UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ENFERMAGEM

Ana Paula Ferreira da Rocha Gilberto Rodrigues Chermaut Jessica Perisse Moreira Sandro de Carvalho Barcelos

ATENDIMENTO INICIAL AO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Nova Friburgo 2011

Nova Friburgo 2011 2 .UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ENFERMAGEM ATENDIMENTO INICIAL AO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso realizado para obtenção de créditos na disciplina. Orientado pela Profª Ms Zilma Denize Mascarenhas Xavier.

.................................................. 1 6 ANEXOS Anexo 01...................................... ....... 10 4....................... ...................................................... ..... . 15 3 ............................................ CAPITULO III METODOLOGIA ................ENTREVISTA DO CLIENTE ............. INTRODUÇÃO .................... 04 2... CAPITULO II REVISÃO DE LITERATURA .............. 14 Anexo 01........ .......................................... ..........................................................................SUMÁRIO 1........ENTREVISTA DO PROFISSIONAL................. 07 3.............. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ...................

Sendo O IAM é uma das enfermidades de grande freqüência nas salas de emergências é sendo necessária a internação hospitalar. especialmente sinais vitais. O atendimento emergencial envolve abordagem diagnóstica e tratamento simultâneo. Palavras-chaves: infarto agudo. enfermagem I. INTRODUÇÃO Esta pesquisa está inserida na linha de pesquisa O Cuidar no Processo Saúde-doença. baseados em algoritmos de ressuscitação e na análise de dados do exame físico imediato.Resumo O Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) é uma doença isquêmica causado pela redução do fluxo coronariano acarretando que ocorrerá um processo de necrose do músculo cardíaco devido à diminuição da quantidade de oxigênio adequado. a onde a coleta de dados será realizada através de um questionário com perguntas fechadas. 4 . emergência. A pesquisa tem como objetivo analisar o tempo para a identificação da determinação do diagnóstico do cliente IAM e avaliar o conhecimento da equipe de enfermagem sobre as prioridades no atendimento ao paciente com IAM de um Hospital no Município Municipal de Nova Friburgo. Este projeto de pesquisa irá analisar o tempo referente ao atendimento de emergência ao paciente com infarto agudo do miocárdio de um hospital público do Município de Nova Friburgo. assim como resultados de exames complemen tares e também são necessários os tratamentos farmacológicos como os trombolíticos e analgésicos. tendo como área dominante a Enfermagem no Cuidado ao Cliente Crítico Adulto / Emergência.

Vários estudos realizados demonstraram que cerca de 20% dos clientes com dor torácica aguda chegam ao setor de emergência antes de duas horas de início dos sintomas (FRANCO. ou pela obstrução total de uma coronária por êmbolo ou trombo (coágulo sanguíneo). no país. o sexo feminino. evolução eletrocardiográfica e curva enzimática. cerca de 58. aproximadamente 25 % dos óbitos ocorrem nas primeiras 48 horas. Dentre aqueles que chegam ao hospital. Apesar do advento das unidades coronarianas. 2005. sendo que as metades das mortes ocorrem antes dos clientes receberem atendimento adequado. O IAM é a destruição da musculatura miocárdica. Vários fatores podem estar relacionados com o retardo em procurar auxílio médico como o não reconhecimento por parte dos clientes como sendo um evento cardíaco. De acordo com o DATASUS. assim como prover o treinamento contínuo de sua equipe para que esta possa prestar um atendimento adequado. estreitamento de uma artéria coronária causado pelo acúmulo de placas de ateroma (gordura). automedicação utilizada por alguns clientes. Cabe ao enfermeiro a função de educação em saúde. O enfermeiro tem um papel muito importante para a redução do tempo gasto desde o surgimento dos primeiros sintomas até a busca do serviço de saúde pelo cliente.000 pessoas ainda morrem vítimas de IAM no Brasil. devido à deficiência de fluxo sanguíneo para uma região do músculo cardíaco. orientando a população quanto à prevenção de doenças e informando sobre os sinais e sintomas dessa e de outras doenças. negação em aceitá-lo e pelo atendimento prévio não especializado. o baixo nível socioeconômico. et al.O infarto agudo do miocárdio (IAM) faz parte de um grupo de doenças chamadas doenças isquêmicas do coração. A interrupção do fluxo coronário geralmente se deve a aterosclerose.945 óbitos por doença isquêmica do coração somente no ano de 2005. as condições de transporte. e indicam a ocorrência de 84. com os avanços da terapia fibrinolítica e com os novos processos de intervenção percutânea estas doenças cardíacas representam a principal causa de morte no Brasil e no mundo. 5 . A taxa de mortalidade global varia de 5 a 30%. geralmente baseado na história clínica. O IAM é um evento agudo que requer internação hospitalar. 2008). ressaltar a importância em procurar auxílio dos profissionais de saúde e quando fazê-lo. tendo um diagnóstico clínico bem estabelecido. cujas células sofrem necrose por falta de aporte nutritivo.

métodos para um atendimento hospitalar melhor e mais seguro ao cliente portador de IAM. hipertensão arterial. abdominal alta ou precordial e se irradiando para o pescoço. palidez. suor. dor no peito refletindo nos ombros.Questões norteadoras  Quanto tempo é gasto para a determinação do diagnóstico de IAM na Emergência?  Na emergência existem protocolos de atendimento às doenças miocárdicas?  Profissional de saúde conhece as prioridades para o atendimento ao cliente de IAM com ou sem existência de protocolo? 1. e de qual forma poderiamos contribuir para a mudança neste atendimento. sensação de morte iminente.  Identificar a existência de protocolo no atendimento inicial do IAM.2 . BARE 2008). Diminuição no número da morbi-mortalidade. braço esquerdo. as taxas de mortalidade deste evento através de um atendimento mais qualificado e eficaz.3 .Relevância O presente estudo visa a busca de esclarecimento de ações em enfermagem para proporcionar para sua equipe de emergência. braço e para a mão esquerda (SMELTEZER. perda temporária da consciência. idade (a partir dos 60 anos). triglicerídeo elevado. ainda mais. Os sintomas são: dor ou forte pressão no peito. 1. dor abdominal.A característica fundamental do IAM é a dor prolongada. localizada na região subesternal. em decorrência do grande número de vítimas de IAM é necessária a realização de pesquisas sobre o tema e o contínuo esforço dos profissionais da área de saúde no sentido de reduzir. náuseas e vômitos. pescoço e maxilar. fumo. de um modo claro e objetivo.Objetivos  Identificar o tempo utilizado para o diagnóstico no atendimento inicial do IAM. obesidade. E os fatores de risco são: histórico familiar de doença coronariana.  Identificar as prioridades no atendimento ao cliente de IAM. falta de ar. epigástrica. estresse e sedentarismo. Nos dias atuais. Através destes dados do Ministério da Saúde e com as observações nos campos de estágio o grupo se propõe a realizar a pesquisa na busca de entender como ocorre o atendimento ao paciente em sofrimento cardiovascular na emergência. 1. ombro. colesterol alto. diabetes.1 . com consequente redução de gastos durante o tratamento dispensado pelas instituições de saúde gerando uma maior qualidade de 6 . mandíbula.

que utiliza o CABD (compressões torácicas. apresenta atualmente aplicabilidade universal na ressuscitação de pacientes instáveis. REVISÃO DE LITERATURA A abordagem da doença aguda difere em diversos aspectos daquele adotado na prática do tratamento não emergencial. baseados em algoritmos de ressuscitação e na análise de dados do exame físico imediato. com instabilidade ou parada cardiorrespiratória. CAPÍTULO II. OUTUBRO DE 2010. incluindo±se mais recentemente a abordagem à doença aguda não traumática. O atendimento emergencial envolve abordagem diagnóstica e tratamento simultâneo. Na admissão. especialmente sinais vitais. respiração. 7 . A história da doença e os dados referentes ao paciente são limitados. Ambos foram inicialmente desenvolvidos para abordagem de pacientes com IAM. Estas medidas são parte do Suporte Básico de Vida (BLS ± Basic Life Support).vida para o cliente. espera-se que o paciente se apresente instável ou necessitando medidas de ressuscitação. o que poderia gerar perdas para a sociedade como um todo. determinado pela American Heart Association. até que se prove o contrário. desfibrilação) na abordagem inicial do paciente. porém. via aérea. Associado às medidas iniciais sobrepõem-se as medidas do Suporte Avançado de Vida (ACLS ± Advanced Cardiac Life Support). assim como resultados de exames complementares. muitas vezes se obtendo a relativa ao atendimento pré-hospitalar. como também uma menor redução da força de trabalho.

´ (TINOCO. O analgésico de escolha para o IAM ainda é o sulfato de morfina.21). por sua vez. diminui a carga de trabalho do coração e relaxa os bronquíolos para estimular a oxigenação. permitir que o sangue flua novamente através da artéria coronária (reperfusão). p.´ (BRUNNER & SUDDARTH. Todos os pacientes que apresentem um quadro clínico de IAM com elevação do segmento ST ou Bloqueio Completo do Ramo Esquerdo (presumidamente novo) até 12 horas do início dos sintomas deverão receber a terapêutica trombolítica. 8 . como também reduz a pré-carga. 2008) Dos pacientes que realmente apresentam um IAM. ³A finalidade dos trombolíticos é dissolver e lisar o trombo (trombólise) em uma artéria coronária. 2005). minimizar o tamanho do infarto e preservar a função ventricular. (COELHO. quando comparado ao tempo da administração do trombolítico. Indiscutivelmente. Menos da metade dos pacientes com IAM sem supradesnível de segmento ST (SSST) apresenta creatinoquinase-MB (CK-MB) elevada à admissão. administrado em bolos intravenosos. que são obtidos e/ou monitorados de acordo com a apresentação do paciente. o tratamento deve necessariamente ser iniciado o mais rapidamente possível. Para que o atendimento ao paciente com IAM seja adequado não basta apenas o diagnóstico correto. 2002. A morfina não somente reduz a dor e a ansiedade. deve-se obter a queixa principal e a história da doença atual. o que. devemos considerar a terapêutica elétrica das arritmias graves (cardioversão e desfibrilação) e a reperfusão precoce da artéria relacionada ao infa (trombólise mecânica rto ou farmacológica). et al. o diagnóstico e tratamento constituem etapas simultâneas na abordagem emergencial. A terapêutica trombolítica não deverá ser administrada em caso de contra-indicação ao uso da droga ou caso exista a possibilidade da trombólise mecânica primária. A trombólise mecânica não seria indicada caso esta opção resultasse em retardo superior a 90 minutos para dilatação da artéria ³culpada´ pelo IAM. Nesse contexto. com atenção especial aos sinais vitais. apenas a metade tem um eletrocardiograma com alterações clássicas como supradesnível de segmento ST (CSST) à admissão. o diagnóstico e o tratamento precoces salvam vidas. visto que a interpretação dos dados.³Após a abordagem inicial e estabelecido que não há necessidade de ressuscitação.

Esses dados podem explicar porque. se o sintoma decorre de uma provável causa cardíaca ou de provável causa não cardíaca. com condutas padronizadas para diagnóstico e terapêutica. porém com necessidade para a de exames do complementares diagnóstico. Dor torácica cujas características não sugerem SCA no diagnóstico diferencial etiológico. As taxas de falha terapêutica demonstram uma tendência atual de inserir o atendimento da dor torácica no conceito das UNIDADES DE DOR TORÁCICA (UDT). A abordagem inicial ao cliente com dor torácica consiste em se definir. independentemente do resultado dos exames complementares. mesmo em centros de referência. Geralmente. 9 . Fonte: Protocolos clínicos da Cooperclim ± AM: Dor torácica na sala de emergência confirmação Pacientes com ECG CSST (supradesnível de segmento ST) e dor torácica tipo A/B são diagnosticados como IAM CSST e devem ser internados preferencialmente em UNIDADE CORONARIANA (UCO) e tratados conforme rotina específica. através de uma breve história clínica. 2 a 3 % de pacientes com IAM são indevidamente liberados da emergência. 25% apresenta desfecho letal. a UDT pode funcionar no mesmo espaço físico da sala de emergência. Dor torácica cujas características sugerem SCA como principal hipótese diagnóstica. TIPOS DE DOR TORÁCICA Tipo A (dor definitivamente anginosa) CARACTERÍSTICAS Dor torácica cujas características dão a certeza do diagnóstico de Sindrome Coronariana Aguda Tipo B (dor provavelmente anginosa) (SCA). nas quais o paciente receberia uma atenção mais direcionada. taxa que pode alcançar valores de até 10 a 20 % em alguns serviços. porém Tipo D (dor definitivamente não anginosa) há necessidade de exames complementares para excluí-la. Tipo C (dor provavelmente não anginosa) Dor torácica cujas características não sugerem SCA como a principal hipótese diagnóstica. sendo que destes. bastando o treinamento da equipe multiprofissional de saúde nas rotinas estabelecidas.

Segundo Lakatos (2003) a razão para se conduzir uma pesquisa quantitativa é descobrir quantas pessoas de uma determinada população compartilham uma característica ou um grupo de características. 2008) CAPÍTULO III. METODOLOGIA Pesquisa é o processo onde se busca informações sobre determinado assunto para que se construa conhecimento. Ela utiliza várias ferramentas como forma de abordagem. Caso contrário. (AGUIAR. Ocupa um lugar central na teoria e trata-se basicamente do conjunto de técnicas a ser adotada para construir uma realidade´.47) a pesquisa descritiva expõe característica de determinada população ou de determinado fenômeno. Pode também estabelecer correlações entre variáveis e definir sua natureza. os que apresentem outro diagnóstico que necessite cuidados de urgência. É a atividade básica das ciências na sua indagação para encontrar a realidade (MINAYO. Neste período. Pacientes com ECG inespecífico e dor torácica tipo C tem baixo risco de angina instável. com tempo de observação menor (6h). Paciente com ECG normal ou inespecífico e dor torácica tipo D podem receber alta do Pronto Socorro com seguimento ambulatorial posterior. mas com suspeita de TEP (Tromboembolismo Pulmonar) ou SATA (Síndromes Aórticas Torácicas Agudas) devem ser internados em UCO e sequenciados conforme protocolos específicos. excetuando-se. devem seguir protocolo. obviamente. qualquer evidência de necrose miocárdica justifica transferência à UCO. segundo Minayo (2003. porém. porém com dor torácica tipo A/B deve permanecer em observação na Sala de Dor Torácica e submetidos a dosagens de enzimas (CK -MB /CKT) seriadas a cada 3h e ECG 6/6h por 9 às 12h.Pacientes com ECG SSST (infradesnível ou inversão de T) com dor torácica tipo B/C. Metodologia é o caminho que se segue para encontrar as respostas sobre os questionamentos gerados pela pesquisa. p. ou ainda com ECG inespecífico. p. É através da pesquisa que encontramos respostas. 2004). Não tem compromisso de 10 .16) metodologia ³é o caminho do pensamento a ser seguido. Segundo Vergara (2005. deve-se utilizar um teste provocatico (teste ergométrico ou cintilografia miocárdica) tardio (após controle da dor). procedimentos técnicos e etc. Pacientes com dor torácica não isquêmica. podendo-se considerar alta caso o teste seja negativo ou internação em UCO e cateterismo cardíaco caso positivo para isquemia.

p. respostas ou soluções para o problema estudado. como produto do processo em que se empenha o pesquisador no mundo dos fenômenos empíricos. o pesquisador busca conhecimentos específicos. Para realização da pesquisa serão utilizadas as bases de dados da BVS.48). em contraste com as percepções. O recorte temporal foi de 10 anos e teve como critério de inclusão artigos e monografias que apresentavam arquivo na íntegra. p. Med Line. outras línguas e mais de 10 anos de publicação. Segundo Fachin (2010). Pesquisar significa. De acordo com (Vergara. O instrumento necessário à implementação da pesquisa de campo quantitativa será a realização de entrevista contendo perguntas fechadas aplicada dentro da emergência da unidade. Segundo Fachin (2010. e como critério de exclusão artigos tipo relato de experiência.90). de forma bem simples.37) o método observacional fundamenta-se em procedimentos de natureza sensorial. 2005. p. enfermagem de emergência e Infarto Agudo do Miocardio. embora sirva de base para tal explicação. É o pesquisado que adquire conhecimentos por meio de investigação de uma realidade e da busca de novas verdades sobre um fato (objeto. p. Este estudo objetiva identificar o tempo utilizado para a realização do diagnóstico e a prestação do atendimento de qualidade ao cliente portador de IAM no ambiente da emergência do hospital municipal da cidade de Nova Friburgo. 54) na coleta de dados o autor deve ser informado de como se pretende obter os dados de que precisa para responder ao problema. nesse sentido. em contraste com as percepções do senso comum. a pesquisa é um procedimento intelectual. ³As análises quantitativas são muito divulgadas e. procurar respostas para questionamentos propostos. problema). LILACS. A pesquisa de campo é investigação empírica realizada no local onde ocorre ou ocorreu um fenômeno ou que dispõe de elementos para explicá-los (VERGARA 2005. levada a efeito com cautela e predeterminação. 11 . É uma busca deliberada.explicar os fenômenos que descreve. O objetivo da pesquisa quantitativa é medir relações entre variáveis por associação e obter informações sobre determinada população. 1994. Com base em métodos adequados e técnicas apropriadas. Serão pesquisados artigos científicos e monografias que contenham os descritores: Atendimento médico de emergência. de idioma Português. sua planificação geralmente necessita de menos explicações que as análises qualitativas´ (CONTANDRIOPOULOS.

questionários. Segundo Lehfeld (2010). A presente pesquisa irá se utilizar do método quantitativo o qual considera que tudo pode ser quantificável. o pesquisador busca as informações sobre o objeto de estudo. chega-se a um conhecimento novo e totalmente novo. catálogo ou inventário. que têm por base procedimentos racionais e sistemáticos. à medida que faz as observações ou recebe as respostas. participante ou não participante. A partir do uso de técnicas como observação. coleta de depoimentos e estudo dos casos. isto é. pesquisa é um conjunto de ações. ou seja. (Lehfeld. traduzir em números opiniões e informações para classificálas e analisá-las. O trabalho de campo se caracteriza pelo contato direto com o fenômeno de estudo. resultante de observações ou de interrogatório. A pesquisa é realizada quando se tem um questionamento e não se tem informações para solucioná-lo. Nesta pesquisa será utilizado o método pesquisa descritiva observacional participante onde realizaremos visitas à emergência do hospital municipal da cidade de Nova Friburgo com o intuito de observar como é prestado o atendimento inicial pela equipe de enfermagem ao cliente portador de infarto agudo do miocárdio. o investigador na pesquisa de campo assume o papel de observador e explorador. Ou seja. onde será possível obter dados estatísticos relacionados ao número de clientes que necessitaram receber atendimento. Pela pesquisa chega-se a uma maior precisão teórica sobre os fenômenos ou problemas da realidade. ou chegar a dados desconhecidos por todos.151) refere-se entrevista como formulário sendo assim: ³Fundamentado em uma série de questões ordenadas sucessivamente e relacionadas com o objetivo do estudo. e também 12 . entrevistas. destinado à coletas de dados.Já para Lehfeld (2010). Requer o uso de recursos e de técnicas estatísticas para a análise de suas respostas. porém que já era conhecido por outro.´ Na aplicação desse instrumento. por meio da pesquisa. é necessária a assistência do pesquisador. logo haverá um intenso contato pessoal entre as ambas as partes. p. coletando diretamente os dados no local (campo) em que se deram ou surgiram os fenômenos. A entrevista é uma técnica que permite o relacionamento estreito entre entrevistado e entrevistador. propostas e/ ou respostas para encontrar a solução de um problema. o pesquisador pode aprender algo que ignorava anteriormente. e o seu preenchimento é feito pelo próprio investigador. Ele é uma lista formal. para isto.2010) Para Fachin (2010. se determinam objetivos a fim de tentar resolver essas questões.

Durante estas visitas serão realizadas entrevistas com perguntas fechadas com os profissionais de enfermagem da instituição visitada contendo informações sobre o reconhecimento dos sinais e sintomas iniciais do IAM e qual serão as medidas a serem adotadas caso haja suspeita de ocorrência desta afecção. quanto aos pacientes também será realizada codificação utilizando as siglas do nome e sobrenome.2 ± Sujeitos da Pesquisa Equipe de enfermagem da unidade de saúde e os pacientes diagnosticados com IAM. o respeito aos seus hábitos.Tenf. tais como: Enfermeiro ± EN. A identificação será feita por códigos.relacionado ao tempo gasto para a realização do diagnóstico e a implementação do adequado tratamento. 2. seguido pela data da entrevista e não fazendo distinção de sexo. a importância que o mesmo dispensou a esta situação e se ocorreram motivos que o levaram a retardar a busca pelo atendimento em uma unidade de saúde. Técnico ou Auxiliar de Enfermagem . que garante ao participante da pesquisa o direito à privacidade. 2. costumes e crenças. 13 . sendo protegido de qualquer preconceito ou estigmatização e.1 ± Aspectos ético-legais A pesquisa será realizada obedecendo a Resolução 196/96. assim como também com os clientes acometidos por esta afecção objetivando colher informações sobre o inicio dos sinais e sintomas. ao anonimato.3 ± Técnicas de Coleta e Análise dos Dados Questionário fechado com perguntas objetivas. 2. utilizaremos as iniciais do nome seguido pela categoria profissional. Auxiliar de Enfermagem ± Aenf. por fim o direito de abandonar a pesquisa no momento em que achar necessário. sem qualquer dano moral ou material.

ENTREVISTA DO PROFISSIONAL Nome: ________________________________________________________ Função: __________________________ S etor: ___________________ ____ Tempo de experiência: ___________________________________________ Tempo no setor: ________________________________________________ Plantão: Diurno( ) Noturno( ) Diarista( ) Escala: 12X60( ) 24X144( ) SIM A instituição possui protocolo de atendimento Conhece o protocolo da instituição Aplica o protocolo da instituição NÃO 14 .Anexo 01 .

oxímetro de pulso e outros) Realiza check list dos materiais sempre ao assumir o plantão Enumere de acordo com a prioridade. Realizar RCP Avaliar nível de consciência Realizar um ECG Ofertar oxigênio Desobstruir VAS Identificar PCR Administrar medicações Promover conforto Anexo 02 . monitor cardíaco não invasivo.Considera o protocolo da instituição adequado Recebe treinamento periódico Promove treinamento para sua equipe Conhece todos os materiais disponíveis (desfibrilador.ENTREVISTA DO CLIENTE Nome: ________________________________________________ ___ Idade:_____________ ________ Sexo: Masculino ( ) Feminino ( ) Profissão: ______________________ ___________________ ________ Data: ____/_____/______ __ Hora: __________________________ ___ Patologia de base: ____________________________________ _______ Medicação em uso: ____________________________________ ______ 15 . a sequência para o atendimento de um cliente com suspeita de IAM na emergência.

br/?siteAcao=Jornal&id=456> acessado em 13 de Novembro de 2010. 2005. Thelma. 16 ..org. 742-748. L. L. Revista Latino. 2003. TATIANE.cremesp. São Paulo.AM. R. Como atender melhor o infarto agudo do miocárdio em hospitais não especializados. Disponível em <http://ser1. Dor Torácica na sala de Emergência.SIM Demorou + de 2h para buscar atendimento Dispnéia Dor torácica Dor precordial Dor no braço Dor na mandíbula Inicio dos sintomas >2h Orientado Palidez Sudorese Tosse Vômito NÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  AGUIAR.D. et al. Vivendo infarto: os significados da doença segundo a perspectiva do paciente. Otávio.  ARAÚJO.  COELHO.

O que fazer quando o coração aperta? Dinâmica Conjugal pós-infarto. 751-759. atual. Andrés..G. TRINDADE.1. Cristiane.  MINAYO. São Paulo. Fundamento de Metodologia. Brasília. Fundamentos de Metodologia Científica. Rio de Janeiro. 17 .  NASCIMENTO. Zeidi. C.  FERRARI. Rabelo R. Petrópolis: Vozes. p.1-5. p. Rev. São Paulo: Atlas. SAMU 192 e a abordagem pré-hospitalar do Infarto Agudo do Miocárdio no Brasil: Esperança para o paciente ou mais uma oportunidade perdida?. 2004. al.. n. A. 2003.p. Fernanda. V. 71-83. Et AL. p.18 n. F. 2007. A. CLARE.. rev. Metodologia para estimativa de padrões de qualidade: o caso do Infarto Agudo do Miocárdio.  FRANCO. Euler.21. Latino-am enfermagem.45 .37.p. Odília. Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio e os fatores que interferem na procura por serviço de emergência: implicações para a educação em saúde. de S.. 22ª ed. ³Pesquisa social ± Teoria. Eneida. vol. C. Rio de Janeiro. Ingrid. Saber preparar uma pesquisa. Evandro Tinoco. REV. MARCONI. Latino-am.139. L. Porto Alegre. 2003. Método e Criatividade´.S.46.108. CONTANDRIOPOULOS.  FACHIN.São Paulo. rev. Marina de Andrade.et.. p. ANTONIO. Enfermagem.90. 3° ed.L. 2008.  MUSSI. Eva Maria. 1996. 1994. O Infarto e a ruptura com o cotidiano: Possível atuação do enfermeiro na prevenção. São Paulo: Atheneu. et all. 5° ed. Manenti. 5º ed. Rotinas de Emergências Cardiovasculares: Hospital pró-cardíaco.151. 03/01/ 2007.  MACHADO. Cristina Monsanto.82.2010. M. D. Neide. 2010.  BRASILEIRO. Betina.  LAKATOS. p.11. André-Pierre. 2002. S. e ampl. 2003. São Paulo ±Rio de Janeiro: Hucitec. IAM com supra ST ± Trombólise ou ICP: consenso.  LEHFELD.  MESQUITA. 107-115. Fundamentos de Metodologia Científica.D. p.

. 2005 18 .442446. p. Fernanda. Cardiol. 02. et al.cirúrgica.  SMELTZER. n. Tatiana.p..  VERGARA. Brunner&Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico. p. p. Suzanne.2010. Rio de Janeiro.597-602. S. Bare.eletrocardiograma: um indicador de eficácia no tratamento do infarto agudo do miocárdio.  PORTELA. Tempo de porta. Revista saúde pública.hospitalar face ao Infarto Agudo do Miocárdio. Elizabete.A. A.735744. POTSCH.3. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. Porto Alegre. S.2008. C. Alfredo. volume 87. 87. Registro da Síndrome Coronariana Aguda em um Centro de emergências em cardiologia. G. Bras. C.491-499. 2002.275-280. 2006. Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE.4.  SANTOS.  SAMPAIO. 2009. Rio de Janeiro. p. Texas.  SOARES. Sylvia Constant. 2002.  SAYRE. Arq. Elieusa.2009. C. Brenda. Michael. São Paulo.pg. 11ªed. MUSSI. Rio de Janeiro.Guanabara Koogan S. Margareth.120-126. São Paulo: Atlas. Importância da proteína C-Reativa no diagnóstico e prognóstico intra-hospitalar em pacientes com dor torácica na sala de emergência. O sistema de informações hospitalares e assistência ao infarto agudo do miocárdio.03. p. R. S. Cuidado de enfermagem: Evitando retardo pré.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful