Você está na página 1de 7

Membranas - Difusão de iões através da membrana, como consequência da

A membrana celular que envolve toda a célula, é uma estrutura fina diferença de concentrações
e elástica, com espessura de apenas 7,5 a 10 nm, formada quase
inteiramente por lípidos e proteínas. A sua composição é O principal mecanismo do potencial de acção é o transporte activo
aproximadamente 55% de proteínas, 25% de fosfolípidos, 13% de através da bomba de sódio, que transporta 3 catiões de sódio para fora
colesterol, 4% de outros lípidos e 3% de carbohidratos. da célula e 2 catiões de potássio (carregados positivamente) para dentro
A sua estrura básica é de uma bicamada lipídica, com espessura de da célula, gerando electronegatividade dentro da célula.
apenas duas moléculas, que são contínuas por toda a superfície celular. A difusão leva que o sódio entre para dentro da célula até que a
Existem grandes moléculas globulares de proteínas intercaladas nessa positividade gerada momentaneamente no interior da célula, leve a que
película lipídica. Uma parte de cada molécula de fosfolípidos é solúvel esse fluxo seja repelido. O potássio saí por difusão até que lhe aconteça
em água, hidrofílica e a outra hidrofóbica ( solúvel em gorduras ). A igual impedimento ao fluxo, pela positividade gerada por este. Esta
porção fosfato dos fosfolípidos é hidrófílica enquanto que a porção dos situação de equilíbrio é o potencial de Nernst.
ácidos gordos é hidrofóbica. O potencial médio de todos os iões gera um potencial de membrana em
Como as porções hidrofóbicas das moléculas de fosfolípidos são repouso de –90 mV, este valor tem a ver com as diferentes
repelidas pela água, ao mesmo tempo que são atraídas umas pelas permeabilidades da membrana para os vários iões (p. ex: em repouso a
outras, elas apresentam tendência natural para se alinharem lado a lado membrana é praticamente impermeável ao sódio e muito permeável ao
no centro da membrana. A bicamada lipídica da membrana é potássio).
impermeável às substâncias hidrossolúveis como os iões, a glicose e a O cálculo do potencial de membrana quando se consideram os vários
ureia. Por outro lado, as substâncias lipossolúveis como o O 2, CO2 e o iões aos quais ela é permeável é a equação de Goldmann.
álcool atravessam facilmente a membrana. Uma característica especial
da membrana é ser um fluído e não um sólido. Por conseguinte, partes Em suma, o potencial de membrana (potencial em repouso) depende:
da membrana são capazes de fluir ao longo da superfície da membrana.
As moléculas de colesterol estão dissolvidas na bicamada fosfolipídica.
- Bomba Na+ / K+
Elas são, em grande parte, responsáveis pelo grau de permeabilidade - Difusão de K+ 100-50 x maior que Na+ ( m. semipermeável)
da bicamada lipídica aos constituintes hidrossolúveis dos líquidos
corporais. Por outro lado, o colesterol controla também o grau de fluidez - [aniões]-ic que não difundem (m. impermeável) – iões de fosfato,
da membrana. iões de sulfato, iões bicarbonato e iões proteicos.
As proteínas de membrana são na sua maioria glicoproteínas. Existem N. B.: Os iões Cl- difundem livremente, embora sejam repelidos no
dois tipos de proteínas: as integrais, proeminentes através de toda a interior da célula pela electronegatividade. Influem pouco na génese do
espessura da membrana, e as periféricas, que são fixas à superfície da potencial de membrana.
membrana mas não a atravessam. Muitas das proteínas integrais
formam canais estruturais, pelos quais as substâncias hidrossolúveis, Transportes
em especial os iões, podem difundir-se entre os líquidos extra e intra- Transporte passivo: transporte possibilitado por uma diferença de
celular. Esses canais proteícos apresentam propriedades selectivas. concentração (para substâncias sem carga) ou por uma diferença de
Outras proteínas integrais actuam como proteínas transportadoras de concentração e de potencial eléctrico (para substâncias com carga).
substâncias no transporte activo. Ainda outras actuam como enzimas.Só Este tipo de transporte tende a dissipar as diferenças que lhe deu origem
isoladas c/ tratamentos agressivos envolvendo a rotura da membrana e a distribuição final entre a célula e o meio será a de um estado de
por detergentes caotrópicos.O fraccionamento das prots tem sido + dificil equilíbrio.
e recorre-se hj a tecnicas d cromatografia e electroforese. As proteínas Pressão osmótica: é igual à pressão hidrostática necessária para
periféricas encontram-se na sua quase totalidade, na face interna da interromper a passagem da água. A pressão osmótica e tanto menor
membrana, fixando-se a uma das proteínas integrais. Essas proteínas quanto o número de partículas de soluto. T = RT(C), em que T é a
periféricas actuam como enzimas ou como outros tipos de controladores pressão osmótica do soluto; R constante dos gases ideais; T
do funcionamento intracelular.São dissociadas c/ tratamentos suaves c/o temperatura absoluta em Kelvin e C concentração do soluto em
alterações no ph ou força iónica.São libertadas livres d lipidos moles/litro (molaridade). Para solutos que se dissociam deve ser
contaminantes e q podem ser purificadas segundo as técnicas multiplicada pelo número de partículas da molécula dissociada, a
“standard” d fraccionamento proteico. osmolaridade da solução. 1 osmol de uma substância é a massa desta
Os hidratos de carbono celulares estão invariavelmente que proporciona em solução o mesmo número de partículas que 1 mol
combinados com proteínas e lípidos, sob a forma de glicoproteínas de uma substância não dissociada. 1 osmol glucose = 1 mol de glucose;
e de glicolípidos. As porções “glico” encontram-se no exterior da 1 osmol NaCl = 0,5 mol de NaCl. Geralmente a pressão osmótica da
célula, assim como as proteoglicanas que se fixam à superfície célula é idêntica à pressão osmótica do meio que a rodeia. Contudo, a
externa da célula. Assim, toda a superfície externa da célula membrana biológica pode ser muito permeável a alguns solutos. A
apresenta com frequência, um fraco revestimento de carbohidratos, pressão osmótica ou osmolaridade efectiva é aquela determinada
que é chamado de glicocálice.Os radicais carbohidrato, presos à pelos solutos que são incapazes de atravessarem a membrana ou
superfície externa da célula, desempenham determinadas funções: fazem-no com uma velocidade menor do que a água.
muitos deles têm cargas negativas, o que dá à maioria das células Transporte passivo de iões: à força impulsionadora originada das
uma carga global superficial negativa, capaz de repelir outros diferenças de concentração adiciona-se a que provém das diferenças de
elementos negativos; o glicocálice de algumas células fixa-se ao potencial eléctrico de modo que a tendência para dissipar as diferenças
glicocálice de outras, o que faz com que essas células fiquem de concentração possa ser contrariada pelas diferenças de potencial.
ligadas entre si, muitos desses radicais actuam como substaâncias Potencial electoquímico: mede a energia livre de um ião em solução
receptoras para a fixação de várias hormonas, como a insulina, em função da usa concentração e do potencial eléctrico. A temperatura e
outros participam em reacções imunológicas. a pressão constantes (como nas células) dois sistemas estão em
Lig covalente entre prots e lipidos nas memb. equilíbrio quando a sua energia livre tem o mesmo valor, quer dizer,
3 tipos: quando se iguala o potencial electroquímico do ião em ambos os
Miristato-liga-se à sup citoplasmica das membranas proteinas c/o a compartimentos.
subunidade catalitica da prot quinase AMPc –dependente. Equação de Nernst: permite para qualquer ião de carga conhecida,
Palmitato-ligações tio-ester c/ a cisteína. distribuído entre a célula e o meio, determinar: 1) conhecendo-se a
Glicosil-Fosfatidilinositol-2 tipos:1-Livre- na sup citoplasmática,c/ relação de concentração, a diferença de potencial necessária para
função na transdução d sinais(ex. insulina);2-Ligado às prots-q é manter aquela relação em equilíbrio e 2) conhecendo-se a diferença de
extracel(ex.fosfatase) potencial, a diferença de concentração que corresponde a uma
distribuição em equilíbrio. Nas células, a maior parte dos iões negativos
Determinantes da Fluidez membranaria intracelulares são proteínas incapazes de atravessarem a membrana,
Det. Variavel Efeito na Fluidez enquanto que os iões positivos (nomeadamente o K+) podem difundir.
Temp > > Em consequência, as células possuem uma diferença de potencial em
Lípido > comprimento AG < relação ao exterior, que se aproxima do valor experimental da relação de
> insaturaçao AG > concentração entre o K+ intra e extracelular, isto é o potencial da
> esfingomielina < membrana ou o potencial de repouso.
> colestrol > ou<< Equilíbrio de Gibbs-Donnan: os aniões só se difundem para dentro
da células. Os catiões difundem-se para dentro e para fora da
Prot > <
célula. Todas as células contém iões negativos incapazes de atravessar
a membrana enquanto que os iões negativos e positivos do meio o
Efeitos da fluidez nas prots da memb. podem fazer. Se a distribuição dos iões se realiza apenas por transporte
Mobilidade (prot,lat,vertical,rotacional);Permeabiliade(d substratos e passivo, na situação de equilíbrio devem igualar-se os produtos das
ligandos);Actv Catalitica(d enzimas);Especificidade e Afinidade d concentrações dos iões disponíveis em ambos os lados da membrana
receptores [K]int. [Cl]int. = [K]ext. [Cl]ext.
Actv. Biologicas dos esfingolípidos- Este equilíbrio está portanto necessariamente associado a uma
Antigénios tumorais;Moduladores da proliferação cel;Modulação da diferença de pressão osmótica entre os compartimentos em que se
fosforilação prot;Marcadres da dif cel;Reguladores da estabelece e a que se dá o nome de pressão osmótica ou
fluidez;Contacto inter-cel;Receptores ou co-factores de coloidosmótica. Como esta levaria à entrada de água para o interior da
receptores;Reconhecimento imunológico célula, deve concluir-se que a distribuição de iões em equilíbrio entre a
Interacção Lípidos-prots nas membranas- célula e o meio é incompatível com a sobrevivência celular. Resulta
Interacções específicas-c/ grupos polares d fosfolipidos daqui a necessidade de outro tipo de transporte iónico além do passivo,
Interacções n-especificas-anulo lipidico.pode compreender entre 20- que torne possível a sobrevivência celular, que será dependente do
90% dos ffl fetais metabolismo da célula, única fonte de energia para transportes não
Interacções d superficie passivos.
Potencial de Membrana Difusão simples: depende do número de choques da substância com a
O potencial de membrana estabelece-se porque se acumulam iões membrana, o movimento resultante ocorrendo sempre no sentido da
negativos (aniões) no interior da membrana celular e em igual nº iões diferença de concentração ou potencial; depende da presença de poros
positivos (catiões) do lado de fora – Potencial de membrana. hidrofílicos (proteínas) nas membranas, permitindo que a sua
Os dois mecanismos básicos do potencial de membrana são: permeabilidade para substâncias hidrofílicas fosse maior do que nas
- Transporte activo de iões através da membrana membranas artificiais de fosfolípidos. Estes poros descriminam a
passagem com base no tamanho e na carga eléctrica da substância.
São geralmente impermeáveis para solutos hidrofílicos com diâmetro sist. d transporte activo d efluxo p/ o sangue);aa
molecular maior do que 7 armstrongs; são geralmente impermeáveis ácidos(glutamato,aspartato-sist d efluxo);aa básicos(arginina
para solutos com carga idêntica à sua parede, mas a densidade de ,lisina);triiodotirosina(T3);micronutrientes(colina,purinas,nucleosidos
carga do poro pode regular a passagem de iões com a mesma carga etc...);3-ATPase NA+/K+-só na face anti-luminal;efluxo d k+ p/ o
(ex. K+ tem permeabilidade 10X maior do que Na+ para carga e sangue;4-Mediado por receptores(demora alguns segundos)-
tamanhos idênticos); e a conformação das proteínas dos poros, transporte de péptidos plasmáticos p/ o SNC por transcitose;5-Mediado
alterando a densidade da carga podem regular a permeabilidade iónica. por prots plasmáticas(albumina, algumas globulinas)-ocorre 1
Difusão facilitada: quando a substância a ser transportada alteração da conformação da prot à passagem pelo endotélio da
passivamente se deve combinar a um componente de membrana barreira.(hormonas esteroides, ac gordos livres, drogas...);6-Mediada
denominado transportador. A velocidade da passagem é proporcional, pelos eritrócitos-O2, outros...
não à concentração da substância, mas à quantidade dos complexos A barreira HE é mto permeável a CO2,O2,H2o;subs
transportadores, ou seja, a velocidade de difusão não é descrita pela Lei lipossoluveis(alcool e anestésicos);ligeiramente permeável a
de Fick (directamente proporcional ao gradiente de concentração), mas electrólitos c7o Na+,Cl- e K+; totalmente impermeável ao enxofre,
obedece à cinética descrita pela equação de Michaelis-Menten. Assim, ouro etc.
a difusão facilitada é um transporte passivo, é específico para Funções enzimático-Metabólicas
determinada substância e é saturável, ou seja, é limitado pelo número de 1-γ-glutamil-transpeptidase(γ-GTP)-met. Glutatião,transporte de AA;2-
transportadores, fazendo-se a velocidade constante a partir de certo MAO(monoamino-oxidase);3-L-dopa descarboxilase-inactivação de
valor. neurotransmissores,limita a entrada de L-dopa;4-Aminopeptidases-
Transporte activo: é um transporte que se efectua contra uma diferença inactivação d encefalinas,somatostatina;5-Peptidil-dipeptidases-C/o a
de concentração ou de potencial eléctrico, implicando a introdução da ECA,inactiva a bradiquuinina(vasodilatador);6-Adenil e Guanil Ciclase-
energia necessária e que cessa com a interrupção do metabolismo activam AC.A fosforilição/desfosforilação será o mecanismo d regulação
celular. A diferença de concentração gerada pelo transporte activo tende ad permeabilidade da barreira;7-Outras enzimas-tirosina-hidroxilase
a dissipar-se com um movimento passivo em direcção oposta. A etc...
distribuição final de um soluto submetido a transporte activo é uma Metabolismo Lipidico-lipoprot lipase;Apoprot A-I(secretada pelo
distribuição em estado estacionário distinta da distribuição em estado de endotélio);Apoprot E(secretada pelos eritrocitos)
equilíbrio dos transportes passivos. As concentrações intracelulares de Metabiolismo dos Ácidos Gordos-capacidade de
K+ (150 mM) e de Na+ (15mM) elongação/desnaturação;capacidade d sintese d eicosanoides.
São respectivamente superiores e inferiores às esperadas, se Funções imunologicas-o endotélio da barreira regula o transporte d
estivessem em estado de equilíbrio com o meio extracelular. Isto deve- linfócitos para o int do SNC.
se à capacidade da célula transportar activamente o Na + para fora e o K + Barreira Sangue-LCR
para dentro da célula. Esta expulsão activa de Na+ vai permitir Os plexos curoideus;tem especificidade
compensar o excesso de osmolaridade intracelular gerado pela Funções:
tendência dos iões que distribuem em equilíbrio de Gibbs-Donnan. É Secreção d LCR-processo activo implicando o transporte activo de
assim indispensável para a manutenção do volume celular e Na+(o transporte absoluto d Na+,Cl- e HCO3- leva à secreção de LCR)
sobrevivência da célula. É resultante das propriedades de certas Transporte de micronut-predominante sist d transporte (t. activo) p/ os
unidades de membrana. É um fenómeno saturável e assimétrico. O folatos,ac. ascórbico,e a timidina.Transporta algum inositol.P/ este e
transporte activo de Na+ para fora está acoplado ao transporte activo de outros micronut o transp endotelial é predominante.
K+ para dentro, saindo 3 iões de Na + para 2 de K+ que entram, ou seja, Transporte d macronut-difusão facilitada de glucose, aa
tem um efeito electrogénico, aumentando a electronegatividade neutros...Embora este transp seja insuficiente é largamente
intracelular. A fonte de energia provém da hidrólise de ATP, sendo 1 predominante no endotélio (BHE)
molécula de ATP consumida por 3 Na + e 2 K+ transportados. O sistema Transporte de efluxo(p/ o sangue)-transp activo d K++ e de ac
de transporte activo transforma a energia metabólica em energia organicos fracos
acumulada na diferença de potencial electroquímico gerada pelo Difusão simples-agua,gases e moleculas lipossoluveis
gradiente Na+, K+ entre a célula e o meio. Esta energia pode ser utilizada Sist de transporte saturavel p/ a Leptina
para impulsionar o transporte activo de outras substâncias chamadas
transportes activos secundários. Por exemplo, a entrada de aminoácidos
em certas células, a passagem de glucídos através da parede intestinal, Sangue
ou a expulsão de Ca2+ no nervo e músculo e geração e propagação do Homeostase-coordenação dos processos fisiológicos q mantém a
potencial de acção nas células excitáveis. estabilidade das funções,estabilidade alcançada por:A-rapidez d entrada
Classificação dos transportadores: uniporte: transporte de uma só d subs em déficit e saida das em excesso;B-mecanismo d equilibrio ac-
substância não acoplado ao transporte de outra (ex. entrada de glucose base;C-funcionamento dos diversos tecidos ou sist.
no neurónio); simporte: requer a ligação de mais de uma substância Quando há 1 excesso d 1 subs quím. ou céls no sangue:A-
sendo transportada conjuntamente (ex. difusão facilitada de Na + e passagem para o liq extrecel ou vice versa;B-depósito ou retenção d
glucose na mucosa intestinal); antiporte: ocorre a troca de uma céls.;C-elaboração ou destruição d subs químs;D-Eliminação dos
substância por outra (ex. bomba de Na+/K+-ATPase). resíduos metabólicos.
Quando há 1 défict:A-cadência pelos etcs de subs em depósito;B-
Barreira Sangue-LCR elaboração pelos tecs d subs em depósito;C-prod de céls
Orgãos circunventriculares Principais func do sangue:-
Capilares penetrados Respiratória;Nutritiva;Excretora;Imunitária;Correlação Hormonal;Eq
Pinocitose activa aquoso;Reg térmica;Reg da p. osmótica:Reg do eq. Ác-base;Reg da p.
Secreção d LCR Arterial
Sist. d transp. Activo e passivo +/-especificos Hematócrito-Vol d glob verm. em 100 ml d sangue incoagulável
centrifugado até a obtenção d 1 vol constante c/ 2 leituras
Barreira Hemato-encefalica sucessivas.Vol normal-45% eritrócitos;55%-plasma.Hematócrito no
Superficie capilar 5000x > Homem-42%;mulher-38%.
Endotélio continuo c/ complexos d junção(tight) Velocidade d sedimentação eritrocitária-Lei d Stokes-depende quase
Pinocitose Discreta exclusivamente do PLASMA, estando em rel directa c/ a qtade d
Geração e manutenção pelos astrócitos fibrinogénio, dp das globulinas e finalmente da albumina.O agrupamento
Abundância d mitocôndrias d glb. Verm. sedimenta + depressa:1-por causa da carga – dos gl.
Funções metabólicas,enzimáticas e reguladoras,incluindo sis. d Verm.;2-por > tensão superficial e hidrofilia dos glb.Vel.Normal-2-7mm/h
transp. +/-especificos (homem);3-10mm/h (mulher)
Caract- do sangue-Cor-depende da relação entre oxihemoglobulina e
LCR carboxihemoglobulina;Opacidade-depende da retenção d luz pelos
Volume-Neo-natal(40-60 ml);<10 anos (60-100 ml); Adulto (140+/-30 ml) GV;Densidade-> q a do plasma(1090-1100 contra 1024);Viscosidade-
Secreção-Cerca de 70% pelos Plexos Curoideus e 30% pelo liq. depende do atrito interno entre as particulas.Tomando a agua c/o
Intersticial, vasos sanguineos e ependimo.400µl/min; 24ml/h; 600ml/dia. unidade:4,3-5,3 na mulher e 3,9-4,9 no homem.P.Ósmotica-é
Renovação-3-4x por dia semelhante À do plasma ou soro.A albumina é responsável por 80% da
Orgãos circunventriculares-Plexos curoideus,eminencia media, neuro- PO.3/4 da PO do plasma deve-se ao NaCl.
hipofise,glandula pineal,orgão subfornical, area postrema Hemólise-Sob acção d diversos agentes físicos ou quím a hemogl.
Fluxo do LCR-Passa dos plexos curoideus p/ as cavidades ventriculares difunde-se p/ o meio.
(i e II sobretudo), depois para o III ventriculo,atraves do foramen do Composição Química-elementos figurados(os GV são os em > [c]) e
Monro e combina-se c/ o líquor produzido no III ventriculo,passando p/ o plasma(soro-a parte líquida após coagulação-;e prots d coagulação)
IV ventriculo atraves do aqueduto de Sylvius,onde tb lhe é adicionado 1 Componentes inorgânicos-Plasma+líq intersticial-
peq. Qtade d liquor. Aqui circula através de uns orificios lats-foramen de Na,Cl,Ca;Eritrócito-Fe,K,Mg
Luschka e 1 orificio central – foramen d Magendie, entrando na Cisterna Viscosidade-3x a da água,considerando o hematócrito normal.Qdo >nº
Magna,a qual é 1 grande espaço de fluido que fica por detras da medula de céls aumenta o hematócrito e a viscosidade.
e por baixo do cerebelo.Esta cisterna está em continuidade c/ o espaço Fact. Q alteram a viscosidade sang.-1-hematócrito;2-conc e tipo d
subaracnoideu q rodeia o cérebro e a espinal medula.O LCR flui p/ cima prots no plasma.A viscosidade do plasma normal é 1,5x a da água;3-
em torno do mesencefalo e cérebro e p/ baixo ao longo da medula e seu calibre vascular-o efeito final leva a > viscosidade nos vasos d peq
canal medular.Nos espaços sub-aracnoideus cerebrais dá-se a absorção calibre isto pq:3.1-efeito d Fahraens Lindqvist-os vasos d calibre <1,5
d LCR pelas vilosidades aracnoideias, q s projectam p/ os grandes vasos mm têm fluxo laminar,logo <viscosidade;3.2-nestes calibres o fluxo tem <
venosos drenando o LCR do fluxo venoso. vel, logo > viscosidade;3.3-embates das subs circulantes em
Barreira Hemato-encefálica procideências do leito vascular,logo > viscosidade.
Funçoes d transporte: Plasma-A const do liq extracel e do plasma é mto parecida, c/ a
1-Difusão Simples-subs altamente lipossoluveis excepção do > conteudo proteico do plasma (7% contra 2%).A conc total
(etanol,nicotina...);água;gases(CO2,O2,N2O,XE...anestésicos d prots no plasma é d 63-83 gr/dl e os princ tipos d prots
voláteis...)-o PH no fluido intersticial reflete a pCO2 e não ph são:albumina(4,5gr/dl);globulinas(2,5gr/dl) e o fibrinogénio(0,3gr/dl).A
sanguineos;2-Mediado por prot transportadoras-hexoses(d-glucose, principal func da albumina(50-60%) é d criar 1 pressão oncótica na
manose, maltose etc...);Ac monocarboxilios,aa neutros-sistema membrana capilar,q previna 1 saída excessiva p/ o espaço intersticial.As
L(fenilalanina,leucina,tirosina,lisoleucina,valina,triptofano,metionina,histid globulinas dividem-se em α,β,γ.Têm func d transposte d substratos, as β,
ina,valina,L-Dopa);aa neutros peqs.-Sist.A(alanuna,glicina,prolina,GABA-
γ tÊm func imunitária e o fibrinogénio intervem na coagulação.( α1-2-7%, Actomiosina, associação de F-actina c/ 3miosinas, formando 1
α2-6-11%;β-9-18% e γ-12-20%) complexo mto viscoso e k se dissocia a altas [salinas]. A ATPase é
Funções-1-Nutritiva;2-P.osmótica(albumina,edema);3- estimulada p/Mg
Coagulação(fibrinogénio);4-Viscosidade(fibrinogénio>γglobulinas);5-
Estabiliadde da suspensão;6-imunidade;7-Eq. Ác.-base. Modelo do deslizamento
Formação-Figado(albumina,fibrinogénio e ½ das A troponina I, inibe a ligação da actina-miosina. Quando se ligam 2 Ca.
Expõe-se o sitio activo e forma-se o complexo gerador de força, através
globulinas);Tec.Linfóide(½ das γglobuluinas) e no sist. reticulo endotelial.
do qual se verifica a união da cabeça da miosina a actina. A cabeça
Azoto n-proteico-a sua conc é regulada pela elim. Renal;excessiva
sofre 1 alteração conformacional, assumindo 45º c/ o corpo e passa p/ 1
prod e > d fixação nos tecs.
conformação não energética, deixando o ADP + P livres no sitio de união
Outros constiruintes-
c/ a actina. A hidrólise do ATP, permite o deslizamento dos filamentos
fases,glicose,lípidos,colestrol,enzimas,hormonas,AC
finos sobre os grossos.
Quantidade d sangue-Welcker (1854)-Método directo,c/ individuos
A relaxação implica o retorno de Ca p/ o retículo p/ transporte activo.
decapitados.Encontrou 1 volume de 7,7% do peso corporal.Métodos
Antes, há a despolarização do sistema T, cujas memb. Têm o receptor
indirectos-métodos d diluição, em q s usava 1 subs corante ou isótopo-
dihidropiridina, relacionados c/ canais Na dependentes de voltagem.
marcava-se GV c/ Cr51 e o plasmócito c/ Azul d Evans.A partir do vol
Esta despolarização aumenta a permeabilidade do retículo ao Ca p/
plasmático pode determinar-s o Vol d sangue total conhecendo o
receptor riaxodina, onde se encontra livre ou ligado á calsequestrina. É
hematócrito.Um homem d 70kg tem 5dl d sangue,2,75 d plasma e 2,250
necessário 1 molécula de ATP p/ levar 2 Ca p/ o retículo e 2-4 p/ cada
d eritócitos.(no homem-70-77 mll por 10kg e na mulher 65 ml por 10kg)
ponte durante a contracção, assim, 2/3 do Ca é p/ a contracção e 1/3 p/
Regulação do volume d sangue-A-sangria ou transfusão(vol total);B-
o relaxamento
vol. Eritrócitos(anemia,policitamia);C-col
leucócitos(leucocitose,leucofenia;D-vol plasma(queimado,transf d
Tipos de Contracção
plasma);E-agua do plasma.
Isométrica – A tensão muscular varia, mas o comprimento muscular
Fact principais d regulação do vol d plasma-1-pressão sanguinea,a
mantém-se.
principal q condiciona a saida do vaso;2-pressão osmótica das prots,a
Isotónica – O comprimento muscular varia e a tensão muscular
principal q determina a retenção ou retorno ao vaso.
mantém-se constante.
Numa contracção muscular habitualmente verificam-se os dois tipos de
Fisiologia Muscular
contracção. A força total depende de: somação das contracções
induzidas p/ um potencial de acção e recrutamento de um nº crescente
Esquelético: (40%)
de fibras activas num músculo.
- fibras musculares
Tónus muscular: é a contracção residual dos músculos esqueléticos
- multinucleadas
em repouso (a partir de impulsos provenientes dos feixes medulares
- estriação transversal motores) – quando há secção destes feixes, ocorre uma atrofia muscular
- sob controlo voluntário (p. ex.: na paraplegia).
- sem actividade autónoma
Cardíaco: (10%) Fadiga muscular: quando a contracção muscular é mantida demasiado
tempo para as capacidades metabólicas da fibra muscular – diminuição
- fibras longas e ramificadas da potência de contracção.
- formam um sincício funcional
Tétano muscular: contracção muscular mantida e de intensidade
máxima devido a uma estimulação de alta frequência. A tensão tetânica
- contracção rítmica – “pace-maker” mantém-se enquanto houver estimulação ou até ao aparecimento de
- estriação transversal fadiga.
Liso: Relaxação:efectua-se c/ transporte do Ca2+ do sarcoplasma p/ o RS-
- aglomerado de células fusiformes transp actico.A preceder a contracção a despolarização do sist T cujas
- sem estriação memb têm receptores,relacionados com canais d Na+ dependentes da
- sem controlo voluntário voltagem, é transmitida às memb do RS, q aumenta a sua permb p/ o
Ca2+,contido nas suas cisternas no estado d repouso.Neste estado a
- podem ter actividade espontânea: “pace-maker” hidrolise d ATP pela miosina é inibida pelas conc. De Mg2+.Esta é
irregular. contrariada pela reacção da actina c/ miosina na presença d conc.
activadoras d Ca2+.1 molécula de ATP é necessária p/ segragar(?) 2
Nomenclatura particular da “fibra” muscular: Ca2+ nas cisternas p/ relaxar o musc.2 a 4 molécs d ATP são
hidrolisadas por cada ponte activada durante a contracção.ATP é
necessário p/ a contrac e relaxação.Pelo (-) 2/3 d ATP é usado p/ a
- Sarcolema: memb. celular da fibra muscular, memb.
contracção num ciclo contracção-relaxação e 1/3 na relaxação.
Citoplasmatica, memb. Basal lipido neutro + abundante é o O músculo cardíaco não é tetanizável (longo período refractário).
colestrol e o fosfolipido é a lecitina, glicoprot. + glicolip., enzimas: A força total depende d 2 factores:
Na-K ATPase + Ca-Mg ATPase PM:85mv alta permeabilidade ao 1-Somação das contracções induzidas pelos PA numa fibra musc.
Ca q causa lesão muscular e irritabilidade neuromuscular. 2-recrutamento d 1 nº crescente d fibras activasw num dado musc.
- Sarcoplasma: citoplasma da fibra muscular c/ mtas mitocondrias, Músculo Liso
K e Mg As células do músculo liso contém, filamentos de actina e miosina
que funcionam de modo parecido ao do músculo esquelético.
- Retículo sarcoplasmático: REL, controle da contracção musc. E As fibras são mais peq. Tendo o,2-0,5µm d diâmetro e 50-
é + abundante nos musc. De contracção rápida. 90% das suas 200µm d comprimento.Neste músculo ainda há muitos mais filamentos
prot. S/ ATPases de actina em relação aos de miosina. As mesmas substâncias químicas
Ca dependentes. q provocam a contracção no m.esquelético provocam tb no liso.2
- Sarcosomas: mitocôndrias grandes grupos:
M. Liso Multiunitário:cada fibra é completamente independente 1 das
Músculo Esquelético outras e é frequentemente enervada por 1 única terminação nervosa,c/o
acontece no m.esqueléctico.As fibras estão isoladas 1s das outras por 1
As fibras têm 10-80µm de diâmetro e estendem-se ao longo de todo o
memb. Basal e pratica/ só respondem à estimulação
músculo até aos tendões. A estriação das células é originada pelas
nervosa,contrastando c/o o controlo n neurológico do m.liso
miofibrilhas que existem em cada “fibra” muscular (100.000 a 1.000.000 /
visceral.Raramente exibe contracção expontânea.Ex.m.ciliar do
fibra). As miofibrilhas são constituídas por filamentos de actina (3000) e
olho,piloerector,íris e m.dos grandes vasos.
miosina (1500) A miosina são filamentos espessos de proteínas
M.Liso Visceral:Sememlhante ao ant. mas normalmente estruturado em
polimerizadas e a actina filamentos finos. Os filamentos interdigitam-se
camadas ou feixes q comunicam 1s c/ as outras em múltiplos pontos
causando bandas escuras e claras. As bandas claras contém apenas
(Gap junctions ou Nexi).Estas fibras formam 1 sincício func. Q
filamentos de actina – Bandas I (Isotrópicas para a luz polarizada). As
habitualmente contrai grds areas em simultaneo-Músc.Liso
bandas escuras contém filamentos de miosina e os terminais de
Unitário.Ex.paredes do tubo dig. Canais biliares etc.Qdo 1 fibra é
filamentos de actina – Bandas A (Anisotrópicas para a luz polarizada,
estimulada o PA é propagado por condução efáptica,i.e. s/ s produzir
provoca a sua refracção - Birrefringência). Linha Z e a linha M. A unidade
nenhuma sibs química excitadora.A propagação é mto facilitada pela
contráctil é o sarcómero (pode alongar até 120% e encurtar até 20-50%).
existencia d gap junctions q diminuem a resistencia electrica.Tb
Existem pontes cruzadas nos filamentos de miosina ao longo de todo o
precisam d CA2+ e ATP.Os filamentos de actina ligam-se a uns Corpos
filamento excepto ao centro do filamento de miosina. É a interacção
Densos q estão dispersos pelo Saroplasmae ligados às membranas
entre estas pontes cruzadas e os filamentos de actina que provoca a
celulares e promovem o encurtamento celular. Miosina(1/12 a 1/15)O
contracção.
músculo liso contrai e relaxa muito mais lentamente que o m.
esquelético.
Cada filamento de miosina(55-60% das prots miofibrilhares) é composto
de aproximadamente 200 moléculas de miosina, c/ PM=490.000. 6
Músculo Cardíaco
cadeias polipeptidicas 2 pesadas (PM=200.000), meromiosina L e
Existem uns discos intercalados entre as fibras que constituem
H(transversal,tem sitios d ligação c/ as cadeias C e actina) q contem a
uma separação funcional, mas não física entre as células cardíacas
actividade ATPásica Ca dependente e inibida p/ Mg e os sitios de união
– sincício.
com a actina e 4 leves (PM=20.000) C1, 2xC2 e C3
No fundo as fibras musculares cardíacas não são mais que células
A actina(20-25% das prots miofibrilhares), tem 2 formas, a actina G
unidas topo a topo num sincício contínuo como se uma única fibra
(globular) e actina F (fibrilhar) formada p/ união de actinas G em dupla
muscular fosse (à semelhança da fibra muscular esquelética).
espiral (7:1:1)
Sintese_
Tropomiosina(4-11% das prots miofibrilhares) entrelaçada c/ a actina,
unem-se na linha Z Esquel. Card Liso
Troponina 3 cadeias polipeptidicas Troponina T (liga-se a tropomiosina), Recp. Do Ca2+(no acp Troponina Troponina Calodulina;Mios
Troponina C (liga-se ao cálcio) e troponina I (inibe a união miosina- exc-contr ina
actina) Fonte/s d Ca2+ Ret. Sarc. Ret. Sarc. Primaria/
esp.extra-cel esp.extra-cel
Regulação da Força Somação;Re Estiramento Modulação? Transporte retrógrado: devolve ao corpo neural vesículas lissosomais,
crutamento enzimas e outras moléculas e estruturas, informações sobre o
metabolismo da periferia (velocidade=200-300mm/dia)
Mecanismos moleculares dos transportes:
Requer grandes quantidades de energia dependentes de ATPases e
Potencial de acção requerem um complexo de translocação do organito ou
Pode ser medido por um electrodo á superficie da fibra nervosa, PA macromolécula, que é constituído por: 1-)Enzima motora(quinesina, para
bifásico, ou no seu interior, monofásico. Resulta de mudanças bruscas o anterrógrado e dineina citoplasmática para o retrógrado). 2-)Receptor
do potencial de membrana que duram milisegundos. São geradas por motor, a nível do organelo e 3-)Factor ou factores acessórios. Só um tipo
um aumento da permeabilidade ao sódio e, posteriormente, ao potássio de receptor é activado de cada vez.
(5000 x). Não depende da Bomba de Na+ / K+.
Na despolarização (1ª fase do potencial de acção), os canais de sódio 2-) Transportes lentos: que se dividem em grupoIII, SCb
abrem-se, aumentando a permeabilidade da membrana ao sódio e SCa
(desligam-se dos iões de Ca2+ que os encerram), gerando um potencial
positivo intracelular, atingindo os 20-50mv. Características gerais: 1-)são unidireccionais 2-)tem origem nos
Na repolarização (2ª fase do potencial de acção), existe um aumento do polissomas citoplasmáticos 3-)As estruturas do
fluxo de saída do K+ para compensar rapidamente o desequilíbrio citoesqueleto(microtúbulos, neurofilamentos e microfilamentos) são
eléctrico da membrana. Os iões de cálcio são importantes no agregados no corpo neural, antes do seu transporte.
encerramento dos canais de sódio, que mantêm a membrana quase Os microtúbulos e neurofilamentos, aparecem como tofos ao longo do
impermeável ao sódio em repouso. axónio sem pontes de ligação dinâmicas. Na terminação axional são
Ciclo de excitabilidade do PA: periodo refractario absoluto(excitab degradados: os microtúbulos em dímeros de tubulina e os
ausenta p/ qq estímulo por + intenso q seja), refractário neurofilamentos por proteases cálcio dependentes.
relativo(corresponde à porção descendente do PA.1 estímulo limiar é Os microfilamento (actina e miosina, diferentes das musculares, estão
insuficiente p/ originar PA,mas 1 estimulo supralimiar pode provocar PA d presentes no axoplasma mas muito mais concentradas nas terminações
(-)amplitude e propagação + lenta), supernormalidade pré-sináticas e espinhas dendríticas.
(hipopolarizado,a exctb. É sup ao normal,pós-pot -), subnormalidade A clatrina terá um papel importante na formação das vesículas para
(hiperpolarizada,a exctb é inf ao normal,pós-pot é +). transporte rápido, na reciclagem de vesículas pré-sináticas e endocitose
O PA é:1-1 fenómeno memb;2-consiste numa despolarização transitória mediada por receptores. A espectrina está envolvida na interligação dos
d pot memb.;3-no axónio da lula depende dos iões d sódio no meio microfilamentos com estruturas membranárias e outros componentes do
ext(cuja conc pouco influencia o por memb);4-O pico do PA é prox do pot citoesqueleto.
d eq. P/ o Na+ d aprox +55mv).
Os canais de Ca(e de Na+) (Sistema T ou LVA-transitório,1 molécula GrupoIII: transporta proteínas do tipo da miosina(velocidade=4-8mm/dia)
despol resulta numa actv transitória do canal,c/rápida inactv.Funçao na SCb: >200 polipéptidos associados à matriz axoplasmática,
geração d descargas d impulsos ritmicos em mtos neurónios microfilamentos, clatrina, espectrina e enzimas(velocidade=2-4mm/dia).
centrais.Existe em céls excitáveis e n excitáveis e tipo L ou HVA-requer Motor do cone de crescimento, génese das terminações sinápticas e
1 despol forte mas continua em actv e inactv,durante a manutenção da espinhas dendríticas. Fornecedor do metabolismo energético.
despol,a inactivação é lenta.Base das descargas proveniente nos SCa: microtúbulos e neurofilamentos(velocidade=0,2-1mm/dia).
dendritos e envolvido na libertação sináptica neurotransmissora.Existe Determinante nas alterações de calibre e comprimento axional, durante
no SNC,no musc liso,cardiaco,e em mtas altas conc no Sist T) e Na tem o desenvolvimento e regeneração.
4 subunidades e 6 sub-segmentos transmembranarios e os de K apenas
1 unidade c/ 6 segm transmembranários.Regiões func dos canais- Excitabilidade1
Reg.Sensivel à voltagem8seg 4 c/ excesso d cargas +);Reg do É a resposta a 1 estimulo e q provoca a abertura dos canais de calcio. O
poro(selectivo p/ o ião);Reg d inactivação. estimulo, pode ser: Sub-limiar, limiar, sub-máximo, máximo, supra-
Canais d Ca2+ dep da volt.-1-principais geradores d impulsos nos máximo. A excitabilidade, segue a lei do tudo-ou-nada, em k ou há
musc,nos musc lisos e mtas céls glandulares;2-regulação da secração estimulo, ou não há, não é dependente da intensidade da estimulação.
neurotransm;3-Reg d padrões d geração d impulsos nos corpos cels dos Por último, a curva intensidade-duração, relaciona a necessidade de
neurónios e dendritos. existir um tempo minimo de actuação da intensidade, para que possa
Canais d K+ dep da volt-Principais geradores do pot haver despolarização das membranas, definindo-se como reobase, a
membr;reguladores d PA e excitabilidade,evitando excessiva actv intensidade minima do estimulo e cronaxia, a duração do dobro da
electrica.Sensiveis à actv dos d Ca2+ e Na+) reobase, necessária para despolarizar.
Fase d despolariz-Caract por + no int da memb em relação ao ext Excitabilidade2
devido à alt da sua permb permitindo a entrada d Na+ transporte Resposta a uma variação energética do ambiente (estímulo), com
favorecido pelo gradiente electrico-quimico. uma modificação. Propriedade geral das células, mas mais
Fase d Repolarização-Tem origem em 2 fact:1-brusca interrupção da desenvolvida nas células nervosas, musculares e glandulares.
entrada d Na+;2-1 > da permb p/ o K+ q sai da cél-sob efeito d gradiente Pode também ser compreendida como a capacidade de uma célula
d conc mas tb de gradiente eléctrico,poix o ext é nessa altura (-).Este > d de auto-gerar um impulso electroquímico nas sua membranas.
permb é d longa duração e prolonga-se p/ dentro do PA explicando o Estímulo Condução Resposta
pós-pot +.Explica os periodos refractários) Para que este fenómeno ocorra é necessário a
Período d Latencia-Tempo q decorre entre a aplicação do estímulo e o presença de células especializadas na:
começo do PA, q depende:A-dist entre os electrodos estimulante e d - recepção do estímulo - Receptores
registo;B-vol. d propagação d impulso - condução do estímulo - Neurónios
- resposta ao estímulo - Músculos
Condução do impulso nervoso: continua (repolarização rapidada) e + Os estímulos eléctricos (aplicam-se a conjuntos de fibras nervosas ou
lento. Saltatória(repol. lenta) f.mielizadas + rapida p/ nodulos de ranvier musculares) podem ser:
os internodulos s/ condutores passivos - estímulos sublimiar: não há resposta
- estímulo limiar: há resposta
Factores de aumento da excitabilidade: - estímulo submáximo: resposta não máxima
Diminuição do cálcio (+ fácil abertura dos canais de sódio) - estímulo máximo: resposta máxima
- estímulo supermáximo: resposta máxima
Factores de inibição da excitabilidade: O estímulo de uma fibra nervosa ou muscular segue a lei do tudo
Aumento do cálcio (bloqueio dos canais de sódio) ou nada, isto é, a resposta não aumenta com estímulos de
Diminuição do K+ec (aumenta a negatividade intracelular) intensidade a superior a limiar.
Anestésicos locais – cocaína, procaína, tetracaína – diminui a Lei Du Bois Reymond: a excitação é função do coeficiente diferencial
permeabilidade ao Na+) da densidade da corrente em relação ao tempo. A densidade da corrente
é a sua intensidade referida a superfície. Isto é quanto menor for o
Transporte axonal tempo de variação da intensidade, maior é a sua capacidade
Demonstração experimental do conceito – o corpo neural (Soma) estimulante.
produz o material do neurónio, que depois é transportado ao longo Curva de intensidade-duração: a partir de determinadas intensidades,
do axónio (Weiss e Hiscoe – 1984) o estímulo para provocar uma resposta deve durar um tempo (D)
Desenvolvimento do conceito a partir do anos 60 com mínimo, Tempo útil. Para cada intensidade há um tempo útil abaixo do
aplicações de novas tecnologias, como métodos radiactivos, bioquímicos qual não há resposta e acima do qual a excitação não aumenta. Cada
e histológicos. tecido tem uma curva de intensidade/duração de tempos úteis e que
Existem dois tipos distintos de transportes, e esta serve para medir a sua excitabilidade. Lapicque(1926) denominou de
classificação baseia-se na sua velocidade: REOBASE a intensidade mínima necessária para estimular o tecido,
correspondente a um tempo útil, que na prática é difícil de calcular. Para
1 - )Transportes rápidos: que se dividem em anterrógrado e medir a excitabilidade dum tecido Lapicque propôs a CRONAXIAS, que
retrógrado. é a duração necessária para obter uma resposta com um estímulo de
intensidade dupla da reobase. Tecidos de reacção lenta têm reobases
Características gerais: 1-)inicia-se com a síntese dos constituintes a mais elevadas e cronaxias mais longas, que tecidos de reacção rápida.
nível do retículo endoplasmático rugoso, e depois há uma
passagem obrigatória pelo aparelho de golgi. 2-)Transporta Neurotransmissão:Conceitos Gerais
moléculas da membrana ou do lúmem e mitocôndrias.3-)É Neurónios: são formados por um corpo celular ou pericário, que
dependente de microtúbulos. O anterrógrado leva ao materiais até contém o núcleo, e do qual partem prolongamentos. Em geral, o volume
ao axónio e terminação axional, enquanto k o retrógrado recicla total dos prolongamentos é maior que o volume do corpo celular. Todos
moléculas e estruturas da periferia neural. os neurónio apresentam os seguintes componentes: dendrites:
Transporte anterrógrado: transporte de estruturas visiculares-tubulares prolongamentos numerosos, especializados na função de receber os
pequenas, neurotransmissores, proteínas membranares e de secreção e estímulos do meio ambiente, de células epiteliais ou de outros
lípidos membranares(velocidade=200-400mm/dia)Transporte de neurónios. Ao contrário dos axónios que mantém o diâmetro constante
mitocôndrias (velocidade=50-100mm/dia) ao longo do seu comprimento, as dendrites tornam-se mais finas à
medida que se ramificam. A composição das dendrites é semelhante à
do corpo celular, contudo não apresentam aparelho de Golgi; axónios:
prolongamento único, especializado na condução de impulsos que divergência alto a mto alto;Segreg baixa;Plasticidade alta a mto
transmitem informações do neurónio para outras células (nervosas, alta;Processo d informação preferencial elaboração holistica.
musculares, glandulares). Cada neurónio possui apenas um axónio. Os
axónios na generalidade são maiores do que as dendrites e mantém o Factores Neurotróficos de crescimento:há fact especializados nestas
diâmetro constante ao longo do seu comprimento. O citoplasma do acções,agindo por transdução mediada por tirosina cinase.Contudo subs
axónio (axoplasma) apresenta-se muito pobre em organelos. Possui c/ acção neurotransmissora ou neuromoduladora podem tb ter estes
mitocôndrias, cisternas do REL e microtúbulos (que juntamente com as efeitos(mediados por prots cinases e/ou ca2+)-na proliferação
proteínas motoras são responsáveis pelos fluxos axonais). A porção final cel,neuritogenese,expressão
do axónio, em geral, é muito ramificada e recebe o nome de telodendro fenotípica.Acetilcolina,noradrenalina,serotonina entre outros são NM e
(grande quantidade mitocôndrias); e corpo celular: é o centro trófico da NT e existem na fase embrionária s/ sist nervoso,onde desempenharão
célula e é também capaz de receber e integrar estímulos, recebendo esse tipo d efeitos
estímulos excitatórios ou inibitórios gerados por outras células nervosas. A distinção enter NT e NM e factor trófico ñ caracteriza 1 tipo d subs mas
O núcleo do corpo celular é esférico e aparece pouco corado, contendo a nat dos seus efeitos numa cel receptora
apenas um nucléolo grande e central. Os neurónios são ricos em RER Transdução sensorial-mecanismos pelos quais estímulos energéticos
(nomeadamente nos neurónios motores), que forma agregados de específicos são transformados numa resposta electrica na cel sensorial
cisternas e ribossomas que quando convenientemente corados especializada.
apresentam-se ao MOC como manchas basófilas espalhadas pelo Campo Receptor-espaço d receptores sensoriais implicados na
citoplasma, os corpúsculos de Nissl. O aparelho de Golgi apenas se transdução.
localiza no corpo celular. Em determinados locais o corpo celular Potencial receptor ou gerador-Resultante da alteração de condutância
apresenta grânulos de melanina e de lipofucsina. d 1 canal membranoso (na ou k) no receptor sensorial.C/o pot. sináptico
Sinapse: estruturas altamente especializadas na transmissão de um n gera directamente o PA mas é arrastado por pot electrótónicos até ao
impulso nervoso de um neurónio para outro. Existem sinapses entre o local da sua geração na fibra nervosa.
axónio e o neurónio (axodendríticas), entre o axónio e o corpo celular Prod d resposta linear-s o pot receptor é smp directamente
(axosomática), entre dendrites (dendrodendríticas) e entre axónios proporcional à intensidade do estimulo padrão da resposta logaritmica-s
(axoaxónicas). Nas sinapses, as membranas das duas células nervosas o pot recep é proporcional p/ baixas intensidades d estim mas torna-se
ficam separadas por um espaço entre 20 e 30 nm denominado fenda progressivamente (-) sensível qdo. a intensidade do estimulo aumenta.
sináptica. No local da sinapse as membranas são denominadas pré- Adaptação-o pot receptor diminui d amplitude c/ a manutenção do
sináptica (do terminal axónio) e pós-sinápticas (de uma dendrite, corpo estímulo.
celular, axónio ou célula efectora). Estas membranas acham-se Fisiologia da sinapse
espessadas porque existe um acumulo electrodenso aderente às Conceito d Transmissão sináptica
superfícies internas destas membranas. A porção terminal dos axónios -Substâncias químicas na comunicação neuronal-neurotransmissores;
mostra uma estrutura típica: existem numerosas vesículas sinápticas; -Neurónios colinérgicos e adrenérgicos
os neurofilamentos são raros, porém as mitocôndrias são frequentes. As Principio de Dale e Eccles-1-um neurónio contém e liberta 1 só
vesículas sinápticas contém substâncias denominadas neurotransmissor;2-um neurónio é excitator ou inibidor mas n pode ter
neurotransmissores, que são mediadores químicos responsáveis pela efeitos difs em terminações diferentes.
transmissão do impulso nervoso através das sinapses. Esses Hoje sabe-se que não é assim.
mediadores são libertados na membrana pós-sináptica, promovendo a Sinapse-Terminação nervosa(axonal)-elemento pré-sináptico;Fenda
condução do impulso nervoso através da fenda sináptica. A união do NT sináptica(onde são libertados os neurotransm);elemento pós-
com o receptor pode Ter efeito excitador (sinapses excitatórias) ou sináptico.Uma sinapse é 1 união entre 2 neurónios.Há diversos tipos d
inibidor (sinapses inibitórias) sobre o neurónio seguinte do circuito. As sinapses,c/ prop comuns e próprias.Nos ganglios o SNA-as fibras
membranas das vesículas sinápticas que se incorporam à membrana aferentes relacionam-se sem intermediários c/ os neurónios eferentes-
pré-sináptica são recuperadas por endocitose e reutilizadas para formar vias monossinápticas.No SNC a > poarte das vias é polissináptica
novas vesículas sinápticas. A combinação temporária da molécula havendo frequentemente interneurónios intercalados entre neurónios
neurotransmissora com o seu receptor provoca a abertura ou o fecho aferentes e eferentes.
dos canais iónicos, ou então leva ao desencadeamento de uma cascata Caracteristicas da transmissão sináptica
de reacções que leva à formação de uma segundo mensageiro. Os Unidireccional-a presença d sinapses determina a condução num só
neuromoduladores são substâncias que modificam os receptores, seja sentido-celulipto nas dendrítes e celulifugo nos axónios-Lei da
aumentando ou diminuindo a resposta aos neurotransmissores. Têm um Polaridade dinâmica de Cajal ou da progressão anterrograda de
papel mais difuso e mais lento do que os neurotransmissores. Scherrington.Há excepções a esta regra.
Neurotransmissor: são mediadores químicos responsáveis pela Resposta Local pós sináptica:
transmissão do impulso nervoso através das sinapses. Esses Potencial pós-sináptico-diminui exponencialmente no espaço-
mediadores são libertados na membrana pós-sináptica, promovendo a tempo,n segue a lei do tudo ou nada, pode somar-se,uma vez
condução do impulso nervoso através da fenda sináptica. Um mesmo atingido o nível crítico origina o potencial d acção pós-sináptico, q
NT pode produzir respostas diferentes em diferentes locais e uma s propaga c/o impulso nervoso.2 tipos-1-p.p.s.
resposta pode ser desencadeada por diferentes transmissores em despolarizante(excitatório)- o q diminui o pot. d repouso;2-p.p.s.
diferentes locais. A união do NT com o receptor pode ter efeito excitador hiperpolarizante(inibitório)-o q aumenta o pot. d repouso.Qdo os 2
(sinapses excitatórias) ou inibidor (sinapses inibitórias) sobre o potenciais actuam no mm neurónio, o valor do potencial é a soma
neurónio seguinte do circuito. Características de um NT: a substância algébrica do efeito despolarizante e hiperpolarizante.
deve estar presente nos elementos pré-sinápticos do tecido neuronal; os Inibição pré-sináptica-é a inibição obtida por redução da libertação do
seus percursores e enzimas sintéticas devem estar presentes no transmissor na terminação pré-sináptica de 1 sinapse excitadora.é
neurónio; a estimulação dos aferentes deve libertar a substância em realizada por sinapses axo-axoniais.
quantidades fisiologicamente significativas; a aplicação directa da Nota:a inibição do pot. pós sináptico excita sem alteração das prop da
substância na sinapse deve produzir respostas idênticas às da membrana pós-sináptica
estimulação dos aferentes; devem existir receptores específicos que Bases iónicas dos PPS
interagem com a substância; a interacção da substância com o receptor P/ o pps excitatório- > da permeabilidade p/ o K+,Cl- e Na+
induz altas permeabilidades membranárias pós-sinápticas; devem existir P/ o pps inibidor-> da permeabilidade p/ o Cl-(q entra) e o K+(q sai)
mecanismos inactivadores específicos; intervenções no sítios pós- Circuitos neuronais
sinápticos ou através de mecanismos inactivadores. Os efeitos da Principio da convergência-a conexão sináptica d múltiplos axónios c/ 1
estimulação dos aferentes ou os da aplicação directa das substâncias neurónio(1 cél p/ várias fibras)-Efeitos-1-facilitação espacial;2-oclusão
devem responder equivalentemente. Principio da divergência- a subdivisão de axónio d 1 neurónio e
Exemplos de neurotransmissores: acetilcolina, dopamina, conexões sinápticas c/ múltiplos neurónios(1 fibra p/ várias céls).
noreadrenalina, adrenalina, serotonina, histamina, glicina, ácido γ- Facilitação Temporal e espacial-Qdo 1 fibra s distribui por outras, por
aminobutírico, glutamato, aspartato, GABA. ex. 6, o estímulo pode descarregar 3, mas ser sublimiar p/ outras 3.Os
Neuromodulador: é uma substância que modula a neurotransmissão 1ºs neurónios estão na zona d descarga e os outros na orla sublimiar.
(incluindo a libertação ou/e acção de neurotransmissores), na presença Facilitação temporal- é a acumulação dos efeitos dos impulsos pré-
de actividade sináptica, a nível pós ou pré-sináptico. Não se libertam sinápticos, q chegam sucessivamente a 1 cél (seq. temporal), na mm
necessariamente em sinapses e podem agir em receptores difusos não- área,pela mm via aferente.Ocorre 1 aumento da excitabiliadde resultante
sinápticos. Os NM apresentam efeitos longos. Afectam frequentemente a de pps excitadores sucessivos.
condutância para o K+ ou o Ca2+. A mesma substância pode agir como Nota:Deu-se o recrutamento- a estimulação repetida determina a
neurotransmissor ou como neuromodulador (ex. serotonina e intervençao de cél q antes não descarregavam e houve facilitação dos
acetilcolina). Características de um NM: a substância não actua como estímulos post na orla sublimiar
NT e não actua trans-sinapticamente; a substância deve existir nos Facilitação Espacial-2 ou mais áreas vizinhas de despolarização
fluídos fisiológicos e Ter acesso aos sítios de potencial modulação em somam os seus efeitos p/ alcançar o limiar d descarga da cél. Quer
concentrações fisiologicamente significativas; alterações nas dizer, estímulos q actuando de forma isolada não descarregam a cél,
concentrações endógenas da substância devem afectar a actividade agindo em conjunto somam as suas áreas d despolarização e atingem o
neuronal de modo consistente; a aplicação directa da substância deve nível crítico do neurónio-Houve facilitação, q agora é espacial-será
ter um efeito equivalente ao do aumento das suas concentrações necessário q 1 determinada superficie de 1 neurónio seja despolarizada
endógenas; a substância deve ter um ou mais sítios específicos de p/ q s inicie o impulso pós-sináptico
acção, que podem alterar a actividade neuronal; devem existir Fenómeno de oclusão-há 1 defíce aparente d descarga resultante da
mecanismo inactivadores para os efeitos da substância; intervenções sobreposição de zonas d descarga.
alterando os efeitos na actividade neuronal pelo aumento da Em resumo:Qdo a eficácia d estímulos diversos simultâneos ou
concentração endógena da substância devem ser idênticas quando as ocorrendo em rapida sucessão é > do q a d estímulos individuais, deu-se
concentrações são aumentadas por administração exógena. facilitação;qdo a eficácia de diversos estímulos é < q a soma dos
Transmissão sináptica Linear-Qdo a comunicação entre neurónios estímulos individuais-Oclusão.
exige 1 conexão anatómica precisa.Caracteristicas:-Vel. Da transm Circuitos inibitórios simples-servem p/ suprimir efeitos excitatórios
baixa;Grau d divergência baixo a moderado;Segreg supérfluos ou excessivos. São 3 os seus tipos principais no SNC:1-
elevada;Plasticidade baixa a moderada;Processo d informação Inibição antagonista-inibição dos nervos motores p/ os musc
preferencial elaboração elementar. extensores,actuando sobre a mm articulação;2-Feedback negativo-os
Transmissão para-sináptica d volume-pode existir a libertação difusa interneurónios (-) actuam sobre as céls q os activaram.Céls d Renshaw-
do transmissor através do espaço extracel, e existem receptores em Asseguram 1 transmissão evitando a hiper-excitabilidade.3-Inibição
regiões n-sinápticas. Caracteristicas:-Vel. Da transm alta;Grau d Lateral-o interneurónio (-) actua n só na cél q o excitou c/o nas vizinhas
c/ a mm função,formando-se 1 zona de excitção ladeada por campos Receptores de acção lenta, metabotrópicos: podem ser acoplados a
inibidores. proteínas G, associados a ionóforos e associados a enzimas e 2º
Potenciação pós-tetânica e feedbak positivo-processos q facilitam a memsageiro.
repetição da actividade neuronal:1-potenciação pós-tetânica- o uso Receptores com actividade enzimática
repetitivo-estímulos d alta freq- d uma sinapse resulta num aumento dos
seus potenciais sinapticos.A duração das potenciações pós tetânicas Classificação dos neurotransmissores:
depende do tipo de sinapse,da duração e freq da estimulação Tipo I: Aminoácidos, como o glutamato, a glicina, responsáveis por 90%
repetitiva.Podem durar várias horasEx.sinapses existentes no das sinapses do SN. Têm transmissão rápida
hipocampo.2-feedback positivo-O SNC conterá circuitos, pelos quais Tipo II: incluem os neurotransmissores clássicos. Têm transmissão
céls excitadoras causam a excitação d céls já excitadas,determinando q lenta e acções moduladoras.
a excitação s mantenah em circulo.São circuitos fechados ou Tipo III: incluem os neuropéptidos, possuem actividade moduladora.
reverberantes e os neurónios responsáveis neurónios reverberadores
Transdução receptora:
Condução do impulso nervoso 1-) Acoplamento do receptor a enzimas efectoras ou canais iónicos
Impulso nervoso-propagaçã do Pot acção ao longo da fibra. através de proteínas G.
Condução contínua-o impulso propaga-se por despolarização das 2-) Directa activação dos canais iónicos pelos ligandos
zonas vizinhas c/o resultado da formação d correntes locais.A zona 3-) Receptores com actividade enzimática
despiolarizada,extremamente – origina difs d pot em relação às céls
vizinhas em repouso, causando correntes q por convenção vão da A libertação por exocitose:
região inactiva p/ a activa.O Pot acção actua c/o 1 cátodo q desliza ao Pequenas vesículas sinápticas: a fosforilação da sinapsina I,
longo do nervo e o despolariza. aumentada pelo cálcio, permite a deslocação das vesículas para um
O PA modifica a distância as prop da fibra nervosa q o conduz- compartimento de libertação(zona activa)
modificação electrónica-pois a amplitude da despolarização diminui Vesículas secretórias: ver capítulo da secreção neurotransmissora.
exponencialmente c/ a distância.É o meio de condução das fibras não
mielinizadas. Regulação da libertação por receptores présinápticos:
Condução saltatória-nas fibras mielinizadas,q possuem > vel. Auto-receptores: regulação do neurotrasnmissor por retroacção
Condução.As estruturas excitáveis são os nódulos d Ranvier.Os negativa.
internódulos são condutores passivos.A actividade é transmitida d 1 Hetero-receptores: a libertação da membrana é regulada positiva ou
nódulo p/ o outro por circuitos electrónicos locais-a condução c7o k salta negativamente por outro neurotransmissor, por interacção na
entre 2 nódulos. extremidade axonal.
O PA em axónio n-mielinizado tem 1 repolarização rápida ao passo
q num axónio mielinizado tem 1 repolarização lenta.Há passagem d Potencias de acção:
K+ pelos canais d K+ envolvidos na geração do pot d membrana. Simples: acumulação concentrada de cálcio extracelular, permitindo a
Vel. De condução e tipos d fibras nervosas-Tipo A(mielínicas 1-20µ, libertação pelas pequenas vesículas sinápticas.
5-120m/s)α-12-20µ ,70-120m/s(propriocepção);β-5-12µ ,30- Múltiplo: permite uma acumulação citoplasmática de cálcio suficiente
70m/s(tacto);γ-3-6µ ,15-30m/s(motoras p/ fusos neuromusc.);δ-1.5µ ,12- para a libertação pelas grandes vesículas sinápticas.
13m/s(dor,temp,tacto);Tipo B(mielínicas)-<3µ ,3-15m/s(pré-
Regulação da actividade receptora:
ganglionares);Tipo C(amielínicas, as + sensíveis a anestésicos)1-o,4-1,2
1-)Dessensibilização: diminuiçaõ da resposta receptora do
µ, 0,5-2m/s(aferentes somáticas,raízes post);2-o,3-1,3µ, 0,7- neurotransmissor após contínua exposição ao seu antagonista. Pode ser
2,3m/s(simpáticas pós-ganglionares). homóloga, activando-se a proteína A pela actividade do próprio
receptor, ou heteróloga, activando-se a proteína A por outros
Mielina receptores.
1-Tem papel fundamental no transporte axonal anterrogrado 1.1-)Para receptores acoplados a ionóforos: leva pelo menos
2-Membrana plásmica(lípidos e prots) especializada q s enrola À volta milisegundos e envolve uma alteração conformacional do receptor, não
do axónio.É interrompida regularmenta ao nível dos nódulos de Ranvier sendo dependente, mas podendo ser acelerado por fosforilação.
(único ponto d contacto da membrana do axónio c/ o emio extracel, 1.2-) Para receptores associados as proteínas G: leva dezenas de
portanto é 1 zona rica em canais d Na+ e K+ voltagem-dependentes e minutos envolve a desassociação do receptor com a proteína G e com
em bombas Na/k).Permite diferenciar a subs cinzenta(constituida dos efector, implicando a fosforilação.
corpos cels dos axonios e dos dendritos)da subs branca(axonios 2-)Down-Regulation: Diminuição da resposta após estimulação crónica
mielinizados,cels gliais e vasos.A mielina representa 50% do peso seco do tecido por agonista, com diminuiçaõ do número de receptores,
da subs branca).A mielina do SNC é dif da do SNP:1-sintetizada pelos acontecimento lento. Reflexo dos mecanismos de síntes/degradação dos
oligodendritos no SNC e pelas céls d Schwann no SNP;2-composição receptores, variando com o seu tipo. Alternativamente, a administração
dif:é constituida por 15-305 prots e 70-85% lípidos, q n sãoe specificos de um antagonista pode reduzir a estimulação pelo agonista, com
da mielina,existem contudo prots específicas da aumento do número de receptores à superfície – up regulation.
mielina(MBP,PLP,Po,DM20...)q diferem do SNP p/ o SNC
3-Função:1-condução do impulso nervoso(axónio mielinizado-condução Significado Funcional dos Neuropéptidos
saltatória; axónio n mielinizado-condução continua);2-permite poupar Os neuropéptidos são um grupo inteiramente diferente de transmissores
energia e ganhar espaço;3-permite aumentar a vel d propagação do que são sintetizados de modo diferente e cujas acções são lentas e, por
impulso nervoso q é dependente do diâmetro da fibra, da presença ou n outro lado, diferentes das dos transmissores de molécula pequena. Os
d mielina (>vel) e da temp(>tem-<vel). neuropéptidos não são sintetizados no citosol das terminações pré-
A mielinização inicia-se no SNP, dp na medula espinhal e dp cérebro.A sinápticas. Em vez disso, são sintetizados como partes integrantes de
mielinização do SNC é completa ao fim d 2 anos.Continua até aos 20 grandes moléculas proteícas pelos ribossomas no corpo celular
anos ou +. Mielina: é um complexo lipoproteico, esbranquiçado que neuronal. As moléculas de proteínas entram no retículo endoplasmático
envolve os axónios de alguns neurónios (bainha de mielina). Pode ser do corpo celular, passam para o aparelho de Golgi onde se dão duas
identificada pelo tetróxido de ósmio que lhe confere uma coloração modificações: por acção enzimática reduz-se a proteína a pequenos
negra. No SNC a mielina não apresenta incisuras de Shmidt-Lantermann fragmentos libertando o próprio neuropéptido; o neuropéptido encontra-
(áreas em que permaneceu o citoplasma da célula de Schwann durante se em vesículas libertadas no citoplasma. Essas vesículas de
o processo de enrolamento) uma vez que não existem células de transmissor são transportadas até às extremidades das fibras nervosas
Schwann. A bainha de mielina é descontínua, pois é interrompida em pelo fluxo axónico do citoplasma, movimentando-se lentamente, em
intervalos regulares pelos nódulos de Ranvier. A espessura da bainha apenas alguns cm por dia. Finalmente as vesículas libertam o
varia com o diâmetro do axónio, porém é constante ao longo de um transmissor em resposta a potenciais de acção. Devido a este moroso
mesmo axónio. Cada internódulo é formado por um cilindro de mielina método de formação dos neuropéptidos, são libertades pequenas
recoberto por uma célula de Schwann, contendo o axónio na sua porção quantidades destes. Outra característica importante dos neuropéptidos é
central. A mielina é na realidade constituída por várias camadas de que a sua acção é geralmente mais prolongada. Algumas destas acções
membranas celulares modificadas. No SNC a mielina é produzida pelos incluem o fecho prolongado dos poros de cálcio, alterações prolongadas
oligodendrócitos. no mecanismo metabólico das células, modificações prolongadas da
activação ou desactivação dos genes especifícos no núcleo da célula e
Neurotransmissores: libertação e acção alterações prolongadas nos números de recptores excitatórios e
O cérebro humano tem pelo menos 1011 neurónios e 1014 sinapses. O inibitórios. Alguns destes efeitos podem durar dias ou, talvez, mesmo
genoma humano ñ tem mais que 60.000 70.000 genes. meses e anos. O conhecimento das funções dos neuropéptidos ainda
A área excitável do corpo celular gera uma frequência está em desenvolvimento.
de potencial de ação, por alteração do potencial de membrana,
desencadeada pelas várias aferências nas dendrites e no soma. Significado Funcional dos Principais Neurotransmissores
Depois há uma propagação unidireccional até a terminação axonal Acetilcolina-(+VIP-cort.cerebr,Parassimp/+Subs. P-protuberância)é
e há a libertação do neurotransmissor. secretada por neurónios em muitas áreas do cérebro, mas
Libertação por vesículas(exocitose), dependente de cálcio. especificamente nas grandes células piramidais do cortéx motor, por
Libertação citoplasmática(por transportadores), dependente de sódio diferentes neu´ronios nos gânglios da base, pelos neurónios motores
que inervam os músculos esqueléticos, pelos neurónios pré-
Vesículas: ganglionares do SNA, pelos neurónios pós-ganglionares do
Sinápticas (pequenas, 50nm) transporte por endossomas e sobretudo a Parassimpático e por alguns neurónios pós-ganglionares do Simpático.
partir deste por reciclagem com endocitose. Contem transmissores do Na maioria dos casos tem um efeito excitatório, no entanto sabe-se que
tipo I e II sintetizados localmente com enzimas levadas por transporte tem um efeito inibitório em algumas terminações nervosas
axonal lento. parassimpáticas periféricas, como a inibição do coração pelos nervo
Secretórias (grandes, >70nm) geradas no ap. de golgi e levadas por Vago.
transporte axonal rápido, frequente/, para zonas ñ sinápticas. Contêm Norepinefrina-(+Somatostatina e + encefalina-
precursores neuropeptídicos e por vezes, transmissores do tipo I. Não simpático/+Neuropéptido Y-Buldo,protuberÂncia/+Neurotensina-
há reciclagem. Locus ceureus)é secretada por muitos neurónios cujos corpos celulares
estão localizados no tronco encefálico e no hipotálamo Ajuda a controlar
Receptores: a actividade global e o estado da mente, como aumentar o estado de
Receptores de acção rápida ionotrópicos: excitatórios e inibitórios.
alerta. Na maioria destas áreas, a norepinefrina activa recptores
excitatórios , mas em algumas áreas activa recptores inibitórios.
Dopamina-(+Colecistoquinina e + neurotensina-mesencéfalo)é
secretada por neurónios que se originam na substância negra que
terminam nos gânglios da base. Têm, normalmente, um efeito inibitório.
Glicina-é secretada sobretudo nas sinapses da medula espinhal.
Provavelmente actua como um transmissor inibitório.
GABA-(+somatostatina-cort cereb,Hipocampo/+Colecistoquinina-
cortx.cerebr.)é secretado pelas terminações nervosas da espinal-
medula, cerebelo, gânglios da base e em muitas áreas do cortéx.
Acredita-se que causa quase sempre inibição.
Glutamato-é secretado pelas terminações pré-sinápticas em muitas das
visa sensoriais, bem como em muitas áreas do cortéx. Provavelmente
causa sempre excitação.
Serotonina-é secretada por núcleos que se originam na rafe mediana
do tronco cerebral e projectam-se para muitas áreas do cérebro e da
espinal medula.. Actua como um inibidor nas vias da dor da espinal
medula e a sua ação, nas regiões superiores do sistema nervoso,
parece ajudar a controlar o humor da pessoa, talvez até causar o sono.
Óxido nítrico-encontra-se sobretudo em zonas do cérebro responsáveis
pelo comportamento a longo prazo e memória. É diferente dos outros
transmissores quanto à sua formação na terminação pré-sináptica e
quanto à sua acção sobre o neurónio pós-sináptico. É sintetizado quase
instantaneamente à medida que se faz necessário, difundindo-se para
for a das terminações pré-sinápticas por um período de segundos. Em
seguida, difunde-se para dentro do neurónio pós sináptico
imediatamente adjacente. Aqui, geralmente não altera muito o potencial
de membrana, mas em vez disso altera funções metabólicas
intracelulares que alteram a excitabilidade neuronal por segundos,
minutos e, por vezes, até por mais tempo.

Sistema nervoso autónomo


Com excepção dos músculos esqueléticos todos os órgãos periféricos
recebem inervação deste sistema e mesmo os músculos esqueléticos
possuem nervos autónomos vasomotores. É um sistema propriamente
efector e involuntário, sistema motor involuntário visceral, em contraste
com o sistema motor voluntário, somático.
Divisão classificação e funções gerais:
Simpático: aumenta a actividade corporal, a glicémia, a resistência a
fadiga, reage as situações hemorrágicas ou de falta de O2 , inibe a
motilidade intestinal e encerra os esfíncteres.
Parassimpático: conservação energética, estimulação da secreção
glandular e da motilidade e absorção gastro-intestinal, relaxamento
dos esfíncteres.
Entérico: inervação intrínseca do aparelho gastro-intestinal, do
pâncreas e da vesícula biliar. Organizado em plexos entra a camada
muscular e endotelial. Mientérico e submocoso. Tem um funcionamento
autónomo, mas é regulado por inervação extrínseca do parassimpático(
pre-ganglio vago e nervos pélvicos) e simpático(pós-ganglionares).
Mediadores de cação pós-ganglionar:
Parassimpático: o principal é a acetilcolina activada em receptores
muscarínicos. Também se libertam péptidos com acção moduladora.
Simpático: o principal é a noradrenalina, com um péptido para além
dos receptores peptidérgicos há diversos receptores adrenérgicos: alfa 1
e 2 e beta 1 e 2.
Regulação central do sistema autónomo:
O córtex cerebral, o hipocampo, o cort. Entorinal, o tálamo, os
gânglios de baie e as formações reticulares enviam informação para
o hipotálamo, que depois a direciona para os núcleos do tronco (que
por sua vez enviam para os neurónios pré-ganglionares) e envia também
hormonas k vão para o órgão alvo.
O hipotálamo ñ é indispensável para a regulação autónoma de algumas
funções, como a respiratória e cardiovascular, cujo centro é o bulbar,
em particular o núcleo do tractus solitarius, que recebe informações
do sistema límbico, do n, doutros núcleos do tronco e aferentes
sensoriais viscerais e envia informação para o sistema límbico,
hipotálamo, outros núcleos do tronco, nervo dorsal do vago e nervo
ambíguo.

Você também pode gostar