Você está na página 1de 5

Dieta inadequada na infância pode

influenciar desenvolvimento escolar


13/08/2008 - 10h38

da Efe, em Londres

Uma dieta inadequada nos primeiros anos da infância pode afetar o


posterior desenvolvimento escolar das crianças, segundo indica um
estudo publicado hoje no Reino Unido.

A pesquisa, realizada por especialistas das universidades inglesas


de Londres e Bristol, assinala que as crianças que aos 3 anos
consumiram muita comida de baixa qualidade nutricional --como
alimentos muito processados ou com alto conteúdo de sal e
açúcar-- progrediam menos no colégio.

Os especialistas descobriram que, em comparação com outras


crianças, as que se alimentaram pior tinham 10% menos
probabilidades de alcançar os níveis de desenvolvimento esperados
entre os 6 e os 10 anos.

Também comprovaram que o regime alimentar em anos posteriores


não tinha tanta influência sobre o desempenho na escola.

O trabalho apresentado hoje se baseou nos dados fornecidos por


um estudo da Universidade de Bristol, que acompanha o
desenvolvimento de 14 mil crianças desde seu nascimento, em
1991 e 1992.

Para chegar a suas conclusões, os pesquisadores levaram em


conta outros fatores que podem afetar o desenvolvimento escolar
infantil, como baixa renda dos pais e más condições familiares.
Segundo a especialista em nutrição Pauline Emmett, da
universidade de Bristol, o estudo mostra uma sólida associação
entre hábitos alimentícios nos primeiros anos de vida e o posterior
desenvolvimento escolar, e indica que as primeiras alimentações
têm efeitos duráveis, à margem de mudanças posteriores na dieta.
"É muito importante que as crianças tenham uma dieta equilibrada
desde a primeira infância, caso queiram tirar o máximo proveito da
educação", ressaltou Emmett.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u432893.
shtml

Diagnóstico de hiperatividade cresce entre


adolescentes nos EUA
24/07/2008 - 14h15

da Reuters, em Chicago

Um número cada vez maior de adolescentes vem sendo


diagnosticado com TDAH (transtorno do déficit de atenção e
hiperatividade) nos Estados Unidos, indicou o governo americano.

Um estudo do Centro de Prevenção e Controle de Doenças


concluiu que o número de diagnosticados com TDAH entre 12 e 17
anos subiu 4% entre 1997 e 2006. Já na faixa etária dos 6 aos 11
anos não houve alteração significativa.

O relatório utilizou dados de uma pesquisa nacional com


informações coletadas entre 2004 e 2006 sobre 23 mil crianças e
adolescentes com idades entre 6 e 17 anos.

De um modo geral, aproximadamente 5% dos pesquisados foram


diagnosticados com TDAH, um distúrbio que geralmente se
evidencia na pré-escola e nos primeiros anos de estudo. Crianças
com o problema têm dificuldades para controlar seu comportamento
e para se concentrar.

Os pesquisadores estimaram que 4,5 milhões de crianças norte-


americanas em idade escolar (5 a 17 anos de idade) sofrem do
problema. O índice de meninos é mais de duas vezes superior ao
de meninas com TDAH, e as crianças hispânicas tendem a
apresentar índice menor do que as não-hispânicas (brancas ou
negras) no país.

O estudo não aponta as causas do crescimento do diagnóstico do


transtorno entre adolescentes frente ao percentual estável entre as
crianças, mas sugere que os mais velhos tenham mais chances de
passar por avaliação profissional.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u425819.
shtml

Índice de exercício de adolescentes é 27


vezes menor do que de crianças
16/07/2008 - 14h38

LINDSEY TANNER
da Associated Press, em Chicago

Um grande estudo realizado nos Estados Unidos mostra que as


crianças americanas se tornam preguiçosas quando se tornam
adolescentes. Enquanto 90% das que têm 9 anos praticam
atividades físicas por duas horas na maioria dos dias, menos de 3%
o fazem quando chegam aos 15 anos.

O estudo, publicado no "Journal of the American Medical


Association", teve participação de cerca de 1.000 crianças com
idades variadas, entre 2000 e 2006. Ele aponta ainda que os
meninos são mais ativos do que as meninas em todas as idades.

A pesquisa sugere também que menos de um terço dos


adolescentes dessa idade se exercitam dentro do mínimo
recomendado pelo governo – uma hora de exercício moderado a
intenso, como ciclismo, caminhada rápida, natação ou cooper.
O resultado levanta preocupação quanto à continuidade do
sedentarismo na idade adulta, o que aumenta o risco de problemas
de saúde.

"As pessoas não vêem esse cenário como a crise que de fato
representa", afirma Philip Nader, pediatra e professor emérito da
Universidade da Califórnia, em San Diego. Para ele, a conclusão
"dramática" está relacionada a mudanças nas escolas e ao uso de
computadores e videogames.

O sedentarismo está relacionado a problemas como doenças


cardíacas, obesidade, hipertensão e diabetes.
A divulgação do estudo ocorre uma semana após um importante
grupo de pediatras recomendar que mais crianças tenham seu nível
de colesterol checado e que algumas com até oito anos sejam
medicadas com drogas para baixar o nível do lipídio.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u423000.
shtml

---------------------------------

Vivemos mesmo tempos difíceis!


Os pais tomam “Prozac”, e os filhos .... “Ritalina”!!!
Pode uma coisa destas???????

Informe-se!
---------------------------------

Na natureza, ... bem antes de existir a luz elétrica, o ser humano


ia dormir logo que o Sol se escondesse no horizonte. Por milhões
de anos, sempre foi assim que as coisas aconteceram!
Hoje, com TV, TC à cabo, internet, cinema, shopping, as cidades
sempre iluminadas... e a poluição sonora, quem é que se lembra de
ir deitar mais cedo, para dar ao seu corpo, a oportunidade dele se
refazer dos desgastes naturais do dia-a-dia??? A toxicidade pela luz
artificial, e o hábito de ir dormir tarde, estão entre os principais
fatores de tanta paranóia e várias enfermidades do mundo
moderno(!): obesidade, diabetes tipo 2, hipertensão, doenças
cardíacas, ataques cardíacos, ezquizofrenia, paranóias em geral,
depressão, ansiedade, síndrome do pânico, etc...
Prozac, Ritalina, e centenas de outros medicamento sintéticos – as
terríveis drogas fabricadas pelos laboratórios farmacêuticos – na
verdade estão somente adiando uma “tragédia” muito maior, ... são
“remedinhos” ... temporários ... porque o que vem por aí é coisa de
doido!...

Tire um tempinho, e medite sobre estes temas: sono-reparador,


alimentação correta, meditação e atividade física regular.

-------------