriminação contra as mulheres
em conexão com sua participação em uma conferência As mulheres continuaram a enfrentar discriminação
sobre mídia na Tailândia. generalizada, tanto na lei quanto na prática. Milhares
foram presas por não seguirem o código de vestuário
Defensores de direitos humanos obrigatório.
Grupos independentes de direitos humanos e outras Ativistas que trabalhavam para a Campanha pela
organizações não-governamentais continuaram Igualdade, que visava a coletar um milhão de
enfrentando longas demoras, geralmente durante assinaturas no Irã, pedindo que se acabasse com a
anos, para obter registro oficial, o que os colocava em discriminação legalizada contra as mulheres, foram
risco de serem fechados por estarem operando presas e sofreram hostilidades. Em agosto, Nasim
ilegalmente. Estudantes que fizeram campanha por Sarabandi e Fatemeh Dehdashti foram sentenciadas
maior respeito aos direitos humanos enfrentaram a seis meses de prisão, com pena suspensa por dois

130 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 131

anos, por "agirem contra a segurança nacional através lhe foi negado acesso a um advogado. Sua família
da divulgação de propaganda contrária ao sistema". afirmou que as autoridades responsáveis pela prisão
Elas foram as primeiras pessoas a serem julgadas e Evin se recusaram a permitir que lhe entregassem os
sentenciadas por coletar assinaturas. No final do ano, remédios de que ele necessitava para tratar de
quatro ativistas da campanha permaneciam detidas doenças cardíacas e hematológicas, colocando sua
sem acusação nem julgamento: Ronak Safarzadeh e vida em risco.
Hana Abdi, duas mulheres curdas que foram detidas, Azeris (azerbaijanos)
respectivamente, em outubro e novembro, em Centenas de ativistas iranianos azeris foram presos
Sanandaj; e Maryam Hosseinkhah e Jelveh Javaheri, por causa de uma manifestação pacífica realizada no
detidas em Teerã, em conexão com seu trabalho de Dia Internacional da Língua Materna, 21 de fevereiro.
edição do site da campanha. As autoridades Os manifestantes pediam que sua própria língua fosse
persistentemente filtravam o site (controlavam seu usada nas escolas e em outras instituições de ensino
conteúdo), dificultando o acesso. em regiões do noroeste iraniano onde mora a maioria
A defensora dos direitos das mulheres Delaram Ali, dos iranianos azeris.
presa em junho de 2006 depois de uma manifestação  O prisioneiro de consciência Saleh Kamrani,
pacífica pedindo maior respeito aos direitos das advogado e defensor dos direitos humanos, ficou
mulheres, teve sua sentença de prisão de 30 meses detido na prisão Evin entre os meses de agosto e
adiada provisoriamente após a realização de uma dezembro. Em setembro de 2006, ele havia sido
campanha local e internacional. Em março, 33 sentenciado a um ano de prisão – com pena suspensa
mulheres ativistas foram presas em frente ao Tribunal por cinco anos – por "divulgar propaganda contra o
Revolucionário de Teerã durante um protesto contra o sistema". Não ficou claro se sua prisão estava
julgamento de cinco mulheres acusadas em conexão relacionada a essa sentença.
com a manifestação de junho de 2006. Todas foram Balúchis
soltas, mas algumas delas irão a julgamento. O grupo armado balúchi Jondallah realizou ataques
contra servidores iranianos, inclusive a explosão de I
Repressão das minorias um ônibus que conduzia oficiais da Guarda
Prosseguiu a repressão às minorias étnicas do Irã, Revolucionária, no mês de fevereiro. O grupo também
que mantiveram sua campanha por um maior tomou reféns, dos quais ao menos um foi morto.
reconhecimento de seus direitos culturais e políticos.  Nasrollah Shanbeh-zehi foi preso após o atentado
Árabes contra o ônibus. Cinco dias mais tarde, ele foi
Pelo menos oito árabes iranianos (ahwazis) foram executado publicamente depois de um julgamento
executados após serem condenados em conexão com sumário.
os atentados a bomba ocorridos em 2005 no  Yaqub Mehrnehad, presidente da Sociedade da
Khuzistão. Acredita-se que ao menos outros 17 árabes Juventude Voz da Justiça, uma organização não-
iranianos aguardem execução após julgamentos governamental reconhecida, foi detido em Zahedan,
injustos relativos ao atentado. Várias dezenas, e no mês de abril, inicialmente pelo Ministério da
possivelmente centenas, de árabes iranianos teriam Inteligência, após uma reunião na secretaria provincial
sido presos no mês de abril, às vésperas do aniversário do Ministério da Cultura e Orientação Islâmica, na qual
dos distúrbios ocorridos em 2005. Os tumultos estaria presente o governador de Zahedan. Até o final
aconteceram em protesto a uma carta que teria sido do ano, ele permanecia na prisão de Zahedan sem ter
escrita por um conselheiro presidencial, o qual negou acesso a um advogado. Ele pode ter sido torturado.
sua autenticidade, expondo uma série de políticas  Em maio, a polícia matou a tiros Roya Sarani, uma
voltadas à redução da população árabe do Khuzistão. menina balúchi de 11 anos, quando ela voltava de
 Em abril, o jornalista Mohammad Hassan Fallahiya carro com seu pai da escola para casa, em Zahedan.
foi sentenciado a três anos de prisão com trabalhos Segundo informações, as autoridades pressionaram
forçados, por escrever artigos que criticavam o governo sua família para que fizesse um funeral discreto.
e por, supostamente, ter feito contato com grupos Acredita-se que não tenha havido nenhuma
oposicionistas baseados fora do Irã. Ele foi detido em investigação sobre sua morte.
novembro de 2006 e, durante todo o processo judicial,

Informe 2008 - Anistia Internacional 131


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 132

Curdos publicações estudantis, presos nesse mesmo mês


Integrantes do Partido por uma Vida Livre no Curdistão na escola Politécnica Amir Kabir, foram torturados,
(Partiya Jiyana Azadîya Kurdistanê, PJAK) atacaram de acordo com suas famílias. Os abusos teriam incluído
forças iranianas que bombardearam áreas do norte do sessões de interrogatório de 24 horas, privação de
Iraque onde acreditavam que se escondessem as sono, espancamento com cabos e com punhos, e
forças do PJAK. Inúmeros curdos foram presos, muitos ameaças aos prisioneiros e a suas famílias. Os quatro
dos quais acusados de filiação ou de manter contato foram presos devido a artigos que servidores da
com grupos proscritos. Jornalistas e defensores de universidade consideraram "ofensivos à santidade
direitos humanos curdos corriam maior risco de serem islâmica". Em julho, as famílias dos estudantes detidos
hostilizados ou detidos. enviaram uma carta aberta ao aiatolá Shahroudi, chefe
 Mohammad Sadiq Kabudvand, presidente da do poder Judiciário, descrevendo a denúncia de
Organização de Direitos Humanos do Curdistão tortura.
(HROK) e editor do semanário proscrito Payam-e  Zahra Bani Yaghoub, formada em medicina, morreu
Mardom, foi detido, em julho, aparentemente por "agir sob custódia em Hamadan no mês de outubro. Ela foi
contra a segurança nacional", por fazer "propaganda presa por caminhar no parque com seu noivo e morreu
contra o sistema" e por "cooperar com grupos opostos no dia seguinte enquanto estava detida. As autoridades
ao sistema"; embora ele não tenha sido acusado disseram que ela se enforcou. Sua família afirmou que
formalmente. Ele queixou-se das condições precárias ela estava se sentindo bem quando falaram com ela ao
da prisão e de maus-tratos, inclusive da negação de telefone, meia hora antes de ela ser encontrada morta.
acesso à latrina, o que teria sido feito, aparentemente, Em novembro, a imprensa informou que o diretor do
com a intenção de forçar outros membros centro de detenção havia sido detido, tendo, mais
proeminentes da HROK a se entregarem aos agentes tarde, sido solto mediante fiança e permanecido no
de segurança para serem interrogados. cargo.
Minorias religiosas  Em novembro, foi determinado que houvesse novo
I Por todo o país, os bahá’ís continuaram sendo julgamento no caso de Zahra Kazemi, uma
perseguidos por causa de sua religião. Ao menos fotojornalista canadense-iraniana morta sob custódia
13 bahá’ís foram presos em pelo menos 10 cidades. em 2003. Ela foi torturada até a morte; porém, a única
Eles foram submetidos a hostilidades e a práticas pessoa processada foi absolvida em 2004, uma
discriminatórias, como obstrução de acesso a decisão que foi mantida em 2005. Ela foi presa por tirar
educação superior, a empréstimos bancários e a fotografias do lado de fora da prisão Evin.
recebimento de pensões. Nove cemitérios bahá’ís
foram profanados. Pena de morte
Em agosto e novembro, embates envolvendo sufis Houve um crescimento acentuado das execuções em
resultaram em várias dezenas de feridos e, em 2007. A Anistia Internacional recebeu informes de que
novembro, em mais de cem prisões. Em setembro, até 335 pessoas foram executadas, apesar de que, na
um casal – um cristão convertido que se casou com verdade, este número provavelmente seja muito maior.
uma mulher cristã em uma cerimônia islâmica – teria Algumas pessoas foram executadas em público,
sofrido açoitamento, em Gohar Dasht, devido a sua fé. geralmente em enforcamentos múltiplos. Sentenças de
morte foram impostas para uma ampla variedade de
Tortura e outros maus-tratos crimes, como contrabando de drogas, roubo com
A tortura e outros maus-tratos foram corriqueiros em arma, homicídio, espionagem, violência política e
muitas prisões e centros de detenção, o que foi delitos sexuais. Um tribunal "especial" no leste do Irã,
facilitado por longos períodos de detenção provisória criado em maio de 2006 para reduzir o tempo entre o
em que os detentos não podiam ter acesso a advogado crime e sua punição, resultou em um grande aumento
ou à família. Ao menos duas pessoas morreram em no número de balúchis executados.
custódia, possivelmente em conseqüência de tortura. Menores infratores
Os torturadores raramente ou nunca eram Ao menos sete pessoas menores de 18 anos à época
responsabilizados por seus crimes. em que cometeram um crime foram executadas, e pelo
 Em maio, quatro estudantes e editores-chefes de menos outros 75 menores infratores aguardavam

132 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 133

execução. Depois dos protestos que aconteceram


dentro e fora do país, as sentenças de morte de pelo
menos dois menores infratores – Sina Paymard e
IRAQUE
Nazanin Fatehi – foram comutadas. REPÚBLICA DO IRAQUE
 Makwan Moloudzadeh, um menor infrator curdo- Chefe de Estado: Jalal Talabani
iraniano, foi executado em dezembro, após um Chefe de governo: Nuri al-Maliki
Pena de morte: retencionista
julgamento flagrantemente injusto, por três estupros
Tribunal Penal Internacional: não ratificado
que ele teria cometido oito anos antes quando tinha População: 28 milhões
13 anos de idade. Ao condená-lo à morte, o juiz Expectativa de vida: 57,7 anos
baseou-se em seu "conhecimento" de que o delito Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 109/102 por mil
havia ocorrido e de que Makwan Moloudzadeh havia Taxa de alfabetização: 74,1 por cento
atingido a puberdade na época do crime, devendo,
portanto, ser julgado e sentenciado como adulto.
Execução por apedrejamento (lapidação) Milhares de civis, inclusive crianças, foram mortos
Jafar Kiani foi apedrejada até a morte em Takestan, no ou feridos em meio à constante violência sectária e a
mês de julho, apesar de uma ordem do chefe do poder outros tipos de violência. Todas as partes envolvidas
Judiciário concedendo uma suspensão temporária da no conflito cometeram violações graves dos direitos
execução. Autoridades mais tarde afirmaram que o juiz humanos, algumas das quais constituem crimes de
do caso havia "se enganado". Pelo menos nove guerra e crimes contra a humanidade. Muitos civis
mulheres, entre as quais a co-acusada com Jafar Kiani, morreram em conseqüência de atentados a bomba
e dois homens ainda corriam risco de lapidação. Em cometidos por grupos contrários ao governo do
novembro, autoridades judiciais declararam que uma Iraque e contrários à força multinacional comandada
nova versão do Código Penal havia sido enviada ao pelos Estados Unidos. Outros civis foram vítimas de
Majlis (Parlamento) para aprovação e que, se matanças sectárias por parte de grupos armados
aprovada, disporia sobre a possibilidade de comutar xiitas e sunitas. Centenas de pessoas foram I
sentenças de apedrejamento. seqüestradas, torturadas e assassinadas, com seus
corpos largados nas ruas ou encontrados pelas
Punições cruéis, desumanas e famílias nos necrotérios. A natureza cada vez mais
degradantes sectária da violência fez com que centenas de
Sentenças de açoitamento e de amputações milhares de pessoas tivessem de abandonar suas
continuaram a ser proferidas e executadas. casas, aumentando o número crescente de
 Em novembro, Soghra Mola’i foi açoitada 80 vezes refugiados iraquianos na Síria, na Jordânia e em
por manter "relações ilícitas", depois que sua sentença outros países, e fazendo com que esse número
de morte por apedrejamento foi revogada após um chegasse a dois milhões de pessoas. Além disso, o
novo julgamento. Ela permaneceu na prisão para número de pessoas deslocadas dentro do Iraque
cumprir uma sentença por envolvimento no ultrapassou os dois milhões. Essa situação agravou
assassinato de seu marido. ainda mais a crescente crise humanitária. As forças
Ao menos oito pessoas tiveram seus dedos ou mão de segurança iraquianas também cometeram graves
amputados após serem condenados por roubo. violações de direitos humanos, como homicídios
ilegais, estupros e outras formas de tortura, e ainda
Relatórios da AI prisões e detenções arbitrárias. A força
 Iran : Human rights abuses against the Baluchi minority (MDE multinacional matou civis e manteve presas mais de
13/104/2007) 25 mil pessoas sem acusação ou julgamento, entre
 Iran: The last executioner of children (MDE 13/059/2007) as quais algumas que ficaram presas por vários anos.
Civis também foram mortos por seguranças
contratados por empresas militares privadas e por
empresas de segurança que, até outubro, gozavam
de imunidade jurídica no Iraque. A pena de morte foi
amplamente utilizada e 33 pessoas foram

Informe 2008 - Anistia Internacional 133


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 134

executadas, algumas após julgamentos Abusos de grupos armados


flagrantemente injustos. Grupos armados, entre os quais os grupos islâmicos e
nacionalistas que lutam contra as forças comandadas
Informações gerais pelos EUA e contra o governo iraquiano, bem como a
Em janeiro, o presidente dos EUA, George W. Bush, Al Qaeda e as milícias afiliadas a grupos religiosos
anunciou o envio de um novo contingente de 20 mil xiitas, cometeram graves abusos dos direitos
soldados como parte de um "revigoramento" militar humanos. Muitos desses abusos foram cometidos
para melhorar a segurança, principalmente na área durante episódios de violência sectária entre grupos
de Bagdá, e para ajudar o governo iraquiano a obter armados xiitas e sunitas, que tentavam eliminar,
maior controle sobre a situação. O "revigoramento" foi respectivamente, sunitas e xiitas dos bairros de
acompanhado de iniciativas econômicas e políticas, moradia mista, retirando as pessoas de suas casas ou
como planos de reconstrução e criação de empregos, atacando-as nas ruas para assassiná-las.
realização de eleições provinciais, e a finalização de Frequentemente, os corpos eram abandonados com
legislação contenciosa, como a lei de extração de marcas de tortura e mutilações. Membros de minorias
petróleo. O progresso nessas áreas, porém, foi étnicas e religiosas – yadizis, cristãos, sabeus e
limitado. palestinos – também se tornaram vítimas desses
Apesar do "revigoramento", a violência abusos, como também o foram mulheres, defensores
permaneceu disseminada e severa, embora houvesse de direitos humanos, juízes, médicos e outros
informações de que teria diminuído no final do ano. O profissionais.
governo e o Parlamento foram prejudicados por  No dia 18 de abril, ao menos 140 pessoas foram
divisões políticas e por um boicote dos parlamentares mortas quando um carro-bomba explodiu em um
que representavam partidos políticos contrários ao mercado de Al Sadriya, um distrito
primeiro-ministro Nuri al-Maliki. predominantemente xiita de Bagdá.
Em abril, o ACNUR convocou uma conferência  Em 12 de maio, Adib Ibrahim al-Jalabi, médico e
I internacional na Suíça em resposta à crescente crise pessoa de destaque na Organização Islâmica pelos
humanitária causada pelo êxodo de refugiados Direitos Humanos (Mosul), foi assassinado por homens
iraquianos e pelos deslocamentos de pessoas dentro armados que se acredita pertencerem à Al Qaeda,
do Iraque. após sair de sua clínica em Mosul.
Em agosto, o líder religioso xiita Moqtada al-Sadr  Em 3 de junho, o padre caldeu Ragheed Ganni e três
anunciou que o exército Mahdi, formado por seus diáconos foram mortos a tiros por agressores
seguidores, cessaria os ataques por um período de desconhecidos em Mosul.
até seis meses e cooperaria com as forças de  Em 7 de julho, cerca de 150 pessoas foram mortas e
segurança iraquianas. mais de 265 ficaram feridas em um atentado suicida
No mesmo mês, o Conselho de Segurança da com carro-bomba em um mercado público de Amerli,
ONU aprovou a Resolução 1770, que, entre outras um vilarejo de população predominantemente
coisas, autoriza a Missão de Assistência das Nações turcomana xiita, na província (governorado) de
Unidas para o Iraque (UNAMI), mediante solicitação Saladino.
do governo iraquiano, a promover conversações  Em agosto, Mostafa Ahmad, motorista de táxi e
políticas entre os grupos étnicos e políticos do país, refugiado palestino, foi seqüestrado por homens
bem como negociações regionais sobre questões armados aparentemente pertencentes ao exército
relativas à segurança na fronteira do Iraque, à energia Mahdi. Dois dias depois, os seqüestradores usaram
e à crise humanitária. A resolução, entretanto, não seu telefone celular a fim de avisar sua família para
tratou adequadamente da grave situação dos direitos buscar seu corpo no necrotério; ele havia sido
humanos no país. torturado com uma furadeira, seus dentes haviam sido
Em dezembro, as forças do Reino Unido passaram arrancados e ele havia levado seis tiros.
o controle da província de Basra para as forças do  No dia 14 de agosto, mais de 400 pessoas foram
governo iraquiano. mortas e pelo menos 300 ficaram feridas em quatro
atentados suicidas que explodiram tanques de
combustível em Al Qahtaniya, Al Jazira e Tal Uzair,

134 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 135

vilarejos próximos à fronteira com a Síria, habitados iraquiana, 13 civis foram mortos, entre os quais duas
principalmente por membros da seita minoritária crianças, e vários outros foram feridos. Um militar dos
yazidi. Entre as vítimas estavam muitas crianças. EUA declarou que um comitê estava examinando o
 No dia 28 de outubro, Shehab Mohammad al-Hiti, incidente.
sunita e editor do jornal semanal Baghdad al-Youm, foi  Em agosto, um soldado dos EUA foi condenado a
seqüestrado em Al-Jamia, Bagdá. Posteriormente, ele 110 anos de prisão, com direito a liberdade
foi encontrado morto a tiros. condicional, pelo estupro seguido da morte de ‘Abeer
Qasim Hamza al-Janabi, uma menina de 14 anos, e
Matanças por parte das forças de pelo assassinato de três membros da família da jovem,
segurança iraquianas em Mahmoudiya, em março de 2006. Um tribunal
As forças de segurança iraquianas mataram civis de militar em Kentucky (EUA) considerou o soldado
modo ilegal. Em alguns casos, apesar de terem sido culpado de "estupro, conspiração para cometimento
anunciadas investigações, seus resultados não foram de estupro, violação de domicílio com a intenção de
divulgados. cometer estupro, e quatro acusações de homicídio
 No dia 27 de março, atiradores vestindo uniformes qualificado". Dois outros solados, que já haviam
da polícia mataram 70 árabes sunitas na cidade de admitido ter estuprado a menina, receberam penas de
população mista Tal-'Afar, próxima a Mosul, prisão perpétua no mês de fevereiro.
aparentemente em represália a um ataque suicida
cometido por um insurgente sunita em um bairro xiita Prisões e detenções arbitrárias
da cidade. Segundo informações, os sobreviventes A força multinacional e as forças de segurança
relataram que os atiradores arrastaram os homens de iraquianas mantinham presas 60 mil pessoas,
suas casas, algemaram-nos, vendaram seus olhos e, conforme estimativas de novembro do Comitê
então, os fuzilaram com grande quantidade de tiros. Internacional da Cruz Vermelha (CICV). A maioria
Dois dias depois, o governo reconheceu que a polícia encontrava-se detida indefinidamente, sem acusação
havia sido responsável pela matança e, segundo ou julgamento, na condição de “detentos de I
informações, 13 policiais teriam sido detidos segurança”. Em outubro, o comandante de
brevemente. Não ficou claro se algum deles foi levado à operações para detentos da força multinacional disse
Justiça. que a força mantinha cerca de 25 detentos no campo
Bucca, na região sul, nos campos Victory e Cropper,
Matanças e outras violações cometidas próximos ao Aeroporto Internacional de Bagdá, e em
pela força multinacional mais outros locais. Entre os detentos estavam 840
As forças dos EUA cometeram graves violações de menores e 280 estrangeiros, a maioria de países
direitos humanos, como homicídios ilegais de civis, árabes. Logo após a declaração, a força multinacional
prisões arbitrárias, destruição de propriedade e começou a libertar os detentos. Em dezembro,
buscas domiciliares violentas. Um número reduzido milhares de detentos haviam sido soltos com a
de soldados dos EUA e do Reino Unido foi julgado e condição de não representarem uma ameaça à
condenado por violações de direitos humanos segurança e de suas famílias oferecerem garantia de
cometidas em anos anteriores. que teriam boa conduta.
 Em 28 de setembro, as forças dos EUA lançaram um
ataque aéreo noturno que tinha como alvo um edifício Tortura e outros maus-tratos
localizado em um bairro majoritariamente sunita de Foram corriqueiros os relatos de tortura e de outros
Saha, no sudoeste de Bagdá. Pelo menos 10 homens, maus-tratos de detentos, inclusive de menores, pelas
mulheres e crianças foram mortos. forças de segurança iraquianas, sobretudo do
 Em 21 de outubro, após violentos confrontos entre Ministério do Interior. Milhares de prisioneiros foram
as forças dos EUA e atiradores do exército Mahdi, em mantidos nas prisões extremamente superlotadas
Sadr City, em Bagdá, as forças dos EUA usaram administradas por iraquianos, nas delegacias de
helicópteros para, segundo informações, atingir um polícia e nos campos de detenção, sendo que muitos
homem suspeito de ter seqüestrado soldados da força deles não tinham acesso a advogado, situação que
multinacional. Durante o ataque, segundo a polícia facilita a ocorrência de tortura. Em maio, ex-detentos

Informe 2008 - Anistia Internacional 135


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 136

de uma unidade prisional no bairro majoritariamente Hussain Jihad Hassan, ‘Abdel-Qader Qasim Jameel,
xiita de Kadhimiya, em Bagdá, relataram a um Mostafa Mahmoud Isma’il, Qais Habib Aslem e Islam
funcionário da ONU que eles haviam sido submetidos Mostafa ‘Abdel-Sattar – foram condenados à morte
a "espancamentos freqüentes, suspensão pelos pelo TPCI, por seqüestro e morte de um homem no
membros durante longos períodos de tempo, distrito de Adhamiya, em Bagdá. Não se sabia se eles
aplicação de choques elétricos em partes sensíveis do haviam sido executados.
corpo e ameaças de maus-tratos a familiares
próximos". Como já havia acontecido em anos Abusos cometidos por seguranças e por
anteriores, o governo anunciou que conduziria militares privados
investigações sobre denúncias específicas de abusos Guardas armados de origem estrangeira empregados
cometidos pelas forças de segurança iraquianas, mas por empresas militares e de segurança privadas
não tornou público o resultado dessas investigações, mataram civis. As empresas de segurança contavam
aumentando as preocupações de que houve com imunidade jurídica, segundo a Ordem 17,
impunidade generalizada. expedida em 2004 por Paul Bremer, então chefe da
 No dia 4 de março, tropas britânicas e iraquianas Autoridade Provisória da Coalizão. No entanto, após
encontraram cerca de 30 prisioneiros, inclusive alguns um grave incidente ocorrido em setembro,
que apresentavam sinais de tortura, quando invadiram envolvendo a empresa Blackwater, com sede nos
a sede de um órgão de inteligência do governo em EUA, o governo iraquiano apresentou um projeto de
Basra. lei que revogaria a Ordem 17.
 Em outubro, a Associação dos Prisioneiros por  No dia 16 de setembro, 17 civis iraquianos foram
Justiça, uma ONG iraquiana de direitos humanos, mortos e 27 foram feridos, quando seguranças da
afirmou ter entrevistado cinco adolescentes entre 13 e Blackwater dispararam contra civis em um
17 anos torturados pelas forças de segurança movimentado cruzamento do bairro Al Mansour, em
iraquianas, que suspeitavam que esses jovens Bagdá. A empresa afirmou que seus seguranças
I prestassem auxílio a insurgentes e a milícias. atiraram em legítima defesa. Porém, testemunhas e o
governo iraquiano afirmaram que os seguranças
Pena de morte iniciaram os disparos. Tanto as autoridades iraquianas
A pena de morte foi utilizada extensivamente, apesar quanto o Departamento de Estado dos EUA
de o ministro de Direitos Humanos ter afirmado ao anunciaram estar conduzindo investigações e, em
Conselho de Direitos Humanos da ONU, em março, novembro, o Birô Federal de Investigação dos EUA
que o governo estava trabalhando pela abolição da (FBI) concluiu que o tiroteio havia sido injustificado. A
pena capital. empresa declarou que, se algum de seus seguranças
Ao menos 199 homens e mulheres foram fosse culpado de má conduta, eles seriam
condenados à morte, e ao menos 33 prisioneiros responsabilizados. O governo iraquiano exigiu que a
foram executados. A maioria das sentenças de morte Blackwater pagasse 8 milhões de dólares em
foi proferida depois de julgamentos injustos compensação para cada uma das famílias das 17
conduzidos pelo Tribunal Penal Central do Iraque pessoas mortas.
(TPCI). Os réus queixaram-se de que confissões
extraídas sob tortura foram usadas como prova contra Violência contra as mulheres
eles, e de que não podiam escolher seu próprio Houve um aumento da violência contra as mulheres.
advogado. Muitas tiveram de deixar seus empregos após
 Em fevereiro, o Tribunal de Cassação manteve as receberem ameaças de morte, ou tiveram de buscar
sentenças de morte por homicídio qualificado refúgio no exterior. Em Basra, cerca de 42 mulheres
proferidas contra duas mulheres. Samar Sa’ad teriam sido mortas, entre julho e setembro, por
‘Abdullah e Wassan Talib foram condenadas à morte, grupos armados xiitas que disputavam o controle da
respectivamente, pelo Tribunal Penal de Karkh, em área. Na maioria das províncias, cada vez mais as
agosto de 2005, e pelo TPCI, em Bagdá, em agosto de mulheres eram ameaçadas por homens armados
2006. caso não seguissem um rígido código de vestuário.
 Em maio, seis homens – Moazzea Abdul-Khazal, Segundo informações, a violência doméstica e os

136 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 137

"assassinatos em nome da honra" estavam executados. Interferências políticas continuaram a


aumentando, e um sectarismo cada vez mais intenso comprometer a imparcialidade do STCI.
colocava em risco as mulheres casadas com homens  Em fevereiro, a Câmara de Apelações do STCI
de seitas diferentes. substituiu a sentença de prisão perpétua proferida
 Em fevereiro, lideranças tribais denunciaram que anteriormente contra o vice-presidente Taha Yassin
quatro soldados iraquianos teriam estuprado uma Ramadan pela pena de morte e, no dia 20 de março,
mulher pertencente à minoria turcomana, após ele foi executado. Dois co-réus, Barzan Ibrahim al-
invadirem sua casa, em Tal-'Afar, próximo a Mosul. Um Tikriti e ‘Awad Hamad al-Bandar, foram enforcados no
militar iraquiano de alta patente afirmou que quatro dia 15 de janeiro.
homens confessaram o estupro, porém, não ficou claro  O julgamento dos indivíduos acusados de serem
se alguma ação foi tomada contra eles. responsáveis pelos abusos cometidos durante a
 Por volta do dia 7 de abril, Du’a Khalil Aswad, uma chamada campanha Anfal, em 1988, que causou a
adolescente yazidi de 17 anos, foi apedrejada até a morte de aproximadamente 180 mil curdos iraquianos,
morte diante de uma multidão, na cidade de Bashika, foi concluído no dia 24 de junho. Três dos seis réus –
próxima a Mosul. Vítima de um "crime de honra", ela foi ‘Ali Hassan al-Majid, Sultan Hashim Ahmad al-Ta’i e
morta por um grupo de oito ou nove homens yazidi, Hussain Rashid al-Tikri – foram condenados à morte
inclusive parentes, que a acusaram de ter um por crimes de guerra e por crimes contra a
relacionamento com um garoto muçulmano sunita. humanidade. ‘Ali Hassan al-Majid foi também
Sua morte por apedrejamento, que durou cerca de 30 condenado por genocídio. A Câmara de Apelações do
minutos, foi gravada em vídeo e colocada na Internet. STCI confirmou as sentenças de morte no dia 4 de
Membros das forças de segurança locais estavam setembro, e esperava-se que os três fossem
presentes, porém, não intervieram. executados dentro de 30 dias. Porém, os militares dos
EUA se recusaram a transferir os três indivíduos à
Refugiados e deslocados internos custódia iraquiana devido a uma contenda legal entre o
Pelo menos 4,2 milhões de iraquianos foram Primeiro Ministro al-Maliki e o Conselho Presidencial. I
deslocados. Destes, 2,2 milhões encontravam-se
deslocados dentro do Iraque e aproximadamente 2 Norte do Iraque
milhões estavam refugiados, principalmente na Síria Violações de direitos humanos, entre as quais
(cerca de 1,4 milhão) e na Jordânia (cerca de meio detenções arbitrárias, tortura e execuções foram
milhão). Nos últimos meses do ano, os dois países reportadas em áreas sob o controle do Governo
vizinhos, enfrentando dificuldades para suprir as Regional do Curdistão, no norte do Iraque. A violência
necessidades de saúde, de educação e outras dos contra as mulheres foi amplamente disseminada.
refugiados que já estavam em seu território, passaram  Mohammad Siyassi Ashkani, um jornalista de
a exigir a concessão de vistos que impediam a Sulaimaniya, foi preso por agentes das forças de
entrada de iraquianos em busca de refúgio. Dentro segurança Asayish e ficou detido, sem acusação nem
do Iraque, a maioria das províncias barrava a entrada julgamento, por quase seis meses. Ele foi mantido
de pessoas que fugiam da violência sectária em isolado em uma cela solitária durante os primeiros 55
outros lugares. dias de sua prisão, antes de ter permissão para visitas
semanais de sua família, mas não teve acesso a um
Julgamentos de ex-autoridades advogado. Ele foi libertado no dia 19 de julho.
O Supremo Tribunal Criminal Iraquiano (STCI)  No dia 29 de maio, Heman Mohamed, ‘Othman
prosseguiu com os julgamentos de autoridades de Abdel-Karim, Sherwan Ahmed e Qaraman Rasul foram
alto escalão do governo, de partidos, das forças de executados em Erbil. Eles haviam sido condenados,
segurança e do exército ligadas ao governo anterior em 2006, por participação em um atentado a bomba
do partido Baath, chefiado por Saddam Hussein, por em Erbil, um ano antes.
graves violações de direitos humanos cometidas Três cidadãos turcos – Metir Demir, Mustafa Egilli e
durante seu regime. Diversos réus foram condenados Hasip Yokus –, membros da organização não-
à morte em julgamentos flagrantemente injustos, governamental Associação pelo Direito à Liberdade de
sendo que três deles, sentenciados em 2006, foram Pensamento e Educação (Özgür-Der), sediada na

Informe 2008 - Anistia Internacional 137


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 138

Turquia, que haviam sido presos em junho de 2006,


permaneceram detidos, sem acusação nem
julgamento, desde o dia 12 de setembro, quando
ISRAEL E
foram repatriados à Turquia. Um deles contou à
Anistia Internacional que eles ficaram presos no
TERRITÓRIOS
edifício das forças de segurança curdas (Asayish), em
Erbil, que não tiveram acesso a advogado e que dois
PALESTINOS
deles foram torturados e mantidos por seis meses em
cela solitária. Os métodos de tortura incluíam golpes OCUPADOS
no corpo e na sola dos pés (falaqa) e choques
elétricos. ESTADO DE ISRAEL
Chefe de Estado: Shimon Peres
 Em novembro, o ministro de Direitos Humanos do
(sucedeu a Moshe Katzav em junho)
Governo Regional do Curdistão afirmou que 27 Chefe de governo: Ehud Olmert
mulheres haviam sido assassinadas "em nome da Pena de morte: abolicionista para crimes comuns
honra", entre os meses de agosto e novembro. No Tribunal Penal Internacional: assinado, mas com intenção
entanto, não deu nenhuma informação sobre prisões declarada de não ratificar
População: 6,7 milhões (Israel); 3,8 milhões (TPO)
ou processos referentes a essas mortes.
Expectativa de vida: 80,3 anos (Israel); 72,9 anos (TPO)
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 23/21 por
Relatórios da AI mil (Israel); 23/18 por mil (TPO)
 Iraque: A deepening refugee crisis – Media Briefing (MDE Taxa de alfabetização: 97,1 por cento (Israel);
14/021/2007) 92,4 por cento (TPO)
 Iraque: Unjust and unfair: the death penalty in Iraq (MDE 14/014/2007)
 Iraque: The situation of Iraqi refugees in Syria (MDE 14/036/2007)
 Iraque: Millions in flight: the Iraqi refugee crisis (MDE 14/041/2007) A situação dos direitos humanos nos Territórios
I  : Human rights abuses against Palestinian refugees (MDE Palestinos Ocupados (TPO) continuou tenebrosa.
14/030/2007) As forças israelenses mataram mais de 370
palestinos, destruíram mais de 100 casas palestinas
e impuseram restrições ainda mais severas à
circulação dos palestinos. Em junho, o governo
israelense impôs um bloqueio sem precedentes à
Faixa de Gaza, praticamente aprisionando toda a sua
população de 1,5 milhão de pessoas, submetendo-
as a uma forma de punição coletiva e provocando a
mais grave crise humanitária já ocorrida até o
momento. Cerca de 40 palestinos morreram depois
de não receberem permissão para sair de Gaza em
busca de tratamento médico urgente que não estava
disponível nos hospitais locais. A maioria dos
moradores de Gaza teve que depender de ajuda
internacional para sobreviver; porém, as agências
assistenciais da ONU reclamaram que o bloqueio
israelense dificultou o seu trabalho de fornecer essa
ajuda tão necessária. Na Cisjordânia, as autoridades
israelenses continuaram a expandir os
assentamentos ilegais e a construir uma cerca/muro
de 700 km, em violação ao direito internacional.
A impunidade continuou sendo a regra para os
soldados e para os colonos israelenses que
cometeram abusos graves contra os palestinos, entre

138 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 139

os quais, homicídios ilegais, agressões físicas e e feriram outros milhares de pessoas. As


ataques contra a propriedade. Milhares de palestinos autoridades israelenses alegaram que seus ataques
foram detidos, a maioria dos quais acabaram soltos eram uma resposta aos ataques com morteiros e
sem acusações. Aqueles acusados de crimes com foguetes “qassam”, de fabricação caseira,
relacionados à segurança geralmente eram julgados feitos por grupos armados palestinos estabelecidos
de modo injusto em tribunais militares. Cerca de em Gaza contra as cidades e vilarejos próximos, no
nove mil palestinos, entre adultos e crianças, sul de Israel, e contra posições do Exército
continuaram presos nas cadeias israelenses. Alguns israelense ao longo do perímetro da Faixa de Gaza.
vinham sendo mantidos presos há anos sem Mais da metade dos palestinos mortos pelas forças
acusação nem julgamento. Ataques de grupos israelenses eram militantes armados que
armados palestinos mataram 13 israelenses (veja participavam de confrontos ou de ataques armados
a entrada sobre a Autoridade Palestina). ou, então, que foram executados extrajudicialmente
por meio de ataques aéreos; os demais eram civis
Informações gerais desarmados que não estavam envolvidos nas
Em janeiro, o presidente Moshe Katzav licenciou-se hostilidades. Cerca de 50 crianças estavam entre os
do cargo após o procurador-geral ter anunciado que civis que foram mortos.
ele seria acusado de estupro. Em junho, o  Cinco crianças foram mortas por mísseis
Presidente renunciou após obter uma negociação de israelenses em dois incidentes separados ocorridos
culpa na qual ele assumiria responsabilidade por em Beit Hanoun, ao norte de Gaza, em agosto.
crimes menos graves, como assédio sexual, Mahmoud, Sara e Yahia Abu Ghazal, de 8, 9 e 11
atentado ao pudor e intimidação de testemunhas, anos respectivamente, foram mortos no dia 29 de
em troca de um acordo em que as acusações de agosto quando levavam suas ovelhas para pastar.
estupro contra ele seriam retiradas e ele não seria Fadi Mansour al-Kafarna e ‘Abd al-Qader ‘Ashour,
preso. Uma das querelantes encaminhou uma de 11 e 13 anos, foram mortos no dia 21 de agosto
petição ao Supremo Tribunal solicitando a anulação quando brincavam em um campo; uma terceira I
da negociação de culpa, e organizações que criança ficou ferida.
trabalham pelos direitos da mulher pediram que  Zaher al-Majdalawi e Ahmad Abu Zubaidah, de 13
Moshe Katzav fosse levado a julgamento. O caso e 14 anos, foram mortos no dia 1º de junho enquanto
continuava pendente. Em junho, o vice-primeiro- empinavam pipas na praia, em Beit Lahia, ao norte de
ministro Shimon Peres foi eleito presidente. Gaza.
O governo israelense retomou o diálogo com a
Autoridade Palestina (AP) e, em novembro, os dois Assassinatos de israelenses
lados participaram de um encontro internacional em Sete civis israelenses e seis soldados foram mortos
Annapolis (EUA), patrocinado pelo governo dos por grupos armados palestinos _ o menor número
Estados Unidos, para discutir a retomada das anual de vítimas fatais desde o início da intifada em
negociações de paz. Entretanto, nenhuma medida 2000.
concreta foi anunciada no encontro. As promessas  Shirel Friedman e Oshri Oz foram mortos em Sderot
feitas anteriormente pelos israelenses, de aliviar as por ataques de foguetes “qassam” em 21 e 27 de
restrições à circulação dos palestinos e de remover maio.
alguns dos “postos avançados” de colonato, não
haviam sido cumpridas até o fim do ano. Em Sistema de justiça
dezembro, as autoridades israelenses anunciaram Detenções
uma expansão ainda maior dos assentamentos Milhares de palestinos, incluindo um grande número
israelenses nos TPO, violando as leis internacionais. de crianças, foram detidos pelas forças israelenses
nos TPO. A maioria dos presos foi solta sem
Assassinatos de palestinos acusação algum tempo depois; porém, centenas
Os freqüentes ataques aéreos e de outros tipos foram acusados de crimes contra a segurança.
realizados pelas forças israelenses mataram mais de Aproximadamente nove mil palestinos, incluindo
370 palestinos, entre os quais cerca de 50 crianças, mais de 300 crianças e os palestinos que foram

Informe 2008 - Anistia Internacional 139


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 140

detidos nos anos anteriores, continuavam presos no israelenses libertaram cerca de 770 prisioneiros
fim de 2007. Mais de 900 estavam sendo mantidos palestinos: a maioria membros do partido Fatah,
em detenção administrativa sem acusação nem do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud
julgamento – alguns deles desde 2002. Entre os Abbas. Em um acordo firmado em outubro no
detidos estavam vários ex-ministros do governo da Líbano com o Hizbollah, as autoridades israelenses
Autoridade Palestina liderado pelo Hamas, bem libertaram um libanês que sofria de transtornos
como parlamentares e prefeitos do partido que, mentais, capturado pelas forças israelenses no
aparentemente, estavam sendo detidos para Líbano e levado para Israel em agosto de 2006.
pressionar o Hamas a libertar Gilad Shalit, um Devolveram, ainda, os corpos de dois guerrilheiros
soldado israelense capturado em 2006, que libaneses do Hizbollah, em troca do corpo de um
continuava a ser mantido em Gaza pelos braços israelense que havia se afogado e cujo corpo fora
armados do Hamas e pelos Comitês de Resistência levado pela água para a costa libanesa alguns anos
Popular. atrás. As autoridades israelenses continuaram
Quase todos os detentos palestinos continuaram recusando-se a entregar às famílias os corpos de
sendo mantidos em cadeias dentro de Israel, em centenas de palestinos mortos nos ataques e
violação ao direito internacional humanitário, que confrontos com as forças de Israel em anos
proíbe a remoção de detentos para o território da anteriores.
potência ocupante. Impunidade por ataques contra os palestinos
Em outubro, após um pedido de habeas corpus Soldados israelenses e outros integrantes das forças
feito por uma organização de direitos humanos, o de segurança, bem como os colonos israelenses,
Supremo Tribunal determinou que o Exército e a continuaram a desfrutar de impunidade pelos
administração da prisão explicassem por que as abusos de direitos humanos cometidos contra os
transferências dos detentos palestinos de um local palestinos, como homicídios ilegais, tortura e outros
de detenção para outro muitas vezes não eram maus-tratos, agressões físicas e ataques contra suas
I registradas. O caso continuava pendente no final do propriedades. As investigações e os processos
ano. referentes a tais abusos foram raros, geralmente
Negação de visitas familiares limitando-se aos casos divulgados por organizações
As autoridades israelenses freqüentemente negaram de direitos humanos e pela imprensa. São poucas as
permissões de visitas aos familiares de detentos investigações iniciadas sobre esses abusos das
palestinos por motivos de “segurança” não quais se tem conhecimento. A maioria é encerrada
especificados. A proibição muitas vezes parecia por “falta de provas”. Nos raros casos em que
arbitrária, e os mesmos familiares recebiam soldados ou colonos foram condenados por abusos
permissão de visitas em algumas ocasiões, mas não cometidos contra palestinos, eles foram tratados
em outras. Muitos pais, esposas e filhos de detentos com relativa indulgência, e não se sabe de nenhum
não obtiveram permissão para visitar seus familiares integrante do Serviço de Segurança Geral (a agência
por mais de quatro anos. Em junho, as autoridades de inteligência israelense) processado por torturar
israelenses suspenderam todas as visitas familiares palestinos.
a cerca de 900 detentos da Faixa de Gaza. A
suspensão continuou a vigorar no resto do ano. Tortura e outros maus-tratos
Nenhum israelense que cumpria pena de prisão foi Os detentos eram freqüentemente mantidos
submetido a tais restrições. incomunicáveis por um longo período, sendo
Julgamentos injustos em tribunais militares interrogados e sem ter acesso a seus advogados até
Os julgamentos de palestinos nos tribunais militares mesmo durante várias semanas. As denúncias de
israelenses geralmente não observavam as normas tortura e de outros maus-tratos eram muito comuns
internacionais de imparcialidade, e não houve durante esse período. Os métodos relatados
investigações confiáveis sobre denúncias de tortura incluíam espancamentos, períodos prolongados com
e de outros maus-tratos infligidos aos detentos. a pessoa amarrada em posições dolorosas,
Libertação de prisioneiros impedimento do uso do banheiro e ameaças de
Em julho, outubro e dezembro, as autoridades causar mal aos familiares dos detentos. Em alguns

140 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 141

casos, pais, esposas, irmãos e irmãs dos detentos retornar a Gaza em agosto, mas um grande número
eram intimados e forçados a aparecer diante dos permanecia retido no fim do ano e milhares de
detentos vestindo o uniforme da prisão para fazê-los estudantes e trabalhadores não podiam deixar Gaza
pensar que seus familiares também estavam presos para retornar a suas escolas e locais de trabalho no
e sendo maltratados. exterior. Exceto em alguns casos urgentes, até
Em outubro, após o requerimento de uma mesmo pacientes que necessitavam de cuidados
organização de direitos humanos, o Supremo médicos não disponíveis em Gaza não tiveram
Tribunal emitiu uma decisão provisória permissão para deixar a área, e mais de 40 pessoas
determinando que as autoridades informassem aos acabaram morrendo em conseqüência disso.
palestinos mantidos em um centro de detenção na O bloqueio causou uma deterioração acentuada
Cisjordânia que o novo regulamento permita que na já terrível situação humanitária em Gaza. As
usassem o banheiro livremente. Em março, após o poucas fábricas que continuavam a funcionar,
requerimento de uma organização de direitos apesar das restrições impostas nos anos anteriores,
humanos, o Supremo Tribunal determinou que o foram forçadas a fechar, pois não podiam importar
Serviço de Segurança Geral informasse Mohammed matérias-primas e nem exportar os produtos
Sweiti, um detento que havia sido mantido fabricados. Grandes quantidades de flores e de
incomunicável por cinco semanas, que sua esposa outros produtos agrícolas foram perdidos porque
não se encontrava detida. Mohammed Sweiti havia não puderam ser exportados. Houve escassez de
iniciado uma greve de fome e tentado suicídio após carne, de laticínios e de outros gêneros alimentícios
ver sua esposa e seu pai vestidos com o uniforme da básicos, bem como de diversos outros produtos,
prisão e ser levado a acreditar que eles estavam como papel, lápis, roupas, medicamentos e peças
sofrendo maus-tratos. de reserva para equipamentos hospitalares. A
pobreza extrema, a desnutrição e outros problemas
Bloqueios e outras restrições de saúde aumentaram. Oitenta por cento da
Mais de 550 barreiras e postos de controle do população foi forçada a depender de ajuda I
Exército israelense restringiram ou impediram a internacional; porém, as agências assistenciais da
circulação dos palestinos entre as cidades e vilarejos ONU e as organizações humanitárias também foram
da Cisjordânia. As autoridades israelenses prejudicadas tanto pelas restrições quanto por
continuaram a expandir os assentamentos ilegais na aumentos nos custos operacionais decorrentes
Cisjordânia ocupada e a construir uma cerca/muro dessa situação.
de 700 km, 80 por cento do qual passa por dentro
da Cisjordânia. Com este propósito, grandes áreas Destruição de casas
de terras palestinas foram confiscadas ou se As forças israelenses demoliram mais de 100 casas
tornaram inacessíveis aos palestinos, privando-os de palestinas em toda a Cisjordânia, inclusive em
seus meios de subsistência e restringindo seu Jerusalém Oriental, devido à falta de licenças para
acesso aos seus locais de trabalho, às escolas, aos construção – que eram sistematicamente negadas
serviços de saúde e a outros serviços necessários. aos palestinos que moravam nessas áreas dos TPO.
Os palestinos foram impedidos de circular e tiveram As demolições deixaram centenas de palestinos
seu acesso limitado em mais de 300 km de estradas desabrigados.
na Cisjordânia, as quais eram utilizadas sobretudo  Em agosto, as forças israelenses destruíram várias
pelos colonos israelenses. casas e currais de animais em Humsa, um pequeno
Em junho, as autoridades israelenses reforçaram vilarejo da Cisjordânia situado na área do Vale do
ainda mais o bloqueio imposto anteriormente à Jordão. As famílias de Abdallah Hsein Bisharat e de
Faixa de Gaza, em um nível sem precedentes. Elas Ahmad Abdallah Bani Odeh, que totalizavam cerca
fecharam a fronteira com o Egito, que é o único de 40 pessoas, a maioria delas crianças, ficaram
ponto de saída e de entrada para os moradores de desabrigadas. O Exército também confiscou os
Gaza, e o terminal comercial de Karni. Milhares de tanques de água e o trator que pertenciam aos
palestinos ficaram retidos durante meses no lado residentes do vilarejo. Os moradores já haviam sido
egípcio da fronteira. A maioria teve permissão para forçados a se mudar do povoado vizinho de Hadidiya

Informe 2008 - Anistia Internacional 141


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 142

para Humsa, depois que o Exército israelense


ameaçou destruir suas casas. O Exército considera que o
local seja uma “área militar fechada” destinada ao uso
ITÁLIA
das forças israelenses para a prática de tiros. Em outubro, REPÚBLICA ITALIANA
as famílias foram novamente forçadas a se mudar de Chefe de Estado: Giorgio Napolitano
Humsa e voltar para Hadidiya. Chefe de governo: Romano Prodi
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes
 Em outubro, mais de 200 palestinos foram forçados a
População: 58,2 milhões
deixar as suas casas em Khirbet Qassa, um pequeno Expectativa de vida: 80,3 anos
vilarejo estabelecido nos anos 50 por palestinos Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 6/6 por mil
refugiados. O local havia sido separado do resto da Taxa de alfabetização: 98,4 por cento
Cisjordânia pela cerca/muro e, por mais de um ano, as
forças israelenses assediaram seus moradores para que
se mudassem dali. Grande parte de suas casas foi Diversas pessoas receberam ordens de deportação
demolida com a justificativa de terem sido construídas que, se concretizadas, corresponderiam a
sem a permissão que as autoridades israelenses se refoulement (repatriamento forçado para países em
negam a conceder aos palestinos nessas áreas. que a pessoa correria risco de sofrer violações graves
de direitos humanos); pelo menos uma pessoa sofreu
Reunificação familiar negada maus-tratos em detenção após ser deportada da
Cidadãos estrangeiros, a maioria de origem palestina, Itália. Persistiram os informes de maus-tratos por
casados com residentes palestinos dos TPO, passaram, parte de policiais, e as autoridades italianas não
cada vez mais, a não receber permissão para entrar nos introduziram mecanismos efetivos de
TPO. Os cônjuges de nacionalidades européia e norte- responsabilização da polícia. As autoridades
americana que, anteriormente, podiam residir nos discriminaram os ciganos, e diversos aspectos dos
Territórios Palestinos Ocupados desde que saíssem e antecedentes de direitos humanos da Itália foram
I entrassem em Israel a cada três meses para renovar criticados pelo Comitê contra a Tortura da ONU
seus vistos, tiveram sua entrada freqüentemente (CAT). A Itália não criminalizou a tortura em seu
negada nos TPO. Após uma firme campanha feita tanto código penal e ainda carecia de uma legislação de
pelos cidadãos interessados quanto por organizações asilo abrangente.
de direitos humanos, em outubro as autoridades
israelenses aprovaram cerca de 3.500 pedidos de “Guerra ao terror”
unificação familiar feitos nos anos anteriores. As autoridades italianas não cooperaram plenamente
Entretanto, cerca de 120 mil outros pedidos que com as investigações sobre violações de direitos
estavam pendentes não foram atendidos. humanos praticadas no contexto da "guerra ao terror"
e foram alvo de críticas do Parlamento Europeu por seu
Visitas e relatórios da AI envolvimento com transferências extrajudiciais
 Delegações da Anistia Internacional visitaram Israel e os (renditions).
Territórios Palestinos Ocupados em junho, julho e dezembro. Transferências extrajudiciais
 Israel and the Occupied Palestinian Territories: Enduring Occupation –  No dia 16 de fevereiro, um juiz italiano indiciou sete
Palestinian under siege in the West Bank (MDE 15/033/2007) cidadãos italianos, sobretudo agentes secretos do Serviço
 Israel/Occupied Palestinian Territories: Right to family life denied – de Informação e Segurança Militar Italiano (SISMI), por
Foreign spouses of Palestinians barred (MDE 15/018/2007) conexões com o seqüestro de Abu Omar. Cidadão egípcio
 Israel/Occupied Palestinian Territories: Update to Comments by Amnesty residente na Itália, ele foi seqüestrado em uma rua de
International on Israel’s compliance with its obligations under the Milão, em 2003, e entregue ao Egito como parte do
International Convention on the Elimination of all Forms of Racial programa de transferências extrajudiciais comandado
Discrimination (ICERD) (MDE 15/007/2007) pelos EUA. Ao chegar no Egito, Abu Omar foi
 IOccupied Palestinian Territories: Torn apart by factional strife (MDE imediatamente detido e, segundo informações, submetido
21/020/2007) a tortura. No dia 11 de fevereiro, ele foi solto sem
acusações. Em julho de 2006, um tribunal de Milão emitiu
pedidos de extradição e, em fevereiro de 2007, indiciou 26

142 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 143

cidadãos estadunidenses suspeitos de envolvimento com o Comitê contra a Tortura da ONU recomendou que a
as transferências extrajudiciais. Até o final do ano, o Itália acatasse integralmente o Artigo 3º da Convenção
ministro da Justiça não havia enviado às autoridades dos contra a Tortura referente aos procedimentos de
EUA os pedidos de extradição dos 26 cidadãos devolução (refoulement). O Comitê manifestou particular
estadunidenses, a maioria dos quais se acreditava serem preocupação com relação à Lei Pisanu.
agentes da CIA (Agência Central de Inteligência dos  No dia 4 de janeiro, Cherif Foued Ben Fitouri foi expulso
Estados Unidos). da Itália para a Tunísia com base nas disposições da Lei
Em abril, o Tribunal Constitucional declarou admissível Pisanu. Segundo a ordem de expulsão, ele foi removido da
uma apelação sobre "conflito de poderes" feita pelo Itália por ter relações com pessoas envolvidas com grupos
governo italiano. O governo alegou que o Judiciário havia islâmicos que, supostamente, estariam planejando atos
assumido poderes que não lhe seriam terroristas. Na Tunísia, ele foi mantido em prisão solitária
constitucionalmente permitidos ao reunir algumas das nas dependências do Ministério do Interior. No dia 16 de
provas usadas nos processos contra os acusados de janeiro, ele foi transferido a uma prisão sob jurisdição
responsabilidade pela transferência extrajudicial de Abu militar. De acordo com os informes recebidos pela Anistia
Omar. No dia 18 de junho, o julgamento foi suspenso Internacional, ele foi submetido a tortura e a outros maus-
enquanto se aguardava o resultado de uma reapreciação tratos enquanto esteve detido na Tunísia, onde permanecia
do Tribunal Constitucional. O julgamento continuou detido até o final do ano.
suspenso até o final do ano.  No dia 29 de maio, as autoridades italianas requisitaram
 Em fevereiro, o Parlamento Europeu condenou a ao governo tunisiano que povidenciasse garantias
transferência extraordinária do cidadão italiano Abou diplomáticas de que se Nassim Saadi fosse deportado da
Elkassim Britel em uma resolução sobre a denúncia de Itália para a Tunísia ele não seria submetido a tratamento
utilização de países europeus pela CIA para fins de contrário ao Artigo 3º (proibição da tortura e de tratamento
transporte e detenção ilegal de prisioneiros. Abou Elkassim desumano ou degradante) da Convenção Européia de
Britel foi preso no Paquistão, em março de 2002, pela Direitos Humanos. No dia 8 de agosto de 2006, o ministro
polícia paquistanesa. Foi interrogado por agentes do Interior havia ordenado a deportação de Nassim Saadi I
estadunidenses e paquistaneses e, depois disso, entregue para a Tunísia. No dia 14 de setembro de 2006, Nassim
extrajudicialmente às autoridades marroquinas. O lançou um apelo à Corte Européia de Direitos Humanos
Ministério do Interior da Itália teria cooperado com serviços para que suspendesse sua expulsão. A Corte emitiu uma
secretos estrangeiros no caso de Abou Elkassim Britel medida provisória e a expulsão foi suspensa até segunda
depois que ele foi detido no Paquistão. ordem.

Lei Pisanu Forças policiais e de segurança


A Itália manteve a legislação (conhecida como Lei A Itália continuou sem ter um mecanismo efetivo para
Pisanu) relativa a medidas de emergência para combater que a polícia preste contas de suas ações. Houve
o terrorismo. Essa legislação prevê ordens de expulsão irregularidades em processos judiciais contra funcionários
tanto para os imigrantes em situação irregular quanto responsáveis pela aplicação da lei, acusados de violações
para aqueles em situação regular, sem oferecer proteção de direitos humanos. Uma pessoa foi morta a tiros por
efetiva contra o retorno forçado para países onde corram um agente policial e outra morreu em custódia da polícia
risco de ter seus direitos humanos gravemente violados. sob circunstâncias que, até o final do ano, estavam
A lei não requer que a pessoa deportada tenha sido sujeitas a investigações. Foram proferidas as primeiras
condenada ou acusada de algum crime relacionado ao sentenças relativas aos maus-tratos policiais ocorridos
terrorismo. A expulsão pode ser determinada pelo durante a cúpula do G8, em Gênova, em 2001.
ministro do Interior ou, sob sua delegação, por um  No dia 19 de outubro, teve início o julgamento de quatro
prefetto (representante provincial). A lei não prevê a policiais acusados do homicídio doloso simples de
confirmação judicial ou a autorização da decisão de Federico Aldrovandi. Federico morreu no dia 25 de
expulsão ou de sua execução. Embora seja possível setembro de 2005 após ter sido abordado por quatro
recorrer judicialmente de uma decisão de expulsão policiais em Ferrara. Durante os procedimentos
tomada com base nessa lei, a apelação não suspende a investigatórios, amostras de sangue coletadas do local da
deportação. Em suas Observações Finais, de 18 de maio, morte de Federico Aldrovandi desapareceram e, mais

Informe 2008 - Anistia Internacional 143


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 144

tarde, reapareceram; os registros de ligações telefônicas tortura abrangendo todos os elementos contidos no Artigo
feitas para serviços de emergência na noite de sua morte 1º da Convenção. O CAT recomendou ainda que todos os
foram adulterados. funcionários responsáveis pela aplicação da lei fossem
 No dia 4 de abril, segundo informações, agentes de adequadamente equipados e treinados para empregar
aplicação da lei utilizaram força excessiva para conter um meios não-violentos e para somente recorrerem ao uso
confronto potencialmente violento entre torcedores do AS da força e de armas de fogo quando estritamente
Roma e do Manchester United durante um jogo de futebol necessário e de modo proporcional. O CAT fez
no Estádio Olímpico de Roma. Imagens do incidente e observações quanto às constantes denúncias de uso
depoimentos de testemunhas prestados à Anistia excessivo da força e de maus-tratos praticados por
Internacional mostraram que entre 60 e 100 policiais funcionários responsáveis pelo cumprimento da lei. Com
italianos entraram na área do estádio onde se encontrava a relação à responsabilização dos agentes de aplicação da
torcida do Manchester e espancaram violentamente os lei envolvidos com atos de violência desproporcionais e
torcedores com cassetetes. Várias das vítimas afirmaram desnecessários, o CAT recomendou que a Itália
que os policiais os golpeavam repetidamente enquanto "reforçasse medidas que garantam investigações
eles estavam deitados no chão, e que os golpes eram imediatas, imparciais e eficazes sobre todas as denúncias
dados por trás, na cabeça ou nas costas. Algumas das de tortura e de maus-tratos cometidos por funcionários
pessoas agredidas ainda não haviam se recuperado dos responsáveis pela aplicação da lei".
ferimentos no final do ano, enquanto outras tomaram
conhecimento de que ficariam parcialmente incapacitadas Direitos de imigrantes e refugiados
pelo resto de suas vidas. A Itália ainda não possuía uma legislação de asilo
Julgamentos do G8 específica e abrangente, ajustada à Convenção da
Prosseguiram os julgamentos dos agentes de aplicação ONU relativa ao Estatuto dos Refugiados.
da lei envolvidos no policiamento da reunião de cúpula Um projeto de lei governamental, aprovado pelo
do G8, ocorrida em Gênova, em 2001. Estima-se que Conselho de Ministros no dia 24 de abril, continha
I mais de 200 mil pessoas participaram das manifestações novas propostas referentes à detenção de imigrantes.
antiglobalização nas ruas de Gênova durante o encontro O projeto propunha diretrizes para reformar a lei
realizado em 2001 e nos dias que o precederam. única de imigração (Testo Unico Immigrazione,
 No dia 17 de janeiro, foi revelado que provas cruciais, 286/98 - conhecida como Lei Turco-Napolitano),
obtidas durante uma audiência do julgamento de 29 modificada pela Lei 189/02 (conhecida como Lei
policiais acusados, entre outras coisas, de violência e de Bossi-Fini). Essas diretrizes incluíam regras relativas a
fabricação de provas com relação à invasão do prédio da menores desacompanhados, a detenção e a
escola Diaz, haviam desaparecido. A delegacia de polícia deportação. O Ministério do Interior expediu uma
(questura) de Gênova declarou que as provas podem ter diretiva requisitando que todos os prefettos
sido "destruídas por engano". permitissem o aceso do ACNUR, de "organizações
 Em maio, foi proferida a primeira sentença referente aos humanitárias e internacionais", de ONGs locais e de
eventos do encontro do G8. O Ministério do Interior foi jornalistas aos estabelecimentos que abrigassem
condenado a pagar indenizações de 5 mil euros a Marina requerentes de asilo e imigrantes irregulares.
Spaccini e de 18 mil euros a Simona Zabetta Coda, que Em suas Observações Finais de 18 de maio, o CAT
foram espancadas por policiais em Gênova. afirmou que a Itália deveria adotar medidas efetivas
 Em março, a Corte Européia de Direitos Humanos para garantir que a detenção de requerentes de asilo
declarou admissível a demanda apresentada no caso de e de outros não-cidadãos fosse usada em
Carlo Giuliani, morto com um tiro de um agente policial circunstâncias excepcionais ou como último recurso,
durante o encontro do G8. e pelo menor tempo possível. O Comitê afirmou ainda
que a Itália deveria assegurar que os tribunais
Comitê contra a Tortura da ONU conduzissem uma revisão judicial mais eficaz acerca
No dia 18 de maio, o Comitê contra a Tortura (CAT) da detenção desses grupos.
publicou suas Observações Finais sobre a Itália. O CAT
recomendou que a Itália incorporasse o crime de tortura Discriminação - ciganos
à sua legislação doméstica e adotasse uma definição de No dia 2 de novembro, entrou em vigor um decreto-lei de

144 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 145

emergência que tornava possível às autoridades italianas Informações gerais


expulsarem cidadãos da União Européia (UE) com base Em julho, nas eleições para a Câmara dos
em preocupações relativas à segurança pública. O Conselheiros (Câmara Alta), o Partido Democrático,
decreto-lei não estava de acordo com a Diretiva de oposição, ganhou a maioria das cadeiras. A
2004/38/EC da UE e parecia ser dirigido aos cidadãos coalizão governamental ainda tem uma maioria de
ciganos ou de origem cigana, como reação à suspeita de dois terços na Câmara dos Representantes.
que um homem descrito como sendo um cigano da
Romênia tivesse assassinado uma mulher italiana, na Pena de morte
capital, Roma. Nas duas semanas seguintes à entrada Nove homens foram executados em 2007. Pelo
em vigor do decreto-lei, foram expulsas 177 pessoas. menos 107 prisioneiros continuaram no corredor da
Em maio, os prefeitos de Roma e de Milão assinaram morte.
"pactos de segurança" que visavam à expulsão forçada Durante o mandato do ex-ministro da Justiça,
de até 10 mil ciganos. Durante todo o ano, as autoridades Nagase Jinen, foram executadas seis pessoas, em
italianas se engajaram em expulsões de larga escala abril e agosto. No mandato de seu sucessor, o
contra comunidades ciganas, em contravenção às ministro Kunio Hatoyama, mais três pessoas foram
normas de direitos humanos. Diversos políticos utilizaram executadas em dezembro. Em setembro, o ministro
linguagem discriminatória, entre os quais o prefeito de Hatoyama anunciou publicamente que considerava
Roma, Carlo Mosca, que, no início de novembro, teria se a possibilidade de ignorar uma cláusula do Código de
referido aos ciganos da Romênia como "bestas". Processo Penal que exige a assinatura do ministro da
Justiça para autorizar as execuções. Os tribunais,
Relatórios e visitas da AI finalmente, confirmaram sentenças de morte
 Representantes da Anistia Internacional visitaram a Itália em abril e referentes a 23 casos - o número anual mais alto
outubro. desde 1962. As execuções geralmente aconteciam
 Europe and Central Asia: Summary of Amnesty International’s concerns em segredo e os prisioneiros não eram avisados com
in the region January-June 2007 (EUR 01/010/2007) antecedência que seriam executados.
 Italy: A briefing to the UN Committee against Torture (EUR 30/03/2007)  Um dos três homens executados em agosto, J
Takezawa Hifumi, padecia de transtorno mental. Ele foi
detido após um surto que, segundo informações, o fez
ficar paranóico e agressivo. Segundo os relatórios do
seu julgamento, os médicos, tanto da defesa quanto da

JAPÃO acusação, diagnosticaram Takezawa como portador de


transtorno mental. Ele foi condenado à morte em
março de 1998.
Chefe de governo: Yasuo Fukuda
(sucedeu a Abe Shinzo em setembro) Advogados de defesa que trabalharam com casos
Pena de morte: retencionista de pena de morte foram perseguidos. Alguns deles
População: 128,3 milhões receberam balas de revólver em envelopes ou foram
Expectativa de vida: 82,3 anos denunciados pela imprensa local.
Mortalidade de crianças com até 5 anos (m/f): 5/4 por mil Em novembro, o ministro Hatoyama reuniu-se com
grupos defensores da abolição da pena de morte,
entre os quais a Anistia Internacional, e ouviu suas
As execuções continuaram. A coleta de impressões opiniões.
digitais e de fotografias de todos os estrangeiros que
entram no Japão foi adotada como uma medida Tortura e outros maus-tratos
antiterrorista. Mesmo com a crescente pressão Em maio, o Comitê da ONU contra a Tortura (CAT)
internacional, o governo japonês não tomou qualquer examinou o relatório inicial do governo japonês, que
providência para resolver a questão da reparação às deveria ter sido entregue em julho de 2000, e
vítimas do sistema de escravidão sexual imposto pelo manifestou graves preocupações de que o sistema
Japão durante a II Guerra Mundial. daiyo-kangoku de detenção provisória não esteja de
acordo com as normas internacionais. O Comitê

Informe 2008 - Anistia Internacional 145


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 146

chamou atenção para a falta de um sistema dos Estados Unidos aprovou a Resolução 121. Em
independente para monitorar a custódia policial e de novembro, os parlamentos holandês e canadense
um sistema efetivo para receber denúncias. aprovaram moções como esta por unanimidade, e o
 Em novembro, o tribunal do distrito de Osaka não Parlamento Europeu adotou uma resolução em 13 de
aceitou uma confissão obtida durante os dezembro.
procedimentos investigatórios devido à suspeita,
baseada na gravação digital do interrogatório, de que a Visitas e relatórios da Al
confissão fora forçada. Esta foi a primeira vez que um  Representantes da Anistia Internacional visitaram o Japão em
suspeito é absolvido em um julgamento devido a uma setembro.
gravação digital.  Open letter to the Minister of Justice of Japan, the Hon. Nagase Jinen:
Detention of minors seeking asylum in Japan (ASA 22/002/2007)
Refugiados e imigração
Um total de 816 solicitantes requisitaram a condição
de refugiados em 2007 – 500 dos quais de Mianmar.
O status de refugiado foi concedido a 41 indivíduos,
entre os quais 25 cidadãos de Mianmar e três do Irã.
O CAT concluiu que a Lei de Controle de Imigração
MÉXICO
e Reconhecimento de Refugiados, que foi emendada,
ESTADOS UNIDOS MEXICANOS
não proibia expressamente a deportação para países Chefe de Estado e de governo: Felipe Calderón Hinojosa
onde houvesse risco de tortura. Não havia nenhum Pena de morte: abolicionista para todos os crimes
órgão independente para avaliar os pedidos de Tribunal Penal Internacional: ratificado
reconhecimento dos refugiados, nem os locais de População: 109,6 milhões
detenção. Também não havia nenhum sistema Expectativa de vida: 75,6 anos
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 22/18 por mil
independente de denúncias para averiguar alegações
Taxa de alfabetização: 91,6 por cento
de violência cometidas por funcionários contra os
requerentes de asilo detidos, que continuaram a
sofrer com a falta de acesso a cuidados médicos
adequados. Os requerentes de asilo foram mantidos Violações de direitos humanos continuaram a ocorrer
em custódia por tempo excessivo entre o momento da em todo o país e em alguns estados foram
negativa do pedido de asilo e a deportação. Menores sistemáticas. A maioria dos responsáveis pelas
M
de idade ficaram detidos por períodos prolongados e violações continuou a esquivar-se da justiça.
corriam risco de serem deportados sem seus pais e A polícia usou força excessiva para dispersar
sem aviso prévio. manifestantes em várias ocasiões, ferindo vários
A coleta de impressões digitais e de fotografias de deles. Abusos contínuos contra os direitos humanos
todos os estrangeiros maiores de 16 anos que entram foram reportados no estado de Oaxaca.Militares que
no Japão, inclusive dos residentes permanentes, e os exerciam funções de polícia mataram várias pessoas
procedimentos de deportação acelerada de qualquer e cometeram outras graves violações contra os
pessoa considerada um “possível terrorista” pelo direitos humanos. O governo também falhou em
ministro da Justiça, entraram em vigor a partir de levar à Justiça os responsáveis pelas graves violações
outubro. Essas medidas foram associadas a uma lista dos direitos humanos cometidas em décadas
de interdição de acesso sem nenhum mecanismo anteriores.
que permitisse contestar a inclusão de nomes na Jornalistas e defensores de direitos humanos foram
lista. mortos e ameaçados. Em vários estados, as
autoridades fizeram mau uso do sistema de justiça,
Violência contra a mulher submetendo ativistas políticos e sociais a processos
Os parlamentos do mundo todo adotaram resoluções injustos.
que pediam justiça para os sobreviventes do sistema Comunidades indígenas e outros grupos
de escravidão sexual imposto pelo Japão durante a II desprotegidos, tais como os imigrantes, continuaram
Guerra Mundial. Em julho, a Câmara dos Deputados a sofrer discriminação. A falta de acesso a serviços

146 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 147

básicos e a falta de participação nos projetos de de um inquérito especial determinado pela Suprema
desenvolvimento aumentaram as desigualdades e Corte sobre o caso de Lydia Cacho. O inquérito
resultaram em conflito. Freqüentemente, as concluiu que o governador do estado de Puebla e
comunidades prejudicadas tiveram seu devido outras autoridades de alto escalão foram responsáveis
acesso à Justiça negado. pelo mau uso do sistema de justiça, que resultou na
Mesmo com reformas legais positivas, a violência detenção, em maus-tratos e num processo judicial
contra a mulher continuou a ocorrer por todo o país e injusto contra a jornalista por ela ter publicado um
a maioria das mulheres que sobreviveram à violência livro sobre abusos contra crianças e redes de
não puderam ter acesso à Justiça. pornografia. Contudo, a maioria dos juízes da Corte
recusou-se a endossar as conclusões.
Informações gerais Os resultados de dois outros inquéritos especiais
O Presidente Calderón comprometeu-se a combater o determinados pela Suprema Corte de Justiça sobre
crime organizado, que teria sido responsável por mais abusos cometidos nos estados de San Salvador
de 2.500 mortes durante o ano de 2007. Atenco e Oaxaca estavam pendentes no fim do ano.
Em outubro, os governos do México e dos Estados Direitos reprodutivos
Unidos anunciaram a Iniciativa Mérida, um programa A Assembléia Legislativa do Distrito Federal
de cooperação em segurança regional. Os Estados descriminalizou os abortos feitos no primeiro trimestre
Unidos ofereceram 1,4 bilhão de dólares ao México e e disponibilizou serviços para a realização de abortos
à América Central, durante três anos, para financiar na cidade do México. A Procuradoria Geral da
os gastos com segurança e com justiça criminal. No República e a Comissão Nacional de Direitos
fim de 2007, o Congresso dos EUA continuou a Humanos apresentaram à Suprema Corte suas
discutir a proposta e seu impacto potencial sobre os objeções quanto à constitucionalidade dessas
direitos humanos e a segurança. reformas, as quais estavam pendentes no fim do ano.

Desenvolvimentos legais, constitucionais Forças policiais e de segurança –


e institucionais segurança pública
Em maio, as autoridades anunciaram a criação de Militares
um Plano Nacional de Desenvolvimento que incluía Mais de 20 mil militares foram destacados para
garantias para a proteção dos direitos humanos. O efetuar operações policiais em diversos estados a fim
governo também prometeu dar livre acesso aos de combater os grupos de narcotráfico. Houve
M
mecanismos internacionais de direitos humanos e denúncias de que os soldados detiveram
tentar resolver o problema do uso da tortura. arbitrariamente, torturaram e assassinaram ao menos
Em agosto, foi anunciado o desenvolvimento de um cinco pessoas durante essas operações.
novo Programa Nacional de Direitos Humanos.  Em fevereiro, as autoridades do estado de Veracruz
As reformas da Constituição, da segurança pública concluíram que uma índia, Ernestina Ascencio
e do sistema de justiça criminal avançaram no Rosario, havia morrido em conseqüência de um
Congresso. Essas reformas requerem mudanças estupro supostamente cometido por soldados do
substanciais na polícia e nos procedimentos judiciais, Exército que efetuavam operações policiais no estado.
como o fortalecimento dos poderes da polícia e dos Entretanto, a Comissão Nacional de Direitos Humanos
promotores para que possam entrar nos domicílios concluiu que a investigação tinha falhas e que
sem autorização judicial e para que possam manter Ernestina Ascencio Rosario havia morrido de causas
os suspeitos de crime organizado em detenção naturais. Apesar das amplas preocupações com o
provisória (arraigo) por até 80 dias. tratamento dado ao caso, o inquérito foi encerrado.
Suprema Corte de Justiça  Em maio, militares envolvidos em operações
Em fevereiro, a Suprema Corte de Justiça concluiu policiais detiveram arbitrariamente várias pessoas no
que os militares haviam violado a proibição estado de Michoacán. Vários detentos relataram que
constitucional de discriminação ao dispensar oficiais foram vítimas de maus-tratos e quatro adolescentes
com base em sua condição de portadores do HIV. foram abusadas sexualmente ou estupradas.
Em dezembro, foram apresentadas as conclusões  Em junho, soldados que controlavam uma barreira

Informe 2008 - Anistia Internacional 147


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 148

rodoviária no estado de Sinaloa atiraram contra um Violações passadas de direitos humanos


automóvel, matando duas mulheres e três crianças. Casos de violações de direitos humanos cometidas
Vários oficiais foram presos e as investigações militares nos anos 60, 70 e 80 e que haviam sido
ainda prosseguiam no fim do ano. anteriormente investigados pela Promotoria Especial
foram devolvidos à Procuradoria Geral da República
Uso excessivo da força e tortura sem qualquer compromisso coma continuação das
Policiais foram acusados de usar força excessiva e de investigações. O governo ignorou o relatório
praticar tortura. conclusivo da Promotoria Especial reconhecendo que
 Em julho, em Oaxaca, as polícias estadual e os abusos eram crimes praticados sistematicamente
municipal usaram gás lacrimogêneo, pedras e pelo Estado.Foi anunciada, em outubro, a criação de
cacetetes para dispersar manifestantes, ferindo, um fundo para indenizar as vítimas.
gravemente, pelo menos duas pessoas. Houve grande  Em julho, um juiz federal constatou que o massacre
número de prisões. Emeterio Cruz foi fotografado sob de um grande número de estudantes, na praça
custódia em boas condições de saúde; porém, foi Tlatelolco, na cidade do México, em 1968, era
espancado várias vezes pela polícia e depois levado em genocídio. Porém, o juiz considerou não haver provas
coma para um hospital. Ele recebeu alta, em agosto, suficientes contra o ex-presidente Luis Echeverría para
com uma paralisia parcial. Cinco policiais municipais dar continuidade ao processo. Um recurso contra essa
foram detidos e acusados por envolvimento no caso. decisão estava ainda pendente no fim do ano.
 Em junho, a polícia estadual expulsou um grupo de
agricultores indígenas Nahua que ocupavam terras Possíveis desaparecimentos forçados
cuja posse estava sob disputa, no município de O Exército Popular Revolucionário (EPR) acusou as
Ixhuatlán de Madero, no estado de Veracruz. A polícia autoridades do desaparecimento forçado de dois de
fez vários disparos para o alto; um detento foi atingido e seus integrantes, Edmundo Reyes Amaya e Gabriel
ficou ferido.Segundo informações, as pessoas detidas Alberto Cruz Sánchez. O EPR alegou que eles foram
foram espancadas e ameaçadas durante o detidos na cidade de Oaxaca em 25 de maio.
interrogatório, a fim de que implicassem seu líder em Em agosto, o EPR reivindicou a autoria de várias
supostas infrações criminais.Depois de algum tempo, explosões na região central do México como forma de
elas foram libertadas sob fiança enquanto aguardam exigir que as autoridades reconhecessem serem
um processo por ocupação ilegal de terras. responsáveis pela detenção de seus dois integrantes.
Em outubro, um tribunal federal expediu uma ordem
M
Impunidade de habeas corpus (amparo) exigindo o fim do
As investigações sobre alegações de detenção desaparecimento forçado dos dois indivíduos e a
arbitrária, tortura e outras formas de maus-tratos garantia de seu reaparecimento imediato por parte
cometidas pela polícia foram inadequadas na maioria das autoridades. As autoridades estaduais e federais
dos casos e a impunidade para violações de direitos negaram que os dois homens estivessem detidos ou
humanos foi predominante em todo o país. que tivessem forçosamente desaparecido e
As denúncias de violações contra os direitos humanos prometeram investigar o caso. O paradeiro de
cometidas por militares geralmente eram levadas ao Edmundo Reyes Amaya e Gabriel Alberto Cruz
sistema de justiça militar. A Comissão Nacional de Sánchez continuava desconhecido no fim do ano.
Direitos Humanos encontrou evidências da ocorrência
de abusos graves em muitos dos casos; porém, não Violência contra a mulher
recomendou que tais casos fossem encaminhados a Em junho, a Pesquisa Nacional sobre a Dinâmica das
tribunais civis. Relações Familiares concluiu que 67 por cento das
 Em outubro, quatro soldados foram condenados mulheres com mais de 15 anos relataram sofrer
pela Justiça civil pelo estupro de 14 mulheres, em julho algum tipo de violência em casa, na comunidade, no
de 2006, no município de Castaños, no estado de local de trabalho ou na escola, e aproximadamente
Coahuila. Outros militares envolvidos no ataque ou uma em cada 10 relatou que já havia sido vítima de
foram absolvidos ou não foram levados a julgamento. violência sexual.
Em fevereiro, entrou em vigor a Lei Geral de

148 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 149

Acesso das Mulheres a uma Vida Livre de Violência. locais em 2006. Houve sérias preocupações com a
Nove estados adotaram reformas legais semelhantes. imparcialidade do julgamento e da sentença.
Há informações de que mais de 25 mulheres
foram assassinadas em Ciudad Juarez em 2007. As Defensores de direitos humanos
autoridades continuaram não levando à Justiça os Os defensores dos direitos humanos continuaram a
responsáveis por muitos crimes de violência ser vítimas de ataques, ameaças, perseguições e de
cometidos contra mulheres no estado de Chihuahua acusações criminais infundadas em muitos estados,
em anos anteriores. Em outros estados, como no aparentemente como forma de retaliação ao seu
estado do México, havia denúncias de que a trabalho.
impunidade e o número de mulheres assassinadas  Em maio, Aldo Zamora, membro de uma família de
eram ainda maiores. ativistas ambientais que faziam campanha contra o
desmatamento ilegal no município de Ocuilán, no
Sistema judiciário - detenção arbitrária e estado do México, foi morto a tiros. Seu pai havia
julgamentos injustos denunciado várias vezes junto às autoridades que sua
O sistema judiciário criminal continuou a ser usado família estava recebendo ameaças de morte feitas, mas
em alguns estados para processar ativistas sociais e nada foi feito para protegê-los. Dois suspeitos foram
opositores políticos. Eles foram submetidos a longos presos em agosto e outros dois continuavam livres no
períodos de detenção arbitrária e a procedimentos fim do ano.
legais injustos. Apesar de, em muitos casos, serem  Em abril, o defensor dos direitos dos imigrantes,
expedidas ordens judiciais federais favoráveis, os Santiago Rafael Cruz, foi espancado até a morte no
tribunais de justiça dos estados freqüentemente escritório do Fórum Sindical dos Trabalhadores do
falhavam na punição das injustiças. Nenhuma Campo (FLOC) em Monterrey, estado de Nuevo León.
autoridade teve que se justificar por ter violado as As autoridades estaduais negaram que a morte de
normas para julgamentos justos. Santiago Rafael Cruz estivesse ligada ao seu trabalho
 Em novembro, a prisioneira de consciência, em defesa dos direitos humanos, mas as organizações
Magdalena García Durán, uma mulher indígena detida de direitos humanos locais manifestaram preocupação
durante as manifestações ocorridas em San Salvador com a qualidade da investigação feita sobre sua morte.
Atenco, em maio de 2006, foi libertada devido à Um homem foi acusado do assassinato e, no final do
insuficiência de provas. Ela foi libertada depois que um ano, encontrava-se detido aguardando julgamento.
juiz local finalmente aceitou uma segunda ordem de  A defensora de direitos humanos Aline Castellanos
M
um juiz federal. Entretanto, mais de 20 outras pessoas foi forçada a deixar o estado de Oaxaca após receber
detidas em San Salvador Atenco, no mesmo dia, um mandado de prisão fundamentado em provas
estavam sendo julgadas no fim do ano por meio de forjadas que a acusavam de envolvimento com a
procedimentos caracterizados por injustiças ocupação de um prédio público.
semelhantes.
 Diego Arcos, um líder comunitário de Nuevo Tila, no Liberdade de expressão - jornalistas
estado de Chiapas, foi libertado em dezembro de 2007, Jornalistas, principalmente aqueles que fizeram
após passar um ano sob custódia acusado de quatro reportagens sobre tráfico de drogas e corrupção,
assassinatos cometidos durante um ataque à comunidade foram atacados diversas vezes. Pelo menos seis
de Viejo Velasco em novembro de 2006. Mesmo tendo jornalistas e profissionais dos meios de comunicação
obtido um mandado judicial federal favorável em agosto, foram assassinados e três outros foram seqüestrados.
ele só foi libertado quando o secretário estadual de Justiça A maioria das investigações oficiais sobre esses
reexaminou o caso e retirou as acusações. crimes e sobre os ataques feitos contra jornalistas em
 Em maio, Ignacio del Valle Medina, Felipe Alvarez anos anteriores teve pouco ou nenhum progresso.
Hernández e Héctor Galindo Gochicoa, líderes de um  Em outubro, Mateo Cortés Martínez, Flor Vásquez
movimento local de protesto em San Salvador Atenco, López e Agustín López Nolasco, funcionários do jornal
no estado do México, foram sentenciados, cada um, a El Imparcial del Istmo, em Oaxaca, foram mortos a
67 anos de prisão, após serem condenados por quando entregavam jornais. Logo após os assassinatos,
seqüestrar funcionários públicos durante disputas o diretor e dois repórteres do jornal receberam

Informe 2008 - Anistia Internacional 149


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 150

ameaças, advertindo-os de que o mesmo aconteceria Cidade do México e o estado de Guerrero. Ela também reuniu-se com
com eles. autoridades do governo e participou da reunião bienal do Comitê Executivo
As circunstâncias recorrentes dos ataques Internacional da Anistia Internacional em Cocoyoc, no estado de Morelos, em
praticados contra jornalistas resultaram em um agosto
aumento da autocensura, comprometendo a  Mexico: Laws without justice: Human rights violations and impunity in
liberdade de expressão. the public security and criminal justice system (AMR 41/002/2007)
Em abril, a difamação foi descriminalizada na  Mexico: Laws without justice – appeal cases (AMR 41/015/2007)
legislação federal, mas continuou a ser considerada  Mexico: Human rights at risk in La Parota Dam project (AMR
crime na maior parte das jurisdições estaduais. 41/029/2007)
 Mexico: Oaxaca – Clamour for justice (AMR 41/031/2007)
Discriminação - comunidades marginal-
izadas
Muitas comunidades marginalizadas continuaram a
ter acesso limitado aos serviços básicos, apesar do
compromisso assumido pelo governo de aumentar os
gastos na área social. Essa situação fomentou
MOÇAMBIQUE
conflitos, desigualdades e discriminação que
REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE
afetaram, principalmente, muitas comunidades Chefe de Estado: Armando Guebuza
indígenas.O fato de as comunidades prejudicadas por Chefe de governo: Luisa Diogo
projetos de desenvolvimento ou de exploração Pena de morte: abolicionista para todos os crimes
econômica não serem devidamente informadas ou Tribunal Penal Internacional: assinado
consultadas, e de não terem a oportunidade de População: 20,5 milhões
Expectativa de vida: 43 anos
participar da elaboração desses projetos, acentuou as
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 171/154 por mil
tensões e piorou ainda mais suas condições de Taxa de alfabetização: 38,7 por cento
carência.
 As comunidades que se opuseram à construção da
represa da hidrelétrica de La Parota, no estado de Aumentou o número de pessoas suspeitas de
Guerrero, venceram várias ações judiciais preliminares cometerem crimes que foram mortas ilegalmente
com base em que sua aprovação não havia sido obtida pela polícia. A polícia também foi responsável por
por meios legais. No fim do ano, o projeto continuava outras violações de direitos humanos, como prisões e
M
suspenso enquanto se aguardava o resultado de detenções arbitrárias e o uso excessivo da força. As
diversas ações judiciais. inundações, que começaram em dezembro de 2006,
haviam deslocado cerca de 120 mil pessoas até
Imigrantes fevereiro de 2007. A situação se agravou quando o
Houve denúncias contínuas de abusos cometidos Furacão Favio atingiu a província de Inhambane, no
contra alguns dos milhares de imigrantes irregulares sul do país, destruindo casas e causando ainda mais
que cruzaram as fronteiras do sul e do norte do país. prejuízos.
Pessoas que ofereciam assistência humanitária aos
migrantes que cruzavam o México corriam o risco de Informações gerais
serem acusadas de tráfico de pessoas. Em março, Moçambique ratificou a Convenção da
O governo propôs novos procedimentos ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.
regulatórios para os centros de detenção de Em novembro, a Assembléia da República se
imigrantes. As propostas, que restringiriam o acesso autoconcedeu poderes para propor emendas à
da sociedade civil e aumentariam o controle sobre os Constituição, com o objetivo de adiar o que seriam as
imigrantes, ainda aguardavam aprovação do primeiras eleições para as Assembléias Provinciais,
Executivo no fim do ano. programadas para dezembro.
Houve uma série de explosões em um depósito de
Visitas e relatórios da AI armas do Exército na capital, Maputo, e uma
 A secretária-geral da Anistia Internacional visitou a cidade de Oaxaca, a explosão na cidade de Beira. Mais de 100 pessoas

150 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 151

foram mortas, centenas ficaram feridas e outras perdesse a consciência. Depois disso, atiraram em sua
centenas ficaram sem moradia. O incidente mais nuca, atearam-lhe fogo e foram embora,
grave ocorreu em março, quando uma explosão no aparentemente pensando que ele estivesse morto.
depósito de armas do Exército em Malhazine, Abrantes conseguiu arrastar-se até a estrada mais
Maputo, que já havia explodido em fevereiro, matou próxima, onde foi encontrado por moradores que
mais de 100 pessoas e feriu pelo menos 500. entraram em contato com sua família e o levaram para
Explosões menores ocorreram durante todo o ano de o hospital de Xinavane. Ele foi, então, transferido para o
2007, causando ainda mais mortes. Hospital Central de Maputo. A família denunciou o
caso na 5ª Delegacia de Polícia e um policial foi ao
Execuções extrajudiciais hospital para colher seu depoimento. A polícia
O número de pessoas suspeitas de cometerem informou à família que o caso estava sendo investigado,
crimes que foram mortas pela polícia aumentou. mas nenhum dos policiais envolvidos havia sido preso
Somente alguns desses casos foram investigados e até o fim de 2007.
nenhum policial foi processado por cometer violações
dos direitos humanos. Em maio, o procurador-geral Prisões e detenções arbitrárias
anunciou uma investigação sobre a possível Houve denúncias de prisões e de detenções
existência de grupos de extermínio dentro da polícia, arbitrárias pela polícia. A maioria desses casos não foi
os quais seriam responsáveis por esses assassinatos. investigada pelas autoridades.
Entretanto, até o momento, os resultados da  Em março, manifestantes em Maputo exigiram a
investigação não foram divulgados. Policiais detidos renúncia do ministro da Defesa Nacional após uma
por violações de direitos humanos em 2006 ainda segunda explosão no depósito de armas do Exército em
não haviam sido julgados no fim de 2007. Malhazine. Eles argumentavam que o ministro não
 Em abril, três policiais levaram Sousa Carlos Cossa, havia retirado as armas e as munições daquele local
Mustafa Assane Momede e Francisco Nhantumbo de depois de uma explosão anterior, ocorrida em fevereiro.
uma delegacia de polícia em Laulane, Maputo, para Seis manifestantes foram presos e detidos sem
um campo de futebol, no bairro Costa do Sol, onde os acusação na delegacia de Alto Mãe em Maputo. Eles
mataram a tiros. Os policiais alegaram que os três foram soltos na manhã seguinte. O jornalista Celso
homens tentaram fugir. Porém, os resultados da Manguana foi preso na delegacia de Alto Mãe quando
autópsia revelaram que os três haviam sido baleados investigava as seis detenções. Ele ficou detido por dois
na nuca de uma distância muito próxima. Os policiais dias e, depois disso, foi acusado de desacato às
M
foram afastados de suas atividades, mas a polícia, autoridades, sendo então transferido para a Cadeia
inicialmente, se recusou a prendê-los. Finalmente, em Civil de Maputo. Aparentemente, ele chamou os
maio, eles foram detidos e mantidos presos, alegando, policiais de incompetentes quando eles não
então, que cumpriam ordens superiores. A responderam às suas perguntas. Ele foi libertado três
investigação sobre esse caso estava em andamento no dias após ter sido preso, e as acusações contra ele
fim de 2007. foram retiradas.
 Abrantes Afonso Penicela morreu no hospital, em
agosto, um dia depois de ter sido seqüestrado, Visita da AI
espancado, baleado e queimado por policiais que o Representantes da Anistia Internacional visitaram Moçambique em
abandonaram, acreditando que ele estivesse morto. setembro.
Antes de morrer, porém, ele disse a sua família e a um
policial que um grupo de, ao menos, cinco policiais foi
até sua casa, em dois carros, com um amigo seu. O
telefone do seu amigo foi usado para chamá-lo e,
quando ele saiu de casa, os policiais o agarraram, o
colocaram em um dos carros e lhe aplicaram uma
injeção de entorpecente. Os policiais o levaram então
para uma área isolada em Xinavane, cerca de 120 km
ao norte de Maputo, e o espancaram até que ele

Informe 2008 - Anistia Internacional 151


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 152

israelenses mataram aproximadamente 370


PALESTINA palestinos, sendo que quase a metade eram civis,
entre os quais cerca de 50 crianças.
AUTORIDADE PALESTINA
Presidente: Mohmoud Abbas Informações gerais
Primeiro Ministro: Salam Fayyad Os embates armados entre as facções palestinas e
(sucedeu a Ismail Haniyeh em junho)
o aprofundamento da crise econômica se
Pena de morte: retencionista
População: 3,9 milhões intensificaram na primeira metade do ano, sobretudo
Expectativa de vida: 72,9 anos na Faixa de Gaza, onde sanções econômicas
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 23/28 por mil internacionais e sanções econômicas de Israel foram
Taxa de alfabetização: 92,4 por cento impostas após a vitória do Hamas nas eleições da AP
em 2006. A deterioração da situação econômica para
os palestinos foi exacerbada pelo endurecimento do
A violência política entre facções palestinas teve bloqueio imposto pelas autoridades israelenses aos
uma escalada dramática no primeiro semestre de Territórios Palestinos Ocupados (TPO) e pelos
2007 e fez com que diferentes facções freqüentes ataques militares israelenses que
governassem a Cisjordânia e a Faixa de Gaza na provocaram a destruição da infra-estrutura civil
segunda metade do ano. Confrontos entre as forças palestina.
de segurança e os grupos armados leais ao partido Em março de 2007, os líderes do Fatah e do
Fatah, do presidente da Autoridade Palestina (AP), Hamas concordaram em terminar o conflito interno
presidente Mahmoud Abbas, e ao Movimento de e formar um governo de unidade liderado pelo
Resistência Islâmica (Hamas), do primeiro- primeiro-ministro Haniyeh. No entanto, os confrontos
ministro Isma’il Haniyeh, resultaram em centenas armados foram logo retomados e se intensificaram.
de mortes. Em junho, depois de o Hamas ter Em 14 de junho, as forças do Hamas e suas milícias
tomado à força o controle da Faixa de Gaza, o tomaram o controle de todas as instalações de
Presidente Abbas dissolveu o governo do primeiro- segurança e dos prédios do governo da AP
ministro Haniyeh, declarou estado de emergência controlados pelo Fatah na Faixa de Gaza. No mesmo
e estabeleceu um governo de emergência que dia, o Presidente Abbas dissolveu o governo de
excluiu membros do Hamas. Ambas as facções unidade e estabeleceu um governo de emergência
cometeram graves abusos de direitos humanos, com sede na Cisjordânia. Ele designou Salam Fayyad
incluindo detenção arbitrária e tortura. como primeiro-ministro. O Hamas se recusou a
Ataques aéreos e outros ataques das forças reconhecer o governo de emergência e montou uma
israelenses mataram centenas de palestinos e administração de facto do Hamas, que governou
destruíram mais de 100 residências, além de Gaza durante o restante do ano. A UE, os EUA e
P outras propriedades palestinas. Os problemas outros doadores internacionais aumentaram as
sociais e econômicos causados por décadas de sanções contra a administração de facto do Hamas
ocupação israelense, por ataques militares, por na Faixa de Gaza e retomaram a assistência
bloqueios opressivos e por medidas econômicas financeira direta ao governo de emergência da AP na
punitivas nos Territórios Palestinos Ocupados Cisjordânia. O governo de Israel devolveu parte dos
(TPO) tornaram-se cada vez mais severos. O impostos que havia previamente confiscado ao
rigoroso bloqueio de Israel na Faixa de Gaza governo de emergência da AP e, ao mesmo tempo,
atingiu um nível sem precedentes, mantendo reforçou seu bloqueio à Faixa de Gaza. Entre outras
presa toda sua população de 1,5 milhão de medidas, o governo israelense recusou-se a permitir
pessoas e forçando a maioria dos habitantes de a entrada de suprimentos médicos em Gaza ou a
Gaza à pobreza e à dependência de ajuda autorizar a saída de pacientes que necessitavam de
internacional que, muitas vezes, não chegava até tratamento médico urgente. Em conseqüência, cerca
eles (veja capítulo sobre Israel-TPO). de 40 pacientes morreram.
Grupos armados palestinos mataram 13 Em novembro, o governo israelense e o presidente
israelenses, sete dos quais eram civis; as forças da AP, com seu governo de emergência, participaram

152 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 153

de uma reunião internacional promovida pelos EUA que ele não se incumbisse de nenhuma atividade.
em Annapolis, da qual o Hamas foi excluído. O Em 4 de setembro, a administração do Hamas
objetivo da reunião era retomar as negociações de anunciou o estabelecimento de um Conselho
paz; porém, nenhum progresso tangível era evidente Supremo de Justiça alternativo para indicar juízes ao
no final de 2007. Contrariando os compromissos que Departamento de Justiça da Faixa de Gaza – uma
assumiram antes da reunião, as autoridades atitude contrária ao princípio de independência do
israelenses não suspenderam suas restrições à Judiciário e que infringiu as leis palestinas.
circulação dos palestinos nos TPO e continuaram a As divisões entre o Fatah e o Hamas exacerbaram
expandir os assentamentos israelenses na os imensos obstáculos enfrentados pelos habitantes
Cisjordânia. de Gaza quando tentavam obter justiça ou reparação
Durante todo o ano, os principais grupos armados nas já problemáticas instituições judiciais e de
palestinos – Jihad Islâmica, Comitês de Resistência segurança da AP.
Popular, Brigadas dos Mártires de Al Aqsa (braço Em junho, depois que o Hamas assumiu à força o
armado do Fatah) e as Brigadas de Izz al-Din al- poder em Gaza, atiradores do Fatah realizaram
Qassam (braço armado do Hamas) – freqüentemente ataques de retaliação contra supostos ou conhecidos
dispararam foguetes caseiros “qassam” da Faixa de apoiadores do Hamas na Cisjordânia, seqüestrando e
Gaza para o sul de Israel, matando dois civis agredindo diversas pessoas e incendiando dezenas
israelenses e ferindo vários outros. de propriedades.Tais atos foram realizados com
impunidade, muitas vezes na presença das forças de
Tomada de poder do Hamas na Faixa de segurança da AP, que falharam em intervir e em
Gaza manter a lei.
Em junho, depois que as forças do Hamas e suas
milícias aliadas tomaram o controle das instalações Assassinatos, ilegalidade e impunidade
de segurança e das instituições da AP, o Presidente Janeiro a junho
Abbas ordenou que todas as forças de segurança e O clima de ilegalidade e de impunidade, já evidente
instituições judiciais da AP na Faixa de Gaza em anos anteriores, se intensificou na primeira
suspendessem suas operações. A administração de metade de 2007, com o aumento na escalada dos
facto do Hamas preencheu o vácuo institucional e conflitos inter-sectários entre militantes do Fatah e do
legal resultante dessa ação, estabelecendo órgãos Hamas na Faixa de Gaza.
judiciais e de segurança. Esses órgãos careciam de Cerca de 300 palestinos foram mortos nos
pessoal com formação adequada às funções, de confrontos entre as facções. Em sua maioria eram
mecanismos de prestação de contas e de membros de forças de segurança e de milícias rivais;
salvaguardas de direitos humanos. porém, dezenas eram civis desarmados que
Cerca de 40 mil funcionários públicos e passavam nas proximidades. Atiradores efetuaram
integrantes das forças de segurança da Autoridade ataques e realizaram intensos tiroteios em áreas P
Palestina foram demitidos pelo governo de residenciais densamente povoadas, inclusive dentro e
emergência da AP por suspeitas de que trabalhassem próximo de hospitais, com absoluta indiferença pelas
para instituições controladas pelo Hamas na Faixa de vidas de residentes e transeuntes.
Gaza. Dezenas de milhares de outros, que não Integrantes das forças de segurança da AP e grupos
recebiam vencimentos integrais havia mais de um armados afiliados ao Fatah e ao Hamas cometeram
ano, tiveram seus salários pagos pelo governo de homicídios ilegais e seqüestros de rivais com
emergência da AP, sediado na Cisjordânia, sob a impunidade. Em junho, pistoleiros do Hamas
condição de não continuarem trabalhando na Faixa perseguiram membros das forças de segurança da
de Gaza. AP e da milícia do Fatah – as Brigadas de Al Aqsa –
Freqüentemente, as forças do Hamas hostilizavam matando alguns e atirando nas pernas de outros.
ex-membros das forças de segurança e outros Pistoleiros do Fatah também realizaram ataques
funcionários leais ao governo de emergência da AP. similares contra membros do Hamas, embora em
No dia 16 de agosto, as forças do Hamas detiveram menor escala.
brevemente o procurador-geral da AP e ordenaram  Mohammed Swerki, um cozinheiro da Guarda

Informe 2008 - Anistia Internacional 153


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 154

Presidencial, foi atirado do alto de um prédio na cidade responsáveis por assassinatos, por seqüestros e por
de Gaza, em 10 de junho, depois que ele e um colega, outros ataques.
ao entrarem no prédio errado para entregar comida,
foram capturados por atiradores do Hamas. Os Detenções arbitrárias, torturas e outros
atiradores do Fatah retaliaram, seqüestrando um maus-tratos
suposto simpatizante do Hamas, Husam Abu Qinas, Gaza
quando ele voltava para casa do trabalho, e o mataram Depois da metade de junho, as forças e milícias do
jogando-o de outro prédio. Hamas detiveram cerca de 1.500 pessoas em uma
 Uma passeata pacífica pelo fim dos confrontos entre campanha de prisões politicamente motivada.
o Fatah e o Hamas, organizada por partidos de Centenas de pessoas, na maioria apoiadores do Fatah,
esquerda e por outros, no dia 13 de junho, em Gaza, foi foram detidas arbitrariamente por participarem de
alvo de tiros. Três manifestantes foram mortos: manifestações não-violentas. A maior parte dessas
Taghreed Salah al-‘Alia, Shadi Tayseer al-‘Ijla e pessoas foi libertada em 48 horas; porém, só eram
Mohammad Mahmoud Adas. soltas com a condição de assinarem um compromisso
Junho a dezembro de não participarem de futuros protestos ou de outras
A falta de lei, os homicídios ilegais e os seqüestros na formas de oposição. Em muitos casos, as forças do
Faixa de Gaza diminuíram significativamente depois Hamas também exigiram que os detidos pagassem
que o Hamas tomou o poder em junho. No entanto, “multas”. Os indivíduos foram detidos principalmente
as forças e as milícias do Hamas freqüentemente nas antigas instalações de segurança da AP e em
atacavam ativistas do Fatah e outros críticos e outros locais que, segundo as leis palestinas, não
manifestantes, assim como os jornalistas que cobriam podiam ser usados como centros de detenção.
esses ataques. Enquanto isso, integrantes das forças Muitos detidos alegaram terem sido torturados ou
do Hamas foram alvo de ataques à bomba, que o maltratados de outras formas – sendo surrados,
Hamas atribuiu a ativistas do Fatah. amarados em posições dolorosas (shabeh) e
 Em 12 de novembro, pelo menos seis manifestantes ameaçados. Alguns disseram ter sido ameaçados de
foram mortos e dezenas ficaram feridos quando as levar tiros nas pernas. Pelo menos dois detentos –
forças do Hamas atiraram contra os participantes de Walid Abu Dalfa e Fadhel Dahmash – morreram sob
um comício organizado por ativistas do Fatah, para custódia, aparentemente em resultado de tortura ou
celebrar o terceiro aniversário da morte de Yasser de outros maus-tratos.
Arafat, ex-presidente da AP e chefe do Fatah.  Tariq Mohammed Asfour, um ex-policial, foi detido
Na Cisjordânia, as forças da Autoridade Palestina pelas forças e milícias do Hamas no final de junho. Ele
atacaram manifestantes em diversas ocasiões. foi espancado por seis horas com arames, com varas e
 No dia 27 de novembro, em Hebron, um manifestante foi com uma pá de ferro, e teve pregos enfiados em suas
morto a tiros durante um protesto contra a reunião entre tíbias com um martelo.
P Israel e a AP, realizada em Annapolis.  Wael Ghalban, um ativista do Fatah, foi severamente
O governo de emergência da AP, sob intensa pressão dos espancado nos pés e em outras partes do corpo por
doadores ocidentais, tomou algumas medidas para forças do Hamas durante uma noite em que passou
controlar a falta de lei que havia predominado em anos detido, no mês de novembro.
anteriores, especialmente os freqüentes seqüestros, as Cisjordânia
agressões e outros ataques praticados pelas Brigadas de Depois da metade de junho, forças de segurança da
Al Aqsa. Em outubro, as forças de segurança da AP AP lançaram uma ofensiva contra os apoiadores do
implementaram um conjunto de medidas, planejadas Hamas em toda a Cisjordânia e prenderam cerca de
pelo enviado estadunidense para questões de segurança, 1.500 pessoas. A maioria delas foi libertada em alguns
o general Keith Dayton, a fim de aumentar a segurança dias sem acusações e, freqüentemente, sob a
em Nablus, um forte reduto das Brigadas de Al Aqsa. condição de delatar o Hamas e o compromisso de não
Apesar de não terem cessado completamente, essas apoiá-lo. Vários outros permaneceram detidos por
medidas resultaram em uma diminuição acentuada dos várias semanas ou meses e foram, então, libertados
ataques desses grupos. Porém, a AP fracassou em levar à sem acusações. De setembro em diante, porém, as
Justiça os militantes das Brigadas de Al Aqsa forças israelenses geralmente prendiam quem havia

154 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 155

sido solto pela AP. A maioria das detenções da AP ataques, o menor índice anual de fatalidades desde a
foram efetuadas pelas forças de segurança, eclosão da intifada, em 2000.
especialmente a Segurança Preventiva que, de acordo Freqüentemente, os grupos armados palestinos
com a lei palestina, não estava autorizada a deter lançavam foguetes “qassam”, de fabricação caseira,
suspeitos. Os detidos, além disso, eram mantidos em da Faixa de Gaza em direção à cidade vizinha de
locais não autorizados para detenção. As famílias Sderot e a outras áreas próximas em Israel. Dois
raramente eram notificadas sobre as prisões ou sobre israelenses morreram e vários outros ficaram feridos
o paradeiro dos detentos e, em alguns casos, as forças devido aos ataques.
de segurança transferiam os indivíduos de um local  Shirel Friedman e Oshri Oz foram mortos por ataques
para outro a fim de impedir que comparecessem de foguetes “qassam” em Sderot, nos dias 21 e 27 de
perante um juiz ou para evitar cumprir as ordens maio.
judiciais de soltá-los. Com freqüência, os detidos não Os atentados suicidas à bomba e os ataques a tiros
eram levados perante um juiz dentro do prazo praticamente cessaram em 2007. Um ataque suicida
requerido pela lei palestina. Denúncias de torturas e foi realizado pelo grupo Jihad Islâmica, em Eilat, no
de maus-tratos, raras a princípio, tornaram-se mais dia 29 de janeiro.
comuns a partir de agosto, com prisioneiros relatando  Emile Ameliach, Israel Zamalloa e Michael Bem
terem sido propositalmente amarrados em posições Sa’don foram mortos em um ataque suicida a uma
dolorosas (shabeh). A maioria das vítimas, no entanto, padaria em Eilat, no dia 29 de janeiro.
relutava em apresentar queixa por temerem ser presas Na primeira metade do ano, os grupos armados
novamente pelas forças da AP ou detidas pelas forças palestinos continuaram a seqüestrar membros de
israelenses. grupos rivais e cidadãos estrangeiros. Vários reféns
 Ahmad Doleh foi preso pelas forças da AP em palestinos foram mortos (veja acima), embora a
Nablus, no começo de julho, permanecendo detido por maioria tenha sido libertada ilesa.
cinco meses, sem acusação nem julgamento, em vários  Em março, o Exército do Islã, um grupo pequeno e,
locais. Poucos dias após sua libertação pela AP, no até então, pouco conhecido, seqüestrou o jornalista
início do dezembro, ele foi preso pelas forças britânico Alan Johnston na cidade de Gaza e o manteve
israelenses. cativo por 114 dias, ameaçando matá-lo ou feri-lo em
 Hussein al-Sheikh, um advogado da região de várias ocasiões. Ele foi libertado no início de julho depois
Belém, foi detido pelas forças da AP durante 13 dias em de pressões do Hamas.
setembro e, então, libertado sem acusações. Uma  Em junho, o Hamas e os Comitês de Resistência
semana depois, porém, ele foi preso pelas forças Popular divulgaram uma gravação de áudio de Gilad
israelenses e colocado sob detenção administrativa sem Shalit, um soldado israelense capturado em junho de
acusações ou julgamento. 2006. No entanto, continuaram negando o acesso do
Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) ao
Impunidade prisioneiro ou qualquer comunicação com sua família. P
Nem a AP na Cisjordânia nem o Hamas na Faixa de
Gaza tomaram qualquer medida confiável para Violência contra a mulher
assegurar que membros de suas forças de segurança Mais de 10 mulheres foram assassinadas nos
ou de suas milícias prestassem contas de seus atos. chamados “assassinatos em nome da honra” e várias
Eles continuaram desfrutando de impunidade pelos outras foram mortas ou feridas em ataques das forças
abusos de direitos humanos cometidos, inclusive israelenses ou durante os combates sectários entre
homicídios ilegais, tomada de reféns, incêndios grupos palestinos rivais.
criminosos e outros tipos de ataque contra pessoas ou  Nisreen Mohammad Abu Bureik e Inam Jaber
propriedades. Daifallah foram mortas em Gaza, respectivamente, em
julho e agosto. De acordo com suas famílias, ambas
Abusos de grupos armados foram mortas por parentes homens, nos denominados
Os grupos armados palestinos realizaram ataques crimes "de honra".
indiscriminados contra civis israelenses. Treze As vidas das mulheres se tornaram ainda mais difíceis
israelenses, incluindo sete civis, foram mortos nesses devido à deterioração das condições humanitárias, e

Informe 2008 - Anistia Internacional 155


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 156

os bloqueios de Israel aos TPO restringiram ainda Informações gerais


mais seu acesso à saúde e a outros serviços cruciais. Duas fases de um confronto entre o governo e o poder
Pelo menos três mulheres deram à luz em postos de Judiciário dominaram o processo político. Em março, o
controle militar israelenses depois de terem sido presidente da Suprema Corte, Iftikhar Chaudhry, foi
impedidas de prosseguir seu trajeto em busca dos suspenso por suposta má conduta. Porém, em julho,
hospitais mais próximos. por decisão dessa mesma corte, ele foi reconduzido ao
cargo. No dia 3 de novembro, o general Pervez
Visitas e relatórios da AI Musharraf declarou estado de emergência, suspendeu
 Representantes da Anistia Internacional visitaram Gaza e a Cisjordânia a Constituição e substituiu-a por uma Ordem Provisória
em junho/julho e em dezembro. Constitucional.
 Occupied Palestinian Territories: Torn apart by factional strife (MDE Depois que juízes leais à Ordem Provisória
21/020/2007) Constitucional confirmaram que Pervez Musharraf
 Palestinian Authority: New government must end impunity for seria elegível à Presidência, ele renunciou ao comando
lawlessness (MDE 21/002/2007) militar, no dia 28 de novembro, e tomou posse como
 Palestinian Authority: New unity government must put civilian presidente civil.
protection above politics (MDE 21/001/2007) No dia 15 de novembro, um governo interino foi
instalado para preparar as eleições previstas para
janeiro de 2008. O estado de emergência foi suspenso
no dia 15 de dezembro, e uma Constituição emendada
foi restaurada.

PAQUISTÃO Os ex-premiês Benazir Bhutto e Nawaz Sharif


retornaram do exílio para concorrer nas eleições. Em
dezembro, Benazir Bhutto foi assassinada em um
REPÚBLICA ISLÂMICA DO PAQUISTÃO
Chefe de Estado: Pervez Musharraf atentado suicida a bomba, que provocou
Chefe de governo: Muhammadmian Soomro manifestações generalizadas de violência. As eleições
(interino, sucedeu a Shaukat Aziz em novembro) foram adiadas até fevereiro de 2008.
Pena de morte: retencionista Em áreas tribais na fronteira com o Afeganistão e
População: 164,6 milhões em Swat (na Província da Fronteira Noroeste), grupos
Expectativa de vida: 64,6 anos
armados islâmicos e forças talibãs locais consolidaram
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 95/106 por mil
Taxa de alfabetização: 49,9 por cento seu controle no decorrer do ano. Os ataques militares
contra supostos grupos armados islâmicos (aos quais o
governo se refere como "militantes") ou contra alvos do
Talibã envolveram matanças indiscriminadas de civis.
Milhares de advogados, de jornalistas, de militantes
P de partidos políticos e de ativistas de direitos Desenvolvimentos legais e constitucionais
humanos foram detidos arbitrariamente. A A Ordem Provisória Constitucional suspendeu direitos
independência do Judiciário foi coibida. Algumas constitucionais fundamentais, como as salvaguardas
vítimas de desaparecimentos forçados relativas a prisões e detenções, os direitos de
reapareceram, mas centenas ainda continuam segurança da pessoa, os direitos de liberdade de
desaparecidas. Prosseguiram os assassinatos "em expressão, de reunião e de associação.
nome da honra" e a prática de valer-se de jirgas Em novembro, os juízes do Supremo tiveram de
(conselhos tribais informais). A violência contra a fazer um novo juramento de lealdade à Ordem
mulher continuou com impunidade. Ao menos 310 Provisória Constitucional. Doze dos 17 juízes da
pessoas foram condenadas à morte e pelo menos Suprema Corte, entre os quais seu presidente, e cerca
135 foram executadas. Membros de grupos pró- de 40 juízes dos tribunais superiores das províncias, ou
Talibã e de outros grupos islâmicos seqüestraram não foram convidados a prestar o juramento ou se
reféns, mataram civis de modo ilegal e cometeram recusaram a fazê-lo. Aqueles juízes da Suprema Corte
atos de violência contra mulheres e meninas. que prestaram juramento sob a Ordem Provisória
Constitucional, conseqüentemente, validaram esta

156 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 157

ordem, bem como o estado de emergência. especial da ONU sobre a liberdade de religião, Asma
No dia 10 de novembro, o Presidente Musharraf Jahangir, ficou detida em sua casa por 90 dias sob
emendou a Lei do Exército para permitir que civis uma ordem de detenção baseada no decreto de
acusados de traição, de subversão e de indefinidas Manutenção da Ordem Pública, que foi suspensa no
"declarações que conduzam a danos públicos", dia 16 de novembro. Uma ordem de detenção de 90
cometidos a partir de janeiro de 2003, pudessem ser dias expedida contra Hina Jilani, representante
julgados em tribunais militares especial do secretário-geral da ONU para os
No dia 21 de novembro, o Presidente Musharraf defensores de direitos humanos, não foi cumprida
promulgou uma emenda constitucional que impedia a quando ela retornou ao país.
análise judicial do estado de emergência, da Ordem  No dia 5 de novembro, o líder nacionalista baluchi
Provisória Constitucional e de qualquer ação tomada Hasil Bizenjo; Ayub Qureshi, dirigente provincial do
durante o período de exceção. Partido Nacional do Baluchistão; Yusuf Mastikhan, vice-
Centenas de casos na Suprema Corte e nos quatro presidente do Partido Nacional dos Trabalhadores; e os
tribunais superiores provinciais estão atrasados, pois os líderes sindicais Liaquat Sahi e Farid Awan foram presos
advogados boicotaram os tribunais presididos por em Karachi, acusados de subversão e desordem após
juízes que prestaram juramento sob a Ordem fazerem discursos contrários à imposição do estado de
Provisória Constitucional. emergência. Eles foram libertados mediante fiança no
dia 22 de novembro, mas as acusações permaneceram.
Prisões e detenções arbitrárias
Durante o período de emergência, o direito à liberdade Tortura e outros maus-tratos
de reunião foi reprimido por meio da aplicação rigorosa Muitas das pessoas que foram detidas arbitrariamente
da Seção 144 do Código de Processo Penal, o qual teriam sido torturadas ou foram maltratadas por meio
proíbe a reunião de mais de quatro pessoas em lugar de práticas como privação de sono e negação de
público sem autorização. A maioria das pessoas tratamento médico de urgência. A tortura e outros
detidas foi presa sem referência a qualquer lei, maus-tratos foram usados rotineiramente contra
enquanto outros o foram por infringir a Seção 144 e pessoas suspeitas de cometerem crimes.
por ameaçar a manutenção da ordem pública. Alguns  Mohammad Shahid Rind foi preso no dia 28 de julho
foram mantidos em detenção administrativa, segundo e, segundo informações, foi torturado pela polícia, que o
o Decreto de Manutenção da Ordem Pública. Diversos teria confundido com o irmão de um criminoso
manifestantes foram acusados de crimes terroristas ou procurado. O Tribunal Superior de Sind determinou que
de subversão. ele fosse solto e recebesse tratamento médico, tendo
Entre os meses de março e julho, centenas de aberto um inquérito para investigar sua prisão e sua
advogados e de ativistas que apoiavam o presidente da tortura. Ele permanecia detido no final do ano.
Suprema Corte foram detidos. Membros idosos de
partidos políticos foram arrastados de suas casas à Desaparecimentos forçados P
noite, e ativistas foram detidos em prisões distantes de A Suprema Corte realizou audiências sobre petições de
suas casas. Às vésperas do esperado retorno do ex- habeas corpus em nome de mais de 400 pessoas que
primeiro-ministro Nawaz Sharif, em setembro, foram submetidas a desaparecimentos forçados, tanto
centenas de filiados partidários foram presos. no contexto da "guerra ao terror" do governo quanto
Após a declaração de estado de emergência, vários em outras campanhas de segurança nacional. Depois
dos juízes afastados, inclusive o presidente do da apresentação das petições, mais de 100
Supremo, foram colocados em prisão domiciliar de desaparecidos foram localizados. Alguns dos que
facto, impedidos de ter acesso à família ou amigos, reapareceram haviam sido detidos sob acusações
sem referência a qualquer lei. Milhares de advogados e aparentemente falsas.
de outros defensores dos direitos humanos foram No dia 5 de outubro, o presidente da Suprema Corte, o
detidos, entre os quais 55 ativistas de direitos humanos juiz Iftikhar Chaudhry, afirmou haver "provas
que haviam se reunido no escritório da ONG Comissão irrefutáveis" de que as pessoas desaparecidas estavam
de Direitos Humanos do Paquistão, em Lahore, no dia sob a custódia de agências secretas e de que os
4 de novembro. A presidente da Comissão e relatora responsáveis seriam processados. Ele ordenou que

Informe 2008 - Anistia Internacional 157


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 158

todos aqueles cujo paradeiro ainda era desconhecido policiais, na maioria à paisana, os espancaram usando
comparecessem perante o tribunal. As audiências cassetetes. Em 1º de outubro, a Suprema Corte
prosseguiram até o dia 2 de novembro, quando a corte considerou o chefe da polícia de Islamabad responsável
prorrogou os procedimentos até 13 de novembro. por ordenar o uso desproporcional da força e
Porém, após a imposição do estado de emergência, no determinou sua imediata suspensão. No dia 23 de
dia 3 de novembro, e da suspensão de vários juízes da outubro, a Suprema Corte concluiu que o destacamento
Suprema Corte, as audiências sobre os desaparecidos de policiais à paisana havia sido ilegal.
não foram mais realizadas. Em julho, depois de não terem prendido ou tentado
O destino e o paradeiro de centenas de pessoas processar os religiosos e estudantes da Mesquita
continuou incerto; temia-se que estivessem sob risco Vermelha, em Islamabad, que seqüestraram,
de tortura ou de outros maus-tratos. espancaram e ameaçaram pessoas que eles
 Saud Memon, que seria o proprietário da cabana em consideraram estarem desrespeitando as normas
que o jornalista estadunidense seqüestrado Daniel Pearl islâmicas, as forças de segurança sitiaram e depois
foi assassinado em 2002, foi encontrado próximo a sua invadiram a mesquita. Calcula-se que ao menos 100
casa, em Karachi, no dia 28 de abril de 2007. Ele havia pessoas tenham sido mortas. Entre os mortos estavam
perdido a memória, não conseguia falar e pesava apenas mulheres e crianças desarmadas que, possivelmente,
36 kilos. No dia 18 de maio, ele morreu no hospital. foram usadas como escudos humanos pelos indivíduos
Acredita-se que ele tenha sido preso por agentes do FBI, entrincheirados na mesquita. Os religiosos e os
o Birô Federal de Investigação dos Estados Unidos, em estudantes haviam sido avisados previamente pelo
março de 2003, na África do Sul. Ainda não se sabe Presidente Musharraf que seriam mortos caso não se
onde e sob a custódia de quem ele foi mantido depois rendessem.
disso. A polícia foi cúmplice nos violentos ataques
As transferências ilegais de vítimas de supostamente realizados por aliados políticos do
desaparecimentos forçados para países onde estariam governo, sobretudo durante a campanha dos
em risco de sofrer tortura ou outros maus-tratos advogados contra a suspensão do presidente do
prosseguiram. Supremo, em março. No dia 12 de maio, pelo menos
 Osman Alihan, um homem de etnia uigur da Região 40 pessoas que faziam uma manifestação de boas-
Autônoma Uigur de Xinjiang, na China, foi mantido em vindas ao presidente do tribunal, em Karachi, foram
um local de detenção desconhecido após ter sido preso mortas em conseqüência desses ataques dos aliados
em Rawalpindi, no dia 4 de julho. Ele estava sendo políticos. A polícia geralmente não protegia nem os
procurado pelas autoridades chinesas por suposta manifestantes, nem os advogados e nem mesmo
filiação ao proscrito Movimento Islâmico do Turquistão impedia a violência.
Oriental. No final de julho, ele foi transferido ilegalmente Nas áreas tribais e em Swat, o Exército alegou ter
à China. Seu destino permanecia desconhecido. Outro matado centenas de "militantes", mas os moradores
P homem de etnia uigur, Ismail Semed, foi executado na locais disseram que muitas das vítimas eram mulheres
Região Autônoma Uigur de Xinjiang, no dia 8 de e crianças. Os militares efetuaram vários bombardeios
fevereiro de 2007, por "tentativa de dividir a pátria" e por em vilarejos, que, segundo informações, resultaram na
outros delitos. Ele havia sido repatriado à força do morte de inúmeros civis desarmados. Poucas
Paquistão para a China em 2003 (veja a entrada sobre a tentativas foram feitas para prender e julgar os
China). supostos "militantes".
 No dia 7 de outubro, aviões de caça bombardearam
Uso excessivo da força supostos "esconderijos de militantes" no Waziristão do
Durante várias ondas de protestos, as forças de Norte, matando cerca de 250 pessoas, inclusive civis.
segurança fizeram uso excessivo e desnecessário da Segundo informações, milhares de camponeses fugiram
força contra manifestantes pacíficos. da região.
 Em 29 de setembro, mais de 80 advogados e
militantes de partidos políticos que protestavam em Restrição à liberdade de expressão
Islamabad contra as futuras eleições presidenciais Muitos jornalistas que faziam a cobertura das
ficaram feridos; alguns deles gravemente, quando manifestações de protesto foram espancados,

158 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 159

ameaçados e detidos. Depois da imposição do estado Continuaram os processos com base nas leis de
de emergência, estações de rádio e de televisão blasfêmia, e muitas pessoas foram condenadas à
independentes foram fechadas. Em novembro, foram morte.
publicadas novas leis arbitrárias de restrição aos meios  Younus Masih, um homem cristão, foi condenado à
de comunicação impressos e eletrônicos. Canais de TV morte por blasfêmia em um tribunal de Lahore, no dia 30
paquistaneses independentes foram proibidos de de maio, em um julgamento que, segundo informações,
realizar suas transmissões dentro do Paquistão, a foi injusto. Ele foi falsamente acusado de fazer
menos que assinassem um Código de Conduta observações difamatórias contra o profeta do Islã
restringindo as críticas ao governo. durante um serviço religioso em 2005. Younus Masih era
um prisioneiro de consciência.
Abusos de grupos armados
Tomadas de reféns e assassinatos Violência contra a mulher
Integrantes de grupos armados islâmicos foram A violência sob custódia, inclusive estupro, continuou
responsáveis por tomadas de reféns, por assassinatos acontecendo. O Estado falhou no seu dever de prevenir
de prisioneiros cativos e por outros homicídios ilegais. e processar casos de violência doméstica e
Após o cerco da Mesquita Vermelha, os atentados comunitária, como mutilações, estupros e assassinatos
suicidas contra instalações do governo e do Exército "em nome da honra". A ONG Fundação Aurat afirmou
aumentaram, resultando em mais de 400 mortes. que, nos primeiros 10 meses de 2007, somente na
Somente no mês de julho, 194 pessoas, entre as quais província de Sind, 183 mulheres e 104 homens foram
muitos civis, foram mortas em 13 atentados suicidas. assassinados por, supostamente, mancharem a
Membros de grupos islâmicos executaram dezenas de "honra" da família. Apesar de, em 2004, o Tribunal
pessoas consideradas contraventoras da lei islâmica ou Superior de Sind ter proibido as jirgas, esses conselhos
que se julgava terem cooperado com o governo. Em continuaram a ter apoio oficial. Em novembro, o
alguns casos, as execuções ocorreram após a ministro interino da Informação, Nisar Memon,
realização de audiências por conselhos islâmicos declarou que as jirgas eram uma realidade e que
(shura). deveriam ser "trazidas para dentro do sistema".
Em agosto, um grupo pró-Talibã em Waziristão do Em diversas ocasiões, a corte superior determinou a
Sul, divulgou um vídeo que, aparentemente, mostrava instauração de processos judiciais contra pessoas
um adolescente decapitando um membro de uma responsáveis pela prática da swara: a entrega de uma
força paramilitar pró-governo que havia sido capturado. menina ou de mulher para o casamento com um
O vídeo fez surgirem preocupações de que o grupo adversário em troca da resolução de disputas. Essa
estaria utilizando crianças para cometer graves abusos prática passou a ser punível com até 10 anos de
de direitos humanos. prisão, segundo uma lei de 2005. No entanto,
Violência contra meninas e mulheres continuou a ser amplamente disseminada.
Cada vez mais, meninas e mulheres foram alvo de P
abusos nas áreas de fronteira com o Afeganistão sob Direitos das crianças ignorados
controle do Talibã. O número de tribunais de menores ainda era
 Em Bannu, na Província da Fronteira Noroeste, os insuficiente. Crianças continuaram a ser julgadas e
corpos de duas mulheres foram encontrados em detidas juntamente com adultos. Houve casos de
setembro. Um bilhete preso ao corpo de uma delas crianças detidas sob uma cláusula de responsabilidade
afirmava que ela havia sido morta como punição por coletiva da Regulamentação de Crimes de Fronteira
suas atividades imorais. nas áreas tribais, por delitos que foram cometidos por
outrem: uma clara violação à proibição de punições
Discriminação contra minorias religiosas coletivas no direito internacional.
As autoridades não deram proteção às minorias
religiosas. Pena de morte
 Em setembro, em Karachi, dois médicos ahmadi Cerca de 310 pessoas teriam sido condenadas à
foram mortos, supostamente, em razão de sua crença morte, a maioria por homicídio. Ao menos 135
minoritária. Ninguém foi preso. pessoas foram executadas, entre as quais, pelo

Informe 2008 - Anistia Internacional 159


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 160

menos um menor infrator. Maus-tratos


 Muhammad Mansha foi executado em Sahiwal no Em 2007, prosseguiram as denúncias de maus-
mês de novembro. Ele havia sido condenado à morte, tratos policiais e a impunidade para esses crimes.
em março de 2001, por um assassinato cometido  No dia 29 de maio, o 2º Juízo Criminal de Lisboa
quando ele tinha aproximadamente 15 anos. absolveu todos os sete réus em uma ação criminal
contra agentes prisionais acusados de agredir Albino
Punições cruéis, desumanas e Libânio, no Estabelecimento Prisional de Lisboa, em
degradantes 2003. O Serviço de Auditoria e Inspecção da
Os decretos Hudud continuaram a prever Direcção-Geral dos Serviços Prisionais (DGSP)
açoitamentos e amputações, mas punições como estas investigou o incidente e concluiu que Albino Libânio
não foram efetuadas em 2007. Em junho, o Tribunal havia, de fato, sido agredido pelos agentes prisionais,
Federal Shariat anulou uma sentença de amputação como ele alegara. O tribunal reconheceu as lesões
da mão direita e pé esquerdo, imposta por roubo a sofridas por Albino, porém, absolveu os réus com
Ajab Khan, um cidadão afegão, em janeiro de 2006. O base na falta de provas que confirmassem sua
Tribunal decidiu que sentenças obrigatórias tais como responsabilidade. Albino Libânio interpôs um recurso
amputações não podem ser impostas pela lei islâmica junto ao Tribunal de Recursos, argumentando que o
a menos que a confiabilidade das testemunhas possa tribunal havia falhado na condução de investigações
ser determinada primárias, as quais teriam fornecido as informações
necessárias para assegurar uma condenação. O
Visitas e relatórios da AI recurso ainda estava pendente no final do ano.
 Uma delegação da Anistia Internacional visitou o Paquistão em
dezembro. Imigração
 Pakistan: Fatal erosion of human rights safeguards under emergency Uma nova lei de imigração, que passou a vigorar em
(ASA 33/040/2007). 4 de julho, introduziu certos direitos legais para os
 Pakistan: Amnesty International’s call to political parties to commit imigrantes que aguardam decisão sobre sua
themselves to uphold a 12-point plan on human rights (ASA 33/052/2007). expulsão ou admissão em território português, com
ênfase especial sobre os direitos dos menores
desacompanhados. A lei também especifica que
facilitar a imigração ilegal de maneira a pôr em risco
a vida do imigrante, ou a configurar tratamento

PORTUGAL desumano ou degradante, pode acarretar punição


entre dois e oito anos de prisão. Pessoas vítimas de
tráfico humano não serão mais classificadas como
REPÚBLICA PORTUGUESA
Chefe de Estado: Aníbal António Cavaco Silva imigrantes ilegais.
P
Chefe de governo: José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa
Pena de mortey: abolicionista para todos os crimes Violência contra a mulher
População: 10,6 milhões O terceiro Plano Nacional contra a Violência
Expectativa de vida: 80,2 anos Doméstica entrou em vigor no mês de junho. Um de
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 6/5 por mil
seus principais dispositivos assegura livre acesso à
Taxa de alfabetização: 99 por cento
assistência médica para as vítimas de violência
doméstica. Em julho, o governo declarou que 39
mulheres foram mortas por seus maridos ou
As denúncias de maus-tratos por parte da polícia parceiros no ano de 2006.
prosseguiram e a impunidade continuou arraigada.
Persistiu a violência contra a mulher. O Ministério “Guerra ao terror”
Público abriu um inquérito para investigar suspeitas No dia 25 de janeiro, o ministro dos Negócios
de que vôos secretos da CIA tenham feito escalas em Estrangeiros declarou que as investigações do
Portugal. governo sobre as denúncias de que vôos secretos da
CIA teriam feito escalas em Portugal durante

160 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 161

operações de transferência ilegal de suspeitos de ter acesso ao apoio de que necessitavam.


um país para outro (renditions) haviam sido Requerentes de asilo rejeitados continuaram sendo
encerradas. O ministro afirmou não haver evidências compelidos a situações de privação.
que sustentassem a continuação do inquérito.
Porém, no dia 5 de fevereiro, o Ministério Público "Guerra ao terror"
anunciou que abriria uma investigação criminal Ordens de Controle
sobre a possível tortura e outros maus-tratos A contar de dezembro, havia 14 “ordens de controle”
relativos à suspeita de vôos secretos da CIA, com em vigência sob os poderes da Lei de Prevenção ao
base em informações fornecidas por uma Terrorismo de 2005.
representante portuguesa no Parlamento Europeu e  Em outubro, o mais alto tribunal do Reino Unido, o
por um jornalista. Até o fim do ano, não haviam sido Comitê de Apelação da Câmara dos Lordes (Law
divulgadas mais informações. Lords), julgou quatro casos de referência relativos ao
sistema de ordens de controle. Os lordes confirmaram,
Relatório da AI entre outras coisas, que o toque de recolher de 18
 Europa e Ásia Central: Resumo das Preocupações da Anistia horas, que o ministro do Interior (Home Secretary)
Internacional na Região, janeiro-junho de 2007 (EUR 01/010/2007). tentara impor a um grupo de indivíduos, constituía uma
privação de liberdade além do que a lei permitia. Os
lordes ordenaram à Suprema Corte que reconsiderasse
a eqüidade da audiência proporcionada a dois
indivíduos que questionaram as ordens de controle

REINO UNIDO impostas a eles. O conteúdo das acusações contra


esses dois homens fora ocultado tanto deles quanto
dos advogados de sua escolha.
REINO UNIDO DA GRÃ-BRETANHA E IRLANDA DO NORTE
Chefe de Estado: Rainha Elizabeth II  Em janeiro, uma pessoa foi condenada por infringir
Chefe de governo: Gordon Brown as obrigações decorrentes de uma ordem de controle –
(sucedeu a Tony Blair em junho) a primeira condenação referente a um delito previsto
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes na Lei de Prevenção ao Terrorismo – e recebeu uma
Tribunal Penal Internacional: ratificado sentença de cinco meses de prisão.
População: 60 milhões
Expectativa de vida: 79 anos
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 6/6 por mil Deportações com garantias
Taxa de alfabetização: 99 por cento As autoridades do Reino Unido continuaram tentando
deportar pessoas que elas afirmavam ser uma
ameaça para a segurança nacional do Reino Unido,
O Reino Unido continuou tentando repatriar pessoas apesar de razões substanciais para acreditarem que
para países em que enfrentariam um risco real de essas pessoas enfrentariam um risco real de violações
sofrer violações graves de direitos humanos com de direitos humanos caso retornassem aos seus
base em “garantias diplomáticas” sem países de origem. As autoridades prosseguiram
R
obrigatoriedade jurídica. O segredo na implantação sustentando que as garantias diplomáticas recebidas
de medidas antiterroristas ocasionou procedimentos de países para os quais essas pessoas seriam
judiciais injustos. Houve falhas contínuas na deportadas eram suficientes para protegê-las de tal
prestação de contas por violações passadas, risco; ainda que nenhum tribunal possa exigir o
inclusive com relação à suposta cumplicidade do cumprimento dessas garantias.
Estado em assassinatos na Irlanda do Norte. O Os procedimentos pelos quais essas deportações
governo tentou limitar a aplicação extraterritorial das poderiam ser questionadas, na Comissão Especial de
proteções de direitos humanos, particularmente com Apelações sobre Imigração (SIAC), foram injustos, em
relação às atividades de suas forças armadas no particular por sua aceitação de material secreto não
Iraque. Mulheres submetidas ao controle de revelado nem aos apelantes nem aos advogados de
imigração e que sofreram violência no Reino Unido, sua escolha.
inclusive violência doméstica e tráfico, não puderam Durante o ano, oito indivíduos que o Reino Unido

Informe 2008 - Anistia Internacional 161


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 162

tentava deportar para a Argélia por razões de em procedimentos que equivaliam a uma “completa”
segurança nacional desistiram de seu direito de negação do que seja um julgamento justo, e de que
continuar apelando contra a deportação, sendo, pudessem ser condenados à morte.
assim, repatriados.
 Em janeiro, dois argelinos – Reda Dendani, citado Detentos de Guantánamo com conexões
nos procedimentos legais como Q, e outro homem, no Reino Unido
citado nos procedimentos legais como H, – foram Em abril, Bisher Al Rawi, ex-residente do Reino
deportados do Reino Unido para a Argélia. Antes da Unido, foi devolvido para o Reino Unido depois de
deportação, consta que ambos teriam recebido mais de quatro anos sob custódia dos EUA na base
garantias orais das autoridades argelinas de que não de Guantánamo.
eram procurados na Argélia. Ambos foram presos e Em agosto, autoridades britânicas escreveram às
detidos assim que retornaram e foram acusados de autoridades estadunidenses, requisitando a libertação
“participação em uma rede terrorista operando no da base de Guantánamo e o retorno ao Reino Unido
exterior”. Segundo informações, H e Reda Dendani dos ex-residentes Jamil El Banna, Omar Deghayes,
foram condenados em novembro e sentenciados, Shaker Aamer, Binyam Mohammed e Abdennour
respectivamente, a três e oito anos de prisão. Sameur. Não houve qualquer pedido em nome de um
 Em maio, o argeliano Moloud Sihali ganhou um sexto ex-residente, Ahmed Belbach, cidadão argelino
recurso contra sua deportação por razões de que, segundo informações, foi liberado para soltura e
segurança nacional. A SIAC decidiu que ele não era enfrentaria um risco real de detenção secreta caso
uma ameaça à segurança nacional. fosse devolvido para a Argélia, o que o deixaria em
 Em julho, o Tribunal de Recursos julgou as perigo de sofrer tortura ou outros maus-tratos.
apelações de três argelinos contra as decisões da SIAC Em dezembro, Jamil El Banna, Omar Deghayes e
de confirmar suas ordens de deportação por razões de Abdennour Sameur foram devolvidos para o Reino
segurança nacional. Os três homens eram: Mustapha Unido. Os três foram detidos ao chegar. Abdennour
Taleb, mencionado nos procedimentos legais como Y; Sameur foi libertado sem acusações. Jamil El Banna
um homem citado como U; e outro, referido como BB. e Omar Deghayes foram libertados sob fiança até que
O Tribunal de Recursos decidiu que a SIAC deveria seja realizada uma audiência formal sobre sua
reconsiderar todos os três casos. Nos casos de BB e de extradição para a Espanha, a fim de que lá sejam
U, o Tribunal de Recursos chegou a esta conclusão por julgados.
motivos que não foram revelados nem aos indivíduos, No fim do ano, Binyam Mohammed, Shaker
nem aos seus advogados, nem ao público. Em Aamer e Ahmed Belbacha permaneciam na base de
novembro, a SIAC reafirmou sua decisão anterior de Guantánamo.
que os três poderiam ser devolvidos para a Argélia
legalmente e com segurança. Transferências extrajudiciais (renditions)
 Em fevereiro, a SIAC rejeitou a apelação de Omar Em julho, o Comitê de Inteligência e Segurança (ISC)
Mahmoud Mohammed Othman, também conhecido divulgou um relatório sobre o suposto envolvimento
como Abu Qatada, contra sua deportação para a do Reino Unido no programa de transferências
R
Jordânia, por razões de segurança nacional. A SIAC extrajudiciais liderado pelos EUA. O informe fez
concluiu que o Memorando de Entendimento que o críticas limitadas às autoridades britânicas, inclusive
Reino Unido finalizou com a Jordânia, em 2005, por não manterem “registros apropriados para
garantiria sua segurança nesse país. No final do ano, pesquisa” dos requerimentos para conduzir
seu apelo contra a decisão ainda estava pendente. operações de transferências extrajudiciais através do
 Em abril, a SIAC impediu a tentativa de deportar dois espaço aéreo britânico. Porém, concluiu-se, nesse
cidadãos líbios – mencionados nos procedimentos informe, não haver “provas” de que o Reino Unido
legais como DD e AS – para seu país de origem por tenha sido cúmplice nas “transferências
razões de segurança. A SIAC concluiu que, apesar das extraordinárias como foram definidas pelo ISC.
garantias oferecidas no Memorando de Entendimento O ISC está subordinado diretamente ao primeiro-
entre o Reino Unido e a Líbia, existia um risco real de ministro, que decide se o relatório será apresentado
que, retornando para a Líbia, DD e AS fossem julgados ao Parlamento. A Anistia Internacional considerou

162 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 163

que o órgão não tem suficiente independência do britânica apenas a partir do momento de sua
Executivo para conduzir uma investigação chegada à unidade de detenção administrada pelo
devidamente independente e imparcial sobre as Reino Unido, e não desde o momento de sua prisão.
alegações de envolvimento do Reino Unido nas Os lordes ordenaram que o caso de Baha Mousa
transferências. retornasse a um tribunal inferior, para que se
Continuaram a surgir informações sugerindo que o determinasse se havia ocorrido violação de seu direito
território britânico, incluindo a ilha de Diego Garcia, à vida e de seu direito de não ser torturado. Até o
pode ter sido utilizado por aeronaves envolvidas em final do ano, esses procedimentos judiciais não
vôos de transferências extrajudiciais. As autoridades haviam sido retomados.
britânicas disseram à Anistia Internacional que o  Em dezembro, os lordes julgaram um recurso contra
Reino Unido “não mantém registros rotineiros dos a detenção sem acusação nem julgamento, por mais
vôos que chegam ou saem de Diego Garcia”, mas de três anos, de Hilal Al-Jedda, um dos cerca de 75
que estavam “satisfeitas com [a] garantia” dada pelos “detentos de segurança” mantidos pelas forças
EUA de que “não utilizaram Diego Garcia para britânicas no Iraque. Eles decidiram que Hilal Al-Jedda
nenhuma operação de transferência extrajudicial”. estava sob jurisdição britânica, pois sua detenção era
legalmente atribuída ao Reino Unido e não (como o
Forças armadas britânicas no Iraque país alegara) às Nações Unidas. No entanto, eles
O governo continuou tentando limitar a aplicação de julgaram que a Resolução 1546 do Conselho de
suas obrigações de direitos humanos fora do território Segurança da ONU permitia que o Reino Unido
britânico, sobretudo com relação às atividades de efetivamente mantivesse pessoas detidas no Iraque.
suas forças armadas no Iraque. Não fosse por isso, fazê-lo seria considerado
 Em março, foi concluído o julgamento militar (court incompatível com as obrigações do Reino Unido frente
martial) de sete militares britânicos. Eles foram à Corte Européia de Direitos Humanos.
acusados em conexão com a tortura e a morte de Baha
Mousa, em setembro de 2003, e pelo tratamento Disparos da polícia e mortes sob custódia
dispensado a vários outros civis iraquianos presos e  Em novembro, um júri condenou o Comissariado da
detidos na base militar britânica de Basra no mesmo Polícia Metropolitana – por um delito previsto na
período. Um dos acusados declarou-se culpado da legislação de saúde e segurança – em conexão com a
acusação de tratamento desumano, um crime de operação policial que resultou na morte, a tiros, de
guerra. Ele foi absolvido das demais acusações contra Jean Charles de Menezes em julho de 2005.
ele. Seis outros foram absolvidos de todas as Após o veredicto, a Comissão Independente de
acusações. Queixas à Polícia (IPCC) publicou seu relatório sobre
O juiz observou que encapuzar prisioneiros, os disparos da polícia. A Comissão reiterou a
mantê-los em posições estressantes e privá-los de preocupação com o fato de a polícia ter tentado
sono se tornaram “procedimentos padrão de impedir que a Comissão realizasse a investigação
operação” dentro do batalhão responsável pela sobre o tiroteio desde o começo.
detenção dos indivíduos. Em dezembro, teve início uma audiência para
R
 Em junho, os lordes julgaram seis casos decidir se uma investigação forense sobre a morte,
apresentados sob o nome Al Skeini, referentes às que havia sido adiada até que o processo criminal
mortes de seis civis iraquianos. Cinco dos seis foram estivesse finalizado, deveria ser retomada.
atingidos por disparos fatais, em circunstâncias A Comissão Independente de Queixas à Polícia
controversas, durante operações realizadas pelas anunciou que quatro policiais envolvidos na operação
forças armadas britânicas; o sexto era Baha Mousa. não enfrentariam acusações disciplinares.
Os lordes decidiram que os cinco primeiros
indivíduos não estavam sob jurisdição britânica Atualizações
quando foram mortos, e que as obrigações do Reino  Em junho, o Tribunal de Recursos confirmou o
Unido sob a Convenção Européia de Direitos veredicto de 2004 de um grande júri, de que o policial
Humanos não eram, portanto, aplicáveis a eles. Eles que atirou e matou Derek Bennett, em 2001, havia
decidiram que Baha Mousa estava sob jurisdição agido dentro da legalidade.

Informe 2008 - Anistia Internacional 163


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 164

 Em agosto, a Comissão Independente de Queixas à bomba em Omagh, em 1998, entre outros incidentes.
Polícia anunciou que nenhum dos oito agentes da O único réu foi absolvido de todas as acusações contra
Polícia Metropolitana envolvidos nos eventos que ele. O juiz fez críticas ao caso da promotoria,
levaram à morte sob custódia de Roger Sylvester, em especialmente à maneira com que as provas de DNA
janeiro de 1999, enfrentará ações disciplinares. foram utilizadas. Ele acusou dois funcionários da
polícia de “indução ao erro deliberada e calculada” e
Irlanda do Norte remeteu o caso ao ouvidor da polícia para a Irlanda do
Em maio, o governo direto chegou ao fim, com a Norte.
restauração da Assembléia da Irlanda do Norte,
suspensa desde 2002. Refugiados e requerentes de asilo
Conivência e assassinatos políticos Em outubro, a Lei de Fronteiras do Reino Unido foi
Em janeiro, a Ouvidoria da Polícia para a Irlanda do aprovada. A lei falha em pôr fim à situação de
Norte divulgou um relatório sobre uma investigação carência a que são forçados os requerentes de asilo
que encontrou provas de conivência entre a polícia e rejeitados, em função da legislação existente.
os paramilitares legalistas em um período tão recente O governo britânico continuou a impor o retorno de
quanto 2003. requerentes de asilo iraquianos rejeitados para o
Em junho, o Comitê de Ministros do Conselho da norte do Iraque.
Europa adotou sua segunda resolução provisória Uma ação legal em andamento impede o governo
sobre a obediência do Reino Unido a uma série de do Reino Unido de devolver requerentes de asilo
julgamentos da Corte Européia de Direitos Humanos. rejeitados para o Zimbábue.
Os casos em questão foram apresentados por Em novembro, os lordes revogaram a decisão de
familiares de indivíduos que, supostamente, foram um Tribunal de Recursos de que seria
mortos por ou com a cumplicidade das forças de “excessivamente severo” devolver à capital sudanesa,
segurança britânicas na Irlanda do Norte. A Corte Cartum, os requerentes de asilo de Darfur que
julgou, em cada caso, que o Reino Unido não havia fossem rejeitados.
fomentado investigações adequadas sobre essas
mortes. O Comitê de Ministros lamentou que “em Violência contra a mulher
nenhum dos casos uma investigação efetiva foi Foi praticamente impossível às mulheres submetidas
concluída”. a controle de imigração e que sofreram violência no
 Em junho, o Tribunal de Recursos da Irlanda do Reino Unido, inclusive violência doméstica e tráfico,
Norte reverteu uma decisão da Suprema Corte, de ter acesso ao auxílio moradia ou ao apoio financeiro
2006, que havia determinado ser ilegal a decisão de de que necessitavam em conseqüência da regra que
manter a investigação sobre as denúncias de proíbe “auxílio proveniente de verbas públicas”. De
cumplicidade no assassinato de Billy Wright sob a Lei acordo com essa regra, certas categorias de
de Inquéritos de 2005. A investigação procedeu sob a imigrantes com licença para entrar e permanecer no
Lei de Inquéritos. Reino Unido somente por um período limitado não
Em outubro, o comitê de investigação anunciou têm qualquer direito (sujeito a exceções restritas) a
R
sua intenção de produzir um relatório provisório, no usufruir de tais benefícios.
início de 2008, sobre a cooperação prestada pelo
Serviço de Polícia da Irlanda do Norte à investigação; Tráfico de seres humanos
em particular no que diz respeito às significativas Em março, o Reino Unido assinou a Convenção do
lacunas no material fornecido pelo Serviço de Polícia Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de
para a investigação. Seres Humanos, mas ainda não a havia ratificado até
 No fim do ano, o governo ainda não havia o final do ano.
estabelecido um inquérito sobre as denúncias de Em dezembro, informou-se que quatro mulheres
cumplicidade do Estado no assassinato de Patrick que haviam sido traficadas para o Reino Unido, a fim
Finucane, ocorrido em 1989. de serem exploradas sexualmente, receberiam uma
 Em dezembro, foi anunciado o veredicto sobre um indenização do órgão que administra as
processo criminal referente à explosão de um carro- compensações financeiras às vítimas de crimes

164 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 165

violentos (Criminal Injuries Compensation Authority); continuou a melhorar em algumas províncias, uma
decisão que poderia fazer com que outras vítimas de crise humanitária e de direitos humanos aprofundou-
tráfico se qualificassem para receber indenização. se nas duas províncias Kivu no leste do país.
Organizações não-governamentais estavam As necessidades humanitárias continuaram
preocupadas com a falta de alojamentos adequados, críticas em todo o território nacional, com mais de
mantidos com fundos do governo, para as vítimas de 1,4 milhão de pessoas deslocadas pelo conflito no
tráfico. país. O fornecimento de serviços sociais vitais, como
saúde e educação, foi prejudicado por uma
Visitas da AI governança precária, pela infra-estrutura decadente
 Representantes da Anistia Internacional participaram como observadores e pelo baixo nível de investimentos.
em audiências judiciais no Reino Unido; algumas, inclusive, sobre legislação
antiterrorista Informações gerais
 United Kingdom: Deportations to Algeria at all costs (EUR Um novo governo, formado em fevereiro, encerrou
45/001/2007) a administração interina da coalizão que, desde
 Europe and Central Asia: Summary of Amnesty International's 2003, dividia o poder. As tensões entre o governo e
Concerns in the Region: January – June 2007 (EUR 01/010/2007). Jean-Pierre Bemba, principal candidato à presidência
pela oposição em 2006, explodiram no final de
março. Cerca de 600 pessoas foram mortas quando
eclodiram os combates entre as forças
governamentais e os guardas armados de Jean-Pierre

REPÚBLICA Bemba, em Kinshasa, depois que o líder


oposicionista rechaçou uma ordem do governo para

DEMOCRÁTICA DO depor as armas. Em seguida, Jean-Pierre Bemba


deixou o país, dando lugar a uma precária

CONGO coexistência entre governo e oposição.


A autoridade do Estado continuou a ser restaurada
em áreas previamente inseguras do país.
REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO
As instituições do Estado, embora mais consolidadas,
Chefe de Estado e de governo: Joseph Kabila
Pena de morte: retencionista permaneceram fracas. Vários grupos armados foram
Tribunal Penal Internacional: ratificado desarmados e desmobilizados com êxito,
População: 61,2 milhões especialmente no distrito de Ituri e na província de
Expectativa de vida: 45,8 anos Katanga. No entanto, sem a prometida assistência
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 208/186 por mil
para que se reintegrassem à vida civil, os
Taxa de alfabetização: 67,2 por cento
combatentes desmobilizados foram uma fonte de
insegurança local.
O conflito persistiu nas províncias de Kivu, no leste
As tensões políticas e militares na República da RDC. Em agosto, irromperam combates na
R
Democrática do Congo (RDC) resultaram em grandes província de Kivu Norte, entre o Exército e as forças
explosões de violência na capital, Kinshasa, e na leais ao comandante tutsi Lauren Nkunda. O conflito,
província do Congo Central (Baixo Congo). que também envolveu o grupo armado Forças
Homicídios ilegais, prisões e detenções arbitrárias, Democráticas de Libertação de Ruanda (FDLR) e as
torturas e outros tratamentos cruéis, desumanos e milícias Mayi-Mayi, foi marcado por sérias violações
degradantes praticados pelas forças de segurança e do direito internacional humanitário e levou a um
por grupos armados foram comuns em todo o país, aumento das tensões entre a RDC e Ruanda.
sendo direcionados, em muitos casos, a supostos Em novembro, os dois governos concordaram com
oponentes políticos. O número de estupros uma “abordagem comum” para acabar com a
perpetrados por membros das forças de segurança ameaça representada por grupos armados nacionais
e por combatentes de grupos armados seguiu em e internacionais na RDC. Uma ofensiva militar do
níveis bastante altos. Enquanto a segurança governo, apoiada pela força de manutenção de paz

Informe 2008 - Anistia Internacional 165


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 166

da ONU, MONUC, contra as forças de Laurent cometeram centenas de homicídios ilegais. Durante
Nkunda, em dezembro, foi inconclusiva. No fim do as operações militares, ou todas as forças envolvidas
ano, anunciaram-se planos de uma grande alvejaram civis deliberadamente ou não tomaram as
conferência nacional com o objetivo de pacificar Kivu. medidas adequadas para proteção da população civil.
Durante o conflito de março em Kinshasa, tanto as
Pessoas deslocadas dentro do país forças governamentais quanto a guarda armada de
Mais de 170 mil pessoas foram deslocadas pelos Jean-Pierre Bemba usaram armamentos pesados em
conflitos em Kivu Norte, ocorridos entre agosto e áreas residenciais, densamente povoadas, causando
dezembro, somando-se a cerca de outras 200 mil a morte de centenas de civis.
pessoas deslocadas na região desde o fim de 2006  Em 31 de janeiro/1º de fevereiro, 95 civis foram
devido à insegurança. No total, mais de 1,4 milhões mortos pelo Exército e pela polícia, que usaram força
de pessoas estavam deslocadas no interior do desproporcional e, em alguns casos, execuções
território da RDC, enquanto 322 mil viviam como extrajudiciais para sufocar os violentos protestos
refugiadas em países vizinhos. ocorridos na província do Congo Central (Baixo-
Congo). Dez membros das forças de segurança
Forças policiais e de segurança morreram nos distúrbios.
O Exército, a força policial e os serviços de  Segundo denúncias, as forças governamentais
inteligência militar e civil nacionais operaram teriam executado ao menos 27 supostos apoiadores
rotineiramente com pouco ou nenhum respeito às de Jean-Pierre Bemba, em Kinshasa, no final de
leis congolesas e ao direito internacional e cometeram março.
a maioria das violações de direitos humanas  Em setembro, 21 corpos foram descobertos dentro
registradas. Um número cada vez maior de violações de covas coletivas, em áreas desocupadas pelas forças
foi atribuído à polícia. A falta de disciplina e o fraco de Laurent Nkunda no território de Rutshuru, em Kivu
comando dessas forças, somados à impunidade Norte. Alguns dos corpos estavam com as mãos e os
generalizada de que gozam, continuaram sendo a pés amarrados.
maior barreira para que a realização dos direitos
humanos melhorasse. O programa de Reforma do Tortura e outros maus-tratos
Setor de Segurança, voltado à integração das forças Atos de tortura e de maus-tratos foram cometidos
e dos grupos armados desmobilizados a uma força de de modo rotineiro pelos serviços de segurança do
segurança unificada do Estado, permaneceu apenas governo e por grupos armados, incluindo
parcialmente completo. O fracasso do governo e de espancamentos prolongados, esfaqueamentos e
Laurent Nkunda em respeitar a estrutura legal estupros sob custódia. Os detentos eram mantidos
nacional para a integração do Exército foi um dos incomunicáveis, algumas vezes em locais de
fatores que contribuiu para a violência em Kivu do detenção secretos. Em Kinshasa, a Guarda
Norte. Republicana (guarda presidencial) e a divisão de
A proteção de civis, no leste, permaneceu quase Serviços Especiais da polícia detiveram
que completamente dependente das sobrecarregadas arbitrariamente, torturaram e maltrataram vários
R
forças da MONUC. Em novembro, o secretário-geral supostos adversários do governo. Muitas vítimas
da ONU propôs algumas metas que deveriam ser foram visadas por terem a mesma origem étnica ou
atingidas antes de qualquer redução das forças da geográfica de Jean-Pierre Bemba, que é da província
MONUC. Entres essas: o desarmamento e a de Equateur. As condições na maioria das prisões e
desmobilização ou repatriação de grupos armados do centros de detenção continuaram sendo cruéis,
leste; e um aumento substancial das garantias de que desumanas ou degradantes. Mortes de prisioneiros
as forças de segurança da RDC proverão segurança, por desnutrição ou por doenças tratáveis foram
protegendo civis e respeitando os direitos humanos. relatadas com regularidade.
 Papy Tembe Moroni, jornalista em Kinshasa, oriundo
Homicídios ilegais da província de Equateur e que trabalhava para uma
As forças de segurança do Estado, assim como estação de televisão oposicionista, passou 132 dias
grupos armados congoleses e estrangeiros, detido arbitrariamente antes de ser libertado em abril.

166 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 167

Sobre o tempo que permaneceu em custódia policial, voltados à reintegração de ex-crianças soldados à
ele disse à AI: “Eu apanhei com pedaços de madeira e vida civil continuaram fracos em muitas regiões do
cassetetes, como se eles estivessem matando uma país. Cerca de cinco mil ex-crianças soldados
cobra”. aguardavam auxílio à reintegração no final de 2007.
Em Kivu Norte, o grupo armado de Laurent
Violência sexual Nkunda e a milícia adversária Mayi-Mayi recrutaram
Uma alta incidência de estupros e de outras formas uma grande quantidade de crianças, muitas delas à
de violência sexual continuou a ser observada em força. As forças de Nkunda teriam escolhido as
todo o país, particularmente no leste. Soldados e escolas como alvos do recrutamento forçado.
policiais, assim como membros de grupos armados A insegurança em Kivu Norte prejudicou os
congoleses e estrangeiros, estavam entre os programas de organizações não-governamentais
principais responsáveis por esses crimes. Houve voltados à reunificação de famílias e à reintrodução
aumento também no número de estupros de ex-crianças soldados à comunidade. Ex-crianças
perpetrados por civis. Muitos estupros, especialmente soldados que haviam se unido novamente às suas
os cometidos por grupos armados, envolviam famílias estavam entre as que foram levadas pelos
mutilação genital ou outros extremos de brutalidade. grupos armados.
O grupo armado FDLR e sua facção dissidente,  Em outubro, mais de 160 meninas e meninos, com
Rasta, raptaram mulheres e meninas para serem idades entre sete e 18 anos, foram abrigadas em um
escravas sexuais. Poucos responsáveis por violência estádio na cidade de Rutshuru, em Kivu Norte. Elas
sexual foram levados à Justiça. Uma lei de 2006 que haviam escapado de tentativas das forças de Laurent
reforçava os procedimentos judiciais e as penas para Nkunda de recrutá-las à força. Temia-se que outras
os crimes de violência sexual não foi implantada de crianças tivessem sido capturadas por milicianos
modo abrangente. Sobreviventes de estupro armados ou que estivessem perdidas na floresta.
continuaram a ser estigmatizadas, sofrendo exclusão
social e econômica. Poucas tiveram acesso a Defensores dos direitos humanos
cuidados médicos adequados. A contínua crise de Os defensores dos direitos humanos continuaram a
estupros é parte de um padrão mais amplo da sofrer ataques e ameaças de morte, que se acredita
violência e da discriminação endêmica contra as terem sido realizados principalmente por agentes do
mulheres na RDC. governo. Jornalistas e advogados foram
 Combatentes Mayi-Mayi teriam sido responsáveis rotineiramente agredidos, detidos arbitrariamente ou
pelo estupro em massa de aproximadamente 120 intimidados por causa de suas atividades
mulheres e meninas em Lieke Lesole, no território de profissionais.
Opala, na província de Orientale, entre 21 de julho e 3  Uma defensora de diretos humanos foi estuprada
de agosto. Uma investigação judicial estava em curso por um agente de segurança durante uma visita de
no fim do ano. trabalho a uma unidade de detenção no mês de maio.
 Entre 26 e 27 de maio, segundo informações, Em setembro, as filhas de outra ativista foram
combatentes Rasta ou da FDLR assassinaram 17 violentamente agredidas sexualmente em sua casa por
R
pessoas, incluindo mulheres e crianças, tendo raptado soldados.
e agredido sexualmente sete mulheres, em Kanyola, na  Em junho, Serge Maheshe, jornalista da Rádio
província de Kivu Sul. As mulheres foram Okapi, apoiada pela ONU, foi morto, em Bukavu, em
posteriormente resgatadas pelo Exército. circunstâncias que não foram satisfatoriamente
investigadas. Depois de um julgamento militar injusto,
Crianças soldados quatro pessoas foram condenadas à morte em agosto,
Várias centenas de crianças permaneceram nas inclusive dois amigos da vítima, condenados com base
fileiras de grupos armados congoleses e estrangeiros em testemunhos não corroborados, e mais tarde
e em algumas unidades do Exército. Um programa retratados, de dois homens que confessaram o
governamental que visava a identificar as crianças e assassinato. Um recurso estava pendente.
afastá-las das forças armadas estava em grande
medida inoperante no final do ano. Os programas

Informe 2008 - Anistia Internacional 167


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 168

Sistema de justiça condenou 13 soldados por crimes de guerra pelos


O sistema de justiça civil esteve ausente ou assassinatos de mais de 30 civis no vilarejo de Bavi,
funcionando precariamente em muitas áreas e foi ocorridos no final de 2006. O mesmo tribunal
prejudicado pela falta de independência, de recursos condenou seis membros de um grupo armado pelo
e de pessoal. Continuaram os julgamentos de civis crime de guerra de terem assassinado dois
por tribunais militares, apesar de serem observadores militares da MONUC em maio de 2003.
inconstitucionais. Muitos julgamentos no país, Em ambos os casos, o tribunal aplicou as disposições
especialmente em tribunais militares, foram injustos. do Estatuto de Roma do TPI.
Sentenças de morte continuaram a ser proferidas, a  Em junho, um tribunal militar absolveu todos os
grande maioria por tribunais militares, mas nenhuma acusados, inclusive militares e três funcionários
execução foi registrada. Apesar da prolongada estrangeiros da mineradora multinacional Anvil Mining,
demora para levar as pessoas ao tribunal, os de crimes de guerra em conexão com o massacre de
julgamentos geralmente eram sumários. Ocorreram Kilwa, na província de Katanga, em 2004. Quatro dos
episódios freqüentes de interferência política e militar doze réus foram condenados por crimes não
na administração da justiça. relacionados. Aparentemente, houve interferência
 Théophile Kazadi Mutombo Fofana era mantido política no julgamento. As absolvições foram
ilegalmente em detenção provisória na prisão CPRK, amplamente condenadas como um retrocesso na luta
em Kinshasa, desde setembro de 2004. Ele foi contra a impunidade na RDC.
extraditado de forma ilegal da República do Congo, em
julho de 2004, por suspeita de envolvimento em uma Visitas e relatórios da AI
suposta tentativa de golpe em Kinshasa e foi torturado  Representantes da Anistia Internacional visitaram o país em maio e
sob custódia do serviço de segurança. Até o momento, junho.
ele não compareceu perante um tribunal nem teve  Democratic Republic of Congo: Disarmament, Demobilization and
permissão de contestar a legalidade de sua detenção. Reintegration (DDR) and Reform of the Army (AFR 62/001/2007)
 Democratic Republic of Congo: Torture and killings by state security
Impunidade – justiça internacional agents still endemic (AFR 62/012/2007)
A impunidade persistiu na vasta maioria dos casos.  Democratic Republic of Congo (DRC): Escalating violence in North-Kivu
Houve, porém, um aumento no número de deepens risk of mass ethnic killings (AFR 62/014/2007)
investigações e de julgamentos – sobretudo militares –
por abusos dos direitos humanos, incluindo alguns
por crimes de guerra e crimes contra a humanidade.
Os processos foram prejudicados pelas freqüentes
fugas das prisões e dos centros de detenção.
 Em outubro, o governo entregou Germain Katanga,
RÚSSIA
ex-comandante de um grupo armado Ituri, para o
FEDERAÇÃO RUSSA
Tribunal Penal Internacional (TPI). Ele foi indiciado pelo Chefe de Estado: Vladimir Putin
TPI por acusações de crimes contra a humanidade e Chefe de governo: Viktor Zubkov
R
crimes de guerra supostamente cometidos no distrito (sucedeu a Mikhail Fradkov em setembro)
de Ituri em 2003. Ele foi o segundo líder de um grupo Pena de morte: abolicionista na prática
armado de Ituri a ser transferido para o Tribunal; o Tribunal Penal Internacional: assinado
População: 142,5 milhões
primeiro foi Thomas Libanga Dyilo, transferido em
Expectativa de vida: 65 anos
março de 2006. Outro homem, preso pelas autoridades Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 24/18 por mil
congolesas no início de 2005 por acusações de crimes Taxa de alfabetização: 99,4 por cento
contra a humanidade em Ituri, permaneceu em
detenção provisória na prisão CPRK em Kinshasa. As
autoridades judiciais militares prorrogaram várias vezes As autoridades russas tornaram-se cada vez mais
sua detenção em violação aos procedimentos legais intolerantes a críticas e a diferenças de opinião,
congoleses; porém, não tentaram levá-lo a julgamento. qualificando-as como "antipatrióticas". As restrições
 Em fevereiro, o tribunal militar de Bunia (em Ituri) governamentais aos direitos civis e políticos foram

168 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 169

evidentes no decorrer de todo o ano, especialmente imigração com a finalidade de simplificar os


às vésperas das eleições para a Duma (Parlamento) procedimentos de imigração e a obtenção de
em dezembro. Devido ao rígido controle estatal sobre permissões de trabalho. Entretanto, essas leis
a televisão e sobre outros meios de comunicação, as aumentam as penalidades para quem empregar
manifestações públicas tornaram-se os pontos imigrantes de modo irregular. Uma lei de janeiro
deflagradores de protestos políticos durante o ano, de 2007, proibindo o trabalho de estrangeiros nos
com a polícia prendendo manifestantes, jornalistas mercados varejistas da Rússia, a qual foi apresentada
e ativistas de direitos humanos, alguns dos quais pelo Presidente Putin como uma maneira de proteger
foram espancados. Ativistas e opositores políticos do os "russos nativos", foi considerada por algumas
governo foram submetidos a detenção pessoas como legitimizadora da xenofobia.
administrativa. O partido Rússia Unida, governista, conquistou
Aumentou o número de ataques racistas uma ampla maioria nas eleições para a Duma
divulgados pela imprensa: ao menos 61 pessoas (a câmara baixa do Parlamento), em dezembro,
foram mortas no país. Apesar de as autoridades sendo o Presidente Putin quem encabeçou a lista
terem reconhecido o problema, e de o número de eleitoral do partido. Uma missão de observação
ações penais por crimes raciais ter aumentado, as formada por parlamentares da Organização para a
medidas adotadas não interromperam a onda de Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) e do
violência. Conselho da Europa declarou as eleições "injustas".
A Corte Européia de Direitos Humanos decidiu O norte do Cáucaso continuou a ser uma região
que a Rússia foi responsável por desaparecimentos violenta e instável. A situação de segurança na
forçados, tortura e execuções extrajudiciais em 15 Inguchétia se deteriorou, com grupos armados
julgamentos relativos ao segundo conflito da lançando inúmeros ataques, freqüentemente fatais,
Chechênia, que começou em 1999. Em comparação contra integrantes dos órgãos de aplicação da lei.
com anos anteriores, foram registrados menos casos Pistoleiros não identificados efetuaram diversos
de desaparecimentos na República da Chechênia; ataques contra civis não-ingushes, inclusive contra
porém, violações graves dos direitos humanos foram pessoas de etnia russa. Na Chechênia, prosseguiram
freqüentes, e as pessoas relutavam em denunciar os os combates esporádicos, com incursões de grupos
abusos por medo de represálias. Na Inguchétia, armados na capital, Grozni, e em outras áreas.
houve aumento de violações sérias, como Ramzan Kadyrov foi designado presidente da
desaparecimentos forçados e execuções Chechênia em março, após a renúncia de Alu
extrajudiciais. Alkhanov.
As ONGs foram sobrecarregadas com
regulamentações opressivas sobre declarações Defensores de direitos humanos
obrigatórias às autoridades, impostas através de Representantes do governo e meios de comunicação
mudanças na legislação. A tortura foi utilizada pela sob controle estatal acusaram repetidamente
polícia contra os detentos, entre outros motivos, para defensores de direitos humanos e membros do
extrair "confissões". Houve denúncias de violência movimento oposicionista de estarem a serviço de
R
contra os internos nas prisões interesses estrangeiros e de serem “anti-russos".
Defensores de direitos humanos e ativistas da
Informações gerais sociedade civil foram submetidos a hostilidades e
A corrupção arraigada comprometeu o Estado de intimidações. Acusações criminais, por uso de
Direito e a confiança das pessoas no sistema legal. programas de computador sem licença ou por
Uma nova estrutura, o Comitê de Investigação, foi incitação ao ódio, foram feitas seletivamente contra
criada dentro da Procuradoria Geral russa, com defensores de direitos humanos e contra jornalistas
responsabilidade sobre as investigações criminais. independentes.
Até o final do ano, não estava claro qual seria o  Oleg Orlov, diretor do centro de direitos humanos
impacto dessas mudanças no trabalho da Memorial, e três jornalistas de uma estação de televisão
Procuradoria. russa, que haviam planejado monitorar uma
Foram introduzidas novas leis de controle da manifestação contra os graves abusos que estavam

Informe 2008 - Anistia Internacional 169


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 170

sendo cometidos na Inguchétia por funcionários Novgorod impôs condições mais rígidas para o
responsáveis pelo cumprimento da lei, foram cumprimento de sua pena.
seqüestrados por indivíduos mascarados, em um hotel  Segundo informações, nove pessoas foram indiciadas
na Inguchétia, no dia 24 de novembro. Eles relataram pelo assassinato da jornalista de direitos humanos Anna
terem sido espancados e ameaçados com tiros antes Politkovskaya, ocorrido em outubro de 2006.
de serem soltos em um descampado.
Em abril, pela primeira vez as ONGs russas foram Liberdade de expressão
obrigadas a entregar informações sobre suas Nos meses que antecederam as eleições para a
atividades ao Serviço Federal de Registro, conforme a Duma, as autoridades aumentaram as restrições às
nova lei das ONGs. Nos meses seguintes, defensores demonstrações públicas de opiniões divergentes.
de direitos humanos foram submetidos a contínuas Dezenas de pessoas, entre as quais jornalistas e
inspeções de suas atividades; muitos foram forçados monitores, foram brevemente detidas antes, durante
a registrar novamente suas ONGs segundo e após manifestações; sendo muitos condenados por
procedimentos burocráticos demorados e tiveram de violações do Código Administrativo em julgamentos
contestar, nos tribunais, acusações feitas contra suas que nem sempre seguiram as normas para
organizações. julgamentos justos.
 A Citizen’s Watch, uma organização de direitos  Em novembro, o líder oposicionista Garry Kasparov
humanos de São Petesburgo, que atua sobre questões foi sentenciado a cinco dias de detenção administrativa
de reforma policial e de combate ao racismo, utilizou por ter participado de uma "passeata dos dissidentes"
fundos de doadores não-russos para suas publicações. em Moscou, uma semana antes das eleições para a
O Serviço Federal de Registro considerou que a Duma. A Anistia Internacional considerou-o um
impressão dos nomes dos doadores nas publicações prisioneiro de consciência e pediu que ele fosse
da Citizen’s Watch constituía publicidade para os libertado imediatamente.
doadores, e, para fazer isso, a ONG teria de pagar Em diversas ocasiões, a polícia utilizou força
taxas. Em julho, o Serviço Federal de Registro exigiu excessiva para dispersar manifestações organizadas
cópias de todas as comunicações enviadas pela por partidos de oposição e por ativistas contrários ao
organização desde 2004. A Citizen’s Watch contestou governo. Após uma passeata em São Petesburgo, no
o direito do Serviço Federal de Registro de receber dia 15 de abril, várias pessoas tiveram de receber
essas informações. tratamento hospitalar.
Em agosto, entraram em vigor as novas emendas As autoridades utilizaram diversos métodos para
à lei de combate a "atividades extremistas". impedir que jornalistas, ativistas políticos de destaque
Os dispositivos acrescentaram à lista de possíveis e ativistas de direitos humanos participassem de
motivações "extremistas" um novo motivo de ódio manifestações e monitorassem os eventos. Em maio,
contra um grupo específico: a lista agora inclui não o prefeito de Moscou, Yuri Luzhkov, proibiu uma
apenas o ódio contra uma raça, uma religião ou uma passeata por direitos GLBT. Ativistas GLBT, entre os
etnia específica, mas também contra grupos políticos, quais diversos membros do Parlamento Europeu,
ideológicos e sociais. A lei permite que atos menos foram detidos brevemente quando tentaram entregar
R
graves de desordem sejam punidos com maior ao prefeito uma petição instando-o a respeitar o
severidade quando cometidos por razões de ódio direito à liberdade de expressão e protestando contra
contra um grupo específico. Defensores de direitos a sua decisão de proibir que uma passeata por
humanos manifestaram preocupação de que a lei direitos homossexuais acontecesse em Moscou.
pudesse ser usada para reprimir as diferenças de
opinião. Conflito armado no norte do Cáucaso
 No dia 27 de janeiro, o Supremo Tribunal manteve a Os órgãos tanto federais quanto locais de aplicação
condenação do defensor de direitos humanos Stanislav da lei que operam na região responderam de modo
Dmitrievskii, que havia recebido uma sentença arbitrário e ilegal aos ataques violentos de grupos
condicional, em 2006, por incitação à inimizade étnica, armados. Violações graves dos direitos humanos,
após ter publicado artigos de líderes separatistas como seqüestros e desaparecimentos forçados,
chechenos. Em novembro, um tribunal de Nizhny detenções arbitrárias, tortura (inclusive em locais

170 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 171

de detenção não oficiais), e execuções extrajudiciais Europeu para a Prevenção da Tortura (CPT) emitiu
foram reportadas nas repúblicas da Chechênia, da a sua terceira declaração pública sobre a Chechênia,
Inguchétia, do Daguestão e da Ossétia do Norte. apontando seis centros de detenção policial em que
Pessoas foram condenadas por crimes em casos nos o risco de os detentos serem torturados foi
quais "confissões" forçadas eram parte das provas considerado alto.
apresentadas contra elas. Na Inguchétia e no Em Kabardino-Balkaria, no mês de outubro, teve
Daguestão, foram organizadas manifestações contra início o julgamento de 59 suspeitos acusados de
desaparecimentos e outros atos arbitrários praticados terem realizado um ataque armado na cidade de
pelos órgãos de aplicação da lei. Na capital da Nalchik, em outubro de 2005, no qual foram mortas
Chechênia, Grozni, uma passeata contra os 100 pessoas. Muitos dos detentos, entre os quais um
desaparecimentos foi proibida em outubro. Abusos ex-prisioneiro de Guantánamo, Rasul Kudaev,
de direitos humanos, inclusive seqüestros, teriam sido afirmaram ter sido torturados para que fizessem
cometidos por grupos armados contra civis na região. confissões.
Na Inguchétia, em pelo menos seis casos em que
indivíduos foram mortos a tiros por funcionários Impunidade
encarregados de cumprir a lei, testemunhas As vítimas de violações de direitos humanos e seus
afirmaram que os homens haviam sido sumariamente familiares geralmente tinham medo de prestar
executados; as autoridades, por sua vez, afirmaram queixas de maneira oficial. Em alguns casos, a vítima
que eles apresentaram resistência armada. Familiares ou os seus advogados eram ameaçados diretamente
de um menino de seis anos, morto a tiros por agentes para que não levassem adiante as denúncias. Grupos
de segurança durante uma incursão na casa da de direitos humanos da região que divulgavam as
família, em novembro, afirmaram que o garoto foi violações e prestavam assistência às vítimas sofreram
morto deliberadamente. Detentos foram torturados e pressão por parte das autoridades. Alguns indivíduos
maltratados com a finalidade de extrair "confissões" estariam relutantes em apresentar requerimentos à
ou informações. Ao menos três pessoas vítimas de Corte Européia de Direitos Humanos devido a
seqüestro ou de desaparecimento forçado durante o represálias tomadas anteriormente contra outros
ano continuavam desaparecidas no final do ano. demandantes.
 Ibragim Gazdiev foi capturado por homens armados  Sumaia Abzueva, de 76 anos, teria sido espancada
usando roupas camufladas, no mês de agosto, em a caminho do mercado, em Argun, no dia 9 de janeiro,
Karabulak, na Inguchétia, tendo desaparecido depois por um grupo de rapazes. Ela estava tentando fazer
disso. Segundo informações, os homens armados com que a morte de seu filho, ocorrida em 2005, fosse
eram agentes de aplicação da lei do Serviço Federal de investigada. Sumaia afirmou ter sido ameaçada mais
Segurança (FSB). As autoridades negaram de uma vez pelos homens que haviam detido e levado
oficialmente que Ibragim Gazdiev tivesse sido detido. seu filho da residência da família, os quais se
Desde que isso aconteceu, não se tem qualquer notícia suspeitava serem membros das forças de segurança
dele. chechenas.
Na Chechênia, o número de seqüestros e de Nos casos em que se abriam investigações a
R
desaparecimentos forçados comunicados diminuiu respeito de violações de direitos humanos, elas
em comparação com o ano anterior, embora ainda geralmente se mostravam inúteis, sendo suspensas
continue a haver registros desse tipo de casos. Houve por não conseguirem identificar qualquer suspeito.
denúncias de tortura e de maus-tratos cometidos por O CPT destacou graves impropriedades em muitas
funcionários responsáveis pela aplicação da lei, das investigações que foram abertas sobre denúncias
inclusive em locais de detenção secretos e ilegais. de tortura. Não havia uma lista única das pessoas
Durante a visita que fez à Chechênia, em março, o desaparecidas, não havia trabalho de coleta de DNA
comissário de Direitos Humanos do Conselho da dos parentes das pessoas desaparecidas, não eram
Europa afirmou ter tido "a impressão de que a tortura feitos trabalhos de exumação em sepulturas coletivas
e os maus-tratos eram disseminados", acrescentando e não havia um laboratório forense adequadamente
que os perpetradores da tortura tinham uma equipado para efetuar autópsias. Poucos casos foram
sensação de "total impunidade". Em março, o Comitê a julgamento.

Informe 2008 - Anistia Internacional 171


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 172

 Em junho, um tribunal militar de Rostov condenou provenientes do distrito de Prigorodny, um território


quatro integrantes de uma unidade especial de disputado com a Ossétia do Norte.
inteligência militar russa pelas mortes de seis civis do
vilarejo Dai, na Chechênia, ocorridas em janeiro de Repatriamento forçado
2002. Eles receberam sentenças de prisão por Pessoas que foram detidas com base nos
períodos de 9 a 14 anos, a serem cumpridas em procedimentos de deportação e extradição não
colônias penitenciárias de regime rigoroso. Essa foi a tiveram acesso a processos de asilo significativos e
terceira audiência referente ao caso. Três dos quatro ficaram vulneráveis às ações arbitrárias dos órgãos
acusados foram sentenciados à revelia, pois não de aplicação da lei. A Anistia Internacional tomou
compareceram perante o tribunal. O Supremo conhecimento de ao menos três casos de
Tribunal da Federação Russa manteve as repatriamento forçado para países (nestes casos
condenações. Uzbequistão e China) onde os indivíduos corriam
Decisões da Corte Européia de Direitos forte risco de sofrerem violações de direitos humanos,
Humanos inclusive tortura, o que constitui uma violação do
A Corte Européia decidiu que a Rússia foi princípio de não-devolução (non-refoulement). Em
responsável por desaparecimentos forçados, tortura um dos casos, uma pessoa foi deportada mais de 24
e execuções extrajudiciais em 15 julgamentos horas depois de a Corte Européia de Direitos
relativos ao segundo conflito da Chechênia. A Corte Humanos ter expedido uma ordem para suspender
criticou duramente a ineficácia das investigações. a deportação. Em maio, o diretor de um centro de
 Em 2000, a pacifista Zura Bitieva foi torturada em detenção de estrangeiros em Moscou foi condenado
um centro de detenção não oficial em Chernokozoko. por abuso de autoridade por sua participação na
Em 2003, ela foi morta juntamente com outros três deportação de Rustam Muminov, cidadão uzbeque,
membros de sua família. Zura havia aberto um em outubro de 2006, em violação ao direito russo e
processo junto à Corte, referente à tortura que ao direito internacional.
sofrera. A Corte constatou que sua detenção em
Chernokozovo havia ocorrido "em total Tortura e maus-tratos
desconsideração às exigências da legalidade"; que Houve muitos informes de tortura e de maus-tratos
sua morte e a de seus familiares poderia ser atribuída em locais de detenção e durante investigações
ao Estado; e que não houve uma investigação eficaz, conduzidas por funcionários responsáveis pela
imediata e completa sobre os assassinatos. aplicação da lei. Houve denúncias de que policiais
Pessoas deslocadas dentro do país e investigadores espancaram detentos, colocaram
Milhares de pessoas permaneceram deslocadas na sacos plásticos ou máscaras de gás em suas
região norte do Cáucaso em conseqüência do cabeças, usaram choques elétricos e os ameaçaram
segundo conflito da Chechênia. Em Grozni, pelo com outras formas de tortura e de maus-tratos caso
menos sete centros de acomodação temporária se recusassem a admitir sua "culpa" e assinar
foram fechados. Algumas pessoas teriam sido "confissões".
forçadas a deixar esses locais sem garantias de um No decorrer do ano, diversos policiais foram
R
retorno seguro e sustentável, sem que qualquer considerados culpados de crimes relacionados à
alternativa de alojamento fosse oferecida e sem que prática de tortura e de maus-tratos durante
os devidos procedimentos fossem observados. investigações e interrogatórios.
Segundo informações, houve pessoas forçadas a  Em julho, Valerii Dontsov, um homem idoso e
assinar declarações afirmando que estavam partindo portador de deficiência, da cidade de Kstovo, na
voluntariamente. região de Nizhny Novgorod, foi, segundo
Estimava-se que mais de 18 mil pessoas informações, espancado e maltratado pela polícia
deslocadas pelo conflito da Chechênia estavam para fazê-lo confessar o assassinato de seu filho.
vivendo na Inguchétia e no Daguestão no final de Depois dos maus-tratos a que foi submetido pela
2007; algumas em condições de extrema pobreza, polícia, ele teve que receber tratamento hospitalar.
em campos de deslocados provisórios. Outros Houve relatos de distúrbios em várias colônias
milhares permaneciam deslocados na Inguchétia, penais. Os prisioneiros protestavam contra maus-

172 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 173

tratos e contra violações de seus direitos, tais como aos processos criminais, e a equipe de advogados
não poder receber visitas familiares nem que defende os prisioneiros foi intimidada.
encomendas de comida, e o uso freqüente de celas
de castigo por pequenas infrações do regulamento Violência contra a mulher
penitenciário. Informes semelhantes foram A violência contra as mulheres no âmbito familiar foi
recebidos de colônias penais das regiões de amplamente disseminada. O apoio governamental a
Krasnodar, Sverdlovsk e Kaluga. Os meios de centros de atendimento e a serviços telefônicos de
comunicação divulgaram que três prisioneiros emergência foi totalmente inadequado. Não havia, no
morreram durante a supressão a um motim na direito russo, qualquer medida que tratasse
região de Sverdlovsk. especificamente da violência contra a mulher dentro
Em janeiro, o Presidente Putin deu declarações da família.
favoráveis à ratificação do Protocolo Facultativo à
Convenção da ONU contra a Tortura. Estavam sendo Racismo
discutidas propostas que permitissem o Ataques racistas violentos ocorreram com uma
monitoramento público de locais de detenção; regularidade alarmante, principalmente nos grandes
porém, até o final do ano, não havia sido centros urbanos como Moscou, São Petesburgo e
implementado nenhum sistema efetivo de inspeções Nizhny Novgorod, onde vive a maioria dos
sem aviso prévio. estrangeiros e das minorias étnicas. Embora seja
difícil verificar o número exato de ataques e de
Preocupação com julgamentos justos incidentes racistas, o Centro de Informação e Análise
Em abril, a Assembléia Parlamentar do Conselho da SOVA, uma entidade não-governamental, informou
Europa exortou as autoridades russas a usarem que pelo menos 61 pessoas foram mortas e que 369
"todos os meios legais disponíveis" para libertar Igor ficaram feridas em ataques racistas; uma quantidade
Sutiagin, Valentin Danilov e Mikhail Trepashkin. Os maior do que em 2006. Ataques anti-semitas e
parlamentares manifestaram preocupação com o profanação de cemitérios judaicos também foram
fato de as autoridades não cumprirem as normas relatados. Devido a um problema crônico de
internacionais para julgamentos justos e com subnotificação, a real incidência desse tipo de
denúncias de tratamento médico inadequado. violência permanece oculta.
 Igor Sutiagin, sentenciado em 2004 a 15 anos de Apesar dos esforços crescentes das autoridades
prisão por espionagem, passou três meses em uma para que a questão do racismo obtenha
cela de castigo, por, segundo informações, possuir reconhecimento, e de algumas indicações de que as
um telefone celular em uma colônia penal. disposições legais contra os crimes racistas estão
 O advogado e ex-agente dos serviços de sendo utilizadas de maneira mais eficaz, houve
segurança, Mikhail Trepashkin, foi considerado poucas condenações por agressões racistas e as
culpado, em 2004, de revelar segredos de Estado e vítimas afirmaram que suas tentativas de denunciar
de posse ilegal de munições. Em março, ele foi esses ataques às autoridades foram em vão.
transferido de uma colônia penal de regime aberto
R
para uma de regime mais rigoroso por, supostamente, Visitas e relatórios da AI
ter infringido as regras da prisão. No entanto, seus  Representantes da Anistia Internacional visitaram o país em julho e em
advogados e defensores de direitos humanos dezembro. Uma visita à Chechênia, planejada para outubro, foi adiada a
acreditavam que a transferência fora uma punição pedido das autoridades.
por suas queixas contra as autoridades prisionais.  Russian Federation: What justice for Chechnya’s disappeared? (EUR
Mikhail Trepashkin foi solto no dia 30 de novembro. 46/015/2007)
 Em fevereiro, novas acusações foram apresentadas  Russian Federation: Update Briefing: What progress has been made
contra o ex-diretor da companhia de petróleo Yukos, since May 2006 to tackle violent racism? (EUR 46/047/2007)
Mikhail Khodorkovskii, e contra seu associado, Platon  Russian Federation: Human rights defenders at risk in the North
Lebedev, ambos presos por envolvimento com Caucasus (EUR 46/053/2007)
fraudes e com lavagem de dinheiro. A Procuradoria  Russian Federation: New trial of Mikhail Khodorkovskii and Platon
Geral não respeitou as decisões judiciais referentes Lebedev must meet international fair trial standards (EUR 46/052/2007)

Informe 2008 - Anistia Internacional 173


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 174

Independente da ONU, divulgado em novembro,


SÍRIA sobre o assassinato do ex-primeiro ministro libanês
Rafiq Hariri em 2005, concluiu ter obtido “conclusões
REPÚBLICA ÁRABE DA SÍRIA preliminares mais precisas” e reafirmou a cooperação
Chefe de Estado: Bashar al-Assad da Síria com a Comissão.
Chefe de governo: Muhammad Naji al-'Otri
Pena de morte: retencionista
Tribunal Penal Internacional: assinado
Detenções arbitrárias e prisões
População: 18,9 milhões Prisioneiros políticos
Expectativa de vida: 73,6 anos Segundo informações, aproximadamente 1.500
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 20/16 por mil pessoas foram detidas por motivos políticos, inclusive
Taxa de alfabetização: 80,8 por cento prisioneiros de consciência. Centenas de outros que
haviam sido detidos nos anos anteriores continuaram
presos. A maioria das mais de 170 pessoas
O estado de emergência, em vigor desde 1963, sentenciadas em 2007, após julgamentos
continuou a conceder poderes amplos de detenção flagrantemente injustos do Supremo Tribunal de
e prisão às forças de segurança. A liberdade de Segurança do Estado (STSE), do Tribunal Penal e do
expressão e associação foi severamente limitada. Tribunal Militar, era acusada de militância islâmica.
Centenas de pessoas foram presas e outras centenas  Em 11 de março, o STSE condenou 24 homens da
continuaram encarceradas por motivos políticos, região de Qatana, próximo a Damasco, por
incluindo prisioneiros de consciência e outros que participarem de um “grupo criado com o objetivo de
foram sentenciados após julgamentos injustos. mudar a situação econômica e social do país” e
Defensores de direitos humanos foram perseguidos e “enfraquecer sentimentos nacionalistas”,
oprimidos. Leis e práticas discriminatórias foram aparentemente com base apenas nas “confissões” dos
aplicadas contra as mulheres e a minoria curda. acusados, que alegam terem confessado mediante
A tortura e outros maus-tratos ficaram impunes. tortura. O STSE sentenciou-os a penas que variavam
As execuções públicas foram retomadas. de 4 a 12 anos de prisão. Os homens, detidos entre os
meses de maio e novembro de 2004, haviam sido
Informações gerais mantidos incomunicáveis por quase um ano no
A Síria chegou a receber 1,4 milhão de refugiados departamento da Palestina do Serviço de Inteligência
iraquianos, muitos dos quais entraram no país em Militar, em Damasco, que é conhecido pelo uso da
2007, e aproximadamente 500 mil refugiados tortura e de outros maus-tratos. O STSE falhou em
palestinos, os quais já eram residentes havia mais investigar as alegações dos acusados de que suas
tempo. Dezenas de milhares de sírios continuaram confissões haviam sido obtidas mediante tortura.
internamente deslocados devido à contínua ocupação  Em 10 de maio, o Tribunal Penal condenou Kamal
da região de Golã por Israel. al-Labwani por “conspirar com um país estrangeiro e
Em fevereiro, a Síria ratificou a Carta Árabe dos por comunicar-se com alguém capaz de incitá-lo a
Direitos Humanos. atacar a Síria”, sentenciando-o a 12 anos de prisão.
Em 6 de setembro, aviões da Força Aérea A acusação está relacionada a sua visita a Europa e aos
S Israelense bombardearam um edifício na região Estados Unidos, em 2005, onde ele se encontrou com
noroeste da Síria. A imprensa nacional sugeriu que o organizações de direitos humanos e com funcionários
alvo havia sido uma instalação nuclear. O presidente do governo e reivindicou uma reforma democrática
Bashar al-Assad declarou que o edifício militar pacífica para a Síria. Kamal al-Labwani havia sido preso
atingido estava desocupado. O Chefe da Agência anteriormente, por três anos, devido ao seu
Internacional de Energia Atômica criticou Israel por envolvimento com o movimento pacífico pró-reforma,
“fazer justiça com as próprias mãos” e disse que as conhecido como “Primavera de Damasco”, entre 2000
autoridades israelenses não apresentaram nenhuma e 2001.
prova de que o alvo era uma instalação nuclear  Em 13 de maio, o Tribunal Penal condenou Michel
secreta. Kilo e Mahmoud ‘Issa por “enfraquecerem sentimentos
O nono relatório da Comissão de Investigação nacionalistas”, sentenciando-os a três anos de prisão.

174 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 175

Eles estavam entre as 10 pessoas detidas em maio com outro país, expondo-o ao risco de ações hostis”,
de 2006 por causa da Declaração Beirute-Damasco, bem como por seu envolvimento na organização de
assinada por 300 sírios e cidadãos libaneses, que um grupo de discussão formado por jovens e por
buscava a normalização das relações entre os dois publicarem artigos pró-democracia na Internet. Maher
países. Isber Ibrahim e Tareq al-Ghorani também foram
 Das 40 pessoas detidas por participarem de uma condenados por “transmitir notícias falsas” e
reunião, em 1º de dezembro, do Conselho Nacional da sentenciados a sete anos de prisão, enquanto os outros
Declaração de Damasco para uma Mudança Nacional cinco receberam sentenças de cinco anos de prisão.
Democrática – um importante grupo pró-democracia e Todos foram detidos pelo Serviço de Inteligência da
de oposição não-autorizado – sete continuavam presas Força Aérea no início de 2006 e, segundo informações,
e mantidas incomunicáveis no fim do ano. mantidos incomunicáveis até novembro de 2006. Eles
não reconheceram as “confissões” que haviam feito
Grupo de Trabalho da ONU sobre durante a prisão temporária, alegando que haviam sido
detenções arbitrárias obtidas mediante tortura e coação. Entretanto, o STSE
Foi anunciado, em fevereiro, que o Grupo de Trabalho falhou em investigar suas denúncias e aceitou as
da ONU sobre detenções arbitrárias havia declarado, “confissões” como prova.
em maio de 2006, que a detenção de Riad Drar al-  Fa’eq al-Mir, líder do Partido Democrático Popular,
Hamood fora arbitrária devido à inobservância das foi condenado pelo Tribunal Penal, em 31 de
normas para julgamentos justos e por ele ter sido dezembro, por “espalhar informações falsas
condenado pelo exercício do direito de liberdade de prejudiciais à nação”. Esta acusação aparentemente
expressão. Riad Drar al-Hamood foi condenado a está relacionada a uma ligação telefônica que ele fez
cinco anos de prisão pelo STSE em abril de 2006, para um político libanês a fim de expressar
acusado de pertencer a uma “organização secreta”, condolências pelo assassinato de um ministro de
de “publicar notícias falsas” e de “incitar a luta Estado. Ele foi sentenciado a 18 meses de prisão.
sectária”. As acusações estão relacionadas a um  Segundo informações, Kareem Arabji foi detido em
discurso feito por ele no funeral de um proeminente 7 de junho pelo Serviço de Inteligência Militar em
estudioso islâmico curdo, xeque Muhammad Damasco, por coordenar o fórum de jovens
Ma’shuq al-Khiznawi, que havia sido seqüestrado www.akhawia.net na Internet. No fim do ano, ele ainda
e morto. era mantido incomunicável .
Em junho de 2007, o Grupo de Trabalho da ONU
declarou que Ayman Ardenli, mantido preso por três Tortura e maus-tratos
anos na Síria sem acusação, havia sido detido Os detentos continuaram a sofrer tortura e maus-
arbitrariamente, já que sua detenção não poderia ser tratos. Segundo informações, cinco deles morreram
justificada por “quaisquer bases legais”, e que possivelmente em conseqüência dos abusos.
Muhammad Zammar, mantido preso por quase cinco As autoridades não tomaram nenhuma medida para
anos sem acusação antes de ser sentenciado pelo investigar as alegações de tortura.
STSE a 12 anos de prisão, em 11 de fevereiro, fora  Aref Dalilah, de 64 anos, continuou em
detido arbitrariamente devido à inobservância das confinamento solitário em uma pequena cela na prisão
normas para julgamentos justos (veja abaixo). de ‘Adra, cumprindo uma pena de 10 anos imposta S
devido ao seu envolvimento no movimento pró-reforma
Liberdade de expressão conhecido como “Primavera de Damasco”. Ele sofre
A liberdade de expressão continuou a ser de diabetes, de pressão alta e dos efeitos de um
severamente controlada. derrame, e teve negado o acesso aos cuidados
 Em 17 de junho, Maher Isber Ibrahim, Tareq al- médicos adequados.
Ghorani, Hussam ‘Ali Mulhim, Diab Siriyeh, ‘Omar ‘Ali  O corpo de Abd al-Moez Salem foi devolvido a sua
al-’Abdullah, ‘Allam Fakhour e Ayham Saqr foram família em Areeha, em 4 de julho, e, segundo
condenados pelo STSE por “agirem ou fazerem informações, foi sepultado na presença de agentes do
declarações escritas ou orais que pudessem colocar o Serviço de Inteligência Militar que não permitiram que
Estado em perigo ou prejudicar o seu relacionamento ele fosse visto nem preparado para o sepultamento.

Informe 2008 - Anistia Internacional 175


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 176

Aparentemente ele havia sido mantido incomunicável situação das mulheres. Dentre as reivindicações do
por até dois anos, inclusive no departamento da Comitê estavam: a reforma das leis discriminatórias
Palestina do Serviço de Inteligência Militar. ou o seu repúdio, incluindo a reforma de disposições
 Aref Hannoush, de 16 anos, estava entre os nove relevantes da Lei de Estado Civil, do Código Penal e
jovens que, segundo informações, foram vítimas de da Lei da Nacionalidade; a criminalização do estupro
tortura e maus-tratos quando estiveram detidos em cometido pelos marido; o fim da impunidade para os
Damasco, em agosto. Eles disseram ter sido responsáveis pelos crimes de “honra” e o fim de
confinados em condições precárias e degradantes, qualquer redução de pena; a criação de abrigos e de
privados do sono e do acesso ao banheiro, e outros serviços para as mulheres vítimas de violência;
espancados, inclusive pelo método conhecido como e permissão para as organizações defensoras dos
dulab, em que a vítima é espancada com bastões direitos das mulheres e outras ONGs de direitos
enquanto está suspensa por um pneu. humanos atuarem independentemente do governo.

“Guerra ao terror” Discriminação contra a minoria curda


 Muhammad Zammar, detido no Marrocos e Os curdos sírios continuaram a sofrer discriminação
transferido ilegalmente para a Síria, em dezembro de devido a sua identidade, inclusive restrições no uso
2001, aparentemente sob o programa estadunidense de sua língua e cultura. Dezenas de milhares de
de transferências extrajudiciais (renditions), foi curdos sírios permaneceram efetivamente sem um
condenado em fevereiro, após um julgamento injusto, Estado e, por isso, tiveram negada a igualdade de
por quatro acusações, inclusive por filiação à acesso a direitos econômicos e sociais.
organização proscrita síria Irmandade Muçulmana.  Segundo informações, o artista curdo Salah Amr
Nenhuma prova da suposta filiação foi apresentada Sheerzad foi detido e sofreu maus-tratos em um
durante o julgamento e a Irmandade Muçulmana departamento de segurança de Aleppo, em março,
negou que Muhammad Zammar tivesse sido um após participar de uma apresentação musical.
membro da organização ou tivesse qualquer ligação  Oito cidadãos curdos, segundo informações, foram
com a Irmandade ou com quaisquer de seus detidos em 5 de abril e ficaram presos por 10 dias em
membros. um departamento de Segurança Política em Damasco.
Aparentemente, eles foram detidos por vestirem
Violência e discriminação contra a mulher camisas com punhos das mesmas cores que a
Em janeiro, segundo informações, o Ministro do bandeira curda.
Trabalho e das Relações Sociais, declarou a
Associação das Mulheres Sírias como ilegal. Defensores dos direitos humanos
A associação funcionava desde 1948. Em fevereiro, Várias organizações de direitos humanos sem
o ministro ordenou a dissolução de outro grupo autorização de funcionamento continuaram ativas,
defensor dos direitos das mulheres, a Organização apesar de seus membros correrem risco de serem
da Iniciativa Social, e, em setembro, recusou a presos, perseguidos e proibidos de viajar.
licença de funcionamento para cinco ONGs, inclusive  Em 24 de abril, o Tribunal Penal condenou Anwar al-
a Organização de Apoio às Mulheres e Vítimas de Bunni, um advogado e líder do Centro Sírio de
S Violência Doméstica. Pesquisa e Estudos Jurídicos, por “espalhar
Em fevereiro, o grão mufti sírio, xeque Ahmed informações falsas prejudiciais à nação” e o sentenciou
Badreddin Hassoun, declarou que a prática dos a cinco anos de prisão. Esta condenação refere-se a
crimes de “honra” é um erro, que para o uma declaração feita por ele, em abril de 2006, sobre a
cumprimento da lei de adultério serão necessárias morte sob custódia de Muhammad Shaher Haysa,
quatro testemunhas e que ele havia solicitado ao aparentemente em conseqüência de maus-tratos que
ministro da Justiça a criação de um comitê para possivelmente chegaram a tortura. Anwar al-Bunni, um
propor emendas à lei de crimes de “honra”. prisioneiro de consciência, foi espancado severamente
Em junho, o Comitê da ONU para a Eliminação da por guardas da prisão em 25 de janeiro.
Discriminação contra a Mulher recomendou que as  Em 1º de novembro, as autoridades proibiram os
autoridades sírias tomassem medidas para melhorar a advogados de direitos humanos Muhannad al-Hasani,

176 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 177

Khalil Ma’atouq, Mustafa Osso, Radif Mustafa e Hasan


Masho de viajar ao Egito para participarem de um
seminário organizado pela Federação Internacional
SRI LANKA
dos Direitos Humanos e pelo Instituto Cairo de Estudos REPÚBLICA DEMOCRÁTICA SOCIALISTA DO SRI LANKA
sobre Direitos Humanos. Chefe de Estado e de governo: Mahinda Rajapakse
Chefe de governo: Ratnasiri Wickremanayake
Pena de morte: abolicionista na prática
Pena de morte
A pena de morte continuou a vigorar para uma
grande variedade de crimes. Segundo informações,
ao menos sete pessoas foram executadas em público. O ano de 2007 foi caracterizado pela impunidade
Elas haviam sido condenadas à morte após por violações do direito internacional dos direitos
julgamentos flagrantemente injustos pelo Tribunal humanos e do direito internacional humanitário.
Militar de Campo, no qual os réus não têm advogado Entre os abusos crescentes contra os direitos
de defesa e não têm direito à apelação. humanos, ocorreram centenas de desaparecimentos
 Cinco prisioneiros, Radwan Abd al-Qadr Hassan forçados, homicídios ilegais de trabalhadores
Muhammad, Kheiro Khalif al-Fares, Abd al-Hai Faisal humanitários, detenções arbitrárias e tortura. A falta
Abd al-Hai, Saleh Youssef Mahmoud e Hassan Ahmed de proteção dos civis foi a principal preocupação, já
Khallouf, foram enforcados em público em Aleppo em que o violento conflito entre as forças do governo e os
25 de outubro. Os dois últimos eram menores de 18 Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (Tigres Tâmeis)
anos na época em que foram executados e, portanto, recomeçou.
deveriam ser menores infratores. Segundo a imprensa
estatal síria, aqueles que foram executados haviam Informações gerais
cometido “vários assassinatos, assaltos à mão armada Em janeiro, o Exército tomou o controle de Vakarai,
e aterrorizado cidadãos inocentes”. na região leste, após semanas de intenso conflito.
Dezenas de milhares de civis deixaram a região.
Desaparecimentos forçados Em março, um ataque aéreo dos Tigres Tâmeis
O destino de aproximadamente 17 mil pessoas, a atingiu uma base militar próxima ao principal
maioria islamista, vítimas de desaparecimentos aeroporto. Ainda em março, violentos conflitos no
forçados após terem sido detidos no final dos anos 70 distrito de Batticaloa provocaram um aumento dos
e início dos 80, bem como de centenas de libaneses deslocamentos. O número de pessoas deslocadas
e palestinos que foram detidos na Síria ou pelo conflito na região chegou a quase 160 mil no
seqüestrados do Líbano pelas forças sírias ou pelas fim de março, o dobro do mês anterior. Em julho, o
milícias libanesas e palestinas, continuou governo declarou que havia “liberado” com êxito a
desconhecido. região leste da ação dos Tigres Tâmeis.
Os civis, nas regiões leste e norte, foram vítimas de
Visitas e relatórios da AI inúmeras privações e muitos deles foram mortos em
 A Anistia Internacional visitou a Síria em junho para investigar a ataques indiscriminados. A falta de linhas de
situação dos refugiados iraquianos e para obter informações sobre os transporte na península de Jaffna prejudicou o
abusos cometidos contra os direitos humanos no Iraque. fornecimento de alimentos para cerca de 500 mil S
 Iraqi refugees in Syria (MDE 14/036/2007) pessoas. A única estrada que dá acesso à região
continuou fechada e os civis precisaram de uma
permissão do Exército para entrar e sair.
Em junho, as forças de segurança expulsaram
várias centenas de civis tâmeis de Colombo. Outras
expulsões forçadas foram impedidas por uma ordem
do Supremo Tribunal.
Em outubro, o relator especial da ONU sobre a
tortura concluiu que esta prática estava disseminada
por todo o país. O Alto Comissariado da ONU para os

Informe 2008 - Anistia Internacional 177


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 178

Direitos Humanos criticou o governo pela sua falha Segundo o UNICEF, o recrutamento de crianças
em registrar, investigar e processar adequadamente soldados pelos Tigres Tâmeis, de fato, diminuiu em
os casos de seqüestros, desaparecimentos e 2007.
homicídios.  Em abril, o UNICEF afirmou que, dos 285 casos de
Em novembro, o líder político dos Tigres Tâmeis, crianças recrutadas pelo grupo Karuna, havia 195
S.P. Thamilchelvan, foi morto em um ataque da força ainda não solucionados.
aérea do Sri Lanka. Em 28 de novembro, dois
bombardeios na capital, Colombo, mataram 18 e Prisões e detenções arbitrárias
feriram mais de 30 pessoas. O Exército culpou os A polícia do Sri Lanka foi responsável por detenções
Tigres Tâmeis pelos bombardeios. em massa de mais de mil homens e mulheres tâmeis
As solicitações dos grupos defensores de direitos que, segundo informações, foram efetuadas em
para a instalação de um escritório local do Alto resposta aos bombardeios suicidas ocorridos em
Comissariado para os Direitos Humanos, a fim de Colombo, em 28 de novembro. As detenções foram
cuidar da segurança dos civis no Sri Lanka, foram feitas de forma arbitrária e discriminatória usando os
negadas várias vezes pelo governo. amplos poderes garantidos pelas leis de emergência.
Em dezembro, os Estados Unidos suspenderam Segundo denúncias, “os tâmeis foram jogados em
a ajuda militar para o Sri Lanka devido às veículos de carga e levados para interrogatório”.
preocupações com os direitos humanos. Mais de 400 detidos, dentre eles 50 mulheres, foram
levados para o campo de Boosa, próximo a Galle, no
Deslocados internos no país sul, um local que é conhecido pela superlotação e
O número de pessoas deslocadas em conseqüência por não ter saneamento nem água potável
do conflito, desde abril de 2006, totalizou mais de adequados.
200 mil em 2007. Além disso, muitas pessoas
continuavam deslocadas desde há muito tempo. Liberdade de expressão
Em Puttalam, por exemplo, uma cidade no noroeste Aumentou o número de ataques contra jornalistas,
do Sri Lanka, famílias muçulmanas deslocadas da principalmente daqueles a quem se considerava
região norte do país passaram seu 17º ano nessas fazerem parte da imprensa tâmil.
condições. A segurança física dos deslocados  Em 29 de abril, Selvaraja Rajivaram, um jovem
internos, na maioria das vezes, ficou comprometida. jornalista do jornal Uthayan, foi morto a tiros próximo a
Em várias ocasiões, o governo forçou-os a voltarem sede do jornal em Jaffna.
para suas casas em condições de insegurança, em  Em 2 de agosto, Sahathevan Deluxshan, um
violação às internacionais. jornalista de 22 anos que trabalhava meio período,
foi baleado e morto por homens não identificados na
Crianças soldados cidade de Jaffna.
O recrutamento de crianças soldados pelos Tigres de As autoridades não investigaram efetivamente nem
Libertação da Pátria Tâmil e pelo grupo armado tâmil, processaram os responsáveis por estes homicídios
conhecido como facção Karuna, continuou nas regiões ilegais. Jornalistas de todas as comunidades foram
leste e norte. Em maio de 2007, o Grupo de Trabalho detidos por causa de artigos críticos ao governo.
S sobre as Crianças e o Conflito Armado do Conselho de  Em 16 de agosto, a segurança particular oferecida
Segurança ameaçou tomar providências contra os pelo governo para proteger o colunista Iqbal Athas foi
Tigres Tâmeis se eles continuassem a recrutar retirada. Iqbal Athas havia recebido proteção policial
crianças. O representante especial da ONU para as depois de ter sido repetidamente ameaçado por
crianças e o conflito armado identificou os Tigres membros das forças de segurança irritados com suas
Tâmeis como “criminosos contumazes que por quatro reportagens sobre o tráfico de armas.
anos têm constado na lista do secretário-geral sobre
violadores ”. Impunidade
 Em 18 de junho, os Tigres Tâmeis libertaram 135 A proposta de uma comissão de inquérito não
crianças soldados e se comprometeram a reduzir o conseguiu conquistar a confiança de todos os lados
recrutamento de todas as crianças até o fim do ano. do conflito. Surgiram graves preocupações com a

178 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 179

proteção de testemunhas. tanto armas quanto grupos armados continuaram a


A Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH) proliferar. Houve novos deslocamentos que atingiram
perdeu credibilidade devido à nomeação política dos cerca de 280 mil pessoas. Em julho, o Conselho de
comissários. Segurança da ONU obteve uma votação unânime em
 Em dezembro, o Comitê Coordenador Internacional favor do envio de uma força de manutenção da paz
das Instituições Nacionais de Direitos Humanos de 26 mil homens para Darfur. Essa força, no dia 31
descredenciou a CNDH. Para funcionar de dezembro, substituiu a Missão da União Africana
adequadamente, a CNDH deve ser nomeada de forma no Sudão (AMIS), que não havia conseguido impedir
independente e dispor de todos os recursos as constantes matanças e os estupros que
necessários. aconteciam em Darfur. No final do ano, as
Como os abusos dos direitos humanos negociações entre o governo e os grupos armados se
aumentaram durante o conflito, um clima de encontravam paralisadas.
impunidade persistiu. O governo prometeu que faria Os serviços de segurança usaram força letal
uma investigação imediata sobre os homicídios ilegais contra manifestantes pacíficos, inclusive para atingir
de dois voluntários da Cruz Vermelha no Sri Lanka, pessoas que protestavam contra a construção da
em junho, mas a investigação não foi adiante. Ao represa Kajbar, no norte do Sudão. Os serviços de
longo de todo o ano de 2007, a polícia do Sri Lanka segurança continuaram a manter supostos
foi criticada pela sua inoperância e pelas suas falhas opositores em detenção incomunicada por longos
na identificação dos perpetradores de crimes períodos de tempo. A tortura e os maus-tratos de
violentos. darfurenses e de outros grupos marginalizados foram
sistemáticos. Ao menos 23 pessoas foram
Relatórios da AI condenadas à morte e sete foram executadas.
 Sri Lanka: urgent need for effective protection of civilians as conflict A liberdade de expressão foi restringida e jornalistas
intensifies, Media Briefing (ASA 37/009/2007) ) foram detidos como prisioneiros de consciência.
 Sri Lanka: Amnesty International calls on the United Nations Human No Sudão Meridional, prosseguiram as detenções
Rights Council to address violations (ASA 37/019/2007) arbitrárias.
Os grupos armados também cometeram abusos dos
direitos humanos, como a execução deliberada de
prisioneiros cativos e outros tipos de homicídios ilegais,
a tomada de reféns e a detenção ilegal de opositores.

SUDÃO Informações gerais


Em outubro, o MPLS suspendeu sua participação
REPÚBLICA DO SUDÃO
Chefe de Estado e de governo: Omar Hassan al-Bashir no Governo de União Nacional (GNU) do Presidente
Pena de morte: retencionista Omar Hassan al-Bashir, reclamando do fracasso dos
Tribunal Penal Internacional: assinado ministros do Partido do Congresso Nacional (PCN)
População: 37 milhões em implementar as disposições do Acordo de Paz
Expectativa de vida: 57,4 anos Global, e da falta de participação do primeiro vice-
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 113/100 por mil
presidente Salva Kiir Mayardit. Em uma declaração S
Taxa de alfabetização: 60,9 por cento
oficial, o MPLS mencionou as seguintes questões:
obstrução de transformações democráticas; atrasos
no processo de reconciliação nacional; não
O Movimento Popular de Libertação do Sudão implementação do Protocolo de Abyei (Abyei é uma
(MPLS) retirou-se do governo desde o mês de área rica em petróleo que adquiriu status especial
outubro até 27 de dezembro, atribuindo sua saída ao segundo o Acordo de Paz Global); atrasos na
fracasso na implementação do Acordo de Paz Global, demarcação da fronteira entre o norte e o sul; e falta
assinado em 2005, que terminou com um conflito de transparência na distribuição das receitas
de décadas entre as regiões norte e sul do país. petrolíferas. Os ministros do MPLS reingressaram
Conflitos e insegurança persistiram em Darfur, e no GNU em 27 de dezembro, porém, os desacordos

Informe 2008 - Anistia Internacional 179


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 180

sobre o Protocolo de Abyei não haviam sido resolvidos em prática. O CDH votou pelo fim do mandato do
até o final do ano. grupo de especialistas, mas manteve o mandato do
O Acordo de Paz assinado com os grupos armados relator especial sobre a situação dos direitos humanos
do leste do Sudão, em 2006, permaneceram em no Sudão.
vigor, e os líderes oposicionistas do leste juntaram-se Em dezembro, o CDH instou o Sudão a
ao GNU. Algumas figuras de destaque declararam implementar todas as recomendações ainda
que pessoas do leste próximas ao Partido do pendentes identificadas pelo grupo de especialistas
Congresso Nacional receberam uma quantidade sobre Darfur, estendeu em um ano o mandato da
desproporcional de cargos no governo. relatora especial da ONU sobre a situação dos direitos
A harmonização da legislação nacional com as humanos no Sudão e pediu que ela desse
disposições do Acordo de Paz Global sofreu diversos prosseguimento à implementação dessas
atrasos. Entre as leis que não foram aprovadas em recomendações.
2007 estavam a Lei do Serviço de Segurança Um painel de especialistas, criado em 2005,
Nacional, a Lei da Polícia Nacional, a Lei das Forças através da Resolução 1591 do Conselho de
Armadas e a Lei Eleitoral. Além disso, não foram Segurança, para monitorar o embargo de armas,
apresentados projetos de lei à Comissão Nacional de reportou que todas as partes envolvidas estavam
Direitos Humanos, à Comissão Eleitoral e à Comissão infringindo o embargo e identificou nominalmente
de Terras. certos indivíduos responsáveis por sua violação.
Em julho, o Conselho de Segurança aprovou a
Escrutínio internacional em Darfur Resolução 1769, estabelecendo uma Operação
O secretário-geral da ONU apresentou relatórios Híbrida da União Africana-Nações Unidas em Darfur
mensais ao Conselho de Segurança sobre a situação (UNAMID) - uma força mista de manutenção da paz
em Darfur. O Conselho também recebeu informes da União Africana (UA) e da ONU, com mais de 26
regulares do relator especial da ONU sobre a situação mil integrantes, entre os quais mais de seis mil
dos direitos humanos no Sudão. A Missão da ONU no policiais da ONU. O governo do Sudão obstruiu a
Sudão (UNMIS), estabelecida com base no Acordo possibilidade de intervenção rápida da força ao não
de Paz Global, tinha mais de 10 mil tropas no sul e aprovar a lista de países contribuintes, a qual incluía
também em Abyei, nas montanhas da Núbia e no países não-africanos. Além disso, países-membros da
Nilo Azul. A UNMIS contava com 70 monitores de ONU não contribuíram com equipamentos cruciais,
direitos humanos por todo o Sudão, inclusive 33 em tais como helicópteros. A UNAMID substituiu a AMIS
Darfur. A Missão emitiu relatórios periódicos sobre no dia 31 de dezembro, porém com um contingente
incidentes específicos de direitos humanos, mas de apenas 9 mil integrantes, incluindo 6.880
parou de publicar informes atualizados regulares soldados e 1.540 policiais.
sobre direitos humanos. Em fevereiro, o promotor do Tribunal Penal
Uma missão de alto nível, com cinco integrantes, Internacional (TPI) apresentou à Câmara de Instrução
com um mandato da Seção Especial sobre Darfur do do TPI provas de crimes de guerra e de crimes contra
Conselho de Direitos Humanos (CDH) da ONU, de a humanidade, ocorridos em Darfur, contra Ahmad
dezembro de 2006, não obteve concessão de vistos Muhammad Harun, ex-ministro do Interior e
S para entrar no Sudão. A missão visitou o Chade e posteriormente ministro de Questões Humanitárias, e
também outras áreas e apresentou seu relatório ao contra o líder da milícia Janjawid Ali Mohammad Ali
Conselho de Direitos Humanos em março. Abdel-Rahman (Ali Kushayb). Em abril, a Câmara de
Nesse mês, o CDH convocou um grupo de Instrução do TPI expediu mandados de prisão contra
especialistas para levar a cabo as recomendações os dois acusados. O governo do Sudão afirmou que
feitas anteriormente pelos organismos de direitos se recusaria a entregá-los. Em dezembro, o Conselho
humanos da ONU para Darfur. O Conselho Consultivo de Segurança da ONU não aceitou uma declaração
de Direitos Humanos, designado pelo governo presidencial apoiando a condenação do promotor à
sudanês, respondeu às recomendações. Porém, falta de cooperação do Sudão com o TPI.
segundo um relatório apresentado ao CDH em
novembro, foram poucas as recomendações postas

180 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 181

Darfur os grupos armados mais proeminentes se recusaram


Todas as principais partes no conflito cometeram a participar.
violações das normas internacionais de direitos Em conseqüência dos ataques, sobretudo de
humanos e do direito internacional humanitário, grupos do governo e de paramilitares, cerca de 280
inclusive homicídios ilegais, detenções arbitrárias, mil pessoas foram deslocadas, o que fez com que o
ataques a funcionários e a equipamentos das agências número de deslocados em Darfur subisse para
humanitárias, tortura, maus-tratos e tomada de reféns. 2.387.000.
Os grupos armados continuaram a proliferar, Em grande parte de Darfur não era seguro viajar.
originando-se, sobretudo, de facções dissidentes do Todas as partes do conflito, inclusive as forças
Exército de Libertação do Sudão (ELS) e do paramilitares do governo, instalaram postos de
Movimento para a Justiça e a Igualdade (MJI). No final controle nos quais extorquiam dinheiro ou detinham
de 2007, dizia-se existir mais de 30 grupos armados, viajantes.
incluindo grupos representando os árabes. Esses  Em abril, helicópteros e aviões Antonov
grupos, cada vez mais, se dividiam com base em bombardaram o vilarejo de Umm Rai, no norte de
etnias. Darfur, em um ataque indiscriminado que atingiu uma
As milícias Janjawid realizaram ataques contra civis escola, matando duas pessoas.
com apoio (inclusive aéreo) das Forças Armadas do  Entre janeiro e agosto, homens da tribo Rizeigat, a
Sudão. Parte dessas milícias, porém, segundo maioria usando uniformes do Serviço de Inteligência de
informações, passaram a se opor ao governo. A Força Fronteira ou da Frente de Defesa Popular, atacaram
Aérea do Sudão (FAS) bombardeou civis e alvos não- membros do grupo étnico Tarjum, muitos dos quais
militares, usando helicópteros e aviões bombardeiros pertenciam às forças paramilitares do governo. No total,
Antonov. Algumas aeronaves da FAS foram pintadas cerca de 500 pessoas foram mortas em diversos
de branco para parecerem com as aeronaves da ataques.
ONU. Os grupos armados lutaram contra o governo e  Em agosto, mais de 50 milicianos Janjawid
também um contra o outro. A proliferação de seqüestraram 17 homens que viajavam da cidade de
armamentos estimulou pequenos choques que Niala em direção a campos de deslocados internos (DI).
resultaram em confrontos maiores, sendo freqüentes Os viajantes cativos foram mantidos amarrados em
os conflitos entre grupos étnicos, inclusive entre árvores. Eles ficaram presos por mais de 70 dias e foram
diferentes grupos árabes incorporados às forças libertados após pagarem 110 milhões de libras
paramilitares do governo. Os conflitos étnicos e os sudanesas (55 mil dólares).
ataques de grupos armados se estenderam para o  Em setembro, dois grupos armados de oposição,
vizinho Kordofan. supostas ramificações do MJI e do ELS/Unidade,
A AMIS estava em falta de pessoal, de meios de atacaram e saquearam a base da AMIS em Haskanita,
transporte e de armamentos pesados. no norte de Darfur. Eles mataram 10 soldados das
A cronologia do Acordo de Paz de Darfur, de 2006, forças de paz e roubaram armamentos. Depois disso, o
assinado pelo governo e pelo Exército de Libertação do exército sudanês ocupou a cidade e incendiou-a
Sudão/Minni Minawi - mas rejeitado pela maioria dos completamente.
grupos armados em Darfur - não foi respeitada.
Foram organizadas conferências pela ONU e pela UA Violência contra as mulheres S
em Arusha, na Tanzânia, no mês de agosto, e pelo Os estupros continuaram a ocorrer de modo
Exército de Libertação do Povo do Sudão em Juba, no disseminado; as principais vítimas eram as mulheres
sul do Sudão, em outubro-dezembro, com o propósito e as meninas dos campos de deslocados internos
de tentar unificar os grupos e de assegurar uma base que saíam para buscar lenha. As mulheres, às vezes,
comum de negociação. Alguns dos grupos apesar de serem atacadas e espancadas, conseguiam
conseguiram se unir. Diversas tentativas para escapar. Elas raramente denunciavam à polícia o que
restabelecer o processo de paz foram feitas tanto por acontecia. Os homens continuaram deixando às
atores regionais quanto pela ONU e pela UA. Em mulheres a tarefa de buscar lenha, pois temiam ser
outubro, foi realizada uma conferência de paz sob os mortos caso se arriscassem a sair dos campos.
auspícios da ONU e da UA em Sirte, na Líbia, porém,  Diversas mulheres deslocadas internamente,

Informe 2008 - Anistia Internacional 181


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 182

inclusive adolescentes, foram estupradas quando aparentemente para forçá-los a confessar participação
saíram de campos para DI, em Zalingei, para coletar em um suposto golpe. Os métodos de tortura utilizados
lenha, no segundo semestre de 2007. Em agosto, uma incluíam espancamentos, permanecer sentado ou em
mulher foi estuprada quando estava grávida de oito pé por longos períodos de tempo e suspensão pelos
meses. pulsos e tornozelos amarrados às costas (posição
A mutilação genital feminina continuou a ser conhecida como tayyara - avião). Em novembro,
praticada sistematicamente no norte do Sudão. Mubarak al-Fadel al-Mahdi e Ali Mahmoud Hassanain,
esse diabético, entraram em greve de fome em protesto
Detenções arbitrárias, tortura e outros contra as ilegalidades e os atrasos durante a fase de
maus-tratos instrução do processo. No dia 4 de dezembro, o Estado
O Serviço Nacional de Inteligência e Segurança, a soltou Mubarak al-Fadel al-Mahdi sem qualquer
Inteligência Militar e a polícia continuaram a cometer acusação e, no dia 31 de dezembro, os demais
violações de direitos humanos, inclusive prisões detentos receberam indulto presidencial.
arbitrárias, tortura e maus-tratos, bem como o uso de  Em agosto, a polícia e o Serviço Nacional de
força excessiva. Presos políticos, pessoas suspeitas Inteligência e Segurança cercaram o campo Kalma,
de terem cometido crimes, estudantes em Cartum, próximo a Niala, em Darfur, e prenderam cerca de 35
darfurenses e pessoas de outras áreas marginalizadas deslocados internos depois que dois policiais teriam
foram rotineiramente submetidos a tortura e a maus- sido mortos. A maioria dos detentos foi espancada no
tratos. Açoitamentos continuaram a ser impostos para momento da prisão e também posteriormente na
uma variedade de delitos contra a ordem pública, delegacia central de Niala, onde permaneceram
como relações sexuais ilegais e comércio de álcool. detidos incomunicáveis por um longo tempo. Eles
Manifestações eram freqüentemente reprimidas com foram libertados em outubro, sem acusações nem
uso de força excessiva. julgamento.
 Ao menos 30 pessoas foram presas, entre os meses  Mais de 100 pessoas, entre as quais estudantes,
de junho e julho, em conexão com os protestos contra participaram de uma manifestação em setembro, por
a represa Kajbar. Em junho, durante uma passeata ocasião do Dia Global por Darfur. Após as
pacífica, a polícia matou quatro manifestantes e feriu manifestações, oito estudantes foram presos por um
outros 11. Entre os que foram presos estava um grupo período de dois dias. Segundo informações, eles
que investigava os homicídios, entre eles: Mohammed tiveram os olhos vendados e foram torturados pelo
Jalal Ahmad Hashim, professor da Universidade de Serviço Nacional de Inteligência e Segurança. No
Cartum; membros do comitê contra a represa Kajbar, terceiro dia, eles foram transferidos para custódia da
inclusive seu porta-voz, Osman Ibrahim; e jornalistas. polícia e as torturas cessaram.
As pessoas detidas, inclusive os jornalistas, foram
mantidas incomunicáveis por até 10 semanas e Julgamentos injustos e pena de morte
tiveram de assinar uma declaração prometendo, no Há confirmação de que ao menos 23 pessoas foram
futuro, não mais fazer comentários sobre a represa. condenadas à morte e de que sete foram executadas
 Mubarak al-Fadel al-Mahdi, presidente do Partido Al por enforcamento em 2007. Acredita-se, porém, que
Umma para a Reforma e a Renovação (PURR), foi os números verdadeiros sejam muito mais altos.
S preso, em julho, juntamente com, no mínimo, outras Sentenças de morte continuaram a ser
40 pessoas, entre as quais vários ex-militares, sendo freqüentemente proferidas após julgamentos injustos
acusado de contrabandear armas e de planejar um em que confissões extraídas mediante tortura eram
golpe. Logo após a prisão, foi emitida uma ordem usadas como prova. Em diversas ocasiões, os réus
proibindo que o caso fosse discutido na imprensa. foram condenados à morte depois de julgamentos em
No dia 1º de agosto, Ali Mahmoud Hassanain, de 73 que não tiveram advogado de defesa.
anos, advogado de direitos humanos e vice-presidente Mulheres acusadas de adultério continuaram a
do Partido Democrático Unionista, foi preso. Entre o receber sentenças de morte, porém, não se sabe de
grupo de detentos no qual ele se encontrava, muitos alguma que tenha sido executada. Em Darfur, os
foram torturados durante um período de detenção Tribunais Especiais e os Tribunais Penais Especiais
incomunicável que chegou a seis semanas, continuaram a conduzir julgamentos injustos.

182 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 183

O Tribunal Penal Especial sobre os acontecimentos por terem escrito um artigo criticando o Serviço
de Darfur não realizou nenhuma audiência durante Nacional de Inteligência e Segurança pela detenção
o ano. de outros jornalistas. Eles eram prisioneiros de
No Sudão Meridional muitas pessoas que foram consciência.
julgadas sem acesso a advogados de defesa
receberam sentenças de morte. Porém, não se tem Sudão Meridional
conhecimento de que alguém tenha sido executado No Sudão Meridional - uma região autônoma,
judicialmente em 2007. segundo o Acordo de Paz Global (APG) - diversas
 Sadia Idriss Fadul e Amouna Abdallah Daldoum, comissões do APG foram criadas por meio de
ambas de Darfur, foram condenadas em fevereiro e decreto presidencial, entre elas a Comissão de
março, respectivamente, à lapidação*(apedrejamento Direitos Humanos do Sudão Meridional. Em
até a morte), por adultério, pelo Tribunal Penal da novembro, a Assembléia Legislativa do Sudão
Província de Managil, no Estado de Gazira. Acreditava- Meridional aprovou uma Lei do Exército. Projetos
se que a pena havia sido comutada. de lei relativos ao Serviço Público, a População e
 Em novembro, 10 pessoas de origem darfurense, Censo, e a Desarmamento, Desmobilização e
entre as quais al-Tayeb Abdel Aziz, de 16 anos, e Idris Reintegração (DDR) estavam prestes a ser
Mohammed al-Sanousi, de 71 anos, foram apresentados.
condenadas à morte no Tribunal Penal de Cartum pelo Os choques entre diferentes milícias continuaram
assassinato de um editor de jornal, Mohammed Taha. e muitas vezes resultaram na morte ou no
Todos os 10 retrataram suas confissões, pois disseram seqüestro de civis. As pessoas continuaram a ser
que haviam sido extraídas sob tortura. O Tribunal detidas arbitrariamente, às vezes como reféns em
rejeitou o pedido dos advogados de defesa para que nome de outros familiares. Em parte devido à falta
fossem requisitados exames médicos. de advogados, muitas pessoas foram condenadas
 Dois membros da Inteligência Militar, Bakhit sem terem acesso a advogados de defesa. Várias
Mohammed Bakhit e Abdel Malik Abdallah, foram sentenças de morte foram proferidas, mas não se
executados por enforcamento no mês de maio, na tem conhecimento de que tenha ocorrido alguma
prisão de Shalla, em Al-Fashir, Darfur. Eles foram execução.
levados a julgamento no Tribunal Penal Especial sobre  Em outubro, Mapet Daniel Dut foi condenado à
os acontecimentos de Darfur, em agosto de 2005, e morte por assassinato, pelo Tribunal de Justiça de
foram condenados à pena de morte, por assassinato, Rumbek. Segundo informações, ele não teve
pela morte de Adam Idris Mohammed, torturado até advogado de defesa. Posteriormente, ele escapou
a morte quando estava sob custódia. O chefe da da prisão e a polícia então deteve seu irmão e seu pai
Inteligência Militar foi absolvido. em seu lugar. Duas irmãs, que foram levar-lhes
comida, também foram detidas, sendo soltas depois
Liberdade de expressão de alguns dias. Mapet Daniel Dut não foi recapturado
Continuaram as restrições à liberdade de expressão e e seu pai permanecia detido no final do ano.
de associação. As disposições da Lei de Imprensa, de
2004, foram utilizadas para censurar jornais e para Relatórios da AI
limitar a liberdade de expressão. O governo impôs  Sudão: Time is running out: Protect the people of Darfur (AFR S
ordens de silêncio (*leis de mordaça) que incluíam 54/016/2007)
proibições arbitrárias de reportar: casos criminais  Sudão: Arms continuing to fuel serious human rights violations in
referentes ao conflito de Darfur, investigações sobre Darfur (AFR 54/019/2007)
mortes de civis em manifestações contra a represa de  Sudão: Arrest Now! Darfur, the Sudan: Ahmad Harun and Ali Kushayb
Kajbar, informações referentes ao caso de Mubarak (AFR 54/027/2007)
al-Fadel al-Mahdi.  Darfur: When will they protect us? (AFR 54/043/2007)
 Em novembro, dois jornalistas do jornal Al-Sudani  Sudão: Obstruction and Delay (AFR 54/006/2007)
foram detidos por 12 dias quando se recusaram a
pagar uma multa de 10 mil libras sudanesas (5 mil
dólares). Eles haviam sido condenados por difamação

Informe 2008 - Anistia Internacional 183


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 184

Forças policiais e de segurança


TIMOR LESTE Houve prosseguimento do programa de
reconstrução da força policial nacional, que incluía
REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO TIMOR LESTE uma triagem rigorosa de todo o efetivo atual.
Chefe de Estado: José Manuel Ramos-Horta Até agosto, de três mil policiais, 1.200 haviam
(sucedeu a Kay Rala Xanana Gusmão) recebido uma certificação provisória.
Chefe de governo: Kay Rala Xanana Gusmão
Continuaram ocorrendo denúncias de violações
(sucedeu a Estanislau da Silva em agosto, o qual havia sucedido
a José Manuel Ramos-Horta em maio) de direitos humanos cometidas pela polícia e pelos
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes militares, incluindo tratamento cruel, desumano e
População: 1 milhão degradante, prisão arbitrária, uso excessivo da
Expectativa de vida: 59,7 anos força e disparos fatais.
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 118/110 por mil
Houve também alegações de uso excessivo da
Taxa de alfabetização: 50,1 por cento
força e de tratamento cruel e degradante por parte
das forças de segurança internacionais e de
policiais da UNMIT.
Embora as eleições presidenciais e parlamentares
tenham sido relativamente justas e pacíficas, protestos Deslocados internos
e incidentes violentos irromperam esporadicamente no Aproximadamente 100 mil pessoas permaneceram
decorrer do ano. A polícia e o judiciário continuaram deslocadas no interior de todo o país, em
sendo instituições fracas. O número de pessoas conseqüência dos eventos ocorridos em 2006 e
deslocadas dentro do país permaneceu elevado. Houve 2007. Essas pessoas necessitavam com urgência
progresso nas investigações e nos processos judiciais de alimentação adequada e de abrigo, bem como
dos responsáveis pelas violações de direitos humanos de água e de instalações sanitárias.
ocorridas em 2006; porém, continuou a impunidade
pelas violações cometidas sob a ocupação indonésia. Sistema de justiça - distúrbios de 2006
As investigações de atos criminosos cometidos por
Informações gerais policiais e militares durante os incidentes de 2006
A primeira eleição presidencial do Timor-Leste, tiveram um certo progresso e alguns processos
desde sua independência, foi realizada em abril. judiciais foram iniciados. Uma legislação contendo
O pleito foi descrito pelos observadores como medidas relativas a questões de verdade e
relativamente livre e justo. As eleições clemência, adotada em junho pelo Parlamento,
parlamentares, realizadas logo a seguir, em junho, foi declarada inconstitucional pelo Tribunal de
não estabeleceram uma clara maioria. O novo Recursos em agosto. Havia preocupações de que,
presidente eleito, José Ramos-Horta, anunciou em caso promulgada, a lei pudesse prejudicar as
agosto que o ex-presidente Xanana Gusmão seria investigações e os processos judiciais sobre os
nomeado primeiro-ministro. acontecimentos de 2006.
Em fevereiro, a Missão Integrada da ONU O ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri foi absolvido
no Timor-Leste (UNMIT), cujo mandato incluía da suspeita de envolvimento em atividades ilegais,
fomentar a estabilidade e apoiar as eleições relativas ao armamento de milícias civis durante
T nacionais, teve sua missão estendida até o início os eventos de 2006.
de 2008.
Após os violentos distúrbios ocorridos entre abril Impunidade
e maio de 2006, quando cerca de 38 pessoas A UNMIT restabeleceu a Equipe de Investigação de
morreram e aproximadamente 150 mil foram Crimes Graves, a fim de completar as investigações
deslocadas, a violência prosseguiu em um nível sobre casos pendentes referentes aos eventos
menos intenso durante todo o ano de 2007. relacionados ao referendo de independência de
Em agosto, após a indicação do novo governo, 1999, quando foram cometidas sérias violações de
incidentes violentos irromperam por todo o país, direitos humanos. A divisão de processos da
causando mortes e destruição de propriedade. Equipe, porém, não foi reinstituída. Tanto o governo

184 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 185

timorense quanto o governo indonésio resistiram concedeu-lhe poderes para legislar por decreto,
a novas iniciativas de levar à Justiça todos os durante 18 meses, sobre uma ampla variedade de
perpetradores dos crimes de 1999. questões, entre as quais segurança pública e reforma
A Comissão da Verdade e da Amizade, estabelecida institucional. Em dezembro, por meio de referendo, os
conjuntamente pela Indonésia e pelo Timor-Leste venezuelanos rejeitaram mudanças constitucionais
para documentar os crimes cometidos no Timor- controversas. Preocupações de que algumas das
Leste em 1999 e para promover a reconciliação, mudanças constitucionais propostas pudessem
deu início às suas investigações por meio de restringir direitos humanos fundamentais foram
audiências públicas e fechadas. Em julho, o expressas pelo relator especial da ONU sobre
secretário-geral da ONU instruiu os funcionários liberdade de opinião e de expressão, pelo
das Nações Unidas a não testemunharem, pois a representante especial do secretário-geral da ONU
Comissão poderia recomendar anistia para crimes para os defensores de direitos humanos e pelo relator
graves. Observadores nacionais e internacionais especial da ONU sobre a independência de
manifestaram preocupação com o tratamento que magistrados e advogados.
a Comissão dispensou às vítimas durante as
audiências e com a possibilidade de uma Forças policiais e de segurança
apreciação tendenciosa dos testemunhos de Uma nova lei sobre o direito da mulher de viver livre
militares, de membros de milícias e de burocratas de violência entrou em vigor em março. Apesar de
frente ao testemunho das vítimas. esta nova lei garantir uma maior proteção às mulheres
vítimas de violência, um plano de ação que contasse
com os recursos necessários para que a lei fosse
implementada ainda não havia sido desenvolvido no
fim do ano.

VENEZUELA Violência política


As autoridades não tomaram as providências
REPÚBLICA BOLIVARIANA DA VENEZUELA
Chefe de Estado: Hugo Chávez Frías necessárias para pôr fim à escalada da violência
Pena de morte: abolicionista para todos os crimes surgida no contexto das manifestações realizadas por
Tribunal Penal Internacional: ratificado simpatizantes e por opositores das políticas do
População: 27,7 milhões governo. Há relatos de confrontos violentos ocorridos
Expectativa de vida: 73,2 anos entre civis, e também entre civis e policiais, ao longo
Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 28/24 por mil
de todo o ano. Esses conflítos resultaram em grande
Taxa de alfabetização: 93 por cento
número de feridos e, em pelo menos, dois mortos.
Um grande número de manifestantes,
principalmente estudantes, muitos menores de 18
Milhares de simpatizantes e opositores do governo anos, ficou ferido ou foi preso durante as
saíram às ruas em diversas ocasiões. Algumas manifestações contra a decisão das autoridades de
manifestações acabaram em violentos confrontos não renovar a licença da emissora RCTV (Radio
entre diferentes grupos de manifestantes e entre Caracas Televisión) no mês de maio. Vários policiais
manifestantes e a polícia. Uma nova lei sobre o também foram feridos nos confrontos.
direito das mulheres de viver sem medo de violência Choques entre forças policiais e manifestantes,
trouxe esperança a milhares de mulheres que são bem como entre manifestantes e civis armados,
vítimas da violência em casa, na comunidade ou nos também ocorreram em meio a situações de tensão V
locais de trabalho. motivadas pelas propostas de reforma constitucional.

Informações gerais Defensores de direitos humanos


O presidente Hugo Chávez Frías tomou posse em Os defensores dos direitos humanos continuaram a
janeiro para cumprir seu terceiro mandato e a sofrer ataques e intimidações.
Assembléia Nacional (o Congresso venezuelano)  José Luis Urbano, um defensor dos direitos

Informe 2008 - Anistia Internacional 185


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 186

humanos e presidente da organização Pro-Defensa


del Derecho a la Educación foi ferido a tiros, em
fevereiro, em sua cidade natal, Barcelona, no estado
ZIMBÁBUE
REPÚBLICA DO ZIMBÁBUE
de Anzoátegui, no nordeste do país. Aparentemente,
o ataque estava ligado a suas críticas públicas sobre
Chefe de Estado e de governo: Robert Mugabe
a qualidade da educação oferecida às crianças
Pena de morte: retencionista
pobres no estado e a denúncias de corrupção.
Tribunal Penal Internacional: assinado
José Luis Urbano recebeu proteção até o mês de População: 13,1 milhões
abril. Entretanto, até o fim do ano, ninguém havia Expectativa de vida: 51 anos
sido levado à Justiça pelo ataque. Mortalidade de crianças até 5 anos (m/f): 169/153 por mi
Taxa de alfabetização: 69,4 por cento
Serviços policiais e de segurança
Segundo o procurador-geral (Fiscal General del
Estado), entre 2000 e 2007, a procuradoria A situação dos direitos humanos continuou a se
recebeu mais de seis mil queixas sobre denúncias deteriorar em 2007 com um aumento da tortura e da
de execuções extrajudiciais cometidas pela polícia. violência sistematizadas e com restrições ao direito à
Dos dois mil policiais que estariam envolvidos liberdade de expressão, de reunião e de associação.
envolvidos, menos de 400 haviam sido detidos Centenas de defensores dos direitos humanos e de
provisoriamente até o fim do ano. membros do principal partido de oposição do país, o
Nenhuma das recomendações feitas pela Movimento por Mudança Democrática (MDC), foram
Comissão Nacional para a Reforma Policial havia detidos por participar de reuniões pacíficas. Muitos
sido implementada até o fim do ano. Entre as deles foram torturados quando estavam sob custódia
recomendações da Comissão estavam medidas da polícia. A economia continuou em declínio.Cerca
para aprimorar os instrumentos de de quatro milhões de pessoas precisaram de ajuda
responsabilização da polícia, para melhorar seu alimentar devido à decadência da economia, às
treinamento em direitos humanos e no uso da chuvas irregulares e à escassez de insumos agrícolas
força, para aumentar a fiscalização e o controle tais como sementes de milho e fertilizantes.
das armas usadas pelas forças de segurança e a As vítimas dos desalojamentos forçados efetuados
adoção de legislação para a integração dos em massa, em 2005, continuaram a viver em
diferentes órgãos policiais. condições deploráveis e o governo não conseguiu
remediar sua situação.
Controle de armas
O uso de armas de fogo em homicídios e em outros Informações gerais
crimes violentos continuou elevado, inclusive nas Em março, a Comunidade de Desenvolvimento da
prisões.O Corpo de Investigações Científicas, Penais África Austral (SADC) realizou um encontro
e Criminais (CICPC), que realiza investigações extraordinário na Tanzânia e indicou o presidente da
criminais sob a supervisão da Procuradoria-Geral, África do Sul, Thabo Mbeki, para intermediar o
registrou 9.568 homicídios de janeiro a setembro diálogo entre o governo do Zimbábue e o MDC.
de 2007: 852 a mais do que no mesmo período em O diálogo começou em um ritmo muito lento e vários
2006. Apesar de a maioria destes homicídios ter prazos estipulados não foram cumpridos. A Anistia
sido causada por armas de fogo, nenhuma medida Internacional e organizações locais de direitos
foi tomada para implementar as recomendações do humanos manifestaram preocupação com o silêncio
Plano Nacional de Controle de Armas, que entrou do processo de mediação no que se refere a
em vigor em 2006. violações de direitos humanos. Ademais, o processo
de mediação da SACD não tinha uma estratégia clara
Visitas da AI de participação civil. Enquanto aconteciam as
Uma delegação da Anistia Internacional visitou a conversações, integrantes do MDC e defensores dos
Venezuela em julho para investigar violações contra direitos humanos continuaram a ser alvos da polícia
Z a mulher. do Zimbábue. Após os acordos celebrados durante

186 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 187

as conversações, foi aprovada, em outubro, a meses em algumas partes da cidade. Esta proibição
emenda constitucional Nº 18, com o objetivo de parece ter infringido a seção 27 da Lei de Segurança
sincronizar as eleições presidenciais, parlamentares e Ordem Pública, que apenas permite que a polícia
e locais, bem como de criar uma comissão de imponha um mês de proibição.
direitos humanos.Em dezembro, o Parlamento Embora a polícia tenha usado força excessiva
aprovou outros projetos de lei elaborados em para dispersar as manifestações e reuniões
conformidade com os acordos firmados nas organizadas pelo MDC e por organizações da
conversações; entre eles, o projeto de emenda à Lei sociedade civil, não havia relatos de que a polícia
de Segurança e Ordem Pública e o projeto de tivesse impedido qualquer reunião ou manifestação
emenda às Leis Eleitorais. organizada pelo partido governista, a União Nacional
A economia continuou em declínio, provocando Africana do Zimbábue – Frente Patriótica (ZANU-PF)
perdas acentuadas nas rendas familiares e ou por organizações associadas, entre as quais a
dificultando o acesso a alimentação, saúde e Associação dos Veteranos da Guerra de Libertação
educação. O Programa Alimentar Mundial (PAM) Nacional do Zimbábue.
estimou que cerca de quatro milhões de  Em 18 de fevereiro, a polícia de Harare impediu o
zimbabuanos necessitavam de ajuda alimentar. MDC de realizar um comício em Highfield, um bairro
A inflação havia ultrapassado o índice de 7.900 por na periferia da cidade. A facção do MDC liderada por
cento no fim de setembro, mas o Escritório Central Morgan Tsvangirai havia programado um comício para
de Estatísticas não divulgou os números relativos a lançar sua campanha presidencial às eleições de
outubro, novembro e dezembro. Em junho, o 2008. Mesmo com uma ordem do Tribunal Superior,
governo adotou um controle de preços com a obtida pelo MDC em 17 de fevereiro, que proibia a
intenção declarada de conter alta descontrolada dos polícia de impedir o comício, a polícia montou
alimentos. Essa política causou pânico e provocou barreiras de controle para impedir as pessoas de
uma corrida às compras. No início de julho, a chegarem ao local do evento. Pelo menos 50 pessoas
maioria dos produtos, como farinha de milho – um ficaram feridas, cinco delas gravemente, quando a
item básico na dieta dos zimbabuanos –, havia polícia agrediu os participantes aleatoriamente.
desaparecido dos mercados. Durante o período de A polícia primeiro agrediu os simpatizantes do MDC
aplicação dessas regras, a polícia prendeu mais de com cacetetes, e depois utilizou cães, gás
sete mil comerciantes por não respeitarem o controle lacrimogêneo e jatos d’água para dispersá-los.
oficial de preços. Houve denúncias de conduta Policiais também ficaram feridos. Houve denúncias
corrupta por parte dos agentes responsáveis pelo de que a polícia ainda teria ido de casa em casa
cumprimento das normas, inclusive sobre o espancando pessoas suspeitas de apoiarem o
armazenamento clandestino de produtos praticado MDC.Em 19 de fevereiro, a polícia prendeu vários
por encarregados da segurança pública. líderes do MDC em Highfield.
 Em 11 de março, pelo menos 50 ativistas foram
Liberdade de reunião e de associação presos em Highfield após tentarem participar de um
Ao longo de todo o ano, a polícia impôs sérias encontro de orações organizado pela Campanha Salve
restrições aos direitos de reunião e de associação o Zimbábue, uma coalizão de partidos políticos,
de defensores dos direitos humanos, estudantes, organizações da sociedade civil e igrejas. O encontro
sindicalistas e membros do MDC. A polícia usou foi organizado em protesto contra a proibição policial
força excessiva para dispersar manifestações de se fazer manifestações por três meses em partes de
pacíficas. Os detentos sob custódia da polícia Harare. Entre os detidos estavam os líderes da facção
foram vítimas de tortura, principalmente por do MDC, Morgan Tsvangirai e Arthur Mutambara, o
espancamentos graves, e de maus-tratos. presidente da organização não-governamental
Os detentos tiveram seu acesso a advogados, Assembléia Nacional Constitucional (NCA), Lovemore
alimentos e cuidados médicos repetidamente Madhuku, e dois integrantes da cúpula do MDC, Sekai
negado. Holland e Grace Kwinjeh. Eles foram levados para a
Em 21 de fevereiro, a polícia de Harare anunciou delegacia de Machipisa, onde foram chutados e
que as manifestações estariam proibidas por três espancados com cacetetes pela polícia. Z

Informe 2008 - Anistia Internacional 187


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 188

Os espancamentos prosseguiram nas várias após participarem de manifestações pacíficas.


delegacias para onde os detentos foram depois As líderes do WOZA Jenni Williams e Magodonga
transferidos. Muitos ativistas ficaram gravemente Mahlangu foram presas várias vezes e ameaçadas
feridos, com fraturas e lacerações profundas na pele. pelos policiais. Algumas das ameaças equivaliam a
Foi-lhes negado o acesso a advogados e somente ameaças de morte.
Lovemore Madhuku e Morgan Tsvangirai tiveram  Em 6 de junho, sete integrantes do WOZA foram
permissão de receber tratamento médico. A polícia presas em Bulawayo depois de participarem de uma
descumpriu uma ordem do Tribunal Superior manifestação pacífica. Em solidariedade às sete
determinando que os detentos fossem apresentados detentas, Jenni Williams e Magodonga Mahlangu
perante este tribunal no dia 13 de março. A polícia foram junto com elas e também foram presas. Jenni
também não levou os detentos à presença de um Williams e Magodonga Mahlangu foram acusadas
magistrado, ao meio-dia, na mesma data. segundo a Lei de Código Penal e libertadas sob fiança
Na delegacia central de Harare, a polícia recusou-se em 9 de junho. Integrantes do WOZA também foram
a conceder permissão para que alguns feridos graves presas em outras partes do Zimbábue, inclusive nas
fossem levados de ambulância ao tribunal e dispensou cidades de Mutare, Masvingo e Filabusi.
as ambulâncias. Os detentos passaram pelo menos  Em 1º de outubro, cerca de 200 integrantes do
quatro horas no corredor do juizado de Rotten Row WOZA foram presas em Bulawayo depois de
sem que ninguém os atendesse. A polícia somente participarem de uma marcha pacífica em protesto
permitiu que eles fossem levados ao hospital após a contra as emendas constitucionais que vinham sendo
intervenção de funcionários da Procuradoria-Geral. introduzidas gradualmente. Elas foram libertadas sem
À meia-noite do dia 13 de março, os detentos foram acusação.
levados de volta ao tribunal e libertados sob custódia  Em 15 de outubro, 58 ativistas do WOZA que
de seus advogados. protestavam pacificamente ao lado de fora do
 Em 25 de julho, pelo menos 200 ativistas da NCA Parlamento, em Harare, foram presas e mantidas
foram detidos pela polícia em Harare após durante nove horas na delegacia central da capital.
participarem de uma marcha pacífica. Eles foram Elas foram libertadas sem acusação.
levados dos escritórios da NCA para a delegacia  Em 6 de novembro, a polícia de Harare prendeu 98
central de Harare, onde foram brutalmente agredidos integrantes do WOZA que faziam uma passeata
pela polícia e por pessoas não identificadas em trajes pacífica em protesto contra a violência e reivindicavam
civis. Entre os que foram agredidos, estavam duas a revogação de leis repressivas, tais como a Lei de
senhoras idosas, de 68 e 72 anos, que foram Segurança e Ordem Pública. As ativistas foram detidas
escolhidas pela polícia para serem espancadas e pela polícia de choque diante do Parlamento.
acusadas de “incitar os jovens a fazer manifestações Elas foram levadas para a delegacia central de Harare
contra o governo”. Seis bebês também foram levados e libertadas sete horas depois sem acusação.
sob custódia junto com as mães. Elas foram
selecionadas para serem espancadas na frente de Execuções extrajudiciais
seus filhos. Os espancamentos duraram cerca de seis Em 11 de março, a polícia de Highfield atirou e
horas e os ativistas foram libertados à meia-noite sem matou o ativista Gift Tandare, da NCA, que
acusação. Eles foram obrigados a cantar canções participava de um encontro de orações, organizado
revolucionárias contrárias a Morgan Tsvangirai. Pelo pela Campanha Salve o Zimbábue como forma de
menos 32 ativistas foram hospitalizados depois disso; protesto. Nenhuma investigação independente foi
14 tiveram os membros fraturados em conseqüência feita sobre o incidente. A polícia alegou que Gift
dos espancamentos. Entre os feridos estava um bebê Tandare estava em um grupo que não teria atendido
de um ano e sete meses que havia sido agredido pela ao pedido da polícia para se dispersar. Depois disso,
polícia com um cacetete. a polícia disparou cinco tiros contra as pessoas
presentes ao velório de Gift Tandare, ferindo duas
Mulheres defensoras dos direitos humanos delas. Segundo informações, agentes dos serviços de
Integrantes do grupo ativista Mulheres do Zimbábue segurança do Estado levaram seu corpo da funerária
Z Levantem (WOZA) foram presas ao longo do ano

188 Informe 2008 - Anistia Internacional


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 189

onde estava e forçaram os familiares a sepultá-lo na Bruxelas para participar de um encontro parlamentar
zona rural, em Mt. Darwin, onde ele nascera. sobre a parceria UE-ACP (União Européia-Estados da
África, Caribe e Pacífico). No fim de 2007, ninguém
Tortura e outros maus-tratos havia sido detido por este ataque.
Durante todo o ano, persistiram as denúncias de  Em março, Last Maengahama, um funcionário do
tortura sob custódia da polícia. Muitas vítimas de MDC, foi seqüestrado por supostos agentes da
tortura foram presas depois de participarem de segurança do Estado, no shopping center de
manifestações pacíficas, ou eram membros do MDC Borrowdale, em Harare, depois de participar da
acusados pela polícia de estarem envolvidos em cerimônia religiosa em memória de Gift Tandare. Last
supostos ataques e explosões terroristas. Maengahama foi jogado dentro de um caminhão e
 No dia 28 de março e em datas próximas, a polícia agredido antes de ser abandonado em Mutorashanga,
prendeu vários funcionários, ativistas e membros de a cerca de 100 km de Harare.
destaque do MDC por todo o país, acusando-os de  Em 18 de maio, Cleopas Shiri, presidente do MDC
atividades terroristas e de ataques com coquetéis no distrito urbano de Gweru, foi seqüestrado por
molotov. Segundo informações, a maioria dos detentos quatro homens em um carro Mazda 323 verde,
foi torturada sob custódia da polícia. Trinta e duas das quando voltava para casa do trabalho. Ele teve os
pessoas detidas foram acusadas depois e ficaram olhos vendados e foi levado para um prédio onde foi
presas entre dois e quatro meses. Philip Katsande, o torturado, inclusive com pinos de metal para choques
secretário de políticas e pesquisas do MDC na nos dedos dos pés. Quando ele perdeu a consciência,
província de Harare, estava entre os presos. Ele foi seus seqüestradores o largaram em um matagal.
baleado no momento da prisão, quando se escondia Algum tempo depois, Cleopas Shiri recuperou a
no forro do teto da sua casa. A polícia teria também consciência, conseguiu chegar até a estrada e pegou
agredido sua esposa e seus filhos durante a detenção. uma carona até Bulawayo, onde ficou hospitalizado
Depois, ele foi levado pela polícia para o hospital de por um mês. Quando voltou a Gweru, ele descobriu
Parirenyatwa. Paul Madzore, um parlamentar do MDC que sua casa estava sendo vigiada. Esta vigilância só
por Glen View, foi preso pela polícia em sua casa no dia acabou quando ele fez uma denúncia ao oficial
28 de março. Outros moradores da casa, entre os comandante da polícia do distrito.
quais crianças, também foram presos. Ele foi torturado  Em 22 de novembro, pelo menos 22 membros da
pela polícia na delegacia central de Harare. NCA foram capturados por pessoas não identificadas
As acusações contra 30 dos detidos foram retiradas e deixados em dois microônibus em uma área
mais tarde devido à falta de provas. comercial central do distrito de Harare. Eles teriam
 Em junho, seis homens, incluindo um oficial sido levados para a sede estadual do partido ZANU-PF
reformado do Exército, foram levados a julgamento em Harare, na Rua 4, onde foram espancados nas
sob acusação de planejarem um golpe. Segundo solas dos pés com varas e barras de ferro, sendo
informações, Albert Mugove Mutapo, o ex-soldado obrigados a ficar em posições dolorosas, inclusive
Nyasha Zivuka, Oncemore Mudzuradhona, simulando estar sentados em uma cadeira por um
Emmanuel Marara, Patson Mupfure e Shingirai longo período de tempo, e a rolar pelo chão. Depois,
Matemachani foram torturados. Seu julgamento eles receberam ordens para lavar o chão da sala e
estava em andamento no fim do ano. um banheiro, usando as próprias mãos. Segundo
informações, depois que os seqüestradores
Seqüestros e agressões chamaram a polícia, as vítimas foram levadas para a
Membros do MDC foram seqüestrados e agredidos delegacia central de Harare, onde a polícia as acusou
por pessoas suspeitas de serem agentes de de “obstrução da justiça” segundo a Lei Penal
segurança do Estado. (Codificação e Reforma), e foram multadas.
 Em 18 de março, Nelson Chamisa, um parlamentar Nenhum dos perpetradores foi detido. Dez das
do MDC por Kuwadzana, foi atacado com barras de vítimas precisaram de tratamento médico hospitalar.
ferro, do lado de fora do aeroporto internacional de
Harare, por pessoas que se acredita serem agentes de
segurança do Estado. Ele estava a caminho de Z

Informe 2008 - Anistia Internacional 189


Countries_AZ_Port:Paises 23/5/2008 23:23 Página 190

Estado de Direito
Em outubro, magistrados e promotores entraram de
greve reivindicando um aumento de 900% nos seus
salários. Muitos salários dos funcionários do poder
Judiciário estavam abaixo da linha da pobreza, o que
comprometia o sistema de justiça.
Em 6 de novembro, o procurador-geral Sobusa
Gula-Ndebele foi detido sob suspeita de “conduta
contrária ou inconsistente com as funções de um
funcionário público”. Ele foi detido após um
encontro, que teria acontecido em setembro, com o
ex-diretor administrativo e representante do National
Merchant Bank, James Andrew Kufakunesu
Mushore, procurado pela polícia por crimes contra o
sistema financeiro. O procurador-geral foi acusado
de contravenção à seção 174 (1) da Lei Penal
(Codificação e Reforma), sendo advertido e libertado.
Em dezembro, o Presidente Mugabe afastou o
procurador-geral e anunciou a criação de um
tribunal formado por três pessoas para investigar as
alegações de que o procurador-geral havia abusado
de seu cargo público.

Visitas e relatórios da AI
 Representantes da Anistia Internacional visitaram o Zimbábue entre
fevereiro e março, em agosto, entre outubro e novembro e entre novembro e
dezembro.
 Open letter from AI's Secretary General Irene Khan to President Robert
Mugabe (AFR 46/006/2007)
 Zimbabwe: End harassment, torture and intimidation of opposition
activists (AFR 46/007/2007)
 Call for Africa leaders to speak out against brutality in Zimbabwe (AFR
46/011/2007)
 Zimbabwe: human rights in crisis – Shadow report to the African
Commission on Human and Peoples’ Rights (AFR 46/016/2007)
 Zimbabwe: Between a rock and hard place – women human rights
defenders at risk (AFR 46/017/2007)
 Zimbabwe: Women at the forefront of challenging government policy

190 Informe 2008 - Anistia Internacional