Você está na página 1de 4

Atenção, Legião Organizada!

Introdução Dos debates, sabemos que a sociedade em que vivemos é lotada de problemas. Problemas que vão desde a fome, a baixa qualidade da educação e da saúde, o desemprego, a insegurança, o descaso com o meio ambiente, a manipulação, as drogas e entre tantas outras coisas. Esses problemas, nos afetam a todo instante. Seja pela superproteção que os pais pretendem dar a ponto de interrogar os filhos e proibi-los de sair de casa, seja pela maioria de nós não ver sentido no que é passado em sala de aula, seja por acabarmos nos iludindo com falsas soluções Ora, se esses problemas estão presentes, precisamos encontrar para eles uma solução. “Mas que solução?” É, verdade, ainda não chegamos numa solução bem definida. Mas, com certeza, algo que será fundamental para qualquer solução que venhamos propor é que tenhamos capacidade de implementar essa solução. Portanto, a LO precisa ser grande e forte. Para tal, é que começamos a fazer semestralmente os planejamentos: para termos em mente o caminho que devemos seguir e sabermos que só precisamos cumprir aquele planejamento para que estejamos seguindo aquele caminho. E mais: não somente um ou outro seguir o planejamento, mas todos os interessados. Porém, para o planejamento do segundo semestre de 2011, pouca coisa se cumpriu até agora. É claro, tivemos o imprevisto da greve. Mas, isso não pode servir de desculpa para se desviar do planejado. Além disso, do que se cumpriu, a maior parte das coisas foi cumprida por mim. O Marcelo também está dando um grande apoio no grupo, pois tem participado frequentemente. Em uma escala menor, os outros tem participado. Mas, precisamos alcançar picos maiores porque precisamos construir uma LO grande e forte. Por isso, iremos fazer algumas mudanças.

O que é ser feliz? Um argumento bastante utilizado é que as pessoas não cumprem as tarefas porque também querem aproveitar a vida, serem felizes. Além de isso ser uma bela desculpa, porque com certeza, sobraria tempo para contribuir para o desenvolvimento da LO e para “aproveitar a vida”, tenta-se passar que se comprometer com as atividades da LO seria algo que não se aproveitasse e não promovesse a felicidade. Ora, o que é felicidade afinal? Eu pensava que no dicionário, felicidade fosse algo relacionado ao prazer, e assim, não poderia utilizar o argumento do dicionário. Mas, o que diz no dicionário é que uma pessoa feliz é uma pessoa realizada, que teve sucesso. Isso bate com a definição que eu tinha em mente: ser feliz é ter desenvolvimento. Só que, no caso, felicidade seria o final do processo de desenvolvimento.

DESENVOLVIMENTO → FELICIDADE

Então, a primeira coisa que deve-se saber diferenciar é felicidade de prazer. Imagine, se as pessoas entrassem numa máquina do prazer que tivesse um aparelho de masturbação, um aparelho de irrigação com drogas e um aparelho com irrigação de alimentação. Não seria maravilhoso? Ao meu ver não. “Ah! Mas, para alguém que esteja lá dentro pode se sentir feliz.” Acabamos de ver que felicidade é o resultado final de um desenvolvimento. Se a pessoa não teve um certo desenvolvimento, seria complicado ela dizer que é feliz ou não. Por exemplo, uma criança pode se sentir muito feliz por dizer um palavrão. Por acaso isso é felicidade? Com certeza, não. Por mais que tenha pessoas que acham engraçado até hoje fazer isso, isso só demonstra que a pessoa não pôde experimentar outras atividades que com certeza podem lhe dar uma felicidade maior.

Pegaremos um exemplo de um drogado. Para o drogado, ele vai se achar feliz porque ele tem prazer fornecido pela droga. Porém, junto com isso, ele tenderá a destruir toda a sua vida. Seja ela fisiológica, seja ela mental, seja ela social. E, a longo prazo, talvez precise de uma quantidade cada vez maior de sua droga para manter sua felicidade.

O fato é que por mais que um drogado diga que é feliz, podemos também encontrar casos que drogados se livraram das drogas por meio de tratamento, com internação voluntária inclusive. Eu procurei na Internet como é feito esse tratamento, mas não obtive bons resultados. Mas, eu creio que deve haver um tratamento em que a pessoa aprenda a viver um outro estilo de vida. Aprenda a fazer atividade física regularmente, utilizar-se de sua expressão artística, desenvolver o gosto pela leitura, valorizar as boas amizades. Veja que interessante: apesar de ser um tratamento pesado com uso de medicamentos, algumas pessoas começam a mudar seus valores. Como se explica isso? Ao meu ver, isso está muito ligado com a pessoa ver uma felicidade maior que a sua. Outro exemplo seria o filme Uma Mente Brilhante, na qual o personagem principal é esquizofrênico e imagina uma menininha, mas no final do filme ele se dá conta que aquela menina não é de verdade. Então, por mais que o personagem estava imerso em um determinado sistema de valores do que é real e o que não é, ele começou a observar algumas contradições entre suas imaginações e se deu conta que não poderiam existir (no caso, a menininha não crescia). “Ora, então temos que também experimentar as drogas, para sabermos se aquilo realmente não é felicidade?” Não, não precisamos disso. Assim como também alguém não precisa viver uma vida sem drogas para descobrir que essa é mais feliz do que a vida de drogado. Há algo que se chama argumentação. Com a argumentação podemos saber o resultado de várias experiências, sem mesmo nunca ter passado por elas. É claro, se passarmos por elas, também teremos o resultado, apesar de uma forma mais rápida, com os possíveis ônus. “Então, argumente porque o não-drogado é mais feliz que o drogado?” Para começar, vamos definir que um drogado é uma pessoa que tem como prioridade na vida usar algum tipo de droga e faz isso frequentemente. Ora, usar qualquer tipo de droga é algo bastante fácil. Qualquer pessoa consegue. Não exige nenhum desenvolvimento, não exige nenhuma capacidade. Como não exige nenhum desenvolvimento nenhuma capacidade, as pessoas não se desenvolverão com o uso das drogas. Porém, eventualmente, terão recaídas. Ora, quem não se desenvolve e tem recaídas, está caminhando para o fundo do poço. Então, a pessoa terá cada vez menos boas qualidades. Por exemplo, deixará de ter palavra. Deixando de ter palavra, é impossível desenvolver uma boa amizade. Não desenvolvendo essas boas amizades, as drogas ganharão prioridade ainda maior. Deixando de ter palavra, ficará difícil de ter um função social. As drogas ganharão prioridade ainda maior. E tantas outras coisas. Dessa forma a pessoa afundará cada vez mais rápido ao fundo do poço. No fundo do poço, somente com as drogas a pessoa só terá um prazer temporário. E se tiver acesso a drogas, morrerá de overdose, porque a dose que fazia efeito antes não fará mais efeito agora. Durante todo esse tempo, o drogado vai perdendo sua capacidade criativa, sua capacidade de tomar inciativa e sua capacidade de resolver problemas. Talvez, possa se achar que a pessoa, ainda quando não está afundada, seja feliz no mundo das drogas. Mas, traçando um futuro não tão distante, isso muda de figura. O que parecia divertido, se torna terrível. É como aquela história da cigarra e da formiga. Enquanto a formiga trabalhava o dia inteiro, a cigarra só queria saber de curtir a vida. Quem batesse uma foto diria que a cigarra estaria aproveitando muito melhor a vida do que a formiga. Mas, quem continuasse olhando, veria que a cigarra não aproveitou a vida, e sim somente aquele verão, porque logo morreria de fome. Enquanto isso, a formiga, que teve se desenvolvendo enquanto trabalhava, aproveitará o inverno sossegada. Se nós pensarmos em se dedicar nas atividades da LO hoje, isso pode até parecer chato. Mas, conforme vamos experimentando o desenvolvimento, além de nos tornarmos pessoas melhores, estamos construindo a solução para inúmeros problemas. Você já pensou como ocorre a hipertrofia muscular (o desenvolvimento dos músculos)? Todo mundo sabe que fazer exercícios físicos desenvolve a musculatura, mas por quê? Eu me questionei isso ontem, e pensei que deveria ser da seguinte forma. Temos células musculares que são fortes e células musculares que são fracas. Quando fazemos exercícios físicos, as mais fracas acabam rompendo por não aguentar o esforço. Assim, haverá menor consumo de nutrientes, sobrando para o desenvolvimento de novas células. Essas células serão de vários tipos: fortes e fracas. Mas, estaríamos trocando todas as células fracas por células fortes e fracas, então já temos uma tonificação. Portanto, hipertrofia muscular nada mais do que forçar uma seleção natural.

Como aumentar o desenvolvimento dentro da LO? Como já falamos anteriormente, o desenvolvimento atual na LO está longe do esperado. E o grande problema está na má divisão das tarefas: uns fazem muito e a maioria não faz quase nada. Precisamos fazer que que essa maioria siga o exemplo desses poucos.

1ª Medida:

Analisando isso, a ideia de dividir a tarefa entre grupos de trabalho, não se mostrou muito eficiente porque acabou que um ficou empurrando a tarefa para outro, no sentido de que ninguém se prontificou em fazer. Então, a primeira medida que iremos fazer é começar a dividir individualmente as tarefas. Assim, determinada pessoa ficará responsável pela tarefa. Dessa forma, poderemos fazer uma avaliação individual da pessoa. Se, no geral, a pessoa não fez nada, então a pessoa não fará mais parte dos grupos de trabalho. Mesmo assim, a pessoa não precisa se afastar completamente da LO, porque ainda será bem vinda nos grupos de debates e se melhorar seu desempenho, poderá voltar a participar dos grupos de trabalho.

O motivo dessa medida é que tenhamos certeza de que quem estiver nos grupos de trabalho

a gente possa contar. E mais: cada um que estiver no grupo de trabalho saber que pode contar com

os demais. Além disso, também servirá para a pessoa se dar conta que, se ela realmente quer uma

solução, ela tem que trabalhar para que essa solução aconteça. Ela não cairá do céu. Além disso, a ideia não é simplesmente sair expulsando todo mundo. Na verdade, é tentar entender porque as pessoas que não cumpriam com sua tarefa não a fizeram. Se o motivo for de vagabundagem, dai é melhor mesmo que não participe. Mas, se o motivo for outro, como falta de motivação, por exemplo, a ideia é que se motive essa pessoa. Além disso, não haverá gente para influenciar negativamente dando mal exemplo e desmotivando os outros.

2ª Medida:

A ideia é que os encontros mensais dos grupos de trabalhos servissem para além de desenvolver alguma atividade e ensinar alguma coisa, também servissem para facilitar a organização. Porém, eu meio que fui esquecendo essa segunda função. Essa função será feita nos próximos encontros dos grupos de trabalho. Essa organização se

dará em dois tempos: primeiro uma reunião com o grupo todo e depois com reuniões de cada grupo de trabalho. Assim, será debatido as atividades gerais do mês e sua divisão de tarefas entre as pessoas. Dessa forma, haverá mais entrosamento entre o grupo como um todo e cada um dos grupos de trabalhos, possibilitando uma ação mais harmoniosa e em conjunto. Além disso, também se pretende parabenizar aqueles que tiveram melhor desempenho, para servir de exemplo aos demais.

A princípio, os encontros dos grupos de trabalho serão aos domingos, de um em um mês.

3ª Medida:

Haverão duas tarefas que todo mundo que participe dos grupos de trabalho deverá cumprir. A primeira delas é se comprometer e escrever uma matéria por mês. Isso tem como objetivo

incentivar o desenvolvimento da habilidade de escrita e motivar as pessoas a ir atrás de informação

e conhecimento para que possam escrever.

A segunda tarefa será vender dois exemplares de jornais por mês. Essa tarefa visa, além de

arrecadar finanças para LO, perder a vergonha e facilitar o relacionamento com o público.

A ideia é que as tarefas sejam paulatinamente aumentadas.

Além disso, haverão as tarefas de cada grupo de trabalho.

4ª Medida:

Criação de um espaço virtual para comunicação do grupo como um todo. A princípio será um canal (#LO) da rede IRC. A escolha da rede IRC é que além de ser um programa diferente do

MSN, que dá a ideia que não é para ser usado apenas como bate-papo, tem algumas funcionalidades interessantes. Além do mais, aqui em casa o MSN groups não funciona direito, primeiro porque o MSN fica caindo e segundo porque não aparece para mim quem foi que falou Pode-se marcar horário para uma reunião, por exemplo. Dai a ideia é facilitar a comunicação com todo o grupo, devido a dificuldade que o pessoal tem em sair de casa. IMPORTANTE: essa medida não visa substituir a participação presencial, mas sim complementar, uma vez que é difícil fazer encontros dos grupos de trabalhos mais seguidos.

5ª Medida:

Organização do grupo alfa, de forma que ele é responsável pelo desenvolvimento dos demais grupos de trabalho. Ele tem que ser, acima de tudo, um exemplo para os demais. Ele será o responsável por cobrar e fiscalizar o cumprimento das tarefas e dar apoio a quem precise. IMPORTANTE: a ideia de cobrar e fiscalizar é ser construtivo e não destrutivo. Também caberá ao grupo alfa, organizar todas as medidas acima.