Percentual de gordura em praticantes de condicionamento físico pela impedância bioelétrica e pela técnica antropométrica

* Especialização em Atividade Física, Qualidade de Vida e Envelhecimento- UNOPAR-PR ** Professor Dr. do Centro de Desportos -CDS/UFSC *** Professor Dr. da PUC-PR (Brasil)

Sheilla Tribess* Edio Luiz Petroski** Ciro Romelio Rodriguez Añez***
sheillatribess@bol.com.br

Resumo O propósito deste estudo foi o de comparar o percentual de gordura (% G) mensurado por meio da impedância bioelétrica (BIA) e pela técnica antropometria. Participaram da amostra 83 indivíduos do sexo masculino entre 20 e 60 anos (39,6 ± 12,7 anos), pra ticantes de condicionamento físico em uma academia do município de Florianópolis (SC). Foram mensuradas as variáveis antropométricas: estatura, massa corporal, perímetro do abdômen, perímetro do antebraço e sete dobras cutâneas (subescapular, tríceps, peit oral, axilar média, supra-ilíaca, abdômen e coxa). Com as variáveis antropométricas estimou -se a densidade corporal, através da equação para sete dobras cutâneas proposta por Jackson e Pollock (1978) e o resultado desta foi convertida em percentual de gord ura (%G) por meio da equação de Siri (1961), e ainda algumas variáveis antropométricas associadas ao valor da resistência corporal foram utilizadas para calcular o %G pela BIA. Para a coleta de dados utilizou-se de uma fita métrica metálica com precisão de 0,1 cm, uma balança digital com precisão de 100g, um compasso Lange e um analisador de impedância bioelétrica Tanita TF -700. Para análise dos dados utilizou-se a estatística descritiva e para verificar a diferença entre os procedimentos, o teste "t" de student para grupos dependentes. O %G da BIA (25,1) obteve uma correlação significativa (r = 0,701) com o %G das dobras cutâneas (17,2). Todavia, o teste "t" de student evidenciou diferença significativa entre esses dois procedimentos, tendo a técnica da BIA fornecido valores mais altos do %G. Portanto, conclui -se que os procedimentos da técnica antropométrica e da técnica da BIA, com o analisador utilizado, fornecem resultados diferentes que irão exigir objetivos diferenciados na prescrição de exercícios fís icos. Unitermos: Antropometria. Impedância bioelétrica. Percentual de gordura. Abstract The aim of this study was to compare the fat percent (F%) measured by bioelectrical impedance (BIA) and by the anthropometrical technique. Participate of the sample 83 subjects male with age between 20 and 69 years (36.6±12.7) practitioners of physical fitness in an academy from Florianopolis Brazil. Were measured the anthropometrics variables: height, body mass, waist girth, forearm girth and seven skin fo lds (sub scapular, triceps, chest, midaxillary, suprailiac, abdominal and thigh). With the anthropometrics variables the body density was estimated using Jackson & Pollock (1978) equation for seven skin folds and the results was converted in fat percent (F %) by the Siri (1961) equation, also some anthropometrics variables together with the body resistance were used to calculated F% by the BIA. To collect the data were used an anthropometrics tape with precision of 0.1 cm, an digital scale with 100 g precisi on, an skin fold caliper Lange and an bioelectric impedance analyzer Tanita TF-700. To analyze the data the descriptive statistic was used and to verify the difference between procedures the student t -test for dependent groups was used. The F% from the BIA (25,1) was significant correlated with the F% from the skin folds (17,2) (r=0,701). Although, the t -test shows significant difference between the procedures, having the BIA overestimate the F%. Can be conclude that the procedures anthropometrics technique and bioelectrical impedance with the analyzer used deliver different results. Keywords: Anthropometry. Bioelectrical impedance. Fat percent. http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 9 - N° 64 - Septiembre de 2003

1/1

Introdução
O estudo da composição corporal visa, por meio de diversas técnicas que variam em complexidade, fracionar e quantificar os principais tecidos que compõem a massa ou o peso corporal (Malina & Bouchard, 1991). O corpo humano, para estudos da composição corporal, pode ser fracionado em quatro compartimentos: massa muscular (MM), massa gorda (MG), massa óssea (MO) e massa residual (MR). Neste último estão incluídos os diversos órgãos que formam o corpo humano, o sangue, a pele, o sistema nervoso etc (Pollock & Wilmore, 1993). Para fins mais didáticos, os

as cardíacas. e alguns índices que avaliam o risco para propensão de doenças. segundo Kacth & McArdle (1996). E seu peso é estabelecido a partir da proporção constante de água. podendo ser aplicados em ambientes de campo e clínico (Monteiro & Fernandes Filho. hipertensão. que consiste na gordura armazenada internamente nos principais órgãos. Despres et al. O método direto. diluição de óxido de deutério. tais como. Os métodos duplamente indiretos são aqueles validados a partir de um método indireto. 1998). indireta e duplamente indireta. a ressonância nuclear magnética e a densimetria. Esses métodos são menos rigorosos. asma e várias desordens pulmonares. Nos últimos anos. espessuras das dobras cutâneas. distúrbios do metabolismo dos lipídios e glicídios. A gordura corporal. pode-se citar a antropometria. internamente revestindo vários órgãos e em grande volume na camada de gordura subcutânea. 2002). que levam a um aumento da morbidade e redução da longevidade. altura. circunferências. Katch & McArdle (1996). principalmente. sais minerais e matéria orgânica. Primeiro: "gordura essencial". 1993. constitui-se em um fator de risco para a saúde da população na atualidade (Pollock & Wilmore. incluindo uma quantidade não determinada de lipídios essenciais (Guedes & Guedes. vários desses métodos acima citados foram aperfeiçoados e selecionados para a utilização na avaliação da composição corporal e conseqüent emente na estimativa do percentual de gordura. ósseas e renais. Já a massa magra representa. diâmetros e comprimentos ósseos. com relação aos métodos físicos os mais conhecidos são o ultra-som. (1991). E envolve o uso dessas medidas isoladas e/ou a .autores sugerem o fracionamento do corpo humano em dois componentes: a massa corporal isenta de gordura (massa corporal magra) e a gordura corporal. Heyward & Stolarczyk. O excesso de gordura corporal. Bray & Gray (1988). Como exemplo. no qual pode-se citar: índice de massa corporal (IMC) ou de Quetelet. índice de conicidade (IC) e índice da relação cintura e quadril (RCQ) (Manteiro & Fernandes Filho. com o surgimento de doenças. o sistema muscular e esquelético. Segundo: "gordura armazenada". principalmente na região central do corpo. mas a partir de princípios químicos e físicos que visam a extrapolação das quantidades de gordura e massa magra. Este tipo de gordura é indispensável para o funcionamento fisiológico satisfatório do organismo. 2002). (1999) evidenciam a associação do excesso e da distribuição de peso. Entre esses métodos pode citar como métodos -se químicos a contagem de potássio radioativo (K40 e K42). e que podem ser realizados por meio de diversas técnicas que envolvem procedimentos de determinação direta. intestinos. A quantificação e a distribuição da gordura corporal são elementos freqüentemente analisados em estudos da composição corporal. Assis et al. 1996). músculos e nos tecidos ricos em lipídeos presentes no sistema nervoso central. pode ser classificada no organismo humano sob duas formas. Entre eles estão a impedância bioelétrica (BIA) e as técnicas antropométricas. segundo Katch & McArdle (1996). a qual consiste na gordura estocada no tecido adiposo. o raios x. excreção de creatinina urinária. a análise de impedância bioelétrica (BIA) e a interactância de raios infravermelhos. Os métodos indiretos são aqueles onde não há a manipulação dos componentes separadamente. O método antropométrico utiliza-se de medidas de massa corporal. têm uma melhor aplicação prática e um menor custo financeiro. doenças articulares. constitui a separação dos diversos componentes estruturais do corpo humano a fim de pesá-los e estabelecer relações entre eles e a massa corporal total. diabetes.

todos os analisadores (multi-freqüências ou freqüência fixa) são programados para emitirem um sinal de corrente elétrica de baixa intensidade.. Já a freqüência pode oscilar de 1 kHz (kilohertzs) a 1MHz (megahertzs). de menor resistência elétrica) na massa corporal magra (Kacth & McArdle. Grande parte da gordura total do corpo. Assim como a antropometria. a conversão para percentual de gordura. então: R = V / I (Baumgartner et al. O método da BIA baseia-se no princípio de que uma resistência a uma corrente elétrica está inversamente relacionada à distribuição da água corporal total e dos eletrólitos (Lukaski et al. Kacth & McArdle (1973) e Sloan et al. Guedes (1985). a bioimpedância atualmente tem sido apresentada como uma alternativa rápida para a determinação da composição corporal. onde a resistência (R) é igual à voltagem (V) dividido pela corrente (I). 1990). aproximadamente a metade do conteúdo corporal total de gordura. tendo como critério os métodos laboratoriais. Com base na estreita relação existente entre a quantidade de gordura corporal total e subcutânea várias equações de regressões. A conversão da densidade corporal a partir dos valores das dobras cutâneas para percentual de gordura pode ser realizada através das equações de Siri (1961) e de Brozek et al. e de membranas celulares que atuam como condensadores elétricos. em equação de regressão para estimar a densidade (D). As vantagens no uso das técnicas antropométricas são: significativa relação das medidas antropométricas com a densidade (D). 1998). a não invasividade do método (Petroski. Em se tratando da aplicação da BIA no estudo da composição corporal. 1995). obtidas através dos métodos laboratoriais. 2003). 1996). têm sido propostas com a finalidade de estimar a densidade corporal a partir dos valores das dobras cutâneas. a maioria de origem americana. e Petroski & Pires Neto (1995. a gordura subcutânea representa uma importante amostra na quantidade total de gordura existente no corpo. podendo ser potencialmente usada no cálculo das estimativas de gordura corporal relativa. A técnica da espessura da dobras cutâneas como procedimento no estudo da gordura corporal.combinação de algumas. Petroski (1995) e Rodriguez-Añez (1997) destacaram-se ao desenvolverem equações antropométricas para a estimativa da densidade corporal. o que torna a técnica uma valiosa opção para o estudo do percentual de gordura (%G) (Carvalho. 1996). principalmente de origem estrangeiras. Via de regra. 1996) por validarem equações estrangeiras. O método da impedância bioelétrica baseia-se na condução de uma corrente elétrica de baixa intensidade no organismo. está distribuída no tecido subcutâneo. A impedância ou resistência corporal é mensurada através do envolvimento da lei de Ohms. e as equações específicas de Pollock et al. E a partir desta. a facilid ade e a rapidez na coleta de dados. 1986). (1976). (1980). a aplicação da BIA em . (1963) (Petroski. ou seja. Os organismos vivos contêm fluidos intra e extracelulares que agem como condutores elétricos. está baseada no princípio de que existe uma significativa relação entre a gordura situada diretamente abaixo da pele (gordura subcutânea). Faulkner (1968). Isso ocorre por causa do maior conteúdo de eletrólitos (conseqüentemente. No Brasil. entre as quais destacam-se as equações generalizadas de Jackson & Pollock (1978) e Jackson et al. a gordura interna e a densidade corporal (Kacth & McArdle. (1962). a intensidade da corrente pode variar de 500 µA a 800 µA (microAmpéres). Dependendo do tipo de analisador.. Sloan (1967). Logo. uma vez que é de fácil operação e relativamente confiável. o fluxo elétrico é facilitado através do tecido hidratado e da água extracelular em comparação com o tecido adiposo. caso seja um analisador multi-freqüência ou a 50 kHz (kilohertzs) se for um analisador de freqüência fixa. uso de equipamentos de baixo custo financeiro e a necessidade de pequeno espaço físico.

E em virtude dessa diversidade de utilização do percentual de gordura. praticantes de condicionamento físico da Academia de Ginástica Bioforma na cidade de Florianópolis . 1996).. Swartz et al. 1989. O total da resistência é mensurado pelo contato dos dois eletrodos em cada pé.. 3) não realizar exercícios físicos de alta intensidade pelo menos 24 horas antes do teste. para estimar o peso ideal. 1997.. Ross et al. 1999). 2002).. Morais et al. 1999. utilizou-se o analisador de freqüência fixa bipedal de marca Tanita (Tanita Inc. 2002). na plataforma medidora. e a queda da voltagem é registrada no eletrodo posterior que está em contato com o calcanhar do avaliado (Swartz et al. assim como a conversão para percentual de gordura (Utter et al.. Heymsfield et al.. A massa corporal magra e a densidade são calculadas pelo uso das equações preditivas que já vem da fábrica instaladas no aparelho. 4) suspender a ingestão de drogas ou medicamentos a base de diuréticos 7 dias antes do teste. A técnica da BIA requer o contato dos pés com dois eletrodos de metais localizados numa plataforma medidora. conforme a conveniência e os pré-requisitos (sexo e idade). Japan Model TF 700).. o presente estudo teve por finalidade comparar o percentual de gordura (% G) mensurado por meio da impedância bioelétrica (BIA) e da antropometria em indivíduos praticantes de condicionamento físico do sexo masculino para verificar a possibilidade de utilização na academia de uma técnica alternativamente a outra.. Heyward & Stolarczyl (1996) relatam cuidados que devem ser seguidos para uma melhor utilização da BIA: 1) evitar o consumo de álcool e cafeína 48h antes do teste..1986. bem como.SC. Essa plataforma medidora envia uma corrente de intensidade 500 µA (microAmpéres) a uma freqüência de 50 kHz (kilohertzs) através das pernas e tronco e possui um alcance de impedância de 150 a 900 W (Swartz et al. Verifica-se na literatura inúmeras pesquisas comprovando a validade do uso da técnica da BIA para o cálculo do percentual de gordura (Lukaski et al. para identificar os riscos de saúde associados com o excesso ou falta de gordura corporal total. Os eletrodos que entram em contato com cada pé são divididos em dois: eletrodo anterior e eletrodo posterior. A amostra foi constituída por 83 indivíduos. A avaliação do percentual de gordura (%G) tem sido uma prática bastante utilizada em academias para o controle de mudanças na composição corporal associadas ao efeito da nutrição e do exercício. selecionados de forma intencional. envolvendo indivíduos do sexo masculino. de flexibilidade e de resistência aeróbica. com a faixa etária de 20 a 60 anos. A impedância e a massa corporal são simultaneamente mensuradas assim que o avaliado coloca os pés em contato com os eletrodos na plataforma medidora.humanos é operacionalizada pelos analisadores de freqüência fixa (Heyward & Stolarczyk. 1996. 1998. que fica em contato com a região plantar próximo as falanges. 2002). Todos os indivíduos que participaram do estudo eram voluntários e praticavam exercícios físicos. Os indivíduos foram divididos em 4 faixas . que envolviam exercícios de força. Utter et al.. Procedimentos metodológicos Este estudo caracterizou-se como uma pesquisa descritiva-comparativa.. A corrente é aplicada no eletrodo anterior. No emprego deste estudo. 5) não executar o teste da BIA nos indivíduos do sexo feminino quando estes perceberem que estão retendo água durante o ciclo menstrual. 2) não comer ou beber 4h antes do teste. 6) urinar trinta minutos antes da realização do teste. Baumgartner et al. duas a cinco vezes por semana num período mínimo de uma hora. Tokyo.

E O percentual de gordura (%G) para a técnica antropométrica foi estimado através da equação de SIRI (1961) %G = (495/D) 450. axilar média (AXM). AXM. Para a análise da Impedância bioelétrica utilizou-se o analisador de marca Tanita TF-700. onde %G = percentual de gordura. assim como a massa corporal. . idade e sexo do indivíduo são digitados no analisador. AB e CX) foram realizadas por meio do adipômetro de marca Lange com precisão de 1 mm e pressão constante de 10 g/mm2. com precisão de 0. seguindo os procedimentos adotados po Alvarez & Pavan r (2003). no qual utiliza sete dobras cutâneas. Os dados da ES. PE. sete dobras cutâneas: subescapular (SE). idade e perímetro do abdome e do antebraço (QUADRO 1). Os PAB e PAT foram mensurados com uma fita métrica Cardiomed de fabricação japonesa.005). Todos os avaliados receberam explicações anteriores ao teste sobre o objetivo do trabalho bem como todas as orientações/recomendações descritas por Heyward & Stolarczyl (1996) necessárias para a realização da análise da BIA. O programa de estatística SPSS 10.1 cm e de acordo com os procedimentos adotados por Martins & Lopes (2003). A análise dos dados foi realizada por meio da estatística descritiva para caracterizar a amostra e para verificar as diferenças entre o %G obtido pelas dobras cutâneas e pela BIA utilizou-se o teste "t" de student para grupos dependentes (p< 0. 41 a 50 anos e 51 a 60 anos. TR. devido a diferenç de a percentual de gordura apresentado pela amostra. tríceps (TR). com o ponto zero no nível do solo. (2003). peitoral (PE). D = densidade (g/ml). supra-ilíaca (SI). dois perímetros: abdômen (PAB) e antebraço (PAT) e data de nascimento. em seguida o avaliado coloca os dois pés na plataforma medidora e após alguns segundos o aparelho fornece os dados da MC e %G do indivíduo. fixa à parede. As variáveis antropométricas coletadas foram: massa corporal (MC). estatura (ES). As medidas das dobras cutâneas (SE. PAB.1 cm.Equação de Jackson & Pollock (1978) para a estimativa da densidade corporal de homens com idades entre 18 e 61 anos. Resultados Os valores descritivos das características físicas e da composição corporal estão apresentados na TABELA 2. Para o cálculo da densidade corporal. QUADRO 1 . A estatura foi mensurada por meio de uma fita métrica. precisão de 0. com precisão de 100 gramas (g). utilizou-se a equação generalizada desenvolvida por Jackson & Pollock (1978) e validada por Petroski (1995). mensurada por meio de uma balança digital.0 foi utilizado a fim de atender aos objetivos propostos para o presente estudo. seguindo os procedimentos adotados por Benedetti et al. SI. marca Tanita.etárias: 20 a 30 anos. 31 a 40 anos. abdome (AB) e coxa (CX).

estimadas por Petroski (1995).7). .0001). com exceção da faixa etária 41 a 50 anos (25.0001 Quando analisado os valores de correlação para o %G estimado pela técnica da BIA e pela técnica antropométrica das dobras cutâneas. 3140 anos. r=0. e que em média um homem de 20 anos adquire 250 a 500 g de gordura por ano até os 60 anos.1 % (± 6. r=0. Observa-se na TABELA 3 os valores da média.2 ± 12. verificou-se que as faixas etárias 20-30 anos. composição corporal por faixa etária.8). Pode-se perceber que com o avançar da idade há um aumento da massa corporal.5 (±9.821. A grande preocupação desse estudo foi verificar a possibilidade de usar de forma alternativa os métodos da BIA e das dobras cutâneas para estimar o percentual de gordura em indivíduos praticantes de condicionamento físico da academia Bioforma. e uma diminuição da estatura. a massa corporal (77. a estatura (175. Apenas a faixa etária de 41 a 50 anos não apresentou correlação entre as duas técnicas. E a diminuição da estatura ocorre em virtude de que com o passar dos anos há uma sobrecarga na coluna comprimindo os espaços intersticiais das vértebras.2 ± 4.9).6 kg 4. apresentaram-se semelhantes quando comparados com a média da população brasileira da região Sul. Kacth & McArdle (1996) explicam que o aumento da gordura inicia na infância e cresce lentamente pela fase adulta. pelos procedimentos da BIA e das dobras cutâneas.4 ± 6. *p<0.694.1 kg/m2).Valores médios e desvios padrões das características físicas.7) e 16.6) e o percentual de gordura pela técnica das dobras cutâneas ( 17.683 e r= 0.8). TABELA 3 . do IMC. respectivamente) significativa (p= 0. da correlação e teste "t" de student da amostra. no qual a estatura.Teste "t" de student e correlação entre o %G estimado pela técnica antropométrica e pela técnica da BIA . desvio padrão. 51-60 anos e o total da amostra apresentaram correlação (r=0. 73.TABELA 2 . Da análise dos resultados do total da amostra.7 kg/ m2 ) que praticamente se manteve estável em relação a faixa etária 31 a 40 anos (25. a massa corporal e o percentual de gordura apresentaram os seguintes valores respectivamente 17 cm (± 6.703.

a atividade física alteram significativamente os níveis de água corporal do indivíduo.25). Os valo acima de 75 % de res água na massa magra indicam um estado de retenção hídrica. o que pode causar informações incorretas da bioresistência. a perda de água corporal diminui o grau de impedância. torna-se possível obter um aumento da resistência mensurada através da impedância. tanto os indivíduos do sexo masculino quanto os do sexo feminino devem apresentar valores entre 68 % e 75 % de água na massa magra.25. Nessas condições.31. Tal desequilíbrio altera a corrente elétrica independentemente de alterações do teor da gordura corporal.5).58. provocando erros na estimativa do total de água corporal e conseqüentemente do %G.35. Tanto a desidratação como a superidratação afetam a concentração de eletrólitos corporais (Kacth & McArdle.17. e Souza et al. (1994) e Glaner et al.29 x 20. a temperatura corporal e principalmente. Outro fato a destacar é a necessidade que todas as recomendações fossem seguidas.39 x18. 31 a 40 anos . Para que se esteja com os níveis normais de hidratação.1996). pois esse método é muito sensível as variações do estado hídrico do avaliado.71 x 17.6 % (± 2. 1995). podendo ser inadequadas para a utilização da população brasileira. enquanto a superidratação produz um efeito contrário.27. total .58 x 13. As avaliações foram realizadas em diferentes períodos do dia. em vista da redução do volume de água na corrente sangüínea. alterando assim os valores reais da massa corporal magra. Para a correta validação do teste. com predominância no final da manhã e início da noite. 41-50 anos . (1996). os diuréticos. O álcool. bem como os demais componentes derivados dessa variável (Baumgartner. ao passo que índices abaixo de 68 % podem sugerir desidratação (Biodynamics.9). A análise dos dados permite observar que a técnica da BIA apresentou valores superiores do %G quando comparada com a antropometria (faixa etária 20-30 anos . Conclusão Os valores do percentual de gordura estimado pela técnica antropométrica foram: faixa etária de 20-30 anos 13. 1996). Sabe-se que a queda da temperatura provoca uma diminuição no fluxo sangüíneo e/ou plasmático.3 % (± 4. a fim de minimizar os erros na hora da estimativa do %G através do método da BIA. 51-60 anos . um percentual de gordura artificialmente menor. faixa etária 51-60 anos 20. Mais especificamente.25. e total da amostra 17. valores mais elevados da impedância produzem percentual de gordura maior.22.0001) dos valores mensurado pela técnica da BIA para todas as faixas etárias.Evidenciou-se por meio do teste "t" pareado. (1996) citados por Carvalho (1998). revelando assim.2 % (± 4.0). Essas variações da temperatura do ambiente no período da realização das avaliações podem ter proporcionado erroneamente os resultados.1 % (± 4. faixa etária 41-50 anos 18.12 x 17.9). As explicações para os resultados encontrados nesse estudo fundamentam -se primeiramente. o fator mais importante a ser analisado é a quantidade de água corporal contida na massa corporal magra. Esses resultados também foram confirmados nos estudos de Petroski et al.25. Durante o transcorrer das duas semanas de realização das avaliações deparou-se com temperaturas elevadíssimas em contraste com dias frios e chuvosos. a cafeína. a alimentação. .9). quer dizer. que os valores do %G obtido pelo procedimento antropométrico das dobras cutâneas diferiu significativamente (p=0. faixa etária 31-40 anos 17. conseqüentemente a equação de predição para o cálculo do %G pode ser direcionada a população japonesa a qual possui hábitos e costumes diferentes da população brasileira.5 % (± 4. na balança de Impedância Bioelétrica usada para mensurar o percentual de gordura ser de origem japonesa.

M. V. Nuñez. P. & Heymsfield.(1995). (1991). (Dissertação de Mestrado). M. Santa Maria. A. 429-41. Human Kinetics Books.7 % (± 5. Determinação da composição corporal de pessoas de 20 a 70 anos da comunidade Pelotense..2 % (± 6. B. F. & Bouchard. 193-224. Sci. Porto Alegre: Pallotti. R. 84 (1).. 54(3). RS. 51-60 anos e o total da amostra apresentaram correlação (p= 0. R de (1998). D. In: Roche.. C. observa-se diferenças significativa (p=0. 1(1). Radiat. y Heymsfield. A. L. & Pietrobelli. de. In Petroski.. B. R. R. Isto.1 % (± 5. tendo a técnica da BIA fornecido valores superiores a técnica antropométrica. J. S.0001) entre as técnicas da BIA e da antropometria. Mestrado em Educação Física. Alturas e Comprimentos. J. Human Kinetics Books. H.. B. y .. P. L. D. Western Journal of Medicine. Tbw . Applied body composition assessment. pois as diferenças entre seus resultados implicam na prescrição de exercícios com objetivos específicos diferenciados. M. atividade física e nutrição. faixa etária 31-40 anos 25. y Baumgartner. 473-474. C. T. L.. & Roche. y Assis. Bioelectrical Impedance for Body Composition.. Chumlea. D. (1998). C. Heymsfielg.. B. J. Sport. y Baumgartner. L.7). 31-40 anos.. E. Prud'homme. 49(5/6). & Guedes.(1999). Dissertação de Mestrado. Estudo de gordura corporal através da mensuração dos valores de densidade corporal e da espessura de dobras cutâneas em universitários. Quando comparados os valores do percentual de gordura apresentados pela técnica da BIA e pela técnica antropométrica das dobras cutâneas.Newmed Importadora LTDA. Human Body Composition. S. T. Electrical impedance and total body electrical conductivity. A. (Orgs.A. Santa Maria. AM J Clin Nutr. Composição corporal através dos métodos da pesagem hidrostática e impedância bioelétrica em universitários. R. J. R.Os valores do percentual de gordura estimado pela técnica da impedância bioelétrica foram: faixa etária 20-30 anos 22. P. B. Londrina: Midiograf y Guedes. (1990).7). A.. E. São Paulo. As faixas etárias de 20-30 anos. UFSM.Estimation of deep abdominal adipose-tissue accumulation from simple anthropometric measuments in men. y Bray. UFSM. 471-477. Pinho. faixa etária 4150 anos 25. (1998). y Benedetti. E. e total da amostra 25. 82-88. S. Grammes. A. y Heyward. A. Monitor de Composição Corporal Biodynamics Modelo 310. Champaign. A. Referências bibliográficas Alvarez.6). B. RS. Appl. A. J. Physiol. G.4). J. Appl. Gallagher. & Lohman.) Antropometria: técnicas e padronizações. (1999). D. D. G. 257-262. 149(4). & Nunes. C. y Guedes. Does adipose tissue influence bioelectric impedance in obese men and women? J. y Despres.5 % (± 5. (1996). A.5). Z. Dobras Cutâneas. y Baumgartner. Ross. Illinois. Illinois. Mesa.0001). A. Part I-Pathogenesis. Tremblay. R. R. S. Upper extremity skeletal muscle mass: potential of measurement with single frequency bioimpedance analysis. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. F. Ramos V. (1996).3 % (± 4. J. & Stolarczyk. Wang. Obesity. C. Champaign. Pode-se concluir que os dois procedimentos não podem ser usados de forma alternativa. y Carvalho. & Gray. Ver. faixa etária 51-60 anos 27. Pouliot. y Biodynamics: Manual de instruções (1995). Controle do peso corporal: composição corporal. S.. (1988). Exerc. 18. Porto Alegre: Pallotti. In PetroskI. Antropometria: técnicas e padronizações. & Pavan. (1999). G. P. (1998). V. A.

Appl. Santa Maria. RS.. y Pollock. M. N. L. Rio de Janeiro: Medsi. M.. Doutorado em Educação Física.. 109-113. I. L. J. C. R. Antropometria: técnicas e padronizações. M. (2003). UFSM.Kacth.. 69(4). Appl. 88. A. Desenvolvimento e Validação de Equações Generalizadas para Predição da Densidade Corporal. Sensitivyti of bioelectrical impedance to detect changes in human body composition. Rio de Janeiro: Medsi. D. C. American Journal of Clinical Nutrition. A. y Utter. y Morais. 1643-1648. A. L. British Journal of Nutrition.. & Wilmore. A. Antropometria: técnicas e padronizações. y Petroski. Validação de equações antropométricas para a estimativa da densidade corporal em Homens. Brasil. R. D. J. D. J. (1993). (1996). Análise da composição corporal: uma revisão de métodos.. J. Nutrição. y Rodriguez-Añez. R. J. A. A. & Thompson. (1999). 2ª Ed. H. (2002). Champaign.& Lopes. M. M. A. G. Use of legto-leg bioelectrical impedance method in assessing body-composition change in obese women. M. H. Santa Maria. A. C. 43(2). & Fernandes Filho. & Butterworth. L. 60(4). Léger. Validation of tetrapolar bioelectrical impedan method to human body composition.C. (1991). A. y . Avaliação da composição corporal em gestantes de termo. & Bouchard. M. RS.. Martin. 1327-1332. UFSM. C. Med. (1996). Exercícios na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação.. Physiol. 4(1). Physiol. & Pires Neto. Human Kinetics. (1997). W. y Petroski. y Rodriguez-Añez. In PetroskI. G.. King. 4(2).. P. y Martins. 603-607. D. & Faintuch. y Lukaski. 205-210. moderately active and less active young men. F. (Dissertação de Mestrado). H. C. 12-19. 1(3). E. Ass. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. (2002). y Malina. Treinamento Desportivo. W. Desenvolvimento de equações para a estimativa da densidade corporal de soldados e cabos do exército brasileiro. (Tese de Doutorado). y Petroski. E. M. Porto Alegre: Pallotti. Grownth. & Siders. y Swartz. (1989). C. Tavares. y Ross. (1995). Ward. 4ª ed. Porto Alegre: Pallotti. P. Evans. A. A. S. (2003). & Roy. 67(4). R. Nieman. Hall. R. C. & Costa.. Illinois. A. 80-82. Bolonchuk. L. L. Comparação entre procedimentos para avaliação da composição corporal através da bioimpedância e da técnica antropométrica em universitários do sexo masculino. B. maturation and physical activity. E. W. Moana. Evaluation of s foot-to-foot bioelectrical impedance analyser in highly active. E. (1997). C. J. exercício e saúde. E. 5-14. Pezzin. Mestrado em Educação Física.. (1986). Perímetros. & McArdle. (1999). B. O. y Monteiro. C. Galvão. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Ver. W.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful