Você está na página 1de 96

Foto: Albani Ramos

Foto: Albani Ramos

2 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

OpORtuNiDADEs E DEsAfiOs

O Brasil saiu praticamente ileso de uma das mais sérias crises econômicas ocorridas no

mundo. A crise iniciada em 2008, a partir da quebra do Lehman Brothers, um dos mais tradicionais bancos americanos, refletiu negativamente – embora em graus diferentes – em

todos os países do mundo.

O fato de ter cumprido a lição de casa, com o ajuste das contas externas e o acúmulo de

reservas internacionais, bem como a recuperação dos instrumentos de política econômica, amenizou os seus efeitos em nosso país.

Quando desembarcou no Brasil, a crise encontrou um país com perspectivas de crescimento provocadas por anos de ajustes e reformas estruturais. Complementada por uma forte política de inclusão social, essas reformas promoveram a estabilidade socioeconômica e estabeleceram as condições para o crescimento sustentado da economia.

Embora os impactos da crise não tenham sido desprezíveis, particularmente no setor industrial, eles puderam ser minimizados em função dos bons fundamentos da economia brasileira e das medidas de política econômica adotadas pelo governo do presidente Lula.

No plano regional, é de se registrar o crescimento acelerado das regiões menos desenvolvidas, em função das políticas redistributivas, de inclusão social e investimentos produtivos e de infraestrutura. Nesse contexto, cabe destaque para o desempenho da economia do Nordeste, com níveis de consumo se igualando às “taxas chinesas” de dois dígitos.

Enquanto o cenário delineado para os próximos quatro anos indica, de um lado, um crescimento no máximo medíocre da economia mundial, e, de outro, um crescimento médio de 5% ao ano do PIB brasileiro, o PIB da região Nordeste deverá se situar num patamar mais elevado, ficando acima de 6% ao ano, em média.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

3

O NOVO MARANHÃO

Nesse contexto, o Maranhão

tem o privilégio de iniciar a nova década numa posição invejável de receptor de investimentos estruturantes que propiciarão a abertura de novas oportunidades

e perspectivas jamais reunidas

em nossa história. Os números

previstos para essa nova década são superlativos – cerca de R$ 100 bilhões em investimentos públicos e privados até

o momento, que irão ofertar

aproximadamente 240 mil novos empregos nos próximos cinco anos –, como também são extraordinários os desafios que se colocam no caminho do crescimento econômico. Enfrentando novos e antigos desafios, o novo Maranhão já está em construção, com o início de

4 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

vários empreendimentos, como:

Refinaria de petróleo Premium I da Petrobras, de capacidade gigantesca – 600 mil bpd – que será a quinta maior do mundo e a maior do Brasil. A produção será escoada pelo Terminal Portuário do Mearim, às margens do rio Mearim em Bacabeira, a ser construído pela Aurizônia Empreendimentos;

Ampliação da refinaria do consórcio Alumar;

Usina termelétrica do grupo Geranorte, com 330MW;

Hidrelétrica de Estreito, com

capacidade de 1087MW;

Termelétricas do grupo EBX:

UTE MPX Itaqui, com 360MW, e UTE Parnaíba (gás natural), com 1863MW, em sociedade com a Petra Energia;

Inclusão das hidrelétricas do Parnaíba pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética, do MME) no próximo leilão de energia;

Aciaria do grupo Ferroeste, que vai produzir 500 mil toneladas de tarugo de aço em sua primeira etapa;

Píer IV da Vale;

Foto: Albani Ramos

Duplicação da Estrada de Ferro Carajás - EFC;

Fábrica de celulose da Suzano, com capacidade de 1,5 milhão de toneladas/ano;

Ampliação das fábricas de bebida da Ambev e Schincariol;

Nova unidade do grupo Renosa, engarrafadora da Coca-Cola, em Imperatriz;

Implantação do complexo avícola da Notaro Alimentos, no município de Balsas;

Extração de ouro do Grupo Aurizona, no município de Godofredo Viana, e do grupo

Jaguar Mining, no município de Centro Novo do Maranhão;

Ampliação das unidades de produção de ácool dos grupos TG Agro Industrial, em Aldeias Altas, e Agro Serra, em São Raimundo das Mangabeiras;

Novas unidades de produção de cimento como

a Votorantim em São Luís;

Construção em Alcântara da Torre Móvel Integrada

- TMI, para as atividades

do Veículo Lançador de Satélite - VLS. Obra orçada em R$ 47 milhões. O primeiro voo de teste está previsto para fevereiro de 2012.

O Maranhão, portanto, está diante de uma rara oportunidade de estabelecer uma conexão com o

futuro. Para isso vai empreender um esforço vigoroso na captação de novos investimentos e na criação de um forte mercado consumidor, capaz de gerar muitos empregos, renda

e trabalho para os maranhenses.

A identificação e o planejamento

das oportunidades, aliadas

a uma política forte de combate

à pobreza*, transformarão

o Maranhão num estado altamente competitivo e socialmente mais justo.

((*) Leia o box “Pobreza e Desigualdade – Os desafios a vencer”).

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

5

O Estado investirá ainda em

infraestrutura de logística e no estabelecimento de um complexo portuário (super porto) de nível internacional para o escoamento da produção de derivados de petróleo e gás, mineral e do agronegócio.

Investimento e emprego

caminharão lado a lado. A falta de mão de obra técnica qualificada

– um dos mais relevantes

entraves para o desenvolvimento econômico – será enfrentada com a expansão dos centros de formação e capacitação profissional (14 novas escolas técnicas estão sendo construídas nos municípios de Zé Doca, Buriticupu, São Luís – Centro Histórico, Açailândia, Timon,

6 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

Bacabal, Pinheiro, Caxias, Alcântara, São Raimundo das Mangabeiras, São João dos Patos, Barra do Corda, Santa Inês e Barreirinhas).

Além do treinamento da mão de obra, o Estado investirá fortemente na qualificação profissional com o Programa de Formação de Recursos Humanos**, incentivando a formação técnica, tecnológica, de graduação e de pós-graduação voltados para o atendimento de necessidades específicas, como as de pesquisa e inovação tecnológica. Todas essas ações integrarão a política de Ciência, Tecnologia & Inovação para viabilizar o desenvolvimento sustentável do estado, ampliar

e modernizar as universidades

e centros de pesquisa e atender às demandas do mercado.

((**)Leia o box “Programa de Formação de Recursos Humanos”).

A consolidação dos vários

empreendimentos previstos para

o início desta década implicará

ainda na necessidade de melhoria na logística de abastecimento das empresas aqui instaladas ou que venham a se instalar. Incentivos a programas, como

o de Desenvolvimento de

Fornecedores do Maranhão

- PDF e o ProMaranhão,

importantes instrumentos de

política econômica, tributária

e de incentivos fiscais, serão melhorados para aproximar governo, fornecedores,

Foto: Albani Ramos

compradores e entidades na busca de novos negócios.

A criação de corredores de

pesca artesanal. No entanto,

o Maranhão está muito longe

da exploração ótima dos seus recursos pesqueiros.

Todo o esforço produtivo

e de infraestrutura será feito

com base nos princípios de sustentabilidade, na melhoria

desenvolvimento, que poderão ser traduzidos como eixos de

A

necessidade de ordenamento

da paisagem ambiental e na inserção local e regional inclusiva

integração e desenvolvimento

e

expansão do setor pesqueiro

e

responsável. A orientação dos

regional, é um conceito moderno de promover a interligação dos grandes eixos que cortam as diversas regiões do estado. Eles integrarão economias, culturas, oportunidades de negócios e possibilitarão ao governo agir como indutor do

no Maranhão é um desafio tão grande quanto o aproveitamento das reservas minerais marinhas, consideradas uma das maiores do país.

Apesar desse potencial, o Brasil ainda depende da importação

investimentos será fundamentada

na atualização e retomada do zoneamento ecológico- econômico, instrumento fundamental para a segurança legal dos investimentos produtivos no Maranhão.

processo de desenvolvimento.

para os insumos usados em fertilizantes agrícolas e nutrição

A

principais projetos que irão

seguir, um resumo dos

A

natureza – tão generosa com a

animal. O agronegócio terá

modificar e alterar de forma

costa maranhense – deu ao litoral

um lugar fundamental na

irreversível a nossa economia.

e

aos rios a responsabilidade

transformação desse Maranhão

pelo sustento de mais de 200 mil famílias que praticam a

num estado rico e socialmente mais justo.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

7

PETRÓLEO E GáS

Foto: Istockphoto

O setor de gás e petróleo caminha

a passos largos no Maranhão

e reflete o grande momento econômico vivido pelo estado. Não faltam investimentos e projetos. Empresas como a Petrobras, OGX, Petra Energia, Gasmar, Engept e a Panergy aproveitam os bons ventos

e se preparam para investir em

diversos projetos, como os de refinaria, gasodutos, exploração de petróleo e gás natural.

O projeto da Petrobras é o que chama mais atenção. Com investimento estimado em

US$ 20 bilhões, a estatal já deu

a partida para a construção de sua

maior refinaria no país, a Premium I – a 5ª maior do mundo –, no município de Bacabeira, a cerca de 60 quilômetros de São Luís.

A Refinaria – será a maior das

Américas – terá capacidade de produzir 600 mil barris/dia.

A nova unidade da Petrobras no

Maranhão, além de aumentar

a capacidade de refino do país,

vai adicionar valor ao petróleo nacional. A produção será escoada pelo Terminal Portuário do Mearim, cuja a construção será iniciada em 2011.

Inicialmente, a Refinaria Premium I do Maranhão produzirá principalmente diesel para exportação, nafta petroquímica, gás liquefeito de petróleo - GLP e querosene de aviação. As obras da refinaria vão gerar 132 mil empregos diretos, indiretos e por efeito de renda.

A OGX, braço petroleiro do grupo

EBX, está investindo R$ 700 milhões no Maranhão, precisamente na bacia do Parnaíba. A empresa possui sete blocos terrestres no interior do estado, atuando com a MPX Energia

– empresa de energia do grupo – e a Petra Energia.

As reservas estimadas de gás até

o momento somam 15 milhões de

metros cúbicos diário, e poderão ser utilizadas para geração de energia elétrica (geração de

mais de 1800MW) e produção de fertilizantes. Assim como outros produtos derivados da cadeia petroquímica do gás.

A distribuidora Gasmar –

Companhia Maranhense de Gás aposta no gasoduto Meio Norte.

O empreendimento vai exigir cerca

de R$ 2 bilhões em investimentos.

Serão quase mil quilômetros de extensão atravessando 37 municípios e terá capacidade de transportar 5,4 milhões de metros cúbicos/dia.

A confirmação de grandes reservas

de gás natural no município de Capinzal do Norte viabilizará

a construção de uma malha

estadual de gasodutos com

a finalidade de disponibilizar

energia limpa e de baixo custo

e servirá como mais uma âncora na atração de investimentos

geradores de emprego e renda para

a população do Maranhão.

ENERGIA LIMPA E RENOVáVEL

A descoberta de grandes reservas

de gás, condições extremamente favoráveis para a produção de biomassa – terra, topografia, água, clima e logística – e ventos abundantes em boa parte do ano são oportunidades novas que

8 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

surgem entre tantas que

o Maranhão oferece.

Os incentivos fiscais e as facilidades de infraestrutura são instrumentos que favorecem os novos investimentos nesse setor da nossa economia. A presença

de grandes empresas com atuação mundial e tecnologia de ponta são a garantia de que, em pouco tempo, teremos posição de destaque entre os produtores de energia limpa no mundo.

PORTOS

Foto: Albani Ramos

Recuperação e modernização do Porto do Itaqui vai requerer vultosos recursos. Serão investimentos da ordem de R$ 604,5 milhões, sendo que a

recuperação estrutural dos berços

101 e 102 vai consumir R$ 93,5

milhões. A dragagem dos berços

100 a 103 custará R$ 35 milhões.

As construções dos berços 108 e 100, respectivamente, custarão R$ 84 e R$ 112 milhões. Para o Terminal de Grãos do Maranhão - Tegram – que será dotado de quatro armazéns, correia transportadora e carregador de navios com capacidade para 2.500 t/h – estão

previstos recursos da ordem de R$ 280 milhões.

Para o Terminal Portuário do Mearim (Bacabeira) os investimentos são de R$ 3 bilhões e previsão de 3.600 empregos diretos e indiretos. O Terminal terá atracadouros para granéis líquidos e sólidos, além de um píer específico para cargas siderúrgicas com capacidade para atender navios de 43 a 72 mil toneladas, e mais uma área aproximada de 950 mil metros quadrados de retroporto.

A expansão da Vale, com

investimentos estimados em R$ 12,5 bilhões no Maranhão, prevê a ampliação do Terminal

Ferroviário de Ponta da Madeira

- TFPM, a duplicação da

Estrada de Ferro Carajás - EFC,

a ampliação do Terminal

Portuário de Ponta da Madeira

- TPPM, a construção

do Píer IV e ainda de um ramal

ferroviário no Pará. Com isso,

a capacidade de movimentação

de carga passará de 130 milhões para 230 milhões de toneladas/ano.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

9

CElulOsE

Foto: Albani Ramos

A Suzano Papel e Celulose

é o carro-chefe do novo Polo

Industrial de Imperatriz. A Suzano

pretende investir R$ 4 bilhões

e iniciar em 2011 a construção

de sua fábrica de celulose no estado. A nova unidade terá capacidade de produzir 1,5 milhão de toneladas de celulose de eucalipto por ano e deve gerar 3,5 mil empregos diretos, sendo mil na área industrial, além de 15 mil postos de trabalho indiretos. Oito mil empregos

10 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

deverão ser gerados durante

a fase de construção da fábrica.

A produção deverá ser toda

voltada para exportação.

A escolha da cidade de

Imperatriz para abrigar a nova

unidade permitirá à Suzano

a utilização da Estrada de Ferro Carajás - EFC para escoar

a produção pelo terminal

portuário a ser construído em São Luís.

A nova fábrica deverá ser

transformada na principal referência em produção de celulose no mundo.

Além disso a Suzano criou uma nova empresa - Suzano Energia Renovável - que já iniciou negociações para a implantação, no interior do estado, de duas unidades de produção de pellets de madeira com capacidade de 1 milhão de toneladas/ano, cada.

MiNERAçÃO

Foto: Istockphoto

Localizada numa área a noroeste do estado, a mineração começa

a ganhar destaque na economia

maranhense. Empresas de mineração como Aurizona

e Jaguar Mining, juntas, devem

gerar quase três mil empregos,

entre diretos e indiretos.

A Mineração Aurizona, empresa

controlada pelo grupo canadense Luna Gold Corp., já está em operação desde abril de 2010

com a sua primeira mina de

ouro, localizada no município de Godofredo Viana.

A empresa estima uma produção

de três toneladas de ouro/ano.

A Jaguar Mining vai operar

uma mina de ouro localizada no município de Centro Novo do Maranhão, conhecida como Chega Tudo. As obras devem começar em 2011. A área de atuação das mineradoras integra

o Cinturão do Gurupi, que inclui

o nordeste do Pará e o noroeste do Maranhão. Nos próximos cinco anos,

a empresa vai investir R$ 300

milhões na unidade de Centro Novo do Maranhão.

A previsão é de uma produção

de 4,5 toneladas de ouro e 450 empregos diretos, 2.400 indiretos de efeito renda. Cerca de mil empregos deverão ser gerados durante a construção.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

11

BEBiDAs

Foto: Istockphoto

A AmBev iniciou a duplicação da sua fábrica e a construção de um centro de distribuição direta em São Luís que, juntos, absorverão recursos de R$ 144 milhões de um total de R$ 2 bilhões investidos em todo o país. Do total destinado ao Maranhão, R$ 10 milhões serão utilizados na construção de uma nova linha de transmissão de energia elétrica de 60 kV, em parceria com a Companhia Energética

12 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

do Maranhão - Cemar. Com a duplicação da produção, a AmBev vai gerar 900 empregos.

Da Filial Equatorial, que opera

em São Luís, saem latas, garrafas

e chope comercializados no

Maranhão, Pará, Piauí e Amapá.

A capacidade de produção será

ampliada em mais de 100%, passando dos atuais 210 milhões

de litros/ano para 440 milhões. No município de Caxias,

a Schincariol, fabricante de cervejas e refrigerantes, está investindo R$ 120 milhões na modernização e ampliação de suas linhas de produção. O número de empregos saltará dos atuais 2.240 – entre terceirizados e indiretos – para cerca de 3 mil.

siDERuRgiA

Foto: Google

Entre os novos empreendimentos, destacam-se o projeto da Companhia Siderúrgica do Mearim e a retomada da produção de ferro-gusa da unidade da Margusa. O projeto da Companhia Siderúrgica do Mearim - CSM, do grupo Aurizônia Empreendimentos, que será implantado no município de Bacabeira, está exigindo R$ 11,2 bilhões para se tornar realidade. O projeto inclui ainda um terminal portuário. A primeira etapa está prevista para operar em 2016 e terá capacidade para produzir 2,5 milhões de toneladas/ano de placas de aço. No terminal portuário serão investidos R$ 3 bilhões.

As obras da Aciaria da Gusa Nordeste, no Distrito Industrial

de Pequiá, em Açailândia, devem estar concluídas em 2011. O empreendimento deverá empregar até 1,3 mil trabalhadores. O projeto da

Gusa Nordeste está avaliado em R$ 300 milhões. A unidade de 250 mil metros quadrados de área construída vai produzir 500 mil toneladas/ ano de tarugos de aço. Na segunda fase de expansão,

a produção de tarugos será

duplicada, atingindo 1 milhão

de toneladas. Há previsão de

construção de uma unidade de laminação. Atualmente, o polo guseiro de Açailândia é formado por 5 siderúrgicas

e uma usina de fundição,

tendo aproximadamente mais 30 empresas na área de

metalurgia.

O Grupo Dimensão, que atua

no setor de construção civil, está diversificando as

atividades e investindo no setor siderúrgico, R$ 140 milhões serão gastos na construção de uma fábrica em São Luís de derivados de aço (aço plano, chapas, tubos e perfis laminados). Quando pronto, o projeto vai gerar cerca de 250 empregos diretos

e 750 indiretos. Durante as

obras, iniciadas em junho de 2010, deverão ser gerados um

total de 300 empregos diretos.

A entrada em operação está

prevista para o final de 2011

e atenderá aos mercados das

regiões Norte e Nordeste.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

13

AluMÍNiO

Foto: Albani Ramos

O

Maranhão está se transformando

A

Brascopper, empresa de

no Maranhão, tornar-se

A

produção visa atender aos

em referência nacional quando o assunto é alumínio e siderurgia.

Ribeirão Preto, São Paulo, está instalando uma fábrica de

A Brascopper pretende,

competitiva em todo o mundo.

A

ampliação da refinaria da

vergalhões, cabos elétricos de

mercados nacional

Alumar - Consórcio de Alumínio

alumínio e cabos de energia

e

internacional de transmissão

do Maranhão e novas unidades

de cobre em São Luís, próximo

e

distribuição de energia.

industriais do setor siderúrgico

ao complexo Alumar, com o

O

projeto prevê ainda, em

somam investimentos de mais de R$ 16 bilhões. Somente na ampliação da refinaria da Alumar foram investidos R$ 5,2 bilhões.

qual fechou parceria para o fornecimento de alumínio líquido.

uma segunda fase a produção de fios elétricos esmaltados para a fabricação de transformadores e motores.

a partir de sua unidade

14 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

AgRONEgÓCiO E pRODuçÃO DE CARNEs

Foto: Albani Ramos

A partir da infraestrutura

implantada por Roseana Sarney no seu primeiro mandato de governadora, construindo estradas e levando energia às

regiões com alto potencial de produção, o agronegócio

e a pecuária iniciaram um

processo de expansão, focados no aumento da produtividade

e na qualidade dos rebanhos.

Arroz, soja, milho, algodão, cana-de-açúcar e biomassa atraem cada vez mais investidores, interessados em aproveitar as nossas vantagens naturais (topografia, clima e disponibilidade de terras) nesse setor.

O Grupo Notaro Alimentos

é responsável por um

investimento de grande porte do

agronegócio: R$ 146 milhões num complexo avícola em Balsas.

O projeto prevê a criação em

granja de matrizes e pintos,

incubadora, fábrica de ração, beneficiadora de soja para

a produção de óleo e farelo.

O abatedouro industrial terá capacidade de abate de

150 mil aves/dia. Vai gerar 3.800 empregos diretos e indiretos. Metade da produção será destinada ao mercado interno

e o restante ao externo.

Outro projeto estratégico para efetivar o adensamento da cadeia da soja no Maranhão

é a implantação da ABC Inco,

empresa da divisão agro do Grupo Algar, tradicionalmente voltado para o setor de telecomunicações, em Minas Gerais.

O grupo investiu cerca de

R$ 220 milhões para montar uma unidade de esmagamento de grãos no município de Porto Franco, próximo à Imperatriz. Tem capacidade de processamento de 1,5 mil toneladas de grãos/dia, representando mais de 30% da produção da soja no estado.

No setor de cana-de-açucar e etanol, as empresas TG Agro Industrial em Aldeias Altas, Agro Serra em São Raimundo das Mangabeiras e Maity Bioenergia em Campestre do Maranhão investem mais de 600 milhões no aumento da produção.

Vamos estimular parcerias

público-privadas, com objetivo de promover o adensamento das cadeias produtivas existentes

e o desenvolvimento das

novas cadeias potencializadas pela descoberta do gás. Suas prioridades serão orientadas para a geração de empregos

e a redução das disparidades

regionais. O governo estadual

atuará como articulador, facilitador e parceiro na promoção e atração de investimentos, utilizando instrumentos de políticas

públicas como incentivos, investimentos complementares em infraestrutura e compras governamentais. Os setores

a serem contemplados

prioritariamente estão descritos

a seguir.

• Desenvolvimento de usinas de etanol de cana;

• Desenvolvimento da silvicultura e toda a sua cadeia produtiva (indústria moveleira, de pellets, briquetes, geração elétrica, produção de resinas);

• Desenvolvimento da fruticultura irrigada;

• Implantação de grandes beneficiadoras de arroz;

• Desenvolvimento da floricultura de exportação;

• Construção de uma usina de etanol a partir da mandioca;

• Desenvolvimento de plantações de palma para produção de biodiesel;

• Desenvolvimento da indústria de carnes para exportação;

• Promoção do desenvolvimento da indústria de carnes, couro e calçados.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

15

AgRiCultuRA fAMiliAR

Foto: Albani Ramos

Aumentar a produtividade,

diversificar a produção e atender as exigências de qualidade dos mercados consumidores são as propostas para o desenvolvimento

que a falta de acesso à tecnologia, aliada à baixa produtividade, são responsáveis pelo isolamento e pelas perdas do setor.

A consequência é o desestímulo

e o estímulo para que as

agroindústrias adotem

o fornecimento familiar

– aliado ao programa do governo

de distribuição de leite

e

a integração da agricultura

e

o baixo rendimento da classe

proporcionarão o fortalecimento

familiar em nosso estado.

produtora.

da economia regional

As unidades familiares são

e

a sustentabilidade da atividade.

responsáveis em grande parte pelo

A proposta para aumentar

abastecimento do mercado interno.

a produtividade da agricultura

O

incentivo às atividades de

Em todo o Maranhão existem

cerca de 260 mil unidades classificadas como de agricultura

familiar é a de integração e a do desenvolvimento regional. Para que isso aconteça é necessário ligar as cadeias produtivas,

produção de leite, à criação de ovinos e caprinos nas unidades familiares são ações importantíssimas e que contribuem

familiar. Elas correspondem

proporcionando o encontro

para a segurança alimentar

aproximadamente a quatro

da classe produtora com a

e

no combate à desnutrição

milhões de hectares aptos para

tecnologia, com o acesso ao

e

à mortalidade infantil. A partir da

o

cultivo. No entanto, somente

crédito e às informações que

geração de excedentes agrícolas

20% são aproveitados

ajudem a elevar a qualidade

e

melhorias das pastagens,

para produção de lavouras

e

o volume da produção.

o

fomento à criação de pequenos

permanentes e/ou temporárias.

 

animais e à pecuária de leite

O

cadastramento de unidades

Apesar do grande potencial para crescer, a realidade demonstra

familiares que possuem vocação para a pecuária leiteira

podem proporcionar melhorias de renda e no abastecimento das microrregiões.

16 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

CONstRuçÃO CiVil

Foto: Albani Ramos

A paisagem urbana do Maranhão

– principalmente da capital São

Luís e de Imperatriz – está mudando. E a responsável por essas mudanças são as grandes incorporadoras do mercado imobiliário. Empresas do Rio de

Janeiro e de São Paulo, aliadas

a empresas maranhenses

com larga tradição no setor, estão descobrindo o mercado imobiliário do Maranhão. Só o segmento de alto padrão, que compreende imóveis que vão

desde R$ 350 mil a R$ 2 milhões, cresceu 30% nos últimos dois anos na capital maranhense.

O mercado imobiliário vem acompanhando a taxa de crescimento do estado. Para este ano, o setor espera um crescimento entre 8 e 9%. Esses números têm sido um estímulo para a consolidação do mercado de produção e vendas de unidades habitacionais e comerciais no Maranhão.

De olho nessa demanda criada

pelos programas de habitação popular, pela expansão do setor de construções e pelos grandes projetos de infraestrutura, a Votorantim Cimentos escolheu

o Maranhão para receber uma

das oito fábricas que o grupo

pretende instalar no país.

A Votorantim produzirá 750 mil

toneladas/ano na sua unidade maranhense a partir de outubro de 2011.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

17

HABitAçÃO

Foto: Albani Ramos

Na habitação popular, o desafio

do programa Minha Casa, Minha

renda (até três salários mínimos)

de superar o deficit de moradias é

Vida. Este programa prevê

inclui 29 mil moradias no valor de

o grande estímulo para

a construção de 72.500 unidades

R$ 37 mil cada uma.

a construção civil. Com um dos

habitacionais no estado para

As obras já estão em andamento

maiores deficit habitacionais

pessoas que ganham até dez

e

com previsão de conclusão até

do país, o estado do Maranhão

salários mínimos.

o

final do ano, consumindo um

está atacando o problema por

investimento de R$ 1,07 bilhão,

meio do programa estadual Viva Casa e com recursos federais

Entre essas unidades, a faixa destinada ao público de menor

empregando em torno de 15 mil trabalhadores diretamente.

e

18 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

HOtElARiA

Foto: Albani Ramos

A

rede hoteleira do Maranhão vem

hoteleiros pertencentes a grupos

tem ainda mais duas unidades

se modernizando para atender

genuinamente maranhenses,

hoteleiras, o Veleiros, que já está

o

crescente mercado turístico

como o grupo Solare, com

operando, com 222 apartamentos,

e

a demanda que virá com os

previsão de três hotéis.

e o Hotel Panorama, com 70

grandes investimentos. Até o final deste ano há previsão para entrega de empreendimentos

A Ivanice Pers possui em São Luís o Hotel Praia Ponta d´Areia, com 112 apartamentos. O grupo

apartamentos. Há ainda um hotel da rede Ibis em construção na Avenida dos Holandeses.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

19

COMÉRCiO

Foto: Istockphoto

A atividade comercial é uma das que mais gera empregos no Maranhão. Espalhadas em todos os municípios do estado, grandes redes e pequenos estabelecimentos suprem as necessidades dos cidadãos maranhenses com uma enorme variedade de produtos

20 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

à disposição dos consumidores. Cumprem importante função social, não somente pela mão de obra que emprega, pelos impostos que recolhem, mas

também como importante parceira do governo no programa Meu Primeiro Emprego,

a primeira oportunidade que tem

o jovem iniciante de ter a sua carteira de trabalho assinada. Com o forte crescimento econômico que o Maranhão experimenta, novos investimentos surgem em todo o estado, consolidando o setor comercial como um dos mais dinâmicos da nossa economia.

sHOppiNg CENtERs

Foto: Istockphoto

Com inauguração prevista para 2011, o Shopping da Ilha será o maior shopping center localizado na cidade de São Luís, com investimentos orçados em R$ 252 milhões.

Serão 78 mil metros quadrados de construção, com 38 mil metros quadrados de área bruta locável. O Shopping da Ilha é um empreendimento do Grupo Sá Cavalcante, um dos maiores conglomerados de

shoppings do país.

Em abril de 2010, com investimentos de R$ 150 milhões, foi inaugurado o shopping Rio Anil. Com 163 lojas e uma área de 24,5 mil metros quadrados,

o Rio Anil é o resultado do bom momento econômico que o

estado vem passando, resultado do aumento da massa salarial

e do crescimento de empregos

gerados pelas empresas que não param de chegar.

A cidade de Imperatriz também

ganhará dois shopping centers até 2012. O Tocantins Shopping, no centro da cidade, abrigará

107 lojas, estacionamento

com mil vagas e três salas

de cinema. Deverá entrar em funcionamento ainda este ano.

O empreendimento previsto para

2012 é o Imperial Shopping, com

161 lojas, mais de mil vagas

para veículos e quatro salas de cinema. O investimento é de R$ 80 milhões.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

21

supERMERCADOs

Foto: Istockphoto

O setor de supermercados

também reflete o bom momento da economia.

O grupo Carrefour investiu

R$ 35 milhões na construção

de um atacadão.

O empreendimento gerou 900

22 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

novos empregos, sendo 350 diretos. O grupo Mateus já desembolsou R$ 60 milhões (em cinco lojas sendo quatro em São Luís e uma em Imperatriz) dos R$ 105 milhões que pretende investir até 2011

na ampliação de sua rede supermercadista, bem como na instalação de farmácias. O Supermercado Maciel estima investir cerca de R$ 65 milhões no biênio

2010/2011.

MiCRO E pEquENAs EMpREsAs

Foto: Albani Ramos

Mais da metade dos empregos com carteira assinada no Brasil estão nas micro e pequenas empresas. Elas estão espalhadas em todos os cantos do país e, em muitos lugares, principalmente no interior, constituem a única opção de emprego formal da população. No Maranhão existem 100 mil (Jucema/2010), sendo a grande maioria, 44.477, no Comércio; 11.196 em Serviços, e 7.693 na Indústria da Construção Civil, gerando mais de 126 mil empregos com carteira assinada.

O nosso grande desafio para os

próximos cinco anos é aumentar

o número de micro e pequenas

empresas no estado, seja através de incentivos para a

formalização de mais de 254 mil empreendimentos informais existentes, seja através de estímulos à criação de novas empresas em setores com alta incorporação de tecnologia para atender às inúmeras oportunidades de obras

e serviços oferecidos pelos

grandes investimentos já em

implantação no Maranhão. Vamos também incluir

as micro e pequenas empresas nos programas de compras governamentais e desenvolvimento de fornecedores, como forma de garantir maior participação de mercado em sua produção, e estimular a regulamentação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa pelos municípios. Dessa forma, estaremos contribuindo decisivamente para a melhoria das condições de competitividade e fazendo jus ao pioneirismo nessa área, pois o Maranhão foi o primeiro Estado da Federação a aderir ao SIMPLES.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

23

2 4 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

24 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

pisCiCultuRA

Foto: Albani Ramos

A carne de pescado é a mais consumida no mundo, principalmente nos países asiáticos. São cerca de 100 milhões de toneladas por ano. No Maranhão há mais de 200 mil famílias que vivem da pesca. O nosso vasto litoral, inúmeros

rios perenes e piscosos

e o aumento significativo da criação em cativeiro

faz do setor pesqueiro um importante atrativo para novos investimentos. Desenvolver políticas e programas para melhorar

a infraestrura, atrair novos

parceiros, estimular a cadeia produtiva e apoiar com tecnologia e incentivos os pescadores, trabalhadores e empresários transformarão o Maranhão em importante produtor de pescado no Brasil.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

25

tuRisMO

Em seu primeiro mandato,

Cultural da Humanidade para

metas estão sendo definidas.

Roseana Sarney iniciou um grande programa para colocar

São Luís, título outorgado pela Unesco. Com isso, o fluxo de

O novo ambiente de negócios que o Maranhão respira

turismo entre as principais atividades econômicas do estado. Fez o Plano Maior, investiu em infraestrutura

o

visitantes aumentou de modo significativo, permitindo aos empresários do setor investir em novos hotéis, restaurantes,

anima mais investimentos no setor, principalmente na rede hoteleira.

e

marketing, definiu regiões

lazer e cultura.

Com diversidade ambiental

e

cidades estratégicas para

única e uma das mais ricas

novos roteiros, criou nova identidade visual, recuperou

Ao assumir novamente o governo, o turismo volta a

manifestações culturais do Brasil, o Maranhão volta a

o

Centro Histórico e conseguiu

ser prioridade. O Plano Maior

ocupar o lugar que merece no

o

reconhecimento de Patrimônio

está sendo atualizado e novas

mercado turístico brasileiro.

26 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

Fotos: Albani Ramos

Fotos: Albani Ramos O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 27
Fotos: Albani Ramos O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 27
Fotos: Albani Ramos O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 27

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

27

Foto: Albani Ramos

iNfRAEstRutuRA

Foto: Istockphoto

Além de localização geográfica

privilegiada, extensão de terras, água em abundância, o Maranhão tem hoje uma boa infraestrutura de portos, ferrovias, estradas, telecomunicações e energia.

E tudo isso está, no momento, passando por melhorias de

ampliação e modernização com investimentos públicos

e privados.

Estamos investindo na modernização e ampliação do porto do Itaqui, o nosso grande

30 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

modal de logística.

A Empresa Maranhense de

Administração Portuária - Emap

deverá licitar ainda em 2011 a obra do Terminal de Grãos do Maranhão - Tegram, projeto que visa eliminar os gargalos do escoamento da produção de grãos de toda uma região (Corredor Centro – Norte). Em Bacabeira será construído

o Terminal Portuário do Mearim (Grupo Aurizônia).

O governo também investe na

implantação e na revitalização de distritos industriais. Somente na recuperação e implantação dos distritos industriais de São Luís e de Imperatriz – os principais do Maranhão – foram investidos em torno de R$ 6,6 milhões.

Os distritos em implantação estão localizados em áreas de influência das ferrovias Carajás e Transnordestina São Luís – Teresina (CFN). Grandes empresas e indústrias, de vários setores, como os de química,

Fotos: Albani Ramos

bebidas, siderurgia e de alumínio atuam nessas áreas.

A manutenção e recuperação da

malha viária estadual também

faz parte dos planos do governo para melhorar a infraestrutura do estado. Em 2010 foram pavimentados e recuperados cerca de 1.500 km de estradas.

O governo trabalha ainda

para ligar todas as cidades maranhenses a acessos asfaltados antes do final de 2011.

ainda para ligar todas as cidades maranhenses a acessos asfaltados antes do final de 2011. O
ainda para ligar todas as cidades maranhenses a acessos asfaltados antes do final de 2011. O
ainda para ligar todas as cidades maranhenses a acessos asfaltados antes do final de 2011. O

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

31

Foto: Albani Ramos

Foto: Albani Ramos

34 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

REfERÊNCiAs

2º maior litoral do Brasil: 640 km
2º maior litoral do
Brasil: 640 km

Localização:

Oeste da Região Nordeste do Brasil

Extensão territorial: 331.983 km²

População (2010)

Estado - 6.569.683 hab.

São Luís (capital) - 1.011.943 hab.

Hora local: GMT menos 3 horas

Temperatura mínima anual: 20,9°

Temperatura média anual: 25,5°

Temperatura máxima anual: 33°

Fonte IBGE / NUGEO-UEMA

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

35

lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA

pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui)

lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui) 3 6 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

36 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA

pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui)

lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui) O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 37
lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui) O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 37
lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui) O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 37
lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui) O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 37
lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui) O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 37
lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui) O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 37
lOCAlizAçÃO EstRAtÉgiCA pRiNCipAis ROtAs MARÍtiMAs (itAqui) O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 37

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

37

COMplEXO pORtuÁRiO

COMplEXO pORtuÁRiO 3 8 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

38 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

CORREDOR CENtRO-NORtE

CORREDOR CENtRO-NORtE O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 39
CORREDOR CENtRO-NORtE O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 39
CORREDOR CENtRO-NORtE O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 39

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

39

DADOs ECONÔMiCOs

DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
DADOs ECONÔMiCOs 4 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

40 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco
Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco

Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual

EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO

Os cinco municípios concentram 51,62%

do PIB Estadual

EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E
EVOluçÃO DO piB DO MARANHÃO Os cinco municípios concentram 51,62% do PIB Estadual O MARANHÃO E

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

41

EMPREGOS

RECORDE NA CRIAçãO DE EMPREGOS FORMAIS

Com a marca de 41.891 postos formais de trabalho em 2010, o Maranhão foi o 4º estado que mais criou empregos na região Nordeste e o 12º do país. São Luís foi a 10ª capital que mais gerou empregos formais no país com um total de 30.571 vagas.

18.440 empregos com carteira assinada criados de janeiro a junho – média de 3.073,33/mês. Recorde em toda a série histórica do Caged (1999)

Os reflexos positivos do bom momento econômico que vive

o Maranhão podem ser

constatados no mercado de trabalho com resultados

expressivos e históricos em 2010, com destaque para os segmentos do setor de serviços

e de comércio que alcançaram os

quantitativos de 14.586 e 12.069 postos formais de trabalho, respectivamente. Os números foram puxados pelos segmentos de alojamento e alimentação, além de contratações no

comércio varejista. Na geração de empregos, também destacou-se

o setor da construção civil com um total de 12.127 empregos, reflexo da aceleração das obras de infraestrutura e do grande dinamismo do mercado imobiliário.

42 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

das obras de infraestrutura e do grande dinamismo do mercado imobiliário. 4 2 O MARANHÃO E
das obras de infraestrutura e do grande dinamismo do mercado imobiliário. 4 2 O MARANHÃO E
das obras de infraestrutura e do grande dinamismo do mercado imobiliário. 4 2 O MARANHÃO E
das obras de infraestrutura e do grande dinamismo do mercado imobiliário. 4 2 O MARANHÃO E

EMpREgOs

sEtOREs DA AtiViDADE ECONÔMiCA

Em suma, as perspectivas para 2011 são extremamente favoráveis no que diz respeito à aceleração da atividade econômica no estado, com impactos positivos

sobre a geração de receita pública e privada. Além do efeito multiplicador dos novos investimentos, a expansão da massa salarial e a retomada do

crescimento das transferências federais para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços.

para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A
para o estado devem continuar impulsionando os segmentos do comércio e serviços. O MARANHÃO E A

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

43

ORçAMENtO 2011

Para o orçamento 2011 se estima a Receita Total no montante de R$ 9.680.000,00. O quadro abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado:

abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da
abaixo detalha as principais fontes das receitas do Estado: Como se observa, a principal fonte da

Como se observa, a principal fonte da receita estadual são as Transferências Correntes, que correspondem a 62% dos recursos orçamentários previstos para 2011. Esse fato demonstra como a administração das finanças do Estado é sensível

44 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

às oscilações dos repasses federais, fazendo-se imperativa a criação de alternativas, por meio principalmente da promoção dos investimentos e da produção no estado, que contribuem não apenas para incrementar os níveis de emprego e renda, como

também se constituem em fatores que favorecem a redistribuição, na medida em que as ações do Estado são direcionadas para o segmento mais vulnerável da população.

As despesas para 2011, orçadas em valor igual ao da receita, se distribuem nos seguintes grupos:

RECEITA TOTA L-LOA 2011

1% 11% 7% 31% 3% 47%
1%
11%
7%
31%
3%
47%

ICMSgrupos: RECEITA TOTA L-LOA 2011 1% 11% 7% 31% 3% 47% FPE RECEITAS DE CONVÊNIOS DEMAIS

FPERECEITA TOTA L-LOA 2011 1% 11% 7% 31% 3% 47% ICMS RECEITAS DE CONVÊNIOS DEMAIS REC.

RECEITAS DERECEITA TOTA L-LOA 2011 1% 11% 7% 31% 3% 47% ICMS FPE CONVÊNIOS DEMAIS REC. CORRENTES

CONVÊNIOS

DEMAIS REC.1% 11% 7% 31% 3% 47% ICMS FPE RECEITAS DE CONVÊNIOS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL RECEITAS

CORRENTES

RECEITAS DE CAPITAL47% ICMS FPE RECEITAS DE CONVÊNIOS DEMAIS REC. CORRENTES RECEITAS DE OUTRAS FONTES Receita Va lo

RECEITAS DE OUTRAS FONTESDE CONVÊNIOS DEMAIS REC. CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL Receita Va lo r R $ 1,00 I

Receita

Va lo r R $ 1,00

I – DESPESAS CORRENTES Pessoal e Encargos Sociais Juro s e Encargos da Dívida Outras
I – DESPESAS CORRENTES Pessoal e Encargos Sociais Juro s e Encargos da Dívida Outras
I – DESPESAS CORRENTES Pessoal e Encargos Sociais Juro s e Encargos da Dívida Outras

I – DESPESAS CORRENTES

Pessoal e Encargos Sociais

Juro s e Encargos da Dívida

Outras Despesas Correntes

II- DESPESAS DE CAPITAL

Investimentos

Inversões Financeiras

Amortização da Dívida

Reserva d e Contingência

II I – TOTAL

8.319.263.127

3.382.440.530

629.228.530

4.307.594.067

1.353.583.601

711.222.211

225.854.317

416.507.073

7.558.255

9.680.404.983

629.228.530 4.307.594.067 1.353.583.601 711.222.211 225.854.317 416.507.073 7.558.255 9.680.404.983
629.228.530 4.307.594.067 1.353.583.601 711.222.211 225.854.317 416.507.073 7.558.255 9.680.404.983
629.228.530 4.307.594.067 1.353.583.601 711.222.211 225.854.317 416.507.073 7.558.255 9.680.404.983
629.228.530 4.307.594.067 1.353.583.601 711.222.211 225.854.317 416.507.073 7.558.255 9.680.404.983
629.228.530 4.307.594.067 1.353.583.601 711.222.211 225.854.317 416.507.073 7.558.255 9.680.404.983
629.228.530 4.307.594.067 1.353.583.601 711.222.211 225.854.317 416.507.073 7.558.255 9.680.404.983

Os gastos com Pessoal e Encargos Sociais previstos para 2011 são da ordem de R$ 3,3 bilhões, estando nesse valor contemplados os recursos para as despesas estabelecidas pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (Lei nº 9.255,

de 30/07/2010). É importante destacar que a expansão do gasto com Pessoal para o próximo exercício está em completa observância às determinações da Lei de Responsabilidade Fiscal. É relevante observar que, por força de norma federal, a partir

de 2011 as despesas destinadas ao pagamento de aposentados

e pensionistas do Poder

Executivo, que até 2010 estavam

sendo contabilizadas como

despesas de pessoal, passaram

a ser consideradas despesas de custeio.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

45

OpORtuNiDADEs DE iNVEstiMENtOs

Investimentos previstos: R$ 102 bilhões Empregos: 240.000 (estimativa, entre diretos e indiretos) Mais de 30 projetos entre públicos e privados

entre diretos e indiretos) Mais de 30 projetos entre públicos e privados 4 6 O MARANHÃO

46 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

pORtO DO itAqui

RECupERAçÃO E MODERNizAçÃO

Investimentos: R$ 604,5 milhões

Construção do Berço 100
Construção do Berço 100

Obras:

Recuperação estrutural dos berços 101 e 102

R$

93,5 milhões

Dragagem dos berços 100 a 103

R$

35

milhões

Construção do berço 108

R$

84

milhões

Construção do berço 100

R$

112

milhões

Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram)

R$

280

milhões

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

47

pORtO DO itAqui - tEgRAM

tERMiNAl DE gRÃOs DO MARANHÃO

Investimento total R$ 280 milhões

• Localização – Retroárea do berço 103

• Capacidade – 15 milhões t/ano (até 2013)

• Estrutura – Dotado de quatro armazéns, correia transportadora

Início da construção - Previsão 2011

Dotado de quatro armazéns, correia transportadora e carregador de navios com capacidade para 2500 t/h, pera ferroviária, alcançando 5 milhões t/ano.

navios com capacidade para 2500 t/h, pera ferroviária, alcançando 5 milhões t/ano. 4 8 O MARANHÃO

48 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

tERMiNAl pORtuÁRiO DO MEARiM

AuRizÔNiA EMpREENDiMENtOs

tERMiNAl pORtuÁRiO DO MEARiM AuRizÔNiA EMpREENDiMENtOs O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 49

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

49

tERMiNAl pORtuÁRiO DO MEARiM

AuRizÔNiA EMpREENDiMENtOs

Localização: Bacabeira Investimento estimado: R$ 3 bilhões Empregos: 3.600 (diretos e indiretos)

Características:

4 atracadouros (granéis líquido, granéis sólidos e píer para cargas siderúrgicas); Capacidade para atender navios de 43 mil a 72 mil toneladas de peso bruto (tpb); área de aproximadamente 950.000 m².

O projeto recebeu licença de instalação (nº 257/2009) da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) e aval da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), desde agosto de 2008.

50 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

lOgÍstiCA – EXpANsÃO DA VAlE

iNVEstiMENtOs: R$ 12,5 bilhões (2010 – 2015)

Prolongamento e duplicação de 605 Km da EFC (Estrada de Ferro Carajás), de um total de 892 Km (R$ 5,6 bilhões)

Ampliação do Terminal Ferroviário de Ponta da Madeira - TFPM

Ampliação do Terminal Portuário de Ponta da Madeira - TPPM

Construção do Píer IV (R$ 2 bilhões)

Empregos: 2.500 (durante a construção)

Ramal ferroviário no Pará ligando a EFC a uma nova mina, 84 Km (R$ 1,4 bilhão)

PÍER IV
PÍER IV

Incremento de 100 milhões de t/ano do TPPM passando para uma capacidade total de 230 milhões t/ano.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

51

MiNERAçÃO DE OuRO

MINERADORA AURIZONA Local: Godofredo Viana 1ª mina de exploração de ouro

Início da operação: abril/2010

Investimento: R$ 100 milhões

Empregos: 1.200 (diretos e indiretos)

R$ 100 milhões • Empregos: 1.200 (diretos e indiretos) Mineradora Aurizona, no município de Godofredo Viana

Mineradora Aurizona, no município de Godofredo Viana

JAGUAR MINING Local: Centro Novo do Maranhão Investimento: R$ 280 Milhões Construção: Ago/11 a Jul/12 Empregos: 1.000 (implantação) Operação: 450 (diretos), 180 (indiretos) e 2.250 (efeito renda)

52 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

Imagem meramente ilustrativa.
Imagem meramente ilustrativa.

Jaguar Mining

usiNA DE ÁlCOOl

TG AGRO INDUSTRIAL Local: Aldeias Altas Produção: setor de cana-de-açúcar e álcool Investimento: R$ 400 milhões nos próximos 5 anos Objetivo: ampliar a produção de cana-de-açúcar a álcool Meta: elevar o processamento de cana-de-açúcar, atualmente de 300.000 toneladas ao ano para 2.000.000 de t/ano

de 300.000 toneladas ao ano para 2.000.000 de t/ano Fazenda Agro Serra, no município de São

Fazenda Agro Serra, no município de São Raimundo das Mangabeiras

AGRO SERRA Produção: setor de cana-de-açúcar e álcool Investimento: R$ 200 milhões nos próximos 10 anos Objetivo: ampliar a produção de cana-de-açúcar a álcool Meta: elevar o processamento de cana-de-açúcar, atualmente de 1,2 milhão de t/ano para 1,6 milhão de t/ano

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

53

suzANO pApEl E CElulOsE

localização: imperatriz

Investimento previsto: R$ 4 bilhões

Empregos:

Implantação:

Operação:

8.000

3.500 (diretos)

15.000

(indiretos)

18.500

(total)

Produção de celulose: 1,5 milhão de t/ano Inicio da operação: 2013

(total) Produção de celulose: 1,5 milhão de t/ano Inicio da operação: 2013 5 4 O MARANHÃO

54 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

gusA NORDEstE - ACiARiA

Localização: Açailândia Investimento - R$ 300 milhões

Empregos:

Implantação:

1.000

Operação:

1.000 (diretos e indiretos)

Produção:

1ª fase 500 mil t/ano de tarugos (billets)

Produção: 1ª fase 500 mil t/ano de tarugos (billets) Verticalização da cadeia de ferro no Maranhão

HiDRElÉtRiCA

uHE EstREitO

Investimento: R$ 4 bilhões Localização: Sudoeste do Maranhão Entrada em operação: 1º trimestre de 2011 Capacidade: 1.087 MW Empregos: 7.500 (diretos na obra)

1º trimestre de 2011 Capacidade: 1.087 MW Empregos: 7.500 (diretos na obra) 5 6 O MARANHÃO

56 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

tERMElÉtRiCAs

tERMElÉtRiCAs utE MpX itAqui Localização: São Luís Grupo MPX Investimento: R$ 1,8 bilhão Capacidade: 360 MW
tERMElÉtRiCAs utE MpX itAqui Localização: São Luís Grupo MPX Investimento: R$ 1,8 bilhão Capacidade: 360 MW

utE MpX itAqui Localização: São Luís Grupo MPX Investimento: R$ 1,8 bilhão Capacidade: 360 MW Empregos: 6.000 (diretos e indiretos)

GERA MARANHãO Localização: Miranda do Norte Grupo Geranorte Investimento: R$ 600 milhões Capacidade: 330 MW Empregos: 3.000 (diretos e indiretos)

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

57

gÁs NAtuRAl - EXplORAçÃO

OGX, MPX ENERGIA E PETRA ENERGIA

Localização: Capinzal do Norte Investimentos: R$ 700 milhões na campanha exploratória de 15 poços

O gás será combustível da UTE Parnaíba
O gás será
combustível da
UTE Parnaíba

58 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

utE pARNAÍBA - tERMElÉtRiCA

MPX ENERGIA E PETRA ENERGIA

Localização: Santo Antônio dos Lopes

• Usina a gás natural

• Capacidade: 1863 MW

• Investimento: R$ 4 bilhões

Empregos:

3.700 (diretos e indiretos) na fase da construção 480 (diretos e indiretos) na fase de operação

e indiretos) na fase da construção 480 (diretos e indiretos) na fase de operação O MARANHÃO

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

59

AluMAR

CONsÓRCiO DE AluMÍNiO DO MARANHÃO

EXPANSãO REFINARIA: PROJETO CONCLUÍDO EM 2009

DO MARANHÃO EXPANSãO REFINARIA: PROJETO CONCLUÍDO EM 2009 Investimento: R$ 5,2 bilhões Objetivo: ampliar a capacidade

Investimento: R$ 5,2 bilhões Objetivo: ampliar a capacidade de produção de alumina de 1,5 milhão para 3,5 milhões de t/ano Empregos: 13.000

de 1,5 milhão para 3,5 milhões de t/ano Empregos: 13.000 BRASCOPPER (fios e cabos de alumínio)

BRASCOPPER (fios e cabos de alumínio) Produção de 30 mil t/ano (vergalhões, fios elétricos de alumínio e cabos de cobre). Início da operação: 2011 Investimento: R$ 80 milhões Empregos: 140 diretos (operação), 200 diretos e indiretos (implantação)

60

O O

MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

NOtARO AliMENtOs

COMplEXO iNDustRiAl AVÍCOlA

Localização: Balsas

Investimento: R$ 146 milhões: Granja de Matrizes; Incubatório; Fábrica de Ração e Beneficiadora de Soja para a produção de óleo e farelo; Criação de aves em sistema de integração com produtores da região; Abatedouro Industrial com capacidade para 150.000 aves/dia; Centro de Distribuição; Empregos: 3.800 (diretos e indiretos).

para 150.000 aves/dia; Centro de Distribuição; Empregos: 3.800 (diretos e indiretos). O MARANHÃO E A NOVA

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

61

gRupO sÁ CAVAlVANtE

COMplEXO sHOppiNg E CENtRO EMpREsARiAl

iNVEstiMENtO tOtAl: R$ 980 milhões

SHOPPING DA ILHA Investimentos:

R$ 160 milhões na construção R$ 80 milhões dos lojistas

Empregos:

Construção: 1.000 diretos e 4.000 indiretos Em funcionamento (a partir de Out/2011): 3.000 empregos

Em funcionamento (a partir de Out/2011): 3.000 empregos CENTRO EMPRESARIAL (seis torres) Investimentos totais R$ 740

CENTRO EMPRESARIAL (seis torres) Investimentos totais R$ 740 milhões, sendo R$ 40 milhões na 1ª fase Empregos: 250 diretos na obra da 1ª torre e 1.000 indiretos

62 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

REfiNARiA pREMiuM i - pEtROBRAs

CARACtERÍstiCAs DO EMpREENDiMENtO

REfiNARiA pREMiuM i - pEtROBRAs CARACtERÍstiCAs DO EMpREENDiMENtO pERfil DE REfiNO O MARANHÃO E A NOVA

pERfil DE REfiNO

REfiNARiA pREMiuM i - pEtROBRAs CARACtERÍstiCAs DO EMpREENDiMENtO pERfil DE REfiNO O MARANHÃO E A NOVA

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

63

REfiNARiA pREMiuM i - pEtROBRAs

tERMiNAl MARÍtiMO (OpERAçÃO)

 

Tipo

Classe

Porte (000 dwt)

Calado (m)

Carga

Petroleiro

SUEZMAX

150 – 170

17,1

Petróleo

Petroleiro

AFRAMAX

90

– 110

14,7

Petróleo / Derivados

Petroleiro

PANAMAX

60

– 80

14,0

Petróleo / Derivados

Petroleiro

 

M

R

20

– 50

12,9

Derivados

Gaseiro

SEM I - REF

6

– 10

8,2

GLP

Graneleiro

S

UPRAMAX

45

- 6 0

12,0

COQUE

Petroleiro

BUNKER

3

7

6,3

Bunker

 

Premium II

 

Tipo

Classe

Porte (000 dwt)

Carga

# N avios / M ês

Petroleiro

SUEZMAX

150 – 170

Petróleo

18

Petroleiro

 

M

R

20

– 50

Derivados

55

Gaseiro

SEM I - REF

6

– 10

GLP

12

Graneleiro

SUPRAMAX

45

– 60

Coque

6

Petroleiro

BUNKER

3

– 7

Bunker

20

 

TOTAL

111

POR ANO

1329

64 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

NOVAs EMpREsAs NO MARANHÃO

iNsERçõEs DE EMpREsAs NO MERCADO MARANHENsE

Em 2010, foram abertas 10.116 empresas.

De janeiro a dezembro de 2010, foram registradas 1.167 filiais de empresas no Maranhão Crescimento de 30,54% em relação a 2009

Fonte: Junta Comercial do Maranhão

no Maranhão Crescimento de 30,54% em relação a 2009 Fonte: Junta Comercial do Maranhão O MARANHÃO

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

65

6 6 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
6 6 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

66 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

plEitOs DO gOVERNO

Pleitos do PAC

plEitOs DO gOVERNO Pleitos do PAC O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 67
plEitOs DO gOVERNO Pleitos do PAC O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 67

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

67

   
   
   
   
 
 
 
   
   
   
 
 
   
   
   
   
   
    Foto: Albani Ramos 6 8 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
    Foto: Albani Ramos 6 8 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
    Foto: Albani Ramos 6 8 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos
Foto: Albani Ramos

68 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

    O O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 6
    O O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 6
   
   
   
   
   
   
 
 
 
 
 
 
 
 
    O O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 6 9
    O O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 6 9
    O O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 6 9
    O O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA MARANHÃO E A NOVA DÉCADA 6 9

O O

MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

69 69

Foto: Albani Ramos 7 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos 7 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos 7 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos 7 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos 7 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos 7 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos 7 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos 7 0 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA
Foto: Albani Ramos
Foto: Albani Ramos

70 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

CONClusÃO

Foto: Albani Ramos

O Maranhão está diante do maior desafio da sua história.

O montante dos recursos

previstos fala por si: mais de R$ 100 bilhões em investimentos públicos e privados e aproximadamente de 240 mil novos empregos nos próximos cinco anos. A oportunidade que bate à porta é única.

Nenhum outro lugar do país reúne um cardápio tão variado de oportunidades como o que está sendo apresentado para o desenvolvimento do nosso estado. Gás e petróleo – aliados ao agronegócio, siderurgia e logística

– serão o motor dessa nova era.

O horizonte que se vislumbra é o

da grande mudança. Mudanças e oportunidades, juntas, refletindo positivamente em todos os setores de nossa economia e no nosso desenvolvimento.

O estado está de braços

abertos a todos aqueles que querem investir na formação de um mercado competitivo, gerador de renda e trabalho para os maranhenses. Em troca, colocará à disposição do investidor todas as condições para o sucesso de sua empreitada, seja de natureza

humana, material ou de infraestrutura.

Todas essas mudanças levarão

o Maranhão a uma posição de

destaque no mapa econômico do País. E isso implicará na

participação e no envolvimento de todos, do mais simples cidadão ao mais graduado empreendedor.

A identificação, o planejamento e o

aproveitamento das oportunidades,

aliados a uma política de combate

à pobreza, transformarão o

Maranhão – num curto espaço de

tempo – num estado moderno, rico

e socialmente justo.

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

71

*pOBREzA E DEsiguAlDADE Os desafiOs a veNceR

Nos últimos quinze anos, os

Família, além dos programas já

a segunda etapa do combate

indicadores de pobreza do Maranhão

lançados pelo atual governo, como

à pobreza, uma vez que os

experimentaram expressiva

o

Meu Primeiro Emprego, Viva Luz,

programas logrem sucesso, quando

Serão necessárias ações educativas

melhoria. De fato, segundo o IPEA,

o

Viva água e o Viva Casa.

se terá um contingente numeroso de

entre 1995 e 2008, a taxa de pobreza absoluta caiu no estado de 77,8%

Portanto, no Maranhão,

pessoas não mais abaixo da linha de pobreza, mas carentes de apoio para

para 55,9% – uma queda de quase 22 pontos percentuais. A taxa de pobreza extrema reduziu-se no mesmo período de 53,1% (a mais alta do país) para 27,2% – uma das maiores quedas entre todos os estados.

crescimento acelerado deverá ser

o

combinado a uma intensificação das políticas de transferência de renda implementadas até agora, desenvolvendo ações orientadas segundo os principais eixos:

dar os primeiros passos rumo a sua inclusão produtiva no mercado.

especiais, muito provavelmente fora do sistema formal de educação. Para os que eventualmente já tenham atingido o ensino médio,

Entre os fatores fundamentais para

• aumento da cobertura do Programa Bolsa Família, a ser

a

sua profissionalização

a

sustentação desse desempenho,

merecem destaque dois fatores externos ao estado: a estabilidade macroeconômica e os programas diretos de combate à pobreza do governo do presidente Lula.

Assim, a estratégia a ser adotada pelo governo estadual para os próximos anos – além da continuidade do processo que obteve sucesso até agora – é a de aproveitar as excelentes perspectivas de investimentos no estado, que

obtido através de uma melhoria qualitativa do Cadastro Único daquele programa federal;

• ações de complementação do Programa Bolsa Família, nos municípios de maior incidência da pobreza (programas estaduais como o Meu Primeiro Emprego, Viva Luz, Viva água, Viva Casa);

• priorização das aplicações orçamentárias nos municípios de menor renda per capita.

(é importante ressaltar que 14 novas escolas técnicas já estão sendo implantadas nos municípios de Zé Doca, Buriticupu, São Luís – Centro Histórico, Açailândia, Timon, Bacabal, Pinheiro, Caxias, Alcântara, São Raimundo das Mangabeiras, São João dos Patos, Barra do Corda, Santa Inês e Barreirinhas).

Outro ponto importante a considerar é uma articulação mais intensa e mais próxima com os municípios, ajudando-os a

impulsionarão um crescimento alentado do PIB maranhense nos

A primeira etapa do combate

vencer os desafios da qualidade do ensino fundamental; a melhorar

próximos anos.

à pobreza visa primordialmente

a

eficiência e a gestão dos

Um dos pontos cruciais para

o sucesso de um programa

de combate à pobreza é a sua focalização. Ou seja, a orientação das suas ações no sentido de atingir de forma ágil e direta as pessoas mais necessitadas, aproveitando a experiência acumulada nos últimos anos pelos programas federais, em especial o Programa Bolsa

retirar as pessoas da situação em que se encontram, atendendo às suas necessidades primárias. Transferir renda é a solução mais

rápida para o problema nessa fase, tendo como contrapartida

a exigência de frequência dos filhos na escola e sua participação nos programas de vacinação.

Ao mesmo tempo, é preciso planejar

programas sociais; transferindo recursos orçamentários para

o combate à pobreza em projetos

desenvolvidos diretamente pelos municípios.

Nunca reunimos tantas condições favoráveis para o combate definitivo

à pobreza em nosso estado.

Estamos prontos para vencer mais esse desafio.

72 O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

Foto: Albani Ramos

Foto: Albani Ramos

**pROgRAMA DE fORMAçÃO de RecuRsOs HumaNOs

O Maranhão está diante de

oportunidades jamais reunidas em sua história econômica. Somados, os investimentos já contratados alcançam mais de 100 bilhões de reais, e vão gerar em torno de 240 mil novos empregos nos próximos cinco anos. São obras em

plantas industriais e de serviços que

já começaram a transformar o nosso

estado e que requererão em um prazo relativamente curto um grande contingente de recursos humanos bem qualificados.

Assim, torna-se estratégico incentivar a formação da maioria da mão de obra a ser demandada, sob pena de vermos esses recursos serem importados de outros estados e até do exterior. Tal estratégia é muito importante não só para o benefício da população maranhense, mas também para a competitividade dos empreendimentos.

Tal ação dar-se-á em praticamente todos os níveis, com destaque para o médio e o superior. Mais especificamente, trata-se de incrementar a oferta de cursos de formação técnica, tecnológica, de graduação e de pós-graduação.

A falta de mão de obra técnica

qualificada é, hoje, um dos mais importantes entraves para o desenvolvimento econômico e

a competitividade do Brasil nos

mercados internacionais. Tal situação impõe uma série de desafios. Os principais deles estão relacionados à expansão dos

centros de formação e capacitação profissional, num ritmo que permita acompanhar o nível de crescimento econômico; ampliação dos investimentos públicos; dispersão territorial do mercado de trabalho; e viabilização de modelos que privilegiam a formação e a capacitação técnico- acadêmica-profissional voltadas para o atendimento das prioridades regionais.

Especificamente, com relação às empresas, as questões mais urgentes a serem superadas nos próximos anos são: disponibilidade de mão de obra técnica adequada, treinada e qualificada; dedicação de tempo de trabalho para formação; investimentos em programas de capacitação interna; e recursos financeiros e custos de formação.

Assim, a responsabilidade dos agentes públicos na criação de programas específicos de qualificação

profissional e de formação de técnicos e especialistas de alto nível

é fundamental para atrair o interesse

de jovens para o atendimento das necessidades identificadas nas áreas prioritárias que guardem relação direta com os investimentos em curso no Maranhão.

Esse tipo de programa focaliza uma questão social que é a número um no estado: o emprego. Emprego

proporciona renda para as famílias

e dignidade para as pessoas. E é de se lamentar que muitas vagas de trabalho não são preenchidas por

falta de qualificação profissional.

O quadro atual exige uma

participação mais qualificada do governo na medida em que, em todos os setores da economia, a tendência de incorporação de novas tecnologias aos processos produtivos exigirá trabalhadores cada vez mais treinados e qualificados para o seu manuseio.

No ensino médio, o foco será a sua profissionalização. É importante ressaltar que 14 novas escolas técnicas já estão sendo implantadas nos municípios de Zé Doca, Buriticupu, São Luís – Centro Histórico, Açailândia, Timon, Bacabal, Pinheiro, Caxias, Alcântara, São Raimundo das Mangabeiras, São João dos Patos, Barra do Corda, Santa Inês e Barreirinhas.

Mas isso não basta. Para que

a profissionalização ocorra

efetivamente, é preciso promover uma requalificação de boa parte do corpo docente do ensino médio,

tarefa para a qual será mobilizado

o sistema universitário do estado,

as universidades absorvendo esse nobre desafio como uma atividade de extensão universitária de prestação de serviços para a comunidade.

Outro elemento fundamental

é a atenção especial a ser conferida

à formação de tecnólogos de nível superior (curso de 3 anos).

Para atingir esse conjunto de metas, vamos buscar a parceria e a

O MARANHÃO E A NOVA DÉCADA

73

integração com o Senai,

vamos proporcionar a formação

exploração e Produção de

o

Senac, escolas técnicas federais

e

fixação de profissionais no

Petróleo e Gás

e

outras instituições voltadas

Maranhão, ampliando a base

Interpretação geológica para

para o ensino profissionalizante e criar o Programa de Formação de Técnicos Especialistas nas seguintes atividades, entre outras que o mercado exigir:

administração; agroindústria; agropecuária; agronomia; alimentos; aquicultura; automação industrial; desenvolvimento de sistemas; eletrônica; eletrônica industrial; eletrotécnica; eletromecânica; edificações; estradas; florestas; Gestão em Tecnologia da informação; Hotelaria; informática; instrumentação; Logística; mecânica; mecatrônica; meio ambiente; metalurgia; mineração; Operador de máquinas; Portos; Química industrial; Rede de computadores; saneamento ambiental; segurança do Trabalho; solda; Transporte e Trânsito; Turismo; veterinária.

Finalmente, para alcançar mais rapidez no processo de capacitação de jovens universitários, vamos investir também na qualificação de alto nível, incentivando a formação

de Mestres e Doutores, incentivando

o desenvolvimento de dissertações

e teses voltadas para o atendimento das necessidades específicas em áreas selecionadas, como as de pesquisa com forte conteúdo de inovação tecnológica.

Com a criação do Programa de Formação de Mestres e Doutores

técnica e acadêmica, contribuindo na multiplicação e capacitação de recursos humanos para atendimento das necessidades locais. Mais importante ainda: o Programa de Formação de Mestres

e Doutores permitirá mais equidade

na distribuição de bolsas e apoio financeiro às pessoas que não podem arcar com os custos de formação exigidos dos interessados.

A finalidade deste Programa é

reforçar as iniciativas de formação de capital humano no Maranhão, com foco nos maranhenses, ou estudantes do Maranhão, em cursos de pós-

graduação, latu e stricto sensu, nas

áreas estratégicas para o estado.

O Programa atuará na oferta de bolsas de estudos voltadas para suportar os alunos e no desenvolvimento das teses. Serão oferecidas por meio de edital público cerca de 100 bolsas anuais para mestrado e doutorado. A seleção será feita por comissão de especialistas, com base nos critérios de atendimento das áreas prioritárias, qualidade dos cursos de pós- graduação e avaliação do currículo do candidato. Cada bolsista será acompanhado e será submetido a um sistema de avaliação sistemático.

Os temas considerados prioritários referem-se às principais oportunidades de cadeias produtivas em desenvolvimento no Maranhão, a saber:

a prospecção de petróleo e gás nos ambientes geológicos do

Maranhão;

Técnicas e insumos para exploração nas condições das bacias Pará–Maranhão

e Barreirinhas;

Mercado potencial para o gás

maranhense – alternativas de consumo e oportunidades para

distribuição;

Gestão ambiental e de riscos para a exploração e transporte de gás e petróleo no Maranhão.

Refino e Petroquímica

Aprimoramento de

combustíveis Premium para

o atendimento da demanda

internacional;

Desenvolvimento de biocombustíveis – integrando derivados de petróleo com os produtos do agronegócio;

Gestão integrada de emissões

e resíduos de refinarias;

Ecoeficiência dos processos

de refino;

Alternativas de modelos para

o desenvolvimento de

prestadores de serviços para a

Refinaria Premium;

Análise dos requerimentos

de infraestrutura, segurança regulatória e mercado para

o desenvolvimento das diferentes “árvores

petroquímicas” no Maranhão;

Avaliação do potencial para

o desenvolvimento de planta

74 74

MARANHAO O MARANHÃO AND E A THE NOVA NEW DÉCADA DECADE

Foto: Albani Ramos

para produção de fertilizantes nitrogenados – gás, logística

e potencial de demanda do agronegócio.

Logística

das tendências de exigências ambientais do mercado.

Papel e celulose

Melhoria da produtividade de

florestas plantadas para celulose

e da propriedade;

Modelos de plantio conforme o terreno e tamanho da floresta

– cultivo mínimo e integração

agrosilvopastoril;

Gestão de recursos hídricos

Eficiência na integração de

genética, resistência à pragas

na implantação de florestas de

modais;

e

doenças, e técnicas produtivas;

rendimento;

Planejamento da infraestrutura

Modelos de otimização da

Desenvolvimento da cadeia de

de suporte para grandes portos;

paisagem – reconversão florestal

prestadores de serviços no ciclo

Desenvolvimento de modelos

e

biodiversidade no nível regional

das florestas plantadas para a

de análise da competitividade

e

da propriedade;

produção de gusa;

logística para os principais

Modelos de plantio conforme

Aperfeiçoamento na obtenção

produtos e modais maranhenses;

o terreno e tamanho da floresta

das especificações do gusa para

Gestão de riscos para os modais logísticos do Maranhão.

agronegócio

Modelos de gestão integrada das

áreas produtivas – da propriedade

a bacia hidrográfica;

Zoneamento agroecológico de regiões produtivas maranhenses;

Aumento da produtividade com redução de custos de produção;

Análise do potencial das

alternativas de produção agrícola

– fruticultura, flores, palma,

avicultura;

Avaliação das alternativas de verticalização para os produtos

agrícolas já estabelecidos – soja, arroz, pecuária;

Alternativas para a adubação convencional – redução da perda por lixiviação e aproveitamento das fontes regionais de

nutrientes;

Análise da competitividade do agronegócio maranhense – logística, produtividade e redução dos custos de produção;

Rastreabilidade e atendimento

– cultivo mínimo e integração

agrosilvopastoril;

Gestão de recursos hídricos na implantação de florestas de

rendimento;

Desenvolvimento da cadeia de

prestadores de serviços no ciclo das florestas plantadas para

celulose;

Análise do potencial de diversificação dos produtos florestais – energia, celulose, madeira serrada e movelaria;

Técnicas e modelos de recuperação de áreas naturais do Maranhão.

siderurgia

Desenvolvimento de modelos de

sustentabilidade para a produção de gusa na Maranhão – “Gusa

Verde”;

Melhoria da produtividade de

florestas plantadas para carvão – genética, resistência à pragas e doenças, e técnicas produtivas;

Modelos de otimização da paisagem – reconversão florestal

e biodiversidade no nível regional

o atendimento das exigências do

mercado;

Otimização dos processos de produção de carvão vegetal;

Alternativas tecnológicas para melhoria da eficiência na produção de gusa;

Alternativas para aumentar

a competitividade do gusa

maranhense;

Avaliação econômica do mercado de gusa – tendências de longo prazo para a commodity.

Produção de alumina e alumínio

Alternativas para o aproveitamento de resíduos da

indústria;

Gestão dos riscos e segurança – meta zero em acidentes;

Alternativas e requerimentos para

a verticalização da indústria de alumínio no Maranhão.

MARANHAO O MARANHÃO AND E THE A NOVA NEW DÉCADA DECADE

75 75

MARANHAO AND THE NEW DECADE

OPPORTUNITIES AND CHALLENGES Brazil has emerged virtually unscathed from one of the most serious economic crises occurred in the world. The crisis began in 2008, from the bankruptcy of Lehman Brothers, one of the most traditional American banks, reflected negatively - albeit in varying degrees - in all countries of the world.

The fact of having completed its homework, with the adjustment of external accounts and accumulation of international reserves, as well as the recovery of economic policy instruments, softened its effects on our country.

When it arrived in Brazil, the crisis found

a country with prospects of growth caused

by years of adjustments and structural reforms. Complemented by a strong policy of social inclusion, these reforms promoted socioeconomic stability and set the conditions for sustained economic growth.

Although the impacts of the crisis have not been negligible, particularly in the industrial sector, they could be minimized in light of strong bases of the Brazilian economy and economic policy measures adopted by President Lula’s government.

Regionally, one must register the rapid growth of less developed regions, based on policies

of redistribution, social inclusion, productive investments, and infrastructure. In this context, the performance of the Northeastern economy

is highlighted, with consumption levels

matching the “Chinese fees” of double digits.

While the scenario outlined for the next four years indicates, on one hand, a mediocre growth, at best, of the world economy and, on the other hand, an average growth of 5% per year of the Brazilian GDP, the Northeast region GDP should be placed on a higher level, staying above 6% per year on average. THE NEW MARANHÃO

In this context, Maranhão has the privilege of starting the new decade in an enviable position as a receiver of structuring investments which will enable the

opening of new opportunities and prospects never assembled in our history. The figures provided for this new decade are superlative – about R$100 billion in public and private investments to date, which will offer approximately 240 thousand new jobs over the next five years – but the challenges that stand in the way of economic growth are extraordinary as well. Facing new and old challenges, the new Maranhão is already under construction, with the start of several ventures such as:

• Oil Refinery of large size and capacity in Bacabeira, along with a port for export of petroleum products. It is 600 thousand bpd, 5th largest in the world and largest in Brazil;

• Duplication of the Alumar Consortium Refinery;

• Geranorte Group Thermoelectric Plant, with

330MW;

• Estreito Hydroelectric Power Plant, with a capacity of 1087MW;

• EBX Group Thermoelectric Power Plants: UTE MPX Itaqui, with 360MW, and UTE Parnaíba (natural gas), with 1863MW in partnership with Petra Energia;

• Inclusion of Parnaíba hydroelectric power plant by EPE (Energy Research Company, of MME) in the next energy auction;

• Ferroeste group steel plant, which will produce 500 thousand tons of steel billets in its first stage;

• Vale’s Pier IV;

• Implementation of Notaro Alimentos poultry products, in the town of Balsas;

• Aurizona Group gold extraction, in the city of Godofredo Viana, and Jaguar Mining Group, in the town of Centro Novo.

• Expansion of the alcohol production units of the groups TG Agro Industrial, in Aldeias Altas, and Agroserra, in Sao Raimundo das Mangabeiras;

• New cement production units, such as Votorantim in São Luís;

• Construction, in Alcântara, of the Integrated Mobile Tower - TMI - in process of completion

- for activities of the Satellite Launch Vehicle

- VLS. Work valued at R$47 million. The first test flight is scheduled for February 2012.

• Maranhão, therefore, faces a rare opportunity to establish a connection with the future. For that, it will undertake a vigorous effort in attracting new investment and creating a strong consumer market, able to generate many jobs, income, and work for the people of Maranhão.

• The identification and planning of opportunities, coupled with a strong policy to combat poverty*, will change Maranhão into a state highly competitive and more socially just.

((*) Read the box “Poverty and Inequality - the challenges to be overcome”.)

The state will also invest in logistics infrastructure and the establishment of a port complex (super port) of international standard for the flow of oil and gas, mineral, and agribusiness by-products.

• Doubletracking of Carajás Railway - EFC;

• Suzano’s cellulose plant, with a production capacity of 1.5 million tons;

• Expansion of AmBev and Schincariol’s beverage plants;

• New unit of Renosa Group, Coca-Cola’s bottling company, in Imperatriz;

Investment and jobs will walk side by side. The lack of skilled technical manpower - one of the most significant barriers to economic development - will be addressed with the expansion of training and professional qualification centers (14 new technical schools are being built in the municipalities of Zé Doca, Buriticupu, São Luís – Historic Center, Açailândia, Timon, Bacabal, Pinheiro, Caxias,

76 MARANHAO AND THE NEW DECADE

Foto: Albani Ramos

Alcântara, São Raimundo das Mangabeiras, São João dos Patos, Barra do Corda, Santa Inês, and Barreirinhas).

Besides the training of manpower, the state will invest heavily in professional qualification with the Human Resources Training Program**, encouraging technical, technological, undergraduate, and graduate training geared towards meeting specific needs, such as research and technological innovation. All these actions will integrate the policy of Science, Technology & Innovation to enable the sustainable development of the state, expand and modernize universities and research centers, and meet market demands.

((**) Read the box “Human Resources Training Program”).

The consolidation of several ventures planned for the beginning of this decade will also imply the need for improvement in the supply logistics of companies situated here or that may be established. Incentives to programs such as the Maranhão’s Supplier Development and Pro Maranhão, important instruments of economic, tax, and tax incentives policy will be improved to bring government, suppliers, buyers, and agencies together in pursuit of new businesses.

The creation of development corridors, which shall be translated as focal points of integration and regional development, is a modern concept of promoting the interconnection of major routes that cross the various regions of the state. They will integrate economies, cultures, business opportunities, and will enable the government to act as an inducer of the development process.

Nature - so generous to the coast of Maranhão - gave the coast and rivers the responsibility for the sustenance of more than 200 thousand families who practice manual fishing. However, Maranhão is far from optimal exploitation of its fishing resources.

The need for the regulation and expansion of the fishing sector in Maranhão is a challenge as big as the exploitation of marine mineral resources,

considered one of the largest in the country. Despite this potential, Brazil still depends on imports for inputs used in agricultural fertilizers and animal nutrition. The cosmetics industry, and animal nutrition. Agribusiness has a crucial place in the transformation of this Maranhão into a state rich and more socially just.

Every productive and infrastructure effort will be based on the principles of eco-efficiency, improvement of environmental landscape, and local and regional placement, inclusive and responsible. The orientation of investments will be based on the updating and recovery of ecological and economic zoning, an underlying instrument for the legal security of productive investments in Maranhão.

The following is a summary of key projects that will modify and irreversibly change our economy.

OIL AND GAS The gas and oil sector is at a quick pace in Maranhão and reflects the great economic time experienced by the state. There is no shortage of investments and projects. Companies such as Petrobras, OGX, Petra Energa, Gasmar, Engept, and Panergy enjoy the good winds and prepare to act on several projects, such as refinery, pipelines, exploitation of oil and natural gas.

The Petrobras project is the one which draws the most attention. With an investment estimated at US$20 billion, the state company has already started to build its largest refinery in the country, the Premium I – the 5th largest in the world - in the town of Bacabeira, about 600 kilometers far from São Luís.

The Refinery will be the largest one in the Americas - being capable of producing 600 thousand barrels/day. The new Petrobras unit in Maranhão, in addition to increasing refining capacity in the country, will add value to domestic oil. Initially, Premium I Refinery of Maranhão will mainly produce diesel for export, petroleum naphtha, liquefied petroleum gas – LPG, and aviation kerosene. The refinery works will

generate 132 thousand direct and indirect jobs, and by income effect. OGX, the oil business branch of EBX group

is investing R$ 700 millions in Maranhão,

precisely in the Paraíba basin. The company owns 7 oil land blocks in the interior of the state operating with MPX Energia - the energy branch of the group, and Petra Energia as well.

The estimated gas reserves up to this time amount to 15 million cubic meters daily, and can be used for electric power generation (generation of over 1800MW) and production of fertilizers, in addition to other gas petrochemical chain by-products.

Distributor Gasmar – Companhia Maranhense de Gás bets on the Meio Norte gas pipeline. The venture will require about R$ 2 billion in investments. It will be nearly a thousand kilometers of extension crossing 37 municipalities and will be capable of transporting 5.4 million cubic meters / day.

Confirmation of large natural gas reserves

in the municipality of Capinzal do Norte will enable the construction of a state pipeline loop with the purpose of providing clean energy at

a low cost and will serve as one more anchor

in attracting investments that generate employment and income for the population of Maranhão.

CLEAN AND RENEWABLE ENERGY

The discovery of large gas reserves, extremely

favorable conditions for biomass production - land, topography, water, weather and logistics

- and abundant winds for good part of the year are new opportunities that arise among many that Maranhão offers.

Tax incentives and infrastructure facilities are new instruments that foment the new investments in this sector of our economy. The presence of large companies with worldwide operations and leading edge technology are ensuring that, before long, we will have a prominent position among the producers of clean energy in the world.

MARANHAO AND THE NEW DECADE

77

PORTS

Restoration and modernization of the Itaqui Port will require considerable resources. They will be investments of R$ 604.5 million, and the structural restoration of berths 101 and 102 will consume R$ 93.5 million. The dredging of berths 100 to 103 will cost R$ 35 million. The construction of berths 108 and 100, respectively, will cost R$ 84 and R$ 112 million.

For the Grain Terminal of Maranhão - Tegram

- which will have four warehouses, conveyor

belt, and ship loader with capacity for 2,500 t/h -

resources of R$ 280 million are foreseen. For the Port Terminal of Mearim (Bacabeira) investments are of R$ 3 billion and a forecast of 3,600 direct and indirect jobs. The terminal will have berths for liquid and solid bulks besides a specific pier for steel loads, with capacity to serve ships of 43 to 72 thousand tons, and one more area of approximately 950 thousand square meters of cargo storage area.

Vale’s expansion, with investments estimated

at US$ 12,5 billion in Maranhao, foresees the enlargement of Ponta da Madeira Railway Terminal – TFPM, duplication of Carajás Railway

- EFC, expansion of Ponta da Madeira Port

Terminal – TPPM, Pier IV construction and of a railway Branch in Pará State. Thus, the cargo handling capacity will increase from 130 million to 230 million tons per year.

CELLULOSE

Suzano Papel e Celulose is the flagship of the new Industrial Center of Imperatriz. Suzano intends to invest R$ 4 billion and start, in 2011, the construction of its cellulose plant in the state. The new unit will have a capacity to produce 1.3 million tons of eucalyptus cellulose per year and should generate 3.5 thousand direct jobs, one thousand being in the industrial area, in addition to 15 thousand indirect job positions. Eight thousand jobs will be generated during the plant’s construction phase.

The production will be export-oriented. The choice of the city of Imperatriz to house the new unit will allow Suzano to use Carajás Railway - EFC to ship the production through the

port terminal to be built in São Luís.

The new plant will be transformed into the main reference on cellulose production in the world.

In addition to that, Suzano has created a new company – Suzano Energia Renovável (Renewable Energy) – which has already started negotiations to build two wood pellets production units in the interior of the state, capable of producing 1 milllion tons / year, each.

MINING

Located in a northwest area of the state, mining begins to gain prominence in the economy of Maranhão. Mining companies such as Aurizona and Jaguar Mining, together, should generate about three thousand jobs, both direct and indirect.

Mineração Aurizona, a company controlled by Canadian group Luna Gold Corp., is already in operation since April of 2010, with its first gold mine, located in the municipality of Godofredo Viana.

The company estimates a production of three tons of gold per year.

Jaguar Mining will operate a gold mine located in the municipality of Centro Novo do Maranhão, known as ‘Chega Tudo’. The works should begin in 2011. The area of operation of the mining companies integrates the Cinturão do Gurupi (Gurupi Belt), which includes the northeast of Pará and northwest of Maranhão.

Over the next five years, the company will invest R$ 300 million in the unit of Centro Novo do Maranhão.

The forecast is for a production of 4.5 tons of gold and 450 direct jobs, 2,400 indirect jobs by income effect. About a thousand jobs should be generated during construction.

BEVERAGES

AmBev has started the expansion works to double the size of its factory and the construction of a production unit and a direct

distribution center in São Luís which, together, will absorb resources of R$ 144 million of a total of R$ 2 billion to be invested across the country.

From the total allocated to Maranhão, R$ 10 million will be used to build a new electric power transmission line of 60 kV, in partnership with Companhia Energética do Maranhão - Cemar. With the duplication of production, AmBev will generate 900 jobs.

The Equatorial Brewery Plant operating in São Luís produces cans, bottles, and draft beer, which are commercialized in Maranhão, Pará, Piauí e Amapá.The production capacity will be expanded by over 100% from the current 210 million liters/year to 440 million. In the municipality of Caxias, Schincariol, producer of beers and soft drinks, is investing R$ 120 million in modernizing and expanding its production lines. The number of jobs will jump from the current 2,240 - between contractors and indirect - to about 3 thousand.

STEEL METALLURGY

Among the new ventures, the project of Companhia Siderúrgica do Mearim and the resumption of pig iron production of Margusa’s unit are highlighted. The project of Companhia Siderúrgica do Mearim – CSM, of Aurizônia Venture group, which will be built in the municipality of Bacabeira, is demanding R$ 11.2 billion to become reality.

The project also includes a port terminal. The first stage is expected to operate in 2016 and will have capacity to produce 2.5 million tons / year of steel plates. At the port terminal, R$ 3 billion will be invested.

Works on the Gusa Nordeste steel plant, in the Pequiá Industrial District, in Açailândia, should be completed by March 2011. The venture should employ up to 1300 workers. The Gusa Nordeste project is valued at R$ 300 million. The unit of 250 thousand square meters of built area will produce 500 thousand tons of steel billets per year. In the second expansion phase, the production of billets will double, reaching 1 million tons. There are plans for the construction of a lamination unit. Currently, the Acailandia Pig Iron Complex is

78 MARANHAO AND THE NEW DECADE

Foto: Albani Ramos

composed by 5 steel Mills and a smelting plant, with approximately over 30 enterprises in the metallurgy field.

Dimensão Group, which operates in the civil construction sector, is diversifying activities and investing in the steel industry. R$ 140 million will be spent on the construction, in São Luís, of a steel by-products plant (flat steel, plates, tubes, and laminate sections). The finished project will create about 250 direct jobs and 750 indirect ones. During construction, begun in June 2010, a total of 300 direct jobs will be generated. The operation is scheduled for late 2011 and will serve markets in the North and Northeast regions.

ALUMINUM

Maranhão is becoming a national benchmark when it comes to aluminum and steel metallurgy. The expansion of Alumar Refinery - Aluminum Consortium of Maranhão and the new industrial units in the steel sector total investments of more than R$ 16 billion. R$ 5,2 billion were invested only in the expansion of Alumar Refinery.

Maranhão is becoming a national benchmark when it comes to aluminum and steel metallurgy. The expansion of Alumar Refinery - Aluminum Consortium of Maranhão and the new industrial units in the steel sector total investments of more than R$ 16 billion. R$ 5,2 billion were invested only in the expansion of Alumar Refinery.

From its unit in Maranhão, Brascopper intends to become competitive worldwide. The production is intended to meet the energy distribution and transmission national and international markets. The Project also provides for, in a second phase, the manufacturing of enameled aluminum wires for the fabrication of transformers and motors.

AGRIBUSINESS AND MEAT PRODUCTION

From the infrastructure implemented by Roseana Sarney in her first term as governor, building roads and bringing electricity to areas with high potential for production, the agribusiness and livestock began an expansion process, focused on increasing productivity and quality of flocks.

Rice, soybeans, corn, cotton, sugar cane, and biomass are increasingly attracting investors interested in capitalizing on our natural advantages (topography, climate and availability of land) in this sector.

Notaro Alimentos Group is responsible for a large scale investment in agribusiness: R$ 146 million in a poultry complex in Balsas. The project provides for the combination in poultry breeding farm and chicks, hatchery, feed mill, and soybean processing plant for the production of oil and bran.

The industrial slaughterhouse will have a slaughter capacity of 150 thousand birds per day. It will generate 3,800 direct and indirect jobs. Half the production will be intended for domestic market and the remainder for the external one.

Another strategic project to bring about the consolidation of the soybean chain in Maranhão is the implementation of ABC Inco, an agribusiness division company of the Algar Group, traditionally focused on the telecommunications sector, in Minas Gerais.

The group invested about R$ 220 million to assemble a grain crushing unit in the municipality of Porto Franco, near Imperatriz. It has a processing capacity of 1.5 thousand tons of grain per day, representing over 30% of soybean production in the state.

In the ethanol and sugar cane sector, the enterprises TG Agro Indústrial located in Aldeias Altas, Agro Serra in São Raimundo das Mangabeiras and Maity Bioenergia in Campestre do Maranhão invest more than 600 million in the increase of production

We will encourage public-private partnerships, aiming to promote the consolidation of existing productive chains and the development of new chains enhanced by the discovery of gas. Its priorities will be targeted at creating jobs and reducing regional disparities. The state government will act as organizer, facilitator, and partner in promoting and attracting investments, using public policy instruments such as incentives, complementary investments in

infrastructure and government procurement. The priority sectors to be covered are described below.

• Development of sugarcane ethanol plants;

• Construction of a pilot plant for lignocellulosic biomass ethanol by enzymatic hydrolysis;

• Development of forestry and its entire productive chain (industry of furniture, pellets, briquettes, electrical generation, resin production);

• Development of irrigated fruit production;

• Implementation of large rice processing plants;

• Development of export floriculture;

• Construction of an ethanol plant from cassava;

• Development of palm plantations for biodiesel production;

• Development of the meat industry for export;

• Promoting the development of the meat, leather, and shoes industry.

FAMILY FARMING

Increase productivity, diversify production, and meet the quality requirements of consumer markets are the proposals for the development and integration of family farming in our state. Family units are largely responsible for the internal market supply.

Throughout Maranhão, there are about 260 thousand units classified as family farming. They correspond to approximately four million hectares suitable for cultivation. However, only 20% is utilized for permanent and/or temporary crop production.

Despite the great potential to grow, the reality demonstrates that lack of access to technology, coupled with low productivity, are responsible for the sector’s isolation and the losses. The effect is discouragement and low-income of the productive class.

The proposal to increase productivity of family farming is the integration and regional development. In order for that to happen, it is necessary to connect the productive chains, providing a meeting of the producing class with technology, with access to credit and information

MARANHAO AND THE NEW DECADE

79

that will help to raise the quality and volume of production. The registration of households who have a vocation for dairy cattle and incentive for agribusiness to adopt the familiar supply - coupled with the government program of milk – distribution - will bring the strengthening of the regional economy and the sustainability of the activity.

Incentive to activities of milk production and sheep and goat farming in family units are very important actions that contribute to food security and to combating malnutrition and child mortality. From the generation of agricultural surplus and pasture improvement, fostering the creation of small animals and milk livestock can provide improvements in income and in the supply of micro regions.

CIVIL CONSTRUCTION

The urban landscape of Maranhao - mainly of the capital São Luís and Imperatriz - is changing. And those responsible for these changes are the large developers of the real estate market. Companies of Rio de Janeiro and São Paulo, allied to local companies with a long tradition in the industry, are discovering the real estate market of Maranhão. The high-end segment alone, which includes properties ranging from R$ 350 thousand to R$ 2 million, grew 30% over the past two years in the capital of Maranhão.

The housing market has been following the growth rate of the state. This year, the sector expects a growth between 8 and 9%.

These numbers have been an incentive to the production market consolidation and sales of housing and commercial units in Maranhão.

Looking out for this demand created by public housing programs, expansion of the construction sector, and major infrastructure projects, Votorantim Cimentos chose Maranhão to receive one of the eight plants that the group intends to establish in the country. Votorantim will produce 750 thousand tons/year in its local unit in Maranhão from October 2011 on.

HOUSING

In popular housing, the challenge of overcoming the housing deficit is the major stimulus for construction. With one of the biggest housing deficits in the country, the state of Maranhão is attacking the problem through the ‘Viva Casa’ state program and federal resources the ‘Minha Casa, Minha Vida’ program (My House, My Life). This program includes the construction of 72,500 housing units in the state for people earning up to ten minimum wages.

Among these units, the range intended for the public with lower income (up to three minimum wages) includes 29 thousand homes in the amount of R$ 37 thousand each. Works are already underway and expected to be completed by the end of the year, consuming an investment of R$ 1.07 billion and employing around 15 thousand workers directly.

HOTEL INDUSTRY

The hotel network of Maranhao has been modernized to meet the growing tourist market and demands that come with large investments. By the end of this year, there is a forecast for the delivery of hotel enterprises belonging to groups genuinely from Maranhão, such as the Solare group, expected to have three hotels.

Ivanice Pers owns the Praia Ponta D’Areia Hotel, in São Luís, with 112 apartments. The group also has two other hotel units: Veleiros, which is already operating, with 222 apartments, and Panorama Hotel, with 70 apartments. There is also an Ibis chain under construction on Holandeses Avenue.

TRADE

Commercial activity is one that generates more jobs in Maranhao. Scattered throughout all municipalities of the state, large chains and small establishments cater to the needs of Maranhão’ citizens with a huge variety of products available to consumers. They fulfill an important social function, not only for the manpower it employs, taxes they collect, but also as an important government partner in the My First Job program, the first opportunity that

beginning youngsters have to formal contract.

With the strong economic growth that Maranhão experiences, new investments are rising throughout the state, consolidating the commercial sector as one of the most dynamic of our economy.

SHOPPING CENTERS

Expected to open in 2011, Shopping da Ilha will

be the largest shopping center located in the city of São Luís, with investments budgeted at R$

252 million.

There will be 78 thousand square meters of construction, with 38 thousand square meters of gross leasable area. Shopping da Ilha is a venture of the Sá Cavalcante Group, one of the largest shopping conglomerates in the country. In April of 2010, with an investment of R$ 150 million, the Shopping Rio Anil was opened.

With 163 stores and an area of 24.5 thousand square meters, Rio Anil is the result of good economic times that the state has experienced, result of the increase in wages, and the growth of jobs generated by companies that do not stop coming.

The city of Imperatriz will also attain two shopping centers by 2012. The Shopping Tocantins, in the city center, will house 107 stores, a parking lot with a thousand spots and three cinema rooms. It should become operational later this year.

The venture scheduled for 2012 is the Imperial Shopping, with

161 stores, more than a thousand spots for

vehicles and four cinema rooms. The investment

is R$ 80 million.

SUPERMARKETS

The supermarket sector also reflects the momentum of the economy. The Carrefour group invested R$ 35 million to build an Atacadão. The venture has generated 900 new jobs, 350 being direct. The Mateus group has already disbursed R$ 60 million (in five stores, being four in São Luís and one in Imperatriz city) of R$ 105 million it expects to spend through

80 MARANHAO AND THE NEW DECADE

Foto: Albani Ramos

2011 to expand its supermarket chain, as well as the installation of pharmacies. Supermercado Maciel estimates it will invest about R$ 65 million during the biennium 2010/2011.

MICRO AND SMALL ENTERPRISES

More than half of formal jobs in Brazil are in micro and small enterprises. They are scattered in all corners of the country and, in many places, particularly in the interior, is the only option of formal employment for the population.

In Maranhão there are 100 thousand (Jucema/2010), the majority being, 44.477in the Trade segment; 11.196 in Services, and 7.693 in the Civil Construction Industry, generating more than 126 thousand Jobs with registered labor card.

Our big challenge for the next five years is to increase the number of micro and small enterprises in the state, either through incentives for the formalization of more than 254 thousand existing informal enterprises, either by encouraging the creation of new companies in sectors with high incorporation of technology to meet the many work and service opportunities offered by the large investments already being implemented in Maranhão.

We will also include micro and small enterprises in the programs of government procurement and supplier development as a way to ensure greater market share for their production, and stimulate regulation of the General Law of Micro and Small Enterprise by the municipalities. Thus, we will be decisively contributing to the improvement of competitiveness and doing justice to pioneering in this area, for Maranhão was the first state in the Federation to join the SIMPLES (simplified tax system).

FISH FARMING

Fish meat is the most consumed worldwide, especially in Asian countries. It is about 100 million tons per year. In Maranhão, there are more than 200 thousand families making a living from fishing. Our vast coastline, numerous perennial and fish abundant rivers, and a significant increase in fish farming makes the fishing sector an important attraction for new investments.

Developing policies and programs to improve infrastructure, attracting new partners, encouraging the productive chain, and supporting with technology and incentives, fishermen, workers, and entrepreneurs will change Maranhão into an important fish producer in Brazil.

TOURISM

In her first term, Roseana Sarney began a program to place tourism among the main economic activities of the state. She designed the Major Plan, invested in infrastructure and marketing, determined strategic regions and cities for new routes, created a new visual identity, restored the Historical Center, and acquired for São Luís the recognition of World’s Cultural Heritage, a title awarded by UNESCO. Thus, the flow of visitors has increased significantly, enabling entrepreneurs of this sector to invest in new hotels, restaurants, leisure, and culture.

(Center-North Corridor).

The Port Terminal of Mearim (Aurizônia Group) will be built in Bacabeira. The government also invests in the implementation and revitalization of industrial compounds. In the restoration and implementation of the industrial districts of São Luís and Imperatriz only - the main ones of Maranhão - around R$ 6.6 million were invested.

The districts under implementation are located in areas of influence of the Carajas railway and Transnordestina São Luís – Teresina (CFN). Large companies and industries in various sectors such as chemicals, beverages, metallurgy, and aluminum work in these areas.

Maintenance and restoration of the state highway system is also part of the government’s plans to improve the state’s infrastructure. In 2010, about 1,500 km of roads were paved and restored.

By taking back the government, tourism is a priority again. The Major Plan is being updated and new targets are being set. The new business environment that Maranhão breathes encourages

The government also works to connect all cities of Maranhão to paved accesses before the end of 2011.

more investments in the sector, especially in hotel chains.

REFERENCES

With a unique environmental diversity and one

INFRASTRUCTURE

Location:

of the richest cultural expressions in Brazil, Maranhão occupies again the place it deserves in the Brazilian tourism market.

West of Brazil’s northeast region Territorial Extension: 331,983 km² Population (2010) State - 6,569,683 inhabitants. São Luís (capital) - 1.011.943 inhabitants.

In addition to a privileged geographic location, land extent, and abundant water, Maranhão today has

Local Time: GMT minus 3 hours Annual minimum temperature: 20,9° Annual average temperature: 25,5°

a

good infrastructure of ports, railways, roads,

Annual maximum temperature: 33°

telecommunications, and energy. And all this is at

present undergoing expansion and modernization improvements with public and private investments.

We are investing in modernization and expansion of the Itaqui port, our large logistics modal. The Empresa Maranhense de Administração Portuária - Emap (Port Administration Company of Maranhão) - should open a bid still in 2011 for the Grain Terminal of Maranhão – Tegram works,

a project which aims to eliminate bottlenecks

of the grain production flow of an entire region

MARANHãO BRAZIL MARANHAO AND THE NEW DECADE
MARANHãO
BRAZIL
MARANHAO AND THE NEW DECADE

81

STRATEGIC LOCATION

MAIN SHIPPING ROUTES (Itaqui)

STRATEGIC LOCATION MAIN SHIPPING ROUTES (Itaqui) Source: Port Adminstration Company of Maranhão (Emap)
STRATEGIC LOCATION MAIN SHIPPING ROUTES (Itaqui) Source: Port Adminstration Company of Maranhão (Emap)

Source: Port Adminstration Company of Maranhão (Emap)

82 MARANHAO AND THE NEW DECADE

Foto: Albani Ramos

PORT COMPLEX

PORT COMPLEX CENTER-NORTH CORRIDOR
PORT COMPLEX CENTER-NORTH CORRIDOR

CENTER-NORTH CORRIDOR

PORT COMPLEX CENTER-NORTH CORRIDOR

MARANHAO AND THE NEW DECADE

83

ECONOMIC DATA
ECONOMIC DATA
ECONOMIC DATA The five municipalities concentrate 51,62% of State GIP GPD EVOLUTION IN MARANHÃO

The five municipalities concentrate 51,62% of State GIP

GPD EVOLUTION IN MARANHÃO

ECONOMIC DATA The five municipalities concentrate 51,62% of State GIP GPD EVOLUTION IN MARANHÃO

84 MARANHAO AND THE NEW DECADE

Foto: Albani Ramos

JOBS

RECORD IN THE CREATION OF FORMAL JOBS

Register of Employed and Unemployed workers) history series (1999)

should be given to civil construction sector with a total of 12.127 jobs, reflecting the

The second sub-sector which contributed to the

With the achievement of 41.891 formal job positions in 2010, Maranhão was the 4th state which created more Jobs in the Northeast region and the 12th in the country rank. São Luís was the 10th capital which generated

more formal Jobs in the country, with a total of

The positive impacts of the good economical moment Maranhão is living with the outstanding and historical results achieved in 2010, highlighting the trade and service segments, which achieved the numbers of 14.586 and 12.069

infrastructure works acceleration and potential dynamism of the Housing market.

resumption of formal employment in the state, in the first quarter of 2010, was services, especially

30.571

vacancies.

formal job positions, respectively. These numbers

those in the segment of accommodation and

18.440

formal jobs with registered labor card

were driven by the accommodation and food

meals. The large number of contracting in the

created from January to June – average of 3.073,33/month. A record in all Caged (General

segments, in addition to the retail trade hiring rates. In the creation of jobs, special attention

retail segment and in the food and metallurgy industries is also noteworthy.

in the food and metallurgy industries is also noteworthy. JOBS SECTORS OF ECONOMIC ACTIVITY In short,
in the food and metallurgy industries is also noteworthy. JOBS SECTORS OF ECONOMIC ACTIVITY In short,
in the food and metallurgy industries is also noteworthy. JOBS SECTORS OF ECONOMIC ACTIVITY In short,

JOBS

the food and metallurgy industries is also noteworthy. JOBS SECTORS OF ECONOMIC ACTIVITY In short, the

SECTORS OF ECONOMIC ACTIVITY

In short, the prospects for 2010 are extremely favorable with respect to the acceleration of economic activity in the state, with positive impacts on the generation of public and private revenue. Besides the multiplying effect of new investments, the expansion of wage mass and resumption of growth in federal transfers to the state must continue driving the segments of trade and services.

mass and resumption of growth in federal transfers to the state must continue driving the segments
mass and resumption of growth in federal transfers to the state must continue driving the segments

MARANHAO AND THE NEW DECADE

85

BUDGET 2011

For the 2011 budget one estimates a Total Revenue in the amount of R$ 9,680,000.00. The table below details the main sources of State revenue:

The table below details the main sources of State revenue: Source: SEPLAN/SAOF As can be noted,

Source: SEPLAN/SAOF

As can be noted, the main source of state revenue is Current Transfers, which represent 62% of budget resources forecast for 2011. This fact demonstrates how management of state finances is sensitive to fluctuations in the federal funds, making the creation of alternatives necessary, primarily through the promotion of investments and production in the state, which contribute not only to increase levels of employment and income, but also constitute factors that favor redistribution to the extent that the State’s actions are directed to the most vulnerable segment of the population.

The expenditure for 2011, budgeted at an amount equal to the revenue, is distributed in the following groups:

The expenditure for 2011, budgeted at an amount equal to the revenue, is distributed in the
The expenditure for 2011, budgeted at an amount equal to the revenue, is distributed in the

86 MARANHAO AND THE NEW DECADE

Foto: Albani Ramos

Expenses with Personnel and Social Charges forecast for 2011 are around R$ 3.3 billion, and
Expenses with Personnel and Social Charges forecast for 2011 are around R$ 3.3 billion, and
Expenses with Personnel and Social Charges forecast for 2011 are around R$ 3.3 billion, and