Você está na página 1de 205

Secretaria de

Educação e
Desporto

Portfólio
Portfólio das
das
Trilhas
Trilhas de
de
Aprofundamentos
Aprofundamentos
Unidade Curricular de Aprofundamento

2023
Professor
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E DESPORTO – SEDUC/AM

Wilson Miranda Lima


GOVERNADOR DO ESTADO

Maria Josepha Penella Pêgas Chaves


SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E DESPORTO

Arlete Ferreira Mendonça


SECRETÁRIA EXECUTIVA ADJUNTA PEDAGÓGICA

Regina Ortiz Rocha


SECRETÁRIA EXECUTIVA ADJUNTA DA CAPITAL

Ana Maria Araújo de Freitas


SECRETÁRIA EXECUTIVA ADJUNTA DO INTERIOR

Georgete Borges Monteiro


SECRETÁRIA EXECUTIVA ADJUNTA DE GESTÃO

Tiago Lima e Silva


PRESIDENTE DO COMITÊ DE IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO ENSINO MÉDIO

Adriana Maciel Antonaccio


DIRETORA DO DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS

Manoel Feitosa Jeffreys


GERENTE DO NÚCLEO DE GESTÃO CURRICULAR

Sirlei Adriani dos Santos Baima Elisiário


GERENTE DO ENSINO REGULAR

Lúcia Regina dos Santos Andrade


COORDENADORA DO ENSINO MÉDIO

ITINERÁRIO FORMATIVO - PORTFÓLIO DA UNIDADE CURRICULAR DE


APROFUNDAMENTO - UCA

FICHA TÉCNICA

Comitê Executivo de Implementação Novo Ensino Médio


Hadaquel Silva de Alcântara
Hellen Grace Melo Gomes
Ivânia Miranda Rodrigues Cardoso
Márcia Kazumi Okura Kikuchi
Vinícius Faria de Oliveira

Coordenação responsável do Núcleo de Gestão Curricular


Karol Regina Soares Benfica
Manoel Feitosa Jeffreys

Equipe Executora do Núcleo de Gestão Curricular


Jaqueline de Oliveira Gonçalves
João Marcelo Silva Lima
Josildo Severino de Oliveira
Manoel Feitosa Jeffreys
Raphael Xavier Barbosa

Redatores Especialistas - SEDUC

Área de Linguagens e suas Tecnologias


Profa. Ma. Sirlei Adriani dos Santos Baima Elisiário - (Língua Portuguesa)
Profa. Esp. Kátia Regina Martins Paredes - (Língua Portuguesa)
Profa.Dra. Marsiléia Brasil de Lima - (Língua Portuguesa)
Prof. Me. Rauciele da Silva Cazuza - (Língua Portuguesa)
Prof. Esp. Ademir Pinto Ribeiro - (Língua Inglesa)
Prof. Esp. Bjarne Lima Furtado - (Arte)
Profa. Esp. Simara Brasil Couto de Abrantes - (Arte)
Profa. Ma. Hemelly da Silva Areias - (Educação Física)

Área de Matemática de suas Tecnologias


Profa. Ma. Hellen Grace Melo gomes - (Matemática)
Prof. Me. Nilo da Silva Sena Filho - (Matemática)
Prof. Me. Eriberto Barroso Façanha Filho - (Matemática)
Prof. Me. Anselmo Luís Corrêa da Silva - (Matemática)
Prof. Samuel Barbosa de Oliveira - (Matemática)
Prof. Paulo Roberto Silva dos Anjos - (Matemática)

Área de Ciências da Natureza e suas Tecnologias


Profa. Ma. Aldaléia Carmo dos Santos - (Biologia)
Prof. Dr. Dayson José Jardim Lima - (Biologia)
Profa. Ma. Diana Sarmento Franco - (Biologia)
Prof. Dr. Manoel Feitosa Jeffreys - (Química)
Profa. Esp. Risolda Maria Silva Farias - (Física)

Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas


Prof. Dr. Francisco Sales Bastos palheta - (Filosofia)
Prof. Me. João Fábio Rodrigues Braga - (Sociologia)
Prof. Me. Josildo Severino de Oliveira - (Geografia)
Prof. Esp. Raphael Xavier Barbosa - (História)

Leitores Críticos e Analíticos


Profa. Ma. Hadaquel da Silva Alcântara


Profa. Márcia Kazumi Okura Kikuchi
Prof. Me. Vinícius Faria de Oliveira
Prof. Me. Manuel Arruda da Silva

Diagramação

Guilherme Araújo Soares


Jaqueline de Oliveira Gonçalves
Manoel Feitosa Jeffreys

Ficha Técnica
FICHA TÉCNICA - PARCEIROS

Instituto de Educação Política - Politize!


Programa da Escola da Cidadania Ativa

Diretor Geral
Gabriel Marmentini - Politize!

Gestadora de Educação Básica, Programa Escola da Cidadania Ativa -


Politize!
Kamila Nunes da Silva - Politize!

Diretora de políticas educacionais do Auschwitz Institute for The


Prevention of Genocide and Mass Atrocities
Clara Ramírez-Barat

Coordenador da área de conhecimento


Joelmir Cabral Moreira

Redatores
Amanda Petraglia Nunes de Andrade
Beatriz Souza Ramos dos Santos
Beatriz Triesse Gonzalez
Danilo Vergani
Gustavo Pacelli
Isabela Almeida
Ivonilda Andrade
Kamila Nunes da Silva
Paula Alves

Revisores
Carolina Nunes Diniz
Clara Ramirez-Barat
Joelmir Cabral Moreira
Kamila Nunes da Silva
Paula Alves
Paula Samogin Campioni

Colaboração
Instituto de Educação Política - Politize! em
parceria com o Auschwitz Institute for the Prevention of Genocide and Mass

FICHA TÉCNICA
ITINERÁRIOS AMAZÔNICOS
ITINERARIOSAMAZONICOS.ORG.BR

REALIZAÇÃO
INSTITUTO IUNGO
INSTITUTO REÚNA
UMA CONCERTAÇÃO PELA AMAZÔNIA

PARCERIA
BNDES
MOVIMENTO BEM MAIOR

ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL
INSTITUTO ARAPYAÚ

APOIO
NECA SETÚBAL

PRODUÇÃO DE CONTEÚDO

UNIDADES CURRICULARES DE LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS


Ativismos Amazônicos e usos criativos das linguagens
O mundo do trabalho e as diferentes linguagens para empreender

COORDENAÇÃO
Eliane Aguiar

CONCEPÇÃO E REDAÇÃO
Abel Xavier
Eduardo Francini
Juliana Leão
Kátia Chiaradia
Mariano Medeiros

LEITURA CRÍTICA
Andressa Almeida de Souza Limeira - SEE Acre
Genilza Silva Cunha - SEED Roraima
Helena Schmid
Lauro Luiz Pereira Silva - SEDUC Mato Grosso
Marisa Balthasar
Raulciele da Silva Cazuza - SEDUC Amazonas

EDIÇÃO PEDAGÓGICA
Helena Schmid
APOIO NA CONCEPÇÃO
Jovens amazônicos
Arthur Mello Moda Santos
Samia Letícia Nascimento Gonçalves

TÉCNICOS E EDUCADORES DE REDES DE ENSINO


Alessandra Oliveira Quirinoi Chiarioni - SEDUC Tocantins
Andrea de Lima Siqueira - SEED Roraima
Hemelly Silva Areias - SEDUC Amazonas
Mário Luiz Leite Lobato - SEED Amapá
Waleria Ambrosio Peixoto - SEED Roraima

ESPECIALISTAS TEMÁTICOS
Giovani José da Silva
Laercio Furquim Junior

UNIDADE CURRICULAR DE LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS


Práticas de Linguagens para se (re)conhecer e agir como parte da Terra

COORDENAÇÃO, CONCEPÇÃO E REDAÇÃO


Carolina Miranda
Marisa Balthasar

LEITURA CRÍTICA
Ana Maria de Lucena Rodrigues
Andressa Almeida de Souza Limeira - SEE Acre
Helena Schmid
Raulciele da Silva Cazuza - SEDUC Amazonas

EDIÇÃO PEDAGÓGICA
Helena Schmid

APOIO NA CONCEPÇÃO
Jovem amazônica
Rakel Caminha

EQUIPE IUNGO
Alcielle Santos
Carlos Gomes de Castro
Daniella Scalet
Fernanda Rennó
Michele Borges
Renata Alencar
Samuel Andrade
ESPECIALISTA TEMÁTICO
Giovani José da Silva

UNIDADES CURRICULARES DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS


Como usar a Matemática para entender e atuar no mundo do trabalho na
Amazônia
Compreendendo a influência da Amazônia no clima do Brasil e do mundo por
meio da análise de dados

COORDENAÇÃO
Luciana Tenuta

CONCEPÇÃO E REDAÇÃO
Aline Mendes Geraldi
Rodrigo Blanco Morozetti

LEITURA CRÍTICA
Anselmo Luis Correa da Silva - SEDUC Amazonas
Camila Tribess
Célio de Melo Souza - SEE Acre
Helena Schmid
Michele Andréia Borges

EDIÇÃO PEDAGÓGICA
Camila Tribess
Helena Schmid

APOIO NA CONCEPÇÃO
Técnicos e educadores de redes de ensino
Dionísio José da Costa Sá
Hellen Grace Melo Gomes - SEDUC Amazonas
Osvair Mussato - SEED Roraima
Solange Mussato - SEED Roraima

ESPECIALISTAS TEMÁTICOS
Antônio Oscar
Edson Abreu de Castro Grandisoli
Laercio Furquim Junior

UNIDADES CURRICULARES DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS


Bioeconomia em contextos socioambientais amazônicos
Biodiversidade amazônica: das origens à ocupação humana
COORDENAÇÃO
Paulo Roberto da Cunha

CONCEPÇÃO E REDAÇÃO
Gilberto Stam
Jefferson Sodré Menezes
Kátia Henrique

LEITURA CRÍTICA
Ana Lúcia Ramos Auricchio
Dayane Oliveira Rodrigues - SEED Roraima
Eronildo Cornélio de Castro - SEED Roraima
Manoel Feitosa Jeffreys - SEDUC Amazonas
Vanessa Costa Trindade

EDIÇÃO PEDAGÓGICA
Carolina Miranda
Vanessa Costa Trindade

APOIO NA CONCEPÇÃO
Jovens amazônicos
Davi Lima Melo
Guilherme Lima Freitas

TÉCNICOS E EDUCADORES DE REDES DE ENSINO


Dorielson França da Costa - SEED Amapá
Rosimar Magalhães Santana - SEED Roraima
Vinicius Faria de Oliveira - SEDUC Amazonas

ESPECIALISTAS TEMÁTICOS
Edson Abreu de Castro Grandisoli
Georgia Jordão

UNIDADES CURRICULARES DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS APLICADAS


Desmatamentos e conservação na região Amazônica
Formação da região amazônica: fronteiras, territórios e desigualdades

COORDENAÇÃO
Pablo de Oliveira de Mattos
CONCEPÇÃO E REDAÇÃO
André Sekkel Cerqueira
Caroline Bárbara
Katrine Katiusse de Andrade
Syntia Alves

LEITURA CRÍTICA
Camila Tribess
Carolina Miranda
Regina Tunes
Josildo Severino de Oliveira - SEDUC AM
Claudemes Vieira Sousa -SEED RR
Guaraci Assis Pastana - SEED AP
Luzinéia Guimarães Alencar - SEDUC MT

EDIÇÃO PEDAGÓGICA
Camila Tribess
Carolina Miranda

APOIO NA CONCEPÇÃO
Jovens amazônicas
Elciane Valente de Meneses de Almeida
Marta Rayane da Silva Gomes

TÉCNICOS E EDUCADORES DE REDES DE ENSINO


Edilene Nascimento Barbosa - SEED Amapá
Italo Bruno Paiva Gonçalves - SEDUC Tocantins
Marta Clementina Silva de Melo - SEED Roraima
Sheyla Regina Jafra Cordeiro - SEDUC Amazonas

ESPECIALISTAS TEMÁTICOS
Georgia Jordão
Giovani José da Silva

UNIDADES CURRICULARES DE PROJETOS DE VIDA


Projetos de Vida: autoconhecimento, juventudes e formas de habitar o mundo
Projetos de Vida: escolhas, planos e mundo do trabalho

COORDENAÇÃO
Carlos Gomes de Castro
Samuel Andrade
CONCEPÇÃO E REDAÇÃO
Carolina Miranda
Talita Troleze

LEITURA CRÍTICA
Antônio Orlando Ferreira de Castro - SEDUC PA
Helena Schmid
Leonan Pereira Rodrigues - SEDUC MA
Leonora de Jesus Mendes Tavares - SEDUC MA
Soraya do Nascimento Alves - SEE AC
Viviane Potenza Guimarães Pinheiro Fonseca

EDIÇÃO PEDAGÓGICA
Helena Schmid

APOIO NA CONCEPÇÃO
Jovens amazônicos
Odenilze Ramos
Osvaldo de Albuquerque Campelo Neto
Paulo Cardoso da Silva

TÉCNICOS E EDUCADORES DE REDES DE ENSINO


Fernanda Rodrigues do Nascimento - SEED Roraima
Laurita Maria P. L. Veloso Gerbis - SEDUC Tocantins
Márcia Pinto de Carvalho - SEED Amapá

ESPECIALISTAS TEMÁTICOS
Giovani José da Silva
Laercio Furquim Junior
Ficha Técnica
FICHA TÉCNICA - PARCEIROS

Fundação Telefônica Vivo


Diretora-presidente: Lia Glaz


Gerente de Educação: Lia Roitburd
Equipe de Educação: Beatriz Piramo Torres de Oliveira, Marina Alves Queiroz
Maluta, Olivia Costa Lima Laban
Gerente Sênior de Mobilização e Voluntariado: Luanda de Lima Sabença
Área de Mobilização: Bruna Carolina Fortes Braz, Dânae Mazzini Silva Brito,
Tatiana Gimenes Pereira

Autoria: Lucí Ferraz Mello

Professores:
Linguagens e Suas Tecnologias – Língua Portuguesa
Amanda Rodrigues da Silva
Diully Mayara Barroso de Souza
Eliana Pinto Rodrigues
Elianai Silva de Castro
Nayara Brandão Franco Figueiredo
Sideny Pereira de Paula
Talita Nascimento de Souza
Linguagens e Suas Tecnologias – Língua Inglesa
Felipe dos Santos Silva
João Bosco Brasil de Souza
Ramzia Assem Franca
Raulisom Eleutério da Costa
Rayla do Nascimento Carvalho
Sílvia Gabriela Carvalho
Simone Mesquita Ponte
Linguagens e Suas Tecnologias – Educação Física
Augusto Cézar Amaral Vieira Junior
Dione Souza da Cruz
Evaldo Gomes Sicsu Junior
Fernanda Pereira da Silva
Flávia Asevêdo Sousa
Flávia Ferraz da Silva
Jefferson Aparecido dos Santos
Ficha Técnica

Linguagens e Suas Tecnologias – Artes


Anderson Luiz Bessa Mar
Francenilza Viana de Souza Silva
Genesis dos Santos Soeiro
Izabela Silva Cabral
Jhonata Monteiro de Souza
Rosinete da Silva Ribeiro
Sara Maria Marques Lima

Matemática e Suas Tecnologias - Matemática


Edivaldo Oliveira Rodrigues
Edson Soares da Silva
Lissandra Mar
Marcos Rabelo da Silva
Márcio Freitas Batista
Pâmela Suelen Pantoja Egues
Rosane Seabra Leão

APRESENTAÇÃO

O ano de 2023 marca a implementação da


Reforma do Ensino Médio e Currículo para a 2ª série
do Ensino Médio da rede de ensino estadual. É o
momento em que os estudantes terão a
oportunidade de delinear suas trajetórias
acadêmicas, de acordo com seu projeto de vida.

Trata-se ainda não só da estreia de mais uma Unidade Curricular que passa
a compor o currículo do Ensino Médio da SEDUC, mas também da continuidade da
proposta curricular das UCs, que fazem parte da estrutura curricular desde 2022.

Todas essas entregas traduzem o empenho, zelo e responsabilidade com


que o Governo do Estado do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de
Educação e Desporto (SEDUC/AM), vem conduzindo a implementação do Novo
Ensino Médio em nossas unidades educacionais, sempre com o compromisso de
garantir as orientações pedagógicas necessárias à maestria das inovações
curriculares presentes na Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio.

Este exemplar apresenta o portfólio das Unidades Curriculares de


Aprofundamento (UCA), as quais são conjuntos de aprendizagens para aprofundar
e/ou expandir os conhecimentos advindos da Formação Geral Básica (FGB),
considerando os interesses e as potencialidade dos estudantes, em consonância
com seu projeto de vida, visando ampliar seus conhecimentos acerca da realidade
social e do mundo do trabalho de forma articulada com temas atuais e
transversais.

Certamente, as UCAs abordadas ao longo deste portfólio, por oportunizarem


aprendizagens providas de utilidade e justiça social, contribuirão de forma
significativa na formação integral de nossos estudantes do Ensino Médio.

Boas aprendizagens!

MARIA JOSEPHA PENELLA PÊGAS CHAVES


Secretária de Estado de Educação e Desporto
SUMÁRIO
LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS
UNIDADE

01
Trilha: Línguas, Culturas Amazônicas E Multiletramentos

UCALGG001: Culturas Amazônicas - 20

UCALGG002: Amazone-se nos movimentos da cultura juvenil - 33


UCALGG003: Se liga: Movimentando para não escangalhar - 43 2º semestre 2023
UCALGG004: “Start! Inglês para games” - 53
UCALGG005: #Click no cotidiano - 60
UCALGG006: O mundo do trabalho e as diferentes linguagens para
empreender - 69

02
MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS
UNIDADE
Trilha:

Raciocínio Lógico Matemático

UCAMAT001: História da Matemática - 76


UCAMAT002: Estudo da Teoria dos Conjuntos - 80


UCAMAT003: Aprendendo Análise Combinatória - 84
UCAMAT004: Estudo das Funções - 88
UCAMAT005: Modelagem Matemática - 92

CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS APLICADAS

03
Trilha: Os mundos do trabalho no contexto amazônida
UCACHSA001: História do movimento operário brasileiro e amazônico -
UNIDADE

99

UCACHSA002: Relações de trabalho e sociedade: uma análise


sociológica - 104
UCACHSA003: Filosofia, ética e mundo do trabalho - 108
UCACHSA004: Transformação digital e indústria 4.0 no Amazonas - 112
UCACHSA005: A mulher e o mundo do trabalho: uma análise sócio-
histórica - 116
CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

04
UNIDADE Trilha: Meio Ambiente, Sustentabilidade e Bioeconomia

UCACNT001: Fauna Amazônica: Conhecer para Preservar - 123


UCACNT002: Meio Ambiente e Saúde em Foco: Ação e Interação -


127
UCACNT003: PANC na Escola e na Comunidade - 131
UCACNT004: Energia Renovável: Ação e Aplicação na Amazônia - 135
UCACNT005: Microbiologia: o mundo invisível da Natureza - 144

UCAS INTEGRADAS - 1

05
Trilha: Liderança e Cidadania
UCAINT001: A vida em sociedade: convivência democrática e justiça
UNIDADE

social - 148

UCAINT002: Cidadania global - 153


UCAINT003: Cidadania regional - 158
UCAINT004: Eu e os outros - 164
UCAINT005: Sonhando o Brasil: um projeto original de
desenvolvimento - 169
SUMÁRIO
UCAS INTEGRADAS - 2

05
Trilha: (Re)conhecendo as particularidades amazônicas UNIDADE
UCAINT006: Práticas de linguagens para se (re)conhecer e agir como

parte da terra - 177


UCAINT007: Biodiversidade amazônica e seus efeitos no clima - 184


UCAINT008: Matemática, Mudanças Climáticas e a Amazônia - 189
UCAINT009: O clima na Amazônia: Conexão entre o conhecimento
popular e a divulgação científica na área de Matemáticas - 194
UCAINT010: Povos Amazônidas: Tecnologias Ambientais e diferentes
Perspectivas de Desenvolvimento - 199
INTRODUÇÃO

O Ensino Médio está passando por mudanças, que estão dispostas


em uma nova arquitetura, a qual contempla uma parte diversificada,
denominada de Itinerários Formativos.
Para a rede estadual do Amazonas, os Itinerários Formativos – IFs
são distribuídos em blocos constituídos por Unidades Curriculares e
neste documento, as Unidades Curriculares que vão ser
apresentadas correspondem aos Aprofundamentos, por isso,
chamadas de Unidades Curriculares de Aprofundamentos – UCAs.
As UCAs têm por objetivo ampliar e aprofundar as aprendizagens
consideradas essenciais, enriquecendo a Formação Geral Básica
(FGB) dos estudantes. Ela poderá ser ministrada em diferentes
espaços escolares, principalmente por focar na proposição de
atividades pedagógicas interdisciplinares, baseadas na pesquisa
científica, na experimentação e na aplicação prática dos
conhecimentos aprendidos em sala de aula.
Nesse sentido, para melhor auxiliá-los em suas possíveis escolhas,
foi criado este Portfólio com os Planos de Ensino de todas as UCAs,
que serão ofertadas, no intuito de facilitar a escolha e a condução
dos materiais a serem escolhidos para ministração das aulas.
As UCAs estão organizadas em quatro Área do Conhecimento,
além das Integradas, facilitando a escolha e a condução do material.
Além disso, as áreas possuem temáticas macro, compostas por um
conjunto de cinco UCAs, constituindo assim, uma trilha de
aprofundamento.
Esperamos que você, professor, aprecie os Planos de Ensino
que nortearão a condução de suas aulas.
Área de Conhecimento
ÁREA DE

LINGUAGENS
E SUAS
TECNOLOGIAS
LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS

A área de Linguagens e suas Tecnologias adota concepções


interdisciplinares e transdisciplinares como elementos fundamentais
para o desenvolvimento dos estudantes, considerando sua formação
integral, protagonismo e projeto de vida. Sobretudo, a diversidade
juvenil é observada neste documento por meio dos objetos de
conhecimento e seus desdobramentos, assim como, nas sugestões de
atividades que se destacam através dos componentes curriculares -

Área de Conhecimento
Língua Portuguesa, Arte, Educação Física e Língua Inglesa,
contemplando a diversidade regional dos jovens amazonenses
urbanos e rurais, quilombolas, indígenas, ribeirinhos e imigrantes para
uma educação mais equitativa e igualitária, valorizando a
interculturalidade presente.

LÍNGUAS, CULTURAS AMAZÔNICAS E


CÓDIGO
SUAS TECNOLOGIAS

MULTILETRAMENTOS
LINGUAGENS E

UCALGG 001 Culturas Amazônicas


UCALGG 002 Amazone-se nos movimentos da cultura juvenil

2º semestre
UCALGG 003 Se liga: Movimentando para não escangalhar 2023

UCALGG 004 “Start! Inglês para games”


UCALGG 005 #click no cotidiano

O mundo do trabalho e as diferentes linguagens para



UCALGG 006
empreender
PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: LÍNGUAS, CULTURAS AMAZÔNICAS E
MULTILETRAMENTOS
Título da UCA Área do Conhecimento
Linguagens e suas Tecnologias
Culturas Amazônicas Componente Curricular
Arte
Código da UCA Série
UCALGG 001 2ª

Descrição da Ementa
A presente UCA tem em vista potencializar a faculdade comunicativo-expressiva dos
estudantes, focando em caminhos teórico-práticos construídos a partir das vivências e das
experiências com as linguagens artísticas se estendendo ao conhecimento de sistemas
simbólicos diferenciados para melhor compreender a pluralidade dos saberes inscritos na
diversidade cultural amazônica. Assim, os estudantes poderão produzir obras, criar processos
e propostas de soluções estéticas e éticas orientadas para os problemas contemporâneos de
sua realidade, de maneira a observar criticamente os impactos sociais e ambientais de suas
próprias criações e as de seus pares, buscando uma intervenção pautada na ética e no
respeito ao planeta.
As atividades realizadas nos encontros/aulas, não obstante, devem promover a pesquisa e o
conhecimento/articulação dos elementos fundamentais de cada uma das linguagens artísticas,
as formas de funcionamento e emprego destas, na perspectiva de sua contígua integração,
podendo ser trabalhadas rizomaticamente e para além da incursão na reprodução técnica e
acrítica. Para uma dinâmica mais assertiva no processo de ensino/aprendizagem, pode o
professor sentir-se livre para trabalhar os objetos de conhecimento propostos nesta ementa
de acordo com o interesse dos estudantes, de forma a envolver a participação desses agentes
em uma metodologia ativa para que possam desenvolver o seu protagonismo
adequadamente.
Apresentam-se assim, as temáticas de aprofundamento que deverão ser desenvolvidas:
Unidade 1 - Eu, Artista: Vivências e Experiências
Unidade 2 - A diversidade cultural amazônica
Convém ter presente que, esta ementa não define a atuação do professor. Este, todavia, possui
a autonomia necessária para empreender caminhos teórico-práticos e/ou estratégias pessoais
a serem empregadas no processo de ensino/aprendizagem do contexto escolar. Nesse
particular, pode também o professor implementar propostas de aula fora da escola,
dependendo da exigência do objeto do conhecimento em situação particular. Desta forma,
isso, decerto, possibilita ao professor exercer seu protagonismo, realizando adaptações e
flexibilizando ações a partir da negociação entre os atores envolvidos (professor/aluno) na
construção do conhecimento.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Objetivo geral
Desenvolver a capacidade comunicativo-expressiva para ampliar o repertório cultural a partir
do acesso, organização e análise de dados de pesquisa para conhecer o funcionamento e
emprego das linguagens artísticas para produzir obras, criar processos e propostas de
soluções estéticas e éticas para os problemas contemporâneos de maneira a observar
criticamente os impactos sociais e ambientais das criações, intervindo de maneira a respeitar a
diversidade de saberes e sujeitos presente na sociedade amazônica.

Objetivos Específicos
Acessar e organizar dados para a análise dos fenômenos estéticos e socioculturais que
afetam as concepções e as práticas das linguagens artísticas para o reconhecimento do
funcionamento dos elementos básicos que constituem cada linguagem numa perspectiva
integrada e de acordo com o interesse dos estudantes para ampliar o seu repertório cultural
e comunicacional;
Aprofundar e consolidar conceitos para que os estudantes possam ter a possibilidade de
realizar interpretações críticas dos fenômenos circunscritos às questões da diversidade
cultural amazônica, no intuito de ressignificação de noções e práticas coloniais naturalizadas
que afetam as decisões dos sujeitos em sua contemporaneidade como forma de construir
caminhos teórico-práticos possíveis que envolvam as linguagens da arte e outras
manifestações socioculturais;
Realizar experiências criativas que ampliem as habilidades de produção de obras e invenção
de processos para potencializar a autoria e o protagonismo juvenil na dinâmica da vida
pessoal e coletiva, sem perder de vista o uso das tecnologias da informação e comunicação.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 3: Assegurar vidas saudáveis e promover o bem-estar para todos em todas as idades.
Objetivo 4: Assegurar educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades
de aprendizado por toda a vida para todos.
Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e promover a autonomia de todas as mulheres e
meninas.
Objetivo 10: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.
Objetivo 13: Adotar ação urgente para combater a mudança do clima e seus impactos.

Competência(s) Geral(is) da BNCC


3. Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e
também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural.
9. Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e
promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da
diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e
potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competências Específicas da Área
Competência Específica 1. Compreender o funcionamento das diferentes linguagens e
práticas culturais (artísticas, corporais e verbais) e mobilizar esses conhecimentos na recepção
e produção de discursos nos diferentes campos de atuação social e nas diversas mídias, para
ampliar as formas de participação social, o entendimento e as possibilidades de explicação e
interpretação crítica da realidade e para continuar aprendendo.
Competência Específica 3. Utilizar diferentes linguagens (artísticas, corporais e verbais) para
exercer, com autonomia e colaboração, protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva, de
forma crítica, criativa, ética e solidária, defendendo pontos de vista que respeitem o outro e
promovam os Direitos Humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável, em
âmbito local, regional e global.
Competência Específica 6. Apreciar esteticamente as mais diversas produções artísticas e
culturais, considerando suas características locais, regionais e globais, e mobilizar seus
conhecimentos sobre as linguagens artísticas para dar significado e (re)construir produções
autorais individuais e coletivas, exercendo protagonismo de maneira crítica e criativa, com
respeito à diversidade de saberes, identidades e culturas.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( X ) Empreendedorismo

Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

Investigação Científica
(EMIFLGG01) Investigar e analisar a organização, o funcionamento e/ou os efeitos de sentido
de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens (imagens estáticas
e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre outras), situando-os no
contexto de um ou mais campos de atuação social e considerando dados e informações
disponíveis em diferentes mídias.
(EMIFLGG02) Levantar e testar hipóteses sobre a organização, o funcionamento e/ou os efeitos
de sentido de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens
(imagens estáticas e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre
outras), situando-os no contexto de um ou mais campos de atuação social e utilizando
procedimentos e linguagens adequados à investigação científica.
(EMIFLGG03) Selecionar e sistematizar, com base em estudos e/ou pesquisas (bibliográfica,
exploratória, de campo, experimental etc.) em fontes confiáveis, informações sobre português
brasileiro, língua(s) e/ ou linguagem(ns) específicas, visando fundamentar reflexões e hipóteses
sobre a organização, o funcionamento e/ou os efeitos de sentido de enunciados e discursos
materializados nas diversas línguas e linguagens (imagens estáticas e em movimento; música;
linguagens corporais e do movimento, entre outras), identificando os diversos pontos de vista
e posicionando-se mediante argumentação, com o cuidado de citar as fontes dos recursos
utilizados na pesquisa e buscando apresentar conclusões com o uso de diferentes mídias.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

Processos Criativos
(EMIFLGG04) Reconhecer produtos e/ou processos criativos por meio de fruição, vivências e
reflexão crítica sobre obras ou eventos de diferentes práticas artísticas, culturais e/ou
corporais, ampliando o repertório/domínio pessoal sobre o funcionamento e os recursos da(s)
língua(s) ou da(s) linguagem(ns).
(EMIFLGG05) Selecionar e mobilizar intencionalmente, em um ou mais campos de atuação
social, recursos criativos de diferentes línguas e linguagens (imagens estáticas e em
movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre outras), para participar de
projetos e/ou processos criativos.
(EMIFLGG06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais, utilizando as diversas línguas e linguagens (imagens estáticas e em movimento; línguas;
linguagens corporais e do movimento, entre outras), em um ou mais campos de atuação social,
combatendo a estereotipia, o lugar comum e o clichê.

Mediação e Intervenção Sociocultural


(EMIFLGG08) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das práticas
de linguagem para propor ações individuais e/ ou coletivas de mediação e intervenção sobre
formas de interação e de atuação social, artístico-cultural ou ambiental, visando colaborar para
o convívio democrático e republicano com a diversidade humana e para o cuidado com o meio
ambiente.
(EMIFLGG09) Propor e testar estratégias de mediação e intervenção sociocultural e ambiental,
selecionando adequadamente elementos das diferentes linguagens.
(EMIFCG08) Compreender e considerar a situação, a opinião e o sentimento do outro, agindo
com empatia, flexibilidade e resiliência para promover o diálogo, a colaboração, a mediação e
resolução de conflitos, o combate ao preconceito e a valorização da diversidade.

Empreendedorismo
(EMIFLGG10) Avaliar como oportunidades, conhecimentos e recursos relacionados às várias
linguagens podem ser utilizados na concretização de projetos pessoais ou produtivos,
considerando as diversas tecnologias disponíveis e os impactos socioambientais.
(EMIFLGG11) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das práticas
de linguagem para desenvolver um projeto pessoal ou um empreendimento produtivo.
(EMIFLGG12) Desenvolver projetos pessoais ou produtivos, utilizando as práticas de linguagens
socialmente relevantes, em diferentes campos de atuação, para formular propostas concretas,
articuladas com o projeto de vida.

UNIDADE TEMÁTICA 1: Eu, Artista: Vivências e Experiências

Objetos do Conhecimento:
O papel da arte e do artista no mundo contemporâneo;
O uso de procedimentos adequados à investigação em arte: instrumentos variados de
análise e coleta de dados para a pesquisa no campo artístico.
O uso e o funcionamento das linguagens artísticas a partir de seus elementos constituintes
básicos;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


UNIDADE TEMÁTICA 1: Eu, Artista: Vivências e Experiências

Objetos do Conhecimento:
Apreciação e fruição estética: Um percurso sobre os territórios da arte;
A seleção e a mobilização intencional de recursos criativos para a criação de projetos e/ou
processos criativos;
Vivências e experiências de processos criativos em arte numa perspectiva de integração
entre as linguagens: rumos para propor e testar soluções éticas, estéticas no contexto do
mundo amazônico;
O poder da arte na sociedade: As formas de intervenção crítica– as artes integradas e
híbridas – a performance, o happening, o fluxo, exposições, espetáculos, aproximações e
outras manifestações estético-expressivas.
O empreendedorismo nas artes – as principais ocupações profissionais e os nichos de
atuação artística;
Análise acerca da economia da cultura e das artes, os desafios e impactos na profissão;
Arte e projeto de vida.

UNIDADE TEMÁTICA 2: A diversidade cultural amazônica

Objetos do Conhecimento:
Conhecendo a realidade cultural do Amazonas: Patrimônio artístico (material e imaterial)
amazônico;
Artistas, produtores culturais, grupos, companhias, orquestras e os corpos estáveis que
referenciam a arte contemporânea amazonense;
Percursos para uma apreciação crítica da história e dos impactos da colonização: as várias
colonialidades;
A ancestralidade, a memória dos grupos socioculturais formadores da sociedade
amazonense;
As manifestações estético-expressivas indígenas e de outras matrizes culturais formadoras
da sociedade amazonense;
Arte e colonialidade: um percurso para o encontro com as insurgências estético-
expressivas;
Artistas insubmissos e a decolonialidade na arte amazonense.

Orientações Metodológicas
Investigação Científica
Fazer uso de instrumentos variados de pesquisa e coleta de dados, tendo como aporte o
diário de bordo, planilhas, portfólios criativos, fanzine tradicional ou digital, infográficos,
mapa mental, mapa rizomático, cartaz digital e demais recursos propiciados pelas
tecnologias da comunicação e informação para fins de registro das vivências e experiências
dos processos criativos em arte em que estão presentes a organização, funcionamento e
os efeitos de sentido veiculados nas narrativas estéticas das linguagens da arte;
Registrar experiências de aspectos emocionais presentes em diferentes meios expressivos
(trilhas sonoras de filmes e telenovelas, vídeos, pinturas, esculturas, instalações,
performances, propagandas, coreografias, peças teatrais, entre outros), considerando os
interesses dos estudantes em seu projeto de vida;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Utilizar instrumentos de acompanhamento como, diário de bordo, planilhas, portfólios
criativos, fanzine tradicional ou digital, infográficos, mapa mental, cartaz digital e demais
recursos propiciados pelas tecnologias da comunicação e informação para fins de registro
das vivências e experiências dos processos que envolvem as práticas da culinária, dos
jogos, brincadeiras e do conjunto de manifestações socioculturais remanescentes das
diferentes matrizes culturais formadoras da sociedade amazonense;
Organizar laboratórios ou oficinas de criação, disponibilizando equipamentos e materiais
alternativos adequados aos procedimentos da investigação científica para a
problematização temática, levantamento e testagem de hipóteses acerca da organização,
funcionamento e dos efeitos de sentido presentes nas narrativas estéticas das linguagens
da arte;
Implementar atividade de investigação científica, podendo ser realizada de forma
individual, coletiva ou colaborativa e de acordo com os interesses dos estudantes que
venha proporcionar momentos de aproximação com conteúdos gerados pelo movimento
da cultura maker para que os estudantes possam construir, consertar ou criar seus
próprios objetos e/ou projetos;
Propor organização de painel ou seminário temático, presencial ou em aplicativo de
videoconferência, visando à elaboração, apresentação e à fundamentação reflexiva acerca
das categorias presentes na organização, funcionamento e nos efeitos de sentido das
narrativas estéticas das linguagens da arte amazonense, com base na participação
individual, coletiva ou colaborativa dos estudantes em pesquisa realizada a partir de
diferentes fontes (bibliográfica, exploratória, de campo, experimental etc.), como forma de
criar situações de aprendizagem para o exercício do protagonismo juvenil com a prática da
argumentação e da clareza de pensamento, considerando a criação dos recursos (textos,
cartaz digital, divulgação em sites institucionais, criação de blogs, podcast e outros) para a
efetivação do evento pretendido;
Sistematizar dados de pesquisa (bibliográfica, exploratória, de campo, experimental etc.)
por meio de fichamentos e roteiros percebidos in loco, podcasts ou vídeo acerca de
manifestações socioculturais e artísticas recorrentes no interior da cultura amazônica,
produzindo estudos, ensaios, criações no campo artístico-literário (conto, crônica, poema,
memória e etc.) e/ou artigos de natureza científica e apresentá-los nas escolas, fóruns,
simpósios e outros, tanto fisicamente quanto em formato para o uso de diferentes mídias;
Sistematizar dados de pesquisa (bibliográfica, exploratória, de campo, experimental etc.)
por meio de fichamentos, gravações ou vídeo para registrar conteúdos acerca dos
impactos trazidos pelo processo de colonização à memória, à reprodução da existência
social, cultural e econômica da sociedade amazonense e, em particular, às manifestações
estético-expressivas desenvolvidas no interior da cultura amazônica, produzindo estudos,
ensaios, criações no campo artístico-literário (conto, crônica, poema, memória e etc.) e/ou
artigos de natureza científica e apresentá-los nas escolas, fóruns, simpósios e outros, tanto
fisicamente quanto em formato para o uso de diferentes mídias;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Processos Criativos
Organizar movimentos de participação individual e coletiva que possibilitem ao estudante
fruir da arte ao adentrar no universo das exposições, feiras, espetáculos e congêneres para
o exercício da curadoria estética e valorização da diversidade de formas de representação
artística, de conceitos ou eventos de manifestações estético-expressivas e culturais
diversas;
Organizar grupos de estudantes para a criação de momentos de aproximação com
artistas, curadores, agentes e produtores culturais locais em seus espaços de criação,
como forma de potencializar o conhecimento acerca das etapas constituintes de seus
processos criativos;
Propor projetos de intervenção, em meio escolar, rua ou em espaços destinados a
manifestações de caráter cultural e artístico, a partir de diferentes narrativas estéticas,
(performances, instalação, pintura, teatro, vídeo, cinema, dança, música, linguagens
corporais e etc.) como forma de potencializar a capacidade estético-expressiva dos
estudantes na mobilização intencional dos recursos criativos das diferentes linguagens;
Propor momentos de aproximação com os saberes de tradições socioculturais indígenas -
culinários, medicinais, estéticos, ancestral, econômico e político - como forma de
potencializar conhecimentos orientados para promover o diálogo intercultural;
Produzir protótipos de aplicativos para solucionar problemas gerados no interior das
diferentes linguagens (Artes Visuais, Dança, Música e Teatro); por exemplo: O que fazer
para que o estudante se interesse ou acesse mais facilmente a arte e a cultura? Explorar a
potencialidade criativa, utilizando a técnica da tempestade de ideias (brainstorming);
Realizar exposições e eventos culturais para a veiculação de discursos estéticos produzidos
nas diferentes expressões das linguagens artísticas (Artes Visuais, Dança, Música e Teatro),
como produtos da interação dos sujeitos com as situações reais geradas no interior dos
contextos social, econômico, político e cultural, como forma de combater a estereotipia, o
lugar comum e o clichê;
Criar blogs e/ou vlogs para veicular informação acerca de propostas inovadoras e criativas
dirigidas aos problemas reais vivenciados pelas juventudes amazônicas;
Possibilitar práticas de produções cinematográficas (criação de roteiros, personagens, lista
de cenas e etc.) como forma de problematizar aspectos da vivência dos sujeitos no interior
da cultura amazônica;
Propor a criação da imprensa escolar (rádio, jornal, blog ou vlog da turma ou da escola),
como forma de se constituir mecanismo de divulgação das produções culturais, literárias e
artísticas, vinculadas à realidade das juventudes;
Elaborar álbum convencional ou digital (portfólio criativo ou fanzine digital) para criação de
formas geométricas e orgânicas para ampliar o repertório imagético a ser aplicado em
narrativas visuais;
Realizar ação interdisciplinar por meio da metodologia steam (ciência, tecnologia, arte e
matemática) para produzir narrativas visuais em meio estático ou dinâmico (pintura,
desenho, grafitismo, cinema, vídeo e etc.) a partir da utilização de formas geométricas e
orgânicas de matrizes indígenas, buscando compreender seus sentidos expressivos no
contexto sociocultural de origem e desenvolver novas abordagens visuais;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Utilizar diferentes técnicas artísticas (fotografia digital, grafitismo, performance, instalação,
intervenção, vídeo, cinema, movimento corporal, etc.), problematizando questões
históricas, políticas, sociais, econômicas, científicas, tecnológicas e culturais do entorno
local.

Mediação e Intervenção Sociocultural


Realizar mostras individuais, coletivas e colaborativas de narrativas estéticas em diferentes
expressões artísticas (intervenções, performances, pintura, desenho, arte circense) e de
produções em diferentes gêneros textuais que veiculam conteúdos ligados a questões
socioculturais e ambientais, promovendo processos de afirmação de valores pluriculturais;
Promover roda de conversa para discutir acerca das igualdades e diferenças nas formas do
pensar e do produzir, presentes nas manifestações culturais e artísticas dos diferentes
grupos socioculturais da atualidade amazônica (ribeirinho, campesinato, indígena,
comunidades tradicionais, rural, quilombola, etc.);
Propor a elaboração de indicadores da economia da cultura criativa que se relacionam aos
diferentes agentes culturais (designers, produtores culturais, cineastas, curadores, artistas
visuais, músicos, bailarinos, artesãos e etc.), constituindo gráficos e estudos probabilísticos
referentes à atuação produtiva destes atores no mercado local e global para avaliar e
tomar decisões em relação ao que foi observado;
Propor momentos de aproximação e de fruição estética por meio de simpósios, exposições
e/ou fóruns (exibição de documentários, fotografia, filmes, e/ou espetáculos), em que os
diferentes sujeitos e grupos socioculturais possam interagir de forma a compartilhar
informações, produtos e discursos estéticos, afirmando valores que articulam igualdade e
diferença, cuidado com o meio ambiente e respeito e promoção da justiça social e
epistemológica;
Propor intervenções artísticas (instalação, happening, performance e etc.), utilizando
inclusive diferentes plataformas digitais para problematizar questões socioculturais e
ambientais na perspectiva da interculturalidade, selecionando adequadamente elementos
das diferentes linguagens da arte;
Organizar movimentos de participação coletiva nas audiências públicas das casas
legislativas no fito de conhecer as estratégias e perspectivas geradas no interior dos
debates acerca das políticas de valorização ambiental e das manifestações socioculturais
(organização de roteiros para entrevista com defensores das causas ambientais - artistas,
escritores, organizações da sociedade civil e etc.);

Empreendedorismo
Identificar e discutir acerca dos meios de acesso ao mercado das artes (formal e informal),
bem como, dos nichos de inserção dos sujeitos na economia da cultura criativa do estado
do Amazonas por meio de seus corpos estáveis e instituições (Corpo de Dança, Orquestra
Amazonas Filarmônica, Balé Folclórico, Centro Cultural Cláudio Santoro e etc.) que são
organismos de recepção de profissionais formados e admitidos via concurso público, e de
outros nichos que vinculam a participação profissional a partir de submissão de propostas
a critérios previstos em editais e resoluções;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Utilizar metodologias ativas para integrar o desenvolvimento cognitivo às competências
socioemocionais, criando condições que favoreça o estudante a desenvolver propostas nas
linguagens da arte vinculadas ao seu projeto de vida e conheça os mecanismos de acesso
aos variados nichos disponíveis no mercado produtivo local;
Propor constituição de laboratório ou oficina de criação artística para o desenvolvimento
de projetos de caráter produtivo nas linguagens da arte, incluindo o uso de tecnologias
articuladas ao projeto de vida das juventudes amazônicas;
Propor projeto de criação e produção de bens de consumo, (pintura, escultura e
tridimensionalidades, objetos, artesanatos em tecido, MDF, reciclagem - bijuterias,
adereços, patchwork) de forma sustentável e como proposta concreta articulada ao projeto
de vida do estudante cuja sistematização exige a intervenção de processos produtivos que
vão da concepção estética do produto (criação de logomarca, slogan, design de
embalagem, padronização, arte finalização e etc.), passando pela realização de pesquisas
de campo para levantar as demandas do público que se quer atingir, cálculos acerca de
investimentos, margens de lucro, probabilidade de venda, estudo de materiais e insumos
necessários à confecção dos artigos de consumo e finalmente chegando aos estudos
acerca dos impactos socioambientais e históricos como desdobramento do projeto;
Proporcionar aos estudantes momentos em que possam conhecer e/ou participar de
feiras de negócios.

Recursos
Materiais didático-pedagógicos a serem utilizados na perspectiva da integração entre as
linguagens.
Obs. Existe uma multiplicidade de possibilidades materiais (materialidades) que podem ser
utilizados de modo a facilitar a implementação das aulas em cada uma das linguagens. Nesse
sentido, dependendo da necessidade gerada a partir dos objetivos propostos pelo professor e
alunos, outros materiais, que não estejam abaixo elencados, podem ser usados:
Música – instrumentos para iniciação musical, sucatas variadas para a criação de instrumentos
a serem utilizados nas atividades de acordo com o interesse dos alunos, softwares para
notação musical e de pesquisa em música;
Artes Visuais – suportes para trabalhos bidimensionais, material para construções
tridimensionais, papeis de variadas gramaturas e tamanhos, pincéis para pintura, tintas e etc.
Dança – tapete linóleo, repertório musical para os estilos de dança, sapatos para a prática da
dança, meias apropriadas, presilhas, elásticos e etc.
Teatro – Fantoches prontos, materiais e tecidos para a fabricação de bonecos ou fantoches,
máscaras, materiais variados para a confecção de figurinos e etc.

Avaliação
Os resultados das avaliações devem ter um caráter contínuo e processual da participação dos
estudantes, levando em consideração seus aspectos socioemocionais e cognitivos, os quais
influenciam na aquisição de conhecimento por meio de posicionamentos críticos e reflexivos,
de produções estético-expressivas, de proposituras para elucidação de problemas e/ou
engajamento nas ações propostas em observância aos impactos ambientais trazidos.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Assim, tais resultados devem ser registrados em relatórios e/ou portfólios conforme
orientações assentes nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e Aproveitamento de Estudo,
disponíveis no item 6, página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica para o Ensino Médio.
O desempenho dos estudantes poderá ser registrado a partir dos níveis alcançados, assim
segue a proposta de uma escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
O processo avaliativo poderá ser alinhado aos pilares da educação contemporânea: saber
sobre, saber fazer, saber ser e conviver.
A avaliação dos estudantes deve ser implementada ao longo do processo de ensino-
aprendizagem, o que exigirá um procedimento que transcenda a aplicação de testes e à
concessão de notas, para tanto é necessário um acompanhamento e monitoramento
contínuos dos registros produzidos, observando-se a primazia dos aspectos qualitativos sobre
os quantitativos, a participação individual, coletiva e/ou colaborativa do estudante, bem como,
a adequação dos produtos criados por esses atores às exigências socioambientais e que
correspondam a valores e atitudes pautados na ética e no direito. No que concerne a
frequência e participação dos estudantes, propõe-se uma autoavaliação que considere a
própria percepção ativa destes atores sociais no processo de ensino/aprendizagem.
Para que o estudante exerça seu protagonismo no processo de ensino/aprendizagem é
essencial mobilizar esforços para orientá-lo à reflexão sobre a natureza do papel que este
deve desempenhar na construção do conhecimento. Reconhecer, portanto, sua forma peculiar
de lidar com a aprendizagem, com as perspectivas geradas no concurso entre o ensaio e o
erro, as habilidades e competências às quais deve alcançar e os meios para consegui-lo. É,
portanto, nesse campo de ação dupla que esse estudante irá perceber suas potencialidades,
dificuldades, atitudes e valores assimilados e/ou competências e habilidades que ainda
precisam ser apreendidas adequadamente. O professor precisa juntamente com os
estudantes analisar, discutir e mostrar as possibilidades de melhorar, e ao longo da unidade
com pequenos estímulos, incentivar essas mudanças.
Nessa perspectiva, serão utilizadas questões a serem assumidas com o máximo de
objetividade. Assim, busca-se registrar tais percursos de aprendizagens, tendo por base os
quatro pilares da educação para o século XXI. Sugere-se, todavia, a elaboração de rubricas
(parâmetros) para o processo avaliativo a partir dos seguintes questionamentos abaixo:

Saber sobre:
Entende e explica a realidade ao utilizar os conhecimentos historicamente construídos
sobre o mundo social e cultural por via de manifestações estético-expressivas?
Analisa criticamente com base em fatos e informações confiáveis os conhecimentos
gerados da compreensão sobre o funcionamento das linguagens artísticas?
Utiliza a linguagem científica e artística para compartilhar informações, experiências e
ideias, produzindo sentidos e entendimentos?
Argumenta, negocia, formula e defende ideias que promovem os direitos humanos,
utilizando fatos e informações confiáveis?

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Reconhece e analisa criticamente preconceitos, estereótipos e relações de poder
presentes nas linguagens da arte?
Reconhece nas relações formais que se estabelecem nas linguagens artísticas a
expressividade de seus elementos fundamentais?
Valoriza as manifestações socioculturais tradicionais do contexto de sua regionalidade?
Reconhece os efeitos da colonialidade nas práticas e percepções articulados na dinâmica
de sua vida social, em particular, das que se referem à arte?
Considera as artes como parte importante do seu projeto de vida?

Saber fazer:
Acessa, analisa e sistematiza dados para a construção de conhecimentos a partir das
regras de funcionamento das linguagens artísticas?
Cria soluções e estratégias individuais, coletivas ou colaborativas para resolver demandas e
problemas de natureza estético-expressiva presentes na realidade em que está inserido?
Realiza experiências estético-expressivas e as vivencia de forma consciente e intencional?
Utiliza com zelo e discernimento os materiais que emprega na execução de uma proposta,
obra ou processo criativo nas linguagens artísticas?
Elabora e executa plano de ação, considerando os problemas identificados no contexto
escolar e do território?

Saber ser e conviver:


Utiliza as linguagens da arte para potencializar o trabalho em equipe - ações coletivas e
colaborativas – apesar da diferença que haja entre personalidades e interesses?
Propõe o exercício da empatia e do diálogo como forma de mediar conflitos, valorizando a
diversidade sujeitos e saberes?
Age com autonomia, consciência crítica e responsabilidade?
Exerce o protagonismo juvenil a partir de uma intervenção social e cultural pautada em
ideias e práticas que problematize noções coloniais, buscando desconstruir os
estereótipos discriminadores presentes nos discursos oficiais e naturalizados pelos
sujeitos em seu cotidiano?
Adota posicionamento contrário a qualquer tipo de injustiça, desrespeito aos direitos
humanos e valores democráticos?
Reconhece suas emoções e as dos outros com autocrítica e sabe lidar com elas?
Age com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação?
Participa ativamente das ações e atividades propostas, incluindo a elaboração de projetos,
execução e planejamento, entre outros?
Com os resultados deste processo auto avaliativo, os atores sociais escolares envolvidos no
processo de ensino e aprendizagem, juntos, podem discutir os rumos e a tomada de decisões
a serem assumidas por cada um destes no sentido de superar as dificuldades encontradas e
com isso, propor melhorias no desempenho obtido.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
AGENDA 2030. Acompanhando o desenvolvimento sustentável até 2030. 2018. Disponível em:
http://www.agenda2030.org.br/acompanhe. Acesso em: 15 agosto 2022.
AMAZONAS. Secretaria de Estado da Educação e Desporto. Proposta Curricular e Pedagógica
do Ensino Médio. Manaus, 2021. Disponível em:
https://drive.google.com/file/d/1epoJkes5tN15g-qdqWGUlgCPIBqpIbl7/view. Acesso em: 15 julho
2022.
ARCE, Carmen; DÁCIO, Gabriela Mavignier. A Dança Criativa e o Potencial Criativo: Dançando,
Criando e Desenvolvendo. Revista Eletrônica Aboré, Escola Superior de Artes e Turismo,
Manaus, Edição março 2007.Disponível
em:http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/2011/educacaofi
sica/artigo/danca_criativa.pdf. Acesso em: 15 julho 2022.
BARBOSA, Ana Mae. Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez Editora,
2018.
BOAS, Benigna Maria de Freitas Villas. Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. São Paulo:
Papirus Editora, 2005.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.
DUARTE JÚNIOR, João Francisco. Por que arte-educação? 6. ed. Campinas: Papirus Editora,
1991.
MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa. Uma pequenina pesquisação para adentrar com
outros olhos nos conteúdos do ensino de arte. In: 16º Encontro Nacional da Associação
Nacional de Pesquisadores de Artes Plásticas Dinâmicas Epistemológicas em Artes Visuais, n.
16, 2007, Florianópolis, p. 1023-1033. Disponível em:
http://anpap.org.br/anais/2007/2007/artigos/104.pdf. Acesso em: 15 agosto 2022.
PILLOTTO, Silvia Sell Duarte; MARTINS, Mirian Celeste (Coord.); PICOSQUE, Gisa (Coord.). O
artista e eu. Instituto Arte na Escola, São Paulo, 2006. Disponível em:
https://artenaescola.org.br/uploads/dvdteca/pdf/arq_pdf_73.pdf. Acesso em: 02 ago. 2021.
QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; MARINHO, Vanildo Mousinho. Práticas para o ensino da música
nas escolas de educação básica. Música na educação básica, Porto Alegre, v.
1,n.1,outubro2009.Disponívelem:http://www.abemeducacaomusical.com.br/revista_musica/ed1
/pdfs/5_praticas_para_o_ensino.pdf. Acesso em: 15 agosto 2022.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade
do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas, CLACSO, Consejo
Latino americano de Ciencias Sociales, Buenos Aires, p. 117-142, 2005. Disponível em:
http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso
em: 28 abril 2022.
SAMPAIO, Núbia Suely Canejo; CARVALHO, Antonia Dalva França. Educação cultura e arte:
conexões rizomáticas na pintura “a dança do boi do Piauí” de Afrânio Pessoa. EPEduc Revista
Epistemologia e Práxis Educativa, Teresina, v. 05, n. 1, p. 1-14, abril2022. Disponível em:
https://periodicos.ufpi.br/index.php/epeduc/article/view/2692. Acesso em: 15 agosto 2022.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Referências

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: Para uma nova cultura política. Belo
Horizonte: Autêntica, 2021.
SOUZA, Márcio. A expressão amazonense: do colonialismo ao neocolonialismo. 2. ed. Manaus:
Editora Valer, 2003.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: LÍNGUAS, CULTURAS AMAZÔNICAS E
MULTILETRAMENTOS
Título da UCA Área do Conhecimento
Linguagens e suas Tecnologias
Amazone-se nos movimentos da
cultura juvenil Componente Curricular
Educação Física
Código da UCA Série
UCALGG 002 2ª

Descrição da Ementa
A Unidade Curricular de Aprofundamento Culturas Juvenis no Contexto Amazônico possibilitará
aos estudantes o reconhecimento de potencialidades das práticas corporais nas comunidades
do extenso Amazonas, propondo ações criativas nas diferentes linguagens que permeiam a
sociedade, reconhecendo-as como ferramenta de acesso para mudança de distintas
realidades. Dessa forma, será possível pensar em projetos de vida por meio do protagonismo
social a partir de novos conceitos que irão surgir nas composições estruturadas das
experimentações vividas.
Nessa perspectiva, busca-se uma relação na construção da identidade e do projeto de vida dos
estudantes por meio dos movimentos corporais que viabilizam uma vida ativa, saudável e
participativa.
Destaca-se que as atividades realizadas nas aulas devem promover aspectos interligados ao
lazer presente na cultura juvenil amazônica, considerando ainda tecnologias utilizadas nas
práticas e no mercado esportivo, ultrapassando dessa forma a mera reprodução de técnicas e
movimentos.
Por esse ângulo, apresentam-se as unidades temáticas que deverão ser desenvolvidas:
Unidade 1 - Lazeres e práticas das culturas juvenis no contexto amazônico
Unidade 2 - Tecnologia no mercado esportivo
Sendo assim, os objetos de conhecimentos se desdobram nas práticas corporais que estão
organizadas a partir de eixos estruturantes, sinalizados de forma mais detalhada nos
procedimentos metodológicos que poderão reunir diferentes vivências e experimentações de
acordo com as unidades temáticas e os objetos de conhecimentos indicados.
Contudo, pondera-se que esta ementa não determina ou limita a atuação do professor, haja
vista que, o mesmo é o responsável em gerenciar o processo de ensino e aprendizagem na
escola a partir de cada realidade, fazendo as adequações necessárias ao seu contexto sempre
que perceber a necessidade.

Objetivo geral
Desenvolver na juventude amazonense a capacidade de investigar, criar, intervir e empreender
a partir da realidade existente, gerando conhecimentos por meio da vivência das práticas
oportunizadas nas distintas linguagens.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Objetivos Específicos
Acessar, selecionar e utilizar as tecnologias para transformar a realidade das práticas
corporais no contexto comunitário;
Compreender a realidade para identificar os lazeres e práticas das culturas juvenis no
contexto amazônico;
Utilizar os conhecimentos e habilidades para criação de soluções inovadoras relacionadas à
vivência das práticas corporais no contexto regional.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 3: Assegurar vidas saudáveis e promover o bem-estar para todos em todas as idades.
Objetivo 4: Assegurar educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades
de aprendizado por toda a vida para todos.
Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e promover a autonomia de todas as mulheres e
meninas.
Objetivo 10: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.
Objetivo 13: Adotar ação urgente para combater a mudança do clima e seus impactos.

Competência(s) Geral(is) da BNCC


4. Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal,
visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e
científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em
diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.
8. Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física e emocional, compreendendo-se na
diversidade humana e reconhecendo suas emoções e as dos outros, com autocrítica e
capacidade para lidar com elas.

Competências Específicas da Área


Competência Específica 1. Compreender o funcionamento das diferentes linguagens e
práticas culturais (artísticas, corporais e verbais) e mobilizar esses conhecimentos na recepção
e produção de discursos nos diferentes campos de atuação social e nas diversas mídias, para
ampliar as formas de participação social, o entendimento e as possibilidades de explicação e
interpretação crítica da realidade e para continuar aprendendo.
Competência Específica 3. Utilizar diferentes linguagens (artísticas, corporais e verbais) para
exercer, com autonomia e colaboração, protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva, de
forma crítica, criativa, ética e solidária, defendendo pontos de vista que respeitem o outro e
promovam os Direitos Humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável, em
âmbito local, regional e global.
Competência Específica 5. Compreender os processos de produção e negociação de
sentidos nas práticas corporais, reconhecendo-as e vivenciando-as como formas de expressão
de valores e identidades, em uma perspectiva democrática e de respeito à diversidade..

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( X ) Empreendedorismo

Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes


Investigação Científica
(EMIFLGG01) Investigar e analisar a organização, o funcionamento e/ou os efeitos de sentido
de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens (imagens estáticas
e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre outras), situando-os no
contexto de um ou mais campos de atuação social e considerando dados e informações
disponíveis em diferentes mídias.
(EMIFLGG02) Levantar e testar hipóteses sobre a organização, o funcionamento e/ou os efeitos
de sentido de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens
(imagens estáticas e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre
outras), situando-os no contexto de um ou mais campos de atuação social e utilizando
procedimentos e linguagens adequados à investigação científica.
(EMIFCG03) Utilizar informações, conhecimentos e ideias resultantes de investigações
científicas para criar ou propor soluções para problemas diversos.

Processos Criativos
(EMIFLGG04) Reconhecer produtos e/ou processos criativos por meio de fruição, vivências e
reflexão crítica sobre obras ou eventos de diferentes práticas artísticas, culturais e/ou
corporais, ampliando o repertório/domínio pessoal sobre o funcionamento e os recursos da(s)
língua(s) ou da(s) linguagem(ns).
(EMIFLGG05) Selecionar e mobilizar intencionalmente, em um ou mais campos de atuação
social, recursos criativos de diferentes línguas e linguagens (imagens estáticas e em
movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre outras), para participar de
projetos e/ou processos criativos.
(EMIFLGG06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais, utilizando as diversas línguas e linguagens (imagens estáticas e em movimento; línguas;
linguagens corporais e do movimento, entre outras), em um ou mais campos de atuação social,
combatendo a estereotipia, o lugar comum e o clichê.

Mediação e Intervenção Sociocultural


(EMIFLGG07) Identificar e explicar questões socioculturais e ambientais passíveis de mediação
e intervenção por meio de práticas de linguagem.
(EMIFLGG09) Propor e testar estratégias de mediação e intervenção sociocultural e ambiental,
selecionando adequadamente elementos das diferentes linguagens.

Empreendedorismo
(EMIFLGG10) Avaliar como oportunidades, conhecimentos e recursos relacionados às várias
linguagens podem ser utilizados na concretização de projetos pessoais ou produtivos,
considerando as diversas tecnologias disponíveis e os impactos socioambientais.
(EMIFLGG11) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das práticas
de linguagem para desenvolver um projeto pessoal ou um empreendimento produtivo.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

(EMIFLGG11) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das práticas


de linguagem para desenvolver um projeto pessoal ou um empreendimento produtivo.
(EMIFLGG12) Desenvolver projetos pessoais ou produtivos, utilizando as práticas de linguagens
socialmente relevantes, em diferentes campos de atuação, para formular propostas concretas,
articuladas com o projeto de vida.

UNIDADE TEMÁTICA 1: Lazeres e práticas das Culturas juvenis no contexto


amazônico
Objetos do Conhecimento:
Cultura midiática, cultura letrada (escolar) ou cultura local;
Práticas corporais: interesse da juventude amazonense;
Juventude amazonense: trabalho, lazer, saúde e educação;
Culturas e tradições dos jovens amazonenses;
Práticas corporais em redes sociais;
Jovens: ideias e estilos de vida presente no contexto comunitário;
Práticas corporais de aventura: vivências e expansão do turismo local;
A cinematografia e as Práticas Corporais;
O jovem da região amazônica: suas realidades complexas, contraditórias e desiguais;
Práticas Corporais dos jovens amazonenses: ribeirinho, do campo, indígena, povos,
comunidades tradicionais, rural, quilombola, etc;
Práticas corporais e as políticas públicas: dimensões simbólicas, valorativas, normativas e
organizativas.

UNIDADE TEMÁTICA 2: Tecnologia no mercado esportivo

Objetos do Conhecimento:
Marketing esportivo no país e no mundo;
Estrutura tecnológica dos estádios brasileiros;
Tecnologias e a melhoria no desempenho de atletas - sensores em uniformes para
avaliação do mapa de calor da posição dos atletas em campo, condicionamento físico,
batimentos cardíacos e distância em tempo real-;
Robótica nas práticas esportivas;
Tecnologias empregadas em roupas, uniformes, tênis, materiais e equipamentos para a
prática de atividade física;
Performance de atletas: aplicativos disponíveis;
Biomecânica do movimento humano;
Tecnologias e as práticas corporais: diferentes mídias informativas para organização de
atividades;
Patrocinadores de práticas esportivas: local, regional, nacional e/ou global;
Impactos das tecnologias nas práticas corporais;
Práticas corporais na comunidade local: possibilidades mercadológicas.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Investigação Científica
Discutir com os estudantes acerca da cultura midiática, cultura letrada (escolar) ou cultura
local buscando identificar seus interesses;
Pesquisar acerca do cotidiano das juventudes no contexto local observando questões
voltadas ao trabalho, família, educação, lazer e suas principais atividades e manifestações;
Realizar pesquisas que explorem as diferentes faixas etárias da juventude e seus
interesses;
Realizar pesquisas de campo por meio do google forms e/ou questionários impressos
relacionados a multiplicidade de população presente na região e na comunidade local, tal
como, suas culturas e tradições;
Organizar os dados coletados na pesquisa (bibliográfica, exploratória, de campo,
experimental etc.) e produzir gráficos para apresentação das informações a comunidade
escolar;
Organizar debates presencial ou em redes sociais para discutir e argumentar as
informações coletadas, buscando apresentar conclusões com o uso de diferentes mídias;
Investigar e discutir por meio de debates, pesquisas e/ou conversas o interesse dos
estudantes relacionados à princípios e categorias que se identificam (globais ou locais), as
ideias que cultivam (eruditos ou populares) e os estilos de vida da família e dos jovens
(moderno ou tradicional);
Pesquisar e discutir situações de inclusão e exclusão dos jovens identificando seus
interesses relacionados aos consumos de práticas culturais e de lazer;
Realizar estudos acerca do marketing esportivo no país e no mundo;
Analisar por meio de pesquisas a estrutura tecnológica dos estádios brasileiros;
Pesquisar e debater criticamente por meio de seminários sobre as tecnologias que
analisam dados para melhorar de desempenho de atletas -sensores em uniformes para
avaliação do mapa de calor da posição dos atletas em campo, condicionamento físico,
batimentos cardíacos e distância em tempo real-;
Propor pesquisas acerca da análise de desempenho por meio de software - captação de
informação e quantificação de dados- discutindo criticamente;
Analisar por meio de pesquisas e debater acerca do emprego da robótica em práticas
esportivas;
Compreender, por meio de pesquisas e posteriormente debates e práticas, os impactos
das intervenções tecnológicas nos esportes, parâmetros físicos - vetor, força e aceleração-,
processos biológicos - pulsação e volume de oxigênio máximo-, estados mentais -
preparação ou despreparação psicológica-;

Processos Criativos
Organizar produções culturais valorizando as da região e/ou local, envolvendo situações
voltadas às mídias, marketing e publicidade;
Organizar grupos de interesses para criação de projetos voltados a exploração das belezas
naturais organizando estratégias para expansão do turismo local;
Organizar grupos para criação de projetos voltados aos interesses comuns dos estudantes
(atividades físicas, lazer, cultura, etc.);

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Realizar eventos de diferentes práticas artísticas, culturais e/ou corporais por meio da
criação de arquiteturas que considerem o uso das diferentes mídias para organização das
atividades propostas;
Possibilitar práticas que deem acesso à produções cinematográficas;
Propor produção de pequenos vídeos considerando a interculturalidade presente nas
práticas corporais no contexto amazônico;
Propor a criação de paródias, coreografias, mascotes, etc. considerando a
interculturalidade presente na Amazônia;
Propor e testar soluções criativas e inovadoras para problemas reais encontrados na
comunidade local;
Desenvolver projetos que considerem a dinâmica voltada ao trabalho na região
(exploração do turismo por meio das práticas corporais);
Criar blogs para organizar informações relacionadas ao jovem da região amazônica, suas
realidades complexas, contraditórias e desiguais;
Propor a criação de jornal escolar para abordar sobre as juventudes no contexto escolar
local;
Realizar pesquisas que possibilitem a análise de uniformes adequados para as diferentes
práticas esportivas, considerando o formato do corpo e a modalidade, propondo se
possíveis novas possibilidades;
Identificar por meio de pesquisas softwares que desenvolvam tênis e roupas sob medida,
buscando analisar criticamente cada situação apresentada;
Propor a adaptação de vestimentas de acordo com os estudos feitos;
Realizar pesquisas e discutir acerca das tecnologias empregadas em materiais esportivos;
Pesquisar e organizar workshops para tratar acerca da utilidade das vestimentas de
acompanhamentos nas modalidades esportivas - tops, coletes, cintas, entre outros-;
Utilizar aplicativos que melhorem a performance de atletas;
Pesquisar aplicativos de cinemetria que meçam a biomecânica do movimento humano;
Pesquisar aplicativos que analisem a postura e o desempenho físico;
Analisar por meio de pesquisas dados estatísticos utilizados nos sistemas que avaliam a
arbitragem nos jogos, tais como, passes errados, pontos, entre outras situações que
permitem partidas mais justas;
Usar diferentes mídias informativas para organizar atividades esportivas em grupos-
corridas, futebol, ciclismo, práticas de aventura, entre outras-;
Identificar possíveis patrocinadores em nível local, regional, nacional e/ou global buscando
diálogos;
Elaborar “Logomarcas” que caracterizem o grupo e a prática esportiva;

Mediação e Intervenção Sociocultural


Discutir acerca das igualdades e diferenças dos diferentes jovens na atualidade (ribeirinho,
do campo, indígena, povos, comunidades tradicionais, rural, quilombola, etc.);
Propor atividades utilizando diferentes plataformas digitais para abordar acerca da
interculturalidade ou hibridação cultural vivida no Amazonas;
Organizar oficinas para debater acerca das políticas públicas e suas dimensões simbólicas,
valorativas, normativas e organizativas envolvendo a juventude do Amazonas;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Identificar possíveis parcerias com instituições e/ou organizações públicas e/ou privadas
para prática de atividades e/ou expansão das mesmas na comunidade escolar e/ou local;
Analisar e propor debates acerca dos sistemas que dão assistência e avaliam a arbitragem
nos diversos esportes - tênis, futebol, rugby, baseball, entre outros-;
Criar blogs e/ou páginas na internet para divulgação e incentivo a prática esportiva de
forma segura;
Identificar e debater criticamente os impactos das tecnologias no esporte;
Analisar as novas tecnologias esportivas, criando um espaço de discussão em diferentes
plataformas;

Empreendedorismo
Identificar e discutir acerca das empresas amazonenses que atuam no formato startup
valorizando ideias inovadoras para propor novas: cultura, diversidade, capital, acesso ao
mercado, talentos, etc.;
Criar condições para que os estudantes desenvolvam startups (apoio tecnológico,
coaching, mentorias, etc.) relacionados à problemas sociais envolvendo as práticas
corporais da comunidade local;
Propor a elaboração de projetos a partir de grupos de interesse dos estudantes para
trabalhar questões voltadas aos startups propostos pelos mesmos;
Propor a elaboração de rotas de acesso para que os jovens tenham oportunidades ao
mercado de trabalho a partir de suas próprias criações e estratégias;
Realizar leituras de editais relacionados ao Programa Nacional de Apoio à Geração de
Empreendimentos Inovadores da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do
Amazonas identificando as situações que estimulam a criação de empreendimentos
inovadores no Amazonas;
Identificar, por meio de pesquisas de campo, as possibilidades mercadológicas envolvendo
esporte na comunidade;
Elaborar projetos a partir das possibilidades encontradas;
Buscar e elaborar estratégias para efetivar o projeto na comunidade;
Praticar projetos na comunidade local e/ou regional;
Identificar o interesse comunitário relacionado aos diferentes esportes enquanto
espectadores;
Elaborar propostas e/ou projetos que atendam ao público espectador;
Formular propostas que faça uso de tecnologias por meio de recursos disponíveis;
Utilizar a tecnologia criada para prática de atividade física na comunidade.

Recursos
Livros didáticos, Aplicativos gratuitos, podcast, filmes, aparelho de som, caixa amplificada, bolas
para as modalidades esportivas a serem trabalhadas, bomba de encher bola, apitos, bambolê,
corda para pular, cones, peteca, rede badminton, raquete badminton, rede tênis de mesa com
suporte, raquete tênis de mesa, mesa de pebolin, mesa de tênis de mesa, colchonete, steeper,
halteres, escada de agilidade, bola de medicine ball, bola suíça, Jump Box Caixa de Salto, Pisos
Emborrachados e Colchonetes, Cordas Navais e de Pular, faixas elásticas, meia bola de
equilíbrio, cones, mini cama elástica, dentre outros.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registradas em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

A autoavaliação se dará ao longo do processo considerando a frequência e a participação dos


estudantes.
Para tornar o estudante o protagonista do seu aprendizado é essencial orientar a reflexão e
conscientização dos mesmos sobre a construção do próprio processo de aprendizagem, sua
forma pessoal de aprender, quais as habilidades e competências a serem alcançadas e os
meios para o seu desenvolvimento. É dessa forma, que esse estudante irá analisar seus pontos
fortes, suas dificuldades, atitudes que dificultam a sua aprendizagem, e o que pode fazer para
ampliar o seu conhecimento. O professor precisa juntamente com os estudantes analisar,
discutir e mostrar as possibilidades de melhorar, e ao longo da unidade com pequenos
estímulos, incentivar essas mudanças.
Nessa perspectiva serão utilizadas questões, que podem ser divididas buscando o máximo de
objetividade. Com base nisso, e buscando registrar nas escalas mencionadas acima propõem-
se a elaboração de rubricas para o processo avaliativo a partir dos seguintes questionamentos
abaixo:

Saber sobre:
Entende e explica a realidade utilizando os conhecimentos historicamente construídos
sobre o mundo social e cultural expresso nas práticas corporais?
Analisa criticamente com base em fatos e informações confiáveis os conhecimentos
referentes às práticas corporais?
Utiliza a linguagem científica para compartilhar informações, experiências e ideias
produzindo sentidos e entendimento?
Argumenta, negocia, fórmula e defende ideias que promovam os direitos humanos
utilizando fatos e informações confiáveis?
Reconhece e analisa criticamente preconceitos, estereótipos e relações de poder
presentes nas práticas corporais?
Conhece as práticas corporais seus elementos constitutivos, lógica interna, origens e
transformações históricas?
Reconhece os impactos da ausência de atividade física para a saúde física, mental e social?
Valoriza as práticas corporais populares presentes no contexto comunitário e regional?
Considera as práticas corporais como parte importante do seu projeto de vida?

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Saber fazer:
Cria soluções e estratégias para resolver demandas e problemas expressos nas práticas
corporais e na realidade em que está inserido?
Utiliza a linguagem corporal para se expressar e compartilhar informações?
Utiliza movimentos corporais de forma consciente e intencional?
Amplia suas possibilidades de acesso às práticas corporais no contexto escolar e
comunitário?
Vivencia as práticas corporais como forma de autocuidado com o corpo e a saúde,
autoconhecimento, e socialização?
Elabora e executa plano de ação considerando as questões identificadas no contexto
escolar e comunitário?

Saber ser e conviver:


Busca novos conhecimentos para continuar aprendendo?
Propõe e conclui suas atividades e projetos?
Colabora com atitude cidadã, para uma sociedade justa, democrática e inclusiva?
Reconhece e valoriza a diversidade de saberes e vivências culturais existentes nas práticas
corporais?
Age com autonomia, consciência crítica e responsabilidade?
Interage socialmente nas práticas corporais?
Estabelece relações construtivas com empatia, ética e respeito à diversidade?
Adota posicionamento contrário a qualquer tipo de injustiça, desrespeito aos direitos
humanos e valores democráticos?
Reconhece suas emoções e as dos outros com autocrítica e sabe lidar com elas?
Reconhece o próprio ritmo de desenvolvimento, comparando o antes e depois no
processo de aprendizagem?
Reconhece o diálogo como forma democrática para a resolução de conflitos?
Acolhe a diversidade de pessoas e grupos, seus saberes, identidades, culturas e
potencialidades?
Compreende-se na diversidade humana?
Aprecia cuidar da saúde física e emocional?
Age com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação?
Utiliza princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários em suas ações?
Apresenta atitudes e comportamentos de cooperação, engajamento e trabalho em equipe
durante a realização das práticas corporais?
Participa ativamente das ações e atividades propostas, incluindo a elaboração de projetos,
execução e planejamento, entre outros?

Ao final das autoavaliações é imprescindível, que o professor direcione o estudante para traçar
ações que façam com que ele melhore as dimensões com resultados ainda insatisfatórios,
para assim, alcançar o desenvolvimento pleno das habilidades e competências previstas.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
ALMEIDA, M. A. B. ; GUTIERREZ, G. L. Esporte e sociedade. EFDeportes.com, Revista Digital.
Buenos Aires, n. 133, p. 1-8, 2009.
ASSIS, S. Reinventando o esporte: possibilidades da prática pedagógica. Campinas, SP: Autores
Associados, Chancela Editorial CBCE,2001
BASSANI, J. J.; TORRI, D.; VAZ, A. F. Sobre a presença do esporte na escola: paradoxos e
ambiguidades. Movimentos, Porto Alegre, 2003.
BECKER JR, B. Manual de Psicologia do Esporte e do Exercício. Porto Alegre: Nova Prova, 1ª
edição. 2000.
BLÁZQUEZ SÁNCHEZ, D. A modo de introducción. In: D. Blázquez Sánchez (Org.) La iniciación
deportiva y el deporte escolar, p. 19-45. 4ª edição. Barcelona, Espanha: INDE Publicaciones.
1999.
BRACHT, V. Sociologia critica do esporte: uma introdução; 3ª ed. Ijuí-RS, 2005.
DARIDO, Suraya Cristina et al. Práticas corporais : educação física : 6o a 9o anos: manual do
professor / Suraya Cristina Darido....[et al.]. – 1. ed. – São Paulo : Moderna, 2018.
MORENO, R, M.;MACHADO, A. A. Re-significando o esporte na educação física escolar: uma
perspectiva crítica. Movimento & Percepção, Espírito Santo de Pinhal, SP, 2006

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO 2º semestre 2023

TEMÁTICA DA TRILHA: LÍNGUAS, CULTURAS AMAZÔNICAS E


MULTILETRAMENTOS
Título da UCA Área do Conhecimento
Linguagens e suas Tecnologias
Se liga: Movimentando para não
escangalhar Componente Curricular
Educação Física
Código da UCA Série
UCALGG 003 2ª

Descrição da Ementa
A Unidade Curricular de Aprofundamento Práticas Corporais e Saúde no Contexto
Amazonense possui foco nas práticas esportivas e na realização de vivências envolvendo o
corpo, a saúde e a sociedade. Deve possibilitar experimentações vinculadas ao esporte, bem
como as demais práticas corporais de interesse dos estudantes. Nessa perspectiva, busca-se
uma relação na construção da identidade e do projeto de vida dos estudantes por meio dos
movimentos corporais que viabilizam uma vida ativa.
Por esse ângulo, apresentam-se as unidades temáticas que deverão ser desenvolvidas:
Unidade 1 - Práticas corporais esportivas
Unidade 2 - Saúde, Corpo e Sociedade
Pondera-se que esta ementa não determina ou limita a atuação do professor, haja vista que o
docente é o responsável em gerenciar o processo de ensino e aprendizagem na escola a partir
de cada realidade, fazendo as adequações necessárias ao seu contexto sempre que perceber a
necessidade.

Objetivo geral
Reconhecer as diferentes manifestações vinculadas às práticas corporais por meio de vivências
e experimentações que ampliem a visão de mundo, criticidade e criatividade.

Objetivos Específicos
Identificar as práticas corporais de maior interesse dos estudantes;
Possibilitar experimentações práticas com e sem o apoio de tecnologias digitais;
Modificar e adaptar ideias para a criação de propostas criativas e inovadoras por meio das
práticas corporais.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 3: Assegurar vidas saudáveis e promover o bem-estar para todos em todas as idades.
Objetivo 4: Assegurar educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades
de aprendizado por toda a vida para todos.
Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e promover a autonomia de todas as mulheres e
meninas.
Objetivo 10: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.
Objetivo 13: Adotar ação urgente para combater a mudança do clima e seus impactos.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Geral(is) da BNCC
4. Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal,
visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e
científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em
diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.
8. Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física e emocional, compreendendo-se na
diversidade humana e reconhecendo suas emoções e as dos outros, com autocrítica e
capacidade para lidar com elas.

Competências Específicas da Área


Competência Específica 1. Compreender o funcionamento das diferentes linguagens e
práticas culturais (artísticas, corporais e verbais) e mobilizar esses conhecimentos na recepção
e produção de discursos nos diferentes campos de atuação social e nas diversas mídias, para
ampliar as formas de participação social, o entendimento e as possibilidades de explicação e
interpretação crítica da realidade e para continuar aprendendo.
Competência Específica 3. Utilizar diferentes linguagens (artísticas, corporais e verbais) para
exercer, com autonomia e colaboração, protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva, de
forma crítica, criativa, ética e solidária, defendendo pontos de vista que respeitem o outro e
promovam os Direitos Humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável, em
âmbito local, regional e global.
Competência Específica 5. Compreender os processos de produção e negociação de
sentidos nas práticas corporais, reconhecendo-as e vivenciando-as como formas de expressão
de valores e identidades, em uma perspectiva democrática e de respeito à diversidade..

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( X ) Empreendedorismo

Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

Investigação Científica
(EMIFLGG01) Investigar e analisar a organização, o funcionamento e/ou os efeitos de sentido
de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens (imagens estáticas
e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre outras), situando-os no
contexto de um ou mais campos de atuação social e considerando dados e informações
disponíveis em diferentes mídias.
(EMIFLGG02) Levantar e testar hipóteses sobre a organização, o funcionamento e/ou os efeitos
de sentido de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens
(imagens estáticas e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre
outras), situando-os no contexto de um ou mais campos de atuação social e utilizando
procedimentos e linguagens adequados à investigação científica.
(EMIFCG03) Utilizar informações, conhecimentos e ideias resultantes de investigações
científicas para criar ou propor soluções para problemas diversos.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( X ) Empreendedorismo

Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes


Processos Criativos
(EMIFLGG04) Reconhecer produtos e/ou processos criativos por meio de fruição, vivências e
reflexão crítica sobre obras ou eventos de diferentes práticas artísticas, culturais e/ou
corporais, ampliando o repertório/domínio pessoal sobre o funcionamento e os recursos da(s)
língua(s) ou da(s) linguagem(ns).
(EMIFLGG05) Selecionar e mobilizar intencionalmente, em um ou mais campos de atuação
social, recursos criativos de diferentes línguas e linguagens (imagens estáticas e em
movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre outras), para participar de
projetos e/ou processos criativos.

Mediação e Intervenção Sociocultural


(EMIFLGG07) Identificar e explicar questões socioculturais e ambientais passíveis de mediação
e intervenção por meio de práticas de linguagem.
(EMIFCG08) Compreender e considerar a situação, a opinião e o sentimento do outro, agindo
com empatia, flexibilidade e resiliência para promover o diálogo, a colaboração, a mediação e
resolução de conflitos, o combate ao preconceito e a valorização da diversidade.
(EMIFLGG09) Propor e testar estratégias de mediação e intervenção sociocultural e ambiental,
selecionando adequadamente elementos das diferentes linguagens.

Empreendedorismo
(EMIFLGG11) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das práticas
de linguagem para desenvolver um projeto pessoal ou um empreendimento produtivo.
(EMIFCG12) Refletir continuamente sobre seu próprio desenvolvimento e sobre seus objetivos
presentes e futuros, identificando aspirações e oportunidades, inclusive relacionadas ao
mundo do trabalho, que orientem escolhas, esforços e ações em relação à sua vida pessoal,
profissional e cidadã.

UNIDADE TEMÁTICA 1: Práticas Corporais Esportivas


Objetos do Conhecimento:
Evolução fisiológica natural;
Anatomia e Fisiologia humana;
Modificações e Limitações Corporais;
Os problemas de saúde associados ao sedentarismo;
Esportes: mudanças históricas e sociais.
Esportes na comunidade escolar e local;
Tecnologia no Esporte;
Esportes: Melhoria das capacidades físicas e habilidades motoras;
Os esportes do Brasil e do mundo;
Esportes e as profissões envolvidas;
Possibilidades mercadológicas do contexto esportivo.
Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas
UNIDADE TEMÁTICA 2: Saúde, Corpo e Sociedade
Objetos do Conhecimento:
Manifestações socioculturais relacionadas ao corpo e seus estereótipos;
A saúde da população brasileira e regional;
Atividades físicas vivenciadas por diferentes grupos sociais;
Saúde, corpo e sociedade;
O cuidado com corpo e o respeito às diferenças;
Alimentação saudável e a prática de exercícios físicos;
Rotinas e hábitos de higiene;
Bullying e o respeito entre as juventudes;
Práticas corporais: lazer, saúde e entretenimento;
Práticas corporais e o meio ambiente;
Tecnologias aplicadas para melhoria do rendimento nas práticas corporais.

Orientações Metodológicas
Investigação Científica
Anunciar a proposta aos estudantes, possibilitando que se expressem com relação as suas
expectativas de aprendizagens e aos conteúdos sugeridos de forma coletiva e individual;
Pesquisar as modificações e limitações corporais decorrentes da evolução fisiológica
natural;
Pesquisar as diferentes formas (volume e geometria) e funções dos órgãos e músculos e a
atuação deles durante a prática de atividade física;
Pesquisar sobre aspectos relacionados à anatomia e à fisiologia humana;
Identificar os músculos mais utilizados nos diferentes tipos de esporte e exercícios físicos;
Realizar atividades práticas relacionadas à anatomia e à fisiologia no laboratório de ciências
da escola;
Desenhar e/ou criar mecanismos a partir de materiais recicláveis relacionados ao corpo
humano, aos órgãos e aos sistemas, destacando suas funções na prática;
Organizar gincanas envolvendo atividades esportivas associadas a temas como prevenção
de doenças, alimentação saudável e atividades físicas regulares;
Realizar pesquisas de campo e analisar as manifestações do esporte na comunidade local:
esporte-educação,esporte-participação e esporte de rendimento;
Realizar pesquisas na comunidade local acerca dos problemas de saúde relacionados ao
sedentarismo;
Apresentar os dados obtidos à comunidade escolar;
Mapear espaços na comunidade para a prática de atividades esportivas;
Analisar e debater via plataformas digitais acerca das diversas manifestações socioculturais
relacionadas ao corpo e seus estereótipos;
Identificar por meio de pesquisa de campo práticas de atividades físicas vivenciadas por
diferentes grupos sociais;
Elaborar cartazes, folders e/ou informativos em mídias, de maneira criativa, indicando
questões relevantes pelo qual devemos praticar atividade física;
Realizar atividades físicas que enfatizem o cuidado com corpo, a valorização e o respeito às
diferenças existentes na sociedade;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Realizar atividades relacionadas à alimentação saudável e à prática de exercícios físicos;
Realizar pesquisa com base em dados, fatos e evidências acerca da associação do
sedentarismo x doenças;
Identificar por meio de pesquisas rotinas e hábitos de higiene associados à presença e/ou
ausência de doenças na sociedade;
Analisar e debater em roda de conversa a importância da atividade física e da alimentação
saudável para a qualidade de vida;
Praticar atividades físicas adaptadas, considerando a inclusão e o respeito às pessoas com
deficiência;
Promover, por meio da atividade, física exercícios que abordem a aceitação do próprio
corpo, enfatizando o respeito entre as juventudes e o combate as questões relacionadas
ao bullying;

Processos Criativos
Discutir com os estudantes, por meio de roda de conversa, a criação de estratégias que
solucionem temáticas problematizadoras nos esportes na comunidade escolar e/ou local;
Identificar, por meio de pesquisas, e debater em redes sociais as mudanças nos esportes
adaptados e a importância da inclusão para a socialização das pessoas com deficiência;
Adaptar atividades esportivas para públicos diversos;
Vivenciar os esportes paralímpicos;
Propor a criação e prática de um circuito ecológico, com diferentes obstáculos propondo
temáticas para o evento relacionado à reutilização de materiais recicláveis e a importância
da coleta seletiva;
Identificar as práticas esportivas que mais se adequam ao interesse dos estudantes e
propor pesquisas para organização de feiras e/ou gincanas;
Adequar espaços e materiais para a prática esportiva de acordo com o interesse de grupos
de estudantes;
Elaborar juntamente com os estudantes uma proposta criativa para vivência do esporte na
comunidade escolar ou local;
Elaborar ou usar aplicativos existentes que auxiliem na prática esportiva;
Propor atividades, jogos e/ou brincadeiras relacionadas às dimensões e às classificações
dos esportes de acordo com as organizações internas, valorizando o corpo na sua
totalidade;
Propor sugestões e criação de novos jogos pré desportivos para o alcance de técnicas e
táticas de modalidades esportivas;
Debater por meio de conversas e/ou redes sociais a diferença dos esportes apresentados
na mídia e os vivenciados no contexto escolar;
Identificar por meio de vídeos e práticas na escola a existência ou ausência de “Fair Play”
nos diferentes esportes;
Propor práticas desportivas por meio de projetos com foco na ampliação de
oportunidades e acesso a novas práticas;
Identificar, por meio de pesquisa de campo, espaços de lazer presentes na comunidade;
Propor novas práticas a partir do levantamento de dados relacionados ao interesse
comunitário;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Propor atividades que explorem espaços no entorno da escola;
Solicitar aos estudantes a investigação das práticas desportivas mais praticadas na
comunidade local e suas relações com o lazer, a saúde, o entretenimento, o treinamento
entre outros;
Solicitar que façam a distribuição e relação das temáticas acima de acordo com as práticas
corporais de interesse dos estudantes e propor um debate acerca dos temas;
Reciclar materiais e confeccionar equipamentos para praticar atividades, a fim de trabalhar
a consciência ambiental de forma interativa entre os estudantes;

Mediação e Intervenção Sociocultural


Discutir, por meio de plataformas (google classroom, meet, drive, entre outros), sobre os
impactos dos esportes para a sociedade, reconhecendo as mudanças históricas e sociais;
Debater, por meio de rodas de conversa, sobre as polêmicas envolvendo os esportes
como: o uso de drogas ilícitas para melhora da performance, violência, corrupção no meio
esportivo, o risco dos esteroides anabolizantes para a saúde, entre outros;
Analisar criticamente e debater em rodas de conversa acerca do predomínio do sexo
masculino no mundo dos esportes, fazendo um comparativo com o esporte e o universo
feminino;
Visitar espaços acadêmicos para conhecimento de laboratórios de anatomia;
Propor soluções para a prática esportiva considerando a inclusão social, possibilitando a
vivência de atividades que colaborem com a interação e o respeito às individualidades;
Identificar, por meio de pesquisa de campo, os esportes mais praticados na região
amazônica;
Propor projetos, a partir do interesse dos estudantes, que trabalhe os esportes
identificados considerando a melhoria das capacidades físicas e habilidades motoras no
ambiente escolar;
Propor atividades para avaliação de desempenho individual e coletivo com ou sem uso de
tecnologias;
Propor a elaboração de projetos que possam contribuir para o protagonismo juvenil tendo
em vista a construção do projeto de vida de cada estudante no que diz respeito a hábitos
saudáveis e a qualidade de vida;
Propor a criação de novas regras para esportes e jogos considerando as necessidades e o
contexto local, reconhecendo e executando formas de expressões tradicionais do nosso
povo e de outros povos;
Propor situações de competições organizadas pelos próprios estudantes valorizando o
protagonismo nas diversas funções;
Identificar e (re) construir espaços poluídos e depredados na comunidade para a vivência
de práticas corporais;
Propor a realização de eventos que visem a preservação do meio ambiente e o incentivo a
atividade física em espaços recuperados;
Propor aos estudantes a leitura individual ou coletiva de textos ou artigos que abordam
uma reflexão e discussões acerca da importância das práticas corporais para a qualidade
de vida;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Investigar sobre quais práticas a mídia, as redes sociais e a publicidade de forma geral
fazem circular na região, traçar um comparativo com país e o mundo, identificando os
aspectos que interferem e contribuem para o entendimento das pessoas acerca da saúde,
qualidade de vida, entre outros;
Propor projetos na comunidade relacionados a práticas corporais diversas;
Identificar e orientar, por meio de blogs ou páginas sociais, sobre ações no cuidado com a
saúde da população brasileira e regional, podendo fazer uso de diferentes mídias e/ou
aplicativos;

Empreendedorismo
Discutir por meio de diferentes redes sociais questões relacionadas às mudanças dos
esportes nas formas produtivas e as profissões que surgiram nas últimas décadas a partir
das modalidades esportivas;
Debater criticamente por meio de seminários acerca do mercado de compra e venda de
atletas de alto nível no mundo e no Brasil, a partir da observação de negociações e
transações feitas pelas entidades responsáveis;
Propor a organização de debate em redes sociais interativas para discutir sobre as
observações feitas acerca do mercado de compra e venda de atletas de alto nível no Brasil
e no mundo;
Conhecer rotina de atletas: principais hábitos, rotina de treino, alimentação, entre outros,
debater em rodas de conversa acerca dessa rotina;
Identificar possibilidades mercadológicas do contexto esportivo no mundo e na
comunidade local por meio de pesquisas de campo e/ou em diferentes fontes;
Analisar e debater sobre fontes de renda a partir do cenário estudado - leituras de jornais,
revistas, artigos entre outros-;
Contextualizar por meio de debates questões voltadas à qualidade de vida a partir das
percepções e realidade dos estudantes;
Discutir e praticar aspectos históricos e contemporâneos dos esportes;
Visitar os espaços esportivos e reconhecer ícones do esporte no contexto comunitário
e/ou regional;
Praticar esportes com foco na promoção do lazer, da saúde e da qualidade de vida;
Praticar esportes com foco no Treinamento e Competição;
Desenvolver projetos individuais e/ou coletivos, para melhoria da saúde comunitária;
Elaborar blogs e/ou sites com conteúdos relacionados à importância da prática de
atividade física, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, hábitos e sugestões de
alimentações saudáveis, dentre outros;
Propor a elaboração de filmagens, fotos ou desenhos que ilustram a realidade local;
Criar conteúdos, textos, imagens, vídeos que expressam a ideia individual e/ou coletiva de
soluções para os problemas encontrados na comunidade;
Identificar equipamentos e trajes adequados para a prática da atividade física, verificando
as tecnologias aplicadas para melhoria do rendimento;
Propor a criação de novos trajes e/ou equipamentos para a prática de atividade física com
a finalidade de melhorar o rendimento;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Buscar parcerias com outras entidades públicas para trabalhar a importância do
acompanhamento médico na prevenção de doenças relacionadas ao sexo masculino e
feminino - ciclo menstrual, doenças relacionadas aos aparelhos de reprodução, DSTs,
gravidez precoce, entre outros-;

Recursos
Livros didáticos, Aplicativos gratuitos, podcast, filmes, aparelho de som, caixa amplificada, bolas
para as modalidades esportivas a serem trabalhadas, bomba de encher bola, apitos, bambolê,
corda para pular, cones, peteca, rede badminton, raquete badminton, rede tênis de mesa com
suporte, raquete tênis de mesa, mesa de pebolin, mesa de tênis de mesa, colchonete, steeper,
halteres, escada de agilidade, bola de medicine ball, bola suíça, Jump Box Caixa de Salto, Pisos
Emborrachados e Colchonetes, Cordas Navais e de Pular, faixas elásticas, meia bola de
equilíbrio, cones, mini cama elástica, dentre outros.

Avaliação
Assim, tais resultados devem ser registrados em relatórios e/ou portfólios conforme
orientações assentes nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e Aproveitamento de Estudo,
disponíveis no item 6, página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica para o Ensino Médio.
O desempenho dos estudantes poderá ser registrado a partir dos níveis alcançados, assim
segue a proposta de uma escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
A autoavaliação se dará ao longo do processo considerando a frequência e a participação
dos estudantes.
Para tornar o estudante o protagonista do seu aprendizado é essencial orientar a reflexão
e conscientização dos mesmos sobre a construção do próprio processo de aprendizagem,
sua forma pessoal de aprender, quais as habilidades e competências a serem alcançadas e
os meios para o seu desenvolvimento. É dessa forma, que esse estudante irá analisar seus
pontos fortes, suas dificuldades, atitudes que dificultam a sua aprendizagem, e o que pode
fazer para ampliar o seu conhecimento. O professor precisa juntamente com os
estudantes analisar, discutir e mostrar as possibilidades de melhorar, e ao longo da
unidade com pequenos estímulos, incentivar essas mudanças.
Nessa perspectiva serão utilizadas questões, que podem ser divididas buscando o máximo
de objetividade. Com base nisso, e buscando registrar nas escalas mencionadas acima
propõem-se a elaboração de rubricas para o processo avaliativo a partir dos seguintes
questionamentos abaixo:

Saber sobre:
Entende e explica a realidade utilizando os conhecimentos historicamente construídos
sobre o mundo social e cultural expresso nas práticas corporais?

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Analisa criticamente com base em fatos e informações confiáveis os conhecimentos
referentes às práticas corporais?
Utiliza a linguagem científica para compartilhar informações, experiências e ideias
produzindo sentidos e entendimento?
Argumenta, negocia, fórmula e defende ideias que promovam os direitos humanos
utilizando fatos e informações confiáveis?
Reconhece e analisa criticamente preconceitos, estereótipos e relações de poder
presentes nas práticas corporais?
Conhece as práticas corporais seus elementos constitutivos, lógica interna, origens e
transformações históricas?
Reconhece os impactos da ausência de atividade física para a saúde física, mental e social?
Valoriza as práticas corporais populares presentes no contexto comunitário e regional?
Considera as práticas corporais como parte importante do seu projeto de vida?

Saber fazer:
Cria soluções e estratégias para resolver demandas e problemas expressos nas práticas
corporais e na realidade em que está inserido?
Utiliza a linguagem corporal para se expressar e compartilhar informações?
Utiliza movimentos corporais de forma consciente e intencional
Amplia suas possibilidades de acesso às práticas corporais no contexto escolar e
comunitário.
Vivencia as práticas corporais como forma de autocuidado com o corpo e a saúde,
autoconhecimento, e socialização?
Elabora e executa plano de ação considerando as questões identificadas no contexto
escolar e comunitário?

Saber ser e conviver:


Busca novos conhecimentos para continuar aprendendo?
Propõe e conclui suas atividades e projetos?
Colabora com atitude cidadã, para uma sociedade justa, democrática e inclusiva?
Reconhece e valoriza a diversidade de saberes e vivências culturais existentes nas práticas
corporais?
Age com autonomia, consciência crítica e responsabilidade?
Interage socialmente nas práticas corporais?
Estabelece relações construtivas com empatia, ética e respeito à diversidade?
Adota posicionamento contrário a qualquer tipo de injustiça, desrespeito aos direitos
humanos e valores democráticos?
Reconhece suas emoções e as dos outros com autocrítica e sabe lidar com elas?
Reconhece o próprio ritmo de desenvolvimento, comparando o antes e depois no
processo de aprendizagem?
Reconhece o diálogo como forma democrática para a resolução de conflitos?
Acolhe a diversidade de pessoas e grupos, seus saberes, identidades, culturas e
potencialidades?
Compreende-se na diversidade humana?

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Aprecia cuidar da saúde física e emocional?
Age com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação?
Utiliza princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários em suas ações?
Apresenta atitudes e comportamentos de cooperação, engajamento e trabalho em equipe
durante a realização das práticas corporais?
Participa ativamente das ações e atividades propostas, incluindo a elaboração de projetos,
execução e planejamento, entre outros?

Ao final das autoavaliações, é imprescindível que o professor direcione o estudante para traçar
ações que façam com que ele melhore as dimensões com resultados ainda insatisfatórios,
para assim, alcançar o desenvolvimento pleno das habilidades e competências previstas.

Referências
AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
ALMEIDA, M. A. B. ; GUTIERREZ, G. L. Esporte e sociedade. EFDeportes.com, Revista Digital.
Buenos Aires, n. 133, p. 1-8, 2009.
ASSIS, S. Reinventando o esporte: possibilidades da prática pedagógica. Campinas, SP: Autores
Associados, Chancela Editorial CBCE,2001
BASSANI, J. J.; TORRI, D.; VAZ, A. F. Sobre a presença do esporte na escola: paradoxos e
ambiguidades. Movimentos, Porto Alegre, 2003.
BECKER JR, B. Manual de Psicologia do Esporte e do Exercício. Porto Alegre: Nova Prova, 1ª
edição. 2000.
BLÁZQUEZ SÁNCHEZ, D. A modo de introducción. In: D. Blázquez Sánchez (Org.) La iniciación
deportiva y el deporte escolar, p. 19-45. 4ª edição. Barcelona, Espanha: INDE Publicaciones.
1999.
BRACHT, V. Sociologia critica do esporte: uma introdução; 3ª ed. Ijuí-RS, 2005.
DARIDO, Suraya Cristina et al. Práticas corporais : educação física : 6o a 9o anos: manual do
professor / Suraya Cristina Darido....[et al.]. – 1. ed. – São Paulo : Moderna, 2018.
GONZÁLEZ, F.J. DARIDO, S.C. OLIVEIRA, A.A.B. Ginástica, dança e atividade circense. Práticas
corporais e organização do conhecimento. Maringá: Eduem, 2014.
GONZÁLEZ, F.J. DARIDO, S.C. OLIVEIRA, A.A.B. Lutas, Capoeiras e práticas corporais de aventura.
Práticas corporais e organização do conhecimento. Maringá: Eduem, 2014.
GONZÁLEZ, F.J. DARIDO, S.C. OLIVEIRA, A.A.B. Esportes de marca e com rede divisória ou muro/
parede de rebote. Práticas corporais e organização do conhecimento. Maringá: Eduem, 2014.
GONZÁLEZ, F.J. DARIDO, S.C. OLIVEIRA, A.A.B. Esportes de invasão. Práticas corporais e
organização do conhecimento. Maringá: Eduem, 2014.
MELO, M. P. Lazer, esporte e cidadania: debatendo a nova moda do momento. Movimento,
Porto Alegre, 2004.
MORENO, R, M.;MACHADO, A. A. Re-significando o esporte na educação física escolar: uma
perspectiva crítica. Movimento & Percepção, Espírito Santo de Pinhal, SP, 2006.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: LÍNGUAS, CULTURAS AMAZÔNICAS E
MULTILETRAMENTOS
Título da UCA Área do Conhecimento
Linguagens e suas Tecnologias
“Start! Inglês para games” Componente Curricular
Língua Inglesa
Código da UCA Série
UCALGG 004 2ª

Descrição da Ementa
À esteira das inovações tecnológicas vem a oportunidade de adentrar no mundo digital por
meio dos jogos eletrônicos. Entretanto, a fluência do processo que configura a democratização
do acesso ao mundo digital é ofuscada e obstruída pela língua inglesa que é amplamente
utilizada nos meios digitais e tecnológicos. Portanto, propor o uso da língua inglesa focada nos
jogos eletrônicos é a forma mais rápida e efetiva de contribuir para a construção do projeto de
vida dos estudantes que veem nos jogos eletrônicos não somente uma forma de diversão, mas
também um meio para empreender e constituir renda.
Contudo, pondera-se que esta ementa não determina ou limita a atuação do professor, haja
vista que o docente é o responsável em gerenciar o processo de ensino e aprendizagem na
escola a partir de cada realidade, fazendo as adequações necessárias ao seu contexto sempre
que perceber a necessidade.

Objetivo geral
Comunicar-se na língua inglesa, por meio do uso variado de linguagens presentes nos jogos e
nas mídias digitais, reconhecendo-a como ferramenta de acesso ao conhecimento e,
contribuindo para seu projeto de vida e protagonismo social.

Objetivos Específicos
Utilizar jogos eletrônicos compreendendo suas funcionalidades como meio de aplicar os
conhecimentos adquiridos no empreendimento e solução de problemas do cotidiano;
Utilizar a língua inglesa instrumental voltada para aos jogos eletrônicos;
Permitir aos estudantes, por meio dos jogos eletrônicos, o acesso e a ampliação dos
conhecimentos disponíveis no meio digital.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 4: Assegurar educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades
de aprendizado por toda a vida para todos.
Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e promover a autonomia de todas as mulheres e
meninas.
Objetivo 10: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.
Objetivo 13: Adotar ação urgente para combater a mudança do clima e seus impactos.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Geral(is) da BNCC
05. Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma
crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se
comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e
exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.

Competências Específicas da Área


Competência Específica 4. Compreender as línguas como fenômeno (geo)político, histórico,
cultural, social, variável, heterogêneo e sensível aos contextos de uso, reconhecendo suas
variedades e vivenciando-as como formas de expressões identitárias, pessoais e coletivas, bem
como agindo no enfrentamento de preconceitos de qualquer natureza.
Competência Específica 5. Compreender os processos de produção e negociação de
sentidos nas práticas corporais, reconhecendo-as e vivenciando-as como formas de expressão
de valores e identidades, em uma perspectiva democrática e de respeito à diversidade.
Competência Específica 7. Mobilizar práticas de linguagem no universo digital, considerando
as dimensões técnicas, críticas, criativas, éticas e estéticas, para expandir as formas de produzir
sentidos, de engajar-se em práticas autorais e coletivas, e de aprender a aprender nos campos
da ciência, cultura, trabalho, informação e vida pessoal e coletiva.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( X ) Empreendedorismo

Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

Investigação Científica
(EMIFLGG02) Levantar e testar hipóteses sobre a organização, o funcionamento e/ou os efeitos
de sentido de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens
(imagens estáticas e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre
outras), situando-os no contexto de um ou mais campos de atuação social e utilizando
procedimentos e linguagens adequados à investigação científica.
(EMIFLGGAM) Produzir textos/discursos diversos sobre fatos, acontecimentos e
personalidades do passado, presente e futuro, utilizando ferramentas digitais para a ampliação
dos conhecimentos da Língua Inglesa.

Processos criativos
(EMIFLGGAM) Ampliar o repertório lexical relativo a verbos, proposições, conectores e demais
classes de palavras sempre de forma contextualizada e a partir da leitura.
(EMIFLGG04) Reconhecer produtos e/ou processos criativos por meio de fruição, vivências e
reflexão crítica sobre obras ou eventos de diferentes práticas artísticas, culturais e /ou
corporais, ampliando o repertório/domínio pessoal sobre o funcionamento e os recursos da (a)
língua (s) ou da (s) linguagem (ns).

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

(EMIFLGGAM) Reconhecer, nos novos gêneros digitais (blogs, mensagens instantâneas, tweets,
entre outros), novas formas de escrita (abreviação de palavras, palavras com combinação de
letras e números, pictogramas, símbolos gráficos, entre outros) na constituição das mensagens
e comunicação.

Empreendedorismo
(EMIFLGGAM) Interagir em situações de intercâmbio oral, demonstrando iniciativa para utilizar
a língua inglesa, reconhecendo semelhanças e diferenças na pronúncia entre a língua inglesa e
a língua materna, produzindo texto e discurso.
(EMIFLGG10) Avaliar como oportunidades, conhecimentos e recursos relacionados às várias
linguagens podem ser utilizados na concretização de projetos pessoais ou produtivos,
considerando as diversas tecnologias disponíveis e os impactos socioambientais.

UNIDADE TEMÁTICA 1: Inglês para jogos eletrônicos I

Objetos do Conhecimento:
Vocabulário específico acerca dos jogos eletrônicos;
Atividades com jogos, flashcards;
Verbos comumente utilizados no imperativo nos games;
Verbos regulares e irregulares;
Categorias de palavras;
Tempos verbais;
Formação de palavras por meio dos processos de prefixação, sufixação e composição;

UNIDADE TEMÁTICA 2: Inglês para jogos eletrônicos II

Objetos do Conhecimento:
Estratégia de leitura do scanning;
Vocabulário específico acerca dos jogos eletrônicos;
Estratégia de leitura skimming;
Linguagem informal tão presente nas comunicaçõesdigitais e ambientes de jogos em rede;
Abreviações de palavras que fazem parte do universo comunicativo;
Leitura de textos do universo digital;
Estrutura das frases, orações e períodos;
Comandos em inglês,
Adjetivos e substantivos e as suas respectivas posições nas orações;
Termos técnicos voltados ao tema jogos online;
Elementos de coesão do texto.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Investigação Científica
Selecionar e praticar a leitura por meio de, textos, em inglês, relacionados a área de
tecnologia e jogos eletrônicos;
Empregar a telemática como ferramenta na prática da comunicação, por meio de e-mails,
mensagens instantâneas entre outros.
Produzir um lista de termos técnicos voltados ao tema jogos eletrônicos;
Aprofundar os conhecimentos acerca dos elementos de coesão do texto de forma
contextualizada;
Demonstrar as funções anafórica e catafórica dosdos pronomes utilizado nos textos;
Produzir textos, em inglês, objetivando a efetivação do aprendizado acerca dos tempos
verbais

Processos Criativos
Utilizar estratégia de leitura do scanning para buscar informação específica no texto;
Lançar mão de atividades com jogos, flashcards, visando ampliar o vocabulário específico
acerca dos jogos eletrônicos.
Praticar a oralidade (listening and speaking) por meio de diálogos reais acerca de temas
que incentive e proporcione o debate;
Elaborar lista de verbos comumente utilizados no imperativo nos games;
Apresentar os tópicos a gramaticais de forma contextualizada (verbos regulares e
irregulares, categorias de palavras);
Produzir textos nos diversos gêneros, acompanhando todas as etapas do processo;
Praticar a compreensão textual utilizando a estratégia de leitura skimming;
Promover a construção de uma lista de falsos cognatos e seus significados aprendizagem;
Aprofundar os conhecimentos gramaticais dos tempos verbais;
Praticar a produção textual de e-mail levando em consideração as características do
gênero;
Pesquisar e produzir uma lista de abreviações de palavras que fazem parte do universo
comunicativo;
Propor atividades de comunicação que levem em consideração a linguagem informal tão
presente nas comunicações digitais e ambientes de jogos em rede;

Empreendedorismo
Selecionar textos reais relacionados à área de jogos online e tecnologia, visando a prática
da leitura e interpretação de textos;
Organizar campeonato de game;
Produzir vídeos e podcast em inglês;
Criar canal e tutorial de jogos online;
Criar, em sala de aula, um ambiente propício à prática da oralidade;
Estudar a morfologia (formação de palavras por meio dos processos de prefixação,
sufixação e composição, visando a ampliação do vocabulário;
Analisar de forma contextualizada a estrutura das frases, orações e períodos;
Efetivar a memorização dos comandos em inglês, colocando em prática comunicativa nos
diversos ambientes dos estudantes;

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Praticar a escrita de textos por meio dos diversos gêneros textuais voltados aos jogos e
games online;
Trabalhar predição (prediction) do texto por meio da análise do título, do subtítulo, das
representações pictóricas que o acompanham;
Propor momentos de prática da oralidade, usando temas que evidenciem o projeto de vida
pessoal dos estudantes;
Apresentar as regras estruturais e gramaticais básicas na língua inglesa como: posição dos
adjetivos em relação aos substantivos e graus do adjetivo.

Recursos
Recursos pedagógicos e didáticos, vídeos, recursos áudio-visuais, podcast.

Avaliação
Assim, tais resultados devem ser registrados em relatórios e/ou portfólios conforme
orientações assentes nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e Aproveitamento de Estudo,
disponíveis no item 6, página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica para o Ensino Médio.
O desempenho dos estudantes poderá ser registrado a partir dos níveis alcançados, assim
segue a proposta de uma escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.
A autoavaliação se dará ao longo do processo considerando a frequência e a participação dos
estudantes.
Para tornar o estudante o protagonista do seu aprendizado é essencial orientar a reflexão
e conscientização dos mesmos sobre a construção do próprio processo de aprendizagem,
sua forma pessoal de aprender, quais as habilidades e competências a serem alcançadas e
os meios para o seu desenvolvimento. É dessa forma, que esse estudante irá analisar seus
pontos fortes, suas dificuldades, atitudes que dificultam a sua aprendizagem, e o que pode
fazer para ampliar o seu conhecimento. O professor precisa juntamente com os
estudantes analisar, discutir e mostrar as possibilidades de melhorar, e ao longo da
unidade com pequenos estímulos, incentivar essas mudanças.
Nessa perspectiva serão utilizadas questões, que podem ser divididas buscando o máximo
de objetividade. Com base nisso, e buscando registrar nas escalas mencionadas acima
propõem-se a elaboração de rubricas para o processo avaliativo a partir dos seguintes
questionamentos abaixo:

Saber sobre:
Entende e explica a realidade utilizando os conhecimentos historicamente construídos
sobre o mundo social e cultural expresso nos meios digitais?

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Analisa criticamente com base em fatos e informações confiáveis os conhecimentos
referentes aos discursos presente em meios digitais?
Utiliza a linguagem científica para compartilhar informações, experiências e ideias
produzindo sentidos e entendimento?
Argumenta, negocia, formula e defende ideias que promovam os direitos humanos
utilizando fatos e informações confiáveis?
Reconhece e analisa criticamente preconceitos, estereótipos e relações de poder
presentes nos meios digitais?
Reconhece os impactos decorrentes da ausência de habilidades mínimas de interação com
os meios digitais e tecnológicos?
Valoriza seus conhecimentos prévios da língua inglesa e entende o aprendizado como um
processo que requer intensa prática?
Reconhece a importância do letramento digital no projeto de vida?

Saber fazer:
Cria soluções e estratégias para resolver demandas e problemas expressos nos meios
digitais?
Utiliza a língua inglesa e os conhecimentos digitais para resolver problemas reais?
Utiliza os conhecimentos da língua inglesa e digitais de forma consciente e intencional?
Se dispõe a ajudar os outros com seus conhecimentos adquiridos acerca dos meios digitais
e tecnológicos?
Elabora e executa plano de ação considerando as questões identificadas no contexto
escolar e comunitário?

Saber ser e conviver:


Busca novos conhecimentos para continuar aprendendo?
Propõe e conclui suas atividades e projetos?
Colabora com atitude cidadã, para uma sociedade justa, democrática e inclusiva?
Reconhece e valoriza a diversidade de saberes e vivências culturais existentes no meio
digital?
Age com autonomia, consciência crítica e responsabilidade?
Estabelece relações construtivas com empatia, ética e respeito à diversidade?
Adota posicionamento contrário a qualquer tipo de injustiça, desrespeito aos direitos
humanos e valores democráticos?
Reconhece suas emoções e as dos outros com autocrítica e sabe lidar com elas?
Reconhece o próprio ritmo de desenvolvimento, comparando o antes e depois no
processo de aprendizagem?
Reconhece o diálogo como forma democrática para a resolução de conflitos
Acolhe a diversidade de pessoas e grupos, seus saberes, identidades, culturas e
potencialidades?
Compreende-se na diversidade humana?
Age com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação?
Utiliza princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários em suas ações
no meio digital?

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Apresenta atitudes e comportamentos de cooperação, engajamento e trabalho em equipe
durante a realização das práticas pedagógicas de língua inglesa?
Participa ativamente das ações e atividades propostas, incluindo a elaboração de projetos,
execução e planejamento, entre outros?

Ao final das autoavaliações é imprescindível, que o professor direcione o estudante para traçar
ações que façam com que ele melhore as dimensões com resultados ainda insatisfatórios,
para assim, alcançar o desenvolvimento pleno das habilidades e competências previstas.

Referências
AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
RIBEIRO, A, P. (Org.) et al. Guia de Estudos.Manaus: editora Manaus. 2020.
OHNO, N. E. et al. Livro do Professor. SAS Plataforma de Educação, 1ª edição. 2022.
TFOUNI, L. V. Letramento e Alfabetização. 8ª edição - São Paulo, Cortez, 2006.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: LÍNGUAS, CULTURAS AMAZÔNICAS E
MULTILETRAMENTOS
Título da UCA Área do Conhecimento
Linguagens e suas Tecnologias
#click no cotidiano Componente Curricular
Língua Portuguesa
Código da UCA Série
UCALGG 005 2ª

Descrição da Ementa
A unidade curricular proposta busca aprofundar o trabalho com a diversidade linguística
brasileira e amazonense, perpassando pela oralidade, escrita e leitura de textos
multissemióticos. Além da diversidade linguística abordada, esta UCA visa aprofundar os
aspectos orais e escritos, com foco nos diversos gêneros discursivos que trabalham com a
oralidade.

Objetivo geral
Compreender a diversidade linguística e cultural amazônica para ampliar a participação social
do estudante nos diferentes campos de atuação, exercitando o autoconhecimento, a empatia,
o diálogo, a resolução de conflitos, a alteridade, o altruísmo, combatendo preconceitos de
qualquer natureza.

Objetivos Específicos
Reconhecer práticas de oralidade, escrita e compreensão de textos apresentando aspectos
culturais do cotidiano;
Favorecer a aquisição e o aprimoramento de habilidades de maneira contextualizada para o
desenvolvimento pleno das competências necessárias às etapas do processo de ensino e
aprendizagem;
Mapear as diversidades linguísticas e culturais amazônica, buscando repensar as questões
identitárias que influenciam na formação linguístico-social dos estudantes.
Reconhecer as diversidades linguísticas e culturais como um mecanismo de pertencimento
identitário, de modo a combater os preconceitos.
Analisar os discursos orais (da comunidade local e os discursos midiáticos) com o fito de
identificar os aspectos culturais, linguísticos, argumentativos, ideológicos.
Produzir textos multissemióticos orais e escritos sobre as diversidades linguísticas culturais.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 4: Assegurar educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades
de aprendizado por toda a vida para todos.
Objetivo 4.1: [...] Garantir que todas as meninas e meninos completem o ensino primário e
secundário livre, equitativo e de qualidade, que conduza a resultados de aprendizagem
relevantes e eficazes

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030
Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e promover a autonomia de todas as mulheres e
meninas.
Objetivo 10: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.

Competência(s) Geral(is) da BNCC


6. Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e
experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer
escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade,
autonomia, consciência crítica e responsabilidade.
9. Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e
promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da
diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e
potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

Competências Específicas da Área


Competência Específica 1. Compreender o funcionamento das diferentes linguagens e
práticas culturais (artísticas, corporais e verbais) e mobilizar esses conhecimentos na recepção
e produção de discursos nos diferentes campos de atuação social e nas diversas mídias, para
ampliar as formas de participação social, o entendimento e as possibilidades de explicação e
interpretação crítica da realidade e para continuar aprendendo.
Competência Específica 2. Compreender os processos identitários, conflitos e relações de
poder que permeiam as práticas sociais de linguagem, respeitando as diversidades e a
pluralidade de ideias e posições, e atuar socialmente com base em princípios e valores
assentados na democracia, na igualdade e nos Direitos Humanos, exercitando o
autoconhecimento, a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, e
combatendo preconceitos de qualquer natureza.
Competência Específica 3. Utilizar diferentes linguagens (artísticas, corporais e verbais) para
exercer, com autonomia e colaboração, protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva, de
forma crítica, criativa, ética e solidária, defendendo pontos de vista que respeitem o outro e
promovam os Direitos Humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável, em
âmbito local, regional e global.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( X ) Empreendedorismo

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

Investigação Científica
(EMIFCG02) Posicionar-se com base em critérios científicos, éticos e estéticos, utilizando dados,
fatos e evidências para respaldar conclusões, opiniões e argumentos, por meio de afirmações
claras, ordenadas, coerentes e compreensíveis, sempre respeitando valores universais, como
liberdade, democracia, justiça social, pluralidade, solidariedade e sustentabilidade.
(EMIFCG03) Utilizar informações, conhecimentos e ideias resultantes de investigações
científicas para criar ou propor soluções para problemas diversos.

Processos Criativos
(EMIFCG05) Questionar, modificar e adaptar ideias existentes e criar propostas, obras ou
soluções criativas, originais ou inovadoras, avaliando e assumindo riscos para lidar com as
incertezas e colocá-las em prática.
(EMIFCG06) Difundir novas ideias, propostas, obras ou soluções por meio de diferentes
linguagens, mídias e plataformas, analógicas e digitais, com confiança e coragem, assegurando
que alcancem os interlocutores pretendidos.

Mediação e Intervenção Sociocultural


(EMIFCG07) Reconhecer e analisar questões sociais, culturais e ambientais diversas,
identificando e incorporando valores importantes para si e para o coletivo que assegurem a
tomada de decisões conscientes, consequentes, colaborativas e responsáveis.
(EMIFCG08) Compreender e considerar a situação, a opinião e o sentimento do outro, agindo
com empatia, flexibilidade e resiliência para promover o diálogo, a colaboração, a mediação e
resolução de conflitos, o combate ao preconceito e a valorização da diversidade.
(EMIFCG09) Participar ativamente da proposição, implementação e avaliação de solução para
problemas socioculturais e/ou ambientais em nível local, regional, nacional e/ou global,
corresponsabilizando-se pela realização de ações e projetos voltados ao bem comum.

Empreendedorismo
(EMIFCG10) Reconhecer e utilizar qualidades e fragilidades pessoais com confiança para
superar desafios e alcançar objetivos pessoais e profissionais, agindo de forma proativa e
empreendedora e perseverando em situações de estresse, frustração, fracasso e adversidade.
(EMIFCG11) Utilizar estratégias de planejamento, organização e empreendedorismo para
estabelecer e adaptar metas, identificar caminhos, mobilizar apoios e recursos, para realizar
projetos pessoais e produtivos com foco, persistência e efetividade.
(EMIFCG12) Refletir continuamente sobre seu próprio desenvolvimento e sobre seus objetivos
presentes e futuros, identificando aspirações e oportunidades, inclusive relacionadas ao
mundo do trabalho, que orientem escolhas, esforços e ações em relação à sua vida pessoal,
profissional e cidadã.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


UNIDADE TEMÁTICA 1: A diversidade linguística do Amazonas

Objetos do Conhecimento:
Diversidade linguística e semiótica nos diferentes contextos;
Práticas de análise linguística, de modo a considerar o contexto de produção, circulação,
recepção de textos, as variedades linguísticas e variantes de estilo.
Variantes linguísticas (níveis e dimensões de análise das variedades da língua) e o combate
aos preconceitos linguísticos. Adequação dos usos de variedades da língua.
Experimentação dos processos de remidiação, a partir das concepções multiculturais da
sociedade.
Escrita de textos, utilizando recursos midiáticos e múltiplos significados para compreensão
de novas linguagens.
Interpretação e produção de textos relacionados à pesquisa sobre a diversidade linguística
local.
Usar os recursos midiáticos na compreensão do funcionamento das linguagens na
sociedade.
Reconhecimento das perspectivas de mundo nas práticas de linguagens, ressignificando-as
de acordo com o contexto contemporâneo e intercultural.
Produção oral e escrita das temáticas: cidadania social, digital, cultura local e global,
baseado nos princípios dos multiletramentos.
Variação linguística (fenômenos da linguagem, variantes linguísticas, preconceito
linguístico);
Linguagem digital e as diversidades culturais, pluralidade de ideias e o exercício da
democracia;
Análise de textos de diversos gêneros, utilizados pelas repartições públicas e privadas;
Relações de poder marcadas pelo discurso e ideologias;
Diversidade linguística presente nas obras literárias (contexto cultural, social e econômico).
Planejamento e produção de textos literários, jornalísticos, orais e multissemióticos.
Usos expressivos de recursos linguísticos, paralinguísticos e cinésicos.
Planejamento, elaboração, revisão, edição, escrita e reescrita de textos literários e
jornalísticos orais, considerando o contexto em que foram produzidos, a forma de
composição e o estilo, a clareza, a coesão, a variedade linguística empregada, os elementos
relacionados à fala e a cinésica.
Apreciação do patrimônio artístico amazônico e global na perspectiva crítica e histórica.
Pesquisa das múltiplas identidades culturais, favorecendo o conhecimento das
características que diferenciam do outro, bem como representar a possibilidade de ser
reconhecido como membro de uma comunidade.
Estudo dos patrimônios artísticos e da cultura corporal, ensinando o respeito à diversidade
presente na humanidade (buscar a compreensão da língua como patrimônio cultural das
comunidades amazônicas).

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


UNIDADE TEMÁTICA 2: Oralidade e escrita

Objetos do Conhecimento:
A socialização juvenil: relações entre jovens, sociedade e a escola. Leituras, produções
textuais e cênicas diversificadas, oralidade, escuta, semiótica.
Formatação de textos adequada aos gêneros textuais digitais, voltados para produção oral
ou escrita, utilizadas nos meios multimidiáticos.
Utilização das diversas linguagens como suporte para apresentação de trabalhos orais, por
meio de recursos multimidiáticos da Web 2.0, nos diferentes campos de atuação social,
exercitando a visão crítica, criativa, ética e estética.
Letramento midiático: leitura e produção de textos (orais, escritos e multissemióticos).
Caracterização do campo jornalístico-midiático, com foco nos novos gêneros em circulação,
bem como mídias e práticas da cultura digital.
Curadoria de informação. Condições e mecanismos de disseminação de fake news.
Apreciação e réplica, com uso de gêneros como comentários e carta de leitor.
Planejamento e produção de textos literários, jornalísticos, orais e multissemióticos.
Usos expressivos de recursos linguísticos, paralinguísticos e cinésicos.
Planejamento, elaboração, revisão, edição, escrita e reescrita de textos literários e
jornalísticos orais, considerando o contexto em que foram produzidos, a forma de
composição e o estilo, a clareza, a coesão, a variedade linguística empregada, os elementos
relacionados à fala e a cinésica.

Orientações Metodológicas
Investigação Científica
Utilizar os métodos ativos de aprendizagem na realização de seminários, rodas de
conversas e diálogos pedagógicos, no intuito de fomentar a autonomia e o protagonismo
no estudante;
Realizar pesquisas na comunidade para proporcionar que o estudante entenda os
contextos históricos, geográficos e linguísticos, dos diferentes grupos étnicos, priorizando
as linguagens, o respeito, a cidadania e a educação;
Organizar e criação de feiras interculturais que promovam uma aproximação crítica do
estudante com a realidade, ouvindo, questionando, perguntando, ensinando, construindo
o conhecimento e não recebendo pronto;
Criar e desenvolver projetos de investigação científica que incentivem os estudantes em
novas descobertas, compreensões e reconstruções de conhecimento acerca da
diversidade linguística presente no estado do Amazonas.
Criar jogos interativos que despertem o interesse do estudante em descobrir soluções
para diversos problemas que possam surgir em meio a investigação científica.
Utilizar ferramentas digitais como computadores, celulares, tablets instigando a percepção
do manuseio correto, visando a segurança aos interlocutores que pretendem atingir.
Desenvolver atividades de leitura e interpretação de texto, mostrando ao estudante que o
ideal não é saber decodificar as palavras, mas compreender o uso e o sentido das mesmas
na história.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Processos Criativos
Desenvolver atividades ludo-práticas que trabalhe a escuta e a fala, elaborando e
reelaborando argumentos a partir da diversidade linguística presente em seu contexto,
para que assim possa construir novos conceitos, novas palavras e significados, que serão
usados nas diversas situações comunicativas;
Usar processos criativos cênicos - teatro, dança, música - que levem o estudante a
perceber novas maneiras de ser e estar no mundo, ressignificando e reafirmando suas
experiências linguísticas e identidade amazônica, pelo respeito e valorização cultural;
Construir oficinas de linguagens, usando como ferramenta as redes sociais, para
compreender a importância da diversidade linguística presente na diversidade cultural
amazônica.
Trabalhar o desenvolvimento da língua oral e escrita através da música, levando para sala
de aula letras de músicas que envolvam questões socioculturais, fazendo com que o
estudante identifique a diversidade linguística no contexto em que se encontra.

Mediação e Intervenção Sociocultural


Desenvolver valores, conhecimentos e habilidades, que facilitem a compreensão crítica da
diversidade linguística amazonense e nela inserir-se de maneira mais consciente e
participativa;
Organizar oficinas de estudos complementares que inclua a leitura de textos, consulta de
enciclopédias, atlas, relatos de experiências, entrevistas com especialistas ou comunitários,
uso das TIC’s, dentre outras, que ressaltam no Amazonas, além do português, a presença
de 29 línguas indígenas ativas;
Articular debates, produção de textos, utilização de vídeos, apresentações culturais que
tenham como temática a diversidade de línguas amazonense;
Propor debates, rodas de conversas, seminário acerca de perspectivas do conhecimento
globalizado, relacionado aos diferentes saberes que o estudante possui para uma
aprendizagem totalizada e significativa;
Realizar debates sobres questões sociais, culturais e ambientais, promovendo o resgate da
verdadeira raiz da pluralidade das línguas e das raças, valorizando a diversidade cultural do
coletivo;
Realizar leituras prévias, em voz alta de textos diversificados, proporcionando a ampliação
do repertório próprio, reconhecendo e respeitando o repertório do coletivo.
Desenvolver atividades paralelas à sala de aula, utilizando o pátio, biblioteca ou laboratório,
despertando a motivação dos mesmos para a realização de projetos voltados ao bem
próprio e do coletivo;
Produzir textos sobre a diversidade cultural presente na escola, levando os estudantes a
entender a heterogeneidade como um conjunto de pensamentos, ideias e manifestações
que enriquecem o ser humano;
Criar situações e promover atividades que incentivem a participação dos estudantes como
conversas, discussões, poesias, dramatizações, possibilitando o aprimoramento da
comunicação oral e escrita, bem como a interação com o grupo ao qual pertence.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Orientações Metodológicas
Mediação e Intervenção Sociocultural
Proporcionar aos estudantes, por meio de leituras, leitura de imagens, produções escritas
oficiais e debates, a compreensão da importância da diversidade linguística amazônida no
turismo local, fomentando, implantando e implementando minicursos de estudos lexicais
das línguas existente em cada mesorregião do estado;
Desenvolver estudos e pesquisas acerca dos recursos físicos, sociais e culturais disponíveis
em seu local de moradia, estudo e convívio, colaborando com sua melhoria, preservação
do meio ambiente e turismo local;
Produzir textos a partir de palavras relacionadas ao mundo do trabalho, refletindo sobre
seus projetos pessoais e profissionais através da investigação científica, identificando as
profissões que seus familiares desenvolvem.
Produzir jogos e brincadeiras como bingo das letras, soletrando, como promotores de
aquisição significativa de aprendizagem.
Realizar debates, sugerindo que os estudantes relacionem temas do cotidiano, vinculados
aos meios de comunicação, despertando o interesse por conteúdos de qualidade.

Recursos
Materiais didático-pedagógicos a serem utilizados na perspectiva da integração entre as
linguagens.
Existe uma multiplicidade de possibilidades materiais (materialidades) que podem ser
utilizados de modo a facilitar a implementação das aulas em cada uma das linguagens. Nesse
sentido, dependendo da necessidade gerada a partir dos objetivos propostos pelo professor e
alunos, outros materiais, que não estejam abaixo elencados, podem ser usados.

Avaliação
Os resultados das avaliações devem ter um caráter contínuo e processual da participação dos
estudantes, levando em consideração seus aspectos socioemocionais e cognitivos, os quais
influenciam na aquisição de conhecimento por meio de posicionamentos críticos e reflexivos,
de proposituras para elucidação de problemas e/ou engajamento nas ações propostas em
observância aos impactos ambientais trazidos.
Assim, tais resultados devem ser registrados em relatórios e/ou portfólios conforme
orientações assentes nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e Aproveitamento de Estudo,
disponíveis no item 6, página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica para o Ensino Médio.
O desempenho dos estudantes poderá ser registrado a partir dos níveis alcançados, assim
segue a proposta de uma escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
O processo avaliativo poderá ser alinhado aos pilares da educação contemporânea: saber
sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Nessa perspectiva, serão utilizadas questões a serem assumidas com o máximo de
objetividade. Assim, busca-se registrar tais percursos de aprendizagens, tendo por base os
quatro pilares da educação para o século XXI. Sugere-se, todavia, a elaboração de rubricas
(parâmetros) para o processo avaliativo a partir dos seguintes questionamentos abaixo:

Saber sobre:
Entende e explica a realidade ao utilizar os conhecimentos historicamente construídos
sobre o mundo social e cultural?
Analisa criticamente com base em fatos e informações confiáveis os conhecimentos
gerados da compreensão sobre o funcionamento das linguagens?
Utiliza a linguagem científica para compartilhar informações, experiências e ideias,
produzindo sentidos e entendimentos?
Argumenta, negocia, fórmula e defende ideias que promovem os direitos humanos,
utilizando fatos e informações confiáveis?
Reconhece e analisa criticamente preconceitos, estereótipos e relações de poder
presentes nas linguagens?
Reconhece nas relações formais que se estabelecem nas linguagens a expressividade de
seus elementos fundamentais?
Valoriza as manifestações socioculturais tradicionais do contexto de sua regionalidade?
Reconhece os efeitos da colonialidade nas práticas e percepções articulados na dinâmica
de sua vida social?
Considera as diferentes linguagens como parte importante do seu projeto de vida?

Saber fazer:
Acessa, analisa e sistematiza dados para a construção de conhecimentos a partir das
regras de funcionamento das linguagens?
Cria soluções e estratégias individuais, coletivas ou colaborativas para resolver demandas e
problemas presentes na realidade em que está inserido?
Realiza experiências vinculadas às linguagens e vivencia de forma consciente e intencional?
Utiliza com zelo e discernimento os materiais que emprega na execução de uma proposta
nas linguagens?
Elabora e executa plano de ação, considerando os problemas identificados no contexto
escolar e do território?

Saber ser e conviver:


Utiliza as linguagens para potencializar o trabalho em equipe - ações coletivas e
colaborativas – apesar da diferença que haja entre personalidades e interesses?
Propõe o exercício da empatia e do diálogo como forma de mediar conflitos, valorizando a
diversidade de sujeitos e saberes?
Age com autonomia, consciência crítica e responsabilidade?
Exerce o protagonismo juvenil a partir de uma intervenção social e cultural pautada em
ideias e práticas que problematize noções coloniais, buscando desconstruir os
estereótipos discriminadores presentes nos discursos oficiais e naturalizados pelos
sujeitos em seu cotidiano?

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Adota posicionamento contrário a qualquer tipo de injustiça, desrespeito aos direitos
humanos e valores democráticos?
Reconhece suas emoções e as dos outros com autocrítica e sabe lidar com elas?
Age com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação?
Participa ativamente das ações e atividades propostas, incluindo a elaboração de projetos,
execução e planejamento, entre outros?

Com os resultados deste processo autoavaliativo, os atores sociais escolares envolvidos no


processo de ensino e aprendizagem, juntos, podem discutir os rumos e a tomada de decisões
a serem assumidas por cada um destes no sentido de superar as dificuldades encontradas e
com isso, propor melhorias no desempenho obtido.

Referências
AGENDA 2030. Acompanhando o desenvolvimento sustentável até 2030. 2018. Disponível em:
http://www.agenda2030.org.br/acompanhe. Acesso em: 15 ago. 2022.
AMAZONAS. Secretaria de Estado da Educação e Desporto. Proposta Curricular e Pedagógica
do Ensino Médio. Manaus, 2021. Disponível em:
https://drive.google.com/file/d/1epoJkes5tN15g-qdqWGUlgCPIBqpIbl7/view. Acesso em: 15 jul.
2022.
BAGNO, Marcos. A língua de Eulália: Novela sociolinguística. 15. ed. São Paulo: Contexto, 2006.
Disponível em: <https://docs.google.com/viewer?
a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxwb3J0dWd1ZXNicmFzaWxlaXJvaW5mb3JtYWx8Z
3g6NTgwMWFhNzJjOGUzNjNlMg>. Acesso em: 31 mar. 2022.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.
FREIRE, Sérgio. O Amazonês: termos e expressões usadas no Amazonas. 3. ed. Manaus: Editora
Valer, 2018.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: LÍNGUAS, CULTURAS AMAZÔNICAS E
MULTILETRAMENTOS
Título da UCA Área do Conhecimento
O mundo do trabalho e as Linguagens e suas Tecnologias
diferentes linguagens para Componente Curricular
empreender Língua Portuguesa
Código da UCA Série
UCALGG 006 2ª

Descrição da Ementa
Práticas, elementos e funções da linguagem aplicadas ao empreendedorismo social e
marketing digital. Processos de investigação e criação de empreendimentos no contexto das
mídias digitais e sociais. As diferentes dimensões do empreendedorismo cultural e social na
Amazônia. Relações entre práticas linguísticas, empreendedorismo e o mundo do trabalho na
Amazônia. A representação do eu e do mundo: ações empreendedoras dentro do contexto
das práticas de Linguagem nas mídias digitais. O universo amazônico: um produto cultural.

Objetivo geral
.Compreender os elementos e funções da linguagem aplicadas à práticas empreendedoras
sociais e/ou culturais na valorização dos povos amazônicos

Objetivos Específicos
Promover ações e práticas empreendedoras no contexto local e/ou regional por meio de
diferentes linguagens;
Reconhecer diferentes oportunidades de empreendedorismo social e/ou cultural
valorizando a identidade amazônica;
Refletir acerca do papel das mídias sociais e digitais na sociedade contemporânea no
contexto amazônico.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 8. Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego
pleno e produtivo e trabalho decente para todas e todos.
Objetivo 10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.

Competência(s) Geral(is) da BNCC


1. Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital para
entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa,
democrática e inclusiva.
4. Utilizar diferentes linguagens – verbais (oral ou visual-motora, como Libras e escrita), corporal, visual, sonora e
digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar
informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao
entendimento mútuo.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competências Específicas da Área
Competência Específica 1. Compreender o funcionamento das diferentes linguagens e
práticas culturais (artísticas, corporais e verbais) e mobilizar esses conhecimentos na recepção
e produção de discursos nos diferentes campos de atuação social e nas diversas mídias, para
ampliar as formas de participação social, o entendimento e as possibilidades de explicação e
interpretação crítica da realidade e para continuar aprendendo.
Competência Específica 3. Utilizar diferentes linguagens (artísticas, corporais e verbais) para
exercer, com autonomia e colaboração, protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva, de
forma crítica, criativa, ética e solidária, defendendo pontos de vista que respeitem o outro e
promovam os Direitos Humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável, em
âmbito local, regional e global.
Competência Específica 6. Apreciar esteticamente as mais diversas produções artísticas e
culturais, considerando suas características locais, regionais e globais, e mobilizar seus
conhecimentos sobre as linguagens artísticas para dar significado e (re)construir produções
autorais individuais e coletivas, exercendo protagonismo de maneira crítica e criativa, com
respeito à diversidade de saberes, identidades e culturas.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( X ) Empreendedorismo

Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

Investigação Científica
(EMIFLGG01) Investigar e analisar a organização, o funcionamento e/ou os efeitos de sentido
de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens (imagens estáticas
e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre outras), situando-os no
contexto de um ou mais campos de atuação social e considerando dados e informações
disponíveis em diferentes mídias.
(EMIFLGG02) Levantar e testar hipóteses sobre a organização, o funcionamento e/ou os efeitos
de sentido de enunciados e discursos materializados nas diversas línguas e linguagens
(imagens estáticas e em movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre
outras), situando-os no contexto de um ou mais campos de atuação social e utilizando
procedimentos e linguagens adequados à investigação científica.
(EMIFLGG03) Selecionar e sistematizar, com base em estudos e/ou pesquisas (bibliográfica,
exploratória, de campo, experimental etc.) em fontes confiáveis, informações sobre português
brasileiro, língua(s) e/ ou linguagem(ns) específicas, visando fundamentar reflexões e hipóteses
sobre a organização, o funcionamento e/ou os efeitos de sentido de enunciados e discursos
materializados nas diversas línguas e linguagens (imagens estáticas e em movimento; música;
linguagens corporais e do movimento, entre outras), identificando os diversos pontos de vista
e posicionando-se mediante argumentação, com o cuidado de citar as fontes dos recursos
utilizados na pesquisa e buscando apresentar conclusões com o uso de diferentes mídias.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Habilidades relacionadas aos eixos estruturantes

Processos Criativos
(EMIFLGG04) Reconhecer produtos e/ou processos criativos por meio de fruição, vivências e
reflexão crítica sobre obras ou eventos de diferentes práticas artísticas, culturais e/ou
corporais, ampliando o repertório/domínio pessoal sobre o funcionamento e os recursos da(s)
língua(s) ou da(s) linguagem(ns).
(EMIFLGG05) Selecionar e mobilizar intencionalmente, em um ou mais campos de atuação
social, recursos criativos de diferentes línguas e linguagens (imagens estáticas e em
movimento; música; linguagens corporais e do movimento, entre outras), para participar de
projetos e/ou processos criativos.
(EMIFLGG06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais, utilizando as diversas línguas e linguagens (imagens estáticas e em movimento; línguas;
linguagens corporais e do movimento, entre outras), em um ou mais campos de atuação social,
combatendo a estereotipia, o lugar comum e o clichê.

Mediação e Intervenção Sociocultural


(EMIFLGG08) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das práticas
de linguagem para propor ações individuais e/ ou coletivas de mediação e intervenção sobre
formas de interação e de atuação social, artístico-cultural ou ambiental, visando colaborar para
o convívio democrático e republicano com a diversidade humana e para o cuidado com o meio
ambiente.
(EMIFLGG09) Propor e testar estratégias de mediação e intervenção sociocultural e ambiental,
selecionando adequadamente elementos das diferentes linguagens.
(EMIFCG08) Compreender e considerar a situação, a opinião e o sentimento do outro, agindo
com empatia, flexibilidade e resiliência para promover o diálogo, a colaboração, a mediação e
resolução de conflitos, o combate ao preconceito e a valorização da diversidade.

Empreendedorismo
(EMIFLGG10) Avaliar como oportunidades, conhecimentos e recursos relacionados às várias
linguagens podem ser utilizados na concretização de projetos pessoais ou produtivos,
considerando as diversas tecnologias disponíveis e os impactos socioambientais.
(EMIFLGG11) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das práticas
de linguagem para desenvolver um projeto pessoal ou um empreendimento produtivo.
(EMIFLGG12) Desenvolver projetos pessoais ou produtivos, utilizando as práticas de linguagens
socialmente relevantes, em diferentes campos de atuação, para formular propostas concretas,
articuladas com o projeto de vida.

UNIDADE TEMÁTICA 1: Práticas Linguisticas e Empreendedorismo

Objetos de Conhecimento:
Práticas, elementos e funções da linguagem aplicadas ao empreendedorismo social e
marketing digital;
Processos de investigação e criação de empreendimentos no contexto das mídias digitais e
sociais;
As diferentes dimensões do empreendedorismo cultural e social na Amazônia.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


UNIDADE TEMÁTICA 2: Fazendo e Empreendendo no Mundo Digital

Objetos de Conhecimento:
Relações entre práticas linguísticas, empreendedorismo e o mundo do trabalho na
Amazônia
A representação do eu e do mundo: ações empreendedoras dentro do contexto das
práticas de linguagem nas mídias digitais
O universo amazônico: um produto cultural.

Orientações Metodológicas
As aulas devem ser direcionadas para atividades que envolvam a participação dos estudantes
e promovam o protagonismo juvenil. Além disso, devem promover a curiosidade e a
criatividade no processo de apropriação e comunicação científica advindos dos estudos e
reflexões propostas pelo(a) professor(a) acerca das práticas, elementos e funções da
linguagem aplicada ao empreendedorismo social e/ou cultural no contexto das mídias digitais.
Nesse sentido, devem ser propostas atividades como:
Pesquisa sobre os usos da linguagem no contexto das mídias digitais.
Estudos de casos de sucesso acerca de peças publicitárias de marketing digital no contexto
amazônico, permitindo o aprofundamento dos conhecimentos dos estudantes e
oferecendo suporte para novas investigações e ideias;
Pesquisas sobre empreendedorismo digital na Amazônia e aplicação de elementos e
funções da linguagem nas redes sociais;
Pesquisa de Campo sobre empreendedorismo social e/ou cultural na Amazônia através de
roteiro de entrevista, pauta de observação, registros fotográficos;
Oficinas de produção textual e imagética de material voltado para o desenvolvimento de
marketing digital, visando aprimorar conhecimentos e/ou habilidades específicas, sempre
pautadas na produção/construção/criação pelos participantes;
Rodas de diálogos com os estudantes sobre a influência das mídias sociais na vida das
pessoas, com mediação do professor(a);
Palestras com convidados, visando construir momentos de interação com especialistas na
área de empreendedorismo digital na Amazônia;
Criação de produtos e serviços digitais focados nas manifestações artísticas, culturais e
sociais amazônicas através da utilização de Ferramentas de Design Thinking.

Recursos
- Projetor data-show;
- Notebook;
- Caixa de som;
- Quadro branco e pincel;
- Folhas de cartolina ou 40 quilo;
- Pincel atômicos (diversas cores);
- Caderno do estudante;
- Vídeos aulas
- Caneta/lápis;
- Aplicativos interativos e redes sociais.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
O processo de avaliação será contínuo e processual ao longo das atividades. O professor deve
através da observação e de registros analisar o engajamento do estudante nas aulas, a
realização de suas atividades individuais e coletivas, o processo de socialização com os colegas
e o desenvolvimento das expectativas de aprendizagem previstas. Para isso, serão utilizadas
rubricas formativas, auto avaliação por meio de diário de bordo, diálogos entre pares, entre
outros.
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registrados em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio. O desempenho dos estudantes poderá ser registrado a partir dos níveis
alcançados, assim segue a proposta de uma escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstraram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstraram o desenvolvimento das habilidades
essenciais em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências
AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
GUEDES, Juliane Regina Martins; Tupy Virtual. Técnicas de comunicação e expressão. Joinvile
SOCIESC, 2000.
Kersch, Dorotea Frank; Viana, Carla Coscarelli; Cani, Josiane B. Multiletramentos e
multimodalidades: ações pedagógicas aplicadas à Linguagem. Campinas: Pontes Editores,
2016.
KOCH, I.V. A Integração Pela Linguagem. São Paulo Contexto, 2009 RIBEIRO, Ana Elisa. Textos
Multimodais: leitura e Produção. 1 ed – São Paulo: Parábola Editorial, 2016.
ROJO, Roxane H. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Área de Conhecimento
ÁREA DE

MATEMÁTICA
E SUAS
TECNOLOGIAS
MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

Área de Matemática e suas tecnologias propõe uma mudança de


paradigma no estudo do componente da matemática para a etapa Ensino
Médio, privilegiando o desenvolvimento do raciocínio lógico. Dessa forma,
o desenvolvimento da linguagem matemática, no Ensino Médio, deve
promover interpretações e reflexões, que concorram para a
aprendizagem significativa, cujo foco principal seja a progressão natural
dos estudantes.

Área de Conhecimento
CÓDIGO RACIOCÍNIO LÓGICO E MATEMÁTICO
MATEMÁTICA E SUAS

UCAMAT 001 História da Matemática


TECNOLOGIAS


UCAMAT 002 Estudo da Teoria dos Conjuntos

UCAMAT 003 Aprendendo Análise Combinatória

UCAMAT 004 Estudo das Funções


UCAMAT 005 Modelagem Matemática
PLANO DE ENSINO

TEMÁTICA DA TRILHA: RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO


Título da UCA Área do Conhecimento
Matemática e suas Tecnologias
História da Matemática Componente Curricular
Matemática
Código da UCA Série
UCAMAT 001 2ª

Descrição da Ementa
Nesta UCA, o aluno deverá ser capaz de apresentar uma visão da história da matemática, além
das discussões sobre a natureza do pensamento matemático, envolvendo tópicos de História
da Matemática importantes para discutir questões historiográficas e epistemológicas e
algumas relações entre História da Ciência e História da Matemática.

Objetivo geral
Dar ao estudante uma visão geral do desenvolvimento da matemática através do tempo,
compreendendo como, quando e sob que condições sociais foram criadas e desenvolvidas,
reconhecendo fatos históricos marcantes no desenvolvimento da ciência matemática para
situar-se em relação aos principais fatos que contribuíram para o desenvolvimento matemático
no Brasil.

Objetivos Específicos
Entender as condições históricas e sociais em que os principais tópicos da matemática
foram criados.
Entender os tópicos matemáticos relacionados.
Identificar no estudo da História da Matemática ferramentas para justificar melhor um
conceito matemático, contextualizando as necessidades existentes quando da sua
introdução, criação ou desenvolvimento.
Debater sobre questões relativas à diferenciação entre história e pseudo- história;
Perceber os diferentes períodos de desenvolvimento da Matemática nas civilizações antigas;
Analisar o conhecimento matemático como construção humana;
Estudar aspectos sobre o desenvolvimento da História da Matemática no Brasil.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 4 - Educação de qualidade: assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade,
e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Geral(is) da BNCC
Competência 2 (Pensamento Científico, Crítico e Criativo):_Exercitar a curiosidade intelectual e
recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica,
a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e
resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das
diferentes áreas.

Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C03 - Utilizar estratégias, conceitos e procedimentos matemáticos, em seus campos –


Aritmética, Álgebra, Grandezas e Medidas, Geometria, Probabilidade e Estatística –, para
interpretar, construir modelos e resolver problemas em diversos contextos, analisando a
plausibilidade dos resultados e a adequação das soluções propostas, de modo a construir
argumentação consistente.

C05 - Investigar e estabelecer conjecturas a respeito de diferentes conceitos e propriedades


matemáticas, empregando recursos e estratégias como observação de padrões,
experimentações e tecnologias digitais, identificando a necessidade, ou não, de uma
demonstração cada vez mais formal na validação das referidas conjecturas.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
Investigação Científica
(EMIFMAT01) Investigar e analisar situações-problemas identificando e selecionando
conhecimentos matemáticos relevantes para uma dada situação, elaborando modelos para
sua representação.

Processo Criativo
(EMIFMAT05) Selecionar e mobilizar intencionalmente recursos criativos relacionados à
Matemática para resolver problemas de natureza diversa, incluindo aqueles que permitam a
produção de novos conhecimentos matemáticos, comunicando com precisão suas ações e
reflexões relacionadas a constatações, interpretações e argumentos, bem como adequando-os
às situações
(EMIFMAT06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais, considerando a aplicação dos conhecimentos matemáticos associados ao domínio de
operações e relações matemáticas simbólicas e formais, de modo a desenvolver novas
abordagens e estratégias para enfrentar novas situações.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos
estruturantes
Mediação e Intervenção sociocultural
(EMIFMAT07) Identificar e explicar questões socioculturais e ambientais aplicando
conhecimentos e habilidades matemáticas para avaliar e tomar decisões em relação ao que foi
observado.

Unidade Temática 1: A Matemática na antiguidade e na Idade Média

Objetos do Conhecimento
Um passeio pela História da Matemática
As origens primitivas da Matemática
A matemática de civilizações antigas ocidentais e orientais
Principais contribuições dos árabes;
Período estéril para o saber e a cultura na Europa Ocidental;
Principais publicações impressas no mundo Ocidental;
O Renascimento e as raízes da matemática atual.

Unidade Temática 2: A História da Matemática no Brasil

Objetos do Conhecimento
As escolas jesuíticas no Brasil;
O ensino militar e o ensino de engenharia a criação da Universidade Brasileira apreciação
geral sobre a Matemática atual no Brasil.
História da matemática no ensino-aprendizagem da educação básica em matemática.

Orientações Metodológicas

Aulas expositivas, apresentando e discutindo o conteúdo sistematicamente, solicitando


continuamente a participação dos estudantes. – Trabalhos de pesquisa desenvolvidos pelo
estudante.

Recursos
Quadro branco, pincéis coloridos, computador manual, projetor multimídia, vídeos, livros e
revistas.

Avaliação
A avaliação será realizada em um processo contínuo a fim de diagnosticar a aprendizagem do
aluno através das atividades que serão trabalhadas em grupos ou individualmente, onde os
alunos terão como fonte de pesquisa, dentre outras, os materiais fornecidos pelo professor,
por eles confeccionadas e os livros indicados. Avaliação da aprendizagem, contemplando
questões discursivas, apresentação de seminários, pesquisas, e resumos de atividades.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registradas em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
BOYER, Carl B.. História da matemática. 2ª ed. São Paulo, SP: Edgard Blucher, 1996. xiv, 496 p
EVES, Howard Whitley. Introdução à história da matemática. 3. ed. Campinas, SP: Ed. da
UNICAMP, 2002. 843 p
GUNDLACH, Bernard H. Números e numerais: tópicos de história da matemática para uso em
sala de aula. São Paulo: Atual Editora, 1992
ROQUE, Tatiana. História da Matemática - Uma Visão Crítica, Desfazendo Mitos e Lendas. Zahar
Editora, 2012

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO

TEMÁTICA DA TRILHA: RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO


Título da UCA Área do Conhecimento
Matemática e suas Tecnologias
Estudo da Teoria dos Conjuntos Componente Curricular
Matemática
Código da UCA Série
UCAMAT 002 2ª

Descrição da Ementa
Nesta UCA o aluno deverá ser capaz de: Demonstrar familiarização com a linguagem básica de
conjuntos. Utilizar e interpretar os conceitos primitivos de teoria dos conjuntos. Operar com
uniões, uniões disjuntas, intersecções, diferença e passagem ao complementar de coleções de
conjunto, bem como, Conjunto finito e conjunto infinito, Subconjunto, Igualdade de conjuntos,
Conjunto universo, Operações entre conjuntos e Problemas sobre quantidades de elementos
de conjuntos finitos.

Objetivo geral
Reconhecer e introduzir o aluno aos conceitos fundamentais da Teoria dos Conjuntos, para
que depois desta UCA, o aluno esteja apto a enveredar para estudos mais avançados
(metateoréticos) em teoria dos conjuntos e/ou para estar à vontade e a par de certos temas
dos fundamentos da matemática.

Objetivos Específicos
Identificar os aspectos fundamentais da Teoria dos Conjuntos;
Demonstrar familiarização com a linguagem básica de conjuntos;
Utilizar e interpretar os conceitos primitivos de teoria dos conjuntos;
Operar com uniões, uniões disjuntas, intersecções, diferença e passagem ao complementar
de coleções de conjunto;
Representar um conjunto na forma tabular (tabela), ou por diagramas, ou por meio de uma
propriedade que determine os seus elementos;
Classificar um conjunto como unitário ou vazio, bem como finito ou infinito;
Relacionar elementos e conjunto, e relacionar subconjunto e conjunto;
Reconhecer conjuntos iguais; Identificar conjunto universo;
Operar com conjuntos (união, intersecção, diferença e complementar);
Aplicar os conceitos da teoria dos conjuntos na resolução de problemas sobre quantidade
de elementos de conjuntos finitos.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 4 - Educação de qualidade: assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade,
e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Geral(is) da BNCC
Competência 2 (Pensamento Científico, Crítico e Criativo):_Exercitar a curiosidade intelectual e
recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica,
a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e
resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das
diferentes áreas.

Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C03 - Utilizar estratégias, conceitos e procedimentos matemáticos, em seus campos –


Aritmética, Álgebra, Grandezas e Medidas, Geometria, Probabilidade e Estatística –, para
interpretar, construir modelos e resolver problemas em diversos contextos, analisando a
plausibilidade dos resultados e a adequação das soluções propostas, de modo a construir
argumentação consistente.

C05 - Investigar e estabelecer conjecturas a respeito de diferentes conceitos e propriedades


matemáticas, empregando recursos e estratégias como observação de padrões,
experimentações e tecnologias digitais, identificando a necessidade, ou não, de uma
demonstração cada vez mais formal na validação das referidas conjecturas.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
Investigação Científica
(EMIFMAT01) Investigar e analisar situações-problemas identificando e selecionando
conhecimentos matemáticos relevantes para uma dada situação, elaborando modelos para
sua representação.

Processo Criativo
(EMIFMAT05) Selecionar e mobilizar intencionalmente recursos criativos relacionados à
Matemática para resolver problemas de natureza diversa, incluindo aqueles que permitam a
produção de novos conhecimentos matemáticos, comunicando com precisão suas ações e
reflexões relacionadas a constatações, interpretações e argumentos, bem como adequando-os
às situações
(EMIFMAT06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais, considerando a aplicação dos conhecimentos matemáticos associados ao domínio de
operações e relações matemáticas simbólicas e formais, de modo a desenvolver novas
abordagens e estratégias para enfrentar novas situações.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos
estruturantes
Mediação e Intervenção sociocultural
(EMIFMAT07) Identificar e explicar questões socioculturais e ambientais aplicando
conhecimentos e habilidades matemáticas para avaliar e tomar decisões em relação ao que foi
observado.

Unidade Temática 1: Conjuntos e Subconjuntos

Objetos do Conhecimento Igualdade de conjuntos;


Noção de conjunto; Propriedades da igualdade;
Relação de pertinência; Relação de inclusão;
Família de conjuntos; Propriedades da inclusão;
Conjunto universo; Conjuntos comparáveis;
Conjuntos numéricos; Subconjuntos;
Determinação de um conjunto; Subconjuntos de um conjunto finito;
Conjunto unitário; Conjunto das partes;
Conjunto vazio; Complementar de um subconjunto;
Conjuntos finitos e infinitos. Propriedades do complementar.

Unidade Temática 2: A História da Matemática no Brasil

Objetos do Conhecimento
Diagramas de Venn; Reunião;
Interseção; Propriedades da reunião;
Teoremas relacionando inclusões e Teoremas relacionando interseção e reunião
interseções; de conjuntos;
Propriedades da interseção; Reunião de vários conjuntos;
Interseção de vários conjuntos; Reuniões e interseções arbitrárias

Orientações Metodológicas

Aulas expositivas e dialogadas, exercícios de verificação.

Recursos
Quadro branco, Projetor (data show), internet, pincéis coloridos, projetor multimídia, vídeos,
softwares, entre outros.

Avaliação
A avaliação será realizada em um processo contínuo a fim de diagnosticar a aprendizagem do
aluno através das atividades que serão trabalhadas em grupos ou individualmente, onde os
alunos terão como fonte de pesquisa, dentre outras, os materiais fornecidos pelo professor,
por eles confeccionadas e os livros indicados. Avaliação da aprendizagem, contemplando
questões discursivas, apresentação de seminários, pesquisas, e resumos de atividades.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registradas em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
HALMOS, Paul R., Naive set theory (Teoria ingênua dos conjuntos), Editora Ciência Moderna, 1a .
edição, 2001.
LIPSCHUTZ, Seymour, Teoria dos Conjuntos, Coleção Schawn, Editora McGraw-Hill.
ALENCAR FILHO, Edgard de Teoria Elementar dos conjuntos. São Paulo: Livraria Nobel S. A,
1968.
ALENCAR FILHO, Edgard de Iniciação à Lógica Matemática.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO

TEMÁTICA DA TRILHA: RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO


Título da UCA Área do Conhecimento
Matemática e suas Tecnologias
Aprendendo Análise
Combinatória Componente Curricular
Matemática
Código da UCA Série
UCAMAT 003 2ª

Descrição da Ementa
Nesta UCA o estudante deverá ser capaz de: Demonstrar familiarização com a linguagem
básica de análise combinatoria, utilizar e interpretar as definições diversas de análise
combinatória os princípios aditivo e multiplicativo, permutação simples, arranjo simples,
combinação, permutação circular, permutação de elementos nem todos distintos,combinações
completas, números binomiais e probabilidade segundo Laplace.

Objetivo geral
Propiciar ao estudante condições de desenvolver sua capacidade de dedução, de raciocínio
lógico e organizado, de relacionar matemática com problemas práticos utilizando seu espírito
crítico e criativo, para perceber e compreender o inter-relacionamento das diversas áreas da
matemática, organizada e aplicadas ao seu cotidiano e utilizar estratégias de resolução que lhe
permita resolver uma grande variedade de problemas combinatórios.

Objetivos Específicos
Identificar a presença do principio fundamental da contagem (PFC) em diversas situações do
cotidiano;
Utilizar adequadamente arranjo, combinação e permutação para a resolução de problemas;
Utilizar conhecimentos adquiridos para resolução de situações- problemas do cotidiano.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 4 - Educação de qualidade: assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade,
e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

Competência(s) Geral(is) da BNCC


Competência 2: Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das
ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para
investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções
(inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C03 - Utilizar estratégias, conceitos e procedimentos matemáticos, em seus campos –


Aritmética, Álgebra, Grandezas e Medidas, Geometria, Probabilidade e Estatística –, para
interpretar, construir modelos e resolver problemas em diversos contextos, analisando a
plausibilidade dos resultados e a adequação das soluções propostas, de modo a construir
argumentação consistente.

C05 - Investigar e estabelecer conjecturas a respeito de diferentes conceitos e propriedades


matemáticas, empregando recursos e estratégias como observação de padrões,
experimentações e tecnologias digitais, identificando a necessidade, ou não, de uma
demonstração cada vez mais formal na validação das referidas conjecturas.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
Investigação Científica
(EMIFMAT01) Investigar e analisar situações-problemas identificando e selecionando
conhecimentos matemáticos relevantes para uma dada situação, elaborando modelos para
sua representação.

Processo Criativo
(EMIFMAT05) Selecionar e mobilizar intencionalmente recursos criativos relacionados à
Matemática para resolver problemas de natureza diversa, incluindo aqueles que permitam a
produção de novos conhecimentos matemáticos, comunicando com precisão suas ações e
reflexões relacionadas a constatações, interpretações e argumentos, bem como adequando-os
às situações
(EMIFMAT06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais, considerando a aplicação dos conhecimentos matemáticos associados ao domínio de
operações e relações matemáticas simbólicas e formais, de modo a desenvolver novas
abordagens e estratégias para enfrentar novas situações.

Mediação e Intervenção sociocultural


(EMIFMAT07) Identificar e explicar questões socioculturais e ambientais aplicando
conhecimentos e habilidades matemáticas para avaliar e tomar decisões em relação ao que foi
observado.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Unidade Temática 1: Análise combinatória

Objetos do Conhecimento Combinações.


Introdução. Permutações com elementos repetidos.
Princípio fundamental da Partições ordenadas.
contagem.
Consequências do princípio
fundamental da contagem.
Arranjos com repetição.
Arranjos.
Permutações.
Fatorial.

Unidade Temática 2: Binômio de Newton/ Probabilidade

Objetos do Conhecimento
Introdução aos binômios.
Teorema Binomial.
Termo geral.
Triângulo Aritmético de Pascal ( ou de Tartaglia).
A probabilidade segundo Laplace

Orientações Metodológicas
Com o objetivo de desenvolver as competências e habilidades apresentadas, as aulas serão
desenvolvidas de forma variada e tem como metodologias: a tradicional (expositivo-
dialogadas), a ativa e a sócio-interacionista.
No intuito de desenvolver as competências específicas da Matemática, podem ser utilizados
recursos de multimídia como projetores de imagem e vídeo, atividades em laboratório de
informática e ferramentas computacionais e de simulação.
A contextualização se dará por meio da proposição de problemas reais. Os estudantes irão
elaborar Trabalhos Discentes Efetivos, como por exemplo: estudos de caso, lista de exercícios,
solução dirigida de situações- problemas do cotidiano nas mais diversas áreas que envolvam
análise combinatória.

Recursos
Quadro branco, computadores/rede da sala de informática, biblioteca e internet.

Avaliação
A avaliação da UCA se propõe a verificar se as competências e habilidades propostas neste
foram desenvolvidas pelo estudante, por meio dos seguintes instrumentos de avaliação:
provas escritas, trabalhos, relatórios e Trabalhos Discentes Efetivos. Realizada ao longo de todo
o desenvolvimento da aula e resolução do exercício/exemplo.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registradas em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum
Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Referenciais curriculares para a
elaboração dos itinerários formativos. Brasília, DF: MEC, 2019.
BRASIL. Portaria n. 1.432, de 28 de dezembro de 2018. Estabelece os referenciais para
elaboração dos itinerários formativos conforme preveem as Diretrizes Nacionais do Ensino
Médio. Brasília, DF: MEC, 2018.
BRASIL. Resolução n. 3,de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares
Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2018.
HAZZAN, Samuel e IEZZI, Gelson. Fundamentos de Matemática Elementar: Combinatória,
Binômio e Probabilidade. Volume 5. São Paulo: Editora Atual, 2006.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO

TEMÁTICA DA TRILHA: RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO


Título da UCA Área do Conhecimento
Matemática e suas Tecnologias
Estudo das Funções Componente Curricular
Matemática
Código da UCA Série
UCAMAT 004 2ª

Descrição da Ementa
Nesta UCA o aluno deverá ser capaz de demonstrar familiarização com a linguagem básica de
funções; conhecer como os conjuntos imagem e pré-imagem de uma função se comportam
segundo tais operações; compreender os conceitos de injetividade, sobrejetividade e inversas
de funções e construir graficamente os diferentes tipos de funções.

Objetivo geral
Compreender as funções como relações de dependência unívoca entre duas variáveis e suas
representações numérica, algébrica e gráfica e utilizar esse conceito para analisar situações
que envolvam relações funcionais entre duas variáveis.

Objetivos Específicos
Compreender o conceito de função, identificando seu domínio e imagem;
Construir gráficos e tabelas através de modelos matemáticos;
Interpretar e solucionar as situações problemas modeladas através de funções;
Conceituar algébrica e graficamente as funções polinomiais, exponenciais e logarítmicas.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 4 - Educação de qualidade: assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade,
e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

Competência(s) Geral(is) da BNCC


Competência 2: Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das
ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para
investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções
(inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C03 - Utilizar estratégias, conceitos e procedimentos matemáticos, em seus campos –


Aritmética, Álgebra, Grandezas e Medidas, Geometria, Probabilidade e Estatística –, para
interpretar, construir modelos e resolver problemas em diversos contextos, analisando a
plausibilidade dos resultados e a adequação das soluções propostas, de modo a construir
argumentação consistente.

C05 - Investigar e estabelecer conjecturas a respeito de diferentes conceitos e propriedades


matemáticas, empregando recursos e estratégias como observação de padrões,
experimentações e tecnologias digitais, identificando a necessidade, ou não, de uma
demonstração cada vez mais formal na validação das referidas conjecturas.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
Investigação Científica
(EMIFMAT01) Investigar e analisar situações-problemas identificando e selecionando
conhecimentos matemáticos relevantes para uma dada situação, elaborando modelos para
sua representação.

Processo Criativo
(EMIFMAT05) Selecionar e mobilizar intencionalmente recursos criativos relacionados à
Matemática para resolver problemas de natureza diversa, incluindo aqueles que permitam a
produção de novos conhecimentos matemáticos, comunicando com precisão suas ações e
reflexões relacionadas a constatações, interpretações e argumentos, bem como adequando-os
às situações
(EMIFMAT06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais, considerando a aplicação dos conhecimentos matemáticos associados ao domínio de
operações e relações matemáticas simbólicas e formais, de modo a desenvolver novas
abordagens e estratégias para enfrentar novas situações.

Mediação e Intervenção sociocultural


(EMIFMAT07) Identificar e explicar questões socioculturais e ambientais aplicando
conhecimentos e habilidades matemáticas para avaliar e tomar decisões em relação ao que foi
observado.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Unidade Temática 1: Função Polinomial do 1° e 2° Grau

Objetos do Conhecimento 2) Função Polinomial do 1° Grau:


1) Funções: Conceitos inicias;
Introdução às Funções; Gráfico (reta);
Domínio, contradomínio e imagem; Coeficientes angular e linear;
Estudo do domínio de funções Raiz da função;
reais; Estudo do sinal.
Construção de gráficos;
Função par e ímpar; 3) Função Polinomial do 2° Grau:
Funções injetoras, sobrejetoras e Conceitos inicias;
bijetoras; Raízes da função;
Inversão de funções. Fórmula de Bhaskara;
Gráfico (parábola);
Estudo do sinal.

Unidade Temática 2: Função Modular, Função Exponencial e Função Logarítmica

5) Função Exponencial:
Objetos do Conhecimento Introdução ao estudo da função
4) Função Modular ou Módulo de um exponencial;
número real: Gráfico;
Propriedades do módulo; Equações e inequações exponenciais.
Gráfico;
Equações e inequações modulares; 6) Função Logarítmica:
Composição com funções Estudo do logaritmo;
modulares. Propriedades operatórias;
Mudanças de bases;
Gráfico;
Equações e inequações logarítmicas.

Orientações Metodológicas
Todos os objetos de conhecimentos poderão ser trabalhados através de aulas expositivas,
dando ênfase em metodologias educacionais como a Resolução de Problemas, a Modelagem
Matemática, as Tecnologias Digitais e a Interdisciplinaridade, assim como na criação de
projetos educacionais que se apoiam no programa Etnomatemática.
Também poderão ser utilizados textos específicos de Matemática, que envolvam símbolos,
fórmulas, gráficos de textos extraídos da mídia, situações relativas ao desenvolvimento
econômico, finanças locais e questões ambientais, favorecendo o desenvolvimento de
habilidades, assim como a aprendizagem dos objetos de conhecimento a elas relacionadas.

Recursos
Quadro, Projetor, Vídeos aulas, Periódicos/Livros/Revistas/Links, Softwares, Notebook,
Aplicativo GeoGebra (versão on-line disponível em: https://www.geogebra.org/m/KGWhcAqc) e
outros.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Todos os objetos de avaliação deverão ser elaborados de forma a considerar a formação
integral do(a) estudante, expressada por valores, aspectos físicos, cognitivos e
socioemocionais, e a indissociabilidade entre teoria e prática no processo de ensino-
aprendizagem, conforme prevê a Resolução nº 3, de 21 de novembro de 2018.
A proposta é dar ênfase ao protagonismo do estudante, para que este seja mais ativo, mais
participativo e menos ouvinte de aulas, para além da memorização de regras e fórmulas,
aprofundar e ampliar as habilidades e competências desenvolvidas durante o Ensino
Fundamental.
Como sugestões: participação e interação dos estudantes durante as aulas; exercícios escritos
individuais ou em grupos; trabalhos e relatórios; rodas de conversa.
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registradas em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Referenciais curriculares para a
elaboração dos itinerários formativos. Brasília, DF: MEC, 2019.
BRASIL. Portaria n. 1.432, de 28 de dezembro de 2018. Estabelece os referenciais para
elaboração dos itinerários formativos conforme preveem as Diretrizes Nacionais do Ensino
Médio. Brasília, DF: MEC, 2018.
BRASIL. Resolução n. 3,de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares
Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2018.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO

TEMÁTICA DA TRILHA: RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO


Título da UCA Área do Conhecimento
Matemática e suas Tecnologias
Modelagem Matemática Componente Curricular
Matemática
Código da UCA Série
UCAMAT 005 2ª

Descrição da Ementa
Nesta UCA o estudante deverá ser capaz de: Definição da modelagem matemática.
Caracterização, significado e componentes de uma modelação matemática. Características e
instrumentos utilizados na modelagem matemática. A modelagem matemática como prática
social. Algumas aplicações nas ciências humanas, biológicas e exatas. A modelagem campo de
pesquisa na Educação Matemática.

Objetivo geral
Proporcionar aplicações matemáticas, usando técnicas de modelagem como procedimento, de
modo a desenvolver no estudante capacidades e atitudes criativas na direção da resolução de
problemas; desenvolver o espírito crítico do estudante de modo que ele possa utilizar a
matemática como ferramenta para resolver problemas em diferentes situações e áreas.

Objetivos Específicos
Conceituar Modelagem Matemática e Modelo Matemática no âmbito da Educação Básica.
Conhecer as etapas do processo de Modelagem Matemática na sala de aula.
Discutir a aplicação dos objetos de conhecimentos matemáticos via atividades de
Modelagem Matemática com ou sem uso de softwares livres.
Elaborar modelos matemáticos ou simulações de situações inicialmente extra matemáticas
com ou sem uso de softwares livres.
Conhecer influências e intenções das aplicações da Matemática na sociedade, com ou sem
uso de softwares livres.
Refletir sobre a implantação (contribuições, limites e possibilidades) de atividades de
Modelagem Matemática no âmbito da Educação Básica com ou sem uso de softwares livres.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 4 - Educação de qualidade: assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade,
e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.
Objetivo 5 – Educação de igualdade: alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as
mulheres e meninas.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Geral(is) da BNCC
Competência 2: Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das
ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para
investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções
(inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C03 - Utilizar estratégias, conceitos e procedimentos matemáticos, em seus campos –


Aritmética, Álgebra, Grandezas e Medidas, Geometria, Probabilidade e Estatística –, para
interpretar, construir modelos e resolver problemas em diversos contextos, analisando a
plausibilidade dos resultados e a adequação das soluções propostas, de modo a construir
argumentação consistente.

C05 - Investigar e estabelecer conjecturas a respeito de diferentes conceitos e propriedades


matemáticas, empregando recursos e estratégias como observação de padrões,
experimentações e tecnologias digitais, identificando a necessidade, ou não, de uma
demonstração cada vez mais formal na validação das referidas conjecturas.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
Investigação Científica
(EMIFMAT01) Investigar e analisar situações-problemas identificando e selecionando
conhecimentos matemáticos relevantes para uma dada situação, elaborando modelos para
sua representação.

Processo Criativo
(EMIFMAT05) Selecionar e mobilizar intencionalmente recursos criativos relacionados à
Matemática para resolver problemas de natureza diversa, incluindo aqueles que permitam a
produção de novos conhecimentos matemáticos, comunicando com precisão suas ações e
reflexões relacionadas a constatações, interpretações e argumentos, bem como adequando-os
às situações
(EMIFMAT06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais, considerando a aplicação dos conhecimentos matemáticos associados ao domínio de
operações e relações matemáticas simbólicas e formais, de modo a desenvolver novas
abordagens e estratégias para enfrentar novas situações.

Mediação e Intervenção sociocultural


(EMIFMAT07) Identificar e explicar questões socioculturais e ambientais aplicando
conhecimentos e habilidades matemáticas para avaliar e tomar decisões em relação ao que foi
observado.
Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas
Unidade Temática 1: Formulação de Problemas/Introdução ao Geogebra

Objetos do Conhecimento
Escolha de Temas.
Coleta de dados.
Formulação do Problema matemático
Formulação de Modelos.
Introdução aos Modelos Matemáticos.
Desenvolvimento da Modelagem Matemática com ou sem uso de softwares livres.

Unidade Temática 2: Estudo de Modelos Matemáticos

Objetos do Conhecimento
Modelo matemático para animação de carro com movimento linear e em movimento
circular na construção de games com ou sem uso de softwares livres.
Modelo matemático de embalagens com ou sem uso de softwares livres.
Modelo matemático: evitando o desperdício de alimento com ou sem uso de softwares
livres.
Modelagem e Matemática Financeira: um estudo sobre o pagamento antecipado
de parcelas de um financiamento de automóvel com ou sem uso de softwares livres.
Modelagem Matemática do som produzido por um violão de cordas de nylon e de aço
com ou sem uso de softwares livres.

Orientações Metodológicas
Visando desenvolver as competências e habilidades apresentadas, as aulas serão
desenvolvidas de forma variada e tem como metodologias: a tradicional (expositivo-
dialogadas), a ativa e a sócio-interacionista.
No intuito de desenvolver as competências específicas da Matemática, podem ser utilizados
recursos de multimídia como projetores de imagem e vídeo, atividades em laboratório de
informática e ferramentas computacionais e de simulação.
A contextualização se dará por meio da proposição de problemas reais. Os estudantes irão
elaborar Trabalhos Discentes Efetivos, como por exemplo: estudos de caso, lista de exercícios,
solução dirigida de problemas de engenharia, montagem de protótipos e projetos.

Recursos
Quadro branco, computadores/rede da sala de informática, biblioteca e internet.

Avaliação
A avaliação da UCA se propõe a verificar se as competências e habilidades propostas neste
foram desenvolvidas pelo estudante, por meio dos seguintes instrumentos de avaliação:
provas escritas, trabalhos, relatórios e Trabalhos Discentes Efetivos. Realizada ao longo de todo
o desenvolvimento da aula e resolução do exercício/exemplo.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registradas em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
BARBOSA, J. C. (Org.), CALDEIRA, A. D. (Org.), ARAÚJO, J. de L. (Org.). Modelagem
Matemática na Educação Matemática Brasileira: Pesquisas e Práticas Educacionais. 1.
ed. Recife: Sociedade Brasileira de Educação Matemática, 2007. v. 1.
BASSANEZI, R. C. Ensino-Aprendizagem com Modelagem Matemática: uma nova estratégia.
Editora Contexto, 2002.
BIEMBENGUT, M. S. Modelagem Matemática e Implicações no Ensino, Blumenau: Editora da
FURB, 1999
BIEMBENGUT, M. S.e HEIN N. Modelagem Matemática, São Paulo: Editora Contexto, 2000.
BURAK, D.. Uma perspectiva de modelagem matemática para o ensino e a aprendizagem da
matemática. In: BRANDT, C. F.. et al (org.) MODELAGEM MATEMÁTICA: uma perspectiva para a
Educação Básica. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2010.
BURAK, D. ; ARAGÃO, R.M.R de. A modelagem matemática e relações com a aprendizagem
significativa. Curitiba. CRV, 2012.
BURAK, D., KLÜBER, T. E. Modelagem matemática na educação básica numa perspectiva de
educação matemática. In: BURAK, D. et al (org.) Educação Matemática: Reflexões e Ações.
Curitiba: CRV, 2010.
_______. Modelagem Matemática na Educação Básica: contribuições a partir de uma visão de
Educação Matemática. Revista Matemática & Ciência, ano 1, n. 2, p. 37-52, jul. 2008.
BURAK, D.: SILVA, V. da S. (org). Modelagem matemática: experiências vividas.1ed. Guarapuava:
Editora Apprehendere, 2020. 196p.
BURAK, D; PACHECO, E.R.; KLUBER, T. E. Educação Matemática: reflexões e ações;1. Ed. Curitiba.
Editora CRV, 2010.
BURAK, D. A modelagem matemática na perspectiva da educação matemática: olhares
múltiplos e complexos. Educação matemática sem fronteiras. , v.1, p.96 - 111, 2019.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Referências

BURAK, D.; ZONTINI, L. R. S. Práticas com modelagem na formação do professor da Educação


Básica: a busca por uma nova racionalidade. PRÁXIS EDUCATIVA (IMPRESSO)., v.15, p.1 - 20,
2020.
BARBOSA, J. C. (Org.), CALDEIRA, A. D. (Org.), ARAÚJO, J. de L. (Org.). Modelagem
Matemática na Educação Matemática Brasileira: Pesquisas e Práticas Educacionais. 1.
ed. Recife: Sociedade Brasileira de Educação Matemática, 2007. v. 1.
BASSANEZI, R. C. Ensino-Aprendizagem com Modelagem Matemática: uma nova estratégia.
Editora Contexto, 2002.
BIEMBENGUT, M. S. Modelagem Matemática e Implicações no Ensino, Blumenau: Editora da
FURB, 1999
BIEMBENGUT, M. S.e HEIN N. Modelagem Matemática, São Paulo: Editora Contexto, 2000.
BURAK, D.. Uma perspectiva de modelagem matemática para o ensino e a aprendizagem da
matemática. In: BRANDT, C. F.. et al (org.) MODELAGEM MATEMÁTICA: uma perspectiva para a
Educação Básica. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2010.
BURAK, D. ; ARAGÃO, R.M.R de. A modelagem matemática e relações com a aprendizagem
significativa. Curitiba. CRV, 2012.
BURAK, D., KLÜBER, T. E. Modelagem matemática na educação básica numa perspectiva de
educação matemática. In: BURAK, D. et al (org.) Educação Matemática: Reflexões e Ações.
Curitiba: CRV, 2010.
_______. Modelagem Matemática na Educação Básica: contribuições a partir de uma visão de
Educação Matemática. Revista Matemática & Ciência, ano 1, n. 2, p. 37-52, jul. 2008.
BURAK, D.: SILVA, V. da S. (org). Modelagem matemática: experiências vividas.1ed. Guarapuava:
Editora Apprehendere, 2020. 196p.
BURAK, D; PACHECO, E.R.; KLUBER, T. E. Educação Matemática: reflexões e ações;1. Ed. Curitiba.
Editora CRV, 2010.
BURAK, D. A modelagem matemática na perspectiva da educação matemática: olhares
múltiplos e complexos. Educação matemática sem fronteiras. , v.1, p.96 - 111, 2019.
BURAK, D.; ZONTINI, L. R. S. Práticas com modelagem na formação do professor da Educação
Básica: a busca por uma nova racionalidade. PRÁXIS EDUCATIVA (IMPRESSO)., v.15, p.1 - 20,
2020.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


ÁREA DE

Área de Conhecimento
CIÊNCIAS
HUMANAS
E SOCIAIS
APLICADAS
CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS APLICADAS

A área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas tem como foco


promover estudos acerca do ser humano e a sua interação com a
sociedade, propondo através dos diferentes componentes, que formam a
área, investigar a ação do homem no mundo e os fenômenos sociais
decorrentes dela, através de uma abordagem, que compreenda
diferentes aspectos teórico e prático, sejam eles objetivos e subjetivos
nessa produção do conhecimento.

Área de Conhecimento
OS MUNDOS DO TRABALHO NO CONTEXTO
CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS APLICADAS


CÓDIGO
AMAZÔNIDA
História do movimento operário brasileiro e

UCACHSA001
amazonense
Relações de trabalho e sociedade: uma análise

UCACHSA002
sociológica


UCACHSA003 Filosofia, ética e mundo do trabalho


UCACHSA004 Transformação digital e indústria 4.0 no Amazonas

A mulher e o mundo do trabalho: uma análise sócio-



UCACHSA005
histórica
PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: OS MUNDOS DO TRABALHO NO CONTEXTO
AMAZÔNIDA
Título da UCA Área do Conhecimento
Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
História do movimento operário
brasileiro e amazonense Componente Curricular
História
Código da UCA Série
UCACHSA001 2ª

Descrição da Ementa
As Ciências Sociais e seus métodos de conhecimentos sociológico, antropológico, filosófico,
histórico e geográfico, aplicados ao estudo do movimento operário. Movimento operário e suas
ideologias no contexto brasileiro: Anarquismo, Comunismo e Socialismo. As relações do Estado
brasileiro e o movimento operário: Entre Paternalismo, Populismo e repressão. Lutas e
conquistas do movimento operário no Brasil e no Amazonas. Trabalho e Sindicalismo no Brasil
e no Amazonas. Reforma trabalhista e a crise da representação sindical.

Objetivo geral
Entender o processo histórico de luta pelos direitos trabalhistas no Brasil e no Amazonas.

Objetivos Específicos
Entender o movimento social operário como objeto de estudo das Ciências Sociais.
Analisar historicamente as relações entre o Estado brasileiro e o movimento operário.
Refletir sobre as relações de trabalho no campo e na cidade, considerando suas
especificidades e transformações.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 8. Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego
pleno e produtivo e trabalho decente para todas e todos.
Objetivo 10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.

Competência(s) Geral(is) da BNCC


Competência 1. Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o
mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade, continuar
aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.
Competência 4. Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de
conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do
trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com
liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C01 - Analisar processos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais nos âmbitos
local, regional, nacional e mundial em diferentes tempos, a partir da pluralidade de
procedimentos epistemológicos, científicos e tecnológicos, de modo a compreender e
posicionar-se criticamente em relação a eles, considerando diferentes pontos de vista e
tomando decisões baseadas em argumentos e fontes de natureza científica.
C05 - Identificar e combater as diversas formas de injustiça, preconceito e violência, adotando
princípios éticos, democráticos, inclusivos e solidários, e respeitando os Direitos Humanos.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
(EMIFCHSA02) Levantar e testar hipóteses sobre temas e processos de natureza histórica,
social, econômica, filosófica, política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou
global, contextualizando os conhecimentos em sua realidade local e utilizando procedimentos
e linguagens adequados à investigação científica.
(EMIFCHSA03) Selecionar e sistematizar, com base em estudos e/ou pesquisas (bibliográfica,
exploratória, de campo, experimental etc.) em fontes confiáveis, informações sobre temas e
processos de natureza histórica, social, econômica, filosófica, política e/ou cultural, em âmbito
local, regional, nacional e/ou global, identificando os diversos pontos de vista e posicionando-
se mediante argumentação, com o cuidado de citar as fontes dos recursos utilizados na
pesquisa e buscando apresentar conclusões.
(EMIFCHSA05) Selecionar e mobilizar intencionalmente recursos criativos para resolver
problemas reais relacionados a temas e processos de natureza histórica, social, econômica,
filosófica, política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou global.
(EMIFCHSA06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais relacionados a temas e processos de natureza histórica, social, econômica, filosófica,
política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou global.
(EMIFCHSA07) Identificar e explicar situações em que ocorram conflitos, desequilíbrios e
ameaças a grupos sociais, à diversidade de modos de vida, às diferentes identidades culturais
e ao meio ambiente, em âmbito local, regional, nacional e/ou global, com base em fenômenos
relacionados às Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.
(EMIFCHSA08) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das Ciências
Humanas e Sociais Aplicadas para propor ações individuais e/ou coletivas de mediação e
intervenção sobre problemas de natureza sociocultural e de natureza ambiental, em âmbito
local, regional, nacional e/ou global, baseadas no respeito às diferenças, na escuta, na empatia
e na responsabilidade socioambiental.
(EMIFCHSA09) Propor e testar estratégias de mediação e intervenção para resolver problemas
de natureza sociocultural e de natureza ambiental, em âmbito local, regional, nacional e/ou
global, relacionados às Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Unidade Temática 1: Operários em Movimento: Entre Ideias e Lutas

Objetos do Conhecimento
As Ciências Sociais e seus métodos de conhecimentos sociológico, antropológico,
filosófico, histórico e geográfico, aplicados ao estudo do movimento operário.
Movimento operário e suas ideologias no contexto brasileiro: Anarquismo,
Comunismo e Socialismo.
Histórias, Lutas e Conquistas do movimento operário no Brasil e no Amazonas.

Unidade Temática 2: O Estado e a Organização Sindical: Direito dos


Trabalhadores em Disputa
Objetos do Conhecimento
As relações do Estado brasileiro e o movimento operário: Entre Paternalismo,
Populismo e Repressão.
Trabalho e Sindicalismo no Brasil e no Amazonas.
Reforma Trabalhista e a Crise da Representação Sindical.

Orientações Metodológicas

As aulas devem ser focadas não somente em atividades que envolvam a participação dos
discentes, mas também que incentivem a leitura crítica da realidade contemporânea e do
universo do estudante. Além de promover a curiosidade e a criatividade no processo de
apropriação e comunicação científica advindos das leituras, estudos e reflexões propostos pelo
docente acerca das relações das mulheres e o mundo do trabalho. Nesse sentido, devem ser
propostas atividades como: pesquisas bibliográficas (livros, revistas, jornais, imagéticas) e de
campo, produções textuais, imagéticas e audiovisuais, seminários temáticos em grupo, rodas
de diálogos temáticos e dramatizações que busquem promover o reconhecimento das
mulheres enquanto sujeitos de direitos e a valorização dos princípios de equidade de gênero
principalmente no ambiente escolar.

Recursos
Projetor de Datashow; Computador; Caixa de som; Quadro branco e pincel; Folhas de cartolina
ou 40 quilos; Pincel atômico (diversas cores); Caderno do estudante; Caneta/lápis; Celular.

Avaliação
A avaliação deve ter um caráter diagnóstico e formativo, possibilitando a construção de um
conhecimento histórico conjunto entre educandos e educadores e evidenciando a
necessidade de um crescimento gradativo em relação à compreensão da história como um
processo dinâmico. Os estudantes devem aperfeiçoar a capacidade de estabelecer relações
entre diferentes contextos históricos, demonstrando visão crítica e respeito acerca da história
do movimento operário no Brasil e no Amazonas.
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registradas em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAD COSTA, S. A formação das centrais sindicais CUT e CONCLAT. Relatório final para exame
de qualificação, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São
Paulo, 1987.
BATALHA, C. H. M. Culturas de classe: identidade e diversidade na formação do operariado.
Campinas/SP: UNICAMP, c2004.
CARVALHO, J. M. de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
2001. PP. 173-195.
CHALHOUB, S. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da
belle époque. 2º ed. São Paulo: UNICAMP, 2001.
COSTA, H. da. O novo sindicalismo e a CUT: entre continuidades e rupturas. In: In: FERREIRA,
Jorge. REIS, Daniel Aarão. Revolução e democracia (1964-...). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
2007. (col. As Esquerdas no Brasil, livro 3).
DE DECCA, M. A. G. Cotidiano de trabalhadores na República. São Paulo 1889-1920. São Paulo:
Editora Brasiliense, 1989. (Coleção Tudo é História).
FAUSTO, B. Trabalho urbano e conflito social (1890-1920). São Paulo: DIFEL, 1977.
FORTES, A.; NEGRO, A. L. Historiografia, trabalho e cidadania no Brasil. In: FERREIRA, Jorge;
DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O tempo do nacional-estatismo: do início da década de
1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. (col. O Brasil
Republicano, volume 2).
GOMES, A. de C. A invenção do trabalhismo. São Paulo: Vértice; Rio de Janeiro: IUPERJ, 1988.
KECK, M. E. A lógica da diferença: o partido dos trabalhadores na construção da democracia
brasileira. São Paulo: Editora Ática, 1991.
LIMA, A. V.; SOARES, M. A. V. Instituto da aposentadoria estatutária no direito brasileiro. In:
Aydete Vianna de Lima (org.). Da aposentadoria e da acumulação de cargos e proventos. São
Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1992. p. 44-66.
LIMONGI, F.; FIGUEIREDO, A. C. Reforma da previdência e instituições políticas. Novos Estudos,
São Paulo, Cebrap, n.º 51, p.63-90, 1998.
LOPREATO, C. da S. R. O espírito da revolta: a greve geral anarquista de 1917. São Paulo:
Annablume: FAPESP, 2000.
MARAN, S. L. Anarquistas, imigrantes e o movimento operário brasileiro, 1890-1920. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1979.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Referências

NEGRO, A. L.; SILVA, F. T. da. Trabalhadores, sindicatos e política (1945-1964). In: FERREIRA,
Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O tempo da experiência democrática: da
democratização de 1945 ao golpe civil-militar de 1964. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
2003. p. 47-96. (col. O Brasil Republicano, volume 3).
NOGUEIRA, A. J. F. M. Trabalho e sindicalismo no Estado brasileiro: experiências e desafios. Tese
de doutoramento, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de
Campinas, 1996.
POCHMANN, M. Os desafios do sindicalismo brasileiro neste final de século. Revista de
Sociologia e Política, 10/11, Curitiba, UFPR, 1998, p.139-152
PINHEIRO, P. S.; HALL, M. A classe operária no Brasil: 1889-1930. São Paulo: AlfaÔmega,1979.
v.1.
REIS, D. A. Nacionalismo e reformismo radical (1945-1964). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
2007. PP.237-278. (col. As Esquerdas no Brasil, livro 2).
SANTANA, M. A. Política e história em disputa: o Novo Sindicalismo e a ideia da ruptura com o
passado. In: I. J. Rodrigues (org.). O novo sindicalismo: vinte anos depois. Petrópolis: Editora
Vozes, 1999.
SILVA, F. T. da; COSTA, H. da. Trabalhadores urbanos e populismo: um balanço dos estudos
recentes. In: FERREIRA, Jorge (org.). O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2001.
VISCARDI, C. M. R.; JESUS, R. P. de. A experiência mutualista e a formação da classe trabalhadora
no Brasil. In: FERREIRA, Jorge. REIS, Daniel Aarão. A formação das tradições (1889-1945). Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. (col. As Esquerdas no Brasil, livro 1).

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: OS MUNDOS DO TRABALHO NO CONTEXTO
AMAZÔNIDA
Título da UCA Área do Conhecimento
Relações de trabalho e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
sociedade: uma análise Componente Curricular
sociológica Sociologia
Código da UCA Série
UCACHSA002 2ª

Descrição da Ementa
As transformações no mundo do trabalho. Realização e produção de trabalho etnográfico.
Aplicação, investigação e diagnóstico sociológico da realidade local. As juventudes e a
sociedade contemporânea na produção do espaço vivido. As relações de trabalho e o papel da
“mercadoria”. Racionalização do trabalho, sistemas de produção e acumulação flexível. Inserção
juvenil no mercado de trabalho e economia digital.

Objetivo geral
Possibilitar o entendimento acerca das relações de trabalho entre sujeitos, grupos, classes
sociais e sociedades, considerando as transformações técnicas, tecnológicas e informacionais e
das novas formas de trabalho ao longo do tempo, em diferentes contextos e espaços.

Objetivos Específicos
Analisar a produção de diferentes territorialidades em suas dimensões culturais,
econômicas, ambientais, políticas e sociais, no Brasil e no mundo contemporâneo, com
destaque para as culturas juvenis.
Comparar indicadores de emprego, trabalho e renda em diferentes espaços, escalas e
tempos, associando-os a processos de estratificação e desigualdade socioeconômica.
Entender as reais possibilidades de emprego/renda no município/bairro/comunidade que o
estudante mora.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 01 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.
Objetivo 08 - Trabalho decente e crescimento econômico.
Objetivo 10 - Redução das desigualdades.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Geral(is) da BNCC
Competência 1. Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o
mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade, continuar
aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.
Competência 6. Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de
conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo
do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com
liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.

Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C01 - Analisar processos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais nos âmbitos
local, regional, nacional e mundial em diferentes tempos, a partir da pluralidade de
procedimentos epistemológicos, científicos e tecnológicos, de modo a compreender e
posicionar-se criticamente em relação a eles, considerando diferentes pontos de vista e
tomando decisões baseadas em argumentos e fontes de natureza científica.
C04 - Analisar as relações de produção, capital e trabalho em diferentes territórios, contextos e
culturas, discutindo o papel dessas relações na construção, consolidação e transformação das
sociedades.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
(EMIFCHSA01) Investigar e analisar situações-problema envolvendo temas e processos de
natureza histórica, social, econômica, filosófica, política e/ou cultural, em âmbito local, regional,
nacional e/ou global, considerando dados e informações disponíveis em diferentes mídias.
(EMIFCHSA02) Levantar e testar hipóteses sobre temas e processos de natureza histórica,
social, econômica, filosófica, política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou
global, contextualizando os conhecimentos em sua realidade local e utilizando procedimentos
e linguagens adequados à investigação científica.
(EMIFCHSA05) Selecionar e mobilizar intencionalmente recursos criativos para resolver
problemas reais relacionados a temas e processos de natureza histórica, social, econômica,
filosófica, política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou global.
(EMIFCHSA06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais relacionados a temas e processos de natureza histórica, social, econômica, filosófica,
política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou global.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Unidade Temática 1: Relações de trabalho
Objetos do Conhecimento
As transformações no mundo do trabalho e seus impactos em diferentes contextos na
vida dos trabalhadores na atualidade;
Identidade juvenil no mundo Capitalista;
Os movimentos sociais da cultura juvenil nas questões econômicas, políticas e
ambientais;
As juventudes e a sociedade contemporânea na produção do espaço vivido;
Aplicação, investigação e diagnóstico sociológico da realidade do trabalhador local.

Unidade Temática 2: Economia e emprego


Objetos do Conhecimento
Economia de mercado capitalista e sua influência na produção da riqueza e da
desigualdade social;
Economia de mercado: capitalismo e desenvolvimento e a realidade local;
As relações de trabalho e papel da “mercadoria”;
Racionalização do trabalho, sistemas de produção e acumulação flexível: método e
planejamento da atividade produtiva;
Inserção juvenil no mercado de trabalho e economia digital;

Orientações Metodológicas

As aulas devem ser direcionadas para atividades que envolvam a participação e que
promovam o protagonismo juvenil. Além disso, devem promover a curiosidade e a criatividade
no processo de apropriação e comunicação científica advindos dos estudos e reflexões
propostos pelo(a) professor(a) acerca da Relações de trabalho e sociedade: uma análise
sociológica. Nesse sentido, devem ser propostas atividades como Roda de conversa
introdutória da Unidade Curricular de Aprofundamento; Vídeo: Tempos Modernos, com
Charles Chaplin (sobre a produção em massa); Vídeo: Profissões do futuro (Canal do YouTube);
Mapa mental com o tema: Economia criativa; Mapa mental com o tema: Emprego; Pesquisa de
campo: as ocupações funcionais na cidade/bairro/comunidade que moro; Roda de conversa:
os empregos/ocupações que sumiram com a Era digital ou foram engolidos por ela; Sala de
aula invertida com os temas: 1. Meu primeiro emprego; 2. As reais oportunidades para os
jovens no seu município/bairro/comunidade; 3. A carreira acadêmica no Ensino Superior:
minhas reais possibilidades (o que quero, o que posso e o que é ofertado); Produção de
Telejornal com as Profissões do futuro.

Recursos
Projetor de Datashow; Computador; Caixa de som; Quadro branco e pincel; Folhas de cartolina
ou 40 quilos; Pincel atômico (diversas cores); Caderno do estudante; Caneta/lápis; Celular.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
A avaliação deve ter caráter diagnóstico, formativo, contínuo e cumulativo, possibilitando a
construção de um conhecimento filosófico e ético de forma conjunta entre estudantes e
professores.
Apresenta-se como sugestões de avaliação para esta UCA: Participação e interação do
estudante durante as Rodas de Conversa; Relatório de análise dos vídeos; Desempenho na
Sala de aula invertida; Exercício escrito; Participação na produção/execução do telejornal.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
ANTUNES, R. (org.). Uberização, Trabalho digital e Indústria 4.0. 1ed. São Paulo: Boitempo, 2020.
BRANDÃO, I. de L. O primeiro emprego - uma breve visão. 1ed. São Paulo: Editora GLOBAL,
2011.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
BRASIL. Referenciais Curriculares para elaboração de Itinerários Formativos. Ministério da
Educação. Brasília: MEC, 2020.
MOTA, N. G. de. Primeiro emprego: desafios e perspectivas para o desenvolvimento do jovem.
1ed. São Paulo: Appris Editora, 2016.
OLIVEIRA. P. F. de C. Identidade em ação: ciências humanas e sociais aplicadas. 1ed – São Paulo:
Moderna, 2020.
SALLES, R. T. Trabalho, emprego e renda. INOP Editora: São Bernardo do Campo/SP, 2009.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: OS MUNDOS DO TRABALHO NO CONTEXTO
AMAZÔNIDA
Título da UCA Área do Conhecimento
Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
Filosofia, ética e mundo do
trabalho Componente Curricular
Filosofia
Código da UCA Série
UCACHSA003 2ª

Descrição da Ementa

Ética e os deveres e direitos trabalhistas. Trabalho e o sindicalismo no mundo, no Brasil e no


Amazonas. Os principais direitos dos trabalhadores no Brasil e no Amazonas. Diversidade de
modalidades de trabalhos e trabalhadores no Amazonas. As diferentes formas de exploração
do trabalho no Brasil contemporâneo.

Objetivo geral
Analisar os múltiplos aspectos do trabalho em diferentes circunstâncias e contextos históricos
e/ou geográficos e seus efeitos sobre as gerações, em especial, os jovens, levando em
consideração, na atualidade, as transformações técnicas, tecnológicas e informacionais.

Objetivos Específicos
Compreender criticamente diferentes matrizes conceituais de análise e o funcionamento de
seus mecanismos de construção discursiva de verdade.
Valorizar práticas de promoção dos direitos humanos, respeito às diferenças e às liberdades
individuais com responsabilidade.
Compreender as múltiplas dimensões e significados do mundo do trabalho no contexto
amazônico.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 8. Promover o crescimento econômico inclusivo e sustentável, o emprego pleno e
produtivo e o trabalho digno para todos.
Objetivo 10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.
Objetivo 16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável,
proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e
inclusivas em todos os níveis.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Geral(is) da BNCC
Competência 1. Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o
mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade, continuar
aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.
Competência 6. Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de
conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo
do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com
liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.

Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C01 - Analisar processos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais nos âmbitos
local, regional, nacional e mundial em diferentes tempos, a partir da pluralidade de
procedimentos epistemológicos, científicos e tecnológicos, de modo a compreender e
posicionar-se criticamente em relação a eles, considerando diferentes pontos de vista e
tomando decisões baseadas em argumentos e fontes de natureza científica.
C04 - Analisar as relações de produção, capital e trabalho em diferentes territórios, contextos e
culturas, discutindo o papel dessas relações na construção, consolidação e transformação das
sociedades.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( X ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
(EMIFCHSA01) Investigar e analisar situações-problema envolvendo temas e processos de
natureza histórica, social, econômica, filosófica, política e/ou cultural, em âmbito local, regional,
nacional e/ou global, considerando dados e informações disponíveis em diferentes mídias.
(EMIFCHSA02) Levantar e testar hipóteses sobre temas e processos de natureza histórica,
social, econômica, filosófica, política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou
global, contextualizando os conhecimentos em sua realidade local e utilizando procedimentos
e linguagens adequados à investigação científica.
(EMIFCHSA04) Reconhecer produtos e/ou processos criativos por meio de fruição, vivências e
reflexão crítica sobre temas e processos de natureza histórica, social, econômica, filosófica,
política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou global.
(EMIFCHSA06) Propor e testar soluções éticas, estéticas, criativas e inovadoras para problemas
reais relacionados a temas e processos de natureza histórica, social, econômica, filosófica,
política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou global.
(EMIFCHSA07) Identificar e explicar situações em que ocorram conflitos, desequilíbrios e
ameaças a grupos sociais, à diversidade de modos de vida, às diferentes identidades culturais
e ao meio ambiente, em âmbito local, regional, nacional e/ou global, com base em fenômenos
relacionados às Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos
estruturantes
(EMIFCHSA08) Selecionar e mobilizar intencionalmente conhecimentos e recursos das Ciências
Humanas e Sociais Aplicadas para propor ações individuais e/ou coletivas de mediação e
intervenção sobre problemas de natureza sociocultural e de natureza ambiental, em âmbito
local, regional, nacional e/ou global, baseadas no respeito às diferenças, na escuta, na empatia
e na responsabilidade socioambiental.

Unidade Temática 1: Trabalho e Dignidade Humana


Objetos do Conhecimento
Diferentes conceitos de trabalho: Escravo, explorador, digno, justo, indigno, perigoso,
saudável e predador.
Viver em um mundo melhor: a Ética, a Política e a Estética;
Ética e moral, o ato moral, fatores modificadores do ato moral.
Desconstruindo conceitos e categorias históricas, geográficas, filosóficas e sociológicas:
Etnocentrismo, racismo, evolução, modernidade, cooperativismo, desenvolvimento, entre
outros.

Unidade Temática 2: Trabalho: Deveres e Direitos


Objetos do Conhecimento
Direitos coletivos e individuais no Brasil;
Declaração Universal dos Direitos Humanos;
Democracia, Cidadania e Direitos Humanos;
Teoria democrática moderna e contemporânea e o princípio republicano.

Orientações Metodológicas

As aulas devem ser direcionadas para atividades que envolvam a participação e promovam o
protagonismo juvenil. Além disso, devem promover a curiosidade e a criatividade no processo
de apropriação e comunicação científica advindos dos estudos e reflexões propostos pelo(a)
professor(a) acerca da Filosofia, ética e mundo do trabalho. Nesse sentido, devem ser
propostas atividades como: Roda de conversa introdutória sobre os conceitos de: Ética, Moral,
Deveres e Direitos. Vídeo Suporte: https://www.youtube.com/watch?v=Zc-fF5ca83w; Vídeo:
Criança vê criança faz. Vídeo suporte: https://www.youtube.com/watch?v=08ov7DPUxN4;
exibição de Vídeo: Profissões do futuro. Pesquisa referenciada acerca das diferenças entre os
conceitos de trabalho, emprego e vocação; Dramatização sobre as diferentes formas de
administrar conflitos, brigas, discussões, debates, diálogo, violências, entre outras; e, sala de
aula invertida: Ética Profissional e no capitalismo: tudo se torna mercadoria.

Recursos
Projetor de Datashow; Computador; Caixa de som; Quadro branco e pincel; Folhas de cartolina
ou 40 quilos; Pincel atômico (diversas cores); Caderno do estudante; Caneta/lápis; Celular.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
A avaliação deve ter caráter diagnóstico, formativo, contínuo e cumulativo, possibilitando a
construção de um conhecimento filosófico e ético de forma conjunta entre estudantes e
professores.
Apresenta-se como sugestões de avaliação para esta UCA: Observação Participante Analisar a
participação e interação do estudante durante as Rodas de Conversa; Relatório de análise das
atividades; Desempenho na sala de aula invertida; Exercício escrito; Participação na
produção/execução das dramatizações.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
OLIVEIRA. P. F. de C. Identidade em ação: ciências humanas e sociais aplicadas. 1ed – São Paulo:
Moderna, 2020.
GALO, Silvio. Filosofia: experiência do pensamento. São Paulo, Scipione, 2016.
GUEDIN, E. Filosofia no Ensino Médio. São Paulo, Ed. Cortez Editora, 2009.
SEVERINO, A. J. Filosofia no Ensino Médio. São Paulo. Cortez Editora. 2016.
CHAUI, M. Convite à Filosofia, Editora Ática, São Paulo, 2014.
VIEIRA, G. C. Filosofar. Ed. Saraiva. São Paulo, 2014.
SILVA, P. R. da. A gente vê a cidade assim: memórias de mulheres interioranas em Manaus. In:
PINEIRO (org). Gênero e Imprensa na História do Amazonas. Manaus: EDUA, 2014.
Consolidação das leis do trabalho – CLT e normas correlatas. – Brasília: Senado Federal,
Coordenação de Edições Técnicas, 2017. 189 p

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: OS MUNDOS DO TRABALHO NO CONTEXTO
AMAZÔNIDA
Título da UCA Área do Conhecimento
Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
Transformação digital e indústria
4.0 no Amazonas Componente Curricular
Geografia
Código da UCA Série
UCACHSA004 2ª

Descrição da Ementa

Tecnologia e o mundo do trabalho: As várias formas de trabalho na história, nos diferentes


espaços e contextos. As transformações no mundo do trabalho e seus impactos nos
trabalhadores, no contexto social e na paisagem urbana. Os avanços tecnológicos e o trabalho
humano. A agroindústria. As revoluções industriais, tecnológicas e informacionais. Indústria 4.0:
a quarta revolução industrial. Exclusão digital e a precarização do trabalho. Redes Sociais no
século XXI e o uso das tecnologias nas novas relações digitais. Influência das TICs nas relações
interpessoais.

Objetivo geral
Entender as múltiplas dimensões do mundo do trabalho a partir do desenvolvimento das
ideias presentes no modelo da Indústria 4.0, considerando o contexto amazônico.

Objetivos Específicos
Reconhecer os impactos das revoluções tecnológicas, industriais e informacionais na
estruturação e na dinâmica das sociedades contemporâneas;
Entender os impactos do desenvolvimento tecnológico nas relações sociais e no processo de
precarização do trabalho no século XXI;
Analisar as transformações técnicas, tecnológicas e informacionais presentes na sociedade
atual e a inserção das juventudes no mercado de trabalho.

ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU - Agenda 2030


Objetivo 08. Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego
pleno e produtivo e trabalho decente para todas e todos.
Objetivo 09. Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e
sustentável e fomentar a inovação.
Objetivo 10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.
Objetivo 12. Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Competência(s) Geral(is) da BNCC
Competência 5. Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação
de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as
escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos,
resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.
Competência 7. Argumentar com base em fatos, dados e informações confiáveis, para
formular, negociar e defender ideias, pontos de vista e decisões comuns que respeitem e
promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável em
âmbito local, regional e global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si mesmo,
dos outros e do planeta.

Competência(s) Espécífica(s) da Área de Conhecimento

C02 - Analisar a formação de territórios e fronteiras em diferentes tempos e espaços, mediante


a compreensão das relações de poder que determinam as territorialidades e o papel
geopolítico dos Estados-nações.
C03 - Analisar e avaliar criticamente as relações de diferentes grupos, povos e sociedades com
a natureza (produção, distribuição e consumo) e seus impactos econômicos e socioambientais,
com vistas à proposição de alternativas que respeitem e promovam a consciência, a ética
socioambiental e o consumo responsável em âmbito local, regional, nacional e global
C04 - Analisar as relações de produção, capital e trabalho em diferentes territórios, contextos e
culturas, discutindo o papel dessas relações na construção, consolidação e transformação das
sociedades.

Eixos Estruturantes

( X ) Investigação Científica ( ) Mediação e Intervenção sociocultural


( X ) Processos Criativos ( X ) Empreendedorismo

Habilidade(s) específica(s) dos Itinerários Formativos associados aos eixos


estruturantes
(EMIFCHSA01) Investigar e analisar situações-problema envolvendo temas e processos de
natureza histórica, social, econômica, filosófica, política e/ou cultural, em âmbito local, regional,
nacional e/ou global, considerando dados e informações disponíveis em diferentes mídias.
(EMIFCHSA04) Reconhecer produtos e/ou processos criativos por meio de fruição, vivências e
reflexão crítica sobre temas e processos de natureza histórica, social, econômica, filosófica,
política e/ou cultural, em âmbito local, regional, nacional e/ou global.
(EMIFCHSA10) Avaliar como oportunidades, conhecimentos e recursos relacionados às
Ciências Humanas e Sociais Aplicadas podem ser utilizadas na concretização de projetos
pessoais ou produtivos, em âmbito local, regional, nacional e/ou global, considerando as
diversas tecnologias disponíveis, os impactos socioambientais, os direitos humanos e a
promoção da cidadania.
(EMIFCHSA12) Desenvolver projetos pessoais ou produtivos, utilizando as Ciências Humanas e
Sociais Aplicadas para formular propostas concretas, articuladas com o projeto de vida, em
âmbito local, regional, nacional e/ou global.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Unidade Temática 1: Indústria no século XXI
Objetos do Conhecimento
As transformações da paisagem como consequência das diferentes formas de trabalho
humano;
O espaço geográfico como produto do trabalho humano na natureza;
Os avanços tecnológicos e o trabalho humano.
As transformações no mundo do trabalho e seus impactos nos trabalhadores e no
contexto social urbano da vida moderna.
As tecnologias e a transformação do espaço;
A modernização do campo: a agroindústria;
Indústria 4.0: A quarta revolução industrial.

Unidade Temática 2: Economia digital


Objetos do Conhecimento
A força de trabalho e o capital na era da tecnologia;
Inserção juvenil no mercado de trabalho e na economia digital;
Desigualdade social e exclusão digital;
As experiências de integração econômica mundial, continental e regional.
Perspectivas de desenvolvimentos sustentáveis do Polo Industrial de Manaus.
Os desafios econômicos para a indústria amazonense na atualidade.
Redes Sociais no século XXI e o uso das tecnologias nas novas relações digitais.

Orientações Metodológicas

As aulas devem ser direcionadas para atividades que envolvam a participação e que
promovam o protagonismo juvenil. Além disso, devem promover a curiosidade e a criatividade
no processo de apropriação e comunicação científica advindos dos estudos e reflexões
propostos pelo(a) professor(a) acerca da Transformação digital e indústria 4.0 no Amazonas.
Nesse sentido, devem ser propostas atividades como: - Roda de conversa introdutória a esta
Unidade Curricular de Aprofundamento; Vídeo: Tempos Modernos, com Charles Chaplin (sobre
a produção em massa); - Vídeo: Profissões do futuro (Canal do YouTube); Mapa mental com o
tema: Indústria; - Mapa mental com o tema: Empreendedorismo; Sala de aula invertida com o
tema: A Zona Franca de Manaus – da sua criação às crises econômicas e o momento atual;
Entrevista direcionada com um funcionário da ZFM (perguntas elaboradas pelos estudantes
orientadas pelo(a) professor(a);
Roda de conversa com apresentação dos resultados da pesquisa; Produção de Podcast: os
acontecimentos mais recentes na indústria da ZFM.

Recursos
Projetor de Datashow; Computador; Caixa de som; Quadro branco e pincel; Folhas de cartolina
ou 40 quilos; Pincel atômico (diversas cores); Caderno do estudante; Caneta/lápis; Celular.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


Avaliação
A avaliação deve ter caráter diagnóstico, formativo, contínuo e cumulativo, possibilitando a
construção de um conhecimento referente às transformações digitais e da Indústria 4.0 no
estado do Amazonas, de forma conjunta entre estudantes e professores.
Apresenta-se como sugestões de avaliação para esta UCA: Participação e interação do
estudante durante as Rodas de Conversa; Relatório de análise dos vídeos; Desempenho na
Sala de aula invertida; Exercício escrito; Participação na produção/execução do Podcast.
Os resultados das avaliações realizadas devem ser registradas em relatórios e/ou portfólios
conforme orientações sinalizadas nos Critérios de Avaliação da Aprendizagem e
Aproveitamento de Estudo, disponíveis na página 448 da Proposta Curricular e Pedagógica
para o Ensino Médio.
Os níveis de desempenho dos estudantes poderão ser registrados a partir da seguinte escala:
Chegou lá: estudantes que desenvolveram as habilidades essenciais esperadas;
Superou: estudantes que demonstram desempenho acima das expectativas esperadas;
Está chegando: estudantes que demonstram o desenvolvimento das habilidades essenciais
em fase inicial.
É importante enfatizar que no documento mencionado acima têm-se as orientações para
elaboração de rubricas com vista no processo avaliativo que poderão ser alinhadas às
dimensões do conhecimento: saber sobre, saber fazer, saber ser e conviver.

Referências

AMAZONAS. Proposta Curricular e Pedagógica do Ensino Médio. Secretaria de Educação do


Amazonas. Manaus: 2021.
AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense do Ensino Médio. Secretaria de Educação do
Amazonas. Manaus: 2021.
ANTUNES, R. (org.). Uberização, Trabalho digital e Indústria 4.0. 1ed. São Paulo: Boitempo, 2020.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2018.
BACHA, E. O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. 1ed. – Porto Alegre:
Unisinos, 2013.
BISPO, J. de S. Zona Franca de Manaus e suas riquezas: uma abordagem contábil. Manaus:
Appris, 2020.
BUENO, E. Produto nacional: uma história da indústria no Brasil. Brasília: CNI, 2008.240 p.
NETO, A. M. (org.). Brasil, Brasis: reconfigurações territoriais da indústria no século XXI. Brasília:
IPEA, 2021.
OLIVEIRA. P. F. de C. Identidade em ação: ciências humanas e sociais aplicadas. 1ed – São Paulo:
Moderna, 2020.
SACOMANO, I. B. [et.al]. Indústria 4.0: conceitos e fundamentos. 1ed. São Paulo: Blucher, 2018.
SCHWARB, I. K. A Quarta Revolução Industrial. 1ed. São Paulo: Edipro, 2019.

Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas


PLANO DE ENSINO
TEMÁTICA DA TRILHA: OS MUNDOS DO TRABALHO NO CONTEXTO
AMAZÔNIDA
Título da UCA Área do Conhecimento
Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
A mulher e o mundo do trabalho:
uma análise sócio-histórica Componente Curricular
História e Sociologia
Código da UCA Série
UCACHSA005