Você está na página 1de 1

Tropicalismo

A Tropicália, Tropicalismo ou Movimento tropicalista foi um movimento


cultural brasileiro que surgiu sob a influência das correntes artísticas de vanguarda e da
cultura pop nacional e estrangeira (como o pop-rock e o concretismo); mesclou
manifestações tradicionais da cultura brasileira a inovações estéticas radicais.
Tinha também objetivos sociais e políticos, mas principalmente
comportamentais, que encontraram eco em boa parte da sociedade, sob o regime militar,
no final da década de 1960. O movimento manifestou-se principalmente na música
(cujos maiores representantes foram Caetano Veloso, Torquato Neto, Gilberto Gil, Os
Mutantes e Tom Zé); manifestações artísticas diversas, como as artes plásticas (destaque
para a figura de Hélio Oiticica), o cinema (o movimento sofreu influências e influenciou
o Cinema novo de Gláuber Rocha) e o teatro brasileiro (sobretudo nas peças anárquicas
de José Celso Martinez Corrêa). Um dos maiores exemplos do movimento tropicalista
foi uma das canções de Caetano Veloso, denominada exatamente de "Tropicália".

Poesia Marginal
Na década de 1970 não era raro encontrar em portas de bares, teatros e
cinemas de grandes cidades brasileiras alguns poetas vendendo seus livros, em geral
produzidos com parcos recursos gráficos. O conteúdo desses volumes perpetuou-se na
memória dos leitores e dos críticos literários sob a denominação de poesia marginal.
"Poesia marginal é um movimento cultural fundado nos anos 1970 num
momento de exceção no país", afirma o carioca Ricardo Carvalho Duarte, ou
simplesmente Chacal. Esse momento de exceção diz respeito à ditadura militar vigente
no país a partir de 1964, e que teve sua fase mais contundente no mesmo período em
que os poetas marginais escancaravam ao público suas diferentes vozes literárias,
muitas vezes dissonantes entre si.