Você está na página 1de 5

Mensagem do MEP 1

O Efeito-Deus. (Texto: Lv 9:22~10:3)

1. Introdução.

Letívico é um livro muito especial no Antigo Testamento. Nele, Deus ensinou o povo de Israel a como adorar e como viver diante de um Deus que é totalmente santo. Nas suas páginas encontramos muitas regras, muitos sacrifícios, muitas festas, que tinham um propósito claro: ensinar que nós somos pecadores e que apenas através da obediência à vontade de Deus é que temos a possibilidade de sermos perdoados, abençoados e santificados.

Todas as religiões da época antiga podem ser resumidos na tentativa do homem manter um contato com um ser divino que fosse capaz de dar sentido às suas existências. As pessoas buscavam no Sol, na Lua, no Fogo, nos animais esse poder sobrenatural que mantinha a natureza em harmonia e que dava e tirava a vida. As pessoas mantinham um relacionamento de barganha com esses deuses: seus sacrifícios eram para comprar mais um ano de fatura, fertilidade na família, abundancia de bens, etc.

Deus escolhe um povo. Esse Deus que é diferente de todas as divindades da época, dá o primeiro passo e se revela a Abraão e aos seus descendentes. Esse Deus que vai atrás do seu povo que estava cativo no Egito os libertando através de Moisés e Arão. Esse Deus revela quem Ele é. Ele se mostra ao seu povo não como um deus que queira ter a sua ira apaziguada na base de barganha, mas um Deus que ama e que quer ter um relacionamento com as pessoas. Yahweh faz uma aliança com o seu povo e firmou um contrato. Esse Deus que libertou por amor o seu povo desejou que esses fossem como Ele é: santo. A Lei nos revela não somente quem Deus é, mas o que somos e qual é o ideal de Deus para as nossas vidas.

Depois que o povo foi liberto maravilhosamente do Egito, Deus os conduziu pelo deserto, e lá, Deus começou a ensiná-los. O capítulo 9 nos fala do começo do ministério dos sacerdotes que foram escolhidos por Deus para mediar a relação entre o seu povo consigo. Eles entregaram vários tipos de oferta: oferta pelo pecado através de um sacrifício totalmente queimado, que era o Holocausto, sacrifícios por pecados não intencionais, sacrifícios de comunhão, de ação de graça, em fim.

Era um dia de festa! Todo o povo de Israel estava aprendendo a como adorar a Deus. Cada animal sacrificado, todo sangue e todo cheiro eram lembranças e lembretes vivos de seus pecados e do amor de Deus em os perdoar. Cada animal morto era a garantia de vidas perdoadas. A ira de Deus em relação ao pecador era desviada ao animal sacrificado.

Imagine como foi esse dia! Um dia em que o povo pôde experimentar na prática tudo aquilo que Deus havia ensinado a eles. Que maravilhoso seria participar de um culto totalmente direcionado por Deus.

1 Pregado no MEP dia 24 de julho de 2011.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com

O Efeito-Deus.

2. Exposição do texto. (Lv 9:22~10:3)

9:22 Depois Arão ergueu as mãos em direção ao povo e o abençoou. E, tendo oferecido o sacrifício pelo pecado, o holocausto e o sacrifício de comunhão, desceu. 23 Assim Moisés e Arão entraram na Tenda do Encontro. Quando saíram, abençoaram o povo; e a glória de Yaweh apareceu a todos eles. 24 Saiu fogo da presença do Yahweh e consumiu o holocausto e as porções de gordura sobre o altar. E, quando todo o povo viu isso, gritou de alegria e prostrou-se, rosto em terra.

10:1 Nadabe e Abiú, filhos de Arão, pegaram cada um o seu incensário, nos quais acenderam fogo, acrescentaram incenso, e trouxeram fogo profano perante Yahweh, sem que tivessem sido autorizados. 2 Então saiu fogo da presença de Yahweh e os consumiu. Morreram perante Yahweh. 3 Moisés então disse a Arão: “Foi isto que Yahweh disse:

‘Aos que de mim se aproximam santo me mostrarei; à vista de todo o povo glorificado serei’ ”.

Arão, porém, ficou em silêncio.

1. Efeito-Deus: Temor e fascínio.

Depois Arão ergueu as mãos em direção ao povo e o abençoou. E, tendo oferecido o sacrifício pelo pecado, o holocausto e o sacrifício de comunhão, desceu. Assim Moisés e Arão entraram na Tenda do Encontro. Quando saíram, abençoaram o povo” (vss. 22,

23).

Todo o povo estava na presença de Deus. Eles estavam participando da celebração da vida e do perdão, da restauração da comunhão e do agradecimento. Arão e Moisés, um como sacerdote e o outro como líder do povo, levantaram as suas mãos e abençoaram todas as pessoas. O culto estava chegando ao seu fim.

Mas o culto ainda não havia acabado: “e a glória de Yaweh apareceu a todos eles. Saiu fogo da presença de Yahweh e consumiu o holocausto e as porções de gordura sobre o altar” (vss. 23b, 24). Que cena! Deus encerrou com chave de ouro aquela celebração. Fogo desceu do céu e consumiu todo sacrifício que estava sobre o altar. Já havia fogo sobre o altar, e você sabe que queimar completamente um animal demanda tempo. Mas instantaneamente, o fogo de Deus “devorou” toda a oferta.

Esse fogo que desceu do céu era um sinal claro que Deus estava aprovando e recebendo todos os sacrifícios oferecidos. Em outras três ocasiões nós vemos isso no Antigo Testamento: quando Deus anunciou o nascimento de Sansão aos seus pais (Jz 13:15ss), quando Salomão dedicou o Templo em Jerusalém (2Cr 7:1ss) e quando Elias desafiou os sacerdotes de Baal sobre o Monte Carmelo (1Re 18:38ss).

Feche os olhos e entre na história: imagine você no meio do povo vendo que um fogo descendo do céu e consumindo todo o sacrifício sobre o altar. A glória de Yahweh se

O Efeito-Deus.

manifestou visivelmente diante de todos. A sensação foi de êxtase: Deus havia aceitado o culto e a adoração de seu povo, Ele estava respondendo às suas orações!

Irmãos, essa dia foi espetacular! Você já pensou em Deus fazer isso hoje? Você ver com os seus olhos a glória de Deus… você ter a certeza de que Ele aceitou a sua adoração! Você ter a convicção de que Deus não somente ouviu mais respondeu às suas orações! Isso não tem preço.

Diante da glória de Deus só existem duas reações possíveis: temor e admiração. Temor é um sentimento quase de assombro e de medo que nos faz ver a grandeza de Deus em relação à nossa extrema pequenez. Mas ao mesmo tempo, esse temor nos move para mais perto Dele. O que leva uma pessoa a querer descer uma grande cachoeira com cordas, ou uma outra escalar o Monte Everest? É o fascínio pelo tremendo!

Um pensador chamado Rudolf Otto definiu esses dois sentimentos, temor e admiração, em uma expressão: mysterium tremendum et fascina 2 . Ao mesmo tempo que sentimos um temor muito grande de chegarmos perto de Deus, Ele é totalmente fascinante e cativante. Sabemos que por causa da grandeza de Deus, devemos ficar longe Dele, mas mesmo assim, o Senhor é tão maravilhoso e fascinante, que sentimos atraídos a Ele. Parece um paradoxo não? Mas é!

Esse é exatamente o Efeito-Deus. Diante do Senhor somos capazes de dizer: “Não posso chegar perto de Deus, senão morrerei” e ao mesmo tempo falar: “mostra-me a Tua glória”.

Amados irmãos, qual é o Efeito-Deus na sua vida? Esse Deus gera temor no seu coração? Esse Deus, ao mesmo tempo, te fascina tanto que é quase impossível não querer estar perto Dele? Diante de Deus apenas duas reações: um grito de alegria imenso em poder participar de seu fascínio, mas ao mesmo tempo, rosto em terra movido por um terrível temor diante do Deus Todo-Poderoso! ““E, quando todo o povo viu isso, gritou de alegria e prostrou-se, rosto em terra” (vr. 24b).

2. Efeito-homem: Irreverência.

Quem disse que esse temor e esse fascínio em relação a Deus duram para sempre? Se depender do homem, nada feito. “Naquele mesmo dia3 , diante de tudo aquilo que o povo viu, sentiu e experimentou, o improvável aconteceu: “Nadabe e Abiú, filhos de Arão, pegaram cada um o seu incensário, nos quais acenderam fogo, acrescentaram incenso, e trouxeram fogo profano perante Yahweh, sem que tivessem sido autorizados.”

(10:1).

Como assim? Não deu tempo do povo esquecer de tudo o que aconteceu. Nadabe e Abiu, justamente os filhos de Arão, que também eram sacerdotes, pegaram seus

2 Cf. Otto, O Sagrado, pág 44ss. 3 Cf. Peterson, A Mensagem, pág. 150.

O Efeito-Deus.

incensários, colocaram brasas vivas dentro dele 4 , puseram incenso e foram diante da presença de Deus, sem que eles tivessem sido autorizados. Bastou piscar para que dois dos filhos de Arão se esquecessem de Deus e desobedecessem os Seus mandamentos. Surpreendente? Não deveria ser, porque somos exatamente assim!

Ao invés de vivermos constantemente em temor e fascínio diante de Deus, é como se nos acostumássemos com Ele. E quando nos acostumamos, perdemos completamente a noção de quem Ele é e de quem nós somos. Um professor meu sempre diz: “não há nada mais perigoso do que a religião, porque nos torna religiosos”, e não há nada mais mortal do que nos acostumarmos com a santidade de Deus!

Algumas horas foram necessárias para Nadabe e Abiú fazerem a maior besteira de toda as suas vidas: levaram indevidamente incenso a Deus lavando fogo profano à Sua presença, adoraram irreverentemente o Senhor e o resultado foi imediato: “Então saiu fogo da presença de Yahweh e os consumiu. Morreram perante Yahweh” (vr. 2). Primeiro, um fogo de aceitação da parte de Deus, depois um fogo de irreverência por parte de dois filhos de Arão, e agora, o fogo de juízo da parte de Deus! Fogo! Nosso Deus é santo!

Moisés então disse a Arão: “Foi isto que Yahweh disse:

‘Aos que de mim se aproximam santo me mostrarei; à vista de todo o povo glorificado serei’” (vr. 3).

Parafraseando, “quanto mais perto o homem se aproxima de Deus, mais atenção deve ter em relação à santidade e à glória de Deus5 .

Meus irmãos, o texto é bem claro: não podemos brincar de sermos adoradores. Não podemos adorar a Deus do jeito que eu acho correto. Deus não somente não aceita uma adoração irreverente, mas como também julga aquele que não se apresenta diante do Senhor com temor e admiração. É forte o que aconteceu não acham? Pois é justamente isso que o texto quer que você sinta: um choque!

Quando nos aproximamos de Deus, Ele revela a sua santidade. E quando a santidade de Deus esbarra com o nosso pecado, com nossa rebeldia e irreverência, algo muito sério acontece. O Efeito-Deus não são apenas gritos de alegria, não! O Efeito-Deus para aqueles que não estão nem aí para Ele, para aqueles que o desrespeitam e zombam é fatal! Da mesma forma que o fogo que caiu do céu em aprovação gerou no coração do povo temor e admiração, o fogo que matou dois filhos de Arão gerou mais temor e mais tremor: Com Deus não se brinca!

Você pode dizer: “Agora não é assim! Vivemos o tempo da graça e de Jesus. Ele perdoa tudo, tolera tudo, afinal, Ele ama a todos!”. Concordo com você que Jesus ama todos.

4 Para uma discussão aprofundada sobre o que foi o “fogo estranho”, ler Wenham, Leviticus, NICOT, pág. 155.

5 Cf. Wenham, pág. 156.

O Efeito-Deus.

Mas isso não significa que Deus tenha se tornado menos santo e mais tolerante ao seu pecado. “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente” (Hb 13:8), “Deus é fogo consumidor” (Hb 12:29), “Terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo” (Hb 10:31). Todos esses versículos do Novo Testamento, e particularmente de Hebreus, que é considerado um comentário do Novo Testamento do livro de Levítico!

O mesmo fogo que veio aprovar, veio reprovar. Meus irmãos, você está levando Deus a

sério? Não podemos ter uma fé manca em pensar que Deus é só amor. Deus é amor e santidade! Como você age diante da santidade de Deus? O convite é o seguinte: “Eu sou Yahweh que os tirou da terra do Egito; por isso, sejam santos, porque eu sou santo” (Lv

11:45)

Nadabe e Abiu morreram. Não há mais chance a eles. A narrativa termina com os dois sendo puxados pelas vestes e sendo enterrados fora do acampamento. Deus não deu nem tempo dos dois se arrependerem: Ele simplesmente os executou sumariamente. Por que tanta severidade? Talvez porque Deus quisesse mostrar que adorá-lO é coisa séria.

3. Antes gritos de alegria, agora, silêncio!

Arão, porém, ficou em silêncio” (vr. 3b).

Essa oração é curta mas nos conduz ao mesmo sentimento de Arão: o silêncio. O que ele poderia dizer ao ver que dois de seus filhos foram fulminados diante de Deus por causa de sua irreverência? Nada!

O

texto é cheio e contrastes. Esse é um bem explícito: no começo, todos eufóricos, gritos

e

brados de alegria irrompendo no acampamento dos Israelitas, agora, silêncio, um

silêncio sepulcral. Basta Deus mover a mão, que deixamos de existir! Como não temer um Deus assim? Como não admirar um Senhor tão santo e poderoso?

Amados, o que deveria fazer cada um de nós repensar o cristianismo particular é isso:

como está o Efeito-Deus na sua vida? Você o teme e o ama? Ou está completamente indiferente e até irreverente diante de sua Santa presença? Se você o teme e o ama, as suas atitudes confirmam isso? Minha oração é que Deus nos ajude a percebermos melhor quem Ele é!

Conclusão:

Qual é a lição? Não darei uma resposta. Quero deixar apenas uma pergunta. Quando Deus olhar para você, te tipo de fogo Ele deveria te mandar? De aprovação ou de reprovação? Tudo depende do Efeito-Deus em você.

Deus é santo. Devemos levar isso a sério. Amém.

Interesses relacionados