Você está na página 1de 43

Cálculo Integral

Integral de Riemann
Definição, Propriedades
Teorema fundamental do cálculo
Métodos de integração
Aplicações geométricas do integral

Integral impróprio
Na primeira parte deste capı́tulo vamos apresentar a noção de integral segundo Riemann,
estudar algumas das suas propriedades e referir algumas das suas aplicações. Na segunda
parte estudaremos os integrais impróprios.

1 Introdução e motivação
Classicamente, o conceito de integral aparece associado à noção intuitiva de área de uma
região plana. Nós vamos seguir a via clássica para motivar a nossa exposição.

Considere-se uma função contı́nua f : [a, b] −→ R e sejam

m = max f (x) e M = min f (x). (67)


x∈[a,b] x∈[a,b]

Suponhamos que f (x) ≥ 0, ∀x ∈ [a, b], e consideremos a região plana (cf. a Figura 1)

D = (x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b ∧ 0 ≤ y ≤ f (x)

(68)

Figura 1: Região D limitada pelo gráfico de f , pelo eixo OX e pelas rectas x = a e x = b.

Suponhamos que pretendemos determinar o valor da área da região D. Em geral, a


forma geométrica de D é pouro “regular”, pelo que as fórmulas da geometria elementar
não são aplicáveis. Podemos pensar então em aproximar a área de D pela área de figuras
simples, compostas por regiões rectangulares justapostas.

29
Estratégia
1. Começamos por decompor o intervalo [a, b] num número finito de subintervalos,
determinados pelos pontos x0 , x1 , x2 , . . . , xn−1 , xn , tais que

a = x0 < x1 < x2 < · · · < xn−1 < xn = b,

s s s s s
a ≡ x0 x1 x2 ··· ··· ··· xn−1 xn ≡ b

A uma tal decomposição iremos chamar partição P do intervalo [a, b].

2. Em cada subintervalo genérico, Ji = [xi−1 , xi ], fixamos arbitrariamente um ponto,


digamos

y1 ∈ [x0 , x1 ] , y2 ∈ [x1 , x2 ], , yn−1 ∈ [xn−2 , xn−1 ] , yn ∈ [xn−1 , xn ]

e consideramos o correspondente valor de f ,

f (y1 ), f (y2 ), . . . , f (yn−1 ), f (yn ).

3. Aproximamos a área da porção Dk da região D que assenta no subintervalo


[xk−1 , xk ], Figura 2, à esquerda, pela área da região rectangular Rk de base
xk − xk−1 e altura f (yk ), Figura 2, à direita,

área Dk ' f (yk )(xk − xk−1 ) .

Figura 2: Aproximação da área de Dk pela área de uma região rectangular.

Para a região completa D tomamos a aproximação (Figura 3)

área D ' área R1 + área R2 + · · · + área Rn


' f (y1 )(x1 − x0 ) + f (y2 )(x2 − x1 ) + · · · + f (yn )(xn − xn−1 ),

ou seja, abreviando a notação,


n
X
área D ' f (yk )(xk − xk−1 ). (69)
k=1

30
Figura 3: Aproximação da área de D pela área de uma região poligonal

4. É intuitivo que:

(a) a aproximação obtida na expressão (69) será tanto melhor quanto maior for
o número de pontos considerados para a decomposição do intervalo [a, b];
(b) a aproximação óptima seria obtida com um número infinitamente grande de
pontos, ou seja, com subintervalos de amplitude infinitamente pequena.

5. Obtemos então uma definição para a área de D através da passagem ao limite na


na expressão (69), tomando
n
X
área D = lim f (yk )(xk − xk−1 ). (70)
n→+∞
k=1

Vamos passar agora à exposição rigorosa deste assunto, formalizando adequadamente as


ideias intuitivas que acabamos de expor. A área da região D vai dar lugar ao integral
de f em [a, b] e cada quantidade introduzida na expressão (69) para aproximar a área
de D vai dar lugar a uma soma de Riemann.

2 Definição de integral
Nesta secção apresentaremos a definição de integral segundo Riemann, para uma função
f : [a, b] −→ R, limitada, não necessariamente contı́nua nem necessariamente positiva.

Dada uma partição P do intervalo [a, b], chamamos amplitude de P à maior das ampli-
tudes dos subintervalos [xk−1 , xk ],

||P|| = max {xk − xk−1 : k = 1, 2, . . . , n} ,

pelo que, considerar o número de subintervalos a tender para +∞, equivale a considerar
||P|| a tender para 0.

31
Fixando arbitrariamente pontos yk ∈ [xk−1 , xk ], definimos uma soma de Riemann da
função f em [a, b], para a partição P considerada, por
n
X
S(f ; P) = f (yk )(xk − xk−1 ). (71)
k=1

Dizemos que a função f é integrável em [a, b] e que o correspondente integral é igual a


I quando, independentemente da partição P e da escolha dos pontos yk , se tiver
n
X
I = lim f (yk )(xk − xk−1 ). (72)
||P||→0
k=1

Ao número I chamamos o integral de f em [a, b] e representámo-lo por


Z b
f (x) dx,
a

onde f é a função integranda, a é o limite inferior do integral, b é o limite superior do


integral, [a, b] é o intervalo de integração e x é a variável de integração. O sı́mbolo dx
representa uma partı́cula formal que fixa a variável de integração.

Exemplo 1
Seja f (x) = c, x ∈ R, com c uma constante e x em certo intervalo [a, b].

Dada uma partição P de [a, b] em subintervalos J1 , J2 , . . . , Jn teremos, independentemente da


escolha dos pontos yk ,
f (yk ) = c , para todo k = 1, 2, . . . , n,
pelo que
n
X
f (yk )(xk − xk−1 ) = c(x1 − x0 ) + c(x2 − x1 ) + · · · + c(xn − xn−1 )
k=1
= c(x1 − x0 + x2 − x1 + · · · + xn − xn−1 )
= c(cn − x0 ) = c(b − a)
Z b
Então f é integrável em [a, b], tendo-se f (x) dx = c(b − a).
a

Exemplo 2 
1 se x ∈ Q,
Seja g(x) = para todo x em certo intervalo [a, b].
0 se x ∈ R\Q,

Independentemente da partição P de [a, b], podemos escolher cada um dos pontos yk em Q ou


em R\Q, uma vez que todo o intervalo não degenerado de R contém racionais e irracionais. Se
os escolhermos todos em Q, resulta

g(yk ) = 1 , para todo k = 1, 2, . . . , n,

e pelo que vimos no Exemplo 1, vem


n
X
g(yk )(xk − xk−1 ) = b − a.
k=1

32
De modo perfeitamente análogo, se escolhermos todos os yk em R\Q, resulta

g(yk ) = 0 , para todo k = 1, 2, . . . , n,

e
n
X
g(yk )(xk − xk−1 ) = 0.
k=1

Consequentemente, não existe o limite das somas de Riemann para esta função, no sentido
exposto anteriormente, e g não é integrável em intervalo algum.

Observação 1
Só se define integral de uma função limitada, mas nem toda a função limitada é in-
tegrável. Veja-se o Exemplo 2. Mais adiante, identificaremos algumas classes de funções
limitadas que são integráveis.

A definição que apresentámos anteriormente para função integrável e para integral de


uma função, e que usámos nos Exemplos 1 e 2, é muito complexa para a generalidade
das funções, por ser difı́cil estudar a existência do limite das somas de Riemann para
uma partição qualquer do intervalo e para uma escolha arbitrária de pontos yk . O
nosso objectivo será agora o de enunciar resultados que nos ajudem a decidir sobre a
integrabilidade de uma função e o de apresentar processos eficazes para o cálculo do
integral. Comecemos com as principais propriedades do integral.

3 Propriedades do integral
Nesta secção vamos apresentar, sem demonstrar, algumas propriedades do integral que
se revelarão extremamente úteis.

Propriedade 1 [Aditividade do integral a respeito do intervalo de integração]


Sejam f limitada em [a, b] e c ∈ ]a, b[ . Então f é integrável em [a, b] se e só se f integrável
separadamente em [a, c] e [c, b], tendo-se
Z b Z c Z b
f (x) dx = f (x) dx + f (x) dx. (73)
a a c

No sentido de estender a Propriedade 1 a todos os reais a, b, c, adoptamos as seguintes


convenções clássicas
Z a
f (x) dx = 0, para todo a ∈ R, (74a)
a
Z a Z b
f (x) dx = − f (x) dx , para todos a, b ∈ R. (74b)
b a

33
Propriedade 2 [Linearidade do integral]
Sejam f e g funções integráveis em [a, b]. Então:

(a) a soma f + g é integrável em [a, b] e


Z b Z b Z b
[f (x) + g(x)] dx = f (x) dx + g(x) dx ; (75)
a a a

(b) o produto f g é integrável em [a, b]; em particular, se α é uma constante real


arbitrária, o produto αf é integrável em [a, b] e
Z b Z b
αf (x) dx = α f (x) dx. (76)
a a

Propriedade 3
Sejam f e g funções integráveis em [a, b]. Se |g(x)| ≥ k > 0, ∀x ∈ [a, b], então a função
1/g é limitada e o quociente f /g é integrável.

Propriedade 4 [Monotonia do integral]


Se f e g são integráveis em [a, b] e g(x) ≤ f (x), ∀x ∈ [a, b], então
Z b Z b
f (x) dx ≤ g(x) dx; (77)
a a
Z b
em particular, se f (x) ≥ 0, ∀x ∈ [a, b], então f (x) dx ≥ 0.
a

Propriedade 5
Se f é integrável em [a, b] então a função |f | é integrável em [a, b] e
Z b Z b

|f (x)| dx ≥ f (x) dx . (78)
a a

Propriedade 6

(a) Se f é limitada em [a, b], anulando-se em todos os pontos de [a, b] excepto, even-
tualmente, num número finito de pontos de [a, b], então
Z b
f (x) dx = 0; (79a)
a

(b) se f é integrável em [a, b] e g é uma função que difere de f apenas num número
finito de pontos [a, b], então
Z b Z b
g(x) dx = f (x) dx. (79b)
a a

34
4 Caracterização das funções integráveis
Vamos agora enunciar, sem demonstrar, alguns resultados que estabelecem condições
suficientes para a integrabilidade de uma função num intervalo, a partir dos quais iden-
tificaremos três classes de funções integráveis (Teoremas 1, 2 e 3).

Teorema 1 [Integrabilidade das funções contı́nuas]


Se f : [a, b] −→ R é contı́nua então f é integrável em [a, b].

Exemplo 3
As funções
1
xk , x ∈ R, ex , x ∈ R, sen x, x ∈ R, , x ∈ R,
1 + x2
são integráveis em qualquer intervalo [a, b] por serem funções contı́nuas.

Observação 2
O Teorema 1 estabelece que a continuidade de uma função garante a sua integrabilidade.
No entanto, é conveniente reter, desde já, que existem funções descontı́nuas que são
integráveis.

Teorema 2 [Integrabilidade das funções monótonas]


Se f : [a, b] −→ R é monótona então f é integrável em [a, b].

Exemplo 4 
 0 se x = 0
A função f (x) = 1 1 1 definida em [0, 1], possui um número
 se < x ≤ , n ∈ N,
n n+1 n
1
infinito de descontinuidades - todos os pontos da forma , n ∈ N, são pontos de
n
descontinuidade de f . No entanto, f é integrável por ser monótona.

Observação 3
Do Teorema 2, podemos concluir que, ainda que uma função não seja contı́nua, se for
monótona, então ela é também integrável. Mais uma vez, chama-se a atenção para o
faco de existirem funções que não são monótonas (nem contı́nuas) e, mesmo assim, são
integráveis.

Teorema 3 [Integrabilidade das funções com um número finito de descontinuidades]


Se f : [a, b] −→ R é limitada possuindo um número finito de descontinuidades então f é
integrável em [a, b].

35
Exemplo 5
A função 
 5 se 0 ≤ x ≤ 1
g(x) = 2 se 1 < x ≤ 2
3 se 2 < x ≤ 4

é integrável em [0, 4] porque possui apenas duas descontinuidades, em x = 1 e em x = 2.

Também a função
esen x se x 6= π

h(x) =
−1 se x = π
é integrável em [0, 9] porque possui apenas uma descontinuidade em x = π.

Observação 4
Mostra-se ainda que, se f : [a, b] −→ R é limitada e o conjunto dos pontos de desconti-
nuidade de f constitui um conjunto numerável1 então f é integrável em [a, b].

5 O Teorema fundamental do cálculo


Um dos resultados mais notáveis do Cálculo está patente no teorema que agora iremos
apresentar. Nele estabelece-se uma ligação crucial entre os conceitos de derivada e de
integral, a partir da qual é possı́vel obter um processo extremamente eficaz para o cálculo
do integral, dispensando o recurso à definição apresentada na Secção 2.

Consideremos uma função contı́nua, f : [a, b] −→ R, logo integrável. Para cada x ∈ [a, b],
f é integrável em [a, x], pelo que podemos definir uma nova função, F : [a, b] −→ R, por
passagem ao integral, pondo
Z x
F (x) = f (t) dt, x ∈ [a, b]. (80)
a

A função F acabada de definir possui uma caracterı́stica importante, relacionada com


a função inicial f .

Teorema 4 [Teorema Fundamental do Cálculo, parte I]


A função F : [a, b] −→ R definida pela expressão (80) é derivável em [a, b], tendo-se

F 0 (x) = f (x), ∀x ∈ [a, b]. (81)

A partir da expressão (81), podemos concluir que a função f é uma primitiva de F , pelo
que vale o seguinte resultado.
1
Um conjunto A ⊂ R diz-se numerável se existir uma bijecção ψ : A −→ N, significando que A possui
tantos elementos como o conjunto N. Alguns exemplos de conjuntos numeráveis são Z e Q e de conjuntos
não numeráveis são R e R\Q.

36
Corolario 1
Toda a função contı́nua f : [a, b] −→ R possui primitiva em [a, b].

De facto, basta pensar na correspondente função F obtida como em (80), por integração
da função f desde a até x.

Observação 5
Quando f não é contı́nua, mantendo-se integrável, podemos definir uma função F como
em (80). Acontece, porém, que F pode não ser derivável, ou então, até ser derivável
mas a sua derivada não coincidir com f nos pontos de descontinuidade de f (Exemplos
6, 7 e 8).

Exemplo 6
y
y 6
6 f p p p p p p p p p t F
t ppt 2 pp
p
1 pp pp
p pp
pp pp
p - t -
2 x 2 x
f é contı́nua, logo integrável (Teorema 1) e primitivável (Teorema 4).
Define-se a função F , que é derivável. Além disso,
Z x
f (x) = 1 =⇒ F (x) = 1 dt = x, ∀x ∈ [0, 2].
0

Exemplo 7
y
y 6
6
f p p p p p p p p p t F
t 2 pp
pd tp
pp pp
1 p
tpp p
pp
p
pp
pp pp pp
p
- t -
1 2 x 2 x
f é limitada com uma descontinuidade em 1, logo é integrável (Teorema 3). No entanto,
f não é primitivável (isto é, f não é a derivada de função alguma em [0, 2]. Mesmo assim,
a integrabilidade de f em [0, 2] é suficiente para que se possa definir a função F , como
em (80). Como a função f deste Exemplo 7 difere da função f do Exemplo 6 apenas no
ponto 1, os integrais das duas são iguais (Propriedade 6), pelo que F (x) = x, ∀x ∈ [0, 2].
Além disso, F é obviamente derivável, com F 0 (x) = 1, ∀x ∈ [0, 2]. Acontece, porém, que
a derivada de F em 1 difere de f (1).

37
Exemplo 8
y y
6
f 6
F
p p p p p p p p p tp pt p p p p p p p p p p p p p p p p p p pt
1 pp pp 1 pp
p p p
pp pp pp
p pp p
t e p - t p -
1 2 x 1 2 x
f é limitada e possui uma descontinuidade no ponto 1. Logo f é integrável (Teorema 3)
mas não é primitivável. Define-se novamente a funçãoZF , como em (80), e vem
x
x ∈ [0, 1[ =⇒ f (x) = 0 =⇒ F (x) = 0 dt = 0,
0
Z x
x ∈ [1, 2] =⇒ f (x) = 1 =⇒ F (x) = 1 dt = x − 1.
1

A função f é contı́nua mas não é derivável em 1.

Do ponto de vista do cálculo do integral de uma função, a consequência mais relevante


que se extrai do Teorema 4 é a que se apresenta a seguir.

Teorema 5 [Teorema Fundamental do Cálculo, Fórmula de Barrow]


Sejam f : [a, b] −→ R contı́nua e G uma primitiva de f em [a, b]. Então
Z b
f (t) dt = G(b) − G(a). (82)
a

DemonstraçãoZ
x Z b
Pondo F (x) = f (x) dx, tem-se F (b) = f (x) dx.
a a
Atendendo a que F e G são duas primitivas de f em [a, b], tem-se

G(x) = F (x) + C, x ∈ [a, b], C constante.

Em particular, para x = a, vem

G(a) = F (a) + C =⇒ C = G(a),

pelo que
G(x) = F (x) + G(a), x ∈ [a, b].
Para x = b, vem
G(b) = F (b) + G(a) =⇒ F (b) = G(b) − G(a)

ficando, assim, justificada a igualdade (82).

Notação Z b h ib
Para traduzir a identidade (82), usamos a notação f (t) dt = G(x) .
a a

38
O Teorema 5 fornece um processo extremamaente útil para o cálculo do integral de uma
função contı́nua num intervalo. Quando a função integranda não é contı́nua, conjugamos
o Teorema 5 com as propriedades enunciadas na Secção 3, para calcular o integral por
intermédio de uma primitiva da função integranda em cada intervalo de continuidade.

Exemplo 9
Z π h iπ
(a) sen x dx = − cos x = − cos π + cos 0 = 2 .
0 0
Z 3 Z 0 Z 3
1 h 2 i0 1 h i3 25 9
(b) |x| dx = (−x) dx + x dx = − x + x2 = + = 7.
−5 −5 0 2 −5 2 0 2 2
Z
x 5
1h 2
i5 1 √
(c) 2
dx = log (x + 1) = (log 26 − log 1) = log 26 .
0 x +1 2 0 2
 Z 2 Z 1 Z 2
1 se x ∈ [0, 1] Prop. 6(b)
(d) Se f (x) = então f (x) dx = 1 dx + 3 dx
3 se x ∈ ]1, 2] 0 0 1
h i1 h i2
= x + 3x = (1 − 0) + (6 − 3) = 4 .
0 1

x2

se 0 ≤ x ≤ 1

(e) Se f (x) = 2 se 1 < x ≤ 3 então, novamente pela Propriedade 6 (b), vem
x − 3 se 3 < x ≤ 6

Z 6 Z 1 Z 3 Z 6
2
f (x) dx = x dx + 2 dx + (x − 3) dx
0 0 1 3

1 6
x3 h i3  x2
  
1 9 53
= + 2x + − 3x = + (6 − 2) + 0 + = .
3 0 1 2 3 3 2 6

6 Resultados clássicos do cálculo do integral


Do teorema fundamental do cálculo, Teorema 4, saem algumas consequências que pas-
samos a apresentar.

A - Derivação sob o sinal de integral


Seja f : [a, b] −→ R uma função contı́nua. Então a função F definida como em (80) é
derivável e será também derivável a composta F ◦ ϕ, com ϕ : [c, d] −→ [a, b] uma função
derivável qualquer. Por um lado, pela regra de derivação de funções compostas, vem

(F ◦ ϕ)0 (x) = F 0 (ϕ(x)) ϕ0 (x) ,

e pelo teorema fundamental do cálculo, Teorema 4, sai que

(F ◦ ϕ)0 (x) = f (ϕ(x)) ϕ0 (x). (83a)

39
Por outro lado, da definição (80) para F , sai também que
Z ϕ(x)
(F ◦ ϕ)(x) = F (ϕ(x)) = f (t) dt,
0
pelo que !0
Z ϕ(x)
0
(F ◦ ϕ) (x) = f (t) dt . (83b)
0

Das expressões (83a-b), resulta


!0
Z ϕ(x)
f (t) dt = f (ϕ(x)) ϕ0 (x) , (84)
a

que dá uma fórmula para a derivação do integral com limite superior que é função da
variável. Mais em geral, sendo ϕ, ψ : [c, d] −→ [a, b] funções deriváveis, partindo de
Z ψ(x) Z ψ(x) Z ϕ(x)
f (t) dt = f (t) dt − f (t) dt
ϕ(x) a a

e usando o resultado da fórmula (84), vem


!0
Z ψ(x)
f (t) dt = f (ψ(x)) ψ 0 (x) − f (ϕ(x)) ϕ0 (x) . (85)
ϕ(x)

que dá uma fórmula para a derivação do integral com os dois limites de integração que
são função da variável.

Exemplo 10
Estudemos a monotonia da função definida por
Z x3
2
H(x) = x 2
e−t dt, x ∈ R.
0

Temos Z x3
2 6
H 0 (x) = 2x e−t dt + 3x4 e−x , x ∈ R,
0
6
que se anula apenas para x = 0, já que 3x4 e−x ≥ 0, ∀x ∈ R, e que
Z x3
2
x > 0 =⇒ 2x > 0 ∧ e−t dt > 0 =⇒ H 0 (x) > 0,
0
Z x3
2
x < 0 =⇒ 2x < 0 ∧ e−t dt < 0 =⇒ H 0 (x) > 0.
0

Logo H é monótona crescente.

40
B - Fórmula do valor médio para integrais
Novamente, dada f: [a, b] −→ R, contı́nua, podemos definir

m = min f (x) e M = max f (x),


x∈[a,b] x∈[a,b]

e por ser
m ≤ f (x) ≤ M, ∀x ∈ [a, b],
da monotonia do integral, sai que
Z b Z b Z b
m dx ≤ f (x) dx ≤ M dx,
a a a

ou seja,
Z b
m(b − a) ≤ f (x) dx ≤ M (b − a).
a
Consequentemente, ter-se-á
Z b
f (x) dx = α(b − a), com α ∈ [m, M ].
a

Sendo contı́nua em [a, b], a função f toma todos os valores desde m até M , existindo
c ∈ [a.b] tal que f (c) = α, valendo o seguinte resultado.

Teorema 6 [do valor médio para integrais]


Se f: [a, b] −→ R é contı́nua então existe c ∈ [a, b] tal que
Z b
f (x) dx = (b − a)f (c) . (86)
a

Com base no Teorema 6, define-se ususalmente o valor médio da função f por


Z b
1
f=
e f (x) dx (87)
b−a a
Exemplo 11
O valor médio da função f (x) = cos x no intervalo [0, π/2] é dado por
Z π/2
1 2h iπ/2 2
fe = cos x dx = sen x = .
π/2 0 π 0 π

C - Integração por partes


Consideremos agora f, g : [a, b] −→ R com f contı́nua, F uma sua primitiva e g possuindo
derivada contı́nua. Então f g é integrável e conjugando a fórmula de Barrow expressa
pelo teorema fundamental do cálculo, Teorema 5, com o método de primitivação por
partes, sai que

41
Z b h  ib
f (x)g(x) dx = F (x)g(x) − P F (x)g 0 (x)
a a

ou seja,
Z b h ib Z b
f (x)g(x) dx = F (x)g(x) − F (x)g 0 (x) dx . (88)
a a a

Exemplo 12
Z 2 h i2 Z 2 h i2
(a) xex dx = ex x − ex dx = 2e2 − ex = e2 + 1 .
0 0 0 0

e Z e e 1

√ √ ie
Z Z
h e 1 e 1 h ie
2 x 1
(b) log x dx = x log x − x √ dx = − dx = − x = .
1 1 1 x 2 1 2 2 2 1 2
Z 1 h x2 Z 1 2
i1 x 2x π 1h i1
(c) x arctg x2 dx = arctg x2 − 4
dx = − ln(1 + x 4
)
0 2 0 0 2 1+x 8 4 0
π 1
= − ln 2.
8 4

C - Integração por por substituição


Z b
Para calcular o integral f (x) dx de uma função contı́nua f : [a, b] −→ R, podemos
a
conjugar a fórmula de Barrow, Teorema 5, com o método de primitivação por substi-
tuição, passando da variável x a uma nova variável, digamos t, através da mudança de
variável x = g(t). Já sabemos como uma tal mudança altera a função a primitivar, que
passará de f (x) para f (g(t)) g 0 (t). Mas é de esperar que o intervalo de integração tenha
que ser adaptado à nova variável t. Para isso, devemos procurar saber em que intervalo
irá variar t, se temos x a variar em [a, b] e fazemos x = g(t). Ou seja, devemos procurar
pontos α e β tais que
a = g(α) e b = g(β) .

Para uma função f : [a, b] −→ R, contı́nua, e para uma substituição definida através
de uma função g : [α, β] −→ [a, b] possuindo derivada contı́nua e tal que g(α) = a e
g(β) = b, o resultado é o seguinte
Z b Z β
f g(t) g 0 (t) dt .

f (x) dx = (89)
a α

A expressão (89) dá a fórmula de substituição no integral, para uma mudança de variável
definida por x = g(t).

Observação 6
No integral do segundo membro da expressão (89), os limites de integração α e β são
quaisquer números reais tais que g(α) = a, g(β) = b, ainda que haja várias escolhas
possı́veis. Cf. o Exemplo 13.

42
Exemplo 13
Z 1p
(a) Calculemos 1 − x2 dx, efectuando a mudança de variável x = sen t.
0

Pondo g(t) = sen t, vem g 0 (t) = cos t. Quanto aos limites de integração, temos

x = sen t
=⇒ sen t = 0 =⇒ t = t1 = kπ, k ∈ Z,
x=0

x = sen t π
=⇒ sen t = 1 =⇒ t = t2 = + 2kπ, k ∈ Z.
x=1 2
π
A escolha mais simples parece ser t1 = 0 e t2 = , resultando
2
π Z π2
Z 1 p Z 2 p
1− x2 dx = 2
1 − sen t cos t dt = cos2 t dt
0 0 0
Z π   π2
1 2 1 1 π
= (1 + cos 2t) dt = t + sen 2t = .
2 0 2 2 0 4

π
A tı́tulo de ilustração, faça-se outra escolha, por exemplo, t1 = 2π e t2 = . Viria
2
π
Z 1 p Z 2 √ Z 2π √
1 − x2 dx = cos2 t cos t dt = − cos2 t cos t dt
π
0 2π 2

√ hπ i
Mas cos2 t = | cos t| e cos t não tem sinal constante em , 2π , pelo que
2

Z 1 p Z 2
Z 2π
1 − x2 dx = cos2 t dt − cos2 t dt
π 3π
0 2 2

  3π  2π
1 1 2
1 1
= t + sen 2t − t + sen 2t
2 2 π 2 2 3π
2 2
   
1 3π π 1 3π π π π
= − − 2π − = − = .
2 2 2 2 2 2 4 4

2 √
Z
(b) Calculemos agora x x − 1 dx, efectuando a mudança de variável x − 1 = t2 .
1
Pondo g(t) = t2 + 1, vem g 0 (t) = 2t. Atendendo a que g(0) = 1 e g(1) = 2, resulta
Z 2 √
Z 1 √ Z 1
2
t2 + t4 dt

x x − 1 dx = (1 + t ) t2 2t dt = 2
1 0 0

2 h 3 i1 2 h 5 i1 2 2 16
= t + t = + = .
3 0 5 0 3 5 15

43
Z e
(c) Calculemos f (x) dx para
−1

 p
 1 − x2 se − 1 ≤ x < 0,
f (x) = 2 se 0 ≤ x < 1,
se 1 ≤ x ≤ e .

log x

Recorrendo à Propriedade 6 (b), vem


Z e Z 0 p Z 1 Z e
f (x) dx = 1 − x2 dx + 2 dx + log x dx,
−1 −1 0 1

onde o primeiro integral se calcula por substituição fazendo, Zpor exemplo, x = sen t, o
e
π
segundo é imediato e o terceiro calcula-se por partes. Resulta f (x) dx = + 2 + 1 .
−1 4

Exemplo 14

Sejam a ∈ R+ e f: [−a, a] −→ R uma função contı́nua. Vejamos que:


Z a Z a
(a) se f é par então f (x) dx = 2 f (x) dx;
−a 0
Z a
(b) se f é ı́mpar então f (x) dx = 0.
−a

(a) Sendo f par, tem-se f (x) = f (−x), ∀x ∈ [−a, a], e então


Z a Z 0 Z a Z 0 Z a
f (x) , dx = f (x) dx + f (x) dx = f (−x) dx + f (x) dx.
−a −a 0 −a 0
| {z }
J

Fazendo a mudança de variável x = −t no integral J, vem


Z a Z 0 Z a Z a Z a Z a
f (x) dx = f (t)(−1) dt + f (x) dx = f (t) dt + f (x) dx = 2 f (x) dx.
−a a 0 0 0 0

(b) Sendo f ı́mpar, tem-se f (x) = −f (−x), ∀x ∈ [−a, a], e então


Z a Z 0 Z a Z 0 Z a
f (x) dx = f (x) dx + f (x) dx = − f (−x) dx + f (x) dx.
−a −a 0 −a 0
| {z }
J

Fazendo a mudança de variável x = −t no integral J, vem


Z a Z 0 Z a Z a Z a
f (x) dx = − f (t)(−1) dt + f (x) dx = − f (t) dt + f (x) dx = 0.
−a a 0 0 0

44
7 Aplicações do integral
Algumas aplicações geométricas do integral estão relacionadas com a área de um domı́nio
plano limitado, o comprimentos de um arco de curva entre dois pontos, o volume de um
sólido de revolução, e a área de uma superfı́cie de revolução.

7.1 Área de um domiınio plano


Vamos retomar o problema que serviu de motivação à definição de integral (Secção 1).
No caso em que f : [a, b] −→ R é uma função contı́nua tal que f (x) ≥ 0, ∀x ∈ [a, b],
dissemos que a área do domı́nio limitado pelo gráfico de f , pelo eixo OX e pelas rectas
verticais x = a e x = b, representado na Figura 1 da Secção 1, é dada por
Z b
área(D) = f (x) dx.
a

Daqui extraem-se as seguintes consequências.


(a) Se f (x) ≤ 0, ∀x ∈ [a, b], então, por simetria
em relação a OX, a área da região plana

D = (x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b ∧ f (x) ≤ y ≤ 0


coincide com a área de um novo domı́nio plano,


digamos D∗ , obtido de D por simetria em relação
ao eixo OX, ou seja
Figura 4: Região limitada pelo gráfico
D∗ = (x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b ∧ 0 ≤ y ≤ −f (x)

de uma função negativa, pelo eixo OX
e pelas rectas x = a e x = b.
donde
Z b
área(D) = − f (x) dx. (90)
a

(b) Se f, g : [a, b] −→ R são contı́nuas e tais que


0 ≤ g(x) ≤ f (x), ∀x ∈ [a, b], então, a área da região

D = (x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b ∧ g(x) ≤ y ≤ f (x)




pode ser dada por área(D) =área(D1 )−área(D2 ),


onde D1 é a região plana sob o gráfico de f e D2 é
a região plana sob o gráfico de g. Então
Z b Z b
área(D) = f (x) dx − g(x) dx Figura 5: Região limitada pelos
a a gráficos de duas funções positivas
e pelas rectas x = a e x = b.
ou seja
Z bh i
área(D) = f (x) − g(x) dx. (91)
a

45
(c) Consideremos agora uma região plana

D = (x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b ∧ g(x) ≤ y ≤ f (x)




onde f e g são duas funções contı́nuas, não necessa-


riamente positivas, tais que g(x) ≤ f (x), ∀x ∈ [a, b].
Por translacção segundo um vector vertical orien-
tado no sentido positivo de OY , a região D seria
transportada para o semiplano superior (positivo),
obtendo-se uma região D∗ geometricamente igual a Figura 6: Região limitada pelos
D, limitada por y = f (x) + k, y = g(x) + k, com k gráficos de duas funções quaisquer,
uma constante positiva tal que k > | min f (x)|. e pelas rectas x = a e x = b.
x∈[a,b]
A área da região D seria então dada por
Z bh  i

área(D) = área(D ) = f (x) + k − g(x) + k dx,
a

ou seja novamente por


Z bh i
área(D) = f (x) − g(x) dx.
a

(d) Mais em geral, se os gráficos das funções f e g


se intersectam num ponto de abcissa c e invertem a
posição relativa, a área da região D limitada pelos
gráficos de f e de g e pelas rectas verticais x = a
e x = b pode ser calculada como a soma de duas
áreas, a da região entre x = a e x = c e a da região
entre x = c e x = b. Pelo que vimos em (b), resulta
Z ch i Figura 7: Região limitada pelos
área(D) = f (x) − g(x) dx gráficos de f e de g, quando estes
a
Z bh i se intersectam, e ainda pelas rectas
+ g(x) − f (x) dx. (92) x = a e x = b.
c

y
Exemplo 15
2
(a) A área da região limitada pelas parábolas y!x^2
y = x2 e y = 2 − x2 , que se intersectam para
x = −1 e x = 1, é dada por (caso (b))
Z 1 h 2 i1 8 y!2"x^2
(2 − 2x2 ) dx = 2x − x3 = . x

−1 3 −1 3
y

1 y " sen x

(b) A área da região limitada pelas curvas


y = sen x, y = cos x, x = 0 e x = π/2 é
dada por (caso (d)) y " cos x

x
Π!4 Π!2

46
Z π/4 Z π/2
área D = (cos x − sen x) dx + (sen x − cos x) dx
0 π/4
h iπ/4 h iπ/2 √
= sen x + cos x + − cos x − sen x = 2 2 − 2.
0 π/4

7.2 Comprimento de um arco de curva


Seja f : [a, b] −→ R uma função possuindo derivada contı́nua. Designemos por C o
arco de curva y = f (x), com x ∈ [a, b], representado na Figura 8, imagem da esquerda.
Vamos atribuir significado ao comprimento do arco C, recorrendo à definição de integral
em termos das somas de Riemann. Para tal, vamos considerar uma partição P de [a, b]
definida por pontos x0 = a, x1 , . . ., xn−1 , xn = b. Sejam P0 , P1 , . . . , Pn os pontos
correspondentes sobre a curva C e consideremos a linha poligonal LP representada à
direita na Figura 8, definida pelos segmentos de recta Pi−1 Pi , com i = 1, 2, . . . , n.

Figura 8: Arco de curva C (à esquerda) e linha poligonal LP (à direita).

Quando os pontos Pi são considerados cada vez mais próximos uns dos outros, ou seja,
quando a amplitude ||P|| da partição tende para zero, a linha poligonal LP tende a
confundir-se com o arco C. Então, por definição, pomos

comp C = lim comp LP . (93)


||P||→0

Mas o comprimento da linha poligonal é


a soma dos comprimentos dos vários seg-
mentos de recta que a constituem, ou seja

comp LP = P0 P1 + P1 P2 + · · · + Pn−1 Pn ,

sendo o comprimento de cada segmento


Pi−1 Pi dado pela distância entre Pi−1 =
(xi−1 , yi−1 ) e Pi = (xi , yi ), ou seja por
Figura 9: Ampliação de uma porção do
arco C e da linha poligonal LP .
q 2 2
Pi−1 Pi = xi −xi−1 + f (xi )−f (xi−1 ) ,

47
ou ainda por
s  2
 f (xi )−f (xi−1 )
Pi−1 Pi = xi −xi−1 1+ .
xi −xi−1

O quociente que figura no radical do segundo


membro dá o declive do segmento de recta
Pi−1 Pi e, portanto, dá também o declive de uma
recta r paralela ao segmento e tangente à curva
C. Como f é derivável (teorema do valor médio
Figura 10: Recta r tangente a C e
de Lagrange), tal declive pode ser expresso como
paralela ao segmento Pi−1 Pi .
a derivada de f em algum ponto yi ∈ ]xi−1 , xi [,
e vem
q 2 
Pi−1 Pi = 1 + f 0 (yi ) xi − xi−1 .

Consequentemente, o comprimento da linha poligonal LP é dado por


n q
X 2 
comp(LP ) = 1 + f 0 (yi ) xi − xi−1 , (94)
i=1

onde, no segundo membro, mais não temos do que uma soma de Riemann para a função
p
integrável g : [a, b] −→ R definida por g(x) = 1 + (f 0 (x))2 . Tomando o limite quando
||P|| → 0 na equação (94), vem (cf. as equações (71) e (72))
Z bp
lim comp(LP ) = 1 + (f 0 (x))2 dx, (95)
||P||→0 a

e tendo em conta a definição (93), sai


Z bq
2
comp(C) = 1 + f 0 (x) dx . (96)
a

Exemplo 16
(a) O comprimento do arco de curva y = ch x, entre os pontos de abcissa x = −1 e
x = 2 é dado por
Z 2p Z 2 h i2
2
comp(C) = 1 + sh x dx = ch x dx = sh x = sh 2 + sh 1 .
−1 −1 −1

(b) O comprimento do arco de curva y = 23 x3/2 , entre os pontos de abcissa x = 1 e


x = 8 é dado por
√ 4√
Z 8q Z 8
√ 2 2h i8
comp(C) = 1 + ( x) dx = 1 + x dx = (1 + x)3/2 = 18 − 2.
1 1 3 1 3

48
7.3 Volume de um sólido de revolução
Quando uma região plana roda em torno de uma recta r do mesmo plano, obtém-se
um sólido dito de revolução. Assim, um cilindro pode ser obtido pela rotação de uma
região rectangular, uma esfera pode ser obtida pela rotação de um semi-cı́rculo, e um
cone pode ser obtido pela rotação de uma região triangular.

Nesta secção, estamos interessados nos sólidos de revolução S gerados pela rotação em
torno do eixo OX de uma região plana D limitada pelo gráfico de uma função contı́nua,
pelo eixo OX e por dua rectas verticais, x = a e x = b. Mais concretamente vamos obter
uma expressão para o cálculo do volume do sólido S, recorrendo novamente à definição
de integral em termos das somas de Riemann. Para tal, consideramos uma partição
P de [a, b] definida por pontos x0 , x1 , . . . , xn . Em cada subintervalo [xi−1 , xi ] fixamos
arbitrariamente um ponto ci .
Tomamos a região poligonal RP definida pe-
las n regiões rectangulares de altura f (ci ) que
se erguem sobre os vários subintervalos. Ob-
servamos que, quando a amplitude ||P|| da
partição tende para zero, a região poligonal
RP tende a confundir-se com o domı́nio D e o
sólido SP gerado por RP , à direita na Figura
11, tende a confundir-se com o sólido S ge-
rado por D, à esquerda na Figura 11. Então, Figura 11: Soma de Riemann para o
por definição, pomos volume de um sólido de rotação.

vol S = lim vol SP . (97)


|P|→0

Reparando (Figura 10) que cada rectângulo elementar Ri gera um cilindro “achatado”
Si (Figura 11, à direita) com volume
 2
vol(Si ) = π f (ci ) (xi − xi−1 ),

obtemos
n
X  2
vol(SP ) = π f (ci ) (xi − xi−1 ). (98)
i=1

49
Figura 12: Sólido S de volume a definir e sólido SP cujo volume aproxima o de S.

No segundo membro da equação (98) temos novamente uma soma de Riemann, desta
2
vez para a função h : [a, b] −→ R definida por h(x) = π f (x) , que é integrável. Logo,
tomando o limite quando ||P|| → 0 na equação (98), vem
Z b
2
lim vol(SP ) = π f (x) dx, (99)
||P||→0 a

e da definição (97), sai


Z b 2
vol(S) = π f (x) dx. (100)
a

Exemplo 17
O volume do sólido S gerado pela rotação em torno de OX da região

D = (x, y) ∈ R2 : −1 ≤ x ≤ 1 ∧ 0 ≤ y ≤ x2 + 1


é dado por
1 h x5 2x3
Z i1 1 2 
vol S = π(x2 + 1)2 dx = π + +x = 2π + +1 .
−1 5 3 −1 5 3

Exemplo 18
A fórmula para o volume de uma esfera S de raio r pode ser obtida pensando na esfera
como o sólido gerado pela rotação em torno de OX do semi-cı́rculo superior

D = (x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 ≤ r2 ∧ y ≥ 0 .


Atendendo à simetria da esfera, podemos considerar apenas a rotação do quarto de


cı́rculo situado no primeiro quadrante. Vem
Z r p Z r
2  r 2π  3 r 4
vol S = 2 π 2
r −x 2 dx = 2π r2 − x2 ) dx = 2πr2 x 0 − x 0 = πr3 .
0 0 3 3

50
À semelhança do que fizemos na Subsecção 7.1 em relação ao conceito de área, pode-
mos obter fórmulas mais gerais para o cálculo do volume de sólidos de revolução. Por
exemplo, no caso em que f, g : [a, b] −→ R são contı́nuas e 0 ≤ g(x) ≤ f (x), ∀x ∈ [a, b], o
volume do sólido S gerado pela rotação em torno
de OX da região plana

D = (x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b ∧ g(x) ≤ y ≤ f (x)




é dado por
Z b Z b
2
vol(S) = πf (x) dx − πg 2 (x) dx
a a
Z b Figura 13: Sólido gerado pela rotação em
π f 2 (x) − g 2 (x) dx.
 
=
a
torno de OX da região D.

Exemplo 19
O volume do sólido S gerado pela rotação y
em torno de OX da região plana
3

B = (x, y) ∈ R2 : |x − 2| + 1 ≤ y ≤ 3


2
é dado por (tendo em conta a simetria)
Z 2  
vol S = 2 π 32 − (−x + 3)2 dx 1
0
Z 2
56π
= 2π − x2 + 6x) dx = . 1 2 3 4
x
0 3

Exemplo 20 [Volume de um toro]

O volume do sólido S gerado pela rotação em


torno de OX da região plana

C = (x, y) ∈ R2 : (x − 4)2 + (y − 4)2 ≤ 1




é dado por (tendo em conta a simetria em


relação à recta x = 4)

Z 5h p 2 p 2 i
vol S = 2π 4+ 1 − (x − 4)2 − 4 − 1 − (x − 4)2 dx
4
Z 5p
= 32π 1 − (x − 4)2 dx [substituição x − 4 = sen t]
4
Z π/2 p Z π/2 Z π/2
2

= 32π 1− sen t2
cos t dt = 32π cos t dt = 16π 1 + cos 2t dt
0 0 0
 
π/2 1 π/2 
= 16π t 0 + sen 2t 0 = 8π 2 .
2

51
7.4 Área de uma superfı́cie de revolução
Quando um arco de curva y = f (x), com x ∈ [a, b], roda em torno do eixo OX, obtém-se
uma superfı́cie de revolução. Vamos recorrer à definição de integral em termos das somas
de Riemann para obter uma fórmula para o cálculo da área de tal superfı́cie.

Figura 14: Arco de curva C (à esquerda) e superfı́cie S de revolução (à direita).
Para tal, consideramos uma partição P de
[a, b] definida por pontos x0 , x1 , . . . , xn . Se-
jam P0 , P1 , . . . , Pn os correspondentes pon-
tos sobre a curva C e consideremos a linha
poligonal LP representada na Figura 15, de-
finida pelos segmentos de recta Pi−1 Pi , com
i = 1, 2, . . . , n. Quando os pontos Pi são
considerados cada vez mais próximos uns dos
Figura 15: Partição do intervalo
outros, ou seja quando a amplitude ||P|| da [a, b] e linha poligonal LP .
partição tende para zero, a linha poligonal LP
tende a confundir-se com a curva C e a superfı́cie SP gerada por LP tende a confundir-se
com a superfı́cie S gerada por C. Então pomos

área S = lim área SP . (101)


||P||→0

Figura 16: Superfı́cie S gerada por C e superfı́cie SP gerada por LP .

52
Mas cada segmento de recta “inclinado” gera um tronco de superfı́cie cónica Ci (Figura
16, à direita), com área lateral

f (xi − 1) + f (xi )
área(Ci ) = 2π Pi−1 Pi ,
2
uma vez que a área da superfı́cie lateral de um tronco de cone (Figura 17, direita) é
dada por 2π g(r + R)/2.

Figura 17: Tronco de cone (à direita) e pormenor da curva que gera a superfı́cie S (à esquerda).

Mas (Figura 17, esquerda)


p
Pi−1 Pi = (xi − xi−1 )2 + (f (xi ) − f (xi−1 ))2

e como vimos na subsecção 7.3, podemos escrever


q 2 
Pi Pi+1 = 1 + f 0 (yi ) xi − xi−1 ,

f (xi −1)+f (xi )


para algum yi ∈ [xi−1 , xi ]. Se agora aproximarmos 2 por f (yi ) vem então
q 2 
área(Ci ) = 2π f (yi ) 1 + f 0 (yi ) xi − xi−1 .

Consequentemente, a área da superfı́cie de revolução SP é dada por


n q
X 2 
área(SP ) = 2π f (yi ) 1 + f 0 (yi ) xi − xi−1 . (102)
i=1

O segundo membro da expressão (102) não é mais do que uma soma de Riemann para
p
a função k : [a, b] −→ R definida por k(x) = 2πf (x) 1 + (f 0 (x))2 . Como a função k é
integrável, tomando o limite quando ||P|| → 0 na equação (102) vem então
Z b p
área(S) = 2π f (x) 1 + (f 0 (x))2 dx. (103)
a

Nos casos mais gerais em que a função f muda de sinal entre a e b, resulta
Z b p
área(S) = 2π |f (x)| 1 + (f 0 (x))2 dx. (104)
a

53
Exemplo 21
A área da superfı́cie de revolução S gerada pela rotação em torno de OX do arco de
parábola x = y 2 , para y ≥ 0 e 0 ≤ x ≤ 1, é dada por
r

Z 1 Z 1
√ 1
área(S) = 2π x 1+ dx = π 1 + 4x dx
0 4x 0
√ 
π hp 3
i1 π 5 5−1
= (1 + 4x) = .
6 0 6

8 Coordenadas polares
Habitualmente identificamos a posição de um ponto P do plano através das suas co-
ordenadas cartesianas, (x, y), definidas em relação a um referencial ortonormado XOY
constituı́do por uma origem O e por dois eixos ortonormados, OX e OY . Em muitas
situações revela-se mais útil introduzir um novo referencial e identificar a posição de um
ponto do plano através de um novo sistema de coordenadas. Vamos agora introduzir as
chamadas coordenadas polares.

8.1 Definição
Consideremos em R2 um ponto O, a que chamamos pólo, e uma semirecta OX, a que
chamamos eixo polar. A posição de um ponto P de R2 pode ser identificada pela
distância de P ao pólo e pelo ângulo entre a direcção de P e o eixo polar. Definimos
assim as coordenadas polares de P 6= O pelo par (ρ, θ), com ρ > 0 e θ ∈ [0, 2π[, onde

−→
ρ = dist(O, P ), θ=<| (OX, OP ), (105)

a que chamamos raio vector e ângulo polar, respectivamente.

O ângulo é medido no sentido positivo, ou


anti-horário, a partir do eixo polar. Para
cada ponto P = 6 O, o par (ρ, θ) assim de-
finido é único e escrevemos P = (ρ, θ). Por
outro lado, o ponto O é identificado por qual-
quer par (0, θ), com θ ∈ [0, 2π[ , pelo que as
suas coordenadas polares não são únicas. Figura 17: Sistema de coordenadas polares.

Em vez do habitual sistema de eixos graduados, usamos um referencial polar graduado


(cf. a Figura 18) com uma escala para a distância ρ e outra para o ângulo θ. Assim, em
relação aos pontos A, B, C e D representados na Figura 18, teremos

54
B = 1, π3 ,

A = (3, 0),

C = 3, 5π 3π
 
6 , D = 2, − 2 .

Figura 18: Referencial polar “graduado”.

8.2 Relação entre coordenadas cartesianas e coordenadas polares


Para relacionarmos os dois tipos de coordenadas, consideremos um referencial cartesiano
ortonormado, XOY , e um referencial polar com pólo coincidente com O e eixo polar
sobre OX + .

Dado um ponto P , qualquer, de coordenadas


cartesianas (x, y) e coordenadas polares (ρ, θ),
da Figura 19, é fácil reconhecer que se tem

x = ρ cos θ e y = ρ sen θ, (106)

Figura 19: Coordenadas cartesianas e polares. donde

p
ρ= x2 + y 2 . (107a)
Por outro lado, se x 6= 0, tem-se também
y
tg θ = , (107b)
x
e, se x = 0, então P está sobre OX, podendo ser

(θ = π/2 se y > 0) ∨ (θ = 3π/2 se y < 0) ∨ (θ ∈ [0, 2π[ se y = 0) . (107c)

Assim, usaremos as expressões (106) para passar de coordenadas polares a cartesianas,


e as expressões (107a) e (107b-c), juntamente com os sinais de x e de y, para passar de
coordenads cartesianas a polares.

Exemplo 22
1. Se as coordenadas cartesianas de certos pontos são dadas por

1
  √ 
A = (1, 1) , B = (−4, −4) , C = (0, 2) , E = 0, − , F = − 3, −3 ,
2

55
então as correspondentes coordenadas polares são
√ π  
√ 7π
  π 
1 3π
 
√ 4π

A= 2, , B = 4 2, , C = 2, , E= , , F = 2 3, .
4 4 2 2 2 3

2. Reciprocamente, se as coordenadas polares de certos pontos são dadas por


 π 
11π
 √ 
A = 1, , B = 3, , C = (0, π) , E = 3, 0 , F = (1, 5) .
4 6

então as correspondentes coordenadas cartesianas são


√ √ ! √ !
√ 
2 2 3 3 3
A= , , B= ,− , C = (0, 0) , E = 3, 0 , F = (cos 5, sen 5) .
2 2 2 2

8.3 Representação polar de curvas


Analisemos agora o problema da representação geométrica de curvas, dadas pelas suas
equações polares. Comecemos com os casos mais simples.

A) ρ = r, com r uma constante positiva.


Trata-se da circunferência de centro O e raio r, tal como decorre da definição
(105). Cf. a Figura 20.

Figura 20: Curva de equação ρ = r. Figura 21: Curva de equação θ = α.

B) θ = α, com α uma constante em [0, 2π[.


Trata-se da semi-recta de origem em O que faz com OX um ângulo de α radianos,
tal como decorre também da definição (105). Cf. a Figura 21.

C1) ρ = θ, considerando θ ∈ R+
0.

Neste caso, a curva passa pelo pólo e ρ cresce linearmente com θ. Obtém-se a
curva representada na Figura 22, que é conhecida por espiral de Arquimedes.

56
Figura 22: Espiral de Arquimedes, ρ = θ. Figura 23: Espiral exponencial, ρ = eθ .

C2) ρ = eθ , considerando θ ∈ R+
0.

A curva não passa pelo pólo, pois para θ = 0 vem ρ = 1. Além disso, ρ cresce
exponencialmente com θ e obtém-se a curva representada na Figura 23, que começa
de dentro para fora. Esta curva é conhecida por espiral exponencial.

+
C3) ρ = e−θ , considerando θ ∈ R0 .
A curva não passa pelo pólo, pois para
θ = 0 vem ρ = 1. Desta vez, ρ decresce ex-
ponencialmente com θ e obtém-se a curva !!1,Θ!0
representada na Figura 24, que começa de
fora para dentro. Esta curva é conhecida
por espiral logarı́tmica. Figura 24: Espiral logarı́tmica, ρ = e−θ .

D1) ρ = 1 − cos θ, θ ∈ [0, 2π[.


Como cos θ varia entre −1 e 1, ρ vai variar entre ρmin = 0 (para θ = 0) e ρmax = 2
(para θ = π). Obtém-se a curva da Figura 25, conhecida por cardeóide.

Figura 25: Cardeóide ρ = 1 − cos θ. Figura 26: Cardeóide ρ = 1 + cos θ.

D2) ρ = 1 + cos θ, θ ∈ [0, 2π[.


Com uma análise breve, semelhante à efectuada em F1), btém-se o cardeóide da
Figura 26.

57
D3) ρ = 1 − sen θ, θ ∈ [0, 2π[.
Também agora, com uma análise semelhante à efectuada em F1), btém-se o
cardeóide da Figura 27.

Figura 27: Cardeóide ρ = 1 − sen θ. Figura 28: Cardeóide ρ = 1 + sen θ.

D4) ρ = 1 + sen θ, θ ∈ [0, 2π[.


Mais uma vez, de maneira semelhante, btém-se o cardeóide da Figura 28.
h i h i h i
E1) ρ2 = cos 2θ, θ ∈ 0, π4 ∪ 3π
4 , 5π
4 ∪ 7π
4 , 2π .
Observe-se que o intervalo de variação de θ é aquele onde se tem cos 2θ ≥ 0. Neste
caso, ρ é máximo quando θ = 0 e quando θ = π, caso em que ρ = 1. Analisando a
monotonia de ρ como função de θ, obtém-se a curva da Figura 29, a que se chama
lemniscata.

Figura 29: Lemniscata ρ2 = cos 2θ. Figura 30: Lemniscata ρ2 = sen 2θ.

h i h i
π 3π
E2) ρ2 = sen 2θ, θ ∈ 0, 2 ∪ π, 2 .
O intervalo de variação de θ é aquele onde se tem sen 2θ ≥ 0. A curva é a lemniscata
π 3π
representada na Figura 30, tendo-se ρ = 1 para θ = 4 e para θ = 4 .

 
F1) ρ = | cos 2θ |, θ ∈ 0, 2π .
Agora, ρ será máximo e igual a 1 quando θ = 0, θ = π2 , θ = π, θ = 3π
2 . A curva
está representada na Figura 31 e chama-se rosa de quatro pétalas.

58
Figura 31: Rosa de 4 pétalas, ρ = | cos 2θ |. Figura 32: Rosa de 8 pétalas, ρ = | cos 4θ |.
 
F2) ρ = | cos 4θ |, θ ∈ 0, 2π .
Desta vez, ρ será máximo e igual a 1 quando θ = 0, θ = π4 , θ = π2 , θ = 3π
4 , θ = π,
5π 3π 7π
θ= 4 , θ= 2 eθ= 4 . A curva está representada na Figura 31 e chama-se rosa
de quatro pétalas.
 
G1) ρ = | sen 3θ |, θ ∈ 0, 2π .
A curva está representada na Figura 33 e chama-se rosa de três pétalas.

Figura 33: Rosa de 4 pétalas, ρ = | sen 3θ |. Figura 34: Rosa de 8 pétalas, ρ = | cos 3θ |.
 
G2) ρ = | cos 3θ |, θ ∈ 0, 2π .
A curva está representada na Figura 34 e também é uma rosa de três pétalas.

H) Se agora a curva for dada em coordenadas cartesianas, podemos obter a corres-


pondente equação polar, atendendo às expressões (105).

H1) Circunferência (x − 1)2 + y 2 = 1, de centro C = (1, 0) e raio 1.


Tem-se x2 −2x+1+y 2 = 1, donde x2 +y 2 −2x = 0. Em coordenadas polares,
fica ρ2 − 2ρ cos θ = 0, donde se conclui que ρ = 2 cos θ é a equação polar da
i h dada,h já que ρ = 0 define apenas o pólo. Como ρ ≥ 0, tem-se
circunferência
h
θ ∈ 0, π2 ∪ 3π
2 , 2π . A circunferência está representada na Figura 35.

59
Figura 35: Circunferência passando por O Figura 36: Circunferência passando por O
com diâmetro sobre OX, ρ = 2 cos θ. com diâmetro sobre OY , ρ = 2 sen θ.

H2) Circunferência x2 + (y − 1)2 = 1, de centro C = (0, 1) e raio 1.


A correspondente equação polar é ρ = 2 sen θ, com θ ∈ [0, π]. A circunferência
está representada na Figura 36.

8.4 Áreas planas em coordenadas polares


Em muitas situações, torna-se mais simples trabalhar em R2 com coordenadas polares.
Esta situação ocorre frequentemente no cálculo de áreas de regiões planas, quando a
primitiva da função integranda é complicada. Vamos agora estabelecer uma fórmula
para o cálculo de uma tal área, através de um integral em coordenadas polares.

Suponhamos que pretendemos determinar


a área da região plana A, que é limitada
pela curva de equação ρ = f (θ), com f
contı́nua, e pelas semi-rectas θ = α e
θ = β (cf. a Figura 37). Então, adop-
tando uma estratégia semelhante à que
utilizámos para determinar a área em co-
Figura 37: Região plana A.
ordenadas cartesianas:

(i) Consideramos uma partição P de [α, β] em n subintervalos [θi−1 , θi ], i = 1, 2, . . . , n.

(ii) A região A fica dividida em n fatias, cada uma de amplitude θi − θi−1 (Figura 38).

Figura 38: Região plana A. Figura 39: Fatia elementar Ai .

60
(iii) Aproximamos a área de cada fatia elementar pela área de um sector circular,
começando por observar que (Figura 39)
1 2 1
ρ (θi − θi−1 ) ≤ area(Ai ) ≤ ρ2i−1 (θi − θi−1 ).
2 i 2
Mas ρi = f (θi ) e ρi−1 = f (θi−1 ), donde
1 2 1 2
f (θi ) (θi − θi−1 ) ≤ area(Ai ) ≤ f (θi−1 ) (θi − θi−1 ).
2 2
Como f é contı́nua, resulta que
1 2
área(Ai ) = f (ci ) (θi − θi−1 ).
2
para algum ci ∈ [θi−1 , θi ].

(iv) Fazendo a soma para i = 1, . . . , n e tomando o limite quando a amplitude ||P||


tende para zero, obtemos
Z β
1
área A = f 2 (θ) dθ.
2 α

Exemplo 23
A área do cı́rculo de raio r pode ser obtida com um integral em coordenadas polares,
bastando atender a que, se a circunferência estiver centrada na origem, a sua equação
polar é ρ = r, pelo que
Z 2π
1 1 2 h i2π
área A = r2 dθ = r θ = π r2 .
2 0 2 0

Exemplo 24
A área da região plana A = {(ρ, θ) : 0 ≤ ρ ≤ θ ∧ 0 ≤ θ ≤ 2π}, limitada pela espiral
de Arquimedes (Figura 22), é dada por

1 2π 2
Z
1 1 h 3 i2π 4
área A = θ dθ = θ = π3.
2 0 23 0 3

Exemplo 25
A área da região plana A = {(ρ, θ) : 0 ≤ ρ ≤ 1 + cos θ ∧ 0 ≤ θ ≤ 2π}, limitada pelo
cardeóide ρ = 1 + cos θ (Figura 25), é dada por
Z π Z π
2
área A = (1 + cos θ) dθ = (1 + 2 cos θ + cos2 θ) dθ
0 0

h iπ h iπ 1 Z π
= θ + 2 sen θ + (1 + cos 2θ) dθ
0 0 2 0

1 h iπ 1 h iπ  3π
= π+ θ + sen θ = .
2 0 2 0 2

61
9 Integral Impróprio
Na secção 2 deste capı́tulo apresentámos a definição de integral segundo Riemann, para
uma função limitada que está definida num intervalo limitado. A extensão desta de-
finição aos casos em que o intervalo de integração é não limitado, ou em que a função
integranda se torna não limitada nas vizinhanças de um ponto do intervalo de integração,
conduz à noção de integral impróprio. Assim, diremos que os integrais
Z +∞ Z 1 Z +∞
2 1 1
x dx, dx e dx
0 0 x −1 x2
são todos impróprios. Para estender a definição de Riemann a estes casos, iremos recorrer
à noção de limite.

9.1 Intervalo de integração ilimitado

Neste caso, o integral impróprio diz-se de primeira espécie ou de tipo I. Comecemos


com o caso em que o intervalo de integração é do tipo [a, +∞[ e, a tı́tulo de motivação,
consideremos os integrais
Z +∞ Z +∞
1 1
I= dx e J= dx. (108)
1 x 1 x2
Do ponto de vista geométrico, os integrais y

I e J estão relacionados com a medida y!1!x2


da área das regiões não limitadas situadas
à direita da recta x = 1, acima do eixo
OX, sob o gráfico de cada uma das cur-
vas representadas na Figura 40. Porém,
"
1" " " "

"
tratando-se de regiões com “largura” infi- y!1!x
nita e “altura” que se torna infinitamente x
1
pequena, poderá ser possı́vel atribuir uma
medida à área em causa. Figura 40: Regiões associadas aos integrais I e J.

Para decidir se esta possibilidade se verifica, estudamos os limites


Z b Z b
1 1
L(I) = lim dx e L(J) = lim dx, (109)
b→+∞ 1 x b→+∞ 1 x2

para os quais vem, respectivamente,


h ib 
L(I) = lim ln x = lim ln b − ln 1 = +∞,
b→+∞ 1 b→+∞

1 ib
h  1 
L(J) = lim −
= lim − + 1 = 1,
b→+∞ x 1 b→+∞ b
donde se depreende que apenas fará sentido atribuir significado à área da região relacio-
nada com o integral J, podendo dizer-se que a medida dessa área é igual a 1.
Passemos agora a expor a teoria geral.

62
Caso A. Comecemos por considerar uma função f: [a, +∞[−→ R , que é integrável em
todo o intervalo limitado [a, x] tal que [a, x] ⊂ [a, +∞[.
Z +∞
Dizemos que o integral impróprio f (x) dx é convergente, ou que a função f é
a
integrável em sentido impróprio, se existir o correspondente limite,
Z b
lim f (x) dx,
b→+∞ a
caso em que escrevemos
Z +∞ Z b
f (x) dx = lim f (x) dx .
a b→+∞ a

No caso contrário, em que aquele limite não exite (em R), dizemos que o integral
impróprio é divergente ou que a função f não é integrável em sentido impróprio.

Propriedade 7 [Linearidade]
Sejam α, β ∈ R . Se f e g são integráveis em sentido impróprio em [a, +∞[ então
αf + βg é integrável em sentido impróprio em [a, +∞[ e
Z +∞ Z +∞ Z +∞
[αf (x) + βg(x)] dx = α f (x) dx + β g(x) dx. (110)
a a a

Propriedade 8 [Aditividade]
Sejam a, b ∈ R. Se f é integrável em sentido impróprio em [a, +∞[ então f é integrável
em sentido impróprio em [b, +∞[ e
Z +∞ Z b Z +∞
f (x) dx = f (x) dx + f (x) dx. (111)
a a b

Exemplo 26
Z +∞
1. ex dx é divergente.
0

De facto, estudando o correspondente limite (cf. a Figura 41), vem


Z b
lim ex dx = lim [ex ]b0 = lim (eb − 1) = +∞.
b→+∞ a b→+∞ b→+∞

exp b 1

y ! exp x y ! exp!"x"

1
exp!"b"

! #
b b

Figura 41: Exemplo 26.1 Figura 42: Exemplo 26.1

63
Z +∞
2. e−x dx é convergente e igual a 1.
0

Para o correspondente limite (cf. a Figura 42), vem


Z b
b
e−x dx = lim −e−x 0 = lim (−e−b + 1) = 1.

lim
b→+∞ 0 b→+∞ b→+∞

Exemplo 27 Z +∞
1
Estudemos agora o integral dx , com k uma constante real.
1 xk
• Para k = 1, vem
Z b
1
lim dx = lim [ln x]b1 = lim [ln b − ln 1]b1 = +∞.
b→+∞ 1 x b→+∞ b→+∞

• Já para k 6= 1, vem


b  1−k b  1−k 
−1
Z
1 x b
lim dx = lim = lim ,
b→+∞ 1 xk b→+∞ 1 − k 1 b→+∞ 1−k
e como

lim b1−k = 0, se 1 − k < 0, lim b1−k = +∞, se 1 − k > 0,


b→+∞ b→+∞

resulta
Z b
1 1
lim k
dx = , se k > 1,
b→+∞ 1 x 1−k
(112)
Z b
1
lim dx = +∞, se k < 1.
b→+∞ 1 xk
Z +∞
1
Consequentemente, o integral impróprio dx diverge se k ≤ 1 e converge se
1 xk
k > 1, caso em que Z +∞
1 1
k
dx = .
1 x 1−k

Z b
Caso B. O estudo do integral impróprio f (x) dx, quando f : ] − ∞, b] −→ R
−∞
é integrável em todo o intervalo limitado [x, b] com [x, b] ⊂ ] − ∞, b], é semelhante,
baseando-se no Z b
lim f (x) dx.
a→−∞ a
Para este caso, valem resultados semelhantes aos das Propriedades 7 e 8, com as
adaptações necessárias.

64
Exemplo 28
Z 0
cos x dx é divergente. y ! cos x
−∞
A5 A3 A1
De facto, estudando o limite correspon-
7Π 5Π 3Π Π
dente, vemos que " $$$$$$$$ " $$$$$$$$ " $$$$$$$$ " $$$$
2 2 2 2
A4 A2
Z 0 h i0
lim cos x dx = lim sen x = − lim sen a,
a→−∞ a a→−∞ a a→−∞
Figura 43: Exemplo 28

que não existe porque, sendo a função seno periódica, podemos exibir duas restrições do
seno com limites diferentes. Por exemplo, pondo
 
n π o 3π
A = x ∈ R : x = + 2kπ, k ∈ Z− , B= x∈R: x= + 2kπ, k ∈ Z− ,
2 2

tem-se x ∈ A =⇒ sen x = 1 e x ∈ B =⇒ sen x = −1, pelo que

lim sen x = 1 e lim sen x = −1.


x→−∞ x→−∞
x∈A x∈B

Não seria difı́cil antecipar esta conclusão a partir da Figura 43. Por um lado, se cada
Ai representar a área de uma parte da região (cf. a Figura 43), então

A1 = A5 = 1 e A2 = A3 = A4 = 2.

Por outro lado, como a área de cada região Ai se pode exprimir como um integral de
cos x ou de − cos x , consoante estiver em causa um intervalo onde o cosseno seja positivo
ou negativo, temos por exemplo
Z 0
cos x dx = A5 − A4 + A3 − A2 + A1 = 0,
−4π
Z 0
cos x dx = −A4 + A3 − A2 + A1 = −1,
−7π/2
Z 0
cos x dx = A3 − A2 + A1 = 1,
−5π/2

o que, de imediato, nos leva a intuir que não será possı́vel atribuir um valor ao integral
apresentado.

Z +∞
Caso C. Para analisar o integral impróprio f (x) dx, quando f: ] − ∞, +∞[−→ R
−∞
é integrável em todo o intervalo limitado [x, y], escolhe-se arbitrariamente um ponto
c ∈ R (em geral, considera-se c = 0) e estuda-se separadamente cada um dos integrais
Z c Z +∞
f (x) dx e f (x) dx, (113)
−∞ c

65
como descrito anteriormente. Pela aditividade do integral impróprio (Propriedade 8 e
correspondente adaptação ao caso B), a convergência destes integrais não depende da
Z +∞
escolha do ponto c. Assim, dizemos que o integral impróprio f (x) dx é convergente,
−∞
ou que a função f é integrável em sentido impróprio, se e só se os integrais indicados
em (113) são convergentes. Escrevemos
Z +∞ Z c Z +∞
f (x) dx = f (x) dx + f (x) dx. (114)
−∞ −∞ c

Por outro lado, se algum dos integrais de (113) é divergente, então dizemos que o integral
Z +∞
impróprio f (x) dx também é divergente.
−∞
Para este caso, valem também resultados semelhantes aos das Propriedades 7 e 8, com
as adaptações necessárias.

Exemplo 29
Z +∞
1. ex dx é divergente.
−∞

Basta atender à definição apresentada e ao que vimos no Exemplo 26.


Z +∞
1
2. dx é convergente e igual a π.
−∞ 1 + x2

De facto, por um lado,


Z b
1 π π
lim 2
dx = lim (arctg b − arctg 0) = − 0 = .
b→+∞ 0 1+x b→+∞ 2 2

e, por outro lado, t


Z 0
1  π π
lim dx = lim (arctg 0 − arctg a) = 0 − − = .
a→−∞ a 1 + x2 a→−∞ 2 2

1
Atendendo ao gráfico da função

y!1!"1"x2 #
integranda, e à sua simetria em
relação ao eixo OY (Figura 44),
bastaria ter estudado o integral
impróprio estendido a um dos inter- x
a b
valos [0, +∞[ ou ] − ∞, 0].

Figura 44: Exemplo 29.2.

66
9.2 Função integranda ilimitada

No caso em que a função integranda se torna ilimitada numa vizinhança de algum ponto
do intervalo de integração – um extremo ou um ponto interior – o integral impróprio
diz-se de segunda espécie ou de tipo II.

Caso A. Consideremos uma função f : ]a, b] −→ R que é ilimitada, mantendo-se in-


tegrável em qualquer intervalo [c, b] com [c, b] ⊂ ]a, b]
Z b
Dizemos que o integral impróprio f (x) dx é convergente, ou que a função f é in-
a
tegrável em sentido impróprio, se existir o limite
Z b
lim f (x) dx,
c→a+ c

caso em que escrevemos


Z b Z b
f (x) dx = lim f (x) dx .
a c→a+ c

Quando este limite não exite (em R), dizemos que o integral impróprio é divergente ou
que a função f não é integrável em sentido impróprio.

Também para este tipo de integral impróprio valem resultados semelhantes aos das
Propriedades 7 e 8, com as adaptações necessárias.

Exemplo 30
Z 1
1
1. dx é divergente (Figura 45).
0 x2
A função integranda torna-se ilimitada à direita da origem. Calculamos
Z 1
1 h 1 i1  1
L = lim dx = lim − = lim − 1 + = +∞,
c→0+ c x2 c→0+ x c c→0+ c
donde se conclui que o integral impróprio apresentado diverge para +∞.
y y

"###
y!1! x
y!1!x2
1

1 x
x 1
1

Figura 45: Exemplo 30.1. Figura 46: Exemplo 30.2.

Z 1
1
2. √ dx é convergente (Figura 46).
0 x

67
A função integranda torna-se ilimitada à direita da origem. Calculamos
Z 1 h √ i1
1  √ 
L = lim √ dx = lim 2 x = lim 2 − 2 c = 2,
c→0+ c x c→0+ c c→0+

Z 1
1
pelo que o integral converge, tendo-se √ dx = 2.
0 x
Z 1
1
3. Estudemos, mais em geral, o integral dx , com k uma constante real.
0 xk

• Para k = 1, vem
Z 1
1 h i1
lim dx = lim ln x = lim (− ln c) = +∞.
c→0+ c x c→0+ c c→0+

• Para k 6= 1, vem
1  1−k 1
1 − c1−k
Z  
1 x
lim dx = lim = lim
c→0+ c xk c→0+ 1 − k c c→0+ 1−k
e como

lim c1−k = 0, se 1 − k > 0, lim c1−k = +∞, se 1 − k < 0,


c→0+ c→0+

resulta
Z 1
1 1
lim dx = , se k < 1,
c→0+ c xk 1−k
(115)
Z 1
1
lim dx = +∞, se k > 1.
c→0+ c xk
Z 1
1
Consequentemente, o integral impróprio dx diverge se k ≥ 1 e converge se
0 xk
k < 1, caso em que Z 1
1 1
dx = .
0 xk 1−k

Z b
Caso B. O estudo do integral impróprio f (x) dx, quando f : [a, b[ −→ R é ilimitada,
a
mantendo-se integrável em todo o intervalo [a, c], com [a, c] ⊂ [a, b[, é perfeitamente
análogo, baseando-se no estudo do
Z c
lim f (x) dx.
c→b− a

Valem novamente resultados semelhantes aos das Propriedades 7 e 8, com as adaptações


necessárias.

68
Caso C. O caso em que f : ]a, b[ −→ R é ilimitada, mantendo-se integrável em todo o
intervalo [x, y], com [x, y] ⊂ ]a, b[, reduz-se aos casos anteriores, escolhendo arbitraria-
mente um ponto c ∈ ]a, b[ e estudando separadamente os integrais impróprios
Z c Z c
f (x) dx e f (x) dx, (116)
a a
Z b
como descrito anteriormente (casos A e B). Dizemos que o integral impróprio f (x) dx
a
é convergente, ou que a função f é integrável em sentido impróprio, se e só se os integrais
indicados em (116) são convergentes. Escrevemos
Z b Z c Z b
f (x) dx = f (x) dx + f (x) dx. (117)
a a c
Por outro lado, se algum dos integrais de (116) é divergente, então dizemos que o integral
Z b
impróprio f (x) dx também é divergente.
a

Caso D. Consideremos agora a, b, c ∈ R, tais que a < c < b, e seja f: [a, c[ ∪ ]c, b] −→ R
uma função ilimitada em pelo menos um dos intervalos [a, c[ ou ]c, b], que se mantém
integrável em qualquer intervalo [a, x] com [a, x] ⊂ [a, c[ e em qualquer intervalo [y, b]
com [y, b] ⊂ ]c, b]. Neste caso, estudamos separadamente os integrais impróprios
Z c Z c
f (x) dx e f (x) dx,
a a
Z b
como descrito anteriormente. Dizemos que o integral impróprio f (x) dx é conver-
a
gente, ou que a função f é integrável em sentido impróprio, se e só se estes dois integrais
são convergentes, caso em que escrevemos
Z b Z c Z b
f (x) dx = f (x) dx + f (x) dx. (118)
a a c
Por outro lado, se algum daqueles integrais é divergente, então dizemos que o integral
Z b
impróprio f (x) dx também é divergente.
a

Exemplo 31
Z 2 y
1
1. 2
dx é divergente.
0 (x − 1)

A função integranda torna-se ilimitada em 4


torno do ponto x = 1. Estudamos separa-
y!1!"x"1#2
damente os integrais
1
Z 1 Z 2 x
1 1 1 2 3
I= 2
dx e J = 2
dx .
0 (x − 1) 1 (x − 1) Figura 47: Exemplo 31.1.
Para o primeiro, calculamos
Z c   c   
1 1 1
L(I) = lim dx = lim − = lim − − 1 = +∞,
c→1− 0 (x − 1)2 c→1− x−1 0 c→1− c−1

69
donde se conclui que o integral proposto é divergente (independentemente da na-
tureza do integral J).
Z 1
2. ln |x| dx é convergente.
−1

A função integranda torna-se ilimitada em torno do ponto x = 0. Então estudamos


separadamente os integrais
Z 0 Z 0 Z 1 Z 1
I= ln |x| dx = ln(−x) dx e J= ln |x| dx = ln x dx ,
−1 −1 0 0
y

que possuem a mesma natureza, tendo em y!ln!x!


conta a simetria da figura a respeito do x
-1 1
eixo OY . Estudamos então o integral J,
começando por primitivar por partes,

P(ln x) = x ln x − x + C,

e calculando depois o limite Figura 48: Exemplo 31.2.

Z 1 h i1  
L(J) = lim ln x dx = lim x ln x − x = lim − 1 − c| {z
ln }c +c = −1.
c→0+ c c→0+ c c→0+
(*)

Concluimos que o integral J converge, tendo-se J = −1. O mesmo se passa com


o integral I, tendo-se também I = −1. Consequentemente, o integral proposto
converge e Z 1
ln |x| dx = −2.
−1
(*) Este limite é igual a 0 porque a velocidade com que c tende para 0 é exponencialmente
superior à velocidade com que ln c tende para −∞.

70