Você está na página 1de 36

1

Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”


Campus Experimental de Itapeva

Engenharia Industrial Madeireira

Thiago Fernandes Oliveira de Lima

Normas para a certificação da qualidade no processo produtivo na indústria


madeireira

Gerenciamento da Qualidade do Processo


Profª. Gláucia R. M. Guerra da Cunha
Prof. Francisco Estevan Guerra da Cunha

Itapeva
Junho/2008
2

Resumo

A quantidade de indústrias madeireira e moveleira vêm crescendo nos últimos anos devido ao
aumento do consumo de matéria-prima utilizada nos processos produtivos. Esse aquecimento
na demanda aumenta a concorrência entre as empresas, pois essas passam a disputar
preferências dos clientes. Por sua vez, os clientes podem se tornar mais exigentes com relação
à qualidade do produto e do seu processo produtivo, ainda que isto ainda não seja
caracterizado. A International Standards Organization, mais conhecida como ISO é o
organismo que estabelece os padrões internacionais de trabalho e de garantia de qualidade nas
empresas. O setor madeireiro, especificamente, conta com o PNQM - Programa Nacional de
Qualidade da Madeira, desenvolvido pela Associação Brasileira da Indústria de Madeira
Processada Mecanicamente – Abimci, além da Certificação CE exigida no mercado europeu
para painéis de madeira dentre outros produtos a serem exportados para este mercado. A
certificação florestal FSC é uma ferramenta voluntária que atesta a origem da matéria-prima
florestal em um produto. Com a globalização, se algum produto não possuir qualidade, não
for bem avaliado pelo mercado, estará simplesmente numa desvantagem irreversível, sendo
esmagado pela concorrência. Nenhuma empresa pode ficar acomodada, a disputa pelos
clientes é cada vez maior e um mínimo detalhe pode fazer com que o produto seja um
fracasso.

Palavras-chave: indústria, madeireira, qualidade, fsc, pnqm, floresta, madeira.


3

Abstract

The quantity of timber and furniture industries have been growing in recent years due to
increased consumption of raw materials used in production processes. This heating demand
increases competition among companies, because these are the preferences of customers
dispute. In turn, customers may become more demanding with respect to product quality and
its production process, even if it is not yet characterized. The International Standards
Organization, better known as ISO is the body that sets international labour standards and
quality assurance in business. The Forestry, specifically, has the PNQM - Programa Nacional
de Qualidade da Madeira, developed by Associação Brasileira da Indústria de Madeira
Processada Mecanicamente – Abimci, in addition to the EC certification required in the
European market for wood panels, among other products for export this market. The FSC
forest certification is a voluntary tool that shows the origin of the raw material in a forest
product. With globalization, if any product has no quality, is not well evaluated by the market,
is simply a disadvantage irreversible, being crushed by competition. No company may be
room, the dispute by customers is increasing and a minimum detail may cause the product is a
failure.

Keywords: industry, timber, quality, fsc, pnqm, forest, timber.


4

Sumário

1 INTRODUÇÃO 4
2 SÉRIE ISO 9000 7
2.1 Os Elementos da ISO Série 9000 8
2.2 O Sistema de Documentação 10
2.3 A Implantação e Certificação 11
2.4 Auditoria final e Certificação 12
2.5 As Auditorias 13
2.6 Os Benefícios da ISO 9000 14
3 PNQM - PROGRAMA NACIONAL DE QUALIDADE DA MADEIRA 16
3.1 Estrutura 16
3.2 Processo de Certificação 18
3.3 Marcas de Certificação do Programa de Compensado de Pinus 18
3.4 PNQM - Compensado de Pinus 19
3.4.1 Tipos básicos de chapas 20
3.4.2 Dimensões e características construtivas 20
3.4.3 Classificação das chapas 21
3.5 PNQM - Compensado de Madeira Tropical 23
3.6 PNQM – Portas 24
3.7 PNQM – Fornecedores 24
4 CERTIFICAÇÃO CE (COMUNIDADE EUROPÉIA) 25
4.1 Exigência para Painéis 25
4.2 Responsabilidade do Fabricante 25
4.3 Como Obter a certificação "CE" 26
4.4 Passos Necessários 26
4.5 Auditorias 28
5 CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC 29
5.1 O selo FSC 30
5.2 Princípios e Critérios do FSC 30
5.3 Tipos de certificação FSC 32
5.4 O processo de certificação 32
5.5 Custos da certificação 33
5.5.1 Custos diretos 33
5.5.2 Custos indiretos 33
6 CONCLUSÕES 34
REFERÊNCIAS 35
5

1 INTRODUÇÃO

Devido a uma primeira exploração florestal, muitas florestas do norte do Brasil,


possuem como característica árvores que variam em suas dimensões, o que resulta em
volumes baixos quando se comparando com áreas que ainda foram pouco exploradas.
A infra-estrutura no setor florestal alcança demandas técnicas, de logística e de suporte
ao uso racional dos recursos naturais, e é um dos principais geradores de emprego e de renda
à comunidade.
O setor madeireiro é composto pelas indústrias que realizam o primeiro
beneficiamento das toras provenientes da floresta, caracterizam-se em sua maioria como
serrarias e em alguns casos indústrias de compensados e laminados, sendo as duas últimas
voltadas à fabricação de produtos destinados ao mercado externo e interno. Já os produtos
resultantes das serrarias têm maior saída no mercado regional, porém com restrições quanto à
qualidade devido ao menor poder de compra regional.
A quantidade de indústrias madeireira e moveleira vêm crescendo nos últimos anos
devido ao aumento do consumo de matéria-prima utilizada nos processos produtivos. Esse
aquecimento na demanda aumenta a concorrência entre as empresas, pois essas passam a
disputar preferências dos clientes.
Por sua vez, os clientes podem se tornar mais exigentes com relação à qualidade do
produto e do seu processo produtivo, ainda que isto ainda não seja caracterizado. O controle
de qualidade se refere a um processo ou conjunto de atividades e técnicas operacionais que
são empregadas para se cumprir os requerimentos de qualidade. Essa definição implica em
qualquer operação que sirva para melhorar, dirigir ou assegurar a qualidade pode ser
considerada uma atividade de CQ.
Sendo assim, a importância do controle de qualidade na produção, e também pela
certificação de qualidade poderão tornar-se o diferencial entre as empresas trazendo assim
uma maior satisfação de ambos os lados.
A International Standards Organization, mais conhecida como ISO é o organismo que
estabelece os padrões internacionais de trabalho e de garantia de qualidade nas empresas.
Desde 1987 foi criada uma série de normas, conhecidas como ISO 9000, que deram início a
um sistema de gestão da qualidade.
A ISO 9000, que muitos acreditam tratar-se do nome do certificado, na verdade apenas
estabelece as orientações básicas para a correta seleção e uso das normas, tanto que seus
objetivos são esclarecer as diferenças e inter-relações entre os principais conceitos da
6

qualidade e, fornecer diretrizes para seleção e uso de normas que servem para gestão da
qualidade interna ( ISO 9004 ) e para garantia da qualidade externa ( ISO 9001, 9002 e
9003 ).
Existe uma tendência mundial no sentido do aumento das expectativas do consumidor,
em relação à qualidade. Acompanhando esta tendência, houve uma crescente tomada de
consciência de que melhorias contínuas na qualidade são freqüentemente necessárias para
atingir e assegurar um bom desempenho econômico. A maioria das organizações produzem
produtos ou serviços destinados a atender as necessidades do usuário. Estes requisitos são
freqüentemente incorporados em especificações, mas que por si só não podem garantir que
estes requisitos sejam consistentemente atendidos.
O setor madeireiro, especificamente, conta com o PNQM - Programa Nacional de
Qualidade da Madeira, desenvolvido pela Associação Brasileira da Indústria de Madeira
Processada Mecanicamente – Abimci, além da Certificação CE exigida no mercado europeu
para painéis de madeira dentre outros produtos a serem exportados para este mercado.
A empresa participante recebe todas as orientações técnicas, visitas periódicas de
auditores independentes e assistência para os ajustes necessários para a certificação. São
considerados os processos de produção e recomendadas ações para a redução do risco de
perdas de mercado por falta de qualidade, redução de perdas, aumento da produtividade e
competitividade e incremento da qualidade.
Os processos de qualidade, dentro das organizações, mudam o comportamento dos
funcionários e dos empresários. Além da busca da qualidade total, a globalização da economia
força a competitividade e provoca a busca da eficiência. Com isso, muda radicalmente a
forma de produzir e atender o cliente, mas a verdadeira revolução dentro das organizações só
pode ocorrer se houver uma perfeita harmonia entre a alta tecnologia e a valorização das
pessoas.
A marca "CE" é uma marca de conformidade do Mercado Comum Europeu. Declara
que o fabricante atende às exigências da norma EN do(s) produto(s) em questão, com respeito
à Diretiva da Comunidade Européia aplicável a essa norma. A certificação “CE” tem sido
exigida na União Européia para diversos produtos, como: equipamentos de telecomunicação;
eletroeletrônicos; brinquedos; aparelhos médicos; produtos farmacêuticos; produtos de
construção, entre outros. Atualmente, a certificação “CE” é exigida para obter acesso aos 28
países que integram o Espaço Econômico Europeu (EEE): os 25 Estados-Membros da União
Européia (UE) e três dos Estados-Membros da Associação Européia de Livre Comércio
(EFTA). Em maio de 2004, a UE expandiu-se para o leste da Europa, passando a integrar 10
7

novos Estados Membros.


O FSC surgiu em 1993, quando organizações de diferentes partes do mundo uniram-se
para promover o diálogo entre os setores econômicos, sociais e ambientais para mudar a
prática da gestão e manejo de florestas. Como resultado desse diálogo surgiu um sistema de
certificação de manejo florestal com padrões que traduzem práticas ambientalmente corretas,
socialmente justas e economicamente viáveis, com abrangência e reconhecimento mundial.
Na mesma época, surge a rede FSC, formada por organizações responsáveis em
desenvolver padrões mundiais para o manejo florestal. O FSC Internacional está atualmente
sediado em Bonn, na Alemanha e coordena o desenvolvimento de políticas e padrões
universais; já as iniciativas nacionais os adaptam para a realidade do país e levam as
discussões para as organizações de base, junto com grupos de interesse das áreas sociais,
ambientais e econômicas.
No Brasil existem atualmente cinco certificadoras credenciadas pelo FSC IC (Bureau
Veritas Certification; IMO - Institut FÜR Marktökologie - Instituto de Mercado Ecológico;
SCS - Scientific Certification System; Inc. Programa Forest Conservation; SGS South Africa
(Pty) Ltd. - Programa SGS Qualifor (África do Sul); Control Union Certifications - Skal
International , Programa Smart Wood). Estas certificadoras estão autorizadas a avaliar as
unidades de manejo florestal - empresariais ou comunitárias - e as indústrias processadoras -
cadeia de custódia - e permitir o uso da logomarca do FSC.
8

2 SÉRIE ISO 9000

A ISO série 9000 compreende um conjunto de cinco normas (ISO 9000 a ISO 9004).
Entretanto, estas normas, oficializadas em 1987, não podem ser consideradas normas
revolucionárias, pois elas foram baseadas em normas já existentes, principalmente nas normas
britânicas BS 5750.
Além destas cinco normas, deve-se citar a existência da ISO 8402 (conceitos e
Terminologia da Qualidade), da ISO 10011 (Diretrizes para a Auditoria de Sistemas da
Qualidade) e de uma série de guias ISO pertinentes à certificação e registro de sistemas da
qualidade.
As normas ISO 9000 podem ser utilizadas por qualquer tipo de empresa, seja ela
grande ou pequena, de caráter industrial, prestadora de serviços ou mesmo uma entidade
governamental.
Deve ser enfatizado, entretanto, que as normas ISO série 9000 são normas que dizem
respeito apenas ao sistema de gestão da qualidade de uma empresa, e não às especificações
dos produtos fabricados por esta empresa. Ou seja, o fato de um produto ser fabricado por um
processo certificado segundo as normas ISO 9000 não significa que este produto terá maior
ou menor qualidade que um outro similar. Significa apenas que todos os produtos fabricados
segundo este processo apresentarão as mesmas características e o mesmo padrão de qualidade.
As normas ISO 9000 não conferem qualidade extra à um produto (ou serviço),
garantem apenas que o produto (ou serviço) apresentará sempre as mesmas características.
As normas individuais da série ISO 9000 podem ser divididas em dois tipos:
● Diretrizes para seleção e uso das normas (ISO 9000) e para a implementação de um
sistema de gestão de qualidade (ISO 9004). Esta última usa frases do tipo: “O sistema
de qualidade deve...”.
● Normas contratuais (ISO 9001, ISO 9002, ISO 9003). Chamadas assim por se tratarem
de modelos para contratos entre fornecedor (que é a empresa em questão) e cliente.
Utilizam frases do tipo: “O fornecedor deve...”.
É importante salientar que as empresas só podem ser certificadas em relação às
normas contratuais, ou seja, ISO 9001, ISO 9002 e ISO 9003. Segue uma breve descrição de
cada uma das normas contratuais:
● ISO 9001: esta norma é um modelo de garantia da qualidade que engloba as áreas de
projeto/desenvolvimento, produção, instalação e assistência técnica.
9

● ISO 9002: esta norma é um modelo de garantia da qualidade que engloba a produção e
a instalação.
● ISO 9003: esta norma é um modelo de garantia da qualidade em inspeção e ensaios
finais.

Pode-se dizer que a ISO série 9000 é um modelo de três camadas em que a ISO 9001
engloba a ISO 9002 que, por sua vez, engloba a ISO 9003.
A decisão sobre qual das normas contratuais da série ISO 9000 utilizar depende da
finalidade das atividades da indústria em questão. A ISO 9002 é a mais apropriada para a
maioria das fábricas baseadas em processos de manufatura bem estabelecidos. A ISO 9001
por sua vez é mais apropriada para processos que envolvem atividades de pesquisa e
desenvolvimento. A ISO 9003 engloba somente a inspeção e ensaios finais e, por isso, tem um
valor limitado. Na prática esta norma não é mais utilizada.

2.1 Os Elementos da ISO Série 9000

A série de normas ISO 9000 baseia-se em 20 elementos ou critérios que englobam


vários aspectos da gestão de qualidade. Apenas a ISO 9001 exige que todos os 20 elementos
estejam presentes no sistema da qualidade. A ISO 9002 faz uso de 18 destes elementos (não
fazem parte desta norma o controle de projeto e a assistência técnica), enquanto que a ISO
9003 engloba somente 12 estes elementos. Segue uma breve descrição dos 20 elementos das
normas ISO 9000:
● Responsabilidade da administração: requer que a política de qualidade seja definida,
documentada, comunicada, implementada e mantida. Além disto, requer que se
designe um representante da administração para coordenar e controlar o sistema da
qualidade.
● Sistema da qualidade: deve ser documentado na forma de uma manual e
implementado.
● Análise crítica de contratos: os requisitos contratuais devem estar completos e bem
definidos. A empresa deve assegurar que tenha todos os recursos necessários para
atender às exigências contratuais.
● Controle de projeto: todas as atividades referentes à projetos (planejamento, métodos
para revisão, mudanças, verificações, etc.) devem ser documentadas.
10

● Controle de documentos: requer procedimentos para controlar a geração, distribuição,


mudança e revisão em todos os documentos.
● Aquisição: deve-se garantir que as matérias-primas atendam às exigências
especificadas. Deve haver procedimentos para a avaliação de fornecedores.
● Produtos fornecidos pelo cliente: deve-se assegurar que estes produtos sejam
adequados ao uso.
● Identificação e rastreabilidade do produto: requer a identificação do produto por item,
série ou lote durante todos os estágios da produção, entrega e instalação.
● Controle de processos: requer que todas as fases de processamento de um produto
sejam controladas (por procedimentos, normas, etc.) e documentados.
● Inspeção e ensaios: requer que as matéria-primas sejam inspecionadas (por
procedimentos documentados) antes de sua utilização.
● Equipamentos de inspeção, medição e ensaios: requer procedimentos para a
calibração/aferição, o controle e a manutenção destes equipamentos.
● Situação da inspeção e ensaios: deve haver, no produto, algum indicador que
demonstre por quais inspeções e ensaios ele passou e se foi aprovado ou não.
● Controle de produto não-conforme: requer procedimentos para assegurar que o
produto não conforme aos requisitos especificados é impedido de ser utilizado
inadvertidamente.
● Ação corretiva: exige a investigação e análise das causas de produtos não-conformes e
adoção de medidas para prevenir a reincidência destas não-conformidades.
● Manuseio, armazenamento, embalagem e expedição: requer a existência de
procedimentos para o manuseio, o armazenamento, a embalagem e a expeição dos
produtos.
● Registros da qualidade: devem ser mantidos registros da qualidade ao longo de todo o
processo de produção. Estes devem ser devidamente arquivados e protegidos contra
danos e extravios.
● Auditorias internas da qualidade: deve-se implantar um sistema de avaliação do
programa da qualidade.
● Treinamento: devem ser estabelecidos programas de treinamento para manter,
atualizar e ampliar os conhecimentos e as habilidades dos funcionários.
● Assistência técnica: requer procedimentos para garantir a assistência à clientes.
● Técnicas estatísticas: devem ser utilizadas técnicas estatísticas adequadas para
verificar a aceitabilidade da capacidade do processo e as características do produto.
11

Analisando estes critérios, nota-se que o ponto central de um sistema de gestão da


qualidade baseada nas normas ISO 9000 é a apropriada documentação deste sistema. De fato,
as normas podem ser resumidas em: Diga o que você faz, faça o que você diz e... documente
tudo!

2.2 O Sistema de Documentação

O sistema de documentação exigido pode ser hierarquizado em quatro níveis:


● O nível I, de abordagem geral, consiste basicamente no manual da qualidade da
empresa. Este expõe e define, entre outros, a política de gestão da qualidade, o sistema
da qualidade, a estrutura organizacional e as responsabilidades.
● O nível II é constituído pelos manuais de procedimentos. Estes listam todos os
procedimentos usados na empresa e também definem responsabilidades (quem deve
fazer o que e quando). Estes manuais abrangem todos os elementos do sistema de
qualidade utilizados pela empresa (análise de contratos, aquisição, controle de
processos, inspeção e ensaios, etc.).
● Os documentos de nível III abrangem as instruções operacionais básicas que
identificam como se deve proceder para o eficaz funcionamento do sistema. Estas
instruções envolvem métodos de inspeção, cronogramas de trabalho, especificações,
desenhos, instruções de trabalho, etc.
● O nível IV consiste nos registros da qualidade, entre os quais podemos citar os
resultados de inspeções, os registros de aferição, as ordens de compra, a lista de
fornecedores, etc. Estes registros são as evidências de que as instruções (nível III)
foram seguidas.

A documentação de um sistema de qualidade pode também ser dividida em dois tipos:


● Os documentos da qualidade, que descrevem o processo, ou seja, como os
procedimentos devem ser executados.
● Os registros da qualidade, que registram os resultados do processo, evidenciando que a
empresa seguiu as ações descritas nos documentos da qualidade.

Os documentos da qualidade documentam o processo, enquanto os registros da


qualidade fornecem evidências de que as instruções contidas nos documentos da qualidade
12

foram executadas.

2.3 A Implantação e Certificação

Várias são as vantagens de se implementar um sistema da gestão de qualidade baseado


nas normas ISO 9000. Entre elas podemos destacar:
● Aumento da credibilidade da empresa frente ao mercado consumidor.
● Aumentar a competitividade do produto ou serviço no mercado.
● Evitar e prevenir a ocorrência de deficiências.
● Evitar riscos comerciais, tais como: reivindicações de garantia e responsabilidades
pelo produto.

Analisando-se estas vantagens, pode-se imaginar que o desejo de implantação de um


sistema da qualidade parte da direção da empresa que, desta maneira, pretende aprimorar o
seu processo produtivo. Mas isto nem sempre é o caso. A grosso modo, podemos identificar
quatro razões que levam uma empresa a implantar um sistema de gestão da qualidade baseado
nas normas ISO série 9000:
● Conscientização da alta administração (“por livre e espontânea vontade”): a mais
eficaz entre todas.
● Razões contratuais (“por livre e espontânea pressão”): no fornecimento de
produtos/serviços para outros países, para órgãos/empresas governamentais e também
para um número cada vez maior de empresas de iniciativa privada; evidentemente
menos eficaz que a anterior. O tempo para a maturação é maior, mas normalmente se
alcança a conscientização.
● Competitividade (“ou nos enquadramos ou quebramos”): embora não tão eficaz
quanto a primeira, consegue-se de um modo geral chegar à conscientização da alta
administração.
● Modismo (“temos que dançar o que está tocando”): a menos eficaz de todas,
normalmente não se chega a alcançar o objetivo maior, que é a conscientização da alta
administração e aí, então, o processo é abandonado no meio do caminho.

Uma vez expressado o desejo de se adotar um sistema da qualidade baseado nas


normas ISO 9000, a empresa seguirá uma série de etapas, dentre as quais temos:
13

● Definição da política da qualidade e seleção do modelo de norma mais adequado às


propostas da empresa (ISO 9001, ISO 9002 ou ISO 9003).
● Análise do sistema da qualidade da empresa (se existir algum) e determinação de quais
as mudanças que devem ser feitas para adaptá-lo às exigências das normas ISO 9000.
● Treinamento e conscientização dos funcionários diretamente envolvidos com a
implementação (ou modificação) do sistema da qualidade, bem como dos demais
funcionários da empresa.
● Desenvolvimento e implementação de todos os procedimentos necessários ao sistema
da qualidade (este é geralmente o ponto mais demorado durante o processo de
implementação). É importante que, durante o processo de desenvolvimento de
procedimentos, estes sejam feitos em conjunto com as pessoas que deverão segui-los.
● Seleção de um órgão certificador (também conhecido como órgão registrador). Trata-
se de uma organização independente da empresa, que irá avaliar se o sistema da
qualidade da empresa está de acordo com as normas ISO 9000. Como exemplo de
órgãos certificadores podemos citar o Bureau Veritas Quality International (BVQI) e a
Fundação Carlos Alberto Vanzolini (FCAV).
● Pré-auditoria para avaliar se o sistema da qualidade implantado está de acordo com os
padrões especificados pelas normas.
● Eliminação das eventuais não-conformidades (às normas) detectadas durante o
processo de pré-auditoria.

2.4 Auditoria final e certificação

A maior parte das não-conformidades detectadas durante as auditorias do sistema da


qualidade dizem respeito à inapropriada documentação do sistema. Por outro lado, deve-se
tomar o cuidado de não exagerar na quantidade de documentação, correndo o risco de tornar o
sistema da qualidade excessivamente burocratizado.
A empresa uma vez certificada, deve zelar pela manutenção deste, pois perder um
certificado pode ser muito mais danoso para uma empresa do que não te-lo.
O processo de implementação pode durar de alguns meses a dois anos, dependendo do
tamanho da empresa e, principalmente, da existência de um sistema da qualidade e do seu
grau de desenvolvimento.
Alguns dos órgãos certificadores possuem programas de consultoria para auxiliar as
14

empresas durante o processo de implementação. Caso a empresa opte por um destes


programas ela deverá, entretanto, escolher um outro órgão certificador para avaliar e certificar
o seu sistema da qualidade, pois seria anti-ético um orgão certificador avaliar e certificar um
sistema da qualidade que ele mesmo ajudou a implementar.

2.5 As Auditorias

Os sistemas de gestão da qualidade propostos (baseados nas normas da ISO série


9000) são avaliados por auditorias. As características destas auditorias são:
● Autorizadas pela administração superior.
● Avaliações de práticas reais, evidentes, comparadas com requisitos estabelecidos.
● Têm métodos e objetivos específicos.
● São programadas com antecedência.
● São realizadas com prévio conhecimento e na presença das pessoas cujo trabalho será
auditado;
● Realizadas por pessoal experiente, treinado e independente da área auditada.
● Resultados e recomendações são examinados e, em seguida, acompanhados para
verificar o cumprimento das ações corretivas.
● Não têm ação punitiva, mas corretiva e de aprimoramento.

As auditorias podem ser classificadas quanto ao tipo, à finalidade e à empresa


auditada.
Quanto ao tipo temos:
● Auditoria de adequação: é uma auditoria para avaliar a documentação do sistema
implantado, comparando-o com os padrões específicados pelas normas ISO.
● Auditoria de conformidade: neste tipo de auditoria o auditor deve procurar a evidência
de que o auditado está trabalhando de acordo com as instruções documentadas.

Quanto à finalidade temos:


● Auditoria do sistema: dá ênfase aos aspectos de documentação e organização do
sistema da qualidade.
● Auditoria de processo: avalia a execução (projeto, fabricação, construção, montagem,
etc.) de um processo ou serviço.
15

● Auditoria do produto: dá ênfase à reinspeção do produto pronto e à análise de registros


dos resultados dos ensaios, testes e inspeção.

E, quanto às empresas auditadas, temos:


● Auditoria interna: é a auditoria realizada sob a responsabilidade da própria empresa
(organização), onde os auditores devem ser totalmente independentes do setor/serviço
a ser auditado. A vantagem deste tipo de auditoria é que os auditores e os auditados
sentem-se mais a vontade para discutir internamente os resultados.
● Auditoria externa: é a auditoria realizada sob a responsabilidade de uma empresa
independente da que está sendo auditada. A vantagem é o caráter de independência
associado à experiência trazida pelos auditores de outras organizações.

É uma auditoria externa que avalia se uma empresa (ou processo) está apta a receber o
certificado da série ISO 9000.
A empresa certificada é periodicamente avaliada por auditorias de acompanhamento
(realizadas de 6 em 6 meses). Estas auditorias são feitas para verificar se a empresa continua
atendendo aos requisitos estabelecidos e verificados em auditorias anteriores. No caso de a
empresa não atender aos requisitos estabelecidos anteriormente, duas atitudes podem ser
tomadas pelo órgão certificador:
● Se forem encontradas não-conformidades razoáveis, é determinado um prazo para uma
nova auditoria.
● Se forem encontradas não-conformidades graves, a empresa pode perder o certificado.

2.6 Os Benefícios da ISO 9000

Alguns dos benefícios trazidos para uma empresa certificada com relação às normas
da série ISO 9000 são:
● Abertura de novos mercados.
● Maior conformidade e atendimento às exigências dos clientes.
● Menores custos de avaliação e controle.
● Melhor uso de recursos exitentes.
● Aumento da lucratividade.
● Maior integração entre os setores da empresa.
16

● Melhores condições para acompanhar e controlar os processos.


● Diminuição dos custos de remanufatura.
17

3 PNQM - PROGRAMA NACIONAL DE QUALIDADE DA MADEIRA

Em 1999, atendendo solicitação das empresas associadas e em resposta a demandas de


mercado a ABIMCI decidiu tomar a liderança para desenvolver um sistema nacional de
certificação de compensado de pinus. Para desenvolver o sistema foi criado o Programa
Nacional de Qualidade do Compensado - PNQC, tendo como objetivo principal disponibilizar
ao mercado produtos com especificações conhecidas, fabricados dentro de parâmetros
controlados.

Figura 1 – Logo do Programa Nacional de Qualidade da Madeira (PNQM).

Durante o ano 2000 o programa foi estruturado e implantado, tendo sido estabelecido
um Conselho, do qual participam representantes das diversas partes interessadas incluindo
produtores de compensado, consumidores, participantes da cadeia de comercialização,
fornecedores, pesquisadores e especialistas do setor. Entre as atribuições do Conselho
encontram-se as definições das políticas e estratégias do Programa, bem como garantir a
independência e assegurar a credibilidade do processo de certificação de qualidade.
Com base na experiência adquirida, e atendendo demandas de associados e do
mercado o Programa foi ampliado para envolver outros tipos de produtos de madeira sólida,
tendo sido transformado no Programa Nacional de Qualidade da Madeira - PNQM. Dentro
desta nova abrangência o Programa agora vêm desenvolvendo atividades para certificar além
do compensados de pinus o compensado de madeiras tropicais e portas. Outros produtos
deverão ser incorporados no futuro.

3.1 Estrutura

Para definir as políticas e estratégias do Programa, bem como para assegurar


independência das atividades de certificação e da credibilidade do processo, foi criado o
Conselho Nacional de Qualidade da Madeira - CNQM. Os estatutos do Conselho estabelecem
que o mesmo é totalmente independente e que seus membros são escolhidos entre as partes
18

interessadas no assunto. O Conselho é constituído por representantes dos seguintes grupos:


● produtores;
● agentes da cadeia de comercialização e distribuição;
● associação de consumidores;
● universidades e institutos de pesquisa;
● fornecedores de insumos.

As responsabilidades do Conselho são estabelecidas em estatuto e incluem:


● definir as diretrizes ao Programa Nacional de Qualidade da Madeira;
● coordenar o trabalho relacionado com a definição e estabelecimento de padrões
técnicos e procedimentos de qualidade relativos ao processo de produção dos produtos
a serem certificados;
● definir os critérios de certificação de produtores e fornecedores;
● selecionar e qualificar auditores de qualidade;
● aprovar os relatórios de auditoria e emitir os certificados de qualidade;
● decidir no caso de queixa de consumidores e reclamações.

Para implementar as diretrizes e decisões emanadas do CNQM, bem como para


coordenar toda a operação do Programa, foi criada uma Secretaria Executiva, que conta com o
apoio de departamentos técnicos e consultores independentes.
As auditorias de certificação são executadas por Auditores Externos, independentes,
selecionados pelo Conselho com base em critérios que incluem uma análise de sua
qualificação técnica e experiência.
Os auditores externos, credenciados pelo CNQM, são instruídos e treinados quanto às
suas responsabilidades perante o Programa e quanto aos parâmetros, critérios, requisitos e
procedimentos estabelecidos para a condução das Auditorias de Certificação.
O Programa é financeiramente sustentado pelos produtores envolvidos, fornecedores
de insumos e outras entidades interessadas em cooperar. Os recursos são alocados em fundos
específicos, quais sejam:
● fundo de administração;
● fundo de divulgação e promoção;
● fundo de assistência técnica e desenvolvimento;
● fundo de reclamações.
19

3.2 Processo de Certificação

Antes da solicitação formal da Auditoria de Certificação a Secretaria Executiva presta


serviços de assistência e assessoria técnica aos produtores, com o objetivo de orientá-los
quanto aos parâmetros, procedimentos e requisitos exigidos pelo PNQM, para a certificação.
A renovação da certificação é efetuada obrigatoriamente a cada seis meses, no entanto
as auditorias poderão ser realizadas a qualquer momento, a critério do Conselho ou quando da
ocorrência de reclamações dos consumidores e/ou evidências de que o produtor certificado
não esteja cumprindo com as exigências estabelecidas pelo Programa.
O processo de certificação é apresentado de forma esquemática na figura abaixo:

Figura 2 – Processo de Certificação PNQM.

3.3 Marcas de Certificação do Programa de Compensado de Pinus

As empresas aprovadas no processo de certificação podem imprimir na face ou na


lateral das chapas de compensados a Marca de Certificação conforme padrões definidos pelo
CNQM.
A Marca de Certificação possui informações básicas necessárias para identificação do
produto, incluindo: fabricante,qualidade da capa e contra-capa, dimensões, aplicação
20

recomendada e outros aspectos.

Figura 3 – Carimbo de Face.

Figura 4 – Carimbo de Borda.

3.4 PNQM - Compensado de Pinus

Atualmente o Programa Nacional da Qualidade da Madeira – PNQM-CP conta com


várias empresas certificadas, de acordo com os requisitos estabelecidos pelo Programa.
Periodicamente estão sendo executadas nessas empresas Auditorias de Manutenção
para a verificação do Sistema da Qualidade implantado.
Paralelamente a essas atividades estão sendo desenvolvidos os trabalhos de Assistência
Técnica às demais empresas participantes do Programa, com o objetivo de orientá-las e treiná-
las na implantação dos parâmetros e procedimentos requeridos pelo PNQM-CP
Também estão sendo desenvolvidos os trabalhos necessários para a obtenção do “CE-
Marking”. Essa marca de conformidade, é requerida no âmbito do Espaço Econômico
Europeu (EEE) e será obrigatória para painéis de madeira utilizados na construção a partir de
1º de Abril de 2004.
Com o objetivo da obtenção do “CE-Marking” estão sendo contatados os “Notified
Bodies – NB's” (organismos certificadores europeus), reconhecidos pela Diretiva de Produtos
de Construção (CPD) e autorizados para atuar com painéis de madeira, de acordo com a
Decisão 97/462/CE da Comissão Européia.
Atualmente foram contatados cerca de 30 (trinta) NB's e encontram-se em andamento
as negociações para obtenção de propostas técnicas e comerciais, que considerem, inclusive, a
participação do Conselho Nacional da Qualidade da Madeira – CNQM, no processo de
certificação.
21

3.4.1 Tipos básicos de chapas

Para compensados de pinus o Programa considera dois tipos básicos de chapas, quais
sejam:
a) Interior – IR
Chapa colada com resina do tipo interior. As chapas de compensado produzidas com
este tipo de resina para utilização em locais protegidos da ação d' água ou alta
umidade relativa. Na maioria dos casos as resinas com base em uréia formaldeído são
utilizadas.
b) Exterior – EX
Chapa colada com resina do tipo exterior. As chapas de compensado produzidas com
este tipo de resina podem ser utilizadas em ambientes externos, locais com alta
umidade ou em contato direto com a água. Resinas fenólicas são as mais comuns, no
entanto, existem outras resinas que podem ser empregadas.

3.4.2 Dimensões e características construtivas

A Tabela 1 apresenta as dimensões principais e as características construtivas das


chapas de compensado adotadas pelo PNQM, incluindo: espessura, quantidade mínima de
lâminas e as tolerâncias dimensionais.

Tabela 1 – Dimensões e características construtivas das chapas de compensados de


Pinus
Quantidade Tolerâncias
Espessura da
mínima de Comprimento
chapa (mm) Espessura (%) Largura (mm)
lâminas (mm)
09
12 05
15
18 +/- 5 +0,0/-2,0 +0,0/-2,0
07
21
22 09
25 11
22

3.4.3 Classificação das chapas

As chapas de compensado de Pinus são classificadas com base na qualidade da face e


contra-face. Os critérios de Classificação levam em consideração o tipo, a quantidade e
dimensões dos defeitos apresentados, através de inspeção visual.
As possibilidades para classificação do compensado de Pinus, estão descritas na
Tabela 2.

Figura 5 – Qualidades para compensados de Pinus (fotos meramente ilustrativas).


23

Tabela 2 – Critérios para classificação do compensado de Pinus.


Categorias de Qualidade
defeitos A B C+ C D
Diâmetro
máximo de 10 Sem limites
NÓ FIRME Não permitido
mm, até 10 por
face
Nós soltos e/ou Nós soltos e/ou
abertos e buracos abertos e buracos
de instrumentos de instrumentos
de usinagem de usinagem com
limitados a dimensão não
NÓ SOLTO/NÓ dimensão superior a 65
Não permitido Sem limites
ABERTO máxima de mm de diâmetro,
6x12,5 mm, sendo a média
desde que menor ou igual a
reparados com 50 mm, desde
massa. que reparados
com massa.
MIOLO OCO Miolo oco limitado a 20 mm Miolo oco limitado a 50 mm Sem limites
Juntas abertas Juntas abertas
com largura com largura
JUNTAS
Não Permitido máxima de 2mm máxima de 5mm Sem limites
ABERTAS
e reparadas com e reparadas com
massa. massa
Trincas com Trincas com Trincas com
dimensões dimensões dimensões
máximas de 5 máximas de 10 máximas de
mm de largura e mm de largura e 15mm de largura
TRINCAS Não Permitido Sem limites
300 mm de 600 mm de e 700 mm de
comprimento e comprimento e comprimento e
recuperadas com recuperadas com recuperadas com
massa massa massa
EMENDAS NA Não Permitido
Até uma Até duas Até quatro
CAPA
Até 1 por m2 de Até 2 por m2 de Até 2 por m2 de
SUPERPOSIÇÃ comprimento comprimento comprimento
Não Permitido Sem limite
O (CAVALO) máximo de 100 máximo de 400 máximo de 600
mm mm mm
MANCHA Não Permitido Limitado a 10% Limitado a 20% Sem limite
24

AZUL da área da face da área da face


Não excedendo Não excedendo Não excedendo
25 mm de 100 mm de 100 mm de
largura e 200 largura e 600 largura e 700
mm de mm de mm de
REMENDOS
comprimento, comprimento, comprimento,
COM Sem limite, desde que colados com
combinados em combinados em combinados em
MADEIRA DE a mesma resina utilizada na
cor e grã, cor e grã, cor e grã,
MESMA fabricação do painel
colados com a colados com a colados com a
ESPÉCIE
mesma resina mesma resina mesma resina
utilizada na utilizada na utilizada na
fabricação do fabricação do fabricação do
painel painel painel
SOMA DOS
DEFEITOS DA O número de O número de O número de
FACE (JUNTAS reparos não deve reparos não deve reparos não deve
ABERTAS+TRI ultrapassar a 6 na ultrapassar a 8 na ultrapassar a 30 Sem restrições
NCAS+REMEN superfície total superfície total na superfície
DOS+NÓ da chapa da chapa total da chapa
ABERTO)

3.5 PNQM - Compensado de Madeira Tropical

O Programa Nacional da Qualidade da Madeira – Compensados de Madeira Tropical –


PNQM-CT teve início em Fevereiro de 2002 com a participação de produtores localizados
nos Estados do Maranhão-MA, Pará-PA e Paraná-PR a implantação do Programa nesses
produtores é identificada com a sigla PNQM-CT (MA, PA e PR).
Em Abril de 2003 produtores de chapas de compensados de madeira tropical,
localizados nos Estados de Mato Grosso-MT, Mato Grosso do Sul-MS, Paraná-PR, Rondônia-
RO e Santa Catarina-SC, aderiram ao PNQM-CT formando um um segundo grupo que é
identificado pela sigla PNQM-CT (MS, MT, PR, RO e SC). É importante salientar que nesse
grupo serão contemplados dentro do PNQM, além dos compensados de madeira tropical, os
compensados “COMBI” e “TWIN” (combinados de madeira tropical e pinus).
25

3.6 PNQM – Portas

O PNQM-Portas é um novo segmento do Programa Nacional da Qualidade da


Madeira.
O Programa de certificação consiste em 3 fases. Atualmente estão sendo desenvolvidas
as Fases 1 e 2 do Programa, conforme segue:
a) Fase 1 – Revisão de Normas
Esta fase tem por objetivo revisar as Normas Brasileiras (ABNT) levando-se em
consideração, principalmente, as características dimensionais e de desempenho. Essa
revisão também contempla a harmonização das Normas Brasileiras com as Normas
Internacionais, tais como: ISO e EN, entre outras.
b) Fase 2 – Diagnóstico da Situação Atual
Para essa fase serão desenvolvidas as seguintes atividades:

Definição dos produtos a serem considerados na certificação;


● visitas técnicas aos produtores envolvidos, com o objetivo de diagnosticar os
parâmetros utilizados pelos produtores para o controle do processo de produção;
● contatos com consumidores, agentes, fornecedores de insumos, entidades de pesquisa,
laboratório e academia, com o objetivo de colher subsídios para a definição de
parâmetros e melhoria da qualidade geral do produto;
● proposição e discussão com as partes envolvidas, de parâmetros para o controle do
processo de produção e características físicas e mecânicas do produto final;
● aprovação dos parâmetros e demais características do produto junto ao Conselho
Nacional da Qualidade da Madeira – CNQM.

3.7 PNQM – Fornecedores

O Programa Nacional de Qualidade da Madeira especifica que os fornecedores de


insumos devem se submeter a verificação do sistema de qualidade, atendendo os parâmetros
do programa.
26

4 CERTIFICAÇÃO CE (COMUNIDADE EUROPÉIA)

4.1 Exigência para Painéis

De acordo com a norma européia EN 13986:2002, a partir de abril de 2004, a


certificação “CE” será exigida para painéis de madeira, em todo o Espaço Econômico
Europeu. Essa norma deve ser interpretada à luz da Diretiva dos Produtos de Construção
(CPD), que a regulamenta. Assim, os painéis de madeira aos quais a norma se refere são os de
incorporação permanente nas obras de construção (engenharia civil e construção civil).
A Diretiva estabelece requisitos essenciais para produtos estruturais, com o objetivo de
atender a determinados níveis de resistência mecânica e estabilidade; segurança contra
incêndios; higiene, saúde e meio ambiente; segurança na utilização; proteção contra ruído;
bem como economia de energia e retenção de calor.
Entre as tarefas exigidas pela norma EN 13986:2002 para atingir esses requisitos
essenciais, nos casos de produtos estruturais e de alguns não estruturais, estão:
● ensaios iniciais;
● controle de produção de fábrica (FPC/PNQM) e seus respectivos ensaios;
● inspeção inicial da fábrica e FPC/PNQM por um organismo de certificação europeu;
● fiscalização, apreciação e aprovação contínuas do FPC/PNQM por um organismo de
certificação europeu.

4.2 Responsabilidade do Fabricante

A responsabilidade pela marca de certificação "CE" nos painéis é do fabricante, seu


agente ou representante autorizado, que passa a ter a obrigação legal de fornecer a prova de
que os painéis são adequados ao fim pretendido. Em caso de suspeita de fraude ou
negligência, caberá ao fabricante comprovar a conformidade perante as autoridades.
No Reino Unido, por exemplo, as agências fiscalizadoras já estão prontas para coagir a
não-conformidade com a Diretiva. Na Inglaterra, País de Gales e Escócia, os Trading
Standards Officers (agentes fiscalizadores de normas comerciais) são os responsáveis pela
coação, com o apoio do Building Control (Controle de Construções). Na Irlanda do Norte,
essa responsabilidade cabe ao Environmental Health Authority (Autoridade de Saúde
Ambiental). Na República da Irlanda, a Health & Safety Authority (Autoridade de Saúde &
27

Segurança) será responsável por essa fiscalização. Nos outros Estados-Membros da UE, as
autoridades também estarão prontas para impedir a entrada de produtos não-conformes.

4.3 Como Obter a certificação "CE"

Em outubro de 2003, a Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada


Mecanicamente (ABIMCI) fechou um acordo de subcontratação com o organismo de
certificação europeu BM TRADA Certification Ltd. (do Reino Unido), que viabiliza, no
Brasil, a certificação “CE” para painéis de madeira estruturais. Trata-se de um acordo
histórico, pois, na prática, resulta no reconhecimento internacional do Programa Nacional da
Qualidade da Madeira (PNQM).
Além disso, a ABIMCI passa a ser o primeiro organismo latino-americano a ser
subcontratado por um organismo de certificação europeu (Notified Body), para painéis de
madeira.
Assim, a maneira mais viável e inteligente de obter a Certificação “CE” para painéis
de madeira, no Brasil, é a adesão ao Programa Nacional de Qualidade da Madeira.
A certificação PNQM, além de ser importante no mercado nacional, garantirá o acesso
à Certificação “CE” para painéis de madeira.

4.4 Passos Necessários

● Associar-se à ABIMCI;
● Aderir ao Programa Nacional de Qualidade da Madeira - PNQM;
● Certificar-se junto ao PNQM;
● Aderir ao Programa de obtenção da Marca CE de Conformidade;
● Adequar o Sistema de Qualidade implantado pelo PNQM aos requisitos das Normas
Européias (EN's);
● Separar e enviar para ensaios iniciais (ITT) amostra dos produtos a serem certificados,
de acordo com o estabelecido no item 5;
● Ensaiar as amostras dos produtos a serem certificados para determinação das
propriedades físicas e mecânicas dos painéis de compensados;
● Registrar os produtos certificados no Organismo de Certificação de Produto (OCP)
contratado pela ABIMCI (BM TRADA);
28

● Realizar os ensaios contínuos do processo de produção (FPC), quando da exportação


de produtos certificados com a Marca CE de conformidade.

Figura 6 – Passos para obtenção do CE – MARKING.

Figura 7 – Logo do CE Mark, a ser afixado no produto com processo certificado.


29

Tabela 3 – Ensaios exigidos para um produto (espécie e classe de madeira [espessura,


quantidade de lâminas, composição do painel na montagem, tipo de colagem e acabamento])
obter a Certificação "CE"

4.5 Auditorias

Em outubro de 2003, a ABIMCI - Associação Brasileira da Indústria da Madeira


Processada Mecanicamente fechava um acordo de Subcontratação com a BM Trada
Certification, para marcação CE em painéis de madeira, a serem utilizados em construção
civil.
Desde então a ABIMCI vem aperfeiçoando o Programa Nacional da Qualidade da
Madeira (PNQM) para atender, na prática, a todas as exigências européias.
30

5 CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC

A certificação florestal FSC é uma ferramenta voluntária que atesta a origem da


matéria-prima florestal em um produto. A certificação garante que a empresa ou comunidade
maneja suas florestas de acordo com padrões ambientalmente corretos, socialmente justos e
economicamente viáveis.

Figura 8 – Triângulo de equilíbrio entre três importante pilares.

O FSC surgiu em 1993, quando organizações de diferentes partes do mundo uniram-se


para promover o diálogo entre os setores econômicos, sociais e ambientais para mudar a
prática da gestão e manejo de florestas. Como resultado desse diálogo surgiu um sistema de
certificação de manejo florestal com padrões que traduzem práticas ambientalmente corretas,
socialmente justas e economicamente viáveis, com abrangência e reconhecimento mundial.
Na mesma época, surge a rede FSC, formada por organizações responsáveis em
desenvolver padrões mundiais para o manejo florestal. O FSC Internacional está atualmente
sediado em Bonn, na Alemanha e coordena o desenvolvimento de políticas e padrões
universais; já as iniciativas nacionais os adaptam para a realidade do país e levam as
discussões para as organizações de base, junto com grupos de interesse das áreas sociais,
ambientais e econômicas.
Hoje, existem 35 iniciativas nacionais presentes no mundo. Existem florestas
certificadas pelo sistema FSC em 66 países dos 5 continentes. O Brasil é o país com maior
número de empreendimentos e com a maior área certificada da América Latina, somando 3,5
milhões de hectares de florestas naturais e plantadas certificadas, com empreendimentos
empresariais e comunitários.
Além de desenvolver os padrões, as iniciativas nacionais são ainda responsáveis pela
promoção do selo e da certificação no seu país. Algumas iniciativas maiores atuam também
em políticas públicas e desenvolvimento de mercado consumidor para produtos FSC.
31

5.1 O selo FSC

O selo FSC atesta ao consumidor que toda a cadeia produtiva envolvida na fabricação
do produto foi certificada pelo sistema FSC, permitindo à sociedade valorizar as iniciativas
que promovem o manejo responsável das florestas.

Figura 9 – Tipos de Selo FSC.

5.2 Princípios e Critérios do FSC

Para promover o manejo responsável das florestas do mundo, o FSC desenvolveu 10


princípios que definem manejo florestal responsável. Esses princípios são globais, aplicados a
qualquer floresta no mundo.

● Princípio 1 – Obediência às leis e aos princípios do FSC


O manejo florestal deve respeitar todas as leis aplicáveis no país onde opera, os
tratados internacionais e os acordos assinados por este país, e obedecer a todos os
Princípios e Critérios do FSC.

● Princípio 2 – Direitos e responsabilidades de posse e uso


As posses de longo prazo e os direitos de uso sobre a terra e recursos florestais devem
ser claramente definidos, documentados e legalmente estabelecidos.

● Princípio 3 – Direitos dos povos indígenas


Os direitos legais e costumários dos povos indígenas de possuir, usar e manejar suas
terras, territórios e recursos devem ser reconhecidos e respeitados.

● Princípio 4 – Relações comunitárias e direitos dos trabalhadores


As atividades de manejo florestal devem manter ou ampliar, em longo prazo, o bem
32

estar econômico e social dos trabalhadores florestais e das comunidades locais.

● Princípio 5 – Benefícios das florestas


As atividades de manejo florestal devem incentivar o uso eficiente e otimizado dos
múltiplos produtores e serviços da floresta para assegurar a viabilidade econômica e
uma grande quantidade de benefícios ambientais e sociais.

● Princípio 6 – Impacto ambiental


O manejo florestal deve conservar a diversidade ecológica e seus valores associados,
os recursos hídricos, os solos, os ecossistemas e as paisagens frágeis e singulares.
Dessa forma estará mantendo as funções ecológicas e a integridade das florestas.

● Princípio 7 – Plano de manejo


Um plano de manejo apropriado à escala e à intensidade das operações propostas deve
ser escrito, implementado e atualizado. Os objetivos de longo prazo do manejo
florestal e os meios para atingi-los devem estar claramente descritos.

● Princípio 8 – Monitoramento e avaliação


O monitoramento deve ser conduzido – apropriado à escala e à intensidade do manejo
florestal – para que sejam avaliados as condições da floresta, o rendimento dos
produtos florestais, a cadeia de custódia, as atividades de manejo e seus impactos
ambientais e sociais.

● Princípio 9 – Manutenção de florestas de alto valor de conservação


Atividades de manejo de florestas de alto valor de conservação devem manter ou
incrementar os atributos que definem essas florestas. Decisões relacionadas às
florestas de alto valor de conservação devem sempre ser consideradas no contexto de
uma abordagem de precaução.

● Princípio 10 – Plantações
As plantações de árvores devem ser planejadas de acordo com os princípios de 1 a 9, o
Princípio 10 e seus Critérios. Considerando que as plantações de árvores podem
proporcionar um leque de benefícios sociais e econômicos e contribuir para satisfazer
as necessidades globais por produtos florestais, elas devem completar o manejo,
33

reduzir as pressões e promover a restauração e a conservação das florestas naturais.

5.3 Tipos de certificação FSC

Existem dois tipos de certificação:


a) Certificação do manejo florestal
Todos os produtores podem obter o certificado, sejam pequenas ou grandes operações
ou associações comunitárias. Essas florestas podem ser naturais ou plantadas, públicas
ou privadas. A certificação de manejo florestal pode ser caracterizada por tipo de
produto: madeireiro, como toras e pranchas; ou não-madeireiro, como óleos, castanhas
e sementes. O certificado é válido por cinco anos sendo realizado pelo menos um
monitoramento a cada ano.

b) Certificação de cadeia de custódia


Se aplica aos produtores que processam a matéria-prima de floresta certificada. As
serrarias, os fabricantes e os designeres que desejam utilizar o selo FSC no seu
produto, precisam obter o certificado para garantir a rastreabilidade (acompanhando a
matéria-prima da floresta até o consumidor final).

5.4 O processo de certificação

A certificação é um processo voluntário em que é realizada uma avaliação de um


empreendimento por uma organização independente, a certificadora, e verificados os
cumprimentos de questões ambientais, econômicas e sociais que fazem parte dos Princípios e
Critérios do FSC (P&C do FSC).
O processo pode ser resumido em macro etapas:
● Contato inicial – a operação florestal entra em contato com a certificadora.
● Avaliação – consiste em uma análise geral do manejo, da documentação e da avaliação
de campo. Seu objetivo é preparar a operação para receber a certificação. Nessa fase
são realizadas consultas públicas, quando os grupos de interesse podem se manifestar.
● Adequação – após a avaliação, a operação florestal deve adequar as não-
conformidades (quando houver).
● Certificação da operação – a operação florestal recebe a certificação. Nessa etapa, a
34

certificadora elabora e disponibiliza um resumo público.


● Monitoramento anual – após a certificação é realizado pelo menos um monitoramento
da operação ao ano.

5.5 Custos da certificação

Durante o processo de certificação os custos podem ser divididos em custos diretos e


indiretos. Os custos diretos são aqueles decorrentes do processo de avaliação e monitoramento
da certificação. Os indiretos são associados e relacionados ao nível necessário a ser alcançado
para obter e manter a certificação.

5.5.1 Custos diretos

Estes custos são basicamente:


● Avaliação preliminar ou completa
● são os custos para a execução da avaliação, incluindo tempo técnico e
administrativo e despesas da equipe de auditoria no campo.
● Avaliações de monitoramento
● anualmente, pelo menos uma avaliação de monitoramento deve ser efetuada.
● Taxa anual de certificação
● garante a manutenção do sistema de certificação como um todo,
● incluindo a promoção do sistema e os monitoramentos não programados.
● Utilização do logotipo FSC
● é cobrada pelo FSC uma taxa pelos direitos de uso do logotipo.

5.5.2 Custos indiretos

Os custos indiretos são associados às adaptações no sistema de manejo florestal para


que um empreendimento florestal possa atingir e manter a certificação. Os valores associados
a esses custos são difíceis de ser precisados, dado que são diretamente relacionados ao nível
de performance da empresa antes de solicitar a certificação como, por exemplo, os inventários
e o planejamento da exploração, a adequação de máquinas e equipamentos, os treinamentos, a
implantação de sistemas de monitoramento, entre outros.
35

6 CONCLUSÃO

Com a globalização, se algum produto não possuir qualidade, não for bem avaliado
pelo mercado, estará simplesmente numa desvantagem irreversível, sendo esmagado pela
concorrência. Nenhuma empresa pode ficar acomodada, a disputa pelos clientes é cada vez
maior e um mínimo detalhe pode fazer com que o produto seja um fracasso.
Um erro mínimo, como a identificação de um composto perigoso ou qualquer defeito
que seja, coloca em xeque a qualidade do produto, e mais, a qualidade dos processos da
empresa. Sendo assim, a conscientização dos funcionários no processo produtivo com relação
à qualidade, às auditorias, faz com que a probabilidade de haver um erro estar reduzida a
níveis confortáveis.
Todos os setores de produção têm consciência disso, como o setor madeireiro. Com a
abertura de mercado e o aumento das exportações, cada vez mais torna-se essencial adequar
seu produto à normas européias, americanas, brasileiras, enfim, adequar seu produto seguindo
os controles de qualidade do país ou continente ao qual se deseja exportar, apesar dos custos
envolvidos nestes controles os resultados são muito satisfatório, compensando esses custos.
Com o controle de qualidade sendo bem realizado no processo de produção, seja de
painéis, móveis, qualquer produto derivado da madeira, as chances de aceitação tanto no
mercado são maiores.
Daí a importância da implantação destes controles de qualidade na produção, pois
produzir sem qualidade (e claro, pensando na questão ambiental, tão importante atualmente),
a produção gera prejuízos e no fim, o produto ganha um selo de incompetência de quem o
produz. E este selo, ninguém quer.
36

REFERÊNCIAS

● ABIMCI. Associação Brasileira da Industria de Madeira Processada Mecanicamente –


Certificação CE. Disponível em <
http://www.abimci.com.br/certificacao_ce/certificacao_ce.html >. Acesso em
20/06/2008.

● ABIMCI. Associação Brasileira da Industria de Madeira Processada Mecanicamente –


PNQM. Disponível em < http://www.abimci.com.br/pnqm/pnqm.html >. Acesso em
20/06/2008.

● Brasil, FSC. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal – FSC Brasil. 2006.

● MARETTI, W. Introdução às Normas da Série ISO 9000. Disponível em <


http://www.ogerente.com.br/qual/dt/qualidade-dt-normas_ISO9000.htm >. Acesso em
21/06/2008.

● REMADE. Controle de qualidade nas indústrias madeireiras e moveleiras. Disponível


em < http://www.remade.com.br/pt/revista_materia.php?edicao=104&id=1078 >.
Acesso em 20/06/2008.

● REMADE. Programas de qualidades são a base para competitividade. Disponível em


< http://www.remade.com.br/pt/revista_materia.php?edicao=84&id=625 >. Acesso em
20/06/2008.

Você também pode gostar