Você está na página 1de 3

CAPÍTULO 10

O Espiritismo e a Bíblia

PERGUNTA: — Que podeis dizer sobre a Bíblia?


RAMATIS: — A Bíblia é um conjunto de antigos livros
que descreviam a vida e os costumes de vários povos. Mais
tarde foram agrupados e atribuídos a uma só etnia, conhe-
cida por hebréia.

PERGUNTA: Seria um tratado científico ou filosófico da


antigüidade desses povos?
RAMATIS: — Não; o seu principal valor e fundamento
é a revelação religiosa. O Velho Testamento, apesar do seu
sentido simbólico e alegórico, somente entendido pelos ini-
ciados da época, é repositório valioso da "revelação". Esse
sentido iniciático perde a nebulosidade com o progresso
científico do mundo atual; e a Bíblia parece-nos agora uma
história inverossímil e mesmo infantil. No entanto, quanto
à sua época, jamais poderia ser diferente!
Mas, à medida que cresce a compreensão humana e a
própria ciência do mundo, vai-se desvestindo a revelação
bíblica de suas alegorias iniciáticas ajustadas à época em
que foi escrita.

PERGUNTA: — Qual a causa da verdadeira ojeriza dos


espiritualistas modernos com referência à Bíblia? Principal-
mente os espíritas?
RAMATIS: — Desde que os espiritualistas crêem na

— 243 —
Ramatís

influência da hierarquia espiritual sobre a Terra, não


podem desprezar a Bíblia, embora não queiram admiti-la
como roteiro ou fonte de pesquisas e soluções espirituais.
Apesar de sua linguagem fantasiosa e alegórica, representa
o esforço máximo feito pelos Espíritos, no passado, no sen-
tido de se comprovar a glória, o poder e as intenções de
Deus.

PERGUNTA: — No entanto, todos os religiosos que ado-


tam a Bíblia consideram-na diretamente revelada da
"palavra de Deus"! Que dizeis?
RAMATIS: — Não se pode atribuir ao texto bíblico o
caráter vertical da "palavra de Deus"; mas os espíritas
sabem que se tratava de mensagens mediúnicas comunica-
das por emissários do Alto através de médiuns poderosos,
tal como Moisés, Jeremias e outros. A mentalidade dos
povos daquela época e o seu modo de vida exigiram que
as revelações não ultrapassassem a sua capacidade de
entendimento, tal como acontece hoje, quando o homem
moderno domina a terminologia de fluidos, ondas, átomos,
energias, radiações, forças mentais e etéricas.

PERGUNTA: — Mas a Bíblia estabelece a sua revelação


pela "Voz de Jeová", o que implica em se considerar direta-
mente do Criador!
RAMATIS: — O povo, muito supersticioso, não estava
preparado para aceitar e confiar nos poderes e revelações
de almas semelhantes aos seres humanos, o que enfraque-
ceria bastante a revelação espiritual. No entanto, a "Voz de
Jeová", ou de Deus, seria aceita unanimemente, quer pelo
temor, como pela impossibilidade de os hebreus avaliarem
a natureza sublime e poderosa do Senhor!
Mas a verdade é que, em seu fundamento, assentam-se
todos os esforços posteriores e o êxito no sentido de haver
sido compreendida a unidade de Deus, que Moisés depois
consolidou no Monte Sinai. Havia necessidade de os

— 244 —
A Missão do Espiritismo

médiuns, na época, atribuírem uma grande autoridade às


mensagens recebidas, a fim de serem acreditados pelos
seus conterrâneos. Aliás, a mentalidade humana não
mudou muito, pois ainda hoje, nos centros espíritas e ter-
reiros de Umbanda, os médiuns continuam a receber enti-
dades de elevada estirpe sideral, materializando-as de
modo a se promiscuírem com as paixões terrenas!
Os homens ainda não se aperceberam de que o ense-
jo mediúnico não tem por finalidade precípua a produção
de milagres, assistência incondicional às tricas do mundo
material e resolução de problemas humanos que pedem o
discernimento e a iniciativa pessoal. Ignoram que a presen-
ça dos elevados prepostos do Senhor obedece ao progra-
ma de libertação espiritual, em vez de contribuição no sen-
tido de maior satisfação nas atividades transitórias da maté-
ria. Tanto quanto no tempo de Moisés, hoje ainda se explo-
ra os desencarnados para solucionarem as conseqüências
nefastas das imprudências humanas!

PERGUNTA: — Acontece que, em face dos costumes tão


deformantes na atividade do povo judeu, narrados na
Bíblia, ficamos duvidando de sua eleição para o advento de
Jesus!
RAMATIS: — Porventura, o vosso país também não foi
profetizado como o "Coração do Mundo e Pátria do Evan-
gelho", (1) em face da divulgação profícua do Espiritismo?
No entanto, ainda perdura em seu povo a corrupção moral,
vícios degradantes, desarticulação social, infância subverti-
da, juventude transviada, desleixo administrativo e fanatis-
mos religiosos, conjugados às crises políticas, sociais e eco-
nômicas. Domina o crime nas favelas, o vício de entorpe-
centes e os desatinos nas épocas carnavalescas; grassa o
lenocínio e vulgarizam-se as uniões ilícitas pelo advento
1 — Vide a obra “Brasil, Coração do Mundo e Pátria do Evangelho”, pelo
espírito de Humberto de Campos, através de Chico Xavier. Obra editada pela
Livraria da Federação Espírita Brasileira; e “Elucidações do Além”, de Ramatis,
cap. I, págs. 7 a 12, editada pela Editora do Conhecimento.

— 245 —