Você está na página 1de 8

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE

PORTUGAL
Planificação Curricular – 6.º Ano

ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS CASTRO MATOSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRINHA


HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 2008
Escola Básica do 2º e 3º Ciclos Castro Matoso
Departamento de Ciências Humanas e Sociais
Planificação Curricular – 6.º Ano

Aulas Previstas
Turmas / Professores 1.º Período 2.º Período 3.º Período
6.º A – Abílio Neto 38 33 27
6.º B – Rosa Pires 38 33 27
6.º C – Rosa Pires 38 33 27
6.º D – Abílio Neto 42 35 27

Competência Histórica em História e Geografia de Portugal – 2.º Ciclo


• Situa-se no país e no mundo em que vive, aplicando noções operatórias de tempo e de espaço.
• Utiliza conhecimentos básicos sobre a realidade portuguesa, do presente e do passado, aplicando as noções de
evolução e multicausalidade.
• Aplica, na abordagem da realidade física e social, técnicas elementares de pesquisa e a organização sistemática de
dados, utilizando técnicas diversas de comunicação.
• Explica e valoriza elementos do património histórico português.
• Manifesta respeito por outros povos e culturas.

Competências específicas
Tratamento de informação/utilização de fontes
Utiliza técnicas de investigação; interpreta informação histórica diversa e com diferentes perspectivas.
Compreensão histórica
• Temporalidade
Aplica os conceitos de mudança/permanência na caracterização das sociedades que se constituíram no espaço português em
diferentes períodos; identifica, localiza no tempo e caracteriza alterações significativas da sociedade portuguesa; estabelece
relações passado presente, especificando contributos para o Portugal contemporâneo, utilizando correctamente o vocabulário
específico da disciplina.
• Espacialidade
Conhece a localização relativa do território português; caracteriza os principais contrastes na distribuição espacial das
actividades económicas e formas de organização do espaço português em diferentes períodos, utilizando correctamente
vocabulário específico da disciplina, bem como técnicas adequadas de expressão gráfica.
• Contextualização
Distingue características concretas de sociedades que se constituíram no espaço português em diferentes períodos e
estabelece relações entre os seus diversos domínios, utilizando correctamente o vocabulário específico da disciplina
Comunicação em História
Utiliza adequadamente linguagem própria da disciplina, bem como das diferentes áreas do saber cultural, científico e
tecnológico para se expressar; usa correctamente a língua portuguesa para comunicar adequadamente e para estruturar o
pensamento próprio.

 Trabalho com fontes de diversos tipos e com múltiplas perspectivas dos


diferentes períodos, para conhecimento das ideias, valores e atitudes
características de cada sociedade e época.
 Observação, caracterização e interpretação de gravuras, fotografias,
vídeos/filmes e objectos referentes a vários domínios da vida estudada das
sociedades, nas várias épocas
( organização/actividades económicas; organização política; estrutura
Situações de aprendizagem social; aspectos culturais e artísticos ).
 Organização do Atlas da Aula.
 Apropriação e emprego de conceitos e vocabulário de suporte às
representações e construção de relações de temporalidade.
 Construção do Friso Cronológico.
 Seriação, ordenação e comparação de factos, acontecimentos, situações,
objectos ou processos, através de quadros, mapas, gráficos, tabelas, que
proporcionem a explicitação de mudança, continuidade e simultaneidade.

 Interesse e participação no diálogo.


 Capacidade de recolher e tratar diferentes tipos de informação.
 Capacidade de análise de mapas, esquemas e árvores genealógicas.
 Capacidade de comunicação escrita e oral.
 Capacidade de intervenção e argumentação.

Professores: Abílio Neto / Rosa Pires Página 2


HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 2008
Escola Básica do 2º e 3º Ciclos Castro Matoso
Departamento de Ciências Humanas e Sociais
Planificação Curricular – 6.º Ano

Parâmetros de avaliação.  Cooperação e gosto pelo trabalho.


 Capacidade de recolha de informação a partir do texto e imagem.
 Capacidade de mobilização de conhecimentos.
 Capacidade de estabelecer comparações entre diferentes épocas.
 Capacidade de cooperação e entreajuda.
 Capacidade de aquisição de técnicas de investigação.
 Capacidade de emitir opiniões fundamentadas.
 Empenhamento demonstrado na realização de tarefas.
 Aplicação de técnicas e métodos de estudo.
 Desenvolvimento da autonomia e espírito crítico.
 Utilização das TIC.
 Verificação da aquisição de conhecimentos.

Critérios de avaliação.

 Compreensão de noções essenciais.


 Conhecimentos de factos históricos e da realidade
física.
 Capacidade de relacionação de factos.
Competências Específicas  Capacidade de interpretação de fontes históricas e de 75%
elementos físicos.
 Domínio de procedimentos e técnicas simples de
pesquisa.
 Comunicação.

 Métodos de trabalho e de estudo. 15%

Competências Transversais
 Valores e atitudes:
• Participação
• Sociabilidade 10%
• Responsabilidade
• Autonomia

Tema: Portugal no passado.


Conteúdos Níveis de desempenho Conceitos Calendarização/Momentos
de Avaliação

Unidade: O império colonial  Evidenciar a importância que o


português do século XVIII Brasil teve neste período, no Cristão-novo 1.º Período
• a extensão dos conjunto das colónias
territórios portuguesas; Inquisição
• Recursos naturais e  Referir as principais actividades
actividades económicas, no Reino e no Monarquia
económicas Brasil, a partir do estudo de absoluta
• Os movimentos da exemplos da vida quotidiana;
população; o tráfico  Relacionar a intensificação das
de escravos correntes migratórias para o
Brasil com a cultura do açúcar
- A sociedade portuguesa e a exploração mineira;
no tempo de D. João V  Caracterizar, através de
- A Lisboa pombalina exemplos da vida quotidiana, a
sociedade portuguesa no
tempo de D. João V, referindo
nomeadamente, o papel da
Inquisição;
 Identificar, a propósito da
abordagem da vida quotidiana
no tempo de D. João V,

Professores: Abílio Neto / Rosa Pires Página 3


HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 2008
Escola Básica do 2º e 3º Ciclos Castro Matoso
Departamento de Ciências Humanas e Sociais
Planificação Curricular – 6.º Ano

exemplos de manifestações do
poder absoluto (o fausto da
Corte, as cerimónias públicas e
as construções monumentais);
 Salientar, no estudo da vida em
Lisboa no tempo do Marquês, o Avaliação Formativa
papel centralizador e o carácter Avaliação Sumativa
inovador da sua acção,
nomeadamente na organização
do espaço da Lisboa
reconstruída.
Unidade: 1820 e o
liberalismo.
As invasões napoleónicas: Cortes
 Reconhecer «novas ideias»
• A saída da corte para Constituintes
políticas defendidas pela
o Brasil. Revolução Francesa.
• A resistência aos  Relacionar a retirada da corte
invasores e a Constituição
portuguesa para o Brasil com a
intervenção inglesa. 1.ª invasão napoleónica.
 Reconhecer a participação das Monarquia liberal
populações na resistência aos
invasores.
 Identificar o itinerário das três Guerra Civil
invasões francesas.
 Identificar estratégias militares
de resistência aos invasores.
A revolução liberal de 1820:
 Situar no tempo e no espaço o
• O movimento
período em estudo.
revolucionário.
 Enumerar razões que
• A acção das cortes
estiveram na origem da
constituintes. Revolução Liberal.
• A independência do
 Reconhecer a acção de
Brasil. indivíduos ou grupos que
participaram no movimento
revolucionário.
 Autenticar a importância da
intervenção dos deputados nas
Cortes.
 Identificar os princípios de
igualdade e liberdade
presentes na Constituição de
1822.
 Compreender diferenças entre
monarquia absoluta e
monarquia liberal.
 Tomar conhecimento da
independência do Brasil e das
A luta entre liberais e suas causas próximas.
absolutistas.  Constatar a existência de
grupos rivais na sociedade
portuguesa
Avaliação Formativa
(absolutistas/liberais).
Avaliação Sumativa
 Situar no tempo e no espaço os
principais acontecimentos da
guerra civil.

Baldio
2.º Período
Unidade: Portugal na  Reconhecer algumas situações Pousio
segunda metade do século de empobrecimento e atraso do
XIX. país na primeira metade do Indústria

Professores: Abílio Neto / Rosa Pires Página 4


HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 2008
Escola Básica do 2º e 3º Ciclos Castro Matoso
Departamento de Ciências Humanas e Sociais
Planificação Curricular – 6.º Ano

A modernização do país: século XIX.


• Os recursos naturais  Conhecer medidas que Numeramento
e as inovações levaram ao desenvolvimento e
tecnológicas. modernização da agricultura na Recenseamento
segunda metade do século XIX.
 Reconhecer as vantagens da Crescimento da
mecanização da indústria. população
 Reconhecer as difíceis
condições de trabalho dos Êxodo rural
operários no século XIX.
 Relacionar a altura das Mobilidade
chaminés das fábricas do
século XIX com as Operariado
preocupações ambientais da
época.
 Enumerar diferenças entre
produção artesanal e produção
industrial.
 Reconhecer a importância da
modernização dos transportes
e comunicações para o
desenvolvimento da indústria.
• Transportes e
comunicações.  Identificar o comboio como
meio de transporte mais
importante do século XIX.
 Relacionar a evolução da rede
ferroviária com o aumento do
transporte de pessoas e
mercadorias.
 Enumerar construções do
século XIX que facilitaram as
comunicações.
 Verificar inovações na
comunicação de ideias e
informações.
 Situar no tempo as principais
inovações.
• O estudo da
população e as  Conhecer causas do
medidas no domínio crescimento da população ao
da educação. longo do século XIX.
 Mobilizar conhecimentos
adquiridos quanto às razões da
concentração de população em
determinadas zonas.
 Conhecer algumas medidas
dos governos liberais no âmbito
do ensino e da justiça.
 Manifestar atitudes de respeito
pela pessoa humana, a
propósito da abolição da
A vida quotidiana: escravatura e da pena de
• A vida quotidiana no morte.
campo.
 Constatar formas de
organização do espaço rural.
 Reconhecer a existência de
diferenciações sociais.
 Conhecer aspectos da vida
quotidiana dos camponeses no
século XIX.
 Constatar o grande surto de

Professores: Abílio Neto / Rosa Pires Página 5


HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 2008
Escola Básica do 2º e 3º Ciclos Castro Matoso
Departamento de Ciências Humanas e Sociais
Planificação Curricular – 6.º Ano

emigração na segunda metade


do século XIX:
 Razões da emigração
 Áreas de saída
• A vida quotidiana nas  Países de destino.
grandes cidades.
 Constatar formas de
organização do espaço
urbano.
 Identificar serviços públicos
surgidos nas grandes cidades.
 Conhecer aspectos da vida
quotidiana da burguesia
urbana no século XIX.
 Conhecer aspectos da vida
quotidiana das classes
populares urbanas no século
XIX.
 Reconhecer a existência de
grandes contrastes sociais
nesta época. Avaliação Formativa
 Compreender as razões que Avaliação Sumativa
levaram às primeiras greves
do operariado.
 Reconhecer a existência de
novas fontes de informação a República
partir do século XIX.
Unidade: A revolução Alfabetização
republicana.
 Identificar motivos que Sindicato
 A acção militar no 5
de Outubro e a queda levaram à Revolução de 5 de
Outubro. Greve
da monarquia.
 A 1.ª República.  Destacar os principais episódios
ocorridos em 5 de Outubro de 1910, a
 A Constituição
acção popular no apoio aos
Republicana.
republicanos e a desorganização do
 As principais medidas
exército fiel à monarquia.
no domínio da
educação e do  Relacionar a Revolução de 5
trabalho. de Outubro com a queda do
regime monárquico e a
 O movimento sindical.
instauração de um regime
 A instabilidade republicano.
governativa.
 Destacar os princípios
consignados na Constituição
de 1911, que caracterizam um
regime de tipo republicano.
 Referir algumas figuras
relevantes da 1.ª República,
nomeadamente António José
de Almeida e Afonso Costa.
 Mencionar, as medidas
tomadas no campo do ensino,
o aumento e a gratuitidade da
escolaridade obrigatória e a
criação de novos cursos.
 Destacar, como principais
medidas no domínio do Avaliação Formativa
trabalho, a institucionalização Avaliação Sumativa
do direito à greve, de um dia
de descanso

Professores: Abílio Neto / Rosa Pires Página 6


HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 2008
Escola Básica do 2º e 3º Ciclos Castro Matoso
Departamento de Ciências Humanas e Sociais
Planificação Curricular – 6.º Ano

semanal e as oito horas de Ditadura


trabalho diário. 3.º Período
 Efectuar uma breve referência Censura
ao aumento da imprensa.
Unidade: Os anos da Liberdade de
ditadura. expressão
 O golpe militar de 28 • Identificar motivos que levaram
de Maio. Oposição política
ao golpe militar de 28 de Maio,
 Salazar e o Estado efectuando uma breve Guerra colonial
Novo: referência a episódios ocorridos
 A política de obras e às principais figuras nele
públicas. envolvidas.
 As restrições às • Relacionar o golpe militar de
liberdades. 28de Maio com a queda da
1.ªRepública e a instauração de
 A oposição ao Estado uma ditadura militar.
Novo.
 A guerra colonial • Efectuar referência à acção de
Salazar no saneamento
financeiro e à política de obras
públicas do estado Novo.
• Evidenciar, como
características de ditadura de
Salazar, a ausência de
liberdades de expressão e de
Avaliação Formativa
reunião, a censura prévia, a
Avaliação Sumativa
polícia política, a repressão ao
movimento sindical e a
existência de um partido único.
Democracia
• Referenciar episódios e
movimentos organizados de Descolonização
resistência ao Estado Novo,
relacionando-os com as Direito de voto
restrições às liberdades e as
Unidade: O 25 de Abril e a condições de vida. Poder central
construção da democracia.
Governo
 A acção militar e
popular em 25 de  Identificar motivos que levaram
à Revolução de Abril. Assembleia da
Abril. República
 A independência das  Referenciar, de forma breve, os
colónias. principais episódios ocorridos Região
em 25 de Abril. autónoma
 A constituição de
1976 e o  Evidenciar a acção de figuras
que se destacaram na Poder local
restabelecimento da
democracia. Revolução de Abril e as
movimentações populares de Autarquia
adesão.
Câmara
 Destacar, como consequências Municipal
do 25 de Abril, o
restabelecimento da Junta de
democracia, a descolonização Freguesia
e a Constituição de 1976.
 Evidenciar como aspectos
importantes consignados na
Constituição, a garantia dos
direitos e liberdades
individuais, a
institucionalização do poder
local e a participação directa Avaliação Formativa
dos cidadãos na vida política Avaliação Sumativa

Professores: Abílio Neto / Rosa Pires Página 7


HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 2008
Escola Básica do 2º e 3º Ciclos Castro Matoso
Departamento de Ciências Humanas e Sociais
Planificação Curricular – 6.º Ano

do País.
 Identificar órgãos do poder
local (câmara municipal e junta
de freguesia) e órgãos de
poder central (Presidente da
República,
Governo e Assembleia da
República), distinguindo-os.
 Identificar os órgãos
representativos do poder nas
regiões autónomas.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

• Compreensão de noções
essenciais.
• Conhecimento de factos
históricos e da realidade
física.
Competências Específicas • Capacidade de 75%
relacionação de factos.
• Capacidade de
interpretação de fontes
históricas e de
elementos físicos.
• Domínio de
procedimentos e
técnicas simples de
pesquisa.
• Comunicação.

• Métodos de trabalho e
Competências Transversais de estudo. 25%
• Relação interpessoal e
de grupo.

Professores: Abílio Neto / Rosa Pires Página 8

Você também pode gostar