PRINCÍPIOS DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA O livro Princípios de Administração Científica, de Frederick Winslow Taylor, propõe a idéia de se encarar a Administração como

uma ciência. Através de exemplos práticos, o autor tenta provar que os princípios que regem sua doutrina se aplicam absolutamente à Administração de qualquer instituição pertencente à sociedade em geral: desde a mais simples, como dos lares; até a mais complexa, como a dos órgãos públicos e a de empresas privadas com grande porte. O autor baseia sua doutrina em quatro elementos fundamentais: a criação de uma ciência, pela direção, para a totalidade das atividades a serem desenvolvidas no empreendimento; a seleção científica dos trabalhadores, baseada em estudos criteriosos para identificar o perfil desejado; a cooperação entre os líderes e os subordinados, com o fim de homogeneizar os interesses de ambos e a divisão eqüita tiva do trabalho, sendo atribuída a cada um a tarefa de maior complexidade, de acordo com suas aptidões naturais (à direção é atribuído o planejamento e o controle das tarefas realizáveis pelos trabalhadores, que por sua vez, têm o dever de oferecer o melhor desempenho possível no cumprimento das mesmas). Na criação da ciência para ser aplicada a determinada atividade, estudam-se todos os movimentos mecânicos realizados pelo operário na execução das tarefas e eliminam-se os caracterizados desnecessários, avalia-se a relação do tempo do movimento com a capacidade humana de suportá-los, são testados os diversos tipos de utensílios usados na tarefa e escolhidos os mais adequados e são definidas as características demandadas do trabalhador (percepção, agilidade de reação, eficácia ao realizar determinado movimento, etc). Taylor também se atém à questão da vadiagem no trabalho, dizendo ser sua principal causa a ignorância da direção, referente ao tempo necessário para a realização do trabalho; em segundo plano, afirma ser a idéia errônea dos trabalhadores e afins (sindicatos) de que o fato de aumentar a produção ocasiona desemprego. Segundo ele, com os métodos de administração utilizados até o surgimento de sua ciência, era inevitável a contrariedade entre empregado e empregador; visto que os operários eram deixados à deriva de suas inspirações, podendo escolher a forma com a qual lhes aprouvesse trabalhar e que o sistema de pagamento usual dava margem a sérios conflitos. O pagamento era feito por peça produzida, independentemente de realizações individuais, fato que possibilitava uns trabalharem bem menos do que outros e obterem os mesmos rendimentos. Também era normal os mais produtivos serem coagidos pelos colegas a não produzir tanto, pois a direção poderia perceber que a efetividade ideal não estava sendo alcançada. É conveniente considerar ainda o fato de que, na utilização dos métodos empíricos de administração (os quais eram passados de geração por geração), tanto se desperdiçava força produtiva decorrente de movimentos desnecessários do empregado, quanto do ócio do empregador. A utilização dos princípios de administração científica possibilitou considerável aumento de produção e, conseqüentemente, a satisfação dos diretores (tinham maior lucro), dos trabalhadores (eram remunerados de forma equânime) e até dos consumidores (com a redução do preço de mercado dos produtos). Apesar de ter previsto tais melhorias na condição de vida da sociedade, Taylor foi infeliz em generalizar tão explicitamente a aplicação de sua ciência, pois é possível prever os movimentos humanos quando são absolutamente mecânicos, mas quando se trata das variáveis psicológica e social, a prática mostra que os movimentos do homem não são totalmente previsíveis. Essa omissão de Taylor foi o fundamento da escola de relações humanas, a qual dá sequência à ciência da administração. Fonte: http://pt.shvoong.com/social-sciences/1675127-princ%C3%ADpios-administra%C3%A7%C3%A3ocient%C3%ADfica/#ixzz1UfFb1zon

Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro estadunidense Frederick Taylor (1856-1915), que é considerado o pai da administração científica. Caracteriza-se pela ênfase nas tarefas, objetivando o aumento da eficiência ao nível operacional. É considerada um subcampo da perspectiva administrativa clássica. O fato mais marcante da vida de Taylor foi o livro que publicou em 1911 "Princípios de Administração Científica" com esse livro ele tenta convencer aos leitores de que o melhor jeito de administrar uma empresa é através de um estudo, de uma ciência. A ideia principal do livro é a racionalização do trabalho que nada mais é que a divisão de funções dos trabalhadores e

e das partes para o todo.com isso Taylor critica fortemente a ³Administração por incentivo e iniciativa´ . Princípios Fundamentais do livro de Taylor "Princípios de Administração Científica": Princípio do Planejamento: Substituir os métodos empíricos por métodos científicos e testados. Para ele a administração tinha que ser tratada como ciência. na época. Princípio de Execução: Para que haja uma organização no sistema as distribuições de responsabilidades devem existir para que o trabalho seja o mais disciplinado possível. . tornamo-nos dependentes deles. Desta forma ele buscava ter um maior rendimento do serviço do operariado da época. dando ênfase na tarefa. forçando as empresas a contratarem mais operários. Princípio de Controle: Supervisão feita por um superior para verificar se o trabalho está sendo executado como foi estabelecido. Não havia. o qual era desqualificado e tratado com desleixo pelas empresas. Taylor acredita na ideia da eficiência e eficácia que é a agilidade e rapidez dos funcionários gerando lucro e ascensão industrial. O estudo de "tempos e movimentos" mostrou que um "exército" industrial desqualificado significava baixa produtividade e lucros decrescentes. interesse em qualificar o trabalhador. diante de um enorme e supostamente inesgotável "exército industrial de reserva". Princípio da Seleção: Como o próprio nome diz seleciona os trabalhadores para sua melhores aptidões e para isso são treinados e preparados para cada cargo. Índice [esconder] 1 Metodologia taylorista de estudo 2 Organização do trabalho 3 Benefícios do método de Taylor 4 Outros integrantes do movimento da administração científica 5 Princípios da administração científica 6 Exemplos 7 Críticas ao modelo 8 Referências 9 Ver também [editar]Metodologia taylorista de estudo Taylor iniciou o seu estudo observando o trabalho dos operários.que acontece quando um trabalhador por iniciativa própria sugere ao patrão idéias que possam dar lucro a empresa incentivando seu superior a dar-lhe uma recompensa ou uma gratificação pelo esforço demonstrado o que é criticado por Taylor pois uma vez que se recompensa um subordinado por suas idéias ou atos. Sua teoria seguiu um caminho de baixo para cima.

 Também acreditava que o trabalhador devia apenas aprender a executar uma função. a fim de que as atividades fossem feitas em um tempo menor e com qualidade. por isso tinha que eliminar todos os desperdícios de tempo. Assim.  Taylor afirma que a gerência não podia deixar o controle do processo de trabalho nas mãos dos trabalhadores. Sua grande descoberta foram os conhecimentos da produção de process combinada. nem dinheiro para isso. acidentes. neste caso como os trabalhadores. estabelecendo um tempo médio. conheciam mais a função do que o gerente. para que o operário executasse de forma mais simples e rápida a sua função. Estava concentrado mais nos o operários do que na gerência.  Fez pesquisa para analisar como o trabalhador poderia produzir mais num ritmo de trabalho controlado. Essa responsabilidade então deveria caber à gerência. .Taylor tinha o objetivo de acelerar o processo produtivo. e neste caso esse processo e as decisões deveriam passar por ela e não pelo trabalhador. mas preocupado em controlar o trabalho a qualquer nível de tecnologia. [editar]Organização do trabalho Objetivava a isenção de movimentos inúteis. visto que ele não tinha nem tempo. e que de fato estava através do trabalho combinado. aumentando a produção de forma eficiente. e com qualidade.  Estudo da fadiga humana: a fadiga predispõe o trabalhador à diminuição da produtividad e e perda de qualidade. quando for permitido. supervisionada. produzir mais em menos tempo. não podia perder tempo analisando o trabalho. Para Taylor o processo de trabalho não devia estar nas mãos dos trabalhadores. a gerência poderia estabelecer os tempos necessários. Taylor não estava interessado no avanço tecnológico.   Considerava a o ritmo lento de trabalho e a vadiação como inimigas da produção. estes deveriam aprender os métodos de trabalho para então cobrar dos trabalhadores.  segundo Taylor à gerência caberia: afixar trabalhadores numa jornada de trabalho controlada. doenças e aumento da rotatividade de pessoal. sem interrupções.  Com o conhecimento da produção. fixou a distribuição do tempo de trabalho. Ele procurava a eficiência no trabalho.   As ideias começaram a ser divulgadas no século XX. particularização de cada movimento. ou seja. a seu controle da. podendo o trabalhador só parar para descansar.

[editar]Benefícios do método de Taylor Benefícios para os trabalhadores no método de Taylor: 1. por exemplo). Divisão do trabalho e especialização do operário* Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.   Incentivos salariais e prêmios por produtividade Condições de trabalho: O conforto do operário e o ambiente físico ganham valor. 3. O sistema fechado é mecânico. portanto. e não por uma autoridade centralizada. mas porque são essenciais para o ganho de produtividade  Padronização: aplicação de métodos científicos para obter a uniformidade e reduzir os custos  Supervisão funcional: os operários são supervisionados por supervisores especializados. cada um se especializaria e desenvolveria as atividades em que mais tivessem aptidões. previsível e determinístico. econômicas e materiais. Porém. evitando assim distúrbios e conflitos que podem gerar situações negativas dentro da empresa (greves e desestimulo. os indivíduos não recebiam influências externas. em alguns casos. Os salários chegaram a atingir. 2. Se sentiam mais acolhidos pela empresa.  Homem econômico: o homem é motivável por recompensas salariais.  Desenho de cargos e tarefas: desenhar cargos é especificar o conteúdo de tarefas de uma função. isto é. o dobro do que era antes. como a eliminação de inspeções e gastos desnecessários. a empresa é um sistema que movimenta-se conforme as condições internas e externas. [editar]Outros integrantes do movimento da administração científica . Benefícios para os empregadores no método de Taylor: 1. 3. como executar e as relações com os demais cargos existentes. Redução de custos extraordinários dentro do processo produtivo. um sistema aberto e dialético. 4. não porque as pessoas merecessem. Os funcionários passaram a se sentir mais valorizados e isso fez com que exercessem seus ofícios com mais prazer. Vantagens. A jornada de trabalho foi reduzida consideravelmente. 2. Ambiente de trabalho agradável tanto para o chão de fábrica quanto para a diretoria. como dias de descanso remunerados lhes foram concedidos. A empresa era vista como um sistema fechado. Produtos com qualidade superior aos anteriores.

Dentre suas principais realizações. especialista em psicologia. o bom operário não discute as ordens. na mente humana. Princípio da preparação dos trabalhadores . exceto que Taylor era interessado em engenharia e em problemas com o tempo dos funcionários e Frank em construção e com os movimentos dos operários. Os quatro princípios fundamentais da administração Científica são: 1. Além disso.  Hugo Münsterberg: Doutor em Psicologia. Para resolver esse problema. A gerência planeja e o operário apenas executa as ordens e tarefas que lhe são determinadas. Defendia ferozmento a utilização da Psicologia em situações práticas e. Nota-se a influência de Taylor no livro "Estudo de movimentos" onde Gilbreth menciona o desperdício de terra por meio da erosão. Ele dedicou atenção especial para a fadiga. do interesse da administração. onde foi auxiliado por sua mulher Lillian. que era um método gráfico para acompanhar fluxos produtivos e se tornou a mais importante técnica de planejamento e controle de projetos. começou a realizar pesquisas visando a aplicação da psicologia à indústria. ele pregava que o papel dos psicólogos na indústria deveria ser para definir condições psicológicas mais favoráveis ao aumento da produção e produzir as influências desejadas. Frank Bunker Gilbreth e LillianMollerGilbreth: O casal Frank e LillianGilbreth focaram seus estudos no chamado "estudo dos movimentos". em 1910. Princípio do planejamento 2. o controle gráfico diário da produção (gráfico de Gantt). nem as instruções. As idéias de Munsterberg se assemelhavam as de Taylor quanto a capacitação dos mais aptos ao trabalho. mutualismo como caminho para a prosperidade econômica e. Munsterberg fez contribuições substanciais para quase todos os campos da Psicologia. Frank tinha preocupações muito semelhantes às de Taylor. Tinha por objetivo resolver os problemas que resultam das relações entre os operários. Munsterberg foi um dos primeiros estudiosos a desenvolver testes de seleção de pessoal para empresas. como conseqüência modificam-se as relações humanas dentro da empresa. sua principal realização. destacam-se seus estudos sobre resistência à mudança e normas grupais (fatores que interferiam na produtividade). O casal publicou diversos estudos sobre os movimentos e a introdução de aprimoramentos nos métodos de trabalho para minimização da fadiga. [editar]Princípios da administração científica Taylor pretendia definir princípios científicos para a administração das empresas. faz o que lhe mandam fazer. Gantt era assistente de Taylor. mas diz que isso não é nada. se comparado com o desperdício de produtividade humana.  Henry Gantt: Formado em engenharia. Gilbreth propunha o estudo sistemático e a racionalização dos movimentos necessários para a execução das tarefas.

Princípio do controle 4. dentre outros para seus colaboradores. fariam os princípios da administração científica continuar desfrutando de grande interesse na virada do milênio. onde é visível a presença de supervisores e "superiores" em geral vistoriando os trabalhadores em suas tarefas. Isso era o . o modelo ignorava as necessidades dos trabalhadores. já que isso é uma forma de atribuição de responsabilidades distintas visando a melhor execução do trabalho. entre administradores e trabalhadores. proporcionando condições para que estes colaboradores treinados continuem nas referidas empresas após a formação. Os franceses ficaram profundamente impressionados com a velocidade das tropas americanas na contrução de cais. Os resultados alcançados com a aplicação dessa técnica.  O princípio da execução.  Algumas empresas treinam seu pessoal na própria empresa ou financiam treinamentos. Primeiramente.  As empresas automobilísticas também são um exemplo possível para o taylorismo afinal é impossível imaginar uma empresa de produção automobilística sem divisões de tarefas para cada funcionário.  O princípio do controle é notado em diversas empresas de foco comercial e em diversas fábricas. os trabalhadores geralmente se sentiam explorados. gerando muitas vezes conflitos e choques. [editar]Críticas  ao modelo O modelo da administração cientítifica mesmo oferecendo muitas vantagens apresentava algumas críticas. além do contexto social. MBA.  A Guerra de 1914-1918 deu aos americanos oportunidades de aplicar em larga escala e mostrar aos europeus novos padrões de eficiência de operação militar. uma aplicação do taylorismo. em algumas ocasiões violentos. mestrado. linha de montagem.explicitando o princípio da preparação dos trabalhadores. Como consequência disso. que basicamente pode ser resumido na atribuição de responsabilidades visando uma execução do trabalho o mais disciplinada possível. estradas e linhas de comunicação. Princípio da execução [editar]Exemplos Nos anos 50 os japoneses retomaram as idéias de Taylor para renovar sua indústria e criaram o conceito de kaizen. pode ser visto atualmente em quase todas as empresas departamentalizadas. Geralmente são as grandes companhias que realizam esse tipo de ação. bem como a subsequente popularidade da guerra ao desperdício. basicamente pelo fato dos custos serem altos. uma vez que sentiam que esse tipo de administração nada mais era do que uma técnica para fazer o operário trabalhar mais e ganhar relativamente menos.3. prêmios para aqueles que conseguem atingir uma determinada meta na produção.

2002.A. ed. MAXIMIANO. 1974. Antônio Cesar Amaru. SP.. São Paulo: Atlas S. 2. 1995. Frederick W.oposto do que Taylor e seus seguidores imaginavam quando pensaram na harmonia e cooperação desse sistema. [editar]Referências TAYLOR. GONZAGA. gerando descontentamento por parte dos trabalhadores. 2010. ed.A. ed. Introdução à Teoria Geral da Administração. O operário era tratado como uma engrenagem do sistema produtivo. GEORGE JR. não reconhecendo a variação entre eles. ed. José Márcio. Da escola científica à competitividade na economia globalizada. Além disso. passivo e desencorajado de tomar iniciativas. Outra crítica ao modelo é a de que ele transformou o homem em uma máquina. PINTO. COELHO. uma vez que essas eram consideradas desinformadas. Atlas. São Paulo: Expressão Popular. Ricardo Martins. Richard L. 1993. 3. MAXIMIANO. 2006. 2. ed. Geraldo Augusto.. São Paulo: Thomson Learning. DAFT. Luis César G. Rio de Janeiro: JC. Princípios da administração científica. o modelo tratava os indivíduos como um só grupo. Essa padronização do trabalho seria mais uma intensificação deste do que uma forma de racionalizá-lo. Cultrix. São Paulo. CHIAVENATO. 3. ed. Ed. 6. 1987. Harry. Idalberto. já que os gerentes não ouviam as idéias das classes hierárquicas inferiores. Claude S. ARAÚJO. 2004. 4. Teoria Geral da Administração: da revolução urbana à revolução digital. Administração. fordismo e toyotismo. A organização do trabalho no século 20 : taylorismo. São Paulo : Atlas. BRAVERMAN. História do pensamento administrativo . Teoria Geral da Administração: aplicação e resultados nas empresas brasileiras. Administração Científica de Taylor: o homem do tempo. Trabalho e capital Monopolista. [editar]Ver também     Fordismo Toyotismo Teoria Clássica da Administração Produção em massa . São Paulo: Editora Atlas S. ISBN 978-85-7743-028-4. São Paulo: Makron. 2000. Antonio Cesar A.

mais tarde. 2. Os empregados tinham de ser cientificamente colocados em serviços ou postos em que os materiais e as condições de trabalho fossem cientificamente selecionados. 3. salienta em essência. Taylor assegurava que as indústrias que as indústrias de sua época padeciam de males que poderiam ser agrupados em três fatores: 1. desenvolveu os seus estudos sobre a Administração geral. através do Estudo de Tempos e Movimentos (Motion -Time Study).  Linha de produção Administração  PRIMEIRO PERÍODO  Taylor iniciou suas experiências        e estudos pelo trabalho do operário e. para garantir a continuidade desse ambiente psicológico que possibilite a aplicação dos outros princípios por ele mencionados. generalizou as suas conclusões para a Administração geral: sua teoria seguiu um caminho de baixo para cima e das partes para o todo. a fim de formular princípios e estabelecer processos padronizados que permitissem o controle das operações fabris. Nesse segundo período. para evitar a redução das tarifas de salários pela gerência. Vadiagem sistemática por parte dos operários. Para realizar esse objetivo. Há três causas determinantes da vadiagem no trabalho. executar um serviço ou tarefa de modo que a produção normal fosse cumprida. Uma atmosfera de íntima e cordial cooperação teria de ser cultivada entre a Administração e os trabalhadores. portanto. que são: ‡ o erro que vem de época imemorial e quase universalmente disseminado entre os trabalhadores. 4. o que procurou dizer em Shop Management foi que: 1. Claude S. para que as normas pudessem ser cumpridas. que reduziam propositadamente a produção a cerca de um terço da que seria normal.. Geoge Jr. de que o maior rendimento do       . a qual denominou Administração Científica. SEGUNDO PERÍODO O segundo período de Taylor corresponde à época da publicação de seu livro Princípios da Administração Científica (1911). O primeiro período de Taylor corresponde à épo ca da publicação do seu livro Shop Management (Administração de Oficinas) (1903) onde se preocupa exclusivamente com as técnicas de racionalização do trabalho do operário. 5. O objetivo de uma boa Administração era pagar salários altos e ter custos unitários de produção. Os empregados deviam ser cientificamente adestrados para aperfeiçoar suas aptidões e. sem deixar contudo sua preocupação com relação à tarefa do operário. a Administração tinha de aplicar métodos científicos de pesquisa e experimento para o seu problema global. quando concluiu que a racionalização do trabalho operário deveria ser logicamente acompanhada de uma estruturação geral da empresa e que tornasse coerente a aplicação dos seus princípios.

Desconhecimento. 10. 2. sistemas para classificação dos produtos e do material utilizado na manufatura. a fim de melhor proteger os seus interesses. com a Administração Cientifica ocorre uma repartição de responsabilidades: a administração (gerência) fica com o planejamento (estudo minucioso do trabalho do operário e o estabelecimento do método de trabalho) e a supervisão (assistência contínua ao trabalhador durante a produção). 8. para encorajar sua iniciativa. a utilização da régua de cálculo e instrumentos para economizar tempo. De acordo com Taylor. supervisão funcional. ‡ os métodos empíricos ineficientes. para evitar alterações bruscas que causem descontentamento por parte dos empregados e prejuízos aos patrões. Essa implantação requer um período de quatro a cinco anos para um progresso efetivo. panejamento das tarefas. o princípio da exceção. Para Taylor. Falta de uniformidade das técnicas ou métodos de trabalho. padronização de ferramentas e instrumentos. aidéia de tarefa. 6. 4. geralmente utilizados em todas as empresas. 2. pela gerência.     homem e da máquina terá como resultante o desemprego de grande número de operários. 3. que força os operários à ociosidade no trabalho. 9. PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA DE TAYLOR                 . estudo de tempo e padrões de pr odução. com os quais o operário desperdiça grande parte do seu esforço e do seu tempo. a implantação da Administração Científica deve ser gradual e obedecer a um certo período de tempo. associada a prêmios de produção pela sua execução eficiente. 5. 3. nem formação. ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO A tentativa de substituir métodos empíricos e rudimentares pelos métodos científicos em todos os ofícios recebeu o nome de Organização Racional do Trabalho (ORT). pura e simplesmente. fichas de instruções de serviço. das rotinas de trabalho e do tempo necessário para sua realização. comumente em uso. ‡ o sistema defeituoso da Administração. 7. Geralmente. Porém. sistema de delineamento da rotina de trabalho. nem meios para analisar cientificamente o seu trab alho e estabelecer racionalmente qual o método ou processo mais eficiente. o supervisor comum deixava ao arbítrio de cada operário a escolha do método ou processo para executar o seu trabalho. os elementos da Administração Científica são: 1. o operário não tem capacidade. ADMINISTRAÇÃO COMO CIÊNCIA Para Taylor. e o trabalhador fica com a execução do trabalho.

Principio de Planejamento: substitui no trabalho o critério individual do operário. 2. da fragmentação das tarefas e na especialização do trabalhador reestruturava a fabricação e com os conceitos de gratificações por produção incentivava o operário a produzir mais. Princípio do Controle: controlar o trabalho para se certificar de que o mesmo está sendo executado de acordo com as normas estabelecidas e segundo o plano previsto. o diretor continuavam a trabalhar dentro do mesmo empirismo anterior.     Para Taylor. preparar também as máquinas e equipamento s de produção. bem como o arranjo físico e a disposição racional das ferramentas e materiais. a gerência adquiriu novas atribuições e responsabilidades descritas pelos quatro princípios a seguir: 1. CONCLUSÃO SOBRE TAYLOR No início sua preocupação era tentar eliminar o desperdício e das perdas sofridas pelas indústrias americanas e elevar os níveis de produtividade através de métodos e técnicas de engenharia. a superescalização que robotiza o operário. a abordagem eminentemente prescritiva e normativa e tipicamente de sistema fechado. Substituir a improvisação pela ciência. Ele utilizava técnicas que eram centradas do operá rio para a direção. pelos métodos baseados em procedimentos científicos. Além do preparo da mão-de-obra. através do estudo de tempos e movimentos. a limitação do campo de aplicação à fábrica. para que a execução seja a melhor possível. para que a execução do trabalho seja bem mais disciplinada. a visão microscópica do homem tomando isoladamente e como parte da maquinaria industrial. 4. a improvisação e a atuação empírica -prática. A gerência deve cooperar com os trabalhadores. de acordo com o método planejado. a abordagem incompleta env olvendo apenas a organização formal. Princípio da Execução: distribuir distintamente as atribuições e as responsabilidades. essas limitações e restrições não apagam o fato de que Administração Científica foi o primeiro passo concreto da Administração rumo a uma teoria administrativa Foi Taylor que implantou diversos conceitos que até hoje o utilizamos na Administração isso fica explícito no parágrafo de Admini stração Como Ciência. omitindo o restante da vida de uma empresa. 3. o gerente. Mesmo assim. a ausência de qualquer comprovação científica de suas afirmações e princípios. Princípio do preparo: selecionar cientificamente os trabalhadores de acordo com suas aptidões e prepará -los e treiná-los para produzirem mais e melhor. Só que não adiantava racionalizar o trabalho do operário se o supervisor. através do planejamento. o chefe.      . Contudo a Administração Científica tinha diversos defeitos dentre eles: o mecanicismo de sua abordagem (teo ria da máquina).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful