EXAME efG / 2

EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA
10º / 11º ANOS DE ESCOLARIDADE COMPONENTE DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA AGRUPAMENTOS 3 E 4

Duração da prova: 90 minutos

2ª Fase 2002

EXAME DE GEOGRAFIA

NOTA PRÉVIA • Leia rápida e atentamente todo o enunciado e as cotações da prova antes de começar a responder, de forma a ficar com uma ideia global da prova, o que irá permitir uma melhor organização das respostas e da distribuição do tempo. • • Identifique claramente todas as respostas. Organize as suas respostas de forma clara e objectiva, depois de analisar, com atenção, os textos e as figuras das questões (quando for caso disso). • Todas as questões são de resposta obrigatória.

V.S.F.F.
Escola EB 2,3/S Oliveira de Frades Eef –g 1

Interprete essa evolução. – Explique a percentagem relativamente elevada. o sector secundário tem tendência a estabilizar ou mesmo a diminuir. Figura 1 – Distribuição da população activa por sectores.3/S Oliveira de Frades Eef –g 2 . aceitando ou refutando a afirmação feita. Faça um ligeiro comentário ao texto. mas fundamentando devidamente a sua posição. Escola EB 2. 3. no nosso país. em 1940 e 1995 1. – Em Portugal. em Portugal. como na generalidade dos países industrializados.Grupo 1 Observe os gráficos da figura 1. em relação aos outros países europeus. – “A estrutura profissional da população activa e as suas transformações ao longo do tempo constituem um dos melhores indicadores do dinamismo económico e social de um país ou região”. da população activa no sector primário. 2.

V.S.Grupo 2 A figura 2 representa a secção portuguesa da bacia hidrográfica do rio Tejo. onde estão assinaladas as principais barragens da referida secção.3/S Oliveira de Frades Eef –g 3 . Figura 2 – Secção portuguesa da bacia hidrográfica do rio Tejo. 1994 1. - Refira. - Apresente duas razões justificativas da preocupação de Portugal relativamente à qualidade da água do rio Tejo. a principal vantagem da construção de barragens no rio Zêzere relativamente à construção no rio Tejo.F. Fonte: Instituto da Água. em termos de gestão dos recursos hídricos.F Escola EB 2. junto à fronteira com Espanha. 2.

(. Fundamente a afirmação sublinhada. Escola EB 2. de gás natural.). Este programa do governo pretende acabar com os dois mais graves entraves à modernização da agricultura portuguesa (..3/S Oliveira de Frades Eef –g 4 . 26 de Junho de 1998.. e supõe um rejuvenescimento do empresariado agrícola individual e familiar. Grupo 4 Leia o texto 1 Texto 1 «A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural (SEDR) está a desenvolver um conjunto de medidas que pretendem dar origem a uma pequena Reforma Agrária. - Explique em que medida os dois problemas referidos no texto constituem entraves à modernização da agricultura portuguesa.. - Os apoios comunitários têm contribuído para a modernização da agricultura portuguesa.Grupo 3 1. mas a integração na PAC criou-lhe também alguns condicionalismos. por parte de Portugal. 2.» Fonte: Expresso. - Apresente três argumentos que justifiquem a recente importação.).. 1. A iniciativa prevê a alteração do estatuto do uso e posse da terra em 73 concelhos do interior do país. classificados de “zonas frágeis”.

O empreendimento deverá criar no concelho da Moita uma verdadeira nova cidade com capacidade para onze mil habitantes. - Justifique a construção da “mega-urbanização” referida no texto 2. Adaptado de Público 12 Janeiro 1999 para outros AM excluindo a cidade sede Deslocações dentro do concelho de residência 64.9 Mobilidade casa-emprego/escola nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto. um projecto que prevê a construção de 3500 fogos. em percentagem do total de deslocações.1 10. 2. Escola EB 2. Refira as consequências decorrentes dessa característica.0 71. - Apesar de todas as tentativas de descentralização e desconcentração do espaço urbano e das actividades económicas.3/S Oliveira de Frades Eef –g 5 . - Justifique a diferença de comportamento das deslocações nas duas áreas metropolitanas evidenciadas no quadro 1. tendo em conta a sua localização na Área Metropolitana de Lisboa.4 11.9 17.F.F.S. V. 1.Grupo 5 Leia atentamente o texto 2 e observe o quadro 1 Texto 2 Quadro 1 Deslocações Deslocações sede da AM AM A Câmara da Moita deverá discutir brevemente a mega-urbanização da Quinta da Fonte da Prata.7 para a cidade concelhos da Lisboa AM Porto 24. o território português encontra-se fortemente polarizado pelas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto. conferindo à rede urbana portuguesa uma característica bimacrocéfala. 3.

Fora da Europa.3/S Oliveira de Frades Eef –g 6 . - Relacione o aumento do IDEP (Investimento Directo Estrangeiro em Portugal) com a adesão do nosso país à Comunidade Europeia. mas foi a adesão à Comunidade Europeia que provocou uma nítida aceleração nas entradas de capital estrangeiro no nosso País. - Mencione três factores que expliquem os destinos preferenciais do investimento directo de Portugal fora da Europa. - Os planos directores municipais desempenham um papel relevante no actual sistema de planeamento de gestão do território. Explique a importância do PDM no âmbito do ordenamento do território do território.Grupo 6 Leia o texto 3 Texto 3 O investimento directo estrangeiro em Portugal começou a ter algum peso a partir de finais dos anos 70. Grupo 7 1. Geograficamente. o destaque vai para o Brasil e os PALOP. 1. o investimento directo de Portugal no exterior é preferencialmente destinado à União Europeia. 2. FIM Escola EB 2.

1 1.COTAÇÕES po nt o s to ta l Grupo 1 1.2 1.3/S Oliveira de Frades Eef –g 7 .3 Grupo 2 1 2 Grupo 3 1 Grupo 4 1 2 Grupo 5 1 2 3 Grupo 6 1 2 Grupo 7 1 25 25 Total = 200 pontos 10 15 25 10 10 15 35 18 17 35 20 20 15 10 25 10 10 15 35 Escola EB 2.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful