SUMÁRIO PÁGINA 1 1.1 1.2 1.3 1.4 2 2.1 2.2 2.2.1 2.2.2 2.3 2.3.1 2.3.2 2.4 2.

5 3 INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA A logística antes de 1950 A logística entre 1950 e 1980 A logística entre 1980 e 2000 O conceito atual da logística ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Processamento de pedidos Administração de estoque Mecanismos de análise de estoque Métodos de previsão de demanda Controle de estoque Custos de estoque Métodos de avaliação de estoque Administração de armazém Administração de transporte CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 02 02 07 07 09 12 12 14 16 19 21 25 29 31 46 49 50

2 1 INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA Neste capítulo tratamos da origem da logística, da sua história, das operações logísticas mais importantes já executadas, do desenvolvimento pós-guerra e sua expansão para diversas áreas industriais e de serviços. Finalizamos o capítulo com o conceito atual da logística, sua atuação nas empresas, os ramos da logística e propostas de definição do termo logística. 1.1 A logística antes de 1950 Várias são as origens da palavra logística. As raízes etimológicas da logística datam do século IX a.C. da antiga Grécia. A palavra grega “lego” significa pensar e “logizmati” significa calcular, refletir, considerar. “Logos” é o substantivo para sabedoria, raciocínio e arte de calcular. Os romanos chamavam de “logistika”o funcionário que era responsável pela administração financeira e alimentícia do Estado. Este mesmo termo era usado na Idade Média para descrever a arte prática do cálculo matemático. A palavra “loger” do francês barroco significa hospedar-se, hospedar alguém ou morar. O imperador bizantino Leontos VI (886-911 d.C.) compôs a primeira obra literária chamada o sumário dos aspectos da arte de guerra (institutos militares leonitos) aproximadamente 900 d.C., em que é mencionada a primeira definição da logística. Ele descreve que “é função da logística pagar o soldo do exército, equipá-lo e organizá-lo adequadamente com artilharia e todas as armas necessárias, cuidar das suas necessidades suficiente e oportunamente e preparar detalhadamente cada ato da campanha militar. Ela deve calcular espaço e tempo, estimar corretamente o terreno em relação ao movimento das tropas e à força de resistência do adversário, e baseado nisto, organizar e agrupar o movimento e a distribuição das próprias tropas”. Encontramos nesta definição a logística como uma função do espaço e do tempo. Até 1950 o termo logística era aplicado quase exclusivamente na área militar. As funções da logística eram o equipamento e o armamento do exército e o planejamento e preparação das campanhas militares. Conhece-se o título de oficial major général des logis da organização militar francesa de 1638. Em seu livro compêndio da arte de guerra, Henri Jormini (1779-1869) caracteriza logística como forma de aquartelar-se e como abastecimento das tropas. Esta obra foi traduzida para o inglês em 1862. O uso praticamente exclusivo do termo logística na área militar continuou até 1950. Em todas as operações militares a logística exerceu um papel decisivo. Praticamente todas as batalhas na história foram decididas através da logística. Uma campanha militar sem o planejamento logístico adequado de todas as preparações necessárias ou sem suprimentos suficientes para as tropas significava a derrota. As duas operações logísticas mais importantes da história serão apresentadas a seguir, são a construção das pirâmides egípcias entre 4500 e 2500 a.C. e a invasão das tropas aliadas na Normandia em 1944 durante a Segunda Guerra Mundial. A construção das pirâmides Na história existem também muitos exemplos da logística na área civil. De fato, o diadia era marcado pela logística, o abastecimento da população, as construções e outras atividades são exemplos da presença da logística.
Administração de Materiais e Logística Empresarial

3 O exemplo mais impressionante na história é o papel da logística na construção das pirâmides no Egito. Existem centenas de pirâmides no mundo, a maioria no Egito e no Sudão. Foram construídas entre 4500 e 2500 a.C.

Pirâmide Quéops no Egito

Área de Gizé no Egito

A maior pirâmide Quéops ocupa uma área de 53.000 m2, igual a mais de cinco campos de futebol. Alcança uma altura de 146,59 metros e as quatro bases medem em média 230,37 metros. A exatidão da construção é impressionante: o desvio médio das quatro bases é de somente 8,7 ‰ (por mil) e a orientação norte somente desvia de 0°3’6’’ . O ângulo da subida é de 51°50’40’’ Na construção da pirâmide de Quéops foram erguidos 2,6 milhões de blocos de pedras com um peso mínimo de 2,5 toneladas cada. Estes blocos foram confeccionados com muita exatidão. O corte da pedra permite o perfeito encaixamento dos blocos, com uma distância entre eles de 0,2 milímetros. Somente uma gilete caberia entre os blocos. A área tinha que ser nivelada para evitar a queda da obra. Os fundamentos da pirâmide demonstram somente um desvio de 16 milímetros da reta horizontal e os ângulos retos foram confeccionados com uma exatidão que, mesmo hoje, usando-se equipamentos de medição a base de laser, este trabalho poderia ser executado com maior precisão. As placas para o fechamento da tumba pesavam 50 toneladas. Os blocos eram levados das minas de pedras até o lugar da construção. Para a construção em si existem várias teorias, mas nenhuma destas até hoje foi comprovada. Cientistas estimam que a construção desta pirâmide durou 20 anos. Provavelmente 8.000 trabalhadores estavam trabalhando nesta obra. Se calcularmos um dia de trabalho com 10 horas, podemos constatar que na construção foram usados 125.000 blocos de 2,5 toneladas por ano, 347 blocos por dia, 35 por hora e 2 por minuto - algo praticamente inimaginável, não somente para as condições milhares de anos atrás, mas também sob condições atuais. Várias teorias apontam a utilização de rampas para movimentar os enormes blocos de pedras. A primeira é a teoria da rampa simples. Esta rampa é estreita é adaptada ao estado da obra. Contudo, a desvantagem desta teoria é que a rampa se torna muito comprida na medida em que a construção avance. A quantidade do material usado na
Administração de Materiais e Logística Empresarial

4 construção da rampa se iguala praticamente à quantidade do material usado na própria pirâmide.

Modelo da rampa simples e fases da construção

Outro ponto fraco é o fato que o espaço para o comprimento de mais ou menos 250 metros necessários não é disponível na pirâmide de Quéops. O lado norte da pirâmide apresenta um forte declínio, o oeste e o leste abrigam os cemitérios dos membros da família e dos funcionários de Quéops, denominadas áreas sagradas, e o sul é o lado da mina das pedras, de onde vinham os blocos.

Modelo da rampa simples

Outra teoria é a rampa integral do casal Klemm. É uma rampa localizada nos lados da pirâmide com inclinação ascendente até chegar no topo da pirâmide. A rampa acompanhava o desenvolvimento da obra. Porém, até hoje não foram encontradas evidências nas pirâmides para esta teoria.

Modelo da rampa integral do casal Klemm Administração de Materiais e Logística Empresarial

5 A teoria de Arnold prevê uma rampa no interior da pirâmide e esta aumenta com o aumento da obra. Conforma a altura da pirâmide, a rampa é estendida para fora e adicionalmente é inclinado o ângulo da rampa. Na medida em que a pirâmide crescia, o peso dos blocos se reduzia e por isto, pode-se justificar um ângulo mais inclinado da rampa conforme este modelo. Porém, para a pirâmide de Quéops, este modelo não é aplicável. O único lado possível para esta rampa seria o lado sul, onde são situadas as minas de pedras, mas como o sistema interno das câmaras e corredores segue a direção norte-sul, esta rampa teria impossibilitado a complicada construção do sistema de câmaras e corredores desta pirâmide.

Modelo da rampa interior de Dieter Arnold

Resumindo, podemos constatar que nenhum modelo consegue explicar como foram erguidas as pirâmides. Toda a construção e a logística desta obra permanece um mistério até hoje. Sem dúvida, a operação logística representa um trabalho extraordinário. Podemos imaginar como foi difícil abastecer a força dos trabalhadores de mais de 8.000 homens diariamente com água, alimentos, alojamentos e outros serviços. É mais ainda, se tentamos imaginar como esta força laboral conseguiu tirar das minas e mover para a pirâmide os grandes blocos de enorme peso. Este fato somente deve ter sido possível devido a um planejamento detalhado e uma execução minuciosa das atividades. Não foram encontrados restos que poderiam indicar a existência de máquinas para a confecção e o movimento das pedras. Somente restos de ferramentas foram encontrados. Parece inimaginável que todas estas obras foram executadas sem o uso de máquinas. Mesmo assim, nos tempos de hoje, até com as mais modernas máquinas, esta operação necessitaria uma logística gigantesca. Não devemos esquecer que tudo isto aconteceu milhares de anos atrás. A construção das pirâmides é a maior operação logística de todos os tempos e dificilmente será repetida. A invasão dos aliados na Normandia em 1944 A invasão das tropas aliadas na França em 1944 (operação Overlord) foi a segunda operação logística mais importante na história. Participaram da ação 6.000 navios de
Administração de Materiais e Logística Empresarial

Subordinados eram os departamentos operacionais e um departamento de inteligência para a obtenção de dados e informações a respeito das posições. 400 navios de guerra e 5. Os Estados Unidos assumiram o desenvolvimento e a construção de 4. Era preciso uma quantidade enorme para abastecer as tropas com gasolina e somente esta forma garantia o Administração de Materiais e Logística Empresarial .000 aviões (caças e bombardeiros) e 170. A superioridade das tropas aliadas levou a um sucesso rápido da operação. Pretendia-se diminuir os riscos para a resistência francesa e aumentar a eficiência das operações. Porém. jogando faixas de papel de alumínio para enganar os radares da defesa alemã. caminhões.000 bombardeiros atacaram as posições alemãs com um forte bombardeio de várias horas. apoiado por tropas especiais da Inglaterra. Embarque de tropas na Inglaterra e desembarque na França Para o sucesso desta operação logística foi necessária uma fase de planejamento minucioso de dois anos. começava o abastecimento dos franceses com armas e suprimentos via aéreo. uma outra divisão de aviões fingia ataques em outros pontos da costa francesa. Petroleiros ancoravam em frente da costa e bombeavam gasolina por dutos para as tropas. Nas últimas semanas antes da invasão o movimento francês.000 lanchas especiais para o transporte e a desova das tropas aliadas na costa francesa.000 fuzileiros somente para o embarque e milhares de tanques. 10. 11. A partir de 1942 os aliados começaram com os preparativos. os alemães pensaram que o verdadeiro ataque fosse ocorrer em outro ponto da costa. Criaram um quartel geral central responsável para todo o planejamento e execução da invasão.000 pára-quedistas aliados destruíram vias de transporte e pontos de comunicação de forma maciça para paralisar a força alemã e para cortar os suprimentos das tropas de defesa nas posições da costa. A primeira medida foi o apoio ao movimento da resistência francesa (résistance) através da instalação de uma rede de comunicação descentralizada. Este departamento de inteligência contribuiu de forma decisiva para o êxito da operação. holandesa e belga. jipes e artilharia.6 guerra. direcionando suas tropas de reserva para outros lugares. quantidades e armamento do inimigo. porque todo o planejamento das ações orientava-se à constelação das tropas alemãs. Ao mesmo tempo. Na noite anterior ao ataque. Além disto. muito importante foi o abastecimento das tropas durante a operação de desembarque e depois no avanço para o interior da França. A tática deu certo. a maior concentração de tropas de todos os tempos. intensificava suas ações destruindo vias férreas que serviam de suprimento para as tropas inimigas e redes de comunicação para dificultar reações coordenadas dos alemães.

Eles haviam superestimado a própria capacidade logística.2 A logística entre 1950 e 1980 A logística se expandiu para a área civil somente após a Segunda Guerra Mundial. as empresas pensavam que a atividade logística somente podia ser executada de maneira funcional. Surgiram soluções de automatização do fluxo de materiais técnicos como a estante de extrema altura. problemas logísticos em setembro de 1944 frearam o avanço dos aliados. Com a reorganização mundial da indústria bélica para uma indústria pacífica. A operação Overlord terminou somente em agosto de 1944 com a conquista de Paris. Nos anos 70 foram otimizadas funções delimitadas dentro das empresas. fazia-se necessária uma orientação da produção para os novos consumidores. Mesmo assim.3 A logística entre 1980 e 2000 Os anos 80 foram marcados pela otimização de seqüências que abrangeram várias funções ao mesmo tempo. A contabilidade tratava o custo de transporte como o custo logístico e este tinha que ser o mais baixo possível. Vários fatores como a mudança nas regulamentações. a comercialização do microcomputador. Inicialmente. Na Europa Administração de Materiais e Logística Empresarial . Era extremamente difícil calcular a quantidade do retorno como resultado das medidas na área de logística. A mudança nas regulamentações começou nos anos 90. Porém existiam ainda muitos obstáculos dentro das empresas para a aceitação da logística como um processo capaz de reduzir custos e aumentar lucros. sendo decisiva para a vitória dos aliados na Segunda Guerra Mundial. Nos anos 90 começava a formação e otimização de inteiras cadeias de processo e de agregação de valor. Também. Mais tarde. Os monopólios dos Estados foram parcialmente privatizados e várias medidas de desregulamentação ajudaram a desburocratizar o setor. Não se acreditava que a logística pudesse ser integrada a todos os processos empresariais e fosse capaz de maximizar o desempenho de várias áreas da empresa. A logística se tornou uma função transversal dentro das empresas como as funções de administração de finanças e de pessoal. Nesta década começou um desenvolvimento muito mais acelerado do que em todas as décadas anteriores. como um departamento próprio. a revolução da informática. Ocorreu tanto uma integração funcional (orientada aos pedidos) como uma integração entre-empresarial. não se acreditava na tese que um aumento de custo pudesse aumentar o nível de satisfação dos clientes devido a um melhor serviço ou pudesse reduzir outros custos. 1. Uma nova demanda civil surgia exigindo produtos e serviços para fins pacíficos: a satisfação de necessidades individuais. Os gerentes funcionais não queriam ceder espaço para esta nova área e consideravam os custos logísticos somente como custos de transporte.7 suprimento necessário e o fluxo das operações de combate. a pressão econômica para reduzir os custos operacionais e aumentar os lucros das empresas acelerou o papel da logística. Todo o outro abastecimento era feito através de uma frota imensa de navios de transporte. A vitória dos aliados iria demorar ainda um pouco mais. Vários segmentos do sistema de transporte (aéreo. e somente foi obtida em maio de 1945. A partir de 1950 começou o desenvolvimento da logística na indústria. 1. ferroviário e rodoviário) foram liberalizados para a iniciativa privada. ou seja. contribuíram para tal evolução. a adoção do conceito da qualidade e o desenvolvimento de alianças estratégicas.

Um dos setores que mais se beneficiou do desenvolvimento acelerado dos microcomputadores e da informática foi o setor de logística. porém. Por isto. A informática possibilitou o processamento de grandes quantidades de dados a baixo custo. Mas. eliminando a força laboral humana. o chamado EDI (electronic data interchange). Baseado neste conceito. A redução de custos na negociação originava-se na obtenção de descontos devido ao poder de mercado. Muitas empresas fabricam somente uma parte de um ou vários produtos e fornecem para outras indústrias manufatureiras. A pressão para o cumprimento dos padrões de qualidade é exercida através do conjunto das empresas que pertencem a um grupo produtivo. inclusive para todos os Administração de Materiais e Logística Empresarial . abrangendo cadeias inteiras de logística desde o fornecedor até o cliente final. ou da relação homem e sistema. Os movimentos da qualidade devido a uma acirrada concorrência global entre as empresas deram uma importância decisiva à logística. No Brasil. Antigamente. Satisfazer o cliente através da qualidade baseado numa logística eficaz tornava-se um papel estratégico para qualquer empresa. O fornecimento de produtos exigia a chegada dentro de prazos estabelecidos e não-flexíveis a condições dentro dos padrões de qualidade fixados. a logística torna-se vital para uma empresa deste conjunto produtivo. Os equipamentos cada vez mais baratos e os programas cada vez mais adaptados às necessidades logísticas como o controle de desempenho. pelo menos parcialmente. A revolução da informação veio em conjunto com o desenvolvimento da informática. os custos de informação continuam em declínio. A nova tecnologia da transmissão de informações possibilitou o nascimento de novas estratégias como o just-in-time (JIT) ou o continuous replenishment (CR). o sistema ferroviário foi privatizado na década de 90. Uma falha de qualidade ou o descumprimento de prazos de entrega afeta a cadeia completa de outras empresas. as empresas praticavam as negociações a base do poder. A troca de informações sobre mercadorias não ocorre mais através da relação humana. Este aspecto deve ser visto também sob a condição da integração de sistemas produtivos. Este novo conceito foi muito importante para o desempenho da logística. aos poucos notava-se que a cooperação e a parceria poderiam trazer maiores benefícios. e aumentou ainda mais as possibilidades da ferramenta logística. A logística podia se beneficiar também de programas de computação sofisticados para descentralizar operações sem perda de controle ou para a integração de processos múltiplos inter-relacionados dentro ou fora da empresa. frear o aumento do custo total da logística.8 começou a liberalização do Mercado Comum da União Européia com a queda das barreiras aduaneiras e o acesso mútuo dos países membros aos mercados dos outros membros. somente uma logística eficaz podia garantir o cumprimento das normas de qualidade e a sobrevivência da empresa. ocorre através de dois ou mais sistemas interligados. A idéia de formar alianças resulta da estratégia das empresas de ver o fornecedor e o cliente como parceiro comercial. controle de custos o a otimização de processos permitiam um crescimento acelerado da logística dentro das empresas e como setor econômico próprio. e lograram. Desde a década de 90 todos os custos logísticos têm aumentado. O desenvolvimento do código de barras deu início à idéia do intercâmbio de informações a base da eletrônica. Os sistemas logísticos começam a interagir com outras empresas e cadeias completas de produção e logística. podendo causar falhas de seqüência em mais empresas interligadas com o sistema produtivo inicial. O mercado de transporte foi um dos mercados mais importantes e sua liberalização contribuiu de forma extraordinária para o aumento do papel da logística.

Neste processo. embalagens. Outro conceito para descrever as funções da logística é a divisão da logística conforme o tipo da atividade. pelo transporte no Administração de Materiais e Logística Empresarial . o category management (CR) e tecnologias de intercâmbio eletrônico (EDI) podem configurar a logística de forma mais eficiente. 1. a função da logística era vista como o campo principal da administração de materiais. administração de bens intermediários em armazéns intermediários e administração da produção). uma das tarefas mais importantes é a responsabilidade da logística pelo transporte do fabricante até a própria fábrica da empresa. o supply chain management (SCM). Podemos distinguir entre a logística de estoque. o enfoque vem se direcionando para o desenvolvimento e a otimização de redes globais visando à integração mundial da cadeia de agregação de valor. concentrada num lugar específico abrangendo todos os três tipos. logística de embalagem e logística de transporte. elaborando ferramentas de decisão. Exemplos são o just-in-time (JIT) e o sistema Kanban. Hoje.4 O conceito atual da logística Desde o início do novo século. A logística era considerada uma ferramenta de racionalização e uma função de serviço. cobrindo as áreas de fornecimento. A logística de distribuição é chamada também de logística de marketing. O processo clássico da logística é composto de transporte. esta representa uma combinação de logística de produção. estoque e embalagem. Logística de produção (administração de materiais e mercadorias. produção e distribuição. Uma combinação destes três tipos é a intra-logística. Antigamente. Em cada um destes setores existe uma logística própria. No decorrer do tempo se reconheceu a logística como um instrumento para obter vantagens comparativas e como uma função para a maximização dos lucros. vasilhame e também de produtos devolvidos). manuseio e armazenagem. Além disto. Logística de distribuição (do armazém de despacho para o cliente). Começou um rápido processo de terceirização de serviços para formar estes tipos de alianças. existe também a chamada metalogística que visa à otimização da parceria e cooperação das empresas. Logística de reciclagem (recepção de resíduos. Conforme a empresa. Esta é a divisão horizontal da logística em quatro sistemas parciais específicos para cada fase: • • • • Logística de fornecimento (do fornecedor para a área de recepção da mercadoria). visando a minimização de custos. mas ao mesmo tempo esta é interligada com as outras áreas para formar a logística da empresa. Outra área é a logística de recursos humanos (pertence à área de recursos humanos. responsável pelo planejamento da força laboral). a logística é uma função orientada aos fluxos da empresa abrangendo todas as áreas funcionais. Conceitos como o efficient consumer response (ECR).9 parceiros da cadeia logística.

Uma quantidade elevada de estoques evita os custos de produtos faltantes e aumenta a disponibilidade. A participação da logística nos custos totais é considerável. Obviamente. mas dependem muito do setor da atividade da empresa. Áreas especiais da logística são a segurança das mercadorias durante os processos de armazenagem e transporte. ácidos ou radioativos). • Planejamento e execução dos processos produtivos. podem ser mercadorias de alto valor (moeda em espécie ou equipamentos sofisticados) ou de alto risco como produtos químicos (corrosivos. A participação de custos logísticos no Produto Nacional Bruto de países em desenvolvimento é de 20%. Encontramos custos de logística elevados na indústria alimentícia. Os custos de transporte e de armazém representam a maior parte dos custos. • Embalagem das mercadorias. O cálculo de custos logísticos é importante para determinar as quantidades ideais. existem conflitos entre estes objetivos. • Coordenação dos processos. Também dependem do grau de desenvolvimento de uma economia.10 interior da empresa e pelo transporte da empresa para o cliente. A logística depende da infra-estrutura de transporte existente dentro de uma região. • Armazenagem e preparação dos pedidos. mas causa também uma elevação dos custos de estoque (inventário). Os objetivos da logística são o alcance de altos índices de desempenho. mas em nações industrializados corresponde somente a Administração de Materiais e Logística Empresarial . Fluxo de materiais Logística de fornecimento Logística de produção Logística de distribuição Logística de reciclagem Fluxo de informações Subsistemas da logística Outras áreas são: • Exame e controle das mercadorias na recepção. qualidade e redução de custos. Além de mercadorias comuns.

wikipedia. O aspecto da informação foi posteriormente integrado. • Coordenação interativa de unidades de transporte para evitar o dispêndio de manuseio e embalagem. inclusive sua reagrupação. the seven r’s – r como right): Quantidade certa dos bens certos dentro do tempo certo na qualidade certa nos custos certos e no lugar certo com as informações certas para todos os envolvidos. Um fator importante da logística é a geração de incentivos para os funcionários na área da logística. direção. Inclui todas as atividades da superação física de espaço e tempo de bens ou pessoas. o processamento de informações exerce um papel absolutamente dominante.org/wiki/Logistik (traduzido do alemão) Administração de Materiais e Logística Empresarial . mesma empresa.11 uma participação de menos de 5%. entre . Existem pontos de interdependência logísticos de três níveis (mesmo departamento. inclusive a recepção dos resíduos e a reciclagem. Outro conceito da definição do termo logística é a definição dos sete c (adaptado do inglês.1 1 Ver as definições em: http://de. • Realização da logística orientado a fluxos. A cadeia logística traz os seguintes benefícios: • A concentração da cadeia principal de processos evita a duplicidade de atividades logísticas. Uma definição mais concreta é a seguinte: logística é uma atividade integral abrangendo o planejamento. execução e controle de todo o fluxo de materiais e mercadorias em conjunto com os fluxos de informação necessários a partir do fornecedor e passando pelas etapas (próprias) da cadeia de agregação de valor (produção e/ou distribuição) até a entrega dos produtos para o cliente. O canal logístico (o caminho do fabricante até o cliente final) é conectado através de pontos de interdependência que representam divisas e podem atrapalhar o fluxo logístico.empresas). É objetivo da cadeia logística transformar estes pontos de interdependência em conexões através da coordenação e dirigir fluxos de processos para todos os sistemas. O termo logística (administração de materiais) abrange todos os entre passos da produção. Com todas estas informações podemos definir a logística de forma mais concreta. organização. Em muitas empresas não existe um sistema de incentivos para melhorar a eficiência da logística. Neste sistema. principalmente após a introdução do sistema just-in-time (JIT).

ou seja. o nível de estoque. Este tipo de pedido requer um passo adicional de trabalho para a empresa. Em casos extremos. que fornece para estes clientes um nível mais elevado de serviços. a empresa precisa definir o sistema de processamento de pedidos.1 Processamento de pedidos Um processo de pedido de um cliente começa com o pedido de compra ou de despacho do cliente e termina com a entrega física da mercadoria pedida no estabelecimento do cliente. Para aperfeiçoar a administração de materiais e a logística empresarial. este fato pode levar à falência de uma empresa. Redução rigorosa das perdas de materiais na logística industrial pela utilização de técnicas de movimentação e acondicionamento. 2. A administração de materiais é fundamental para o equilíbrio econômico e financeiro de uma empresa. O tempo entre estes dois pontos deve ser o mais curto possível. os clientes preferem um nível de serviços mais elevado. Uma administração de materiais inadequada causa escassez dos recursos financeiros. Geralmente. Redução em 50% dos investimentos em estoques. definindo as tarefas a serem realizadas. Este programa deve conter também um cronograma bem detalhado. Eliminação de 50% do custo das embalagens dos materiais pela utilização de novos sistemas de movimentação e abastecimento. mas para a empresa. Ao mesmo tempo. o retorno sobre o inventário deve ser minuciosamente analisado. Todas as decisões na área de administração de materiais e logística empresarial tentam otimizar estes dois itens. A administração de materiais deve ser considerada como as aplicações financeiras de uma empresa. fax ou e-mail. Muitas empresas ainda trabalham com pedidos por telefone. enfrentam dificuldades financeiras sérias.12 2 Administração de Materiais A administração de materiais é uma área estratégica dentro da empresa. o sistema de armazenagem e a forma de distribuição dos produtos para o cliente. Estas Administração de Materiais e Logística Empresarial . A administração de materiais e a logística empresarial visam a otimização de dois itens: nível de serviço ao cliente versus custo. maus resultados na área produtiva e no nível de atendimento ao cliente e revela uma administração geral ineficaz. Obtenção de níveis de serviço próximo de 100% no atendimento aos pedidos dos clientes. sem prejuízo da produção e do atendimento aos clientes. o melhor nível de serviços possível para o cliente ao menor custo logístico possível. Empresas que tratam elevar sua receita através da redução de preços de venda ou através do alongamento de prazos de pagamento dificultam a eficiência da administração de materiais e da logística. significa operar com custos logísticos mais elevados. Os trabalhos de consultoria logística em empresas de diversos ramos mostram que empresas com dificuldades na administração logística sem tomar providências a respeito. a elevação da receita de uma empresa sempre deve ser acompanhada pela melhoria do produto e por sua boa distribuição. Um programa para a implementação de uma administração de materiais deve definir os seguintes objetivos financeiros e administrativos: • • • • • Eliminação total de itens sem movimentação por não apresentarem utilidade para a produção ou para a venda.

as vezes as informações não são transmitidas de forma clara e são sujeitas a erros. Cliente Telefone Atendimento do telefone Empresa Anotação do pedido Digitação do pedido Ordem de compra Digitação do pedido no sistema interno pessoa – pessoa . Um funcionário da empresa precisa transferir estas informações para o sistema interno da empresa. Além de retrabalho.13 informações ainda não estão no padrão para serem processados. existem outras desvantagens deste tipo de processamento de pedidos. E-mail Geração do pedido online no sistema do fornecedor Geração automática do pedido no sistema interno pessoa .sistema Fax. emitindo uma ordem de serviço ou ordem de produção.sistema Geração automática do pedido no sistema do fornecedor Geração automática do pedido no sistema interno sistema . Se o pedido é feito pelo telefone.sistema Processamento de pedidos e transmissão de dados Administração de Materiais e Logística Empresarial .

Esta informação é transmitida eletronicamente para o produtor e o sistema de ordem de produção emite automaticamente o pedido para a produção. 81). Há quatro tipos de estoques: • • • • Estoques de matérias-primas (materiais comprados de fornecedores ainda não processados) Estoques de matérias em processos (materiais entre duas fases do processo de produção da empresa) Estoques de produtos auxiliares (peças de reposição. p. por algum intervalo de tempo” (Francischini. o custo de inventário é baixo. maior a quantidade de mão-de-obra e equipamentos) Custos de desgaste (perdas e danos aumentam com a quantidade de itens estocados e com o período) Mas existem também fatores que podem determinar um nível de estoque mais alto: • • Previsão de aumento de preços dos materiais de compra (desvalorização cambial. O contrário ocorre no caso de um estoque baixo.14 O sistema ideal de processamento de pedidos é o sistema totalmente automatizado. uso alternativo.custos de oportunidade como juros de aplicações. escassez no mercado nacional e internacional) Influência de fatores externos da logística (desembaraço aduaneiro. etc. Ao mesmo tempo. 2. de forma improdutiva. condições de tráfego.) Estoques de produtos acabados (produtos prontos para a comercialização) Nós trataremos somente o último item. Este sistema reduz os custos do processamento de pedidos e aumenta a eficácia porque elimina os erros de digitação e de comunicação. escritório.2 Administração de estoque O estoque é definido como “quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados. seguro sobre os itens) Custos de espaço (um armazém maior devido a uma quantidade maior de espaço significa pagar mais aluguel) Custos de movimentação (qualquer movimentação tem um custo variável. o período entre o pedido do cliente e o processamento interno do produtor é minimizado. Um nível elevado de estoque implica num custo de inventário mais elevado. material de limpeza. o que significa um custo menor de inventário. maiores distâncias significam maiores despesas) Custos de mão-de-obra e equipamentos (quanto maior o estoque. mas aumenta a disponibilidade. Isto significa que um sistema de pedido do cliente é acionado quando a quantidade de um produto atinge uma quantidade mínima no estoque. mas a disponibilidade de produtos se reduz e pode acontecer uma possível falta de produtos para os clientes. Mais detalhadamente temos os seguintes custos de estoque: • • • • • Custos financeiros (valor pago pelos itens em estoque . Trata-se do sistema EDI (electronic data interchange). 2002. disponibilidade de frete) Administração de Materiais e Logística Empresarial .

O departamento de vendas prefere também um nível elevado de estoque para não perder vendas e lograr a máxima satisfação dos clientes. Compras Produção Administração de estoques Financeiro Vendas Prefere nível de estoque alto Conflitos na empresa: A administração de níveis de estoque Prefere nível de estoque baixo O ideal para qualquer empresa seria manter um estoque zero.15 • • Custos de perda de vendas e de paradas da produção Descontos e economias na compra de grandes lotes (desconto do fornecedor por comprar quantidades maiores. Cada departamento defende seus próprios interesses e têm metas peculiares. de produção e de vendas. mas o trabalho da logística é chegar a este ponto. Vejamos a seguir como as metas de cada departamento podem ser conflitivas e o papel que a administração de estoques precisa assumir para chegar a melhor solução para a empresa. O setor de compras precisa adquirir os produtos mais baratos. A produção visa um nível de estoque alto para não sofrer paradas de produção e causar problemas sérios para a empresa. é importante para uma empresa determinar o Administração de Materiais e Logística Empresarial . preferem um nível de estoque mais alto. Por isto. atender todos os pedidos dentro do prazo necessário. economias de frete e de manuseio. Em contrapartida. O departamento financeiro prefere um nível de estoque baixo devido aos altos custos financeiros que um estoque elevado implica. e. os departamentos de compras. A administração logística precisa identificar as falhas dentro da cadeia logística. custo unitário baixo com a quantidade adquirida) A administração de estoques procura equilibrar os interesses de diversos departamentos internos da empresa. Sabemos que esta é uma tarefa muito difícil. ou na própria empresa ou nos fornecedores. ao mesmo tempo. Isto é possível através de compras de grandes lotes.

Devemos seguir a seqüência dos seguintes passos: • • • • • • Definir a variável a ser analisada Coletar dados Ordenar dados Calcular porcentuais Construir curva ABC Analisar os resultados Administração de Materiais e Logística Empresarial . Somente fornecedores altamente qualificados conseguem garantir o funcionamento do sistema. Este ponto de pedido deve equilibrar os riscos de esgotamento de estoque contra os custos de estocagem.1 Mecanismos de análise de estoque Como podemos analisar o estoque da empresa em termos de custo ou de eficiência? É uma tarefa muito complexa e difícil de executar. Prioriza os itens importantes do estoque e pode ser executado em pouco tempo. mas é extremamente importante conhecer técnicas de análise de estoques. pois cada falha em um setor provoca turbulências na cadeia logística. É um método quantitativo. Muitas vezes falta mão-de-obra ou tecnologia para exercer tal atividade com precisão. e em que momento deve ser posicionado um novo pedido para a fábrica. O tamanho ótimo de um pedido é determinado pelos custos unitários de manutenção de estoque e pelos custos unitários de processamento de pedidos. Uma possibilidade para avaliar o custo do estoque é o método da curva ABC.16 nível de estoque ideal. Custo unitário total Custo unitário Custo unitário de manutenção de estoque Custo unitário de processamento de pedidos Q* Determinação da quantidade ótima de um pedido Quantidade de um pedido Novos conceitos como o just-in-time conseguiram baixar os custos de manutenção de estoques. O ponto de pedido ou de reposição determina a quantidade de um produto em que um novo pedido ou uma reposição devem ser efetuados. Para este sistema é importante uma grande coordenação entre a produção e os fornecedores para garantir as entregas aos clientes. 2.2.

900.00 6. R$ 100.00 150.000 500 10.00 164.17 A nossa variável é o custo do estoque médio. precisamos a quantidade média de cada item em estoque e o custo unitário de cada um.025.00 125.00 164.00 500.00 10.3 99.00 500.000.000.00 163.000.0 97.00 15.00 10.00 1.000 5.00 25.000.000.000. Para coletar os dados.00 % 60.9 100.00 Ordem A B C D E F G H I J K L 10 8 2 3 4 11 12 1 7 9 6 5 Em seguida calculamos o custo acumulado e os porcentuais acumulados: Ordem Item Quant.00 125.0 99.00 30.8 99.00 25.00 140.500.00 25.000.00 1.000.00 164. Item Quant.125.125.9 76.000.000 30 1 10 5 50 Custo unitário (B) R$⁄unidade 100.000.00 4.100.500.00 1.6 99.500.00 2.50 500.00 300. Chegamos ao custo total de cada item através da multiplicação de cada item com o custo unitário.00 20.00 100.000.00 0.00 163.00 6.000.00 TOTAL Custo total (A) x (B) R$ 100.00 4.00 500.00 50.00 125.000 100 200 4 5.000.00 1.000.00 Custo total acum. média em estoque (A) Unidades 1. média em estoque (A) Unidades 10 30 500 10.600.00 2.3 91.50 100.000 100 5 50 1.00 15.00 300.00 50.00 163.00 164.00 156.00 600.125.000.00 100.000.00 600.00 100.00 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 H C D E L K I B J A F G Agora podemos construir a curva ABC: % 100 60 H A curva ABC C D E L K I B J A F G Itens Administração de Materiais e Logística Empresarial .000.2 85.00 162.00 TOTAL Custo total (A) x (B) R$ 300.000.000.000 1 4 200 Custo unitário (B) R$⁄unidade 30.00 0.00 2.50 100.4 95.5 99.00 2.00 160.00 100.50 20.00 300.00 25.000.

0 18. J.5%). F.7 76.18 O próximo passo é a análise dos resultados. B. ela economizaria 15. G Se a empresa pretende reduzir seu estoque em 20% dos itens A que são somente dois itens. Isto significa que temos que analisar os itens A para uma possível redução do custo médio de estoque.24%). Em seguida multiplicaria a quantidade média por item com o espaço ocupado por estas unidades para determinar as quantidades e porcentagens acumuladas. E. ela pode utilizar esta ferramenta. C D. C C D E L K I B J A F G A classificação é feita da seguinte maneira: Classe A % itens Valor acumulado A 10 a 20 70 a 80% B 30 a 40 15 a 30% C 50 a 70 05 a 15% Podemos transferir nossos resultados nesta classificação: Classe A No. baixa): % 100 60 A B C H As classes A. Uma redução nos itens C de uma porcentagem maior baixaria o valor do estoque numa quantidade muito inferior (50% x 5% = 2. média. A curva ABC permite uma grande variedade de análises na área de logística. Devemos criar três classificações A. Administração de Materiais e Logística Empresarial . Faria uma classificação por item e quantidades médias de estoque e quanto espaço em metros cúbicos uma unidade desta quantidade do estoque consumiria.0% Importância Grande Média Pequena Itens em estoque H. itens % itens Valor acumulado A 2 16. A. Se uma empresa pretende utilizar o espaço físico dentro do armazém de uma forma mais econômica. A curva ABC pode ser aplicada a outros critérios como ocupação de espaço dentro do próprio armazém.24% (20% x 76.8% C 7 58.2% = 15. L K.3 05.B e C conforme sua importância (grande.2% B 3 25. I. B.

Há dois tipos de métodos para estimar a demanda. que podem ser estimados por métodos de previsão.2 Métodos de previsão de demanda Outro ponto importante para a administração de estoques é a estimativa do consumo de todos os itens necessários da empresa para a produção dos próprios produtos de venda. Sazonalidade (Intervalo de curto tempo) Ciclicidade (intervalo de longo tempo) Tipos de demanda e classificação conforme o comportamento ao longo do tempo Administração de Materiais e Logística Empresarial . Utilizam dados sobre o consumo passado e formulam hipóteses para um consumo futuro. pois existe uma relação direta com o sistema produtivo da empresa. As variáveis aleatórias são incorporadas nos modelos de estatística através de erros de estimação. São as matérias-primas e componentes para montagem. o consumo real de determinado item possui dois componentes: • • Padrões básicos de comportamento ao longo do tempo.2. Variáveis aleatórias. cujas causas são tão variadas que se torna virtualmente impossível prevê-las. No caso da demanda dependente. os métodos qualitativos. e os métodos quantitativos. Demanda independente . o consumo depende da demanda conhecida é está sob controle da empresa. a demanda independente e a demanda dependente. Distinguimos dois tipos básicos da demanda. etc. Informações mais exatas possibilitam uma melhor estimativa do consumo da empresa para o administrador. baseados em modelos e cálculos matemáticos e estatísticos.Produtos acabados .Matérias-primas . Geralmente.19 2. A estatística usa vários modelos para estimar a demanda. São produtos acabados e peças de reposição. Diminuição. A demanda independente é relacionada com as condições do mercado e não pode ser influenciada pela empresa.Componentes para montagem Demanda constante Demanda variável Tendência Aumento. baseados em estimativas e opiniões de pessoas chaves dentro ou fora da empresa.Peças de reposição Demanda dependente .

+ Jun. + Fev. + Abr. mas possui várias limitações: • • • • Exigência de uma grande quantidade de dados históricos.) dividido por 3: 8 + 9 + 4 = 21 .) dividido por 3: 4 + 5 + 6 = 15 . Exemplo: Método da média móvel ponderada Período (n – 2) (n – 1) (n) Soma Peso 0. o período mais antigo é substituído pelo mais recente. Assumpção da hipótese de que as condições de contorno que determinaram o consumo nos períodos anteriores serão mantidos inalteráveis no futuro. 5 Jun. + Jul. 8 Mar. + Mai. dividido por 3 = 5 Planejamento para agosto: (Mai. 4 Mai.) dividido por 3: 10 + 8 + 9 = 27 .2 0. + Mar. 4 Planejamento para abril: (Jan.20 Dois métodos para a previsão da demanda que tratamos aqui são o método da média móvel e o método da média móvel ponderada. O método da média móvel estima que o consumo do próximo período seja a média dos n últimos períodos.0 Administração de Materiais e Logística Empresarial . 10 Fev. + Jun. Móvel significa que numa nova previsão. É mais complicado do que o método anterior e o maior problema é estimar os pesos que devem ser dados em cada período.) dividido por 3: 5 + 6 + 4 = 15 . + Mar. + Abr. dividido por 3 = 5 O método da média móvel ponderada dá maior importância aos dados recentes e menos importância aos dados mais antigos. Exemplo: Método de média móvel de três períodos anteriores Mês Demanda Jan. dividido por 3 = 6 Planejamento para julho: (Abr.3 0. + Mai. O método é fácil de aplicar. Mesmo grau de influência de dados antigos e recentes no cálculo da média. dividido por 3 = 7 Planejamento para junho: (Mar.5 1. 6 Jul. 9 Abr. dividido por 3 = 9 Planejamento para maio: (Fev.) dividido por 3: 9 + 4 + 5 = 18 . Não-consideração de comportamento atípico do mercado e posterior distorção das médias calculadas.

+ Mar.) : 4 x (0.) : 5 x (0.5 Planejamento para julho: (Abr. Cada empresa possui diversos documentos de controle como pedido de cotação.5) = 8. 6 Jul.5) = 4. + Jun. 4 Mai. Quantidade em estoque Consumo do estoque Consumo do estoque Reposição do estoque Tempo Curva dente-de-serra Administração de Materiais e Logística Empresarial .3) + 4 x (0. 4 Planejamento para abril: (Jan. 10 Fev.3) + 4 x (0.3) + 6 x (0.21 Mês Demanda Jan. + Fev.3) + 5 x (0. atrasos de fornecedores ou atrasos próprios dos pedidos na empresa.5) = 5. A curva dente-de-serra mostra a quantidade de estoque no tempo. Ainda existem muitos documentos em forma de papel. pedido de compra ou nota fiscal.3 Planejamento para agosto: (Mai.2) + 4 x (0. O primeiro passo é determinar a evolução do próprio estoque na empresa.2) + 5 x (0.5) = 5.5) = 6. mas cada vez mais as empresas utilizam formulários eletrônicos inclusive na transmissão e no intercâmbio destes documentos. + Abr. 8 Mar. não tratamos estes métodos aqui.3 Planejamento para junho: (Mar.2) + 8 x (0.9 Planejamento para maio: (Fev. 2. + Jul.8 Há outros métodos como o método dos mínimos quadrados e a simulação.3 Controle de estoque O controle de estoque é fundamental para elaborar um bom sistema de pedidos.) : 9 x (0. + Abr. não considerando possíveis oscilações da demanda. + Jun. + Mai. + Mar. 9 Abr. 5 Jun.2) + 9 x (0.2) + 6 x (0.3) + 9 x (0.): 10 x (0.) : 8 x (0. + Mai.

8 12 Outro problema é o tempo de reposição de estoque. Recomenda-se trabalhar com um estoque de segurança para não correr riscos de ficar sem estoque necessário.) = Número de pedidos Exemplo: Dia Demanda 1 55 2 69 3 48 4 51 5 67 6 63 7 62 8 71 9 58 10 60 11 69 12 57 ∑ 730 55 + 69 + 48 + 51 + 67 +63 +62 + 71 + 58 + 60 + 69 + 57 DM = -----------------------------------------------------------------12 = 730 ----. mensal. etc.22 A demanda média dos clientes da empresa pode ser determinada através da seguinte fórmula: D1 + D2 + D3 + ..= 60. ou seja. O ponto de pedido Administração de Materiais e Logística Empresarial .. + Dn DM = ---------------------------n em que: DM Di N = Demanda Média = Demanda em cada período (diária. Quantidade em estoque Consumo do estoque Consumo do estoque Reposição do estoque Estoque de segurança Tempo Curva dente-de-serra com estoque de segurança Agora precisamos determinar o ponto de pedido. existem procedimentos internos que levam um certo tempo para serem executados e também os fornecedores da empresa precisam de um período para entregar as mercadorias pedidas. quando deve ser colocado o pedido de novos itens de tal forma que não haja falta de estoque. inclusive transporte e possíveis transtornos como desembaraço aduaneiro ou congestionamentos.

do tempo de reposição e do estoque de segurança conforme a seguinte fórmula: PP = DM x TR + ESeg Em que: PP = Ponto de pedido DM = Demanda média TR = Tempo de reposição (tempo de procedimentos internos + prazo de entrega) ESeg = Estoque de segurança Exemplo: DM = 12 unidades por dia TR = 3 (procedimentos internos) + 6 (prazo de entrega) = 9 dias ESeg = 10 unidades por dia PP = 12 x 9 + 10 = 108 + 10 = 118 Quantidade em estoque Consumo do estoque Consumo do estoque PP DM x TR Reposição do estoque ESeg Estoque de segurança Tempo TR Determinação do ponto de pedido O ponto de pedido é alcançado quando o nível de estoque está em 118 unidades.23 depende da demanda média no período. ou seja. O cálculo do estoque médio: EM = Q -2 + ESeg em que: EM = Estoque médio Q = Quantidade adquirida para reposição de estoque Administração de Materiais e Logística Empresarial . devemos fazer o pedido no momento em que o nível de estoque alcança 118 unidades.

o cálculo do estoque médio deve ser feito da seguinte maneira: n i=1 ∑ Ei ---n EM = em que: EM = Estoque médio Ei = Estoque no final do período i n = Número de períodos Exemplo: Dia 1 Estoque 21 2 57 3 88 4 23 5 65 6 10 7 45 8 35 9 68 10 88 11 23 12 10 ∑ 533 21 + 57 + 88 + 23 + 65 + 10 + 45 + 35 + 68 + 88 + 23 + 10 EM = --------------------------------------------------------------------.8 O tempo médio em estoque indica o período necessário para a renovação de estoque. 44.24 ESeg = Estoque de segurança Exemplo: Lote de compra: 150 unidades Estoque de segurança: 30 unidades EM = 150 ----2 + 30 = 105 Sem a curva de dente-de-serra.000: 1.4 12 O giro ou rotatividade de estoque é outra ferramenta interessante para a análise de estoque da empresa.8 Administração de Materiais e Logística Empresarial Estoque médio no período -------------------------------Demanda média no período . É a relação inversa do giro: Tempo médio em estoque = 44. Mostra o número de vezes em que o estoque de um item é renovado num determinado período.000 No nosso exemplo isto é: -----.= 22 vezes no período de um ano.= 44. Giro = Demanda média no período -------------------------------Estoque médio no período Suponhamos que a demanda média anual foi de 1.= 12 533 ----.

53 meses. o custo de armazenagem.25 Tempo médio em estoque = -----. O custo de seguro varia com o estoque Administração de Materiais e Logística Empresarial . Custo de Aquisição = Preço unitário x Quantidade adquirida CAq = Pu x Q O custo de armazenagem é calculado da seguinte maneira: Custo de armazenagem = Estoque médio x Preço médio unitário x Tempo em estoque x Custo de armazenagem unitário CAmi = EMi x PMui x T x CAmu em que: = Custo de armazenagem do item i CAmi EMi = Estoque médio do item i no tempo T = Preço médio unitário do item i estocado no tempo T PMui CAmu = Custo de armazenagem unitário T t=1 ∑ Eit EMi = em que: Eit = Estoque do item i no período T n i=1 -----T ∑ Puil x Qil PMui = --------------n i=1 ∑ Qil em que: Puil = Preço unitário de aquisição do lote l do item i Quil = Quantidade do lote l do item i Para que possamos calcular o custo de armazenagem unitário CAmu. precisamos calcular primeiro os seguintes itens: Fatores Juros Descrição Juros médios recebidos em aplicações financeiras ou rentabilidade mínima exigida pela empresa Aluguel pago pela área de armazenagem Cálculos Juros no tempo T J = -----------------------------------------Valor médio do estoque no tempo T Custo de aluguel do estoque no tempo T CAI = ---------------------------------------------Valor médio do estoque no tempo T Seguros pagos no tempo T SEG = ------------------------------------------ Aluguel Seguros Prêmios de seguros pagos pela empresa.044 anos = 0.1 Custos de estoque Podemos distinguir entre quatro tipos de custos de estoque: o custo de aquisição. o custo de pedido e o custo de falta.3. Depende do poder de negociação do comprador e da quantidade que a empresa deseja adquirir.000 2.= 0. O custo de aquisição é o valor pago pelas mercadorias adquiridas. 1.

O valor médio do estoque no tempo T pode ser determinado assim: n = ∑EMi x PMui i=1 em que: EMi = Estoque médio do item i no tempo T PMui = Preço médio unitário pago pelo item i no tempo T n = Número de itens no estoque Exemplo: Item A Lote comprado Data da compra Quantidade Preço 1 15.= 10. manuseio. obsoletos e desaparecidos do estoque em determinado intervalo de tempo T Imposto predial.50 2 10. embalagem.48 R$ por peça 1. alfandegário e outros Valor médio do estoque no tempo T Valor das perdas no tempo T PD = -----------------------------------------Valor médio do estoque no tempo T Impostos pagos no tempo T IMP = -------------------------------------------Valor médio do estoque no tempo T Custos de movimentação no tempo T MOV = -------------------------------------------Valor médio do estoque no tempo T Custos de mão-de-obra no tempo T MDO = -----------------------------------------Valor médio do estoque no tempo T Despesas gerais no tempo T DES = -----------------------------------------Valor médio do estoque no tempo T CAmu = J+CAI+SEG+PD+IMP+MOV+MDO+DES Impostos Movimentação Custos com transporte.60 = 3 25. serviços de terceiros.40 10. Salários.01.04.03.580 --------.40 x 500 PMui = -----------------------------------------------400 + 300 + 500 12. manutenção de equipamentos.50 x 400 + 10. etc. encargos e benefícios adicionais pagos ao pessoal operacional da área de estocagem Despesas com luz.2006 500 10.60 x 300 x 10.2006 300 10. p. (Francischini.= 237. água.200 Mês Estoque médio Janeiro 250 = Item A Fevereiro 150 Março 300 Abril 250 250 + 150 + 300 + 250 EMi = --------------------------4 T = 1 + 1 + 1 + 1 = 4 meses 950 ----.5 peças por mês 4 Administração de Materiais e Logística Empresarial . telefone.2006 400 10. veículos e outras administrativas Custo unitário de armazenagem Mão-de-obra Despesas Total Fatores para determinar o custo de armazenagem. material de escritório.26 segurado Perdas e danos Valor de materiais danificados. 164). 2000.

= n MO+A+IS+E+DG ----------------------n em que: CPA = Custo de pedido administrativo n = Número de pedido feitos no período T Administração de Materiais e Logística Empresarial . dividindo o custo de pedido administrativo pelo número de pedidos feitos no período T: CPAu = CPA ----.48 x 4 x 0.-de-obra 9.52 Custo de pedido O custo de pedido refere-se ao gasto da empresa para um determinado lote de compra e abrange os custos administrativos e operacionais do setor de compras.500 31.000 180.000 Despesas 1.400 ------------------------------------------------------------------.= -------180.000 10.500 CAmu = 1.17 = R$ 1.692. materiais de DG escritório utilizados pela área de compras CPA = MO+A+IS+E+DG Total Custo de pedido administrativo Podemos calcular o custo de pedido administrativo unitário.5 x 10.000 = 0.17 por unidade CAm = 237.27 Custos da área de estoque no período janeiro a abril Juros Aluguel Seguros Perdas Impostos 1.500 3. CP = n (CPAu + CPVu) em que: CP = Custo de pedido n = Número de pedidos CPAu = Custo de pedido administrativo unitário CPVu = Custo de pedido variável unitário Custo de pedido administrativo no período T Custo Descrição Fator Mão-de-obra Salários.000+800+4.000 800 Valor médio do estoque neste período = 180.500 M.000+1. energia elétrica.500+3.000+10.000 1.000+1.000 Movimentação 4.500+9. encargos e benefícios MO adicionais gastos pela área de compras Aluguel Aluguel rateado pago pela área de A compras Impostos e seguros Impostos predial e seguros rateados IS pela área ocupada Equipamentos Depreciação ou aluguel de E equipamentos utilizados pela área de compras Despesas gerais Telefone.

000 + 1. equipamentos e outras despesas adicionais em virtude do aumento de número de pedidos.00 20. Custo de inspeção do lote.000.000 + 2. etc.000 + 1.000 + 1. se um fornecedor atrasa a entrega.00 = 450.00 Custo de falta É difícil calcular o custo de falta.00 CPAu = 5. os pedidos são entregues pelos fornecedores como um lote fechado. etc.00 Internos Alfândega Pesagem Inspeção 50. Custo Mão-de-obra Equipamentos Material Multas Custos de falta de estoque Descrição Salários. Fator CPVE CPVI CPVu = m x (CPVE + CPVI) em que: m = número de lotes entregues de um pedido Exemplo: Item A – Custos por lote Externos Frete 100.000 -------200 = 50 CP = CPAu + CPVu = 400. custo de pesagem do veículo de entrega.00 1.00 2.000. Este custo não está incorporado no preço de aquisição.28 Geralmente. implicando em multas por atraso ou.00) = 2 x 200. Por isto. por exemplo no caso de lotes grandes.00 Número de pedidos feitos no período janeiro a abril = 200 CPVu = m x (CPVE + CPVI) = 2 x (150.00 1.00 1. o custo de pedido variável unitário depende da quantidade de lotes entregues para o mesmo pedido. mas acontece que um lote pode ser dividido em várias entregas. custo de mão-de-obra.00 + 50.00 30.000. encargos e benefícios adicionais referentes ao tempo em que a linha de produção ficou parada Custo de equipamento referente ao tempo em que a produção ficou parada por falta do item ou pela reprogramação da produção Custo adicional do material comprado em outros fornecedores Multas contratuais pagos pelo atraso de fornecimento do produto final da empresa compradora causado pela falta do material Administração de Materiais e Logística Empresarial Fator MO E MP MU . a parada da própria produção.00 Número de lotes entregues: 2 Custos da área de compras no período janeiro a abril Mão-de-obra Aluguel Impostos Equipamentos Despesas 5.00 + 50. custo de desembaraço alfandegário do lote. Corresponde ao momento em que uma empresa não dispõe de um determinado item ou produto no estoque.00 = 400.000 ----------------------------------------------200 = 10. Isto pode causar atraso de entrega a um cliente.000. Custo Externo Interno Custo de pedido variável unitário Descrição Custo de frete do lote entregue.000.

3. Total 01. cujo valor consta na nota fiscal de compra.58 2. Unit.000 + 5.500 = 8. O preço de custo refere-se ao produto fabricado pela própria empresa.01.58 = 5.900 Custo médio = Valor total em estoque do item -----------------------------------Número de itens em estoque = 2.000 + 3 x 10. Saída P. 3.500 1. causando a parada da nossa produção de cinco dias.00 10.500 6.00 5 5 Multa 10. Exemplo: Custos R$ por dia Número dias Custos da área de produção Mão-de-obra Equipamentos 5.580 2.500 3.000 + 5 x 1.29 Prejuízos Lucro referente às vendas não realizadas por cancelamento de pedidos ou vendas futuras não realizadas causadas pela falta do material. quanto custa para fabricar tal item e o preço de mercado refere-se ao produto comprado.000 15.58 5. 02. Podemos aplicar vários métodos de avaliação de estoque.500 --------6. Unit.000 2.2 Métodos de avaliação de estoque A administração de materiais revela também o volume financeiro pelo qual o material está sendo estocado e utilizado nos produtos finais fabricados.000 + 3. Unit.000 = 60.000 por dia.01. o método PEPS (FIFO). Esta avaliação é feita pelo preço de custo e pelo preço de mercado. Total Qtd. 00 3 O fornecedor atrasou a entrega de matérias-primas para a produção de certo item para o nosso cliente final.000 2. Entrada P.00 2.000. ou seja.000 = 25.000.500 + 3.000 + 30. Qualquer atraso na entrega para o nosso cliente prevê uma multa contratual de R$ 10.000 5. Total Qtd.000 Administração de Materiais e Logística Empresarial .00 1. mas podem levar a eliminação de uma empresa da lista dos fornecedores aprovados.01.500 ------------------2. É praticamente impossível quantificar estes fatores.58 2.000 2.000.500 12. O custo de falta (CFa) é: CFa = 5 x 5. o método UEPS ou LIFO e o método do preço de reposição. Saldo P. 03. o método de custo médio. e conseqüente impossibilidade de fornecimento dentro dos prazos acordados PR Devemos considerar fatores como a percepção do mercado de uma imagem negativa da empresa devido aos atrasos causados. Custo médio Dia Qtd.

5. P.00 3. 02.00 3. 5. Total Qtd.01.500 3. P. Neste caso.500 Entrada P.00 Saldo P. Saída P. 2. First Out) prioriza a ordem cronológica das entradas. 1.00 Saldo P. Saldo P. R$ 2.000 Total Saída P. 2. P. 02.000 Qtd.500 2.00 5. PEPS (FIFO) O método PEPS (Primeira a Entrar. Primeiro a Sair) ou FIFO (First In. Saldo P. Unit. First Out) inverte a relação. Unit. Dia Qtd. Unit. P.500 Total Qtd.500 3.500 12. Entrada P. Unit.01. o primeiro material de uma classe de produtos.00 3.00 Saldo P. Unit. Unit. 02. Total Qtd. Total 01. Total 01. 03.30 As saídas são feitas pelo preço médio.01. 03.01. Unit. 5.000 1.01.500 3. Unit.500 5. 03. 02.00 2. Total 2. o material que entra por último.500 UEPS (LIFO) O método UEPS (Último a Entrar. Dia 3.01.01. Unit. 03. 2. Saída P. Unit. Dia Qtd. Primeiro a Sair) ou LIFO (Last In.500 Entrada P.01. Unit. que entrou com um preço. Unit. Total Qtd. Total Qtd.500 13.000 10. Dia Qtd.500 Saída Total Qtd. neste caso.500 5.500 3.00 3. 2.58. 02.000 Qtd.000 2.500 6.000 Total Saída P. 03.00 Entrada 10. 5. 03.01. Total Qtd.500 Saída Total Qtd. Unit. Total Qtd. 2.500 Total Qtd.01. Total 2. Total Qtd. será também o primeiro material a sair com este mesmo preço.500 15.000 2.500 6.000 7. 02.00 Saldo P. 2.500 Preço de reposição O método de do preço de reposição (Close Out) considera a situação do preço dos produtos comprados ou fabricados no momento da avaliação: Preço de reposição = Preço Unitário + Variação de Preço de Custo ou de Mercado Administração de Materiais e Logística Empresarial . Unit.00 3. 1. Unit.000 2. Unit.000 10.00 Entrada 10. Unit. Entrada P. Dia 3. Dia Qtd.01.000 10.01.00 3. é o primeiro a sair.500 3.000 3.500 15. Total Qtd.000 2.01.01. Unit.

A diferença agora é de R$ 20. o lucro contábil. uma empresa produtora precisa no mínimo um armazém central para seus produtos. Na administração do armazém temos que considerar os seguintes tipos de custos: • Custo de mão-de-obra Temos que incluir todos os gastos com pessoal dentro do armazém como salários. Em muitos casos. mas eleva os custos. O sistema de armazenagem tem um papel fundamental na logística de mercado. Devemos levar em consideração que os diferentes métodos usados impactam diretamente no estoque final de uma empresa.20 = R$ 20. São considerações sobre o layout. décimo terceiro salário. os produtos são transferidos para as baias de carregamento. Em seguida. encargos sociais. Existem diversos tipos de materiais e a estrutura de armazém pode variar conforme o tipo de produto a ser armazenado.00). Num armazém automatizado todos os processos são controlados por computadores. etc. É o tipo de produto e as necessidades que têm grande influência na estrutura. Todos eles devem garantir a máxima eficiência dos processos. tipos de custos e fluxos de materiais e informações dentro do armazém. tamanho e localização do armazém. contudo. Ao mesmo tempo já é emitida a fatura pelo computador.00 + R$ 20. tipo ou as peculiaridades do produto. Um computador emite as ordens para as empilhadeiras automáticas e estas retiram os produtos e as quantidades através do código de barras. mas depende também dos recursos financeiros da empresa e do volume de negócios. de forma ordenada e eficiente.31 Exemplo: Para um produto importado houve uma desvalorização do câmbio em 20%. Em geral. as mercadorias dentro do armazém desde a recepção até a expedição (Bowersox.00. o controle do armazém torna-se mais fácil. Tratamos aqui alguns aspectos gerais de armazéns. A quantidade dos armazéns depende muito do tipo de produto e do tamanho da empresa. horas extras. Preço de reposição = R$ 100. O pedido do cliente transmitido através do EDI é processado internamente para efetuar o despacho das mercadorias solicitadas. A automatização do armazém pode consideravelmente reduzir os custos.4 Administração de Armazém Após ter tratado dos aspectos gerais de estoques. açúcar e milho que devem ser armazenados em galpões grandes e secos. Encontramos produtos líquidos que devem ser armazenados em tanques ou produtos a granel como soja. O sistema automático é uma poderosa ferramenta de redução de custos. Todo o planejamento e os detalhes do armazém devem seguir o principal objetivo da movimentação de materiais: fazer fluir. eliminando os custos fixos de manutenção de armazéns próprios. a embalagem varia conforme o tamanho. 2. Uma empresa pode optar também por armazéns terceirizados.00 = R$ 120. Estoque final é considerado um ativo circulante da empresa. No caso das cargas unitárias. ou seja. Administração de Materiais e Logística Empresarial . Este sistema permite várias vantagens: os custos de mão-de-obra. a ocorrência de furtos e a quantidade de acidentes de trabalho são reduzidos.00. 2001). Uma grande quantidade de armazéns próprios da empresa espalhada pelo país aumenta a disponibilidade de produtos. veremos agora como podemos realizar da melhor forma possível estes conceitos.00 mais caro (R$ 100 x 0. A utilização de cada método deve se adaptar à legislação vigente. Antes da desvalorização era comprado por R$ 100. refeições. férias.

impostos e seguros do prédio. energia elétrica ou gás para empilhadeiras. manutenção planejada e juros sobre o capital. impostos. conforme a produtividade. Mínima distância Cargas de uma maior rotatividade devem ser alocados mais próximo ao setor de carga e descarga para minimizar as distâncias. Flexibilidade Devemos prever eventualidades para atender pedidos especiais ou a aquisição de equipamentos multiuso. mão-de-obra externa e outras despesas relacionadas com consertos. Para os custos variáveis temos custos como peças de reposição. seguros. manutenção programada e juros sobre o capital. Estudo de utilização Carregamento e descarregamento Movimentação entre carregamento e descarregamento Preparação da empilhadeira Sem atividade Tempo de Interrupções • • • • • Empilhadeira Atividade e tempo 30 % 40% 5% 19% 6% Administração de Materiais e Logística Empresarial . Segurança e satisfação As atividades devem ser executadas dentro dos padrões de segurança para não por em risco os funcionários e os equipamentos. como incentivos. depreciação das instalações. uma empilhadeira deve estar rodando todo o tempo possível durante o período de trabalho. Mínima manipulação Devemos evitar trabalhos duplos dentro do armazém. Baseado no conceito do custo temos que respeitar as leis da movimentação para otimizar os processos dentro do armazém (rapidez ao menor custo possível): • • Obediência ao fluxo das operações A seqüência dos processos deve otimizar o fluxo do processo total.32 • Custo de equipamentos Para os equipamentos temos custos fixos e custos variáveis. • Todos estes custos podem ser obtidos através da contabilidade da empresa. Os custos fixos incluem depreciação dos equipamentos. Padronização Temos que elaborar o melhor método possível para cada atividade e aplicá-lo sempre. Devemos estudar medidas de motivação da força de trabalho. Cargas de uma rotatividade lenta devem ser estocadas mais longe do setor de carregamento e descarregamento. licenças. como duas pessoas independentes para controlar se o pedido foi comissionado corretamente. Custo das instalações e do espaço São os custos como aluguel. gasolina. Muitas vezes podemos economizar na quantidade de empilhadeiras. ou seja. Máxima utilização do equipamento Devemos evitar paradas de equipamentos. Um aproveitamento otimizado pode reduzir a quantidade das empilhadeiras existentes e leva a uma redução significativa dos custos das empilhadeiras.

Esta medida traria uma grande redução do custo de equipamento inclusive uma redução do custo de mão-de-obra com a eliminação de dois manobristas. • • As características de um armazém Layout. o sistema drive-in e o sistema drive-thru. O mesmo vale para o caso das interrupções.33 Um bom método para medir a produtividade dos equipamentos do armazém é a análise das atividades dentro do horário de trabalho por vários dias para determinar uma amostra confiável. Estante. Estas podem ser resultados de problemas com o layout do armazém. instalações físicas Existem vários formas de layout de um armazém. Os mais importantes são o armazém tradicional. • Máxima utilização da gravidade Devemos ter um nível igual dentro do galpão e rampas para o carregamento dos caminhões que permitam a entrada de empilhadeiras (carregamento e descarregamento mais acelerado). impedindo um maior fluxo de materiais. porta-palete Armazém tradicional Corredores para empilhadeira Administração de Materiais e Logística Empresarial . é possível eliminar duas empilhadeiras. Menor custo total Todas as medidas devem visar menor custo total possível e ao mesmo tempo a maior rapidez na execução das atividades sem comprometer a segurança. Esta porcentagem é muito elevada e precisa ser reduzida. Se uma empresa possui 10 empilhadeiras dentro de um armazém e trabalha com utilização de 70%. A tabela acima mostra os resultados de um estudo de utilização para uma empilhadeira. Foi detectado. que a empilhadeira trabalha somente 70% do tempo disponível com atividades relacionadas à atividade principal. Método do espaço disponível Precisamos de espaços disponíveis para o pré-comissionamento de pedidos e espaços dentro das estantes para a livre passagem das empilhadeiras e outros equipamentos. 19% de tempo pára ou executa outras atividades.

Estante porta-palete convencional Um tipo de armazém que aproveita melhor o espaço é o armazém do tipo drive-in. A desvantagem é o espaço entre as estantes. Trata-se de um espaço perdido no sentido de estocagem de cargas. Esta sistemática segue o princípio de contabilidade LIFO (last in. em português UEPS (último a entrar. Este sistema é melhor para cargas do mesmo tipo na mesma estante. primeiro a sair). porta-palete Corredores para empilhadeira Armazém tipo drive-in Administração de Materiais e Logística Empresarial . A desvantagem é que a empilhadeira somente pode retirar primeiro a carga que está mais perto do corredor. Outra vantagem é a possibilidade de misturar diversos produtos na mesma estante. além de facilitar a livre movimentação das máquinas entre as estantes para transportar as cargas. Estante. que foi colocado por último. As empilhadeiras entram nas estantes e podem colocar as cargas em forma de paletes até a última posição na estante. que não pode ser usado para a estocagem de materiais. ou seja.34 O armazém tradicional permite um rápido carregamento e descarregamento das estantes pelas empilhadeiras. first out) ou.

first out) ou. Este sistema também é recomendado para produtos do mesmo tipo dentro da mesma estante. Existe um fluxo das cargas numa direção. O aproveitamento do espaço também é grande. As empilhadeiras colocam as cargas na entrada da estante drive-thru. deslizando para a direção da saída. em português. As estantes aproveitam a gravidade porque a parte traseira é mais elevada que a dianteira. mas neste existe uma entrada e uma saída da carga. porta-palete Corredores para empilhadeira Armazém tipo drive-thru O armazém do tipo drive-thru pode ser posicionado próximo à área de carregamento. em seguida. A vantagem é o fluxo das materiais e que o sistema pode acompanhar o princípio FIFO (first in. PEPS (primeiro a entrar. Administração de Materiais e Logística Empresarial . e estas são automaticamente movidas pelos roletes. Lá podem ser retiradas facilmente por outras empilhadeiras e. Estante.35 Estante drive-in O armazém que é composto de estantes do tipo drive-thru segue a mesma sistemática do tipo drive-in. primeiro a sair).

pão ou para peças de automóveis. A vantagem é o aproveitamento de espaço.36 carregadas para os caminhões. O corredor é aberto para carregar ou descarregar um produto dentro da fileira. O comprimento dos produtos requer outro tipo de estante para acondicioná-los de forma adequada. O mesmo ocorre no caso das estantes para bobinas em que os cabos precisam ser removidos rapidamente e sem ocupar muito espaço. Administração de Materiais e Logística Empresarial . Estante móvel com trilhos Além destas estantes clássicas existem diversos outros tipos de estantes como estantes para barras ou madeira. Geralmente. Estante drive-thru A estante móvel com trilhos aproveita melhor ainda o espaço. Este tipo de estante é muito usado na preparação de pedidos de biscoito. Aumenta a rapidez dos movimentos e as empilhadeiras economizam na distância decorrida. possuem somente um corredor e todas as estantes ficam juntas. mas a manipulação das estantes se torna um processo mais trabalhoso. já que as estantes são movidas conforme a necessidade dos produtos. Existem sistemas automáticos altamente sofisticados que executam estas atividades com maior rapidez e eficiência.

Administração de Materiais e Logística Empresarial .) Estante especial para bobinas Para um armazém. lever (inglês): alavanca. que dá suporte à construção. Apresentamos um modelo para explicar algumas premissas básicas de um armazém. A área de carregamento e descarregamento está em um lado para que estas operações possam ser executadas com mais rapidez. é importante permitir o fluxo rápido de todas as operações. longitudinal. um telhado protege os produtos contra sol e chuva durante as operações de carregamento e descarregamento dos caminhões. da rotação dos produtos e dos recursos financeiros da empresa. Na área de carregamento.37 Estante cantiléver2 (para barras etc. Viga de balanço. Tipos tradicionais de armazéns usam uma área de descarregamento de caminhões. no teto. uma área de armazenagem das mercadorias e uma área de carregamento de caminhões. Na área azul ocorre o 2 cant (inglês): reborda. O layout do armazém depende muito do tipo de produto.

As estantes devem seguir a direção do fluxo para fazer os caminhos mais curtos. O nivelamento do armazém deve ser o mesmo. Uma maior rapidez devido a caminhos mais curtos significa uma maior eficiência das operações e uma redução de custos fixos e variáveis. Devem existir corredores em todo o armazém para permitir a passagem dos produtos de todas as áreas para a área de carregamento. A B C Caminhão Telhado de proteção na área de carga e descarga Área de carregamento e descarregamento A B C Área de armazenamento de produtos de alta rotatividade Área de armazenamento de produtos de média rotatividade Área de armazenamento de produtos de baixa rotatividade Entrada da empilhadeira no caminhão para carga e descarga Proposta de layout de um armazém Administração de Materiais e Logística Empresarial . As estantes dos produtos de alta rotatividade devem estar localizadas mais próximas dos caminhões para permitir uma maior rapidez nas operações.38 carregamento e descarregamento dos veículos. A rampa deve ter a altura do galpão para que a empilhadeira possa entrar no caminhão e efetuar o carregamento e descarregamento com maior rapidez.

numa distância suficiente para não interferir nas operações de carga e descarga dos caminhões: Caminhão Pátio de espera Armazém Entrada e saída Proposta de layout de um armazém com pátio de espera e manobras O cross-docking efetua operações de descarregamento de carretas vindo de fábricas ou outros centros de distribuição e redirecionamento de cargas para outros destinos como clientes finais ou outros centros de distribuição. Fábrica 1 Cliente 1 Fábrica 2 Armazém de crossdocking Cliente 2 Fábrica 3 Cliente 3 Sistema de cross-docking Administração de Materiais e Logística Empresarial . esta pode estar localizada ao lado esquerdo do galpão.39 Não consideramos aqui uma área para a espera dos caminhões.

a forma mais sofisticada do cross-docking é a preparação exata dos pedidos. A primeira forma é o carregamento completo na fábrica do produtor e o redirecionamento através do armazém para outros caminhões que entregam os produtos nas filiais. ficam à espera dos produtos das fábricas. o despacho desde a fábrica ou do armazém ocorre com as quantidades exatas pedidas pelas filiais. A segunda forma é o carregamento na fábrica com um pequeno nível de estoque no armazém de crossdocking. geralmente de menor porte. Quanto maior o caminhão e mais unidades de carregamento. Finalmente. No armazém onde ocorre o cross-docking. No armazém de cross-docking chegam as carretas de grande porte vindo das fábricas ou de outros centros de distribuição. os produtos são redirecionados conforme as quantidades solicitadas pelos clientes. Quando os caminhões chegam no armazém. Caminhões vindo da fábrica Recebimento Redirecionamento Expedição Caminhões indo para os clientes Sistema de distribuição de cross-docking Administração de Materiais e Logística Empresarial . O mix para cada cliente é carregado logo em seguida para que chegue rapidamente no destino final. Vejamos o cross-docking de forma mais detalhada. Neste caso. já estão definidas as quantidades a serem distribuídas para os clientes finais.40 O cross-docking representa um sistema econômico de distribuição de produtos e sua aplicação é uma ferramenta muito eficaz para reduzir os custos de distribuição. os produtos são rapidamente redirecionados para as filiais e não existe nível de estoque no armazém de crossdocking. menor o custo unitário por unidade. mas as filiais mantém uma quantidade de estoque próprio dentro da filial. Caminhões. Rapidamente. Existem três formas do cross-docking.

000 9. No nosso exemplo não incluímos outros custos como seguros e impostos para facilitar os cálculos.4) 2. descarregamento e movimentação de cargas.90 14.3 + 5.2 Custos operacionais por hora (2.3) 4.1 Empilhadeira 1. As duas fontes de energia mais usadas em empilhadeiras são o gás e a eletricidade. Estes são também custos fixos e devem ser incluídos no item 2. 24 dias por mês = 2.4 Custos variáveis por hora (2. Item de custo 1.0.1 Custos operacionais por ano (2.3 Total custos variáveis por ano 3. não gastaria combustível.200 20. mas também causam custos para a Administração de Materiais e Logística Empresarial .000 6.3 + 3.20 40.000 18.000 12.0 Investimento 1.3 + 3.2 Energia ou combustível (R$ 0.3 Investimento total 2.000 10.1 Consertos e peças (12% de 1.200 600 7.400 7. é fundamental aproveitar uma empilhadeira o máximo possível.000 horas) 5.4) 3. Como já vimos no nosso estudo de utilização de tempo. mas todos os outros custos correspondem.2 Custo mão-de-obra por hora (2.0 Custos fixos 2.o Custos variáveis 3. Este fato fica mais claro se analisarmos os custos de uma empilhadeira.00 7.4) 2.0 Custo total 6.2 Custo total por hora (2. Os mais importantes são as empilhadeiras. Abaixo detalhamos alguns equipamentos típicos dentro de um armazém.800 12.3 Total custos fixos por ano 2.0 Determinação dos custos operacionais 4.30 por hora para 2. Usamos valores mais simples para facilitar os cálculos.1) 6.1 Depreciação (em cinco anos e cinco parcelas iguais de 1.41 Equipamentos e mão-de-obra Há uma diversidade grande de equipamentos dentro do armazém. além das estantes que já tratamos.000 horas por ano) 4.1 (R$ 500 por mês + encargos sociais de R$ 500 por mês igual a R$ 12.90 25.000 horas) 3. Neste caso.4 Custos fixos por hora (8 horas por dia.1 Custo total por ano (2.000 por mês e 1.2 Bateria 1.000 horas por ano) 3.10 Uma empilhadeira que não é aproveitada ao máximo causa despesas desnecessárias para a empresa.0 Salário operador de empilhadeira 5. Estes facilitam o manuseio das cargas.2 homens por empilhadeira) 5.000 horas) 6.800 3.000 horas) Custos de uma empilhadeira Valor (em R$) 50.2 Juros sobre capital (20% de 50% de 1. para a execução das atividades relacionadas ao carregamento.000 60.

a empresa precisa calcular todos os gastos efetuados com este funcionário. A embalagem dos produtos e das cargas tem impacto sobre a produtividade e o custo da logística em todos os processos da empresa (compras. leves e com proteção contra avarias. são contrárias às embalagens preferidas pela logística. Mesmo assim. Muitas empresas subestimam ou estimam de forma errada os custos de embalagem. São preferidas embalagens grandes e volumosas para atrair o comprador. A embalagem para o consumidor visa o marketing do produto. Embalagem Um fator que influencia de forma importante a logística de uma empresa é a embalagem. latas. baseado em conceitos de logística. compactas. baseado em conceitos de marketing. Esta prefere embalagens pequenas. vendas. Os produtos com a embalagem originária como garrafas. Há dois tipos de classificações da embalagem: a embalagem para o consumidor. Para todos os equipamentos devemos fazer um estudo de tempo e determinar os custos por hora. produção. frascos. Outros custos podem resultar de material de embalagem nãoreciclável ou um manuseio muito trabalhoso e demorado devido ao volume de um produto. Geralmente. todos os aspectos referente à embalagem já devem ser incorporados no conceito geral. são embalados em caixas Administração de Materiais e Logística Empresarial . quando a empresa escolhe o produtor ou fornecedor. independente se ele efetivamente trabalhou estas 2. ele tira um mês de férias e pode pedir licença em caso de doenças etc. distribuição e reciclagem). Empilhadeira Paleteira elevadora Paleteira manual Equipamentos usados no armazém Para o cálculo dos custos de mão-de-obra devemos considerar que um operário não trabalha 2. para evitar custos adicionais. Tratamos aqui somente alguns aspectos da embalagem e as interdependências com o sistema logístico.42 empresa. como a logística abrange todos os setores. Estes custos podem ser resultado da não-conformidade com medidas e pesos nas estantes porta-paletes. Geralmente. A embalagem industrial visa à eficiência do manuseio.000 horas por ano.000 horas ou não. de caminhões ou de empilhadeiras. é importante que a logística seja envolvida no processo decisório para encontrar a forma da embalagem ideal. caixas ou sacos. Para encontrar a embalagem adequada. e a embalagem industrial.

estas embalagens secundárias são agrupadas novamente em unidades maiores. Neste caso. para manuseio ou transporte” (Bowersox. o meio e o quarto módulo. Todo o espaço é aproveitado. 2001. formando um só volume. Facilitam o transporte e o manuseio dos produtos. temos três módulos. 368). O espaço dentro do caminhão 3 “Agrupamento de caixas numa carga única. As embalagens secundárias devem ter um padrão estabelecido e uma quantidade de variedade reduzida. Estas caixas são chamadas embalagens secundárias.Largura A A . Duas caixas de meio módulo empilhadas teriam o mesmo volume que um módulo inteiro. Administração de Materiais e Logística Empresarial . pela largura e pela altura. As embalagens secundárias e a unitização são a base para o canal logístico (canal de marketing). empilhados. Este pode ser facilmente manuseado por empilhadeiras ou paleteiras manuais e carregado num caminhão. 2001) Este sistema resulta na unitização das cargas. Um módulo completo pode ser composto também de quatro módulos de um quarto. O peso. As embalagens são medidas pelo comprimento. O carregamento com o sistema modular em um palete resulta no aproveitamento perfeito do espaço disponível. C C .Altura L Conceitos de embalagem Comprimento x Largura x Altura CxLxA O sistema modular de embalagem mostra o conceito da padronização de embalagens secundárias. o inteiro.Comprimento L .43 maiores para agrupar os produtos. Módulo inteiro 1⁄2 módulo 1⁄4 de módulo A=1 A = 1⁄2 A = 1⁄4 L=1 L=1 L=1 Sistema modular de embalagem (adaptado de Friedmann apud Bowersox. ou de um módulo de meio e dois de um quarto. Este sistema é chamado de unitização3. Num segundo passo. o volume (cubagem) e a fragilidade das embalagens secundárias usadas determinam a logística da empresa. p.

Palete de madeira Palete de madeira com caixas Distinguimos três funções principais de embalagem: utilidade e eficiência. proteção contra avaria e comunicação.44 também é padronizado. A paletização foi um dos fatores que mais contribuiu para o aumento da produtividade na logística. Administração de Materiais e Logística Empresarial . podendo carregar uma quantidade definida de paletes com estas medidas. 2001) O palete de madeira é uma base ideal para transportar cargas. C=1 L=1 A=1 A=1 A=1 C=1 L=1 Sistema modular de embalagem (adaptado de Friedmann apud Bowersox. As embalagens secundárias podem ser empilhadas facilmente acima e empilhadeiras podem carregar e descarregar os paletes sem problemas.

O valor do produto e a fragilidade determinam o grau de proteção. Este pode ser um ambiente sob controle da empresa ou um ambiente terceirizado. a umidade ou materiais não adequados usados no processo logístico. 368). Neste caso. é impossível alcançar uma proteção total. As características dos produtos geralmente determinam as embalagens usadas. É a medida mais comum e econômica usada no mundo. as garrafas estão sendo substituídas por garrafas plásticas. Aumenta a eficiência da movimentação dos materiais. como a temperatura. O ambiente físico que envolve um produto é o ambiente logístico. Isto significa adequar a embalagem ao produto. Geralmente. Durante o processo logístico. por exemplo. Proteção contra avarias A proteção contra avarias serve também como forma de evitar furtos de produtos. que influenciam a embalagem. Estas podem ser evitadas através de um maior cuidado no armazém ou uma melhor preparação das cargas como amarração nas carretas. Produtos químicos ou pneumáticos soltam fortes odores e podem contaminar outros produtos de origens diferentes.20 m. para evitar danos no produto. Agora podem ser carregadas mais garrafas no mesmo veículo. se usa sistemas de otimização de tempos nos processos logísticos para aumentar a produtividade logística. de como um produto pode sofrer avarias. Também não é mais fornecida a caixa para o retorno das embalagens usadas. A unitização das cargas é um dos assuntos mais importantes para a embalagem. Na Europa e nos Estados Unidos são utilizados os paletes com medidas de 1 m x 1. Administração de Materiais e Logística Empresarial . geralmente fora do controle direto da empresa. para evitar a movimentação das cargas. as precauções com embalagem devem ser maiores do que se trabalhar com a própria logística. Outros aspectos. 2001. há diferentes formas. reduzindo o custo de transporte unitário. O mesmo é válido para produtos frágeis. A embalagem deve proteger o produto contra as influências climáticas e alguns materiais estranhos. como produtos de cristal importados. já que o custo da embalagem aumenta com o grau de proteção do produto. são fatores externos. Contudo. Se uma empresa trabalhar com serviços logísticos terceirizados. isto significa uma redução no desgaste do caminhão e no combustível usado. mas não se deve esquecer que a embalagem exerce influência fundamental sobre a rapidez de processos logísticos. a perfuração e a compressão. outra economia seria uma redução de peso.45 Utilidade e eficiência “A produtividade logística é a relação entre o volume de saída de uma atividade logística (carregamento de um caminhão) e os recursos despendidos (mão-de-obra e tempo de empilhadeiras)” (Bowersox. No mercado de refrigerantes. p. mas um estudo cuidadoso pode gerar um maior aproveitamento de espaço (cubagem). Produtos como o contêiner para o transporte multimodal (rodoviário. Deve ser alcançado o grau desejado de proteção contra avarias. A eficiência do manuseio dos materiais depende das características dos produtos e da unitização. Para produtos de alto valor agregado. As mais importantes são a vibração. como máquinas especiais. já que as garrafas de plástico são mais leves do que as garrafas de vidro. o impacto. ferroviário. fluviário e aéreo) e o palete facilitaram de forma extraordinária a eficiência do manuseio dos produtos. Para a empresa. pode ser justificado. um maior custo de embalagem.

Administração de Materiais e Logística Empresarial . Por isto. a identificação do conteúdo da embalagem. Contudo. Somente deve ser efetuado um transporte quando há aumento do valor de produtos. o rastreamento e o manuseio dos produtos. A economia de escala é a redução de custo de transporte por unidade de peso.5 Administração de transporte Outro fator crucial na logística do mercado é o transporte. Em muitos casos. podemos falar de um armazém virtual. geralmente.46 Comunicação A terceira função logística importante da embalagem é a comunicação. o transporte à noite e a entrega de manhã numa cidade distante. quantidade. O rastreamento dos produtos através da embalagem é também muito importante. menor seria o custo unitário devido ao maior número de produtos no caminhão. etc. no mundo. o produto. Devese usar meios de transporte grandes para baixar o custo total de transporte por unidade transportada. Outra função da comunicação é a informação sobre o manuseio dos produtos. O mesmo é válido para as embalagens secundárias. a reciclagem influenciou drasticamente o desenvolvimento de novas formas de embalagem. A empresa aproveitou as vantagens de um armazém virtual. as atualizações ocorrem de forma automática. a tendência é uma crescente normatização através do código EAN 134 ou do sistema UPC5. entre carregamento e descarregamento de um pedido. Os dispositivos portáteis de leitura óptica de códigos de barra e a comunicação por rádio freqüência possibilitaram o rastreamento de pedidos on-line. É transferida informação através das embalagens. 4 5 European Article Numbering. o tipo de embalagem. é determinado. já acontece o fornecimento de cargas em lotes completos através destes códigos. Dois princípios determinam a administração de transporte: a economia de escala e a economia de distância. contendo informações sobre o fabricante. peso. sem manipulação humana. ou seja. Nos últimos anos. Em muitos casos. A embalagem deve identificar o conteúdo. 2. código composto de 13 dígitos. Um exemplo: Custo fixo de uma carreta de São Paulo para Belo Horizonte: R$ 1. Neste caso. O transporte tem duas funções principais: a movimentação e armazenagem de produtos ou matérias-primas. Outra função do transporte é a função de estocagem temporária de produtos quando o veículo está se movimentando entre dois armazéns ou entre a fábrica e o cliente final.500. Este conceito é interessante quando falamos de carregamento de pedidos à tarde. a logística deve ser envolvida no desenvolvimento de novas embalagens para manter a eficiência de todas as operações. Os produtores são obrigados a desenvolver e utilizar embalagens recicláveis e menores para preservar o meio-ambiente. O custo de uma carreta para um determinado transporte. Quanto mais unidades são carregadas e transportadas. Universal Product Code. esta função somente agrega valor à empresa se o veículo efetivamente está exercendo atividades relacionadas ao trabalho. ganhando tempo na entrega dos produtos. Cada vez mais aumentam as exigências das leis ambientais à embalagem. Atualmente. Estas informações podem ser agrupadas em três categorias.

Administração de Materiais e Logística Empresarial . o gerente de logística despacha uma carga com 1. No Brasil. freqüência. O segundo princípio é a economia da distância. como o custo fixo unitário baixou. Encontramos também trade-offs na área de transporte. Custo por unidade transportada: R$ 1. e o custo variável não se altera.47 Capacidade de transporte total: 3. em que o custo de transporte por unidade de distância deve ser reduzido.500 ---------.50 para R$ 1. A malha ferroviária apresenta uma estrutura precária e é somente competitiva. Entregas pequenas aumentam o serviço ao cliente. Um sistema de entregas programadas em dias fixos da semana com quantidades maiores reduz o custo de transporte por unidade transportada. Nas distâncias maiores. o transporte rodoviário é utilizado para distâncias menores. em algumas regiões do país. o transporte aéreo e o transporte aquaviário (marítimo e fluvial). elevam os custos de transporte. o custo total unitário por quilômetro recorrido baixa. o transporte rodoviário.000 produtos do item A. como volume de carga. por exemplo. Na escolha das vias de transporte deve-se avaliar fatores como velocidade. ferroviário. confiabilidade. os custos fixos unitários se reduzem por quilômetro recorrido. Por isto. o transporte ferroviário. disponibilidade. não existe uma fórmula única de determinar a distância ideal. entre a fábrica do produtor e o armazém de um cliente próximo. densidade ou facilidade de manuseio e de acondicionamento. mas. um aumento de 100%. enquanto os custos variáveis por quilômetro recorrido não variam. em relação ao caminhão.500 ---------.00 por unidade O custo de transporte por unidade aumentou de R$ 0. é muito importante utilizar caminhões grandes com aproveitamento de 100% para baixar os custos unitários de transporte. rastreabilidade e custo.= 3.50 por unidade Outra alternativa: Devido a uma urgência.500 produtos do item A: = R$ 1.000 Custo Total --------------------------------------------Quantidade de produtos transportados = R$ 0. Vale a comparação com outros meios de transporte. aéreo. Tipos de transporte de cargas Os tipos de transporte de cargas mais importantes e relevantes para a logística são o transporte rodoviário. Transporte rodoviário Geralmente. capacidade. marítimo e por dutos.= 1. ao mesmo tempo. uma grande quantidade de cargas é movimentada através de caminhões e não existem muitas vias alternativas de transporte. podemos incluir outros fatores. Contudo.500 R$ 1. Uma parte do transporte rodoviário é custo fixo e outra variável. Existem diversos tipos de transporte. Mas.00. Neste mesmo conceito.

o custo de transporte ferroviário varia muito. este tipo de transporte deve ser priorizado para cargas pesadas e de um valor unitário baixo. O tempo de trânsito é mais lento que o rodoviário. Algumas das concessionárias das redes ferroviárias mais importantes são a América Latina Logística. Cimento Bobinas de aço Tubos de aço Contêineres Produtos químicos Mineração Grãos (soja) Papel Cargas típicas movidos pelo transporte ferroviário no Brasil Automóveis Administração de Materiais e Logística Empresarial . mas reduz as avarias das cargas. a MRS Logística e a Companhia Ferroviária do Nordeste. Na Europa e nos Estados Unidos existe uma grande malha ferroviária e o transporte ferroviário é bastante difundido e competitivo. São principalmente mercadorias como minério de ferro.48 Transporte ferroviário No Brasil poucas cargas são movidas pelo sistema ferroviário. No Brasil. e o mercado é oligopolista. Numa situação normal. Existem poucas operadoras. soja ou carvão que são movidos por este sistema de transporte.

não devem ser transportadas na parte superior do navio porta-contêiner. Há diversos tipos de contêineres para cada tipo de carga. O despacho das mercadorias nos aeroportos é muito mais rápido do que nos portos ou nas postos fronteiriços entre o Brasil e a Argentina. A ferrugem pode causar sérios danos à mercadoria. Além disto. no interior de São Paulo. produtos perecíveis e para entregas just-in-time. mas aumenta a segurança dos produtos e reduz os tempos de trânsito. há saídas diárias de aviões cargueiros de São Paulo e Campinas para Buenos Aires a um custo muito competitivo. Os embarcadores (empresas de transporte) utilizam também paletes para o transporte de cargas. As empresas produtoras de celulares como a Motorola em Jaguariúna. como cada empresa apresenta um estudo de caso diferente. medidas. As empresas consultorias de logística determinam todos os custos logísticos de uma empresa para demonstrar em que parte a estrutura logística apresenta falhas. o sistema automático de carregamento do navio posiciona a carga conforme o peso. máquinas. porque perde três dias somente nos pontos fronteiriços na declaração aduaneira destas mercadorias. Existem diversos tipos de contêineres que são usados para o transporte aéreo. Outras cargas como café. mas isto não garante o carregamento na parte protegida do navio. Transporte aquaviário O transporte de cargas através das vias marítimas e fluviais é usado para embarcar cargas de grande peso e volume e que não precisam chegar com tanta rapidez como os produtos embarcados via aérea. Geralmente cargas a granel como soja. Por isto. Os custos mais importantes são os de armazenagem e de transporte. mas somente com as medidas permitidas pelas companhias aéreas. O gerente de logística precisa possuir uma grande habilidade para otimizar os componentes do sistema como um total. Para o profissional é importante saber que algumas cargas. usam este meio de transporte para despachar seus produtos para a exportação. exerce forte influência sobre os outros componentes do sistema e sobre o sistema total (teoria dos sistemas). As vantagens do contêiner são maior segurança e facilidade de manuseio. como máquinas. Estas cargas são transportadas diretamente no porão dos navios sem embalagem. Pode-se imaginar um sistema logístico como um sistema composto de vários subsistemas. Até os despachos para a Argentina são feitas desta forma. bastante comum no Brasil. Uma alteração em uma.49 Transporte aéreo O transporte aéreo é o meio de transporte mais caro. Contudo. O transporte do contêiner pode ser uma combinação de vários meios de transporte como o rodoviário. Estas cargas são expostas ao mar. tipo). frutas ou madeira são transportados em contêineres. ou várias áreas do sub-sistema. O transporte marítimo teria um tempo de trânsito ainda maior. pode-se imaginar que é impossível estabelecer uma fórmula válida para todas as empresas. o marítimo e o ferroviário. o profissional deve ordenar o carregamento na parte protegida do navio. Um caminhão levaria pelo menos cinco dias partindo de São Paulo para Buenos Aires. 3 Considerações finais sobre o sistema de distribuição Os conceitos de processamento de pedidos. da administração de armazém e de transporte. Em caso de dúvida deve ser contatada a companhia aérea responsável. para este tipo de produtos. Sem instrução específica do exportador. são movimentadas desta forma. Este meio de transporte é utilizado para cargas de alto valor agregado. É importante conhecer as limitações para cargas aéreas (peso. minério de ferro ou carvão. Existem contêineres para carga seca ou refrigerada. Todos são padronizados para cada tipo de avião e devem garantir a segurança do avião. Evita-se o furto de cargas nas rodovias. Administração de Materiais e Logística Empresarial . é reduzido o tempo de trânsito. formam a base da logística eficiente.

Philip. Harvard Business Review (novembro-dezembro de 1966). Daniel L. 2002. GURGEL. 2000. KOTLER. Administração de materiais e do patrimônio. Symbiotic Marketing. S. CLOSS. São Paulo: Saraiva. Peter. História geral. Cláudio.. BAILY. Sérgio Roberto (coordenação). DIAS. São Paulo: Prentice Hall. 2005 VICENTINO. 2001. David J. 2000. Lee. São Paulo: Prentice Hall. Microeconomia – Quinta Edição.]. 2004. São Paulo: Scipione. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. Paulino. 59-71. Floriano do Amaral. KOTLER. Administração de materiais e das compras “Um enfoque prático” – Visão logística.. BOWERSOX. FRANCISCHINI. Fernando Guilhobel Rosas. Philip. [et al. 2002. Recife. Donald J. São Paulo: Atlas. Robert. Edição atual e ampliada. São Paulo: Atlas. Administração de marketing: a edição do novo milênio.50 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADLER. Gestão de marketing. 1996. São Paulo: Atlas. Marketing. PINDICK. 1997 Administração de Materiais e Logística Empresarial . RUBINFELD. G. Tradução: Ailton Bomfim Brandão. p. São Paulo: Pioneira Thomson. TRIGUEIRO. Edição compacta.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful