Crase Em sentido amplo, crase é a pronúncia contraída de dois fonemas iguais e adjacentes.

Por exemplo: no enunciado seus sapatos temos dois fonemas /s/ adjacentes. A tendência do falante é realizar uma pronúncia contraída desses fonemas que, em muitos casos, chega aos ouvidos do receptor como um único fonema. O fenômeno da crase é muito comum na fala. Basta que dois fonemas iguais ocorram adjacentes. Isso se dá com freqüência nas fronteiras de palavras, quando o fonema final da primeira se repete no início da seguinte. Percebemos a crase em enunciados como: as sete espadas /ásétêspádás/ os céticos sábios /ôsétikôsábiôs/ o ouro ornava a aba /ôurôrnávábá/ Um dos princípios básicos de nossa ortografia é a segmentação do texto palavra a palavra, que parte da suposição que a realização oral do discurso se dá com pausas entre as palavras. Sabemos que isso não ocorre na fala cotidiana, mas há um princípio de produtividade aceitável em favor da prática da segmentação palavra a palavra na escrita. Escrevemos supondo que a palavra é pronunciada isoladamente. Com isso, ganhamos uma maior uniformidade na escrita, evitando que a mesma palavra possa ser representada de formas diferentes dependendo do contexto em que é proferida. A conseqüência dessa convenção é que nossa escrita ignora o fenômeno da crase. No entanto, há um caso particular em que representamos a crase na escrita. Para isso, fazemos uso do acento grave. Acento grave Representamos a crase somente na contração da preposição a com o fonema /á/, se este formar o artigo feminino definido (a, as), ou o demonstrativo aquele e suas flexões (aqueles, aquela, aquelas, aquilo). Veja alguns exemplos: * Dirija-se a a recepção. Dirija-se à recepção. * Refiro-me a aquele livro. Refiro-me àquele livro. * Obediência a as leis. Obediência às leis.

As frases parecem similares. Viagem à Bahia. Vamos analisar as frases a seguir. Podemos perceber melhor a presença ou a ausência do artigo criando frases alternativas. Viagem à Bahia. * Viagem até Bahia. Viagem a Brasília. Viagem a Atenas. nem sempre é fácil identificar corretamente a contração a+a. Observe que a representação da crase não se estende a outros casos de contração de dois fonemas /á/ contíguos. Essa aparente similaridade confunde os redatores. As dificuldades no uso do acento grave O uso do acento grave costuma confundir até os redatores experientes. Já. a palavra Bahia ocorre precedida por artigo.* Viagem a a Bahia. ou seja. Viagem até a Bahia. Não é válido usar crase em situações como no exemplo a seguir: * Viagem Àtenas. devido às sutilezas de nossa estrutura gramatical. A crase de dois fonemas /á/ é representada substituindo a+a por à. ou craseado. Vamos fazer isso permutando a preposição a por até. o melhor é tentar gerar frases similares que nos dêem uma idéia mais clara sobre a estrutura sintática da frase. não. . Isso acontece porque. A dúvida aqui está em saber se o artigo está presente ou não e se temos contração. Soa estranho dizer: * Viagem até a Brasília. Respondo à diretoria. Viagem até Brasília. mas em uma temos contração e em outra. Respondo a pergunta. Em situações assim. pelo a com acento grave. Outra situação que costuma gerar dúvidas está exemplificada nas frases a seguir. A palavra Brasília não é precedida por artigo em frases como a do exemplo.

então ocorre crase. Para tirar a dúvida. zelar. Fazendo isso.Aqui. Em muitos casos. temos que observar em que sentido o verbo está sendo empregado. a dúvida que pode surgir é quanto à presença da preposição a na estrutura das frases. Um deles é permutar o substantivo feminino que sucede a provável contração por um similar masculino. Nesse exemplo. Se fazendo a permuta. . mas no sentido de acompanhar como espectador. O médico assistiu a paciente. pois temos preposição + artigo. O redator. Artifícios para testar o uso da crase Podemos usar vários artifícios para analisar a estrutura da frase e assim determinar se usaremos crase ou não. Exemplo: Refiro-me à sua prima. Respondo à diretoria. atender não é seguido de preposição. Respondo a pergunta. a palavra diretoria forma o objeto indireto (a quem respondo). logo temos preposição. O médico assistiu à peça teatral. Respondo o teste. tivermos que usar ao. Fui ao campo. precisamos analisar a estrutura sintática. nessas circunstâncias. Respondo ao conselho de administração. Na segunda frase. Com isso verificamos a presença do artigo feminino. a palavra pergunta é objeto direto da frase (o que respondi). Fui à praia. Outro artifício para verificar a presença do artigo feminino consiste em substituir a preposição a por outra de mesmo efeito. vamos perceber que na primeira frase. Assistir no sentido de cuidar. Refiro-me a sua prima. a presença do artigo ou da preposição é opcional. logo não temos preposição. será seguido de preposição. fica livre para usar o acento grave ou não.

Veja que a crase só ocorre com palavras femininas. portanto. O segundo "a" é um artigo.Vire à esquerda. O à inclui na verdade dois "a a". Vire para a esquerda. mas sim. Como se vê. pois o artigo masculino é "o". que acompanha o substantivo "baile". Observe: Fomos a a balada. O primeiro "a" tem o mesmo significado da preposição "para". Infelizmente. que acompanha ao verbo ir ("ir a algum lugar". Veja: Fomos ao baile. Uso da crase por Marcos Elias A crase ocorre quando duas vogais idênticas se fundem. Fomos para a balada. ou seja. só o convívio com o idioma nos traz a fluência no uso de ambos e. do acento grave. ocorrendo. que acompanha a locução adverbial "minuto seguinte". decomponto o "à". neste caso (e em muitos outros). "a + a". Usamos o acento grave: ` Veja: Eu cheguei no minuto seguinte à discussão. em saber quando se usa a preposição a e o artigo definido feminino. Na dúvida se é necessário usar a crase ou não. conseqüentemente. Se entrar o artigo "o". ocorreria a crase: Fomos à balada. Trocando "baile" por "balada". experimente trocar a palavra por uma masculina. uma palavra feminina. então na forma feminina entraria o artigo "a". a dificuldade não está precisamente no uso do a craseado. Veja que. temos "aa". A crase pode ocorrer também no início de algumas palavras. que acompanha a palavra "discussão". Corresponderia a: Eu cheguei no minuto seguinte a a discussão. Um exemplo rápido: . O "ao" é a junção da preposição "a". O primeiro "a" é uma preposição. de forma que a junção fica "a + o = ao" e não "a + a = aa = à". a crase. com o artigo "o". "ir para algum lugar").

então a frase original no feminino terá crase. Se após a substituição o A for substituído por AO. "Vou à feira comprar legumes. pois nunca se usa o artigo "a" diante de palavras masculinas. No exemplo acima. E não se esqueça: nunca se usa crase diante de palavras masculinas. Marcadores: crase domingo. mas a idéia básica é essa. Troque a palavra por um substantivo masculino. Ao invés de AA. Exemplo: (substantivo feminino: A Feira) Vou a algum lugar -> Vou a+a feira -> Vou à feira comprar legumes. (àquela sala = a aquela sala = para aquela sala) Existem outras situações. não terá crase).truque: troque por masculino A + O=AO A + A = À (crase) A crase é a é a junção da preposição A com o artigo A. a crase só é utilizada por via de regra quando a palavra que a segue é um substantivo feminino. Entendido isso. então no feminino entra a crase. que precede substantivos femininos.". a frase ganhou o AO. podemos ter a certeza de que a . utiliza-se a crase. (ao salão = para o salão) Leve este livro à sala.Leve este livro ao salão. trocamos o substantivo feminino "a feira " pelo masculino "o supermercado". (à sala = para a sala) Leve este livro àquela sala. Assim. trocando o substantivo feminino a feira pelo masculino o supermercado. (substantivo masculino: O supermercado) Vou a algum lugar -> Vou a+o supermercado -> Vou ao supermercado comprar legumes Nesse caso. fica fácil entender quando usar a crase.Logo. Um truque que ajuda a identificar se determinada frase leva crase ou não é trocar a palavra que segue a crase por um substantivo masculino (se já for masculino. Se ficar "ao". 13 de dezembro de 2009 Uso da Crase .

De segunda-feira a sexta-feira. Quando não usar crase: • • • • • • Obras a 500 metros. A partir de hoje . Estou à sua disposição. Saímos à noite. Bacalhau à moda da casa. Exemplo: Vou à feira na carroça da minha tia. feliz dia das mães a todas as mães.) . Note que EM+A=NA. Estou ao seu dispor.. Nota: Apesar de ser comum ler-se "Vou na feira".frase original leva crase.. A poucos metros de distância Feliz natal a todos (próspero ano novo a todos. descanso. esta forma estaria correta apenas se a Feira fosse uma égua e você estivesse indo a algum lugar montado nessa tal de Feira. Outros exemplos: • • • • • • • • O almoço é servido às 13 horas.. Saímos ao anoitecer.. O almoço é servido ao meio-dia. De uma a dez pessoas. feliz páscoa a todos. Bacalhau ao estilo do chefe. escreveremos "a partir de" sem crase.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful