Você está na página 1de 56

Liderança e Comportamento Humano

Apresentação

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe
Diretor Geral Prof. M.Sc. Ionaldo Vieira de Carvalho Diretor Financeiro Prof. André Monteiro Freitas Presidente do Conselho Bárbara Monteiro Freitas Coordenador Acadêmico Prof. José Albérico Gonçalves Ferreira Autor Prof.ª M.Sc. Carlos da Silva Cirino Revisor de Educação a Distância Prof. M.Sc. Mário Vasconcelos Andrade Ilustrações Thiago Neumann Eduardo Cardenas Editoração Eletrônica Filipe Melo de Oliveira Michele Magalhães Mário Vasconcelos Andrade

FANESE

2

© 2011 TECNED - Tecnologias Educacionais Ltda. Av. Mário Jorge M. Vieira, 3074A - Coroa do Meio - Aracaju - Sergipe e-mail: vendas@tecned.com.br - Site: www.tecned.com.br

Apresentação

Liderança e Comportamento Humano

OriENtAçõES GErAiS PArA O ALuNO
Para um bom aproveitamento da Disciplina Liderança e Comportamento Humano, na modalidade de Ensino a Distância, chamamos sua atenção para os seguintes aspectos: • Leitura dos Objetivos Específicos de cada Unidade; • Estudo do conteúdo disponibilizado no Ambiente Virtual- FANESE ou por mídia impressa; • Pontualidade na entrega das atividades agendadas; • Participação nos Fóruns e Chats; • Interação com seu Tutor; • Realização dos Exercícios de Fixação; • Atenção especial para as datas das provas presenciais. Lembre-se: Você contará sempre com o apoio da Tutoria para solucionar dúvidas, discutir o conteúdo da Disciplina e orientações sobre as atividades.

3

Liderança e Comportamento Humano

Apresentação

Caro (a) aluno (a) Sobre o curso Esta disciplina LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO constitui uma matéria importante no seu curso, pois ela se dedica em estudar questões do Comportamento Humano nos espaços organizacionais. Assim, pretendemos que através dela, além dos conhecimentos básicos necessários a um profissional de seu Curso, possamos ter uma aproximação maior em outras áreas acadêmicas em questões relacionadas a gestão e administração. Para isto, pretendemos que ela tenha como base apontar conceitos que promovam habilidades e competências para as práticas que o acadêmico potencialmente vivenciará. Para isto, você está recebendo este material onde constam as informações pertinentes e disponíveis para aqueles que desejam cursa-las. A bibliografia da área será apresentada de acordo com os objetivos e temas da disciplina. Para a consecução dos nossos objetivos, é de suma importância sua participação e interesse, assim, serão abordados todos os temas do programa. Além do estudo dos temas, pretendemos apresentar uma série de atividades, no intuito de vivenciar um pouco da realidade prática de sua área. Nossa meta é fornecer um instrumento capaz de promover respostas às situações novas nas quais nos deparamos em nosso dia a dia profissional posto que, atualmente, a capacidade mais valorizada intelectualmente é a capacidade de apreender o novo, o que ainda esta formando, o que não aconteceu. E, a disciplina LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO mesmo não se constituindo temática recente tem se apresentado nos últimos anos temática de grande interesse prático nas organizações empresariais o que, certamente, servirá de referencial de trabalho para auxiliar em sua futura vida profissional. Portanto, para que o nosso curso aconteça com sucesso é de fundamental importância sua participação. Aí o seu interesse é indispensável, pois o estudo será centrado em você. Espero que você goste de participar deste curso. Prof.ª M.Sc. Carlos da Silva Cirino

4

Apresentação

Liderança e Comportamento Humano

CONtExtuALizAçãO dA diSCiPLiNA
Ementa: Indivíduo, cultura e sociedade. Personalidade x Identidade. Temas de Psicologia Social. Relações interpessoais. Cultura organizacional. Processos grupais. Dinâmica de grupo. Dialética de grupo. Trabalho em equipe. Tipos de liderança. Poder e subjetividade na contemporaneidade. Objetivo Geral: Introduzir conceitos fundamentais de Psicologia Social; Entender a relação indivíduo-sociedade; Conhecer diferentes concepções de poder compreendendo como ele atua na contemporaneidade e como influencia o comportamento social; Avaliar diferentes tipos de liderança; Utilizar conhecimentos das ciências humanas e sociais para repensar a prática do profissional da Administração. Conteúdo Programático 1. Unidade I - Comportamento Humano 1.1. Introdução à Psicologia Social 1.2. Relações interpessoais 1.3. Indivíduo, Cultura e Sociedade. 1.4. Subjetividade e contemporaneidade 1.5. Comportamento Humano e Organizações 1.6. Cultura organizacional e cultura brasileira 1.7. Liderança e Cultura Objetivos específicos: Identificar as fronteiras conceituais de Psicologia Social; Conceituar relação interpessoal; Verificar a relação Indivíduo, sociedade e cultura; Entender o conceito de subjetividade e as demandas contemporâneas; Verificar de que maneira podemos entender o comportamento humano nas organizações; Saber o que é cultura organizacional e cultura brasileira; E, por fim, contextualizar a questão da Liderança e sua relação com a cultura. 2. Unidade II - Grupos: relações interpessoais e intergrupais; Estrutura de poder e Práticas institucionais. 2.1. Conceito de Grupo 2.2. Dinâmica de Grupo 2.3. Conflito 2.4. Poder e Práticas Institucionais 2.4.1. Estudos sobre o poder 2.4.2. Poder e política 2.4.3. Sujeição e poder ao longo dos tempos 2.4.4. Cultura e poder nos espaços organizacionais 2.4.5. Clima organizacional e relações de poder 2.4.6. Mudança x manutenção da cultura organizacional 2.4.7. Jogos de poder 2.4.8. Papel do líder diante das relações de poder Objetivos específicos: Identificar as fronteiras conceituais de grupo; Identificar os componentes que definem a relação Intergrupal e interpessoal; Verificar um dos conceitos mais estudados que é conflito de grupo; Identificar as fronteiras conceituais entre Poder, Práticas institucionais, Políticas, sujeição e poder ao longo do tempo, cultura e poder nos espaços organizacionais e clima organizacional e relações de poder; E dando continuidade ao estudo desta unidade estudaremos a mudança versus manutenção da cultura organizacional, aprender a trabalhar os jogos de Poder e identificar o papel do Líder diante das relações de poder.

5

Liderança e poder 3. 6 . Liderança no contexto do Desenvolvimento Organizacional 3.Liderança e Comportamento Humano Apresentação 3. Teoria dos traços 3. Apresentar as abordagens clássicas e contemporâneas sobre lideranças. Liderança inata x Liderança aprendida 3. Liderança e gênero 3.8.6.Liderança 3.9. Entender a relação entre liderança e diferentes conceitos: poder. gênero.1.3.2.4. Teorias situacionais 3. Unidade III . Questões contemporâneas sobre a liderança Objetivos específicos: Conceituar liderança organizacional.7.5. traços de personalidade. Teorias comportamentais 3. Abordagens clássicas sobre Liderança 3.

tenha algo de bom para o indivíduo). Sua divisão em assuntos diversos é uma concessão à fraqueza humana”. dentro de determinadas condições ambientais.08). Portanto. p. MacKinder. 1. contextualizar a questão da Liderança e sua relação com a cultura. 1994. O conhecimento destes aspectos nos permitirá saber as potencialidades destes ditos mecanismos. o inconsciente” (LANE. Introdução à Psicologia Social “O conhecimento é um só. principalmente. sociedade e cultura. preveem os comportamentos decorrentes. seja os comportamentos considerados conscientes que envolvem experiências. Para iniciarmos o estudo sobre Psicologia Social. ou seja. sempre que um comportamento for reforçado (isto é. procura leis gerais que. Esta temática estuda as interações humanas. Para tanto. e num plano não observável diretamente. g) E. Os aspectos que tornam a Psicologia Social uma área importante é justamente tentar entender como as pessoas interagem umas com as outras. ao final desta unidade você será capaz de entender nossos seguintes objetivos específicos: a) Identificar as fronteiras conceituais de Psicologia Social. Há algumas divergências teóricas que consideram “comportamento” toda e qualquer ação. 07). c) Verificar a relação Indivíduo. a partir das características da espécie.unidade i Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano COmPOrtAmENtO HumANO Como foi exposto em nossa apresentação. 1887. conhecimentos.1. d) Entender o conceito de subjetividade e as demandas contemporâneas. seja a reflexa (no limiar entre a Psicologia e a Fisiologia). porém. “a conceituaremos como a ciência que estuda o comportamento. “A Psicologia se preocupa fundamentalmente com os comportamentos que individualizam o ser humano. ou quais mecanismos as pessoas utilizam nestes intercâmbios sociais. um dos assuntos abordados nos estudos de LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO parte de temas fundamentados na Psicologia Social. sabemos que a aprendizagem é consequência de reforços e ou punições. e) Verificar de que maneira podemos entender o comportamento humano nas organizações. p. precisamos primeiramente compreender a Psicologia de forma geral. do ser humano. 1994. f) Saber o que é cultura organizacional e cultura brasileira. pensamentos e ações intencionais. Como exemplo. 7 . ao mesmo tempo. por fim. b) Conceituar relação interpessoal. em situações semelhantes é provável que ocorra novamente” (LANE.

Se pararmos para refletir sobre o dito veremos que isto acontece desde nosso nascimento. Ainda salienta que todos os seres humanos vivem em constante processo de dependência e interdependência em relação a nossos semelhantes. e são. um elogio. consequentemente. que geram uma visão de mundo. pela aquisição da linguagem. um sorriso. estes aspectos que se tornaram meta para a Psicologia Social. então qual seria o objeto de estudo da Psicologia Social? Poderíamos responder diretamente que seria o comportamento social. gerando por seu turno um outro comportamento desta última.19). 1994). valores. Desta forma é fácil perceber que é muito difícil compreender o homem em seu comportamento como algo que não envolvam componentes sociais. Dito de outra forma. comportamentos. Outro conceito de Psicologia social não menos importante é o de Rodrigues (2007) que diz: “Estuda manifestações comportamentais suscitadas pela interação de uma pessoa com outras pessoas. esta entendida historicamente. um sistema de valores e. simplificar a Psicologia Social como estudo desse comportamento apenas é insuficiente. enquanto condições históricas que deram origem a nossa família. estabelecendo-se assim o processo de interação social” (p. Por sua vez. essencialmente. 1994). ou pela mera expectativa de tal interação. por uma cultura em uma comunidade. e instituições necessários para a continuidade da sociedade (LANE. desde como seus membros se organizam para garantir sua sobrevivência até seus costumes. Um aperto de mão. por exemplo. um simples olhar de uma pessoa em direção a outra suscitam nesta última uma resposta que caracterizamos como social. por exemplo. o que está entre a causa e o efeito das relações sociais? O que leva um indivíduo “A” se relacionar com “B”? .Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano unidade i Lane salienta que o foco da Psicologia Social é estudar o comportamento de indivíduos no que ele é influenciado socialmente. a resposta emitida servirá de estímulo à pessoa que a provocou. 8 Depois de estudar o conceito. É com as palavras e seus significados atribuídos por um grupo social. Esta influência histórica – social se faz sentir. No entanto. sentimentos e emoções decorrentes (LANE. como diz a autora. uma reprimenda. justamente. a Psicologia Social estuda a relação essencial entre o indivíduo e a sociedade. ou até mesmo antes do nascimento.

com nossos inimigos. por exemplo. é o indívíduo em sociedade e não a sociedade propriamente dita. com aqueles que desprezamos. através da relação do homem em seu meio social. com pessoas que conhecemos bem. com pessoas que admiramos. p. faz com que nosso pensamento e nosso comportamento sejam afetados por essa realidade” (RODRIGUES. Atividade: Podemos observar a importância do estudo da psicologia social. Na família. E.unidade i Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano Segundo Rodrigues (2007). Como justificativa para entender o dito segue argumento da nossa conviência em grupo: “O fato de não vivermos isoladamente. Por isso estudar seu significado constitui objeto de nossas necessidades profissionais. como ciência. com as que a eles se opõem. a presença física de outras pessoas. Portanto estudar as nossas relaçoes interpessoais permite que se tenha uma melhor compreensão do nosso comportamento social humano. p. 2009. É justamente estas trocas que se constituem o tema do próximo tópico. tudo isso nos influencia profundamente nossas relações sociais. de bastar a si mesmo. e os nossos sentimentos sobre os grupos aos quais pertencemos. constituem alguns dos requisitos mais importantes da nossa natureza humana. a circunstância de sermos animais sociais que não podem prescindir do relacionamento com outro. em nosso cotidiano pessoal.07). Antes elabore a atividade seguinte: 1.2. Relações interpessoais “A precisão que as pessoas têm um do outro subentende a contemplação no sentido de ninguém ser auto-suficiente. com as que participam de nossos valores. com pessoas que conhecemos mal. não exercitamos nossa cidadania. na empresa ou em qualquer outro lugar exercitamos o que se costuma chamar de relações interpessoais.15). o conhecimento e opiniões que elas nos transmitem. Seu entendimento na verdade se confunde com nossa necessidade de sobrevivência social. Com o estudo do tópico em questão certamente se acumula conhecimento útil para utilização na ocasião oportuna na vida profissional do futuro acadêmico. não tiramos nossas dúvidas. tão característico das relações humanas. enfim. Para melhor reforçar seu aprendizado poste no Fórum o que você acha de importante nesta disciplina científica e procure pensar como ela pode estabelecer uma fonte de estudo no seu curso superior. sem dúvida. com nossos subordinados. de estarmos em constante interação como nossos familiares. ao contrário. Subentende ainda a superação do isolamento vivencial e existencial. Para entender o que venha a ser de fato as relações interpessoais é necessário saber que o objeto principal do estudo da psicologia. mas. é aqui. Sem nossas relações interpessoais não manifestamos nossos desejos. para facilitar a vivência grupal e comunitária” (FRITZEN. Sinteticamente as relações interpessoais significam o resultado de nossas trocas sociais. na escola. 2007. com nossos chefes. É nessas bases que se assenta a necessidade de um treinamento de relações humanas interpessoais. Subtende o encontro com o outro e com os outros para a maturação mútua da sua personalidade. Como podemos observar nossos relacionamentos interpessoais acontecem em diversas esferas e. Bom trabalho!!! 9 . que é as relações interpessoais. com nossos amigos. com nossos pares. que veremos a importância desse estilo de convivência grupal ou comunitária.

seria o fato de envolver ao menos duas pessoas. maneira de falar. Sobre o desejo de controle – uma ver salientada a necessidade de inclusão. são aquelas que no decorrer de sua construção pessoal se identifica com algum grupo ou objeto social. diante de condições vantajosas. no início do texto. Ter de conviver e eventualmente depender de outro indivíduo pode ser mais ou menos confortável. por exemplo: como se estrutura o grupo. A Literatura que estuda as temáticas das relações interpessoais identificou três tipos de necessidades. seu papel. A explicação para tudo isso é o que explica nossas relações interpessociais. Para entender melhor o dito é pontual justificar essa necessidade.Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano unidade i Importante: “a sociedade não é a soma das características das pessoas que interagem. Geralmente questiona o seguinte: como serei aceito? Quem me aceitará? Quem me rejeitará? E que devo fazer para ser aceito? Mesmo ainda movido pelo desejo de pertencimento. Exercitamos. Importante: Geralmente a busca de uma função no grupo surge da influência de alguém no grupo e da observação de outros membros. com a inclusão passando. ela é constituída por pessoas que se relacionam com outras no seu dia-a-dia.07). suas atividades. Poderíamos perguntar o que todas essas questões envolvem? A resposta para isso. nossas expectativas diante de uma entrevista de primeiro emprego. por exemplo. psicossociais. Para Fritzen é pontual enfatizar: “uma das necessidades ou realidades psicológicas. 10 Em nossas trocas sociais exercitamos alguns comportamentos. Como abordado anteriormente. providenciar para apresentação de todos do grupo e sugerir algum exercício de aquecimento caso haja necessidade. quando mudamos de função de trabalho. Quando fatos como esse se assemelham ocorrem um crescimento de estima e confiança no grupo. buscar uma posição de comando uma função no grupo. que são: a necessidade de inclusão.Neste momento a pessoa sente uma necessidade de aceitação. que. inicialmente. p. é a de cada um precisar do outro para realiza-se” (2009. justifica nossas diferentes formas de expressar desejo de sobrevivência. nesta fase inicial. nas ocasiões de expressar nossos sentimentos diante da pessoa que amamos ou. o indivíduo se ver diante da necessidade de controle no grupo. 2009. 2007. Primeiramente para entender esse processo de formação de grupo é importante pontuar que elas surgem de necessidades específicas e identificadas. já as necessidades identificadas. seus objetivos. finalmente. social ou profissional. Geralmente a pessoa pensa o seguinte: quem controla o grupo? Quem tem autoridade sobre quem. Importante: Para facilitar o processo de inclusão no grupo algum membro pode colaborar neste processo através da seguinte conduta: saudação a todos no início de uma reunião.15). 16). Entender as causas do comportamento social e do pensamento ensejado pelo contato com os outros não deixa de seu algo relevante e com possibilidade de aplicações em qualquer atividade em que mais de uma pessoa esteja envolvida” (RODRIGUES. Aqui se preocupa em saber. p. procura sondar a partir da observação de outros membros do grupo coisa do tipo: modo de vestir. Vejamos especificamente o que cada uma expressa: Sobre o desejo de inclusão . a necessidade de controle e a necessidade de afeição. p. Exercitamos nossas responsabilidades na entrega agendada de um trabalho acadêmico. Tanto uma como outra. forma de comportar-se para ver se existe alguma semelhança com seu jeito de ser. procura satisfazer sua necessidade de afeição” (FRITZEN. Lembre-se: “todo indivíduo ao entrar no grupo preocupa-se. em que e por quê? Como posso influenciar? Como é o processo de decisão? Que poder tenho neste grupo? . seu crescimento e progresso. por diferentes motivos. a seguir para o controle e. Uma boa dica para esse tipo de trabalho é possível localizar nos temas relacionados “as dinâmicas de grupo”. melhor. entre outros. por exemplo. As necessidades específicas são aquelas relacionadas a algum objetivo específico do sujeito em sua relação com a sociedade. Na medida em que se sente mais a vontade procura absolver toda dinâmica das relações que se estabelecem no grupo através do seguinte: sentir-se à vontade quandros outros procuram o comendo. aprender os estilos de decisão. venha representar algum ganho identitário para seu crescimento pessoal. as relações interpessoais fazem parte da nossa natureza humana. entre outros tantos argumentos.

” (Goethe. Aqui o indivíduo se pergunta: quem gosta de mim? A quem considero mais? Quais normas usadas no grupo para expessar afeição? Como podemos observar estudar como ocorrem nossas relações sociais ajuda a entender como e quais mecanismos respondem pela permanência e sobrevivência em grupo.) Para entender a relação entre Indivíduo. suas influências. na maneira em que pessoas.03). esse conhecimento pode ser de grande utilidade. com o ojetivo de melhor conhecer a equipe de trabalho. nos grupos sociais que compartilhamos ao longo da vida. Atividade: Depois de saber da importância das relações interpessoais. p. do controle. expressa verbalmente o que sente em relação aos outros e apoiar verbalmente o trabalho dos outros ou expressando seu julgamento por escrito. privado e nas diferenças entre os indivíduos. “A Psicologia Social e a psicologia da personalidade enfocam o indivíduo. se vêm e se afetam entre si. Os psicólogos sociais se centram em nossa natureza comum. a pessoa se confronta necessidades emocionais. por exemplo. Cultura e Sociedade. em tópicos anteriores. de modo que estão relacionadas. a sentir agrado ou preconceito” (MYERS. relate no fórum algum episódio de sua vida que retratou as três necessidades estudadas. 11 . em geral. Indagam como as situações sociais podem conduzir a maioria das pessoas a atuar de maneira bondosa ou cruel. a conformasse ou ser independentes. sociologia e antropologia. tais como: procurar sempre conhecer todos do grupo. quando nos deparamos com novos grupos ou quando nos defrontamos com situações onde um membro novo queira fazer parte de seu grupo. e converter os pensamentos em ação é a coisa mais difícil do mundo. a psicologia social estuda o indivíduo e sua relação com o ambiente. Conforme salientado. Sobre a necessidade de afeição – passado a fase de inclusão. Tendo isto em vista. suas trocas sociais. A diferença reside no caráter social da Psicologia Social.unidade i Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano Importante: Para minimizar os efeitos da necessidade de aproximação é possível. ou desejo de aproximação com as outras pessoas do grupo. apresentaremos sobre a diferenciação e o que tem em comum entre Psicologia. conforme observado. 1749. Indivíduo. Portanto. agir é difícil. eventualmente. Os psicólogos da personalidade se centram no nosso funcionamento interno. Sociedade e Cultura é imperativo buscar informações de suas áreas de origem que buscam explicar e compreender como se processam as relações humanas. por exemplo. 2008. tentar controlar alguns comportamentos. por que alguns indivíduos são mais agressivos que outros. “Pensar é fácil. que é o caso da Psicologia da personalidade. No entanto existe uma área que se preocupa em fundamentar conceitos de caráter individual.3.1832. 1.

organizações. frequentemente estudam a maneira que os grupos afetam os indivíduos ou a maneira que um indivíduo afeta um grupo (MYERS. 2007). ou seja. porém reconhecem a existência de uma área de interseção bastante nítida em seu objeto material. as instituições sociais e as relações sociais. Rodrigues (2007) considera como objeto de estudo sociológico a sociedade. suas formas de expressão. A maioria dos sociólogos estuda os grupos. Como membros do grupo. etc.. consequentemente. que Psicologia Social e Sociologia são ramos totalmente distintos. 12 . tal como o faz a Psicologia Social “ (RODRIGUES. Salienta-se. pelo menos. p. Quando observamos nossa cultura encontramos formas de explicar diferentes hábitos. dois conjuntos separados sem qualquer interseção. Ele até mesmo protege o nosso bem estar mental e a nossa saúde física. O senso de pertencer a um grupo que nos conecta a outras pessoas. nas perguntas que os investigadores destes dois campos formulam em suas pesquisas (RODRIGUES. por exemplo. um objeto formal distinto. 2007). As diferentes formas de se agrupar.Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano unidade i Para a sociologia. podemos colher bem mais do que semeamos individualmente. estuda as produções humanas nas diferentes culturas. Sobre a antropologia reservamos o entendimento de cultura. como é influenciada por eles. juntas expressam o significado de determinada cultura. Estuda os nossos costumes. porém. desde os pequenos até os muito grandes (sociedade). A antropologia. futuramente definir novas imagens que preservem comportamentos mais democráticos e éticos numa Lembre-se: Pertencer a grupos pode trazer grandes benefícios. A maioria se inclina para a posição segundo a qual os estes setores do conhecimento têm. Eles permitem que sejamos parte de algo maior do que o nosso eu (self . as características étnicas dos vários povos. diferentes discussões e. 1994. categoricamente. costumes e formas de lideranças. das características que os unem e diferenciam nas formas de poder. O estudo da antropologia contribuiu. sem. Os psicólogos sociais estão interessados nos grupos.27). A preocupação em entender os muitos caminhos que conduziram os grupos às suas relações presentes. escola. etc. historicamente. Os sociólogos e os psicólogos sociais compartem um interesse pelo estudo da forma que se comportam as pessoas em grupos. 2008). “A distinção entre Psicologia Social e Antropologia é bem mais nítida que a distinção entre a outra área discutida acima.consciência de si) individuais. é a base para nossa participação na vida social de uma sociedade. de diferentes comportamentos. como se relaciona com eles. que a Psicologia Social contemporânea mostra uma nítida tendência no sentido de deixar para a sociologia aquilo que se poderia chamar de macro . explicam a preocupação do vem sendo estudado no campo conhecido como cultura. porém. Não há dúvida de que as descobertas antropológicas e as investigações que ensejam fornecem dados valiosos e interessantes para o entendimento do comportamento do indivíduo de diferentes culturas frente aos outros indivíduos. e ficar à vontade em um céu de similaridade e compreensão. Em conclusão diríamos que Psicologia Social e sociologia têm objeto material idêntico. Dificilmente se encontra um psicólogo social ou sociólogo que afirme.estudo dos grandes grupos ou instituições. Eles servem de base de informações para formar novas críticas. entretanto a maioria dos psicólogos estuda os indivíduos: como pensa uma pessoa a respeito dos demais. A este último tipo de estudo chamaria de micro (RODRIGUES. suas perspectivas para o futuro. contudo considerar o indivíduo em si mesmo e seu comportamento típico frente aos estímulos sociais contemporâneos. Os grupos nos fornecem o sentimento de pertença. hábitos e comportamentos em diferentes épocas e distintas localidades e grupos sociais. como a Igreja. a multiplicidade de formas de existência. porém diferem na maneira pela qual estudam este objeto material. usufruir do brilho das realizações dos outros. valorizado pelo que somos. para concentrar-se no estudo da interação de pequenos grupos. para novos entendimentos do conceito de grupo.

mantidos em dicotomias tal como indivíduo e sociedade e assim por diante como é sustentado em sua primeira análise. Lembre-se: “cada trabalhador executa seu trabalho de forma diferenciada e não deve ser percebido ou tratado da mesma maneira que o outro.unidade i Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano boa convivência social. valores. Primeiramente é importante saber que o par “objetividade” versus “subjetividade”. Subjetividade e contemporaneidade “O erro de nossos olhos dirige nossa mente: as indicações erradas devem estar erradas” Shakespeare (1601 – 1602). podemos dizer que o termo subjetividade. críticas à cultura. além de conhecer as formas de ser. resultando em significados que representam a formação do indivíduo. Portanto. Tem a base nas crenças (experiência de vida). elencando os pontos de igualdade(s) e diferença(s). Só atingirá tal competência. p. seu entendimento e suas formas de emprego e análise serão suficientes para o entendimento nos espaços organizacionais. que avalia seu desempenho cabe a imparcialidade. e comportamentos compartilhados na cultural. características do ser humano. sobre possíveis aspectos que interferem em uma boa produção no desempenho de suas funções. não deixe de realizar nossa atividade. O conceito de subjetividade não é novo. sentimentos e pensamentos. A subjetividade é o “mundo” do sujeito. da maneira como é utilizado em nosso convívio social não deve ser entendido no ambiente organizacional. Atividade: Elabore um pequeno quadro com as principais características de cada disciplina científica apontada anteriormente. A subjetividade hoje serve de referência para grupos de pesquisa. deve ser entendido como operações separadas. Seu significado. Ao supervisor direto. 1. Isso é decorrente de sua amplitude conceitual em diferentes áreas acadêmicas. Para este momento vamos focar sobre o conceito estudado e definido nos mundo das organizações. na visão do empregado. emoção e interesse.101) 13 . 2009. Introduzindo a questão. aprendendo a conhecer sua própria maneira de ser e estar no mundo. dissertações e artigos. composto por emoções. mas apresenta papel crescente no campo contemporâneo das organizações. A partir desta breve exposição. No processo de avaliação de um cargo vem sendo utilizado no intuito de melhor saber o que se passa. não deve ser confundido com uma visão particular de algo. por se tratar de traços relacionados às diferenças individuais. pensar. Outra forma de pensar a subjetividade e sua compreensão no saber organizacional implica em saber de outros conceitos. Tal constatação da subjetividade é importante para pensarmos que a delimitação desse operador conceitual merece detida análise sobre sua aplicabilidade e efeitos no ambiente de trabalho. agir e sentir do seu pessoal” (SOUZA.4. Falar de subjetividade não é fácil. ou como estamos habituados a ouvir “essa é uma questão subjetiva”. Ela é importante para o aprendizado do estudo. motivação. Deve ser entendida como o espaço íntimo do sujeito (forma de pensar) com o qual ele se relaciona com o mundo social (modo de agir). tais como: percepção. teses.

A teoria da Gestalt voltou-se para o fenômeno da percepção analisando os processos psicológicos relacionados à ilusão de ótica. relativo silêncio. • A expressão facial – reação automática que é expressa. a ação de outras questões sociais como exemplo. O exemplo clássico está relacionado à projeção de filmes. Neste momento.Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano unidade i Lembre-se: Apesar das pontuais etapas é fato relevante ressaltar que não percebemos da mesma forma o mesmo objeto perceptivo. No ambiente organizacional essas distorções perceptuais podem surgir entre dos polos: trabalhador e chefia imediata. e. Por ser contagiante. motivações e outras diferenças individuais funcionam como filtros que influenciam na percepção de mundo. entre o estímulo que o meio fornece e a resposta do indivíduo encontra-se o processo de percepção” (BOCK. p. . Foram os estudos psicofísicos. valores e atitudes. por fim. depois que nossos sentidos registram o comportamento da outra pessoa. emoções. a pessoa interpreta os conteúdos percebidos.).“é uma condição complexa que surge em resposta a determinadas experiências de caráter afetivo” (SOTO. • Cognições sobre a emoção e situações associadas – lembranças e experiências anteriores que acompanham o momento emotivo. 2009). entre estímulo e resposta – porque. mas algumas pesquisas enfatizam algumas etapas: Primeiramente é necessário que o comportamento do outro atinja os nossos sentidos (visão. • Respostas corporais internas. No ambiente organizacional o estudo das emoções pode ajudar a entender a influência na percepção. etc. na aprendizagem e no desempenho do trabalhador. por exemplo. complementa nossa forma de perceber as pessoas. Para a Gestalt não há uma resposta única e generalizada que explique como os estímulos são percebidos para esse comportamento. 14 Percepção . • Reações à emoção – são várias as reações. 60). Experiências passadas. o fenômeno da percepção resulta da dinâmica que se estabelece entre o estímulo. • Tendências de ação – formação de reação diante de uma situação emotiva. nossa história de vida. no entanto pode gerar um obscurecimento da sua visão de mundo. o sujeito e seu referencial. 2009. De acordo com o referido autor “a emoção é um estado interno (fisiológico e mental) do organismo que pode ser analisado a partir de uma dupla perspectiva provocada pela resposta interna do sujeito diante de um estímulo percebido como agradável ou desagradável” (2009. nossa forma de ver o mundo. O conjunto dessas três etapas se harmoniza e determina a atividade perceptiva.) sejam boas. Em Atkinson (2009) uma experiência emotiva possui seis dispositivos. preconceitos. Temor. estereótipos. a ira pode levar a agressão.O estudo da percepção tem ajudado entender uma série de questões relacionadas às formas como conhecemos e percebemos as pessoas do nosso cotidiano. O que se vê na realidade. ou seja. etc. que sustentaram os primeiro conceitos sobre percepção no campo acadêmico. como também é importante que as condições ambientais (luminosidade. além da situação na qual se dá o processo. Emoção . 45). p. por exemplo. 411). então. audição. 2006. Koller e Kaffka. Por exemplo. o que pode gerar ou não distorções significativas. nossa experiência acumulada. desenvolvidos por Wertheimer. são fotos estáticas. embora a sensação seja de movimento (SOUZA. pode desencadear ações positivas ou negativas dependendo de suas nuances. que são: • A experiência subjetiva da emoção – qualquer estado afetivo ou um conjunto de sentimentos associados da emoção. inicia-se então a ação de nossos interesses. para os gestaltistas. O principio norteador dessa teoria diz: “há uma relação de causa e efeito. especialmente aquelas que envolvem o sistema nervoso autônomo – qualquer estado de irritação reproduz uma reação corporal. p.

denominadas primárias. 2009. Portanto. organizacionais. gerará uma reação negativa no indivíduo. Motivação – “o termo motivação refere-se aos fatores que determinam ou regulam o comportamento” (ROTHMANN. Se sentir interessado conduz aquilo que determinam nossas escolhas. evidentemente.unidade i Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano “A intensidade dos sentimentos de uma pessoa pode ter um maior ou menor ajustamento com o ambiente organizacional. p. de suas necessidades. denominadas secundárias. faz-se uso de diferentes palavras. p. 2009. quando o gestor adota uma postura autoritária e tem por expectativa a sobrevivência de seus subordinados. no sentido de mobilizar o sujeito para alguma ação. Atualmente as organizações cada vez mais preocupadas com os interesses dos trabalhadores já observaram que o Feedback de desempenho constitui um instrumento poderoso para despertar o interesse e a satisfação de seu trabalhador. É representada por um processo interno que impulsiona o indivíduo a se comportar em determinada direção. A remuneração e a certificação têm motivado estes dispositivos comportamentais. Nas organizações modernas isso não é surpresa. por exemplo. Geralmente. Aquele que não corresponde às suas expectativas é advertido com uma boa dose de ira. de um bom desempenho. “Os interesses de cada um divergem em consequência das características de personalidade e dos comportamentos sociais que podem ser determinados por objetivos organizacionais diferentes” (SOUZA. o que tem ampliado a perspectiva de entendimento do que ocorre nas organizações comprometidas com seu crescimento em sua totalidade. classificadas em duas categorias: Necessidades físicas básicas.05). Da mesma forma temos a satisfação. Isto ocorre. na busca por satisfação. Desde muito tempo os estudos comprovaram que o comprometimento e a satisfação reproduzem um comportamento positivo em situações futuras. como fome. assim como o grupo específico de trabalho. Interesse – o estudo do interesse representa outro dispositivo subjetivo que pode ser entendido como um forte sentimento de desejo e curiosidade que afetam as relações sociais de forma a direcioná-las para uma determinada finalidade. iniciativa e motivos. 108). 2009) partiram dos clássicos estudos do comportamento humano. Sobre o comprometimento poderíamos pensar: algo que surge de dentro para fora ou que se manifesta na ordem do individual. sexo e repouso. 108). Podem ser ainda consideradas como variáveis que interferem nas relações sociais. querer. objetivos. esse trabalhador se sentirá mais comprometido mais interessado e satisfeito na execução de suas atividades laborais. sede. decisões. necessidades. Necessidades sociais e psicológicas. o que. mobilização. nosso desempenho e nosso comprometimento. estudar as emoções constitui tema relevante para o trabalho no mundo das organizações. Como consequência. afetando-o suas emoções e desempenho” (SOUZA. certamente ajudará como facilitador ou como barreira no desempenho das atividades do colaborador. por exemplo. 2009. Para melhor entendimento do significado de motivação Davis e Newstrom (1998. citado por SOUZA. Experiências que geraram resultados satisfatórios tendem a repetição em experiências futuras. p. vontade. Afinal desde muito tempo as organizações têm despertado para melhor gerenciamento de seu funcionário no intuito de buscar respostas para o significado e aumento da motivação nas atividades laborais. tais como: desejo. mais vinculadas à mente e 15 . Entender o processo emotivo nestes ambientes.

p. Bom trabalho!!! Atividade: Depois deste importante tópico. assim como o sentimento de pertencer em relação à organização” (SOUZA. no entanto as primeiras ideias partiram do princípio da observação de comportamentos diferenciados: 16 . administração – nesta última. de forma potencial. tem encontrado ações que despertem aumento no desempenho das atividades quando se analisa alguns pontos. Sobre as necessidades primárias há poucas variações de comportamento de pessoa para pessoa.sociologia. o estudo das relações inter-humanas nas organizações e gestão de pessoas em específicos -. psicologia. 1. Relate essa experiência. Algumas sugestões de mercado organizacional têm encontrado mecanismos para a satisfação no trabalho na mobilização para novas ações no sentido de mediar os impulsos às direções organizacionais. Anônimo Uma das áreas que respondem pelo estudo do comportamento humano nas organizações é denominada de comportamento organizacional. ao longo da história das organizações. Outras áreas do conhecimento. surge uma área exatamente preocupada em explicar quais comportamentos que levam uma pessoa a ter um melhor desempenho profissional. pesquise sobre a importância da subjetividade na avaliação desempenho no seu trabalho ou no trabalho em equipe na sua faculdade. também contribuíram com dispositivos teóricos de diferentes setores acadêmicos . todos esses conhecimentos em particular contribuiu e vem contribuindo para ampliação e desenvolvimento do setor. “A análise de comportamento. é o que justifica a atenção ao estudo do comportamento humano nas organizações. Sua opinião é muito importante para seu aprendizado. o conjunto dessas necessidades reproduzem diferentes formas de mobilizar o sujeito no espaço organizacional. Muitas são as possibilidades de aproveitamento organizacional sobre as necessidades primárias e secundárias que motivem o trabalhador. além de outros tantos mecanismos metodológicos. a influência da subjetividade e os caminhos atuais nas organizações serão temas de discussão nos próximos tópicos de nosso aprendizado. O conceito de equipe. que são: melhor ambiente de trabalho (ambiente confortável e tentativa de minimizar a pressão externa).5. antropologia. e de maior interesse para as organizações. As atuais tendências organizacionais têm dirigido atenção dos aspectos subjetivos relacionados ao trabalho em equipe.Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano unidade i ao espírito. No entanto. Os fundamentos conceituais são vários. nos momentos de esforço e tensão (oportunidade para alguma certificação e/ou recompensa) e estabelecimento de objetivos e incentivos (garantias recompensadoras para um novo ciclo motivacional). Mas antes não deixe de realizar a atividade sugerida. permite verificar que diversas necessidades ocorrem ao mesmo. mesmo isolada.112). sobre as necessidades secundárias se observa variações de comportamento. Embora haja uma exagerada preocupação do profissional em especular quais os fatores que afetam a sua vida no trabalho. exercendo influência mútua. 2009. como já enfatizados. De acordo com Miniccuci (1995) o conjunto de conceitos utilizados para o entendimento humano nas organizações surgiu da própria maturidade conceitual da organização. como também do aprimoramento das atividades práticas. Ela será importante como complemento de seu aprendizado. Juntas. O reflexo dessa mediação. Comportamento Humano e Organizações “Quando se trata de administrar uma organização a ‘atuação humana’ é que age como centro de tudo”. o que dificulta em demasia a satisfação.

Estudo de tomadas de decisões. como tamanho e estrutura. Estudo das profissões. Portanto. Essa pode ser considerada uma perspectiva em nível micro.03). como: Relacionamento entre organização e o seu ambiente. A maioria de nós também fica admirada pela maneira como algumas pessoas parecem ter um “poço sem fundo” de entusiasmo por seu trabalho. Conforme dito no início deste tópico o comportamento organizacional depende da preocupação constante em reunir informações de seu campo e de informações de campos relacionados. Crescimento pessoal – o conhecimento. Desse entendimento elenca alguns estudos com ênfase no fator humano: Necessidade e motivação para o melhor desempenho no trabalho. é principalmente o indivíduo” (VECCHIO. Relacionamento com pessoas de formação distinta. 2008. por crescimento pessoal e por maior conhecimento. Sobre a área psicológica se reserva a função de orientar pessoas acentuando que a mudança da organização decorre da mudança das pessoas. cada vez mais estratificado. 2008. Objetivo das organizações. o CO abrange diversas áreas. ou a unidade de análise na perspectiva micro. p. usualmente figuram como dados que exercem efeitos uniformes sobre o comportamento em uma situação específica. Necessidade de criação de estrutura organizacional num mercado de alta complexidade. Vecchio (2008) apresenta algumas vantagens quando se refere ao CO. Na busca deste conhecimento o mesmo autor propõe essencialmente o envolvimento de duas áreas acadêmicas. “O comportamento organizacional é o estudo sistemático dos comportamentos e atitudes de pessoas e grupos em organizações. a compreensão profunda e constante. Processos dos pequenos grupos. De acordo com Miniccuci (1995). ao passo que outras consideram como algo um pouco melhor que tortura” (VECCHIO.unidade i Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano “Todos nos surpreendemos com os motivos pelos quais algumas pessoas têm sucesso e outras fracassam no mundo do trabalho. Nesse nível. uma psicológica e outra sociológica. Estudo da supervisão (liderança autocrática ou 17 . Maior conhecimento – a terceira meta do CO consiste em agrupar os conhecimentos práticos com o conhecimento teórico para desenvolver maior capacidade crítica. os atributos de uma organização. constitui ênfase do CO. Mas quais seriam os imperativos de se estudar o comportamento organizacional? O que justificaria entender o comportamento organizacional? A resposta para esse questionamento surge de três linhas de pensamentos: pelas aplicações práticas.07). de seu campo de trabalho. A escolha de uma estratégia de resolução de problemas baseado em tópicos associados (tomadas de decisões pessoais versus decisões organizacionais). que são: O desenvolvimento de um estilo de liderança orientado para as exigências situacionais (exigências de mercado). Vejamos cada um em separado: Aplicações práticas – constitui a primeira razão de se estudar o Comportamento Organizacional. p. exige lideranças cada vez mais inteiradas com as inovações organizacionais. O foco.

padrões de estabelecimento. Os atributos organizacionais. Para colher estas informações se utilizam da teoria interorganizacional. 18 . a finalidade e a natureza do Campo do CO. Bom trabalho!!! 1. Desenvolvimento organizacional (Como a organização pode se manter competitiva. hábitos de um determinado grupo social. A atenção ao comportamento organizacional visa melhorias na dinâmica de pessoas e. 1995. Baseada na dinâmica social as organizações também possui seu sistema de valores. tem como segundo propósito obter maior rendimento em sua dinâmica. Agora que você ficou inteirado da temática do CO faça a atividade sugerida. integrante do Sistema da Qualidade. estará sendo submetido à influência da cultura. Já é possível afirmar nas modernas organizações que quanto mais você entender a cultura da empresa. democrática) e clima organizacional (ferramenta administrativa. adaptando-se a tempo às mudanças. sua concepção dinâmica. o comportamento das pessoas). de acordo com Vecchio (2008). de agrupamento social e organização política. costumeiramente adotada na literatura correspondente as dinâmicas organizacionais. com as diversas equipes de trabalho. à tecnologia e propõe uma abordagem contingencial. Abordagem contingencial – estudo das variáveis que tem como meta explicar situações atuais para controlar situações futuras. que é um sistema de valores compartilhados por todos os funcionários. De posse desses conhecimentos as empresas estão aptas para desenvolver programas de treinamentos e aperfeiçoamento. Cultura organizacional Atividade: Pesquise sobre a definição. Organização – focaliza a organização como unidade de análise. em todos os níveis. A base da cultura organizacional teve sua origem. tecnologia e cultura. 2004. na consultoria organizacional e na pesquisa de ciência aplicada. sua missão. Esse modo de vida das comunidades inclui tecnologia e modos de organização econômica. Para a ciência sociológica a orientação dirige atenção para organização.6. utilizada para medir e apurar o grau de satisfação no trabalho). Aqui vamos nos deter na perspectiva social. Tecnologia – estudo frequente na empresa de “como as coisas são feitas”. principalmente. suas estratégias e. para colher novas informações. Cultura é como uma lente através da qual o homem vê o mundo. são objetos de estudos. 1946 Estudar a temática relacionada à cultura organizacional significa rever conceitos como costumes. Em sua opinião quais os desafios que se defrontam os gerentes quando trabalham com o CO. p. ajustando o seu negócio. p. oriundos de aspectos biológicos e sociais. valores.91). e assim por diante” (LARAIA. “Culturas são sistemas (de padrões de comportamentos socialmente transmitidos) que servem para adaptar as comunidades humanas aos seus embasamentos sociais. por exemplo. Livro: O crisântemo e a espada Ruth Benedict. ou perspectiva em nível macro (estudos dos grandes grupos). crenças e práticas religiosas. Isso costumeiramente vem sendo chamada de Cultura organizacional. meio ambiente e tecnologia que influirão diretamente em sua personalidade (MINICCUCI. para melhor crescimento. São vários os conceitos e concepções do entendimento de cultura. maior oportunidade de sobrevivência no mercado o profissional permanecerá. suas normas.Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano unidade i Importante: Se você for trabalhar numa empresa que utiliza a teoria contingencial do comportamento organizacional.59). como metas.

principalmente nas organizações. 1. por exemplo. Ainda que. tendo como foco tempo. atendimento. Procure dar alguns exemplos de costumes sociais que você vivencia também em seu trabalho ou com equipes em sala de aula. discutam abertamente aspectos de uma cultura corporativa. O conceito de cultura é multifacetado. Já tivemos oportunidade de trabalhar a ideia de cultura. que tente determinar o conjunto de valores que são assimilados pelos membros da instituição por exemplo. tais como: relações interpessoais. p. A ideia das organizações é o empenho para que todos os colaboradores. implantação de cultura de qualidade) e o trabalho com grupos e equipes. Há empresas que vinculam seu entendimento as diferentes estratégias. Liderança e Cultura “As preocupações com a cultura são institucionalizadas e fazem parte da própria organização social” (Santos. nada interfere no entendimento da temática e no processo de aprendizagem. subjetividade e comportamento organizacional. qualidade. postularam questões importantes sobre práticas de liderança. explicitamente não trabalhamos em profundidade o conceito de liderança. Eles na verdade incluem o trabalho das mudanças organizacionais (exemplo. é essa a temática de nossa unidade II. mantendo simultaneamente a flexibilidade que estimularam. Esse propósito tem chamado atenção ao campo da liderança institucional. Ela é importante na fixação do tema que foi discutido. 19 . em específicos os líderes. Diante desta breve exposição este tópico sugere alguns pontos para discussão.unidade i Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano “A ideia foi vincular o crescimento do poder no Japão à capacidade gerencial para inspirar dedicação.85). E. Duas expressões que estimularam rapidamente o interesse entre os gerentes e pesquisadores organizacionais foram cultura corporativa e melhoria de qualidade” (p. atualmente. Existem desafios crescentes para as lideranças no domínio das relações com seus colaboradores quando se enfatiza a cultura de qualidade. implicitamente. Não é raro encontrar cultura e estrutura e cultura e poder (ou liderança). Enquanto isso desenvolva a atividade indicada. Estes desafios não são definíveis facilmente e nem se enquadram em uma estrutura pronta ou sistematizada. muitos dos conceitos anteriormente estudados.7. haja visto que. Bom trabalho!!! Atividade: Depois do estudo da cultura organizacional pesquise e poste no Fórum as influências de sua criação e permanência no seu ambiente de trabalho. desempenho elevado e flexibilidade nas ações. por exemplo. têm encontrado no trabalho dos grupos e equipes as soluções mais emergentes. As metodologias mais utilizadas para as mudanças organizacionais. 2007.12). O mercado ocidental preocupada com a concorrência global crescente vem a cada dia se dedicando na busca de criar mecanismos mais sólidos e compartilhados no intuito de criar uma metodologia de trabalho de criação de uma cultura positiva.

2004. LARAIA. Estudar as relações de liderança e cultura nas organizações constitui forma de mapear estratégia onde se possa consolidar uma forma de agir sobre ela. constitui instrumento poderoso para o crescimento organizacional através do comportamento de seus membros. FURTADO. Agostinho. controlá-la. Rita L. historicamente. LANE. São Paulo: Saraiva. BOCK. Chegamos ao final de unidade I. Ana Maria Mercês Bahia. Atividade: Após leitura deste último tópico responda a questão seguinte: como uma liderança pode atuar no sentido de treinar seus colaboradores para uma cultura organizacional? Pesquise essa questão e depois poste no Fórum.Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano unidade i Mas. Expressam seus conflitos. 2006. procuram defini-la. Silvia T. Maria de Lourdes T. TEIXEIRA.82). agir sobre o seu desenvolvimento. 20 . entende-la. p. 1994. MINICCUCI. Para fixar esse último tópico resolva a atividade sugerida. 2007. pois eles consolidam o que temos de mais atual no cotidiano prático da nossa vida profissional. 1995. Cultura: um conceito antropológico. São Paulo: Atlas. e nelas o interesse dominante da sociedade manifestam sua força” (SANTOS. Porto Alegre: Artmed. e por conduz a um melhor comprometimento organizacional. fazem parte da própria organização social. a cultura é uma esfera de atuação econômica. São Paulo: Brasiliense. Vejamos como esse conhecimento pode ajuda-lo nas práticas profissionais: controle do conhecimento da empresa em termos estratégicos. Há instituições públicas encarregadas disso: da mesma forma. “Hoje em dia os centros de poder da sociedade se preocupam com a cultura. as preocupações com a cultura são institucionalizadas. O que é psicologia. Bom trabalho!!! REFERênCIAS ATKINSON. 2002. Entendo a cultura a partir da dimensão social. com empresas diretamente voltadas para ela. qual seria a explicação de associar liderança e cultura? A resposta a essa pergunta é simples. São Paulo: ed. Odair. revelam proximidade com as relações de poder. evitam o conflito de ideia quando existe uma liderança eficaz. Roque de Barros. Assim. ela tenta promover o dito na realidade profissional que você terá que enfrentar. Psicologia aplicada à administração. Introdução à psicologia. consolidaram-se junto com o progresso das nações. As relações de liderança visam diferentes objetivos institucionais. não podemos esquecer que elas. Jorge Zahar. Psicologias: introdução ao estudo da Psicologia. Maurer. Esperamos que todos os temas abordados tenham despertado seu interesse.

Robert. RODRIGUES.unidade i Liderança e Comportamento Humano Comportamento Humano MYERS. São Paulo: Brasiliense. David G. Vera Lúcia de (org). Aroldo. Rio de janeiro: 2008. VECCHIO. Psicologia social. Aroldo. Comportamento organizacional: o impacto das emoções. São Paulo. 2009. LTC. Cengage Learning. 2008. Eduardo. SANTOS. SOUZA. Petrópolis: Vozes. 1996. 2007. Petrópolis: Vozes. 2007. 2005. 21 . O que é cultura. José Luiz dos. Avaliação de desempenho. SOTO. Cengage Learning. Psicologia Social. RODRIGUES. Psicologia social para Principiantes: Estudo da interação humana. Comportamento organizacional: conceitos básicos. Rio de Janeiro: editora FGV. São Paulo.

tem que respeitar ao máximo o caráter “grupal” do grupo. É através desta temática que poderemos encontrar algumas explicações de nosso comportamento social nas nossas relações interpessoais e intergrupais. Práticas institucionais. Vejamos algumas definidoras proporcionadas por Soto (2009): “Conjunto humano cujos elementos se conhecem e se influenciam reciprocamente (ARRUGA. A simples aceitação deste conceito de grupo não é suficiente. entre outros.1.Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. ou seja. 1983). Outra temática importante para nossa vida profissional é entender o conceito de poder e suas práticas institucionais como forma de subsidiar nosso cotidiano profissional. por fim clima organizacional e relações de poder. Conjunto humano em que há uma série de relações observáveis e definíveis (DAVIS. 1969). sociólogos. um dos assuntos mais abordado é o que remete ao estudo de grupo. (Soto. ao nosso estudo da disciplina “Liderança e comportamento Humano”. Políticas. Na área acadêmica não há uma unanimidade conceitual sobre a definição do que seja um grupo. aprenderemos a compreensão dos jogos de Poder e identificaremos o papel do Líder diante das relações de poder. Unidade social que consiste em um número de indivíduos 22 . administradores. Estrutura de poder e Práticas institucionais unidade ii GruPOS: rELAçõES iNtErPESSOAiS E iNtErGruPAiS. Em que consiste exatamente esse caráter é algo que tem preocupado os psicólogos. EStruturA dE POdEr E PrátiCAS iNStituCiONAiS Dando continuidade. Cada área tem privilegiado o conceito preservando sua aplicabilidade. Tal conceito deve ser compreendido corretamente. ao final deste capítulo você será capaz de entender os seguintes objetivos específicos: a) Identificar as fronteiras conceituais de grupo. cultura e poder nos espaços organizacionais e. c) Verificar um dos conceitos mais estudados que é conflito de grupo. b) Identificar os componentes que definem a relação Intergrupal e interpessoal. O conhecimento deste conceito nos permitirá saber as diferentes parcerias e os mecanismos que explicam nossa conduta grupal. e) E ainda estudaremos a mudança versus manutenção da cultura organizacional. d) Você ainda identificará os alcances conceituais entre Poder. Na linguagem comum a noção de grupo implica reunião ou conjunto de pessoas. o fato de pertencer ao grupo perde o atrativo. Conceito de Grupo Quando um grupo deixa de satisfazer as necessidades do indivíduo. 2009). Portanto. sujeição e poder. 2.

aspirações e metas compartilhadas estão relacionadas com ele e implícitos nos valores ou normas comuns ao grupo (SHERIFY. Para os que se fundamentam nesta ideia segue um exemplo: o conjunto de alunos de uma sala de aula. não constitui uma equipe. Trata-se de “classes” de indivíduos que inicialmente não parecem interessar na temática de grupo. como raça. Estrutura de poder e Práticas institucionais que. Embora não faça muito sentido se perguntar o porquê das pessoas serem de tal raça ou de tal gênero. ou de pessoas cujo nome começa com a letra “R”. Os espectadores de um teatro. Perguntas como: por essas pessoas têm a mesma data de aniversário ou que características específicas de comportamentos podem ser esperadas de pessoas com inicial “R”. Independente da definição que se acredite mais conveniente. ainda que possa ser considerado um grupo. por exemplo. são claramente descabidas. Como podemos ver são muitas as definições que podemos identificar na literatura que estuda a temática. envolvidos em alguma atividade específica (FIORELLI. a saber: Objetividade e metas (SOTO.unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. forma-se um grupo. Mas se um deles começa a protestar porque um ar-condicionado não está funcionando e outros se unem ao protesto. seria uma espécie de subgrupo do grande grupo. as atitudes. pode-se analisar tanto as características de comportamento próprias dessa 23 . é um tipo especial de grupo. decorrentes da necessidade mútua de atingir objetivos e metas especificadas. sobre o simples fato de essas pessoas possuírem iniciais ou datas de aniversários comuns. estão em uma posição interdependente mais ou menos definida e relacionada segundo seus papéis sociais entre si e que. entre outros atributos. implícita ou explicitamente. e todos decidem resolver a situação com o responsável. Sem finalidade. ao menos para assuntos importantes para o grupo. evidencia-se elevada interdependência na execução das atividades. É muito comum em termos conceituais confundir o que seja grupo de equipe. Vejamos o seguinte exemplo: pode-se falar do conjunto de pessoas que possuam a mesma data de aniversário. não há grupo. Assim. como regra geral. 1936)” (p. Equipe seriam um conjunto de pessoas que buscam resultados de interesses comuns a todos os membros. Mas certos conjuntos ou categorias de pessoas são constituídos por critérios menos arbitrários ou mais naturais. Geralmente definem grupo como sendo um conjunto de pessoas que interagem entre si de tal forma que cada uma influencia e é influenciada pela outra. a nacionalidade. em que. não são um grupo. Portanto. Este tipo de conjunto de pessoas não se recomenda trabalhar com os grupos que nos interessa. 2001). quando se observa um grupo duas questões são imprescindíveis. equipe. muitos autores não distinguem grupo de equipe de trabalho. Também é muito comum confundir um grupo com o conceito de classes. A este último podemos definir com um conjunto de pessoas com características comuns. De fato. na medida em que fica difícil se fazer alguma pergunta científica. etc. neste caso. possui um conjunto de valores ou normas que regula o comportamento dos membros individuais. sem objetivos. Estes agrupamentos são denominados geralmente de “categorias sociais”. para os que defendem o trabalho em equipe e de acordo com o exemplo anterior. 173). Todas na verdade enfatizam formas diferentes de ver o mesmo objeto. em dado momento. Já equipe. sentimentos. o gênero. 2009). segundo essa concepção.

(Sam Rayburn) Como podemos observar os grupos constituem uma parte essencial das organizações e conseguem influenciar consideravelmente o nível total de realização de tarefas. como podemos observar são muitas as concepções e ideias que envolvem o tema grupo. como se mobilizam e se sintam comprometidos tem sido o alvo das lideranças organizacionais.Trata-se de um conjunto de inferências acerca de algum objeto social. tem de levar em conta os grupos e. buscamos companhia de outras pessoas por diferentes motivos. Empregados. Portanto. Essas equipes. Isto indica que as categorias sociais podem fazer parte do estudo dos grupos. mais centrais e mais consistentes. as pessoas são direcionadas. embora às vezes não apareçam oficialmente na estrutura organizacional (organograma). pp. ou naquilo que vivenciamos e acreditamos. Neste contexto compartilhamos crenças e valores que são cristalizados ao longo dessa nova convivência. existem e são ativos. Também conseguem satisfazer as necessidades sociais de seus membros. a trabalhar em grupo. 2008. são classificadas como Grupos formais. são normalmente direcionados a departamentos ou equipes de trabalho” (VECCHIO. Saber como se organizam. Dinâmica de Grupo Para se relacionar-se bem. os motivos para sua formação. Atender as necessidades individuais e organizacionais em termos gerais é essencial para um bom andamento do trabalho. Por enquanto não deixe de realizar a atividade sugerida. seja através do que seja “dinâmica de grupo”. Os grupos podem ser considerados formais e informais. deverá dedicar parte do seu tempo ou dos seus colaboradores diretos para explicar. Primeiramente vejamos o que se entende por grupos formais versus informais: “Nas organizações. sem uma análise mais especifica em longo prazo. 2009. essencialmente orientadas às tarefas. As respostas que favoreçam um consenso grupal no ambiente de trabalho é objetivo deste momento. Diferencia-se das crenças por serem mais abstratos. quando tem de tomar decisões relativas ao trabalho ou aos hábitos e costumes no trabalho do pessoal. próprio das empresas de vanguarda. pertencentes a uma entidade distinta – o novo grupo. 24 . 172-173). por exemplo. concorde. pois ela pretende relacionar o que foi abordado com a realidade prática de sua vida profissional. este é o foco de nosso próximo estudo. com frequência. mas irão se integrando” (SOTO. Geralmente as lideranças dedicam parte considerável de seu tempo trabalhando com os seus grupos. natureza dos grupos – como seres sociais que somos. Atividade: Depois de estudar o conceito de grupo e a partir das situações abaixo explique se são grupos ou agregados de pessoas: Pessoas em um elevador. abertos e fechados.Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. Alunos do curso de Recursos Humanos. Quanto mais participam. unidade ii categoria como as diversas formas de se sentir membro dela. Mas. A maioria dos autores considera que a forma mais positiva de integrar esses grupos na organização formal consiste em lhes dar participação nas decisões relativas a temas do seu interesse. o impacto do trabalho em grupo no desempenho das tarefas e outros temas relacionados e. Importante: Crenças . Como parte integrante deste grupo e representante de uma empresa este líder necessita estudar a natureza de grupo. Boa atividade!!! 2. Para isso estudaremos a natureza dos grupos. sensibilizar e atrair os membros influentes de tais grupos que. em muitas ocasiões. talvez uma maneira de minimizar todas essas questões. p. Pessoas reunidas para um show de MPB e pessoas em uma situação de greve no trabalho. 210). os motivos de sua formação. a atração grupal os estágios do desenvolvimento de grupos e o impacto dos atributos do grupo sobre o desempenho na empresa. Mas a pergunta que se faz é a seguinte: Como promover um ambiente saudável onde ocorrem interações frequentes e informais entre os colaboradores? Os ambientes abertos (espaços físicos) podem ajudar essas interações? Sendo ambientes abertos. como desenvolver estratégias para que esse ambiente permita concentração sem distração? É fato que os ambientes privados (fechados) são os mais adequados? Essas respostas são indefinidas. Valores – Também constitui um conjunto de inferências acerca de algum objeto social. Estrutura de poder e Práticas institucionais Importante: “Um diretor sabe que.2. construídas ao longo de nossas vidas.

a maior parte das vezes têm relativamente poucas opções de escolher a qual grupo unir-se. devido à atmosfera mais fluída.unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. interesse comum. Como nas organizações. o que podemos entender de definição dos princípios. consideram-se aqueles relativamente mais estáveis. 2008. Realização das tarefas – aqui consiste em organizar o trabalho num esforço conjunto. “A participação é voluntária e baseia-se com mais ênfase na atração interpessoal“ (VECCHIO. fazemos parte de pelo menos um grupo formal. Motivos de formação de grupos – os grupos se formam por diferentes razões: necessidade em comum. Na ocorrência do contrário cria-se uma forte resistência às mudanças organizacionais (VECCHIO. A literatura que 25 . 2008). regras. foi com a literatura de Maslow (1968) que se tornou possível sistematizar algumas necessidades da formação no ambiente organizacional. no mínimo. Estima e identidade – são estratégias para criar um clima de reconhecimento. ao passo que os abertos tendem a variar em relação ao poder e ao status individual” (p. 2008). Estrutura de poder e Práticas institucionais É importante salientar que. ao passo que para o exercício de novas ideias e inovações os grupos abertos tendem um trabalho mais eficaz. como sentimento de pertencimento e gera grau elevado de autoestima. No que concerne aos grupos abertos versus fechados – um grupo aberto é aquele que as pessoas entram e saem constantemente. metas em comum. É imperativo salientar que há aspectos importantes na formação destes dois grupos. metas e organização. Lembre-se que no interior de uma organização partilhamos informações com diferentes setores em diferentes níveis. Um exemplo deste tipo de grupo é quando pessoas se reúnem para uma partida de futebol com membros de diferentes departamentos. proximidade física e semelhança cultural. por exemplo. Lembre-se: os grupos informais não são bons ou maus para a organização. 211). Já o terceiro momento consolida o papel de cada membro do grupo. Associação – se associar ao grupo ajuda como apoio emocional. a saber: para planejamento em longo prazo os grupos fechados tendem ao sucesso. Estágios do desenvolvimento de grupos – aqui a teoria reserva quatro etapas. Atração grupal – comumente a atração interpessoal acontece através das seguintes explicações: distância física versus distância psicológica – sobre o distanciamento físico as pessoas mais próximas desenvolvem relacionamentos mais estreitos do que as mais afastadas. conhecido como negociação. Para os grupos informais reservamos a ideia de que surgem da interação entre membros da organização. Quando empenhados nas metas organizacionais aumenta o desempenho. 2008). Para Vecchio (2008) isto decorre a partir do seguinte argumento: “a maioria dos grupos fechados possui relacionamento de status bem cristalizados entre seus membros. 2008). O segundo momento é aquele da divisão de atividades. A quarta e última etapa refere-se execução da atividade ou do desempenho esperado (VECCHIO. por possuírem um elevado grau de confiança e aproximação. Impacto dos atributos do grupo sobre o desempenho – constituem formas que aumentam ou diminuem o desempenho de atividades em grupo. que gera atmosfera de facilitação ao trabalho (VECCHIO. p.211).alto sentimento de segurança e um grau elevado de proteção ajudam na redução de tensões individuais. Sobre a distância psicológica a teoria ressalta que os ambientes abertos facilitam as interações sociais (VALA. que são: Segurança e proteção . que são: no início de quaisquer atividades os integrantes do grupo necessitam das primeiras atividades que serão realizadas. Para o grupo fechado.

Conflito O segredo para gerenciar um clube consiste em manter os cinco sujeitos que odeiam afastados dos cinco que estão indecisos (Casey Stengel). • Papel – quanto maior clareza um membro do grupo tiver sobre suas funções. • Coesão – quanto maior clareza sobre os objetivos organizacionais. • O tamanho do grupo é um ótimo indicador de desempenho. não é 26 . Como promover um ambiente saudável onde ocorrem interações frequentes e informais entre os colaboradores? 2.: Poste no Fórum as respostas e divida com seus colegas de classes seu pensamento. Quanto maior o grupo. Historicamente o conflito já foi visto como algo que interferia diretamente no desempenho das atividades. ou se encontra em vias de impedir. O que desencadeia o conflito na organização? Quais fontes explicam uma situação de conflito? E. • Norma – quanto maior clareza um membro do grupo tiver sobre as normas (estatuto da empresa). quanto menor o grupo maior poder de concentração. que culminam em interferência ou oposição” (VECCHIO. quais as estratégias para diminuir? Todas essas respostas serão apresentadas como forma de melhorar o desempenho dos grupos nas organizações. melhor será o desempenho esperado. Os ambientes sociais: biblioteca. por consequência. Sendo ambientes abertos.3. Ele envolve incompatibilidade entre partes. O conflito para as modernas empresas servem para assegurar um desempenho elevado. como podemos observar o processo que dinamiza um grupo se mostra pontual na sociedade atual. 2. principalmente para aqueles que ocupem ou almejem posição de liderança. O conflito tem como alvo outra parte. O conflito certamente é inevitável em qualquer empresa. Não há sucesso empresarial com pessoas que não falam a mesma língua. 2008. ao contrário da competição que tem por finalidade cumprir uma meta desejada. sala de descanso e espaços para esportes ajudam as interações? Por quê? 3. Também é importante para o mesmo autor diferenciar conflito de competição. “Um conflito pode ser entendido como um processo resultante de uma pessoa (ou um grupo de pessoas) perceber que outra está impedindo. Para isso conto com sua atenção para essa temática de grande importância. maior disposição para desconcentrar alguém na realização de uma atividade. Enfim. próprio das empresas de vanguarda. Portanto. Ajuda a buscar novas táticas e estratégias em situações que exigem criatividade. p. Vejamos os principais de acordo com Vala (2008): • A mera presença de outra pessoa tende a facilitar o desempenho da tarefa. Saber como isso se processa ajuda a compreender como o dinamismo dos grupos e equipe são primordiais no progresso de uma organização. Atualmente essa visão já não mais corresponde. Bom trabalho!!! estuda essa questão destaca alguns pontos. É fato que os ambientes privados (fechados) são os mais adequados para o trabalho? OBS. “o conflito. melhor desempenho esperado. Ajudam também nas discussões francas de buscar alternativas na criação de novos produtos. uma ação importante. Depois de estudarmos os conceitos de dinâmica de grupo é momento de treinar nosso aprendizado. como desenvolver estratégias para que esse ambiente permita concentração sem distração de outros grupos? 4. melhor será o desempenho esperado.Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais.230). Estrutura de poder e Práticas institucionais unidade ii Atividade: De acordo com o exposto. sem interferência de ninguém. pesquise em livros na biblioteca e em sites na internet que abordam a temática de dinâmica de grupo e responda as seguintes questões: 1. melhor será a força do grupo e. em si.

Em um entendimento mais geral é decorrente de reflexões e de comportamentos da nature- Atividade: Por melhorias de crescimento e aumento na produtividade. Fontes que desencadeiam um conflito – o processo de comunicação tem representado atualmente como o maior responsável pelas causas de conflito. não acolheram bem essa nova equipe. se mostra de forma atual e importante para os que se profissionalizam como gerentes. resultem num clima de negociação. sobre as situações de conflito entre pessoas ou grupos. diante do que foi apresentado. colaboração e estímulo mútuo para o aprimoramento das trocas interpessoais e intergrupais. todos os meios de comunicação a longa distância. pelo acúmulo de funções ou pela falta de comunicação entre lideranças. Informações incorretas ou mal compreendidas podem gerar desconforto entre grupos e equipe. contratou uma nova equipe de trabalho. 27 . Relações intergrupais – forma de interação com outros grupos. antropologia. Tanto no seu convívio social. 2008.4. com níveis diferenciados de supervisão. quando postos em prática. Diante de uma situação como essa. uma determinada empresa. se o conflito é inevitável. distanciamento dos novos funcionários e pouca receptividade quando solicitados para tirar algumas dúvidas. como podemos fazer para reduzi-lo ou solucioná-lo? De acordo com Vecchio (2008) há três estratégias para diminuição de conflito: • Metas de nível superior – criar situações em que as partes envolvidas com o conflito desenvolvam atividades similares (equivalentes) para a sobrevivência de todos. Seu valor pode ser julgado somente em termos de efeitos de desempenho” (VECCHIO. administração. o que você faria para união destes dois grupos? Pense. 2. Depois do estudo sobre o conflito recorra à atividade apresentada a seguir. pesquise e poste no fórum este aparente conflito intergrupal. Isto é decorrente das várias concepções de poder de áreas de estudos como: sociologia. Como já dito. Importante: Relações interpessoais – forma de interação no grupo que você faz parte. Portanto. o telégrafo. Estrutura de poder e Práticas institucionais desejável ou indesejável. história. exemplo: grupo de amigos de seu curso superior. exemplo: amigos de seu curso superior interagindo com grupo de alunos de outro curso. ela é fundamental para compreensão da temática. O tamanho da empresa.unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. (Millor Fernandes) O poder é um destes conhecimentos que se desvela de forma multifacetada. psicologia. Na ocasião. 231). a televisão. Poder e Práticas Institucionais Só depois que a tecnologia inventou o telefone. demonstrando os seguintes comportamentos: pouco comprometimento com as atividades. Outro fator desencadeante é aquele que se reserva a estrutura organizacional. entre outras. administradores ou cargos que necessitem de liderança. • Métodos estruturais – consistem em transferir para outras unidades pessoas propensas ao conflito ou eleger um líder mediador. podem gerar distorções de ideias. Todas essas há muito dedicam condições teóricas para compreensão do tema. foi que se descobriu que o problema de comunicação mais sério era o de perto. Importante: As situações de conflitos podem acontecer tanto nas relações interpessoais quanto nas situações intergrupais. como nas organizações. favorecendo ambiguidades e contradições. tais como: buscar a conduta de colaboração de ambas as partes. os funcionários antigos. recorrer às conciliações entre os demais e condução para um comportamento mais tolerante. • Estilos de gerenciamento – recorrer a comportamentos que podem minimizar o conflito. O que foi posto deve ser apreendido como forma de criar regras e procedimentos que.

Poder como disputa. 2003. Como possui vários ramos acadêmicos este texto se concentra nos estudos da área organizacional. difícil explicá-lo e conceituá-lo.380-381) Importante: Como. Conceito de poder – não há unanimidade conceitual. Estrutura de poder e Práticas institucionais unidade ii Importante: Importante: essa grande extensão do uso da palavra poder decorre da seguinte constatação: “trata-se de um fenômeno complexo. Nas modernas organizações essa dinâmica. maior será a probabilidade de que as tentativas de obter influência sejam aceitas e menor o ressentimento que o acompanham (COHEM. FINK. mas sinteticamente o poder seria a capacidade de exercer influência (COHEN. o que seria a influência? Seria a capacidade de conquistar. De acordo com Cohen e Fink (2003) essas consequências podem ser expressas nas seguintes proposições: “1. mais ela recebe: comunicação. comportamento solícito e deferência de outros que buscam o poder. MARTINS. e com uma natureza individual e privada” (PAZ. seduzir. FINK. NEIVA. em específicos àqueles relacionados ao gerenciamento de grupos e equipes. 2003). como capacidade de realização de desejos e sonhos. persuadir. fazer uso da divulgação. procedimentos e produtos. Portanto. a sujeição e poder. FINK. a questão do poder e a política organizacional. Por fim. Mas. mas também criar procedimentos práticos de trabalho. a quarta e última fonte é a capacidade de socialização. A primeira fonte de poder é a capacidade de aprimorar a organização positivamente em relação aos seus principais problemas – ou seja. entre outros. 2. Para a terceira reservamos a fonte da visibilidade – não basta criar um produto. Lembre-se: As fontes de poder e seus os efeitos não devem ser entendido numa conduta autoritária. certamente ocupará alguma posição de poder. za humana. por gerar distanciamento entre grupos e pessoas. 2003). Antes de apresentá-las é interessante saber do conceito de poder na organização: habilidade de fazer as coisas acontecerem. 3. os jogos de poder e o papel do líder diante das relações de poder. Além das fontes de poder é importante salientar das possíveis consequências de sua posse. Retratado como expressão humana. Acreditamos com esses conhecimentos alicerçar todo aprendizado necessário para seu curso. Poder como política. tem mais probabilidade de se sobressair quando comparado aos sujeitos que desenvolvem uma atividade rotineira. consequentemente. como provocador de emoções. maior será sua autoestima – quando as pessoas se sentem prestigiadas tendem a se sentir importantes. p 261). difíceis e urgentes problemas organizacionais. Difícil compreendê-lo. Poder como segurança. não mais consolida o perfil de liderança. Lembre-se sem habilidades gerenciais ninguém sobreviveria no trabalho organizacional (COHEN. como dito anteriormente. Poder como sobrevivência. Quanto mais poder é atribuído a uma pessoa. 2003). as pessoas obtêm o poder nas organizações? De modo geral.Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. 2004): Poder como a força do desejo de realização. Para os referidos autores o entendimento de “poder” muitas das vezes se vincula a questão da “influência” de determinada organização. No ambiente organizacional podemos encontrar a resposta para tal questionamento quando buscamos as fontes do poder na organização. o clima organizacional e relações de poder. pessoa ou grupo. Deter conhecimento e aptidões dessa influência favorece o exercício de poder. pp. Quanto mais poder é atribuído a uma pessoa. NEIVA. Ainda acrescentamos nesta unidade: estudos sobre o poder. Poder como relação com grupos. a cultura e poder nos espaços organizacionais. quanto maior a legitimidade que os outros percebem. Aquelas pessoas que têm um poder de ordem mais alta são mais atraídas e tendem a comunicar-se com 28 . isto é. mais essa pessoa tenderá a identificar-se com outras que também detém o poder. Quanto mais a pessoa recebe um tratamento dado aos poderosos. então. aquele grupo e/ou indivíduo que conseguir resolver os principais. 2004. vamos estudar tal temática partindo dos seguintes questionamentos: Como podemos entender o que seja poder? Quais as fontes de poder na organização? Quais as consequências da posse do poder? Quais as consequências da falta de poder? A resposta para esses questionamentos visa não só entendimento deste. Uma segunda fonte parte da ideia de criação – aquele grupo e/ou indivíduo que desenvolve novos métodos. justificados pelas seguintes características (PAZ. como força que leva ao alcance de ideais. 4. FINK. comportamento de ajuda a terceiros visando cumprir normas de reciprocidade (COHEN. é necessário dar aparência a criação. MARTINS.

. Estudar o poder é importante por ser considerado eficaz e produtivo no gerenciamento de grupos e equipes e legitima uma posição de reflexão e atuação nos grupos e equipes (PAZ.: Pense em nossa proposta de atividade e poste no fórum seu comentário. MARTINS. NEIVA. os sistemas de metas e o planejamento de trabalho. 29 . conforme salienta a história das organizações. É importante lembrar que as modernas administrações não legitimam essa conduta. FINK. obviamente. ser consideradas como. Saber da configuração de poder na organização é justificado pela forma de como podemos observar todo o planejamento de trabalho de um líder. Como podemos observar. É imperativo ressaltar que essa posição de poder não deve ser considerada como regra geral.1. será importante para seu aprendizado no curso. (P K. • Meritocracia – aqui os especialistas detém o poder com base nas habilidades e domínio dos conhecimentos. Thomajan). Outra questão importante nos temas relacionados ao poder é sobre sua configuração.unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. pp. de acordo com a literatura o poder pode ser configurado em seis tipos. o distanciamento entre administradores e trabalhadores justifica essa negatividade. 265-266). serve de base para saber como se configura o poder em um ambiente de trabalho. se observado de maneira sútil. Outras características devem. exatamente. Estudos sobre o poder O dom maior da vida é o talento natural. Diante do que foi tratado recorra a atividade seguinte: Atividade: Diante da nossa realidade atual como você acha que deveria ser exercido o poder nos ambientes organizacionais? Para responder essa pergunta siga as proposições seguintes: Como podemos entender o que seja poder para um líder que trabalha em equipe? Quais as fontes de poder na organização que esse líder poderia fazer uso quando solicitado a gerenciar os grupos e equipes? Obs. NEIVA. traços de personalidade.4. há uma complexidade em se estudar a dinâmica no poder nas organizações. por exemplo. Aqui a política é aumentada uma vez que a integração de todos os colaboradores foi enfraquecida. A visão negativa de acordo com a literatura dificultou a investigação por muito tempo. A conduta autoritária. 2004). Portanto. Um dos propósitos dessa complexidade diz respeito à visão negativa. 2003. • Missionária – o influenciador mais poderoso é a ideologia dominante. As inter-relações. 2004): • Autocracia – poder concentrado em um só influenciador. Lembre-se que estamos discutindo conceitos de poder e não um comportamento de alguém na organização. 2. Estrutura de poder e Práticas institucionais pessoas que também têm poder de mais alta ordem do que com aquelas que têm poder de ordem inferior” (COHEN. Mas foi através. MARTINS. • Arena Política – típica de organização em crise. as coalizões. do argumento anterior que se dirigiram muitos trabalhos no intuito de entender o traço negativo que historicamente se sobrescreveu. • Sistemas autônomos – os influenciadores são os próprios administradores que usam padrões burocráticos para exercer o poder. a saber (PAZ. • Instrumento – nesta configuração a organização serve de instrumento para o alcance dos objetivos claramente estabelecidos pelo influenciador ou pelo grupo de influenciadores dominantes e que estão fora da organização.

estudar a temática do poder ajuda a melhorar a relação interpessoal e intergrupal no ambiente organizacional. Como forma de entender o processo de tomada de decisão. por exemplo. Ou ainda a tônica no desejo de poder como próprio da natureza humana. grupos. é o que a maioria dos estudos revelam. As pesquisas ajudaram na manutenção ou mudança de comportamento de pessoas. Esse perfil vem sendo cada ver mais valorizado. num mercado cada vez mais competitivo. John Kennedy. Essa inovação tem levado as empresas a buscarem uma estrutura mais enxuta com trabalhadores mais qualificados. Portanto. não mais corresponde ao perfil desejado. Os estudos sobre o poder na organização ganham cada vez mais força na área organizacional. Poder e política Atividade: Observe em seu cotidiano de trabalho ou pesquise com profissionais se houve algum avanço organizacional sobre a forma como é concebido o poder no ambiente de trabalho. Como forma de ligar o poder a intencionalidade. 2. o chamado capital humano. Se em todas as organizações é inevitável a dinâmica do poder. Nunca devemos negociar movidos pelo medo. 30 . Importante: Os estudos sobre o poder estão relacionados ao Estado na medida em que pessoas. o tipo de poder esperado referem-se. tais como: regularizar alguma consequência danosa. Conforme observado. 2004). distanciado. de uma forma em geral. preocupado em adaptar um modelo de gestão centrado na qualidade de mão de obra. Permite compreensão da melhor forma de exercer autoridade. e. p. então todos os líderes não podem deixar de entender o trabalho do poder relacionado à política. levando a uma miserável condição humana. As principais fontes destes estudos surgiram da observação do poder do Estado. Nessa direção. a burocracia por meio de normas. Os gestores perceberam que o modelo autoritário. NEIVA. Estrutura de poder e Práticas institucionais unidade ii “São vários os autores que contemplam a dimensão negativa do poder em seus trabalhos. nesta observação foram encontradas duas explicações históricas: uma que implica na capacidade de controle de um exercício e outra que ver uma inclinação normal de todo ser humano para um perpétuo e incessante desejo de poder cada vez maior. por exemplo. uma vez que só estimula um estado de tensão constante e de luta permanente” (PAZ.Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. 381). organizações e de suas interconexões. De posse dos principais pontos estudados sobre o poder recorra à atividade seguinte e tente resolver o exercício sugerido. pautado na ideia de união e aproximação. 2004.2. Outros estudos levaram em consideração diferentes aspectos característicos. MARTINS. aparecem os estudos que caracterizam o poder em uma perspectiva comportamental. NEIVA. nunca devemos recear a negociação. Observa-se que o ambiente organizacional vem sofrendo mudanças.4. as habilidades de gerenciar os grupos e equipes. Como fonte de dominação. descrevendo a imposição da vontade de uns perante a vontade de outros indivíduos. se A tem o poder sobre B na extensão em que influencia B a fazer algo que não faria em outras circunstâncias. por exemplo. grupos. por exemplo. organizações não devem ser desconsiderados fora de um contexto de sociedade – o que devemos entender como poder de influência (PAZ. uma guerra. mesmo que esses outros sejam contrariados. de cima para baixo. MARTINS. Pesquise e justifique através de comentários. de forma a gerar um sentido de equipe. porém.

• Poder político – vem do apoio do grupo. Uma boa liderança é aquela que deve saber dessa relação poder versus política. poder carismático e poder de personalidade – vem de cada líder individual. grupo e organização. Aqui entenderemos como um líder pode sujeitar-se ao poder ou exercer as formas de poder. Estrutura de poder e Práticas institucionais Já podemos observar que trabalhar com o poder é a habilidade de influenciar indivíduo. para ganhar a sua aliança e apoio. trade-offs. • Poder de especialista – conhecido como a autoridade pelo conhecimento e vem do aprendizado especializado. NEWSTROM. Historicamente foram os estudos de Galbraith (1999. Depois da leitura deste tópico você tem competência teórica para resolução da atividade. exemplo. na ocasião de controle dos eventos. livrar a cara. significa o ato de sujeitar-se. juiz de direito. 2002) que alicerçaram os conceitos mais sólidos de como um líder exerce o 31 . em termos característicos. Bom trabalho!!! 2. Ela ajuda no crescimento pessoal. 156). • Poder legítimo – também conhecido como poder da posição e poder oficial. no crescimento pessoal e por fim em suavizar o caminho para o desempenho dos subordinados. compromisso engenhosos. A política diz respeito ao equilíbrio do poder. sinteticamente. exemplo. vem da autoridade superior. e uma variedade de outras atividades” (DAVIS. Apresente os nomes e justifique sua escolha.4. É a força que vem do conhecimento das pessoas e das informações a respeito das situações complexas. um professor com uma titulação específica. Isso tem sido recorrente em toda atividade humana desde o começo da civilização.unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. para gerenciar equipes. Em Davis e Newstrom (2002) podemos identificar quatro tipos de poder organizacional. 2002. controlemos ou não. Nasce da habilidade do líder em trabalhar com pessoas e sistemas sociais. Sujeição. Sujeição e poder Estejamos ou não conscientes dela. delegado legitimamente das mais altas autoridades para os demais. dê exemplo de líderes que se destacaram historicamente – pode ser um líder nacional ou internacional. Ele se desenvolve em todas as organizações. que são: • Poder pessoal – também chamado de poder de referência.3. citado por SANTOS FILHOS. há uma primeira criação em todos os ângulos de nossa vida (Stephen Covey). um político de sucesso ou um gerente que foi legitimado pelos funcionários ou um representante de sala de aula. Como podemos observar a questão do poder e política estão diretamente vinculadas às influências que um líder pode ter. exemplo. exemplo Mahatma Gandhi. na direção de objetivos desejáveis. É necessário ajudar o líder a manter-se ‘no topo da situação’ e controlar os eventos na direção dos objetivos desejáveis. Atividade: Diante dos diferentes tipos de poder. no desenvolvimento de habilidades básicas. p. Mas como podemos entender o que seja política neste contexto? Para o autor este conceito pode ser entendido da seguinte forma: “A política relaciona-se com as formas pelas quais os líderes ganham e usam o poder.

Sua teoria faz uso de três instrumentos ou formas com os quais o poder se exerce: • Pela punição ou poder condigno – capacidade de impor uma consequência desagradável ou dolorosa. ou poder compensatório – ao contrário do anterior. Dessa teoria é ainda imperativo destacar que uma organização ganha em termos de crescimento estrutural se conseguir que o grupo de subordinados trabalhem em função de um objetivo comum. De acordo com essa teoria há uma relação entre os instrumentos e as fontes do poder. a organização ao poder condigno (SANTOS FILHO. citado por SANTOS FILHO. • Propriedade – posse de capital ou bens de riqueza. • Pela persuasão. apelo à crença. 2002. 04). • Personalidade – conjunto de traços e características que define um comportamento de alguém. 2002). Ele aproveitou os pensamentos de Marx e Weber e explica o supracitado descrevendo o que ele chamou de anatomia do poder. a depender de como a empresa pretende se conduzir na situação específica. o alcance destes objetivos depende também da quantidade de metas que se almeja alcançarem. Além destes três instrumentos ainda considera as fontes de personalidade. Já a propriedade ao poder compensatório e. Depois da leitura deste tópico recorra atividade proposta. na propriedade e organização. Ela tem como objetivo fazer uma ponte com a realidade prática. o poder condicionado gerado pela influência de uma cúpula diretiva ou o poder condigno gerado pelo rigor de suas normas internas. Por exemplo. Sobre a associação ainda é importante considerar: “Essa associação não é exclusiva. Estrutura de poder e Práticas institucionais unidade ii poder e o que permite acesso ao seu exercício. analisando o caso de uma empresa fictícia poder-se-ia ter simultaneamente o poder compensatório gerado pelo seu capital. • Pela compensação. através da coesão de grupo. Consegue submeter um indivíduo ou grupo para execução de algum trabalho. na verdade o que ocorre é uma combinação entre as fontes de poder. advinda do ato não conforme ao esperado. 32 . predominância essa que pode perdurar menor tempo” (SANTOS FILHO. por fim. Essa é a forma mais comum de expressão de poder. Atividade: De acordo com o texto acima qual característica de personalidade poderia ser associada aos instrumentos condicionados? Pense num líder para responder o sugerido. obtém a sujeição a partir de uma recompensa positiva. Em dado momento um desses instrumentos pode predominar. p. ou poder condicionado – o exercício do poder através do voluntariado ou ato persuasivo. De acordo com Galbraith (1999. 2002) as fontes de personalidades se associam melhor aos instrumentos condicionados. gerando determinado instrumento de poder. E ainda. • Organização – grupo de pessoas unidades em busca de atingir um objetivo comum. ou seja. com predominância de uma delas.Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. Poder gerado pela recompensa negativa.

por exemplo. por exemplo. p. Quando relacionada à dinâmica do poder define padrões de comportamentos entre as pessoas. e todas estão corretas ( Shopenhaer. FINK.4. responsável por nortear o eixo das relações entre as pessoas. no próprio poder e nos direitos e privilégios. o não chorar quando perturbado. 33 . p.de modo a influenciar na formação de ideias e opiniões.unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. na riqueza material. 2003.422). ZANELLI. O estudo da cultura na organização se tornou relevante para todos que se interessam pelas condutas humanas neste espaço de trabalho: “Os valores básicos compartilhados influenciam sobremaneira o modo como os membros das organizações sentem. A cultura geral pode destacar a não revelação de sentimentos e fraquezas.4. Estrutura de poder e Práticas institucionais 2. em torno de um só objetivo. de modo a funcionar com os mesmos propósitos e efetivar positivamente os objetivos empresariais. 2003. O favorecimento deste objetivo depende diretamente da cultura e poder no espaço organizacional. como o poder é distribuído: de forma igual ou desigual. no prestígio social. ZANELLI. O poder. impulsionadas para o crescimento profissional das pessoas. serve para criar vínculos com o público interno da organização – entre os colaboradores .408). O que se busca com isso é um melhor clima de trabalho. um distanciamento nas relações de poder nas organizações: “A distância de poder entre um gerente e um funcionário pode ser compreendida como a diferença entre o limite no qual o gerente pode determinar o comportamento do funcionário e o limite no qual o funcionário pode determinar o comportamento do gerente” (SILVA. A cultura organizacional pode ser considerada como a identidade da organização. o manter o silêncio sobre os problemas. de diferentes ações e comportamentos. pensam e agem” (SILVA. Deste modo as atuais culturas têm empregado esse modelo de liderar grupos e equipes. observa-se. Da mesma forma que qualquer sistema social. Cultura e poder nos espaços organizacionais Toda nação ridiculariza outras nações. Se pararmos para pensar como isso acontece em nossa sociedade veremos que a igualdade ou desigualdade se baseiam em diferenças físicas e mentais. 1825) Atualmente há várias exigências de manutenção das relações interpessoais e intergrupais. p. assim. as relações estreitas e assim por diante” (COHEN. De um modo em geral a dimensão cultural ajuda entender. “A cultura de uma organização é muitas vezes o reflexo da cultura mais abrangente de onde saem seus integrantes. melhorias nas relações e na produtividade dos grupos e equipes. ou pode incentivar a abertura e a expressão dos sentimentos. 206). 2003.

compromisso e bom clima organizacional entre os colaboradores. Estrutura de poder e Práticas institucionais unidade ii A comunicação tem se constituído um instrumento poderoso na aproximação das bases do poder e das lideranças dos grupos. Pesquise sobre o tema e justifique no fórum. 1987) 34 .4. para que tudo ocorra em clima de sucesso é necessário que haja estímulo para o desenvolvimento deste clima. 2. da satisfação com o desenvolvimento das atividades. as organizações precisarão aprender favorecer mudanças e tirar proveito do tumulto constante. é importante termos em mente que ele não está presente apenas nas relações entre líderes e subordinados. no entanto.4. Juntas geram integração. cultivam as amizades. tanto quanto persistiram às mudanças no passado (Tom Peters. como podemos observar em tópico anterior. maior produtividade. É fato que todos nós exercemos responsabilidade no dia-a-dia organizacional. É através de uma cultura organizacional que podemos criar um clima de maior integração. e dentro das organizações não seria diferente. também já observamos que existem diferentes tipos de poder. Um clima organizacional determina as relações internas. Mudança x manutenção da cultura organizacional Em futuro previsível. Sobre o poder. as contradições. Ao estudar a cultura podemos perceber como funcionam as relações internas. 2002) O clima organizacional se relaciona diretamente a cultura da organização. Clima organizacional e relações de poder Sociabilidade: é a preferência por estar em companhia de outras pessoas em vez de estar sozinhos (Soto.6. Em qualquer relação é estabelecida relações de poder. na integração com os propósitos da organização. obtêm mais sucesso no comprometimento de todos e.Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. por conseguinte. orientados para dinamizar a realidade comportamental da cultura da empresa e proporcionar um equilíbrio nos processos sociais internos. 2. Atividade: Pesquise e poste no fórum como poderia ser implantado uma cultura mais participativa no ambiente de trabalho.5. mas também ele se enraíza no cotidiano prático de nosso trabalho. nossa capacidade de mudanças às novas demandas e a forma de poder e dominação. que cultivam relações de proximidade. Quando relacionamos o clima organizacional com a questão do poder percebemos que a contribuição para o seu entendimento reside na cultura organizacional. O clima e a harmonia no trabalho dependem de variáveis motivacionais. Nas empresas que estimulam o bom humor. Em nossas trocas sociais há sempre uma condição de quem influencia e de outro que é influenciado. Atividade: Na sociedade atual quais causas que interferem num bom clima organizacional.

citado por DAVIS. O contrário também foi feito: conforme a iluminação foi diminuída a produtividade caiu. Embora. 2001. NEWSTROM. “Os seres humanos estão certamente familiarizados com as mudanças e. seja importante para a empresa brasileira. NEWSTROM. tanto privadas como públicas. 2001) e seus colaboradores foi possível identificar bons resultados no aumento de produtividade. Aqui. quando novos procedimentos evoluem ou novos membros se unem a um grupo de trabalhadores. Se pararmos para pensar toda mudança gera um comportamento novo. Por exemplo. que. Nesta pesquisa utilizou um exemplo teórico que diz: quando a iluminação é melhorada se observa uma melhor qualidade de produção. 36). NEWSTROM. Especificamente os modelos das organizações privadas. suas resistências. Estrutura de poder e Práticas institucionais Nos últimos anos as organizações brasileiras. de forma crescente. As mudanças também geram custos e benefícios. 2001).unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. então. essa questão já se constitui um atraso quando compara as empresas no mundo. Esta é a realidade enfrentada. NEWSTROM. resistem às mudanças em seu ambiente de trabalho? Esta pergunta tem intrigado administradores desde o começo da Revolução industrial. NEWSTROM. O que se percebe é que mesmo motivados com argumentos mais lógicos e persuasivos para as mudanças. A maior velocidade de mudança exigida pela era da eletrônica. Em um experimento clássico realizado por Roethlisberg (1941. dirigiram seu foco para uma nova realidade de mudança. 2001. Um novo método de trabalho pode exigir novos equipamentos e por consequência pedir um treinamento Lembre-se: A mudança no trabalho é complicada pelo fato de não produzir um ajuste direto. Por gerar atitudes desfavoráveis de cada empregado. p. e as diferentes formas de implementação? Para estas respostas vejamos primeiramente o que significa uma mudança organizacional: “Mudança no trabalho é qualquer alteração que ocorra no ambiente de trabalho” (DAVIS. por produzir uma reação de medo de demissão na gestão de pessoas. o que podemos entender o que seja mudança organizacional. atualmente. 36). a troca para uma economia de serviço e a competição global fez com que a solução para esta pergunta ficasse ainda mais importante” (DAVIS. enfim por uma série de comportamento condicionada pelos sentimentos em relação à mudança (DAVIS. p. O contrário também pode ser verdadeiro: Elas podem ter objetivo de melhorar a organização e ser facilmente previstas. por exemplo. os funcionários já existentes geralmente não precisam mudar todas as dimensões de suas tarefas ou adquirir comportamentos completamente novos. gera um desequilíbrio individual. Mas. As mudanças. provam que são capazes de se adaptar a elas. passaram a se preocupar em revisar seus modelos de gestão. sua natureza. eles. pode gerar um colapso em algum setor da empresa. em geral. por conseguinte. na empresa não é diferente. Neste contexto. os líderes têm enfrentado resistências de seus colaboradores. por gerentes e/ou líderes organizacionais. justificado pela sobrevivência num mercado crescente e cada vez mais competitivo. geralmente. 2001). muitos dos esforços para tais condições devem solidificar alguns comportamentos organizacionais. 35 . podem gerar conflitos com seus funcionários. um equilíbrio pode ser rapidamente alcançado (DAVIS. Por que.

o comportamento gerencial pode apresentar preferências subjetivas por parte dos subordinados. Pode gerar. há uma série de custos e benefícios que devem ser considerados separadamente” (DAVIS. p. Saber lidar com esse processo é buscar um momento coletivo para minimizar ao máximo as resistências que podem interferir no percurso. ele pretende reforçar seu aprendizado.4. Para os líderes que lidam com as mudanças de comportamento organizacional é importante considerar que em situações de mudanças cada caso individual deve ser analisado.Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. Estrutura de poder e Práticas institucionais unidade ii específico para seus funcionários. 36 . por consequência. Bom trabalho!!! Atividade: Pesquise na biblioteca um treinamento com funcionários que tenha com objetivo a mudança no tratamento com foco no cliente. Mudanças – novas práticas e ideias são aprendidas. Algumas veem os benefícios. ainda. A busca por um comportamento prudente e tolerante ajuda no trabalho com grupos e equipes. chamados influenciadores. recorra à atividade e faça o exercício. tentam controlar as ações e as decisões da organização” (citado por PAZ. Ao contrário. 2001. A ideia é tentar ajudar. 2. orientador para os relacionamentos. sem qualquer ligação objetiva com o desempenho do trabalhador (Hornstein et al. Portanto a mudança organizacional já é fato e objetivam melhorias nos diferentes níveis e setores organizacionais. Depois de aprender sobre as mudanças.. “A experiência mostra que as pessoas reagem de diferentes formas às mudanças. o que pode provocar um novo custo. pp. momento de reflexão dos funcionários sobre as novas maneiras. Como podemos observar as mudanças de uma forma em geral visam melhorias em toda a estrutura organizacional. Outras. NEIVA. responsável em mobilizar os grupos e equipes no processo da implementação. 2004). Parte dessas reações contraditórias reflete uma realidade. um sentimento de coesão para as novas práticas reais. apoiador. já que frequentemente não há 100% dos benefícios para todos. reagem inicialmente com medo. Jogos de poder Participativos. Descreva de forma breve e depois poste no fórum. 1987) Os jogos de poder surgiram dos estudos de Mintzberg (1983) fundamentados na seguinte premissa: “comportamento organizacional é um jogo de poder no quais vários jogadores. não há razão para mudar sem que ocorra beneficiados. enquanto outras veem apenas o que a mudança irá lhes custar. Com relação aos benefícios. por fim o Recongelamento – incorporação das novas práticas a realidade cotidiana. Um personagem importante é supervisor direto. A literatura que estuda o processo de mudança sugere três etapas na implementação: descongelamento – diz respeito às velhas ideias e práticas que precisam ser deixadas de lado para que outras novas possam ser aprendidas. e. mesmo que todos os efeitos sejam positivos para elas. MARTINS.7. no intuito de promover maior número de ganhos possíveis para essas pessoas. também conhecido como agente da mudança.. NEWSTROM. 40-41).

“Nas organizações formais de muitos níveis de hierárquicos. ele se equipara aos melhores (Hultman. agir de maneira politicamente hábil. MARTINS. Um líder deve ser capaz de agir de modo semelhante quando se reporta ao chefe. investir energia pessoal. De acordo com os autores esses lideres usam seu poder de influência nas seguintes condições: É importante salientar que a forma como acontece o jogo do poder define como ele se configura na dinâmica organizacional. NEIVA. Geralmente o desconforto de falar de tal problemática. tem representado a base dessa dificuldade. São os jogos que regulamentam as relações humanas. Algumas hipóteses definem essa conduta dos líderes: quem tem o poder não assume que os têm. Bom trabalho!!! Atividade: Em sua opinião como um líder pode influenciar um grupo ou equipe de trabalho a desempenhar determinada atividade com sucesso. Dessa forma um jogo de poder pode ser definidos da seguinte forma: “ Jogos constituem mecanismos concretos.8. tanto na sociedade. será importante saber o que você pensa sobre tal temática. e procuram dominar as bases do poder ou para utilizá-las em jogos cujo objetivo é satisfazer suas próprias necessidades ou assegurar o alcance dos interesses organizacionais que se encontram em risco” (PAZ. Compreender a dinâmica de poder tem constituído um dos principais problemas dos pesquisadores interessados nesta temática. NEIVA. Estrutura de poder e Práticas institucionais “Esses influenciadores usam ‘voz’ quando optam por permanecer na organização para tentar mudar o sistema. a habilidade de seguir é um dos principais 37 . 2004. 398). presidente. entre os líderes. p. moldando-se o seu comportamento. a partir dos quais as pessoas estruturam e regulam suas relações de poder. A ideia é promover um avanço teórico numa área que sempre despertou interesse entre todos que é o poder. grupo ou organização necessita das seguintes características: controlar uma base de poder. 2004. MARTINS. quanto na organização” (PAZ. Depois de apresentarmos os jogos do poder fica aqui a ideia de um excelente trabalho de pesquisa e estudos nas organizações “o estudo dos jogos na dinâmica organizacional”. 2.4. Por enquanto não deixe de resolver o exercício proposto. ao mesmo tempo em que garantem sua liberdade de ação. Outra questão é que para exercer esse poder uma pessoa. ou quando se dirige aos seus subordinados. a humanidade concilia liberdade e restrição. sem aparentemente constituir um jogo de poder? Pesquise e poste no fórum. Por meio deles. Papel do líder diante das relações de poder Desenvolvendo e melhorando as habilidades dos supervisores na condução de discussão árduas com os empregados.unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. os que querem o poder demonstram que não o procuram e quem tem boas características de desempenha-los não revela quais as estratégias. Um dos principais problemas tem constituído no acesso as organizações. 1986). 398). p. Esse comportamento se justifica pelo simples fato de haver necessidade de validação de sua autoridade diante do presidente da mesma forma que necessita do apoio de seus seguidores.

Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. 155. pp. Esta dificuldade continuará enquanto não existir uma compreensão em comum dos objetivos que estão envolvidos” (DAVIS. Jonh W. A ideia é criar um planejamento de atividade que oriente e desenvolva um caminho para chegar aos objetivos desejados. É a chave que abre as portas para as oportunidades de lideranças e mantém o líder em equilíbrio com o resto da organização” (DAVIS. Comportamento humano no trabalho: uma abordagem psicológica. Um dos modelos mais conhecidos de lideranças e relação de poder é o que desenvolve suas atividades baseados no caminho dos objetivos. Este modelo afirma que o trabalho do líder é fazer uso da estrutura. do apoio e das recompensas para criar um ambiente de trabalho que ajude os empregados a atingirem os objetivos da organização. os diferentes membros podem tomar diferentes direções. 01. p. Sem objetivos. Tem por objetivo enfatizar os pontos mais importantes numa mútua fixação do processo de objetivos e metas. da fixação destes objetivos. “os membros dos grupos necessitam sentir que eles têm objetivos que valha a pena. 153). Vol. NEWSTROM. A literatura destaca um enfoque sobre o desenvolvimento de objetivos: Administração por objetivos – APO. Na figura 01 é possível visualizar um exemplo que é utilizado para representar uma sequência contínua de estágios. 38 . São Paulo: Pioneira Thonson Learning. Estrutura de poder e Práticas institucionais unidade ii requisitos para a boa liderança. Então a orientação e desenvolvimento dependem. tarefas ou eventos em um fluxo circular. 2002. 2002. 2002. primeiramente. Keith. Conforme visto na primeira unidade o grupo trabalha de acordo com o estabelecimento de alvos e objetivos. NEWSTROM. Esse sistema objetiva desenvolver atividades pautadas na ideia de consenso entre o gerente e os subordinados. Figura 01: processo circular da administração por objetivos Fonte: DAVIS. p. NEWSTRON.152-153). que pode ser alcançados com os recursos e lideranças disponíveis.

Nelson Gomes. IN: ZANELLI. Psicologia. Jonh W. Comportamento organizacional: conceitos básicos. Comportamento humano no trabalho: uma abordagem psicológica. BORGES-ANDRADE. pois é importante para o seu aprendizado no curso. Allan R. Antônio Virgílio. Vol. São Paulo: Pioneira Thonson Learning. Bom trabalho!!! 39 . Cultura organizacional. Antônio Virgílio. 2009. Psicologia para administradores: integrando teoria e prática. José Carlos. IN: ZANELLI. I. Elaine Rabelo. VECCHIO. Psicologia Social. Robert. Eduardo. FIORELLI. Jonh W. Comportamento organizacional: o impacto das emoções. PAZ. O que deve fazer um líder para obter sucesso com seus liderados? A próxima unidade apresentará características especifica do perfil de liderança. O poder nas organizações. MONTEIRO. Brasília: Atlas. A ideia é compartilhar todo o processo produtivo preservando a lógica das metas compartilhadas. Salvador. Será interessante discutir sua atividade como base no que você aprendeu. Narbal. ZANELLI. Maria Benedicta (2008). DAVIS. José Carlos. Porto Alegre: Artmed. NEIVA. Ano II. DAVIS. MARTINS. Comportamento humano no trabalho: uma abordagem organizacional. VALA. 2004. Estrutura de poder e Práticas institucionais No que concerne as relações de lideranças e o poder superior estas devem também preservar o mesmo planejamento anterior. Keith. 2002.. 2001. SANTOS FILHO. v. Maria do Carmo Fernandes. Maria das graças Torres. 2004. 2002. NEWSTROM. Psicologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 2008. 2008. NEWSTROM. Jairo Eduardo. O poder nas organizações. Jairo Eduardo. 2001. organização e trabalho no Brasil.unidade ii Liderança e Comportamento Humano Grupos: relações interpessoais e intergrupais. Pelo momento resolva a atividade seguinte. BITTENCOURT. 01. Porto Alegre: Artmed. Rio de Janeiro: Campus. São Paulo. Atividade: Com base no processo circular de administração por objetivos desenvolva um exemplo e apresente ao seu tutor. São Paulo: Pioneira Thonson Learning. SILVA. SOTO. Keith. FINK. José Carlos. Comportamento organizacional: conceitos e estudos de caso. São Paulo. BITTENCOURT. Cengage Learning. Vol. Stephen L. BORGES-ANDRADE. Jorge. CienteFico. 02. organização e trabalho no Brasil. José Osmir. agosto-dezembro. Cengage Learning. Referências COHEN. 2003.

nesta unidade veremos exatamente. c) Verificar a diferença entre liderança inata e aprendida. Portanto. 2009). Mas. 2009). uma organização seria somente uma confusão de pessoas e máquinas. As pesquisas já mostraram que o grupo pode desempenhar uma determinada atividade sem a liderança. na ausência de um líder a sobrevivência de um grupo tende ao fracasso. b) Identificar as abordagens clássicas e contemporâneas. você poderia perguntar se de fato a liderança faz a diferença? Você ainda poderia se questionar se não é o esforço do grupo a ênfase fundamental no desempenho de uma tarefa e não uma liderança? A resposta para essa questão não é simples. 3. assim como uma orquestra sem maestro seria apenas um conjunto de músicos sem instrumentos (SOTO. Independentemente de qual direção ou meta organizacional. a liderança torna-se emergente e fundamental na normatização. Também foi possível observar melhoria no desempenho dos grupos quando bem liderados.Liderança e Comportamento Humano Liderança unidade iii LidErANçA Para finalizar nosso curso “Liderança e comportamento Humano”. até aqui essas questões são mais gerais. Abordagens clássicas sobre Liderança No mundo das organizações uma das maiores preocupações atuais são as que relacionam o trabalho entre grupos e/ou equipes com indicadores de eficácia. nas grandes empresas como princípio propulsor capaz de subsidiar esse caminho. Em geral liderança implica em exercer influência (ROTHMANN. Algumas questões justificam tais direções: o aumento da produtividade. gênero e traços de personalidade. Sem liderança. que regularize os procedimentos e comportamentos de seus membros. Portanto. d) Analisar a proximidade e/ou vínculo entre liderança e diferentes conceitos: poder. estudaremos agora os conceitos principais sobre temática que dá ênfase a nossa disciplina: liderança. É através do estudo deste conceito que entenderemos as normas que regulam um grupo. a qualidade no produto ou foco no cliente. Importante: Nem todo administrador é líder e nem todo líder é um administrador.1. coordenação e deliberação de funções de seus colaboradores. Mas. em profundidade. 40 . as questões que enfatizam a importância de uma liderança no mundo das organizações. Mas uma questão poderia ser a de se estudar a condição de substituição de uma liderança e observar se o grupo foi melhorado ou prejudicado. ao final desta unidade você será capaz de compreender os seguintes objetivos específicos: a) Identificar as fronteiras conceituais e introdutórias sobre liderança organizacional. no entanto. Um grupo não sobrevive sem alguém que exerça um papel de líder. COOPER. o estudo e emprego de práticas de lideranças se fortalece.

como um instrumento para alcançar objetivos. Em termos conceituais é importante abordar a distinção do que seja líder e de liderança.unidade iii Liderança e Comportamento Humano Liderança Para esse primeiro momento veja o conceito e os fundamentos mais clássicos desta área que gradativamente se amplia e domina no mercado de trabalho. como um papel diferenciado. por exemplo) e traços físicos (atratividade e estatura. como uma questão de personalidade. 2009. Classicamente os estudos trataram de entender o que separava o líder e os não líderes. tais como: sociologia. Em Soto (2009) podemos observar que esse poder de influência deve se fundar no entusiasmo e no cumprimento dos objetivos: “É fator decisivo quem ajuda as pessoas ou grupos a descobrir as suas metas e que depois as motiva no cumprimento dos propósitos estabelecidos” (p. no esforço voluntário – seu poder de influência deve ser capaz de gerar mobilização. antropologia.16). na atribuição de alguma atividade. 114): “Bass (1981 e 1997) – a liderança foi concebida como o foco dos processos de grupo. “Líder é a pessoa no grupo à qual foi atribuída. Outros estudos identificaram características individuais: traços de personalidade (inteligência. como uma relação de poder. Como é estudada em diferentes setores acadêmicos são várias as definidoras. 1996. através da psicologia social. Esse autor também estabelece três elementos chave da definição anterior. que diz: Capacidade de influenciar um grupo na direção da realização de objetivos em um determinado nível gerencial na organização ou pode assumir um papel de liderança devido uma posição que ocupa. formal ou informalmente. como um efeito da interação. como iniciação de estrutura e como muitas combinações dessas definições”. Sua maior preocupação prende-se à consecução de algum objetivo específico do grupo. ou entre os líderes bem-sucedidos e os malsucedidos. a saber: influência de apoio – refere-se à proximidade nas possíveis dúvidas. Em nenhum caso chegou-se a uma característica consistente e estável para ser aplicado em diferentes grupos e tarefas. níveis e funções). administração. A maneira pela qual uma pessoa numa posição de líder influencia as demais pessoas no grupo é chamada de ‘estilo de liderança’” (MOSCOVICI. de obediência induzida. 41 . 2009). ciência política. como uma forma de persuasão. p. Várias são as áreas acadêmicas que há muito estudam tal temática. organizacional e do trabalho. por exemplo) (SOTO. A liderança tem sido estudada na área organizacional na perspectiva de organização como um todo (setores. como comportamentos particulares. vejamos duas destas (ROTHMANN. cumprimento de metas – atingir um fim pré-estabelecido. encontramos boa parte de estudos dirigidos à liderança em grupos e liderança organizacional. por exemplo). Especificamente na psicologia. COOPER. história. O ser humano se interessa pela temática da liderança desde o início de sua existência. p. e agressividade. como exercício de influência. psicologia entre outras. Já a psicologia do trabalho têm se dedicado restritamente ao setor de recursos humanos (interações. 216). O mesmo autor ainda destaca a definidora de Robbins (1996). por exemplo. e por fim. departamentos. uma posição de responsabilidade para dirigir e coordenar as atividades relacionadas à tarefa.

Como nosso objetivo é destacar a liderança na organização classicamente esta área surgiu no ambito acadêmico com objetivo de definir um perfil profissional capaz de gerenciar espaços e as tarefas diferenciadas.vantagem e desvantagens de trabalhar com liderança. E. por fim. é moldado pela hereditariedade. que se refere ao acompanhamento das categorias citadas (ARAUJO. canaliza e enriquece o potencial já presente em uma organização” (SOTO. Historicamente muitas teorias contribuíram para definição e desenvolvimento do que entendemos hoje por liderança. 2009. cor de cabelo. a saber: planejar. De forma sintética planejar significa proferir o futuro organizacional em termos de metas. Com uma delimitação mais enxuta hoje se considera apenas quatro categorias de gestão. considerada aqui como elemento primordial. liderar e controlar. Agrupar pessoas que se relacionam num ambiente organizacional.Liderança e Comportamento Humano Liderança unidade iii Lembre-se: “A liderança é o catalizador que transforma o potencial em realidade. A necessidade de organizar as primeiras empresas surgiu na revolução industrial. Para finalizar é importante destacar as contribuições teóricas das mais diferentes escolas acadêmicas. orientados para um objetivo é uma tarefa de gestão. O processo de organizar envolve uma sequência traçada de acordo com a seguinte sistemática: o que deve ser realizado? Por quem? Como? A quem deve se dirigir? O que é preciso fazer em termos de tarefas? Liderar envolve a influência de grupos e pessoas. Destes rudimentos científicos delimitaram as primeiras funções gerenciais. Enquanto que líder é definido como um representante de um grupo. ao mesmo tempo. Atividade: Elabore um roteiro de entrevista contendo as seguintes questões: definição de liderança. Os primeiros movimentos teóricos centraram-se na ideia da investigação de traços de personalidade. justificadas pela criação de metodologias de trabalhos. Atualmente. Classicamente encontramos os fundamentam de liderança na área da administração. Mostra também a função catalizadora que exercem os líderes. Não foi possivel até hoje definir esse estilo gerencial que respondesse por um padrão único diante de espaços organizacionais tão diferenciados. desenvolve. organizar. gradativo e continuado por busca de melhoria no trabalho. apesar de. Em todos os casos. . controle. 216). p. a liderança descreve o estilo comportamental que esse líder deve possuir. organizar. A ela devemos todos os conceitos e modelos que tentaram e tentam definir a melhor condição de liderança organizacional. o movimento reúne características pessoais . mostrar que muitos estilos de liderança possuem um lado escuro.2. Mas o que poderíamos di- 42 . . Bom trabalho!!! 3. Já é conclusivo em literatura especializada que características físicas como altura. coordenar e controlar. Como ela foi possível o amadurecimento de pesquisadores. isto é. Depois do estudo deste tópico resolva a atividade sugerida. Essa função é percebida com clareza em organizações gigantescas. nas chamadas teorias situacionais. Seria uma forma de manifestar seu poder de gerenciar através de seu poder persuasivo. objetivos e ferramentas. como por exemplo.habilidades específicas para exercer uma gerência – somada a uma visão mais integradora dos acontecimentos que norteiam um negócio (uma organização). Liderança inata x Liderança aprendida Tudo no universo esta em busca de equilíbrio. de seu poder de influência. cor dos olhos. O como fazer determinada atividade deu origem as primeiras noções da ciência da administração. profissionais e organização num movimento constante.: Escolha um profissional. comandar.importância das lideranças nas organizações. a liderança é o ato por excelência que identifica. Isso foi uma falácia. Um segundo movimento dirigiu-se a observação do indivíduo no ambiente de trabalho. vínculos sociais e atributos físicos. são elas: planejar. Einstein O debate sobre o inato versus aprendizagem do ambiente não é novo. realize sua entrevista e poste os comentários desta experiência no Fórum. 2004). também chamada de gerenciamento ou gestão de uma instituição ou organização. Obs. a difícil tarefa de despedir empregados.

motivação.unidade iii Liderança e Comportamento Humano Liderança zer de características psicológicas como Inteligência. vejamos algumas delas: • Bom comunicador. Diante do exposto. Divida com seus amigos no fórum e aguarde o comentário de seu tutor. entre outras que veremos adiante. humor. Este é um dilema sem resposta. Mas. Depois comente justificando o que você achou. Contudo. A personalidade é uma área que estuda traços que diferenciam os indivíduos. Comportamento aprendido refere-se ao estudo do comportamento social. 43 . o que se tornaria leviana tal afirmação. Mas você poderia se perguntar quais conjuntos de traços pessoais um bom líder seria capaz de aprender para se sobressair nos cargos gerenciais? A literatura especializada atualmente enfatiza algumas características deste tipo comportamental. Afirmar tal conclusão desmereceria determinados traços de personalidade específicos dos indivíduos. 2001). • Saber toar decisões • Capacidade de influenciar. entre outras. Na verdade nenhuma teoria explica de forma conclusiva as causas dos comportamentos. As pesquisas já afirmam que desde o início até o fim da vida. 2009). • Capacidade de despertar para criação e inovação. ao invés de suscitar um debate propomos uma junção dos conhecimentos para explicar o conceito de liderança. 232). quando o líder é retirado do grupo o novo líder no cargo mostra um aumento significativo nos níveis de serotonina. Lembre-se: Inato significa estudar as bases herdadas do comportamento e do conhecimento humano. Já existem alguns estudos que indicam evidências nas raízes biológicas (SOTO. Como podemos observar não há unanimidade em afirmar que nosso comportamento apenas seja explicado de causas hereditárias. Propomos uma parceria permanente entre hereditariedade e meio ambiente. Estes comportamentos seriam moldados pelos genes? Muitas são as teorias que tentam respostas para estas questões no intuito de justificar o comportamento oriundo de causas inatas. Já outros reservam suas hipóteses afirmando que boa parte de nosso comportamento psicológico é desencadeado pelo um processo de aprendizagem. “Essa descoberta não é particularmente surpreendente. Depois do estudo da liderança inata e aprendida resolva a sugestão de atividade. No que concerne ao comportamento aprendido não há razões conclusivas que o comportamento seja apenas um processo de aprendizagem. Seria improvável separar estes dois importantes campos teóricos. seja pela observação ou imitação de comportamentos. • Capacidade para mobilizar o trabalho em grupo e/ou equipes. assim como não há unanimidade em afirmar apenas restrito as causas ambientais. • Capacidade para motivar. A natureza e a extensão de uma influência sempre dependem da contribuição da outra (DAVIDOFF. quando estudamos liderança é possível pontual alguma base biológica? A resposta para essa questão não é simples. Contudo o autor adverte que não ficou claro porque os níveis altos de serotonina estimulam a liderança e/ou a liderança poderia dar como resultado um incremento na serotonina (SOTO. Atividade: Pesquise em livros ou sites especializados o que é liderança inata e liderança aprendida. Alguns estudos realizados com macacos demonstraram que os dominantes líderes (macho ou fêmea) têm um elevado nível de serotonina quando comparados com macacos subordinados. os pesquisadores descobriram que os líderes eficazes possuem uma mescla bioquímica única de hormônio e uma química cerebral que os ajuda a gerar alianças sociais e a enfrentar a tensão” (p. os organismos estão sendo constantemente moldados tanto pela hereditariedade como pelo ambiente. E mais. 2009). constituídos a partir da observação e imitação de condutas humana.

preocupados com as necessidades humanas. Neste material adotaremos os estilos enfatizados por Davis e Newtrom (2002). • Líderes autoritários. ou na principal ênfase sobre consideração versus estrutura. Vejamos como é colocado o dito anteriormente através dos seguintes estilos de liderança: • Líderes positivos e negativos – quando um líder focaliza a motivação das pessoas seu enfoque é dirigido com a recompensa (pode ser econômica ou outras) e faz uso da liderança positiva. Os autocráticos centram o poder e a tomada de decisões em si mesmo. do poder. “Eles dependem muito do grupo quanto ao estabelecimento dos seus próprios problemas” (p. se o princípio básico das duas é a influência? Enquanto o poder remete a uma posição que exerce a influência a liderança refere-se ação de fato. “Líderes de estilo negativo agem de forma a dominarem e serem superiores às pessoas” (p. Ou seja. • O uso da consideração e estrutura pelo líder – o uso da consideração é centrado na preocupação com o subordinado. 44 . Enquanto o poder é a influência potencial a liderança remete ao exercício do poder. dirigem sua atenção na execução da tarefa. os participativos descentram a autoridade e trabalham como uma unidade social. A liderança em uma concepção final constitui um fenômeno do poder.162). participativos e rédeas soltas – a forma pela qual um líder usa o poder também estabelece um tipo de estilo: autocrático. São muitas as classificações de lideranças adotadas nos livros que trabalham com a temática. no que concerne então à diferença entre liderança e poder. enquanto que outras focalizam duas ou mais. O que se percebe com frequência é o mesmo enfoque redistribuído em diferentes nomenclaturas. participativo e rédeas soltas. alicerçados na dinâmica da recompensa. No intuito de entender melhor essa proximidade conceitual vejamos os estilos de liderança que sustentam o dito. Antes revisaremos o que define o poder e vejamos também a diferença entre poder e liderança. Por outro lado se existe situação de penalidade. Já as rédeas soltas não há interesse pelo o poder e a responsabilidade.3. Sobre o conceito de poder salientamos que era um tipo especifico de exercer a influência sobre grupos e equipes. os dois conceitos fazem uso da influência e a distinção acontece na ação. Liderança e poder “O conceito fundamental das Ciências Sociais é o poder. Já os líderes estruturados. seu enfoque é a liderança negativa. tal como a energia é o conceito fundamental na Física” Russell (1938) Já foi dito que uma boa liderança é possuir habilidades de exercer o poder ou uma ação para influenciar pessoas. Quando fazemos uma atenta leitura se percebe que os conceitos percorrem duas direções: uma mais simples baseada numa única dimensão (Forma de exercer poder).Liderança e Comportamento Humano Liderança unidade iii 3. 161). mantendo as pessoas constantemente ocupadas e pressionando o que elas produzem.

administradores. entre outros). Aqui colocados de forma separada mais que devem ser compreendidos na prática como inter-relacionados. Ela é apenas uma ferramenta. • O primeiro refere-se às habilidades técnicas – conhecimento e capacidade de uma pessoa em qualquer tipo de processo ou técnica (engenheiros. • O segundo é a habilidade humana – capacidade para trabalhar com pessoas. Três conceitos de habilidade normatizam o dito anteriormente. “Uma liderança bem-sucedida depende de comportamentos. Como já foi discutido o conceito de cultura na unidade I. Não há empresa de sucesso sem pessoas bem preparadas. já que o comportamento pode ser aprendido e modificado enquanto as características pessoais são relativamente fixas” (SOTO. esta é a parte fundamental de sua conduta. Sem pessoas preparadas não há como manter equipes. nos reservamos então apenas abordar as questões mais emergentes sobre o tópico em estudo. poder e cultura organizacional na unidade II. Quando uma organização decide trabalhar com gestão de pessoas.unidade iii Liderança e Comportamento Humano Liderança Dos estilos anteriormente citados é importante salientar que não existe um estilo único. em diferentes momentos fazer uso de outros modelos. Atualmente.4. digitadores. Grande parte dos estudos sobre liderança e organização enfatiza o conceito de habilidade como detentor de características comportamentais nos cargos de gerencias. Nenhum líder pode fugir da habilidade de trabalhar com pessoas. saber trabalhar o que foi planejado e organizado na organização em termos de visão. habilidade conceitual – capacidade de pensar em termos de modelos e teorias. 216). habilidade de ações apropriadas e não de características pessoais. observe que a “máquina” não age com foco nas pessoas. nas modernas organizações. e não menos importante. missão e valores é fundamental. 45 . p. 2009. Liderança no contexto do Desenvolvimento Organizacional A habilidade executiva é decidir rapidamente e conseguir que alguém mais faça o trabalho (John G. Um líder pode se sobressair com apenas um estilo (por exemplo – participativo). contadores. Por fim. Sua Atividade: Depois desta última leitura qual estilo de liderança você acha mais conveniente para o trabalho. Pollard) Para abrirmos a discussão da liderança no contexto de desenvolvimento organizacional é necessário dirigir sua atenção à temática de estudo diante do papel da cultura organizacional. o treinamento de desenvolvimento de novas condutas organizacionais têm garantido excelentes avanços no planejamento e desenvolvimento organizacional. Sem essa direção nenhuma organização consegue manter um alto nível de produtividade. Isso é importante. como também. Reflita e comente no fórum. necessita de boas lideranças. 3. Embora vivemos num processo tecnológico. • Por fim.

Importante: Estereótipos são rótulos sociais. enquanto que os homens tendem em ocupações que exigem capacidade de controle de pessoas (ARONSON. por exemplo. Em resumo. 2004. por exemplo. Antes de atribuir importância excessiva ao parágrafo anterior é importante salientar que muitas mulheres podem adotar um estilo ‘masculino’ ao gerenciar um grupo que exige um controle de pessoas.Liderança e Comportamento Humano Liderança unidade iii missão é trabalhar com pessoas e juntas alcançar uma meta no ambiente ou no contexto onde estiver inserido. mais orientados para o relacionamento. Se sua resposta foi exatamente essa estamos falando exatamente de estereótipos. que não se aplicam mais as novas condições.5. WILSON. devido à habilidade na esfera interpessoal. são mais hábeis na esfera interpessoal e. Da mesma forma que um homem pode ter características de personalidade que lhe confira habilidade de se relacionar com pessoas.2005). Foi descoberto que as mulheres tendem a liderar de forma democrática. Os homens são amiúde descritos como controladores que nem sempre mesmo notam o que os colegas sentem e muito menos se preocupam com esses sentimentos” (ARONSON. mas será que podemos considerar como conclusivo quem se relaciona melhor com pessoas e quem controla melhor o grupo como uma questão de gênero? Ou se parássemos para pensar na forma que avaliamos o trabalho da mulher como diferente da do homem. AKERT. 3. grupo. p. são armadilhas que prendem as mulheres pelos pés (Jane Addams. Em duas análises. 2002. O que podemos perceber é que este resultado promove uma situação real. “Pensa-se que as mulheres preocupam-se mais com os sentimentos dos colegas. líderes e a organização. WILSON. “Para simplificar o mundo. ambos 46 . não comprovaram igualmente haver diferenças confiáveis e significativas. por isso atribuímos determinadas qualidade a um do que a do outro? “Comparações entre homens e mulheres. os professores são distraídos” (MYERS. 1907). portanto. 2002). Atividade: Qual a importância da liderança no ambiente organizacional nos seguintes enunciados: Pessoas. p.182). Poderíamos fazer a seguinte pergunta: esse conjunto teórico até então estudado lhe lembra de alguém? Pense e seja honesto: parece-lhe que os homens têm mais probabilidade de ser orientados para a tarefa e as mulheres para integração. com base na liderança. Liderança e gênero Maneiras antigas de agir. AKERT. Comente e depois poste no fórum. concluiu-se que existe pouca razão para acreditar que mulheres ou homens serão superiores no papel de gerentes ou que cada grupo pratique um tipo distinto de gerenciamento. generalizamos o tempo todo: os britânicos são reservados. Para esclarecer se de fato na situação de grupo ocorre exatamente o dito sobre homens e mulheres foram realizadas várias pesquisas no intuito de descobrir se existem estilos de lideranças: uma masculina e outra feminina. os americanos são extrovertidos. Até aqui estudamos alguns conceitos que tiveram como meta traçar os fundamentos que orientam um grupo para uma tarefa ou para a integração entre seus membros.

2008). aptidões técnicas e cognitivas. Foram muitas as conclusões e achados teóricos. As primeiras pesquisas sobre a teoria dos traços surgiram na primeira metade do século XX. existe alguma diferença na descrição e estilo de liderança: masculina e feminina? Caso responda sim. Teoria dos traços Para relacionar-se bem concorde (San Rayburn) Essa teoria defende que alguns traços característicos são fundamentais no perfil de um líder. 2009. 115). Naquele momento havia uma necessidade em entender quais características psicológicas. 150). Todas juntas respondem por definir características de um perfil de gerência e não diferencia o masculino do feminino. O sucesso ou fracasso envolve uma série de fatores que devem ser priorizados. p. qual solução daria as questões seguintes: Em termos de teorias de liderança e gênero. “As teorias do traço concentram-se na descoberta da personalidade de liderança e em examinar o caráter. tendo como o principal foco dois aspectos fundamentais no perfil de um líder: Razoável grau de inteligência de conhecimento da área e aptidões sociais que possam ser usadas para conseguir apoio e reduzir o estresse interpessoal (VECCHIO. avanço na carreira e sua história na organização ser muito recente quando comparada a histórica do homem. e os modelos que determinam o sucesso e o fracasso de todo gerente são os mesmos para ambos os gêneros” (VECCHIO. medíocres ou sofríveis.6. O que se sabe até então é que a mulher não teve tempo de mostrar suas características de gerenciamento por diferentes razões: facilidade de admissão. Como há uma relatividade quando falamos de inteligência entenda aqui a partir de três aspectos teóricos. COOPER. todas juntas não conseguiram dar conta de um perfil padrão que contemplasse o desejado. Estas variáveis explicam por que as pesquisas não conseguem ainda atingir um grau razoável conclusivo sobre liderança e gênero. as motivações subjacentes e os estilos comportamentais que fazem do indivíduo um líder” (ROTHMANN. ela é importante para seu aprendizado. fatores pessoais. p. 2008. a atividade sugerida. que são: raciocínio analítico – “capacidade de resolver problemas que apresentam um elemento abstrato. sociais e físicas eram suficientes para definir um líder. Apesar de não ter construído um instrumental de perfil padrão é uma teoria ainda muito utilizada. Inteligência social – capacidade de interação e competência para entender os motivos e ações de outras pessoas. 3. Cria- 47 . e por fim. quem você contrataria para supervisionar uma equipe? Explique sua escolha e depois apresente ao seu tutor. instabilidade emocional. Atividade: Na posição de gerente. Depois de estudarmos a questão da liderança e gênero resolva. como de costume. como a procura para identificar uma resposta única e correta”. habilidades interpessoais. tais como: influências externas.unidade iii Liderança e Comportamento Humano Liderança podem produzir profissionais excelentes.

2008). Sobre os aspectos relacionados às aptidões sociais encontramos sua base nas explicações da teoria das habilidades sociais. DEL PRETTE. • Expressar sensibilidade e empatia ante as necessidades do interlocutor. 2009. citado por ROTHMANN. comente e depois poste no Fórum. Atividade: Na qualidade de gerente ou supervisor como você lidaria com a seguinte questão: um líder com um elevado grau de inteligência mais pouca aptidão no trato com pessoas. Depois de realizada a leitura da teoria dos traços resolva o exercício. Autoconfiança. O processo de avalição é realizado a partir da decisão de todos os participantes. supervisores e líderes com habilidades têm demonstrado sujeitos mais saudáveis e menos propensos a doenças. físicas ou intelectuais que diferenciam os líderes (SOTO. Geralmente nestes treinamentos utilizam diferentes metodologias do trabalho em grupo. • Expressar-se de forma honesta e assertiva em situações interpessoais críticas.115-116). e Capacidade para influenciar pessoas. As características dos líderes podem agir como variável moderadora na determinação do comportamento de liderança” (ZALEZNIK (1993). Já o termo habilidades sociais aplica-se à noção de existência de diferentes classes de comportamentos sociais no repertório do indivíduo para lidar com as demandas das situações interpessoais. Lembre-se: Teoria dos traços de liderança – teoria que busca as características de personalidade. sociais. Pense. Tolerância do estresse interpessoal. 2009. “O desempenho social refere-se à emissão de um comportamento ou sequência de comportamentos em uma situação social qualquer. pp. • Lidar adequadamente com as próprias emoções e as emoções dos outros. O estudo de desempenho no trabalho de gerentes. • Automotivar-se para o trabalho.31). 221). p. tais como: Persistência na execução de tarefas. as dinâmicas de grupo. Apresentaram também excelente desempenho no trato com pessoas criando um clima agradável nas relações organizacionais. autocontrole e confiança nas próprias potencialidades.Liderança e Comportamento Humano Liderança unidade iii tividade – capacidade em encontrar diferentes soluções para os mesmos problemas (VECCHIO. • Aglutinar pessoas e coordenar tarefas em grupo. Diversos outros traços também foram vinculados aos líderes bem-sucedidos. desenvolvendo o otimismo e a perseverança. Muitas destas habilidades estão sendo tratadas em treinamentos de pessoas e grupos nas modernas administrações. A competência social tem sentido avaliativo que remete aos efeitos do desempenho das habilidades nas situações vividas pelo indivíduo” (DEL PRETTE. 2001. por exemplo. “O significado das teorias do traço é que é possível escolher a pessoa certa para assumir posições formais nos grupos e organizações. COOPER. • Lidar de modo efetivo com o estresse e as situações estressantes. p. Bom trabalho!!! 48 . Entre os diferentes pontos trabalhados nas habilidades sugerimos alguns pontuados por Del Prette (2006): • Manter relações produtivas e satisfatórias no ambiente de trabalho. • Demonstrar criatividade. • Resolver conflitos interpessoais e intergrupais.

a saber: 1. conduta ou eventualidade executada por ela e objetiva a reorientar e/ou estimular uma ou mais ações determinadas. 2009. Enquanto que a teoria dos traços tratava das características de personalidade a teoria comportamental. 2008. “À medida que a abordagem inicial da liderança com base nos traços começou a declinar. “O líder de tarefa fica lembrando ao grupo seus objetivos e trazendo o grupo de volta a eles sempre que se desvia do propósito de resolução de problemas. aparecendo com novas ideias quando ele fica paralisado. “A implicação das teorias comportamentais é que o comportamento dos indivíduos deveria ser estudado para identificar os líderes e que é possível treinar líderes” (ROTHMAMM. 2009. líder socioemocional. Quatro momentos históricos alicerçaram as teorias comportamentais. Estudos de Harvard – as observações dos comportamentos surgiram do trabalho de Bales (1953) com grupos pequenos onde destacou duas variáveis: liderança de tarefa e liderança sócioemocional. O resultado das observações das duas variáveis sugeriu os seguintes argumentos: Importante: Feedback . Algumas críticas foram feitas as teorias comportamentais por ignorarem em quais situações ocorrem à liderança por elas defendida. apesar destas críticas suas contribuições. Mas. p. Teorias comportamentais A avaliação final de um líder consiste no tratamento dispensado a alguém que não pode fazer-lhe nenhum bem (Ann Landers) As teorias comportamentais precedem as teorias dos traços. até hoje. 49 . COOPER. sendo mais inclinado a pedir sugestões do que a dá-las” (ROTHMANN. se centra no comportamento observado do líder. COOPER. p. executadas anteriormente. Basicamente as observações partiram da qualidade do desempenho das atividades e na busca de alguma especificidade dos indivíduos neste mesmo desempenho.unidade iii Liderança e Comportamento Humano Liderança 3. 116). 2 Estudos de Michigan – neste modelo teórico duas dimensões foram observadas: liderança orientada para o empregado e liderança orientada para a produção.Procedimento que consiste no provimento de informação a uma pessoa sobre o desempenho.151). p. os pesquisadores concentraram sua atenção nas ações dos líderes. 117). Desta observação é importante ressaltar que apenas um membro pode ser um líder de tarefa e outro. ajudam no aprimoramento do que seja liderança organizacional. utiliza o elogio e outras formas de feedback. O líder socioemocional particularmente sensível às necessidades das outras pessoas. de preferência a seus atributos” (VECCHIO.7.

COOPER. Os líderes orientados para a produção enfatizam os aspectos da tarefa do trabalho. não se importa com os sentimentos dos empregados. Fundamentos de Psicologia organizacional e do trabalho. Líderes orientados para a produção. Comportamento organizacional. COOPER. 50 “O gerente A. Fonte: ROTHMANN. O gerente B. descontrole emocional. p. 3 Estudos de Ohio State University – aqui a perspectiva do trabalho do líder tem como propósitos observar duas dimensões no trabalho da liderança. porém. Estrutura inicial é a extensão em que um líder define e estrutura o trabalho que os subordinados executam. 2009. Rio de Janeiro: Elsevier. O gerente C está visivelmente concentrado na maximização da produção e no bem-estar dos colaboradores” (p. No que se refere à orientação para a produção reproduziu nos subordinados um sentimento de não pertencimento ao grupo. sendo que os membros do grupo são vistos como um meio para atingir um fim” (ROTHMANN.117).2008. concentrando-se na realização bem-sucedida da tarefa (VECCHIO. de modo que um líder pode apresentar grande ou pequena predisposição para cada uma. São Paulo: Cengage learning.Liderança e Comportamento Humano Liderança unidade iii “Os resultados favoreceram muito os líderes voltados para o empregado.153). enquanto o comportamento voltado para a produção motiva à baixa produtividade e a baixa satisfação” (ROTHMANN. Ian. Fonte: VECCHIO. Importante: Consideração é definida como a extensão em que o líder mantém um relacionamento profissional que se apoia em confiança mútua. por outro lado. 2009. seria descrito como muito respeitoso em relação aos colaboradores. 2008. que são: consideração e estrutura inicial. Combinar as duas dimensões a partir da observação de um indivíduo sugere diferentes comportamentos ou diferentes tipos de gerentes. De acordo com Vecchio (2008) a figura 02 representa este quadro teórico: Estrutura inicial Elevada Moderada Reduzida Reduzida Moderada B A Elevada C Consideração e respeito Figura 02: Dimensões de Lideranças propostas pela Ohio State University. COOPER. embora não se preocupe com a produção que executem. Cary.153). se interessam pelas necessidades dos subordinados e aceitam as diferenças individuais entre os membros.117). 2009. o que foi considerado como uma boa liderança. Este tópico já foi abordado quando estudamos “liderança e Poder”. na figura 02. além de um baixo nível de produtividade. p. p. O Comportamento voltado para o empregado induz à alta produtividade e à alta satisfação no trabalho. Sua principal preocupação é a realização das tarefas do grupo. Importante: “os líderes orientados para o empregado enfatizam as relações interpessoais. Robert P. A teoria ressalta que as duas dimensões são interdependente. Foi possível concluir que quando os líderes apresentavam uma orientação para o empregado houve um significativo aumento na produtividade. A figura 01 resume como a observação foi feita neste estudo: Figura 01: Comportamento do líder segundo os pesquisadores de Michigan Líderes orientados para o empregado. . preocupa-se moderadamente com a produção da unidade. respeito pelos subordinados e sensibilidade por seus sentimentos.

4 A grade gerencial – Aqui a liderança é explicada no contexto de várias combinações. • Características das tarefas – não foi contemplado o tempo de atividade. 51 . por exemplo.1 (ver figura 03). 5. A construção de um gráfico ajuda a entender o desempenho das tarefas de um líder. 155): “1. se os subordinados possuem autonomia. o moral em um nível satisfatório. As combinações são as seguintes de acordo com Vecchio (2008. bem como o aumento da produtividade. 4. comparadas e analisadas. bem como na realização do trabalho por colaboradores”. p. seja orientada a produção.9. Gerenciamento empobrecido – caracteriza-se por um empenho mínimo para que o trabalho requerido seja executado e sejam mantidos os membros da organização. de tal modo que o elemento humano consegue interferir somente em pequeno grau. A meta é o desempenho adequado. Outras combinações também podem ser observadas. É possível identificar um gerente bem-sucedido quando observamos uma estrutura inicial e consideração elevadas. Gerenciamento “clube de campo” – envolve atenção cuidadosa às necessidades das pessoas.unidade iii Liderança e Comportamento Humano Liderança Neste modelo teórico é possível perceber diferentes combinações nas duas dimensões. simultaneamente. Gerenciamento por autoridade – ressalta a eficiência nas operações. entre outras. O pior desempenho é o gerenciamento empobrecido – 1. por exemplo: • Características do subordinado – na ocasião de pouca experiência na função ou pouco conhecimento da tarefa. porque tais relacionamentos satisfatórios têm a expectativa de conduzir a uma atmosfera organizacional tranquila e amigável. As críticas que surgiram deste modelo partiram de algumas variáveis que não foram contempladas como. O gráfico gerencial é apresentado como um instrumento onde é possível observar crescimento ou redução seja no foco da pessoa. o nível de estresse. O melhor desempenho do líder é o gerenciamento e equipe ou estilo .9. 2. A ideia é observar como o gerenciamento se comporta nas dimensões do modelo. Gerenciamento em equipe – apoia-se na interdependência. resultante da especificação das condições de trabalho. • Características do gerente – na situação do líder sofrer influência dos superiores. Essa interdependência conduz a relacionamentos baseados em confiança e respeito. 3. descrição do ambiente físico. Gerenciamento pelo homem de organização – preocupa-se em compatibilizar a necessidade de finalizar o trabalho com a de manter. por meio de um interesse comum na finalidade da organização.

supervisão com dose de flexibilidade. Venda (tarefa alta-relação alta). O líder define papéis e ordena às pessoas o quê. motivação e poder. quando e onde realizar as várias tarefas. Orientadora e de supervisão por que permite observar o grau de maturidade e de responsabilidade dos subordinados. função ou objetivo específico. Existe alguma semelhança ou podemos observar muitas diferenças. O líder proporciona tanto o comportamento diretivo quanto de ajuda. são humildes. Participação (tarefa 52 . São Paulo: Cengage Learning. Flexível pelo fato de se basear na inter-relação entre comportamento de tarefa que o líder oferece e a quantidade de apoio no relacionamento. Depois da leitura das abordagens da teoria comportamental responda a sugestão de atividade. Mas você poderia se perguntar como estes estilos funcionam na prática? De acordo com Rothmann e Cooper primeiramente é necessário conceituá-los: “Comando (tarefa alta-relação baixa). 2008. participação e delegação (ROTHMANN. Managerial Grid III. venda. livros e sites da internet e depois poste no fórum para abrir um debate com seu tutor e seus colegas de turma. (John Ruskin) Também conhecida como as teorias de Hersey e Blanchard (1982) usa as duas dimensões de liderança identificadas pelos pesquisadores de Ohio: comportamento de tarefa e de relacionamento (trabalhada em tópico anterior como consideração e estrutura inicial). e sim que passa através deles. Robert P. As críticas atuais identificaram nesse modelo teórico uma forte ferramenta que aproxima liderança. como. Comportamento organizacional.Por conseguinte. 3. 2009).Liderança e Comportamento Humano Liderança unidade iii Atividade: Compare os estudos da grade gerencial com as abordagens da Ohio e Michigan. Responda essa atividade através de pesquisas em diferentes mídias: biblioteca. Mouton. Este movimento teórico vem sendo recomendado por apresentar características de orientação. IN: VECCHIO. Houston: Gulf.. Bom trabalho!!! Figura 03: Gráfico Gerencial Fonte: Blake. 1985. R. Teorias situacionais Os verdadeiros grandes homens têm a curiosa impressão de que a grandeza não está neles. COOPER. Leva-se em consideração também o nível de prontidão dos subordinados no desempenho de uma tarefa. Com base nas dimensões trabalhadas pelos pesquisadores este modelo utiliza quatro estilos de lideranças: comando.8.

No último estágio. Delegação (tarefa baixa-relação baixa). Por exemplo. Eles não são competentes e nem confiantes. é necessário que a tarefa seja elevada como também na relação. 2009. M3: os indivíduos são capazes. M2: Os indivíduos são incapazes.unidade iii Liderança e Comportamento Humano Liderança baixa-relação alta). M4: Os indivíduos são capazes e dispostos a realizar o que se espera deles”.123). M3 cria problemas motivacionais que são resolvidos por um estilo de liderança mais próxima (apoiador e diretivo). M4 não há necessidade de apoio ou de acompanhamento. Sobre os estilos de liderar também é oportuno apresentar o grau de maturidade na execução das tarefas e relacionamentos (HERSEY. De acordo com essa teoria na medida em que os subordinados atingem níveis elevados de maturidade a resposta do líder é diminuição no controle das tarefas e comportamento de relação. A figura 04 demonstra a lógica teórica. “M1: Os indivíduos são incapazes e indispostos a assumir responsabilidade por alguma coisa. O líder proporciona pouca direção ou apoio” (2009. p. No estágio M1. Esse momento o subordinado trabalha com mais autonomia. p. 123). os subordinados necessitam de orientações claras e precisas. O líder e o seguidor compartilham a tomada de decisão. sendo que o papel principal do líder é facilitar e comunicar. mas indispostos a realizar tarefas. No M2. 53 .1982 citado por ROTHMANN. mas indispostos para fazer o que o líder quer. COOPER. “O comportamento elevado na tarefa compensa a falta de capacidade dos subordinados. enquanto o comportamento elevado na relação tenta enquadrar os subordinados no desejo do líder” (p. São motivados. 123). mas sem aptidão. BLANCHARD.

Atividade: Como é uma teoria bastante difundida pesquise na biblioteca de sua faculdade a seguinte questão: quais as vantagens e desvantagens deste modelo teórico. Aqui observaremos um comportamento de tarefa alta e relacionamento baixo. neste contexto. Um líder de sucesso se antecipa nas diferentes situações: nos conflitos de grupos.9. Mas você poderia se perguntar o que é empreendedor de sucesso ou. Figura 04: a teoria da liderança situacional de Hersey e Blanchard. Essas indicações dosam o sentido de comportamento de tarefa e comportamento de relação: Determinar – aqui os subordinados apresentam baixa maturidade. um líder de sucesso? Um líder antes de qualquer coisa deve compreender com propriedade os indivíduos e grupos. representa trabalhar com uma postura empreendedora e de sucesso. Cary. com um elevado grau de estruturação da tarefa.Liderança e Comportamento Humano Importante: Comportamento diretivo – aqui o líder tende por um comportamento de orientação e supervisão. no planejamento da organização e no aprimoramento continuado e gradativo de sua formação técnico e pessoal. Fonte: ROTHMANN. Persuadir – aqui os subordinados então na maturidade entre baixa e moderada. Comportamento de apoio – aqui se pede que o líder apresente-se como apoiador e flexível. Sobre criatividade podemos definir como o ato de criar soluções diferenciadas 54 . que busca inovação. Compartilhar – para este estágio a maturidade é vista entre moderada e alta. Depois da leitura e como de costume resolva a atividade ela é importante para reforça o seu aprendizado. Remete ao líder então um apoio mais participativo e não diretivo. Pesquise e depois poste no fórum. Depois de apresentar conceitos e teorias que inter-relacionam com o conceito de liderança é momento de abordar o que há de mais atual no mercado de trabalho. Trabalhar com liderança. saber de sua posição (conhecer sua própria pessoa). Rio de Janeiro: Elsevier. Há apenas uma necessidade de acompanhamento do trabalho. O estilo de liderança indicado é relacionamento baixo e tarefa baixa. Arthur Clarke Chegamos ao último tópico desta unidade. 2009. Delegar – neste nível o subordinado apresenta maturidade e disposição da responsabilidade. Questões contemporâneas sobre a liderança Qualquer idéia suficientemente avançada pode ser mágica. Há necessidade de um estilo diretivo que dá uma orientação clara. A questão que mais circula no meio gerencial é o conceito de inovação e criatividade. cada vez mais dinâmico e competitivo. A posição de um líder constitui hoje um instrumento poderoso para qualquer empresa que se preocupa com o mercado. 3. saber de sua empresa e de seu papel diante deste contexto. no caso aqui. Sobre o estilo de liderar e os níveis de maturidade os teóricos ressaltam duas indicações: Diretiva e de apoio. Vai ser importante dividir seus comentários com seus amigos e seu tutor. Fundamentos de Psicologia organizacional e do trabalho. qualidade e ampliação de seu produto e abertura de novos mercados. Com mais capacidade os subordinados sentem seguros mais a disposição não é elevada. Ian. COOPER. Há também uma necessidade de um comportamento diretivo e reforço no apoio para ganhar maturidade.

“O novo líder em todos os níveis e em todos os campos de trabalho humano é.unidade iii Liderança e Comportamento Humano Liderança para o problema. Keith.235). Chegamos ao final de nossas atividades da unidade III e de nosso curso. 2008. 2009. SOTO. Para a inovação reservamos a ideia de melhorar o produto ou o processo de criação. “As novas realidades macroeconômicas e tendências neste mundo globalizado estão modificando constante e profundamente o ambiente comercial e industrial que requer. Jonh W. Referências ARAÚJO. 233). VECCHIO. Apresentamos em nosso material o que tem de mais atual e moderno no trabalho com liderança organizacional. SP. NEWSTROM. São Paulo: Casa do psicólogo. A realização de um ambiente saudável e a plenitude dos processos humanos no ambiente organizacional depende diretamente deste investimento. Comportamento organizacional: o impacto das emoções. 2009. Madrid: Morata. DEL PRETTE. na realidade. 2001. MOSCOVICI. São Paulo: Pearson Makron Books.. Juntos fundamentam o grande desafio das lideranças atuais. No contexto organizacional. Com ele você teve a oportunidade de conhecer teorias e vivenciar práticas. Comportamento organizacional: conceitos básicos. Quaisquer dúvidas procure seu tutor. Eduardo. Comportamento humano no trabalho: uma abordagem organizacional. Esta atividade reforçará seu aprendizado. terá habilidade e competência para enfrentar futuros cargos de gerencia. quanto mais se investir nas lideranças provavelmente terá maior ganho organizacional. Atividade: Pesquise e poste no fórum a seguinte atividade: qual a relação e importância entre liderança e inovação. Vol. Timothy. Psicologia de las minorias activas. Introdução à psicologia. O princípio básico parte da seguinte reflexão: quanto maior o reforço elevado será o resultado. organizações competitivas que podem responder de forma positiva a essa realidade e tendência a dos mercados futuros” (SOTO. O que foi abordado certamente terá grande proveito em sua vida profissional. 2004. Robert. Cary. Para finalizar. AKERT. COOPER. Ian. DAVIS. Ed. Bom trabalho!!! 55 . Neste contexto a figura de líder é central como variável independente. Com este material. A. Elliot. Rio de Janeiro: Elsevier. p. São Paulo: Cengage Learning. Psicologia Social. Inventário de habilidades sociais. Z. Rio de Janeiro: LTC. Cengage Learning. Atlas. 2001. P. Linda L. Luis César G. Depois de estudar o contexto atual sobre liderança e organização responda a sugestão de atividade. 2002. DEL PRETTE. certamente. São Paulo: Pioneira Thonson Learning. ROTHMANN. 2009. p. 2009. é fato que a questão da liderança constitui a nova base de pensamento organizacional do século XXI. um construtor da cultura organizacional” (SOTO. S. A. com urgência. 2001. Lembre-se: Variável independente – recurso investigativo cujos efeitos queremos medir. Robin M. ARONSON. 02. Teoria Geral da Administração: aplicação e resultados nas empresas brasileiras. Fundamentos de Psicologia organizacional e do trabalho. WILSON. São Paulo. DAVIDOFF.