HERBICIDAS

Prof. Dr. RICARDO VICTORIA FILHO
ÁREA DE BIOLOGIA E MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESALQ/USP – PIRACICABA/SP rvictori@esalq.usp.br

HERBICIDAS

1- Introdução 2- Mecanismo de ação 3- Tipos de classificação 4- Classificação de acordo com o mecanismo de ação ã 5- P i i i causas d d Principais de danos 6- Métodos de diagnose de danos nas plantas

1. HERBICIDAS E O MEIO AMBIENTE

     

Águas subterrâneas Mudanças na composição florística resistência de plantas daninhas e

Resíduos de herbicidas no alimento e no ambiente Controle absoluto x controle (considerando níveis de danos) aceitável

Práticas de controle que levem em conta a conservação do solo. solo. Agricultura sustentável

descobrimento Ano de descobrimento 1945 1954 1956 1965 1970 1980 Grupo químico Fenociacéticos Carbamatos Triazinas Dimitroanilinas Difenileteres Sulfonilureias Número de herbicidas no grupo 17 16 29 22 29 16 .Tabela 1. Principais grupos químicos de herbicidas e a época de descobrimento.

999 36.775 29 775 304.12 14.060 25.838 14.101 27.750 11.842 21 842 214.616 24 616 232.583 29.Venda de defensivos agrícolas por classes – 2003-2007 Ingrediente ativo 2003 Herbicidas Fungicidas Inseticidas Acaricidas Outras Total 110.627 18.09 4.685 23.853 26.734 42.347 7.631 33.031 62.416 24.901 21.291 9.588 23 588 238.363 24.716 2007 189.79 9 79 .Tabela 2 .422 9.2725 2005 136.707 33.79 9.19 9.986 24.819 18 819 182446 2004 124.215 19.232 2006 144.

5 2.936 % 40.3 13.296 3.5 6. Herbicidas comercializados por cultura no Brasil durante o ano d 1998 (C d de (Conceição.663 1 663 1.7 5.8 3.799 1. Ingridientes Ativos Ton Soja Cana-de-Açúcar Milho Arroz A Café Algodão Citros 27.887 9.Tabela 3.4 24 2. 2000) i ã 2000).138 13.2 19.8 Valor US$ milhões 728 173 146 80 43 33 22 % 53.2 12.7 10.4 24 1.2 5.487 4.6 .2 2.

.MECANISMOS DE AÇÃO Ç Mecanismo de ação – é o mecanismo bioquímico ou biofísico afetado p pelo herbicida e que resulta na alteração do crescimento e q ç desenvolvimento normal da planta podendo levar a morte. morte. morte. Modo de ação – sequência de todas as reações que ocorrem desde o contato do herbicida com a planta até a sua ação final que pode levar p q p a planta a morte.2 .

SÍNTESE DA CLOROFILA .DIVISÃO CELULAR .FOTOSSÍNTESE .SÍNTESE DE CAROTENO .PROCESSOS METABÓLICOS        .SÍNTESE DE LIPÍDEOS .SÍNTESE DE AMINOÁCIDOS .CRESCIMENTO .

peroxidação de lipídeos Metabolismo NH4 biossíntese de aminoácidos . A graxo Destruição D t i ã de membranas CLO VACÚOLO CLO PC Biossíntese da celulose Fotossíntese. biossíntese da clorofila.Interferem com microtúbulos CLO = clorofila Nu = núcleo Mt = microtúbulos M = mitocôndrio Pl = plastídio Pc = parede da célula Herbicidas auxinicos RNA Síntese de Ac. carotenos.

PRINCIPAIS MECANISMOS DE AÇÃO LOCAL DE APLICAÇÃO Inibidores da divisão celular Inibidores de crescimento inicial Inibidores da fotossíntese Inibidores da síntese de pigmentos Mimetizadores de auxina Destruidores de membrana Inibidores d ALS I ibid da Inibidores da ACCase Inibidores da EPSP Solo S l Solo Solo Solo Folha Folha/Solo Folha F lh Folha Folha .

3 – TIPOS DE CLASSIFICAÇÃO Ç .

4 – CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM O MECANISMOS DE AÇÃO .

1.4. Herbicidas reguladores de crescimento ou mimetizadores de auxina .

• Década de 1930 – pesquisas com as auxinas naturais – AIA. O – CH2 .CO COOH N AIA Fenoxiacético .HERBICIDAS MIMETIZADORES DE AUXINA INTRODUÇÃO • É o grupo químico de maior área utilizada no mundo. e não eram rapidamente metabolizados na planta. • Dé d de 1940 – á id f Década d ácido fenoxiacéticos eram mais ativos que o i éti i ti AIA.

apoplasto. etil. sendo os é t l ã d ésteres mais voláteis. apresentam translocação predominantemente simplástica.CARACTERÍSTICAS – MIMETIZADORES DE AUXINA  os herbicidas desse grupo agem em locais de ligação da g p g g ç auxina com proteínas nas membranas celulares. Os ésteres com pequeno número de átomos de carbono no radical são mais voláteis (metil. propil e butil). controlam plantas daninhas dicotiledôneas em culturas de gramíneas. síntese de proteínas. provocando um desbalanço hormonal e afetando a p proteínas. a volatividade depende d f l ti id d d d da formulação. simplástica mas podem translocar pelo apoplasto. il il b il)    .

MECANISMOS DE AÇÃO • Provocam um desbalanço hormonal nas células com conseqüente crescimento desordenado dos tecidos. devido a ativação de enzimas que degradam a parede celular e/ou rompimento de pontes de H+ . • Interferem com o metabolismo do ácido nucléico e com os aspectos metabólicos da plasticidade da parece celular. Alta concentração na região merismática OHOHH+ HERBICIDA Baixa concentração Aumenta síntese de RNA mRNA Proteínas Proliferação de Tecidos ATPase Fora Dentro Acidificação do espaço livre que provoca um aumento na plasticidade da ç p ç q p p parede celular.

utilizando amoníaco a 3% por 24 h. Também pode ser usado carvão ativado a 3g/l por 1 a 2 dias e após lavagem com detergente. após o uso com herbicidas desse grupo.CARACTERÍSTICAS – MIMETIZADORES DE AUXINA  geralmente são móveis no solo. detergente. detergente.   . e a persistência não é alta (exceção para o piclo am). devedeve-se adotar procedimentos de descontaminação dos pulverizadores. cucurbitaceas. (e ceção pa a picloram) picloram). devedeve-se tomar cuidado com a deriva quando existem culturas sensíveis próximas. como algodão. uva e cucurbitaceas. tomate. e após lavagem com detergente.

SELETIVIDADE absorção diferencial metabolismo diferencial proteção dos feixes pelo esclerenquima exudação pelas raízes d ã l í alterações do local de ação da auxina na plasmalema      .

formação de raízes adventícias.SINTOMASSINTOMAS.MIMETIZADORES DE AUXINA  epinastia nas folhas. fotoassimilados. folhas. pedúnculos e caules. á     . l proliferação de tecidos no floema. morte de raízes adventícias. secundárias. secundárias. retorcimento d pecíolos. provocando a redução na translocação de fotoassimilados. t i t dos í l dú l caules.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4-D Manejo Dontor . plantio direto e áreas não agrícolas Trigo. Aminol.gramados. Navajo Banvel 480 Usos agrícolas no Brasil Café.benzoico Dicamba Ac. Capri. Piridinocarboxílico Picloram 2.4-D + picloram Padron Tordon 2. U-46 D-Fluid 2. cana-de-açúcar Ac. gramados e áreas não agrícolas Pastagens Pastagens Pastagens Pastagens. pastagens.Tabela 4 – Principais herbicidas mimetizadores de auxina Grupo químico Fenoxiacidos Ingrediente ativo 2.4-D. canade-açúcar. milho. arroz. cana-de-açucar. Herbi D480. cereais.4-D Nomes comerciais DMA 806BR.

4-D Aminopiralide + Fluroxypyr Ac. Piridinocarboxílico Ingrediente ativo Fluroxypir Triclopyr Fluroxypyr +picloram Aminopiralide+2.Tabela 5 – Principais herbicidas mimetizadores de auxina Grupo químico Ac.Quinolino carboxílico Quinclorac Nomes comerciais Starane 200 Garlon 480 BR Plenum Jaguar Dominum Facet Usos agrícolas no Brasil Pastagens Pastagens Pastagens Pastagens Pastagens Arroz irrigado .

Inibidores da fotossíntese .2.4.

FOTOSSÍNTESE EM PLANTAS

• A folha é o tecido fotossintetizante mais ativo numa planta. • Cél l do mesófilo possuem grande número de cloroplastos. Células d ófil d ú d l l t • Nos cloroplastos estão os p g p pigmentos absorvedores de luz.

FASE FOTOQUÍMICA DA FOTOSSÍNTESE  Fotossíntese significa síntese utilizando a luz  Toda a vida na Terra está intimamente ligada aos processos fotossintéticos  Organismos fotossintetizantes usam a energia da luz solar para sintetizar compostos orgânicos. t â i

H2O

O2
ReaçoesLuminosas

NADP ADP + Pi

NADPH ATP

Reações de fixação de Carbono carboidrato

CO2

INIBIDORES DO FOTOSSISTEMA II
a) inibem a fotossíntese bloqueando o transporte de elétrons na fase luminosa. A taxa de fixação de CO2 declina poucas horas após a aplicação nas plantas sensíveis sensíveis.
b) geralmente são aplicados ao solo, mas em alguns casos podem ser aplicados na

parte aérea em pós-emergência com a adição de um adjuvante. ê c) a translocação predominante é pelo aploplasto. ) ç p p p p d) quando aplicados a folhagem atuam como se fossem herbicidas de ação tópica, e necessitam d uma cobertura uniforme nas f lh . i de b if folhas e) Apresentam maior atividade sobre plantas daninhas dicotiledôneas, mas depende do herbicida utilizado

i) geralmente são produtos de baixa toxicidade para mamíferos. g) persistência no solo varia de poucas semanas até mais de 2 anos. do i d h bi id d tipo d solo e d precipitação pluviométrica no l l d de l da i i ã l i é i local da aplicação. do tipo de solo e das condições climáticas.INIBIDORES DO FOTOSSISTEMA II f) aplicados ao solo necessitam serem mobilizados para a zona d germinação d li d l it bili d de i ã das plantas daninhas. tendo baixa a moderada lixiviação. j) a resistência d plantas d i h t i tê i de l t daninhas tem ocorrido com os h bi id d id herbicidas desse grupo. através de chuva. irrigação ou então que o solo esteja úmido por ocasião da aplicação. dependendo do herbicida da dose aplicada. mas depende do herbicida. . h) em geral são adsorvidos ao solo. após repetidas aplicações anuais.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

pela lt l posição no solo.SELETIVIDADE a) posição no solo – essa seletividade denominada toponômica ou de posição ocorre devido ao herbicida posição. b) absorção diferencial pelas plantas – pode ocorrer que devido a morfologia e/ou anatomia das folhas e raízes algumas plantas não absorvem o herbicida em doses suficientes para apresentar efeitos fitotóxicos. não permitindo a translocação para p g . p ç p os sítios de ação localizados no cloroplasto. O diuron por exemplo é um h bi id seletivo a di l herbicida l ti diversas culturas. . permanecer na camada superficial do solo. acima do sistema radicular da planta cultivada. c) translocação diferencial entre as plantas – algumas plantas podem reter os herbicidas em locais como por exemplo glândulas.

. e) falha do herbicida em atuar na proteína na í membrana do cloroplasto. moléculas transformando em produtos não tóxicos. Exemplo é a atrazina em milho que realizada a metabolização ç através da hidroxilação da atrazina.SELETIVIDADE d) metabolismo diferencial – algumas plantas absorvem os herbicidas. mas metabolizam essas moléculas.

uva Algodão. milho e soja Alho. GRDA Ametrina AgriAgri Pec. Herbipak 500 . p GRDA. Gesapax GRDA. café. sorgo. cenoura. café cana Algodão café. cebola cenoura Alho cebola.cana de açúcar. cana. canade-açúcar. sorgo. Atrazina Atanor Gesapax 500. g . Herbitrin 500BR. Principais herbicidas inibidores do fotossistema II. gladíolo Cyanazine Prometryne Gesagard .Tabela 6. sisal. Bladex 500 Milho. seringueira Milho. banana. café cana-de-açúcar citros. Siptram 500. Atrazina Nortox. Sipazina 500 Gesaprim 500. Coyote 500. Herbazin 500BR. Gesaprim p . de-açúcar Abacaxi.milho. e as principais marcas comerciais Grupo químico Ingrediente ativo Nomes comerciais Usos agrícolas No Brasil Triazina Simazine Atrazine Ametrine Gesatop 500. café. ervilha.

milho.citros. Agricur 500 cebola. cenoura. p Cana-de-açúcar ç Hexaron Metribuzin Sencor 480 Aspargo. soja e uva Tebuthiuron Perflan 800 BR. batata. Tebuthiuron 500 Sanachem .Principais herbicidas inibidores do fotossistema II. e as principais marcas comerciais Grupo Ingrediente ativo Nomes comerciais Usos agrícolas no químico Brasil Triazinona Hexazinone+diuron Velpar K. soja. Diuron Nortox 500. Linurex Algodão. Com – Cana-de-açúcar bine 500. eucalipto milho lha eucalipto. videira Herburon 500 H b Linuron Afalon SC. Diuron 500 Agripec. 500. ervilha.mandioca. batata. abacaxi. Advance. alho. tomate e trigo Uréia Diuron Karmex 500. banana. café Diuron Fersol cana-de-açúcar. substituída SC. cana-de-açúcar.Tabela 7 . Cention Algodão. café. cacau.

Grassaid 540. Spada Ioxynil octonoato Totril Bentazon Basagran 600. alho Arroz. Fersol.Principais herbicidas inibidores do fotossistema II. Propanil .Propanil Milenia. . feijão milho Arroz feijão. Grassaid.Propanil 360 Agripec. e as principais marcas comerciais. citros Arroz Benzonitrilos Benzotiadiazinas Triazolinona Cebola. Herbipropanim. p . milho .Tabela 8 . . Banir 600 Amicarbazone Dinamic Usos Agrícolas no Brasil Abacaxi. Grupo Químico Uracila Amida Ingrediente Nomes comerciais ativo Bromacil+diuron Krovar Propanil Stam 360. milho. Stam 480. soja e trigo Cana-de-açúcar.

d) não são seletivos. sendo rapidamente absorvidos. . devido a ação ) l ã di ó li ã d id ã rápida. ã d ó ê i d id b id Chuvas 30 minutos após a aplicação não tem interferido na eficácia.FOTOSSISTEMA I (P700) As principais características do grupo são: a) são cátions fortes. sendo rapidamente adsorvidos ao solo b) são usados em pós-emergência. principalmente em presença da luz. ã ã l i e) Apresentam toxicidade alta por contato ou ingestão. c) as plantas são mortas em 1 a 3 dias após a aplicação.

.+ H3C-N + N-CH3 + 2e-   CH3-N N-CH3 cation paraquat cation paraquat reduzido 2H+ H2O2 O2 H2O + O2 O2 + OH + OHH2O2 = água oxigenada   O2 = superóxido Reações que ocorrem na redução e oxidação do cátion paraquat nas plantas.

• Descoberto .

.

.

batata e arroz Diquat Reglone .Tabela 9. e as principais marcas comerciais Grupo químico Ingrediente ativo Nomes comerciais Bipiridilios Paraquat Gramoxone 200 Usos agrícolas no Brasil Em pré-plantio em culturas anuais e jato dirigido em perenes. Principais herbicidas inibidores do fotossistema I. dessecante para soja. cebola e feijão. citros. perenes e dessecação de culturas Em pré-semeadura para beterraba. jato dirigido para café.

4 3 Herbicidas inibidores da divisão celular .3.4.

• de um modo geral são aplicados ao solo. p é paralizado. apresentam um entumescimento e o crescimento . tendo pouca ã translocação nas plantas. das plântulas. p q germinação pelas sementes na camada superficial do solo. principalmente g gramíneas.CARACTERÍSTICAS: CARACTERÍSTICAS INIBIDORES DA DIVISÃO CELULAR • paralizam o crescimento principalmente de radículas crescimento. • controlam plantas daninhas anuais. e as perenes quando estão iniciando a . . As partes das radículas de um modo g geral.

exigindo na maioria dos casos incorporação ao solo para evitar as perdas por volatilização e colocação do herbicida na camada superficial. onde encontra-se o banco de sementes das plantas daninhas daninhas. e alta volatilidade. • . apresentam d moderada a b i t de d d baixa t i id d para os toxicidade mamíferos.CARACTERÍSTICAS: INIBIDORES DA DIVISÃO CELULAR • apresentam baixa solubilidade.

Ciclo de divisão Interfase Profase Metafase Anafase Telofase .

Interfase Profase Aberração .

.

.

afetadas.SELETIVIDADE: INIBIDORES DA DIVISÃO CELULAR • posição no solo – as dinitroanilinas são pouco solúveis e posicionam na camada superficial d solo. A culturas i i d fi i l do l As lt dicotiledôneas cujas sementes germinaram mais profundamente no solo podem não ser afetadas solo. • metabolismo dif t b li diferencial entre as plantas i l t l t algumas l plantas podem ser tolerantes. caso da cenoura. . 1988). devido a diferenças na tubulina (Vanghan e Vanghn 1988) como ocorre no Vanghn.

brassicas. canade-açúcar Algodão. j . tomate. girassol. algodão. alho. cebola de transplante . fumo.Tabela 10 – Principais inibidores da mitose com as suas principais Grupo químico Ingrediente ativo Nomes comerciais Usos agrícolas no Brasil Soja. . milho. arroz. cebola. pimentão . amen – l d lh doim. batata. couve-flor. café. quiabo. alho. feijão. trigo. Cana-de-açúcar Dinitroanilina Trifluralin Treflan Trifluralina Nortox Trifluralina Nortox Gold Trifluralina Milenia Premerlin 600 Premerlin NA Pendimethalin di h li Herbadox b d Piridina Carbamatos Thiazopyr Dithiopyr t opy Chlorpropham Propham Visor 240 Dimension e so .repolho. feijão milho cebola feijão. amen – doim. cenoura. . berinjela . brassicas brócolis . cana-de-açúcar. citros.

Inibidores do crescimento 44 .4.4.

b) são pouco translocáveis nas plantas. d) a mobilidade e efeito residual no solo depende de condições d umidade e d teor d matéria orgânica no di õ de id d do de é i â i solo. . principalmente dicotiledôneas. p p p inibindo a emissão da primeira folha a partir do coleóptilo.CLOROACETAMIDAS a) os herbicidas desse grupo controlam gramíneas anuais e algumas plantas dicotiledôneas em início de germinação no solo. A inibição de radículas também tem sido verificado em algumas plantas. c) são herbicidas que atuam mais no caulículo das gramíneas.CARACTERÍSTICAS .

posição no solo – também é um fator que posiciona o herbicida em relação a semente da planta cultivada • • .SELETIVIDADE . As plantas tolerantes de um modo geral tem um nível maior de glutationa . uso de antídotos ou protetores – o uso desses produtos aumenta a seletividade das cloroacetamidas para o milho e soja soja. A principal reação de detoxificação é a conjugação com glutationa ou glicose glicose.CLOROACETAMIDAS • metabolização pelas plantas – as plantas tolerantes ç p p p fazem uma rápida metabolização das cloroacetamidas.

.

amendoim. Grupo químico Ingrediente ativo Alachlor Nomes comerciais Usos agrícolas no Brasil Algodão. milho e soja j Cana-deaçúcar. cana-de-açúcar. j Milh soja.feijão. café. Principais herbicidas do grupo dos cloroacetamidas. e suas p g p principais marcas comerciais. g girassol. café e fé cana-de-açúcar Arroz Soja e milho Cloroacetamida Laço Alachlor Nortox Dual Metolachlor Acetochlor A t hl Butachlor Dimethamid Fist Fi t Kadett Machete Zeta . milho e soja Milho.Tabela 11 .

4.5. Inibidores de membranas celulares (PROTOX)  Principais   características Mecanismo de ação ç Seletividade .

INIBIDOR DA SÍNTESE DA CLOROFILA (PROTOX) – PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS:       luz é necessário para ação atua em radículas caulículos e folhas radículas. não tem translocação morrem rapidamente fortemente adsorvido pela matéria orgânica pouco lixiviáveis .

metabolização .molhamento .posição no solo .sensibilidade diferencial da PROTOX .SELETIVIDADE: SELETIVIDADE     .

GLUTAMATO PROTOPORFIRINOGENIO Local de Ação O2 PROTOPORFIRINA IX PEROXIDAÇÃO DE LIPÍDIOS DESTRUIÇÃO DE MEMBRANAS CLOROFILA OXADIAZON OXIFLUORFEN SULFENTRAZONE MECANISMO DE AÇÃO .

.

.

cebola. citros cebola cenoura citros. cana -de -açúcar de açúcar citros.eucalipto e pinus Soja Soja Algodão. gladíolo e fumo Cana -de -açúcar. café. arroz irrigado. Principais herbicidas do grupo dos inibidores da PROTOX. café. cana -de -açúcar. Ftalimidas Flumiclrac -pentil Flumioxazin Oxadiazon oxadiazolinas Radiant 100 Flumyzin 500 Sumisoya S i Ronstar 250 BR Ronstar SC Tr iazolinonas Sulfentrazone Boral 500 Solara 500 . suas principais marcas comerciais. Grupo químico Difenileteres Ingrediente ativo Acifluorfen Formesafen Lactofen L t f Oxyfluorfen Nomes comerciais Blazer Flex Cobra C b Naja Goal BR Usos agrícolas no Brasil Soja e feijão Soja e feijão Soja S j Algodão. áreas não agrícolas. arroz. e 12.TABELA 12. alho. eucalipto. comerciais. soja. cenoura.

Inibidores da biossintese de caroteno  Principais   características Mecanismo de ação ç Seletividade .6.4.

INIBIDORES DA SÍNTESE DE CAROTENO – PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS:      povocam o branqueamento das folhas translocação apoplástica são adsorvidos pouca lixiviação degradação por microorganismos .

SELETIVIDADE  Metabolização diferenças na sensibilidade da enzima posição no solo   .

.

comerciais. arroz irrigado.TABELA 13. Grupo químico Isoxazolidinona Ingrediente ativo Clomazone Nomes comerciais Gamit Gamit 360CS Usos agrícolas no Brasil Soja. cana-de-açúcar. Principais herbicidas do grupo dos inibidores da biossíntese 13. fumo e algodão g Isoxazolidinonas Isoxaflutole Provence 750WG Milho e cana-de-açúcar . de carotenóides e suas principais marcas comerciais.

.

.

.

Inibidores da síntese de aminoácidos de cadeia aromática  Principais   características Mecanismo de ação Seletividade .1.4.7.7 .Inibidores da síntese de aminoácidos 6.

MECANISMO DE AÇÃO DOS INIBIDORES DA EPSPs PEP enzima EPSPs GLICOSE + DAH7P SHIQUIMATO + PEP EPSP E4P corismato (Aminoácidos aromáticos) Fenilalanina Tirosina Triptofano .

MEIA VIDA .000 ppm SIMPLASTICA FORTE 5 a 10 DIAS APÓS A APLICAÇÃO AMARELECIMENTO .ADSORÇÃO NO SOLO .SINTOMAS 12.TRANSLOCAÇÃO .SOLUBILIDADE .CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS – GLYPHOSATE .ÉPOCA DE APLICAÇÃO < 60 DIAS PLANTA EM CONDIÇÕES DE TRANSPORTE .

.

.

.

.

comerciais. Grupo p químico Derivado da Glicina Ingrediente g ativo Glyphosate Nomes comerciais Roundup Agrisato Glifosato Agripec Glifosato Fersol Glifosato Nortox Glifosato Atanor Glifosato Nufarm Gliphogan Gliz odeo Rodeo Roundup Transorb Roundup WG Scout Trop Usos agrícolas no g Brasil Diversas culturas com aplicações dirigidas plantio direto. .TABELA 14. Principais herbicidas com as suas principais marcas 14. comerciais.

Inibidores da síntese de amonoácidos de cadeia ramificada  Principais   características Mecanismo de ação ç Seletividade .2.4.7.

caules e folhas doses baixas degradação por hidrólise e microorganismos ó resistência ocorre rapidamente com uso constante maior mobilidade em > pH i bilid d H .INIBIDORES DA SÍNTESE DE AMINOACIDOS DE CADEIA RAMIFICADA – PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS:      absorvidos rapidamente pelas raízes.

SELETIVIDADE  Metabolismo Posição no solo  .

BIOSSÍNTESE DE AMINOÁCIDOS DE CADEIA RAMIFICADA
TREONINA Acetolactato Sintase (ALS)

PIRUVATO

 - CETOBUTIRATO
Piruvato

 - ACETOLACTATO
LetoLeto-Ácido reduto isomerase (KARI)

 - ACETO -  - HIHIDROXIBUTIRATO

 - CETOISOVALERATO  ISO
PROPILMALATO VALINA

, - DIHIDROXI-  DIHIDROXIMETILVALERATO

ISOLEUCINA
LEUCINA

Imidazolinonas no Brasil
• Ci Cinco i ingredientes ativos registrados: di t ti i t d

Imazamox (Sweeper)

Imazapic (Plateau)

Imazapyr (Arsenal, Chopper, (Arsenal Chopper Contain)

Imazaquin (Scepter)

Imazethapyr (Pivot)

Sulfoniluréias no Brasil
• Onze ingredientes ativos registrados:

Azimsulfuron (Gulliver)

ChlorimuronChlorimuron-ethyl (Classic)

Ethoxysulfuron (Gladium)

Flazasulfuron (Katana)

Halosulfuron (Sempra)

IodosulfuronIodosulfuron-methyl (Hussar)

MetsulfuronMetsulfuron-methyl (Ally)

Nicosulfuron (Sanson)

Oxasulfuron (Chart)

PirazosulfuronPirazosulfuron-ethyl (Sirius)

TrifloxysulfuronTrifloxysulfuron-sodium (Envoke)

8 9.a.Usos e doses de aplicação dos herbicidas do tipo sulfoniluréias Sulfoniluréias Metsulfuron-methyl Metsulfuron Mets lf ron-meth l Chlorimuron.0 18–90 8 – 13 35 – 70 18 – 35 2525-100 ./ha) 1.y Chlorimuron-ethyl Nicosulfuron Halosulfuron Flazasulfuron Fl lf Principais usos Cereais Soja j Milho Cana Cana C Doses (g i.

.

INIBIDORES DA SÍNTESE DE AMINOAMINOACIDOS DE CADEIA RAMIFICADA IMIDAZOLINONAS – PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS:     são utilizadas em pré ou pós-emergência no póscontrole de dicotiledôneas e algumas gramíneas translocamtranslocam-se pelo floema persistência de moderada a alta degradação por microorganismos .

SELETIVIDADE  Metabolismo absorção e translocação  .

Ingrediente ativo Chlorimuron ethyl Grupo químico Sulfoniluréias Nomes comerciais Classic Conquest Smart Twister Clorimuron Master Nortox Invest Gladium Katana Sempra Ally All Sanson Nicosulfuron Nortox Usos agrícolas no Brasil Soja S j Cyclosulfamuron Ethoxysulfuron Flazasulfuron Halosulfuron Metsulfuron-methyl Metsulfuron methyl Nicosulfuron Arroz Arroz e Cana-de-açucar ç Cana-de-açucar e Tomate Cana-de-açucar Trigo T i e arroz Milho Oxasulfuron Pirazosulfuron -ethyl Chart Sirius Soja Arroz irrigado .TABELA 15. Principais herbicidas com as suas principais marcas comerciais dos herbicidas inibidores da ALS. ALS. 15.

Ingrediente ativo Imazamox Imazapic Grupo químico Imidazolinonas Nomes comerciais Sweeper Plateau Usos agrícolas no Brasil Feijão e Soja Amendoim Cana de açucar Cana-de-açucar Áreas não agrícolas. Pinus. Pi i i Cana-de-açucar Imazapyr Arsenal NA Chopper Ch Contain Imazaquim Scepter Scepter 70DG Topgan Pivot Pivot 70DG Vezir Zethapir 106 SL h i Dinamaz 70 WDG Imazetapir Plus Nortox Soja Imazethapyr Soja .TABELA 16. seringueira. 16. ALS. Principais herbicidas com as suas principais marcas comerciais dos herbicidas inibidores da ALS.

16. comerciais. Principais herbicidas com as suas principais marcas comerciais.TABELA 16. (continuação) Grupo químico G í i Ingrediente ativo I di t ti Nomes comerciais N i i Usos agrícolas U í l no Brasil Soja Soja Soja Arroz irrigado g Algodão Triazolopirimidina Cloransulam -metil Diclosulam Flumetsulam py Bispyribac -sodium Pyrithi obac -sodium Pacto Spider Scorpion Nominee Staple Pyridimidinyl Oxibenzoatos .

Sintomas Imidazolinonas (Soja) Soja) Atrofiamento e clorose dos trifólios mais novos. (Brad dley et al 2007) l. ..

(Brad dley et al 2007) l..Sintomas Imidazolinonas (Milho) Atrofiamento das plantas e coloração mais púrpura do que o normal. . normal Clorose internerval e morte eventual de plântulas de milho.

. veias vermelhas ou pretas no lado abaxial da folha.Sintomas Sulfoniluréias (Soja) Sério atrofiamento.. (Bradley et al. 2007) Clorose irregular. morte dos trifólios mais novos. Plantas atrofiadas e clorose nos pontos de crescimento.

Sintomas Sulfoniluréias (Milho) Atrofiamento e “amontoamento” de internódios ( (foramsulfuron). ) Redução de colheita (aplicações tardias de nicosulfuron e nicosulfuron + rimsulfuron). cloróticos. Clorose na roseta e na parte de baixo das folhas e enrugamento das bordas das folhas próximo dos tecidos cloróticos.. (Brad dley et al 2007) l. .

.

INIBIDORES DA SÍNTESE DE LÍPÍDIOS Inibidores da A til Coenzima A C b il I ibid d Acetil C i Carboxilase (ACCase) .8 .4.

ORGANELAS.PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS    INIBEM A ENZIMA ACC ACCase PRESENTE NOS CLOROPLASTOS BLOQUEIAM A SÍNTESE DE LÍPIDEOS E AFETAM A FORMAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS MEMBRANAS LIPOLIPOPROTEÍCAS DAS CÉLULAS E ORGANELAS. SÃO LETAIS AS GRAMÍNEAS .

.

feijão.soja. cenoura. fumo. tomate. batata. alface. feijão e soja Arroz Algodão. tomate fumo roseira crisântemo Eucalipto. girassol. cebola. fumo Alface.pinus Soja Soja Algodão. batata. soja. e as principais marcas comerciais. soja e trigo Arroz. algodão. feijão. Feijão e Soja Soja Soja. Algodão eucalipto feijão. tomate.TABELA 17. eucalipto. Principais herbicidas do grupo dos inibidores da biossíntese de lipídeos. alho e cenou-ra cenouAlgodão.ervilha. cebola. roseira. cebola. cenoura. soja e fumo FluazifopFluazifop-p-butil HaloxyfopHaloxyfop-methyl Gallant R Verdict R QuizalofopQuizalofop-p-ethyl Targa 50CE QuizalofopQuizalofop-p-tefuryl Ciclohexanediona butroxydim Clethodium Panther 120 CE Falcon Select 240 CE Setoxydim Poast . gla – díolo. Grupo químico AxiloxifenoxiAxiloxifenoxiPropionato Ingrediente ativo DiclofopDiclofop-methyl Fenoxaprop ethyl Fenoxaprop pethyl Nomes comerciais Iloxan Furore Starice Rapsode Whip S Fuzilade 125 Fuzilade 250EW Usos agrícolas no Brasil Cebola.citrus.café.

.

5 – PRINCIPAIS CAUSAS DE DANOS • RESÍDUOS NO SOLO • DOSE ERRADA • DERIVA • CONTAMINAÇÃO DO EQUIPAMENTO • APLICAÇÃO EM ESTÁDIO INADEQUADO DA CULTURA • LIXIVIAÇÃO DO HERBICIDA NO SOLO • INCOMPATIBILIDADE DE MISTURAS .

AMBIENTAIS.6 – DIAGNOSE DOS DANOS CAUSADOS PELOS HERBICIDAS PRINCIPAIS ETAPAS: A) OBSERVAÇÃO DOS SINTOMAS Ã B) CARACTERIZAR OS SINTOMAS . DESORDENS NUTRICIONAIS .FOTOS C) COLETA DE INFORMAÇÕES • APLICAÇÃO • OBSERVAÇÃO DE PLANTAS NA VIZINHANÇA • INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Õ Á • PADRÕES DE INJÚRIAS • OBSERVAÇÃO DE SINTOMAS CAUSADOS POR FATORES BIOTICOS (INSETOS E PRAGAS) E ABIÓTICOS (MECANICOS.

D) COLETA DE AMOSTRAS • ÉPOCA • QUANTIDADE ADEQUADA • EMBALAGEM APROPRIADA .

DANOS NÃO UNIFORMES – FATORES BIÓTICOS (PRAGAS E DOENÇAS) .DETERMINAÇÃO DAS C US S DO DANO N Ç O S CAUSAS O NO .FATORES BIÓTICOS .7. METODO DE DIAGNOSE DE DANOS NAS PLANTAS 1 .VERIFICAÇÃO DOS PADRÕES DE DANOS .DANOS NÃO UNIFORMES – FATORES ABIÓTICOS (MECÂNICOS.FATORES ABIÓTICOS .DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 2 . FÍSICOS E QUÍMICOS) 3 .EVOLUÇÃO DOS SINTOMAS 4 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful