Você está na página 1de 15

Introdução à Clínica Psicanalítica

Principais Intervenções
Psicanalíticas I: Associação
Livre e Atenção Flutuante

Rodrigo da Silva Almeida


Psicólogo CRP AL 15\5100
Percurso em Psicanálise
Mestrando em Psicologia /UFAL
Introdução à Clínica Psicanalítica

A Associação Livre
• A Associação livre é considerada a
“regra de ouro da Psicanálise” tendo
sido proposta por Freud. Consiste em
solicitar que o paciente fale tudo o que
lhe vier a mente.

• Dessa forma, na primeira sessão de


um paciente, o analista explicita essa
regra, que deverá direcionar todo o
processo analítico.

(CARVALHO; HONDA, 2017).


Introdução à Clínica Psicanalítica

“[...] Você ficará tentado a dizer a si próprio: isto ou aquilo não


vem ao caso, ou é absolutamente sem importância, ou não faz
sentido e por isso não precisa ser dito. Nunca ceda e essa crítica,
diga-o mesmo assim, justamente porque você sente uma rejeição
diante disso. A razão dessa prescrição – na verdade, a única que
você deverá seguir – você conhecerá mais tarde e aprenderá a
entendê-la. Portanto, diga tudo o que lhe passa pela mente”.

FREUD, 1913, p. 136.


Sobre o início do tratamento.
Introdução à Clínica Psicanalítica

A Associação Livre
• Tradicionalmente, é desse modo que
se começa e que se prossegue um
trabalho de análise.
• É, então, o pronunciar das palavras e
o discorrer pelos temas que toma
conta do ambiente e, muitas vezes, o
sentido escapa da linearidade do
discurso construído por quem é
atendido.

(CARVALHO; HONDA, 2017).


Introdução à Clínica Psicanalítica

A Associação Livre
• Esse é o momento em que age o
psicanalista – como se fisgasse aquilo
que lhe pareceu incoerente, sem sentido,
mas que, na verdade, é de suma
importância para a compreensão acerca
daquilo que faz sofrer.
• Falar de modo livre, sem censuras e
obstáculos, portanto, é apresentado
como a condição terapêutica para quem
é analisado.

(CARVALHO; HONDA, 2017).


Introdução à Clínica Psicanalítica

A Associação Livre
• Espera-se que o paciente fale de modo
livre para que ele consiga exprimir os
seus conteúdos psíquicos nas palavras
e possibilita a manifestação ao analista
a cadeia associativa em que elas se
encontram, de modo que, se toda
palavra encontra-se associada à outra.
• Então se torna possível perseguir o
curso de suas ligações – como se
estivéssemos puxando uma linha à
procura do carretel em que está
amarrada.
(CARVALHO; HONDA, 2017).
Introdução à Clínica Psicanalítica

A Associação Livre
• Uma análise pode demorar anos porque
o que está em questão é a busca do
analista por uma representação-meta
oculta, o que pressupõe compreender
como se instalam as defesas na fronteira
entre o Inconsciente e o Pré-consciente.
• De fato, a técnica da psicanálise não
funciona com prazo determinado porque
ela não se satisfaz com o imediato e
nem com o que se apresenta na
superfície da patologia.
(CARVALHO; HONDA, 2017).
Introdução à Clínica Psicanalítica

A Associação Livre
• A proposta de Freud com a associação
livre é de que a etiologia das patologias
não se encontra na consciência, por isso o
seu método investigativo da Psicanálise é
o de duvidar.
• Para Freud, uma analogia entre o analista
e o arqueólogo se faz possível porque
ambos estão à procura do que está
“soterrado”.

(CARVALHO; HONDA, 2017).


Introdução à Clínica Psicanalítica

A Atenção Flutuante
• A atenção flutuante é uma recomendação
dada por Freud de que, em sua escuta do
discurso do paciente\ analisante o analista
não privilegie nada em sua escuta, para
não correr o risco de interpretar de forma
equivocada a fala do paciente\ analisante.
• Desde sua fundação com Freud, a atenção
flutuante se propõe prevenir um perigo
que surge no ato de prestar atenção
deliberadamente - situação indesejável
para o psicanalista.
(COUTINHO JORGE; FERREIRA, 2002;
SILVA; LUCAS, 2014).
Introdução à Clínica Psicanalítica

“A técnica, contudo, é muito simples. Como se verá, ela


rejeita o emprego de qualquer expediente especial
(mesmo de tomar notas). Consiste simplesmente em não
dirigir o reparo para algo específico e em manter a
mesma “atenção uniformemente suspensa” (como a
denominei) em face de tudo que se escuta”.

FREUD, 1912, p. 94-95.


Recomendações ao médico para o tratamento psicanalítico.
Introdução à Clínica Psicanalítica

“(...) pois assim que alguém deliberadamente concentra bastante a


atenção, começa a selecionar o material que lhe é apresentado;
um ponto fixar-se-á em sua mente com clareza particular e algum
outro será, correspondentemente, negligenciado, e, ao fazer essa
seleção, estará arriscado a nunca descobrir nada além do que já
sabe; e, se seguir as inclinações, certamente falsificará o que
possa perceber”.

FREUD, 1912, p. 94-95.


Recomendações ao médico para o tratamento psicanalítico.
Introdução à Clínica Psicanalítica

A Atenção Flutuante
• Já Lacan interpretou a atenção
flutuante como uma “ignorância
douta”.
• Trata-se de uma ignorância que não
exclui o saber da teoria, mas que
destaca a posição de escuta de um
Outro saber, o saber inconsciente, que
tem como característica principal a
ruptura com toda forma de saber
consciente.

(COUTINHO JORGE; FERREIRA,


2002).
Introdução à Clínica Psicanalítica

A Atenção Flutuante
• Por isso Coutinho Jorge e Ferreira (2002)
dizerem que: “[...] Em uma análise, tanto
o analista, em sua escuta, quanto o
analisando, em sua fala, são surpreendidos
com a revelação da verdade inerente ao
saber inconsciente” (p. 21).
• O analista deve evitar a interpretação
enviesada, que corresponda mais à
particularidade de sua formação
intelectual do que à condição patológica
do paciente.
(COUTINHO JORGE; FERREIRA, 2002;
SILVA; LUCAS, 2014).
Introdução à Clínica Psicanalítica

A Atenção Flutuante
• Portanto, a atenção dedicada
ao paciente que fala deve ser
de um tipo ingênuo, aberto,
que não pretenda atribuir aos
fatos relatados um sentido e
um papel imediatos, no
momento mesmo em que são
enunciados.

(SILVA; LUCAS, 2014).


Introdução à Clínica Psicanalítica
Referências
CARVALHO, V. O.; HONDA, H. Fundamentos da associação livre: uma valorização da técnica da
psicanálise. Analytica: Revista de Psicanálise. São João Del-Rei, v. 6, n. 1, Jun. 2017, p. 46-56. Disponível
em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/analytica/v6n10/05.pdf>. Acesso em 08 Jun. 2021.

COUTINHO JORGE, M. A.; FERREIRA, N. P. Freud: criador da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

FREUD, S. Fundamentos da clínica psicanalítica. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019. Obras
Incompletas de Sigmund Freud, v. 6.

FREUD, S. Conferências introdutórias à psicanálise (1916-1917). São Paulo: Companhia das Letras,
2014. Obras completas, volume 13.

SILVA, A. R.; LUCAS, C. B. A atenção flutuante, a dispersão e as séries como estratégias metodológicas
para estudos desconstrucionistas do audiovisual. Anais Congresso PUCP. Disponível em:
<http://congreso.pucp.edu.pe/alaic2014/wp-content/uploads/2013/09/Alexandre-Rocha-da-SILVA-.pdf>.
Acesso em 08 Jun. 2021.

Você também pode gostar