Você está na página 1de 3

Jean Piaget nasceu em 09 de agosto de 1896, em Neuchâtel, Suíça

Piaget foi o primeiro a ligar o desenvolvimento cognitivo ao biológico


Criou uma teoria de como o pensamento se desenvolve no cérebro e sugeriu que,
observando o comportamento de bebês podemos traçar estágios desenvolvimentais e
fazer suposições sobre como o cérebro se desenvolve.
Propôs 4 estágios distintos de desenvolvimento cada um caracterizado por uma maneira
diferente de pensar, um novo conjunto de esquemas. Para Piaget, o esquema de um
estágio baseia-se no esquema anterior através da aprendizagem por assimilação e
acomodação.
• Esquemas:padrões mentais da criança em cada fase de desenvolvimento.
• Assimilação: processo pelo qual uma nova experiência é colocada em um
esquema
• Acomodação: processo pelo qual em esquema é adaptado ou expandido para
incorporar uma nova experiência.

Estágios de Piaget do desenvolvimento cognitivo


• 1- Sensório-motor (nascimento aos 2 anos): diferencia a si próprio dos objetos;
se reconhece como agente da ação e começa a agir intencionalmente; adquire a
permanência do objeto.
• 2- Pré-operacional (2 a 7 anos): aprende a usar a linguagem e a representar
objetos por palavras e imagens; pensamento egocêntrico; classifica objetos por
uma única característica.
» Desenho objeto (egocênctrico)
» Copo / moedas (aparência)

• 3- Operacional concreto (7 a 11 anos): capaz de pensar logicamente sobre


objetos e eventos; atinge a conservação de números, de massa e de peso;
classifica objetos de acordo com várias características e é capaz de ordená-los de
acordo com uma única dimensão.
• 4- Operacional formal (11 anos em diante): capaz de pensar logicamente sobre
proposições abstratas e de testar hipóteses sistematicamente; preocupa-se com o
hipotético, o futuro e os problemas ideológicos.

O social na teoria de Piaget


Piaget costuma ser criticado por desprezar o papel dos fatores sociais no
desenvolvimento humano.
No máximo o que se pode dizer sobre isso é que ele não se deteve longamente sobre a
questão.
Trechos da obra que deixam clara a posição de Piaget sobre o social no
desenvolvimento humano:
“O homem é um ser essencialmente social, impossível de ser pensado fora do contexto
da sociedade em que nasce e vive. Em outras palavras, o homem não social, o homem
visto como independente das influências dos grupos que frequenta, o homem visto
como imune aos legados da história e da tradição, este homem simplesmente não
existe”
• Dizer que o homem é um ser social ainda não sognifica optar por uma teoria que
explique como este social interfere no desenvolvimento e na inteligência
humana. Para isto, precisa-se definir: 1- o que é este ser social; 2- como estes
fatores influenciam o desenvolvimento intelectual.
• 1- o homem não é social da mesma maneira aos seis meses ou aos vinte anos de
idade, nem sua individualidade é do mesmo nível. O adulto é social na medida
em que estabelece trocas “intelectuais” com os outros e busca um equilíbrio nas
relações. Este equilíbrio pressupõe: um sistema comum de signos e definições;
uma conservação das colocações válidas feitas por cada indivíduo (muito difícil
até 8 anos);uma reciprocidade de pensamento entre seus interlocutores.
• Ser social de mais alto nível é aquele que consegue relacionar-se de forma
equilibrada. Isto ocorre por etapas, partindo de um grau zero (recém-nascido)
para um grau máximo, no qual se forma a personalidade
• Em relação ao papel das relações social no desenvolvimento, existem
basicamente dois tipos de relações: coação e de cooperação.
• Coação: leva ao empobrecimento das relações sociais; reforça o egocentrismo;
freia o desenvolvimento da inteligência.
• Cooperação: pressupõe a coordenação das operações de 2 ou mais sujeitos;
discussão, troca de pontos de vista, controle dos argumentos; possibilita chegar a
verdade; pedem e possibilitam o desenvolvimento dos indivíduos.
Crítica a Piaget
Piaget acreditava que, conforme as crianças progridem através de cada estágio, todas
usam o mesmo tipo de lógica para resolver problemas. Isto deixa pouco espaço para
diferentes tipos de estratégias cognitivas ou habilidades entre os indivíduos.
Os neo-piagetianos revisaram a teoria e concordam que as crianças estruturam
ativamente o sei entendimento, que o conhecimento progride do pré-concreto para o
concreto e depois para o abstrato e que tudo isso ocorre mais ou menos na ordem e nas
idades relatadas por Piaget.
É contestado também o fato das tarefas motoras exigidas nas tarefas com bebês
acabavam obscurecendo as capacidades destes, não porque eles não as possuíam, mas
porque a tarefa era motoramente muito complexa. (como a de encontrar objetos
embaixo de outros).
Resumindo as considerações iniciais sobre a obra de Piaget
• Desenvolvimento marcado por fases seqüenciais e bem estabelecidas, universais
ao menos na seqüência
• Desenvolvimento cognitivo é um processo social, sendo muito importante a
interação com outras pessoas
• Desenvolvimento de “dentro” pra “fora”

Comparando Piaget e Vygotsky em relação às concepções de fala e pensamento


• Para Piaget, a relação é de dentro para fora (a fala é a externalização do
pensamento).
• Para Vygotsky, a relação entre fala e pensamento se dá de fora para dentro
(internalização da fala se torna pensamento).

A Escola Nova e o “construtivismo” de Jean Piaget


• “métodos novos” ou “ativos”, aqueles que levam em conta a natureza da própria
criança e baseiam-se nas leis do desenvolvimento da constituição psicológica
dos indivíduos e aspectos da obra de Jean Piaget.
• Estudiosos da Escola Nova (Montessori, Freinet, Decroly...), com certeza,
preocuparam-se em criar atividades que promovessem o espírito experimental
nas crianças, tornando-as sujeitos ativos dos seus processos de aprendizagem, e
Piaget concordava com os mesmos e inspirava-se em suas experiências
educacionais:
“As funções essenciais da inteligência consistem em compreender e inventar, em outras
palavras,
construir estruturas estruturando o real (1970, p.29) (...) os conhecimentos derivam da
ação, não no sentido de meras respostas associativas, mas no sentido muito mais
profundo da associação do real comas coordenações necessárias e gerais da ação.
Conhecer um objeto é agir sobre ele e transformá-lo,apreendendo os mecanismos dessa
transformação vinculados com as ações transformadoras. Conhecer é,pois, assimilar o
real às estruturas de transformações, e são estruturas elaboradas pela inteligência,
enquanto prolongamento direto da ação (p. 30).”

• Por outro lado, Piaget diz que há dois tipos de matérias escolares: umas que têm
o conteúdo elaborado e inventado pelo homem que dependem das descobertas e
pesquisas (Matemática, Física...); e outras, por excelência, a ortografia, que
podem ser transmitidas aos alunos. Assim,
“Em primeiro lugar, acabou-se por compreender que uma escola ativa não é
necessariamente uma escola de trabalhos manuais e que se, em certos níveis, a atividade
da criança implica em manipulação de objetos e mesmo um certo número de tateios
materiais (...) noutros níveis a atividade mais autêntica de pesquisa pode manifestar-se
no plano da reflexão, da abstração mais avançada e de manipulações verbais... (1973, p.
68)”.
• Neste sentido, fica claro que uma aula expositiva, quando adequadamente
inserida no contexto da aprendizagem, pode ser considerada como método ativo,
e o professor que assim fizer uso da mesma, sabendo daquilo que faz como
capaz de contribuir para o desenvolvimento do seu aluno, pode ser considerado
construtivista.
• Em suma, o construtivismo concebido por Piaget entende a criança como um ser
ativo, que caminha para a autonomia e procura adaptar-se constantemente ao
meio físico e social que o cerca por meio de dois mecanismos indissociáveis: a
acomodação (acostumar-se fisicamente, intelectualmente e afetivamente à
realidade exterior) e a assimilação (incorporação de todos os esforços feitos
durante a acomodação) em busca do equilíbrio. E neste sentido, não se elimina
de modo algum a importância da ação social do professor. Este pode ser um
parceiro qualificado que oferecerá para seus alunos elementos que facilitem seu
processo de crescimento e que também, ao observar atentamente seus alunos,
aprenderá com eles sobre o desenvolvimento psicológico das crianças e ainda
quais os métodos mais adequados para ensiná-los.