Você está na página 1de 1

Literatura Portuguesa 2

RECENSÃO

Uma recensão é um trabalho de apresentação de uma obra literária. Numa recensão crítica de um texto literário não pode perder de vista a origem do acto crítico (crítica vem do grego krínein, que significa isolar, separar, destacar o particular), mas deve distanciar-se do registo meramente subjectivo de uma opinião arbitrária sobre o texto lido. (adaptado de Carlos Ceia)

Uma recensão deve identificar:

1) o título do livro 2) o autor 3) a editora 4) a cidade de edição

Quanto ao conteúdo, a recensão deve incluir:

5) o ano de edição 6) nome do tradutor (caso se aplique) 7) nome do ilustrador (caso se aplique)

1. Uma sinopse da obra. 2. Uma contextualização do autor/obra numa determinada tradição, escola ou perspectiva.

3. O ponto de vista do recenseador - leitor da obra -, apresentando sucintamente os pontos fortes e os

pontos fracos da obra.

Para fazer uma recensão precisas de:

- Ler (e compreender) a obra;

- Tirar notas;

- fazer pesquisa sobre o autor e/ou sobre a temática;

- Fazer um juízo de valor sobre a obra;

- Aproximar a obra a outras leituras que já tenhas feito.

Exemplo a partir da leitura da Joana.:

   

TÓPICOS / RASCUNHO

Morder-te o coração, de Patrícia Reis

o título do livro, autor, editora, cidade de edição,) o ano de edição, nome do tradutor

 

Reis, Patrícia, (2008), Morder-te o coração, Booket, Lisboa.

Sinopse

 

- relações entre homens e

“Anda, anda morder-me o coração. “, pediu ela. Foi assim, há 10 anos no Pico, amor, silêncio, partilha, ou se calhar apenas um equívoco. Um romance a duas vozes, que começa no Pico, mas que se passeia por outras latitudes. Primeiro ele quis perdê-la, agora, obsessivamente, procura-a. Ela, agora, aqui, conta-nos a sua história.

mulheres no início de século

XXI.

- Encontros e desencontros;

Considerações sobre o autor; sobre a sua obra; sobre o movimento literário em que se insere,…

-

pesquisa:

Patrícia Reis, jornalista de formação, e editora da prestigiada revista Egoísta começa a afirmar-se como uma das vozes da narrativa portuguesa do séc. XXI.

Patrícia Reis é também editora da revista Egoísta.

Pontos fortes

- actualidade

A escrita a duas mãos ajuda-nos a captar a fragilidade e a

subjectividade das relações.

- temática

Pontos fracos

- repetitivo

No entanto, depois de um início marcante, algo se vai desvanecendo. Se calhar como no próprio amor

Consideração final

 

Não é uma história clássica de amor. Este coração não foi mordido: “Hoje, quero que saibas que não te disse nada e quando te pedi para me morderes o coração era só para me certificar de que ele existia no meu peito. Tu preferiste beijar-me, nunca me mordeste e, assim, fiquei sem saber.” (pg.15)

Prof. Paula Cruz

Interesses relacionados