Você está na página 1de 3

EFEITO DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE ALFACE (Lactuca sativa L.) EM DIFERENTES NIVEIS DE SALINIDADE

EFFECT OF DIFFERENT SALINITY LEVELS ON GERMINATION OF LETTUCE (Lactuca sativa L.) SEED

JANEGITZ, M. C. 1 ; SERRANO, F. B. 1 ; TURINI. T. A. 2 ; HERMANN, E. R. 1

1 ESAPP, Rua Prefeito Jayme Monteiro, 791, 19700-000, Paraguaçu Paulista, SP. 2 University of California Cooperative Extension, 1720 S. Maple Ave., Fresno, CA, USA, 93702. e-mail: barquilhaserrano@yahoo.com.br

Resumo A salinidade do substrato é um dos principais fatores da baixa produtividade da alface. O

trabalho teve com objetivo avaliar a influência da salinidade na germinação de sementes de alface cv. Rafaela, tipo americana. No ensaio foi utilizado o delineamento inteiramente casualizado, com seis repetições. As sementes foram postas a germinar em substrato embebido em cinco concentrações de potencial osmótico, que foi obtido com a embebição do papel germitet nas

dosagens de 0; 2,9; 6; 8,9;

11,9 g L -1 de NaCl, totalizando em 30 unidades experimentais. Após 96

horas da instalação do ensaio foram avaliados: germinação (%), massa de matéria seca das

plântulas (mg) e comprimento de plântulas (mm). Com o aumento na concentração salina houve decréscimo na germinação, na massa de matéria seca e no comprimento das plântulas. A partir da

concentração de 8,9 g L

-1

de NaCl a germinação foi totalmente inibida.

Abstract Salinity of the substrate is a principal factor limiting productivity of lettuce. The objective of this work is to evaluate the influence of salinity on germination of lettuce seed cv. Rafaela. The experimental design randomized completely, with six repetitions. The seeds were exposed to five osmotic potential levels, which were obtained by submerging germination paper in solutions

amended with 0.0, 2.9, 6.0, 8.9 and 11.9 g L -1 NaCl, totaling 30 experimental units. Ninety-six hours after initiation of the experiment, the germination (%), dry matter of seedlings (mg) and length of seedlings (mm). were recorded. The germination, dry matter and the length of the seedlings

NaCl, germination was

decrease with the increase in salinity levels. At concentration over 8.9 g L -1 totally inhibited.

Introdução

A semeadura sob condições de estresse no solo pode resultar em baixa porcentagem e

menor velocidade de emergência. Neste caso, as sementes permanecem por maior tempo expostas às condições adversas do solo (Khan, 1980).

O estresse salino inibe o crescimento das plantas, por reduzir o potencial osmótico da

solução do solo, restringindo a disponibilidade de água e/ou por acumulação excessiva de íons nos tecidos vegetais, podendo, ainda, ocasionar toxicidade iônica, desequilíbrio nutricional, ou ambos (Boursier & Lauchli, 1990).

Segundo Maas (1984) e Ayers & Westcot (1991), a alface é “moderadamente sensível” à salinidade, tendo a produção decrescida em 13%. A produção comercial da alface americana é prejudicada pelo aumento na salinidade da água de irrigação e do extrato saturado, e caracterizado pela formação de cabeças pequenas e pouco compactas (Gervásio, 2000).

O presente trabalho objetivou-se avaliar a influência da salinidade na germinação de

sementes de alface cv. Rafaela, tipo americana.

Material e Métodos

O experimento foi conduzido no laboratório de Análises de Sementes da Escola Superior de Agronomia de Paraguaçu Paulista, em Paraguaçu Paulista - SP. Foram utilizadas sementes de alface tipo americana do cv. Rafaela.

O experimento foi conduzido de forma inteiramente casualizada, no ambiente do

laboratório, utilizando-se seis repetições e cinco tratamentos, que constaram de doses de NaCl: 0;

2,9; 6; 8,9; 11,9 g L -1 , equivalentes ao potencial osmótico de 0,0; -0,2; -0,4; -0,6; -0,8 MPa.

As sementes foram postas para germinar em caixas gerbox transparentes e opacas (11 X

11 X 3 cm ), num total de 30 caixas, contendo 100 sementes cada, sobre substrato de papel filtro

foi umedecido nas diferentes concentrações salinas na proporção de 2,2 vezes o seu peso. Em

função da época de produção das sementes não foi necessário aplicar tratamento de quebra de dormência. As caixas com as sementes foram dispostas em germinador de ambiente controlado, com temperatura entre 18-20ºC.

A avaliação ocorreu após 96 horas da aplicação dos tratamentos, analisando-se a

germinação conforme RAS (Brasil, 1992), computando-se as porcentagens médias de plântulas normais para cada lote, comprimento de plântulas (mm) numa amostra de 20 plântulas por parcela e massa de matéria seca das plântulas (mg) que foram obtidas por pesagem em balança analítica após secagem em estufa de circulação de ar forçado a 65 ºC durante 48 horas. Os resultados foram submetidos à análise estatística com aplicação de regressão para doses de concentração salina nos três parâmetros avaliados.

Resultados e Discussão

Os resultados encontrados estão expressos na Figura 1. Houve resposta significativa dos

três parâmetros avaliados em função dos diferentes graus de salinidade a que as sementes foram submetidas. Observa-se que à medida que aumenta o potencial osmótico do substrato, diminui a % de germinação, o comprimento e a massa de matéria seca das plântulas, indicando que as condições adversas a que as sementes foram submetidas restringiram sensivelmente o desenvolvimento das plantas, o que indica que esta cultivar de alface tem baixa tolerância à salinidade. Nas dosagens acima de 8,9 g L -1 de NaCl a germinação foi totalmente inibida. Segundo Raij (1991), a salinidade afeta o crescimento das plantas, principalmente pelo aumento da pressão osmótica do meio, onde este varia para espécie e cultivares. O efeito sobre as plantas afeta as produções muito antes de sintomas visuais se tornarem aparentes.

Conclusão Conclui-se a partir do presente ensaio que a germinação, o comprimento de plântulas e a massa de matéria seca das plântulas da cultivar de alface americana Rafaela decresceram com o aumento na concentração salina do meio de germinação.

Referências

AYERS, R.S.; WESTCOT, D.W. A qualidade da água na agricultura. Campina Grande: UFPB, 1991. 218p. (Tradução).

BOURSIER, P.; LAUCHLI, A. Growth responses and mineral nutrient relations of salt-stressed sorghum. Crop Science, Madison. v.30, 1990, p.1226-1233

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília:

SNDA/DNDV/CLAV, 1992. 365p.

GERVÁSIO, E.S.; CARVALHO, J.A.; SANTANA, M.J. Efeito da salinidade da água de irrigação na produção da alface americana. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, PB, v.4, n.1, 2000, p.125-128.

KHAN; A.A. Preconditioning, germination and performance of seeds. In: KHAN, A.A., ed.The physiology and biochemistry of seed dormancy and germination. 2. ed. Amsterdan, Elsevier/North - Holland Biochemical Press, 1980. p. 283-316.

MAAS, E.V. Crop tolerance. California Agriculture, Berkeley, v.38, n.10, 1984, p. 20-21.

RAIJ, B. V. Fertilidade do solo e adubação. Piracicaba-SP: Agronômica Ceres, 1991. 343 p

a

 

100

90

y = -7881x + 98191 R 2 = 0,96**
y = -7881x + 98191
R 2 = 0,96**

80

70

Germinação(%)

60

50

40

30

20

10

 

0

 

0

3

6

9

12

 

Concentração (g L -1 )

b

 

40,00

 

35,00

y = -3,30x + 39,53 R 2 = 0,99**
y = -3,30x + 39,53
R 2 = 0,99**

Comprimento(mm)

30,00

25,00

20,00

15,00

10,00

5,00

0,00

 

0

3

6

9

12

 

Concentração (g L -1 )

c

 

0,20

Massa de Matéria Seca (mg)

0,18

y = -0,0074x + 1,094 R 2 = 0,93**
y = -0,0074x + 1,094
R 2 = 0,93**

0,16

0,14

0,12

0,10

0,08

0,06

0,04

0,02

0,00

 

0

3

6

9

12

 

Concentração (g L -1 )

Figura 1: Médias de germinação (a), comprimento (b) e massa de matéria seca das plântulas (c) em relação às diferentes concentrações de potencial osmótico. Obtidas pelo teste regressão, significativos a 1% de probabilidade (**).