Você está na página 1de 2

BIMESTRE

COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO


ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL 3o BIM
PROF: PAULO ANGÉLICO DISCIPLINA: FÍSICA VALOR: 0,5 NOTA :

ALUNO(A): N0 TURMA :

IN DU Ç ÃO EL E TR OM AGN É TI CA L EI D E L EN Z

Para gerar uma corrente elétrica, não precisamos de O sentido da corrente induzida é tal que, por seus
pilhas, baterias ou tomadas. Podemos fazê-lo efeitos, opõe-se à causa que lhe deu origem, ou seja,
utilizando um imã e uma bobina. Para demonstrar a corrente induzida na espira aparece com sentido tal
isso, vamos inicialmente ligar os extremos da bobina a que o campo magnético que ela cria tende a contrariar
um amperímetro de grande sensibilidade. Uma vez que a variação de fluxo através da espira.
não existe qualquer fonte de energia nesse circuito,
não haverá qualquer passagem de corrente, e o
ponteiro do instrumento indicará intensidade zero.

TR AN SF OR M A D OR E S

A modificação de voltagem da corrente alternada é


Aproximando e afastando um ímã da bobina, o feita por transformadores, um dispositivo constituído
ponteiro do amperímetro sofre um desvio, revelando de uma peça de ferro doce (cuja função é intensificar
que uma corrente percorre o circuito. Quando o ímã o campo magnético) em torno do qual são enroladas
pára, o ponteiro retorna a zero, assim permanecendo duas bobinas, uma denominada primário e outra
enquanto o ímã não voltar a se mover. denominada secundário que fornecem a MESMA
As correntes geradas recebem o nome de correntes POTÊNCIA.
induzidas, e o fenômeno é chamado INDUÇÃO
ELETROMAGNÉTICA, descoberto por Michael Faraday
em 1831 na Inglaterra.

FL UX O M AG N ÉT IC O

É uma grandeza escalar que expressa a quantidade de


linhas de indução de um campo magnético que
O transformador só é capaz de elevar ou abaixar
atravessa uma determinada superfície. Para uma
TENSÕES ALTERNADAS uma vez que o seu
espira de área A imersa em um campo magnético
funcionamento é baseado no fenômeno da indução
uniforme B, o fluxo φ é dado por: eletromagnética.
Correntes alternadas geram campos magnéticos
variáveis no primário que por sua vez induzem
correntes elétricas alternadas no secundário. O
número de espiras de cada enrolamento possui papel
fundamental no funcionamento dos transformadores:
L EI D E F AR A D AY
Sempre que houver variação do fluxo magnético
através de uma superfície limitada por um circuito
fechado, haverá em conseqüência uma corrente
elétrica induzida no circuito. Se abrirmos a espira Para encontrar a intensidade da corrente elétrica que
aparecerá uma diferença de potencial (voltagem) percorre os enrolamentos primários e secundários
denominada força eletromotriz induzida ε, dada pela basta lembrar que a potência dissipada por eles é a
expressão: mesma, então:

Quanto MAIOR for U MENOR será i.


FÍSICA – PROF. PAULO ANGÉLICO -2- 17. INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

T ES T E S 03) (UFPR-2006) O fenômeno da indução eletromag-


nética permite explicar o funcionamento de
01) Um ímã, preso a um carrinho, desloca-se com diversos aparelhos, entre eles o transformador, o
velocidade constante ao longo de um trilho qual é um equipamento elétrico que surgiu no
horizontal. Envolvendo o trilho há uma espira início do século 19, como resultado da união
metálica, como mostra a figura. Pode-se afirmar entre o trabalho de cientistas e engenheiros,
que, na espira, a corrente elétrica: sendo hoje um componente essencial na
tecnologia elétrica e eletrônica. Utilizado quando
se tem a necessidade de aumentar ou diminuir a
tensão elétrica, o transformador é constituído por
um núcleo de ferro e duas bobinas. Uma das
bobinas (chamada de primário) tem N1 espiras e
sobre ela é aplicada a tensão U1, enquanto que a
outra (chamada de secundário) tem N2 espiras e
(A) é sempre nula. fornece a tensão U2. Sobre o transformador, é
(B) existe somente quando o ímã se aproxima da correto afirmar:
espira.
(A) É utilizado para modificar a tensão tanto em
(C) existe somente quando o ímã está dentro da
sistemas de corrente contínua quanto nos de
espira.
corrente alternada.
(D) existe somente quando o ímã se afasta da espira.
(B) Só aparece a tensão U2 quando o fluxo do campo
(E) existe quando o ímã se aproxima ou se afasta da
espira. magnético produzido pelo primário for constante.
(C) Num transformador ideal, a potência fornecida ao
02) (UEL-1998) Um ímã, em forma de barra, atravessa primário é diferente da potência fornecida pelo
uma espira condutora retangular ABCD, disposta secundário.
verticalmente, conforme a figura a seguir, (D) Quando o número de espiras N1 é menor que N2, a
corrente no secundário é maior que a corrente no
primário.
(E) Quando o número de espiras N1 é menor que N2, a
tensão U2 será maior que a tensão aplicada U1.

04) Para se construir um transformador que eleve a


tensão de 110 V para 220 V, enrola-se, em torno
de um núcleo de ferro, 300 voltas para constituir
o enrolamento primário. Quantas voltas deve ter
o secundário?
Nessas condições, é correto afirmar que, na (A) 50
espira: (B) 100
(A) não aparecerá corrente elétrica induzida nem (C) 150
quando o ímã se aproxima e nem quando se afasta (D) 300
da espira. (E) 600

(B) tem-se uma corrente elétrica induzida, no sentido


05) Próximo de sua casa, existe um transformador
de A para B, apenas quando o ímã se aproxima da
elétrico que diminui a tensão de fornecimento de
espira.
13800 V para a tensão de consumo de 220 V.
(C) tem-se uma corrente elétrica induzida, no sentido Observando-se o transformador, percebe-se que
de A para B, tanto quando o ímã se aproxima como ele apresenta 25 espiras externas (secundário). O
quando se afasta da espira. número de espiras internas (primário) é um valor
(D) tem-se uma corrente elétrica induzida, no sentido mais próximo de:
de B para A, tanto quando o ímã se aproxima como (A) 250
quando se afasta da espira. (B) 500
(E) tem-se uma corrente elétrica induzida, no sentido (C) 1000
de A para B, apenas quando o ímã se afasta de (D) 1500
espira. (E) 2000