Você está na página 1de 9

AS DEZ MAIS DO CÓRTEX CEREBRAL

(Cyrano Rosalém)

(Um balcão de um hospital psiquiátrico. Atrás dele encontra-se uma enfermeira em seus afazeres. Entra um homem de terno e pasta 007.)

HOMEM - Bom dia.

ENFERMEIRA- Bom dia.

HOMEM - Por favor, aqui é o Hospital Psiquiátrico Paz Interior?

ENFERMEIRA- Sim, pois não.

HOMEM - Eu queria me internar.

(Pausa)

ENFERMEIRA- Como? Eu não entendi!

HOMEM - Eu quero me internar.

(Pausa)

ENFERMEIRA- Internar

HOMEM - Como por quê?

E por quê?

Porque eu sou louco!

ENFERMEIRA- Por que o Sr. Acha que é louco?

HOMEM - Eu não acho, eu sou louco.

ENFERMEIRA- Me desculpe, mas o Sr. não tem aparência de louco.

HOMEM - E prá ser louco tem que parecer louco?

(Pausa. Enfermeira mede o homem de cima a baixo.)

HOMEM - (Ameaçador) Se a Sra. quiser eu posso lhe dar uma mordida.

ENFERMEIRA- (Rápida) Não! Não é necessário! (Apanha o telefone) Eu vou encaminhá-lo ao nosso psiquiatra

HOMEM - A Sra. não entendeu. (Delicadamente apanha o telefone da mão dela e recoloca no gancho) Eu não preciso de um psiquiatra, só preciso ser internado.

Desvendando Teatro (www.desvendandoteatro.com)

ENFERMEIRA- Como o Sr. pode ter tanta certeza?

HOMEM - Sabe o que é

Eu ouço músicas na minha cabeça.

ENFERMEIRA- Isso é normal, muita gente ouve música na cabeça.

HOMEM - Sei, só que quando a música começa, eu sinto um impulso irresistível e saio dançando. Às vezes, sapateando!

(Pausa)

ENFERMEIRA- O Sr. está ouvindo música agora?

HOMEM - Claro que não, senão não estaria parado.

ENFERMEIRA- Qual a freqüência desses acessos?

HOMEM - Atualmente várias vezes por dia.

ENFERMEIRA- O Sr. é bailarino?

HOMEM - (Impaciente) Não, minha senhora, sou contador.

ENFERMEIRA- Puxa, um contador bailarino!

HOMEM - A Sra. está surda? Já disse que não sou bailarino!

ENFERMEIRA- Mas já fez balé?

HOMEM - (Nervoso) Nunca.

ENFERMEIRA- O Sr. vai muito a bailes? Sim, porque às vezes a gente fica reprimido e não coloca prá fora um lado artístico que a gente tem. Eu me lembro de um caso que passou por aqui

HOMEM - Espere! Está vindo agora! Ah, não, essa não!

(Ouve-se a música em crescendo. Só a enfermeira não ouve. Homem gruda-se no balcão. Como se movidas por vontade própria suas pernas começam a dançar. Num crescente elas vão puxando o homem que, aos poucos, vai desgrudando-se. Seu rosto é puro desespero. A enfermeira, tentando ajudar, segura seus braços. Mas a força da dança é muito grande, e inicia-se um cabo-de-guerra por cima do balcão. Por fim ele se solta e sai dançando livremente com todo o corpo. Ao final, volta ao balcão, ofegante.)

ENFERMEIRA- (Impressionadíssima) Mas é inacreditável!

HOMEM - Eu não disse!

ENFERMEIRA- Puxa, como o Sr. dança bem!!!

HOMEM - O quê que é isso, minha senhora!

ENFERMEIRA- Me desculpe.

(Pausa. Ele retoma o fôlego.)

HOMEM - Eu preciso me internar, não agüento mais

ENFERMEIRA- E que música o Sr. ouvia?

HOMEM - Esse é que é o problema. Ainda se fossem músicas que eu gostasse agora era “ELE É O BOM”, com o Eduardo Araújo.

Mas não

ENFERMEIRA- E o Sr. não gosta?! Ah, eu acho linda

HOMEM - Por favor

Imagine que

ENFERMEIRA- Verdade! Eu adoro toda essa fase da jovem guarda. (Disfarçando) Se bem que eu era

muito nova nessa época

(De supetão) Quantos anos o Sr. acha que eu tenho?

HOMEM - Não muda de assunto! A Sra. viu o meu acesso, eu preciso me internar.

ENFERMEIRA- (Meio ofendida) Olha, isso não é tão simples assim, não.

HOMEM - O quê que precisa.

ENFERMEIRA- O Sr. não pode pedir sua própria internação. É alguém que precisa pedir pelo Sr.

HOMEM - Então eu vou continuar dando escândalo por aí?!

ENFERMEIRA- Por que o Sr. não tenta ver pelo lado bom da coisa. Afinal, o Sr. está levando arte para as ruas.

HOMEM - Eu sou contador, não mambembe!

ENFERMEIRA- Compra um chapéu.

HOMEM - Como assim?

ENFERMEIRA- É! Cada vez que o Sr. tiver um ataque, deixa o chapéu discretamente no chão. As pessoas vão achar que é show e pode até dar uma grana!

HOMEM - E eu lá preciso de esmola de público!

ENFERMEIRA- Com a situação do jeito que está a gente não pode perder nenhuma chance.

HOMEM - A Sra. diz isso porque não era a Sra. que estava dançando “VOU DE TÁXI”, com a Angélica hoje de manhã na fila do banco.

ENFERMEIRA- Meu Deus!

HOMEM - Pois é.

ENFERMEIRA- E o Sr. também sapateia?

HOMEM - Nem me lembre.

ENFERMEIRA- Qual foi a última que o Sr. Sapateou?

HOMEM - “HAJA AMOR”, do Luís Caldas.

ENFERMEIRA- Ai, eu adoro o Luís Caldas!

HOMEM - Pelo amor de Deus

ENFERMEIRA- (Empolgada) Como era mesmo a letra dessa música?

HOMEM - Minha senhora!

ENFERMEIRA- (Insinuando-se) Senhorita

HOMEM - Iiiihhhhh

ENFERMEIRA- Como era mesmo, me ajuda.

HOMEM - (Muito a contragosto) Eu queria ser uma abelha prá pousar na tua flor. Haja amor, haja amor. Fazer zum-zum na cama e gemer sem sentir dor. Haja amor, haja amor.

ENFERMEIRA- (Pegando a letra e seguindo empolgada) Haja amor, haja amor. Na colmeia dos teus sonhos quero ser seu cantador. Haja amor, haja amor. Pois batuqueiro é batuqueiro e cantador é cantador. Haja amor, haja amor.

HOMEM - (Gritando) Quer parar!

ENFERMEIRA- (Pausa) Desculpe! (Pausa. Suspira) Ai, o Luís Caldas fricote? Eu, hein!

(Desconfiada) Mas o Sr. sapateou um

HOMEM - Escuta

ENFERMEIRA- (Interrompendo) Será que não é obturação?

HOMEM - Como? Que obturação?

ENFERMEIRA- Eu já soube de um caso que a obturação do paciente sintonizava uma rádio.

HOMEM - Por acaso eu tenho cara de antena?

ENFERMEIRA- Ah, tudo é possível, né

HOMEM - Minhas obturações são de porcelana, ó. (Mostra com a boca bem aberta)

ENFERMEIRA- (Olhando e quase falando dentro da boca dele) Ih, o Sr. tá com uma cárie ali

HOMEM - Minha senhora, eu vim aqui prá me internar!

ENFERMEIRA- Eu entendo. Deve ser mesmo muito difícil conviver com músicas dentro da cabeça. Quando começou?

HOMEM - Há umas duas semanas. Eu estava na rua, passando em frente a uma Igreja Batista, quando comecei a ouvir “OUTRA VEZ”, do Roberto Carlos.

ENFERMEIRA- (Canta, como que para confirmar) Você foi, o maior dos meus casos, de todos os abraços, o que eu nunca esqueci.

HOMEM - (Irritado) É, é, é essa aí.

ENFERMEIRA- É linda. Eu adoro o Roberto.

HOMEM - Sei, tá. Mas quando a música começou eu até procurei ao redor prá ver se tinha alguém com rádio perto. Quando percebi que vinha do meu cérebro eu parei, assustado. E então, incontrolavelmente, eu comecei a dançar. Como a música era romântica, eu dançava suavemente, com passos de balé clássico, imagine! Tinham uns crioulos num bar em frente tomando cachaça que começaram a

fazer “Huuuummmmmm”

Batista vinha saindo e, ao me ver, começou a gritar “Aleluia, aleluia, irmão”. Enquanto eu dançava ficaram os dois coros: “Bicha, bicha, aleluia, aleluia!” Que vergonha

Um deles gritou: “Até que a bicha dança bem!” O pessoal da Igreja

(A enfermeira está segurando o riso. Ele percebe.)

HOMEM - A Sra. ri, é?

ENFERMEIRA- Me desculpe, mas é engraçado.

HOMEM - Engraçado porque não é com a Sra.

ENFERMEIRA- (Insinuando-se novamente) Senhorita

HOMEM - Senhorita, tá bom

Olha, eu quero

ENFERMEIRA- (Interrompendo) Acho que o Sr. tem epilepsia.

HOMEM - O quê?

ENFERMEIRA- Epilepsia. Todo mundo que tem ataque tem epilepsia. A sua é epilepsia musicogênica.

HOMEM - (Desolado) Ai, meu Deus.

ENFERMEIRA- Liga não, bobo, isso já tem cura.

(Homem começa a tremer.)

ENFERMEIRA- Ê, que quié isso? Vai baixar o santo?

HOMEM - Tá vindo de novo.

(Ouve-se “BUMBUMBATICUMBUMBRUGURUNDUM”, o famoso samba-enredo. Homem sai dançando e dá um show. Enfermeira, mesmo sem ouvir a música, também dança fascinada.)

ENFERMEIRA- (Ao final) Mas o Sr. é do babado, hein!

HOMEM - Eu sou uma pessoa culta, educada, saudável. Passei a vida inteira ouvindo música clássica, jazz, E agora me aparece esse problema, e ainda por cima só com música brega!

(Pausa. Enfermeira fica indignada.)

ENFERMEIRA- Ah, não! Ah, não, que eu gosto dessas músicas e eu não sou brega!

HOMEM - Por favor, eu só quero me internar.

ENFERMEIRA- (Ofendida) Só porque o Sr. não gosta do Luís Caldas e do Roberto não quer dizer que eles são brega.

HOMEM - (Muito irritado) Prá mim são, porra! Que merda que você tem com isso?

ENFERMEIRA- Ê, pera lá, vai baixar o nível, é?

HOMEM - Não é questão de baixar o nível, cacete, é que você me deixou nervoso. E toda vez que eu fico

nervoso me vem

Me vem

Me vem

ENFERMEIRA- (Ansiosa) Me vem o quê?

HOMEM - (Começando a se mexer) Me vem uma música e uma baita vontade de dançar.

(Começa a dançar descontroladamente. A enfermeira sai em sua perseguição. Ouve-se estática de rádio com a música por baixo.)

ENFERMEIRA- Que música é? Que música é?

HOMEM - (Dançando, desesperado) Eu detesto essa, detesto.

ENFERMEIRA- Fala, qual é a música?

HOMEM - Tô tentando me lembrar

ENFERMEIRA- Faz uma força, qual é a música?

HOMEM - Tá quase, deixa chegar no refrão.

ENFERMEIRA- Vai. Força. Pensa. É sua última chance. Qual é a música?

HOMEM - (Dançando e gritando) Lembrei! É “O AMOR E O PODER”, da Rosana. Que merda!

ENFERMEIRA- (Empolgada, dançando também) Eu conheço. É linda!

(Ouve-se a música alto. Os dois dançam até o fim.)

HOMEM - (Extenuado) Que bosta!

ENFERMEIRA- (extasiada) Que lindo!

HOMEM - Eu não agüento mais

ENFERMEIRA- Isso, mais, mais.

HOMEM - Eu quero me internar!

ENFERMEIRA- (Ignorando) O Sr. tem uma seleção ótima! É como uma parada musical. Eu diria que em

Já sei: “AS DEZ MAIS”! É isso! (Grandiosa) “AS DEZ

seu cérebro o Sr. tem

MAIS DO CÓRTEX CEREBRAL”!

Como é mesmo no rádio

(O homem está abismado com o delírio da enfermeira.)

HOMEM - Mas

Escuta: quem é que está louco aqui?

ENFERMEIRA- É fantástico, é inesperado, é incrível, minha gente. De dentro do cérebro deste homem. Um homem como eu, como vocês. Um homem que podia estar aí ao seu lado, ouvindo esse programa. Pois de

dentro do cérebro medíocre e comum deste homem sai a melhor seleção musical da década

É fabuloso

HOMEM - Calma

ENFERMEIRA- (Cada vez mais empolgada) Não, ele não vai sair daqui sem um prêmio. Porque aqui, no nosso programa, o talento é reconhecido.

HOMEM - Minha senhora, calma

ENFERMEIRA- Você participa e você ganha. Ligue prá gente, a felicidade pode estar mais próxima do que você imagina

HOMEM - (Tentando acalmá-la) Por favor, a Sra. está muito excitada.

(Ela o agarra.)

ENFERMEIRA- Tire as mãos de cima de mim!

HOMEM - (Tentando se livrar dela) Eu só estou tentando ajudar

ENFERMEIRA- Me larga!

HOMEM - A Sra. se descontrolou

ENFERMEIRA- É sempre assim: a gente dá a mão e vocês querem o braço todo

HOMEM - Não é nada disso

ENFERMEIRA- Pensa que eu não sei das suas intenções? (Grita) Socorro!

HOMEM - O quê é isso?

Fale baixo!

ENFERMEIRA- (Gritando) Socorro, tem um tarado na portaria!

HOMEM - Não, a Sra. não entendeu, eu só queria me internar

ENFERMEIRA- Socorro! Socorro!

HOMEM - (Assustado, meio sem saber o que fazer) Eu só queria me internar Só me internar

Eu só queria me internar

(Decide sair dali. Livra-se dela. Apanha a maleta 007. Quando vai saindo a maleta se abre e deixa cair sapatilhas, meias, collants, tutu, e mais um vasto material de dança. Pausa. Enfermeira apanha uma sapatilha e olha para ele com ar de reprovação.)

ENFERMEIRA- (Irônica) Contador

HOMEM - (Tímido) Você gostou?

ENFERMEIRA- (Respirando fundo) Tá bom, Alfredo, você já deu o show de hoje. Agora volta pro seu quarto. Mais tarde eu passo lá, tá?

(Alfredo vai catando suas coisas e pondo na maleta, enquanto enfermeira fala para a platéia.)

ENFERMEIRA- É sempre assim, gente. Todo dia o Alfredo vem dar um showzinho aqui na portaria. O médico mandou não contrariar. Então eu não “contrareio”. Mas eu já estou ficando cansada disso. Tô ficando estressada mesmo, sabe.

(Enquanto ela fala, ele vai saindo. De repente ele começa a cantar uma música brega de sucesso.)

ENFERMEIRA- (De saco cheio) Ai, meu Deus! Pára, Alfredo!

(Ele continua. Enfermeira vai até a mesa e, com raiva, liga o rádio. Ouve-se estática enquanto ela procura uma estação. Quando ela acha, entra a música que Alfredo estava cantando no ponto exato onde ele estava. Enfermeira assusta-se. Ele canta um pouco junto com o rádio e diz:)

HOMEM - Não falei! Não falei!

(Alfredo sai cantando. Enfermeira fica embasbacada.)

FIM