CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.

BRASÍLIO MACHADO

ÓLEO DE COZINHA POR BIODIESEL

ANTONINA 2011

Terceira fase.CEEP Dr. Brasílio Machado.JHESSIKA TAKASSAKI ÓLEO DE COZINHA POR BIODIESEL Projeto apresentado à disciplina de Sistema de Gestão Ambiental. Professora: Kamila Simão ANTONINA 2011 . modalidade Subseqüente. Técnico em Meio Ambiente.

......................................SUMÁRIO 1......................13 ANEXO....................................10 7... JUSTIFICATIVA.............. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA...................................................................... RESULTADOS ESPERADOS...........11 8......................................................................................................................................... ÓLEO DE COZINHA POR BIODIESEL....................... ................................14 ..............12 REFERÊNCIAS................. MATERIAIS E MÉTODOS.........................................................................................................................06 4.......................07 4.........07 4.......2 OBJETIVO ESPECÍFICO............................................08 6........................ OBJETIVOS.... ..........07 5...................................05 3.........................04 2....................... METODOLOGIA.............................. INTRODUÇÃO.......................... .........................................................1 OBJETIVO GERAL..............................

sendo a disposição o termino do ciclo em que se busca seqüencialmente: (a) a minimização da geração dos resíduos. As empresas requisitam um Sistema de Gestão Ambiental (SGA). n o Paraná em parceria com a Prefeitura Municipal de Antonina e a Prefeitura Municipal de Paranaguá vem a apresentar um projeto de Biodiesel a part ir do óleo de cozinha. e em atendimento ao que determina a Lei 16. possuindo grandes dificuldades em obter o resultado desejado. porém a est abilização e/ou recuperação de áreas degradadas são as mesmas em qualquer lugar. onde institui. (c) a coleta e o transporte. .4 1. mas também socioeconômicas e saúde humana e animal. o Programa de Incentivo à reciclagem do óleo de cozinha para a produção de Biodiesel. o meio ambiente e a economia de tais empresas. (d) a redução volumétrica e atenuação de características adversas dos resíduos a serem dispostos. gerando riscos potenciais ao meio ambiente. tendo em vista a dificuldade do município de destinar corretamente tal resíduo. A disposição de óleo de cozinha está envolvida nesta problemática. de acordo com os requisitos legais de legislações e de um SGA. As situações de degradação variam de município a município e de empresa para empresa. no Estado do Paraná. a Madeireira Guepardo do município de Antonina. (b) a reciclagem. acarretando conseqüências não só ambientais. e (e) a disposição final adequada . beneficiando assim. Isto posta. onde os problemas tendem a se agravar. a saúde da população e dos equipamentos da estação de tratamento de esgoto do município.393/2010. para que os procedimentos de análises e auditorias sejam eficazes. INTRODUÇÃO A crescente preocupação com o desempenho ambiental correto tem levado as organizações a obter controle dos impactos de suas atividades sobre o meio ambiente.

se o óleo chegar a um lixão ou aterro e escorrer pela área pode impermeabilizar o solo e contamina r a água de lençóis freáticos.5 2. essa é uma das principais causas de dos entupimentos da rede de esgoto nas cidades. . e a reutilização deste óleo causa diarréia. pois o óleo usado pode se transformar em sabão. detergente e biodiesel. e entre outros problemas de saúde. já o óleo jogado no ralo da pia causa outro transtorno: a gordura se solidifica nos canos. A melhor solução é a reciclagem. A importância de se reciclar óleo de cozinha é para não ser destinado erroneamente e ser reutilizado de uma forma que beneficie a comunidade. JUSTIFICATIVA As razões para a implementação de tal projeto é a má destinação que a comunidade faz do óleo depois de usado .

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ³Jogar fora. o suficiente para abastecer.6 3. 1º Fica instituído. um litro de óleo derramado na natureza polui um milhão de litros d¶água. estão: ± inflamações associadas ao envelhecimento precoce e a doenças degenerativas. motos e caminhões ± pode causar sérios danos cerebrais às pessoas. pode causar danos irreversíveis ao meio ambiente. ração animal. Para se ter uma idéia. como o Alzheimer e ± danos aos neurônios da aprendizagem e da memória. Baka (2009). o Programa de Incentivo à reciclagem do óleo de cozinha para a produção de Biodiesel. pela pia. Entre os problemas gerados pela inalação dos poluentes. Lei Est.393/10 . PR 16.¶¶ Envolverde/Sabesp (2008) Art. sabão. graxas e cosméticos.¶¶ Superinteressante (2011) µ¶Uma das alternativas para o óleo vegetal é utilizá-lo como matéria-prima em indústrias de fabricantes de produtos como o biodiesel. por um mês. detergente. no Estado do Paraná. através da desoneração progressiva no pagamento de impostos estaduais. µ¶ Estudo divulgado na revista norte-americana Environmental Health Perpectives provou que a poluição dos veículos automotores ± como carros. 50 famílias´.

2 OBJETIVO ESPECÍFICO O objetivo específico é levar conhecimento a comunidade antoninense. fazendo com que a população se mobilize e ajude neste processo de mel horamento. OBJETIVOS 4.1 OBJETIVO GERAL O objetivo geral do projeto é a transformação do óleo de cozinha usado em biodiesel. onde será usado na fr ota de automóveis da Madeireira Guepardo e nos ônibus escolares do município de Antonina. com relação à destinação correta desse óleo e os problemas que ocorrem. caso seja destinado indevidamente em locais não apropriados. 4. .7 4.

sendo que. Dentre os principais problemas da má destinação do óleo usado .393 de 02.000 Litros de óleo por mês. inclusive. podendo impermeabilizar o solo e contamina r a água de lençóis freáticos. um combustível contribuinte da poluição atmosférica. Perante a tais problemas a madeireira Guepardo institui o óleo de cozinha por biocombustível. De acordo com a Lei Est. pois um estudo divulgado numa revista norte-america provou que a poluição de veiculas causa sérios danos à saúde humana. onde desemboca na baía de Antonina. menos de 20% possui uma destinação adequada. está o lançamento do óleo usado pelo ralo da pia pode causar entupimentos na rede de esgoto. em dias de chuva forte cause alagamento nas ruas. tal processo desencadeado tende a formar uma camada impermeável que dificulta a oxigenação da água. e por sua frota de caminhões conterem diesel. e até mesmo no lixão. devido a requisitos da SGA da empresa. a reutilização deste óleo para o consumo próprio pode causar diarréia e entre outras doenças.02. prejudicando a vida aquática. ÓLEO DE COZINHA PARA BIODIESEL No município de Antonina são descartados .2010. na maré. fazendo com que. aproximadamente. pois a gordura se solidifica nos canos. poluindo ainda mais. por meio da desoneração progressiva no pagamento de impostos estadua is. onde é reciclado e transformado em sabão e detergente e o restante é jogado pelo pia da cozinha. diminuindo a poluição e contaminações e gerando emprego . e um único litro de óleo pode contaminar até um milhão de litros de água. jogar o óleo no meio aquático faz com que produto reduza o oxigênio nos corpos d'água (rios e lagos). determinando.8 5. podendo até serem irreversíveis como danos cerebrais. rios e mares. o descarte indevido nos lixões faz com que o óleo escorra pela área. A reciclagem do óleo usado beneficiará tanto a empresa quanto ao município de Antonina . fica instituído o Programa de Incentivo à reciclagem do óleo de cozinha para a produção de Biodiesel.340. 2. onde será substituída por biodiesel . PR Nº 16. a obrigatoriedade de os restaurantes e os estabelecimentos comerciais e .

onde alimentará a frota de caminhões da empresa Guepardo e os ônibus escola res da Prefeitura Municipal de Antonina. nos postos de coleta. Deve -se esperar o óleo esfriar-se e depois retirar os restos de alimento. deve guardá-la. depois que toda a ga rrafa estiver preenchida. Nesse processo. um caminhão irá passar nos postos e coletar as garrafas e levá-las até a cidade de Paranaguá. será realizado uma feira ambiental com objetivo de transmitir educação ambiental para a população e informar sobre o procedimento do armazenamento adequado do óleo. será realizado o procedimento de transesterificação. com um funil. os comércios terão prejuízos. até obter uma quantia necessária levar as PET¶s com óleo ao posto de coleta mais próxima da moradia. Após ser transformado em Biodiesel. para acesso fácil da população. Semanalmente. por meio de um processo industrial que transforma o óleo em biodiesel e glicerol (utilizado para fazer sabão). que é o mais usado no Brasil. onde.9 industriais que servem refeições da entrega do óleo comestível usado para reciclagem. logo após é colocado numa garrafa PET. o mesmo acontece com o biocombustível. pois. será doado para a Associação dos catadores de lixo reciclável de Antonina e para os empregados da empresa. se possível. não será distribuído para a população . se a demanda de sabão for grande para a população. Para poder instituir o programa de reciclagem de óleo de cozinha. Para isso. Tais postos de coleta terão sua localidade em supermercados e restaurantes voluntários de todos os bairros de Antonina. de preferência. o sabão que foi gerado. na Usina de Biodiesel. . voltará num caminhão tanque para Antonina. o óleo reage com um álcool (metanol) e com um catalisador (soda cáustica). e ir juntando mais garrafas com óleo.

onde a população poderá arrecadar informações sobre o óleo de cozinha usado e todo o procedimento de: ³O que fazer´. . METODOLOGIA Será realizada uma feira ambiental durante três dias.10 6. com postos de informação. como incentivo. ³Como fazer´ e ³Onde levar´. cartazes e folhetos pela cidade . todo esse processo virá a buscar a sensibilização da população. feito a partir da pasta do óleo usado . a população de Antonina poderá trocar um litro do seu óleo de cozinha por sabão sustentável.

MATERIAIS E MÉTODOS Serão utilizadas ferramentas de comunicação como folhetos e cartazes contendo informações sobre o procedimento de como separar. estarão em supermercados e restaurantes de todos os bairros da cidade de Antonina. . A Madeireira Guepardo disponibilizará dois caminhões para coletar as garrafas PET contendo óleo de cozinha nos postos de coleta e levará até a miniusina de Paranaguá para ser transformado em biodiesel. Na rádio local serão anunciadas informações sobre o óleo de cozinha e sua reciclagem.11 7. Os postos de coleta serão voluntários. Ficará disponível para a população antoninense uma central de atendimento. armazenar e onde entregar o óleo usado. um telefone que irá tirar todas as dúvidas da comunidade.

venham a diminuir. fazendo com que Antonina seja conhecida por ser uma cidade que pratica a sustentabilidade e também Paranaguá. .12 8. e o na rede de esgoto . desde a área doméstica. RESULTADOS ESPERADOS É esperada a colaboração de toda a população antoninense. os restaurantes até os estabelecimentos comerciais. E tal projeto venha ser notório. É esperado também que a fabricação de biocombustível venha aument ar de forma gradativa e a poluição nos rios e mares. e a sua sensibilização seja passada por geração. onde será analisado periódicamente. junto nesta ação. por ser um município parceiro e por ter a Usina de Biodiesel.

htm > Acesso em: 15 mai.2010 . 2008. 2011. Institui.br/materia/como -e-feita-a-reciclagem-de-oleo > Acesso em: 15 mai 2011. Superinteressante. Lei.br/noticias/vida.com. Grupo Estado. Disponível em: http://www.abril. 16. 2011. Victor. Disponível em: <http://www. no Estado do Paraná.estadao. Disponível em: <http://mundoestranho. 05 jun. São Paulo. 2011. óleo de cozinha deixa de ser vilão ambiental. São Paulo. Como é feita a reciclagem de óleo? Mundo Estranho.com. Disponível em: < http://www. Diário Litoral. São Paulo. _____ Reciclagem do óleo de cozinha produz biodiesel . 2008 . Débora. 2011. .com.org.html > Acesso em: 05 jun. Abril. 08 dez. 2010. Usina de biocombustível é inaugurada em Paranaguá . Redação Diário Litoral.02. 29 set.br/2011/06/usina -de-biocombustivel-e-inauguradaem. Abril.com. 31 jun.13 REFERÊNCIAS BIANCHIN.rts.617257. 02 fev. O Estadão.br/blogs/planeta/inalar -poluicao-veicular-pode-causar-danoscerebrais/comment-page-1/> Acesso em: 15 mai.reciclado -oleo-deixa-de-ser-vilaoambiental. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tec nologia.br/noticias/destaque -2/reciclagem-do-oleo-decozinha-produz-biodiesel > Acesso em 15 mai.0. Lex: Palácio Do Governo em Curitiba. 02. Disponível em: <http://super. 2010. 2011. o Programa de Incentivo à reciclagem do óleo de cozinha para a produção de Biodiesel. 27 abr. PARANÁ. 2011. Dados da publicação que publicou a lei ou decreto. São Paulo. _____ Reciclado.diariolitoral. SPITZCOVSKY. Rede de Tecnologia Social . Inalar poluição veicular pode causar danos cerebrais . BRASIL. Paranaguá.abril. através da desoneração progressiva no pagamento de impostos estaduais.393.

transporte e revenda. V . o Programa de Incentivo à reciclagem do óleo de cozinha para a produção de Biodiesel.Informar a população quanto aos riscos ambientais causados pelo despejo de óleos e gorduras de origem vegetal ou animal na rede de esgoto e as vantagens múltiplas dos processos de reciclag em. doméstico. no Estado do Paraná.Conscientizar e motivar empresários do setor gastronômico da importância de sua participação na reciclagem e destinação final do óleo saturado.02.02.393/10 .Favorecer a exploração econômica da reciclagem de óleos e gorduras de origem vegetal ou animal e de uso culinário. de maneira a gerar empregos e renda as pequenas e médias empresas. conforme especifica.14 ANEXO Lei Est. o Programa de Incentivo à reciclagem do óleo de cozinha para a produção de Biodiesel. 1º Fica instituído. O incentivo referido no caput deste artigo será instituído por regulamento do Chefe do Poder Executivo. II . PR 16. através da desoneração progressiva no pagamento de impostos estaduais. 2º O programa de que trata o caput do artigo antecedente será efetivado mediante a adoção de medidas estratégicas de controle técnico.Evitar a poluição dos mananciais. III . que operem na área de coleta e reciclagem permanentes.2010 DOE-PR: 02.393 de 02.Lei do Estado do Paraná nº 16. IV . até os processos industriais de transformação. incentivo fiscal e concessão de linhas de crédito para pequenas e médias empresas. no Estado do Paraná. Parágrafo único.Não acarretar prejuízos a rede de esgotos. desde a coleta. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. . mediante suporte técnico. através da desoneração progressiva no pagamento de impostos estaduais. Art. comercial ou industrial. com as seguintes finalidades: I . VI .Incentivar a prática da reciclagem de óleos e gorduras de origem vegetal ou animal e uso culinário.2010 Súmula: Institui.

estímulo à pequena empresa e ao cooperativismo.Estabelecer parâmetros de controle rígido sobre as empresas recicladoras. IV . devido a sua alta carga poluente oriunda do processamento de óleos e gorduras. a otimização das ações governamentais e não -governamentais.Criar e incentivar galpões de triagem do Estado do Paraná a incorporarem à reciclagem do óleo saturado e destiná -los a grupos da comunidade para a geração de emprego e renda. Art. projetos e programas. para que se cumpra o que deter mina as portarias e resoluções do CONAMA sobre resíduos sólidos e gasosos. incentivará estudos. em especial.busca e incentivo à cooperação dentre União. VI . § 2º O programa de que trata esta lei. II . com o objetivo maior de: a) conceder apoio estratégico e aprimorar a atividade econômica da reciclagem de matéria residual de gorduras de uso alimentar. para fins desta lei. procurando incentivar-se as práticas de coleta e reciclagem de óleos e gorduras de uso culinário. V . § 1º Entende-se por política estadual de tratamento e re cliclagem de óleos e gorduras de origem vegetal ou animal e uso culinário. que atendam às finalidades de sta lei. bem como da preservação dos mananciais. ampliando -se em larga escala. enfocando.execução de medidas para evitar a poluição decorrente do descarte de óleos e gorduras de origem animal ou vegetal e uso culinário na rede de esgotos. III . reconhecendo-as como fundamentais para o bom funcionamento da rede de esgotos. Estados. principalmente.discussão. buscando a participação do empresariado e das organizações sociais. exigindo se da indústria e comércio a efetiva participação em projetos a serem desenvolvidos e executados para os fins desta lei. especialmente no tocante a seu suporte técnico. desenvolvimento. desenvolvimento de projetos e outras medidas.estabelecimento de projetos de reciclagem de óleos e gorduras de origem vegetal ou animal e uso alimentar.15 VII . VIII . . e de proteção ao meio ambiente. através de mecanismos tributários e de fiscalização. informação aos consumidores e conscientização da sociedade a respeito de danos provenientes do descarte residual no meio ambiente e das vantagens da prática de sua reutilização em escala industrial. Municípios e organizações sociais. 3º Constituem diretrizes do programa: I . os efeitos da poluição em decorrência do descarte residual de gorduras culinárias. b) buscar o cumprimento de metas de proteção ao meio ambiente. aos efluentes líquidos lançados.atuação no mercado. voltadas ao atendimento das finalidades elencadas nos incisos deste artigo. adoção e execução de ações.

sendo o Poder Executivo Estadual responsável pela divulgação. por seus representantes.manutenção permanente de fiscalização sobre indústria de alime ntos. transporte. inclusive de usuários domésticos. associações ou cooperativas que possuem qualificação técnica através de critérios apontados por órgãos competentes.16 VII . através da Secretaria do Meio Ambiente. para a execução do serviço de coleta. Parágrafo único.estímulo e apoio às iniciativas não-governamentais voltadas à reciclagem. XI . XIV . e reciclagem do óleo utilizado nos estabelecimentos ligados ao Poder Público. conscientização. correrão por conta das empresas interessadas em realizar o serviço de coleta. Todos os projetos e ações voltados ao cumprimento das diretrizes estabelecidas nos incisos anteriores serão amplamente divulgados. nas discussões que antecederem o planejamento da implementação do programa.promoção permanente de ações educativas. § 1º As despesas decorrentes do disposto acima. XII . visando a despertar a solidariedade e a união de esforços em prol dos objetivos desta lei. poderão exercer essa atividade no Estado do Paraná.realização frequente de diagnósticos técnicos junto aos consumidores de óleo e demais gorduras de uso culinário. Art. especialmente em escala comercial e industrial. e nos órgãos ligados à educação estadual. XIII . devidamente cadastradas e enquadradas nos critérios técnicos estabelecidos pelo Conselho Estadual de Defesa do Meio Ambiente.promoção de campanhas de conscientização da opinião pública. emitidos por empresas recicladora devidamente licenciada para a atividade. responsável por credenciar empresas. . e outros grandes geradores.incentivo à instalação de postos de coleta administradas por empresas especializadas na reciclagem de óleos e gorduras vegetais. transporte e reciclagem. ficando sujeitos a notificação e multa. obrigando-os a manter em arquivo os devidos relatórios trimestrais de destinação final. conscientização e fiscalização através dos seus órgãos competentes na área ambiental e urbana. sendo o Poder Executivo Estadual responsável pela divulgação. VIII . X .realização de campanhas educativas permanentes voltadas ao consumidor domiciliar. com vistas aos fins desta lei.participação de consumidores e da sociedade. § 2º Apenas empresas ou associações cooperativas. para verificação da correta destinação dos óleos e gorduras para empresas especializadas na reciclagem e devidamente licenciadas para a atividade. 4º Fica o Poder Executivo Estadual e/ou Municipal. bem como a outras ações ligadas às diretrizes de política ambiental de que trata esta lei. restaurantes e similares. IX . hotéis. de forma a propiciar a efetiva participação da sociedade civil. devidamente licenciadas perante os órgãos competentes.

Art. suplementadas se necessário. a utilizar o biodiesel produzido a partir da reciclagem do óleo de cozinha. nos postos de coleta indicados pelo Instituto Ambiental do Paraná. 5º Os veículos públicos do Estado do Paraná passarão. 8º As despesas decorrentes da execução desta lei correrão à conta das dotações orçamentárias próprias. progressivamente. em 02 de fevereiro de 2010. Parágrafo único. A frota de veículos do Estado do Paraná será adaptada para a utilização do biodiesel conforme regulamento do Chefe do Poder Execu tivo.17 Art. Art. PALÁCIO DO GOVERNO EM CURITIBA. 9º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Roberto Requião Governador do Estado Lindsley da Silva Rasca Rodrigues Secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Valter Bianchini Secretário de Estado da Agricultura e do Abastec imento Rafael Iatauro Chefe da Casa Civil Marcelo Rangel Deputado Estadual Dobrandino Gustavo da Silva Deputado Estadual Rainhold Stephanes Junior Deputado Estadual Cida Borghetti Deputada Estadual . Parágrafo único. Art. O descumprimento do disposto neste artigo impede os estabelecimentos citados e usufruir de incentivos fiscais instituídos no Estado do Paraná. conforme regulamentação do Poder Executivo. Art. 7º Fica autorizada a criação do Fundo Especial de Apoio aos Produtores de Biodiesel no Estado do Paraná. 6º Os restaurantes e estabelecimentos comerciais e industriais que servem refeições ficam obrigados a entregar o óleo comestível usado para reciclagem.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful