INSULINA

ESTRUTURA E FUNÇÕES

A insulina é um pequeno hormônio polipeptídico constituído por duas cadeias α e β ( 51 aminoácidos) unidas por duas pontes dissulfureto que permitem a conexão dos aminoácidos α 7 e β 7, α 20 e β 19. Uma terceira ponte de dissulfureto na cadeia α liga os resíduos α 6 e α 11. Este hormônio é fundamental para manter o nível de glicose no sangue, de forma que o cérebro, músculos, coração e outros tecidos tenham a quantidade de "combustível" necessária para o metabolismo celular normal. A insulina também desempenha um papel muito importante no metabolismo das gorduras e das proteínas na circulação sanguínea. Promove, por exemplo, o transporte de aminoácidos do sangue para os músculos e outras células. Dentro destas, a insulina não só é responsável pela promoção da absorção intracelular de aminoácidos da circulação, aumentando a síntese proteica, como também reduz o catabolismo (processo de quebra de proteínas dos músculos). A acrescentar às demais funções já descritas, há participação da insulina na síntese de neurotransmissores e no funcionamento eficaz do sistema imunitário. O cromo é um mineral muito importante no

a primeira proteína a ser cristalizada (Abel. 1926). Em 1978 fez-se a clonagem do gene da insulina humana e em 1982 a insulina humana era produzida por Engenharia Genética. ≈ 1964 ). a primeira proteína foi demonstrada como sendo sintetizada na forma de uma molécula grande precursora ( Steiner et al. BIOSSÍNTESE E EXTRAÇÃO A insulina humana pode ser extraída do pâncreas na medida em que esta é produzida nas células β dos ilhéus de Langerhans do pâncreas. Frederick Banting (cirurgião) e Charles Best (estudante de Fisiologia) descobriram a insulina. a primeira proteína a ser sintetizada por técnicas químicas ( Duetal.Zahn. J. HISTÓRIA A doença que é provocada pela anormal atividade da insulina é o diabetes. 1967 ) e a primeira a ser preparada para o uso comercial com a metodologia do DNA recombinante. a insulina é incapaz de atuar prejudicando a formação de massa muscular do organismo ( efeito anabólico ) e não reduzir a gordura convenientemente. Em 1921 na Universidade de Toronto no Canadá. que embora já fosse conhecido há dois mil anos. Dr. Em 1958 o cientista Frederick Sanger ( Reino Unido ) foi laureado com o prémio Nobel de Química por ter contribuído no trabalho sobre a estrutura da insulina. Esta importantíssima descoberta levou a que Banting e McLeod (porque as experiências foram realizadas no laboratório J. só nos últimos cem foram descobertas formas de o tratar e controlar. A insulina foi a primeira proteína em que foi comprovada atividade hormonal.R.Katsoyanis. a primeira proteína a ser sequenciada ( Sanguer et al.Macleod) recebessem o premio Nobel da medicina em 1923. 1955 ). . Caso os níveis mínimos de cromo estejam ausentes.desempenho das funções da insulina na medida em que transporta e veicula o açúcar da corrente sanguínea para as células além de facilitar a ligação da insulina à membrana celular.

A insulina suína difere num único aminoácido. Depois é introduzido o gene da próinsulina humana da bactéria fazendo com que o gene. precursor da insulina ativa. este hormônio é produzido em trinta dias o que equivale a um terço do tempo necessário para a obter pelo método tradicional. . substituição da alanina ou treonina na porção β 30. A bovina tem esta modificação mais as substituições de alanina por treonina em α 8 e valina por isoleucina em α 10. passe a produzir o hormônio em grandes quantidades. PRODUÇÃO SINTÉTICA Engenharia Genética A insulina pode ser produzida sinteticamente através de uma técnica que consiste em modificar geneticamente a bactéria Escherichia coli para a tornar capaz de sintetizar o hormônio ausente. suína e bovina também pode ser extraído destes dois últimos mamíferos. Para o caso de indivíduos com antecedências alérgicas é produzida insulina humana. Deste modo. Estas modificações não alteram a atividade biológica dos vários tipos insulina. Assim.No processo de síntese proteica. os aminoácidos entram na ordem exata para a formação de cada proteína . através destas extrações (suína e bovina ) é possível haver terapia padrão para a diabetes mellitus. Como existe uma grande semelhança entre os tipos de insulina humana.

Estas bactérias. Os genes contidos nos plasmideos não são essenciais para a vida da bactéria mas podem ser responsáveis pela síntese de proteínas que aumentam a resistência dessas bactérias aos antibióticos. . atualmente. Deste modo quando a célula de uma bactéria se multiplica. A Escherichia coli tem um segmento de DNA que possui aproximadamente 4 a 5 mil genes. duplicando o seu DNA. através de técnica de cortar o DNA com enzimas especificas e de refazer o DNA com outras enzimas. ela precisa de ter o RNA específico para sintetizar essa proteína.As bactérias também têm DNA como material genético e produzem RNA para sintetizar proteínas. é possível alterar o DNA da bactéria introduzindo segmentos de DNA humano no DNA das bactérias. Nenhuma bactéria possuí DNA com informações para a síntese da insulina mas. Para a bactéria produzir insulina humana. tornam-se verdadeiras fábricas de produtos exatamente iguais aos que o organismo humano produz. reproduzem-se de modo muito rápido. a célula filha recebe um cromossomo e plasmideos iguais aos da célula mãe. Se as bactérias forem mantidas vivas e em crescimento. Além desse segmento possui também porções de DNA que se denominam por plasmideos. Estes podem-se reproduzir.

pontes de di-sulfeto. o precursor de insulina (pró-insulina). através de reações químicoenzimáticas. RP-HPLC e cristalização. obtendo-se assim o cristal de insulina. • Esse microorganismo é colocado em um fermentador para reproduzir e. uma vez separada dos resíduos celulares. e submetida a novas etapas de purificação por troca-iônica. • será transformada em insulina e purificada em diversas etapas. serão desfeitas para que novamente se liguem nas posições corretas na renaturação. a pró-insulina renaturada é purificada e convertida em insulina. que posteriormente é formulado. ligações intra-moleculares. Primeiramente.passo da Produção de Insulina Humana Recombinante • Em um microorganismo (E.Passo-a. . sob determinadas condições. que é posteriormente rompida.coli) foi inserido um fragmento de DNA com instruções para expressar uma proteína. • Em seguida. • A pró-insulina se precipita na forma de corpos de A pró-insulina. expressar a proteína de interesse. inclusão dentro da célula.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful