Artigo

Pesquisa de Micro-organismos e Alterações Celulares em Mulheres submetidas à Citopatologia Ginecológica na Cidade de Canguçu, RS, no ano de 2008
Ricardo Ribeiro Vargas1, Vanusa Manfredini2 1 - Farmacêutico-Bioquímico, aluno do curso de Especialização em Citologia Clínica pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC) 2 - Farmacêutica-Bioquímica, Professora Doutora do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI – Campus de Erechim/RS, professora orientadora do Curso de Especialização em Citologia Clínica pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC)

Resumo
Pesquisa de micro-organismos e alterações celulares em mulheres submetidas à citopatologia ginecológica na cidade de Canguçu, RS, no ano de 2008 A triagem citológica é uma importante ferramenta diagnóstica utilizada para detectar a ocorrência de infecções ginecológicas, o que nos últimos anos, os índices incidentes vêm aumentando consideravelmente. Os diferentes tipos de micro-organismos podem ocasionar sérios problemas à cérvice da mulher, inclusive risco de vida; portanto, o diagnóstico rápido e preciso é de grande importância para assegurar o bem-estar da paciente. O diagnóstico laboratorial considerado neste artigo para detectar as infecções foi o exame citopatológico, conhecido como Papanicolaou. Este, além de permitir a visualização de micro-organismos como Candida sp., Gardnerella vaginalis e Trichomonas vaginalis, também permite a identificação de alterações celulares relacionadas à infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV). Assim, o objetivo desse trabalho foi verificar a incidência de micro-organismos encontrados na cérvice de mulheres de diferentes faixas etárias submetidas à citopatologia ginecológica, no ano de 2008. Foram analisadas lâminas com material ginecológico de 909 mulheres sexualmente ativas atendidas no Centro de Saúde na cidade de Canguçu, RS. Os resultados obtidos mostram alta frequência da Gardnerella vaginalis em todas as faixas etárias estudadas, bem como a presença da Cândida sp e HPV em mulheres com idade avançada. Esses dados nos permitem sugerir que a frequência de esfregaços com alterações celulares decorrentes da presença de micro-organismos e/ou HPV vem aumentando gradativamente em mulheres idosas.

Summary
Study of microorganisms and cell changes in women undergoing gynecologic cytopathology in the City of Canguçu, RS, in the year 2008 The cytological screening is an important diagnostic tool used to detect the incidence of gynecological infections that in the last years has been increasing considerably. The different types of microorganisms can cause serious problems to the woman cervix, including their life threatening; therefore, a fast and correct diagnosis is very important to ensure the patient welfare. The conventional laboratorial diagnosis used to detect this kind of infection is the cytopathology exam, also known as Pap. Besides the fact this exam allows the visualization of microorganisms like Cândida sp., Gardnerella vaginalis, and Trichomonas vaginalis, it also allows the identification of cells alterations related to the infection of Herpes Virus and Human Papiloma Virus (HPV). Slides containing gynecological material of 909 sexually active women served in the Health Center of Canguçu City – RS were analyzed. Therefore, this work’s objective was to verify the existence of microorganisms found in the women cervix from different age range submitted to gynecological cytopathology, in 2008. The results obtained show the high frequency of Gardnerella vaginalis in all age ranges studied, as well the presence of Cândida sp and HPV in elderly women. This data allows us to suggest that the frequency of the smears with cell alterations are because of the presence of microorganisms and/or HPV is increasing gradually in elderly women. Key-words: Microorganisms, gynecological cytopathology,

Palavras-chave: Micro-organismos, citopatologia ginecológica, infecção

infection

102

NewsLab - edição 105 - 2011

As lesões celulares iniciais são as consequências da replicação viral no núcleo. antes de transformar as células do colo uterino em alterações de précâncer. praticado nas bordas das zonas ulceradas e no líquido vesicular. 18. causando cervicovaginite. polaciúria). provocada pelo herpes vírus do tipo 2 (HSV 2) e cerca de 15% dos casos ocorrem pelo tipo 1 (HSV 1). em sua face interna. Os mecanismos de transmissão da VB não estão claros. aumentado de volume. caracterizada por: corrimento abundante. com aproximadamente 8. apresenta um aspecto homogêneo e opaco de cor azul pálido.2011 . da vagina e mais raramente do colo. uso de antibióticos. Algumas evidências sugerem a infecção do trato urinário como resultado da colonização vaginal por organismos retais. o objetivo desse trabalho foi verificar a incidência de micro-organismos e alterações celulares sugestivas do HPV encontrados na 104 NewsLab . A Vaginose Bacteriana (VB) é uma síndrome na qual há um aumento maciço de germes anaeróbios (Gardnerella vaginalis. Este. Estima-se que o herpes genital possa atingir entre 10 a 30% da população com vida sexual ativa pelo que o risco de contágio é grande. teste de Schiller com aspecto “tigroide”. Mais de 150 tipos virais foram identificados. ardor localizado à região genital e dor ao urinar. com placas avermelhadas. pode acometer a vulva.5. prurido e/ou irritação vulvar. O achado de Trichomonas vaginalis em uma citologia oncológica de rotina impõe o tratamento da mulher e também do seu parceiro sexual. a vagina e a cérvice uterina. O vírus infecta as células escamosas. principalmente após a menopausa. C. medicamentos imunossupresores. A erupção típica tem inicialmente a forma de vesículas que causam ardor e que. Estas lesões levam de duas a três semanas para cicatrizar e são acompanhadas de aumento de volume dos gânglios das virilhas. Na mulher.Introdução Citopatologia é o estudo das células e suas alterações. uso de roupas íntimas sintéticas e justas. Prevotella sp. Sendo assim. coradas e levadas ao exame microscópio onde é possível distinguir as células normais das que apresentam alterações prémalignas. A membrana nuclear parece espessada. posteriormente. obesidade. na mulher. dos quais 35 tipos podem infectar a região anogenital feminina e masculina (5-12). 22). a utilização do dispositivo intrauterino (DIU). No exame de citopatologia ginecológica. estes têm efeito protetor. Como o vírus pode sobreviver sem ser detectado durante anos. O herpes genital é uma doença sexualmente transmissível (DST) recorrente. dor pélvica (ocasionalmente). As características clínicas inerentes ao processo fornecem alguns subsídios para o diagnóstico de VB. O Papilomavírus Humano (HPV) é responsável por pelo menos 95% de cânceres cervicais. Pode permanecer assintomática no homem e. presença de um corrimento esbranquiçado. hiperemia da mucosa. krusei e C. Os sinais e sintomas mais comuns são: prurido. entretanto. por vezes febre e dores musculares. vulva e vagina edemaciadas (inchadas) e hiperemiadas (avermelhadas). pH >4. cefaleia. A candidíase é uma infecção causada por uma levedura blastoforada (incluindo a Cândida albicans. Mobiluncus sp e Peptostreptococcus sp) em substituição aos Lactobacillus que constituem de 80% a 95% dos microorganismos presentes na vagina.000 pares de bases responsáveis pela codificação das proteínas virais. já que se trata de uma DST (23-26). uso de contraceptivo oral. presença ao exame bacterioscópico e citopatológico de clue cells. é necessário o rastreamento de alterações cervicovaginais ainda em adolescente e mulheres jovens. ardor. amarelado ou amarelo esverdeado. O risco de transmissão por ato é de 60 a 80%. antibióticos de largo espectro e o habito de usar duchas vaginais têm sido associados ao aumento desta infecção (13-17). A multinucleação é frequente e os núcleos se amoldam uns aos outros ou se acavalam. espermicidas. porém fatores extrínsecos como a alta frequência de coitos.edição 105 . diabete melitus. principalmente as observadas no núcleo das células. sintomas urinários (disúria. posteriormente colocadas em lâmina de vidro. de fragmentos de cromatina deslocados pelos vírus. O primeiro episódio de herpes genital causa mal-estar. até porque a transmissão parece possível mesmo na ausência de atividade do vírus (1. malígnas ou qualquer reação inflamatória causada ou não por algum microorganismo (1-4). metaplásticas e endocervicais. glabrata. Bacteroides sp. A transmissão não é exclusivamente sexual. exibe lesões típicas. as células são colhidas na região do orifício externo do colo e canal endocervical. A infecção é muito frequente entre mulheres de todas as faixas etárias. É um vírus cujo material genético é uma molécula de ácido desoxirribonucleico (DNA). rebentam formando uma ferida com uma crosta de cor amarela. Alguns fatores que predispõe o aparecimento desta infecção são: gravidez. pela adesão. O exame citológico. O tratamento consiste de antimicóticos. bolhoso. limitando o crescimento de micro-organismos potencialmente nocivos ao equilíbrio do ecossistema vaginal. desprendimento de aminas aromáticas com odor semelhante a “peixe podre” ao adicionar duas gotas A de KOH 10% ao conteúdo vaginal. tropicalis) frequentemente encontrada ao nível da vulva. Os esfregaços exibem as duas formas assumidas pelos fungos: os esporos e os filamentos. Caracterizada por: corrimento vaginal brancoacinzentado em pequena quantidade. C. Tricomoníase é uma infecção causada pelo Trichomonas vaginalis (protozoário flagelado). deve-se tentar tratar as causas da candidíase para evitar as recidivas (18-21). Sua principal forma de transmissão é a sexual.

Os achados citológicos foram plotados em Excel 2003 e expressos em frequência (%). Total geral _ 0. O esfregaço foi considerado normal quando não foram observadas quaisquer alterações celulares e ausência de micro-organismos patogênicos.547 habitantes. espátula de Ayre. luvas descartáveis e álcool absoluto. Este trabalho foi realizado no município de Canguçu. carcinoma invasivo e o adenocarcinoma. Durante o período estudado.5% (1) _ 60 301 30 a 39 34 255 40 a 49 44 229 50 a 59 18 102 > 60 Total _ 5 _ 2 04 160 22 909 NewsLab .cérvice de mulheres de diferentes faixas etárias submetidas à citopatologia ginecológica na Cidade de Canguçu.2011 105 . AGUS (células glandulares atípicas de significado indeterminado). lâminas de vidro para uso citopatológico. Resultados Durante o período de janeiro a dezembro de 2008 foram registrados 909 exames citopatológicos de mulheres em diferentes faixas etárias da UBS da cidade de Canguçu. ou seja. Os esfregaços cervicovaginais das mulheres que frequentaram a UBS durante o período foram enviados para um laboratório de patologia na Cidade de Pelotas. as alterações celulares clássicas foram observadas. no período de 1 de janeiro a 31 de dezembro do ano de 2008. Foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus de Erechim. Os materiais utilizados para a realização da colpocitologia foram: espéculo vaginal. Tabela 1. no ano de 2008. sendo que frequência dos micro-organismos e alterações celulares encontrados na cérvice das mulheres participantes estão descritos na Tabela 1. neoplasia intraepitelial cervical grau 3 (NIC 3) ou carcinoma in situ ou HSIL. sendo a população total de 53. Cândida sp.5% (1) 15 Trichomonas 1% (3) 0. neoplasia intraepitelial cervical grau 2 (NIC 2) ou lesão intraepitelial escamosa de alto grau (HSIL). escova para coleta da secreção endocervical.5% (1) 0. Os micro-organismos Gardnerella vaginalis. Não foram utilizados os dados das pacientes que apresentaram resultado do exame citopatológico com presença de células epiteliais anormais. RS.5% (1) _ Herpes Total positivos F. E. resultados sugestivos de ASCUS (células escamosas atípicas de significado indeterminado).edição 105 . que está localizado na região sul do estado do Rio Grande do Sul e que possui uma área de 3.5% (1) 0. Já para o diagnóstico de HPV e herpes genital. A coleta do material para realização do exame citopatológico foi feita nas dependências do pronto-atendimento da Secretaria Municipal de Saúde do município. Frequência (%) de micro-organismos e alterações celulares encontrados na cérvice das mulheres submetidas à citopatologia ginecológica no ano de 2008 Faixa etária (anos) 20 a 29 Normal 80% (241) 86% (221) 81% (185) 82% (84) 82% (18) 749 VB 15% (45) 11% (28) 13% (30) 15% (15) 9% (2) 120 HPV 2% (6) 1% (2) 3% (7) 2% (2) 4. 909 exames citopatológicos descritos nas fichas das mulheres foram analisados e classificados quanto à presença de micro-organismos e/ou alterações celulares no epitélio vaginal de acordo com a faixa etária.525 km2. que é uma unidade básica de saúde (UBS).5% (1) 18 Candida 2% (6) 1% (2) 2% (5) 1% (1) 4. e Trichomonas vaginalis foram identificados nos esfregaços vaginais. RS. Apenas a neoplasia intraepitelial cervical grau 1 (NIC 1) ou lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LSIL) foram consideradas porque a presença do coilócito que é característica do LSIL também vai identificar o Papilomavírus. Material e Métodos Trata-se de um estudo de corte transversal e retrospectivo.

rastreando o câncer de colo uterino em índias do Parque Indígena do Xingu/Brasil. o equivalente 106 NewsLab . Em outro estudo.31% (27).74% para Candida sp. Podemos observar que o HPV esteve presente em todas as faixas etárias consideradas no artigo e teve a sua porcentagem mais alta em mulheres com mais de 60 anos. onde foi encontrado o percentual de 13. Constatamos nesse estudo que a prevalência do diagnóstico de microorganismo para Gardnerella é o mais incidente em todas as faixas etárias e que diminui progressivamente com o avançar da idade.edição 105 . em trabalho realizado com mulheres da Vila dos Papeleiros. onde relataram 10. Por exemplo.5% de Trichomonas vaginalis e 0. O presente trabalho obteve percentuais de 13% para G. Percentual (%) dos achados citológicos encontrados nas 160 mulheres que apresentaram resultados alterados do Xingu/Brasil que encontrou um percentual de 14% (28). Os achados demonstraram que herpes Trichomonas não diferem significativamente quando avaliada em função da variação da faixa etária.4% (29). vaginalis.A tabela representa índices percentuais do total de 909 exames realizados em mulheres na faixa etária de 20 a 59 anos e acima de 60 anos.5%). distribuídas em diagnósticos para micro-organismos e alterações celulares. A presença de Candida foi em valores aproximados ao HPV e também esteve presente em todas as faixas etárias consideradas no estudo. tiveram uma porcentagem de 4. Quanto à presença de HPV. Quanto à prevalência de T. centros de saúde e de hospitais de Porto Alegre.2011 . Sobre o total de resultados fora da normalidade. isto talvez se deva a uma menor prevenção na atividade sexual das pacientes desta faixa etária.3% (12). com 500 mulheres procedentes de clínicas privadas. embora não tenha apresentado valores maiores que 1% para esses micro-organismos. 2% com alterações celulares que indicavam a presença de HPV.27% (16) e de trabalho realizado no Maranhão. obtivemos 1.2%) e Trichomonas vaginalis (0. ambulatórios. de 5. pois realizando o exame citopatológico elas conseguiram diagnosticar a doença e dar andamento ao tratamento evitando a possibilidade de evolução das lesões que poderiam chegar até o câncer de colo do útero (16). em Porto Alegre. observamos uma porcentagem de 2%. 1. Podemos observar que a frequência de esfregaços com alterações celulares causadas pelo HPV e a presença de micro-organismos como a Candida sp. ou seja. 82% das lâminas analisadas obtiveram resultados citológicos negativos (normais). que fica bem próximo ao estudo feito em Vitória (ES) onde a prevalência da infecção genital por HPV foi de 3. concordando com os valores do rastreamento do Parque Indígena do Xingu/Brasil. entretanto a infecção diminui progressivamente com o avanço da idade das mulheres. que relatou 7. (27). estado do Maranhão. A partir dos resultados obtidos verificamos que a infecção por Gardnerella vaginalis foi a mais prevalente entre as pacientes de todas as faixas etárias estudadas. A atual pesquisa indica índices maiores em mulheres mais jovens entre 20 a 49 anos. onde a incidência foi de 1% (28). Ambos obtiveram uma variação parecida nas faixas etárias e só atingiram mulheres até os 49 anos. encontraram para Trichomonas sp. Discorda dos valores obtidos no estado do Piauí. vaginalis (27) e também concorda com os achados do trabalho realizado no Parque Indígena Figura 1. Observamos que 749 pacientes. tivemos 13% de Gardnerella vaginalis. vaginalis. A Candida também teve uma porcentagem elevada em pacientes com mais de 60 anos.5% em mulheres com mais de 60 anos. Discussão Alguns autores relatam a importância da prevenção para o tratamento e a cura das enfermidades provocadas pelos micro-organismos. Em trabalho no município de Presidente Dutra. Este valor condiz com o trabalho realizado no município de Presidente Dutra. os resultados da pesquisa ficaram bem abaixo de valores encontrados em pesquisas feitas no RS e no Brasil. RS. Das 160 mulheres que apresentaram resultados citológicos alterados. Quanto à incidência encontrada no trabalho.75% para G. estado do Maranhão. foi encontrado o percentual para Trichomonas sp. A presença de HPV em mulheres de todas as faixas etárias vem reforçar a importância da prevenção. 0. o percentual foi de 20% (24).6% de Candida..6% de Cândida sp.2% de alterações celulares que indicavam a presença do vírus da herpes genital. e para 160 pacientes ou 18% dos casos foram diagnosticados como positivos para microorganismos e/ou lesões celulares. encontrou-se uma prevalência igual a 29. obtivemos os percentuais distribuídos na Figura 1. Constatamos na pesquisa uma baixa incidência de herpes vaginal (0.

25. 5. Taborda WC et al. 2004. Ginecol. 2008. Brasil. 2005. 20. Lab.2011 . 38: 127-130. Infectol. Ginecol. 2007. Carvalho JJM. Ginecol. Ministério da Saúde. 4. Colposcopia e Histopatologia: Destacando a Citopatologia como Método de Rastreamento do Câncer do Colo do Útero. Assoc. 31.inca. Cad. 11. Clin. patogênese e diagnóstico de Trichomonas vaginalis. Tricomoníase: análise citológica da doença em um Município do Estado do Maranhão. Obstet. Brasil Central. Microbiol. Perfil epidemiológico de mulheres com vaginose bacteriana. Brasil. Saúde. 2006. 2005. O frequente desafio do entendimento e do manuseio da vaginose bacteriana. Ana. 1973. Patol. 21: 441-45. 16. ed. Rev. Medeiros VCRRD et al. Bras. Prevalência de cândida na flora vaginal de mulheres atendidas num serviço de planejamento familiar. Bras. Assoc. Rosa MI et al. 1985. pois verificamos a pre- sença de alguns patógenos em todas as faixas etárias. DST-J. Rastreamento do câncer de colo uterino em índias do Parque Indígena do Xingu. principalmente o HPV que tem associação comprovada com o câncer do colo do útero. Disponível em: http://www. Trichomoniasis. 6: 17-19. Anal. A partir da análise dos resultados obtidos que apresentam diagnósticos para micro-organismos e alterações celulares. 22.com. Subtipos de Vírus Herpes Simples em uma população urbana da Amazônia. A incidência de herpes vaginal ficou bem abaixo dos valores encontrados em outras regiões do Brasil. Infecções genitais em mulheres atendidas em Unidade Básica de Saúde: prevalência e fatores de risco. Coleta do Papanicolaou e ensino do autoexame da mama. Bras.aids. Rev. Rev. 30: 300305. Rev. 2008. Rev Panam Salud Pub. Rev. Rev. Manual de normas e procedimentos para o controle do câncer de colo uterino. 2005. 2004. 1997. Rev. Ribeiro AA et al. Ed. Doenças Sex. RS. 27. Rev. Clin. Rev. Correspondências para: Prof. 1999. 18. em São Paulo. De Carli GA et al. Câncer do colo do útero. Prevalência da Tricomonose em mulheres residentes na Vila dos Papeleiros em Porto Alegre. Clin. J. Obstet. Med. Santos RCV et al. 25: 953-964. Agentes microbiológicos em exames citopatólogicos: estudo de prevalência. 24. Prevalência de Vaginoses Bacterianas em pacientes ambulatoriais atendidas no Hospital Divina Providência. 9. Bras. Manual de DST – Infecção pelo papilomavírus humano. 39: 33-35. Oliveira EH et al. NewsLab. 8. 17. Giraldo PC et al. 2003. Barcelos MRB et al. 29. 13. 37: 227-231.br. gov. Kaneshima N et al. 12. Disponível em http:/www. 2007. Papilomavírus humano e neoplasia cervical. Presença de Candida nas mucosas vaginal e bucal e sua relação com IgA salivar. 3. Anal. 2004. Importância da aplicação de critérios morfológicos não-clássicos para o diagnóstico citopatológico de Papilomavirus humano (HPV) previamente detectado por PCR. Bras. 82: 41-46. Vanusa Manfredini vanusa@uri. Instituto Nacional do Câncer e Secretaria de Estado da Saúde. 23. Transm. Saúde Pub. Sex. podemos afirmar que a realização do exame citopatológico é de grande importância desde o início da atividade sexual da mulher e deve continuar sendo realizado até a terceira idade. Panam. São Paulo. Bras. 66: 94-105. Rev. Rev.gov. Saúde sexual e reprodutiva em penitenciária feminina. 30: 349-354. Instituto Garnet: 1º. Med. Maciel GP et al. Papilomavírus Humano e Câncer do Colo do Útero. Acesso 10 outubro 2009. Instituto Nacional do Câncer. 2002. Avaliação da sensibilidade dos exames citopatológico na identificação de lesões intra-epiteliais cervicais. Organização Pan-Americana de Saúde. 2004. Prevalência de Vaginites infecciosas através da Citologia Clínica: Um estudo no Laboratório Central de Saúde Pública do Piauí. Avaliação Comparativa da Citopatologia Positiva.br. Bowden & Garnett. Med.cancer. Falando sobre o HPV: Papilomavírus Humano. 1ª Ed. 7: 33-38. Bras. 38: 255- 260. 19.. Batista LA et al. Aleixo NA et al.br. 2. Clín. Aspectos clínicos. Acesso em: 12/08/2009. 40: 152-60. 28. 17: 18-23.br Referências Bibliográficas 1. 21.com. 2005. Câncer de Colo de Útero: Análise Epidemiológica e Citopatológica no Estado do Rio Grande do Norte. 2005. Gompel C. Bras. 6. Bras.drashirleydecampos. Miranda AE et al. J. Detecção Sorológica de Anti-HPV 16 e 18 e sua associação com os achados do Papanicolau em adolescentes e mulheres jovens.gov. 7: 92-96. Brasília. 75: 160-164. 2007. Acesso em: 10 jun. Clin.a 13% (28). 39: 61-68. Disponível em: http://www. Anal. Bethesda 2001. São Paulo. Anal. Porto Alegre. Clin. 2007. atendidas em um ambulatório de doenças sexualmente transmissíveis. RS. Bras. 2005. Rev. Citologia ginecológica e suas bases anatomoclínicas. Obstet. Artigo Disponível em: http://www. Silva CRG et al. Epidemiologia e diagnóstico laboratorial de Trichomonas vaginalis. 14. 30. Michel RV et al. como por exemplo em um estudo na região amazônica que encontrou 28% de incidência para herpes vaginal (31). 19: 84-91. Lat. T Tanaka VA et al. 48: 202-210. 10. Manole Ltda. Rev. Acta Bioq.br. INCA. Campos S. 2000. Doen. 2009. Rev. SP. SP. Koss GL. 4: 33-36. Dra. 15. Saúde Pub. 7: 11-16. Epidemiologia do câncer uterino. Mello WA. 39: 179-81. Stival CO et al. 1994. 37: 215-218. W Tuon FFB et al. Dermatol. Manual de Procedimentos Técnicos e Administrativos. Prevalência de infecção do Papilomavirus. Rama CH et al. ashington. 2007d. NewsLab. 2006. Silva LM et al. 7. Bras. 108 NewsLab . Ministério da Saúde. Rev. Acesso em: 20 novembro 2009.bethesda2001. 2009. Anal. Espírito Santo. Bras. ransm. Bras. Rev.Bras. 2006. 26.edição 105 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful