Você está na página 1de 1

investimentos incentivados pelo Finor.

A ação da
Sudene também contribuiu para a concentração
Geografia regional da indústria nas principais aglomerações
urbanas da Zona da Mata. Um dos seus resulta-
Professor Paulo BRITO dos consistiu na aceleração do crescimento
demográfico das metrópoles regionais, que se
firmaram como pólos de atração para os
Aula 134
migrantes oriundos do meio rural.
Planejamento e meio O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA
ambiente no Brasil AMAZÔNIA
A política regional da Sudene Ainda há tempo para que a Amazônia não repita a
história da Mata Atlântica. Existem, felizmente,
O Nordeste, como espaço regional singular, é um 01. A Região Nordeste compreende, em seu
alternativas. O ponto de partida é mudar os
produto da integração nacional, sob o comando interior, áreas diferenciadas por fatores
do Centro-Sul. O complexo cafeeiro e, em pressupostos e as orientações das políticas
públicas e o comportamento e os valores de cada naturais e socioeconômicos: o Meio Norte,
seguida, a industrialização transferiram,
um de nós. O desenvolvimento pode, sim, ser feito o Sertão, o Agreste e a Zona da Mata.
definitivamente, o topo geográfico da acumula-
ção de riquezas. A marginalização econômica com a manutenção das florestas. Entretanto isso Sobre as características mais recentes da
das oligarquias nordestinas acompanhou a não deverá ser resultado do altruísmo dos economia dessas áreas, assinale V ou F.
indígenas, extrativistas, colonos, fazendeiros e
formação de um mercado interno unificado e 1. ( ) O avanço da soja no Meio-Norte, com
subordinado aos capitais urbanos e industriais empresários. Necessitamos de políticas públicas
capazes de mudar a lógica econômica da fronteira a ocupação dos cerrados no
sediados no Sudeste.
do desmatamento. A equação é simples. A Maranhão, Piauí e oeste baiano.
Mas as oligarquias conservaram o seu controle
manutenção das florestas deve ser 2. ( ) O crescimento da indústria nas áreas
sobre a terra e as máquinas políticas estaduais.
Essa herança histórica permitiu que sobrevives- economicamente mais rentável do que os metropolitanas, em especial o de
sem como elite periférica, por meio da captura de benefícios do garimpo florestal e da agropecuária. Salvador e de Fortaleza, como
rendas geradas pelas políticas de planejamento Para isso, o produtor rural tem de obter maiores resultado da desconcentração
rendimentos dos produtos florestais madeireiros e
regional do poder central. industrial no Sudeste.
A Superintendência do Desenvolvimento do não-madeireiros e dos serviços ambientais
prestados por suas florestas (conservação dos
3. ( ) A expansão do extrativismo vegetal,
Nordeste (Sudene) nasceu em 1960, como do babaçu e da carnaúba, como
instrumento para a subordinação econômica e a rios, da biodiversidade, do clima etc).
atividade principal dos pequenos
política das oligarquias nordestinas. A indústria, O Estado do Amazonas está determinado a
não a agropecuária, era proclamada como implementar uma política de desenvolvimento agricultores do Agreste.
caminho para a redenção da região periférica. Os sustentável voltada para a conservação das 4. ( ) A substituição da lavoura da çana-de-
investimentos de empresas sediadas no Sudeste, florestas e para a melhoria da qualidade de vida açúçar na Zona da Mata pelas
não os latifúndios do Nordeste, tomavam-se das populações rurais, com especial atenção para lavouras de subsistência (feijão,
beneficiários dos incentivos e subsídios federais. os segmentos extremamente empobrecidos. É arroz, mandioca), através de projetos
Nos primeiros anos da Sudene, a sua “época inadmissível que indígenas, ribeirinhos e colonos, de assentamentos.
heróica”, a espada da reforma agrária chegou a moradores de ecossistemas riquíssimos, sejam
5. ( ) O desenvolvimento da fruticultura no
lançar uma sombra ameaçadora sobre a grande miseráveis e dependam de políticas assistencialis-
propriedade fundiária da faixa açucareira. tas. É também inadmissível que essas populações vale médio do São Francisco, em
Com a Sudene, os “nordestes” dissolveram-se no sejam forçadas a desmatar, na busca de melhorar pleno Sertão, através de projetos de
Nordeste. A lei que criou o novo órgão definiu, o seu bem-estar. irrigação.
como sua área de atuação, a totalidade dos nove Para enfrentar esse desafio, estamos fazendo 02. Com relação às alterações ambientais
estados nordestinos e o extremo norte de Minas simplesmente o óbvio. Infelizmente, demoramos
Gerais. Em 1998, toda a porção mineira do Vale provocadas pela construção de uma
mais de 500 anos para nos dar conta disso.
do Jequitinhonha e o norte do Espírito Santo represa, avalie as afirmativas a seguir:
foram incluídos na área da Sudene. Mão-de-obra qualificada para o interior
I. Reduz a velocidade normal de
O diagnóstico tradicional, que vinculava a Eis as principais providências para se implantar escoamento das águas do rio.
pobreza regional ao fenômeno das secas, deu mão-de-obra qualificada – praticamente
II. Aumenta a deposição do material trazido
lugar ao ponto de vista desenvolvimentista, cuja inexistente em todo o Brasil – com vistas ao
prioridade consistia na implantação de pólos desenvolvimento sustentável:
em suspensão pelo rio.
industriais na Região. Coerentemente com essa III. Retém matéria orgãnica cuja
1. Implementar florestas públicas de produção.
orientação, estabeleceu-se, em 1974, o Fundo de decomposição libera dióxido de carbono
2. Criar linhas de crédito para pequenos e
Investimentos do Nordeste (Finor). O Finor e metano.
médios empreendedores florestais.
financiou, ao longo da sua história, a implantação IV. Diminui a umidade relativa do ar,
ou a expansão da maior parte dos grandes 3. Estender os benefícios fiscais e tributários da regularizando os níveis de chuvas.
grupos industriais com fábricas no Nordeste. Os indústria convencional para os empresários
Assinale:
recursos do fundo possibilitaram a criação do florestais.
a) se somente as alternativas I e II estiverem
Pólo Petroquímico de Camaçari, na Bahia. 4. Gerar energia elétrica limpa, a partir de
Atualmente, cerca de 30% do ICMS arrecadado corretas.
resíduos florestais.
pelos estados nordestinos provêm de b) se somente as afirmativas III e IV estiverem
5. Utilizar as frutas da floresta (açaí, castanha,
empreendimentos financiados pelo Finor. corretas.
camu-cam, etc) na merenda escolar.
Sob a Sudene, o Nordeste emergiu como Região c) se somente as afirmativas I, II e III estiverem
industrial periférica, conectada aos capitais 6. Utilizar as plantas medicinais nos programas
corretas.
sediados no Sudeste. Os laços de dependência de saúde pública.
d) se somente as afirmativas II, III e IV estiverem
manifestam-se com especial nitidez no caso da 7. Apoiar a agricultura familiar com sistemas
corretas.
indústria de bens intermediários – produtos agroflorestais.
químicos, petroquímicos e metalurgia – que e) se todas as afirmativas estiverem corretas.
8. Manejar os recursos pesqueiros e promover a
funcionam como insumos para as empresas do piscicultura. 03. A implantação, na Amazônia, das grandes
Centro-Sul. A industrialização incentivada
9. Treinar e profissionalizar os trabalhadores estradas de rodagem intensificou os fluxos
modificou o panorama econômico nordestino,
ampliando a sua participação no PIB nacional e
florestais. migratórios em direção a essa Região.
transferindo para as cidades o foco de 10. Desenvolver a base científica e tecnológica Esses fluxos migratórios NÃO provocaram:
acumulação regional de riquezas. para a modernização de atividades florestais a) a disseminação de doenças tropicais;
A liderança dos investimentos incentivados ficou seculares.
b) a redução da especulação fundiária;
com as indústrias químicas, metalúrgicas, de Esse desafio só será possível se houver uma c) o colapso da infra-estrutura urbana;
minerais não-metálicos, de material elétrico e de ampla parceria de toda a sociedade brasileira.
d) a atuação predatória no preparo da terra;
comunicações. As tradicionais indústrias Precisamos aumentar o consumo de produtos
nordestinas – têxteis, de vestuário e calçados e de e) o aumento dos fluxos de contrabando.
florestais madeireiros e não-madeireiros da
alimentos – receberam menos de 30% dos Amazônia, valorizando especialmente os que