Sigilo Profissional

1.0 Introdução O Sigilo Profissional que está efetivamente presente no cotidiano profissional e social, apresenta influências éticas de conduta amparadas por orientações documentadas. O estudo a seguir aborda este tema, com intuito de informar seu conceito, paradoxos e aplicações das leis em seu sentido prático. 2.0 Definição Trata do mantimento de segredo para informação valiosa, cujo domínio de divulgação deva ser fechado, ou seja, restrito a um cliente, a uma organização ou a um grupo, sobre a qual o profissional responsável possui inteira responsabilidade, uma vez que a ele é confiada a manipulação da informação. 3.0 Histórico O conceito de sigilo profissional evoluiu ao longo dos tempos. Durante o período Hipocrático, não era considerado como um direito do doente com bases jurídicas, apenas um dever do médico. A partir dos séculos XVIII e XIX ressurgiu a regra de sigilo e no século XX passa a ser protegido na constituição, códigos Civil e Penal definindo-se como direito e dever. 4.0 Leis Considerando as diversas situações em que profissionais e pacientes se deparam no contexto de Sigilo Profissional, foram desenvolvidas leis, artigos e citações que definem as atitudes a serem tomadas e ainda as penalidades caso essas não sejam respeitadas. 4.1 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Artigo XII Ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Toda pessoa tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques. 4.2 CONSTITUIÇÃO DA REBÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 5º X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação; XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal;

1973) Art. a perigo de vida. salvo se. A parte e o terceiro se escusam de exibir. por estado ou profissão. ou às pessoas referidas no inciso antecedente. 8 º É vedado ao Biomédico: c) .5 CÓDIGO PENAL Art.925. deva guardar segredo. III . de 1º. 363. e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena . em juízo. A testemunha não é obrigada a depor de fatos: II . ministério.que o exponha.4. da outra se extrairá uma suma para ser apresentada em juízo.7 CÓDIGO DE ÉTICA DO BIOMÉDICO CAPÍTULO I Art.publicar fotografia de paciente.a cujo respeito. Art. Se os motivos de que tratam os ns. 154 . endereço ou qualquer outro elemento que identifique o paciente. Ninguém pode ser obrigado a depor sobre fato: I . ou de dano patrimonial imediato. 4. a cujo respeito. ofício ou profissão. parente em grau sucessível. o documento ou a coisa: IV . CAPÍTULO III Art.divulgar nome. por estado ou profissão. segredo. ou amigo íntimo. 4. d) .Revelar alguém.6 CÓDIGO PROCESSO PENAL Art. de seu cônjuge.a cujo respeito.a que não possa responder sem desonra própria. em razão de função. desobrigadas pela parte interessada.se a exibição acarretar a divulgação de fatos. por estado ou profissão.3 CÓDIGO CIVIL Art. São proibidas de depor as pessoas que. Parágrafo único. deva guardar sigilo. devam guardar segredo. II . de demanda. guardar sigilo profissional. quiserem dar o seu testemunho.10. ministério. de três meses a um ano. Estas duas leis resguardam o profissional de eventuais constrangimentos que possam sofrer no sentido de terem que revelar informações que tiveram acesso privilegiado em função de sua atividade.4 CÓDIGO PROCESSO CIVIL Redação dada pela Lei nº 5.detenção. ou multa. 4. deva guardar segredo. 406. sem justa causa. salvo em veiculo de divulgação estritamente . 207. 3º Obriga-se o Biomédico a: IV. 4. ofício ou profissão. 229. I a V disserem respeito só a uma parte do conteúdo do documento. de que tem ciência em razão de função.

um profissional é obrigado a comunicar informações que teve acesso em função de sua atividade nas seguintes situações: Testemunhar em corte judicial. sigilo profissional. praticar ou permitir a prática de atos que. a ocorrência de doença de informação compulsória. utilizando uma variedade de metodologias éticas em um cenário interdisciplinar 6. A conscientização e conciliação desses conceitos contribuem para cumprimento do Sigilo Profissional. sem justa causa. segredos. de abuso de cônjuge ou idoso. É evidente que dupla interpretação e casos não citados nos artigos podem induzir a dúvida e ao próprio erro de procedimento.0 Quebra de Sigilo Profissional A relação entre o profissional e o usuário de serviços subentende dois conceitos importantes: Confidencialidade: é a garantia do resguardo das informações dadas pessoalmente em confiança e a proteção contra a sua revelação não autorizada. CAPÍTULO VII Art. A confidencialidade é o dever que inclui a preservação das informações privadas e íntimas. decisões. prevalece então à postura ética e a opção de recorrer ao Comitê de Bioética para orientação.10 º Nas relações com a coletividade. a saúde publica. ao acesso à própria pessoa. e maus-tratos em crianças ou adolescentes. por força de legislação existente e por justa causa.1 Exceções Ocorre quando.incluindo visão moral. à autoridade competente. prejudiquem. a não ser por imperativo de ordem legal. o Biomédico não poderá: I. propondo um conjunto de normas de conduta e de postura para que a vida em sociedade se dê de forma ordenada e justa. conduta e políticas . 6. CAPÍTULO V Art. .científica e com prévia e expressa autorização do paciente ou de seu representante legal. afastamento ou solidão.das ciências da vida e atenção à saúde.0 Ética Profissional A Ética é o campo do conhecimento que se debruça sobre o estudo dos valores e virtudes do homem. Comunicar. por ação ou omissão. revelar fatos sigilosos de que tenha conhecimento. anonimato. Privacidade: é um direito institucional que corresponde à limitação de acesso às informações de uma dada pessoa. em situações especiais. violar. no exercício de suas atividades. 5. a sua intimidade. A Bioética é o estudo sistemático das dimensões morais . direta ou indiretamente. V. 12º Constituem infrações disciplinares: V.

Sífilis em gestante XXXV. Hanseníase XVII.5. Leishmaniose Visceral XXIII.Leptospirose XXIV. Síndrome Respiratória Aguda Grave XXXVIII. Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana – HIV em gestantes e crianças expostas ao risco de transmissão vertical XX. Eventos Adversos Pós-Vacinação XII.Jacob VIII.Esquistossomose (em área não endêmica) XI. Tularemia XL.Febre Amarela XIII. Varíola . Febre Maculosa XV. Febre do Nilo Ocidental XIV.Poliomielite XXVIII.Rubéola XXXI. Doenças de Chagas (casos agudos) IX.AIDS XXXVI.Síndrome da Rubéola Congênita XXXII. Sarampo XXXIII. Dengue VI. Coqueluche V. Influenza humana por novo subtipo (pandêmico) XXI. Malária XXV. Febre Tifóide XVI. Peste XXVII. Botulismo II. Cólera IV. Hantavirose XVIII. Carbúnculo ou Antraz III. Difteria VII. DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006 Lista Nacional de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória I. Síndrome da Imunodeficiência Adquirida .6.Raiva Humana XXX. Leishmaniose Tegumentar Americana XXII. Meningite por Haemophilus influenzae XXVI. Síndrome Febril Íctero-hemorrágica Aguda XXXVII. Tuberculose XLI. Doença Meningocócica e outras Meningites X. Tétano XXXIX. Hepatites Virais XIX. Doença de Creutzfeldt .Paralisia Flácida Aguda XXIX. Sífilis Congênita XXXIV.2 Doenças de notificação compulsória SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE <!I PORTARIA No.

É viável. a preservação de dados pessoais é uma atitude ética que implica o bom senso do profissional visto que manter o sigilo é o mesmo que manter o respeito pelo paciente. Resultado de amostras procedentes de investigação de surtos: a) Agravos inusitados b) Doença de Chagas Aguda c) Difteria d) Doença Meningocócica e) Influenza Humana 7. Ao longo da história o assunto é abordado em artigos e estatutos penais e civis.ANEXO III Resultados laboratoriais devem ser notificados de forma imediata pelos Laboratórios de Saúde Pública dos Estados (LACEN) e Laboratórios de Referência Nacional ou Regional I.0 Conclusão O Sigilo Profissional é essencial para uma boa relação entre profissionais e usuários de serviço. Resultado de amostra individual por: a) Botulismo b) Carbúnculo ou Antraz c) Cólera d) Febre Amarela e) Febre do Nilo Ocidental f) Hantavirose g) Influenza humana por novo subtipo (pandêmico) h) Peste i) Poliomielite j) Raiva Humana l) Sarampo m) Síndrome Respiratória Aguda Grave n) Varíola o) Tularemia II. com leis complementares que amparam a conduta do profissional e o direito do envolvido quanto às informações adquiridas através de serviços requisitados. portanto que salvo exceções justificadas. .

wikipedia.cfbiomedicina. M.ufrgs.br/ccivil_03/LEIS/L5869.htm. ZATZ. Acesso em 24 fev 2010.gov. DOENÇAS de notificação compulsória. Disponível em URL: www.br/data/documents/storeddocuments/. CÓDIGO de ética do profissional biomédico. GOLDIM. 713. Sigilo profissional e valores éticos.htm. Encyclopedia of Bioethics.htm. Acesso em 22 fev 2010. Disponível em URL: www.C. Exceção a preservação de informações. Quebra de confidencialidade. janeiro/abril 2008.planalto.br/arquivo/arquivo. Acesso em 12 março 2010. RFO. Disponível em URL: www.veja.asp?doe_id=110.gov.ufrgs. Acesso em 27 fev 2010.13.htm. CÓDIGO civil.abril. GOLDIM.et al. Disponível em URL: www.R.com. Acesso em 22 fev 2010.aids.htm. CÓDIGO processo civil. J. v. n. 1995: XXI . p. Acesso em 07 março 2010 CÓDIGO penal.Bibliografia SIGILO profissional.ufrgs. Acesso em 22 fev 2010.R. Disponível em URL: www. Hemofilia.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal. J. J. VARELLA. Reich WT.drauziovarella.gov. MacMillan.mj. Disponível em URL www. GOLDIM. Disponível em URL www. PERES.gov. portal.htm. Disponível em URL: www. 2nd ed.htm. Acesso 23 fev 2010.gov. S.H. Disponível em URL: www. Acesso em 22 fev 2010.org/wiki/Sigilo_profissional.planalto. Confidencialidade.org. Disponível em URL: www. Hemofilia e dilema ético.gov. DECLARAÇÃO universal dos direitos humanos. New York.br/bioetica/confqueb. Disponível em URL: www.br/bioetica/excessig.br/codigo.1.br/CCIVIL/leis/2002/L10406.com.planalto.html. Acesso em 23 fev 2010. Disponível em URL: www.br/ccivil_03/constituicao/constitui. Acesso em 01 março 2010. Disponível em URL: www.planalto.br/bioetica/confiden. Acesso em 03 março 2010. D.R. Acesso em 22 fev 2010.br/blog/genetica/hemofilia-e-o-dilema-etico/comment-page1/.S. CONSTITUIÇÃO da república federativa do Brasil.br/ccivil_03/DecretoLei/Del2848.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful